Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

  

 

Planeta Criança



Poesia & Contos Infantis

 

 

 


A COR DA MAGIA / Terry Pratchett
A COR DA MAGIA / Terry Pratchett

 

 

Biblioteca Virtual do Poeta Sem Limites

 

 

A COR DA MAGIA

 

NUM DISTANTE CONJUNTO DE DIMENSÕES de segunda mão, num plano astral que não fora destinado a voar, a névoa estelar flutua e se dissipa...

Veja...

Grande A’Tuin, a Tartaruga, surge lentamente nadando pelo abismo interestelar, com gelo de hidrogênio nas patas pesadas e crateras meteoríticas na enorme e primitiva carapaça. Com olhos do tamanho de oceanos cobertos de lágrimas e poeira de asteróide, olha fixamente para o Alvo.

No cérebro maior do que uma cidade, e em lentidão geológica, Ela pensa somente no Peso.

É claro que a maior parte do peso se deve a Berilia, Tubul, Grande T’Phon e Jerakeen, os quatro elefantes gigantescos cujos ombros largos e bronzeados pelos astros sustentam o imenso mundo do disco, o Discworld, rodeado pela longa queda-d’água em sua vasta circunferência e coroado pela abóbada azul-bebê do Paraíso.

A astropsicologia ainda não conseguiu determinar o que pensam os quatro animais.

A Grande Tartaruga era uma mera hipótese até o dia em que o pequeno e obscuro reino de Krull, cujas montanhas se projetam sobre a beira, construiu uma enorme grua com roldanas na ponta do penhasco mais íngreme e por esse mecanismo vários observadores desceram pela Borda, numa nave de bronze com janelas de quartzo, para que enxergassem através da cortina de névoa.

Os antigos astrozoólogos, puxados de volta por enormes grupos de escravos, conseguiram retornar com muitas informações acerca da forma e da natureza de A’Tuin e dos elefantes, mas isso não resolveu questões fundamentais da essência e do propósito do universo.

Por exemplo, qual era afinal o sexo de A’Tuin? Essa pergunta vital, diziam os astrozoólogos cada vez mais respeitados, só seria respondida quando uma grua maior e mais potente fosse construída para uma nave espacial. Enquanto isso não acontece, podiam apenas especular sobre o cosmo.

Havia, por exemplo, a teoria de que A’Tuin viera de lugar nenhum e continuaria a se arrastar de maneira regular, em marcha constante rumo a lugar nenhum, para todo o sempre. A teoria era muito bem-aceita entre os acadêmicos.

Uma alternativa, preferida pelos religiosos, era a de que A’Tuin rastejava do Lugar de Origem à Época de Acasalamento - bem como todas as estrelas no céu, obviamente também carregadas por tartarugas gigantescas. Quando chegasse o momento, se acasalariam com enorme paixão e por pouco tempo, pela primeira e última vez. Dessa ardente união nasceriam novas tartarugas, que originariam novos modelos de mundo. Essa hipótese era conhecida como Big-Bang.

E foi assim que um jovem cosmoquelônio da facção Marcha Constante, testando o novo telescópio com que esperava medir as dimensões exatas da córnea do olho direito de A’Tuin nessa noite agitada, acabou sendo a primeira pessoa de fora a ver fumaça subir em direção ao Centro, vinda do incêndio da cidade mais antiga do mundo.

Naquela noite, mais tarde, o jovem se viu tão compenetrado nos estudos que se esqueceu completamente do ocorrido. Não obstante, ele foi o primeiro.

Houve outros...

 

 

O FOGO RUGIA NA CIDADE GEMINADA de Ankh. No Bairro dos Magos, ardia uma chama azul e verde mesclada por estranhas centelhas da oitava cor, a octarina. Nos tanques e nos depósitos de combustível da Rua do Mercado as chamas avançavam, provocando uma série de explosões de onde subiam jorros flamejantes. Nas ruas dos fabricantes de perfume, a fumaça era mais doce. Nos depósitos dos curandeiros, atingia molhos de raras ervas secas e fazia os homens enlouquecerem e falarem com Deus.

A essa altura, todo o centro da cidade de Morpork estava iluminado e os habitantes mais ricos e ilustres de Ankh reagiam bravamente, demolindo as pontes com fervor para que o fogo não avançasse. Mas os navios nas docas de Morpork - carregados de cereais, algodão e madeira e cobertos de alcatrão - já queimavam e, como as amarras viraram pó, avançavam na maré baixa do Rio Ankh, incendiando palácios e caramanchões à medida que eram levados para o oceano como vagalumes prestes a se afogar. As fagulhas voavam com a brisa e caíam por toda parte, até muito além do rio, em jardins escondidos e campos remotos.

A fumaça do incêndio subia vários quilômetros numa coluna negra esculpida pelo vento que se podia entrever por todo o Discworld.

Era verdadeiramente impressionante avistá-la da colina fria e escura a quilômetros de distância. Era dali que aqueles dois indivíduos a observavam com considerável interesse.

O mais alto da dupla comia uma coxa de frango e se apoiava numa espada que era só um pouco menor do que um homem de tamanho médio. Se não fosse pelo ar de inteligência que apresentava, poderíamos imaginar que se tratava de um bárbaro dos desertos da Centrolândia.

Seu companheiro era bem mais baixo e estava coberto dos pés à cabeça com uma capa marrom. Mais tarde, quando ele tiver oportunidade de andar, veremos que se move com leveza, de modo quase furtivo.

Os dois mal haviam se falado nos últimos vinte minutos, a não ser pela breve discussão a respeito do barulho de uma explosão particularmente forte na direção de um depósito de combustível ou da oficina de Kerrível, o Mágico. Havia dinheiro em jogo.

Agora o homem grande acabava de roer o osso e jogava os restos na grama, sorrindo com pesar.

- Lá se vão todos aqueles becos - lamentou. - Eu gostava dos becos.

-Todos os tesouros - disse o homem pequeno. E então acrescentou, pensativo: - Pedra preciosa queima? Tenho minhas dúvidas. Dizem que as pedras são da mesma família do carvão.

- Todo o ouro derretendo e correndo pelas valas - continuou o maior, ignorando o outro. - E todo o vinho fervendo nos barris.

- Tinha ratos - argumentou o companheiro.

- Ratos, é verdade.

- Não era lugar para passar o alto verão.

- Eu sei. Mas não posso deixar de sentir um... bem, uma espécie de...

Ele se deteve, então pareceu mais animado.

- A gente devia oito moedas de prata ao Fredor da Sanguessuga Carmesim - acrescentou.

O pequeno concordou.

Os dois ficaram em silêncio por um tempo, enquanto novas explosões riscavam um traço vermelho numa parte até então escura da maior cidade do mundo. O homem grande se agitou.

- Manhoso?

- O quê?

- Fico imaginando quem começou esse fogo.

O pequeno espadachim conhecido por Manhoso não disse nada. Ele observava a estrada sob o clarão avermelhado. Poucos tinham vindo dali, já que o Portão Deosil fora o primeiro a desmoronar numa avalanche de brasas.

Mas agora vinham dois. Os olhos de Manhoso, sempre mais aguçados no escuro e à meia-luz, distinguiram os vultos de dois homens a cavalo e algum outro animal baixo indo atrás. Sem dúvida, um comerciante rico fugindo com a maior quantidade de bens em que conseguira pôr as mãos ávidas. Manhoso falou isso para o companheiro, que suspirou.

- A fama de assaltante não nos cai nada bem - disse o bárbaro -, mas, como você diz, são tempos difíceis. Esta noite não vai ter moleza.

Então mudou a empunhadura da arma e, quando o cavaleiro que vinha à frente se aproximou, avançou para a estrada com a mão erguida e o rosto exibindo um sorriso bem calculado, para tranqüilizar ao mesmo tempo em que ameaçava.

- Com licença, senhor... - começou ele.

O cavaleiro puxou as rédeas e tirou o capuz. O homem grande viu o rosto cheio de queimaduras superficiais e os tufos de barba chamuscada. Até as sobrancelhas haviam desaparecido.

- Dê o fora-disse o cavaleiro. -Você é Bravd de Centrolândia, não é?

 

Aqui, talvez valha a pena fazer algumas observações sobre a forma e a cosmologia do sistema do Discworld.

Existem, é claro, dois sentidos principais no disco: o centro e a borda. Mas como o próprio disco gira à velocidade de uma vez a cada oitocentos dias (de acordo com o Reforgule de Krull, com o objetivo de distribuir o peso de maneira justa entre os paquidermes que o sustentam), também há dois sentidos secundários, que são o horário e o anti-horário.

Como o pequenino sol do Discworld mantém uma órbita fixa enquanto o imponente disco gira lentamente abaixo dele, podemos deduzir que o ano no Discworld consiste não em quatro, mas em oito estações. Verão é quando o sol nasce ou se põe perto da Borda. Inverno, a época em que nasce ou se põe num ponto cerca de 90 graus ao longo da circunferência.

Assim, nas regiões ao redor do Mar Círculo, o ano começa no Reveillon dos Porcos, passa pela Primavera em Flor até o primeiro verão (Véspera dos Pequenos Deuses), seguido por Auge do Outono e - atravessando o meio exato do ano, Cruelmaré - Inverno Secundus (também conhecido por Rocainverno, já que, nessa época, o sol nasce no sentido de rotação). Então vem a Primavera Secundus, com Verão II no encalço, e o marco dos três quartos do ano é a noite de Inatividade Geral - de acordo com as lendas, única noite do ano em que bruxas e feiticeiros não saem da cama. Depois, folhas trazidas pelo vento e noites frias se arrastam para Rocainverno de Efeito e um novo Reveillon dos Porcos se aconchega como uma jóia gelada em seu coração.

Como o Centro nunca é aquecido de perto pelo sol fraco, a região está sempre gelada. A Borda, por sua vez, é um local de ilhas ensolaradas e dias deliciosos. Existem, é claro, oito dias na semana do Discworld e oito cores em seu espectro visível. Oito é um número de grandes significados ocultos no disco e jamais deve ser dito por um mago.

O motivo exato do que foi dito acima ser dessa forma não está claro, mas explica um pouco por quê, no Discworld, os Deuses são mais criticados do que venerados.

 

Bravd se deu conta de que não fora feliz na iniciativa.

- Suma daqui - ordenou o cavaleiro. - Não tenho tempo para você, entendeu?

Então olhou ao redor e acrescentou:

- E isso também serve para aquele seu parceiro pulguento que vive no esgoto, onde quer que esteja se escondendo.

Manhoso surgiu na frente do cavalo e encarou a figura descabelada.

- Ora, é o mago Rincewind, não é? - perguntou com ar satisfeito, enquanto registrava na memória a descrição que o mago fizera dele, para uma futura vingança. - Achei que tinha reconhecido a voz.

Bravd cuspiu e guardou a espada. Não valia a pena se meter com magos - até porque nunca tinham qualquer coisa de valor.

- Ele fala com bastante arrogância para um simples mago - Bravd sussurrou.

- Você não entendeu nada - disse Rincewind, cansado. - Tenho tanto medo de você que meus ossos viraram geléia. Quando essa overdose de terror passar, vou poder ficar apavorado de maneira mais decente.

Manhoso apontou para a cidade em chamas.

- Passou por lá? - perguntou.

O mago esfregou os olhos com a mão em carne viva.

- Eu estava lá quando tudo começou. Está vendo ali atrás?

Ele apontou para o ponto da estrada onde o companheiro de viagem se esforça para chegar, tendo adotado um método de equitação que consistia em cair da sela a cada poucos segundos.

- O que é que tem? - perguntou Manhoso.

- Foi ele quem começou - respondeu Rincewind direto.

Bravd e Manhoso olharam para o rapaz, agora pulando na estrada com um pé no chão e outro no estribo.

- Incendiário? - perguntou Bravd, afinal.

- Não - respondeu Rincewind. - Não exatamente. Digamos que, se o caos completo e absoluto descesse sobre nós, ele seria do tipo que, durante uma tempestade, sobe à montanha usando armadura de cobre e grita “Todos os deuses são uns cretinos!” Tem comida?

- Tem um pouco de frango - disse Manhoso. - Em troca de uma história.

- Qual é o nome dele? - quis saber Bravd, que costumava ficar para trás nas conversas.

- Duasflor.

- Duasflor? - surpreendeu-se o bárbaro. - Que nome engraçado!

- Vocês - disse Rincewind, descendo do cavalo - não sabem nem da metade. Frango, é?

- Bem temperado - informou Manhoso.

O mago soltou um gemido.

- Isso me faz lembrar de uma coisa - acrescentou Manhoso, estalando os dedos. - Teve uma explosão forte mais ou menos meia hora atrás...

- Foi o depósito de combustível do porto indo pelos ares - informou Rincewind, estremecendo com a lembrança da chuva ardente.

Manhoso se virou e sorriu para o companheiro, que resmungou e lhe passou uma moeda tirada do bolso. Então houve um grito, abruptamente interrompido, vindo da estrada. Rincewind não tirou os olhos do frango.

- É uma das coisas que ele não sabe fazer, não sabe andar a cavalo - explicou.

Então ficou duro, como se acometido por uma súbita recordação, deu um gritinho de horror e saiu em disparada na escuridão. Quando voltou, carregava o indivíduo chamado Duasflor no ombro. O rapaz era pequeno e franzino e estava vestido de um jeito muito estranho, com uma camisa e uma calça que lhe descia até os joelhos - num contraste tão forte e violento de cores, que feriu os olhos sensíveis de Manhoso mesmo à meia-luz.

- Até onde dá para sentir, não quebrou nenhum osso - avaliou Rincewind.

O mago respirava com dificuldade.

Bravd piscou para Manhoso e foi investigar o vulto que os dois imaginavam se tratar de um animal de carga.

- É melhor esquecer - avisou o mago, sem desviar os olhos do inconsciente Duasflor. - Pode acreditar. Existe uma força que protege isso.

- Um feitiço? - perguntou Manhoso, agachando-se.

- Nã-ã-ão. Mas acho que é uma espécie de magia. Não dessas comuns. Quer dizer, pode transformar ouro em cobre apesar de, ao mesmo tempo, continuar sendo ouro. Deixa que homens ricos destruam suas posses, faz os fracos andarem sem medo entre bandidos, e atravessa as portas mais pesadas para derreter os tesouros mais protegidos. Até mesmo eu fui escravizado, de modo que preciso acompanhar esse maluco a contragosto e defendê-lo do perigo. É mais forte do que você, Bravd. E imagino que seja mais esperto até do que você, Manhoso.

- Então qual é o nome dessa magia tão poderosa? Rincewind encolheu os ombros.

- Na nossa língua, é chamada de som-refletido-de-espíritos-ocultos, Tem vinho?

- Você deve saber que não me ligo muito em magia - disse Manhoso. - Só no ano passado, com a ajuda do meu amigo aqui, fiz o Arquiadivinho de Ymitury se despedir dos empregados, do cinto de jóias lunares e da vida, mais ou menos nessa ordem. Não tenho medo desse som-refletido-de-espíritos-ocultos de que você está falando. Mas - acrescentou ele - fiquei interessado. Quem sabe você pode contar mais...

Bravd olhou para o vulto na estrada. Já estava mais próximo e visível sob a luz que antecedia a alvorada. Parecia exatamente uma...

- Uma caixa com pernas? - perguntou ele.

- Vou contar para vocês - disse Rincewind. - Se tiverem vinho, é claro.

Lá embaixo, no vale, houve um estrondo e um zumbido. Alguém mais imaginoso do que o resto da população havia mandado fechar as grandes comportas do rio, que ficavam no ponto em que o Ankh deixava a cidade gêmea. Impossibilitado de escoar, o rio transbordara e se alastrava pelas ruas incendiadas. Logo o continente de chamas se transformou numa série de ilhas, cada qual diminuindo de tamanho à medida que a maré negra se elevava. E acima da cidade tomada pela fumaça, subiu a nuvem quente de vapor que cobriu as estrelas. Manhoso achou que parecia um cogumelo ou um fungo escurecido.

A cidade formada pela orgulhosa Ankh e pela pestilenta Morpork, da qual todas as outras cidades no tempo e no espaço são mero reflexo, sofreu muitos ataques em toda a sua longa e tumultuada história e sempre conseguiu reflorescer. Portanto, o incêndio e depois a enchente - que destruiu tudo o que restava e que não tinha sido queimado, acrescentando ainda um cheiro terrível aos problemas dos sobreviventes - não assinalaram seu fim. Foram antes um sinal de pontuação, uma vírgula em brasa ou um ponto-e-vírgula em chamas, numa história que prossegue.

Vários dias antes desses acontecimentos, um navio chegou a Ankh na maré matutina e parou, entre muitos outros, na confusão de cais e docas na costa de Morpork. Levava um carregamento de pérolas rosadas, nozes-lácteas, pedras-pomes algumas cartas oficiais para o Patrício de Ankh e um homem.

Foi o homem que chamou a atenção de Cego Hugh, um dos mendigos de plantão no Porto Pérola aquela manhã. Ele cutucou Coxo Wa na altura das costelas e apontou em silêncio.

Agora o forasteiro estava no cais, observando os diversos marinheiros que se esforçavam para carregar uma grande arca de bronze pela prancha de desembarque. Outro homem, obviamente o capitão, estava a seu lado. Todos os nervos no corpo de Cego Hugh, que vibravam mesmo na presença da menor quantidade de ouro impuro, alertavam seu cérebro para um certo ar misterioso nos marinheiros. Um ar de quem antevê o enriquecimento iminente.

De fato, quando a arca foi depositada no chão, o forasteiro meteu a mão numa bolsa e houve um barulho de moeda. Várias moedas. Ouro. Cego Hugh, chiando como gordura quente em água fria, assobiou. Então cutucou Wa outra vez e mandou que fosse às pressas ao centro da cidade através de um beco próximo.

Quando o capitão voltou ao navio, deixando o recém-chegado meio que aturdido no cais, Cego Hugh pegou a caneca de mendigar e atravessou a rua com um olhar insinuante. Ao vê-lo, o forasteiro se pôs a revirar a bolsa de dinheiro, apressado.

- Bom dia, excelência - começou Cego Hugh, então se dando conta de que estava enxergando um rosto com quatro olhos.

Ele se virou para correr.

- ! - fez o estranho e lhe segurou o braço.

Hugh notou que os marinheiros alinhados na amurada do navio riam dele. Ao mesmo tempo, seus sentidos especiais detectaram um sinal muito forte de dinheiro. Ele parou. O forasteiro o soltou e logo corria o dedo pelo livrinho preto que havia tirado do cinto. Então disse:

- Oi.

- O quê? - perguntou Hugh.

O homem parecia hesitante.

- Oi - repetiu ele mais alto do que o necessário e com tanto cuidado que Hugh pôde ouvir as vogais tinirem.

- Oi, você - rebateu Hugh.

O forasteiro abriu um sorriso e mexeu de novo na bolsa. Dessa vez, tirou uma grande moeda de ouro. Na verdade, era um pouco maior do que a de 8 mil dólares ankhianos, e o desenho não era nada familiar, mas, na cabeça de Hugh, tratava-se de uma língua que ele entendia perfeitamente. Meu dono atual, dizia o objeto, precisa de socorro e auxílio. Por que não dar isso a ele e então podemos ir a algum lugar e nos divertir?

Mudanças sutis na postura do mendigo fizeram o forasteiro se sentir mais à vontade. Então ele consultou o livrinho outra vez.

- Eu gostaria de ser levado a um hotel, albergue, abrigo de caravanas ou a uma hospedaria, pensão, pousada - pediu ele.

- O quê? A tudo isso? - perguntou Hugh, surpreso.

- ? - fez o forasteiro.

Hugh notou que um pequeno grupo de peixeiros, catadores de mariscos e palermas autônomos vinha observando a conversa com interesse.

- Olhe só - disse ele. - Eu conheço uma boa pensão, pode ser?

Então se arrepiou só de pensar na idéia da moeda de ouro lhe escapar das mãos. Ficaria com essa, mesmo que Ymor confiscasse todo o resto. E, de qualquer modo, a grande arca que compreendia a maior parte da bagagem do recém-chegado parecia estar cheia de ouro.

O homem de quatro olhos investigou o livro.

- Eu gostaria de ser levado a um hotel, local de repouso, pensão, a...

- Está bem, já entendi. Então vamos - propôs Hugh, com pressa.

Pegou uma das trouxas e saiu a toda. O forasteiro, depois de uns instantes de hesitação, foi atrás.

Um pensamento correu pela cabeça de Hugh. Levar o recém-chegado a Tambor Quebrado com tanta facilidade foi sem dúvida um golpe de sorte e ainda era provável que Ymor o recompensasse. Mas, apesar de toda a candura do rapaz, havia qualquer coisa nele que incomodava Hugh, mesmo que ele não conseguisse descobrir o que era. Não se tratava dos dois olhos extras, apesar de serem estranhos. Havia alguma outra coisa. Ele deu uma olhada para trás.

O rapazote caminhava no meio da rua, observando tudo à volta com uma expressão de enorme interesse.

Outra coisa que Hugh viu quase o fez gritar. A grande arca de madeira, que ele havia visto pela última vez solidamente assentada no cais, estava seguindo os passos do dono num andar suave e gingado. Devagar, como se um movimento súbito de sua parte pudesse abalar o frágil controle que tinha sobre as pernas, Hugh se inclinou um pouco para olhar debaixo da arca. Havia uma infinidade de perninhas.

Cauteloso, Hugh se virou e seguiu com todo o cuidado para a Tambor Quebrado.

 

- Estranho - disse Ymor.

- Ele tinha uma arca enorme de madeira - acrescentou Coxo Wa.

- Deve ser comerciante ou espião - avaliou Ymor.

Então arrancou um pedaço da costeleta que tinha na mão e atirou para cima. A carne não chegara a atingir o ponto mais alto de seu arco quando um vulto negro saiu das sombras de um canto da sala e se atirou sobre o naco, pegando-o no ar.

- Comerciante ou espião - repetiu Ymor. - Eu prefiro que seja espião. Com espião, ganhamos duas vezes porque tem sempre a recompensa quando o entregamos. O que você acha, Withel?

De frente para Ymor, o segundo maior ladrão de Ankh Morpork fechou o único olho pela metade e encolheu os ombros.

- Investiguei a embarcação - disse ele. - É um navio mercante autônomo. De vez em quando vai até às Ilhas Morenas. Lá só tem selvagens. Não entendem nada de espiões e imagino que comam comerciantes.

- Ele parece comerciante - sugeriu Wa. - Só que magro.

Houve uma agitação de asas na janela. Ymor se levantou e cruzou a sala, voltando com um corvo grande nas mãos. Então, tirou a cápsula com a mensagem da perna do animal, que voou para se juntar aos companheiros escondidos nas vigas do telhado. Withel observou a ave sem qualquer afeição. Os corvos de Ymor eram notoriamente leais ao dono. A ponto de na única tentativa de Withel - que era seu braço direito - para atingir o posto de maior ladrão de Ankh-Morpork ter lhe custado o olho esquerdo. Mas não a vida. Ymor jamais censurava as ambições de alguém.

- B12 - anunciou Ymor, jogando fora o frasquinho e estendendo o minúsculo rolo de papel que havia dentro.

- Gorrin, o Gato - disse Withel de maneira automática. - Estação da torre do gongo, no Templo dos Pequenos Deuses.

- Diz que Hugh levou o forasteiro para a Tambor Quebrado. Até aí, tudo bem. Grandão é nosso amigo, não é?

- É - respondeu Withel. - Se ele sabe o que é bom para os negócios.

-Aliás, um dos fregueses dele é o seu amigo Gorrin - constatou Ymor com prazer - porque ele fala aqui sobre uma caixa com pernas, se é que estou entendendo o garrancho.

Ele encarou Withel por sobre a folha. Withel desviou o olhar.

- Ele vai ter o que merece - disse com indiferença.

Wa olhou para o homem recostado na cadeira - vestido de preto descansando com tanta indolência quanto um puma da Bordalândia num canto qualquer da selva- e concluiu que Gorrin, no alto do Templo dos Pequenos Deuses, logo se uniria àquelas pequeninas divindades nas múltiplas dimensões do Além. E ele devia três moedas de cobre a Wa.

Ymor amassou o bilhete e atirou num canto.

- Withel, acho que mais tarde vamos dar uma volta até a Tambor. E quem sabe provamos a cerveja que os seus amigos acham tão irresistível.

Withel não disse nada. Ser braço direito de Ymor era como ser açoitado suavemente até a morte com cordas perfumadas.

A cidade gêmea de Ankh-Morpork, mais do que qualquer outra às margens do Mar Círculo, dava guarida a um grande número de gangues, associações, sindicatos e outras organizações de bandidos. Essa era uma das razões da sua riqueza. A maioria das pessoas mais humildes, que morava no lado menos favorecido do rio - no emaranhado de becos de Morpork - complementava a renda minguada fazendo serviços para uma ou outra das gangues rivais. E foi assim que, quando Hugh e Duasflor entraram no átrio da Tambor Quebrado, líderes de várias dessas associações já sabiam que havia chegado à cidade alguém que parecia ser muito rico. O relato dos espiões mais observadores incluía detalhes sobre um livro que mostrava ao forasteiro como falar e uma caixa que andava sozinha. Esses fatos logo foram descartados. Nenhum mágico capaz de tais feitiços jamais se aproximara das docas de Morpork.

Como ainda era àquela hora da manhã em que a maioria das pessoas estava acabando de se levantar ou indo para a cama, poucas viram Duasflor descer a escada. Quando a Bagagem surgiu por trás dele e desajeitadamente começou a descer os degraus, os fregueses nas toscas mesas de madeira olharam com desconfiança para as bebidas.

Grandão estava ameaçando o duende que varria o bar quando os três passaram por ele.

- O que é isso? - ele perguntou.

- Não diga nada - sussurrou Hugh.

Duasflor já corria o dedo pelo livro.

- O que está fazendo? - perguntou Grandão, com as mãos na cintura.

- O negócio diz a ele como falar. Sei que parece ridículo - murmurou Hugh.

- Como é que um livro pode dizer a alguém como falar?

- Preciso de acomodação, quarto, alojamento, pensão, casa e comida. Os quartos são limpos, têm vista, quanto é a diária? - disse Duasflor de um fôlego.

Grandão olhou para Hugh. O mendigo encolheu os ombros.

- Ele tem muito dinheiro.

- Então, diga a ele que são três moedas de cobre. E essa Coisa vai ter de ficar com os animais.

- ? - perguntou o forasteiro.

Grandão ergueu três dedos grossos e vermelhos e logo o rosto do rapaz se iluminou, mostrando que havia entendido. Meteu a mão na bolsa e pôs três grandes moedas de ouro na palma de Grandão.

O homem olhou para elas. Era quatro vezes o valor da Tambor Quebrado, incluindo os empregados. Ele voltou os olhos para Hugh. Não ajudou em nada. Então encarou o forasteiro. E disfarçou.

- Isso mesmo - falou, com a voz aguda e afetada. - E é claro que tem as refeições. Entende? Comida. Você come, não é?

Então fez os gestos apropriados.

- Cumira? - perguntou o rapaz.

- Isso mesmo - respondeu Grandão, já começando a suar. - Dê uma olhada no livro.

O homenzinho abriu o pequeno volume e correu o dedo por uma página. Grandão, cuja capacidade de ler era sofrível, examinou a capa. O que viu não fazia nenhum sentido.

- Comiiida - disse o forasteiro. - Sim. Costeleta, picadinho cozido, guisado, fricassê, ensopado, carne moída, suflê, bolinho, manjar branco, frapê, mingau, lingüiça, não comer lingüiça, feijão, sem feijão, quitute, gelatina, geléia, miúdos.

E sorriu para Grandão.

- Tudo isso? - perguntou o dono da hospedaria, abalado.

- E só o jeito de ele falar - explicou Hugh. - Não pergunte por quê. Mas é assim.

Todos no recinto observavam o forasteiro - à exceção do mago Rincewind, que estava sentado no canto mais escuro da sala, embalando uma caneca de cerveja muito, muito fraca.

Ele observava a Bagagem.

 

Observe Rincewind.

Olhe para ele. Magrelo, como a maioria dos magos, vestia-se com um manto vermelho-escuro em que alguns símbolos místicos foram bordados com lantejoulas foscas. É provável que algumas pessoas o tomassem por um simples aprendiz de feiticeiro que havia fugido do mestre por rebeldia, tédio, medo ou uma persistente inclinação à heterossexualidade. Todavia, ele tinha no pescoço a corrente com o octógono de bronze que o distinguia como ex-aluno da Universidade Invisível, a grande escola de magia cujo campus - que transcende o tempo e o espaço - nunca está rigorosamente nem Aqui nem Ali. Em geral, os alunos deixavam a instituição sabendo tudo sobre mágica, mas Rincewind - depois de um episódio infeliz - saíra apenas com o conhecimento de um feitiço e ganhava a vida mal e porcamente obtendo dinheiro com o dom que tinha para línguas. Em regra, evitava o trabalho, mas tinha uma presença de espírito que levava seus conhecidos a compará-lo a um rato esperto. E podia reconhecer a madeira sábia de pereira quando via uma. Era o que estava vendo agora e mal conseguia acreditar.

Com muito esforço e tempo investido, um grande mágico talvez acabasse conseguindo uma varinha feita com a madeira sábia de pereira - que só crescia em locais de magia antiga. Mas era muito provável que não houvesse mais de duas em todas as cidades do Mar Círculo. Uma grande arca feita com o material... Rincewind tentou calcular e concluiu que, mesmo se o baú estivesse cheio de opalas estelares e bastões de auricolato, o conteúdo não valeria um décimo do valor da arca. Uma veia começou a lhe saltar na testa.

Ele se levantou e foi até onde estavam os três homens.

- Posso ajudar? - arriscou.

- Dê o fora, Rincewind - resmungou Grandão.

- Só achei que poderia ser útil falando com o cavalheiro na língua dele - disse o mago com polidez.

- Ele está se saindo bem sozinho - alegou o hospedeiro, mas se afastou um pouco.

Rincewind sorriu com toda a educação para o forasteiro e soltou algumas palavras em quimerês. Ele se vangloriava da fluência que tinha no idioma, mas o rapaz pareceu confuso.

- Não adianta - objetou Hugh, com ares de entendedor. - É o livro que diz a ele o que falar. Magia.

Rincewind tentou borogravês, vanglemesht, sumtri e até oroogu negra, a língua sem substantivos e com apenas um adjetivo, que é obsceno. Mas cada uma delas foi educadamente ignorada pelo outro. Em desespero, o mago arriscou a pagã trob e o rosto do homenzinho então se abriu num sorriso cheio de alegria.

- Até que enfim! - exclamou ele. - Meu bom senhor! É extraordinário!

(Embora, em trob, a última palavra tenha na verdade se transformado em “algo que pode acontecer, mas apenas uma vez na vida útil de uma canoa diligentemente cavada com machado e fogo da mais alta árvore de madeira-diamante que cresce nos célebres bosques de madeira-diamante, na parte mais baixa de Monte Awayawa, a morada dos deuses do fogo - ou pelo menos é o que dizem”.).

- O que foi isso tudo? - quis saber Grandão, desconfiado.

- O que o dono da pensão falou? - perguntou o rapaz.

Rincewind disfarçou.

- Grandão - disse, afinal -, duas canecas da sua melhor cerveja, por favor.

- Você entende o que ele fala?

- Claro.

- Diga a ele... que é muito bem-vindo. E que o café da manhã é... hã... uma moeda de ouro.

Por um momento, a cara de Grandão pareceu indicar um grande conflito interno e então ele acrescentou numa explosão de generosidade:

- E o seu está incluído.

- Forasteiro - disse Rincewind no mesmo tom -, se você ficar aqui, antes do anoitecer já terá sido esfaqueado ou envenenado. Mas não pare de sorrir, senão isso vai acontecer comigo também.

- Ah, deixe disso - objetou o rapaz, olhando à volta. - É um lugar delicioso. Uma típica taberna morporkiana. Já ouvi falar tanto delas! Todas essas exóticas vigas antigas. E tão em conta também.

Rincewind deu uma rápida olhada ao redor. Será que algum vazamento de feitiços do Bairro dos Magos, do outro lado do rio, havia momentaneamente transportado todos para algum outro lugar? Não. Ainda era o interior da Tambor - as paredes manchadas pela fumaça, o chão, uma mistura de palha suja e insetos repugnantes, a cerveja azeda que não se comprava, era apenas alugada por algum tempo. Ele tentou ligar o ambiente à palavra “exótico”, ou pelo menos à equivalente mais próxima em trob, que era “essa adorável estranheza encontrada na casa de coral dos pigmeus comedores de esponja, na península de Orohai”. Mas teve vertigens com a tentativa.

O visitante prosseguiu:

- Meu nome é Duasflor.

Então estendeu a mão. Por instinto, os outros três olharam para ver se havia alguma moeda.

- Prazer - disse o mago. - Eu sou Rincewind. Olhe, não estou brincando. O lugar é barra-pesada.

- Ótimo! Exatamente o que eu queria!

- Hã?

- O que é isso nas canecas?

- Isso aqui? Cerveja. Obrigado, Grandão. É, cerveja. Sabe? Cerveja.

- Ah, a bebida típica. Você acha que uma moedinha de ouro paga? Não quero ofender ninguém.

A moeda já estava quase fora da bolsa.

- Hããã - murmurou Rincewind. - Quer dizer, não, não vai ofender ninguém.

- Que bom! Você falou que o lugar é barra-pesada. Quer dizer, freqüentado por heróis e aventureiros?

Rincewind considerou a pergunta.

- É? - ele conseguiu dizer.

- Maravilha. Quero conhecer alguns.

Uma possível explicação ocorreu ao mago.

- Ah - disse ele. - Você veio contratar mercenários (“guerreiros que lutam para a tribo com mais farinha de nozes-lácteas”)?

- Ah, não. Só quero conhecê-los. Para poder contar depois, quando voltar para casa.

Rincewind refletiu que um encontro com a maioria da clientela da Tambor significaria que Duasflor jamais voltaria para casa, a não ser que morasse rio abaixo e acontecesse de passar boiando por ali.

- Onde você mora? - perguntou o mago.

Ele notou que Grandão tinha sumido. Hugh observava os dois, desconfiado, de uma mesa próxima.

- Já ouviu falar da cidade de Bes Pelargic?

- Bem, eu não fiquei muito tempo em Trob. Só estava de passagem e...

- Ah, mas não fica em Trob. Eu falo trob porque tem muitos marinheiros de lá nos nossos portos. Bes Pelargic é o maior porto do Império Agateano.

- Nunca ouvi falar.

Duasflor ergueu as sobrancelhas.

- Não? É bem grande. Fica a uma semana das Ilhas Morenas, navegando no sentido horário. Você está bem?

Ele correu em volta da mesa e bateu nas costas do mago. Rincewind havia engasgado com a cerveja.

O Continente Contrapeso!

 

A três ruas dali, um senhor de idade jogava uma moeda num pires de ácido e mexia de leve. Grandão aguardava com impaciência, nada à vontade na sala um tanto repulsiva por causa dos tonéis e tubos de ensaio efervescentes, além das prateleiras cheias de formas indistintas que lembravam crânios e sabe-se lá que criaturas empalhadas.

- E aí? - perguntou ele.

- Não adianta ter pressa nessas coisas - explicou o velho alquimista, irritado. - Os testes levam tempo. Ah.

Ele agitou o pires, onde a moeda agora se mantinha em meio a um redemoinho de cor verde. Então, fez alguns cálculos num pedaço de pergaminho.

- Muito interessante - avaliou por fim.

- É genuína?

O velho franziu a boca.

- Depende de como a pessoa define o termo - disse ele. - Se você quer saber se a moeda vale o mesmo que, digamos, a de cinqüenta dólares, então a resposta é não.

- Eu sabia - gritou o dono da hospedaria, dirigindo-se à porta.

- Acho que não estou sendo claro - disse o alquimista.

Grandão se virou, com raiva.

- Como assim?

- Veja bem, de uma maneira ou de outra, com o passar do tempo, a nossa cunhagem foi um tanto adulterada. A média da quantidade de ouro numa moeda não chega nem a quatro porções em doze, o resto é prata, cobre...

- E o que é que tem isso?

- Eu disse que a moeda não é como as nossas. É ouro puro

Depois que Grandão saiu - em disparada -, o alquimista passou algum tempo olhando para o teto. Então arrancou um pedaço muito pequeno de pergaminho, vasculhou o entulho sobre a mesa à procura de uma pena e escreveu uma mensagem bem curta. Em seguida, foi até as gaiolas de pombos brancos, galos silvestres e outros animais de laboratório. De uma das gaiolas, tirou um rato pelado, enfiou o rolo de pergaminho no frasquinho preso à pata traseira e soltou o animal.

 

O rato farejou o chão por uns instantes, depois desapareceu num buraco da parede.

Mais ou menos nesse momento, a vidente até então fracassada, que morava no outro lado do quarteirão, olhou por acaso para a bola de cristal e gritou. Em uma hora, ela já tinha vendido todas as jóias, vários equipamentos mágicos, a maior parte das roupas e quase todos os outros bens que não poderiam ser convenientemente levados no cavalo mais rápido que conseguiu comprar. O fato de que mais tarde, quando a casa ruía em chamas, ela própria tenha morrido num surpreendente deslizamento de terra nas Montanhas Morpork demonstra que Morte também tem senso de humor.

Também mais ou menos no instante em que o rato-correio desapareceu no labirinto subterrâneo da cidade, correndo em cega obediência a um instinto ancestral, o Patrício de Ankh-Morpork pegava as cartas entregues pelo albatroz aquela manhã. Com ar pensativo, olhou a de cima mais uma vez e, então, convocou o chefe dos espiões.

E, na Tambor Quebrado, Rincewind ouvia, boquiaberto, o que Duasflor dizia.

- Enfim, decidi ver por mim mesmo - falou o rapaz. - Está me custando oito anos de economias. Mas vale cada meio rhinu. Quer dizer, aqui estou eu. Em Ankh-Morpork. Celebrada em músicas e livros. Nessas ruas em que já pisaram Heric Lâmina Branca, Hrun, o Bárbaro, Bravd de Centrolândia e Manhoso... É exatamente como eu imaginava.

A expressão de Rincewind era um misto de horror e fascinação.

- Eu já não agüentava mais Bes Pelargic - continuou Duasflor com alegria. - Ficar sentado o dia inteiro num escritório, somando colunas de números, com a única expectativa de receber uma pensão no fim... Onde é que está o romance nisso? Pensei: Duasflor, é agora ou nunca. Você não precisa ficar só escutando as histórias. Pode ir lá. Chega de andar pelas docas para ouvir o que os marinheiros contam. Então, compilei um livro com a tradução de várias expressões e comprei uma passagem para o primeiro navio que ia para as Ilhas Morenas.

- Sem nenhum segurança? - murmurou Rincewind.

- Não. Por quê? O que é que eu tenho de valor que possam querer?

Rincewind tossiu.

- Você tem, hã, ouro - disse.

- Não chega nem a 2 mil rhinus. Mal dá para sustentar alguém por um ou dois meses. Pelo menos, na minha terra. Aqui, imagino que durem um pouco mais.

- E rhinus são essas moedas grandes de ouro? - perguntou Rincewind.

- São.

Duasflor fitou o mago cheio de preocupação por sobre as estranhas lentes de ver.

- Acha que 2 mil vão ser suficientes?

- Aaacho - rosnou Rincewind. - Quer dizer, são sim... suficientes.

- Ótimo.

- Hã. E todo o mundo é rico como você no Império Agateano?

- Eu? Rico? Minha nossa, de onde tirou essa idéia? Não passo de um pobre funcionário! Será que paguei demais ao dono da hospedaria?

- Bem, ele se contentaria com menos - disse Rincewind.

- Ah, vou ficar de olho na próxima vez. Já vi que tenho muito a aprender. Tive uma idéia. Rincewind, você gostaria de ser contratado como, não sei, talvez a palavra “guia” caiba aqui. Acho que eu conseguiria pagar um rhinu por dia.

Rincewind abriu a boca para responder, mas sentiu as palavras se atrapalharem na garganta, relutantes em sair num mundo que vinha enlouquecendo com rapidez. Duasflor ficou vermelho.

- Ofendi você - disse ele. - Foi um pedido impertinente para se fazer a um profissional do seu nível. Você, com certeza, tem muitos projetos em andamento... trabalhos de alta magia, sem dúvida...

- Não - soltou Rincewind com desânimo. - Não no momento. Você disse um rhinu? Um por dia. Todo dia?

- Acho que talvez, nessas circunstâncias, eu deva pagar um rhinu e meio por dia. Fora os gastos extras, é claro.

O mago se recobrou por completo.

- Está ótimo - avaliou. - Excelente.

Duasflor tirou do bolso um grande objeto redondo de ouro, que fitou por um instante e depois guardou de volta. Rincewind não teve oportunidade de ver do que se tratava.

- Eu acho - disse o turista - que preciso descansar um pouco. Foi uma longa travessia. E talvez você pudesse voltar ao meio-dia para a gente dar uma olhada na cidade.

- Claro.

- Então, por favor, tenha a bondade de pedir ao dono da pensão para me levar a meu quarto.

Rincewind obedeceu e observou o nervoso Grandão - que chegara a passos largos de algum quarto dos fundos - conduzir Duasflor pela escada de madeira que ficava atrás do bar. Depois de alguns segundos, a Bagagem se pôs de pé e seguiu os homens, em alvoroço.

Então, o mago olhou para as seis grandes moedas na mão. Duasflor insistira em pagar adiantado os quatro primeiros dias.

Hugh balançou a cabeça e sorriu, animado. Rincewind rosnou para ele.

Quando era aluno, o mago Rincewind jamais tirara boas notas em clarividência, mas agora áreas ainda não utilizadas do cérebro estavam pulsando. O futuro aparecia em cores vivas diante de seus olhos. A região entre as omoplatas começou a coçar. Ele sabia que a atitude mais sensata a tomar seria comprar um cavalo. Teria de ser um animal rápido... e caro. Na pressa, Rincewind não conseguia pensar em nenhum vendedor de cavalos que fosse rico o bastante para dar troco a quase 30 gramas de ouro.

E então, é claro, as outras cinco moedas ajudariam a montar um negócio lucrativo, a uma boa distância - digamos que a uns 300 quilômetros - dali. Isso seria o mais sensato.

Mas o que aconteceria com Duasflor, completamente sozinho numa cidade em que até as baratas tinham um faro certeiro para ouro? O sujeito tinha de ser um canalha para abandoná-lo.

 

O Patrício de Ankh-Morpork sorriu, mas apenas com a boca.

- Você disse o Portão do Centro? - perguntou ele.

O capitão da guarda fez uma reverência.

- Sim, senhor. Tivemos de atirar no cavalo para que parasse.

- O que, encurtando o caminho, o trouxe aqui - concluiu o Patrício, olhando para Rincewind. - E o que você tem a dizer a seu favor?

Havia rumores de que uma ala inteira do palácio do Patrício estava cheia de funcionários que passavam o dia examinando e atualizando todas as informações colhidas pelo sistema de espionagem, magistralmente organizado, do amo. Rincewind não duvidava. Ele olhou a sacada que se abria num dos lados da sala de audiências. Uma corrida rápida, um pulo ligeiro... uma súbita saraivada de flechas atiradas com balista, a terrível máquina de guerra. Ele estremeceu.

O Patrício levou a mão cheia de anéis ao queixo e olhou o mago com os olhos pequenos e duros como miçangas.

- Deixe-me ver - disse ele. - Quebra de juramento, roubo de cavalo, emissão de moedas falsas... É, acho que você merece a Arena, Rincewind.

Já era demais.

- Eu não roubei o cavalo! Comprei com toda a honestidade!

- Só que com moedas falsas. Roubo técnico, entende?

- Mas esses rhinus são ouro maciço!

- Rhinus? - O Patrício rolou um deles por entre os dedos grossos. - E como são chamados? Que interessante. Mas, como você pode ver, não parecem muito com o dólar...

- Bem, é claro que não são...

- Ah! Então admite?

Rincewind abriu a boca para falar, pensou melhor e voltou a fechá-la.

- Vejo que admite - concluiu o Patrício. - E, além disso tudo, ainda tem o agravante de descrédito moral pela traição covarde a um visitante destas terras. Que vergonha, Rincewind!

O Patrício fez um aceno vago com a mão. Os guardas atrás do mago se afastaram, o capitão deu uns passos à direita. De repente, Rincewind se sentiu sozinho.

Dizem que quando um mago está para morrer, o próprio Morte surge para levá-lo (em vez de delegar a tarefa a um subordinado, como a Doença ou a Fome, que é o caso mais comum). Nervoso, Rincewind corria os olhos à procura do espectro alto e vestido de preto (os magos - mesmo os fracassados - possuem no globo ocular os minúsculos octógonos que lhes permitem ver a remota octarina, a cor elementar da qual todas as outras são meras sombras pálidas, a invadir o espaço quadridimensional normal. Dizem que é uma espécie de roxo amarelo esverdeado fluorescente).

- Aquilo foi uma sombra que se moveu ali no canto? - perguntou o mago, aflito.

- É claro - disse o Patrício. - Eu poderia ser misericordioso. A sombra desapareceu. Rincewind olhou para cima, com uma expressão alucinada de esperança no rosto.

- É? - perguntou.

O Patrício acenou a mão outra vez. Rincewind viu os guardas deixarem a sala de audiências. Quando ficou sozinho com o soberano das cidades gêmeas, quase desejou que voltassem.

- Venha cá, Rincewind - chamou o Patrício.

Então, apontou para a tigela de aperitivos sobre a mesa baixa de ônix ao lado do trono.

- Quer uma água-viva cristalizada? Não?

- Hã - disse Rincewind. - Não.

- Agora quero que você preste muita atenção ao que vou dizer - pediu o Patrício com delicadeza. - Senão, você morre. De maneira muito interessante. Depois de algum tempo. Por favor, pare de tremer assim. Como você é mago, com certeza sabe que vivemos num mundo em forma de disco. E que dizem existir, lá no outro lado da borda, um continente que, embora seja pequeno, tem o mesmo peso que as vastas terras do nosso hemicírculo. E também sabe que, de acordo com as lendas antigas, isso se deve ao fato de ser composto de uma grande quantidade de ouro.

Rincewind fez que sim com a cabeça. Quem nunca ouvira falar do Continente Contrapeso? Alguns marinheiros até acreditavam nas histórias da carochinha e saíam pelos mares à sua procura. E claro que, ou voltavam de mãos vazias, ou não retornavam. Provavelmente devorados por tartarugas gigantes, na opinião de marujos mais sérios. Porque era óbvio que o Continente Contrapeso não passava de um mito solar.

- É claro que esse lugar existe - afirmou o Patrício. - E apesar de não ser feito de ouro, o metal é muito comum por lá. A maior parte da massa é constituída de grandes depósitos de octirona debaixo da crosta. Agora já deve estar claro para uma mente aguda como a sua que a existência do Continente Contrapeso representa uma ameaça mortal para a nossa gente aqui...

Ele parou, olhando a boca aberta de Rincewind. Depois suspirou. E perguntou:

- Por acaso você não está entendendo?

- Err... - respondeu Rincewind. Então engoliu em seco e lambeu os lábios. - Quer dizer... bem, o ouro...

- Sei - disse o Patrício com aparente doçura. - Você deve estar achando que seria maravilhoso ir ao Continente Contrapeso e trazer um navio carregado de ouro...

Rincewind teve a sensação de que uma armadilha estava sendo montada.

- É? - arriscou.

- E se todos os homens às margens do Mar Círculo trouxessem uma montanha de ouro? Isso seria bom? O que aconteceria? Pense com cuidado.

A testa de Rincewind se franziu. Ele pensou.

- Ficaríamos todos ricos?

O modo como a temperatura caiu deixava claro que não se tratava da resposta certa.

- Também posso dizer, Rincewind, que existe alguma ligação entre os soberanos do Mar Círculo e o imperador do Império Agateano, como é chamado - continuou o Patrício. - Só que é muito tênue. Não existe muita coisa em comum entre nós. Não temos nada que eles queiram e eles não têm nada que tenhamos condição de comprar. É um império antigo, Rincewind. Antigo, esperto, cruel e muito, muito rico. Então trocamos saudações fraternas por correspondência, por meio de albatrozes. Muito raramente. - O Patrício continuou:

- Uma dessas cartas chegou hoje de manhã. Parece que um Súdito do imperador meteu na cabeça que viria visitar nossa cidade. E deseja apenas contemplá-la. Só um louco se submeteria a todas as privações da travessia do Oceano Horário apenas para contemplar alguma coisa. No entanto... Ele chegou pela manhã. Poderia ter encontrado um grande herói, o mais astuto dos ladrões ou ainda um sábio de enorme inteligência. Encontrou você. E contratou-o como guia. Logo, Rincewind, você vai ser o guia desse contemplante, desse Duasflor. E vai providenciar para que volte ao lugar de onde veio com um bom conceito da nossa pequena terra natal. O que você me diz?

- Hã. Obrigado, senhor - respondeu Rincewind.

- Existe outra questão, é claro. Seria uma tragédia se alguma coisa desagradável acontecesse ao nosso visitantezinho. Por exemplo, seria terrível se ele morresse. Terrível para toda a nossa terra, porque o Império Agateano cuida dos seus e com certeza poderia dar cabo de nós com um mero aceno de cabeça. Um simples aceno de cabeça. É terrível para você, Rincewind, porque nas semanas que restassem antes da chegada do enorme exército mercenário do Império Agateano, alguns dos meus servos se ocupariam da sua pessoa na esperança de que, quando chegassem, os vingativos capitães sentissem o ódio diminuir com a visão do seu corpo ainda vivo. Existem certas fórmulas mágicas que não deixam a vida sair do corpo, mesmo com todos os tormentos... Pela sua cara, estou vendo que já começou a entender.

- É...

- Como?

- Sim, senhor. Eu vou, hã, providenciar, quer dizer, vou me esforçar, quer dizer, bem, vou tentar cuidar dele e garantir que não se machuque. - “E depois”, pensou amargamente, “vou arranjar um emprego de malabarista de bolas de neve no Inferno”.

- Excelente! Imagino que você e Duasflor já estejam se dando muito bem. É um ótimo começo. Quando ele voltar para casa em segurança, você vai ver que não sou ingrato. É provável até que arquive as acusações pendentes contra você. Obrigado, Rincewind. Já pode ir.

Rincewind decidiu que não pedir os cinco rhinus de volta. E recuou com todo o cuidado.

- Ah! E tem mais uma coisa... - anunciou o Patrício, quando o mago já tateava à procura da maçaneta.

- Pois não, senhor - ele respondeu com o coração aos pulos.

- Tenho certeza de que você não vai tentar fugir às suas obrigações dando o fora da cidade. Julgo que você nasceu para viver em cidades. E pode estar certo de que, até a noite, os soberanos das outras cidades serão notificados dessas circunstâncias.

- Juro ao senhor que a idéia nem me passou pela cabeça.

- É mesmo? Então, se eu fosse você, abriria um processo contra mim por difamação.

Rincewind chegou à Tambor Quebrado numa corrida alucinada e bem a tempo de se chocar contra o homem que vinha saindo de costas, apressado. A pressa do desconhecido se devia em parte a uma lança cravada no peito. Ele gritou uns disparates e caiu duro aos pés do mago.

Rincewind examinou o lugar pelo vão da porta e se afastou de supetão quando um machado grande passou zunindo como uma perdiz.

Uma segunda olhada disse-lhe que ele provavelmente fora atirado ao acaso. O interior escuro da Tambor era um alvoroço de homens em luta, muitos deles - uma terceira olhada, mais longa, confirmava - aos pedaços. O mago se afastou quando uma cadeira voou em sua direção, se arrebentando no outro lado da rua. Então entrou.

Ele estava usando um manto escuro, ainda mais escurecido pelo uso constante e pelas poucas lavagens. E, na escuridão reinante, ninguém pareceu notar o vulto indistinto que corria desesperado de mesa em mesa. A certa altura, um lutador, cambaleando para trás, pisou no que pareciam ser dedos. Um grande número de algo que parecia dentes lhe mordeu o tornozelo. O homem soltou um grito agudo e baixou a guarda o suficiente para ser atravessado pela espada de um adversário assustado.

Rincewind alcançou a escada, soprando a mão machucada e correndo inclinado, de modo curioso. Uma flecha acertou o corrimão logo acima de sua cabeça.

Ele gemeu e subiu os degraus num só fôlego, esperando que a qualquer momento viesse outro tiro, mais certeiro.

Chegou arfante ao corredor de cima e viu que todo o chão estava tomado de corpos. Um homem grande de barba preta - com uma espada ensangüentada numa das mãos - tentava abrir a porta.

- Ei! - gritou Rincewind.

O homem olhou à volta e então, quase distraído, sacou uma faquinha e atirou. Rincewind se abaixou. Houve um grito curto atrás dele e então o sujeito da balista, que vinha mirando com a arma, deixou-a cair e levou a mão à garganta.

O homem grande já estava pegando outra faca. Rincewind olhou ao redor feito louco e então, num improviso alucinado, fez pose de mago.

A mão recuou.

- Asonite! Quiorucha! Bisoblor!

O homem hesitou, os olhos correndo nervosamente de um lado para o outro a esperar pela mágica. A conclusão de que não havia nenhuma lhe ocorreu no mesmo instante em que Rincewind, zunindo pelo corredor, deu-lhe um belo chute no meio das pernas.

Quando ele gritou e se encolheu, o mago girou a maçaneta, correu para dentro e fechou a porta, lançando o corpo contra ela, arquejante.

No quarto, havia silêncio. Ali estava Duasflor, dormindo tranqüilamente no leito baixo. E também ali, ao pé da cama, estava a Bagagem.

Rincewind deu uns passos à frente - a cobiça lhe dava desenvoltura, como se ele deslizasse sobre rodinhas. A arca estava aberta. Dentro havia sacos e, num deles, o mago notou o brilho inconfundível de ouro. Por um instante, a ganância superou a cautela e ele avançou a mão com cuidado... Mas de que adiantava? Não viveria para aproveitar. Relutante, afastou a mão e se surpreendeu ao notar um leve tremor na tampa aberta da arca. Não se mexeu um pouco, como se tivesse sido balançada pelo vento?

Rincewind olhou os seus dedos, depois a arca. Parecia pesada e era revestida de bronze. Estava bem parada agora.

Que vento?

- Rincewind!

Duasflor se levantou da cama. O mago saltou para trás, torcendo o rosto num sorriso.

- Meu bom camarada, bem na hora! Só vamos ter tempo de almoçar e então tenho certeza de que você já deve ter bolado toda a programação de hoje à tarde!

- Hã...

- Que ótimo!

Rincewind respirou fundo.

- Olha - disse em desespero -, vamos comer em outro lugar? Teve uma briguinha lá embaixo.

- Uma briga de taberna? Por que não me acordou?

- Bem, é que eu... O quê?

-Achei que tivesse sido bem claro hoje de manhã, Rincewind. Eu quero ver a vida típica de Morpork: o mercado de escravos, a Zona das Vagabundas, o Templo dos Pequenos Deuses, o Grêmio dos Mendigos... e uma briga típica de taberna. - Um quê de desconfiança se insinuou na voz de Duasflor. - Vocês têm essas coisas, não têm? Sabe, gente pendurada no lustre, lutas de espada sobre a mesa, o tipo de aventura em que Hrun, o Bárbaro, e Manhoso estão sempre metidos. Sabe.., ação!

Rincewind desabou sobre a cama.

- Você quer ver uma briga? - perguntou ele.

- Quero. Qual é o problema?

- Para começar, as pessoas se ferem.

- Ah, eu não estava sugerindo que a gente se envolvesse. Só quero ver uma luta, só isso. E alguns dos seus heróis famosos. Vocês têm, não têm? Não é só história de cais de porto, é?

E agora, para assombro do mago, Duasflor estava quase suplicando pela negativa.

- Ah, não. Temos heróis, sim - apressou-se em dizer Rincewind.

O mago se pôs a imaginá-los e logo tratou de afastar o pensamento.

Mais cedo ou mais tarde, todos os heróis do Mar Círculo passariam pelos portões de Ankh-Morpork. A maioria vinha de tribos bárbaras próximas ao sempre gelado Centro, que tinha uma espécie de negócio exportador de heróis. E quase todos possuíam espadas mágicas toscas - cujas irreprimíveis vibrações no plano astral destruíam qualquer experimento de bruxaria aplicada a quilômetros de distância -, mas não era por isso que Rincewind não gostava deles. O mago sabia que ele próprio era um renegado da feitiçaria, então não lhe incomodava o fato de que bastava a mera aparição de um herói nos portões da cidade para fazer retortas explodirem e demônios se materializarem em todo o Bairro dos Magos. Não, o que ele não gostava nos heróis era que, em geral, se mostravam depressivamente suicidas quando sóbrios e insanamente homicidas quando bêbados. E também havia um excesso deles. Na alta estação, algumas das áreas de aventura mais notáveis próximas à cidade eram uma verdadeira algazarra. E corriam boatos de que estariam sendo organizados turnos de serviço.

O mago esfregou o nariz. Os únicos heróis com quem já passara algum tempo foram Bravd e Manhoso - que, no momento, não se encontravam na cidade - e Hrun, o Bárbaro, que era quase um erudito pelos critérios do Centro, pois conseguia pensar sem mexer os lábios. Agora parece que estava vagando em algum lugar nos confins do sentido horário.

- Olhe - disse afinal. - Você já conheceu algum bárbaro?

Duasflor balançou a cabeça afirmativamente.

- Achei que não - observou Rincewind. - Bem, eles são...

Houve um barulho de pés correndo na rua, seguido pelo tumulto no andar de baixo. Depois, veio a agitação na escada. A porta se abriu antes que Rincewind tivesse tempo para reagir e correr até a janela.

Mas, em vez do maluco ensandecido pela ganância que esperava, ele se viu observando o rosto redondo e vermelho de um sargento da Guarda. Ele respirou aliviado. Claro. A Guarda sempre tinha o cuidado de não intervir muito cedo numa briga, antes de as vantagens ficarem solidamente do seu lado. O emprego oferecia pensão e atraía esse tipo de homem cauteloso e prevenido.

O sargento olhou para Rincewind com ar ameaçador e então observou Duasflor com interesse.

- Então, está tudo bem aí? - perguntou.

- Ah, ótimo - respondeu Rincewind. - Vocês não puderam chegar antes, não foi?

O sargento ignorou o comentário.

- E então é este o estrangeiro? - quis saber.

- Já estávamos de saída - explicou Rincewind às pressas, então voltou a falar em trob. - Duasflor, acho que devemos comer em outro canto. Conheço alguns lugares.

O mago saiu para o corredor com a máxima calma que conseguiu aparentar. Duasflor o seguiu e, alguns segundos depois, o sargento soltou um som abafado, quando a Bagagem fechou a tampa num estalo, pôs-se de pé, espreguiçou e marchou no rastro dos dois.

No andar de baixo, guardas tiravam os corpos da sala. Não houve sobreviventes. A Guarda tinha se assegurado disso dando tempo de sobra para a fuga pela porta dos fundos - um bom meio-termo entre cautela e justiça que beneficiava todas as partes.

- Quem são esses homens? - perguntou Duasflor.

- Ah, só homens - respondeu Rincewind. E antes que pudesse se deter, alguma parte do cérebro que não tinha nada para fazer ganhou controle sobre a boca e acrescentou: - Na verdade, heróis.

-Jura?

Quando um pé já está preso no Miasma Cinza de H’rull, é muito mais fácil dar um passo e afundar do que prolongar a luta. Rincewind cedeu ao impulso.

-Juro. Aquele ali é Erig Braço Forte e o outro é Black Zenell...

- Hrun, o Bárbaro, está aqui? - indagou Duasflor, olhando à volta com entusiasmo.

Rincewind respirou fundo.

- É aquele ali atrás de nós - disse.

A mentira foi tão absurda que suas vibrações acabaram fluindo por um plano astral mais baixo até o Bairro dos Magos - do outro lado do rio - onde ganharam velocidade com a enorme onda vertical de energia que sempre pairava ali e saíram em disparada, quicando pelo Mar Círculo. Uma ondulação chegou ao próprio Hrun - que naquele momento lutava com uma dupla de trolls numa saliência do rochedo lá para o alto das Montanhas Caderack - e fez com que, por um instante, ele sentisse um inexplicável mal-estar.

Nesse meio tempo, Duasflor havia aberto a tampa da Bagagem e agora, às pressas, tirava um cubo preto e pesado.

- É incrível! - exclamou. - Não vão nem acreditar lá em casa!

- O que ele está falando? - perguntou o sargento, desconfiado.

- Está agradecendo a vocês por terem nos salvado - disse Rincewind.

Então olhou de esguelha para a caixa preta, esperando que explodisse ou soltasse estranhas notas musicais.

- Ah - disse o sargento, que também observava o negócio.

Duasflor abriu um sorriso para os dois.

- Quero registrar esse momento - disse ele. - Você acha que pode pedir a todos para ficarem ali na janela, por favor? Não vai demorar nada. E, hã, Rincewind?

- O quê?

Duasflor ficou na ponta dos pés para sussurrar.

- Sabe o que é isso, não sabe?

Rincewind fitou a caixa. Havia um olho redondo de vidro projetado para fora em um dos lados, e uma alavanca na parte de trás.

- Não tenho bem certeza - arriscou.

- É um aparelho para fazer retratos com rapidez - explicou Duasflor. - Uma invenção bem nova. Estou muito feliz com o aparelho, mas, olhe, acho que os cavalheiros vão... quer dizer, bem, podem ficar... meio apreensivos. Será que você pode explicar a eles? E é claro que vou reembolsá-los pelo tempo perdido.

- Ele tem uma caixa e nela existe um demônio que desenha retratos - disse Rincewind sem titubear. - Façam o que o maluco diz e ele paga uma moeda de ouro a vocês.

Os guardas sorriram, nervosos.

- Também quero você no retrato, Rincewind. Assim. Duasflor tirou o disco dourado que Rincewind já havia entrevisto e consultou-o por um instante.

- 30 segundos devem dar - murmurou ele e, então, acrescentou: - Sorriam, por favor!

- Sorriam - repetiu Rincewind, com rispidez. A caixa soltou um zumbido.

- Ótimo!

 

Muito acima do Discworld, o segundo albatroz voava tão alto que a bem da verdade, os minúsculos olhos laranja podiam ver as terras do mundo inteiro, além do grande e glorioso Mar Círculo. Havia uma cápsula de mensagem amarela presa a uma de suas pernas. Bem abaixo dele, ocultada pelas nuvens, a ave que tinha levado a mensagem anterior para o Patrício de Ankh-Morpork planava suavemente de volta para casa.

Rincewind olhou para o quadradinho de vidro, estupefato. Sem dúvida, ali estava ele - um sujeito franzino em cores perfeitas na frente de um grupo de guardas, cada qual com o rosto congela do num sorriso apavorado. Os homens à volta criavam um alvoroço mudo enquanto olhavam o retrato, por sobre o ombro do mago.

Sorrindo, Duasflor exibiu um punhado das moedas menores, que Rincewind já reconhecia como de 25 centavos de rhinus. O rapaz piscou para o mago.

- Tive o mesmo problema quando parei nas Ilhas Morenas - disse. - Acharam que o iconógrafo roubava um pedaço da alma. Engraçado, não é?

- É - respondeu Rincewind. Então, porque de algum modo aquilo não bastava para sustentar a conversa, acrescentou: - Mas não acho que se pareça muito comigo.

- É fácil de manejar - disse Duasflor, ignorando-o. - Olhe, só precisa apertar esse botão. O iconógrafo faz o resto. Agora, vou ficar ali perto do Hrun e você tira o retrato.

As moedas atenuaram a agitação dos homens como só o ouro consegue e, meio minuto depois, Rincewind se surpreendia por ter em mãos o pequeno retrato de vidro em que Duasflor, empunhando uma espada enorme, sorria como se todos os seus sonhos tivessem se realizado.

Os dois almoçaram num restaurantezinho próximo à Ponte de Bronze, com a Bagagem acomodada debaixo da mesa. A comida e o vinho, bem superiores aos padrões de Rincewind, conseguiram deixá-lo mais relaxado. Até que as coisas não seriam tão ruins, pensou ele. Um pouco de imaginação e raciocínio rápido, isso era tudo de que precisava.

Duasflor também parecia meditar. Olhando com ar pensativo para a taça de vinho, disse:

- Imagino que briga de taberna seja muito comum aqui.

- Ah, bastante.

- Com certeza, a mobília e os acessórios são danificados.

- Acess... Ah, sei. Você está falando de cadeira, esses troços. É, acredito que sim.

- Deve ser um problema para os donos.

- Nunca parei para pensar. Acho que é um dos riscos do negócio.

Duasflor encarou o mago, pensativo.

- Talvez eu pudesse ajudar - disse enfim. - Riscos são a minha área. Essa comida é um pouco gordurosa, não é?

- Você disse que queria experimentar a comida típica de Morpork - justificou Rincewind. - O que é que tem os riscos?

- Ah, eu sei tudo sobre riscos. São a minha área.

- Achei que você tivesse dito isso mesmo. Só não acreditei.

- Ah, eu não corro riscos. A coisa mais emocionante que já me aconteceu foi derramar tinta no papel. Eu avalio os riscos. Dia após dia. Sabe quais são as chances de uma casa pegar fogo no distrito de Triângulo Vermelho, em Bes Pelargic? 1 em 538. Eu mesmo fiz os cálculos - acrescentou o rapaz com um quê de orgulho.

- Para... - Rincewind tentou reprimir um arroto. - Para quê? Desculpe.

Botou mais vinho na taça.

- Para... - Duasflor se deteve. - Não sei dizer em trob. Acho que o idioma não tem uma palavra para isso. Na minha língua, chamamos de...

Ele soltou algumas sílabas estranhas.

- Sem-gol-rum - repetiu Rincewind. - Que palavra engraçada! O que quer dizer?

- Bem, imagine que você tem um navio carregado de, sei lá, barras de ouro. Pode ser que a embarcação enfrente tempestades ou seja saqueada por piratas. Mas você não quer que isso aconteça, então faz uma ar-pó-lis-sim-de-sem-gol-rum. Eu calculo as chances de o carregamento se perder, baseado em boletins meteorológicos e registros de pirataria nos últimos vinte anos, depois acrescento um pouco mais e você me paga com base nessa possibilidade...

- E esse pouco mais... - disse Rincewind, sacudindo o dedo de maneira pomposa.

- E então, se o carregamento se perder de fato, eu indenizo.

- Inda nessa?

- Pago o valor do carregamento - explicou Duasflor, com paciência.

- Entendzi. É como uma aposta, né?

- Um jogo? De certa forma, acho que sim.

- E dzá para ganhar dzinheiro com sem-gol-rum?

- Com certeza oferece um retorno de investimento.

Embalado no calor provocado pelo vinho, Rincewind tentou pensar no sem-gol-rum em relação ao Mar Círculo.

- Acho que não zintendzi eza histzória de sem-gol-rum - afirmou, observando molemente o mundo girar. -Agora, de mágica, eu zintendzo.

Duasflor sorriu.

- Mágica é uma coisa, som-refletido-de-espíritos-ocultos é outra - argumentou.

- Guê?

-O quê?

- A palavra zistranha que vozê usou - disse Rincewind, im.

- Som-refletido-de-espíritos-ocultos?

- Nunca ouvi falar dizo.

Duasflor tentou explicar.

Rincewind tentou entender.

 

À tarde, os dois passearam pela cidade no sentido horário do rio. Duasflor ia na frente, com a estranha caixa de retrato pendurada por uma fita no pescoço. Rincewind ia atrás, se lamuriando de tempos em tempos e checando se a sua cabeça ainda estava ali.

Outras pessoas também os seguiam. Numa cidade em que execuções públicas, duelos, brigas, conflitos mágicos e acontecimentos estranhos faziam parte do cotidiano, os habitantes haviam levado ao auge da perfeição a profissão de espectador interessado. Eram homens embasbacados altamente qualificados. De qualquer modo, Duasflor estava maravilhado por poder tirar retratos e mais retratos de pessoas entretidas no que chamava de atividades típicas. E como ao fim de tudo 25 centavos de rhinu sempre acabavam trocando de mãos “pela amolação”, logo uma fila de novos-ricos felizes e pasmados o seguia em marcha, para o caso de o maluco resolver explodir numa chuva de ouro.

No Templo de Sek das Sete Mãos, a assembléia formada às pressas por padres e artesãos rituais de transplante do coração concluiu que a estátua de 20 metros de Sek era sagrada demais para virar retrato mágico, mas o pagamento de dois rhinus botou todos no pleno acordo de que talvez Ele não fosse tão sagrado assim.

A demorada sessão na Zona das Vagabundas gerou um grande número de retratos vívidos e instrutivos, alguns dos quais Rincewind escondeu sob a roupa para uma análise mais detalhada em particular. Quando a névoa enfim se dissipou do seu cérebro, ele começou a refletir seriamente sobre o funcionamento do iconógrafo.

Mesmo um mago reprovado sabia que algumas substâncias eram sensíveis à luz. Talvez as lâminas de vidro sofressem um processo misterioso, congelando a luz que passava por ali. Enfim, alguma coisa parecida. Com freqüência, Rincewind suspeitava que, em algum lugar, existia um negócio melhor do que magia. Mas sempre acabava se decepcionando.

De qualquer modo, ele começou a aproveitar todas as oportunidades para usar a caixa. Duasflor ficou satisfeito, porque isso lhe permitia estar em todos os retratos. E foi a essa altura que o mago notou uma coisa estranha. A caixa conferia uma espécie de poder a quem a tinha nas mãos - pois qualquer um confrontado com o hipnótico olho de vidro passava a obedecer com grande submissão às ordens mais categóricas acerca de posturas e expressões.

Foi justamente quando dava ordens desse tipo na Praça das Luas Partidas que a desgraça aconteceu.

Duasflor estava posando ao lado de um perplexo vendedor de talismãs - a multidão de novos admiradores a observá-lo interessada, aguardando que ele fizesse alguma coisa lunática.

Rincewind se apoiou num dos joelhos para enquadrar melhor o retrato e apertou a alavanca encantada.

A caixa disse:

- Não adianta. Acabou o rosa.

Uma portinhola até então despercebida se abriu bem diante de seus olhos. Uma criatura humanóide verde e terrivelmente enverrugada meteu a cabeça para fora e apontou para a paleta cheia de cores na outra mão.

- Acabou o rosa! Está vendo? - berrou o homúnculo. - Não adianta ficar apertando a alavanca quando não tem rosa, adianta? Se quisesse rosa, não devia ter tirado todas aquelas fotos das moças. Daqui pra frente, amigo, vai ser monocromático. Certo?

- Certo, claro - respondeu Rincewind.

Num canto escuro da pequena caixa, o mago achou ter visto um cavalete e uma cama minúscula. Esperava estar enganado.

- Bem, acho que você entendeu - disse o diabinho, fechando a porta.

Rincewind imaginou ter escutado o som abafado de murmúrios e o rangido de um banco se arrastando pelo chão.

- Duasflor... - disse ele, levantando a vista.

Duasflor havia desaparecido. Quando Rincewind olhou para a multidão, com sensações terríveis a lhe correr a espinha, sentiu uma picada suave nas costas.

- Vire-se devagar - disse a voz com textura de seda preta. - Ou dê adeus aos seus rins.

O povo observava com interesse. Afinal de contas, estava sendo um dia bastante agradável.

Rincewind se virou devagar, sentindo a ponta da espada raspando as costelas. Então, na outra ponta da lâmina, reconheceu!

Stren Withel - ladrão, espadachim cruel, asqueroso concorrente ao título de pior homem do mundo.

- Oi - disse o mago, sem forças.

A alguns metros dali, ele notou dois homens indiferentes abrirem a tampa da Bagagem e apontarem, animados para os sacos de ouro. Withel sorriu, dando um efeito medonho ao rosto atravessado por cicatrizes.

- Conheço você - afirmou ele. - Um mago chinfrim. O que é esta coisa?

Rincewind se deu conta de que a tampa da Bagagem tremia um pouco, embora não ventasse. Ele ainda estava segurando a caixa de retratos.

- Isso? Faz retratos - respondeu com mais ânimo. - Ei, continue sorrindo, tudo bem?

Ele recuou às pressas e apontou para a caixa.

Por um momento, Withel hesitou.

- O que é?- perguntou.

- Isso mesmo, é só continuar assim... - disse Rincewind.

O ladrão parou, então deu uns rosnados e brandiu a espada.

Houve o estalido como de uma dentada e um dueto de gritos horrorosos. Rincewind não olhou para o lado por medo das coisas pavorosas que poderia ver. Quando Withel voltou a procurar por ele, já estava no outro lado da praça - e ainda acelerando.

O albatroz desceu em círculos largos e lentos, que terminaram num pobre agito de penas e num baque pesado - quando afinal alcançou a plataforma do jardim de pássaros do Patrício.

O guardião das aves, tirando um cochilo ao sol sem sequer imaginar a possibilidade de receber outra mensagem de longa distância em tão pouco tempo, pôs-se logo de pé e olhou para cima.

Pouco tempo depois, percorria os corredores do palácio às pressas, levando a cápsula de mensagem e - devido ao descuido provocado pela surpresa - sugando a terrível ferida de bicada no dorso da mão.

Rincewind correu por um beco sem prestar atenção aos gritos de ódio que vinham da caixa de retratos e saltou um muro alto - com o manto puído se agitando como as penas de uma gralha desgrenhada. O mago caiu no átrio de uma loja de tapetes, espalhando mercadorias e dispersando clientes, seguiu pela saída dos fundos com pedidos de desculpa, escorregou por outro beco e se deteve, oscilando perigosamente, quando já estava prestes a mergulhar acidentalmente no Ankh.

Dizem que há rios místicos dos quais uma única gota pode levar embora a vida de um homem. Depois da sombria passagem pelas cidades gêmeas, o Ankh poderia ser um deles.

À distância, os gritos de raiva ganhavam um tom agudo de terror. Rincewind procurou em desespero por um barco ou uma saliência em que pudesse meter as mãos para subir os muros lisos a seu lado.

Estava encurralado.

Sem que se desse conta, o Feitiço brotou em sua mente. Talvez esteja errado dizer que Rincewind aprendera o feitiço. Mas, antes, o feitiço apreendera Rincewind. O episódio levara à sua expulsão da Universidade Invisível porque, numa aposta, ele tinha ousado abrir a última cópia remanescente do livro de magia do próprio Criador, o Oitavo (enquanto o bibliotecário da universidade se ocupava de outra coisa). O feitiço saltou da página e imediatamente se escondeu na sua mente de tal maneira que mesmo o esforço combinado de todos os talentos da Faculdade de Medicina não bastou para convencê-lo a se manifestar. Também não conseguiram apurar exatamente qual era, apenas que se tratava de um dos oito feitiços básicos ligados à construção do tempo e do espaço.

Desde então, o feitiço vinha mostrando uma tendência preocupante de, sempre que Rincewind se sentia derrotado ou muito ameaçado, tentar se exprimir.

O mago cerrou os dentes, mas a primeira sílaba conseguiu escapar pelo canto da boca. A mão esquerda subiu involuntariamente e, conforme a força mágica o fazia girar, começou a soltar centelhas octarinas.

A Bagagem surgiu zunindo na esquina, com as várias centenas de pés movendo-se como pistons.

Rincewind ficou boquiaberto. O feitiço não mais quis ser dito, sumiu.

A arca não parecia ser nem um pouco prejudicada pelo tape te decorativo que tinha sobre si ou pelo ladrão pendurado por um braço na tampa - tratava-se, num sentido bem literal, de peso morto. Ainda na tampa havia os restos de dois dedos, de proprietário desconhecido.

A Bagagem parou a alguns metros de Rincewind e, depois de um tempo, encolheu as pernas. Ela não tinha olhos - até onde Rincewind podia ver - mas o mago tinha certeza de que o estava encarando. E em expectativa.

- Xô! - disse ele, sem convicção.

A arca não arredou pé, mas a tampa se abriu, soltando o ladrão morto.

Rincewind se lembrou do ouro. Era de presumir que a arca precisasse de um dono. Será que, na falta de Duasflor, ela o havia adotado?

A maré estava mudando e, sob a luz amarelada do entardecer, o mago podia ver o entulho ser levado em direção à comporta, apenas 100 metros rio abaixo. Era preciso livrar-se do ladrão morto. Mesmo que fosse encontrado mais tarde, dificilmente geraria comentários. E os tubarões do estuário estavam acostumados com refeições consistentes e regulares.

Rincewind observava o corpo ser arrastado pela água e pensava no que faria em seguida. A Bagagem provavelmente flutuaria. Tudo o que precisava fazer era esperar até o anoitecer e então se deixar conduzir pela maré. Havia muitos lugares rio abaixo em que poderia se embrenhar e depois... Bem, se o Patrício tivesse de fato espalhado informações sobre ele, uma troca de roupas e um barbeador eram a solução. De qualquer modo, havia outras terras, e o mago tinha facilidade com línguas. Bastava chegar a Quiméria, Gonim ou Ecalpon e nem meia dúzia de exércitos seria capaz de trazê-lo de volta. E então: riqueza, conforto, segurança...

Havia, é claro, o problema com Duasflor. Rincewind se permitiu um momento de tristeza.

- Podia ser pior - disse enfim, em tom de despedida. - podia...

Foi quando tentou se mexer que descobriu que seu manto estava preso em algum lugar.

Esticando o pescoço, viu que a tampa da Bagagem estava agarrando a ponta com força.

 

-Ah, Gorphal - disse o Patrício animadamente. - Entre. Sente-se aí. Posso insistir para que prove uma estrela-do-mar cristalizada?

- Estou sempre às suas ordens, mestre - respondeu o velho com calma. - A não ser, talvez, no que se refere a equinodermos em conserva.

O Patrício deu de ombros e indicou o rolo de papel sobre a mesa.

- Leia isto - pediu.

Gorphal pegou o pergaminho e ergueu levemente a sobrancelha ao ver os conhecidos ideogramas do Império Dourado. Leu em silêncio talvez por um minuto e, então, virou o papel para examinar detalhadamente o timbre no verso.

- Você é famoso como especialista em assuntos que dizem respeito ao Império - disse o Patrício. - Como explica isso?

- No caso do Império, o conhecimento está mais no estudo de certa disposição da mente do que na observação de acontecimentos isolados - explicou o velho diplomata. - A mensagem é curiosa, sim. Mas não surpreendente.

- Hoje de manhã, o imperador me instruiu - disse o Patrício, permitindo-se o luxo de um olhar mal-humorado - instruiu, Gorphal, para que protegesse o tal Duasflor. E agora parece que tenho que matá-lo. Não acha isso surpreendente?

- Não, o imperador não passa de um menino. É idealista, sensível... Um deus para a sua gente. Ao passo que a carta de hoje à tarde é, a não ser que eu esteja muito enganado, de Nove Espelhos Giratórios, o Grão-Vjzjr. Ele já esteve a serviço de vários imperadores. E os considera peças necessárias embora problemáticas para a administração bem-sucedida do Império. O vizir não gosta de nada fora do lugar. O Império não se estabeleceu deixando coisas fora do lugar. É essa a sua visão.

- Estou começando a entender... - falou o Patrício.

- Claro - disse Gorphal, sorrindo por entre a barba. - O turista é alguém fora do lugar. Depois de ter concordado com as vontades do amo, estou certo de que Nove Espelhos Giratórios tomou providências para que o viajante não retornasse à pátria levando, quem sabe, a doença da insatisfação. O Império gosta que as pessoas fiquem onde foram postas. Então é muito mais conveniente que esse Duasflor desapareça para sempre nas terras bárbaras. O que quer dizer, desapareça aqui, senhor.

- E o seu conselho? - perguntou o Patrício.

Gorphal deu de ombros.

- Apenas que o senhor não faça nada. Sem dúvida, as coisas vão se ajeitar sozinhas. No entanto - acrescentou enquanto coçava a orelha, pensativo - talvez o Grêmio dos Assassinos...?

- Ah, sim - entusiasmou-se o Patrício. - O Grêmio dos Assassinos. Quem é o atual presidente?

- Zlorf Pés de Flanela, senhor.

- Converse com ele.

- Claro, senhor.

O Patrício balançou a cabeça. Era um grande alívio. Ele concordava com Nove Espelhos Giratórios: a vida já era difícil o suficiente. As pessoas deviam ficar onde haviam sido postas.

Constelações brilhavam sobre o Discworld. Um a um, os comerciantes fecharam as portas das lojas. Um a um, os bandidos, ladrões, vagabundos, ilusionistas, renegados, assaltantes e comparsas acordaram e tomaram café. Os magos se ocupavam de seus afazeres polidimensionais. Naquela noite, haveria a conjunção de dois planetas poderosos e, no Bairro dos Magos, o ar já estava carregado de feitiços antecipados.

- Olhe - disse Rincewind. - Isso não vai nos levar a lugar nenhum.

Ele avançava um pouco para o lado. A Bagagem seguia em seu encalço, com a tampa entreaberta, ameaçadora. Por um instante Rincewind cogitou dar um salto desesperado em busca de um lugar seguro. A tampa se fechou num estalo, com antecedência.

De qualquer maneira, pensou desanimado o mago, a arca continuaria a segui-lo. Ela tinha aquele ar inequívoco de obstinação. Mesmo se Rincewind conseguisse achar um cavalo, desconfiava que a coisa o seguiria, no seu ritmo. Para sempre. Atravessando rios e oceanos. Avançando aos poucos a cada noite, enquanto ele precisaria parar para dormir. E então um dia, numa cidade exótica e vários anos mais tarde, ouviria o ruído de centenas de pernas minúsculas marchando numa estrada, logo atrás...

- Você está me confundindo! - gemeu ele. - Não é minha culpa! Não fui eu quem o seqüestrou.

A arca avançou um pouco. Agora havia apenas uma faixa estreita de terra escorregadia entre os calcanhares de Rincewind e o rio. Um lampejo de clarividência lhe disse que a arca conseguiria nadar mais rápido. Ele tentou não pensar em como seria se afogar no Ankh.

- Ela não vai parar enquanto você não desistir - disse uma vozinha descontraída.

Rincewind olhou para o iconógrafo, ainda pendurado no pescoço. A portinhola estava aberta, e o homúnculo se apoiava no canto, fumando cachimbo e observando o que se passava com satisfação.

- Pelo menos, vou levar você comigo - soltou Rincewind por entre os dentes cerrados.

O diabinho tirou o cachimbo da boca.

- O que disse? - perguntou.

- Eu disse que vou levar você comigo, droga!

- Como quiser - provocou o diabinho, batendo na lateral da caixa. - Vamos ver quem afunda primeiro.

A Bagagem abriu a tampa e avançou uma fração de centímetro.

- Ah, está bem - disse Rincewind, irritado. - Mas você vai ter de me dar algum tempo para pensar.

A Bagagem recuou devagar. Rincewind se dirigiu a um lugar razoavelmente seguro e se sentou encostado na parede. Do outro lado do rio, as luzes da cidade de Ankh brilhavam.

- Você é mago - lembrou o diabinho dos retratos. - Vai descobrir uma maneira de achá-lo.

- Um mago chinfrim.

- Você pode chegar e transformar todo o mundo em minhoca - acrescentou, encorajador, o homúnculo, ignorando o último comentário.

- Não. Conversão em Animal é feitiço do Oitavo Nível. Nunca cheguei a completar os estudos, Só sei um feitiço.

- Bem, esse serve.

- Duvido - lamentou Rincewind sem esperanças.

- E o que é que ele faz, então?

- Não posso dizer. Não quero falar sobre isso. Mas, francamente - disse ele num suspiro - nenhum feitiço é muito bom. A pessoa leva três meses para memorizar mesmo uma bruxaria simples e então, depois que usa, pimba, lá se foi. É isso que é de lascar em toda essa história de magia. O sujeito leva vinte anos para aprender o feitiço que faz virgens nuas aparecerem no quarto e, a essa altura, já está tão intoxicado pelos vapores de mercúrio e cego de ler antigos textos mágicos que não se lembra do que vem depois.

- Nunca vi a coisa por esse ângulo - considerou o diabinho.

- Olhe... Está tudo errado. Quando Duasflor disse que existia um tipo melhor de magia no Império, eu pensei... pensei...

O homúnculo o olhava, curioso. Rincewind praguejou.

- Bem, se você quer saber, achei que ele não queria dizer magia. Não assim.

- E o que seria, então?

Rincewind começava realmente a se sentir um bagaço.

- Não sei - disse ele. - Acho que uma maneira melhor de fazer as coisas. Algo que tivesse um pouco de sentido. Usar... usar a energia dos raios ou sei lá.

O diabinho lhe dirigiu um olhar generoso e cheio de pena.

- Raio é a lança que os gigantes do trovão atiram quando lutam - explicou ele com calma. - Fato meteorológico comprovado. Não dá para usar a energia.

- Eu sei - lamentou Rincewind. - Essa é a falha do argumento.

O homúnculo assentiu e desapareceu dentro do iconógrafo. Alguns instantes mais tarde, Rincewind sentiu cheiro de bacon fritando. Então esperou até o estômago não agüentar mais e bateu na caixa. O diabinho reapareceu.

- Estive pensando no que você falou - disse ele antes que Rincewind pudesse abrir a boca. - E mesmo que conseguisse aproveitar a energia, como faria para que essa força movesse uma carroça?

- Do que está falando?

- Dos raios. Eles só sobem e descem. Você queria que fossem para a frente e não para cima ou para baixo. De qualquer forma, é provável que se consumissem no processo.

- Eu não me importo com os raios! Como é que posso pensar de estômago vazio?

- Coma alguma coisa, então. Isso é bastante lógico.

- De que maneira? Toda vez que me mexo, a droga da arca verga as dobradiças para mim.

Na mesma hora, a Bagagem arreganhou a tampa.

-Viu?

- Ela não quer morder - garantiu o diabinho. - Tem comida ali dentro. Com fome, você não tem utilidade nenhuma para ela.

Rincewind examinou os cantos escuros da Bagagem. De fato, em meio à bagunça de caixas e sacos de ouro, havia garrafas e embrulhos engordurados. Ele deu uma risada cínica, percorreu aquela margem abandonada até achar um pedaço de madeira do tamanho certo, meteu-o com o máximo de educação possível na abertura da tampa e puxou um dos pacotes para fora.

Havia biscoitos, que se revelaram duros como madeira-diamante.

- Que inferno! - murmurou ele, passando a mão nos dentes.

- São os Digestivos para Viajantes do Capitão Oito Panteras - explicou o diabinho, encostado na porta da caixa. - Já salvaram muitas vidas no mar.

- Ah, claro. A gente usa como jangada ou joga para os tubarões e fica olhando eles afundarem? O que tem nas garrafas? Veneno?

- Água.

-. Mas tem água em tudo que é lugar. Por que ele traria isso?

- Confiança.

- Confiança?

- É o que ele não tinha na água daqui. Entendeu?

Rincewind abriu uma garrafa. O líquido podia ser água. Não tinha sabor nenhum, nenhum traço de vida.

- Não tem cheiro, nem gosto - reclamou ele.

A Bagagem rangeu, chamando a sua atenção. Então, com um ar indolente de ameaça calculada, ela fechou a tampa devagar, quebrando a cunha improvisada de Rincewind como se fosse um pão seco.

- Tudo bem, tudo bem - disse ele. - Estou pensando.

 

O quartel de Ymor ficava na Torre Inclinada, na junção da Rua Geada com o Beco Frio. À meia-noite, o solitário guarda encostado nas sombras olhou para os planetas em conjunção e se pôs a imaginar que mudanças poderiam trazer para o seu destino.

Houve um ruído muito leve, como o de um mosquito bocejando.

O vigia encarou a rua deserta e então entreviu o reflexo do luar em alguma coisa que se encontrava na lama, a alguns metros de distância. Ele pegou o objeto. A lua brilhou sobre o ouro e o guarda suspirou quase alto o bastante para ecoar em todo o beco.

Houve outro leve ruído e mais uma moeda rolou pela vala, do outro lado da rua.

Quando o vigia a tomou nas mãos, veio outra - um pouco mais afastada e ainda a girar. Diziam que o ouro, lembrou-se ele, era formado a partir da luz cristalizada das estrelas. Mas, até então, ele jamais acreditara ser verdade que algo pesado como o metal pudesse cair do céu.

Quando o vigia chegou à altura do beco oposto, caiu mais ouro. Ainda havia uma boa quantidade no saco, que Rincewind desferiu sem dó nem piedade na cabeça do homem.

Quando o guarda voltou a si, percebeu que estava vendo o rosto de um mago de olhos alucinados, ameaçando sua garganta com uma espada. Na escuridão, alguma coisa também lhe apertava a perna.

Era aquele tipo desconcertante de aperto que dava a entender que o apertador, se quisesse, poderia ser muito mais cruel.

- Onde está o estrangeiro rico? - sussurrou Rincewind. - Rápido!

- O que está prendendo a minha perna? - perguntou o com horror na voz.

Ele tentou se libertar. A pressão aumentou.

- Não queira saber - respondeu o mago. - Preste atenção, por favor. Cadê o estrangeiro?

- Não está aqui! Está no Grandão. Todo o mundo está atrás dele. Você é Rincewind, não é? A arca... a arca que morde as pessoas... Ah, não, não. Por favooooor...

Rincewind já tinha ido embora. O vigia sentiu a pessoa - ou, como ele já estava começando a temer, o negócio - soltar sua perna. Então, quando tentou se pôr de pé, alguma coisa grande, retangular e pesada, vinda da escuridão, chocou-se com ele e zarpou atrás do mago. Alguma coisa com centenas de perninhas.

 

Apenas com o livro de frases traduzidas feito em casa para ajudá-lo, Duasflor tentava explicar os mistérios do sem-gol-rum para Grandão. O hospedeiro, enorme de gordo, ouvia atentamente - os olhinhos pretos a brilhar.

Do outro lado da mesa, Ymor observava com certa curiosidade, vez por outra alimentando um dos corvos com as sobras do prato. A seu lado, Withel andava para lá e para cá.

- Você se preocupa demais - disse Ymor, sem tirar os olhos dos dois homens. - Estou sentindo, Stren. Quem ousaria nos atacar aqui? E aquele mago ordinário vai aparecer. É covarde demais para não vir. Então vai tentar negociar. E nós o pegaremos e também o ouro. E a arca.

O olho único de Withel brilhou e ele socou a palma da mão calçada com luva preta.

- Quem poderia imaginar que tinha tanta madeira sábia de Pereira no Discworld? - perguntou ele. - Como é que a gente podia saber?

- Você se aporrinha demais, Stren. Tenho certeza de que vai se dar melhor na próxima - observou Ymor.

O subordinado bufou desgostoso e se pôs a andar a passos largos pelo salão, para intimidar seus homens. Ymor continuava observando o turista.

Era estranho, mas parecia que o rapaz não se dava conta da gravidade da situação. Várias vezes, Ymor o vira correr os olhos pelo lugar com uma expressão de enorme prazer no rosto. O homenzinho também vinha falando havia séculos com o hospedeiro e Ymor vira um pedaço de papel trocar de mãos. Grandão havia dado ao turista algumas moedas. Era estranho.

Quando, enfim, Grandão se levantou e passou cambaleante pela cadeira de Ymor, a mão do chefe dos ladrões se lançou como uma mola de aço e segurou o homem gordo pelo avental.

- O que foi tudo isso, amigo? - perguntou Ymor baixinho.

- Na-nada, Ymor. Só negócios pessoais.

- Não existe segredo entre amigos, Grandão.

- É. Bem, para dizer a verdade, nem eu mesmo entendi muito bem. É meio como um jogo - explicou o dono da hospedaria, cheio de nervosismo. - O nome é sem-gol-rum. É como uma aposta que a Tambor Quebrado não vai pegar fogo.

Ymor sustentou o olhar de Grandão até o homem se encolher de medo e constrangimento. Então, o chefe dos ladrões riu.

- Essa isca de fogo comida pelos vermes e caindo aos pedaços? O cara deve ser maluco!

- É, mas um maluco com dinheiro. Ele disse que agora tem a... não lembro a palavra, começa com A. É como se chama o dinheiro em jogo que... as pessoas para quem ele trabalha lá no Império Agateano vão pagar se a Tambor Quebrado pegar fogo. Não que eu queira isso. Que pegue fogo. A Tambor Quebrado. Quer dizer, é como uma casa para mim, a Tambor...

- Até que você não é completamente burro - disse Ymor e empurrou o hospedeiro para longe.

A porta se abriu, batendo com violência na parede.

- Ei, essa porta é minha! - gritou Grandão.

Então ele viu quem estava no alto da escada e se escondeu atrás da mesa uma fração de segundo antes de a setinha preta atravessar o salão e acertar a madeira.

Ymor deslizou a mão com cuidado e se serviu de outro garrafão de cerveja.

- Não vai me acompanhar, Zlorf? - perguntou, amável. - E abaixe essa espada, Stren. Zlorf Pés de Flanela é nosso amigo.

O presidente do Grêmio dos Assassinos girou a pequena zarabatana com agilidade e meteu a arma no coldre com um movimento suave.

- Stren! - disse Ymor.

O bandido vestido de preto suspirou e guardou a espada. Mas manteve a mão no cabo e os olhos no homem.

Não era fácil. No Grêmio dos Assassinos, as promoções se davam por competições, sendo os exames práticos a parte mais importante - na verdade, a única parte. E assim a cara larga e respeitável de Zlorf era bordada de cicatrizes, resultado natural de muitos embates ferozes. De qualquer maneira, ele provavelmente nunca havia sido muito bonito - diziam que Zlorf escolhera uma profissão em que roupas escuras, gorros, capotes e andanças noturnas eram comuns na família porque havia certo medo da luz do dia. Vestígios de sangue troll. As pessoas que diziam isso perto de Zlorf, é claro, costumavam levar suas orelhas para casa no chapéu.

Ele desceu a escada seguido por alguns assassinos. E, quando estava exatamente na frente de Ymor, disse:

- Vim por causa do turista.

- E isso é da sua alçada, Zlorf?

- É. Grinjo, Urmond... peguem ele.

Dois dos assassinos deram um passo à frente. Mas Stren já estava diante deles, a espada parecia materializar-se a um centímetro das gargantas sem ter atravessado o espaço intermediário.

- É possível que eu mate só um de vocês - sussurrou ele. - Mas sugiro que se perguntem... qual.

- Olhe para cima, Zlorf- pediu Ymor.

Na escuridão, entre os caibros do telhado, uma fileira de olhos amarelos e funestos fitavam o que se passava lá embaixo.

- Mais um passo e você sai daqui com menos olhos do que entrou - ameaçou o chefe dos ladrões. - Sente-se e tome uma bebida, Zlorf. E então podemos conversar sobre isso de maneira mais sensata. Achei que a gente tivesse um acordo. Você não rouba... e eu não mato. Quer dizer, por dinheiro - acrescentou ele depois de uma pausa.

Zlorf pegou a cerveja que ofereceram.

- Então - disse por fim - eu mato o cara. Depois você rouba. É aquele esquisito ali?

- É.

Zlorf encarou Duasflor, que abriu um sorriso, O assassino deu de ombros. Raramente perdia tempo tentando imaginar por que as pessoas queriam outras pessoas mortas. Era só um meio de vida.

- Posso saber quem é o seu cliente? - perguntou Ymor.

Zlorf ergueu a mão.

- Por favor! - protestou ele. - Ética profissional.

- Claro. Aliás...

- O quê?

- Acho que tenho dois guardas lá fora...

- Tinha.

- E alguns outros no outro lado da rua...

- Não mais.

- E dois arqueiros no telhado...

Uma centelha de dúvida atravessou o rosto de Zlorf, como o último raio do sol a brilhar num campo mal-arado.

A porta se abriu com força, ferindo terrivelmente um assassino que se encontrava próximo.

- Parem de fazer isso! - berrou Grandão debaixo da mesa.

Zlorf e Ymor encararam o sujeito no vão da porta. Era baixo, gordo e vestia-se com requinte. Com muito requinte. Havia numerosos vultos altos logo atrás dele. Vultos muito altos e ameaçadores.

- Quem é? - perguntou Zlorf.

- Conheço o sujeito - respondeu Ymor. - O nome dele é Rerpf. Gerencia a taberna Prato Cheio, perto da Ponte de Bronze. Stren... tire ele daqui!

Rerpf levantou a mão cheia de anéis. E Stren Withel hesitou a meio caminho da porta, quando vários trolls se agacharam para passar por ela e se puseram ao lado do homem gordo. Músculos do tamanho de melões se projetavam em antebraços como sacos de farinha. Cada troll tinha um machado de duas lâminas. Entre o polegar e o indicador.

Grandão saiu do esconderijo, com o rosto coberto de raiva.

- Fora! - gritou ele. - Tire esses trolls daqui!

Ninguém se mexeu. De repente, o salão mergulhou no silêncio. Grandão olhou rápido à volta. Então tomou consciência do que havia dito e para quem. Um gemido lhe escapou dos lábios, contente por se ver livre.

O hospedeiro chegou à porta que levava ao porão no momento exato em que um dos trolls - com um golpe meio preguiçoso - atirou o machado pelo salão. A batida da porta e a subseqüente rachadura, assim que o machado a atingiu, confundiram-se num único som.

- Caramba! - disse Zlorf Pés de Flanela.

- O que você quer? - perguntou Ymor.

- Estou aqui em nome da Associação dos Mercadores e Comerciantes - respondeu Rerpf com tranqüilidade. - Para proteger nossos interesses. Ou seja, o rapazinho.

Ymor franziu a testa.

- Desculpe - disse ele. - Estou enganado ou você disse Associação dos Mercadores?

- E comerciantes - completou Rerpf.

Além de mais trolls, agora também havia atrás dele vários homens que Ymor reconhecia vagamente. Talvez os tivesse visto atrás de caixas registradoras e balcões. Em geral, figuras indistintas - fáceis de ignorar, fáceis de esquecer. Uma sensação ruim começou a brotar num canto de sua mente. Ele pensou em como seria, digamos, o confronto de uma raposa com uma ovelha zangada. Principalmente uma ovelha que pudesse contratar lobos.

- Posso saber há quanto tempo existe essa... associação? - perguntou ele.

- Desde hoje à tarde - respondeu Rerpf. - Eu sou o vice- líder encarregado do turismo.

- E o que é esse turismo de que está falando?

- Hã... não sabemos muito bem... - disse Rerpf.

Um velho barbudo ergueu a cabeça sobre o ombro do vice- líder e explicou:

- Falando em nome dos comerciantes de vinho de Morpork, Turismo quer dizer Negócios.

- E então? - indagou Ymor com frieza.

- E então - disse Rerpf- estamos protegendo nossos interesses, como eu já disse.

- FORA, ladrões, FORA, ladrões! - gritou seu companheiro mais velho.

Vários outros se juntaram aos protestos. Zlorf riu.

- E assassinos! - bradou o velho.

Zlorf resmungou.

- É lógico - argumentou Rerpf. - Com gente roubando e matando em tudo que é canto, que tipo de recordação os visitantes vão levar para casa? O sujeito vem lá de não sei onde para ver nossa bela cidade e seus muitos pontos de interesse cívico e histórico, e também com seus costumes exóticos, e acaba morto num beco escuro ou no Ankh. Como é que vai contar a todos os amigos que está se divertindo de montão? Vamos encarar os fatos, vocês precisam acompanhar a mudança dos tempos.

Zlorf e Ymor se entreolharam.

- Precisamos, não precisamos? - perguntou Ymor.

- Então, deixe-me ajudar nessa mudança, companheiro - disse Zlorf.

Num único movimento, o assassino levou a zarabatana à boca e soprou uma seta no troll que estava mais perto. O troll rodopiou, atirando o machado - que passou raspando sobre a cabeça de Zlorf e acabou cravado num ladrão menos sortudo.

Rerpf abaixou, deixando o troll que se encontrava logo atrás dele erguer uma enorme balista de ferro e atirar a seta num dos assassinos. Era o começo...

 

Já foi dito que os indivíduos sensíveis às radiações da remota octarina - a oitava cor, o pigmento da Imaginação - podem ver coisas que os outros não são capazes.

Foi assim que Rincewind, correndo pelos bazares abarrotados e mal-iluminados de Morpork - com a Bagagem no seu encalço -, tropeçou num vulto alto e escuro. Virou-se para soltar umas maldições apropriadas e deu de cara com o Morte.

Tinha que ser o Morte. Ninguém mais saía por aí com as órbitas oculares vazias. É claro que a foice no ombro também era um sinal. Enquanto Rincewind observava apavorado, um casal - rindo de uma piada qualquer -, atravessou o espectro sem notá-lo.

Morte, até onde era possível num rosto sem expressão, pareceu surpreso.

- RINCEWIND? - chamou o vulto em tons graves e carregados, como de portas de chumbo se fechando nos confins de algum lugar subterrâneo.

- Hã - disse o mago, tentando se afastar do olhar sem olhos.

- MAS POR QUE VOCÊ ESTÁ AQUI?

(Bum, bum, ressoaram as portas de uma cripta nas profundezas infestadas de vermes, debaixo de antigas montanhas.)

- Hã, por que não? - perguntou Rincewind. - Enfim, tenho certeza de que você tem muita coisa para fazer, então se me der licença...

- FIQUEI SURPRESO POR VOCÊ TROPEÇAR EM MIM, RINCEWIND, PORQUE TENHO UM ENCONTRO MARCADO COM VOCÊ HOJE À NOITE.

-Ah, não, não...

- É CLARO, O ESPANTOSO DA SITUAÇÃO É QUE EU ESPERAVA ENCONTRÁ-LO EM PSEUDÓPOLIS.

- Mas isso fica a 800 quilômetros daqui!

- NEM PRECISA ME DIZER. TODO O SISTEMA DEVE TER PIRADO DE NOVO. ESTOU SENTINDO. OLHE, SERÁ QUE NÃO TEM JEITO DE VOCÊ...?

Rincewind recuou - as mãos abertas à frente para se proteger. O peixeiro numa barraca próxima o observava com curiosidade, julgando-o maluco.

- De jeito nenhum!

- POSSO LHE EMPRESTAR UM CAVALO BASTANTE RÁPIDO.

-Não!

- NÃO VAI DOER NADA...

-Não!

Rincewind se virou e correu. Morte o observou fugindo e deu de ombros com certo amargor.

- ENTÃO, VÁ SE DANAR! - disse.

Ele se virou e notou o peixeiro. Com um rosnado, Morte esticou um dos dedos ossudos e fez o coração do homem parar, mas não sentiu nenhum orgulho pela proeza.

Então se lembrou do que estava para acontecer naquela noite. Seria mentira dizer que Morte sorriu porque, de qualquer modo, seu rosto estava para sempre inevitavelmente endurecido num sorriso forçado e calcário. Mas Ele entoou umas notas, alegres como as covas abertas para os lazarentos, e - parando apenas para tirar a vida de uma mariposa e um sétimo das vidas de um gato encolhido debaixo da barraca de peixes (todos os gatos enxergam a octarina) - partiu para a Tambor Quebrado.

A Rua Curta, em Morpork, é na verdade a mais longa da cidade. A Rua Filigrana cruza sua extremidade no sentido horário como a travessa de um T e a Tambor Quebrado está localizada de tal forma que dela se pode avistar toda a extensão da rua.

No outro extremo da Curta, um vulto alongado levantou centenas de perninhas e se pôs a correr. A princípio, não passava de um trote desajeitado, mas, quando atingiu a metade do quarteirão, já se movia à velocidade de uma flecha...

Uma sombra ainda mais escura se esgueirava pela parede da Tambor, a alguns metros dos dois trolls que vigiavam a porta. Rincewind suava. Se ouvissem o menor tilintar dos sacos especialmente preparados que levava no cinto...

Um dos trolls bateu no ombro do colega, provocando um som como de duas rochas se chocando. Então apontou para a rua iluminada pelas estrelas...

Rincewind saiu às pressas do esconderijo e jogou o saco pela janela mais próxima da Tambor.

Withel foi o primeiro a ver. O saco fez um arco pelo salão, curvando-se lentamente no ar, e arrebentou na ponta de uma mesa. Alguns instantes depois, moedas de ouro rolavam brilhando pelo chão.

Subitamente o salão mergulhou no silêncio, exceto pelo ruído do ouro e pelos gemidos dos feridos. Com um palavrão, Withel liquidou o assassino com quem vinha lutando.

- É uma armadilha! - gritou ele. - Ninguém se mexa!

Sessenta homens e uma dezena de trolls pararam de tatear o ouro.

Nesse momento, pela terceira vez, a porta foi aberta com força. Dois trolls entraram rápido, puseram a tranca na porta e desceram a escada em disparada.

No lado de fora, houve uma repentina correria. Então, pela última vez, a porta se abriu. Na verdade, explodiu - a grande tranca de madeira foi lançada para longe e o batente cedeu.

A porta caiu numa mesa, que desabou em pedaços. E foi então que os lutadores paralisados perceberam que havia mais alguma coisa em meio ao monte de madeira. Era uma arca, agitando-se em fúria para se livrar dos pedaços de pau a seu redor.

Rincewind surgiu no vão da porta em ruínas e atirou outra de suas granadas de ouro, que estourou na parede, espalhando mais moedas.

No subsolo, Grandão olhou para cima, resmungando sozinho, e prosseguiu o que vinha fazendo. Todo o estoque de velas para o rocainverno já estava espalhado no chão, misturado com gravetos. E agora ele derramava um barril de querosene.

- Sem-gol-rum - murmurou.

O óleo se alastrava em volta dos seus pés.

Withel esbravejava pelo salão - o rosto era uma máscara de ódio. Rincewind mirou com cuidado e acertou em cheio um saco de ouro no peito do ladrão.

Então Ymor começou a berrar, apontando um dedo acusador. Um dos corvos deixou o alto dos caibros e mergulhou na direção do mago, com as garras abertas e reluzentes.

Não chegou ao alvo. Mais ou menos na metade do caminho, a Bagagem saltou do meio dos pedaços de pau, abriu rapidamente a tampa em pleno ar e fechou-a num estalo, caindo com leveza de volta ao chão.

Rincewind viu a tampa se abrir outra vez, de leve. Apenas o bastante para uma língua - grande feito uma folha de palmeira e vermelha como mogno - lamber algumas penas soltas.

No mesmo instante, o enorme candelabro despencou do teto, mergulhando tudo na escuridão. Rincewind, encolhendo-se como uma mola, deu um salto e agarrou uma das vigas, avançando oscilante para a segurança relativa do telhado, com uma força que o surpreendeu.

- Emocionante, não é? - disse alguém perto de seu ouvido.

Lá embaixo, todos os ladrões, assassinos, trolls e mercadores pareceram notar ao mesmo tempo que se encontravam num lugar escorregadio - por causa das moedas de ouro espalhadas pelo chão. E que havia uma coisa simplesmente pavorosa no meio dos vultos que, de repente, se tornaram assustadores no breu quase absoluto. De uma só vez, todos se dirigiram para a porta, mas havia dezenas de idéias diferentes acerca de sua posição exata.

Bem acima da confusão, Rincewind encarou Duasflor.

- Foi você quem cortou as luzes? - perguntou.

- Fui.

- Por que está aqui em cima?

- Achei melhor não atrapalhar ninguém.

Rincewind considerou a resposta. Não pensou em nada que pudesse dizer. Duasflor acrescentou:

- Uma briga de verdade! Muito melhor do que eu poderia imaginar! Acha que devo agradecer a eles? Ou foi você que organizou?

Rincewind olhou confuso para o rapaz.

- Acho melhor a gente descer agora - propôs, resignado. - Todos já se foram.

Ele puxou Duasflor pelo salão entulhado, depois pela escada. E os dois ganharam a rua nos últimos momentos da noite. Ainda havia algumas estrelas, mas a lua estava baixa e derramava um fraco brilho acinzentado em direção à Borda. Mais importante, a rua estava deserta.

Rincewind farejou em volta.

- Está sentindo cheiro de querosene?

Então Withel saiu das sombras e lhe deu uma rasteira.

No alto da escada do porão, Grandão se ajoelhou e pegou a caixa de fósforos. Estava úmida.

- Eu vou matar esse gato! - ele resmungou.

Então procurou a de reserva, que em geral ficava numa prateleira próxima à porta. Não estava. Grandão soltou um palavrão. Uma vela acesa surgiu em pleno ar, logo a seu lado.

-AQUI, TOME.

- Obrigado - disse Grandão.

- NÃO HÁ DE QUÊ.

O hospedeiro ia jogar a vela lá embaixo. De repente, sua mão se deteve. Ele olhou para a vela, franzindo a testa. Então se virou e ergueu a vela a fim de iluminar o ambiente. A chama não emitia muita luz, mas deu certa forma à escuridão...

- Ah, não - gemeu ele.

- AH, SIM - retrucou Morte.

Rincewind rolou pelo chão.

Por um momento, achou que Withel o mataria ali mesmo. Mas era pior. O ladrão estava esperando ele se levantar.

- Vejo que você tem uma espada, mago - disse ele, baixinho - Sugiro que se levante e então podemos ver se luta bem.

Rincewind se levantou o mais lentamente possível e tirou do cinto a espada curta que havia roubado do guarda algumas horas e uma centena de anos atrás. Era um negócio bem tosco, comparado ao espadim de Withel, fino como um fio de cabelo.

- Mas eu não sei lutar - lamentou-se.

- Ótimo.

- Sabia que mago não morre com arma de corte? - perguntou Rincewind em desespero.

With sorriu com frieza.

- Foi o que ouvi dizer - respondeu ele. - Não vejo a hora de fazer teste.

Então atacou.

Rincewind aparou o golpe por mera sorte, afastou a mão em choque, desviou o segundo ataque por coincidência e recebeu o terceiro na altura do coração, que lhe rasgou o manto.

Houve um tinido.

O rosnado de triunfo de Withel morreu na garganta. Ele recuou a espada e furou novamente o mago, que já se encontrava rijo de medo e culpa. Houve mais um tinido, e então as moedas de ouro começaram a cair da bainha do manto.

- Quer dizer que você sangra ouro, é? - sussurrou Withel. - Mas será que também tem ouro escondido nessa barba rala, seu...

Quando a espada recuou para o ataque final, o brilho agourento que vinha crescendo no vão da porta da Tambor Quebrado oscilou, turvou-se e explodiu numa retumbante bola de fogo que arremessou as paredes para longe e lançou o telhado trinta metros no ar antes de irromper por ele numa cascata de telhas incandescentes.

Withel observava as chamas, apreensivo. Rincewind saltou, abaixou-se para desviar do braço armado do ladrão e puxou a própria lâmina num movimento tão mal calculado que primeiro acertou de lado no homem e então ela lhe caiu das mãos. Choviam centelhas e gotículas de querosene fervente quando Withel levou as duas mãos enluvadas ao pescoço de Rincewind, forçando-o para o chão.

- Foi você que fez isso! - gritou ele. - Você e a sua arca de truques!

O polegar do ladrão achou a traquéia de Rincewind. “É isso aí”, pensou o mago. “Pra onde quer que eu esteja indo, não pode ser pior do que aqui...”

- Com licença - disse Duasflor.

Rincewind sentiu o aperto das mãos afrouxar. E agora Withel se erguia lentamente, com um ódio mortal estampado no rosto.

Caiu uma brasa no mago. Ele de pronto se limpou e conseguiu se pôr de pé.

Duasflor estava atrás de Withel, empunhando a espada afiada do próprio homem, com a ponta da arma encostada em suas costas. Os olhos de Rincewind se apertaram. Ele enfiou a mão no manto e voltou com o punho cerrado.

- Não se mexa - ordenou.

- Estou fazendo direito? - perguntou Duasflor, ansioso.

- Ele está dizendo que vai furar o seu fígado se você se mexer - disse Rincewind, traduzindo livremente.

- Duvido - disse Withel.

- Quer apostar?

- Não.

Quando Withel se retesou para encarar o turista, Rincewind atacou, acertando o ladrão no queixo. Withel o fitou surpreso por alguns instantes e, então, tombou com suavidade na lama.

O mago desfez o punho vigoroso e as moedas de ouro rolaram por entre os dedos latejantes. Ele olhou para o ladrão estirado na lama.

- Credo! - deixou escapar.

Nesse momento, olhou para cima e gritou quando outra brasa lhe caiu no pescoço. As chamas se alastravam pelos telhados dos dois lados da rua. E, em todo canto, pessoas jogavam pertences pela janela e tiravam cavalos das estrebarias esfumaçadas. Mais uma explosão no vulcão incandescente que agora era a Tambor fez um tampo de mármore voar pelos ares.

- O Portão Anti-Horário é o mais próximo! - gritou Rincewind mais alto que o estrondo das vigas que rufam. - Vamos!

Ele agarrou o braço relutante de Duasflor e puxou o rapaz

- Minha Bagagem...

- Dane-se a Bagagem. Se você ficar aqui mais tempo vai acabar indo para um lugar em que não precisa de bagagem! Vamos! - berrou Rincewind.

Os dois seguiram aos trancos pela multidão de gente assustada que abandonava o lugar, enquanto o mago sorvia uma enorme quantidade do ar frio da manhã. Algo o incomodava.

- Tenho certeza de que todas as velas se apagaram - disse ele - Como é que a Tambor pegou fogo?

- Não sei - gemeu Duasflor. - É horrível, Rincewind. E a gente também estava se dando tão bem.

Rincewind parou estupefato, de tal maneira que outro fugitivo esbarrou nele com força e saiu girando a praguejar.

 

- Vocês se dando bem?

- É, um grupo maravilhoso... A questão da língua foi um pouco complicada, mas todos foram tão legais em me deixar participar da festa... Não aceitaram não como resposta... Rapazes muito amistosos, eu achei...

Rincewind tentou corrigi-lo, mas percebeu que não sabia por onde começar.

- Vai ser um golpe para o velho Grandão - continuou Duasflor. - Por outro lado, ele foi esperto. Ainda estou com o rhinu que ele pagou como prêmio.

Rincewind não sabia o significado da palavra prêmio, mas sua cabeça estava trabalhando rápido.

- Você sem-gol-rum a Tambor? - perguntou ele. - Apostou com Grandão que o lugar não ia pegar fogo?

- Isso mesmo. Avaliação padrão. Duzentos rhinus. Por que perguntou?

Rincewind olhou para trás e viu as labaredas que avançavam em direção a eles e, então, se pôs a imaginar quanto de Ankh Morpork podia se comprar com duzentos rhinus. Uma boa parte, concluiu. Só que não agora, não da maneira como as chamas estavam progredindo...

Ele encarou o turista.

- Seu... - começou o mago, buscando na memória a pior palavra do idioma trob.

Os bons e amáveis habitantes de Trob não sabiam xingar como se devia.

- Seu... - repetiu ele.

Outra figura apressada deu um encontrão no mago, quase o acertando com a lâmina que levava apoiada no ombro. O atormentado Rincewind explodiu.

- Seu pequeno (alguém que, embora use brinco de cobre no nariz, fica dentro de uma poça no alto do Monte Raruaruaha durante uma tempestade violenta e grita que Alohura, a deusa do trovão, tem as feições de uma raiz de uloruaha estragada)!

- SÓ ESTOU FAZENDO MEU TRABALHO - disse a criatura, afastando-se.

As palavras caíram pesadas como lápides de mármore. Além do mais, Rincewind tinha certeza de ser o pânico que havia ouvido.

Ele agarrou Duasflor outra vez.

- Vamos sair daqui! - ordenou.

Um interessante efeito colateral do incêndio de Ankh-Morpork se refere à ar-pó-lis-sim-de-sem-gol-rum, que deixou a cidade pelo teto destroçado da Tambor Quebrado. Ela foi levada para o alto da atmosfera do Discworld na resultante corrente de ar quente e voltou ao solo vários dias e alguns milhares de quilômetros depois, pousando num arbusto de uloruaha, nas ilhas de Trob. Os simples e risonhos habitantes da ilha acabaram reverenciando o papel como um deus, para enorme diversão dos vizinhos mais refinados. Por estranho que pareça, as chuvas e colheitas dos anos seguintes foram abundantes de maneira quase sobrenatural, o que levou o departamento de Religiões Menores da Universidade Invisível a enviar uma equipe de pesquisadores à ilha. O veredicto foi que esse fato servia como prova.

O fogo, impulsionado pelo vento, alastrava-se muito mais rápido do que a capacidade humana de correr. As madeiras do Portão Anti-Horário já estavam em chamas quando Rincewind, com o rosto vermelho e cheio de bolhas por causa das labaredas, chegou ao local. A essa altura, ele e Duasflor estavam a cavalo - não fora difícil conseguir os animais. Um mercador espertalhão havia pedido cinqüenta vezes o valor das bestas e ficara de queixo caído quando mil vezes o valor dos animais fora depositado em suas mãos.

Os dois passaram pelo portão pouco antes de a primeira das grandes tábuas cair numa explosão de faíscas. Morpork já era um caldeirão de chamas.

Quando galopavam na estrada iluminada pelo clarão verme, Rincewind olhou para o companheiro de viagem que, naquele momento, tentava a duras penas aprender a montar.

Caramba, pensou. Ele está vivo! Eu também. Quem poderia imaginar? Talvez haja mesmo alguma coisa nesse som-refletido-de-espiritos-ocultos... Era uma expressão difícil. Rincewind tentou enrolar a língua nas sílabas complicadas que compunham a palavra no idioma do próprio Duasflor.

- Escoliria? - arriscou ele. - Eco-notia? Eco-gnomia? Estava bom. Parecia bem perto do que era.

Rio abaixo, várias centenas de metros além do último bairro incendiado da cidade, um objeto estranhamente retangular e aparentemente cheio de água chegava à margem do sentido anti-horário. Assim que encontrou terra firme esticou numerosas pernas e se debateu até encontrar estabilidade.

Arrastando-se para o alto do barranco, a Bagagem - suja de fuligem, manchada pela água e com muita, mas muita raiva - sacudiu-se e avaliou sua posição. Então começou a andar num trote vigoroso, enquanto o diabinho minúsculo e incrivelmente feio empoleirado na tampa observava a paisagem com interesse.

Bravd olhou para Manhoso e ergueu as sobrancelhas.

- Então é isso - concluiu Rincewind. - A Bagagem nos alcançou, não perguntem como. Tem mais vinho?

Manhoso pegou o odre vazio.

- Acho que você já bebeu o bastante por esta noite - disse.

A testa de Bravd estava franzida.

- Ouro é ouro - constatou ele, afinal. - Como é que um homem cheio de ouro pode se considerar pobre? Ou o sujeito é pobre ou é rico. É lógico.

Rincewind deu um soluço. Ele vinha achando um tanto difícil usar a Lógica, ultimamente.

- Bem - disse o mago - o que eu acho, a questão, bem... vocês conhecem octirona?

Os dois aventureiros fizeram que sim com a cabeça. O estranho metal iridescente era quase tão estimado nas terras que circundavam o Mar Círculo quanto a madeira sábia de pereira - e quase tão raro. O homem que possuía uma agulha feita de octirona jamais perdia o rumo, pois ela sempre apontava para o Centro do Discworld - sendo muito sensível a seu campo mágico. Também era fato que cerzia milagrosamente as meias do dono.

- Bem, o que quero dizer é que, vejam bem, o ouro também possui uma espécie de campo mágico próprio. Uma espécie de feitiçaria financeira. Eco-gnomia - disse Rincewind e, então, deu umas risadas.

Manhoso se levantou, espreguiçando-se. O sol já ia alto e a cidade logo abaixo estava coroada pela neblina e também cheia de fumaça. E de ouro, concluiu ele. No momento iminente da morte, até um cidadão de Morpork abandonaria seus tesouros para salvar a própria pele. Era hora de entrar em ação.

O homenzinho chamado Duasflor parecia dormir. Manhoso olhou para ele e sacudiu a cabeça.

- A cidade nos espera - disse por fim. - Obrigado pela ótima história, mago. O que vão fazer agora?

Ele encarou a Bagagem, que logo recuou e fechou a tampa.

- Não tem nenhum navio deixando a cidade - brincou Rincewind. -Acho que vamos tomar a estrada costeira para Chirm. Tenho que cuidar dele. Mas, olhem, não fui eu quem causou isso tudo...

- Claro, claro - interrompeu Manhoso, apaziguador.

Ele se virou e montou na sela do cavalo que Bravd segurava. Alguns instantes mais tarde, os dois heróis não passavam de pontinhos a avançar em direção à cidade carvoenta sob a nuvem de poeira.

Bêbado, Rincewind fitou o turista deitado. Viu dois turistas deitados. Em seu estado um tanto indefeso, um pensamento perdido - vagando pelas dimensões em busca de uma mente em que aportar - entrou-lhe no cérebro.

- Aí está outra boa confusão em que você me meteu - gemeu o mago e, então, caiu para trás.

 

- Maluco - disse Manhoso.

Bravd, que galopava a alguns metros de distância, assentiu.

- Todo mago fica assim - observou ele. - São os vapores de mercúrio. Corroem o cérebro. Os cogumelos também.

- No entanto... - disse o aventureiro vestido de marrom.

Ele enfiou a mão na túnica e tirou um disco dourado com uma pequena corrente. Bravd ergueu as sobrancelhas.

- O mago disse que o rapaz tinha uma espécie de disco dourado que dizia as horas - lembrou Manhoso.

- Despertando sua ganância, amiguinho? Você sempre foi um ladrão de primeira, Manhoso.

- Sempre - concordou Manhoso com modéstia.

Ele apertou o botão na lateral do disco e o objeto se abriu.

O diabrete ali confinado olhou para cima do minúsculo ábaco em que se encontrava e lançou um olhar mal-humorado.

- Faltam dez minutos para as oito horas - resmungou ele.

Então, a tampa se fechou, quase prendendo os dedos de Manhoso.

Praguejando, o homem jogou o contador de horas longe no matagal, onde o disco possivelmente atingiu uma pedra. Seja como for, alguma coisa fez o negócio se espatifar. Houve um forte lampejo octarino e uma exalação de enxofre quando a criatura do tempo desapareceu em alguma dimensão demoníaca a que chamava de lar.

- Por que você fez isso? - perguntou Bravd, que não estivera perto o bastante para ouvir a conversa.

- Fiz o quê? - desdisse Manhoso. - Não fiz nada. Não aconteceu nada. Vamos... Estamos perdendo oportunidades!

Bravd concordou. Juntos, os heróis viraram os corcéis e galoparam para a cidade de Ankh, no rastro de encantamentos honestos.

 

A EMISSÃO DE OITO

PRÓLOGO

O DISCWORLD OFERECE PANORAMAS muito mais impressionantes do que os encontrados em universos feitos por Criadores com menos imaginação mas com maior habilidade mecânica.

Embora o sol do Discworld não passe de um pequeno satélite - suas protuberâncias não chegam a um palmo de altura - a desvantagem é compensada pela incrível vista da Grande A’Tuin, a Tartaruga, sobre cuja carapaça antiga e cravada de meteoros o Discworld afinal repousa. Às vezes, na lenta jornada pelas margens do Infinito, Ela mexe a cabeça do tamanho de um país para tentar morder um cometa de passagem.

Mas talvez a vista mais impressionante de todas seja a infinita queda-d’água da Borda, onde as beiras dos mares do Discworld espumam no espaço sem cessar - senão por outro motivo, apenas porque a maioria dos cérebros, quando confrontada com a enormidade galáctica de A’Tuin, recusa-se a acreditar. Ou talvez seja o Borda-íris, o arco-íris de oito cores que cinge o mundo, pairando no ar enevoado acima da Catarata. A oitava cor é a octarina, gerada pelo efeito difusor da forte luz solar sobre um campo mágico intenso.

Ou talvez a vista mais magnífica seja o Centro. Ali, uma haste de gelo verde sobe 15 quilômetros através das nuvens e sustenta, no pico, o reino de Dunmanifestin - a morada dos deuses do Discworld. Os deuses do Discworld, por sua vez - apesar do esplendor do mundo que têm logo abaixo -, raramente estão satisfeitos. É constrangedor ser deus de um mundo que só existe porque toda improbabilidade tem limite. Ainda mais quando se pode dar uma olhada em outras dimensões e ver universos em que os Criadores têm mais habilidade mecânica do que imaginação. Não é de admirar, portanto, que os deuses do Discworld passem mais tempo em disputas do que em onisciência.

Nesse dia preciso, Cego lo - chefe dos deuses à custa da vigilância constante - tinha o queixo na mão e olhava para o tabuleiro do jogo na mesa de mármore vermelho à frente. Cego lo fora assim batizado porque, onde deveriam estar as órbitas oculares, não havia nada além da pele lisa. Os olhos, dos quais possuía enorme quantidade, levavam uma vida semi-independente. Vários deles pairavam agora sobre a mesa.

O tabuleiro do jogo era um mapa minucioso do Discworld, dividido em quadrados. Várias peças lindamente esculpidas ocupavam agora alguns desses quadrados. A pessoa que olhasse com atenção reconheceria em duas delas, por exemplo, as imagens de Bravd e Manhoso. As demais representavam outros heróis e campeões, dos quais o Discworld tinha um estoque mais do que suficiente.

Estavam ainda no jogo lo, Offler, o Deus Crocodilo, Zéfiro, o deus das brisas suaves, Destino e a Dama. Havia um clima de grande concentração em volta do tabuleiro agora que os jogadores menos importantes tinham saído do jogo. O Acaso sofrerá uma eventualidade prematura, levando seu herói para uma casa cheia de gnolls armados (resultado de um lance de sorte de Offler) e, pouco depois, Noite trocava as fichas por dinheiro, alegando um encontro com Destino. Várias divindades menores já haviam se juntado no local e espiavam sobre os ombros dos jogadores.

Havia apostas de que a Dama seria a próxima a deixar o tabuleiro. Seu último campeão de algum peso era agora um montinho de cinzas nas ruínas ainda esfumaçadas de Ankh Morpork e praticamente não havia peças de reposição à altura.

Cego lo pegou a caixa de dados - um crânio com seus diversos orifícios tampados com rubis - e, mantendo vários olhos na Dama, rolou três cincos.

Ela sorriu. Assim eram os olhos da Dama: verde-claros, sem íris ou pupilas e brilho interior.

A sala ficou em silêncio quando ela mexeu em sua caixa de peças e, bem do fundo, tirou uma dupla que depositou no tabuleiro com dois estalos decisivos. Os outros jogadores, como um grande deus único, esticaram o pescoço para olhar.

- Um mago uenegado e um vunzionário - disse Offler, o Deus Crocodilo, como sempre atrapalhado pelos dentes longos.

- Ah, pur vavor!

Com a pata, ele empurrou um monte de fichas brancas para o centro da mesa.

A Dama balançou a cabeça de leve. Então, pegou a caixa de dados e segurou-a firme como uma rocha, mas todos os deuses puderam ouvir os três cubos se chacoalharem. Depois, lançou-os na mesa.

Um seis. Um três. Um cinco.

Alguma coisa estava acontecendo com o cinco, porém. Acometido pelo choque acidental de vários bilhões de moléculas, o dado se virou num ponto, girou com suavidade e caiu no sete.

Cego lo pegou o cubo e contou os lados.

- Qual é? - disse, aborrecido. - Vamos jogar limpo.

 

A EMISSÃO DE OITO

A ESTRADA QUE VAI DE ANKH MORPORK A CHIRM é íngreme e sinuosa, um trajeto de 140 quilômetros cheio de buracos e rochas salientes. Ela serpenteia elevada entre montanhas, afunda em vales verdes e frios, cheios de árvores cítricas, cruza desfiladeiros cobertos de cipó em pontes rangentes de corda e, no geral, é mais pitoresca do que transitável.

Pitoresco. Essa era uma palavra nova para o mago Rincewind (Bacharel em Mágica pela Universidade Invisível). Trata-se de uma entre muitas que ele havia assimilado desde que os dois abandonaram as ruínas carbonizadas de Ankh-Morpork. Exótico era outra. Pitoresco significava - concluiu ele depois de uma profunda observação dos cenários que inspiravam Duasflor a se valer do termo - que a paisagem era terrivelmente íngreme. Exótico, quando usada para descrever os ocasionais vilarejos por que passavam, queria dizer assolado por doenças e caindo aos pedaços.

Duasflor era um turista, o primeiro jamais visto no Discworld. Turista, concluíra Rincewind, queria dizer “idiota”.

À medida que cavalgavam, com o ar perfumado de manjericão e tomado pelo zumbido de abelhas, Rincewind avaliava as experiências dos últimos dias. Embora o estrangeiro fosse evidentemente louco, também era generoso e bem menos letal do que metade das pessoas com quem o mago se relacionava na cidade. Rincewind com certeza gostava do rapaz. Não gostar dele seria como dar um belo chute num cachorrinho.

No momento, Duasflor mostrava enorme interesse pela teoria e prática da magia.

- Está me parecendo bastante ineficaz - disse ele. - Sempre achei que o feiticeiro dissesse as palavras mágicas e pronto. Que não precisasse de toda essa memorização cansativa.

Rincewind concordou, melancólico. Então tentou explicar que, um dia, a magia havia de fato sido selvagem e desenfreada, mas fora domesticada no começo dos tempos pelos Antigos, que a fizeram obedecer - entre outras coisas - à Lei de Conservação da Realidade. Essa lei exigia que o esforço necessário à obtenção de um objetivo deveria ser o mesmo independentemente dos meios usados. Na prática, isso queria dizer que, digamos, criar a ilusão de uma taça de vinho era fácil porque envolvia apenas uma mudança sutil no arranjo das luzes. Por outro lado, fazer uma taça de vinho de verdade levitar a alguns metros do chão apenas pela força da mente exigia várias horas de preparação sistemática. Isto se o mago desejasse evitar que o princípio simples de sistemas de alavancas lhe arrancasse o cérebro pelos ouvidos.

Ele prosseguiu com as explicações e acrescentou que um pouco dessa magia antiga ainda podia ser encontrada em estado bruto, reconhecível - para os iniciados - pela forma octogonal que criava na estrutura cristalina do espaço-tempo. Havia, por exemplo, o metal octirona e o gás octogênio. Ambos irradiavam uma quantidade perigosa de feitiçaria em estado natural.

- É tudo muito deprimente - concluiu ele.

- Deprimente?

Rincewind se virou sobre a sela e olhou para a Bagagem de Duasflor, que no momento marchava a passos curtos, às vezes fechando a tampa sobre alguma borboleta. O mago suspirou.

- Rincewind acha que pode ser capaz de usar a energia dos raios - disse o diabinho dos retratos, que observava a paisagem a partir da minúscula porta da caixa pendurada no pescoço de Duasflor.

Ele havia passado a manhã pintando vistas pitorescas e cenas exóticas para o dono, que agora lhe concedera um intervalo para fumar.

- Quando eu disse usar, não quis dizer usar - rebateu Rincewind. - Eu quis dizer, bem, só que... Não sei, não consigo achar a palavra certa. Só acho que o mundo deveria ser um pouco mais organizado.

- Isso é ilusão - argumentou Duasflor.

- Eu sei. Esse é o problema.

Rincewind suspirou outra vez. Era muito bom sair falando em coerência, na harmonia dos números e na lógica que governava o universo, mas a questão pura e simples era que o Discworld atravessava o espaço na casca de uma tartaruga gigante e que os deuses tinham o hábito de aparecer na casa dos ateus quebrando as janelas.

Houve um barulhinho, tão baixo quanto o zumbido das abelhas nos alecrins à beira da estrada. Parecia som de ossos, algo como crânios rolando ou uma caixa de dados sendo agitada. Rincewind olhou em volta. Não havia ninguém.

Por alguma razão, isso o incomodou.

Então, surgiu uma brisa suave, que se intensificou e sumiu no espaço de algumas batidas do coração. A brisa deixou o mundo inalterado, exceto por alguns fatores interessantes.

Havia agora, por exemplo, um troll montanhês de 5 metros de altura parado na estrada. Ele estava com uma raiva excepcional. Isso, em parte, se devia ao fato de que em geral os trolls eram assim mesmo, mas fora agravado porque sua telecinesia súbita e instantânea das Montanhas Rammerorck - a 5 mil quilômetros dali e 900 metros mais próximo da Borda - havia elevado sua temperatura interna a um nível perigoso, de acordo com as leis da conservação de energia. Então, ele arreganhou os dentes e atacou.

- Que criatura estranha - observou Duasflor. - É perigosa?

- Só para seres humanos - gritou Rincewind.

O mago empunhou a espada e, com um golpe suave do braço bem erguido, conseguiu errar feio o alvo. A lâmina mergulhou nas moitas à beira do caminho.

Houve um som muito fraco, como o ranger de dentes antigos.

A espada acertou um rochedo escondido pelas plantas - tão escondido que um observador consideraria que segundos antes parecia não estar ali. A arma voltou como um salmão pulando e, no meio do ricochete, cravou-se fundo na nuca acinzentada do troll.

A criatura grunhiu e, com uma pancada violenta, abriu uma ferida no lombo do cavalo de Duasflor, que relinchou e fugiu por entre as árvores na beira da estrada. O troll se virou e agarrou Rincewind.

Então seu lento sistema nervoso transmitiu a mensagem de que estava morto. Por um instante, ele pareceu surpreso, depois arriou, partindo-se em muitos cascalhos (como os trolls eram se ressilícicos, no momento exato da morte os corpos voltavam ao estado de pedra).

“Aaargh”, pensou Rincewind quando o cavalo recuou, assustado, O mago se segurou desesperadamente no animal, que cambaleou em duas pernas e então, relinchando, virou-se e galopou em direção ao bosque.

O ruído dos cascos foi diminuindo, deixando o ar entregue ao zumbido das abelhas e ao rumor ocasional das asas de borboletas. Também havia outro som - um barulho estranho para aquela hora do dia.

Parecia o ruído feito por dados sacudidos antes de serem lançados.

 

- Rincewind?

As compridas fileiras de árvores lançavam a voz de Duasflor de um lado para o outro e acabavam levando-a de volta ao rapaz, ignorada. Ele se sentou numa pedra e tentou pensar.

Em primeiro lugar, estava perdido. Isso era desagradável, mas não o incomodava demais. A floresta parecia bem interessante e era provável que tivesse elfos ou gnomos, quem sabe as duas coisas. De fato, em algumas ocasiões ele achou que viu estranhos rostos verdes encarando-o por entre as folhagens. Duasflor sempre quis ver um elfo. Na verdade, o que ele queria ver mesmo era um dragão, mas um elfo serviria. Ou então um duende de verdade.

A Bagagem tinha sumido e isso o aborrecia. Também estava começando a chover. Ele se ajeitou sem conforto numa pedra úmida e tentou ver o lado bom das coisas. Por exemplo, durante a corrida alucinada, o cavalo se precipitou por alguns arbustos incomodando uma ursa com filhotes, mas escapara antes que a fera pudesse reagir. Depois, de repente, se viu galopando sobre os lobos adormecidos de uma alcatéia e, de novo, a velocidade desvairada foi tamanha que os uivos furiosos ficaram para trás. Todavia, o dia chegava ao fim e talvez não fosse uma boa idéia, pensou Duasflor, ficar ao ar livre. Pode ser que houvesse uma - ele quebrou a cabeça tentando se lembrar do tipo de hospedagem que as florestas oferecem tradicionalmente - uma casa feita de pão-de-mel ou qualquer coisa parecida.

A pedra era realmente desconfortável. Duasflor olhou para baixo e, pela primeira vez, notou um estranho entalhe feito na pedra.

Parecia uma aranha. Ou era uma lula? Musgos e liquens cobriam os detalhes exatos. Mas não turvavam os caracteres talhados logo abaixo. Duasflor conseguiu ler claramente e diziam:

“Viajante, o hospitaleiro Templo de Bel-Shamharoth fica a mil passos daqui, no sentido do Centro”. Agora aquilo foi estranho, notou Duasflor, porque, embora conseguisse ler a mensagem, ele nunca havia visto letras daquele tipo. De alguma maneira, a mensagem lhe chegava ao cérebro sem a tediosa necessidade de ser decifrada.

Duasflor se levantou e soltou o cavalo, agora mais dócil. Ele não estava muito seguro da localização do Centro, mas parecia haver, atravessando o pequeno bosque, uma trilha antiga que levava ao templo. Esse Bel-Shamharoth parecia disposto a ajudar viajantes em dificuldades. De qualquer modo, era isso ou os lobos. Duasflor não demorou a fazer sua escolha.

É interessante notar que, várias horas depois, dois lobos que seguiam o cheiro de Duasflor chegaram à clareira. Seus olhos verdes então encontraram o desenho do ser de oito pernas - uma aranha, um polvo ou alguma criatura ainda mais estranha - e os animais logo decidiram que não estavam com tanta fome assim.

A cerca de 5 quilômetros dali, um mago se encontrava pendurado no galho alto de uma árvore.

Era o resultado final de cinco minutos de atividades intensas. Primeiro, uma ursa enfurecida havia irrompido das moitas e cortado o pescoço de seu cavalo com um golpe violento da pata. Depois, quando Rincewind escapou ao massacre, chegou à senda onde alguns lobos irados vagavam em círculo. Os professores da Universidade Invisível - que se desesperavam com a incapacidade de Rincewind em aprender levitação - teriam ficado abismados com a velocidade com que ele subiu na árvore mais próxima, aparentemente sem encostar em nada.

Agora só havia o problema da serpente.

Era grande, verde e se enrolava no galho com uma paciência típica. Rincewind se pôs a imaginar se seria venenosa e logo se repreendeu por fazer uma pergunta tão besta. É claro que era venenosa.

- Do que você está rindo? - perguntou ao vulto no galho próximo.

- NÃO POSSO EVITAR - respondeu Morte. - AGORA, VOCÊ FARIA A GENTILEZA DE SE SOLTAR? NÃO TENHO O DIA INTEIRO.

- Eu tenho - disse Rincewind, em desafio.

Os lobos agrupados ao redor da árvore olhavam com interesse sua próxima refeição falar sozinha.

- NÃO VAI DOER - garantiu Morte.

Se palavras tivessem peso, uma única frase de Morte seria capaz de ancorar um navio.

Os braços de Rincewind já não agüentavam. Ele lançou um olhar mal-humorado para a figura quase transparente e parecida com um abutre.

- Não vai doer? - perguntou. - Ser dilacerado por lobos, não dói?

A alguns metros de distância, o mago notou um galho cruzando o ramo perigosamente fino em que se encontrava. Se ao menos pudesse alcançá-lo...

Ele deu impulso para a frente com uma das mãos esticada. O galho - já curvado - não quebrou. Apenas fez um ruído e se dobrou.

Rincewind descobriu que agora estava pendurado na ponta de uma tira de casca, que aumentava de tamanho à medida que se soltava da árvore. Ele olhou para baixo e, com uma espécie de satisfação mortal, percebeu que cairia exatamente sobre o maior lobo.

Agora o mago se movia devagar, conforme a tira se transformava num ramo cada vez mais comprido. A serpente o fitava, pensativa.

A casca, porém, parou de crescer. Rincewind começou a se congratular mas - olhando para cima - notou o que até então não notara. A maior casa de marimbondos que já se viu estava pendurada bem na sua direção.

Ele fechou os olhos.

Por que o troll?, perguntou a si mesmo. Todo o resto é meu azar habitual, mas por que o troll? O que está acontecendo?

Clique. Podia ser um galho se rompendo, mas o som parecia estar dentro da cabeça de Rincewind. Clique, dique. E surgiu uma brisa incapaz de fazer uma única folha se mexer.

A casa de marimbondos se soltou quando o ramo passou por ela. E caiu rente à cabeça de Rincewind, que naquele momento a viu ficar cada vez menor - à proporção que mergulhava no círculo de focinhos arrebitados.

O círculo de repente se fechou.

O círculo de repente se abriu.

Os ganidos de dor que irromperam à medida que a alcatéia tentava se livrar da nuvem de insetos em fúria ecoaram pela floresta. Rincewind riu, desanimado.

O cotovelo do mago tocou alguma coisa. Era o tronco da árvore. A tira o havia levado ali. Mas não tinha nenhum outro galho. A casca lisa a seu lado não oferecia nenhum apoio para as mãos.

Porém, oferecia mãos. Agora mesmo, duas brotavam através da casca musguenta - mãos finas, verdes como folhas novas. Depois um braço bem feito surgiu, e então a ninfa se inclinou, agarrou o mago boquiaberto e - com a força vegetal que era capaz de lançar raízes pelas rochas - levou-o para dentro da árvore. A casca sólida se abriu como o ar e se fechou como um molusco.

Morte observou tudo, impassível.

Então olhou a nuvem de mariposas que dançavam em alegres ziguezagues perto de seu crânio. Ela estalou os dedos. Os insetos tombaram no chão. Mas não era bem isso que ela viera fazer ali.

 

Cego lo empurrou o saco de fichas na mesa, lançou um olhar ameaçador aos que se encontravam na sala naquele momento e saiu. Alguns semideuses não contiveram os risos abafados. Pelo menos, Offler havia se conformado com a perda de um troll excelente com rara - se não reptiliana - elegância.

O último adversário da Dama mudou de assento até tê-la de frente para si, do outro lado do tabuleiro.

- Senhor - disse ela, com educação.

- Dama - respondeu ele.

Os olhos se encontraram.

Ele era um deus taciturno. Diziam que havia chegado ao Discworld depois de um incidente terrível e misterioso em outra Eventualidade. É certo que um dos privilégios dos deuses é controlar sua aparência exterior, até para outros deuses. Por isso o Destino do Discworld era agora um homem amável já avançado na meia-idade, com os cabelos grisalhos bem penteados emoldurando um rosto a quem uma donzela ousaria oferecer, no máximo, um copinho de cerveja, caso aparecesse em sua porta. Era um homem com tal expressão que faria um jovem bondoso ajudá-lo com prazer a subir as escadas. Exceto pelos olhos, é claro.

Nenhuma divindade pode disfarçar a forma e a natureza dos olhos. Os dois olhos do Destino do Discworld eram assim: embora num relance se mostrassem apenas escuros, uma olhada mais demorada revelaria - tarde demais! - que não passavam de buracos dando para um negrume tão remoto e profundo, que o observador se sentia inevitavelmente atraído para as poças gêmeas da noite infinita e suas terríveis estrelas giratórias.

A Dama tossiu com candura e botou 21 fichas brancas na mesa. Então, tirou do manto mais uma ficha - prateada, translúcida e com o dobro do tamanho das outras. A alma de um verdadeiro Herói sempre tem cotação mais alta e é muito valorizada pelos deuses.

O Destino ergueu uma sobrancelha.

- E nada de trapaças, Dama.

- Mas quem poderia enganar o Destino? - perguntou ela.

Ele deu de ombros.

- Ninguém. Mas todo o mundo tenta.

- Por outro lado, senti que você estava me dando uma ajudazinha contra os outros...

- Mas é claro. Para que o fim do jogo pudesse ser mais doce. E agora...

Ele meteu a mão na caixa e tirou uma peça, depositando-a sobre o tabuleiro com satisfação. As divindades que assistiam ao jogo deram um suspiro coletivo. E mesmo a Dama ficou momentaneamente surpresa.

A peça com certeza era feia. O talhe era irregular, como se as mãos do artesão estivessem tremendo, com pavor do negócio que vinha tomando forma sob seus dedos relutantes. Parecia não ter nada além de trombas e tentáculos. E mandíbulas, observou a Dama. E um grande olho.

- Achei que seres como Ele tivessem se extinguido nos primórdios do Tempo - disse ela.

- Talvez nosso amigo necrótico tenha ficado relutante até mesmo em chegar perto desse - brincou o Destino, rindo.

- Nem deveria ter sido criado.

- E contudo... - rebateu ele.

O Destino pôs os dados na caixa e então olhou para ela.

- A não ser - acrescentou - que você queira desistir...

A Dama sacudiu a cabeça.

- Jogue - disse ela.

- Será que dá conta do recado?

- Jogue.

Rincewind sabia o que existia dentro das árvores: madeira, seiva, talvez esquilos. Não um palácio.

Mesmo assim, as almofadas em que estava sentado eram, sem dúvida, mais macias do que madeira, o vinho na taça ao lado parecia muito mais saboroso do que seiva e não havia nem comparação entre um esquilo e a menina sentada à sua frente, abraçando os joelhos e observando-o pensativamente - a não ser que se mencionassem alguns traços de pelugem.

A sala era alta, ampla e iluminada por uma luz fraca e amarelecida que não vinha de nenhuma fonte que Rincewind conseguisse identificar. Através das arcadas nodosas e retorcidas, ele podia ver os outros cômodos e o que devia ser uma enorme escada de caracol. E dizer que parecia uma árvore normal do lado de fora!

A menina era verde - de pele verde. Rincewind podia ter certeza absoluta disso, porque tudo o que ela usava era um medalhão no pescoço. O cabelo longo tinha um aspecto musguento. Os olhos não possuíam pupilas e eram de um verde luminoso. Rincewind desejou ter prestado mais atenção às aulas de antropologia na universidade.

Ela não havia dito nada. Além de indicar o sofá e oferecer vinho, não fizera mais que observá-lo, uma vez ou outra passando a mão sobre um arranhão profundo no braço.

Rincewind logo se lembrou de que a dríade, ninfa das florestas, era tão ligada à sua árvore que sofria as feridas com resignação...

- Desculpe-me por isso - ele disse às pressas. - Foi só um acidente. Quer dizer, tinha os lobos e...

- Você teve de subir na minha árvore e eu o salvei - considerou a dríade, com tranqüilidade. - Que sorte a sua. E talvez do seu amigo.

- Amigo?

- O rapazinho com a caixa mágica - explicou a dríade.

- Ah, claro, ele - disse Rincewind, distraído. - É. Espero que esteja bem.

- Ele precisa da sua ajuda.

- Em geral, precisa. Também conseguiu chegar a uma árvore?

- Conseguiu chegar ao Templo de Bel-Shamharoth.

Rincewind engasgou com o vinho. As orelhas tentaram se enfiar dentro da cabeça, apavoradas com as palavras que haviam acabado de ouvir. O Comedor de Almas! Antes que pudesse impedir, as lembranças voltaram a galope. Um dia, quando era aluno de magia prática na Universidade Invisível, graças a uma aposta, ele havia entrado na pequena sala vizinha à biblioteca principal - a sala com paredes cobertas de pentagramas de chumbo, a sala onde ninguém podia ficar mais de 4 minutos e 32 segundos, número a que se chegou depois de duzentos anos de cuidadosas experimentações...

E abrira cautelosamente o Livro, que estava preso por uma corrente ao pedestal de octirona no meio do chão salpicado de runas, não para evitar que fosse roubado, mas para que ele não pudesse fugir - pois se tratava do Oitavo, tão cheio de magia, que possuía uma vaga consciência própria. Um feitiço havia de fato saltado das páginas farfalhantes e se alojado nos recônditos escuros da mente do mago. E, apesar de todos saberem que se tratava de um dos Oito Grandes Feitiços, ninguém saberia qual era até que fosse dito. Nem Rincewind sabia. Mas podia senti-lo às vezes, deslizando atrás do Ego, enquanto aguardava o momento propício...

Na frente do Oitavo, havia a imagem de Bel-Shamharoth. Ele não era o Mal, porque até o Mal tem certa vitalidade... Bel Shamharoth era o outro lado da moeda em que o Bem e o Mal não passam de um único lado.

- O Comedor de Almas. Seu número fica entre o sete e o nove e é duas vezes quatro - citou Rincewind, a mente paralisada em terror. - Ah, não! Onde fica o Templo?

- Para o Centro, em direção ao coração da floresta - respondeu a dríade. - É muito antigo.

- Mas quem seria tão idiota para reverenciar Bel...? Quer dizer, demônios, tudo bem, mas ele é o Comedor de Almas...

- Havia... algumas vantagens. E a raça que vivia na região tinha idéias estranhas.

- E o que aconteceu com ela?

- Eu disse que vivia na região.

A dríade se levantou e estendeu a mão.

- Venha. Eu sou Druellae. Venha comigo e veja o destino do seu amigo. Vai ser interessante.

- Eu não sei se... - começou Rincewind.

A dríade voltou os olhos verdes para ele.

- E acha que tem escolha? - perguntou ela.

A escada larga como uma estrada subia em espiral pela árvore, com áreas amplas se projetando em cada um dos patamares. A luz amarelada sem origem aparente estava por todo lado. Também havia um som - Rincewind se concentrou, tentando identificá-lo - como o de trovões distantes ou uma longínqua queda- d’água.

- É a árvore - explicou a dríade, lacônica.

- O que ela está fazendo? - perguntou Rincewind.

- Vivendo.

- Eu vinha pensando nisso. Quer dizer, a gente está mesmo numa árvore? Eu diminuí de tamanho? Do lado de fora, parecia tão estreita que eu poderia abraçá-la.

- E é.

- Hã, mas aqui estou eu, dentro dela.

- Está.

- Hã - disse Rincewind. Druellae riu.

- Eu posso ler a sua mente, falso mago! Ora, não sou uma dríade? Então, você não sabe que o que despreza chamando de árvore é o mero análogo quadridimensional de todo um universo multidimensional que... Não, estou vendo que não. Eu deveria ter percebido que você não é um mago de verdade quando notei que não tinha um bastão mágico.

- Perdi num incêndio - mentiu Rincewind, de maneira automática.

- Nem chapéu com símbolos místicos bordados.

- O vento levou.

- Nem um demônio particular.

- Morreu. Olhe só, obrigado por me salvar, mas, se você não se importa, acho que já está na minha hora. Então, se puder me mostrar a saída...

Algo na expressão de Druellae fez Rincewind olhar para trás. Ali havia três dríades machos. Eles estavam nus como a mulher - e desarmados. O último detalhe, porém, era irrelevante. Não deviam precisar de armas para vencer Rincewind. Na verdade, pareciam poder abrir caminho por um rochedo e, de quebra, massacrar uma legião de trolls. Os três enormes dríades olhavam para ele com olhos gelados e ameaçadores. A pele era cor de casca de nozes e, abaixo dela, os músculos se projetavam como melões.

Ele se virou novamente e riu sem forças para Druellae. A vida estava começando a tomar um rumo familiar outra vez.

- Eu não fui salvo, não é? - perguntou ele. - Fui capturado, isso?

- Claro.

- E você não vai me deixar ir? Era uma afirmação.

Druellae sacudiu a cabeça negativamente.

- Você feriu a árvore. Mas até que tem sorte. O seu amigo vai se encontrar com Bel-Shamharoth. Você só vai morrer.

Por trás, duas mãos lhe agarraram os ombros, do mesmo modo implacável que a raiz de uma árvore velha se enrola numa pedra.

- Com uma certa dose de solenidade, é claro - prosseguiu a dríade. - Depois que o Emissor de Oito tiver acabado com o seu amigo.

Tudo que Rincewind conseguiu dizer foi:

- Sabe, nunca imaginei que houvesse dríades machos. Nem mesmo num carvalho.

Um dos gigantes riu para ele. Druellae bufou.

- Idiota! E de onde acha que vêm os frutos?

Havia uma enorme área vazia como um corredor e o teto se perdia na névoa dourada. A escada interminável continuava subindo.

Várias centenas de dríades se amontoavam na outra ponta do corredor. Então abriram caminho - quando Druellae se aproximou - e observaram Rincewind ser empurrado com firmeza pouco atrás.

As fêmeas eram maioria, embora houvesse alguns dos machos gigantes aqui e ali. Eles ficavam como estátuas divinas entre as pequenas e inteligentes fêmeas. Insetos, pensou Rincewind. A árvore é como uma colméia.

Mas por que existiam dríades? Até onde ele podia se lembrar, o povo das árvores havia desaparecido séculos antes. Tinham sido extintos pelos humanos, como a maior parte das Espécies do Crepúsculo. Apenas elfos e trolls sobreviveram à chegada do Homem ao Discworld: os elfos porque eram muito inteligentes e os trolls porque eram pelo menos tão aptos quanto o ser humano em maldade, rancor e ganância. Presumia-se que as dríades tinham acabado, junto com os gnomos e duendes.

O ruído era mais intenso ali. De vez em quando, um brilho dourado e pulsante subia pelas paredes translúcidas até se perder na névoa. Alguma força no ar fazia tudo vibrar.

- Ah, mago incompetente - disse Druellae. - Agora veja um pouco de magia. Não a sua mágica domesticada e cheia de artimanhas, mas magia de raiz, a Magia Antiga, selvagem. Preste atenção.

Cerca de cinqüenta fêmeas se juntaram num enxame compacto, deram-se as mãos e recuaram até formar um grande círculo. O resto das dríades começou uma cantoria baixinha. Então, Druellae balançou a cabeça e o círculo começou a girar no sentido anti-horário.

Quando o ritmo acelerou e a complicada melodia começou a se intensificar, Rincewind se pegou observando, fascinado. Ele já ouvira falar de Magia Antiga na universidade - embora estivesse proibida para magos. E também sabia que, quando o círculo estivesse girando suficientemente rápido contra o campo mágico parado do Discworld - por sua vez em sua lenta rotação - a fricção astral resultante criaria uma grande divergência potencial que se instalaria através de uma enorme descarga de Energia Mágica Elementar.

Agora o círculo era apenas um borrão e as paredes da Árvore tiniam com os ecos da melodia...

Rincewind sentiu as conhecidas pontadas no couro cabeludo que indicavam a formação de um volume considerável de encantamento em estado bruto nos arredores. Por isso, não ficou totalmente perplexo quando, alguns segundos depois, uma haste brilhante de luz octarina desceu do teto invisível e apontou, trêmula, para o centro do círculo.

Ali, a luz formou a imagem de uma colina castigada por uma tempestade e cercada de árvores, com um templo no alto. A forma era incômoda para os olhos. Rincewind sabia que, se fosse o Templo de Bel-Shamharoth, teria oito lados. (Oito também era o número do próprio Bel-Shamharoth, razão pela qual um mago sensato jamais mencionaria o número, se pudesse evitá-lo. Ou seria oitomaticamente engolido, avisavam aos aprendizes os veteranos piadistas. Bel-Shamharoth se sentia especialmente atraído pelos magos amadores, que - tendo freqüentado a periferia do antinatural - já estavam mais ou menos enredados em sua teia. O número do quarto de Rincewind no alojamento era 7A. E ele não ficou surpreso.)

 

A chuva escorria pelas paredes negras do templo. O único sinal de vida era o cavalo amarrado do lado de fora e não era o de Duasflor. Em primeiro lugar, parecia grande demais. Tratava-se de um cavalo de batalha branco com cascos do tamanho de tábuas de carne e arreio de couro cintilante, com detalhes ornamentais em ouro. No momento, o animal comia com gosto o conteúdo do saco de ração preso ao seu focinho.

Havia algo de familiar no bicho. Rincewind tentou se lembrar de onde já o vira.

De qualquer modo, parecia capaz de atingir uma boa velocidade. Velocidade que, uma vez alcançada, poderia ser mantida por bastante tempo. Tudo que Rincewind precisava fazer era se livrar dos guardas, conseguir sair da Árvore, achar o templo e roubar o cavalo debaixo do nariz de Bel-Shamharoth, ou o que ele tivesse no lugar do nariz.

- Parece que o Emissor de Oito vai jantar duas vezes - disse Druellae, com os olhos cravados em Rincewind. - De quem é o corcel, falso mago?

- Não faço a menor idéia.

- Não? Bem, não importa. Em breve, saberemos.

Ela fez um gesto com a mão. O foco da imagem ganhou o interior, passou pela arcada octogonal e disparou por um corredor.

Havia alguém ali, esgueirando-se de lado com as costas viradas para a parede. Rincewind divisou o brilho de ouro e bronze.

O vulto era inconfundível. Ele já o vira muitas vezes. O peito largo, o pescoço parecido com o tronco de uma árvore, a cabeça surpreendentemente pequena sob a cabeleira preta desgrenhada lembrava um tomate sobre um ataúde em pé... Era possível dar um nome à criatura rastejante e o nome era Hrun, o Bárbaro.

Hrun era um dos heróis mais duradouros do Mar Círculo: um verdadeiro carrasco de dragões, espoliador de templos, matador de aluguel e líder de toda briga de rua. Ele sabia até - ao contrário de muitos heróis que Rincewind conhecia - dizer palavras com mais de duas sílabas, se lhe dessem tempo e talvez uma ou duas dicas.

Rincewind ouviu um ruído. Parecia o som de vários crânios rolando nos degraus de um calabouço distante. O mago olhou para os lados a fim de ver se os guardas também haviam escutado.

Mas as dríades tinham toda a limitada atenção voltada para Hrun, que foi criado nos mesmos moldes daquelas entidades. As mãos estavam pousadas de leve nos ombros do mago.

Rincewind se agachou, saltou para trás como um acrobata e se pôs a correr. Então ouviu Druellae gritar atrás de si e redobrou a velocidade.

Alguma coisa prendeu o capuz do manto, que se rasgou. Uma dríade macho que aguardava na escada abriu os braços e sorriu, impassível, para o mago que vinha em disparada na sua direção. Sem perder o ritmo, Rincewind se inclinou outra vez - abaixando-se o bastante para o queixo ficar no mesmo nível do joelho - enquanto o punho feito uma tora rasgava o ar, zunindo em seus ouvidos.

Mais à frente, um bosque inteiro daqueles homens de árvore estava à sua espera. Ele se virou, escapou de outro golpe do guarda, já desorientado, e saiu correndo em direção ao círculo, passando pelas dríades que o perseguiam e deixando-as tão desordenadas e espalhadas quanto pinos de boliche.

Mas ainda havia outros adiante, abrindo caminho através da multidão de fêmeas e socando a palma calosa das próprias mãos com antecipada concentração.

- Pare, falso mago! - ordenou Druellae, avançando um passo. Atrás dela, as dançarinas encantadas continuavam girando. E o foco do círculo agora vagava por um corredor de iluminação violeta.

Rincewind se deteve.

- Você quer parar com isso? - gritou ele. - Vamos resolver essa história, tudo bem? Eu sou um mago de verdade!

Ele bateu o pé, petulante.

-Jura? - perguntou a dríade. - Então vejamos você fazer um feitiço.

- Bem... - começou Rincewind.

A verdade era que, desde que o misterioso e antigo feitiço se infiltrara em sua mente, Rincewind não conseguia se lembrar nem da bruxaria mais simples para, digamos, matar baratas ou coçar as costas sem usar as mãos. Os mágicos da Universidade Invisível tentaram explicar o fato sugerindo que a memorização involuntária do feitiço tinha comprometido todas as células retentoras de bruxaria. Em seus momentos mais sombrios, porém, Rincewind criara outra explicação para o porquê de até os menores feitiços se recusarem a ficar em sua cabeça por mais de alguns segundos.

Tinham medo.

- Bem... - repetiu Rincewind.

- Serve um pequeno - consentiu Druellae, ao vê-lo franzir os lábios numa mistura de raiva e constrangimento.

Ela fez um gesto e dois dríades machos se aproximaram.

O Feitiço escolheu aquele exato momento para tomar o arreio temporariamente abandonado da consciência de Rincewind. O mago sentiu-o ali, olhando de esguelha para ele em desafio.

- Sei um feitiço - arriscou, afinal.

- É mesmo? Pode dizer - propôs Druellae.

Rincewind não tinha certeza se ousaria, embora o Feitiço já tentasse controlar sua língua. Ele quis se segurar.

- Você dize que podia ler a binha bente - disse ele, de maneira confusa. - Venha ler.

Druellae deu um passo à frente, fitando os olhos do mago com ar de troça.

Então, o sorriso dela ficou congelado. As mãos subiram como proteção e ela recuou. Da garganta, veio o som de medo absoluto.

Rincewind olhou em volta. As outras dríades também estavam recuando. O que ele havia feito? Parecia ser alguma coisa terrível.

Mas, em sua experiência, ele sabia que era só uma questão de tempo até que o equilíbrio normal do universo se restabelecesse e voltasse a submetê-lo às coisas terríveis a que já estava habituado. Rincewind se afastou, agachou-se entre as dríades que ainda giravam, mantendo o círculo mágico, e esperou para ver o que Druellae faria em seguida.

- Peguem-no - gritou ela. - Levem-no para longe da Árvore e acabem com ele!

Rincewind se virou e deu um salto.

Para dentro da imagem no círculo.

Houve um clarão brilhante.

Houve uma escuridão súbita.

Houve uma sombra vaga e violeta idêntica à de Rincewind encolhendo-se até desaparecer num lampejo.

Nada mais houve.

Hrun, o Bárbaro, avançava em silêncio pelos corredores - iluminado por uma luz tão roxa, que era quase negra. Sua confusão de antes desaparecera. Era óbvio que este era um templo mágico e isso explicava tudo.

Explicava por que, naquela tarde, ele tinha avistado uma arca na beira do caminho, quando galopava pela floresta escura. A tampa se encontrava convidativamente aberta, exibindo muito ouro. Mas quando ele saltou do cavalo, a arca criou pernas e saiu pelo bosque, parando outra vez a algumas centenas de metros dali.

Agora, depois de várias horas de perseguição irritante, ele havia perdido qualquer sinal do objeto naqueles túneis, iluminados como o inferno. No geral, os desenhos desagradáveis e os ocasionais esqueletos desmembrados por que Hrun havia passado não o assustavam. Isso se devia, em parte, ao fato de ele não ser excepcionalmente inteligente - ao mesmo tempo em que era excepcionalmente destituído de imaginação - mas também porque desenhos estranhos e túneis perigosos faziam parte de seu cotidiano. Ele passava muito tempo em situações parecidas, à procura de ouro, demônios ou virgens atormentadas, para livrá-los, respectivamente, do dono, da vida e de pelo menos um grande motivo de seus tormentos.

Observe Hrun, enquanto salta como um gato pela entrada suspeita de um túnel. Mesmo à luz violeta, sua pele brilha bronzeada. Há muito ouro no corpo, sob a forma de tornozeleiras e braceletes, mas, por outro lado, ele se encontra nu - exceto pela tanga de pele de leopardo que conseguiu nas matas enevoadas de Howondalândia, depois de matar o dono a dentadas.

Na mão direita, leva a espada mágica preta Kring, que foi forjada num raio, tem alma e não suporta bainha. Apenas três dias antes, Hrun a havia roubado do indevassável palácio do Arquimandrite de B’Ituni, mas já se arrependera. A espada estava a lhe dar nos nervos.

- Já falei que ela entrou no último corredor à direita - disse Kring, numa voz semelhante ao ruído de uma lâmina raspando pedra.

- Fica quieto!

- Só estou falando que...

- Cala a boca!

E Duasflor...

Estava perdido e sabia disso. Ou o prédio era muito maior do que parecia, ou agora ele estava num enorme piso subterrâneo sem ter descido escada alguma, ou - como ele já começava a sus peitar - as dimensões internas do lugar desobedeciam a uma regra bastante básica da arquitetura: eram mais amplas do que o exterior. E por que todas essas luzes estranhas? Tratava-se de cristais com oito lados postos em intervalos regulares na parede e no teto, e irradiavam uma luz desagradável que não chegava a iluminar, mas, antes, contornava a escuridão.

E quem quer que tivesse entalhado as gravuras na parede, pensou Duasflor com benevolência, provavelmente vinha bebendo muito. Havia anos.

Por outro lado, era sem dúvida um prédio fascinante. Os construtores eram obcecados pelo número oito. O chão era um mosaico contínuo de ladrilhos com oito lados, as paredes, dispostas de tal maneira a conferir oito lados aos corredores - se contados o teto e as próprias paredes - e, nos locais em que parte da alvenaria havia desabado, Duasflor notou que até as pedras tinham oito lados.

- Não estou gostando nada disso - opinou o diabinho dos retratos, da caixa pendurada no pescoço de Duasflor.

- Por que não? - perguntou o rapaz.

- É estranho.

- Mas você é um demônio. Demônio não acha nada estranho. O que pode ser estranho para um demônio?

- Ah, você sabe - disse o diabinho com cautela, correndo nervosamente os olhos e mudando o peso do corpo de uma pata para a outra. - Algumas coisas.

Duasflor encarou-o intransigente.

- Que coisas?

O diabinho tossiu, nervoso (os demônios não respiram, mas todo ser inteligente - respirando ou não - tosse, nervoso, num momento ou outro da vida. E esse era um deles, para o diabinho).

- Ah, coisas - respondeu ele por fim. - Coisas ruins. Coisas de que não se fala, é o que estou tentando dizer, amo.

Duasflor sacudiu a cabeça, irritado.

- Eu queria que o Rincewind estivesse aqui - comentou. - Ele saberia o que fazer.

- Ele? - estranhou o diabinho. - Nem imagino um mago vindo aqui. Querem mais é distância do número oito.

O diabinho logo tapou a boca com a mão, arrependido. Duasflor olhou para o teto.

- O que foi isso? - perguntou. - Ouviu um barulho?

- Eu? Ouvir? Não! Nada! - objetou o diabinho.

Então se meteu dentro da caixa. Duasflor bateu na porta. Uma fresta se abriu.

- Parece uma pedra se movendo - explicou ele.

A porta se fechou numa pancada. Duasflor deu de ombros.

- É provável que o lugar esteja caindo aos pedaços - disse a si mesmo.

Então se levantou.

- Ei! - gritou. - Tem alguém aí?

AÍ, AÍ, AÍ, responderam os túneis escuros.

- Olá! - arriscou outra vez.

LÁ, LÁ, LÁ.

- Eu sei que tem alguém aqui, acabei de ouvir você jogar dados.

ADOS, ADOS, ADOS.

- Olhe, eu tinha...

Duasflor parou: o ponto brilhante de luz surgira do nada a alguns metros de seus olhos. Crescia com rapidez e, após alguns segundos, já apresentava a minúscula forma reluzente de um homem. A essa altura, começou a fazer um barulho ou, mais precisamente, Duasflores passou a ouvir o barulho que o negócio vinha fazendo. Parecia uma fração de grito, fisgado num longo instante do tempo.

Agora o homem iridescente estava do tamanho de uma boneca - o vulto tortuoso agitando-se em câmera lenta no ar. Duasflor se perguntou por que havia pensado na expressão “uma fração de grito”... e desejou que não tivesse.

Começava a parecer Rincewind. A boca do mago estava aberta e o rosto bem iluminado pela luz de... quê? Sóis estranhos, Duasflor se pegou pensando. Sóis que o homem não costuma ver. Ele estremeceu.

Agora o mago - sempre a girar - estava com metade do tamanho normal. E, nesse ponto, o crescimento se fez mais rápido: houve um súbito momento agitado, um movimento do ar e uma explosão de sons. Rincewind caiu no chão, gritando. Então engasgou e deu uma cambalhota com a cabeça protegida pelos braços e o corpo tenso, enroscado.

Quando a poeira baixou, Duasflor cutucou o ombro do mago. A bola humana se contraiu ainda mais.

- Sou eu - explicou Duasflor.

O mago se desenroscou um pouco.

- O quê? - perguntou.

- Eu.

Num único movimento, Rincewind se endireitou e saltou na frente do rapazinho, com as mãos a lhe agarrar os ombros em desespero. Os olhos do mago brilhavam, arregalados.

- Não diga! - sussurrou ele. - Não diga, e pode ser que a gente consiga sair.

- Sair? Como foi que você entrou? Sabe se...

- Não diga!

Duasflor se afastou do homem ensandecido.

- Não diga!

- Não diga o quê?

- O número!

- Número? - perguntou Duasflor. - Olhe, Rincewind...

- É, o número! Entre o sete e o nove. Quatro mais quatro!

- Eu sei, oi...

As mãos de Rincewind taparam a boca do rapaz.

- Diga e estaremos perdidos. E só não pensar no assunto, está bem? Confie em mim!

- Eu não estou entendendo! - queixou-se Duasflor.

Rincewind relaxou um pouco, o que vale dizer que ainda faria uma corda de violino parecer uma tigela de gelatina.

- Vamos - disse por fim. - Vamos tentar sair daqui. Aí tento explicar.

 

Depois da primeira Era da Magia, passou a ser um problema grave no Discworld o modo como os livros mágicos seriam descartados. O feitiço ainda é feitiço, mesmo quando temporariamente aprisionado em tinta e pergaminho. Ele tem força. Isso não é problema quando o dono do livro ainda está vivo, mas, com sua morte, o livro de bruxaria se transforma numa incontrolável fonte de energia, nada fácil de desativar.

Em resumo, os livros vazam magia. Diversas soluções já foram tentadas. Os países próximos à Borda simplesmente carregavam navios de livros de bruxos falecidos amarrados com chumbo e os atiravam para além da Beira. No Centro, havia alternativas menos satisfatórias. Uma delas foi colocar os livros perigosos em latões de octirona negativamente polarizada e afundá-los nas insondáveis profundezas do oceano (a ocultação em covas profundas havia sido proibida depois que alguns distritos noticiaram árvores que andavam e gatos de cinco cabeças), mas a magia não tardou a vazar, e os pescadores começaram a se queixar de cardumes de peixes invisíveis e moluscos mediúnicos.

Uma solução temporária foi a construção - em vários centros do saber mágico - de grandes áreas feitas de octirona desnaturada, impermeável à maior parte das mágicas. Ali, os livros mais arriscados podiam ser armazenados até sua força ser atenuada.

Foi assim que chegou à Universidade Invisível o Oitavo - o maior de todos os livros mágicos, que pertencera ao Criador do Universo. Esse tinha sido o livro que Rincewind havia aberto certa ocasião, por causa de uma aposta. O mago só tivera um segundo para olhar uma página, antes que vários alarmes fossem acionados, mas bastou para que um dos feitiços saltasse dali e se instalasse em sua memória como um sapo numa pedra.

 

- E aí? - perguntou Duasflor.

- Aí me tiraram de lá. E fui punido, é claro.

- Mas ninguém sabe o que o feitiço faz?

Rincewind sacudiu a cabeça.

- Já tinha desaparecido da página - explicou ele. - Só vão saber quando eu disser. Ou quando morrer, é claro. Então, o feitiço é que vai se revelar de algum jeito. Até onde sei, pára o universo, interrompe o Tempo ou qualquer coisa assim.

Duasflor deu alguns tapinhas no ombro do mago.

- Não adianta ficar se remoendo - argumentou o rapaz, animador. - Vamos tentar procurar a saída de novo.

Rincewind sacudiu a cabeça. Todo o medo já se consumira. Talvez ele tivesse ultrapassado a barreira do terror e se encontrasse no estado de calma extrema que fica do outro lado. Enfim, tinha parado de falar feito louco.

- Estamos amaldiçoados - disse afinal. - Passamos a noite inteira andando. Estou dizendo a você, esse lugar é uma teia de aranha. Não importa para onde vamos, sempre acabamos no centro.

- De qualquer maneira, foi gentil da sua parte vir me procurar - analisou Duasflor. - Como conseguiu? Foi impressionante.

- Ah, ora - começou o mago, sem jeito. - Só pensei “não posso deixar o bom e velho Duasflor lá” e...

- Então o que precisamos fazer agora é achar esse tal Bel Shamharoth, explicar tudo e talvez ele nos deixe ir - argumentou Duasflor

Rincewind correu um dedo pelo ouvido.

- Devem ser os ecos esquisitos daqui - disse ele. - Pensei ter escutado você usar palavras como achar e explicar.

- Isso mesmo.

Rincewind fitou o rapaz sob a luz roxa infernal.

- Achar Bel-Shamharoth? - perguntou.

- É. A gente não precisa se envolver em nada.

- Achar o Destruidor de Almas e não se envolver? Só cumprimentá-lo, imagino, e perguntar onde fica a saída? Explicar tudo ao Emissor de Oinnnnnnnnnnt?

Rincewind engoliu o resto da palavra a tempo, então concluiu:

- Você está maluco! Ei, volte aqui.

Ele disparou pela galeria no rastro de Duasflor e, depois de alguns instantes, deteve-se com um gemido.

A luz violeta era intensa ali, conferindo a tudo cores novas e desagradáveis. Não se tratava de uma galeria. Era uma sala ampla com paredes somando um número em que Rincewind não ousou pensar e oi... sete mais um corredores que desembocavam no lugar.

Um pouco mais afastado, Rincewind divisou o altar baixo com o mesmo número de lados que quatro vezes dois. Mas não ficava no centro da sala, o centro era ocupado por um enorme bloco de pedra com o dobro de lados de um quadrado. Era maciço e, sob aquela luz estranha, parecia estar um pouco inclinado, com uma das pontas sobressaindo.

Duasflor se encontrava ali em cima.

- Ei, Rincewind! Veja o que está aqui!

A Bagagem surgiu caminhando por um dos corredores que desembocavam na sala.

- Maravilha - exclamou Rincewind. - Ótimo. Ela pode nos levar para fora. Agora.

Duasflor já estava mexendo na arca.

- É - assentiu. - Depois de eu tirar alguns retratos. Deixe-me encaixar esse acessório...

- Eu disse agora...

Rincewind se conteve. Hrun, o Bárbaro, estava parado no vão do corredor bem à frente, empunhando uma grande espada preta.

- Você? - perguntou Hrun, incerto.

- Ahaha. É... - disse Rincewind. - Hrun, não é mesmo? Há quanto tempo. O que o traz aqui?

Hrun apontou para a Bagagem.

- Aquilo - respondeu.

A conversa pareceu cansar Hrun. Então, ele acrescentou num tom que combinava argumento, reivindicação, ameaça e ultimato:

-Meu.

- É do nosso amigo aqui, Duasflor - explicou Rincewind. - E vou dar um conselho: não toque nela.

Então, ocorreu ao mago que era exatamente o que não deveria ter dito, mas Hrun já havia empurrado Duasflor para longe e avançava em direção à Bagagem... que esticou as pernas, recuou e abriu a tampa, em ameaça. Na luz difusa, Rincewind achou ter visto fileiras de dentes enormes, brancos como pau-marfim.

- Hrun - disse ele baixinho. - Tenho de lhe dizer uma coisa.

Hrun virou o rosto intrigado.

- O quê? - perguntou.

- É sobre números. Olhe, você sabe que, se somamos sete e um ou três e cinco, ou subtraímos dois de dez, temos um número. Enquanto estiver aqui dentro, não diga este número e pode ser que a gente tenha alguma chance de sair vivo. Ou pelo menos só morto.

- Quem é ele? - perguntou Duasflor. O rapaz segurava uma gaiola, tirada das profundezas da Bagagem, que parecia cheia de lagartos rosa irritados.

- Meu nome é Hrun - disse o bárbaro orgulhoso.

Então voltou os olhos para o mago.

- O quê? - perguntou, afinal.

- Só não diga este número, está bem? - pediu Rincewind.

Ele olhou para a espada na mão de Hrun. Era preta - o tipo de preto que é mais um cemitério de cores do que uma cor propriamente dita - e havia uma inscrição rúnica bastante floreada na lâmina. Ainda mais notável era o leve brilho octarina que a rodeava. A espada também deve ter notado o mago, porque de repente se pôs a falar numa voz como unhas arranhando vidro.

- Estranho - disse. - Por que ele não pode dizer oito?

OITO, ódio, orco, ressoaram os ecos. Houve um leve rangido no fundo da terra.

E os ecos, embora ficassem mais fracos, se recusavam a desaparecer. Batiam de uma parede na outra - cruzando e voltando a cruzar os corredores - e a luz violeta tremia ao ritmo do som.

- Você falou! - gritou Rincewind. - Eu disse que não podia falar oito!

Ele parou, horrorizado consigo mesmo. Mas a palavra já tinha saído e agora se juntava às outras num grande sussurro generalizado.

Rincewind se virou para correr, mas de repente o ar ficou mais viscoso do que melaço. Um volume de magia maior do que ele jamais havia visto estava se formando. Quando ele se mexia, em penosa câmera lenta, seus membros deixavam centelhas douradas, que traçavam sua forma no ar.

Atrás dele, houve um estrondo, quando o enorme bloco de pedra octogonal se ergueu, por um instante suspenso numa das pontas, e caiu no chão.

Um tentáculo fino e preto surgiu serpenteando para fora da cova e se enrolou no tornozelo de Rincewind, que gritou ao se estatelar no piso vibrante, o tentáculo começou a puxá-lo pelo chão.

Então, Duasflor se viu de frente para ele e tentou alcançar suas mãos. O mago agarrou o braço do rapaz em desespero e os dois ficaram se encarando. Mas Rincewind continuou deslizando, mesmo assim.

- O que está segurando você? - perguntou ele, arfante.

- N-nada! - respondeu Duasflor. - O que está acontecendo?

- Estou sendo arrastado para a cova, o que é que você acha?

- Ah, Rincewind, eu sinto muito...

- Você sente muito...?

Houve um ruído como o de uma serra e a pressão nas pernas de Rincewind parou de repente. Ele virou a cabeça e viu Hrun curvado na beira da cova - a espada indistinta a abrir talhos nos tentáculos que avançavam sobre ele.

Duasflor ajudou o mago a se levantar e os dois se abaixaram próximos à pedra do altar, enquanto viam aquele maníaco enfrentar os muitos braços que o perseguiam.

- Não adianta - lamentou Rincewind. - O Emissor pode materializar tentáculos, o que você está fazendo?

Duasflor vinha tentando encaixar a gaiola de lagartos à caixa de retratos, que agora estava montada num tripé.

- Preciso tirar um retrato disso - sussurrou ele. - É estupendo! Está me ouvindo, diabinho?

O homúnculo dos retratos abriu a portinhola, olhou a cena ao redor da cova por um instante e desapareceu na caixa. Rincewind deu um pulo quando algo lhe tocou a perna e, então, pisou com força num dos tentáculos tateantes.

- Venha - chamou ele. - Hora de ir.

Ele pegou o braço de Duasflor, mas o turista resistiu.

- Ir embora e deixar Hrun sozinho com aquela coisa? - objetou.

Rincewind ficou desconcertado.

- Por que não? - perguntou. - É o trabalho dele.

- Mas ele vai morrer!

- Podia ser pior - retrucou o mago.

- Como assim?

- Podia ser a gente - salientou Rincewind, sensatamente. - Vamos!

Duasflor mostrou algo.

- Ei! - disse ele. - Pegou minha Bagagem!

Antes que Rincewind pudesse detê-lo, Duasflor saiu correndo para recuperar a arca, que vinha sendo arrastada, enquanto a tampa mordia - sem qualquer resultado - o tentáculo que a mantinha presa. Furioso, o rapaz chutou o tentáculo.

Mas outro tentáculo se afastou da confusão em torno de Hrun e pegou-o pela cintura. O próprio Hrun já não passava de uma figura vaga, preso pelas espirais que se retesavam. E então Rincewind viu a espada do Herói lhe escapar da mão e ser lançada contra a parede.

- O seu feitiço! - gritou Duasflor.

Rincewind não se mexeu. Estava olhando a Coisa emergir da cova. Era apenas um grande olho - e olhava diretamente para ele. O mago soltou um gemido quando um dos tentáculos se enrolou na sua cintura.

Então as palavras do feitiço lhe subiram à garganta, involuntárias. Ele abriu a boca como num sonho, acomodando-a para a primeira sílaba bárbara.

Outro tentáculo se lançou como um chicote e se enrolou na sua garganta, sufocando-o. Ofegante e aos trancos, Rincewind foi arrastado pelo chão.

Um de seus braços deu com a caixa de retratos de Duasflor ao passar pelo tripé. O mago a agarrou instintivamente, como seus antepassados teriam agarrado uma pedra, quando confrontados com um tigre. Se ao menos tivesse espaço suficiente para manejar o objeto contra o Olho...

O Olho ocupava o universo inteiro à sua frente. Rincewind sentiu as forças se esvaírem como água em peneira.

Então viu que os lagartos vibravam na gaiola acoplada à caixa de retratos. De maneira irracional - como o homem prestes a ser decapitado que observa cada mancha e arranhão no cadafalso - Rincewind notou que as caudas haviam crescido e apresentavam uma coloração branco-azulada, pulsando de um jeito alarmante.

Ainda sendo arrastado em direção ao Olho, o apavorado Rincewind ergueu a caixa de retratos para se proteger, quando ouviu o diabinho dizer:

- Já estão prontos, não dá mais para segurar. Todos sorrindo, por favor.

Houve um...

raio de luz tão claro e brilhante que...

não parecia nem um pouco ser luz.

Bel-Shamharoth soltou um grito que começou no extremo ultra-sônico da escala e terminou em algum lugar nas entranhas de Rincewind. Por um instante, os tentáculos ficaram duros como varas - lançando tudo o que seguravam pelos ares - e então se juntaram em frente ao Olho ferido. Todo o enorme corpo caiu dentro da cova e, alguns segundos mais tarde, o grande bloco de pedra era suspenso por várias dezenas de tentáculos e colocado no lugar, deixando alguns pedaços de tentáculos presos na borda.

Hrun caiu rolando no chão, bateu numa parede e surgiu de pé. Então, achou a espada e começou a golpear metodicamente os tentáculos já destruídos. Rincewind permaneceu no chão, concentrando-se para não ficar louco. Um ruído abafado fez com que virasse a cabeça.

A Bagagem havia caído sobre a tampa arqueada. E agora se balançava, com raiva, enquanto chutava as perninhas no ar.

Com cautela, Rincewind correu os olhos à procura de Duasflor. O rapaz se encontrava em meio aos destroços de uma parede mas ao menos estava gemendo.

O mago se arrastou pela sala, cheio de dor, e sussurrou:

- O que foi aquilo?

- Por que ficaram tão claras? - murmurou Duasflor. - Bons deuses, minha cabeça...

- Tão claras? - perguntou Rincewind.

Ele olhou para a gaiola sobre a caixa de retratos, no outro lado da sala. Os lagartos, agora notadamente mais finos, observavam-no interessados.

- As salamandras - gemeu Duasflor. - O retrato vai ficar superexposto, eu sei...

- São salamandras? - perguntou Rincewind, incrédulo.

- É claro. Acessório-padrão, indispensável aos viajantes.

Rincewind avançou cambaleante até onde se encontrava a gaiola. Era óbvio que ele já tinha visto salamandras, mas essas eram pequenas. E as que ele conheceu estavam boiando dentro de vidros - no museu de raridades que ficava no andar subterrâneo da Universidade Invisível - uma vez que a salamandra estava extinta em torno do Mar Círculo.

O mago tentou se lembrar do pouco que sabia sobre elas. Eram criaturas mágicas. E também não tinham boca, já que se alimentavam apenas das propriedades nutritivas do comprimento de onda octarina da luz solar do Discworld - que absorviam através da pele. É claro que também assimilavam a própria luz do sol, armazenando tudo numa bolsa até que fosse excretado da maneira convencional. À noite, um deserto habitado por salamandras do Discworld seria um verdadeiro farol.

Rincewind botou a gaiola no chão e balançou a cabeça, horrorizado. Os animais haviam se empanturrado com toda a luz octarina daquele lugar mágico, e, então, a natureza tinha seguido seu curso.

A caixa de retratos estava saindo de fininho com seu tripé. Rincewind mirou um chute e errou. Ele já estava começando a ver a madeira sábia de pereira com maus olhos.

Alguma coisa pequena picou seu rosto. O mago coçou o local, irritado. Ouviu um barulho estridente e olhou em volta. Uma voz que soava como facas de trinchar cortando seda disse:

- Isso é muito baixo!

- Calaboca! - rebateu Hrun.

O bárbaro estava usando Kring para erguer a tampa do altar. Então olhou para Rincewind e sorriu. Ou, pelo menos, era o que a careta retesada parecia estar fazendo.

- Grande magia - comentou o bárbaro, empurrando com força a lâmina chorona com a mão enorme. - Vamos rachar o ouro, hein?

Rincewind resmungou quando alguma coisa pequena e dura lhe acertou o ouvido. Houve uma rajada de vento, que mal se sentiu.

- Como sabe que tem um tesouro aí embaixo? - perguntou o mago.

Hrun arfou e conseguiu enganchar os dedos por baixo da pedra.

- Achamo maçã debaixo de macieira - respondeu ele. - Achamo tesouro debaixo de altar. Lógico.

Ele cerrou os dentes. A pedra se ergueu e tombou no chão.

Agora alguma coisa atingia a mão de Rincewind. Ele fechou o punho no ar e viu o negócio que havia apanhado. Era uma lasca de pedra com cinco mais três lados. O mago olhou para o teto. Será que estava cedendo? Hrun cantava uma musiquinha à medida que desencavava pedaços de couro do altar profanado.

O ar vibrou, fluoresceu e zumbiu. Ventos intangíveis levantaram o manto do mago, agitando-o em redemoinhos de faíscas verdes e azuis. Em torno da cabeça de Rincewind, espíritos loucos e mal-formados gemiam e sussurravam ao passar por ali, sugados.

Ele tentou levantar a mão. Ela foi logo cercada por uma brilhante coroa octarina, enquanto o vento mágico crescente passava bramindo. O vendaval se lançava pela sala sem levantar uma poeira sequer, mas soprava as pálpebras de Rincewind, de dentro para fora. Também sibilava nos corredores - seu lamento a ricochetear alucinadamente pelas pedras.

Duasflor avançou cambaleante, curvado pelo poderoso vento astral.

- O que é isso? - ele gritou.

Rincewind se virou. De imediato, o vendaval uivante o pegou e quase o jogou no chão. Redemoinhos fantasmagóricos, girando no ar acelerado, agarraram-lhe os pés.

Hrun esticou o braço e o pescou. Alguns instantes mais tarde, o mago e Duasflor eram puxados para trás do altar saqueado e estavam ofegantes no chão. Ao lado deles, Kring, a espada falante, brilhava - seu campo mágico cem vezes aumentado pelo temporal.

- Segure firme! - berrou Rincewind.

- O vento! - gritou Duasflor. - De onde vem? Para onde sopra?

O homenzinho olhou a máscara de horror estampada no rosto de Rincewind e redobrou a força com que se agarrava às pedras.

- Estamos perdidos - sussurrou Rincewind, enquanto o teto estalava, rachando-se. - De onde vêm as sombras? É de lá que o vento está soprando!

O mago bem sabia o que de fato estava acontecendo. Quanto mais Bel-Shamharoth descia, afundando nos planos octônicos mais profundos, seu injuriado espírito era sugado para além das próprias pedras até a região que, de acordo com os sacerdotes mais confiáveis do Discworld, ficava ao mesmo tempo debaixo da terra e em Algum Outro Lugar. Por conseqüência, seu templo se viu enfim abandonado aos estragos do Tempo que, durante milhares de vexaminosos anos não tivera coragem de agir ali. Agora, o peso acumulado de todos aqueles segundos paralisados caía à toda sobre as pedras desprotegidas.

Hrun olhou para cima, avistou as fendas cada vez maiores e suspirou. Então meteu dois dedos na boca e assobiou.

Curiosamente, o som real vibrou alto, acima do falso ruído do enorme sorvedouro astral, que se formava no meio do bloco de pedra octogonal. Seguiu-se um eco abafado, que ressoava - o bárbaro imaginou - como o chocalhar estranho de ossos. Então surgiu um barulho que nada tinha de estranho. Tratava-se do ruído abafado de patas.

O cavalo de batalha de Hrun galopou por uma arcada que desabava e se empinou perto do dono, com a crina balançando ao vento. O bárbaro se pôs de pé e jogou os sacos de ouro numa bolsa pendurada na sela, então montou o animal. Depois se inclinou e puxou Duasflor pela nuca, colocando-o atravessado na armação da sela. Quando o cavalo se virou, Rincewind deu um pulo desesperado e caiu às costas de Hrun, que não fez nenhuma objeção.

O cavalo avançou certeiro pelas galerias, saltando os deslizamentos de cascalhos e desviando-se com astúcia das pedras enormes que caíam do teto. Rincewind, segurando-se como podia, olhou para trás.

Não era de admirar que o bicho avançasse com tanta rapidez. Em seu rastro, correndo sob a luz roxa oscilante, estavam uma enorme arca de aparência ameaçadora e uma caixa de retratos que se arrastava estranhamente em três pernas. Tamanha era a capacidade da madeira sábia de pereira em seguir o dono por toda a parte que os objetos encerrados nos sepulcros dos imperadores eram tradicionalmente feitos com o material...

Eles chegaram ao lado de fora um segundo antes da arcada octogonal ruir e se espatifar no chão.

Houve uma agitação nas ruínas enfumaçadas. Parecia que estavam criando um tapete verde. Então um carvalho se espiralou - ramificando-se como um foguete verde explodindo - e já estava no meio de um bosque respeitável quando as pontas dos galhos envelhecidos pararam de tremer. Uma árvore brotou como um cogumelo, amadureceu, apodreceu e caiu numa nuvem de poeira, em meio a seus rebentos. O templo agora era um amontoado de pedras musguentas enterrado pela metade.

Mas o Tempo, tendo ido primeiro ao essencial, agora completava o serviço. A mágica da deterioração e a equivalente entropia do desenvolvimento desceram a colina, bramindo, e alcançaram o corcel, cujos cavaleiros - sendo eles próprios criaturas do Tempo - não notaram. Mas ele se lançou na floresta encantada com o chicote dos séculos.

- Impressionante, não? - observou uma voz à altura do joelho de Rincewind, enquanto o cavalo galopava pela confusão de madeira apodrecendo e folhas caindo.

A voz tinha um timbre metálico e soturno. Rincewind olhou para a espada Kring, que possuía dois rubis no botão do punho. E teve a impressão de que olhavam para ele.

Mais tarde, de uma charneca, todos assistiram à luta entre as árvores e o tempo - que só poderia ter um fim. Era um espetáculo que se somava ao objetivo principal da parada: almoçar boa parte do urso que havia se metido imprudentemente nas flechas de Hrun.

Rincewind observou o bárbaro sobre o naco de carne gordurosa, O Hrun que se ocupava da profissão de herói, concluiu ele, era bem diferente do Hrun que babava tomando vinho e se embriagava em Ankh-Morpork. Aqui, era cauteloso corno um gato, ágil corno uma pantera e se sentia em casa.

E sobrevivi a Bel-Sharnharoth, lembrou-se Rince Fantástico.

Duasflor ajudava o herói a separar o tesouro roubado do templo. A maior parte era prata misturada com pedras roxas desagradáveis. Imagens de aranhas, polvos e também do octolêmur que habitava as árvores dos desertos do Centro, figuravam em várias peças.

Rincewind tentou tapar os ouvidos à voz dissonante ao lado. Não adiantou.

- ... e então pertenci ao Paxá de Re’durat e desempenhei um papel importante na batalha do Grande Nef, que foi quando consegui esse arranhãozinho que você já deve ter visto uns dois terços à altura da lâmina - contava Kring, encostada numa moita, seu lar temporário. - Algum infiel estava usando um colar de octirona, o que é muito desleal, e é claro que eu era bem mais afiada naquele tempo. Meu dono me usava para cortar lenços de seda no ar e... Estou te chateando?

- O quê? Ah, não, não, nem um pouco. E tudo muito interessante - respondeu Rincewind, sem tirar os olhos de Hrun.

Até que ponto o bárbaro seria de confiança? Eles estavam nos confins da selva, havia trolls por toda parte...

- Logo vi que você era um homem culto - prosseguiu Kring. - É tão raro eu conhecer pessoas interessantes, pelo menos nos últimos tempos. O que eu realmente queria era um bom console de lareira para me pendurar, um lugar calmo e tranqüilo. Já passei duzentos anos no fundo de um lago.

- Deve ter sido uma delícia - observou Rincewind, distraído.

- Nem tanto - respondeu Kring.

- É, acho que não.

- O que eu realmente queria era ser uma relha. Não sei o que é, mas parece uma existência com algum propósito.

Duasflor correu até onde estava o mago.

- Tive uma ótima idéia - murmurou ele.

- É, eu sei - disse Rincewind, enfastiado. - Por que não chamamos Hrun para ir a Quirm conosco?

Duasflor se admirou.

- Como adivinhou? - perguntou ele.

- Achei que você pensaria isso - considerou Rincewind.

Hrun parou de encher o alforje com a prataria e sorriu para eles. Então seus olhos se voltaram para a Bagagem.

- Com ele por perto, quem ousaria nos atacar? - perguntou Duasflor.

Rincewind coçou o queixo.

- Hrun? - sugeriu.

- Mas nós salvamos a vida dele no templo!

- Bem, se por ataque você quer dizer matar - argumentou Rincewind - acho que ele não vai fazer isso. Não é de seu feitio. Só nos roubaria e nos deixaria amarrados para os lobos, imagino.

- Ah, que nada!

- Olhe, isso aqui é a vida real - rebateu Rincewind. - Você aparece com uma arca cheia de ouro para cima e para baixo. Não acha que qualquer um em seu juízo perfeito vai aproveitar a primeira chance para botar a mão nela?

Eu botaria, acrescentou mentalmente - se não tivesse visto o que a Bagagem faz com dedos bisbilhoteiros.

Então lhe ocorreu a solução. Ele olhou de Hrun para a caixa de retratos. O diabinho estava lavando roupa numa tina minúscula, enquanto as salamandras cochilavam na gaiola.

-Tive uma idéia - disse por fim. - O que os heróis realmente querem?

- Ouro? - arriscou Duasflor.

- Não. O que eles realmente querem?

Duasflor deu de ombros.

- Não estou entendendo.

Rincewind pegou a caixa de retratos.

- Hrun - chamou ele. - Venha aqui, por favor.

Os dias seguintes transcorreram em paz. Verdade que uma vez, uma turminha de trolls tentou atacá-los de emboscada e, outra noite, um grupo de salteadores quase os pegou desprevenidos (mas, sem nenhuma prudência, tentou investigar a Bagagem antes de matar os homens dormindo). Hrun exigiu - e recebeu - pagamento dobrado por ambas as ocorrências.

- Se acontecer alguma coisa com a gente - disse Rincewind - não vai ter ninguém para operar a caixa mágica. E então nada de retratos de Hrun, entendeu?

Hrun assentiu - os olhos cravados no último retrato, que mostrava o bárbaro fazendo pose de herói, com um pé sobre um amontoado de trolls mortos.

- Mim, você e amiguinho Duasflores se dá - constatou o bárbaro. - E manhã a gente pode tirar de um lado melhor, tá bom?

Com cuidado, ele envolveu o retrato em pele de troll e o guardou no alforje, junto com os outros.

- Parece que está funcionando! - admirou-se Duasflor, depois que Hrun se adiantou para inspecionar a estrada.

- Claro - disse Rincewind. - O que os heróis mais gostam é deles mesmos.

- Você está ficando muito bom em operar a caixa de retratos, sabia?

- É...

- Então talvez queira ficar com isso.

Duasflor estendeu um retrato.

- O que é? - perguntou Rincewind.

- Ah, só o que você tirou no templo.

Rincewind olhou, tomado de pavor. Ali, cercado por alguns vislumbres de tentáculos, estava um enorme polegar torto, calejado, manchado de poção mágica e fora de foco.

- É a história da minha vida - concluiu ele, com ares de enfado.

E então não havia nada além da ruína das florestas e de uma nuvem de poeira no horizonte, que logo foi levada pela brisa. Sentado num marco de pedra esburacado e coberto de musgos, apenas um vulto negro e maltrapilho. Sua aparência era de uma pessoa injustamente enganada e temida, e que, todavia era a única amiga dos pobres e o melhor médico dos mortalmente feridos.

Morte, embora, é claro, completamente destituído de olhos, observava Rincewind desaparecer com uma carranca ou coisa parecida - se Seu rosto dispusesse de um mínimo de mobilidade. Apesar de se encontrar sempre muito atarefado, Ele percebia agora que tinha um passatempo. Havia alguma coisa no mago que o incomodava em demasia. Para começo de conversa, ele não cumpria os compromissos.

- AINDA PEGO VOCÊ, PASPALHO - disse Morte, numa voz que soou como pesadas lajes sepulcrais. - ORA, SE NÃO...

 

O FASCÍNIO DE WYRM

CHAMAVA-SE WYRMBERG E SUBIA QUASE UM quilômetro acima do vale verde: uma montanha enorme, cinza e espetada de cabeça para baixo.

Eram apenas alguns metros de um lado a outro na base. Então ela subia rumo às nuvens, aumentando sempre mais - como uma trombeta virada para cima - até ser cortada pelo platô de quase meio quilômetro de extensão. Havia uma pequena floresta lá em cima, a folhagem caía em cascata pela beirada. Havia construções. E até um regato desaguando pela borda numa cachoeira tão espalhada pelo vento que chegava ao chão feito chuva.

Também havia numerosas cavernas alguns metros abaixo do platô. As aberturas tinham uma aparência rústica, mas regular. Naquela manhã clara de outono, a Wyrmberg se elevava sobre as nuvens como um gigantesco pombal.

Isso, é claro, para pombos que medissem, com as asas abertas, cerca de 40 metros.

- Eu sabia - disse Rincewind. - Estamos num campo mágico muito forte.

Duasflor e Hrun correram os olhos pelo pequeno vale onde haviam decidido fazer a parada do meio-dia. Depois olharam um para o outro.

Os cavalos pastavam em silêncio próximos ao ribeirão. Borboletas amarelas dançavam no meio das plantas. Havia um perfume de manjericão e um zumbido de abelhas no ar. E os porcos selvagens já estavam chiando no espeto.

 

- Você venceu - disse o Destino, empurrando um monte de almas no tabuleiro.

Os deuses ali reunidos relaxaram.

- Outros jogos virão - acrescentou ele.

A Dama sorriu para os dois olhos que eram como buracos no universo.

 

Hrun deu de ombros e voltou a passar óleo nos músculos dos braços, que brilhavam.

- Por mim tá tudo bem - concordou ele.

- Jogue uma moeda para cima - pediu Rincewind.

- O quê?

- Ande. Jogue!

- Tá bom - disse Hrun. - Se é o que você quer.

Ele enfiou a mão na bolsa e tirou um punhado de moedas, saqueadas de uma dezena de remos diferentes. Cuidadosamente escolheu a moeda de chumbo de 25 centavos de zchloty e botou sobre a unha roxa do polegar.

- Pode pedir - disse ele. - Cara ou...

Hrun estudou a figura na moeda com extrema concentração.

- .. . um tipo de peixe com pernas.

- Quando estiver no ar - disse Rincewind.

O bárbaro sorriu e jogou a moeda para o alto. Os 25 centavos subiram, rodando.

- Em pé - disse o mago sem olhar para ela.

 

A magia nunca morre. Só perde força.

Em nenhum outro lugar da vastidão azul do Discworld, isso ficava mais evidente que nas áreas que haviam servido de cenário para as grandes batalhas das Guerras Mágicas - ocorridas pouco depois da Criação. Naquele tempo, a magia em estado bruto era abundante. Foi fartamente usada pelos Primeiros Homens na luta contra os deuses.

A origem exata das Guerras Mágicas perdeu-se nas curvas do Tempo, mas os filósofos do Discworld estão de acordo que, pouco depois de serem criados, os Primeiros Homens compreensivelmente perderam a paciência. As batalhas que se seguiram foram grandes e pirotécnicas - o sol rodou pelo céu em sentido contrário, os oceanos entraram em ebulição, estranhas tempestades assolaram a terra, pombinhos brancos surgiram misteriosamente na roupa das pessoas e a própria estabilidade do Discworld (carregado pelo cosmo no lombo de quatro elefantes gigantescos montados sobre uma tartaruga) se viu ameaçada. O resultado disso foi a ação implacável dos Antigos Supremos, a quem até os próprios deuses devem se sujeitar. Os deuses foram banidos para lugares mais altos, os homens foram recriados bem menores do que então. Uma grande parte da velha magia selvagem foi eliminada do planeta.

Isso, porém, não resolveu o problema dos lugares do Discworld que, durante as guerras, sofreram o impacto direto de um feitiço. A magia apenas perdia força - aos poucos, com o passar dos milênios, liberando, à medida que enfraquecia, uma infinidade de partículas subastrais que, por onde se espalhavam, distorciam muito a realidade...

 

Rincewind, Duasflor e Hrun olhavam a moeda.

- Caiu em pé - disse Hrun. - Bom, você é mago. E daí?

- Não faço... esse tipo de feitiço.

- Quer dizer que você não consegue.

Rincewind ignorou o comentário, porque era verdade.

- Tente de novo - sugeriu ele.

Hrun jogou um punhado de moedas.

As duas primeiras caíram da maneira habitual. A quarta, também. A terceira caiu em pé, equilibrada. A quinta virou uma pequena lagarta amarela e saiu se arrastando. A sexta, quando ia começar a cair, desapareceu com um “plim!” agudo. Um instante mais tarde, houve um estampido.

- Ei, aquela era de prata! - exclamou Hrun, pondo-se de pé e olhando para cima. - Me traz ela de volta!

- Eu não sei para onde ela foi - disse Rincewind, aborrecido.

- É provável que ainda esteja girando. As que tentei recuperar hoje de manhã não voltaram.

Hrun ainda olhava o céu.

- O que é? - perguntou Duasflor.

Rincewind suspirou. Era mesmo o que o mago temia.

- Entramos numa zona com grau elevado de magia - explicou. - Não me pergunte como. Um dia, um campo mágico de muita força deve ter sido criado aqui, e agora estamos sentindo os efeitos colaterais.

- Exato - disse um arbusto que passava.

Hrun baixou a cabeça.

- Quer dizer que a gente tá num desses canto? - perguntou ele. - Vamo cair fora!

- Certo - concordou Rincewind. - Talvez a gente consiga voltar pelo mesmo caminho. Podemos parar a cada 2 quilômetros e jogar uma moeda para cima.

Levantou depressa e começou a guardar as coisas no alforje.

- O que é? - perguntou Duasflor.

Rincewind parou.

- Olhe aqui - disse. - Não discuta. Vamos.

- O lugar não me parece ter nada de errado - considerou Duasflor. - Só é um pouco desabitado e...

- É - rebateu Rincewind. - Estranho, não? Vamos! Surgiu um ruído bem acima deles, como se um chicote batesse numa pedra molhada. Alguma coisa vaga e transparente passou perto da cabeça de Rincewind - levantando uma nuvem de cinzas da fogueira - e o esqueleto do porco pulou do espeto e subiu ao céu como um foguete.

A coisa se inclinou para evitar um arvoredo, endireitou-se, voou bramindo num círculo fechado e avançou em direção ao Centro, deixando um rastro de gotas de gordura de porco quente.

 

- O que estão fazendo agora? - perguntou o velho.

A jovem olhou para a bola de cristal.

- Seguem em direção à Borda - informou ela. - Aliás... Ainda estão com aquele baú com pernas.

O velho gargalhou - um som estranhamente perturbador na cripta escura e empoeirada.

- Madeira sábia de pereira - atestou ele. - Incrível. É, acho que vamos ficar com ela. Por favor, certifique-se disso, minha querida... Quem sabe, antes que estejam além do seu poder.

- Silêncio! Ou...

- Ou o quê, Liessa? - perguntou o velho (sob a luz fraca, havia algo estranho no modo como o homem se sentava na cadeira de pedra). - Você já me matou uma vez, lembra?

Ela riu e se levantou, jogando o cabelo para trás com desdém. Os fios eram vermelhos, salpicados de ouro. Ereta, Liessa Wyrmbidder era uma visão magnífica. Também estava quase nua, exceto por dois simples pedaços de cota de malha e pelas botas brilhantes de pele de dragão. Numa das botas, havia um chicote, um tanto incomum por ser longo como uma lança e ter farpas de aço na ponta.

- Meu poder vai ser mais do que suficiente - disse ela, com frieza.

O vulto indistinto pareceu concordar, ou ao menos tremer.

- É o que você vem me garantindo - provocou ele.

Liessa bufou e se retirou a passos largos.

O pai não se deu ao trabalho de vê-la sair. Uma razão para isso era que, como estava morto havia três meses, os olhos não se encontravam na melhor das condições. Outra era que, como mago - ainda que morto - do 150º grau, fazia muito tempo que seus nervos ópticos tinham se adaptado para ver planos e dimensões distantes da realidade e, portanto, eram um tanto ineficientes na observação do meramente mundano. (Em vida, acreditava-se que seus olhos tinham oito faces e eram misteriosamente semelhantes aos dos insetos.) Além do mais, como o homem agora se encontrava suspenso no tênue espaço existente entre o mundo dos vivos e o universo de sombras do Morte, podia entrever a própria Casualidade. Por essa razão, apesar de uma leve esperança de que desta vez a desgraçada da filha morresse, não usou muito dos seus grandes poderes para saber mais sobre os três viajantes que galopavam em desespero para fora do reino.

A algumas centenas de metros dali, Liessa sentia-se estranha ao descer os velhos degraus que levavam ao coração oco da Wyrmberg, seguida por meia dúzia de Montadores. Seria esta a grande oportunidade? Talvez ali estivesse a resposta para todo o impasse, a chave para o trono de Wyrmberg. O reino era seu por direito, é claro; mas a tradição dizia que apenas um homem poderia governar Wyrmberg. Isso enervava Liessa e, quando ela estava com raiva, o Poder fluía com mais força e os dragões ficavam especialmente grandes e enfurecidos.

Se ela tivesse um homem, as coisas seriam diferentes. De preferência, alguém que fosse grande e forte, mas curto de idéias. Um rapaz que fizesse o que lhe mandassem...

Talvez o maior dos três homens que agora fugiam da terra dos dragões servisse. E, se não servisse, os dragões estavam sempre com fome e precisavam ser alimentados com freqüência. Ela providenciaria para que ficassem enfurecidos.

Mais enfurecidos do que de costume, de qualquer maneira. A escada passava por um arco e terminava num ressalto estreito próximo ao teto da grande caverna em que os Wyrm dormiam.

Os raios de sol vindos das muitas aberturas nas paredes cortavam a escuridão poeirenta como hastes de âmbar nas quais um milhão de insetos dourados tinha se preservado. Embaixo, não mostravam nada além da névoa fina. Em cima...

As primeiras argolas estavam tão perto da cabeça de Liessa, que ela poderia tocar uma delas, esticando a mão. Elas se estendiam aos milhares no teto da caverna. Vinte pedreiros haviam levado vinte anos abrindo buracos para prender todas aquelas argolas - eles próprios pendurados nas que já haviam fixado, à medida que progrediam. Mas não eram nada comparadas às 88 argolas maiores, agrupadas no vértice do teto abobadado. Outras cinqüenta haviam se perdido num passado remoto, quando eram transportadas de mão em mão pelos grupos de escravos (havia muitos escravos nos primórdios do Poder). Caíram no abismo, carregando junto os azarados que as estavam segurando.

Mas 88 haviam sido instaladas, enormes como arco-íris e avermelhadas como sangue. Nelas...

Os dragões sentem a presença de Liessa. O ar se agita em torno da caverna à medida que 88 pares de asa se abrem num complicado quebra-cabeça. Então, os olhos verdes e multiflicetados se voltam para a mulher.

Os animais ainda estão levemente transparentes. Enquanto os rapazes à volta dela tiram as botas de gancho da prateleira, Liessa se entrega à tarefa da visualização. No ar rançoso logo acima, os dragões começam a se tornar visíveis - a pele bronzeada refletindo os raios de sol. A mente de Liessa lateja, mas agora que o Poder flui abundante ela já pode, com um pouco de concentração, pensar em outras coisas.

Depois também afivela as botas de gancho e dá um gracioso salto mortal para acomodar esses ganchos - com um leve tinido - num par de argolas do teto.

Este agora é o chão. O mundo mudou. Ela se encontra no canto de uma cratera profi pavimentada com as argolas através das quais os montadores de dragão já avançam em marcha pendular. No meio da cratera, os enormes animais que serão cavalgados aguardam entre o bando. E, bem acima, encontram-se as distantes pedras do chão da caverna, branqueadas por séculos de excrementos dos animais.

Deslocando-se com facilidade em movimentos oscilantes e naturais, Liessa chega ao seu dragão, Laolith, que vira para ela a grande cabeça cavalar. O queixo do animal está sujo de gordura de porco.

Estava uma delícia, diz ele na mente da dona.

- Pensei ter dito que não haveria mais vôos desacompanhados - rebate ela.

Eu estava com fome, Liessa.

- Controle a fome. Logo vai ter cavalos para comer.

As rédeas prendem nos dentes, Não têm guerreiros? Nós gostamos de guerreiros.

Liessa desce a escada de montar e se senta em torno do pescoço duro de Laolith.

- O guerreiro é meu. Têm outros dois com que você pode ficar. Parece que um é mago - acrescenta ela, para interessá-lo.

Ah, você sabe como é com magos. Meia hora depois já queremos outro, reclama o dragão.

Então ele abre as asas e se solta.

 

- Estão se aproximando! - gritou Rincewind.

O mago se abaixou ainda mais sobre o pescoço do cavalo e gemeu. Duasflor tentava seguir em frente enquanto se virava para olhar as criaturas voadoras.

- Você não entende! - berrou o turista, mais alto que o terrível barulho das asas. - A vida inteira eu quis ver dragões!

- Por dentro? - perguntou Rincewind. - Cale a boca e corra! Ele bateu no cavalo com as rédeas e encarou a floresta à frente, tentando trazê-la para perto por mera força de vontade. Sob as árvores, eles estariam seguros. Embaixo delas, nenhum dragão poderia voar...

Rincewind ouviu um rufo de asas antes que as sombras se fechassem ao seu redor. Por instinto, deitou-se na sela e sentiu urna dor aguda quando alguma coisa afiada lhe cortou os ombros.

Pouco atrás, Hrun gritou, mas pareceu antes um bramido de raiva do que um guincho de dor, O bárbaro havia saltado sobre algumas plantas e sacado Kring, a espada preta. Então brandiu a arma, quando um dos dragões se curvou para dar outro rasante.

- Lagarto nenhum faz isso comigo! - berrou ele.

Rincewind se inclinou e pegou as rédeas do cavalo de Duasflor.

- Vamos! - sussurrou.

- Mas os dragões... - disse o rapazinho, em êxtase.

- Danem-se os... - começou o mago e então se deteve.

Outro dragão havia se desgarrado dos pontinhos em círculo no alto e avançava na direção deles. Rincewind largou o cavalo de Duasflor, praguejou irritado e conduziu a própria montaria para as árvores, sozinho. Não olhou para o rebuliço que se deu logo atrás e, quando a sombra passou por ele, apenas soltou umas palavras desarticuladas e tentou afundar na crina do animal.

Então, em vez da dor dilacerante que vinha esperando, houve uma série de baques surdos, enquanto o animal apavorado se enfiava pelo meio da floresta. O mago tentou se segurar, mas um galho baixo, mais forte do que os outros, derrubou-o da sela. As últimas coisas que ouviu antes que as cintilantes luzes azuis da inconsciência se acendessem foram um rugido frustrado de réptil e a pancada de garras nas copas das árvores.

Com olhos nublados pelo medo e pela agonia, voltou a olhar para o dragão.

O animal se encontrava no galho de um enorme carvalho morto, a centenas de metros dali. As asas douradas se ajustavam rente ao corpo e a longa cabeça eqüina não parava de se virar para lá e para cá, acima do pescoço extraordinariamente móvel. O bicho estava vigiando a floresta.

Também estava semitransparente. Embora o sol brilhasse nas escamas, Rincewind podia entrever o contorno dos galhos de trás.

Num deles havia um homem sentado. Parecia menor do que era por causa do réptil. Estava nu, exceto por um par de botas altas, um minúsculo tapa-sexo de couro e um capacete no alto da cabeça. Agitava uma espada curta e preta e olhava acima da copa das árvores com ar de quem havia sido mandado para um serviço enfadonho e indigno.

Um besouro começou a subir pela perna de Rincewind.

O mago se perguntou que danos um dragão pela metade seria capaz de causar. Será que o mataria só pela metade? Decidiu não esperar para ver.

Com os calcanhares, as pontas dos dedos e os músculos dos ombros, Rincewind se arrastou de lado até a folhagem ocultá-lo do carvalho e de seus ocupantes. Então, pôs-se de pé e saiu correndo entre as árvores.

Não tinha nenhum destino em mente, nenhuma provisão e nenhum cavalo. Mas, enquanto tivesse pernas, podia correr. Silvas e samambaias lhe fustigavam o corpo, mas o mago nem sentia.

Quando já estava a mais ou menos um quilômetro de distância do dragão, Rincewind parou e desmoronou encostado numa árvore, que, então, falou com ele.

- Psiu - disse ela.

Temendo o que acabaria por ver, o mago deixou o olhar subir. Seus olhos tentaram se prender nos pedaços inofensivos de casca e folha, mas a curiosidade queria ver o que havia acima. Por fim, eles cravaram-se numa espada preta fincada num galho bem acima de sua cabeça.

 

Quando acordou, um dragão o observava. Pelo menos olhava na sua direção. Rincewind arquejou e tentou se arrastar pela superfície musguenta usando as omoplatas, então gemeu ao sentir a dor aguda.

- Não fique aí parado - disse a espada (numa voz como o som de dedos roçando a borda de uma grande taça de vinho vazia). - Tire-me daqui.

- O quê? - perguntou Rincewind, com o peito ainda arfante.

- Tire-me daqui - repetiu Kring. - É isso ou vou passar o próximo milênio numa formação carbonífera. Já contei a história de quando fui jogado num lago em...?

- O que aconteceu com os outros? - cortou Rincewind, ainda agarrado à árvore, em desespero.

- Ah, os dragões pegaram. E os cavalos. E aquela arca. Iam me pegar também, só que Hrun me soltou. Que sorte a sua, hein?

- É... - começou Rincewind.

Kring o ignorou.

- Imagino que você esteja morrendo de pressa para ir salvá-los - acrescentou.

- Isso mesmo...

- Então, assim que me soltar, podemos ir.

Rincewind olhou para a espada. Até então, a tentativa de resgate estivera tão distante de sua mente que, se algumas especulações modernas acerca da natureza e da forma da multiplexidade pluridimensional do universo estivessem corretas, na verdade ela se encontrava em primeiro plano. Mas uma espada mágica era um item valioso...

E seria uma longa viagem de volta para casa, onde quer que ela ficasse...

Ele subiu na árvore e se arrastou pelo galho. Kring estava bem enterrada na madeira, O mago segurou o punho e puxou a arma até ver luzes brilhando diante de seus olhos.

- Tente outra vez - disse a espada, de modo animador.

Rincewind gemeu e cerrou os dentes.

- Podia ser pior - considerou Kring. - Isso podia ser uma bigorna.

- É - suspirou o mago, aterrorizado com uma possível ruptura na sua virilha.

- Eu tive uma vida multidimensional - declarou a espada.

- Hã?

- Incrível - disse Rincewind.

O mago quase caiu para trás quando a lâmina se soltou. A arma parecia estranhamente leve.

De volta ao chão, Rincewind resolveu dar a notícia.

- Sabe, acho que resgate não é uma boa idéia - disse ele. - É melhor a gente ir a alguma cidade, para organizar um grupo de busca.

- Os dragões seguiram em direção ao Centro - informou Kring. - Mas sugiro que comecemos com aquele ali na árvore.

- Desculpe, mas...

- Você não pode abandoná-los à própria sorte!

Rincewind parecia surpreso.

- Não posso? - perguntou.

- Não, não pode. Olhe, vou ser bastante franco. Já trabalhei com material melhor do que você, mas é isso ou... Você já passou um milhão de anos numa formação carbonífera?

-Veja...

- Então, se não parar de discutir, vou decepar a sua cabeça. Rincewind viu o próprio braço se erguer até a lâmina resplandecente chegar a 2 centímetros da sua garganta. Ele tentou forçar os dedos a largar a arma. Não largaram.

- Não sei como ser herói! - gritou o mago.

- Estou disposto a ensinar.

Bronze Psepha soltou um urro gutural.

O montador de dragões K!sdra se inclinou para a frente e correu os olhos pela clareira.

- Estou vendo - disse.

Então desceu da árvore com desenvoltura, saltando de galho em galho, e pousou com suavidade no matagal, sacando a espada.

Ele deu uma olhada demorada no homem que se aproximava - e não parecia mostrar muito entusiasmo em deixar o abrigo das árvores. O mago estava armado, mas o montador foi capaz de notar - achando curioso - o modo estranho com que ele segurava a espada à sua frente, com o braço estendido, como se estivesse envergonhado de ser visto com ela.

- Tive vários nomes, sabia?

K!sdra brandiu a própria arma e abriu um amplo sorriso quando o mago disparou em sua direção. Então saltou.

Mais tarde, lembraria apenas duas coisas da luta. A primeira era o extraordinário modo como a espada do mago havia se dobrado e acertado sua própria lâmina, jogando-a longe. A segunda - e ele estava certo de que havia sido isso que o levara à ruína - era que o mago tapava os olhos com a outra mão.

K!sdra pulou para trás a fim de escapar do golpe seguinte e caiu estirado na relva. Com um rosnado, Psepha abriu as enormes asas e saltou da árvore.

Alguns instantes mais tarde, o mago estava de pé sobre o homem e aos berros.

- Diga a ele que, se me queimar, enfio a espada! Eu enfio! Vou furá-lo! Vai, diz!

A ponta da espada pairava sobre a garganta de K!sdra. O estranho era que o mago vinha obviamente tendo dificuldades com a arma. Ela parecia estar cantando para si mesma.

- Psepha! - gritou K!sdra.

O dragão rugiu em desafio, mas se desviou do mergulho que teria arrancado a cabeça de Rincewind e voou pesadamente de volta para a árvore.

- Fale! - berrou Rincewind.

K!sdra olhou para o mago, na outra extremidade da espada.

- O que quer que eu fale? - quis saber.

- Quê?

- Perguntei o que você quer que eu fale.

- Onde estão meus amigos? Estou falando do bárbaro e do rapaz!

- Devem ter sido levados de volta para a Wyrmberg. Rincewind lutava em desespero contra as investidas da espada, tentando fechar a mente ao apelo de Kring por sangue.

- O que é uma Wyrmberg? - perguntou ele.

- A Wyrmberg. Só tem uma. É o Lar dos Dragões.

- Era para lá que você pretendia me levar, não é?

K!sdra soltou um ganido involuntário quando a ponta da espada lhe tirou uma gota de sangue do pomo-de-adão.

- Não querem que ninguém saiba que vocês têm dragões aqui, não é? - resmungou Rincewind.

O montador esqueceu a situação em que se encontrava e fez que sim com a cabeça, ficando a meio centímetro de ter a garganta perfurada.

Rincewind olhou desesperado à volta e percebeu que não tinha jeito, teria de ir até o fim.

- Pois bem - disse ele com o máximo de hesitação que seria possível manifestar. - E melhor me levar a essa tal de Wyrmberg.

- Eu deveria levá-lo morto - resmungou K!sdra, com desgosto. Rincewind olhou para ele e abriu lentamente um sorriso. Era uma contração forçada dos lábios, alucinada e desprovida de qualquer graça. Tratava-se do tipo de sorriso que, em geral, se faz acompanhar por pequenas aves de beira de rio indo, vindo e tirando sobras dos dentes.

- Serve vivo mesmo - argumentou Rincewind. - E, se vamos falar de quem deveria estar morto, lembre-se de qual espada se encontra na mão de quem.

- Se você me matar, nada vai impedir Psepha de matar você! - gritou o montador de dragão, ainda deitado.

- Então o que vou fazer é cortar você aos poucos, em pedacinhos - analisou o mago.

Ele tentou o efeito do sorriso outra vez.

- Ah, tá certo - disse K!sdra, de mau humor. - Acha que não tenho imaginação?

Ele ficou em pé e acenou para o dragão, que mais uma vez levantou vôo e avançou em direção a eles. Rincewind engoliu em seco.

- Você está querendo dizer que vamos ter de ir nisso? - perguntou.

K!sdra olhou para o mago com desdém - a ponta de Kring ainda próxima ao pescoço.

- De que outra forma se pode chegar à Wyrmberg?

- Não sei - respondeu Rincewind. - De que outra forma?

- Estou querendo dizer que não existe outra maneira. É voando ou não se chega lá.

Rincewind fitou o dragão outra vez. Dava para ver claramente, através do animal, o matagal esmagado por ele, mas quando o mago tocou de leve a escama que não passava de um mero reflexo dourado no ar, o bicho pareceu bastante sólido. Os dragões deveriam existir por completo, ou nem existir, pensou ele. Um dragão que existia pela metade era pior que tudo.

- Não sabia que dava para ver através dos dragões - disse ele.

K!sdra deu de ombros.

- Não sabia? - perguntou.

Então, montou o dragão sem muito jeito, porque Rincewind lhe agarrava o cinturão. Depois de já se encontrar desconfortavelmente a bordo, o mago se apoiou num arreio providencial e cutucou K!sdra de leve com a espada.

- Já voou antes? - perguntou o montador, sem olhar para trás.

- Assim, não.

- Quer alguma coisa para mastigar?

Rincewind fitou a nuca do homem, então correu os olhos para o saco de doces vermelhos e amarelos que lhe era oferecido.

- É obrigatório? - perguntou ele.

- É tradição - respondeu K!sdra. - Pegue um.

O dragão se levantou, arrastou-se pelo campo e bateu as asas.

 

Rincewind costumava ter pesadelos em que se encontrava num lugar intangível mas incrivelmente alto, vendo uma paisagem azul distante pontuada por nuvens (em geral, acordava do sonho morrendo de medo e teria ficado ainda mais preocupado se soubesse que o pesadelo não era, como imaginava, apenas a vertigem habitual do Discworld. Tratava-se da memória profética de um acontecimento futuro tão terrível que havia produzido ondulações de medo em toda a sua linha da vida).

Este ainda não era o tal acontecimento, mas parecia um bom treino para a ocasião.

Psepha agitou as asas no ar com uma série de saltos de arrebentar os ossos. No último deles, as enormes asas se abriram com um estalo e se estenderam num golpe que fez balançar as árvores.

Então o chão ficou para trás, afastando-se numa sucessão de movimentos bruscos. De repente, Psepha começou a subir com mais suavidade - a luz do sol vespertino a reluzir nas asas, que ainda não passavam de um véu dourado. Rincewind cometeu o erro de olhar para baixo e viu, através do animal, a copa das árvores lá embaixo. Bem lá embaixo. O estômago logo começou a dar voltas.

Fechar os olhos não era melhor, dava asas à imaginação. Ele resolveu o problema olhando para um ponto fixo a meia distância, onde a charneca e a floresta se perdiam e quase podiam ser contempladas sem muita atenção ou medo.

O vento era forte. K!sdra se virou um pouco e lhe gritou ao ouvido.

- Aí está a Wyrmberg!

Rincewind inclinou a cabeça devagar, tomando cuidado para manter Kring apoiado de leve no dorso do dragão. Os olhos do mago correram para a montanha impossivelmente invertida, erguendo-se do fundo do vale arborizado como uma trombeta numa tina coberta de limo. Mesmo a essa distância, ele podia entrever o fraco brilho octarina no ar, indicando uma aura mágica estável de pelo menos - Rincewind arquejou - vários miliprimes? No mínimo!

- Ah, não - disse afinal.

Até olhar para o chão era melhor do que aquilo. Ele desviou os olhos e percebeu que agora já não podia ver a copa das árvores através do dragão. À medida que planava ao redor da Wyrmberg - num grande círculo -, o animal sem dúvida vinha ganhando uma aparência mais sólida, como se o corpo estivesse se enchendo de uma névoa dourada. Quando a Wyrmberg já se encontrava bem à frente, oscilando no céu, o dragão parecia real como uma pedra.

Rincewind pensou ver uma listra no ar, como se alguma coisa houvesse se estendido da montanha até tocar o animal. O mago teve a estranha sensação de que o dragão estava se tornando mais autêntico.

Pouco à frente, a Wyrmberg se transformava de brinquedo distante em milhões de toneladas de rocha equilibrados entre o céu e a terra. Era possível ver pequenos campos, florestas e até um lago ali em cima. Um rio saía do lago e se derramava da beira...

Rincewind fez a besteira de seguir o percurso da água espumante com os olhos. Voltou atrás bem a tempo.

O cintilante platô da montanha virada de cabeça para baixo estava cada vez mais perto. Mas o dragão não diminuía a velocidade.

Quando a montanha se ergueu sobre Rincewind como o maior mata-moscas do mundo, ele viu a boca de uma caverna. Psepha avançava na direção dela, com os músculos do ombro retesados.

O mago deu um grito quando mergulhou na escuridão. Houve um rápido vislumbre de pedras, borrado pela velocidade. Então o dragão estava outra vez num espaço aberto.

Era uma caverna. Mas era maior do que qualquer caverna tinha o direito de ser. O dragão, deslizando por suas vastidões, não passava de um mosquito iluminado num enorme salão de jantar.

Havia outros dragões - dourados, prateados, pretos e brancos - voando sem rumo no ar cortado por raios de luz solar ou empoleirados nas beiradas de rocha. No alto do telhado abobadado da caverna, centenas de outros se penduravam em argolas gigantescas - as asas a cobrir o corpo como morcegos. Também havia homens lá no alto. Rincewind engoliu em seco quando os viu, porque andavam na grande extensão do teto como insetos.

Depois, o mago percebeu as milhares de argolas minúsculas fincadas no teto. Alguns dos homens de cabeça para baixo observavam o vôo de Psepha com interesse. Rincewind engoliu em seco outra vez. Por nada no mundo conseguia pensar no que fazer em seguida.

- E agora? - perguntou, num sussurro. - Alguma sugestão?

- É claro que você ataca - respondeu Kring, com ares de desprezo.

- Por que não pensei nisso antes? - ironizou Rincewind. - Será que é porque todos estão armados?

- Você é derrotista.

- Derrotista? Só porque vou ser derrotado!

- Você é o seu pior inimigo, Rincewind - opinou a espada.

Rincewind olhou para os homens. Eles sorriam.

- Quer apostar que não? - disse, nem um pouco satisfeito.

Antes que Kring pudesse responder, Psepha deu uma guinada e pousou numa das argolas grandes, que balançou perigosamente.

- Quer morrer agora ou se entregar antes? - perguntou K!sdra, com calma.

Os homens convergiam para a argola vindos de todas as direções - caminhando em movimentos oscilatórios, conforme enganchavam as botas nas argolas do teto.

Havia mais botas na prateleira da pequena plataforma construída ao lado da argola-poleiro. Antes que Rincewind pudesse detê-lo, o montador havia saltado do lombo do dragão e alcançado a plataforma, onde se pôs a rir da desolação absoluta do mago.

Houve um pequeno e expressivo ruído, quando uma porção de balistas foram erguidas. Rincewind olhou para muitos rostos impassíveis, virados de cabeça para baixo. O gosto para roupas do pessoal dali não ia além de uma armadura de couro enfeitada com bronze. A bainha de facas e espadas era usada de maneira invertida. Os que não estavam de capacete, deixavam o cabelo solto, os fios balançavam como algas marinhas na brisa próxima ao telhado. Havia diversas mulheres entre eles. A posição fazia coisas estranhas com a anatomia de todos. Rincewind observava.

- Entregue-se - ordenou K!sdra.

Rincewind abriu a boca para fazê-lo. Kring zumbiu em advertência. Ondas de dor subiram pelo braço do mago.

- Nunca - soltou, em tom estridente.

A dor parou.

- É claro que ele não vai se entregar! - ressoou a voz poderosa atrás de Rincewind. - Trata-se de um herói, não é mesmo?

O mago se virou e fitou as duas narinas peludas de um rapaz de constituição robusta, pendurado indolentemente no teto, pelas botas.

- Qual é o seu nome, herói? - indagou o homem. - Para sabermos quem você foi.

Os espasmos no braço de Rincewind pioraram.

- Eu... sou Rincewind de Ankh - conseguiu articular.

- E eu sou Lio!rt, Senhor dos Dragões - disse o rapaz, pronunciando o nome com um estalido seco e gutural que Rincewind só podia imaginar como uma espécie de pontuação integrante. - Você veio me desafiar para um combate mortal.

- Pra dizer a verdade, não, não vim...

- Engano seu. K!sdra, ajude nosso herói a calçar as botas de gancho. Tenho certeza de que ele está ansioso para começar.

- Não, olhe, só vim procurar meus amigos. Eu sei que... - começou Rincewind, enquanto o montador o conduzia com firmeza para a plataforma, sentava-o numa cadeira e começava a lhe prender as correias da bota no pé.

- Depressa, K!sdra. Não devemos atrasar o encontro de nosso herói com seu destino - disse Lio!rt.

- Olhe, acho que meus amigos devem estar bastante satisfeitos aqui, então se puderem me deixar, sabe, em algum lugar...

- Você vai ver seus amigos em breve - anunciou o senhor dos dragões. - Quer dizer, se for religioso. Quem entra na Wyrmberg jamais sai. A não ser metaforicamente, é claro. Mostre a ele como alcançar as argolas, K!sdra.

- Veja no que você me meteu! - sussurrou Rincewind.

Kring vibrou em sua mão.

- Lembre-se de que sou uma espada mágica - zumbiu ele.

- E como poderia esquecer?

- Suba a escada e segure a argola - ordenou o montador. - Então traga o pé para cima até o gancho prender.

Ele ajudou o mago a ficar de cabeça para baixo - com o manto enfiado sob o culote e Kring oscilando numa das mãos. Sob esse ângulo, o pessoal do lugar se mostrava menos assustador, mas os dragões, mesmo pendurados nos poleiros, pareciam gárgulas imensas. Os olhos dos animais brilhavam com curiosidade.

- Atenção, por favor - disse Lio!rt.

Um montador lhe entregou um objeto longo envolto em seda vermelha.

- Lutaremos até a morte - explicou ele. -A sua.

- E será que eu ganho a liberdade se vencer? - arriscou Rincewind, sem muita convicção.

Lio!rt indicou os montadores ali reunidos com um gesto de cabeça.

- Não seja ingênuo - disse por fim.

Rincewind respirou fundo.

- Acho que devo avisá-lo - observou o mago, a voz quase sem tremer. - Esta é uma espada mágica.

Lio!rt deixou o envoltório de seda vermelha cair na escuridão e brandiu uma lâmina preta. Havia runas brilhando na superfície.

- Que coincidência! - exclamou ele, e atacou.

Rincewind ficou rijo de pavor, mas o braço se agitou quando Kring se lançou para a frente. As espadas se encontraram numa explosão de luz octarina.

Lio!rt cambaleou para trás, com os olhos se estreitando. Kring atacou e, embora a espada do senhor dos dragões tenha se erguido, desviando a maior parte da força de ataque, o resultado foi uma linha vermelha e fina no tronco do dono.

Com um rosnado, ele se lançou sobre o mago - as botas a retinir, conforme avançavam pelas argolas. As espadas se encontraram de novo, em mais uma descarga violenta de magia, e, ao mesmo tempo, Lio!rt atirou a outra mão contra a cabeça de Rincewind, acertando-o com tanta força que um pé do mago soltou do gancho e ficou se agitando no ar em desespero.

Rincewind sabia que muito provavelmente era o pior mago do Discworld, já que só conhecia um feitiço. Mas, apesar de tudo, ainda era mago e, portanto, pelas leis inexoráveis da magia, isso queria dizer que, chegada sua hora, o próprio Morte apareceria para levá-lo (em vez de mandar um de seus inúmeros servos, como em geral acontece).

Assim, quando o sorridente Lio!rt recuou e investiu com a espada, desenhou-se no ar um arco demorado, o tempo começou a se arrastar como se andasse dentro do melaço.

De repente, aos olhos de Rincewind, o mundo ficou iluminado por uma bruxuleante luz octarina, salpicada de roxo pelos fótons que se chocavam com a súbita aura mágica. Ali dentro, o senhor dos dragões era uma estátua de cores medonhas, com a espada movendo-se em ritmo de lesma.

Ao lado de Lio!rt havia outro vulto, visível apenas para quem consegue enxergar as quatro dimensões extras de magia. Era alto, sombrio e magro, e - contra um fundo de noite imprevista, cheia de estrelas cobertas de gelo - segurava com as duas mãos uma grande foice muito afiada...

Rincewind se abaixou. A lâmina lhe passou zunindo pela cabeça e entrou com força na rocha do teto da caverna. Morte soltou um palavrão com voz de cripta fria. A imagem desapareceu. O que era considerado realidade no Discworld voltou ao primeiro plano com um aumento súbito do som. Lio!rt bufou surpreendido pela inusitada mudança de velocidade com que o mago havia escapado ao golpe mortal. Com o desespero dos apavorados, Rincewind se desdobrou como uma cobra e se lançou pelo espaço que havia entre eles. O mago prendeu as duas mãos no braço armado do senhor dos dragões e o torceu.

Foi nesse instante que a argola remanescente de Rincewind, já sobrecarregada, despregou-se com um breve ruído de metal.

Ele despencou, agitando-se com violência, e foi balançando sobre a possível morte - que incluía ossos estilhaçados -, agarrado com tanta força ao braço do senhor dos dragões, que o homem gritou.

Lio!rt olhou para os próprios pés. Lasquinhas de pedra caíam do teto, em torno da base da argola.

- Solte, desgraçado! - gritou ele. - Ou vamos morrer os dois!

Rincewind não disse nada. Concentrava-se em manter as mãos firmes e a mente longe das insistentes imagens de seu destino, nas pedras lá embaixo.

- Atirem nele! - ordenou Lio!rt.

Com o canto dos olhos, Rincewind percebeu várias balistas apontadas na sua direção. Lio!rt escolheu aquele momento para usar a mão livre, acertando os dedos do mago.

Ele se soltou.

 

Duasflor segurou as grades e deu um impulso para cima.

- Tá vendo alguma coisa? - perguntou Hrun, à altura dos pés do rapaz.

- Só nuvens.

Hrun o trouxe de volta para baixo e se sentou numa das camas de madeira, que eram a única mobília da cela.

- Inferno - resmungou ele.

- Não se desespere - disse Duasflor.

- Não tô desesperado.

- Imagino que tudo não passe de um mal-entendido. Logo vão nos soltar. Parecem muito civilizados.

Hrun encarou o homenzinho sob as sobrancelhas espessas. Então começou a dizer alguma coisa, mas pareceu pensar duas vezes e parou. Soltou um suspiro.

- E quando voltarmos, vamos poder dizer que vimos dragões! - continuou Duasflor. - O que me diz, hein?

- Dragão não existe - respondeu Hrun, indiferente. - Códice, o maior herói de Quiméria, mato o último faz duzentos ano. Não sei o que tamo vendo, mas não é dragão.

- Mas eles nos carregaram no ar! Aquela caverna deve ter centenas...

- É só mágica - rebateu Hrun, impassível.

- Bem, pareciam dragões - insistiu Duasflor, em desafio. - Eu sempre quis ver dragões, desde que era pequeno. Dragões voando no céu, soltando fogo...

- Eles só rastejava nos pântano e tudo que soltavam era catinga - disse Hrun, deitando-se na cama. - Também não eram grande. E juntavam lenha.

- Ouvi dizer que juntavam tesouros - retrucou Duasflor.

- E lenha. Ei - acrescentou Hrun, mais animado. - Você notou as sala por onde trouxeram a gente? Que luxo. Muita coisa boa e algumas tapeçaria deve valer um dinherão.

Ele coçou o queixo, fazendo um barulho como o de um porco-espinho ao atravessar um espinhal.

- O que vai acontecer agora? - perguntou Duasflor.

Hrun enfiou um dedo no ouvido e o examinou, em abstração.

- Ah - disse ele. - Imagino que daqui a um minuto a porta vai abrir e me arrastam pra uma arena, onde pode ser que eu luto com umas aranha gigante e um escravo de 2 metros e meio, vindo das selvas de Klatch, então vou salvar alguma princesa do altar e matar uns guarda ou sei lá quem, aí a garota me mostra a passagem secreta pra sair do lugar, soltamo dois cavalo e fugimo com o tesouro.

Hrun pôs as mãos sob a cabeça e fitou o teto, assobiando sem afinação.

- Tudo isso? - perguntou Duasflor.

- Geralmente.

Duasflor se sentou na outra cama e tentou pensar. Não era fácil, porque sua mente estava povoada por dragões.

Dragões!

Desde os dois anos de idade, ele ficara fascinado com os desenhos das criaturas que cuspiam fogo em O Livro Encantado da Octarina. Sua irmã havia lhe dito que aqueles animais não existiam de verdade. Isso foi uma decepção terrível. Se o mundo não tinha aqueles seres maravilhosos, não era nem metade do que poderia ser. Mais tarde, quando se tornou aprendiz de Nove Juncos, o Chefe da Contabilidade, que era, com sua tendência para a melancolia, tudo o que os dragões não eram, não havia mais tempo para sonhar.

Mas havia alguma coisa errada com os dragões dali. Eram lisos e pequenos demais, comparados aos de sua fantasia. Dragão tinha de ser grande, verde e exótico, com presas. Devia soltar fogo... Grande e verde, com longas e afiadas...

Alguma coisa se mexeu no canto mais afastado e escuro do calabouço. Quando Duasflor virou a cabeça, o negócio sumiu. Mas ele acreditava ter ouvido um ruído fraco, como de garras riscando pedra.

- Hrun? - ele chamou.

Houve um ronco na cama ao lado.

Duasflor seguiu na ponta dos pés até o local, tocando as pedras com cuidado, tentando achar uma possível passagem secreta. Nesse instante a porta se abriu, batendo contra a parede. Meia dúzia de guardas surgiram e se agacharam, apoiando-se num dos joelhos. Todas as armas foram apontadas para Hrun. Mais tarde, quando viesse a pensar nisso, Duasflor se sentiria terrivelmente ofendido...

Hrun roncava.

Uma mulher entrou na sala, andando em passos largos. Poucas mulheres andam com passos largos de maneira convincente, mas ela conseguia. Olhou rapidamente para Duasflor - como se olha uma peça de mobília - e por fim encarou o homem sobre a cama.

Ela usava a mesma armadura de couro dos montadores, só que, no seu caso, ela era muito mais exígua. Isso, somado à magnífica cabeleira vermelho-acastanhada que lhe batia na cintura, era a única concessão que fazia ao que - mesmo no Discworld - passava por decência. A mulher também trazia no rosto uma expressão meditativa.

Hrun fez um barulho com a boca, virou-se de lado e continuou dormindo.

Com um movimento cauteloso - como se empunhasse algum instrumento de rara delicadeza -, a mulher sacou um punhal preto e fino do cinto e desferiu um golpe.

Antes que a faca se encontrasse na metade do trajeto, o braço direito de Hrun se moveu tão depressa que parecia ter se deslocado entre dois pontos sem jamais percorrer o espaço intermediário. Uma das mãos se fechou sobre o pulso da mulher com um baque surdo. A outra tateava às cegas à procura de uma espada que não se encontrava ali...

Hrun acordou.

- Gngh? - disse ele, confuso e mal-humorado, olhando para a mulher.

Então viu os homens armados.

- Solte - ordenou a jovem, com a voz calma, tranqüila e afiada como um diamante.

Hrun soltou a mão, lentamente.

Ela se afastou, massageando o pulso e olhando para o homem, como um gato à espreita, na abertura da casa do rato.

- Então - disse afinal. - Passou no primeiro teste. Qual é o seu nome, bárbaro?

- Quem você tá chamando de bárbaro? - resmungou Hrun.

- É o que quero saber.

Hrun contou os homens armados e fez uns cálculos rápidos. Os ombros relaxaram.

- Sou Hrun de Quiméria. E você?

- Liessa, Senhora dos Dragões.

- É a dona do lugar?

- Isso ainda veremos. Você parece um matador de aluguel, Hrun de Quiméria. E posso usá-lo... Se você passar nos testes, é claro. São três. Já passou no primeiro.

- Como são os outro... - Hrun parou, mexendo os lábios sem produzir qualquer som, e então arriscou: - dois?

- Perigosos.

- E a recompensa?

- Vultosa.

- Com licença - disse Duasflor.

- E se eu não passar nos teste? - perguntou Hrun, ignorando-o.

O ar entre Hrun e Liessa estalava com pequenas explosões magnéticas, à medida que os olhares buscavam um ponto de apoio.

-  Se você não tivesse passado no primeiro teste, estaria morto agora. Podemos considerar essa uma penalidade-padrão.

- Hã, olhe.. - começou Duasflor.

Liessa deu-lhe uma rápida olhada, parecendo, na verdade, notá-lo pela primeira vez.

- Levem isso daqui - disse ela com calma, voltando-se para Hrun.

Dois guardas botaram as balistas no ombro e levantaram o rapaz do chão. Então marcharam animadamente porta afora.

- Ei! - disse Duasflor quando seguiram pelo corredor. - Onde (quando pararam na frente de outra porta) está (quando abriram a porta) minha Bagagem?

Ele caiu sobre um monte do que um dia poderia ter sido palha. A porta bateu - o barulho foi seguido pelo som de ferrolhos se fechando.

Na outra cela, Hrun mal havia piscado.

- Certo - disse ele. - Qual é o segundo teste?

-Tem de matar meus dois irmãos.

Hrun considerou o assunto.

- De uma vez só, ou um depois do outro? - perguntou por fim.

- Consecutiva ou simultaneamente - afirmou Liessa.

- O quê?

- Apenas mate - disse ela, com rispidez.

- São bons lutador?

- Célebres.

- E em troca disso tudo...

- Você se casa comigo e se torna o Senhor da Wyrmberg.

Houve uma pausa demorada. A testa de Hrun se franziu. Ele avaliava uma situação nada costumeira.

- Fico com você e a montanha? - perguntou afinal.

- Isso.

Liessa olhou no olho dele. Os lábios se contraíram.

- A recompensa é boa, posso lhe garantir.

Hrun correu os olhos para os anéis na mão da mulher. As pedras eram grandes, tratando-se dos incrivelmente raros diamantes lácteos azuis das bacias argilosas de Mithos. Quando conseguiu despregar os olhos das pedras viu que Liessa o fitava, enfurecida.

-Ainda pensando? - irritou-se ela. - Hrun, o Bárbaro, que ousaria entrar na boca do próprio Morte?

Hrun encolheu os ombros.

- É verdade - disse ele. - Mas o único motivo pra entrar na boca do Morte é roubar Seus dente de ouro.

Com uma das mãos, ele empurrou a cama de madeira, que se chocou contra os guardas. Hrun seguiu o rastro da cama, golpeando um dos homens e apanhando a balista de outro. Alguns segundos depois, estava tudo terminado.

Liessa não havia se mexido.

- E então? - quis saber ela.

- E então o quê? - perguntou Hrun, ainda sobre o amontoa do de homens caídos.

- Vai querer me matar?

- O quê? Ah, não. Isso aqui é só, sabe, força do hábito. Tô treinando. E onde é que estão os tal irmão?

Ele riu.

 

Duasflor estava sentado sobre a palha e olhava a escuridão. Perguntou-se quanto tempo havia estado ali. Horas, pelo menos. Dias, possivelmente. O rapaz imaginou que talvez tivessem sido anos, dos quais ele se esquecera.

Não, esse tipo de pensamento não serviria. Tentou se concentrar em outra coisa - grama, árvores, ar fresco, dragões. Dragões...

Houve um ruído na escuridão. Duasflor sentiu o suor lhe brotar na testa.

Havia alguma coisa na cela com ele. Alguma coisa que fazia barulhinhos, mas que, mesmo no breu absoluto, dava a impressão de ser enorme. Ele sentiu o ar se mover.

Quando levantou o braço, sentiu a viscosidade e viu a descarga de centelhas que indicavam um campo mágico concentrado. Duasflor se pegou fervorosamente desejando luz.

Uma bola de fogo passou por sua cabeça e acertou uma parede mais afastada. Quando as pedras se iluminaram - num calor digno de fornalha - ele viu o dragão que agora ocupava mais da metade da cela.

Às ordens, senhor, disse o animal, na cabeça de Duasflor.

Sob a luz das pedras crepitantes, Duasflor viu a si próprio refletido em dois enormes olhos verdes. O dragão era tão colorido, espinhoso, maleável e cheio de chifres quanto o de sua memória - um dragão de verdade. As asas, mesmo dobradas, mostravam-se compridas o bastante para roçar a parede dos dois lados da sala. O rapaz estava no meio de suas garras.

- Às ordens? - perguntou ele, com horror e alegria.

Certamente, senhor.

O clarão se esvaía. Duasflor apontou um dedo trêmulo para onde lembrava estar a porta e disse:

- Abra!

O animal ergueu a cabeça enorme. Outra bola de fogo surgiu, mas, desta vez, conforme os músculos do pescoço do dragão se contraíam, a cor ia do laranja para o amarelo, do amarelo para o branco, e então se desbotava no mais claro dos azuis. Nesse ponto, a chama também ficava muito fina e, onde tocava a parede, jorrava pedra derretida. Quando atingiu a porta, o metal explodiu numa cascata de gotas ferventes.

Sombras negras dançavam nas paredes. O metal borbulhou por um instante, e então a porta ruiu em dois pedaços, no corredor. A chama desapareceu tão rápida e surpreendentemente como havia surgido.

Com cuidado, Duasflor avançou pela porta, que já esfriava, e olhou para os dois lados do corredor. Estava vazio.

O dragão o seguiu. A resistente moldura da porta foi um pequeno transtorno, superado com um impulso dos ombros - que quebrou a madeira e jogou tudo para um dos lados. O animal olhou em expectativa para Duasflor - a pele se crispando, à medida que tentava abrir as asas no corredor.

- Como foi que entrou aí? - perguntou Duasflor.

Você me evocou, amo.

- Não me lembro de fazer isso.

Dentro da sua cabeça. Você me evocou na sua mente, pensou o dragão, com paciência.

- Quer dizer que só imaginei, e você apareceu?

Exatamente.

- Magia?

É

- Mas a vida inteira eu pensei em dragões!

É provável que aqui a fronteira entre o pensamento e a realidade seja um pouco fina. Tudo que sei é que eu não existia, então você pensou em mim, e passei a existir. Logo, é claro, estou à sua disposição.

- Fantástico!

Meia dúzia de guardas escolheram esse exato momento para surgir no corredor. Os homens pararam, boquiabertos. Então um deles se lembrou de erguer a balista e atirar.

O peito do dragão se inflou. A seta explodiu em fragmentos chamejantes no ar. Os guardas fugiram em disparada. Uma fração de segundo mais tarde, as chamas atingiam o local em que haviam estado.

Duasflor olhou para cima, cheio de admiração.

- Você também voa? - perguntou.

Claro.

O rapaz deu uma olhada rápida nos dois lados do corredor e resolveu não seguir os guardas. Como estava completamente perdido, qualquer direção seria um avanço. Ele passou ao lado do dragão e saiu correndo. A criatura gigantesca se virou com dificuldade para acompanhá-lo.

Os dois avançaram por uma série de galerias, que se entrecruzavam como um labirinto. A certa altura, Duasflor achou que ouviu gritos bem atrás deles, mas o som logo se perdeu. De vez em quando o arco de alguma porta caindo aos pedaços era visto na escuridão. A luz se infiltrava obscurecida em diversos feixes e, aqui e ali, batia em grandes espelhos presos às paredes do corredor. Às vezes, surgia um clarão mais intenso de alguma distante fonte de luz.

O que era estranho - pensou Duasflor enquanto descia os degraus largos de uma escada, levantando nuvens de poeira prateada - era que os túneis agora eram muito mais amplos. E também mais bem construídos. Havia estátuas bem dispostas nas paredes e, aqui e ali, tapeçarias descoradas, mas interessantes, tinham sido penduradas. Quase todas mostravam dragões - dragões às centenas, em vôo ou pendurados em argolas, dragões com homens no lombo caçando veados e, às vezes, outros homens. Com cuidado, Duasflor tocou uma tapeçaria, O tecido de pronto se esfarelou no ar seco e quente, deixando apenas uma tela pendente, onde algumas linhas haviam sido trançadas com fios de ouro.

- Fico me perguntando por que abandonaram isso tudo - disse ele.

Não sei, respondeu uma voz bem-educada em sua mente.

Ele se virou e olhou a cabeça cavalar e escamosa mais acima.

- Qual é o seu nome, dragão? - perguntou Duasflor.

- Não sei.

- Acho que vou chamar você de Nove Juncos.

- Então, é esse o meu nome.

Os dois avançaram, no meio do pó por uma série de enormes corredores, cheios de pilastras escuras, que haviam sido cavadas na rocha - e com certa imaginação - de cima até embaixo, as paredes eram um amontoado de estátuas, gárgulas, baixos-relevos e, colunas estriadas que formavam estranhas sombras movediças quando o dragão fornecia iluminação a pedido de Duasflor. Eles atravessaram galerias compridas e anfiteatros entalhados, todos cobertos de poeira e completamente desertos. Fazia séculos que ninguém ia àquelas cavernas abandonadas.

Então Duasflor viu o caminho que dava em outro túnel escuro. Alguém o vinha usando com regularidade - e passara por ali não fazia muito tempo. Havia um rastro estreito de pegadas na superfície cinza.

Duasflor seguiu as pegadas. Elas passavam por outras galerias altas e mais corredores sinuosos, enormes o bastante para dragões (e parecia que um dia dragões haviam de fato passado por ali: tinha uma sala cheia de arreios apodrecidos - de tamanho próprio para dragões - e outro cômodo com armaduras e cotas de malha suficientemente grandes para elefantes). Os dois acabaram chegando em duas portas de bronze, tão altas que desapareciam na escuridão. Na frente de Duasflor, à altura do peito, havia uma pequena maçaneta de bronze também em forma de dragão.

Quando ele apenas a tocou, a porta se abriu de imediato e com um desconcertante silêncio.

De repente centelhas crepitaram no cabelo de Duasflor e houve uma súbita lufada quente e seca, que não agitou a poeira como fazem os ventos comuns. Em vez disso, levantou-a em desagradáveis formas semivivas, antes de assentá-la outra vez no chão. Aos ouvidos de Duasflor, chegou o estranho canto agudo das Coisas presas no distante calabouço das Dimensões, para além da frágil estrutura do tempo e do espaço. Surgiram sombras onde não havia nada que as causasse. O ar zumbia como uma colméia.

Em resumo, havia uma grande descarga de magia à volta.

O lugar era iluminado por uma luz verde pálida. Nas paredes, diversos caixões ocupavam, cada qual, uma prateleira de mármore. No centro da sala, havia uma cadeira de pedra num estrado e, sobre ela, um vulto sentado que não se mexeu, mas, numa voz trêmula, disse:

- Entre, meu jovem.

Duasflor deu um passo à frente. O vulto era humano - até onde se podia entrever na luz mortiça - mas havia qualquer coisa estranha no modo como se esparramava na cadeira. Duasflor ficou satisfeito por não conseguir enxergar melhor.

- Sabe, estou morto - continuou a voz, vindo do que Duasflor esperava sinceramente que fosse uma cabeça. - Imagino que dê para notar.

- Ha - disse o rapaz. - Dá.

Ele começou a se afastar.

- E óbvio, não? - concordou o vulto. - Você deve ser Duasflor, não é mesmo? Ou isso é mais tarde?

- Mais tarde? - perguntou Duasflor. - Mais tarde do que o quê?

Ele parou.

- Bem - disse o vulto. - Uma das vantagens de se estar morto é que nos encontramos livres das amarras do tempo e então posso ver o que já aconteceu ou vai acontecer, tudo num só instante, embora agora eu saiba que o Tempo, apesar de todos os fins práticos, não existe.

- Não me parece uma desvantagem - considerou Duasflor.

- E mesmo? Imagine todos os momentos sendo, ao mesmo tempo, uma lembrança distante e uma surpresa desagradável e vai ver do que estou falando. De qualquer maneira, acabei de me lembrar do que estou prestes a lhe contar. Ou será que já contei? Aliás, este é um belo dragão. Ou eu já disse isso?

- E muito bom. Ele acabou de surgir - explicou Duasflor.

- Surgir? - perguntou o vulto. - Você o evocou!

- E, bem, tudo que fiz foi...

- Você tem o Poder!

- Tudo que fiz foi pensar nele.

- É esse o Poder! Eu já falei que sou Greicha I? Ou isso vem depois? Desculpe, mas ainda não tenho muita experiência no transcendente. De qualquer forma... o Poder evoca dragões, entende?

- Acho que o senhor já disse isso - avisou Duasflor.

- Já, foi? Eu certamente pretendia... - justificou o homem morto - Ah, sim, veja bem, a verdade é que os dragões nunca existiram como eu e você (até eu ser envenenado uns três meses atrás) entendemos a existência. Estou falando de dragões de verdade, o draconis nobilis, entenda; o dragão de pântano, draconis vulgaris, é um bicho inferior e não merece nossa atenção. O dragão de verdade, por outro lado, é um animal de tal requinte que só pode ganhar forma neste mundo se concebido pela imaginação mais engenhosa. E, mesmo assim, a tal imaginação precisa estar num local impregnado de magia, o que ajuda a enfraquecer as barreiras entre o que se vê e o que não se vê. Então os dragões surgem, imprimindo sua forma na fonte de possibilidades deste mundo. Eu era muito bom nisso quando estava vivo. Conseguia imaginar até, ah, quinhentos dragões de uma vez. Agora, Liessa, a mais engenhosa entre meus filhos, mal dá conta de imaginar cinqüenta criaturas indistintas. É no que dá a educação liberal. Ela não acredita realmente neles. E é por isso que os dragões são desinteressantes... ao passo que o seu - disse Greicha - é quase tão bom quanto os meus costumavam ser. Um colírio para os olhos, embora eu não tenha nenhum agora.

- Você fica dizendo que está morto... - considerou Duasflor.

- E?

- E os mortos, hã, não costumam, bem, falar muito. É como uma regra.

- Eu era um mago de muito poder. E é claro que minha filha me envenenou. Trata-se do método de sucessão geralmente aceito na família, mas - acrescentou o cadáver num suspiro, ou pelo menos houve um suspiro no ar, alguns metros acima dele - logo ficou óbvio que nenhum dos meus três filhos tem poder suficiente para tomar o controle da Wyrmberg, livrando-se dos outros dois. Uma situação bastante insatisfatória. Um reino como o nosso precisa ter um governante. Então, decidi continuar vivo em caráter não-oficial, o que logicamente aborrece demais a todos. Só vou dar aos meus filhos o prazer de me enterrarem quando tiver sobrado apenas um para realizar a cerimônia.

Houve um chiado pavoroso. Duasflor concluiu que deveriam ser risadas.

- Então foi um deles que nos seqüestrou? - perguntou o rapaz. - Mas como acontece? A vida inteira eu pensei em dragão e essa é a primeira vez que apareceu.

- Liessa - respondeu o velho mago falecido. - Minha filha. Seu poder é o mais forte. Os dragões dos meus filhos homens não conseguem voar mais do que alguns quilômetros e desaparecem.

- Desaparecem? É verdade, notei que dava para ver através do que nos trouxe aqui - recordou Duasflor. - Achei um pouco estranho.

- Claro - disse Greicha. - O Poder só funciona perto da Wyrmberg. E a lei do inverso quadrado, sabe? Pelo menos, acho que é. Conforme os dragões se afastam, começam a definhar. Do contrário, a essa altura minha pequena Liessa já estaria governando o mundo, se é que sei do que estou falando. Mas não posso atrasar você. Imagino que queira salvar o seu amigo.

Duasflor se espantou.

- Hrun? - perguntou ele.

- Não. O mago magricela. Meu filho Lio!rt está tentando parti-lo em pedacinhos. Aliás, gostei da maneira como você o salvou. Quer dizer, vai salvar.

Duasflor se levantou.

- Onde ele está? - perguntou, avançando em direção à porta com o que esperava serem passos heróicos.

- Basta seguir a trilha na poeira - respondeu o cadáver. - À vezes, Liessa vem me ver. Ainda visita o pai, a minha filhinha. Foi a única com espírito forte o bastante para me assassinar. Tal pai, tal filha. E boa sorte. Acho que já falei isso. Quer dizer, vou falar agora.

A voz se perdeu numa confusão de tempos verbais, enquanto Duasflor corria pelos túneis desertos, com o dragão galopando em seu encalço. Logo, porém, o homenzinho estava encostado numa pilastra, completamente sem fôlego. Parecia que anos haviam se passado desde a última vez em que comera alguma coisa.

Por que você não voa?, perguntou Nove Juncos, dentro da cabeça do rapaz.

O dragão abriu e bateu as asas, levantando-se momentaneamente do chão. Duasflor ficou apenas olhando por um instante, então saiu correndo e montou no pescoço do animal. Em pouco tempo os dois estavam no ar; o dragão deslizando com desenvoltura a alguns metros do chão e deixando uma nuvem de poeira em seu rastro.

Duasflor se segurava o melhor que podia, conforme Nove Juncos avançava por uma série de cavernas e subia a escada em caracol que poderia facilmente acomodar um exército em retirada. Lá no alto, deram numa área mais freqüentada - os espelhos bem lustrados em cada quina de corredor a refletir uma luz fraca.

Estou sentindo cheiro de outros dragões.

As asas se agitaram e Duasflor se viu impelido para trás quando o dragão deu uma guinada e avançou por um corredor lateral, como uma andorinha atrás de mosquitos. Outra curva brusca fez com que os dois se lançassem numa caverna gigantesca. Havia pedras abaixo e, bem acima, grandes raios de luz vindos dos enormes buracos próximos ao telhado. Também havia muita movimentação no teto... À medida que Nove Juncos voava, batendo as asas no ar, Duasflor pôde ver os animais empoleirados e os minúsculos pontinhos em forma humana que, de alguma maneira, andavam de cabeça para baixo.

É o quarto de dormir, disse o dragão, satisfeito.

Enquanto Duasflor observava, um dos pontinhos se desprendeu do telhado e começou a crescer...

 

Rincewind viu o rosto pálido de Lio!rt despencar para longe. É engraçado, pensou ele, por que estou subindo?

Então girou no ar e a realidade sobreveio: ele estava caindo nas distantes pedras salpicadas de excremento.

O mago sentiu vertigens só de pensar. E as palavras do Feitiço escolheram aquele instante para emergir das profundezas de sua mente - como sempre faziam nas horas mais críticas. Por que não nos dizer, pareciam pedir. O que você tem a perder?

Rincewind começou a rodar a mão.

- Ashonai - disse ele.

A palavra ganhou forma à sua frente, numa chama fria e azul que ondeava ao sabor do vento.

Ele girou a outra mão, bêbado de terror e magia.

- Ebiris - entoou.

O som se congelou numa tremulante palavra laranja, que se pôs ao lado da companheira.

- Urshoring. Kvanti. Pythan. N’gurad. Feringomalee.

Quando as palavras resplandeceram em cores do arco-íris à sua volta, Rincewind jogou as mãos para trás e se preparou para dizer a oitava e última palavra, que surgiria numa octarina cintilante e selaria o feitiço. As pedras iminentes já estavam esquecidas.

- ... - começou ele.

O ar lhe faltou e o feitiço se dispersou, extinto por completo. Dois braços enlaçaram sua cintura, e o mundo inteiro ficou de lado, quando Nove Juncos se ergueu do longo mergulho, roçando as patas apenas por um segundo na pedra mais alta do repugnante chão da Wyrmberg. Duasflor riu, triunfante.

- Peguei!

E o dragão, curvando-se com elegância no auge do vôo, virou um pouco as asas e deslizou através de uma abertura da caverna para o ar da manhã.

 

Ao meio-dia, num extenso campo verde do luxuriante platô que era o alto da montanha impossivelmente equilibrada de Wyrmberg, dragões e montadores formavam um grande círculo. A trás deles, havia espaço para a multidão de servos, escravos e outros desgraçados que cavavam a vida ali no telhado do mundo e todos observavam as pessoas reunidas no meio da arena gramada.

O grupo era formado por numerosos senhores de dragões, entre eles, Lio!rt e seu irmão, Liartes. O primeiro ainda esfregava as pernas, fazendo caretinhas de dor. Um pouco mais para o lado, encontravam-se Liessa e Hrun, além de alguns criados da mulher. Entre as duas facções, estava o hereditário Mestre do Saber da Wyrmberg.

- Como vocês já sabem - disse ele, sem muita certeza -, o não-de-todo-finado Senhor da Wyrmberg, Greicha I, estipulou que só vai haver sucessão quando um filho, ou quem sabe filha, sentir que tem poder suficiente para desafiar e derrotar os irmãos num combate mortal.

- É, é. Já sabemos disso tudo. Siga em frente - disse uma voz fina e irritada, ao lado dele.

O Mestre do Saber engoliu em seco. Ainda não havia se acostumado com a resistência do antigo patrão em expirar por completo. O miserável está vivo ou não está?, ficava se perguntando.

- Não sabemos - continuou então, com a voz trêmula - se vale fazer o desafio através de um intermediário...

- Vale sim, vale sim - rebateu a voz desencorpada de Greicha - Mostre inteligência. Não leve o dia inteiro nisso.

- Eu desafio os dois - disse Hrun, fitando os irmãos. - Ao mesmo tempo.

Lio!rt e Liartes se entreolharam.

- Vai lutar com nós dois juntos? - perguntou o jovem Liartes, um homem alto e vigoroso, de cabelo preto e comprido.

-Vou.

- É meio desigual, não é não?

- É. Sou mais maioria que vocês dois.

Lio!rt lançou um olhar mal-humorado.

- Seu bárbaro convencido...

- Já chega! - resmungou Hrun. - Eu vou...

O Mestre do Saber ergueu a mão de veias azuis para detê-lo.

- É proibido lutar na Zona Mortal - disse e interrompeu sua fala, considerando que sentido tinha aquilo. - Enfim, você sabe do que estou falando - arriscou, desistindo, e logo acrescentou: - Como foram desafiados, meus senhores Lio!rt e Liartes escolhem as armas.

- Dragões - anunciaram, juntos.

Liessa riu com desdém.

- Os dragões podem ser usados para atacar, então são armas - argumentou Lio!rt, com firmeza. - Se você discorda, podemos lutar montados neles.

- É - disse o irmão, encarando Hrun.

O Mestre do Saber sentiu um dedo fantasmagórico lhe cutucar o peito.

- Não fique aí de boca aberta - disse a voz fúnebre de Greicha - Vamos com isso!

Hrun recuou, sacudindo a cabeça.

- Ah, não - disse ele. - Basta uma vez. Prefiro morrer a lutar em cima daqueles bichos.

- Então, morra - disse o Mestre do Saber, com o máximo de gentileza que conseguiu reunir.

Lio!rt e Liartes já avançavam para onde os empregados aguardavam com os animais. Hrun se virou para Liessa. Ela deu de ombros.

- Não recebo nem uma espada? - protestou. - Pelo menos uma faca.

- Não - respondeu ela. - Eu não esperava por isso.

De repente, ela parecia menor, como se toda sua ousadia tivesse acabado.

- Eu sinto muito.

- Você sente muito?

- É, sinto muito.

- Achei que você ia dizer isso.

- Não me olhe assim! Posso idealizar o melhor dragão para você montar...

- Não!

O Mestre do Saber assoou o nariz num lenço, suspendeu o quadradinho de seda no ar e deixou-o cair no chão.

Um rumor de asas fez Hrun se virar. O dragão de Lio!rt já estava voando e avançava sobre eles. Quando o animal desceu para mais perto do gramado, um jato de chamas lhe escapou da boca, traçando na grama um risco negro, que correu para o lado de Hrun.

No último instante, o bárbaro empurrou Liessa para um canto e sentiu a dor da queimadura, ao saltar para um lugar mais seguro. Rolou pelo chão e se pôs novamente de pé, procurando o outro dragão. O bicho não tardou a aparecer e Hrun se viu obrigado a dar um pulo mal calculado, a fim de escapar da labareda. O rabo do animal se agitou no ar e lhe acertou a testa. Hrun se levantou, balançando a cabeça para fazer as estrelas sumirem. As costas empoladas doíam muito.

Lio!rt surgiu para o segundo ataque, desta vez mais devagar - levando em conta a inesperada agilidade do homem. Voando sobre a arena, ele viu o bárbaro parado de pé, com o peito inflado e os braços soltos. Um alvo fácil.

Depois do mergulho do dragão, já se afastando, Lio!rt virou a cabeça para trás, esperando ver uma brasa terrivelmente grande.

Não havia nada. Intrigado, ele se voltou para a frente.

Hrun - com uma das mãos se erguendo pelas escamas do pescoço do dragão e com a outra batendo no cabelo em chamas - surgiu à sua frente. Lio!rt pegou o punhal, mas a dor havia aguçado ainda mais os reflexos em geral excelentes de Hrun. Um golpe de revés atingiu o pulso do senhor dos dragões - jogando a arma no chão - e outro lhe acertou o queixo.

O dragão, sustentando o peso de dois homens, encontrava-se a apenas alguns metros do gramado - uma sorte, já que, no instante em que Lio!rt perdeu a consciência, o animal se dissolveu.

Liessa saiu correndo pela grama e ajudou Hrun a se levantar, vacilante. Ele piscou os olhos.

- O que aconteceu? O que aconteceu? - perguntou, desatinado.

- Foi incrível! - exclamou ela. - A maneira como você deu o salto mortal e tudo mais!

- É, mas o que aconteceu?

- É difícil explicar...

Hrun olhou para o céu. Liartes, de longe o mais cauteloso dos irmãos, dava voltas no alto.

- Bom, você tem uns dez segundo pra tentar - disse o bárbaro.

- Os dragões...

- O que é que tem?.

- São imaginários.

- Sei, como todas essas queimadura imaginária no meu braço?

- É. Não! - gritou ela, sacudindo a cabeça. - Explico mais tarde!

- Tudo bem, se encontrar um bom médium - rebateu Hrun. Ele encarou Liartes, que já começava a descer em grandes círculos.

- Ouça, está bem? O dragão só pode existir se meu irmão estiver consciente. Ele não tem como...

- Corre! - berrou Hrun.

Ele a empurrou para longe e se estirou no chão, quando o dragão de Liartes se aproximou, deixando outra mancha fumegante no gramado.

À medida que o animal ganhava altura para dar outro mergulho, Hrun se levantou e correu em disparada para os arbustos que ficavam próximos à arena. Eram esparsas - pouco mais do que uma sebe larga e desenvolvida - mas pelo menos ali nenhum dragão conseguiria voar.

Não adiantou. A alguns metros de distância, Liartes pousou o animal na grama e desceu do bicho. O dragão dobrou as asas e enfiou a cabeça por entre a folhagem, enquanto o dono se encostava numa árvore e assobiava sem afinação.

- Posso queimar você - disse Liartes, depois de um tempo.

Os arbustos permaneceram inalteráveis.

- Talvez você esteja nesse azevinho aí.

O azevinho virou uma bola de fogo.

- Tenho certeza de que as samambaias estão se mexendo.

As samambaias se transformaram em meras estruturas de cinza branca.

- Você só está prolongando a situação, bárbaro. Por que não se entrega logo? Já queimei muita gente; não dói nada - garantiu Liartes, olhando de lado para as moitas.

O dragão continuava andando pelo arvoredo, incinerando tudo o que parecesse arbusto ou samambaia. Liartes sacou a espada e esperou.

Hrun saltou de uma árvore e saiu correndo. Atrás dele, o dragão rugiu e devastou várias moitas ao tentar se virar, mas Hrun corria, e corria com o olhar fixo em Liartes e com um galho na mão.

É fato, embora pouco conhecido, que o animal com duas pernas em geral vence o de quatro quando a distância é curta - por causa do tempo que os quadrúpedes levam para acertar as patas. Hrun ouviu um ruído de garras pouco atrás e então um barulho ameaçador. O dragão entreabrira as asas e estava tentando voar.

Quando Hrun avançou sobre o senhor dos dragões, a espada de Liartes subiu com astúcia, mas foi aparada pelo galho. Então Hrun se jogou contra ele e os homens rolaram no chão.

O dragão rugia.

Liartes gritou quando Hrun suspendeu o joelho com precisão anatômica, mas conseguiu desferir um soco violento, que quebrou o nariz já quebrado do bárbaro.

Hrun tombou para trás e logo se pôs de pé, descobrindo então que estava de frente para a cabeça cavalar do dragão, já com as narinas dilatadas.

Ele deu um chute e acertou a cabeça de Liartes, que vinha tentando se levantar. O homem caiu.

O dragão se dissolveu. A bola de fogo que avançava em direção a Hrun se esvaiu até não passar de uma lufada de ar quente ao alcançá-lo. Então não havia mais nenhum som, afora os estalos nos arbustos incendiados.

Hrun botou o senhor dos dragões inconsciente no ombro e começou a caminhar de volta para a arena. Na metade do caminho, viu Lio!rt estirado no chão, com uma perna dobrada de modo curioso. Ele parou e, com um grunhido, ergueu o rapaz até o ombro desocupado.

Liessa e o Mestre do Saber aguardavam no estrado erigido num dos limites do campo. A essa altura, a senhora dos dragões já havia recobrado a calma e olhava Hrun de igual para igual, enquanto o bárbaro jogava os dois homens nos degraus diante dela. As pessoas à volta se encontravam em posição de deferência, como num cortejo.

- Mate-os! - ordenou Liessa.

- Mato quando quiser - disse ele. - Além disso, não tá certo acabar com gente desmaiada.

- Não consigo pensar numa ocasião mais oportuna - argumentou o Mestre do Saber.

Liessa riu.

- Então vou bani-los - anunciou ela. - Quando estiverem fora do alcance da magia de Wyrmberg, não vão ter nenhum Poder. Serão simples bandidos. Isso basta para o senhor?

- Basta.

- Estou surpresa que você seja tão misericordioso, bár... Hrun.

Hrun encolheu os ombros.

- Um homem na minha posição não pode se dar ao luxo de ser outra coisa. Tem uma imagem pra zelar.

Ele olhou à volta.

- E onde é o próximo teste?

- Já vou avisando que é perigoso. Se quiser, pode parar agora. Se passar no teste, por outro lado, vai se tornar o Senhor da Wyrmberg e, é claro, meu legítimo esposo.

Hrun olhou Liessa nos olhos. E pensou em sua vida até então: de repente, parecia repleta de noites longas e úmidas sob as estrelas, e brigas desesperadas com trolls, guardas municipais, bandidos, sacerdotes perversos e - pelo menos em três ocasiões - semideuses de verdade... E a troco de quê? Bem, de um bocado de tesouro, ele tinha de admitir. Mas para onde tudo havia ido? Salvar donzelas assediadas oferecia uma recompensa passageira, mas, na maioria das vezes, ele acabava deixando as mulheres em alguma cidade com um belo dote, porque, depois de um tempo, mesmo a mais encantadora das ex-donzelas já se sentia dona e não via com bons olhos os esforços dele para salvar suas irmãs sofredoras. Em resumo, a vida de fato o deixara com pouco mais do que uma reputação e uma rede de cicatrizes. Ser um senhor talvez fosse divertido. Hrun sorriu. Com uma experiência daquelas, todos aqueles dragões e vários guerreiros, um homem podia se dar por satisfeito.

Além do mais, a moça não era feia.

- O terceiro teste? - perguntou ela.

- Vou ficar desarmado de novo? - quis saber Hrun.

Liessa ergueu as mãos e tirou o capacete, deixando os cachos vermelhos caírem. Então desafivelou o broche do manto. Por baixo, estava nua.

À proporção que Hrun deslizava os olhos por ela, duas máquinas começaram a operar em seu cérebro. Uma calculava o valor do ouro das pulseiras, os rubis-tigre que ornamentavam os anéis dos dedos do pé, o diamante que lhe enfeitava o umbigo e dois singulares piões de filigranas de prata. A outra acionou sua libido. Ambas deram resultados que o agradaram bastante.

Ao erguer a taça de vinho, ela sorriu e disse:

- Acho que não.

 

- Ele não tentou salvar você - salientou Rincewind, como último recurso.

O mago se agarrava em desespero à cintura de Duasflor, enquanto o dragão circulava lentamente, inclinando-se num ângulo perigoso. A recente descoberta de que o lombo escamoso em que estava montado só existia como uma espécie de sonho tridimensional não ajudava em nada - ele percebeu logo - as sensações de vertigem que lhe faziam torcer os tornozelos. Sua mente teimava em voltar para as possíveis conseqüências de Duasflor perder a concentração.

- Nem mesmo Hrun poderia ter vencido todas aquelas balistas - disse Duasflor, com firmeza.

 

Quando o dragão ganhou altura sobre o bosquezinho onde os três haviam se entregado a um sono inquieto, o sol já despontava na beira do Discworld. Logo os cinza e azuis sombrios que antecedem a alvorada se transformaram num rio de bronze que atravessou o mundo, brilhando em dourado onde encontrava gelo, água e represas de luz. (Por causa da densidade do campo mágico que cerca o Discworld, a luz se move em velocidade subsônica. Essa característica interessante foi bem utilizada, por exemplo, pelos sorcas do Grande Nef, que com o passar dos séculos construíram complexas e delicadas represas e vales revestidos de sílica polida para reunir a lenta luz solar e fazer uma espécie de estoque. Os cintilantes reservatórios do Nef, transbordando depois de várias semanas ininterruptas de luz solar, eram uma visão fantástica do alto e, portanto, foi uma pena que Duasflor e Rincewind não tivessem olhado naquela direção.)

A impossibilidade de um bilhão de toneladas que era a Wyrmberg pairava suspensa no céu diante deles e isso nem parecia tão mau até Rincewind virar a cabeça e ver a sombra da montanha se estendendo devagar sobre as nuvens do mundo...

- O que você está vendo? - perguntou Duasflor ao dragão, cuja luta no alto da montanha, foi a resposta bem-educada.

- Olhe só - disse Duasflor. - É bem provável que nesse exato momento Hrun esteja lutando por sua vida.

Rincewind permaneceu calado. Depois de uns instantes, Duasflor se virou. O mago olhava atentamente para o nada, mexendo os lábios sem emitir nenhum som.

- Rincewind?

O mago soltou uma grasnada.

- Não entendi, desculpou-se Duasflor - O que você disse?

- ... até embaixo.. a queda enorme... - murmurou Rincewind. Seus olhos pararam num ponto, ficaram confusos por um momento e então se arregalaram de horror. O mago cometeu o erro de olhar para baixo.

- Aaai! - gritou, e começou a escorregar.

Duasflor o segurou.

- Qual é o problema?

Rincewind tentou fechar os olhos, mas a imaginação não tem pálpebras e ela observava com interesse.

- Você não tem medo de altura? - conseguiu perguntar.

Duasflor olhou a minúscula paisagem abaixo, salpicada de sombras de nuvem. Na verdade, a idéia de medo não lhe havia ocorrido.

- Não - respondeu afinal. - Por que deveria? Caindo de 14 metros ou de 7 quilômetros a gente morre do mesmo jeito.

Rincewind tentou considerar o raciocínio com imparcialidade, mas não viu nenhuma lógica. Na verdade, não se tratava da queda. Era o baque que ele...

Duasflor o segurou depressa.

- Calma! - disse, tentando encorajá-lo. - Já estamos quase lá.

- Eu queria estar na cidade - resmungou Rincewind. - Queria estar no chão!

- Será que um dragão pode voar até as estrelas? - imaginou Duasflor. - Seria incrível...

- Você é maluco - atestou Rincewind, com indiferença.

Não houve nenhuma resposta do turista. Quando o mago esticou o pescoço, ficou apavorado ao ver que Duasflor olhava para as estrelas desbotadas com um estranho sorriso estampado no rosto.

- Nem ouse pensar nisso - acrescentou Rincewind, ameaçador - O homem que você procura está conversando com a senhora dos dragões.

- Há? - perguntou Duasflor, ainda olhando as estrelas pálidas

- Ah, sim. Hrun - disse o rapaz. - Espero que a gente chegue a tempo. Mergulhe agora! Voe mais baixo!

Rincewind abriu os olhos quando a brisa se intensificou num vendaval sibilante. Ou talvez as pálpebras apenas não tenham resistido à força do sopro - e o vento certamente fazia com que fosse impossível fechá-las.

O cume horizontal da Wyrmberg se agigantou e o dragão se precipitou pelo aglomerado verde que irrompeu dos dois lados. Campos e bosques minúsculos se confundiam numa miscelânea acelerada. O brilho rápido e prateado na paisagem poderia muito bem ter sido o riozinho que corria por sobre a borda do platô. Rincewind tentou expulsar a lembrança da cabeça, mas ela estava se divertindo ali, aterrorizando os outros ocupantes e revirando a mobília.

- Acho que não - disse Liessa.

Hrun pegou a taça de vinho, devagar. O bárbaro sorria, extasiado.

Em torno da arena, dragões começaram a ladrar. Os montadores olharam para cima. Uma grande mancha verde passou zunindo pelo campo e Hrun havia desaparecido.

A taça de vinho se manteve por um instante no ar, depois se despedaçou na escada. E só então uma única gota se derramou.

Isso se deu porque, na hora em que enlaçou Hrun nas patas, o dragão Nove Juncos havia momentaneamente sincronizado seu ritmo corporal ao dele. Como a dimensão da imaginação é muito mais complexa do que as do tempo e do espaço - que na verdade são dimensões bastante infantis - foi possível transformar um Hrun imóvel e viril no Hrun que avançava de lado a 120 quilômetros por hora sem nenhum efeito colateral, exceto por alguns goles desperdiçados de vinho. Outro efeito colateral foram os gritos de ódio de Liessa, que imediatamente evocou seu dragão. Quando a criatura dourada se materializou à frente, ela montou, ainda nua, e apanhou a balista de um dos guardas. Então levantou vôo, enquanto os outros montadores avançavam em direção a seus animais.

- O quê? - alarmou-se Rincewind.

Nesse instante, aconteceu de o Mestre do Saber, que tudo observava atrás da pilastra em que havia se escondido na confusão geral, captar os ecos interdimensionais de uma teoria que ao mesmo tempo se infiltrava na mente de um psiquiatra, num universo adjacente - talvez porque o vazamento dimensional estava ocorrendo nos dois sentidos -, e por um instante o psiquiatra pôde ver a moça no dragão. O Mestre do Saber sorriu.

- Quer apostar que ela não pega o bárbaro? - propôs Greicha, numa voz que lembrava vermes e túmulos.

O Mestre do Saber fechou os olhos e engoliu em seco.

- Achei que a essa altura meu Senhor já estivesse habitando por completo a Terra do Medo - conseguiu dizer.

- Eu sou mago - explicou Greicha. - O próprio Morte tem que vir me pegar. E parece que Ele não está nas redondezas.

- VOCÊ! - chamou Morte.

Estava num cavalo branco - um cavalo de carne e osso, mas com olhos vermelhos e narinas flamejantes. Então, estendeu a mão esquelética, pegou a alma de Greicha no ar, enrolou-a até que não passasse de um pontinho de luz e a engoliu.

Depois picou a espora no corcel e o animal saltou no ar, emitindo centelhas dos cascos.

- Senhor Greicha! - sussurrou o velho Mestre, enquanto o universo vibrava à sua volta.

- Foi um golpe baixo - formulou a voz do mago, um mero resíduo de som desaparecendo nas infinitas dimensões negras.

- Meu Senhor... Como é o Morte? - perguntou o velho, trêmulo.

- Quando eu tiver investigado por completo, venho lhe contar - soou a mais fraca das modulações na brisa.

- Está bem - murmurou o Mestre do Saber.

Um pensamento lhe ocorreu.

- Durante o dia, por favor - acrescentou.

 

- Seus palhaço - bramiu Hrun, empoleirado nas patas dianteiras de Nove Juncos.

- O que ele disse? - berrou Rincewind, enquanto o dragão avançava numa corrida acelerada para as alturas.

- Não ouvi! - gritou Duasflor, a voz quebrada pela ventania.

Quando o dragão se inclinou um pouco, o rapaz olhou o pequeno cume giratório que era a imponente Wyrmberg e viu o enxame de animais alçando vôo. As asas de Nove Juncos agitavam o ar. Um ar mais rarefeito. Os ouvidos de Duasflor estalaram pela terceira vez.

Na frente do enxame, ele notou que havia um dragão dourado. E que alguém montava o animal.

- Ei, você está bem? - perguntou Rincewind.

O mago precisou sorver bastante do ar estranhamente destilado para proferir as palavras.

- Eu podia ter me tornado um senhor, mas os palhaço aqui tinham de...

Hrun arquejou, o ar frio e rarefeito tirou forças até do seu poderoso tórax.

- U qui tá contecendo com o ar? - murmurou Rincewind.

Luzes azuis surgiram diante de seus olhos.

- Desc... - disse Duasflor e, então, desmaiou.

O dragão se dissolveu.

Por alguns instantes, os três homens continuaram subindo - o mago e Duasflor oferecendo um quadro curioso, ao permanecerem sentados com as pernas abertas, um na frente do outro, montando algo que não estava ali. Então o que passava por gravidade no Discworld se recuperou do susto e os reivindicou.

Nesse instante, o dragão de Liessa surgiu e Hrun despencou no pescoço do animal. Liessa se inclinou e beijou o homem.

Esse detalhe se perdeu para Rincewind, que caía com os braços ainda enlaçados à cintura de Duasflor. O Discworld era um pequeno mapa redondo preso ao céu. Não parecia se mover, mas Rincewind sabia que estava. O mundo inteiro vinha na sua direção, como uma torta gigantesca.

- Acorde! - gritou ele, acima do silvo do vento. - Dragões! Pense em dragões!

Houve uma agitação de asas quando passaram por um exército daquelas criaturas, que não tardaram a desaparecer no alto. Os animais rugiram, cruzando o céu.

Duasflor não respondia. O manto de Rincewind açoitava o ar à volta, mas o rapaz não acordava.

Dragões, pensou Rincewind, em pânico. Então tentou se concentrar e visualizar um dragão que fosse realmente de verdade. Se ele pode, pensou o mago, eu também posso. Mas nada aconteceu.

Agora o Discworld estava maior - um grande círculo envolto em nuvens elevando-se devagar abaixo deles.

Rincewind tentou de novo, comprimindo os olhos e retesando todos os nervos do corpo. Um dragão. Sua imaginação - órgão um tanto gasto e baqueado - procurou em desespero Um dragão... qualquer dragão.

- NÃO VAI FUNCIONAR - disse uma voz bem-humorada, no tom grave de sinos fúnebres. - VOCÊ NÃO ACREDITA NELES.

Rincewind avistou o espectro terrível que sorria ao lado e sua mente se fechou em horror.

Surgiu um clarão brilhante.

Surgiu um breu absoluto.

Surgiu um chão macio sob os pés de Rincewind, uma luz rosa e o grito assustado de muitas pessoas.

O mago olhou à volta, em desatino. Ele estava numa espécie de túnel quase todo tomado por cadeiras, onde pessoas vestidas de maneira exótica se encontravam amarradas. Todas gritavam para ele.

- Acorde! - sussurrou Rincewind. - Socorro!

Arrastando Duasflor, ele se afastou do povaréu, recuando de costas até a mão livre encontrar uma maçaneta com formato esquisito. Torceu o negócio e entrou, depois fechou a porta.

O mago correu os olhos pelo lugar e encontrou o olhar apavorado de uma jovem. Ela soltou a bandeja que vinha segurando e gritou.

Era o tipo de grito que vem seguido de ajudantes musculosos. Rincewind, banhado na mais pura adrenalina destilada em horror, deu a volta e irrompeu por trás da mulher. Ali havia mais cadeiras, as pessoas se agachavam à medida que ele arrastava Duasflor pela passagem central. Depois das fileiras de assentos, havia janelinhas. E, além das janelas, contra as nuvens algodoadas, havia uma asa de dragão. Era prateada.

Fui comido por um dragão, pensou o mago. Que absurdo, retrucou para si mesmo, não dá para ver nuvens do interior de um dragão. A essa altura, seu ombro tocou a porta no fim do túnel e ele entrou num quarto em forma de cone ainda mais estranho do que o resto.

Era cheio de luzinhas brilhantes. E, em meio às luzes, sentados em cadeiras, estavam quatro homens que agora o fitavam boquiabertos. Então Rincewind notou que os olhares correram para um lado.

Devagar, o mago se virou. Havia um quinto homem - jovem, barbado e moreno como o povo nômade do Grande Nef.

- Onde estou? - perguntou Rincewind. - Na barriga de um dragão?

O rapaz estendeu uma caixa preta diante do mago. Os homens sentados se abaixaram.

- O que é isso? - quis saber Rincewind. - Uma caixa de retratos?

Ele pegou o objeto, parecendo surpreender o homem moreno, que gritou e tentou apanhá-lo de volta. Houve outro grito, dessa vez de um dos homens nas cadeiras. Só que ele já não estava sentado. Encontrava-se de pé, apontando uma coisa pequena e metálica para o jovem.

O negócio surtiu um efeito incrível. O rapaz logo se afastou com as mãos para cima.

- Por favor, passe a bomba, senhor - pediu o homem com a coisa metálica na mão. - Com cuidado, por favor.

- Isso aqui? - perguntou Rincewind. - Pode ficar! Eu não quero!

O sujeito pegou a caixa com enorme cuidado e a botou no chão. Os homens sentados relaxaram, então um deles começou a falar apressado para a parede. O mago o observou, espantado.

- Não se mexa! - gritou o homem com o metal.

Tratava-se de um amuleto, concluíra Rincewind, só podia ser um amuleto. O homem moreno recuou para o canto.

- Foi muito corajoso de sua parte - disse o segurador do amuleto para Rincewind. - Sabia?

- O quê?

- O que aconteceu com o seu amigo?

- Amigo?

 

Rincewind olhou para Duasflor, que ainda dormia como um bebê. Não era de admirar. O que era realmente admirável era que Duasflor estava vestindo roupas diferentes. Roupas estranhas. A calça agora acabava antes do joelho. Sobre ela, o rapaz usava uma espécie de veste de tecido listrado brilhante. E, na cabeça, havia um chapeuzinho de palha ridículo. Com uma pena.

Uma sensação estranha na região das pernas fez Rincewind olhar para baixo. Suas roupas também mudaram. Em vez do manto velho e confortável, que tão bem se adaptava às velocidades exigidas em qualquer situação, as pernas estavam envoltas em tubos de pano. O mago também vestia um casaco do mesmo material cinza...

Até então, ele jamais tinha ouvido a língua falada pelo homem do amuleto. O idioma era estranho e lembrava a Centrolândia... Então como é que podia entender todas as palavras?

Vejamos, eles de repente haviam aparecido nesse dragão, eles se materializaram no drag, eles de rep, eles, eles... eles tinham começado a conversar no aeroporto com tanta naturalidade, que resolveram se sentar juntos no avião, então ele prometeu mostrar os Estados Unidos a Jack Zweiblumen quando os dois voltassem. Sim, foi isso. E então Jack ficou doente, ele entrou em pânico e foi até ali, onde surpreendeu o seqüestrador. É claro. O que era “Centrolândia”?

O doutor Rjinswand esfregou a testa. Até que uma bebida não cairia nada mal.

Ondulações de paradoxo se espalham no mar da causalidade.

Talvez a questão mais importante a ser lembrada para alguém que está fora da totalidade do multiverso seja que, embora o mago e o turista houvessem de fato surgido num avião em pleno ar, eles, ao mesmo tempo, também vinham voando naquela aeronave, conforme a ordem natural das coisas. Isto é: embora seja verdade que apareceram nesse específico quadro de dimensões, também é fato que sempre viveram nele. É nesse ponto que a língua normal desiste e sai para tomar um trago.

A questão é que vários quintilhões de átomos haviam acabado de se materializar (contudo, não haviam; veja abaixo) num universo em que não deveriam precisamente estar. O resultado mais freqüente desse tipo de acontecimento é uma grande explosão, mas, como os universos são coisas bastante elásticas, esse universo em particular se salvou desfazendo por um instante seu contínuo espaço-tempo - até que os átomos excedentes pudessem se acomodar em segurança - e então voltando rapidamente a esse círculo de luz que, na falta de um termo melhor, seus habitantes estavam acostumados a chamar de O Presente. É claro que isso mudou a História- houve um pouco menos de guerras, um pouco mais de dinossauros e assim por diante - mas, no geral, o episódio passou despercebido.

Fora desse universo, todavia, as repercussões correram para lá e para cá na superfície do Conjunto de Coisas, vergando dimensões inteiras e afundando galáxias sem deixar vestígios.

De nada disso, porém, soube o doutor Rjinswand, 33 anos, solteiro, nascido na Suécia, criado em Nova Jersey, especialista nos fenômenos de oxidação irregular de certos reatores nucleares. De qualquer modo, é provável que não fosse acreditar.

Zweiblumen ainda parecia estar inconsciente. A aeromoça, que havia conduzido Rjinswand de volta ao assento sob os aplausos dos demais passageiros, estava inclinada sobre o homem, apreensiva.

- Já informamos o aeroporto - explicou ela a Rjinswand. - Vai ter uma ambulância lá quando pousarmos. Hã, na lista de passageiros consta que o senhor é médico...

- Eu não sei o que há de errado com ele - apressou-se em dizer Rjinswand. - Seria diferente se ele fosse um reator nuclear Magnox, é claro. Foi algum tipo de choque?

- Eu nunca...

A frase se perdeu quando sobreveio um grande estrondo no fundo do avião. Vários passageiros gritaram. Uma ventania súbita arrastou revistas e jornais soltos para o redemoinho uivante que se agitava em fúria no corredor.

Alguma outra coisa avançava pelo corredor. Uma coisa de madeira, grande, sólida e alongada. Com centenas de pernas. Se fosse o que parecia ser - uma arca ambulante do tipo que surgia nas histórias de piratas, cheia até a borda de ouro e jóias roubadas - então o que deveria ser a tampa de repente se abriu.

Não havia jóias. Mas havia muitos dentes grandes e quadrados, brancos como leite, e uma enorme língua pulsante, vermelha feito mogno.

Um baú antigo ia comê-lo.

Rjinswand se agarrou ao inconsciente Zweiblumen atrás de um algum consolo e começou a sussurrar em desatino. Desejou fervorosamente estar em outro lugar...

Surgiu um breu repentino.

Surgiu um clarão brilhante.

A súbita partida dos vários quintilhões de átomos de um universo no qual, de qualquer maneira, não tinham o menor direito de estar, causou um desequilíbrio violento na harmonia da Totalidade - que ela própria tentou recuperar a duras penas, exterminando inúmeras sub-realidades no meio-tempo. Ondas enormes de magia em estado bruto se agitaram em torno da base do próprio multiverso, infiltrando-se por toda e qualquer rachadura de dimensões até então pacíficas, e gerando novas, supernovas, colisões estelares, vôos alucinados de gansos e submersões de continentes imaginários. Até os distantes mundos do outro extremo do tempo tiveram brilhantes poentes octarinas, uma vez que muitas partículas mágicas se lançaram pela atmosfera. No halo cometário ao redor do fabuloso Sistema de Gelo Zeret, um nobre cometa morreu, enquanto um príncipe de fogo atravessava o céu.

De nada disso, contudo, ficou sabendo Rincewind, que, enlaçado à cintura do inerte Duasflor, caía em direção ao oceano do Discworld, centenas de metros abaixo. Nem mesmo a convulsão de todas as dimensões podia quebrar a intransigente Lei de Conservação da Energia e o avião de Rjinswand se limitou a levá-lo algumas centenas de quilômetros na horizontal e 2 mil metros na vertical.

A palavra “avião” nasceu e morreu na mente de Rincewind.

Aquilo era um navio?

A água fria do Mar Círculo o tragou num abraço verde e sufocante. Um instante depois, a Bagagem também caía no oceano, trazendo uma placa que apresentava a poderosa runa de viagens TWA.

Mais tarde, eles usariam o negócio como balsa.

 

PERTO DA BEIRA

LEVARA UM BOM TEMPO PARA ser construído. Agora estava quase pronto e os escravos retiravam os restos de argila do envoltório.

Nas laterais metálicas, que outros escravos esfregavam diligentemente com areia de prata, já começava a reluzir ao sol com o brilho natural de bronze novo. Mesmo depois de uma semana de refrigeração, o buraco moldado continuava quente.

O Arquiastrônomo de Krull fez um gesto vago com a mão e os carregadores desceram o trono e o colocaram à sombra do molde.

Como um peixe, ele pensou. Um grande peixe-voador. E de que mares?

- É de fato magnífico - sussurrou. - Uma verdadeira obra de arte.

- Arte - concordou o homem atarracado ao lado.

O Arquiastrônomo se virou devagar e olhou o rosto impassível do outro. Não é particularmente difícil para um rosto parecer impassível quando existem duas esferas de ouro no lugar dos olhos. As bolas brilhavam de modo perturbador.

- Arte - repetiu o astrônomo, e então sorriu. - Olhos Dourados, acho que não existe maior artífice do que você em todo o Discworld. Estou certo?

O artífice se deteve, com o corpo nu - completamente nu, não fosse um cinto de ferramentas, um ábaco de pulso e o forte bronzeado - retesando-se à medida que considerava as implicações do último comentário. Os olhos de ouro pareceram avistar outro mundo.

- A resposta é tanto sim como não - arriscou por fim.

Alguns dos astrônomos menores que estavam atrás do trono se agitaram com a extrema falta de educação, mas o Arquiastrônomo nem pareceu notar.

- Continue - disse ele.

- Existem habilidades essenciais que não tenho. Por outro lado, sou Olhos Dourados Mão de Prata Dátilos - considerou o artífice. - Fiz os Guerreiros de Metal que guardam o Túmulo de Pitchiu, desenhei as Represas de Luz do Grande Nef, construí o Palácio dos Sete Desertos. Contudo - acrescentou ele, batendo num dos olhos, que tiniu de leve - quando fiz o exército de Pitchiu, ele me encheu de ouro e então, para que eu não criasse nenhuma outra obra que se equiparasse ao trabalho realizado para ele, Pitchiu mandou que arrancassem meus olhos.

- Prudente, mas cruel - atestou o Arquiastrônomo, com compaixão.

- É. Então aprendi a ouvir os metais e a enxergar com os dedos. Aprendi a distinguir os minérios através do olfato e do paladar. E fiz esses olhos, mas não posso fazê-los enxergar. - Ele continuou:

- Depois fui chamado para arquitetar o Palácio dos Sete Desertos, pelo qual o emir me deu muita prata e em seguida, nem me surpreendi muito, mandou cortar minha mão direita.

- Um obstáculo terrível em sua ocupação - admitiu o Arquiastrônomo.

- Usei um pouco da prata para fazer essa mão, utilizando o conhecimento incomparável que tenho acerca de fulcros e alavancas. Ela me basta. Depois que criei a primeira grande Represa de Luz, com capacidade para 50 mil horas de luz do dia, os conselhos tribais do Nef me cumularam de sedas finas, para depois aprisionar. Por causa disso, fui obrigado a usar a seda e alguns bambus para construir um aeroplano com o qual pudesse me lançar da torre mais alta do meu cárcere.

- O que o traz, numa série de voltas e desvios, a Krull - disse o Arquiastrônomo. - E quem ouve não pode deixar de constatar que uma profissão diferente, o cultivo de alface, digamos, talvez oferecesse menos risco de morte a prestação. Por que persiste nisso?

Olhos Dourados Dátilos deu de ombros.

- Sou bom no negócio - respondeu afinal.

O Arquiastrônomo olhou de novo para o peixe de bronze, que agora brilhava como um gongo ao sol do meio-dia.

- Que beleza! - exclamou. - E único. Vamos, Dátilos. Lembre-me do que prometi como prêmio.

- O senhor me pediu para arquitetar um peixe que nadasse pelos mares do espaço que ficam entre os mundos - declarou o grande artífice. - Em recompensa... em recompensa...

- Sim? Minha memória já não é o que era - murmurou o Arquiastrônomo, passando a mão no bronze quente.

- Em recompensa - continuou Dátilos, sem mostrar muita esperança - o senhor me libertaria e não me cortaria nada. Não peço tesouro algum.

- Ah, sim. Agora me lembro.

O velho ergueu a mão de veias azuis e acrescentou:

- Eu menti.

Houve um leve ruído no ar e o homem de olhos dourados cambaleou. Então olhou para baixo, onde a ponta de uma flecha lhe saía do peito e concordou, com cansaço. Um fio de sangue escorreu por seus lábios.

Não se ouvia nada (salvo o zumbido de algumas moscas em expectativa) quando a mão de prata se elevou muito lentamente no ar e tocou a ponta da flecha.

Dátilos grunhiu.

- Péssimo acabamento - avaliou e, então, caiu para trás.

O Arquiastrônomo cutucou o cadáver com o pé e suspirou.

- Vamos ter um período breve de luto, porque convém homenagear um grande artífice - anunciou.

Ele observou uma mosca-varejeira pousar num dos olhos dourados e voar intrigada...

- Parece suficiente - continuou o Arquiastrônomo, acenando para que dois escravos levassem o corpo dali. - Os quelonautas estão prontos?

O Controlador de Lançamento se adiantou.

- Estão, Vossa Eminência - respondeu.

- As devidas orações já estão sendo entoadas?

- Certamente, Vossa Eminência.

- Quanto tempo para a porta?

- Janela de lançamento - retificou o Controlador, com precaução. - Três dias, Vossa Eminência. O rabo de Grande A’Tuin vai estar em posição inigualável.

- Então tudo que resta - concluiu o Arquiastrônomo - é achar os seres apropriados para o sacrifício.

O Controlador de Lançamento se curvou.

- O oceano há de prover.

O velho sorriu.

- Sempre provê - concordou.

- Se ao menos você soubesse governar...

- Se ao menos você soubesse navegar...

Uma onda inundou o convés. Rincewind e Duasflor se entreolharam.

- Continue tirando água! - gritaram juntos, pegando os baldes.

Depois de um tempo, a voz irritada de Duasflor surgia da cabine alagada.

- Não entendo como pode ser culpa minha.

Então, passou outro balde, que o mago despejou pela amurada.

- Você devia estar de guarda - rebateu Rincewind.

- Eu salvei a gente dos escravistas, lembra? - perguntou Duasflor.

- Prefiro ser escravo a ser cadáver - retrucou Rincewind.

O mago se endireitou e olhou para o mar. Então, ficou preocupado.

Ele era um Rincewind bem diferente do que havia escapado do incêndio de Ankh-Morpork seis meses antes. Mais cheio de cicatrizes, para começo de conversa, e também muito mais viajado. O mago visitara a Centrolândia, descobrira a intrigante cultura popular de vários povos coloridos - invariavelmente arranjando mais cicatrizes no percurso - e chegara mesmo, durante alguns dias inesquecíveis, a percorrer o legendário Oceano Desidratado, no coração do deserto de extrema secura conhecido como Grande Nef. Em mares mais frios e molhados, vira montanhas flutuantes de gelo. Havia montado um dragão imaginário. Quase tinha dito o feitiço mais poderoso do Discworld. Havia... definitivamente havia menos horizonte do que deveria haver.

- Hã? - perguntou Rincewind.

- Eu disse que não tem nada pior do que a escravidão - atestou Duasflor.

O queixo do rapaz caiu quando o mago jogou o balde no mar e se sentou no convés inundado - o rosto era uma máscara cinza.

- Olhe, sinto muito ter levado a gente para o recife, mas o barco não parece que vai afundar e, mais cedo ou mais tarde, vamos dar em terra firme - argumentou Duasflor, tentando reconfortá-lo. - Essa corrente deve levar a algum lugar.

- Veja o horizonte - pediu Rincewind, sem alterar seu tom de voz.

Duasflor apertou os olhos.

- Parece normal - opinou depois de um tempo. - Para dizer a verdade, parece ter menos do que em geral, mas...

- Por causa da Queda da Borda - explicou Rincewind. - Nós estamos sendo levados para além da beira do mundo.

Houve um longo silêncio, quebrado apenas pela agitação das ondas, à medida que o navio prestes a afundar girava lentamente na correnteza, que já se mostrava bastante forte.

- Deve ter sido por isso que batemos no recife - acrescentou Rincewind. - Fomos desviados do trajeto durante a noite.

- Você quer comer alguma coisa? - perguntou Duasflor.

O rapaz começou a mexer na trouxa que havia prendido à amurada, fora do alcance da água.

- Você não está entendendo? - perguntou Rincewind, ríspido. - Nós vamos cair pela Beira, droga!

- Não tem nada que a gente possa fazer?

-Não!

- Então não vejo por que entrar em pânico - disse Duasflor, com calma.

- Eu sabia que nós não devíamos ter nos afastado tanto em direção à Borda - reclamou Rincewind. - Eu gostaria...

- Eu queria estar com minha caixa de retratos - disse Duasflor - Mas ficou no navio de escravos com o resto da Bagagem e...

- Você não vai precisar de bagagem aonde estamos indo - considerou Rincewind.

Ele se inclinou e olhou com melancolia para a baleia que havia se descuidado, entrando na correnteza da borda, e agora lutava contra ela.

Havia uma linha branca no horizonte reduzido e o mago imaginou ouvir um remoto barulho de água caindo.

- O que acontece quando o navio passa pela Borda? - perguntou Duasflor.

- Quem sabe?

- Bem, nesse caso, talvez a gente apenas continue velejando no espaço e pouse em outro mundo.

O homenzinho ficou com o olhar perdido.

- Eu adoraria - disse ele. Rincewind bufou.

O sol se ergueu no céu, parecia muito maior a essa distância da Beira. Os dois se apoiaram no mastro, entretidos em pensamentos. De vez em quando, um deles pegava o balde e jogava um pouco de água para fora, sem nenhum motivo aparente.

O mar à volta parecia estar ficando mais cheio. Rincewind notou vários troncos de árvore perto deles e, pouco abaixo da superfície, a água parecia tomada de peixes de todos os tipos. É claro, a correnteza devia estar cheia de alimentos trazidos dos continentes próximos ao Centro. Rincewind se pôs a pensar em como seria a vida ali, tendo de nadar o tempo todo para ficar exatamente no mesmo lugar. Bem parecida com a sua, concluiu.

Ele avistou um sapinho verde que se agitava em desespero nas garras da corrente inexorável. Para perplexidade de Duasflor, o mago estendeu um remo na direção do anfíbio, que subiu agradecido no instrumento. Um segundo mais tarde, numerosos dentes surgiam da água e se fechavam no local em que o sapo estivera nadando.

O animal encarou Rincewind, acomodado em suas mãos, e então lhe mordiscou o polegar. Duasflor riu. O mago botou o sapo no bolso e fingiu não ouvir.

- Tudo muito humanitário, mas para quê? - quis saber Duasflor. - Vai ter dado no mesmo daqui a uma hora.

- Porque sim - respondeu Rincewind, de maneira vaga e, então, jogou mais um pouco de água para fora.

Jatos se lançavam para cima e a correnteza estava tão forte que várias ondas se quebravam à volta. Tudo parecia estranhamente quente. Havia uma neblina dourada e aquecida sobre o mar.

Agora o barulho de água caindo estava mais alto. A maior lula em que Rincewind já havia deitado os olhos se atirou sobre a superfície a algumas centenas de metros do barco e debateu os tentáculos no ar, antes de mergulhar de novo. Alguma outra criatura grande e - felizmente - não-identifícável grunhiu na névoa. Um cardume de peixes-voadores saltou numa nuvem de gotículas coloridas e conseguiu avançar alguns metros, até cair na água e ser arrastado para um redemoinho.

O mundo estava acabando. Rincewind largou o balde e se agarrou ao mastro, enquanto o estrondoso fim de tudo se aproximava.

- Eu preciso ver isso... - disse Duasflor, meio caindo, meio mergulhando em direção à proa.

Alguma coisa sólida e resistente bateu no casco do barco, que virou noventa graus, ficou de lado para o obstáculo invisível e parou de repente. Uma onda de espuma caiu no convés e, por uns instantes, Rincewind ficou alguns metros abaixo da água verde e quente. E, assim, o mundo submarino ganhou a cor roxa e viva da vertigem, porque foi nesse momento que o mago começou a se afogar.

Ele acordou com a boca cheia de um líquido fervente e, quando engoliu, a dor dilacerante na garganta imediatamente trouxe junto a consciência.

As laterais da embarcação lhe comprimiam as costas, e Duasflor o observava com uma fisionomia de extrema preocupação. Rincewind gemeu e se sentou.

Foi um erro. A beira do mundo estava a apenas alguns metros de distância.

Além dela, num nível um pouco mais baixo do que a Borda infinita, havia algo absolutamente mágico.

 

A pouco mais de 100 quilômetros dali - e bem além da forte correnteza da Borda - uma embarcação, com as velas vermelhas próprias de navios autônomos de escravos, deslizava a esmo no crepúsculo aveludado. A tripulação - que restara - estava amontoada na coberta de proa, em torno dos homens que, agitados, trabalhavam na balsa.

O comandante, um homem atarracado que vestia o turbante anguloso característico das tribos do Grande Nef, era bastante viajado e já vira muitos povos excêntricos e objetos esquisitos, muitos dos quais havia acabado, respectivamente, por escravizar ou roubar. Começara a carreira como marinheiro do Oceano Desidratado, no coração do deserto mais seco do Discworld. (A água no Discworld possui um extraordinário quarto estado, provocado pelo calor intenso combinado aos estranhos efeitos dessecantes da luz octarina. Ela se desidrata, deixando resíduos prateados que parecem uma espécie de areia fluida e pelos quais um casco bem projetado pode avançar sem problemas. O Oceano Desidratado é um lugar estranho, mas não tão estranho quanto seus peixes.) O comandante jamais tinha ficado realmente com medo. Agora, estava apavorado.

- Não estou ouvindo nada - sussurrou ele, ao piloto.

O piloto encarou a escuridão.

- Talvez tenha caído no mar - sugeriu, esperançoso.

Como em resposta, houve um estrondo no convés de remos, bem abaixo deles, e um barulho de madeira se partindo. A tripulação se aproximou, erguendo tochas e machados.

Mas era pouco provável que os homens viessem a usá-los, mesmo se o Monstro surgisse correndo na direção deles. Antes de sua terrível natureza ter sido descoberta, vários indivíduos o atacaram com machados, fazendo com que o Negócio se desviasse de seu propósito obstinado de investigar o navio. E então, ou os tinha expulsado para o mar, ou os havia - comido? O comandante não estava bem certo. A Coisa parecia uma arca de madeira comum. Um pouco maior do que a média, mas não a ponto de levantar suspeitas. Só que, muito embora às vezes parecesse conter pertences como meias velhas e objetos variados, em outras ocasiões - e o comandante estremeceu - parecia ser, parecia ser, parecia ter... Ele tentou não pensar a respeito. Mas os sujeitos que tinham caído no mar e se afogado provavelmente tiveram mais sorte do que os que haviam sido pegos. Ele tentou não pensar a respeito. Havia dentes, dentes como lápides de madeira branca, e uma língua vermelha feito mogno...

Tentou não pensar a respeito. Não funcionou.

Com amargura, refletiu: aquela seria a última vez que salvava homens ingratos prestes a se afogar em circunstâncias misteriosas. A escravidão era melhor do que os tubarões, não era? Então os mal-agradecidos haviam fugido e quando os marinheiros investigaram a grande arca... De qualquer maneira, como é que haviam surgido no meio de um oceano, sentados na arca? E ela tinha mordid... Ele tentou não pensar a respeito outra vez, mas se pegou imaginando o que aconteceria quando o negócio descobrisse que os donos já não se encontravam ali...

- A balsa está pronta, senhor - avisou o piloto.

-Joguem no mar! - gritou o comandante, e então -A bordo!

-  E queimem o navio!

Afinal de contas, outra embarcação não tardaria a passar, filosofou ele, mas era possível que o homem tivesse de esperar muito tempo naquele Paraíso que os místicos anunciavam, antes que lhe concedessem outra vida. Que a arca mágica comesse lagostas enquanto isso!

Alguns piratas alcançavam a imortalidade através de grandes façanhas de crueldade e ousadia. Outros a atingiam acumulando riquezas enormes. Mas havia muito tempo o comandante já resolvera que, de modo geral, preferia chegar à imortalidade não morrendo.

 

- O que é isso? - perguntou Rincewind.

- É lindo! - disse Duasflor, embevecido.

- Eu decido quando souber o que é - rebateu o mago.

- É o Borda-íris - respondeu uma voz logo atrás de seu ouvido esquerdo. - E você tem muita sorte em poder olhar para ele. De cima, pelo menos.

A voz se fazia acompanhar por um hálito frio de peixe. Rincewind não se moveu.

- Duasflor? - ele chamou.

- Hã?

- Seu eu me virar, vou ver o quê?

- O nome dele é Tétis. Diz que é um troll marinho. Esse é o barco dele. E foi quem nos salvou - explicou Duasflor. - Já quer olhar?

- Agora não, obrigado. Então, por que não passamos pela Beira? - perguntou Rincewind, numa calma entorpecida.

- Porque o seu barco bateu na Cercaferência - disse a voz logo atrás (em tons que fizeram Rincewind pensar em abismos submarinos e Coisas furtivas em meio a recifes).

- Cercaferência? - repetiu.

- É. Ela corre por toda a beira do mundo - informou o ainda não visto troll.

Sobre o barulho da cachoeira, Rincewind imaginou escutar a investida de remos na água. Na verdade, esperava que fossem remos.

-Ah, você está falando da circunferência - corrigiu Rincewind - A circunferência faz o contorno das coisas.

- A Cercaferência também - observou o troll.

- Ele está falando daquilo ali - interveio Duasflor, apontando para baixo.

Os olhos de Rincewind acompanharam o dedo, apavorados com o que teriam de ver...

Ao lado do barco, havia uma corda suspensa a alguns metros da superfície branca da água. O barco estava preso a ela - atracado e, contudo, móvel - através de um arranjo complicado de roldanas e rodinhas de madeira, que deslizavam na corda à medida que o remador invisível impulsionava a embarcação pela cachoeira. Isso explicava um dos mistérios - mas o que sustentava a corda?

Rincewind correu os olhos por ela e entreviu um poste de madeira saindo da água, alguns metros à frente. Enquanto olhava, o barco se aproximou daquilo e, então, seguiu adiante - as rodinhas a passar estalando à sua volta, num sulco aberto claramente com esse objetivo.

O mago também notou que havia cordas menores penduradas na principal, em intervalos de mais ou menos um metro.

Ele se voltou para Duasflor.

- Estou vendo o que é - disse ele. - Mas o que é?

Duasflor deu de ombros. Atrás de Rincewind, o troll anunciou:

- Ali em frente é minha casa. Conversaremos mais quando chegarmos lá. Agora, preciso remar.

Rincewind cogitou que olhar para a frente significaria se virar e descobrir como de fato era um troll! marinho e o mago não tinha certeza se já era hora de fazer isso. Em vez disso, olhou para o Borda-Íris.

Ele pairava na névoa além da beira do mundo, surgindo apenas de manha e à noite, quando a luz do pequeno sol orbitante brilhava pela gigantesca massa da Grande A’Tuin, a Tartaruga do Mundo, e atingia o campo mágico do Discworld no ângulo certo.

Então o arco-íris de tamanho duplo se formava. Mais perto da Queda da Borda, ficavam as sete cores menores, cintilando e dançando na vaporização do fim dos mares.

E, no entanto, eram pálidas comparadas com a faixa mais larga que flutuava acima, sem se dignar a partilhar o mesmo espectro.

Era a Rainha das Cores, da qual todas as outras não passam de meros reflexos aguados e incompletos. Era a octarina, a cor da magia - viva, reluzente e vibrante. Era o incontestável pigmento da imaginação, porque, onde quer que aparecesse, indicava que a simples matéria se limitaria a servir ao poder da mente mágica. Era o próprio encantamento.

Rincewind, porém, sempre achou que parecia uma espécie de roxo esverdeado.

Depois de algum tempo, uma manchinha na borda do mundo se transformou num penhasco tão perigosamente íngreme que as águas da cachoeira se agitavam em torno dele antes de iniciar a longa queda. Uma cabana de madeira havia sido construída ali e Rincewind viu que a corda mais alta da Cercaferência subia a ilha de pedra através de numerosos postes de ferro e passava pela choupana por uma janelinha redonda. Mais tarde, viria a descobrir que o troll era alertado da chegada de qualquer embarcação naufragada no seu trecho da Cercaferência por meio de uma série de pequenos sinos de bronze, delicadamente pendurados na corda.

No lado da ilha oposto à Beira, uma paliçada flutuante havia sido construída com madeira rudimentar. Retinha um ou dois navios e muita madeira sob a forma de tábuas, vigas e até troncos inteiros de árvore, alguns ainda com folhas verdes. A essa distância da Borda, o campo mágico do Discworld era tão intenso que uma coroa nevoenta vibrava em tudo e a ilusão em estado natural surgia espontaneamente.

Com os últimos solavancos, o barco encostou num pequeno cais de madeira. Quando encalhou e deu meia-volta, Rincewind experimentou todas as familiares sensações de uma enorme aura oculta - gordurosa, de gosto azulado e cheirando a estanho. Por toda a parte, magia pura e não direcionada caía sem fazer ruído sobre o mundo, como granizo.

O mago e Duasflor subiram na plataforma de tábuas e, por fim, Rincewind viu o troll.

Não era nem a metade do horror que ele havia imaginado.

Hum, disse sua imaginação depois de um tempo.

Não é que o troll fosse pavoroso. Em vez da monstruosidade podre e cheia de tentáculos que vinha esperando, Rincewind se viu olhando para um senhor um tanto atarracado mas não necessariamente feio que passaria sem problemas por normal numa rua de qualquer cidade, desde que as pessoas nesse lugar estivessem acostumadas a encontrar tipos que, até onde se podia ver, eram constituídos de água e quase nada mais. Era como se o oceano tivesse decidido criar vida sem ter de passar pelo tedioso processo da evolução e, então, houvesse apenas transformado uma parte sua num bípede e o tivesse mandado andar até a praia. O troll era de uma agradável cor azul translúcida. Enquanto Rincewind olhava, um pequeno cardume de peixes prateados lhe atravessou o tórax.

- É feio ficar encarando - disse o troll.

A boca se abriu com um pouco de espuma e então se fechou exatamente como a água cobre uma pedra.

- É? Por quê? - indagou Rincewind.

Como é que ele se mantém? A mente do mago divagava. Por que não derrama?

- Se me acompanharem até a casa, vou providenciar comida e uma muda de roupa para vocês - disse o troll com ares solenes.

Ele avançou pelas pedras sem se virar para ver se o seguiam. Afinal, aonde mais poderiam ir? Já estava escurecendo e uma brisa fria e úmida soprava na beira do mundo. O efêmero Borda-íris já havia desaparecido e a névoa sobre a queda-d’água começava a rarear.

- Vamos! - chamou Rincewind, pegando o cotovelo de Duasflor.

Mas o turista parecia não querer arredar pé.

- Vamos - repetiu o mago.

- Quando ficar bem escuro, você acha que vai dar para a gente olhar lá embaixo e ver a Grande A’Tuin, a Tartaruga do Mundo? - perguntou Duasflor, fitando as nuvens ondulantes.

- Espero que não - respondeu Rincewind. - Realmente espero. Agora vamos, está bem?

Relutante, Duasflor o acompanhou à choupana. O troll havia acendido alguns lampiões e estava confortavelmente sentado numa cadeira de balanço. Quando os dois entraram, levantou-se e serviu dois copos de um líquido verde, num jarro comprido. Sob a luz fraca, o troll fosforescia como mares quentes em aveludadas noites de verão. E, apenas para dar asas ao horror entorpecido de Rincewind, também dava a impressão de ter crescido vários centímetros.

A maior parte da mobília do cômodo parecia ser feita de caixas.

- Hã. Um lugar excelente - comentou Rincewind. - Étnico. Ele pegou um dos copos e olhou para o líquido verde brilhando ali dentro. Tomara que seja para beber, pensou. Porque vou beber. Então engoliu.

Era a mesma coisa que Duasflor havia lhe dado no barco a remo, mas, na ocasião, ele nem havia visto o que era, a atenção voltada para assuntos mais prementes. Agora, tinha tempo para saborear a bebida.

A boca de Rincewind se torceu. Ele balbuciou alguma coisa. Uma das pernas subiu de forma convulsiva e lhe bateu com força no peito.

Pensativo, Duasflor girava sua bebida, enquanto considerava o sabor.

- Lívido Vale - atestou por fim. - A bebida fermentada de nozes vul que destilam na minha terra natal. Um gosto meio defumado... Picante. De plantações a oeste da, ah, Província de Realtacobiça, não é? Pela cor, imagino que seja a safra do ano que vem. Posso perguntar como conseguiu?

(As plantas do Discworld, embora incluíssem as categorias em geral chamadas de anuais, semeadas para nascer no mesmo ano, bienais, semeadas para crescer no ano seguinte, eperenes, semeadas para nascer sabe-se lá quando, também abrangiam algumas raras reanuais, que, por causa de um incomum desvio quadridimensional em seus genes, podiam ser plantadas no ano corrente para dar no ano passado. A noz vul era excepcional nesse sentido, porque chegava a florescer até oito anos antes de ser plantada. Seu vinho tinha fama de dar a certas pessoas uma visão do futuro - que, do ponto de vista da noz, era o passado. Estranho, mas verdadeiro.)

- Tudo chega à Cercaferência um dia - respondeu o troll, ba lançando na cadeira. - Meu trabalho é recuperar despojos de naufrágios. Madeira, é claro, e navios. Barris de vinho. Rolos de tecido. Vocês.

Uma luz se acendeu na cabeça de Rincewind.

- É uma rede, não é? Vocês têm uma rede bem na beira do mar!

- A Cercaferência - assentiu o troll, enquanto seu peito ondulava como a superfície do mar.

Rincewind olhou para a escuridão fosforescente que cercava a ilha e sorriu, perplexo.

- É claro - disse ele. - Incrível! Era só enterrar estacas nos recifes e... caramba! A rede teria de ser muito forte.

- E é - confirmou Tétis.

- Então, poderia se estender por alguns quilômetros, se houvesse pedras e coisas suficientes para prendê-la - prosseguiu o mago.

- 15 mil quilômetros. Eu só vigio este trecho.

- É um terço da circunferência do Discworld!

Tétis borrifou um pouco de água ao fazer que sim com a cabeça. Enquanto os dois homens se serviam de mais vinho verde, o troll falou da Cercaferência, dos grandes esforços que haviam sido feitos para armá-la, do antigo e sábio Reino de Krull - que a tinha construído vários séculos antes -, das sete armadas que sempre a patrulhavam para fazer manutenções e levar o que fora resgatado de volta a Krull, da maneira como o reino havia se tornado uma terra de lazer governada por eruditos em busca de conhecimento, de como estavam sempre tentando entender - em todos os possíveis pormenores - a assombrosa complexidade do universo e de como os marinheiros que caíam na rede viravam escravos e, em geral, tinham a língua cortada. Depois de algumas interjeições nessa parte da história, ele falou, amistosamente, da inutilidade de recorrer à força, da impossibilidade de fugir da ilha - a não ser de barco, para uma das outras 380 ilhas que ficavam entre aquela e o próprio Reino de Krull, ou pulando da Beira - e do grande mérito de ficar quieto em comparação, por exemplo, com a morte.

Houve uma pausa. O abafado estrondo noturno da Queda da Borda só servia para dar ao silêncio uma textura mais carregada.

Então, a cadeira de balanço começou a ranger outra vez. Tétis parecia ter crescido de tamanho durante o monólogo.

- Não é nada pessoal - acrescentou ele. -Também sou escravo. É claro que, se tentarem me dominar, terei de matá-los, mas não vou obter nenhum prazer disso.

Rincewind olhou os punhos reluzentes pousados com suavidade no colo do troll. O mago suspeitou que pudessem golpear com a força de uma onda gigantesca.

- Acho que você não está entendendo - explicou Duasflor. - Eu sou um cidadão do Império Dourado. Tenho certeza de que Krull não gostaria de cair em desgraça com o imperador.

- E como o imperador vai saber? - perguntou o troll - Você acha que é a primeira pessoa do Império que acabou na Cercaferência?

- Eu não vou ser escravo! - gritou Rincewind. - Eu... eu preferia pular da Beira!

Ele se surpreendeu com o som da própria voz.

- Preferia, é? - perguntou o troll.

A cadeira de balanço foi lançada contra a parede e um braço azul pegou o mago pela cintura. Instantes mais tarde, o troll saía da cabana carregando Rincewind com cuidado numa das mãos.

Tétis só parou quando atingiu a beira da ilha. Rincewind soltou um grito agudo.

- Pare com isso ou jogo você da borda - ameaçou o troll. - Estou segurando, não estou? Olhe.

Rincewind olhou.

Em frente, havia a noite escura, cujas estrelas embaciadas pela névoa brilhavam em paz. Mas os olhos do mago se voltaram para baixo, atraídos pelo fascínio irresistível.

Era meia-noite no Discworld e, portanto, o sol se encontrava bem abaixo, movendo-se lentamente sob o vasto e frio ventre ósseo da Grande A’Tuin. Rincewind fez uma última tentativa de fixar os olhos na ponta das botas - que se projetavam por sobre a borda da pedra - mas o declive íngreme os arrastou para longe.

De ambos os lados, duas cintilantes cortinas de água se lançavam ao infinito à medida que o mar se agitava em torno da ilha, a caminho da grande queda. Alguns metros abaixo, o maior salmão em que o mago já havia posto os olhos se agitou para fora da espuma num último e desesperado salto violento e espasmódico. Então, caiu de volta na luz dourada do além.

Sombras enormes surgiam a partir dessa luz, como pilares sustentando o telhado do universo. Centenas de quilômetros abaixo, o mago divisou a forma de alguma coisa, a ponta de algo...

Como naquelas imagens curiosas em que a silhueta de uma taça de repente vira o perfil de dois rostos, a cena ganhou toda uma nova e terrível perspectiva. Porque, lá embaixo, havia a cabeça de um elefante do tamanho de um continente. Um imenso dente de marfim cortava a luz dourada como uma montanha, criando uma sombra crescente em direção às estrelas. A cabeça se encontrava levemente inclinada e o extraordinário olho vermelho quase poderia ter sido uma estrela, uma supergigante vermelha capaz de brilhar ao meio-dia.

Sob o elefante...

Rincewind engoliu e tentou não pensar...

Sob o elefante, não havia nada além do distante e doloroso disco do sol. E, passando lentamente por ele, algo que, por todas as escamas do tamanho de cidades, as cicatrizes em forma de cratera e a rugosidade lunar, era indubitavelmente uma pata.

- Posso soltar? - perguntou o troll.

- Nãã - respondeu Rincewind, tentando recuar.

- Eu vivo há cinco anos aqui na Beira e nunca tive coragem - admitiu Tétis. - Ao que me parece, você também não tem.

Ele deu um passo atrás, deixando Rincewind se jogar no chão. Duasflor foi até a Borda e se pôs a observar.

- Fantástico! - exclamou. - Se eu ao menos estivesse com a minha caixa de retratos... O que mais tem lá embaixo? Quer dizer, se a gente pulasse, veria o quê?

Tétis se sentou numa rocha. Bem acima do Discworld, a lua saía de trás de uma nuvem, dando-lhe um aspecto de gelo.

- Minha casa fica lá - respondeu ele, com calma. - Para além desses elefantes idiotas e daquela ridícula tartaruga. Um mundo de verdade. Às vezes, venho até aqui e fico olhando, mas, por alguma razão, não consigo nunca dar o passo final... Um mundo de verdade, com pessoas de verdade. Eu tenho mulheres e filhos em algum lugar lá embaixo... - disse ele, então se deteve para assoar o nariz. - Logo descobrimos como realmente somos aqui na beira.

- Pare de dizer isso, por favor - pediu Rincewind.

Ele se virou e viu Duasflor de pé, sem qualquer preocupação, no extremo da pedra.

- Nãã - disse o mago e tentou cavoucar a rocha.

- Existe outro mundo lá embaixo? - perguntou Duasflor, ainda a observar. - Onde exatamente?

O troll fez um gesto vago com a mão.

- Em algum lugar - respondeu, afinal. - É tudo que sei. Era um mundo bem pequeno. Quase todo azul.

- E por que você está aqui? - quis saber Duasflor.

- Não é óbvio? - surpreendeu-se o troll. - Caí da beira!

Tétis contou-lhes sobre o mundo de Batis - em algum lugar entre as estrelas -, onde o povo marinho havia criado várias civilizações bastante prósperas, nos três vastos oceanos que se estendiam pelo Discworld. Ele havia sido açougueiro, uma das castas que ganhavam a vida nos grandes iates terrestres que se aventuravam por terras distantes e caçavam os cardumes de búfalos e veados que abundavam nos continentes assolados por tempestades. Uma ventania inusitada levara seu barco para zonas inexploradas. O resto da tripulação tomou o escaler a remo e se dirigiu para um lago remoto, mas Tétis, que era o comandante, decidira ficar no barco. O vendaval levou o navio para além da borda pedregosa do mundo, partindo-o em pedaços no percurso.

- Primeiro, eu caí - disse o troil. - Mas cair não é tão ruim. Só chegar ao chão é que dói e não tinha nada embaixo. Enquanto caía, vi o mundo girar no espaço até se perder entre as estrelas.

- Aí, o que aconteceu? - perguntou Duasflor, ofegante, enquanto fitava o universo nevoento.

- Fiquei congelado - respondeu Tétis, sem hesitar. - Por sorte, é algo a que minha espécie pode sobreviver. E depois derreti, quando passei perto de outros mundos. Teve um, acho que foi o que tinha um círculo de montanhas, que na verdade era o maior dragão que se pode imaginar, coberto de neve e geleiras, com o rabo na boca... bem, eu passei a quilômetros dele, zunindo como um cometa. Então, houve um dia em que acordei e lá estava o seu mundo, vindo na minha direção como uma torta atirada pelo Criador e... bem, caí no mar, perto da Cercaferência, no sentido anti-horário de Krull. Todo tipo de criatura é arrastado para a Cerca e, a essa altura, estavam procurando escravos para ocupar as estações intermediárias, por isso acabei aqui.

Ele se deteve e encarou Rincewind.

- Toda noite, venho a esse canto e olho lá para baixo - concluiu Tétis. - Mas nunca pulo. E difícil achar coragem aqui na Beira.

Com determinação, Rincewind começou a engatinhar para a choupana. O mago soltou um gritinho quando o troll o pegou, com delicadeza, e o pôs de pé.

- Incrível - considerou Duasflor, inclinando-se ainda mais sobre a Beira. - Existem muitos outros mundos?

- Imagino que sim - respondeu o troll.

- Acho que poderiam inventar uma espécie de, sei lá, uma espécie de coisa que pudesse nos proteger do frio - disse o rapaz, com ares de meditação. - Uma espécie de nave que pudesse se lançar da Beira e navegar para mundos remotos. Eu fico imaginando...

- Nem pense nisso! - resmungou Rincewind. - Pare de falar assim, está ouvindo?

-Todo o mundo fala assim em Krull - observou Tétis. - Os que têm língua, claro.

 

- Você está acordado?

Duasflor continuava roncando. Rincewind o cutucou na altura das costelas.

- Eu perguntei se você está acordado - ele rosnou.

- Scrdfngh...

- Nós temos de sair daqui antes que chegue essa frota de salvamento!

A luz da alvorada se infiltrava pela única janela da cabana, inundando o amontoado de caixas e pacotes espalhados pelo interior. Duasflor gemeu outra vez e tentou se enfiar nas peles e cobertas que Tétis dera a eles.

- Olhe, tem arma e todo tipo de coisa aqui - disse Rincewind - Ele saiu para não sei onde. Quando voltar, nós o dominamos e... e... bem, então pensamos em algo. Que tal?

- Não me parece uma boa idéia - opinou Duasflor. - De todo jeito, seria ingratidão, não é não?

- Azar - disse Rincewind. - É um mundo cruel.

Ele vasculhou as pilhas de caixas ao redor das paredes e escolheu uma espada pesada de lâmina recurva que provavelmente já havia sido o orgulho de algum pirata. Parecia o tipo de arma confiável para causar danos, tanto por seu peso quanto por sua ponta. O mago a ergueu, sem muito jeito.

- Será que Tétis deixaria esse tipo de coisa dando sopa por aí se pudesse fazer mal a ele? - objetou Duasflor.

Rincewind ignorou o rapaz e se posicionou ao lado da porta. Quando ela se abriu, cerca de dez minutos depois, o mago não vacilou em atacar, brandindo-a no ar em direção ao que julgava ser a altura da cabeça do troll. A espada não cortou nadinha de nada e atingiu o batente da porta, jogando-o no chão.

Houve um suspiro vindo de cima. Ele olhou o rosto de Tétis, que balançava com tristeza de um lado para outro.

- Não me feriu - disse o troll. - Mas estou magoado. Muito magoado.

Então estendeu a mão na direção do mago e arrancou a espada da madeira. Sem nenhum esforço aparente, dobrou a lâmina em círculo e lançou-a rodando sobre as rochas até bater numa pedra e saltar - ainda girando - num arco dourado que terminou na névoa formada sobre a Queda da Borda.

- Magoado demais - concluiu.

Ele pegou um saco ao lado da porta e jogou para Duasflor.

- É uma ossada de veado, exatamente como vocês, humanos, gostam, além de algumas lagostas e um salmão. A Cercaferência nos abastece - comentou, indiferente.

O troll encarou o turista e, então, voltou os olhos para Rincewind.

- O que estão olhando? - perguntou.

- É só que... - começou Duasflor.

- ... comparado a ontem à noite... - continuou Rincewind.

- Você está tão baixo - terminou o rapaz.

- Sei - disse o troll. - Agora vêm as ofensas pessoais.

Tétis voltou à sua altura normal, que agora era de mais ou menos um metro e vinte.

- Sou feito de água, não sou de ferro, sabia?

- Desculpe - pediu Duasflor, saindo às pressas debaixo das peles.

- Vocês são feitos de pó - observou o troil. - Mas será que fiz algum comentário sobre essas coisas que não se pode evitar, será? Ah, não. A gente não pode evitar a forma como o Criador nos fez, é minha opinião. Mas, se querem saber, a lua aqui é muito mais poderosa do que as que giram em torno do meu mundo.

- A lua? - indagou Duasflor. - Não entendi...

- Tenho de explicar tudo? - perguntou o troll, irritado. - Estou com marés crônicas.

Uma batida de sino ecoou na escuridão da choupana. Tétis subiu do chão rangente até os complicados aparelhos de alavancas, fios e sinos montados na corda mais alta da Cercaferência, no ponto em que atravessava a cabana.

O sino tocou outra vez e começou a tinir num estranho ritmo convulsivo que durou vários minutos. O troll mantinha o ouvido colado ali.

Quando o barulho cessou, voltou o olhar para os homens, com ares de preocupação.

- Vocês são mais importantes do que eu imaginava - disse por fim. - Não vão esperar a frota de salvamento. Serão recolhidos por um voador. É o que dizem em Krull.

Tétis deu de ombros.

- E eu ainda nem tinha avisado que vocês estavam aqui. Alguém vem bebendo vinho de noz voe.

Ele pegou a grande marreta pendurada ao lado do sino e bateu com ela uma breve seqüência de timbres como um carrilhão.

- Vai passar de posto em posto, até alcançar Krull - explicou - Formidável, não é?

 

Chegou voando baixo sobre o mar, pairando acima do oceano, mas deixando uma esteira de espuma à medida que - fosse lá qual fosse - a força que o mantinha no alto açoitava a água. Rincewind sabia que força o mantinha no alto. Ele era - e seria o primeiro a admitir - um covarde, um incompetente e nem mesmo um bom reprovado, mas ainda assim era mago, conhecia um dos Oito Grandes Feitiços, seria reivindicado pelo próprio Morte quando morresse e reconhecia uma magia bem elaborada quando dava de cara com ela.

O objeto redondo que avançava em direção à ilha media cerca de 6 metros de um extremo a outro e era todo transparente. Sentados em volta da circunferência, havia numerosos homens de manto negro. Cada um estava amarrado ao disco por uma tira de couro e todos olhavam para as ondas abaixo com uma expressão tão desgostosa e agonizante que o objeto transparente parecia ser contornado por carrancas.

Rincewind suspirou de alívio. Era um som tão raro que fez Duasflor despregar os olhos do disco que se aproximava e voltá-los para o mago.

- É verdade, somos importantes - explicou Rincewind. - Não gastariam toda essa magia com dois simples escravos.

Ele riu.

- O que é? - perguntou Duasflor.

- Bem, o disco deve ter sido criado pelo Conversor Maravilhoso de Fresnel - analisou Rincewind, cheio de autoridade. - Para isso, são necessários muitos ingredientes raros e variáveis, como hálito de demônio e tal, e é preciso que pelo menos oito magos do quarto nível fiquem uma semana trabalhando na visualização. Por isso, estão todos aqueles magos ali em cima, que devem ser hidrofóbicos...

- Quer dizer que odeiam água? - interrompeu Duasflor.

- Não, é pouco - respondeu Rincewind. - O ódio é uma força de atração, da mesma maneira que o amor. Eles realmente abominam água, só a idéia já os enche de nojo. O hidrofóbico bom para valer precisa ser treinado em águas desidratadas desde o nascimento. Quer dizer, só em magia, os gastos são enormes. Mas trata-se de excelentes mágicos meteorológicos. As nuvens de chuva sempre acabam desistindo e vão embora.

- Que horror - disse o troll marinho, atrás deles.

- E todos morrem cedo - continuou o mago, ignorando-o. - Não conseguem viver consigo mesmos.

- Às vezes, fico pensando que a gente poderia andar pelo Discworld a vida inteira e não ver tudo que há para ver - observou Duasflor. - E, agora, parece que também existem vários outros mundos. Quando imagino que posso morrer sem ver nem um centésimo de tudo que tem para ser visto, sinto... uma espécie de humildade. E muita raiva, é claro.

O voador parou a alguns metros da ilha, soltando um lençol de vapor. Então, se manteve ali suspenso, girando devagar. Um vulto encapuzado, próximo à coluna no centro exato do disco, acenou para eles.

- É melhor vocês irem - disse o troll. - Não é bom deixá-los esperando. Foi um prazer conhecer vocês.

Ele cumprimentou os dois, deixando-os com as mãos molhadas. Quando os acompanhava até uma parte do caminho, os dois abominadores mais próximos recuaram com expressões de extrema repugnância.

O vulto encapuzado estendeu uma das mãos e jogou uma escada de corda para baixo. Na outra mão, havia uma varinha de prata que tinha o aspecto inconfundível de algo criado para matar. A primeira impressão de Rincewind foi reforçada quando o vulto ergueu o negócio e agitou-o com cautela em direção à margem. Uma parte da rocha sumiu, deixando apenas uma pequena nuvem cinzenta de nada.

- É para vocês não acharem que estou com medo de usar - disse o vulto.

- Não acharmos que você está com medo? - perguntou Rincewind.

O vulto bufou.

- Sabemos tudo de você, mágico Rincewind. É um homem de muita lábia e artimanha. Ri diante do Morte. Seu ar afetado de covardia não me surpreende.

Isso espantou Rincewind.

- Eu... - começou o mago, empalidecendo quando a vara de fazer nada se virou para ele. - Estou vendo que sabem tudo de mim - concluiu com franqueza, sentando-se na superfície escorregadia.

Sob as ordens do comandante encapuzado, ele e Duasflor se prenderam às argolas fincadas no disco transparente.

- Se fizer qualquer menção de soltar um feitiço - advertiu a escuridão debaixo do capuz - você morre. Terceiro quadrante, reconciliar. Nono quadrante, redobrar. Avançar todos!

A parede de água se ergueu atrás de Rincewind e o voador deu um solavanco repentino. A terrível presença do troll marinho provavelmente havia feito os hidrofóbicos se concentrarem ainda mais, porque o disco se levantou num ângulo bastante íngreme e só nivelou o vôo quando já se encontrava a 22 metros acima das ondas. Rincewind olhou através da superfície transparente lá embaixo e preferiu não ter feito isso.

- Bem, aqui vamos nós de novo - disse Duasflor, com alegria.

Ele se virou e acenou para o troll, que agora não passava de um pontinho na beira do mundo. Rincewind fitava o rapaz.

- Você nunca fica preocupado com nada? - ele perguntou.

- Ainda estamos vivos, não estamos? - rebateu Duasflor. - E você mesmo disse que não se dariam a tanto trabalho se nós fôssemos usados só como escravos. Acho que Tétis estava exagerando. Imagino que tudo não passe de um equívoco. Espero que logo sejamos mandados de volta para casa. Depois de vermos Krull, é claro. E devo dizer que parece ser fascinante.

- Ah, claro - ironizou Rincewind, com a voz abafada. - Fascinante.

O mago estava pensando: sei o que é emoção e sei o que é tédio. Prefiro o tédio.

 

Se acontecesse de um deles olhar para baixo naquele exato momento, teria notado uma estranha onda em forma de “V” crescendo na água, com o vértice apontado para a ilha de Tétis. Não estavam olhando. Os 24 mágicos hidrofóbicos estavam olhando, mas, para eles, tratava-se apenas de mais um horror, não necessariamente diferente de todo o líquido medonho à volta. Era provável que estivessem certos.

Algum tempo antes disso, o navio pirata, coberto de chamas, havia se apagado chiando sob as ondas e iniciara o longo e demorado mergulho em direção ao distante fundo. Na verdade, era mais distante do que a média, porque, bem embaixo da embarcação combalida, ficava o Fosso Gorunna, um abismo tão escuro, profundo e sabidamente amaldiçoado que até os monstros marinhos iam lá com medo e sempre em dupla. Em abismos menos amaldiçoados, os peixes tinham lanternas naturais na cabeça e, em geral, conseguiam se virar bem. No Gorunna, seguiam apagados e engatinhavam - até onde é possível para um ser desprovido de pernas engatinhar. Também costumavam trombar com as coisas. Com coisas horríveis.

A água em torno do navio foi do verde para o roxo, do roxo para o preto, e do preto para uma escuridão de tal modo absoluta que o próprio preto parecia um mero cinza, em comparação. A maior parte da madeira já havia se estilhaçado sob a pressão intensa.

A embarcação afundava girando por entre colônias de pólipos de pesadelo e arrastava aglomerados de algas que brilhavam com cores fracas e mórbidas. Coisas roçavam a madeira com tentáculos macios e gelados, à medida que avançavam pelo silêncio frio.

Algo surgiu das trevas e engoliu o navio de uma só vez.

Pouco tempo depois, os habitantes de um pequeno atol, mais próximo à Borda, ficaram abismados ao encontrar, jogado na lagoa local, o cadáver de um hediondo monstro marinho - só bicos, olhos e tentáculos. Os ilhéus ficaram ainda mais atônitos com o tamanho da criatura, uma vez que era maior do que a aldeia. Mas a surpresa dos homens foi pequena comparada à enorme expressão de horror no rosto do monstro, que parecia ter morrido atropelado.

Passado o atol, na direção da Beira, dois barquinhos, conduzindo uma rede para pescar as ferozes ostras nadadoras que abundavam naqueles mares, pegaram alguma coisa que arrastou ambas as embarcações por vários quilômetros, até um comandante ter a presença de espírito de cortar os fios.

Mas mesmo seu espanto não foi nada comparada à dos habitantes do último atol do arquipélago. Na noite seguinte, as pessoas foram acordadas por um barulho terrível de estilhaços vindo da floresta diminuta. Pela manhã, quando algumas das almas mais corajosas se propuseram a investigar, descobriram que as árvores haviam sido massacradas num caminho que apontava precisamente a Beira, estendendo-se numa linha de absoluta destruição, inundada de cipós quebrados, galhos partidos e algumas ostras nervosas e aturdidas.

 

Eles já estavam alto o bastante para ver a grande curva da Borda, cercada pelas nuvens fofas que, durante a maior parte do tempo, escondiam misericordiosamente a cachoeira. Dali de cima, o mar azul e salpicado com sombras de nuvem parecia quase convidativo. Rincewind tremeu.

- Com licença - ele disse.

O vulto encapuzado abandonou a contemplação da névoa distante e ergueu a vara, de forma ameaçadora.

- Não quero ter de usar isso - alarmou-se.

- Não quer? - perguntou Rincewind.

- Aliás, o que é isso? - quis saber Duasflor.

- É a Vara de Negatividade Plena de Ajandurah - explicou Rincewind. - E eu preferia que você parasse de mexer com ela. Pode disparar - acrescentou, enquanto acompanhava a ponta luminosa da varinha com a cabeça. - Quer dizer, é muito lisonjeador, toda essa magia sendo usada só para o nosso bem, mas não tem necessidade de ir tão longe. E...

- Cale a boca!

O vulto tirou o capuz, revelando-se uma jovem mulher de cor estranha. A pele era negra. Não o marrom escuro de Urabewe ou o preto retinto de Klatch - terra tão castigada pelas monções - mas o carregado preto da meia-noite no fundo de uma caverna. O cabelo e as sobrancelhas eram da cor do luar. E havia o mesmo brilho pálido ao redor dos lábios. A menina parecia ter quinze anos e estava muito assustada.

Rincewind não pôde deixar de notar que a mão que segurava a vara tremia - afinal, é difícil não ver uma arma que traz morte súbita balançando para lá e para cá a um metro e meio de nosso nariz. Ocorreu ao mago - muito devagar, por se tratar de uma sensação inteiramente nova - que alguém no mundo tinha medo dele. O contrário era tão freqüente que ele já passara a considerar aquilo uma espécie de lei natural.

- Qual é o seu nome? - perguntou Rincewind, da maneira mais tranqüilizadora que lhe foi possível simular.

A mulher podia estar assustada, mas tinha a vara. Se eu tivesse um negócio desses, pensou o mago, não teria medo de nada. O que será que ela imagina que eu seja capaz de fazer?

- Meu nome é irrelevante - ela disse.

- É um nome lindo - considerou Rincewind. - Para onde estão nos levando e por quê? Não vejo nenhum perigo em você dizer pra gente.

- Estão sendo levados para Krull - respondeu a menina. - E não zombe de mim, homem de Centrolândia. Ou uso a varinha. Preciso levá-los vivos, mas ninguém disse que tivessem de chegar inteiros. Meu nome é Marquesa e sou maga do quinto nível. Está entendendo?

- Bem, já que você sabe tudo sobre mim, deve saber que não cheguei nem a Noviço - disse Rincewind. - Na verdade, nem sou mago.

Ele viu a fisionomia surpresa de Duasflor e emendou às pressas:

- Sou um mago chinfrim.

- Você não pode fazer mágica porque um dos Oito Grandes Feitiços está alojado na sua mente - argumentou Marquesa, equilibrando-se graciosamente à medida que o disco descrevia um arco sobre o oceano. - É por isso que foi expulso da Universidade Invisível. Nós sabemos.

- Mas você acabou de dizer que ele era um mágico cheio de artimanha - protestou Duasflor.

- Claro, porque qualquer um que sobrevive a tudo que ele sobreviveu... e a maior parte dessas coisas aconteceu justamente pela mania de se considerar mago... Bem, ele tem de ser uma espécie de mágico - concluiu Marquesa. - Estou avisando, Rincewind. Se eu desconfiar que você está entoando o Grande Feitiço, vou matá-lo.

A menina lançou um olhar enfurecido para ele.

- Está me parecendo que o melhor seria apenas, sabe, soltar a gente em algum lugar - arriscou Rincewind. - Quer dizer, obrigado por nos salvar e tal, mas, se nos deixarem seguir nossas vidas, tenho certeza que...

- Espero que não pretendam nos escravizar - interveio Duasflor..

Marquesa pareceu chocada.

- Claro que não! Que idéia! A vida de vocês em Krull será rica, plena e confortável...

- Ah, ótimo - disse Rincewind.

- ... só que curta.

 

Krull era, afinal, uma ilha grande, bastante montanhosa e cheia de bosques, com agradáveis prédios brancos aqui e ali, entre as árvores, O terreno se elevava gradualmente em direção à Borda, de modo que o ponto mais alto de Krull se estendia um pouco além da Beira. Nesse local, os krullianos haviam estabelecido sua maior cidade - também chamada de Krull - e, como a maior parte do material de construção usado vinha dos salvamentos da Cercaferência, as casas apresentavam uma indiscutível influência náutica.

Para falar a verdade, navios inteiros haviam sido juntados e transformados em prédios. Trirremes, cabos e caravelas se projetavam, em ângulos curiosos, do caos generalizado de madeiras. Carrancas pintadas e dragões de proa lembravam aos cidadãos de Krull que a sorte vinha do mar; e bergantins e galeões conferiam formas distintivas aos prédios maiores. Assim a cidade se erigiu, uma tábua depois da outra, entre o oceano verde-azulado do Discworld e o mar de nuvens da Beira, com as oito cores do Borda-Íris refletidas em cada janela e na lente dos muitos telescópios da multidão de astrônomos que ali vivia.

- É horrível - disse Rincewind, com melancolia.

Agora, o disco transparente já se aproximava da Queda da Borda. A ilha não ficava apenas mais alta quando se aproximava da Beira. Ficava também mais estreita, de modo que o disco pôde se manter sobre a água até estar bem próximo da cidade. O parapeito do rochedo era dotado de pórticos que se projetavam para o nada. O disco avançou com calma para um deles e atracou com tanta suavidade quanto um navio encostando-se num cais. Quatro guardas, com o mesmo cabelo cor de luar e os mesmos rostos negros como a noite, aguardavam. Os homens não pareciam estar armados, mas, quando Duasflor e Rincewind puseram os pés no parapeito, foram agarrados com força suficiente para que qualquer possível idéia de fuga fosse imediatamente descartada.

Logo Marquesa e os magos hidrofóbicos eram deixados para trás e guardas e prisioneiros partiam a passos largos por um caminho que serpenteava pelas construções navais. A trilha se estendia para o que acabou sendo uma espécie de palácio, talhado a partir da pedra do próprio rochedo. Rincewind notou alguns corredores bem iluminados e jardins abertos ao céu longínquo. Alguns homens mais velhos - os mantos cobertos de misteriosos símbolos ocultos - punham-se de lado e observavam os seis passarem. Várias vezes, Rincewind divisou hidrofóbicos - a fisionomia marcada de aversão crônica a seus próprios líquidos corporais era distintiva - e também alguns homens caminhando com dificuldade, que só poderiam ser escravos. O mago não teve muito tempo para refletir nisso tudo quando uma porta à frente se abriu e eles foram empurrados para dentro, sem violência mas com firmeza. Então, a porta se fechou.

Rincewind e Duasflor recobraram o equilíbrio e correram os olhos pela sala em que agora se encontravam.

- Nossa! - exclamou Duasflor, sem forças, depois de uma pausa em que procurou, sem êxito, achar palavra melhor.

- Isso aqui é uma cela? - perguntou-se Rincewind, em voz alta.

- O ouro, a seda e tudo mais - acrescentou Duasflor. - Nunca vi nada igual!

No centro do quarto suntuosamente decorado - num carpete tão fundo e felpudo que Rincewind pisava com cuidado, com medo de ele ser uma espécie de animal peludo que gostasse de ficar estendido no chão -, havia uma grande e esplendorosa mesa, cheia de comida. Eram, em sua maioria, pratos de frutos do mar - estava ali, de fato, a maior e mais ornamentada lagosta em que Rincewind já pusera os olhos - mas também havia muitos potes e travessas abarrotados de criações estranhas, que o mago nunca tinha visto. Com cautela, ele pegou uma espécie de fruta roxa coberta de cristais verdes.

- Ouriço-do-mar cristalizado - disse a voz quebrada e obsequiosa atrás dele. - Uma iguaria maravilhosa.

O mago largou o petisco e se virou. Um senhor havia saído de trás das cortinas pesadas. Era alto, magro e parecia quase bondoso comparado com alguns dos rostos que Rincewind vira nos últimos tempos.

- O purê de pepinos-do-mar também é uma delícia - disse ele. - Aqueles pedacinhos verdes são filhotes de estrela-do-mar.

- Obrigado por me contar - disse Rincewind, com voz sumida.

- Na verdade, são muito bons - disse Duasflor, de boca cheia.

- Achei que você gostasse de frutos do mar.

- É, também achei - disse Rincewind. - O que é esse vinho? Olhos esmagados de polvo?

- Vinho do mar - respondeu o velho.

- Ótimo - exclamou Rincewind e tomou uma taça cheia. - Não é ruim. Talvez um pouco salgado.

- Vinho do mar é um tipo de água-viva pequena - explicou o desconhecido. - E agora acho que devo me apresentar. Por que o seu amigo ficou dessa cor estranha?

-Acho que é o choque cultural - respondeu Duasflor. - Como o senhor disse que era o seu nome?

- Eu não disse. Garhartra. Sou encarregado dos hóspedes. Minha prazerosa função é garantir que sua estada aqui seja a melhor possível.

E fez uma reverência.

- Se tiver alguma coisa que queiram, é só pedir.

Duasflor se sentou numa cadeira forcada de madrepérola incrustada, com uma taça de vinho oleoso numa das mãos e uma lula cristalizada na outra. O rapaz franziu a testa.

- Acho que devo ter perdido alguma coisa nessa história - disse por fim. - Primeiro, disseram que a gente ia ser escravo...

- Uma baleia absurda! - interrompeu Garhartra.

- O que é baleia? - perguntou Duasflor.

- Acho que é um tipo de pato - respondeu Rincewind do outro lado da mesa comprida. - Você acha que esses biscoitos são feitos de alguma coisa bem nojenta?

- ... então fomos salvos à custa de muita magia...

- São feitos de algas marinhas socadas - informou o encarregado dos hóspedes.

- ... mas, então, nos vimos ameaçados, também à custa de uma grande quantidade de magia...

- É, imaginei que seria alguma coisa como alga marinha - concordou Rincewind. - Com certeza, devem ter gosto de alga marinha, se alguém fosse masoquista o bastante para comer alga marinha.

- ... e aí fomos agarrados pelos guardas e jogados aqui...

- Empurrados com gentileza - corrigiu Garhartra.

- ... que é essa sala riquíssima com um monte de comida e um homem dizendo que vai devotar a vida a nos fazer feliz - concluiu Duasflor. - O que estou tentando dizer é que falta coerência.

- É - disse Rincewind. - O que ele quer saber é o seguinte: daqui a pouco você vai voltar a ser desagradável? Isso aqui é só um intervalo para o almoço?

Garhartra ergueu as mãos de modo apaziguador.

- Ora, por favor - protestou ele. - Só era necessário trazê-los aqui o mais rápido possível. É claro que não pretendemos escravizar vocês. Por favor, podem ficar sossegados em relação a isso.

- Que bom - suspirou Rincewind.

- Na verdade, vocês vão ser sacrificados - continuou Garhartra, com calma.

- Sacrificados? Vocês vão matar a gente? - gritou o mago.

- Matar? Vamos, claro. Com certeza! Não seria um sacrifício se não matássemos, não é mesmo? Mas não se preocupem... vai ser comparativamente indolor.

- Comparativamente? Comparado a quê? - perguntou Rincewind.

Ele pegou uma garrafa verde comprida cheia de vinho de água-viva e atirou com força no encarregado dos hóspedes, que então suspendeu a mão como se fosse se proteger.

Uma chama octarina surgiu de seus dedos e, de repente, o ar ganhou a textura carregada e oleosa que indicava uma grande descarga mágica. A garrafa começou a avançar com menos rapidez até parar em pleno ar, girando com suavidade.

Ao mesmo tempo, uma força invisível pegou Rincewind e correu com ele pela sala, prendendo-o, sem que se soubesse como, no meio da parede dos fundos. O mago ficou ali suspenso com a boca aberta de raiva e estupefação.

Garhartra abaixou a mão e a passou devagar no manto.

- Não gostei nem um pouco de fazer isso, sabe? - disse ele.

- Deu para notar - murmurou Rincewind.

- Mas por que querem nos sacrificar? - perguntou Duasflor - Vocês mal nos conhecem!

- Aí é que está a coisa, não é mesmo? Não é de muito bom tom sacrificar amigos. Além do mais, vocês foram, hã, escolhidos. Não sei muito a respeito do deus em apreço, mas Ele foi bastante claro nesse ponto. Olhem, agora preciso ir andando. Tem muita coisa para organizar, sabem como é - acrescentou o encarregado dos hóspedes, abrindo a porta. - Por favor, sintam-se em casa e não se preocupem.

- Mas você não disse nada pra gente! - protestou Duasflor.

- Não vale a pena, não é mesmo? Levando em conta que serão sacrificados pela manhã - disse Garhartra - não vale a pena se incomodar com isso. Durmam bem. Tanto quanto possam, de qualquer maneira.

A porta se fechou. Uma breve cintilação de fogo octarina deu a entender que agora estava trancada para além das habilidades de qualquer serralheiro deste mundo.

 

Blem, blom, faziam os sinos ao longo da Cercaferência na noite enluarada e embalada pelo bramido constante da Queda da Borda.

Terton, o escravo do 45Q posto, não ouvia um barulho desses desde a noite em que, cinco anos antes, um monstro marinho gigante fora arrastado para a Cerca. Ele saiu da cabana - que na ausência de uma ilhota apropriada havia sido construída sobre estacas de madeira levadas até o fundo do oceano - e encarou a escuridão. Uma ou duas vezes, achou ter visto movimentos distantes. A bem da verdade, ele deveria remar até o local para se certificar do que estava causando a barulheira. Mas ali, no breu frio e úmido, não pareceu uma idéia genial, então fechou a porta, amarrou uns panos em volta dos sinos - a baterem, ensandecidos - e tentou voltar a dormir.

Não funcionou, porque então até a corda superior da Cerca vinha zumbindo, como se alguma coisa grande e pesada estivesse batendo nela. Depois de olhar para o teto por alguns minutos e tentar não pensar em tentáculos compridos e olhos do tamanho de lagos, Terton pegou a lanterna e abriu uma fresta na porta.

Algo estava vindo pela Cerca, em saltos gigantescos que cobriam vários metros de uma só vez. O negócio se agigantou e Terton pôde ver uma coisa retangular, cheia de pernas, coberta de algas marinhas e também muito irritada - embora não tivesse feições das quais ele pudesse deduzir isso.

A cabana se partiu em pedaços quando o monstro passou por ela, mas Terton sobreviveu agarrando-se à Cercaferência. Algumas semanas depois, o escravo foi resgatado por uma frota de salvamento e, então, fugiu de Krull num disco seqüestrado (tendo desenvolvido hidrofobia a um grau surpreendente). Depois de algumas aventuras, acabou chegando ao Grande Nef, uma região tão seca do Discworld que, na verdade, tinha precipitação atmosférica negativa, e que ele, ainda assim, achava desagradavelmente úmida.

 

- Tentou a porta?

- Tentei - respondeu Duasflor. - E não está menos trancada do que da última vez que você perguntou. Mas tem a janela.

- Uma excelente maneira de fugir - ironizou Rincewind, empoleirado no meio da parede. - Você disse que dá para a Beira. Basta sair, hã, e então mergulhar no espaço e talvez ficar congelado, cair em outro mundo numa velocidade absurda ou, quem sabe, voar até o coração em chamas de algum sol.

- Vale a pena tentar - arriscou Duasflor. - Quer um biscoito de algas marinhas?

-Não!

- Quando é que você vai descer?

Rincewind soltou um grunhido. Era meio constrangedor. O feitiço de Garhartra havia sido o difícil e pouco usado Transtorno Gravitacional Individual de Atavarr, cujo resultado prático era que, até o efeito passar, o corpo de Rincewind estaria convencido de que “embaixo” ficava a noventa graus do sentido normalmente aceito pela maioria dos habitantes do Discworld. Na verdade, ele se encontrava de pé na parede.

Enquanto isso, a garrafa flutuava no ar a alguns metros dali. Bem, no seu caso, o tempo não havia exatamente parado, mas se retardado em diversas ordens de grandeza, e a trajetória dela até o momento levara várias horas fora de poucos centímetros, até onde Duasflor e Rincewind podiam ver. O vidro brilhava sob o luar. Rincewind suspirou e tentou ficar à vontade na parede.

- Por que você nunca se preocupa? - perguntou ele, de mau humor. - Aqui estamos nós, vamos ser sacrificados para um deus qualquer pela manhã e você fica aí comendo canapé de crustáceo.

- Imagino que alguma coisa vá acontecer - respondeu Duasflor.

- Quer dizer, a gente nem mesmo sabe por que vai ser morto - continuou o mago.

- E gostaria de saber?

- Foi você que disse isso? - perguntou Rincewind.

- Disse o quê?

Você está ouvindo coisas, falou a voz na cabeça do mago.

Ele se sentou ereto, de lado.

- Quem é você? - indagou.

Duasflor fitou o mago com preocupação.

- Sou Duasflor - respondeu o rapaz. - Não se lembra?

Rincewind apoiou a cabeça nas mãos.

- Aconteceu, enfim - lamentou ele. - Estou saindo fora de mim.

Boa idéia, disse a voz. Já estava ficando apertado aqui dentro.

O feitiço que prendia Rincewind à parede se desfez com um “plim” fraco. Ele caiu de cara no chão.

Cuidado... Você quase me esmagou.

O mago conseguiu se escorar nos cotovelos e meter a mão no bolso do manto. Quando a tirou, o sapo verde estava ali - os olhos estranhamente iluminados na penumbra.

- Você? - perguntou Rincewind.

Ponha-me no chão e se afaste.

O sapo piscou. Rincewind obedeceu e arrastou um Duasflor desnorteado para longe do animal.

A sala ficou escura. Houve um estrondo. Nuvens verdes, roxas e octarinas surgiram do nada e começaram a se espiralar com rapidez em direção ao anfíbio ali prostrado, soltando pequenos raios luminosos à medida que giravam. Logo o sapo se perdeu numa névoa dourada que começou a se alongar para cima, enchendo a sala de uma luz amarela quente. Dentro, havia um vulto escuro e indistinto que se transformava conforme os dois observavam. Durante todo o tempo, apitava o zumbido alto e apavorante de um campo mágico enorme...

Com a mesma rapidez com que apareceu, o furacão mágico sumiu. E ali, no local onde o sapo estivera, havia um sapo.

- Fantástico - disse Rincewind.

O sapo o fitou de modo recriminador.

- Incrível mesmo - insistiu o mago, irritado. - Um sapo magicamente transformado em sapo. Maravilha.

- Virem-se - disse uma voz atrás deles.

Era uma voz macia e feminina, quase tentadora. O tipo de voz com que gostaríamos de sair para tomar umas e outras, mas agora vinha de um lugar onde não deveria existir nenhuma voz. Eles conseguiram se virar sem se mexer, como estátuas rodando num pedestal.

Havia uma mulher parada sob a luz que antecede o alvorecer. Ela parecia... era... tinha uma... para dizer a verdade, ela...

Mais tarde, Rincewind e Duasflor não concordariam em nada a seu respeito, a não ser que era bonita (exatamente quais características físicas faziam com que fosse bonita não conseguiam determinar com precisão) e tinha olhos verdes. Não o verde fraco de olhos comuns - este era o verde da cor de esmeraldas e tão iridescente quanto uma libélula. Um dos poucos fatos mágicos que Rincewind sabia era que nenhum deus, por mais instável e contraditório que fosse em todos os outros aspectos, podia mudar a cor ou a natureza dos olhos...

- D... - começou o mago.

Ela ergueu a mão.

- Você sabe que, se disser meu nome, terei de ir embora - sussurrou. - Lembra que sou a única deusa que só vem quando não é chamada?

- Há. É. Acho que lembro - grasnou o mago, tentando evitar os olhos. - É a que chamam de Dama?

-Sou.

- Então é uma deusa? - perguntou Duasflor, entusiasmado - Sempre quis ver uma.

Rincewind se retesou, esperando por uma explosão de ódio. Em vez disso, a Dama apenas sorriu.

- O seu amigo mago precisa nos apresentar - disse ela.

Rincewind tossiu.

- Hã, é - desculpou-se ele. - Dama, esse é Duasflor, um turista...

- Já tive o prazer de ajudá-lo algumas vezes.

- ... e, Duasflor, essa é a Dama, Só Dama, está bem? Mais nada. Não tente dar nenhum outro nome, tudo bem? - continuou ele, em desespero, com piscadas de olhos sugestivas que não surtiam nenhum efeito no rapazinho.

Rincewind sentia calafrios. É óbvio que não era ateu. No Discworld, os deuses eram implacáveis com os ateus. E, nas raras ocasiões em que o mago tinha algum dinheiro extra, sempre fazia questão de jogar moedas no cofre de algum templo, sob o preceito de que o homem precisa de tantos amigos quantos puder angariar. Em geral, porém, não aborrecia os deuses nem era por eles incomodado. A vida já era bastante complicada.

Existiam dois deuses, no entanto, que eram especialmente apavorantes. Os outros, em geral, não passavam de humanos em escala grande, apaixonados por vinho, guerra e libertinagem. Mas o Destino e a Dama eram assustadores.

No Quarteirão dos Deuses, em Ankh-Morpork o Destino tinha um templo pequeno e sombrio, onde devotos muito magros e com fundas olheiras se reuniam, em noites escuras, para ritos predestinados e um tanto inúteis. Não existia nenhum templo para a Dama, embora talvez se tratasse da deusa mais poderosa de toda a história da Criação. Uma vez, alguns dos membros mais audazes do Grêmio dos Jogadores tentaram uma espécie de culto nos porões da sede da sociedade e, em uma semana, todos morreram, assassinados, de fome ou apenas de Morte morrida. Ela era a Deusa Chamar. Os homens que a procuravam jamais achavam, mas ela era famosa por socorrer aqueles que se encontravam em necessidade À vezes, no entanto, não socorria. Ela era assim. Não gostava dos estalidos do rosário, mas se sentia atraída pelo som dos dados. Ninguém sabia como era de fato, embora muitas vezes o jogador que estava apostando a vida no baralho, ao abrir a mão de cartas que havia recebido, enxergava Seu rosto. Outras vezes, claro, não via. Entre todos os deuses, a Dama era a um só tempo a mais cortejada e a mais amaldiçoada.

- De onde venho, não temos deuses - disse Duasflor.

- Têm sim, você sabe - disse a Dama. - Todo mundo tem deuses. Só que você acha que os seus não são.

Rincewind se sacudiu mentalmente.

- Olhe - interveio. - Não quero parecer impaciente, mas dentro de alguns segundos algumas pessoas vão surgir por aquela porta para nos levar daqui e acabar com a gente.

- É verdade - disse a Dama.

- A senhora pode nos dizer por quê? - pediu Duasflor.

- Posso, sim - respondeu Ela. - Os krullianos pretendem lançar uma nave de bronze pela Beira do Discworld. O objetivo principal é descobrir o sexo de A’Tuin, a Tartaruga do Mundo.

- Não me parece ter muito sentido - disse Rincewind.

- Mas tem. Pense um pouco. Um dia, Grande A’Tuin pode encontrar outro membro da espécie chelys galactica, em algum lugar da imensa noite em que avançamos. Será que vão brigar? Vão se acasalar? Um pouco de imaginação pode nos mostrar que o sexo de Grande A’Tuin pode ser muito importante para nós. Ou, pelo menos, é o que acham os krullianos.

Rincewind tentou não pensar em tartarugas gigantescas se acasalando. Não foi fácil.

- Então - continuou a Dama - querem lançar essa nave espacial com dois tripulantes a bordo. Vai ser o resultado de décadas de pesquisas. E também vai ser muito perigoso para os viajantes. Assim, na tentativa de reduzir os riscos, o Arquiastrônomo de Kruil negociou com o Destino sacrificar dois homens na hora do lançamento. O Destino, por Sua vez, concordou em sorrir para a nave. Bela troca, não?

- E nós somos o sacrifício - completou Rincewind.

- Exatamente.

- Achei que o Destino não entrasse nesse tipo de negociação. Achei que fosse implacável - comentou o mago.

- Em geral, sim. Mas faz algum tempo que vocês dois O vinham aborrecendo. Ele especificou que vocês deveriam ser os sacrificados. Então, permitiu aos piratas fugirem. E deixou que fossem levados até a Cercaferência. À vezes, o Destino consegue ser um deus bastante baixo.

Houve uma pausa. O sapo suspirou e pulou para debaixo da mesa.

- Mas a senhora pode nos ajudar - sugeriu Duasflor.

- Vocês me divertem - disse a Dama. - Tenho um lado sentimental. Saberiam disso, se fossem jogadores. Então durante algum tempo andei na mente de um sapo e vocês foram gentis em me salvar, porque, como todos sabemos, ninguém gosta de ver criaturas patéticas e indefesas sendo arrastadas para a morte.

- Obrigado - disse Rincewind.

- O Destino está contra vocês - atestou a Dama. - E tudo que posso fazer é lhes dar uma chance. Só uma pequena oportunidade. O resto é por conta de vocês.

Ela desapareceu.

- Nossa! - exclamou Duasflor, depois de um tempo. - É a primeira vez que vejo uma deusa.

A porta se abriu. Garhartra entrou, segurando uma varinha. A seu lado, havia dois guardas armados da maneira mais convencional, com espadas.

- Ah - disse o homem, casualmente - Vejo que já estão prontos.

Pronto, disse uma voz na cabeça de Rincewind.

A garrafa que o mago havia atirado cerca de oito horas antes se mantivera suspensa no ar, aprisionada pela magia, num campo temporal particular. Mas, durante todas essas horas, o maná original do feitiço vinha se enfraquecendo, até que toda a energia mágica não foi mais suficiente para sustentá-la contra o poderoso campo de normalidade do próprio universo e, quando isso aconteceu, a Realidade voltou em questão de segundos. O sinal visível disso tudo foi, de repente, a garrafa completar a parte final da sua curva e se espatifar na cabeça do encarregado dos hóspedes, atingindo os guardas com cacos de vidro e drinque de água-viva.

Rincewind pegou o braço de Duasflor, chutou o guarda mais próximo entre as pernas e arrastou o turista para o corredor. Antes que o perplexo Garhartra tivesse caído no chão, os dois hóspedes já se encontravam longe.

O mago derrapou numa esquina e percebeu que estava numa sacada, estendendo-se pelos quatro lados de um jardim. Abaixo deles, a maior parte do jardim era tomada por um lago ornamental, onde algumas tartarugas tomavam banho de sol entre folhas de lírio.

À frente de Rincewind havia dois magos bastante surpresos, usando os mantos negros e azul-escuros característicos dos hidrofóbicos diplomados. Um deles, mais rápido do que o companheiro, suspendeu a mão e começou a proferir as primeiras palavras de um feitiço.

Houve um barulhinho agudo ao lado de Rincewind. Duasflor havia espirrado. O hidrofóbico gritou e abaixou a mão como se estivesse ferido.

O outro nem teve tempo de se mexer e Rincewind já avançava sobre ele - os punhos agitando-se em frenesi. Um murro firme, com todo o peso do pavor, jogou o homem pela sacada até o lago, que nesse momento fez uma coisa muito estranha: a água se abriu como se um grande balão invisível tivesse caído ali e o hidrofóbico se manteve suspenso, gritando em seu próprio campo de nojo.

Duasflor se pôs a observar admirado, até Rincewind lhe bater no ombro e apontar para o que parecia ser uma passagem. Os dois avançaram por ela, deixando o outro hidrofóbico a se contorcer no chão, ainda segurando a mão molhada.

Durante algum tempo, houve gritos vindos detrás, mas eles se enfiaram por um corredor transversal e outro jardim e logo despistaram as vozes que os seguiam. Por fim, Rincewind abriu uma porta, enfiou a cabeça para se certificar de que o lugar estava vazio, arrastou Duasflor para dentro e a fechou. Então se encostou ali, arquejando terrivelmente.

- Nós estamos perdidos num palácio que fica numa ilha da qual não temos a menor chance de fugir - conseguiu dizer, arfante.

- E o pior de tudo é que... ei! - parou de falar quando o conteúdo da sala se infiltrou por seus abatidos nervos ópticos.

Duasflor já estava olhando para as paredes.

O que era tão estranho no cômodo era que continha o universo inteiro.

 

Morte estava sentado em Seu jardim, passando a pedra de amolar na extremidade da foice. A lâmina já se mostrava tão afiada que qualquer ventinho que soprasse seria suavemente cortado em duas intrigadas brisas, embora ventos fossem raros no silencioso jardim de Morte. Ficava num platô coberto, com vista para as complexas dimensões do Discworld e, logo atrás, erguiam-se as montanhas altas, frias, extensas e tranqüilas da Eternidade.

Ruge-ruge, fazia a pedra. Morte cantarolava um hino fúnebre e batia o pé ossudo na lousa gelada.

Alguém se aproximava pelo pomar sombrio onde eram cultivadas maçãs noturnas e sobreveio o enjoativo perfume doce de lírio esmagado. Morte ergueu as vistas, irritado, e se pegou fitando uns olhos negros e cheios de estrelas remotas - que não possuíam nenhum equivalente entre as familiares constelações do universo em Tempo Real.

Morte e Destino se entreolharam. Morte sorriu - não teve alternativa, é claro, sendo feito de osso duro. A pedra de amolar chiava na lâmina de maneira compassada, conforme Ele prosseguia com o trabalho.

- Tenho um serviço para você - anunciou Destino.

Suas palavras avançaram pela foice de Morte e se partiram em duas faixas de Consoantes e vogais.

- HOJE JÁ TENHO SERVIÇOS DEMAIS - respondeu Morte, numa voz pesada como neutrônio. - A PESTE BRANCA CONTINUA EM PSEUDÓPOLIS E TENHO QUE SALVAR VÁRIOS HABITANTES DAS GARRAS DELA. HÁ CEM ANOS NÃO SE VIA NADA IGUAL. ESPERAM QUE EU ASSOLE AS RUAS, COMO É MINHA OBRIGAÇÃO.

- Estou falando do caso do pequeno viajante e do mago traiçoeiro - disse o Destino com calma, sentando-se ao lado do vulto negro de Morte e olhando a jóia distante e multifacetada que era o universo do Discworld, visto desse ponto de observação extradimensional

A foice parou de chiar.

- Os dois vão morrer daqui a algumas horas - atestou Destino. - Está acertado.

Morte mudou de posição e a pedra começou a se mover outra vez.

- Achei que fosse ficar satisfeito - acrescentou Destino.

Morte deu de ombros, gesto particularmente significativo para alguém cujo corpo visível era um esqueleto.

- É VERDADE QUE JÁ OS PERSEGUI MUITO - considerou Ele. - MAS POR FIM ME LEMBREI QUE, MAIS CEDO OU MAIS TARDE, TODO HOMEM DEVE MORRER. ENTÃO DISSE A MIM MESMO: PODEM ME ENGANAR, MAS NÃO ME EVITAR. PARA QUE ESQUENTAR A CABEÇA?

- Ninguém pode me enganar - retrucou Destino.

- FOI O QUE OUVI DIZER - respondeu Morte, ainda sorrindo.

- Chega! - gritou Destino, pondo-se de pé. - Os dois vão morrer!

Então, sumiu numa língua de fogo azul.

Morte balançou a cabeça, sozinho, e continuou o que fazia. Depois de alguns minutos, o fio da lâmina parecia estar a Seu gosto. Ele se levantou, levou a foice até uma vela grossa e malcheirosa que ardia na beira do banco e, com dois movimentos rápidos, cortou a chama em três pavios iluminados. Morte sorriu.

Pouco tempo depois, já estava selando o corcel branco, que ficava no estábulo atrás de Seu chalé. O cavalo O farejava de maneira amigável. Embora tivesse olhos carmesim e flancos como seda lustrosa, tratava-se de um bicho de carne e osso. Era provável que fosse mais bem tratado do que a maioria dos animais de carga do Discworld. Morte não era um patrão cruel: pesava pouco e, embora sempre voltasse para casa com os alforjes cheios, estes não pesavam absolutamente nada.

 

- Todos esses mundos! - exclamou Duasflor. - É incrível!

Rincewind grunhiu alguma coisa e continuou inspecionando o chão coberto de estrelas. Duasflor se interessou por um grande astrolábio, em cujo centro havia todo o sistema do Discworld, com os Elefantes e a Grande A’Tuin, feita de bronze e salpicada de minúsculas pedras preciosas. Em volta, planetas e estrelas giravam em fios de prata.

- Incrível! - repetiu ele.

Nas paredes, constelações feitas de miúdas pérolas fosforescentes se arranjavam em enormes tapeçarias de veludo preto, dando a quem se encontrava no local a impressão de flutuar na vastidão interestelar. Cavaletes gigantescos exibiam esboços imensos da Grande A’Tuin, desenhados de diversas partes da Cercaferência, com todas as poderosas escamas e cada um dos buracos meticulosamente salientados. Duasflor fitava tudo com o olhar perdido.

Rincewind estava bastante perturbado. O que o desorientava mais eram os dois trajes pendurados no meio da sala. O mago os rondava, em desassossego.

As roupas pareciam ser feitas de couro branco e eram cheias de correias, pontas de bronze e outros acessórios um tanto desconhecidos e suspeitos. As pernas terminavam em botas altas, de sola grossa e os braços davam em grandes luvas flexíveis. O mais estranho de tudo eram os enormes capacetes de cobre que obviamente deveriam ser encaixados na gola pesada da vestimenta. Era quase certo que os capacetes não oferecessem muita proteção - uma espada leve não teria nenhuma dificuldade em parti-los, mesmo se não atingisse a ridícula abertura de vidro que ficava na frente. Cada capacete possuía ainda um penacho de plumas brancas no alto que não melhorava o aspecto geral.

O mago começava a ter uma vaga idéia do que os trajes poderiam ser.

Na frente deles, havia uma mesa abarrotada de mapas celestiais e pedaços de pergaminho com figuras. Quem quer que fosse usar as roupas, Rincewind concluiu, esperava ir com bravura aonde nenhum homem - afora os ocasionais marinheiros sem sorte, que não contavam - havia ousado ir. O mago agora tinha não só uma suspeita, também um pressentimento horrível em relação às vestes.

Ele se virou e pegou Duasflor olhando-o com ares de meditação.

- Não... - começou Rincewind, alarmado.

Duasflor o ignorou.

- A deusa disse que dois homens vão ser lançados pela Beira - disse o rapaz, com os olhos brilhando. - E lembra que Tétis falou da necessidade de alguma proteção? Os krullianos resolveram isso. São roupas de armadura espacial.

- Não parecem muito confortáveis - apressou-se em opinar Rincewind, pegando o turista pelo braço. - Então vamos embora, não tem motivo pra gente ficar aqui...

- Por que você está sempre apavorado? - perguntou Duasflor, sem paciência.

- Porque todo o meu futuro acabou de passar diante dos meus olhos e não durou quase nada. Se você não se mexer agora, vou embora sozinho, porque a qualquer momento você vai sugerir que a gente vista...

A porta se abriu.

Dois rapazes fortes entraram na sala. Tudo o que usavam era uma calça de lã. Um deles ainda passava a toalha no corpo, animadamente. Ambos cumprimentaram os dois fugitivos sem nenhuma surpresa aparente.

O mais alto dos homens se sentou num banco, acenou para Rincewind e perguntou:

- ?Vorx sarrt miüu iiyou?

E parecia estranho, porque, embora Rincewind se considerasse um especialista na maioria dos idiomas das áreas ocidentais do Discworld, era a primeira vez que lhe dirigiam a palavra em krulliano e ele não entendeu bulhufas. Nem Duasflor, mas isso não o impediu de dar um passo à frente e tomar fôlego para responder.

A velocidade da luz numa atmosfera mágica como a que cercava o Discworld era bastante lenta, não sendo muito mais rápida do que a do som em universos menos sintonizados. Mas ainda se tratava da coisa mais veloz que havia, à exceção da mente de Rincewind em momentos como esse.

Num instante, o mago percebeu que o turista estava prestes a tentar sua peculiar forma de expressão, que consistia em falar a própria língua alto e devagar.

E jogou o cotovelo para retirar o ar do corpo de Duasflor. Quando o rapaz levantou a cabeça - com dor e assombro - o mago conseguiu lhe prender a atenção e, então, botou uma língua imaginária para fora da boca e a cortou com uma tesoura também imaginária.

O segundo quelonauta - porque tal era a profissão dos homens cujo destino se resumia a viajar até a Grande A’Tuin - ergueu os olhos da mesa de mapas e observou aquilo, intrigado. A testa grande e heróica se franziu com o esforço de falar.

- ?Coëm vorx nàr siux? - perguntou ele.

Rincewind sorriu e fez que sim com a cabeça, puxando Duasflor em sua direção. Com um suspiro interior de alívio, notou que o turista prestava atenção a um grande telescópio de bronze sobre a mesa.

- !Peert dgur! - ordenou o quelonauta sentado.

O mago assentiu, sorrindo, e então tirou um dos grandes capacetes de cobre do cabide e o bateu com toda a força na cabeça do sujeito. O quelonauta caiu para a frente com um grunhido fraco.

O outro homem deu um passo alarmado, mas Duasflor o acertou - com pouco jeito, mas muita eficiência - usando o telescópio. Ele tombou sobre o amigo.

Rincewind e Duasflor se entreolharam por sobre os corpos.

- É isso aí - disse o mago, sabendo que havia perdido algum tipo de briga, sem saber direito qual. - Nem precisa dizer. Alguém lá fora está esperando os caras aparecerem com essas roupas a qualquer momento. Acho que eles pensaram que nós fossemos escravos. Ora me ajude a escondê-los atrás das cortinas e aí, e aí...

- ... é melhor a gente pôr a roupa - acrescentou Duasflor, pegando o outro capacete.

- É - concordou Rincewind. - Sabe, assim que vi as roupas, eu soube que acabaria vestindo uma delas. Não me pergunte como... Acho que é porque era a coisa mais terrível que poderia me acontecer.

- Bem, você mesmo disse que não temos como escapar - argumentou Duasflor, com a voz abafada por ter a parte de cima da veste sobre a cabeça. - Qualquer coisa é melhor do que ser sacrificado.

- Assim que tivermos uma oportunidade, fugiremos - disse Rincewind. - Não me venha com nenhuma idéia.

Ele pegou a roupa e enfiou a cabeça no capacete. Então, ocorreu-lhe que alguém lá em cima o observava.

- Muito obrigado - disse, com amargor.

No extremo da cidade e do país de Krull, havia um enorme anfiteatro semicircular com assentos para algumas dezenas de milhares de pessoas. A arena era apenas semicircular pelo motivo bastante justo de dar vista para o mar de nuvens que subia da Queda da Borda, bem abaixo. Agora todos os lugares se encontravam ocupados e a platéia começava a ficar impaciente. Todos estavam ali com o propósito de assistir a um sacrifício duplo e ao lançamento de uma grande nave espacial de bronze. E, até agora, nenhuma das duas coisas havia acontecido.

O Arquiastrônomo chamou o Controlador de Lançamento.

- Então? - disse, depositando em cinco letras simples todo um repertório de ódio e ameaça.

O Controlador de Lançamento empalideceu.

- Nada ainda, senhor - respondeu ele, acrescentando com uma pontada de animação: - Mas Vossa Eminência ficará contente em saber que Garhartra já está melhor.

- Esse é um fato do qual ele pode vir a se arrepender - retrucou o Arquiastrônomo.

- Sim, senhor.

- Quanto tempo temos?

O Controlador avistou o sol subindo com rapidez.

- Trinta minutos, Vossa Eminência. Depois disso, Krull terá se afastado do rabo de Grande A’Tuin e o Viajante Potente estará fadado a cair no abismo interestelar. Já ajustei os controles automáticos e...

- Está bem, está bem - cortou o Arquiastrônomo. - O lançamento deve prosseguir. E mantenha a vigilância no porto, é claro. Quando aqueles dois forem pegos, eu mesmo quero ter o enorme prazer de executá-los.

- Sim, senhor. É...

O Arquiastrônomo fechou a cara.

- O que mais você tem a dizer?

O Controlador de Lançamento engoliu em seco. Tratava-se de uma grande injustiça, ele era um mágico experiente e não um diplomata, e foi por isso que alguns intelectuais haviam se certificado de que seria ele a dar a notícia.

- Um monstro saiu do mar e está atacando os navios no porto - disse por fim. - Acabou de chegar um mensageiro de lá.

- Um monstro grande? - quis saber o Arquiastrônomo.

- Não exatamente, mas parece que bastante feroz, senhor.

O soberano de Krull e da Cercaferência considerou a questão por alguns instantes e deu de ombros.

- O mar está cheio de monstros - concluiu ele. - É uma de suas características básicas. Resolva isso. E... Controlador de Lançamento?

- Senhor?

- Se eu me chatear mais, lembre-se que duas pessoas estão para ser sacrificadas. Posso ficar generoso e aumentar o número.

- Sim, senhor.

O Controlador de Lançamento se retirou, aliviado por se ver longe do autocrata.

O Viajante Potente, agora sem a casca fosca de quando havia sido retirado do molde alguns dias antes, estava numa armação presa ao alto de uma torre de madeira, no meio da arena. Em frente a ele, uma pista avançava até a Beira e, por alguns metros, dobrava-se de repente para cima.

O falecido Olhos Dourados Dátilos, que havia projetado a superficie de lançamento bem como o próprio Viajante Potente, explicara que esse último toque era somente para garantir que a nave não batesse em nenhuma pedra, no começo de seu longo mergulho. Assim, seria apenas coincidência o fato de que a nave também saltaria como um salmão, por causa dessa pequena sinuosidade no trajeto, e brilharia espetacularmente à luz do sol antes de desaparecer no mar de nuvens.

No limite da arena, ouviu-se o toque de trombetas. O guarda de honra dos quelonautas surgiu e foi ovacionado pela multidão. Em seguida, os próprios exploradores, vestidos de branco, saíram para a luz do dia.

Logo ocorreu ao Arquiastrônomo que havia alguma coisa estranha. Por exemplo, os heróis sempre andavam de uma forma característica, não gingavam como um pato. E não havia dúvida, um dos quelonautas vinha gingando como um pato.

Os gritos de aplauso do povo de Krull eram ensurdecedores. Quando os guardas e os quelonautas atravessaram a arena, passando pelos diversos altares que haviam sido montados para os muitos magos e padres das numerosas seitas de Krull - a fim de garantir o sucesso absoluto do lançamento - , o Arquiastrônomo franziu as sobrancelhas. Assim que o bando atingiu a metade do caminho, o soberano chegou a uma conclusão. No momento em que os quelonautas alcançaram o pé da escada que levava à nave - e havia mais do que um mero sinal de relutância neles -, o Arquiastrônomo já estava de pé, gritando palavras que se perdiam no barulho da multidão. Ele ergueu os braços e abriu os dedos na posição tradicional de jogar feitiços. Qualquer pessoa que soubesse ler lábios e fosse familiarizada com os escritos clássicos sobre magia teria reconhecido as palavras iniciais da Maldição Flutuante de Vestcake e assim teria, prudentemente, tratado de dar o fora.

As palavras finais, porém, não foram ditas. O Arquiastrônomo se virou assustado quando surgiu um rebuliço no grande arco que era á entrada da arena. Guardas vinham correndo para a luz do dia e jogavam espadas longe, fugindo por entre os altares ou pulando o parapeito da arquibancada.

Alguma coisa surgiu atrás deles e a multidão que se encontrava perto da entrada suspendeu os vivas alucinados e começou uma escalada silenciosa e determinada para sair de seu caminho.

A alguma coisa era um amontoado de algas marinhas, movendo-se lentamente, mas com sinistra determinação. Um guarda superou o medo o suficiente para sair de onde estava e atirar uma lança, que atingiu em cheio as algas. A multidão começou a aplaudir - mas mergulhou no silêncio outra vez, quando o negócio seguiu em frente e engoliu o homem inteiro.

O Arquiastrônomo desfez as formas incompletas da famosa Maldição de Vestcake num agito brusco das mãos e disse com rapidez as palavras de um dos mais poderosos feitiços do seu repertório, o Enigma de Combustão Infernal.

Chamas octarinas se espiralavam entre seus dedos, à medida que ele formava a complexa runa do feitiço em pleno ar e a mandava - zunindo e deixando um rastro azul - em direção ao negócio.

Houve uma explosão bem potente, e uma labareda subiu ao céu claro da manhã, desprendendo pedaços de alga marinha queimada. Durante vários minutos, uma nuvem de fumaça escondeu o monstro e, quando enfim se desfez, o amontoado havia desaparecido.

Havia, no entanto, um grande círculo queimado no piso, onde depósitos de cinzas e algas ainda ardiam.

E, no meio do círculo, havia uma arca perfeitamente comum, talvez um pouco grande. Não estava nem chamuscada. Alguém no outro lado da arena começou a rir, mas o som parou de repente quando o baú esticou centenas do que só poderiam ser pernas e se virou para encarar o Arquiastrônomo. É claro que uma arca perfeitamente comum e talvez um pouco grande não tem um rosto com o qual possa encarar, mas não havia sombra de dúvida de que essa estava encarando. Da mesma maneira que o Arquiastrônomo acabou por entender isso, também percebeu que a arca perfeitamente normal estava, de um modo indescritível, apertando os olhos.

O baú avançou na direção dele. O Arquiastrônomo estremeceu.

- Mágicos! - gritou. - Onde estão meus mágicos?

Ao redor da arena, homens de rosto pálido surgiram detrás de altares e debaixo de bancos. Um dos mais corajosos, vendo a fisionomia do Arquiastrônomo, ergueu um braço trêmulo e arriscou um raio precipitado, que atingiu a arca numa chuva de centelhas brancas.

Foi o sinal para que cada mágico, bruxo e taumaturgo de Krull se levantasse em fúria e, sob os olhos apavorados do amo, jogasse o primeiro feitiço que lhe passasse na cabeça. Mandingas corriam zunindo pelo ar.

Logo o baú sumia outra vez numa nuvem crescente de partículas mágicas, agitando-se em formas torcidas e inquietantes. Feitiço após feitiço zunia para dentro do pandemônio. Chamas e raios de todas as oito cores saíam da coisa que agora se encontrava onde a arca estivera. Desde as Guerras Mágicas, não se via tanta magia concentra da numa pequena área. O próprio ar tremia e brilhava. Feitiços se entrechocavam, criando enlouquecidas bruxarias de curta duração cujas breves vidas eram tão esquisitas quanto desgovernadas. As pedras logo abaixo entortaram e se partiram. Uma delas, verdade seja dita, acabou se transformando em algo que fazemos melhor em não descrever e fugiu para uma dimensão funesta. Outros efeitos estranhos começaram a se manifestar. Uma chuva de pequenos quadrados de chumbo caía do grande vendaval levantado e rolava pelo chão. Espectros sobrenaturais falavam e gesticulavam obscenidades. Triângulos de quatro lados e círculos com duas pontas existiram por um momento, até voltarem à ressonante e progressiva torre de magia em estado natural que borbulhava sobre o piso derretido e se alastrava por Krull. Já não importava que a maioria dos bruxos tivesse parado de jogar feitiços e fugido - a coisa agora se alimentava do fluxo de partículas octarinas, que eram sempre mais abundantes perto da Beira do Discworld. Na ilha de Krull, todas as atividades mágicas se viram de repente abortadas, uma vez que o maná disponível na área era sugado para a nuvem - que já subia meio quilômetro e fluía para os lados em formas apavorantes. Hidrofóbicos voando em discos caíram no mar, poções mágicas se transformaram em simples água suja e espadas mágicas derreteram e se derramaram das bainhas.

Nada disso, porém, impediu que a coisa na base da nuvem - agora brilhando como um espelho por causa da força intensa que a cercava - avançasse, inflexível, em direção ao Arquiastrônomo.

Abismados, Rincewind e Duasflor observavam da torre de lançamento do Viajante Potente. O grupo de honra já havia debandado, deixando armas espalhadas pelo caminho.

- Bem - lamentou Duasflor. - Lá se vai a Bagagem.

O rapaz suspirou.

- Fique tranqüilo - disse Rincewind. - A madeira sábia de pereira é completamente impermeável a qualquer forma conhecida de magia. É feita para seguir o dono em qualquer lugar. Quer dizer, quando você morrer, se for para o Céu, pelo menos vai ter um par de meias limpas na eternidade. Mas eu não quero morrer, então que tal dar o fora?

- Para onde? - perguntou Duasflor.

Rincewind pegou uma balista e algumas setas.

- Para qualquer lugar que não seja aqui - respondeu.

- E a Bagagem?

- Não se preocupe. Quando o vendaval gastar toda a magia disponível nas redondezas, vai sumir.

De fato, isso já estava começando a acontecer. A nuvem convulsa ainda pairava ali, mas agora tinha um aspecto frágil e inofensivo. Duasflor ainda observava, quando o negócio começou a bruxulear com inconstância, a enfraquecer.

Logo não passava de um fantasma pálido. E já se podia ver a Bagagem através das labaredas praticamente invisíveis. À volta, as pedras - que esfriavam rápido - começaram a se partir.

Duasflor chamou a Bagagem. A arca suspendeu a marcha obstinada pelo pavimento em ruína e pareceu ouvir com atenção. Depois, movendo dezenas de perninhas num arranjo intrincado, virou-se e seguiu para o Viajante Potente. Rincewind observava de mau humor. A Bagagem tinha natureza instintiva, ausência absoluta de cérebro, postura homicida diante de qualquer coisa que ameaçasse o dono e o mago não estava bem certo se o interior ocupava a mesma estrutura de espaço-tempo que o exterior.

- Nem um arranhão! - exclamou Duasflor, com alegria, quando a arca se prostrou diante dele.

O rapaz abriu a tampa.

- Ótima hora para mudar a roupa de baixo - ironizou Rincewind. - Daqui a pouco, todos aqueles padres e guardas vão voltar e vão estar zangados.

- Água sussurrou Duasflor. - A arca está cheia de água!

Rincewind olhou de soslaio. Não havia nenhum sinal de roupas, sacos de dinheiro ou qualquer outro pertence do turista. A arca estava cheia de água.

Uma onda brotou do nada e se atirou sobre a borda. Caiu no pavimento, mas, em vez de se espalhar, tomou a forma de um pé. Outro pé e a parte de baixo de duas pernas apareceram em seguida, à medida que a água escorria como se enchesse um molde invisível. Um instante depois, Tétis, o troll marinho, estava diante deles, piscando os olhos.

- Ah, sim - disse afinal. - Vocês dois. Acho que eu nem devia ficar surpreso.

O troil olhou à volta, ignorando as fisionomias assustadas.

- Eu estava no lado de fora da cabana, vendo o pôr-do-sol, quando esse troço surgiu correndo da água e me engoliu - contou ele. - Achei muito estranho. Que lugar é esse?

- Krull - respondeu Rincewind.

O mago encarou a Bagagem, que agora estava fechada, demonstrando ares de orgulho. Engolir gente era uma coisa que fazia com freqüência, mas, sempre que a tampa se abria depois, não havia nada além da roupa suja de Duasflor. Rincewind abriu a tampa com violência. Não havia nada além da roupa suja de Duasflor. Perfeitamente seca.

- Ora, vejam só - disse Tétis.

Ele olhou para cima.

- Ei! - gritou. - Essa não é a nave que vão mandar pela Beira? Não é? Deve ser!

Uma flecha atravessou seu peito, provocando uma leve ondulação. O troll não pareceu notar, mas Rincewind, sim. Soldados começavam a aparecer no outro lado da arena e alguns vigiavam as entradas.

Outra flecha bateu na torre, atrás de Duasflor. A essa distância, as setas não tinham muita força, mas seria só uma questão de tempo até...

- Rápido! - disse Duasflor. - Para a nave! Ninguém vai se atrever a atirar nela!

- Eu sabia que você ia sugerir isso - reclamou Rincewind. - Sabia!

O mago mirou um chute na Bagagem. A arca recuou alguns centímetros e abriu a tampa, ameaçadora.

Uma lança descreveu um arco no céu e atingiu a estrutura de madeira, perto da orelha do mago. Ele soltou um grito e correu pela escada, atrás dos outros.

Flechas zuniam no ar, conforme eles avançavam pela estreita passarela que se estendia ao alto do Viajante Potente. Duasflor ia na frente, correndo com o que Rincewind imaginava se tratar de excesso de emoção reprimida.

Em cima da nave, bem ao meio, havia uma portinhola fechada com ferrolho. O troll e o turista se ajoelharam e começaram a tentar abri-la.

No coração do Viajante Potente, fazia algumas horas que uma areia fina vinha se despejando numa taça especialmente desenhada. Agora, a taça dispunha da quantidade exata para se abaixar e desequilibrar um bem equilibrado peso. O peso se deslocou, puxando o pino de um pequeno mecanismo complicado. Uma corrente começou a se mover. Houve um estalo...

- O que foi isso? - alarmou-se Rincewind.

Ele olhou para baixo. A saraivada de flechas havia se interrompido. O grupo de padres e soldados estava parado, fitando a nave com atenção. Um homem baixo, mostrando-se preocupado, tentava abrir caminho pela multidão e, então, gritou algo.

- O que foi o quê? - perguntou Duasflor, entretido com uma porca.

- Achei ter ouvido alguma coisa - respondeu Rincewind. - Prestem atenção - acrescentou ele. - Vamos ameaçar destruir a nave se não nos deixarem ir embora, combinado? É só o que vamos fazer, está bem?

- Está - respondeu Duasflor, distraído.

O rapaz voltou a se sentar sobre os calcanhares.

- Pronto - disse ele. - Já deve dar para abrir.

Agora, vários jovens musculosos subiam a escada da nave. Rincewind reconheceu entre eles os dois quelonautas - trazendo espadas.

- Eu... - começou o mago.

A nave deu uma guinada. Então, com incomensurável lentidão, começou a se mover no trilho.

Nesse momento de horror absoluto, Rincewind se deu conta de que Duasflor e Tétis haviam conseguido abrir a portinhola. Uma escada de metal interna conduzia à cabine. O troll já desaparecera por ela.

- Temos que saltar - sussurrou Rincewind.

Duasflor olhou para ele com um estranho sorriso abestalhado.

- Estrelas - disse o turista. - Mundos. Todo o céu cheio de mundos. Lugares que ninguém nunca vai ver. A não ser eu.

O rapaz avançou pela portinhola.

- Você está completamente doido - objetou Rincewind com a voz rouca, tentando se equilibrar à medida que a nave acelerava.

O mago se virou quando um dos quelonautas tentou saltar o buraco que havia entre a torre e o Viajante, caiu na lateral arredondada da nave, debateu-se por uns instantes à procura de apoio, não achou nenhum e despencou com um grito agudo.

Agora o Viajante seguia com maior rapidez. Acima da cabeça de Duasflor, Rincewind via o mar de nuvens iluminado pelo sol e a impossível Borda-Íris, pairando assustadoramente mais além e chamando os tolos a se aventurarem longe demais...

Também viu um grupo de homens subir nos locais mais baixos da ladeira de lançamento e botar um pedaço grande de madeira no trilho, numa tentativa alucinada de descarrilar a nave antes que desaparecesse pela Beira. As rodas bateram ali, mas o único efeito foi fazer o Viajante balançar, Duasflor soltar a mão da escada e cair na cabine e a portinhola se fechar com o som terrível de uma dúzia de ferrolhinhos voltando para os devidos lugares. Rincewind se abaixou, gemendo, e lutou com os trincos.

Agora o mar de nuvens já se encontrava muito mais próximo. A própria Beira, um perímetro rochoso da arena, estava alarmantemente perto.

Rincewind se levantou. Só havia uma coisa a fazer e foi o que fez. Mergulhou num pavor absoluto, enquanto a nave chegava à pequena rampa e saltava, brilhando como um salmão, para o céu, além da Beira.

Alguns segundos mais tarde, houve um barulho de pés pequenos e a Bagagem transpunha a Borda do mundo - as pernas ainda a se sacudirem com determinação - e mergulhava no universo.

 

O FIM

Rincewind acordou e tremeu. Estava morrendo de frio.

Então é isso, pensou ele. Quando morremos, vamos para um lugar frio, úmido e nevoento. Hades, onde a triste alma dos Mortos vagueia para todo o sempre por brejos sombrios, com luzes moribundas bruxuleando no círculo... Espere um pouco...

Hades, com certeza, não era tão desconfortável. E, de fato, o mago estava muito incomodado. As costas ardiam por causa de um galho que o espetava por trás, os braços e as pernas doíam com vários cortes de ramos e, a julgar pela sensação na cabeça, fazia pouco tempo que alguma coisa dura a havia atingido. Se aquilo ali fosse Hades, sem dúvida era um inferno... Espere um pouco...

Árvore. O mago se concentrou na palavra que brotou em sua mente, embora o zumbido no ouvido e as luzes piscantes na frente dos olhos fizessem disso uma façanha surpreendente. Arvore. Coisa de madeira. Era isso. Ramos, galhos e tal. E Rincewind, deitado ali. Árvore. Molhada e gotejante. Nuvens brancas e frias à volta. Embaixo também. Era estranho.

Ele estava vivo e cheio de feridas, deitado na arvorezinha que crescia na greta de uma rocha a se projetar pela muralha branca e espumante que era a Queda da Borda. A realidade lhe veio ao pensamento como um martelo gelado. O mago estremeceu. A árvore soltou um estalo em advertência.

Alguma coisa azul e indistinta passou por ele, afundou com rapidez nas águas estrondosas e logo voltou, pousando num galho próximo à sua cabeça. Era um pássaro pequeno com um tufo de penas verdes e azuis. O animal engoliu o peixinho prateado que havia conseguido na Queda e observou o mago com curiosidade.

Rincewind se deu conta de que havia muitos pássaros semelhantes ao redor.

Os animais voavam, subindo e descendo pela cortina de água e, com freqüência, um deles levantava um jato extra ao roubar outro petisco da cachoeira. Vários se encontravam empoleirados na árvore. Eram brilhantes como pedras preciosas. Rincewind estava maravilhado.

Na verdade, era o primeiro homem a ver os borda-pescadores, os pássaros minúsculos que, havia muito tempo, tinham desenvolvido um estilo de vida bastante singular até mesmo para os padrões do Discworld. Muito antes de os krullianos construírem a Cercaferência, os borda-pescadores haviam criado um eficiente método próprio de vigiar a beira do mundo, fazendo disso meio de subsistência.

As aves não pareciam se incomodar com Rincewind. O mago teve uma visão breve mas apavorante de viver o resto da vida naquela árvore, alimentando-se de pássaros crus e também dos peixes em que conseguisse deitar as mãos.

A árvore se mexeu de modo considerável. Rincewind soltou um gemido ao se ver escorregando de costas, mas agarrou um ramo. Só que, mais cedo ou mais tarde, acabaria dormindo...

Houve uma mudança sutil na paisagem, uma leve coloração arroxeada no céu. Um vulto alto de manto negro flutuava ao lado da árvore. Tinha uma foice na mão. O rosto estava oculto pelas sombras do capuz.

- VIM POR VÓS - disse a boca escondida, em tons pesados como a pulsação de uma baleia.

O tronco da árvore deu outro estalo. E, quando uma raiz se soltou da rocha, Rincewind bateu com o capacete num cascalho.

Era sempre o próprio Morte que ceifava os magos.

- Vou morrer de quê? - perguntou Rincewind.

O vulto hesitou.

- O QUÊ? ele disse.

- Bem, eu não quebrei nada nem me afoguei, então do que vou morrer? A pessoa não pode ser simplesmente abatida pelo Morte. Tem que haver um motivo - alegou Rincewind.

Para sua surpresa, ele não estava mais apavorado. Pela primeira vez na vida, não tinha medo. Era uma pena que a experiência não desse mostras de que fosse durar.

Morte pareceu chegar a uma conclusão.

- VOCÊ PODE MORRER DE PAVOR - entoou o vulto encapuzado.

A voz ainda apresentava a mesma ressonância sepulcral, mas havia um leve tom de incerteza.

- Não vai funcionar - alegou Rincewind, cheio de presunção.

- NÃO PRECISA TER MOTIVO - anunciou Morte. - POSSO APENAS MATÁ-LO.

- Ei, não pode fazer isso! E assassinato!

O vulto suspirou e tirou o capuz. Em vez da fisionomia sorridente de Morte, Rincewind se pegou olhando para o rosto pálido e um pouco transparente de um demônio - chinfrim - bastante preocupado.

- Estou fazendo confusão, não estou? - perguntou ele, chateado.

- Não é o Morte! Quem é você? - gritou Rincewind.

- Escrófula.

- E...

- Morte não pôde vir - explicou o demônio, com tristeza. - Tem uma peste em Pseudópolis. Ele teve que assolar as ruas da cidade. Então me mandou vir aqui.

- Ninguém morre de escrófula! Tenho meus direitos. Sou mago!

- Está bem, está bem. Seria a minha grande oportunidade - lamentou Escrófula. - Mas olhe desse jeito: se eu der um golpe com a foice, você vai estar tão morto quanto estaria se o Morte tivesse dado. E quem ficaria sabendo?

- Eu ficaria sabendo! - rebateu Rincewind.

- Não. Você estaria morto - argumentou Escrófula, de maneira lógica.

- Dê o fora! - exigiu Rincewind.

- Está tudo bem - disse o demônio, levantando a foice. - Mas por que não tentar ver as coisas do meu ponto de vista? Significa muito para mim e você tem que admitir que a sua vida não é lá maravilhosa. A reencarnação só pode ser um avanço... OPS...

A mão correu para a boca, mas Rincewind já apontava um dedo trêmulo para ele.

- Reencarnação! - alegrou-se. - Então é verdade o que dizem os místicos!

- Não estou admitindo nada - objetou Escrófula, irritado. - Foi um lapso. Agora... você vai morrer por bem ou não?

- Não - respondeu Rincewind.

- Como queira - retrucou o demônio.

Ele ergueu a foice. O instrumento desceu zunindo com bastante competência, mas Rincewind não se encontrava mais ali. Na verdade, o mago estava a vários metros abaixo, e a distância aumentava a cada instante, porque o galho havia escolhido aquele momento para se partir e mandá-lo em viagem ininterrupta para o abismo interestelar.

- Volte! - berrou o demônio.

Rincewind não respondeu. Avançava de bruços pelo ar, olhando as nuvens que já começavam a se desvanecer.

Elas sumiram.

Embaixo de Rincewind, o universo inteiro cintilava. Ali estava a Grande A’Tuin, imensa, grave e cheia de crateras. Ali estava a pequena lua do Discworld. Havia um brilho distante que só poderia ser o Viajante Potente. E lá estavam todas as estrelas, parecendo diamante em pó esparramado em veludo preto... as estrelas que seduziam e acabavam chamando os mais audaciosos para si...

Toda a Criação esperava Rincewind cair.

E ele caiu.

Não parecia haver alternativa.

 

                                                                                            Terry Pratchett

 

                      

O melhor da literatura para todos os gostos e idades