Sites Grátis no Comunidades.net
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

  

 

Planeta Criança



Poesia & Contos Infantis

 

 

 


Juan Valera
Juan Valera

Juan Valera

 

 

Juan Valera e Alcalá Galiano (Cabra, Córdoba, 18 de outubro de 1824 - Madrid, 18 de abril, 1905) foi um escritor, diplomata e político espanhol.

Filho de José Valera e Viana e de Dolores Alcalá-Galiano, Marquesa do Paniega. Ele estudou línguas e filosofia no seminário de Málaga entre 1837 e 1840 e da escola de Sacromonte de Granada em 1841. Em seguida iniciou estudos em filosofia e direito na Universidade de Granada. Ele começou a exercer a carreira diplomática em Nápoles próximo embaixador e poeta Ángel de Saavedra, Duque de Rivas; Lá ele passou dois anos e aprender grego e significa forjar uma amizade profunda com Lucía Paladí, Marquês de Bedmar, "A senhora grega" ou "La Muerta", como ele gostava de chamá-lo, que ele amava e que o marcou muito. Mais tarde, alvo diferente levou-o a viajar para a Europa e América: Dresden, São Petersburgo, Lisboa, Rio de Janeiro, Nápoles, Washington, Paris, Bruxelas e Viena. Todas estas viagens comprometeu-se em uma divertido correspondência excepcionalmente bem escrito e imediatamente publicado sem o seu conhecimento em Espanha, que incomodava bastante, talvez não salva dados sobre seus múltiplos negócios. Especialmente importante foi o seu amor da atriz Madeleine Brohan.

Em 1858 ele se aposentou e decidiu estabelecer-se em Madrid, onde iniciou uma carreira política halfhearted: foi um deputado para Archidona, oficial do Secretário de estado, vice-ministro e Ministro da instrução pública com Amadeu de Sabóia. Em 1860, ele explicou para o Ateneo de Madrid crítica da nossa história de poesia com um enorme sucesso. Em 1861 casou-se em Paris Dolores Delavat. Em 1862, foi eleito membro da Real Academia Espanhola . Ele foi embaixador em Lisboa, Bruxelas, Viena e Washington; nesta última cidade manteve um caso amoroso com a filha do Secretário de estado, Katherine C. Bayard, que acabou cometendo suicídio. Durante seus últimos anos, sofrendo de cegueira, manteve uma famosa noite reunindo em sua casa em Madrid que fui incluindo Marcelino Menéndez Pelayo e Ramón Pérez de Ayala.

Colaborou em várias revistas desde... como um aluno fazê-lo de La Alhambra. Foi diretor de uma série de jornais e revistas, fundou O Cocora e o contemporâneo e escreveu na revista dos dois mundos, revista Peninsular, O estado, A América, o mundo pitoresco, La Malva, La Esperanza, pensei que o espanhol e muitas outras publicações. Ele foi dos Cortes, Secretário do Congresso e foi dedicado ao mesmo tempo a literatura e crítica literária. Pertencia à época do romantismo, mas nunca foi um homem ou um escritor romântico, mas um epicurista andaluz, culta, irônico e amante do sexo.

Há muito tempo, expandiu sua cultura através de viagens e um estudo constante. Hispanista e escritor Gerald Brenan diz que foi o melhor crítico literário do século XIX após Menéndez Pelayo; sempre agi acima e além da moda literária do seu tempo, regido por princípios estéticos gerais de viés idealista. Foi um dos espanhóis mais cultos do seu tempo, dono de uma memória prodigiosa e um grande conhecimento do grego e latim clássicos; Além disso, ele falou, leu e escreveu o francês, italiano, inglês e alemão. Ele tinha fama de epicurista, elegante e de bom gosto em sua vida e suas obras e era um homem muito admirado de cartas como um divertido estilista e seu talento para delinear a psicologia de seus personagens, especialmente a fêmea; o romance, a história (livro VI do geral da história de Espanha de Modesto Lafuente e alguns artigos) e poesia; cultivada no ensaio, crítica literária, história, declarado seus escritores de admiração como José Martínez Ruiz, Eugenio D'Ors e modernistas (suas críticas apresentaram para os espanhóis a dimensão real e os méritos da obra de Rubén Darío).

Ideologicamente, era um liberal moderado, tolerante e elegantemente cético em religião, o que explicaria a abordagem de alguns dos seus romances, o mais famoso dos quais permanece Pepita Jiménez  (1874), originalmente publicado por parcelas na "revista da Espanha", traduzido em dez línguas em seu tempo e que vendeu mais de 100.000 cópias; o grande compositor Isaac Albéniz fez uma ópera com o mesmo título.

Ele era tio do escultor Lorenzo Coullaut Valera, que exatamente seria responsável para o monumento que foi dedicado a ele do Paseo de Recoletos de Madrid.

 

 

O COZINHEIRO DO ARCEBISPO

 

Carlos Cunha  Arte & Produção Visual