Sites Grátis no Comunidades.net Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

  

 

Planeta Criança



Poesia & Contos Infantis

 

 

 


Tchecov
Tchecov

Anton Pavlovitch Tchecov

 

 

Anton Pavlovitch Tchecov (Taganrog, 29 de janeiro de 1860 — Badenweiler, 15 de julho de 1904), foi um médico, dramaturgo e escritor russo, considerado um dos maiores contistas de todos os tempos.Em sua carreira como dramaturgo criou quatro clássicos e seus contos têm sidos aclamados por escritores e críticos.Tchecov foi médico durante a maior parte de sua carreira literária, e em uma de suas cartas ele escreve a respeito: "A medicina é a minha legítima esposa; a literatura é apenas minha amante."

Tchecov renunciou do teatro e deixou de escrever obras teatrais após a péssima recepção de A Gaivota em 1896, mas a obra foi reencenada e aclamada em 1898, interpretada pela companhia Teatro de Arte de Moscou de Constantin Stanislavski que interpretaria também Tio Vânia, As Tres Irmãs e O Jardim das Cerejeiras. Estas quatro obras representam um desafio para os atores, bem como para o público, porque no lugar da atuação convencional Tchecov oferece um "teatro de humores" e uma "vida submersa no texto". Nem todos apreciaram o desafio: Liev Tolstói disse a Tchecov: "Sabe, eu não consigo tolerar Shakespeare, mas suas peças são ainda piores". No entanto, Tolstói admirava os contos de Tchecov.

A princípio Tchecov escrevia simplesmente por razões financeiras, mas sua ambição artística cresceu, e ele fez inovações formais que influenciaram na evolução dos contos modernos. Sua originalidade consiste no uso da técnica de fluxo de consciência, mais tarde adotada por James Joyce e outros modernistas, além da rejeição do propósito moral presente na estrutura das obras tradicionais. Ele nunca fez nenhum pedido de desculpas pelas dificuldades impostas aos leitores, insistindo que o papel de um artista era o de fazer perguntas, não o de respondê-las.

 

  

  

 

A APOSTA

A BOTICÁRIA 

A COMENDA

A CONDECORAÇÃO

A DAMA DO CACHORRINHO 

A ENFERMARIA NÚMERO SEIS

A ESPOSA

A FEITICEIRA

A LINGUARUDA 

A MORTE DO FUNCIONÁRIO  

A MULHER DO FARMACÊUTICO  

AS TRÊS IRMÃS  

A OBRA DE ARTE 

BORBOLETA  

CRONOLOGIA VIVA 

DÔ-DOCE

NO MAR DACRIMÉIA  

O ADULADOR 

O BILHETE PREMIADO 

O BISPO  

O INIMIGO 

OLHOS MORTOS DE SONO  

O MONGE NEGRO    

O MENDIGO

O VINGADOR  

SEM TÍTULO

UMA CURISTA

UM ASSASSINATO

UM CASO MÉDICO  

VIZINHOS

 

 

Carlos Cunha  Arte & Produção Visual