Sites Grátis no Comunidades.net
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

  

 

Planeta Criança



Poesia & Contos Infantis

 

 

 


Honoré de Balzac
Honoré de Balzac

Honoré de Balzac

 

 

Depois de seu primeiro romance, O Ultimo Insurrecto, obra escrita à maneira de Walter Scott, em que se misturam uma história de amor e uma intriga policial, os títulos de Honoré de Balzac se sucederam a uma velocidade extraordinária: num período de vinte anos, ele publicou cerca de noventa romances e novelas, trinta contos e cinco peças de teatro. Foi o resultado surpreendente do fervor literário desse ex-estudante de Direito que dedicava cerca de 15 horas diárias à tarefa de escrever.
Paralelamente a esse trabalho gigantesco, Balzac leva uma vida mundana, frequentando os salões de Paris, realizando viagens e procurando em vão meios e medidas infalíveis de enriquecer, constante que o perseguirá durante toda a sua vida, com alternância de desastres e sucessos, e com a adoção de fugas ante o assédio dos credores.
De 1825 a 1828, Balzac lança-se aos negócios, sempre na expectativa de enriquecer rapidamente: associa-se a um livreiro, torna-se proprietário de uma tipografia, transforma-se em editor.
Ao final desse período, interessa-se pela carreira política, abraçando opiniões católicas e monarquistas, fundando sua doutrina conservadora sobre a autoridade política e religiosa.
Em janeiro de 1833 principia sua correspondência com a condessa Ewelina Hanska, uma admiradora polonesa, com quem se casaria anos depois, em 14 de maio de 1850, poucos meses antes de morrer.

O fluxo criador de Balzac pode ser desdobrado em três etapas: a primeira, que se estende até 1829, é um período de aprendizado; a segunda, que abrange o período de 1834 a 1842, é um período de consolidação e de fixação do seu sistema novelístico; e a terceira, que abrange o desenvolvimento entre 1842 e 1850, em que o universo romanesco de Balzac é unificado sob o título geral de A Comédia humana.
Nesse plano de ininterrupto impulso criador, pode-se afirmar que a vida de Balzac esteve literalmente colocada a serviço das exigências técnicas de suas obras.
A criação do mundo balzaquiano obedece a uma progressiva diversificação de situações, de personagens, de caracteres, de destinos humanos - um retrato de amplas dimensões da sociedade francesa da primeira metade do século 19.
Por suas qualidades, pela amplitude da área social tratada, pela técnica de que se vale o autor para a liberação de forças psicológicas e sociais nos próprios caracteres que movimenta, temos de admitir que a história do romance no Ocidente se divide em duas metades: antes e depois de Balzac.

A obra de Balzac é uma visão sistematizada da vida e do mundo; um universo de sentimentos e de emoções mobilizados para a posse e o gozo de certos valores, sobretudo materiais, uma luta brutal para a fruição do dinheiro.
O pano de fundo desse universo novelístico são as novas estruturas sociais e as novas instituições políticas que advieram com o império napoleônico. Paradoxalmente, o monarquista e legitimista Balzac é quem revela à Europa e ao mundo ocidental as consequências da Revolução Francesa.
Suas ideias básicas sobre a arte do romance e sobre as técnicas da sua realização acham-se expostas, através de um sistema coerente, no prefácio de abertura da Comédia humana, fonte principal do ideário estético de Balzac. Ele foi o primeiro escritor a reunir num ciclo de romances o estudo da vida social inteira, processo que Émile Zola tentará seguir.
A observação balzaquiana mostra obsessão pelos detalhes: seus heróis são seres de carne e osso que comem, bebem e se relacionam sob o domínio de paixões fortes, e de quem se ficam conhecendo exaustivamente o físico, o vestuário, a habitação, o prestígio individual ou familiar, a fortuna pessoal, o status social e o domicílio.
Balzac utiliza-se de um realismo que nunca se atomiza, mas, antes, liga e corporifica as espécies sociais como se fosse um método classificatório transposto das ciências zoológicas para a criação literária. Sua meta é a de penetrar a estrutura de uma sociedade inteira por meio de suas causalidades específicas. Trata-se de uma preciosa documentação sobre o panorama da sociedade francesa.
O realismo é a característica central de sua obra, e tanto as espécies sociais quanto o meio ambiente fornecem à matéria romanesca a dimensão histórica em que se apoia. Balzac, patrono do romance no Ocidente, é ao mesmo tempo também um historiador de costumes; sua minúcia documentária coloca-o, sem dúvida, como precursor do realismo moderno.

 

 

 

A OBRA PRIMA IGNORADA

EUGÊNIA GRANDET  

O ELIXIR DA LONGA VIDA

O XALE DE SELIM 

 MULHER DE TRINTA ANOS

SARRASINE 

 

  

 

Carlos Cunha   Texto & Produção Visual