Sites Grátis no Comunidades.net
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

  

 

Planeta Criança



Poesia & Contos Infantis

 

 

 


Nicolau Maquiavel
Nicolau Maquiavel

Nicolau Maquiavel

 

 

Nicolau Maquiavel (1469-1527) foi um filósofo e político italiano, autor da obra-prima "O Príncipe". Foi profundo conhecedor da política da época, estudou-a em suas diferentes obras. Viveu durante o governo de Lourenço de Médici. Realista e patriota, definiu os meios para erguer a Itália.

Ele nasceu em Florença, Itália, no dia 3 de maio de 1469. Sua família de origem Toscana, participou dos cargos públicos por mais de três séculos. Filho de Bernardo Maquiavel, jurista e tesoureiro da província de Marca de Ancona, e de Bartolomea Nelli, ligada à ilustre família de Florença.

Em 1494, foi copista, de Marcelo Virgílio Adriani, professor de literatura grega e latina e foi secretário da República de Florença. Com 29 anos foi nomeado chanceler na Segunda Chancelaria e depois nomeado secretário dos Dez Magistrados da liberdade e da paz. Exerceu esse cargo por mais de quatorze anos. A ele foram confiadas vinte e três missões no exterior, e a redação de vários documentos.

Em 1502 recebeu de César Bórgia, a função de tratar com o Duque Valentino, em nome do governo de Florença, das ações para mudar o curso dos acontecimentos políticos. César Bórgia era filho de Rodrigo Bórgia, futuro Papa Alexandre VI, Capitão Geral da Igreja Católica em Roma e estadista inescrupuloso. Dominava o governo papal e usava todos os meios para conquistar novas terras e estender o domínio dos Bórgia na Itália. O contato com o Duque Valentino foi importante para o desenvolvimento do seu pensamento e os seu destino como escritor político.

Nicolau Maquiavel estabeleceu em 1505, o projeto da milícia nacional para substituir as tropas mercenárias, aprovadas pelo governo. Com o fim da república em 1512, Maquiavel perdeu o cargo de secretário da Senhoria e é exilado em Florença. Em 1513 numa conspiração para eliminar o cardeal Giovanni de Médici, foi preso como suspeito e torturado.

Exilado nos arredores de Florença, exerceu suas atividades literárias, que na maior parte, data desse período "O Príncipe", "Os Discursos sobre a Primeira Década de Tito Lívio", "OS Sete Livros sobre a Arte da Guerra", "As Comédias". Um ano depois foi beneficiado pela anistia, pelo papa Leão X.

Sua obra-prima "O Príncipe", um manual sobre a arte de governar, inspirou-se no estilo político de Cesare Bórgia e revela a preocupação com o momento histórico da Itália, fragilizada pela falta de unidade nacional, alvo de invasões e intrigas diplomáticas. Rompeu com a ética cristã ao defender a adoção de uma moral própria no tratamento dos negócios de Estado. Considerava legítimo o uso da violência contra os opositores dos interesses estatais.

De volta à Florença, sob às graças dos Médici, conseguiu do Cardeal Gíulio de Médici a função remunerada de escrever a história de Florença. Depois foi encarregado de inspecionar as fortificações e negociar com o governador de Romanha, Francesco Guicciardini. O seu último cargo foi uma missão junto ao exército da Liga contra Carlos V. Em 1527, na volta de uma viagem a Cività Vecchia, adoeceu e morreu no dia 22 de julho. Seu corpo foi sepultado na Igreja da Santa Cruz, em Florença.

 

 

O PRÍNCIPE

 

Carlos Cunha  Arte & Produção Visual