Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

  

 

Planeta Criança



Poesia & Contos Infantis

 

 

 


A TERRORISTA / Doris Lessing
A TERRORISTA / Doris Lessing

 

 

Biblioteca Virtual do Poeta Sem Limites

 

 

A TERRORISTA

 

A casa ficava afastada da barulhenta rua principal, no que parecia ser uma área sem valor. Uma casa grande. Sólida. Telhas pretas se projetavam sobre a calha, e de uma falha junto à base de uma chaminé gorda um pássaro voou, carregando em sua esteira um pedaço de relva que tinha várias vezes o seu tamanho.

Eu diria que a construção é de 1910 — comentou Alice. — Repare como as paredes são grossas.

Era o que se podia perceber pela janela quebrada logo aci­ma deles, no segundo andar. Ela não obteve resposta, mas isso não a impediu de tirar a mochila, deixando-a cair sobre um ta­pete vivo de urtigas, que tentava digerir latas enferrujadas e co­pos de plástico. Deu um passo para trás, a fim de ter uma vista melhor do telhado. O movimento fez com que Jasper entrasse em seu campo de visão. Como ela já esperava, seu rosto assumira uma expressão crítica, com a intenção de ser notado. Por sua vez, não precisava que Jasper lhe dissesse que ela estava exi­bindo sua cara, que ele descrevia como tola.

Pare com isso — ordenou ele.

Jasper estendeu a mão bruscamente e agarrou-a pelo pulso, com toda a firmeza. Doeu. Alice fitou-o, sem qualquer desafio, mas confiante, e disse:

Será que vão nos aceitar?

E, como ela já previa, Jasper respondeu:

Toda a questão é saber se nós vamos aceitá-los.

Ela resistira ao teste, a dor que se irradiava pelo osso, e Jas­per largou seu pulso, encaminhando-se para a porta. Era uma porta sólida e segura, numa pequena rua transversal, repleta de jardins suburbanos e confortáveis casas similares. Não tinham telhas faltando e janelas quebradas.

Por quê, por quê, por quê? — indagou Alice, furiosa, endereçando a pergunta provavelmente ao próprio universo, com o coração transbordando de angústia por causa da casa ampla, bela e desamada.

Arrastando a mochila pela alça, foi se juntar a Jasper na porta da frente.

Uma questão de lucro, é claro — disse ele, apertando o botão da campainha, que não tocou.

Jasper deu um empurrão brusco na porta e os dois entra­ram num vestíbulo grande e escuro, do qual subia uma escada, que virava num patamar largo e depois continuava a se elevar, até onde a vista não podia alcançar. Um lampião colocado no chão, a um canto, fornecia toda a iluminação do local. De uma sala ao lado vinha o som de um suave tamborilar. Jasper foi abrir a porta. As janelas estavam tapadas por cobertores, não deixan­do entrar qualquer claridade. Um jovem negro levantou os olhos de sua família de tambores, as faces e os dentes brilhando à luz da vela.

Oi — disse ele, todos os dedos das mãos e os pés em ação, de tal forma que parecia estar dançando sentado ou talvez fosse alguma espécie de aparelho de ginástica.

Aquele negro risonho e jovial, que parecia um anúncio de férias maravilhosas no Caribe, afetou o órgão de credibilidade de Alice com um tom de falsidade. Ela compôs um pequeno memorando para si mesma, dizendo para não esquecer a primeira impressão de ansiedade ou até pesar, que era a verdadeira mensagem que seus nervos recebiam do negro. E descobriu-se prestes a dizer: "Está tudo bem, está tudo bem, não precisa se preocupar!" Mas, enquanto isso, Jasper estava perguntando:

Onde está Bert?

O jovem deu de ombros, indiferente, ainda sorrindo e não parando por um instante sequer o vigoroso ataque aos instrumentos. Jasper segurou Alice pela parte superior do braço, aper­tando com força, e levou-a de volta ao vestíbulo, onde ela comentou:

Este lugar fede.

Imagino que você vai dar um jeito nisso — disse ele, no seu desajeitado modo apaziguador, que Alice sabia ser uma manifestação intencional de amor.

Sentindo a vantagem, ela tratou de dizer, no mesmo instante:

Não se esqueça de que você tem vivido na moleza nos últimos quatro anos. Não vai achar nada fácil depois disso.

Não me chame de mole — disse ele, chutando-a no tornozelo.

Não com força, é claro, mas apenas o suficiente para ela sentir.

Dessa vez Alice seguiu na frente e abriu uma porta que julgava ser a da cozinha. A luz iluminou a desolação. Pior do que isso, o perigo: deparou com fios de eletricidade arrancados das paredes e espalhados por toda parte, desencapados. O fogão es­tava caído de lado no chão. As janelas quebradas permitiam a passagem da água da chuva, que se acumulava em poças por to­da parte. Havia um passarinho morto no chão. O cheiro era horrível. Alice começou a chorar, de pura raiva.

Filhos da puta! — murmurou ela. — Fascistas nojentos e asquerosos!

Eles já sabiam que a prefeitura, a fim de evitar a possibilida­de de estranhos invadirem a casa e se instalarem, havia enviado operários para tornar o lugar inabitável.

Eles nem mesmo deixaram esses fios seguros. Nem mesmo...

Subitamente cheia de energia, Alice virou-se e começou a abrir portas. Dois banheiros naquele andar, os vasos obstruídos com cimento. Ela continuou a murmurar imprecações, as lágrimas escorrendo pelas faces.

Os porcos de merda, os fascistas escrotos...

Era ódio que lhe proporcionava toda aquela energia. Esta­va completamente incrédula, porque nunca fora capaz de acreditar, em algum canto de sua mente, que alguém, ainda mais um membro das classes operárias, pudesse obedecer a uma or­dem para destruir uma casa. Nesse canto de seu cérebro, em que reinava uma incredulidade perpétua, começou o monólo­go que Jasper nunca ouvia, pois não o teria autorizado: "Mas eles são pessoas. Foram pessoas que fizeram tudo isso. Para im­pedir outras pessoas de viver. Não posso acreditar. Quem po­deriam ser? Como será que são? Jamais conheci alguém que pudesse fazer uma coisa assim. Ora, devem ter sido pessoas co­mo Len, Bob e Bill, amigos. Eles fizeram isso. Vieram aqui e encheram os vasos com cimento, arrancaram todos os fios, blo­quearam o gás".

Jasper estava parado, observando-a. Sentia-se satisfeito. Aquela fúria de energia banira sua cara, a expressão de Alice que ele tanto detestava, quando toda ela parecia inchada e brilhando, como se não apenas o rosto mas o corpo inteiro se enchesse de lágrimas, que vertiam de todos os poros.

Sem consultá-lo, ela subiu correndo a escada. Jasper seguiu-a, devagar, ouvindo-a bater nas portas e depois, como não houvesse resposta, abrindo-as bruscamente. Ali, no segundo andar, havia a ordem, não o caos. Cada quarto tinha sacos de dormir, um, dois ou três. Velas ou lampiões. Cadeiras com mesinhas. Livros. Jornais. Mas nenhuma pessoa à vista.

O cheiro no andar era forte. Vinha lá de cima. Subiram ainda mais devagar a escada generosamente larga e se confrontaram com um fedor que levou Jasper a ter uma momentânea ânsia de vômito. O rosto de Alice manteve-se firme e orgulhoso. Ela abriu uma porta para um cenário de baldes de plástico com mer­da até a borda. Mas parecia que aquele quarto fora considerado devidamente cheio e haviam iniciado o processo no que ficava ao lado. Cerca de dez baldes vermelhos, amarelos e laranja esta­vam reunidos ali, esperando.

Havia outros cômodos naquele andar, mas nenhum era usa­do. Nem poderia, tão forte era o cheiro.

Eles desceram em silêncio, observando onde pisavam, pois havia detritos por toda parte e era mínima a claridade que entrava pelas janelas sujas.

Não estamos aqui para ter conforto — declarou Jasper, antecipando-se a qualquer comentário de Alice. — Não é para isso que viemos.

Ela comentou:

Não entendo como alguém pode optar por viver assim, quando é tão fácil dar um jeito.

Agora ela parecia apática, esvaziada, extinta toda a incandescência do acesso de fúria.

Jasper preparou-se para iniciar um discurso sobre as suas inclinações burguesas, mas a porta da frente abriu-se antes que tivesse tempo de começar. Um vulto de aparência militar delineou-se contra a luz do sol.

Bert! — exclamou ele, descendo o resto da escada de três em três degraus. — Bert! Sou eu, Jasper...

Alice pensou maternalmente, escutando aquela voz tão ale­gre: E por causa da porra do seu pai. Mas isso era parte de suas reflexões particulares, já que Jasper obviamente não lhe conce­dia o direito de acalentar tais pensamentos.

Jasper — reconheceu Bert, erguendo os olhos em segui­da para fitá-la, na semi-escuridão.

Alice... como eu lhe contei — murmurou Jasper.

Camarada Alice — disse Bert, a voz brusca, firme e pu­ra, insistindo nos padrões.

A voz de Jasper acompanhou o ritmo quando ele informou:

Acabamos de chegar. Não havia a quem nos apresen­tarmos.

Falamos com o cara que está lá dentro — comentou Ali­ce, terminando de descer a escada e indicando a sala de onde vinha o tamborilar suave.

Ah, Jim... — murmurou Bert, desdenhosamente.

Encaminhou-se para uma porta que os dois não haviam inspecionado e abriu-a com um pontapé, já que não tinha maçane­ta; entrou na sala, sem olhar para verificar se eles o seguiam.

Era uma sala quase normal. Com a porta fechada, dava até para imaginar que era a sala de estar de uma casa comum, embora tudo ali — cadeiras, um sofá, o tapete — estivesse sujo e encardido. O mau cheiro parecia quase excluído, mas Alice ti­nha a sensação de que uma película invisível de fedor grudara em tudo e o contato seria escorregadio, se seus dedos encostas­sem em qualquer coisa.

Bert parou, empertigado, um pouco inclinado para a fren­te, observando-a. Mas Alice sabia que ele não a via. Era more­no, magro, provavelmente com vinte e oito ou trinta anos. Seu rosto estava coberto por cabelos pretos reluzentes, entre os quais brilhavam a boca vermelha e os dentes brancos. Usava uns jeans novos azul-marinho e um blusão azul-escuro bastante aperta­do, todo abotoado e imaculado. Jasper estava com uma calça de linho azul-clara e uma camisa listrada, como a de um mari­nheiro; mas Alice sabia que em breve ele estaria com roupas como as de Bert, que eram na verdade a sua indumentária habi­tual. Jasper tivera um breve flerte com a frivolidade, por algu­ma influência.

Alice sabia que os dois homens começariam a conversar ago­ra, sem se preocuparem com ela. Contentou-se em ficar zelan­do por seus interesses, enquanto olhava pela janela grande que dava para o jardim, onde detritos de todo tipo se amontoavam até a altura do peitoril. Pardais estavam ocupados na pilha, escavando e procurando. Um pássaro preto estava empoleirado numa caixa de leite, olhando em sua direção. Além dos passari­nhos, avistou um gato descarnado, agachado sob uma hortên­sia, com folhas verdes ainda novas e botões rosa e azuis, que em breve seriam flores. O gato também a observava, com olhos brilhantes e famintos.

Bert foi até um armário e pegou uma garrafa térmica do tamanho de um balde e três canecas.

Quer dizer que tem eletricidade aqui? — perguntou Alice.

Não. Um camarada da rua seguinte enche para mim to­das as manhãs.

Observando a cena com metade de sua atenção, reparou co­mo Jasper olhava para a garrafa térmica e o café sendo servido. Sabia que ele estava morrendo de fome. Por causa da briga com a mãe dela, Jasper saíra da casa furioso, sem comer nada no des­jejum. E não tivera tempo de tomar o café que ela lhe levara. Alice pensou: Esse deve ser o suprimento de Bert para o dia inteiro. Ela indicou que queria apenas metade de uma caneca. E Bert serviu-a exatamente de acordo com sua especificação.

Jasper tomou logo todo o café e ficou olhando para a garra­fa térmica, querendo mais. Bert não notou.

A situação mudou — começou Bert, como se fosse a continuação de alguma reunião anterior. — Minha análise estava incorreta, como se pôde constatar. Subestimei a maturidade po­lítica dos quadros. Quando submeti a questão a votação, a me­tade decidiu contra e saiu daqui imediatamente.

Jasper declarou:

Teriam demonstrado que não mereciam confiança. Boa viagem para todos.

Exatamente.

Qual era a questão? — indagou Alice.

Ela usou a sua "voz de reunião", pois já aprendera que isso era necessário, se queria sair-se bem. Soava-lhe falsa e fria, sempre a deixava constrangida; por causa do esforço que isso exi­gia, ela parecia indiferente, até mesmo distraída. Contudo, seus olhos absorviam a cena à sua frente com firmeza e atenção: Bert olhando para ela, ou melhor, para o que acabara de dizer; Jas­per olhando para a garrafa térmica. Abruptamente, ele não foi mais capaz de se conter e inclinou-se para a garrafa. Bert em­purrou-a em sua direção, murmurando:

Desculpe.

Você sabe qual era a questão — disse Jasper, em tom áspero. — Eu lhe contei. Vamos nos juntar ao IRA.

Está querendo dizer que vocês votaram se deviam ou não se juntar ao IRA?

Por que não procuramos a prefeitura? — indagou Alice, irritada.

Jasper murmurou:

Ela já vai começar mais uma vez...

A porta se abriu e uma moça entrou. Tinha cabelos pretos curtos e brilhantes, cortados com elegância, olhos negros irrequietos, lábios vermelhos e uma pele muito branca. Era firme e reluzente como uma cereja fresca. Olhou atentamente para Bert, Jasper e Alice, que sentiu que estava sendo vista de fato.

Sou Pat — anunciou ela. — Bert me falou sobre vocês dois. — Uma pausa. — São irmãos?

Jasper se apressou em protestar, a voz um tanto áspera:

Não, não somos!

Mas Alice gostava quando as pessoas cometiam o erro e comentou:

Muitas vezes nos tomam por irmãos.

Pat tornou a examiná-los. Jasper ficou nervoso sob a inspe­ção e desviou o rosto, as mãos nos bolsos do casaco, como se tentasse parecer indiferente a um ataque.

Os dois eram louros, com reflexos avermelhados nos cabe­los, que tendiam a se dispor em anéis e mechas. Os de Jasper eram muito curtos, os de Alice um pouco menos curtos, cheios e fáceis de arrumar. Ela mesma os cortava. Ambos tinham pele rosada e sardenta. Os pequenos olhos azuis de Jasper fixavam- se em brancos redondos e rasos, o que lhe dava uma aparência de franqueza, angelical. Era muito magro e usava roupas bem justas. Alice era corpulenta e tinha uma aparência atarracada, informe. Às vezes uma garota de doze anos, até de treze, antes de ser iluminada pela puberdade, mostra-se como será na meia- idade. Um grupo de mulheres está parado na plataforma do me­trô. Mulheres de meia-idade, com sacolas de compras, conver­sando. Mulheres muito baixas, não é? Não. São meninas, de doze anos ou por aí. Quarenta anos sendo mulher vão transcorrer e deixá-las como são agora, corpulentas e cautelosas, ansiosas por agradar.

Alice podia parecer uma garota gorducha e desajeitada ou, às vezes, uma mulher de cinqüenta anos, mas nunca aparentava a sua idade, que era trinta e seis anos. Agora foi a garota quem retribuiu o olhar de Pat, com curiosidade amistosa, através de olhos azul-cinzentos, sob sobrancelhas ruivas.

Já soube que esta pequena e feliz comunidade está se desfazendo? — indagou Pat, encaminhando-se para a janela, a fim de ficar ao lado de Alice.

Ela parecia muito mais velha do que Alice, mas era dez anos mais moça. Ofereceu um cigarro a ela, que foi recusado; fumou o seu com necessidade, vorazmente.

Já, sim, e indaguei: Por que não negociar com a prefeitura?

Ouvi seu comentário. Mas eles preferem a miséria romântica.

Romântica... — repetiu Alice, com evidente desdém.

Alice parecia aturdida. Bert achou que era medo e decla­rou, com um desdém sonoro e frio:

Eles ficaram com o maior cagaço. E fugiram como coe­lhos apavorados.

Alice insistiu:

Como foi formulada a votação?

Depois de uma pausa, Bert respondeu:

Que este grupo deveria procurar a liderança do IRA e oferecer nossos serviços como uma organização sediada na Inglaterra.

Alice digeriu a informação por um momento, parecendo tensa devido ao esforço, pois lhe custava acreditar. Então, comentou:

Mas Jasper me disse que esta casa era da União do Cen­tro Comunista.

Correto. Esta é uma casa ocupada pela UCC.

A liderança da UCC decidiu oferecer todos os seus ser­viços ao IRA? Não consigo entender!

Alice falou com veemência, não de todo em sua voz "polí­tica". Bert respondeu bruscamente, porque estava contrafeito, como ela bem podia perceber:

Não.

Então como pode um setorda UCC oferecer seus servi­ços?

Ela observou nesse momento que Jasper procurava atrair a atenção de Bert com sua expressão de "Não dê importância a ela" e tratou de se antecipar, acrescentando:

Não tem sentido.

De certa forma, você está correta — admitiu Bert. O ponto foi discutido. Ficou combinado que o contato não poderia ser feito como uma representação oficial da UCC, mas seria permitido que um grupo de membros assumisse a iniciativa, co­mo indivíduos associados.

Mas...

Alice perdeu o interesse. Lá vão eles de novo, pensou ela. Fazendo besteira. Tornou a concentrar sua atenção na pilha de lixo um metro além da janela. O pássaro preto desaparecera. O pobre gato farejava pelas beiras da pilha, por onde as moscas zumbiam.

O que se come por aqui? perguntou ela.

Só comida de fora.

O lixo lá fora é um risco para a saúde. Deve haver ratos.

Foi o que a polícia disse.

A polícia?

Estiveram aqui ontem à noite.

Ahn... Então foi por isso que os outros resolveram ir embora.

Não foi, não — garantiu Bert. — Eles foram embora por­que ficaram com cagaço. Por causa do IRA.

O que a polícia disse?

Eles nos deram quatro dias para sair daqui.

É contra a natureza negociar com o sistema — protes­tou Bert.

Quer dizer que esta comuna está se dissolvendo? — perguntou Jasper abruptamente.

Ele parecia tão garotinho que Alice apressou-se em olhar para os outros, a fim de verificar se alguém percebera. A atitu­de fora notada: por Pat, que levava o cigarro aos lábios entre dois dedos, depois afastava, tornava a aproximar, a fim de po­der tragar e soprar a fumaça, tragar e soprar a fumaça. Olhando para Jasper. Fazendo seu diagnóstico.

Alice tratou de falar, o coração invadido por uma ansieda­de suave e familiar, por causa de Jasper:

Não é contra a minha natureza. Já fiz isso várias vezes.

É mesmo? — disse Pat. — Eu também. Onde foi?

Em Birmingham. Éramos sete e procuramos a prefeitu­ra para nos instalar numa casa. Pagávamos as contas de luz, gás e água. Ficamos lá por treze meses.

Bom para você.

E em Halifax fiquei numa casa abandonada com autori­zação da prefeitura durante seis meses. E quando eu vivia em Manchester... no tempo em que estava na universidade... havia uma casa cheia de estudantes, pelo menos uns vinte. Come­çou com uma casa invadida, a prefeitura chegou a um acordo e acabou como pensão estudantil.

Os dois homens limitaram-se a ouvir essa conversa, sua conferência suspensa. Jasper tornou a encher a caneca. Bert indi­cou a Pat que a garrafa térmica estava vazia, mas ela limitou-se a sacudir a cabeça, prestando atenção a Alice.

Por que não procuramos a prefeitura? — indagou Alice, dirigindo-se diretamente a Pat.

Eu faria isso, mas estou indo embora.

Alice reparou que Bert se empertigava, embora continuas­se sentado, furioso e calado. Pat acrescentou para ele:

Eu disse a você ontem à noite que ia embora.

Alice já chegara à conclusão de que o problema era mais do que político. Havia um relacionamento pessoal que estava se rompendo por causa de alguma divergência política! Todos os seus instintos repudiavam tal decisão.

Pensou, involuntariamente: Mas que absurdo deixar que a política interfira em um relacionamento pessoal! Não era assim que ela pensava: não teria resistido, se fosse desafiada. Mas pensamentos similares muitas vezes passavam por sua cabeça. Pat disse a Bert, que estava com o rosto parcialmente desviado:

O que você esperava? Numa reunião ordinária como aquela... dois caras que eram de fora, nada sabíamos a respei­to deles. E também não sabíamos nada sobre o casal que che­gou na semana passada. Jim estava na sala e ele nem mesmo é da UCC. E de repente aquela resolução é submetida a votação.

Não foi de repente.

Quando discutimos antes, resolvemos fazer contatos individuais. Debater o problema com cada um, tomando todas as precauções.

A voz de Pat estava impregnada de desprezo. Ela olhava para seu amante presumivelmente como se ele fosse algo que devia ser jogado logo na lata de lixo.

Seja como for, você mudou de idéia — declarou Bert, os lábios vermelhos brilhando em fúria no meio da barba. Havia concordado que o apoio ao IRA era a posição lógica para esta etapa.

É a única atitude correta — interveio Jasper. A Irlan­da é o fulcro do ataque imperialista.

Não mudei de idéia — protestou Pat. Mas se vou trabalhar com o IRA ou qualquer outra organização, tenho de sa­ber com quem estou operando.

Você não nos conhece lembrou Alice, com uma pon­tada de compreensão angustiada de que ela e Jasper eram parte do motivo do rompimento daquele casal.

Sem ressentimentos disse Pat. Não há nada de pessoal. Mas é verdade. Só ouvi falar de vocês quando Bert contou que se encontrara com Jasper no comício de sábado. E aposto que Bert nem conheceu você.

Não, não conheceu confirmou Alice.

Lamento muito, mas não é assim que se deve agir.

Entendo o seu ponto de vista murmurou Alice.

Silêncio. As duas mulheres continuaram paradas ao lado da

janela, envoltas pela nuvem aromática do cigarro de Pat. Os dois homens estavam sentados em cadeiras, no meio da sala. O ba­rulho parecido com chuva dos tambores de Jim ainda soava no outro lado do vestíbulo. Alice perguntou:

Quantas pessoas restam aqui, agora?

Pat não respondeu, e Bert finalmente informou:

Contando com vocês dois, sete. Uma pausa e ele acrescentou: Não sei sobre você, Pat.

Sabe, sim respondeu ela, ríspida e fria.

Mas os dois estavam agora se fitando, e Alice pensou: Não será fácil eles se separarem. Ela disse:

Se somos sete, então quatro de nós se encontram aqui neste momento. Cinco, se Pat... Onde estão os outros dois? Quero chegar a um acordo para eu poder procurar a prefeitura.

Os vasos estão cheios de cimento, os fios de eletricidade foram arrancados, os canos esmagados disse Bert, em tom de desdém crescente.

Não é difícil endireitar tudo garantiu Alice. Fize­mos isso em Birmingham. A prefeitura deixou a casa em ruínas para que ninguém a ocupasse. Arrancaram os vasos. E todos os canos. Encheram a banheira com cimento. Havia lixo empilhado nos cômodos. Limpamos tudo.

E quem vai pagar? indagou Bert.

Nós.

Com que dinheiro?

Daremos um jeito interveio Pat. Custa muito mais correr de um lado para outro para filar banheiros do que pagar as contas de luz e gás.

E um argumento disse Bert.

E a polícia não ficaria de olho na gente arrematou Alice.

Silêncio. Ela sabia que algumas pessoas e desconfiava de que Bert era assim, mas não Pat lamentariam saber disso. Ado­ravam as confrontações com a polícia. Inesperadamente, Bert declarou:

Se pretendemos desenvolver nossa organização, não va­mos querer a atenção da polícia.

Tem toda a razão concordou Pat. E o que eu sem­pre disse.

Silêncio outra vez. Alice compreendeu que tudo estava agora em suas mãos. E ressalvou:

Só tem um problema. Nesta comunidade eles exigem o nome de alguém para garantir o pagamento das contas de luz e gás. Quem está empregado?

Três dos camaradas que foram embora ontem à noite estavam.

Camaradas! — exclamou Bert. — Uns oportunistas de merda!

Eram bons e honestos comunistas — insistiu Pat. — Acontece apenas que não querem trabalhar com o IRA.

Bert começou a se sacudir numa teatral risada silenciosa, e Jasper acompanhou-o.

Ou seja, estamos todos vivendo da previdência social — comentou Alice.

O que significa que não adianta procurar a prefeitura — acrescentou Bert.

Alice hesitou por um instante, mas acabou dizendo, an­gustiada:

Eu poderia pedir à minha mãe...

Jasper explodiu numa risada rouca, que deixou seu rosto vermelho.

A mãe dela, uma porca burguesa...

Cale essa boca! Estamos vivendo com minha mãe há qua­tro anos — explicou Alice, numa voz ofegante e controlada, que lhe parecia agressivamente fria e hostil. — Quatro anos. Burguesa ou não.

Arranque tudo o que puder da classe média rica — disse Jasper. — Tudo e mais alguma coisa. E assim que eu penso.

Está bem, está bem — murmurou Alice. — Concordo. Mas ela nos sustentou por quatro anos. — Depois, capitulou. — E por que não deveria? Afinal, é minha mãe.

A última frase foi pronunciada em voz débil, trêmula e angustiada.

E isso mesmo — disse Pat, examinando-a curiosa. — Mas não adianta pedir à minha. Há anos que não a vejo.

Muito bem — disse Bert, levantando-se subitamente e in­do se postar na frente de Pat, em atitude de desafio. — Quer dizer que você não vai mais embora?

Precisamos discutir o assunto, Bert — ela se apressou a ressalvar.

Pat se adiantou e parou diante de Bert, fitando-o nos olhos. Ele passou o braço por seus ombros e os dois saíram.

Alice correu os olhos pela sala. Observando tudo. Fora uma sala de estar de uma família. Confortável. A pintura não estava tão ruim assim; as cadeiras e o sofá provavelmente continua­vam nos mesmos lugares em que estavam antes. Havia uma la­reira, que nem mesmo fora tapada.

Vai mesmo pedir à sua mãe? Vai falar com ela para ser nossa fiadora? Jasper parecia desolado. — E quem vai pagar os consertos?

Pedirei aos outros para contribuírem.

E se eles não quiserem? — indagou Jasper sabiamente, partilhando experiência, num momento cordial.

Alguns não vão querer, e sabemos disso. Mas daremos um jeito. Sempre damos, não é?

Mas isso era um apelo muito direto à intimidade, e no mes­mo instante ele recuou para a posição crítica.

E quem vai fazer todo o trabalho?

Era o que ele vinha dizendo há catorze anos. Quinze anos.

Na casa em Manchester que partilhara com quatro outros estudantes, Alice fora a encarregada de tudo, cuidando da cozi­nha e das compras, providenciando a arrumação. Ela adorava. Tirara seu diploma, mas nem mesmo tentara arrumar empre­go. Ainda estava na casa quando chegara a nova leva de estu­dantes, e ficara para cuidar deles. Fora assim que Jasper a conhe­cera, ao aparecer uma noite para o jantar. Ele não era mais es­tudante, formara-se sem qualquer distinção e fracassara em seus esforços meio desanimados para conseguir um trabalho. Perma­necera na casa, não vivendo ali formalmente, mas como um "hóspede" de Alice. Afinal, fora somente graças ao empenho de Alice que a casa se tornara uma pensão estudantil; antes, era uma casa abandonada que fora invadida. E Jasper não ia embo­ra. Alice sabia que ele se tornava extremamente dependente de­la. Mas já naquele tempo e desde então Jasper se queixava de que ela não passava de uma criada, desperdiçando sua vida a ser­vir aos outros. Ao se mudarem de uma casa para outra, de uma comuna para outra, o padrão persistira: ela cuidava de Jasper e ele protestava que as outras pessoas a exploravam.

Ele dissera a mesma coisa até na casa da mãe de Alice:

Ela está apenas explorando você. Obrigando-a a cozinhar e fazer as compras. Por que se sujeita a esse papel?

Agora, Alice anunciou:

Temos quatro dias. Vou começar a agir.

Não olhou para Jasper, passando por ele e saindo para o vestíbulo. Levou sua mochila para a sala em que Jim tocava os tambores e disse:

Fique de olho nisso para mim, camarada. — Ele acenou com a cabeça e Alice acrescentou: — Se eu conseguir permissão da prefeitura para vivermos aqui, você vai contribuir para as despesas?

As mãos se afastaram dos tambores. O rosto redondo e afá­vel assumiu uma expressão de pesar e ele comentou:

Eles dizem que eu não posso ficar aqui.

Por que não?

Só porque não me meto com política. Quero apenas vi­ver. — Uma pausa e Jim acrescentou, em tom de incredulidade: — Mas cheguei aqui primeiro. Antes de qualquer um de vocês. Esta casa era toda minha. Eu a descobri. E disse a todo mundo: Pode vir, cara, pois é o Palácio da Liberdade.

Isso não é justo — concordou Alice.

Eu já estava aqui há oito meses. Isso mesmo, oito meses. A polícia não sabia. Ninguém sabia. Eu me mantinha limpo e cuidava de minha própria vida, mas de repente...

Ele estava chorando. Lágrimas brilhantes escorriam pelas faces negras e pingavam no tambor maior. Limpou-as com o lado da palma.

Continue por aqui e incluirei o problema na agenda da próxima discussão — decidiu Alice.

Ao sair da casa, ela pensava: Todos aqueles baldes de merda lá em cima devem ter sido enchidos por Jim. Ou quase todos. E também pensou: Se eu não mijar, vou acabar estourando... Porém não tinha coragem de subir e usar um daqueles baldes. Foi para o metrô, pegou um trem para uma estação que tinha banheiros decentes e usou-os. Lavou o rosto, escovou os cabelos e foi para a estação da mãe, onde entrou na fila de uma cabi­ne telefônica.

Três horas depois de ter saído da casa a gritar insultos, ela ligou para a mãe.

Oi, mãe. Aqui é Alice.

Silêncio.

Sou eu, Alice.

Uma pausa.

O que você quer?

A voz apática, sem qualquer inflexão. Empenhada na necessidade de superar os obstáculos por conta de todos, Alice disse:

Preciso conversar com você, mamãe. Encontramos uma casa. Eu poderia obter uma licença da prefeitura para ficarmos lá, numa base temporária e controlada... como em Manchester, entende? Mas precisamos de uma pessoa para ser fiadora das contas de luz e gás.

Ela ouviu um murmúrio inaudível e depois:

Não acredito!

Só estamos querendo a sua assinatura, mamãe. Vamos pagar tudo.

Um silêncio, em seguida um suspiro ou um ofego, depois a linha ficou muda.

Alice, agora fervendo com uma raiva intensa, tornou a dis­car. Ficou escutando o barulho da campainha, imaginando a cozinha em que estava tocando, a cozinha grande e aconchegante, as janelas altas e faiscando (ela as limpara na semana passada, com a maior satisfação), a mesa comprida à qual a mãe estava sentada naquele momento, tinha certeza. Depois de cerca de três minutos, a mãe atendeu e disse:

Sei que não vai adiantar, Alice, mas falarei assim mes­mo. Mais uma vez. Tenho de sair daqui. Está me entendendo? Seu pai não quer mais pagar as contas. E não tenho condições de continuar a morar aqui. Terei dificuldades para pagar as minhas próprias contas. Está me entendendo?

Mas você tem uma porção de amigas ricas.

Outro silêncio. Então, Alice começou, em tom maternal, gentil, de quem fazia um sermão:

Por que você não é como a gente, mamãe? Nós partilha­mos o que temos. Ajudamos uns aos outros quando deparamos com problemas. Será que não percebe que seu mundo está liquidado? Os tempos da burguesia rica e egoísta acabaram. Vocês estão condenados...

Não duvido disso — declarou a mãe de Alice, o que redespertou na filha o sentimento de mais pura afeição, pois lá estava outra vez o tom de ironia familiar e confortador, desapa­recendo a horrível apatia e o vazio. — Mas você precisa com­preender que seu pai não está mais disposto a partilhar seus ganhos indecorosos com Jasper e todos os amigos dele.

Pelo menos ele está disposto a reconhecer que são indecorosos.

Um suspiro.

Vá embora, Alice — disse a mãe. — Simplesmente suma. Não quero mais vê-la. Não quero ter notícias suas. Procure com­preender que não pode dizer às pessoas as coisas que me falou esta manhã e depois aparecer como se nada tivesse acontecido, com um sorriso jovial, pedindo mais um favor.

A linha ficou muda.

Alice estava atordoada com o choque. Sua cabeça transbordava com sombras e luzes estonteantes. Alguém atrás dela na fila disse:

Se já acabou...

O homem empurrou-a para o lado e começou a discar.

Alice deixou a estação e ficou vagueando a esmo pela área ao redor, agora cercada por ferro corrugado. Até bem pouco tempo atrás ali funcionara uma feira livre, com incontáveis pes­soas vendendo e comprando. Ela própria se instalara ali no ve­rão passado; primeiro vendera bolos, biscoitos e doces, depois sopa quente e sanduíches. Comida apropriada, tudo de trigo in­tegral e açúcar mascavo, legumes cultivados sem inseticidas. E tudo preparado na cozinha da mãe. Mas depois a prefeitura fe­chara a feira. Para construir mais um de seus enormes prédios, aqueles porras daqueles elefantes brancos que ninguém queria, a não ser as pessoas que ganhavam lucros fabulosos com a cons­trução. Corrupção por toda parte. Chorando alto, debulhada em lágrimas, Alice passou cambaleando para o outro lado da cerca de ferro, como uma cerca de campo de concentração; e pensar que ainda no verão passado...

Um apito soou estridentemente. Alguma fábrica... uma hora da tarde. E ela ainda não fizera coisa alguma... Parada nos degraus compridos e rasos que levavam à biblioteca públi­ca, enxugou os olhos e fez com que olhassem para fora e não mais para dentro. Era um lindo dia. O sol estava brilhando. Nu­vens brancas corriam pelo céu, e o azul parecia deslumbrante e promissor.

Voltou à cabine telefônica na estação de metrô e ligou para o escritório do pai, pela linha particular.

Ele atendeu no mesmo instante.

Aqui é Alice.

A resposta é não.

Nem sabe o que eu ia dizer.

Pode falar.

Quero que seja o fiador das contas de luz e gás de uma casa abandonada que pretendemos ocupar.

Não.

Ela desligou, a ira ardente voltando. Sua energia levou-a pa­ra a rua. Subiu a avenida até um prédio grande, um pouco recuado, com alguns degraus. Foi até a porta e ficou apertando a campainha até que uma voz de mulher, não a que esperava, disse:

Sí?

Puta merda, a empregada! — exclamou Alice. — Onde está Theresa?

Está trabalhando.

Deixe-me entrar.

Alice empurrou a porta ao som da campainha, quase caiu ao entrar no saguão, subiu quatro lances de escada atapetados até uma porta em que uma mulher morena, baixa e atarracada, a esperava.

Quero entrar — disse Alice, com veemência, empurrando-a para o lado.

A espanhola não disse nada, apenas ficou parada, atordoa­da, tentando encontrar as palavras certas.

Alice foi para a sala de estar em que estivera tantas vezes com sua amiga Theresa, sua amiga desde que ela, Alice, nascera, a gen­til e adorável Theresa. Uma sala grande, tranqüila e ordenada, as janelas grandes dando para os jardins... Parou, ofegando. Vou arrancar esses quadros e vender, pensou. Vou levar esses pe­quenos netsukes.Quanto será que valem? Vou quebrar tudo...

Alice pegou o telefone e ligou para o escritório. Theresa estava em reunião.

Chame-a — ordenou ela. — Imediatamente. E uma emergência. Avise que é Alice.

Ela não tinha a menor dúvida de que Theresa atenderia, e foi o que aconteceu.

O que foi, Alice? Qual é o problema?

Quero que seja a fiadora de uma casa abandonada que pretendemos ocupar. Não, não precisa pagar nada. Quero apenas a sua assinatura.

Estou no meio de uma reunião, Alice.

Estou cagando para a sua reunião. Quero que você seja a fiadora de nossas contas de luz e gás.

Você e Jasper?

Isso mesmo. E mais alguns outros.

Lamento, minha cara, mas a resposta é não.

Qual é o problema com Jasper? Por que você está se comportando assim? Por quê? Ele é tão bom quanto você.

Theresa declarou, calma e jovial como sempre:

Não, Alice, ele não é tão bom quanto eu. Muito ao contrário. E justamente esse o problema. Mas eu posso lhe dar cin­qüenta libras, se quiser aparecer.

Já apareci. Estou no seu apartamento. Mas não quero o seu dinheiro nojento.

Sendo assim, minha cara, lamento muito.

Você gasta cinqüenta libras num vestido. Numa refeição.

E você partilhou a última refeição, não é? Mas já chega dessa bobagem. Desculpe, estou muito ocupada. Todos os com­pradores estão aqui.

Não tem nada de bobagem. Quando você me viu gastar cinqüenta libras numa refeição? Se minha mãe quer gastar cin­qüenta libras de comida com todas aquelas suas amigas ricas escrotas e eu cozinho, isso não significa...

Se você quiser aparecer para conversar esta noite, Alice, será bem-vinda. Mas terá de ser bem tarde, pois ficarei trabalhando pelo menos até as onze horas.

Você... você... você não passa de uma rica de merda — murmurou Alice, subitamente apática.

Desligou e já se preparava para ir embora quando se lem­brou de uma coisa. Foi ao banheiro e se aliviou, tornou a lavar o rosto, com todo o cuidado, escovou os cabelos. Estava com fome. Foi para a cozinha e preparou um sanduíche reforçado. Lisa seguiu-a e ficou parada à porta, observando, de mãos cruzadas sobre o cabo de um espanador, como em oração. Um rosto moreno, paciente, cansado. Sustentava a família em Valencia, dissera a Theresa. Ficou olhando Alice comer o salame e o pa­tê com grossas fatias de pão. E continuou a olhar enquanto Alice inspecionava a geladeira e tirava uma sobra de arroz tem­perado, que comeu com uma colher, de pé. Ao se retirar, Alice disse:

Ciao.

Ouviu a resposta enquanto saía:

Buenos dias, senorita.

Havia alguma coisa naquela voz, um tom de crítica, que tornou a atear a raiva de Alice. Desceu correndo a escada e saiu para a rua.

Já passava de duas horas da tarde.

Seus pensamentos turbilhonavam. Jasper... por que eles o odiavam tanto? Era porque tinham medo dele. Medo de sua verdade... Percebeu que se encaminhara para um ponto de ôni­bus e que o ônibus a levaria à prefeitura. Embarcou, subitamente fria, concentrada e cuidadosa.

Começou a ensaiar mentalmente suas negociações anterio­res bem-sucedidas. Sabia que muita coisa dependeria da pessoa com quem falasse... sorte... Tivera sorte antes. E, além do mais, o que ia sugerir era razoável, no melhor interesse de todos, os contribuintes, o público em geral.

Na vasta sala, repleta de mesas, pessoas e telefones, Alice sentou em frente a uma moça, mais jovem do que ela. Compreendeu no mesmo instante que estava com sorte. No lado es­querdo do peito de Mary Williams estava um buttonde "Salvem as baleias!" O desenho alegre do animal fez com que Alice se sentisse terna e protetora. Mary Williams era uma boa pessoa. Como ela, como Jasper, como todos os seus amigos. Ela se im­portava com as coisas.

Alice deu o endereço da casa, confiante, e enunciou sua intenção. Ficou esperando, enquanto a moça apertava alguns bo­tões. A informação veio logo.

Está marcada para demolição informou Mary Williams.

Ela ficou sorrindo. Não havia mais nada a dizer. Alice não esperava por isso. E descobriu que não era capaz de falar. Era a angústia que a dominava, mas transformando-se lentamente em raiva. O rosto que Mary Williams contemplava logo estava estufando e brilhando, o que a levou a balbuciar, contrafeita:

Mas... mas... o que houve?

Não pode ser demolida... não pode... — murmurou Alice, a voz vazia, apática. E no instante seguinte a raiva preva­leceu. É uma casa maravilhosa! Perfeita! Como podem demoli-la? E um escândalo!

Sei que algumas vezes...

Mary Williams suspirou. Seu olhar para Alice era uma sú­plica para que não fizesse uma cena. Alice percebeu e compreen­deu que as cenas não eram raras naquela mesa.

Deve ter havido algum engano disse ela. Tenho certeza de que não destroem casas como aquela... Por acaso a conhece? E uma boa casa. Um bom lugar.

Acho que planejam construir no terreno um prédio de apartamentos.

Mas é claro! O que mais poderia ser?

As duas mulheres riram, os olhos se encontrando.

Espere um instante disse Mary Williams.

Levando o papel com as estatísticas vitais da casa, ela foi

conferenciar com um homem que ocupava uma mesa na extre­midade da sala. Voltou pouco depois e disse:

Tem havido uma porção de reclamações sobre o estado da casa. Inclusive da polícia.

Está mesmo uma nojeira concordou Alice. Mas poderíamos limpar num instante.

Mary acenou com a cabeça. Continue! E sentou, rabiscando um papel enquanto Alice falava.

E Alice falou. Sobre a casa. Seu tamanho, solidez, situação. Disse que toda a estrutura estava intacta, exceto por algumas telhas faltando. Disse que era preciso muito pouco para torná- la habitável. Falou sobre a casa abandonada em Birmingham e o acordo de ocupação que fizera lá; sobre Manchester, onde um cortiço marcado para demolição fora salvo e se tornara uma pensão para estudantes oficialmente reconhecida.

Não estou dizendo que isso não poderia acontecer aqui — murmurou Mary.

Ela ficou pensando, a caneta esferográfica em ação numa estrutura de células, como uma colméia. Alice adivinhara. Mary era uma boa pessoa, estava do lado deles. E verdade que Mary não era o seu estilo, de saia escura, blusa branca engomada, o sutiã contornando os seios modestos, onde a baleia balançava, a cauda erguida para o céu, preta sobre o mar azul. Mesmo as­sim, os cabelos escuros de Mary, caindo em cachos sobre a tes­ta, e as mãos roliças e brancas faziam com que Alice se sentisse confortada e segura. Sabia que se Mary pudesse fazer alguma coisa, tudo acabaria bem.

Espere um minuto — disse Mary, e foi outra vez conferenciar com o colega.

O homem agora lançou um longo olhar de inspeção a Ali­ce, que continuou sentada, confiante. Sabia como parecia: a lin­da filha de sua mãe, cabelos curtos e crespos, bem-escovados, rosto alvo e rosado, um pouco sardento, olhos francos, azul- cinzentos. Uma moça de classe média, com sua segurança, seu conhecimento das coisas, sentada com decoro; e se usava uma túnica militar azul, por baixo havia uma blusa estampada em branco e rosa. Mary Williams voltou e anunciou:

Haverá uma decisão sobre as casas na próxima quar­ta-feira.

A polícia nos deu quatro dias para sair de lá.

Nesse caso, creio que não podemos fazer nada.

Tudo o que precisamos é de uma declaração, por escri­to, de que o assunto está sendo estudado, para mostrar à polí­cia. Mais nada.

Mary Williams não disse nada. Por sua postura e por seus olhos — que não fitavam Alice —, ficou patente que, no final das contas, ela era muito jovem e provavelmente tinha medo de perder o emprego.

Alice podia perceber que havia ali alguma espécie de confli­to: era mais do que uma funcionária que às vezes não gostava do que tinha de fazer. Alguma coisa pessoal fervilhava em Mary Williams, dando-lhe uma expressão obstinada e furiosa. Ela levantou-se e foi procurar pela terceira vez o homem cuja fun­ção era dizer sim e não. Ao voltar, Mary Williams disse, falan­do por seu colega:

Quero que compreenda que a carta diria apenas que a casa está na pauta da reunião de quarta-feira.

Alice indagou, inspirada:

Por que não vai visitá-la? Você e...?

Bob Hood. E ele que...

Eu sei, eu sei — interrompeu-a Alice. Por que vocês dois não vão conhecer a casa?

Acho que Bob já visitou as casas, mas há algum tempo. Talvez devêssemos mesmo ir...

Mary estava escrevendo as palavras que salvariam a casa, Alice tinha certeza. Por todo o tempo que Alice e os outros preci­sassem. Talvez para sempre... por que não? O pedaço de papel foi metido num envelope com o timbre da prefeitura e Alice recebeu-o.

Tem telefone na casa?

Foi arrancado.

Alice já ia descrever o estado da casa: cimento nos vasos, fios elétricos soltos, todo o resto. Mas o instinto lhe disse que era melhor não o fazer. Sabia que Mary ficaria tão furiosa e repugnada quanto qualquer pessoa normal pelos danos delibera­dos, mas estes haviam sido causados pelas autoridades, e aquela moça era uma autoridade. Não se devia fazer coisa alguma para provocar a besta implacável que era a burocracia.

Quando devo lhe telefonar? perguntou ela.

Na quinta-feira.

Era o dia em que a polícia dissera que eles seriam expulsos da casa.

Estará aqui na quinta-feira?

Se eu não estiver, pode falar com Bob.

Mas Alice sabia que as coisas não correriam tão bem com Bob.

E uma questão de rotina explicou Mary Williams. Ou vão demolir as casas imediatamente ou adiarão a decisão. Já adiaram várias vezes.

Foi nesse instante que ela ofereceu a Alice o sorriso da cumplicidade e arrematou:

Boa sorte.

Obrigada. Até breve.

Alice foi embora. Eram apenas cinco horas da tarde. Em um dia, ela conseguira. Em oito horas.

Tudo estava em movimento na suave tarde de primavera, as nuvens claras, as folhas novas, as superfícies tremeluzentes dos gramados; e quando chegou à sua rua, encontrou-a repleta de crianças, gatos e jardineiros. A cena de prosperidade e tran­qüilidade suburbanas provocou-lhe um ímpeto de violento des­dém, como uma ameaça secreta a tudo o que via. Ao mesmo tempo, paralela a essa emoção, mas sem afetá-la, havia outra cor­rente, de desejo, anseio.

Alice parou na calçada. Do alto de sua casa, um jato amare­lo era lançado sobre o lixo que entulhava o jardim. Do outro lado da sebe, na casa vizinha, uma mulher estava parada, segu­rando uma pá em que havia diversas mudas, enraizadas em ter­ra preta fofa. Olhava para a casa vergonhosa e comentou:

Uma coisa nojenta. Já falei com a prefeitura.

Oh, não! Por favor, não... — Mas vendo o rosto e os olhos da mulher se endurecerem, Alice acrescentou: — Estou vindo da prefeitura. Vai acabar tudo bem. Estamos negociando um acordo.

E o que vão fazer com todo esse lixo — a mulher mais declarou do que perguntou.

Ela virou as costas a Alice, inclinando-se para a terra fra­grante de seu canteiro de flores.

Alice encaminhou-se para a sua porta num tumulto de identificação fervorosa com a casa criticada, dominada pela ira con­tra o responsável por aquele esguicho amarelo — provavelmente Jasper — e com a necessidade de iniciar de imediato o trabalho de reconstrução.

A porta não se mexeu quando a empurrou. O calor verme­lho da raiva dominou-a por completo, e ela esmurrou a porta, gritando:

Como se atrevem a me trancar do lado de fora?

Com a visão lateral, ela percebeu a mulher na casa ao lado

se empertigar e observar a cena por cima da sebe.

A ira se desvaneceu, enquanto ela dizia a si mesma: Preciso fazer alguma coisa em relação a essa mulher o mais depressa pos­sível; ela tem de ficar do nosso lado.

Alice ofereceu à mulher um sorriso conciliador e um aceno de mão, um pouco como o abano de rabo de um cachorro se desculpando, mas a vizinha se virou sem qualquer reação.

Subitamente a porta foi aberta e os dedos de Jasper aperta­ram seu pulso. O rosto dele tinha um sorriso frio que ela sabia ser de medo. De quem?

Enquanto ele a puxava para o interior, Alice disse, numa voz que soou como um grito abafado:

Largue-me. Não seja estúpido.

Onde você esteve?

O que você acha?

O que andou fazendo durante o dia inteiro?

Ora, não enche!

Alice sacudiu o pulso para restaurar a circulação quando ele a soltou, ao ver que as portas haviam sido abertas. Ali no vestíbulo estavam Jim, Pat, Bert e duas moças, vestidas de maneira idêntica, em macacões azuis folgados e casacos de malha bran­cos, com expressões críticas.

Sempre mantemos essa porta trancada e com uma barra por causa da polícia — explicou Bert, num jeito apressado, apaziguador.

Alice pensou: Ora, não há necessidade de me preocupar tan­to com ele. E disse:

Não estava trancada esta manhã, quando chegamos. E a polícia não aparece a esta hora, não é?

Ela disse isso porque precisava dizer alguma coisa, sabia que seu acesso de raiva fora lamentável.

Os cinco a fitavam, os rostos ensombreados pela luz difusa do lampião. E Alice acrescentou, em sua voz mansa habitual:

Estive na prefeitura e está tudo certo.

Como assim? — indagou Bert, afirmando seus direitos.

Alice disse:

Todo mundo está aqui e quero discutir o assunto. Por que não agora?

Alguém contra? — perguntou Jasper jovialmente, mas saindo em proteção de Alice, como ela percebeu, com gratidão.

Os sete foram para a sala de estar, ainda plenamente iluminada pela luz do dia.

Os olhos de Alice se concentraram ansiosos nas duas mo­ças desconhecidas. Como se incapazes ou indispostas a dispen­sar muita atenção ao problema, elas se empoleiraram nos braços de uma poltrona velha e puída. Estavam partilhando um cigar­ro. Uma delas era loura, de traços delicados, os cabelos presos num rabo-de-cavalo, com pequenos anéis emoldurando todo o rosto. A outra moça, não, mais do que isso, mulher, era corpu­lenta, cabelos curtos, crespos e negros, com um brilho de pra­teado. Seu rosto era forte, os olhos diretos. Fitou Alice atenta­mente, reservando-se qualquer julgamento, e disse:

Esta é Faye. Eu sou Roberta.

Ela estava informando também que as duas constituíam um casal, mas Alice já vira essas coisas antes.

Alice... Alice Mellings.

Muito bem, camarada Alice, devo dizer que você não perde tempo. Pessoalmente, eu gostaria que tivesse discutido o assunto primeiro.

Eu também penso assim — acrescentou Faye. — Gosto de saber o que está sendo dito em meu nome.

Ela falava em cockney, numa voz viva e atraente. Alice compreendeu no mesmo instante que era uma afetação, a moça ado­tara o estilo, como tantas outras pessoas. O que se apresentava a todo mundo era uma linda e risonha jovem cockney, mas Ali­ce observou-a atentamente, tentando descobrir o que ela era de fato.

Essa inspeção intensa e avaliadora fez com que Faye se remexesse no braço da poltrona e se mostrasse um pouco amua­da, o que levou Roberta a interferir, apressadamente:

Em que nos comprometeu, camarada Alice?

Já entendi — disse Alice. — Vocês estão querendo ficar na moita.

Roberta deixou escapar um grunhido breve e divertido, com que reconhecia a percepção de Alice, e então disse:

É isso mesmo. Quero passar algum tempo na moita.

Eu também — acrescentou Faye. — O pessoal da segu­rança de Clapham está procurando pela gente, mas é melhor não perguntar por quê. Quanto menos se disser, melhor.

Ela concluiu jovialmente, sacudindo a cabeça.

E o que você não sabe não pode lhe fazer mal — comen­tou Roberta.

Não faça perguntas e não ouvirá mentiras — gracejou Faye.

Mas a verdade é mais estranha do que a ficção — sugeriu Roberta.

Bem que pode repetir isso — concordou Faye.

A pequena encenação das duas fez com que todos rissem, divertidos. Como um bom número de music-hall: Faye, a garo­ta cockney, e seu parceiro. Roberta não estava falando cockney, mas tinha uma voz tranqüila e prosaica, com um sotaque do norte. Sua própria voz? Não, era fabricada. Provavelmente mo­dulada na Coronation Street.

Esse é mais um motivo para não querermos a polícia aparecendo aqui a todo instante — declarou Bert. — Fico satisfeito de que a camarada Alice esteja tentando regularizar nossa situa­ção nesta casa. Apresente seu relatório, camarada Alice.

Bert também modificara a voz. Alice podia perceber em alguns momentos os tons elegantes de uma escola pública das clas­ses superiores, mas a voz fora encrespada para se parecer com a de um membro legítimo das classes operárias. Era muito azar, pois ele se denunciava facilmente.

Alice falou. (Sua própria voz datava dos dias na escola feminina em North London, uma voz correta, insípida. Houve­ra uma ocasião em que se sentira tentada a usar o sotaque nortista do pai, mas acabara chegando à conclusão de que seria uma de­sonestidade.) Não contou que ligara para a mãe e o pai, mas informou que poderia conseguir cinqüenta libras a curto pra­zo. Depois, resumiu sua visita à prefeitura, avaliando o que via em sua imaginação: as expressões de Mary Williams, revelando a Alice que a casa ficaria com eles, por causa de algum proble­ma ou atitude pessoal da jovem. Mas tudo o que Alice disse a esse respeito, a essência da entrevista com Mary, foi o seguinte:

Ela é legal. Está do nosso lado. E uma boa pessoa.

Está querendo dizer que arrumou alguma coisa para mostrar à polícia? indagou Jim.

Alice entregou-lhe o envelope amarelo, ele tirou a carta e examinou-a. Ela podia perceber que Jim era uma dessas pessoas cujo destino é determinado por documentos, relatórios, cartas oficiais. E a voz de Jim era mesmo cockney, autêntico. Alice per­guntou abruptamente:

A polícia tem alguma coisa contra você?

Jim fitou-a primeiro com uma expressão de surpresa, de­pois defensiva e finalmente amargurada. Ele amarrou o rosto infantil e franco e disse:

E se tiver?

Nada murmurou Alice.

Enquanto isso, um olhar para Faye e Roberta revelara que as duas não queriam encontros com a polícia. Devia ser algo pior. Isso mesmo, provavelmente pior. Isso mesmo, certamente pior. Estariam fugindo?

Não sabia que você estava nessa situação comentou Bert. Até recentemente a polícia também queria falar comigo.

E comigo também proclamou Jasper no mesmo ins­tante, não querendo ficar de fora.

A voz de Jasper era quase a de suas origens. Ele era filho de um advogado de uma pequena cidade de Midlands, que fora à falência quando Jasper estava no meio da escola primária. Con­cluíra sua instrução com uma bolsa de estudos. Jasper era mui­to inteligente, mas considerara a bolsa uma caridade. Sentia muito ódio do pai, que fora bastante estúpido para se manter em investimentos escusos. Sua voz de classe média, como a de Bert, fora adulterada. Com os camaradas das classes operárias podia falar como eles e o fazia, em momentos emocionais.

Está ficando escuro interveio Pat, levantando-se.

Ela riscou um fósforo e acendeu duas velas que estavam no

console da lareira, em castiçais de latão um tanto finos. Estavam opacos de gordura. A luz do dia minguava cada vez mais além das janelas, e os sete se encontraram no meio de uma poça de suave luz amarelada, nas profundezas de uma sala de teto alto e escura.

Pat apoiou o cotovelo no console da lareira, assumindo agora o comando da situação. À luz romântica, com seus trajes militares escuros, as botas pretas, parecia como certamente devia saber uma guerrilheira ou soldado de algum exército. Con­tudo, a luz realçava as suas feições delicadas, as linhas suaves das mãos; na verdade, ela parecia mais com a imagem idealiza­da de um soldado do sexo feminino num cartaz de recrutamen­to. Talvez uma recruta do exército israelense, com um livro numa das mãos e um rifle na outra.

Dinheiro disse Pat. Precisamos conversar sobre dinheiro.

Sua voz era típica da classe média, mas Alice sabia que não fora assim que Pat começara. Ela se esforçava muito para apre­sentar aquela voz.

Tem toda a razão disse Jim. Concordo.

A única outra pessoa naquela sala, além de Alice, que conservava sua própria voz, sem qualquer modificação, era Jim, o cockney autêntico.

Vai custar muito mais do que podemos imaginar dis­se Bert —, mas estaremos comprando paz e sossego.

Não precisa custar tanto assim protestou Alice. Por um lado, a comida sairá pela metade do preço. Posso falar por experiência própria.

É verdade confirmou Pat. Também tenho experiência. Comer por aí custa muito mais.

Alice sabe como alimentar as pessoas bem baratinho informou Jasper.

Era visível que enquanto os cinco enunciavam suas posições, todos eles, talvez sem o perceberem, olhavam para Roberta e Faye. Ou, mais precisamente, para Faye, que estava sentada ali sem fitá-los, mas olhando para qualquer outro lugar o teto, seus pés, os pés de Roberta, o chão —, enquanto soprava a fumaça do cigarro que mantinha entre os lábios. Sua mão, pousa­da no joelho, tremia um pouco. Ela dava a impressão de que tremia ligeiramente por todo o corpo. Mas sorria, embora não fosse o melhor dos sorrisos.

Esperem um pouco, camaradas — disse ela. — Vamos su­por que eu goste de comida de fora. E eu gosto, entendem? E se me der vontade de sair para comer em algum lugar? O que acontece, então?

Ela riu e sacudiu a cabeça, exibindo — como se sua vida dependesse disso — uma insolência cockney, como já fora mostra­da em mil filmes.

Eles têm um argumento forte, Faye — comentou Ro­berta, parecendo neutra, a fim de não irritar a amiga.

Ela estava atenta a Faye, incapaz de se controlar, lançando- lhe olhares rápidos e nervosos.

Ora, que se foda — disse Faye, assumindo de vez o pa­pel de cockney, porque tinha medo de sua ira, como todos po­diam perceber. — Ontem, pelo menos para mim, tudo estava correndo quase perfeito, e hoje a coisa toda mudou. Não gosto de ser organizada, entendem?

E ela fazia tudo à sua maneira — disse Bert, no tom frio das classes superiores, sorrindo, como se fosse um gracejo.

Ele não gostava de Faye e aparentemente não se importava com que isso ficasse patente. Pat apressou-se em aliviar a situa­ção com bom humor:

Se você não quer participar, então não precisa. Pode co­mer por nossa conta!

Ela fez o comentário sem rancor. Até riu, esperando que Faye a acompanhasse; mas Faye sacudiu a cabeça, seu rosto se contraiu, perdendo a beleza, os lábios empalideceram, enquan­to ela os comprimia. O cigarro e a mão tremiam violentamen­te, a cinza espalhando-se por toda parte.

Esperem um instante — interveio Roberta. — É preciso esfriar um pouco a cabeça.

Aparentemente, a exortação foi dirigida aos cinco que olhavam para Faye. Mas Faye sabia que o comentário estava desti­nado a ela. E se obrigou a sorrir.

Foi dita alguma coisa sobre a maneira como deveríamos pagar? — perguntou Roberta.

Não, mas conheço as várias maneiras como costumam fazer isso — respondeu Alice. — Em Birmingham, por exem­plo, fixaram uma taxa pela casa toda, a fim de se cobrirem os impostos. E pagávamos luz e gás em separado.

Luz... — murmurou Faye. — Quem vai querer pagar a luz?

Não se paga nada ou então se paga apenas a primeira con­ta — explicou Jasper. — Alice é boa nessas coisas.

Todos podemos ver em que Alice é boa — comentou Faye.

Por que não adiamos a discussão até sabermos de tudo com certeza? — sugeriu Pat. — Se fizerem uma avaliação para o aluguel e impostos e cobrarem tudo do nosso seguro social, numa base individual, então seria conveniente para alguns e não para outros. Seria para mim, por exemplo.

Não seria para mim, entende? — informou Faye, doce mas veemente.

Nem para mim — acrescentou Roberta. — Não quero me tornar uma residente oficial desta casa. Nem Faye.

Faye com toda a certeza não quer — disse Faye. — On­tem eu era livre como um passarinho, indo e vindo. Não vivia aqui, apenas entrava e saía quando queria. E agora, de repente...

Está bem, está bem — interveio Bert, irritado. — Você não quer ser contada, não tem problema.

Está me dizendo para ir embora? — indagou Faye, com uma risada estridente.

Seu rosto pareceu de novo se transformar por completo, sugerindo alguma outra Faye, uma Faye pálida, assustadora, vio­lenta, a prisioneira involuntária da linda cockney. Jim riu subi­tamente e comentou:

Já me disseram para ir embora. Por que não Faye e Ro­berta, se o problema é esse?

Faye concentrou toda a força de sua fúria pálida em Jim, e Roberta apressou-se em interferir:

Ninguém vai embora. Absolutamente ninguém. — Fi­tou Jim nos olhos. — Mas devemos ser muito claros sobre o que vamos ou não vamos fazer. E temos de ser claros agora. Se uma quantia certa for fixada para a casa, podemos discutir então quem vai contribuir com o quê. Se pedirem uma contribuição individual, tirada do nosso seguro social, a resposta é não, não e não.

O tom era afável, mas não muito.

Não vou contribuir — anunciou Faye. — Por que deve­ria? Gosto das coisas como estavam.

Como podia gostar? — indagou Bert. — Aturar as coisas como estavam é diferente.

E de repente todos souberam por que era a Faye que ha­viam observado tão nervosamente, Faye que dominara tudo.

Ela se empertigou, montada no braço da cadeira, assumiu uma expressão ainda mais furiosa, tremeu toda e disse, numa voz que não tinha qualquer relação com a linda cockney:

Seus Hitlers nojentos de merda, seus porcos fascistas, quem são vocês para nos dizerem o que fazer? Quem são vocês para nos darem ordens?

Essa voz saía das profundezas de Faye, de alguma terrível privação. Era rude, rouca, sofrida, como se as próprias palavras exigissem um esforço árduo e ela só conseguisse arrancá-las com dificuldade, passando só Deus sabia por que obstáculos de mente e língua. Que sotaque era aquele? De onde vinha? Todos fica­ram olhando-a fixamente, estavam todos silenciados por ela. E Roberta, passando o braço pelos ombros trêmulos da amiga, murmurou "Faye, Faye, querida Faye", até que a moça subita­mente teve um sobressalto e depois pareceu ficar inerte, arrian­do em seus braços.

Silêncio.

Qual é o problema? — perguntou Bert, que se recusava a perceber que ele era a causa da explosão do outro eu de Faye. Ou seriam outros eus? — Se Faye não quer contribuir, muito bem. Sempre fazem a avaliação por baixo, pelo menos em casas abandonadas como esta. E outras pessoas virão, é claro, para substituir os camaradas que foram embora ontem. E teremos de fazer com que aceitem o acordo que fizemos com a prefeitura.

Meio escondida nos braços de Roberta, Faye parecia se contorcer e debater, mas foi ficando quieta. Alice disse:

Se não limparmos a casa, teremos de deixá-la de qual­quer maneira. Podemos arrumar tudo, mas para conservar a ca­sa precisamos da prefeitura. Tem havido reclamações. A mulher da casa ao lado disse que já se queixou...

Joan Robbins — interveio Faye. — Uma vaca fascista. Eu vou matá-la.

Mas foi na voz cockney que ela falou agora, não na outra, a verdadeira. Faye tornou a se empertigar, desvencilhando-se da solícita Roberta, e acendeu outro cigarro. Não olhava para os outros.

Não vai, não — disse Roberta, suavemente.

Ela reafirmou seus direitos sobre Faye, tornando a passar o braço por seus ombros. Faye submeteu-se, com o afetado balanço da cabeça e um sorriso.

Está tudo uma nojeira — comentou Alice.

Tudo estava bem até que você chegou — disse Jim.

Não era um protesto ou uma acusação, mas uma indaga­ção. No fundo, ele estava dizendo: Como foi tão fácil para vo­cê, quando era impossível para mim?

Não se preocupe — murmurou Alice, sorrindo para ele. — Depois que estiver tudo limpo, seremos como as outras pessoas na rua e ninguém nos notará. Vai ver só.

Se quer jogar dinheiro fora, o problema é seu — disse Faye.

Temos de pagar pelo menos a primeira conta de luz e gás — comentou Bert. — Se conseguirmos persuadi-los a restabelecer a ligação.

Isso é fácil — declarou Alice.

Os medidores ainda estão aqui — acrescentou Pat.

Eles sempre esquecem de tirá-los — disse Jim.

E com que vamos pagar? — indagou Faye. — Não esta­mos todos vivendo do seguro-desemprego?

Houve outro momento de silêncio. Alice sabia que haveria dinheiro suficiente se o aluguel fosse baixo. Isto é, se as pessoas tivessem bom senso para administrar seu dinheiro. Ela e Jas- per, morando com sua mãe e sem pagar nada, recebiam cerca de oitenta libras por semana da previdência social. Mas não guar­davam coisa alguma, porque Jasper gastava toda a sua parte e ainda uma boa parcela do que ela recebia, sempre lhe exigindo:

Para o partido — dizia ele... ou qualquer outra causa que estivessem apoiando no momento.

Mas Alice sabia que boa parte do dinheiro ia para o que descrevia para si mesma, afetadamente, como "a vida emocional de Jasper".

Sabia também que em comunidades como aquela havia os que pagavam e os que se recusavam a fazê-lo, e não havia nada que se pudesse fazer para remediar tal situação. Sabia que Pat contribuiria; que Pat faria com que Bert também contribuísse... pelo menos enquanto ela estivesse ali. Já as duas garotas não abririam mão de um único penny.Quanto a Jim... era melhor esperar para ver. Ela disse:

Tem uma coisa que podemos fazer agora: desobstruir os vasos.

Roberta riu. Era uma risada orquestrada, com a intenção evidente de ser notada. Faye disse:

Estão cheios de concreto.

Também estavam assim numa das casas que conheci. Não é difícil. Mas precisamos de ferramentas.

Poderia ser esta noite? perguntou Pat, que parecia interessada, com uma admiração relutante.

Por que não? Temos de começar respondeu Alice, com alguma veemência. Sua voz exprimia toda a intensidade de sua necessidade. Eles ouviram, reconheceram, cederam. Não se­rá tão difícil quanto estão pensando agora. Já dei uma olhada nos banheiros. Se as caixas estivessem cheias de concreto seria difícil... provavelmente teriam rachado... mas não é tão di­fícil assim desobstruir os vasos.

Os operários concretaram o registro principal infor­mou Bert.

O que é ilegal disse Alice, amargurada. Aposto que o Departamento de Agua não sabe. Tem alguma ferramenta por aqui?

Não respondeu Bert.

Você não disse que tem um amigo que mora aqui perto? Ele não teria ferramentas?

Ela, Felicity. Seu namorado tem. Ferramentas de eletri­cista. Tudo. E o seu trabalho.

Então poderíamos pagar a ele para endireitar toda a par­te elétrica.

E com que vai pagar? perguntou Faye, a voz agora melodiosa. Com que vamos pagar a ele, minha cara Alice? Com quê?

Vou buscar aquelas cinqüenta libras. E você, Bert, vá procurar seu amigo. Alice já estava na porta. Diga a ele que precisamos consertar o encanamento e a parte elétrica. O enca­namento primeiro. Se ele tiver uma talhadeira e um malho, po­demos começar pelo banheiro aqui do vestíbulo. Voltarei num instante.

Ela ouviu Jasper gritar, enquanto passava pela porta:

Traga alguma coisa para comer. Estou faminto.

Nas asas do sucesso, Alice voou para o metrô. No trem, pensou na casa, imaginando-a limpa e arrumada. Subiu corren­do a avenida até o prédio de Theresa. E somente quando ouviu a voz de Anthony é que lembrou que Theresa chegaria tarde.

Sou eu, Alice disse ela pelo interfone.

Pode entrar, Alice.

A voz firme, controlada e sensual de Anthony lembrava-a dos inimigos com que se defrontava, e ao chegar à porta do apartamento, sabia que estava usando a sua cara.

E um prazer, Alice disse Anthony, em tom caloroso mas falso, pois Theresa é que era sua amiga.

Ela entrou, sabendo que era indesejável. Anthony estava de roupão e tinha um livro na mão. Ele está ansioso por uma noite tranqüila, pensou Alice. Mas pode muito bem me dispensar dez minutos.

Sente-se, Alice. Quer beber alguma coisa?

Não, Anthony. Nunca bebo. — Ela foi direto ao assun­to. — Theresa disse esta manhã que poderia me emprestar cinqüenta libras.

Ela ainda não chegou. Está em uma de suas reuniões.

Pensei que você poderia me dar o dinheiro. Estou precisando.

O tom era veemente e incisivo, uma acusação. Anthony fi­tou atentamente a mulher que estava parada ali, no meio da sa­la de estar, usando roupas que ele considerava militares, o rosto inchado pelas lágrimas e pela hostilidade.

Não tenho cinqüenta libras.

Uma mentira, reconheceu Alice, fitando-o com tanto ódio que ele murmurou:

Sente-se, por favor, minha cara Alice. Acho que vou to­mar um drinque, embora você não queira.

Anthony estava tentando fazer com que a situação se tor­nasse divertida, mas ela percebeu sua intenção. Continuou de pé, observando, enquanto o corpulento e moreno Anthony se virava para se servir do uísque de uma garrafa de cristal. Durante toda a sua vida, parecia a Alice, tivera momentos em que o imaginara e a sua amiga Theresa nus na mesma cama, à noite, o que lhe causava profunda repugnância.

Sabia por sua mãe que a vida sexual daqueles dois era inten­sa, variada e tempestuosa, apesar das urbanidades opressivas e jocosas de Anthony, das palavras carinhosas sussurrantes e risonhas de Theresa. Cara Alice, querida Alice, mas à noite... Era mesmo repulsivo.

E Alice pensou, como fazia quando era pequena: E eles são tão velhos! Observando as costas largas do homem, cobertas pela grossa seda cinza, a cabeça lisa, negra como petróleo e pequena para o corpo, pensou também: Eles têm feito sexo todas as noi­tes, durante todos esses anos.

Anthony virou-se para ela num movimento rápido, o copo na mão, depois de ter pensado o que deveria dizer.

Vou telefonar para Theresa. Se ela não estiver mais em reunião...

E encaminhou-se rápido e inexorável para o telefone. Alice correu os olhos pela sala grande e luxuosa. E pensou: Vou pegar um desses pequenos netsukese fugir, eles vão achar que foi a espanhola. Mas Anthony voltou nesse instante e anunciou:

Disseram que já encerraram o expediente. Ela está vin­do para casa. Vou preparar alguma coisa para o jantar. Theresa fica muito cansada para cozinhar quando tem essas reuniões. Com licença.

Ele estava contente pela oportunidade de virar as costas, pensou Alice. No instante em que Anthony desaparecia na cozi­nha, a porta foi aberta. Era Theresa. Por um momento, Alice não a reconheceu, pensou que fosse outra mulher cansada e de meia-idade. Depois, refletiu: Ela parece gasta.

Theresa parou, exausta, o rosto vincado. Usava óculos es­curos, o que deixava seus olhos piscando e ansiosos quando os tirava.

Oh, Alice... — murmurou ela, encaminhando-se apres­sada para a cadeira perto dos drinques e ali arriando.

Serviu-se de um drinque, meio desajeitada, continuou sen­tada com o copo aninhado contra o peito, a respiração lenta, os olhos fechados.

Só um instante, Alice, só um instante, Alice querida...

Quando Anthony voltou à sala, inclinando sua corpulên­cia para beijá-la, ela levantou o rosto para seus lábios, os olhos ainda fechados, e disse:

Graças a Deus terminamos mais cedo. Mais uma noite trabalhando até onze horas e eu estaria liquidada.

Ele pôs a mão em seu ombro e apertou-o. Theresa sorriu-lhe, espichou os lábios no movimento de um beijo, os olhos sempre fechados. Anthony retornou à cozinha, dizendo:

Providenciei uma sopa e uma salada.

Oh, Anthony querido... obrigada... uma sopa... é justamente o que estou precisando.

O que Alice sentiu nesse instante foi uma dor fria e penetrante — inveja; mas não sabia que era isso e disse, para se livrar da cena, para se livrar dos dois:

Você disse que me daria cinqüenta libras. Posso levar, Theresa?

Acho que sim, querida — murmurou Theresa, vagamen­te. E no instante seguinte ela se empertigou, abriu a bolsa elegante e espiou dentro. — Cinqüenta... cinqüenta... onde foi que eu guardei? Ah, sim, aqui está...

Tirou cinco notas de dez libras e entregou-as a Alice.

Obrigada. — Alice tinha vontade de sair correndo com o dinheiro, mas não achava isso certo; sentia uma profunda afeição por Theresa, que parecia tão cansada e confusa, que sempre fora boa para ela. — Você é a minha predileta e a melhor, a tia mais querida.

Ela falou com um sorriso contrafeito, como sempre fazia quando era pequena e se empenhavam naquele jogo. Os olhos de Theresa estavam abertos agora e fitavam os de Alice.

Alice, minha querida... — Ela suspirou. Empertigou- se outra vez na cadeira. Esticou a saia vermelha. Levantou a mão para alisar os cabelos escuros. Pintados, é claro. — Sua pobre mãe... ela me telefonou esta manhã. Estava muito transtornada, Alice.

Ela estava transtornada — disse Alice no mesmo instan­te. — Sempre está.

Theresa suspirou.

Alice, por que você continua com ele... com Jasper... por que... Não, espere. Não vá embora, por favor. Você é tão bonita e simpática, minha querida... — Nesse ponto, ela deu a impressão de oferecer a Alice sua expressão especial, como se num beijo. — E uma boa moça. Por que não pode escolher alguém... deveria ter um relacionamento verdadeiro com alguém.

Ela terminou constrangida, por causa da expressão fria e desdenhosa de Alice.

Eu amo Jasper — declarou Alice. — E amo muito. Por que vocês não podem compreender isso? E não me importo... com o que você se importa. O amor não é apenas sexo. Sei que é isso o que você pensa...

Mas os anos de afeição, de amor, travaram sua língua, ela sentiu as lágrimas escorrendo pelo rosto.

Oh, Theresa, obrigada! Muito obrigada! Virei visitá-la em breve. Prometo. Mas agora tenho de ir. Estão me esperando...

E Alice correu para a porta, soluçando violentamente. Saiu batendo a porta. Desceu a escada, as lágrimas voando de seu ros­to, saiu para a rua, e só então se lembrou que as notas ainda estavam em sua mão, havia o perigo de serem levadas pelo ven­to ou roubadas. Guardou-as no bolso da túnica e seguiu apres­sada e segura para a estação de metrô.

Enquanto isso, no lindo apartamento, eles estavam conversando sobre Alice. Anthony manteve uma expressão irônica e divertida, até que Theresa reagiu:

O que é, meu amor?

Que garota — respondeu ele; a aversão que sentia por Alice transparecia em sua voz.

Eu sei, eu sei... — murmurou Theresa, irritada, a exaus­tão começando a se manifestar.

Uma garota... que idade tem ela agora?

Theresa deu de ombros, não querendo se incomodar com o problema, mas mesmo assim interessada.

Tem razão, querido. A gente está sempre esquecendo.

Quase quarenta?

Oh, não! Não é possível!

Uma pausa, o vapor do prato de sopa que Anthony trou­xera e pusera na mesinha a seu lado subia entre os dois. Eles se fitavam através do vapor.

Acho que ela está com trinta e cinco... não, trinta e seis anos — disse Theresa finalmente.

Um caso típico de desenvolvimento suspenso — comen­tou Anthony, insistindo em seu direito de não gostar de Alice.

Acho que tem razão... mas Alice... ela é tão meiga... uma coisinha tão doce...

Na rua de Alice as casas estavam repletas de luzes e pessoas, o meio-fio atulhado com os carros dos que haviam voltado do trabalho; e sua casa, assomando na extremidade, era escura, po­derosa, silenciosa, misteriosa, definida apenas pelas luzes e o ba­rulho da rua principal, além. Ao chegar ao portão, divisou três vultos prestes a passar pela entrada escura. Jasper, Bert. Quem seria o terceiro? Alice aproximou-se depressa, e Jasper e Bert viraram-se bruscamente para confrontarem o perigo. Viram que era ela e disseram ao garoto que os acompanhava:

Está tudo bem, Philip. Esta é Alice... camarada Alice.

Estavam agora no vestíbulo, e Alice constatou que não era um garoto, mas um rapaz, pálido e franzino, com grandes olhos azuis entre os cabelos claros e brilhantes, que pareciam refletir toda a claridade difusa do lampião. Sua primeira reação foi: Mas ele está doente, não é forte o suficiente! Pois compreendera que aquele era seu salvador, o restaurador da casa.

Philip disse, fitando-a, com uma obstinação que Alice reconheceu ser o resultado de um esforço, uma pressão contra as chances desfavoráveis:

Terei de cobrar. Não posso fazer de graça.

Cinqüenta libras — disse Alice, percebendo um ligeiro movimento involuntário de Jasper em sua direção, informando que ele daria um jeito nela, se não tomasse cuidado.

Philip disse, na mesma voz suave e obstinada:

Quero ver o trabalho primeiro. Preciso calcular o custo.

Alice percebeu que aquele rapaz já fora ludibriado no quelhe era devido. Mas com aquela aparência, de um pequeno órfão inocente, ele estava convidando! Ela declarou, maternal e orgulhosa:

Não estamos pedindo favores. E um trabalho.

Por cinqüenta libras interveio Bert, com uma aspere­za jocosa —, dá até para bloquear um ninho de ratos. Pelo me­nos hoje em dia.

Alice viu seus lábios vermelhos faiscarem na moita escura do seu rosto. Jasper soltou uma risadinha.

A aliança dos dois homens contra ela pois era isso o que acontecia agora, pelo menos momentaneamente — deixou-a sa­tisfeita. Enquanto voltava correndo para casa, estivera pensan­do se Bert seria um daqueles homens a que Jasper se afeiçoava, como já acontecera, da mesma forma que um irmão menor, de­monstrando uma necessidade ansiosa que fazia o coração de Alice se apertar em angústia, para não ficar de fora nas aventuras. Tais manifestações sempre a consternavam, não por ciúme ela in­sistia com veemência para si mesma e às vezes para outras pes­soas —, mas porque tinha medo de que um dia pudessem ter­minar de maneira desastrosa.

Umas poucas vezes, homens que Jasper conhecera durante essas excursões a um mundo de que ele lhe falava, enquanto aper­tava seu pulso e a fitava atentamente à procura de sinais de fra­queza, haviam chegado a uma casa ou outra em que eles estavam instalados, sendo recebidos pela prestimosidade amistosa e fra­ternal de Alice.

Jasper? Ele voltará ao anoitecer. Não quer esperar?

Porém os homens sempre iam embora.

Mas quando havia por perto um homem como Bert, a quem ele podia se ligar, então Jasper não saía bordejando...uma palavra que ela costumava usar, casualmente.

Por onde você andou bordejando ontem à noite, Jasper? Tome cuidado. A situação já é bastante ruim, com a polícia de olho na gente por motivos políticos.

Esse era o poder que ela tinha sobre Jasper, os controles que podia usar. Ele respondia em tom afável e orgulhoso:

Tem toda a razão, Alice, mas eu sei me virar.

E ele podia contemplá-la com um dos seus súbitos sorrisos genuínos, bastante raros, que reconhecia que eles eram aliados, numa guerra desesperada.

Agora, Alice sorriu por um instante para Jasper e Bert e tornou a concentrar sua atenção em Philip.

O mais importante são os banheiros disse ela. Vou lhe mostrar.

Conduziu-o ao banheiro de baixo, levantando o lampião, enquanto paravam à porta. Desde o dia em que os operários da pre­feitura despejaram concreto no vaso, o pequeno banheiro se encontrava deserto. Estava empoeirado, mas normal.

Filhos da puta balbuciou Alice, com lágrimas na voz.

Philip parecia indeciso, e ela compreendeu que tudo depen­dia de sua pressão. Por isso, acrescentou:

Vamos precisar de uma britadeira. Tem uma? Alice percebeu que ele não sabia muito bem do que se tratava. Uma dessas máquinas que os operários usam para quebrar concreto nas estradas, só que menor.

Acho que conheço alguém que tem.

Pode arrumá-la esta noite?

Aquele era o momento, Alice sabia, em que ele podia sim­plesmente ir embora, abandoná-la, sentindo a opressão como acontecia com ela daquela casa violada; mas ela sabia também que assim que Philip começasse... E se apressou em acrescentar:

Já fiz isso antes. Sei como se deve trabalhar. E posso garantir que não é tão difícil quanto parece.

Ele continuou imóvel, sua pose ressentida e relutante revelando de novo que se sentia sufocado, e Alice insistiu:

Vai descobrir que não sairá perdendo. Sei que é disso que tem medo. Prometo.

Estavam agora bem próximos um do outro, na entrada do pequeno banheiro. Ele fitou-a da distância de poucos centíme­tros da intimidade súbita, viu seu rosto autoritário e tranqüili­zador como o de uma irmã mais velha mandona, mas gentil, e sorriu de repente, um sorriso franco e terno, dizendo:

Tenho de ir para casa, ligar para meu amigo, descobrir se ele tem mesmo a tal britadeira, pegar emprestado o carro de Felicity...

Ele estava zombando de Alice com a enormidade da tarefa.

Está certo murmurou ela. Eu ficaria muito agradecida.

Philip acenou com a cabeça e um momento depois passou pela porta da frente e desapareceu. Quando foi para a sala de estar, onde Jasper e Bert estavam, esperando como demonstravam pela maneira como sentavam, passivos e tranqüilos — que ela fizesse milagres, Alice anunciou, confiante:

Ele foi buscar algumas ferramentas. Voltará logo.

Ela tinha certeza de que isso aconteceria; e em menos de

uma hora Philip estava de volta, com uma caixa de ferramentas, britadeira, bateria, lanternas, tudo o que era necessário.

O concreto no vaso, ali posto há anos, estava se encolhen­do nos lados e não demorou a partir. O banheiro, arranhado e descolorido, estava agora usável. Isto é, desde que a água corresse. Pois havia um bloco de concreto vedando o registro ge­ral. Philip rompeu essa couraça com a broca ruidosa e nervosa e o registro apareceu, reluzente como uma coisa nova. Philip e Alice, sorridentes e triunfantes, ficaram olhando para o regis­tro recém-nascido.

Vou verificar se todas as torneiras estão fechadas, mas deixarei uma aberta — sugeriu ela suavemente.

Alice queria ter certeza absoluta antes de anunciar a vitória para os que esperavam na sala de estar, conversando sobre polí­tica. Circulou pela casa inteira, verificando as torneiras, e des­ceu correndo.

Depois de quatro anos, se não houver ar nos canos...

Ela apelou para Philip. Ele virou-se para o registro geral e

girou-o. No mesmo instante, os canos começaram a tremer e fazer barulho.

Ainda funciona! — exclamou Alice.

Ele foi verificar as caixas, enquanto Alice ficava no vestíbu­lo, com lágrimas de gratidão escorrendo pelo rosto.

Duas horas depois a água corria por toda a casa, os três banheiros estavam disponíveis e no vestíbulo se concentrava um grupo de comunitários incrédulos e exultantes, que haviam si­do informados, voltando de diversas partes de Londres, sobre o que estava acontecendo e que, de modo geral, não acredita­ram. E agora, Alice esperava, estavam envergonhados.

Mas podíamos ter feito tudo isso antes, há muito tem­po! — Foi Jim quem falou, entre pesaroso, incrédulo e alegre, para depois acrescentar: — Vou buscar todos os baldes que es­tão lá em cima. Podemos nos livrar da...

Espere um pouco! — gritou Alice. — Não pode ser as­sim. Tem de ser um de cada vez, ou podemos entupir todo o sistema, depois de tantos anos, quem sabe quanto tempo? Fize­mos isso uma vez em Birmingham, despejamos coisa demais de uma só vez... havia um cano rachado em algum lugar lá por baixo e no dia seguinte tivemos de abandonar a casa. Afinal, estamos apenas começando.

No comando dos outros e de si mesma, Alice estava parada no último degrau da escada, exausta, suja, coberta de fuligem e poeira do concreto se desintegrando, até nos cabelos, que estavam cinza. Todos aclamaram-na a sério, mas também com al­gum escárnio. E havia um tom de advertência, que ela não percebeu ou não deu importância.

Já temos a água, Philip — ela disse. — Agora, vamos cui­dar da luz.

E, em silêncio, Philip fitou-a, com uma expressão obstina­da e gentil, aquele frágil garoto — não, homem, pois ele já ti­nha vinte e cinco anos, como Alice descobrira, entre todas as outras coisas a seu respeito que precisava saber —, e subitamen­te todos estavam calados, porque haviam discutido, enquanto ele e Alice trabalhavam, quanto tudo aquilo custaria e com quan­to teriam de contribuir.

Se tivessem chamado um bombeiro — disse Philip —, sabe quanto teriam de pagar?

Umas duzentas libras — sugeriu Pat, que não interferira na operação delicada de Alice, Philip e a casa, mas estivera mais envolvida do que os outros, acompanhando os estágios do trabalho à medida que eram realizados e fazendo comentários, di­zendo como ela também já fizera isso e aquilo numa casa e outra.

Alice tirou as cinqüenta libras do bolso e entregou a Philip, dizendo:

Receberei minha pensão da previdência depois de ama­nhã.

Ele virou as notas, um total de cinco, pensando, Alice sa­bia, que se encontrava numa situação já conhecida. Depois, levantou os olhos, sorriu e anunciou:

Voltarei amanhã de manhã. Só posso cuidar da parte elétrica à luz do dia.

E se retirou, acompanhado não por Bert, que o trouxera, mas por Alice, que o levou até o portão, o lixo malcheiroso ao redor. Philip disse, com o sorriso meigo e dolorido que já atingira o coração de Alice:

Bom, pelo menos é para camaradas.

Afastou-se pela rua, onde as casas estavam agora mais escu­ras, depois que as pessoas haviam ido para a cama. Passava de uma hora da madrugada.

Alice voltou ao vestíbulo deserto e ouviu a descarga no banheiro. Prendeu a respiração, parada ali, pensando: Os canos... Mas pareciam estar funcionando direito. Jasper veio ao seu en­contro e avisou:

Vou dormir.

Onde?

Era um momento delicado. Na casa de sua mãe Jasper ti­nha seu próprio quarto, apropriando-se do que pertencia ao ir­mão de Alice, onde se eriçava todo, um ouriço-cacheiro zelando por seu direito de ficar sozinho à noite. Ela dizia que não se importava; sabia o que sentia; mas se importava e muito com os pensamentos dos outros, não a seu respeito, mas sobre Jasper. Agora, porém, estavam sozinhos no vestíbulo, podiam en­frentar a decisão juntos. Jasper fitava-a com a expressão opressiva que indicava que se sentia ameaçado, como Alice muito bem sabia. Pat se aproximou e avisou-os:

O quarto ao lado do nosso está vazio. Provavelmente precisa de alguma limpeza. Os dois que o ocupavam não eram muito...

No vasto vestíbulo escuro, onde o lampião projetava a sua poça indecisa de claridade, os três ficaram parados, as mulheres olhando para Jasper, Alice sabendo por quê, mas Pat ainda não. Alice sabia que Pat, de inteligência ágil e perspicaz, compreen­deria tudo num instante... e de repente Pat comentou:

Seja como for, é o melhor quarto vazio disponível...

Ela percebera tudo num instante, mas parecia que Jasper

não notara coisa alguma, pois disse, em tom efusivo:

Muito bem, Alice, vamos lá.

Pat acrescentou, enquanto eles subiam em silêncio:

Alice, não pense que não achamos você uma tremenda maravilha!

E ela riu. Alice, sem se importar, entrou atrás de Jasper no quarto grande e vazio. Ele já mexera em sua mochila, estenden­do o saco de dormir junto da extremidade da parede da direita, de maneira impecável, o mais longe possível. Alice disse:

Vou buscar minhas coisas.

Ela continuou parada por um momento, esperando que Jas­per a repudiasse, mas ele permaneceu imóvel, de costas, sem di­zer nada. Desceu correndo para o vestíbulo, torcendo para que Pat não estivesse mais lá. Mas estava, sozinha, em silêncio, como se esperasse que Alice descesse, querendo fazer o que fez então, que foi se adiantar, abraçar Alice e encostar o rosto no dela. Conforto. A garantia da camaradagem. E também compaixão. Alice sentiu, desejando poder dizer em voz alta: "Mas eu não me importo. Você não compreende".

Obrigada — murmurou, contrafeita.

Pat soltou um grunhido de riso e aceno, enquanto voltava para a sala de estar, onde — como não podia deixar de ser — os camaradas estavam discutindo Alice, Jasper e aquela explosão de ordem em suas vidas.

Lá em cima, no quarto, estava escuro, mas entrava um pouco de claridade, do céu e do tráfego. Alice estendeu seu saco de dor­mir com a base fina de espuma de borracha e um instante depois estava deitada de costas, junto à parede, do lado oposto àquele em que se encontrava Jasper, enroscado como sempre, numa solidão feroz, que a fazia se angustiar por ele. Jasper não estava dormin­do, mas não demorou a mergulhar no sono, como ela pôde per­ceber pelo relaxamento do corpo, como se tivesse sido arrastado pelas ondas para uma praia e lá ficasse abandonado.

Cansada demais para dormir, Alice ficou prestando aten­ção ao modo como as pessoas iam para a cama. Boa-noite, boa-noite, no patamar e no corredor. Roberta e Faye no mesmo quarto, é claro. Jim em outro. E, no quarto ao lado daquele, Pat e Bert. Oh, não, ela não queria isso, não queria o que sabia que ia acontecer. E aconteceu, os grunhidos, sussurros, movi­mentos e gemidos — bem do outro lado da parede, perto de seu ouvido. Era demais. O amor era demais; o que todos di­ziam que ela era uma tola por dispensar; até lamentavam por ela. Theresa e Anthony, todas as noites, sem falta, assim dizia sua mãe, depois de anos de casamento, grunhindo e ofegando, gemendo e querendo. Alice ficou completamente rígida, olhan­do para as sombras no teto, por onde as luzes dos carros na rua corriam e se perseguiam, seus ouvidos agredidos, a mente cons­ternada. Obrigou-se a pensar: Amanhã vamos cuidar de toda a parte elétrica... Dinheiro. Precisava de dinheiro. Onde? Da­ria um jeito. Não tinha a menor intenção de enganar Philip.

Philip, despedido seis meses atrás da empresa construtora — o primeiro a ser despedido, e Alice sabia o motivo, por causa de sua constituição franzina: é claro que qualquer patrão pensa­ria que ele era fraco demais —, estabelecera-se por conta pró­pria. Era agora um decorador e, assim esperava, empreiteiro. Ele possuía duas escadas compridas, uma pequena, um cavalete (mas precisando e muito de outro), brochas, algumas ferramen­tas; e podia pegar emprestadas outras coisas de seu amigo em Chalk Farm. Fora contratado para reformar uma casa, apesar de sua aparência frágil, e talvez por causa disso; recebera apenas a metade do pagamento, sendo informado de que não fizera o trabalho direito. Sabia que não lhe pagariam o resto; para isso, teria de recorrer à justiça, e não tinha condições. Estava vivendo da pensão do governo. Achava que poderia arrumar um tra­balho em breve, reformando um pub em Neasden. Ele dissera que tinha certeza de que conseguiria fechar o contrato, mas Alice não acreditava muito. Morava com Felicity (sua namorada?) no apartamento dela, a duas ruas dali. Ele tinha de ser pago.

Os ruídos do outro lado da parede haviam cessado, mas ago­ra recomeçaram. Alice arrastou seu saco de dormir para a ou­tra parede, com medo de despertar Jasper, que acharia que a sua proximidade era uma intrusão. E, como era inevitável, no momento em que ela se acomodou Jasper acordou. Ela pôde vê-lo fitando-a com uma expressão furiosa, rangendo os dentes.

Você está no meu espaço — disse ele. — Sabe que não nos intrometemos no espaço um do outro.

Alice disse:

Não gosto daquela parede.

Tal situação já ocorrera antes, muitas vezes, ela não preci­sava explicar. Soerguendo-se, apoiado no cotovelo, o rosto contraído em fúria e repulsa, Jasper escutou o que se podia ouvir claramente através da parede; depois, tornou a se estender, a res­piração acelerada. Alice acrescentou:

Preciso levantar cedo para tentar arrumar algum dinheiro.

Ele não disse nada. Dali a pouco a casa ficou em silêncio.

E Jasper tornou a adormecer.

Alice cochilou um pouco. Em sua mente, já estava vivendo o dia seguinte. Ficou esperando pela claridade, que entrou sombria pelas janelas imundas e revelou a sujeira do quarto. Ansia­va agora por um chá, alguma coisa para comer. Desceu para o vestíbulo, que ainda pertencia à noite e ao lampião, foi para a sala de estar, na esperança de que a garrafa térmica estivesse ali. Mas bebeu água fria de um jarro, depois usou o banheiro, com orgulho mas também com cautela, pensando nos canos que haviam ficado sem qualquer cuidado durante um número des­conhecido de invernos. Dirigiu-se então para a estação de me­trô, parando para o desjejum no Fred's Caff. Havia espaço para oito ou dez mesas, quase grudadas. Um local aconchegante, pa­ra não dizer íntimo. Quase todos os fregueses eram homens. Havia duas mulheres sentadas à mesma mesa. A princípio pare­ciam ser de meia-idade, por causa de sua apatia e calma; depois, podia-se perceber que eram mais jovens, mas cansadas. Prova­velmente faxineiras, depois de uma madrugada de trabalho em escritórios próximos. No balcão, Alice pediu chá e com um ar de desculpa torrada de pão de centeio; foi informada pela própria esposa de Fred, provavelmente, pois a mulher tinha um jeito de proprietária, de que não serviam torradas de pão de cen­teio. Alice foi procurar um lugar para sentar, levando o chá, um prato de torradas de pão branco pingando manteiga e uma fatia de bolo. Como uma concessão à saúde, voltou para buscar um suco de laranja. Era evidente que naquele estabelecimento seria melhor sentar com as duas mulheres, e foi o que fez.

As duas comiam torradas e tomavam um café aguado. Esta­vam sentadas em atitudes descontraídas e vazias de mulheres relaxando conscientemente; nos rostos que viraram para Alice havia sorrisos vagos e afáveis, como escudos. Não queriam con­versar, apenas ficar ali sentadas.

O sal da terra!, Alice disse a si mesma, respeitosa, observan­do aquela cena de operários se abastecendo para um dia de trabalho duro com pratos de ovos, batatas fritas, salame, pão frito, vagens cozidas tudo, enfim. Colesterol, refletiu Alice, agonia­da. Todos pareciam tão doentios! Tinham uma aparência páli­da e gordurosa, como bacon frito ou batatas fritas que não ficaram no fogo o tempo necessário. No bolso de cada um ou sobre a mesa, sendo lidos, estavam o Sun ou o Mirror. Meros extraviados, pensou Alice, aliviada porque não tinha a obriga­ção de admirá-los. Eram operários da construção civil ou traba­lhavam na abertura de estradas, talvez até fossem autônomos, trabalhando por conta própria; não eram aqueles os homens que salvariam a Inglaterra de si mesma! Alice recostou-se para sabo­rear a torrada encharcada de manteiga e logo sentiu-se melhor. Mesmo sem vontade de tomar o suco de laranja meio ácido, obrigou-se a bebê-lo, entre goles do chá amargo. As duas mu­lheres observavam-na com a mesma atenção indiferente que dis­pensariam aos hábitos exóticos de um estrangeiro, registrando tudo nela, sem darem a impressão de que o faziam. Ela tinha lindos cabelos crespos, podia-se ouvir as duas pensando; por que então não cuidava deles direito? Estavam cobertos de poeira! Era uma pena que usasse aquela grossa túnica militar, que a fa­zia parecer um homem! E olhe só para as mãos: ela não se dá o trabalho de manter as unhas limpas! Depois de condenarem, elas perderam o interesse, levantaram-se e foram embora, com gritos de despedida para a mulher atrás do balcão.

Ciao, Liz.

Até amanhã, Betty.

Elas apareciam ali todas as manhãs, depois de três ou qua­tro horas de faxina em escritórios. Aqueles homens passavam pelo café a caminho do trabalho. Todos se conheciam, Alice podia perceber; era como um clube. Ela terminou rapidamente e foi embora. Lá fora, junto à banca de jornais da esquina, as duas mulheres com quem ela estivera sentada estavam paradas, em companhia de uma terceira. Todas usavam calças informes, blusas e casacos de lã, e carregavam pesadas sacolas de compras. As ferramentas de trabalho. Conversavam animadas, ocupan­do o menor espaço que podiam, porque a maré cheia do movi­mento matutino de pessoas indo para o trabalho espalhava-se pelas calçadas.

Ainda era muito cedo. Passava apenas um pouco das oito horas. Sua mãe devia estar tomando banho. Se Alice fosse até lá agora, poderia entrar sem fazer barulho e preparar o café, fazendo uma surpresa à mãe, quando ela descesse, de roupão. Poderiam então sentar à mesa grande na cozinha, comer muesli e tomar café. Dorothy leria seu Times e ela, o Guardian. Todos os dias eram entregues naquela casa o Times, o Guardian, o Morning Star e o Socialist Worker,os dois últimos para ela e Jasper. Jasper dizia que lia o Worker porque era preciso sempre saber o que a oposição estava fazendo; mas Alice sabia que, secreta­mente, ele tinha tendências trotskistas. Não que ela se impor­tasse com isso; achava que os socialistas de todos os cre­dos deviam se unir pelo bem comum. Na casa da mãe ela lia o Guardian. Durante anos esse jornal fora o único que entrara na casa. Até que um dia a mãe fora visitar sua grande amiga Zoé Devlin e a encontrara usando um avental do Guardian, a palavra "Guardian" estava impressa em vários tamanhos, pre­to sobre branco. Isso provocara um choque em Dorothy Mellings; ela dissera que tivera uma revelação por causa da ce­na. Que Zoé Devlin, entre todas as pessoas do mundo, estives­se disposta a pôr o uniforme, a proclamar seu conformismo!

Fora o começo do período de lindas declarações forçadas da mãe — um período que ainda não acabara. E o começo também de uma série de reuniões entre as duas mulheres, com o objetivo de reavaliarem o que pensavam.

— Nós nos demos muito bem por décadas — Alice ouvira a mãe dizer ao telefone, iniciando a primeira discussão —, presumindo que concordávamos numa porção de coisas. O que não acontece. Uma ova que concordamos sobre tudo! Vamos ter de decidir se você e eu temos alguma coisa em comum, Zoé. O que me diz?

A típica merda intelectual, opinara Jasper, falando bastante alto, com a intenção de Dorothy ouvir.

Lembrando Jasper, Alice compreendeu que não podia simplesmente aparecer agora, fazer café e cumprimentar a mãe com um sorriso.

Pegou um trem e acabou encontrando outro café, onde ninguém a julgaria extraordinária. Estava quase vazio; o movimento maior não começaria antes de mais duas horas, quando apare­ceriam as pessoas fazendo compras, homens e mulheres. Alice comeu agora bolinhos de trigo integral e mel, recuperando o estado de graça. Com um olho no relógio, deixou o tempo pas­sar. A mãe provavelmente sairia para fazer compras por volta de nove e meia, dez horas. Tinha por hábito fazer isso logo ce­do, pois era uma coisa que detestava.

Alice fizera as compras durante quatro anos. E adorava. Ao voltar para a cozinha grande, carregando as caixas com alimen­tos que viajavam no carro, guardava tudo com extremo cuida­do. A mãe quase sempre estava presente (se Jasper não estivesse!) e ficavam conversando, como amigas. Sempre se deram bem. Em casa, Alice era uma boa moça, uma boa filha, como sempre gostara de ser. Era ela quem cuidava da cozinha... E é claro que a mãe tinha o maior prazer em deixá-la fazer isso. (Havia um pequeno pensamento inquietante escondido em algum lu­gar por ali, mas Alice resolveu ignorá-lo.) Durante os quatro anos em que Alice e Jasper residiram na casa, ela fizera as com­pras e cozinhara. E também cozinhava — às vezes requisitando a cozinha por dois ou três dias consecutivos — as comidas que vendia na feira.

Jasper costumava entrar rapidamente, aproveitando as oportunidades em que Dorothy não estava presente, e se empantur­rar com qualquer coisa que ela estivesse cozinhando naquele dia — "sua" sopa, por exemplo, bolos, pão natural. Ou, se ela não estivesse cozinhando, saíra para a feira, ele entrava furtivamen­te e tirava da geladeira qualquer coisa que lhe agradasse. Alice sempre a mantinha abastecida com presunto, salame e picles para ele. Jasper preparava enormes sanduíches, levava para o seu quar­to e lá ficava, sem descer por horas a fio. No início, Dorothy ainda perguntava, apreensiva:

O que Jasper faz lá em cima o dia inteiro?

Estuda — Alice sempre respondia, orgulhosa e intimidativa.

Ela sabia que, às vezes, Jasper não fazia absolutamente na­da durante o dia inteiro. Ele podia ler o Socialist Workerou o Morning Star. Afora isso, escutava música popular, com fone nos ouvidos; podia dançar pelo quarto sozinho, sem fazer barulho. Era muito gracioso, Alice o sabia, mas detestava ser vis­to, o que era uma pena. Jasper devia ter sido dançarino, quem sabe de balé?

Depois ele tornava a descer, sempre em silêncio, para bus­car mais comida. Nunca entrava de bom grado na cozinha se Dorothy estivesse lá. Nunca sentava para comer com elas. Quan­do Alice o censurara, dizendo que sua mãe não gostava disso, Jasper respondera que era ela que não gostava dele (o que era verdade, como se constatou depois, embora Dorothy não o dis­sesse expressamente no começo). Por sua vez, ele achava que Dorothy era uma vigarista vulgar. Esse epíteto, tão desproposi­tado, deixara Alice atordoada, e por isso ela apenas balbuciara:

— Como pode dizer uma coisa dessas, Jasper?

Ao que ele emitira ruídos sonoros, estalando os lábios. E claro que Jasper não estava presente quando Dorothy recebia convidados. No fundo, era como se ele nunca estivesse em casa, a não ser pelo constante furto de comida da cozinha. Qual­quer um pensaria que Dorothy lhe negava comida. Alice brigara com ele muitas vezes por causa disso e depois se punha a cho­rar quando ele reagia com injúrias.

Agora, sentada naquele café aconchegante, onde as pessoas que entravam podiam cumprimentá-la, comendo mais bolinhos, mais mel (para passar o tempo, agora, não por fome), Alice pen­sava: A verdade é que ela odeia Jasper, sempre odiou; as pessoas costumam odiá-lo. E provavelmente lhe negava mesmo comi­da... se o odiava. Alice finalmente pensou, com um sentimen­to que beirava o pânico: Como ela devia se sentir por não poder ocupar sua própria cozinha, nem sequer poder entrar, com me­do de esbarrar em Jasper? E mais: Eu simplesmente fazia tudo, preparava todas as refeições. E ela adora cozinhar...

Ás nove e meia Alice deixou o café, gritando uma despedi­da para Sarah, que trabalhava ali há anos. Outrora uma refugia­da da Áustria, era agora uma mulher idosa, com fotografias dos netos crescidos pregadas na parede, por trás do balcão. Alice encaminhou-se, não muito depressa, para a casa da mãe. Parou na frente por algum tempo, depois refletiu que qualquer vizi­nho que observasse poderia estranhar aquele comportamento. Entrou, usando a chave que não entregara à mãe quando fora embora, no dia anterior. Parou no vestíbulo, aspirando a casa, o lar, a casa grande, aconchegante, tranqüila, que recendia a ami­zade. Foi para a cozinha e seu coração disparou. Havia caixas no chão cheias de pratos e travessas, pires, xícaras e copos esta­vam empilhados em cima da mesa, já acondicionados em folhas de jornal. Ora, mas é claro! Agora que ela e Jasper tinham ido embora, a mãe resolvera dar a louça e outras coisas desnecessá­rias para um leilão de caridade. Só podia ser isso. Uma criança pequena, ameaçada, olhos arregalados e frenética, Alice ficou olhando para as caixas por um longo tempo, antes de subir cor­rendo para seu quarto. Estava como o deixara no dia anterior. Sentiu-se melhor. Subiu mais um andar, até o quarto que Jas­per usara. Havia no chão um tapete, um Bokhara. Antes estava na sala de estar, mas começara a ficar puído e encontrara um refúgio por baixo.de uma mesa naquele quarto, que quase não era usado, até que Jasper o requisitara. O tapete era lindo. Ali­ce enrolou-o ternamente e levou-o para a cozinha. Esperava agora não deparar com a mãe. Olhou ao redor, encontrou papel e caneta, escreveu: "Levei o tapete. Alice". Colocou o bilhete entre os copos embrulhados. Sentiu-se outra vez em perigo pe­la visão das caixas, mas fez um esforço para esquecê-las e saiu de casa. A mãe se aproximava do final da rua, sob um toldo de verde intenso. Andava devagar, a cabeça baixa. Parecia can­sada e velha. Alice seguiu apressada na outra direção, até perder a mãe de vista, depois passou a andar cada vez mais devagar, até Chalk Farm. A loja de tapetes acabara de ser aberta. Uma mulher de meia-idade sentava-se a uma escrivaninha, com uma xícara de café à frente; baixou os óculos escuros para fitar Alice por cima.

Quer vender? — perguntou ela. E quando Alice esten­deu o tapete no chão, ela acrescentou, a respiração acelerada:

Lindo!

Juntas, as duas ficaram imóveis, contemplando o tapete, fascinadas e acalmadas pela poça de cores suaves no chão. A mu­lher inclinou-se, pegou o tapete, suspendeu-o contra a luz. Alice deu a volta para ficar a seu lado e viu a luz passar pelo tapete, parecendo arder em um ponto. Sentiu um aperto na garganta e pensou, angustiada: "Vou levá-lo para a casa. E tão lindo... " Mas esperou, enquanto o tapete era largado no chão, caindo em dobras. A mulher disse, então:

Está muito puído. Teria de ser remendado. Eu não po­deria lhe dar mais que trinta.

Trinta? — repetiu Alice, em tom de lamúria. Não sabia o que poderia esperar. Sabia apenas que o tapete era ou fora valioso. E balbuciou, pensando que não valera a pena levá-lo:

Trinta.

Meu conselho é o de que você deve ficar com o tapete e aproveitá-lo — disse a mulher, voltando à mesa, deixando os óculos escuros retornarem ao lugar e tomando um gole de café.

Não posso — murmurou Alice. — Preciso do dinheiro.

Ela pegou as três notas e, depois de um último olhar prolongado para o tapete, ali abandonado, deixou a loja.

Depois de comprar comida para Jasper, foi para a casa. A rua estava com uma aparência matutina, vazia, as pessoas tinham ido trabalhar ou estavam na escola; as mulheres, dentro das ca­sas, arrumavam tudo ou cuidavam das crianças. Não esperava encontrar ninguém acordado em casa; em comunas como aquela, ninguém levantava cedo.

Mas Pat estava na sala de estar, sozinha, tomando café, da garrafa térmica. Indicou com um gesto que Alice devia se servir, mas Alice ainda estava com a barriga cheia do lauto desje­jum e sacudiu a cabeça.

Arrumei algum dinheiro, mas não o suficiente — in­formou.

Pat não disse nada. A claridade intensa da manhã, ela pare­cia mais velha, toda flácida e consumida, não mais com o bri­lho de cereja. Os cabelos ainda não haviam sido escovados, ela recendia a sexo e suor. Alice pensou: Hoje vamos limpar os ba­nheiros. Eram dois.

Pat continuava calada. Acendeu um cigarro e começou a fumar, como se planejasse se afogar em fumaça.

Alice já percebera que Pat era uma dessas pessoas que precisam de tempo para despertar completamente pela manhã e não iria dizer nada por algum tempo. Ela sentou, também em silên­cio, avaliou o estado em que se encontrava a sala. As cortinas eram trapos, e não se podia esperar que resistissem a uma lava­gem. Talvez sua mãe... O carpete ainda era aproveitável. Mas como arrumar um aspirador de pó?

Ela sabia que Pat a observava, mas não enfrentou seu olhar. Sentia que Pat era uma aliada e não queria desafiar essa impres­são. Pat disse finalmente, tossindo um pouco por causa da fumaça:

Apenas vinte e quatro horas! E esse o tempo em que vo­cê está aqui!

E ela riu. Não com hostilidade. Mas reservando-se um jul­gamento. Bastante justo, pensou Alice. Em política, era sempre assim que se devia agir...

Houve um súbito ruído na rua e o caminhão de lixo parou. Soltando uma exclamação, Alice saiu correndo e foi direto para os dois homens que carregavam as latas de lixo do jardim vizinho.

Por favor, por favor, por favor...

Eles pararam, lado a lado, fitando-a, homens enormes, for­tes por causa de seu trabalho, confrontados por aquela mulher que se mostrava ao mesmo tempo obstinada em sua decisão de não sair da frente e frenética. Alice balbuciou:

O que será preciso para vocês limparem este jardim? Eu sei, eu sei...

Os dois exibiam expressões de desdém repugnado, enquan­to olhavam da sórdida imundície para ela, de volta à sujeira, outra vez para Alice, retornando ao jardim, avaliando a tarefa.

Deveria ligar para a prefeitura — disse um dos homens.

Vocês são a prefeitura — insistiu Alice. — Não, por fa­vor... chegamos a um acordo. Temos autorização para ficar nesta casa. Pagaremos as despesas.

Dê um pulo até aqui, Alan — gritou um dos homens, para o caminhão, que não parava de vibrar, pronto para masti­gar qualquer quantidade de caixas de plástico, latas, papel, o li­xo que atulhava o jardim de sua casa, até a altura das janelas.

Outro homem enorme saltou do caminhão, de macacão azul, usando grossas luvas de couro. Alan, árbitro do destino de Alice, como Philip, como Mary Williams.

O que será preciso para vocês tirarem esse lixo? — perguntou ela.

Alice falou com calma confiante, como convinha à filha de sua mãe, e ao mesmo tempo com desespero. Eles ficaram olhan­do para ela, sem pressa, observando o rosto inchado, informe e infantil, os olhos azuis, redondos e ansiosos, jeans desbotados de tanta lavagem mas impecáveis, a túnica grossa, a blusa com um estampado de flores. E tudo, absolutamente tudo, impreg­nado de uma poeira cinzenta, que fora abanada e escovada, mas persistia teimosamente, como um obscurecimento da cor.

Deram de ombros, como um só. Três pares de olhos conferenciaram.

Vinte libras — disse Alan, o motorista.

Vinte? — lamuriou-se Alice. — Oh, não, vinte libras!

Uma pausa. Eles pareciam, como um só, constrangidos. A pausa se prolongou.

Ponha todo esse lixo em sacos plásticos, minha querida, e pegaremos amanhã. Por quinze.

Alice sorriu. Depois deu uma risada. E a seguir soluçou, murmurando:

Obrigada, muito obrigada...

Espere pela gente amanhã, querida — disse Alan, paternal.

Os três se afastaram, como um só, para a casa do outro la­do da rua e suas latas de lixo.

Alice verificou se o dinheiro continuava em seu bolso e entrou na casa. Pat ainda estava no mesmo lugar, num transe de fumaça. Jim descera e estava comendo as coisas que ela trouxe­ra para Jasper. Ela anunciou:

Se metermos tudo em sacos plásticos, eles levarão o lixo amanhã.

Dinheiro — disse Pat.

Dinheiro, dinheiro, dinheiro, dinheiro — disse Jim, metendo uma banana na boca.

Tenho o dinheiro. Se arrumar os sacos plásticos...

Ela se calou, com uma expressão suplicante.

Pode deixar que eu ajudo — prometeu Jim.

Tudo isso é ótimo, mas o que vamos fazer com a outra casa? — indagou Pat. — Podemos limpar tudo aqui, mas a situa­ção lá é muito pior.

Alice ficou olhando para ela, a boca rosada entreaberta, a expressão triste, e Pat acrescentou:

Será possível que não notou a casa ao lado?

Alice saiu correndo de novo e olhou pela primeira vez para o jardim do qual a vizinha lhe falara. Ordem suburbana. Mas havia uma sebe alta naquele jardim e mais além... Saiu para a rua, andou um pouco e viu, como não acontecera antes, porque fazia suas pequenas excursões por outro percurso, uma ca­sa idêntica à que estava reivindicando, com janelas quebradas, telhas faltando, um ar de abandono, o jardim cheio de lixo. O mau cheiro era horrível.

Ela voltou pensativa e amargurada para a sala de estar e perguntou:

Aquela casa está vazia?

A polícia esvaziou-a há três meses, mas está outra vez ocupada.

Não é problema nosso — declarou Alice, desconfiando que poderia se tornar. — Vou providenciar os sacos plásticos.

A quantidade suficiente custou dez libras. Pat olhou para a pilha preta lustrosa nos degraus e comentou:

Deve ter custado uma boa nota. — Mas ela não se ofere­ceu para contribuir. — Vamos recolher o lixo com as mãos?

Sem a menor hesitação, Alice foi para a casa ao lado, tocou a campainha, conversou com Joan Robbins e voltou com duas pás e um forcado.

Como consegue essas coisas? — indagou Pat, com uma ironia cansada, mas pegando o forcado e um saco e começando a trabalhar.

Era muito pior do que parecia, pois as camadas inferiores estavam comprimidas, apodrecidas e repugnantes. Um saco preto lustroso depois de outro recebeu a sua carga horrível. Foram sendo colocados lado a lado, até que o jardim estava atulhado de sacos pretos, quase transbordando de detritos em decompo­sição. O gato magro observava da sebe, os olhos fixos em Ali­ce. Incapaz de suportar por mais tempo, ela foi encher um pires com leite e outro com sobras de queijo, pão e batatas fritas frias. Levou para o gato, que se adiantou cautelosamente e comeu.

Pat estava parada, olhando para Alice. Que olhava para o gato. Jim apoiou-se numa pá e disse:

Eu tinha um gatinho. Foi atropelado.

Pat esperou por mais, mas não houve. Deu de ombros e comentou:

É a vida de um gato.

E continuou a trabalhar. Mas os olhos de Jim estavam marejados de lágrimas e Alice murmurou:

Sinto muito, Jim.

Eu jamais teria outro gato... não depois daquele.

E Jim também voltou a trabalhar, furiosamente. Não de­morou muito para que os jardins, o da frente e o dos fundos, estivessem limpos. A relva pálida parecia disposta a uma nova arremetida para a vida. Uma roseira, há muito submersa, exibia galhos finos e esbranquiçados.

Era um lindo jardim — disse Jim, satisfeito.

Estou fedendo — reconheceu Alice, amargurada. — O que vamos fazer agora? E ainda nem pensei na água quente. Se Philip chegar, avisem a ele que não vou demorar.

Ela entrou, encheu baldes com água fria no banheiro. Agua quente, pensava Alice, essa é a próxima etapa. Dinheiro.

Philip não apareceu.

Bert e Jasper desceram juntos, entretidos numa conversa responsável sobre as perspectivas políticas. Disseram a Alice e Pat que iam comer alguma coisa, notaram o jardim limpo e as filei­ras de sacos, comentaram "Bom trabalho" e partiram para o Fred's Caff.

Pat teria partilhado uma risada com Alice, porém Alice não estava disposta a enfrentar seus olhos. Nunca trairia Jasper, pa­ra quem quer que fosse! Mas Pat insistiu:

Deixei uma comuna antes porque tinha de fazer todo o trabalho. E diga-se de passagem que não eram apenas os homens... éramos seis, três mulheres, mas eu sozinha fazia tudo.

Ao ouvir isso, Alice olhou muito séria para Pat, fazendo uma pausa em seu trabalho de limpar uma janela.

É sempre assim. Há sempre uma ou duas pessoas que assumem todo o trabalho.

Ela ficou esperando que Pat comentasse, discordasse, levantasse uma questão de princípio.

Você não se importa disse Pat.

Ela parecia outra vez aprumada, tendo se lavado e escova­do os cabelos. Alice pensava: Está tudo ótimo, ela ajeitou os olhos, os lábios vermelhos e ele pode então... Sentiu-se amar­gurada e murmurou:

É sempre assim.

Que revolucionária comentou Pat em seu jeito espe­cial, que era amistoso, mas com uma mordacidade que sugeria, aparentemente, um julgamento seu, permanente e profundo, uma maneira intimamente arraigada cie encarar a vida.

Mas eu sou mesmo uma revolucionária declarou Ali­ce, muito séria.

Pat não disse nada, mas puxou a fumaça para o fundo de seus pobres pulmões e espichou a boca num beicinho verme­lho para soltar o jato, que flutuou em tentáculos para o teto sujo. Seus olhos acompanharam a fumaça em espiral, até que ela disse finalmente:

Eu acho que você é, mas há quem não tenha tanta certeza.

Está se referindo a Roberta e Faye? Ora, elas são ape­nas... facínoras!

Como assim? disse Pat, rindo.

Você sabe muito bem.

Com absoluta franqueza, Alice desafiou Pat a assumir uma posição, pois sabia que a outra não era facínora, mas uma pessoa séria, como ela própria. Pat não recuou da confrontação. Era um momento, as duas sabiam, de grande importância.

Um momento de silêncio, mais fumaça invadiu seus pul­mões, foi expelida, devagar, sibariticamente, as duas observan­do as espirais exuberantes.

Seja como for disse Pat —, elas estão preparadas para qualquer coisa. Podem enfrentar tudo. Até o pior, se for necessário.

E daí? reagiu Alice, calma e confiante. Eu também enfrentaria. Estou pronta para tudo.

Acredito em você.

Jim entrou na sala.

Philip chegou.

Alice saiu correndo e viu-o à luz do dia pela primeira vez. Um garoto franzino, um tanto encurvado mas era um ho­mem —, com as faces pálidas e encovadas, olhos azuis grandes e brilhantes, as mãos compridas, brancas e elegantes, cabelos lou­ros lustrosos. Trazia suas ferramentas.

A instalação elétrica? — disse Alice, seguindo na frente para a cozinha devastada, sabendo que havia mais uma coisa que precisava enfrentar e resolver.

Philip foi atrás, fechou a porta e perguntou:

Se eu acabar o trabalho, Alice, posso vir morar aqui?

Ela compreendeu agora que já esperava por isso. Afinal, to­das as vezes que surgira o assunto, seu acordo com a namorada, alguma coisa ficara por dizer. Philip explicou:

Estou querendo ser independente. Viver por conta pró­pria. Sabendo que Alice estava pensando nos outros, em seus planos, ele acrescentou: Sou da UCC. Por que haveria problema?

Mas não do IRA, refletiu Alice, sabendo que deveria cuidar disso depois.

Se depender de mim, a resposta é sim disse ela.

Isso seria o suficiente? Philip julgara que era ela quem mandava ali... e quem não pensaria assim?

Ele concentrou sua atenção nos fios que haviam sido arrancados do reboco e no fogão, que fora derrubado e estava caído de lado.

Havia amargura em seu rosto: a mesma raiva incrédula que Alice sentia. Estavam unidos, achando que poderiam destruir com suas mãos o que aqueles homens haviam feito com a casa.

Homens como os lixeiros, refletiu Alice, obrigando-se a pensar. Homens simpáticos. Fizeram tudo aquilo. Mas depois que abolirmos o imperialismo fascista, não haverá mais gente assim.

A esse pensamento surgiu uma imagem mental da mãe, que suspirava, ria, parecia exausta, quando Alice falava em tais coi­sas. Na semana passada mesmo, ela dissera, em seu novo âni­mo, amargo, lacônico e incisivo:

Contra a estupidez, os próprios deuses.

Como? indagara Alice.

Contra... a... estupidez... os... próprios... deu­ses... lutam... em vão declarara a mãe, separando as palavras, apresentando-as não como se esperasse alguma coisa de Ali­ce, mas lembrando a si mesma a inutilidade de tudo.

A amargura que Alice sentia contra a prefeitura, os operá­rios, o sistema, agora incluía também a mãe. Foi dominada por uma raiva intensa, que a deixou tonta e a fez cerrar as mãos. Recuperando o controle, percebeu que Philip a observava com uma expressão curiosa. Por causa de seu estado, que ele julgava mais violento do que o vandalismo dos operários merecia?

Eu seria capaz de matá-los — murmurou Alice.

Ouviu a própria voz, implacável. E ficou surpresa. Sentiu as mãos doerem e descerrou-as.

Eu também — declarou Philip, só que de uma maneira diferente.

Ele largara no chão as ferramentas e estava parado, espe­rando. Fitava-a com aquela obstinação, agora familiar e como­vente. A assassina em Alice se desvaneceu e ela disse, oferecendo a promessa que Philip precisava ter, antes de iniciar qualquer coisa:

Nada mais justo, se você fizer o trabalho.

Ele balançou a cabeça, acreditando em Alice; depois concentrou sua obstinação na atenção à parede mutilada.

Não está tão ruim assim — anunciou Philip, depois de um longo tempo. — Parece que arrebentaram tudo numa explosão de raiva, mas não causaram muitos danos.

Como? — indagou Alice, incrédula, pois lhe parecia que a cozinha... ou pelo menos duas paredes... estavam germinando cabos e fios elétricos pendentes, além do reboco que se acumulava na base dessas paredes desbotadas, com um aspecto lamentável.

Já vi coisas piores. — Uma pausa. — Terei de levantar as tábuas do assoalho. Não posso trabalhar de outra maneira.

O reboco caído endurecera, e Alice teve de quebrá-lo. A cozinha estava coberta por uma fina poeira branca. Ela trabalhava ao nível do chão, enquanto Philip se mantinha por cima, na mesa grande que arrastara para junto da parede. Não demo­rou muito para que o reboco e outros detritos estivessem em sacos, e Alice varreu tudo, com uma escova e uma frigideira, que eram as únicas coisas de que dispunha. Estava irritada e cho­rosa, pois sabia que cada centímetro do teto e das paredes teria de ser lavado e pintado. A casa inteira estava assim e ainda ha­via o telhado... o que encontrariam quando finalmente tiras­sem do horrível terceiro andar aqueles baldes fétidos? Alice escovava e escovava, cada movimento levantava mais sujeira para o ar, e ela pensava. Tenho de procurar o Departamento de Ener­gia Elétrica, mas como poderei ir até lá neste estado?

Ela levantou-se, uma aparição no ar saturado de poeira branca, e disse:

Sua amiga... está em casa? Será que ela me deixaria to­mar um banho?

Philip não respondeu: examinava um cabo, com a ajuda de uma lanterna. Alice acrescentou, furiosa:

Havia banhos públicos até o ano passado, muito bons, perto daqui, na Auction Street. Amigos meus os usavam... eles estão numa casa abandonada na Belsize Road. Mas a prefeitura os fechou.

Ela sentiu as lágrimas quentes escorrerem pelas faces esbranquiçadas e ficou olhando, exausta, suplicante, para as costas fran­zinas de Philip, quase femininas.

Tivemos uma tremenda briga quando saí de casa — informou Philip.

Alice pensou: Ela expulsou-o.

Ora, não importa. Darei outro jeito. Vou me limpar e depois procurar o Departamento de Energia Elétrica. Por isso, tome cuidado, pois eles podem ligar a corrente a qualquer momento.

Acha que pode convencê-los?

Já consegui outras coisas, não é?

Ao pensar nisso e em outras vitórias, Alice sentiu que a depressão se dissipava, e voltou a transbordar de energia.

No vestíbulo, as duas mulheres desesperadas estavam se preparando para sair para o mundo de ruas, jardins, vizinhos, ga­tos, carros e pardais.

Pareciam-se com as outras pessoas, pensou Alice, observando-as virar o rosto, a linda e loura Faye muito delicada, dentro do ambiente protetor quase tangível da morena Roberta, forte como um tanque — tão forte quanto eu, concluiu Alice, parada ali, sabendo que estava com a aparência de um palhaço que aca­bara de tomar um banho de farinha de trigo.

Ora, ora... — murmurou Faye, divertida.

Essa é ótima — comentou Roberta.

As duas riram e passaram pela porta, como se não tivessem nada a ver com todo aquele trabalho árduo.

Não adianta esperar coisa alguma — disse Alice para si mesma, estoicamente, depois de muita experiência com as pes­soas que faziam e com as que não faziam.

Subiu para o banheiro e ficou nua, desolada, enquanto a banheira se enchia de água fria, até o nível da marca de sujeira, que indicava onde já fizera a mesma coisa no início daquele dia. E mais uma vez ela entrou na água, esforçando-se para limpar a sujeira, a filha de sua mãe, pensando morbidamente nos qua­tro anos que passara na casa da mãe, onde a água quente saía obediente ao toque de um botão. Eles não sabem quanto isso custa, pensou Alice, furiosa. Tudo isso vem do suor dos operá­rios, de nós.

Fez o melhor que pôde; vestiu uma saia limpa e impecável, que tomara emprestada da mãe, com o gracejo apropriado: pre­cisava às vezes de uma saia para ter respeitabilidade, pois algu­mas pessoas se sentiam mais tranqüilas assim. Pôs outra blusa limpa, dessa vez a de algodão azul, que a fazia sentir-se confian­te. Arrumou da melhor forma possível os cabelos, ainda gordu­rosos e cheios de poeira, apesar de tê-los mergulhado num balde de água fria. Desceu para a sala de estar. Pat, relaxada numa pol­trona, dormia. Alice aproximou-se sem fazer barulho e contem­plou aquela desconhecida, que era sua aliada. E pensou: Ela não irá embora por enquanto. Não quer ir. Não tem Bert em alta conta, mas vai ficar por causa de todo o seu amor.

Pat estava esparramada na poltrona como se tivesse caído do teto, a cabeça inclinada para trás, o rosto levantado e expos­to. Os olhos e os lábios tremiam, prestes a se abrirem. Alice ficou esperando que ela despertasse e sorrisse. Mas Pat conti­nuou adormecida, vulnerável sob a inspeção meticulosa de Ali­ce. Ela sentiu que possuía Pat naquele olhar sua vida, o que ela era e o que seria. Nunca se permitiria dormir assim, exposta a qualquer um que entrasse e olhasse. Era uma atitude descuidada e tola, como andar na rua com dinheiro solto na mão. Alice adiantou-se e inclinou-se sobre Pat, a fim de observar melhor aquele rosto inocente, com os olhos fechados, por trás dos quais uma habitante se embrenhara por território desconhecido. Sentiu-se curiosa. Com que Pat estaria sonhando, parecendo um bebê tirando um cochilo, depois de tomar uma mamadeira? Ali­ce começou a sentir-se protetora, querendo que Pat despertas­se, caso os outros entrassem e a vissem assim, indefesa. Mas, a seguir pensou: Provavelmente será Bert, não é mesmo? A Bela Adormecida! Agora era desdém o que sentia, por causa da ne­cessidade de Pat. Se ela tem esse problema, então não há saída, disse Alice a si mesma, ponderada, dando os descontos necessá­rios. E, procurando não fazer barulho, deixou a sala de estar, atravessou o vestíbulo e saiu para o mundo exterior. Eram cerca de três horas de uma tarde de primavera fresca e revigorante. Alice pegou o ônibus para ir ao Departamento de Energia Elé­trica, com a maior confiança.

O departamento ficava num prédio grande e moderno, recuado da rua, onde enxameavam, em carros e a pé, pessoas ani­madas, poliglotas e necessitadas, cuja vida sustentavam com luz, chaleiras fervendo, vigorosos aspiradores de pó... energia. O prédio parecia consciente de seu papel: quase um milhão de pes­soas dependia de suas atividades. Era sólido e confiável. As ja­nelas faiscavam. Os carros dos funcionários estavam estacionados em filas ordenadas, reluzentes.

Alice subiu os degraus e, conhecendo o caminho por já ter visitado prédios similares, foi direto para o segundo andar, cons­tatando que se encontrava no lugar certo, pois havia uma sala em que cerca de dez pessoas esperavam. Contas atrasadas, no­vas ligações, ameaças de corte, uma pequena e paciente multi­dão de solicitantes. Havia duas outras portas na sala, e Alice sentou-se numa posição que lhe permitia ver através de ambas. Quando as portas se abriam para emitir um consumidor e ad­mitir outro, Alice examinava o rosto daqueles novos árbitros. Havia somente mulheres, sentadas por trás de suas respectivas mesas. Depois de um único olhar, ela compreendeu que havia uma que devia evitar. Aquela mulher cumpria a lei ao pé da letra, calculou Alice, percebendo uma certa satisfação na com­petência. Rosto e lábios finos, cabelos louros ondulados e im­pecavelmente escovados, um sorriso que Alice não tinha a intenção de ganhar. Mas a outra mulher poderia aceitar seus argumentos, embora à primeira vista... Ela era grande, e o ves­tido grosso e justo mantinha-a compacta e segura, desempenhan­do as funções de um espartilho, mas daquela fortaleza de vesti­do emergia um rosto largo, suave, um tanto infantil, e mãos enormes e também suaves. Alice procurou a posição adequada e no momento devido viu-se sentada diante daquela mulher ma­ternal, que sabia que várias vezes por dia contornava um pouco o rigor da lei, pois sentia pena das pessoas.

Alice contou sua história e descreveu — sabendo exatamen­te o que estava fazendo — a casa grande e sólida, que inexplicavelmente seria demolida, a fim de dar lugar a mais um repulsivo bloco de apartamentos. Depois, exibiu o envelope oficial da pre­feitura, com a carta dentro.

Aquela autoridade, a senhora Whitfield, apenas correu os olhos pela carta e disse:

Estou vendo que a casa foi incluída na agenda para discussão, mas isso é tudo. Ainda não houve uma decisão. Ela levantou um cartão no pequeno arquivo a seu lado. Número 43? Conheço a casa. Tem a 43 e a 45. Passo por lá todos os dias, a caminho da estação do metrô. E as casas me deixam enojada.

Ela olhou embaraçada para Alice, até corou.

Já começamos a limpar a 43. Os lixeiros vão levar todo o lixo amanhã.

Quer que eu providencie a religação agora, antes de sa­ber a decisão da prefeitura?

Tenho certeza de que será favorável disse Alice, sorrindo.

Ela estava mesmo convencida. A senhora Whitfield percebeu-o, sentiu-o e meneou a cabeça.

Quem vai garantir o pagamento? Você? Por acaso tem um emprego?

Não respondeu Alice. No momento, não.

Ela pôs-se a falar, de maneira calma e séria, sobre as casas em Halifax, Manchester e Birmingham que haviam sido salvas, em que a energia elétrica correra obediente através dos fios, de­pois de uma longa abstinência. A senhora Whitfield ficou escu­tando, sólida e firme em sua cadeira, enquanto a mão enorme e branca empunhava uma caneta esferográfica por cima de um formulário: Sim. Não.

Para autorizar a religação da energia, preciso primeiro de um fiador disse ela.

Mas sabe que essa exigência só existe aqui... talvez em mais um ou dois outros lugares. Em Lampton, por exemplo, vocês seriam obrigados a nos fornecer energia de qualquer ma­neira. Basta as pessoas pedirem que a ligação tem de ser feita.

Você parece conhecer a situação tão bem quanto eu comentou a senhora Whitfield, suavemente. Não sou eu quem formula a política, apenas a executo. E a política aqui é exigir um fiador.

Mas os olhos azuis da mulher, fixados em Alice, não eram combativos ou hostis, muito ao contrário; ela parecia estar ape­lando para que Alice apresentasse alguma solução.

Meu pai vai garantir o pagamento declarou Alice. Tenho certeza.

A senhora Whitfield já começara a preencher o formulário.

Então não há problema. Qual é o nome dele? Endere­ço? Telefone? Precisamos de um depósito.

Alice tirou dez libras e pôs sobre a mesa. Sabia que não era suficiente. A senhora Whitfield assumiu uma expressão cautelosa e assinou o formulário. Não olhou para Alice. Um mau sinal. Não pegou o dinheiro. Finalmente, ergueu os olhos para Alice e pareceu surpresa com o que viu.

Quantos vocês são? perguntou ela, apressada, como quem queria ganhar tempo, olhando para a nota e depois fazendo um esforço para confrontar o rosto de Alice, aquele ros­to que não aceitaria uma negativa.

Não era justo!, a senhora Whitfield parecia estar sentindo. Eram impróprias e erradas as emoções que Alice introduzira naquele escritório ordenado e sensato. Provavelmente o que a senhora Whitfield devia estar fazendo era dizer a Alice que fos­se embora e voltasse depois com provas suficientes de sua posi­ção como cidadã. Porém a senhora Whitfield não podia fazer isso. De jeito nenhum. Alice podia perceber pelo modo como o busto enorme arfava, pelo rosto um pouco corado e choca­do, que estava prestes a sair vitoriosa.

Está bem a senhora Whitfield acabou dizendo.

Ela permaneceu imóvel por um momento, não tanto emdúvida, pois já tomara sua decisão, mas preocupada. Por Alice.

Aquelas casas são enormes comentou ela, querendo dizer que consumiam muita energia.

Não haverá problemas garantiu Alice, sabendo que haveria. Pode fazer a ligação esta tarde? Temos um eletricis­ta trabalhando na casa e isso ajudaria muito...

A senhora Whitfield acenou com a cabeça. Alice foi embo­ra, sabendo que a mulher a observava, perturbada, talvez já especulando por que cedera.

Em vez de seguir direto para casa, Alice parou numa cabi­ne telefônica, na esquina, e ligou para a mãe. Não reconhe­ceu a princípio a voz que atendeu; mas era a mãe. Aquela voz horrível e sem qualquer inflexão... Ela quase disse "Aqui é Alice", mas não foi capaz. Repôs o fone no gancho gentilmente e ligou para o pai. Mas foi o sócio dele que atendeu.

Comprou uma garrafa térmica grande (que sempre seria útil, até em manifestações e piquetes), pediu à mulher de Fred para enchê-la com um chá forte e foi para casa.

A nuvem de poeira branca na cozinha se dissipara. Ela dis­se a Philip, agora agachado no chão, com metade das tábuas do assoalho levantada:

Tome cuidado, pois eles podem ligar a corrente a qual­quer momento.

Já ligaram. Acabei de testar.

Philip presenteou-a com um sorriso que fez com que tudo valesse a pena. Sentaram-se à mesa grande e tomaram o chá for­te, felizes, num clima de companheirismo. Era uma cozinha grande. Houvera um tempo em que uma família ali centraliza­va a sua vida, aquecida, segura e inabalável. Sentavam-se juntos em torno daquela mesa. Mas Alice sabia que era preciso dinhei­ro antes que tudo isso pudesse recomeçar.

Ela deixou Philip e foi para a sala de estar, onde Pat estava acordada, não mais esparramada e exposta à sua curiosidade an­siosa. Estava lendo. Um romance. De algum autor russo. Alice conhecia o nome do autor como conhecia o nome de muitos autores — ou seja, como se fossem objetos numa prateleira, só­lidos e fixos, reluzentes, com vida e luz próprias. Como boli­nhas de gude, que se podia revirar entre os dedos pelo tempo que se quisesse, mas jamais revelavam seus segredos, jamais se submetiam.

Alice nunca lia outra coisa além de jornais.

Quando criança, insistiam muito com ela: Alice tem um bloqueio contra os livros. Era uma leitora relutante, algo que não podia ser ignorado numa casa impregnada de livros. Seus pais, especialmente a mãe, as visitas, todas as pessoas que ela conhe­cia já tinham lido tudo. Nunca paravam de ler. Os livros entra­vam e saíam de sua casa em ondas.

Eles se reproduzem nas prateleiras — gracejavam os pais, e depois seu irmão, na maior felicidade.

Mas Alice acalentava seu bloqueio. Era um mundo em que podia optar por não entrar. Podia polidamente recusar. E persistia nessa atitude, sempre polida, mas firme, saboreando se­cretamente o poder que possuía de inquietar os pais.

Não vejo o menor sentido em toda essa leitura — dizia.

E continuara a dizê-lo, mesmo na universidade, estudando política e economia, ainda mais porque os livros que deveria ler não possuíam a qualidade inacessível e zombeteira daqueles outros.

Estou interessada apenas nos fatos — ela sempre afirma­va, durante esse período, quando não havia escapatória e tinha de ler pelo menos um mínimo de livros.

Mas, depois, aprendera que não podia dizer isso. Sempre houvera livros de todos os tipos nas casas ocupadas e nas comu­nas. Costumava especular como era possível que um camarada com uma visão lúcida e correta da boa vida estivesse disposto a arriscar tudo pela leitura de todos aqueles textos perigosos e equívocos, nos quais podia mergulhar por um instante, mas lo­go se retirava, como que escaldada. Chegara a ler em segredo, quase até o fim, um romance que fora recomendado como um instrumento útil na luta, mas experimentara a mesma sensação do tempo de criança: se perseverasse, deixando que um livro levasse a outro, poderia se descobrir perdida, sem mapas.

Mas ela sabia as coisas certas para dizer. E comentou agora, sobre o livro que Pat estava lendo:

Ele é um escritor muito humanista.

Pat fechou o Riso na escuridão e empertigou-se na poltro­na, com expressão pensativa, olhando para Alice.

Nabokov um humanista? indagou ela.

Alice compreendeu que havia o grave risco do que temia mais do que qualquer outra coisa: a conversa literária.

Eu acho que sim insistiu ela, com um sorriso modes­to e o ar de uma pessoa disposta a defender uma posição impopular, alcançada depois de muita reflexão. Ele se importa realmente com as pessoas.

Alguém algum camarada, em alguma ocasião, em algu­ma comuna recomendara: "Quando em dúvida, pode tachá-los de humanistas".

A expressão firme, interessada e pensativa de Pat lembrava uma coisa a Alice. Uma pessoa. Isso mesmo: Zoé Devlin. Era assim que ela olhava para Alice quando se falava em literatura; Alice não tinha então qualquer alternativa senão oferecer uma contribuição.

E, subitamente, Alice lembrou mais uma coisa. Zoé Devlin. Isso mesmo.

Uma briga ou pelo menos uma discussão entre Dorothy Mellings e Zoé Devlin. Recentemente. Não muito antes de Alice partir.

Ela se concentrava com tanto empenho na recordação que sentou, mal notando o que fazia e esquecendo Pat.

A mãe queria que Zoé lesse algum livro e Zoé dissera que não, pois achava que sua visão política era reacionária.

Como sabe se ainda não leu? indagara Dorothy, rindo.

Há uma porção de livros assim, não é? insistira Zoé. Provavelmente escritos pela CIA.

E você mesma quem está falando, Zoé? dissera Dorothy, parando de rir. E de fato Zoé Devlin? Minha grande amiga, a destemida e incorruptível Zoé Devlin, uma pessoa de mente aberta?

Espero que sim.

Eu também espero — continuara Dorothy, cada vez mais séria. — Será que ainda temos alguma coisa em comum?

Ora, Dorothy, pare com isso. Não quero discutir, mes­mo que você esteja com vontade.

Não está disposta a discutir sobre algo tão importante quanto um livro? Uma visão da vida?

Zoé acabara gracejando sobre a situação. E fora embora pou­co depois. Teria voltado à casa? Claro que sim, pois estava sempre entrando e saindo daquela casa há... desde que Alice nascera.

Zoé era uma das "tias" de Alice, como Theresa.

Por que não pensara em procurá-la para conseguir dinhei­ro? Espere um pouco, havia alguma coisa no fundo de sua mente... o quê? Isso mesmo, houvera aquela tremenda briga entre Dorothy e Zoé. E fora recente, não tinha mais de uma semana ou por aí. Apenas uma briga? Não, mais. Uma porção.

Dorothy dissera que Zoé era mole, como um sorvete de chocolate.

Haviam gritado uma com a outra.Zoé saíra correndo. Ela, Alice, gritara para a mãe:

Você não vai ter mais nenhuma amiga se continuar assim!

Alice estava se sentindo enjoada. E muito. Acabaria vomitando, se não tomasse cuidado. Continuou sentada, imóvel, com­primindo os olhos, mas falou normalmente, como se nada tivesse acontecido:

Estou com receio de que a polícia possa aparecer de novo.

Era isso o que ela viera dizer.

A polícia? Por quê?

Precisamos tomar uma decisão. Vamos supor que a po­lícia apareça de novo e entre na casa.

Já sobrevivemos a isso antes.

O problema são os baldes... todos aqueles baldes lá em cima. Não podemos esvaziá-los no sistema. Não tudo de uma vez. Seria um risco. Só Deus sabe como os canos estão lá em­baixo, onde não podemos ver. E se esvaziarmos um de cada vez... um por dia, por exemplo... vai levar uma eternidade. Mas se cavarmos um buraco...

Tem os vizinhos — disse Pat no mesmo instante.

Conversarei com a mulher da casa ao lado.

Não posso imaginar Joan Robbins pulando de alegria.

Mas vai acabar com a coisa de uma vez por todas, não é mesmo? E todos ficarão satisfeitos por isso.

Todo o trabalho teria de ser feito por você, Jim e eu.

Sei disso. Vou falar agora com Joan Robbins. Peça a Jim para ajudar.

Uma pausa. Pat bocejou, contorceu-se na poltrona, levan­tou o livro, tornou a baixá-lo e disse:

Está bem.

No jardim ao lado, que era bastante largo, dividido por um caminho de cascalho, Joan Robbins trabalhava num canteiro com um forcado. Debaixo de uma árvore, do outro lado, estava sentada uma velha, olhando para o céu.

Joan Robbins empertigou-se quando Alice apareceu, assumindo uma atitude defensiva. Mas Alice não lhe deu tempo pa­ra um protesto, pois foi logo dizendo:

Senhora Robbins, pode nos emprestar suas ferramentas por algum tempo? Queremos escavar um buraco. Bem grande. Para o lixo.

Joan Robbins, que já agüentara a irritação da casa 43 por muito tempo, deu a impressão de que ia dizer não, que já estava cansada de tudo aquilo. O rosto simpático estava furioso e corado.

Mas a velha sentada numa cadeira debaixo da árvore inclinou-se para a frente nesse momento. Seu rosto era encovado e arroxeado, os cabelos brancos eriçados. E ela disse, numa voz engrolada, velha, um pouco trêmula:

Vocês são muito porcos.

Não somos, não — protestou Alice, firmemente. — Estamos limpando tudo.

Pessoas porcas e desagradáveis — insistiu a velha, embo­ra já não com tanta segurança, depois de avaliar uma moça tão simpática parada no gramado verde, com os narcisos por trás.

Sua mãe? — perguntou Alice.

Uma inquilina — respondeu a senhora Robbins, sem moderar a voz. — Ocupa o apartamento de cima.

Alice compreendeu a situação num relance. Aproximou-se da velha e disse:

Como tem passado? Sou Alice Mellings. Acabei de me mudar para a casa 43. Estamos arrumando tudo e tirando o lixo.

A velha se encolheu: seus olhos pareceram ficar vidrados pelo esforço.

Até breve — acrescentou Alice.

Voltou para junto da senhora Robbins, que indagou, carrancuda, indicando as fileiras de sacos pretos lustrosos, todos cheios:

O que vão enterrar?

Ela sabia!

Vai acabar com o mau cheiro, de uma vez por todas — respondeu Alice. — Pensamos em cavar o buraco esta tarde e nos livrarmos de tudo esta noite... para sempre.

E uma coisa horrível — disse a senhora Robbins, choro­sa. — E uma rua muito agradável.

Amanhã, a esta hora, já não haverá mais lixo. O mau cheiro vai desaparecer.

E o que me diz da outra casa, a 45? As moscas são de­mais no verão. Não deveria ser permitido. A polícia bem que tira o pessoal de lá... mas eles sempre voltam.

Ela poderia ter dito "vocês". Alice insistiu:

Se começarmos a cavar agora...

Joan Robbins sugeriu:

Se cavassem bastante fundo...

Alice voltou correndo para a casa. Na sala em que o vira pela primeira vez, Jim tocava seus tambores. A princípio ele não sorriu, mas acabou por fazê-lo, porque era essa a sua natu­reza. Mas ressaltou:

Daqui a pouco estarão me dizendo: Jim, você tem de ir embora...

Ninguém vai dizer isso — garantiu Alice, fazendo outra promessa.

Ele levantou-se e seguiu-a; encontraram Pat no vestíbulo. Na parte do jardim mais distante da rua, escondida pela casa, havia um lugar que já fora um depósito de adubo. Começaram a cavar, enquanto do outro lado da sebe a senhora Robbins tra­balhava no canteiro, sem olhar para eles. Mas ela era a barreira contra o resto da rua abelhuda, que obviamente observava de suas janelas, trocando comentários, achando até mesmo que es­tava na hora de chamar a polícia de novo.

A terra estava macia. Encontraram o esqueleto de um cachorro grande, duas moedas antigas, uma faca quebrada, um for­cado de jardim enferrujado, que seria bastante útil quando fizessem a limpeza, depois uma garrafa... e outra garrafa. E logo estavam tirando uma garrafa depois de outra. De uísque, conhaque e gim, garrafas de todos os tamanhos, centenas, esta­vam afundados até a altura da cintura no buraco na terra, cer­cados por garrafas, anos de ressacas e esquecimento de alguém.

Pessoas voltavam do trabalho, paravam, olhavam, comentavam. Um homem disse, jovialmente:

Vão enterrar um cadáver?

Daqui a pouco a polícia vai aparecer comentou Jim, amargo, experiente.

Oh, Deus, essas garrafas! praguejou Pat.

O banco de garrafas murmurou Alice. Se tivésse­mos um carro... Quem tem um carro?

O pessoal da outra casa tem.

Da 45? Será que nos emprestariam? Precisamos nos livrar dessas garrafas.

Você é demais, Alice protestou Pat.

Mas ela encostou sua pá na parede da casa sabiam que do outro lado ficava a sala de estar, onde Bert e Jasper conversavam —, saiu para a rua transversal e encaminhou-se para a prin­cipal. Voltou pouco depois num velho Toyota. Eles estenderam sacos de plástico vazios nos assentos e encheram o carro com garrafas: atrás até o teto, a mala, o espaço na frente ao lado do motorista, deixando apenas lugar para Alice se agachar, enquanto Pat guiava até os grandes depósitos de cimento, onde trabalha­ram por quarenta e cinco minutos, quebrando as garrafas.

Já chega por hoje disse Pat, falando sério, enquanto estacionava o carro diante da casa 45.

Saltaram, e Alice olhou para o jardim, consternada.

Não vai querer limpar esse também! acrescentou Pat, outra vez mais uma declaração do que uma pergunta.

Ela foi para a casa, sem olhar para trás, subiu para o segun­do andar e entrou no banheiro.

Não fez qualquer comentário sobre a lâmpada nova, derramando alguma claridade pelo vestíbulo.

Alice pensou: Quantos cômodos a casa tem? Vamos pôr uma lâmpada em cada um? Mas isso custaria libras e mais libras, pe­lo menos dez. Preciso arrumar dinheiro...

Estava escuro lá fora. Uma noite úmida, ventando bastante.

Alice foi para a sala de estar. Bert e Jasper não estavam ali. Ela pensou: Nesse caso, seremos eu e Jim...

Jim estava outra vez com seus tambores. Ela entrou na ou­tra sala e disse:

Vou buscar os baldes. Você fica ao lado do buraco e jo­ga a terra. Bem depressa, antes que a rua inteira comece a reclamar.

Jim hesitou, parecia prestes a protestar, mas acabou concordando.

Ela nunca tivera de fazer nada tão repulsivo, em toda a sua história de comunas e casas abandonadas. O quarto que tinha apenas uns poucos baldes já estava horrível, mas o outro, maior, cheio de baldes transbordando, deixou-a com vontade de vomi­tar antes mesmo de abrir a porta. Trabalhou depressa, carre­gando dois baldes de cada vez, controlando o estômago em­brulhado, num miasma que não parecia diminuir, mas em vez disso se espalhava da casa para o jardim e a rua. Ela esvaziava os baldes, enquanto Jim rapidamente jogava terra por cima. O rosto dele tinha uma expressão horrível. Do jardim em frente vieram gritos de "Porcos!" Alice saiu para a pequena rua e pa­rou junto a uma sebe, bastante alta, dizendo a alguém que ob­servava do outro lado, um homem:

Estamos limpando tudo. Não haverá mais qualquer chei­ro depois desta noite.

Vocês deviam ser denunciados à prefeitura.

A prefeitura sabe declarou Alice. Está a par de tu­do o que fazemos aqui.

Sua voz era serena, confiante, no tom de um proprietário para outro proprietário. Retornou sob os lampiões para seu jar­dim escuro, com uma pose tranqüila, quase indiferente. E recomeçou o trabalho de descer os baldes.

Por volta das onze o buraco estava cheio, completamente coberto, e o mau cheiro já começava a se dissipar.

Alice e Jim ficaram parados no escuro, cercados pelas moi­tas confortadoras. Ele tirou um cigarro do bolso e acendeu-o; embora não costumasse fumar, Alice aceitou um. Fumaram jun­tos, tragando as nuvens de fumaça e soprando com força, ten­tando preencher o ar do jardim com aquela fragrância. Jim comentou, com uma risada consternada:

Era tudo merda minha. Ou quase tudo. Havia também de Roberta e Faye.

Sei disso. Não importa, agora.

Já pensou, Alice... alguma vez já parou para pensar a respeito... quanta merda fazemos ao longo da vida? Só estou aqui há oito meses, mais ou menos. Se toda a merda que fazemos na vida fosse posta num tambor... ou num tanque gran­de... precisaríamos de um tanque grande como o da usina de energia elétrica de Battersea para todo mundo. Ele estava rin­do, mas parecia assustado. Vai tudo para os esgotos, por bai­xo dos nossos pés. Mas já pensou o que aconteceria se os esgotos ficassem entupidos?

Isso não vai acontecer garantiu Alice, esquadrinhan­do na escuridão o rosto escuro de Jim, procurando descobrir o que o estava realmente assustando.

E por que não? Dizem que nossos esgotos são velhos e apodrecidos. E se explodissem, com o gás de esgoto?

Ele tornou a rir. Alice não sabia o que dizer.

E a gente continua a viver nesta cidade — acrescentou Jim, dominado pelo desespero. — Continuamos a viver...

Jim estava agora muito diferente de seu jeito habitual. Desaparecera a expressão doce e cordial. Era agora amargurada, irada e assustada.

Esqueça tudo isso, Jim. Vamos tomar um chá. O servi­ço já acabou.

É justamente o que eu estava querendo dizer — insistiu Jim, soturno. — Você diz vamos tomar um chá e acha que é o fim de tudo. Mas não é. De jeito nenhum.

Ele largou a pá e foi se trancar sozinho em sua sala.

Alice também entrou na casa. Pela terceira vez naquele dia ela foi para o banheiro encardido, fazendo um esforço para se lavar com água fria.

Depois, ela subiu. Todas as janelas do último andar esta­vam abertas, deixando entrar o ar fresco. Chovia. Os sacos de lixo ficariam com bastante água, o que poderia deixar os lixei­ros irritados.

Meia-noite. Alice desceu, bocejando, avaliando a casa mentalmente, a disposição dos cômodos, tudo o que precisava ser feito. Onde estava Jasper? Ela queria Jasper. A necessidade de Jasper a dominava de vez em quando, como naquele momento. Apenas saber que ele estava por ali, em algum lugar; ou, se não estava, chegaria em breve. Mas quando chegou ao último de­grau houve uma batida na porta, como um aríete em ação. A polícia. Sua mente disparou. Jasper? Se ele estava na casa, ficaria escondido? Bastava à polícia dar uma olhada em Jasper para agarrá-lo. Haviam gracejado muitas vezes que se a polícia avis­tasse Jasper a cem metros de distância, no escuro, partiria para o bote. Devia haver alguma coisa nele que era inadmissível. E Roberta e Faye? Por favor, Deus, faça com que elas ainda este­jam no piquete. A polícia só teria de dar uma olhada nelas tam­bém para entrar em ação. O tipo errado de policial acharia irresistível o seu jeito infantil. Mas Pat não seria problema. Nem Bert... Onde estava Jim?

Enquanto ela pensava em tudo isso, Pat passou pela porta da sala de estar e fechou-a, de um jeito que revelou a Alice que os dois homens se encontravam lá dentro; e Philip estava na porta da cozinha, segurando uma lanterna grande, acesa, e um alicate.

Alice correu para a porta da frente e abriu-a, tão depressa que os homens que a martelavam cambalearam para dentro, qua­se caindo em cima dela.

Entrem disse ela calmamente, avaliando a situação num olhar.

Os policiais exibiam a expressão de caçadores, que ela conhecia muito bem; mas a situação não era tão má assim, pois eles não estavam com o sangue quente, à exceção talvez de um, cujo rosto era familiar a Alice. Não como indivíduo, mas como um tipo. Um rosto frio, aprumado, com um bigodinho felpudo. Um rosto de criança, de olhos cinzentos, duros e frios. Ele gosta disso, refletiu Alice; e percebendo o olhar do homem ao redor, como se estivesse ansioso por atacar, mal contido por uma colei­ra, ela sentiu calafrios descendo pelas coxas. Tomou cuidado pa­ra evitar que o homem percebesse sua expressão e foi postar-se na frente de outro policial, grande e largo, que devia pesar pelo menos cem quilos. Um sargento. Ela também conhecia o tipo. Não era dos piores. Teve de levantar os olhos para fitá-lo, e o homem contemplou-a de cima, com olhar avaliativo.

Mandamos vocês saírem daqui disse esse homem, com o mesmo tom que os lixeiros haviam usado, um desdém duro, mas ao mesmo tempo fazendo um gesto para dois homens que estavam prestes a empurrar Pat para o lado e entrar na sala de estar, o que os levou a desistir.

Alice estendeu o papel amarelo e disse:

Estamos aqui com autorização.

Não estão, não disse o sargento, percebendo no mes­mo instante o ponto principal.

Ainda não, mas faltam apenas dois dias para isso in­sistiu Alice. Já fiz isso antes. Não há problemas, desde que se paguem as contas e se mantenha a casa limpa.

Limpa, hem? disse ele, inclinando-se para Alice, com as mãos nos quadris, como um sargento de teatro. O lugar está uma nojeira.

Viu todo o lixo lá fora. A prefeitura vai levá-lo amanhã. Já combinei com eles.

Combinou, hem? Então por que recebemos vários telefonemas de que vocês tinham aberto um buraco no jardim para enterrar estrume?

Estrume é mesmo a palavra confirmou Alice. Os operários da prefeitura encheram os vasos com cimento, e por isso havia baldes lá em cima. Precisávamos nos livrar deles. E cavamos um buraco.

Uma pausa. O homem enorme ficou parado ali, um pouco inclinado para a frente, deixando que o rosto largo e vermelho expressasse uma incredulidade controlada.

Vocês cavaram um buraco — murmurou ele.

Isso mesmo.

No meio de Londres. Vocês abriram uma fossa.

Foi justamente o que fizemos — concordou Alice, sem­pre polida.

E depois de abrirem uma fossa, vocês a encheram com...

O homem hesitou.

Merda — completou Alice.

Os cinco outros policiais riram, sorriram, prenderam a respiração, de acordo com suas naturezas, mas o jovem bruto a quem Alice prestava alguma atenção desde o início chutou subitamente a porta do armário debaixo da escada, quebrando-a.

Philip deixou escapar uma exclamação, e o homem avan­çou para ele no mesmo instante.

Você disse alguma coisa? — indagou o policial, assoman­do sobre Philip, que estava parado, em seu macacão branco, e podia ser facilmente desmontado com um chute.

Isso não importa — interveio o sargento, com plena autoridade.

Ele queria cuidar do crime principal. O policial rancoroso deu um passo para trás e parou, os punhos cerrados, os olhos fixados agora em Pat, que se mantinha relaxada, observando Alice. Avaliando o olhar dele, Alice compreendeu que Pat podia esperar o pior se encontrasse aquele homem em alguma ma­nifestação. E experimentou novamente a sensação de calafrio.

Quer dizer que vocês abriram um buraco no jardim e fizeram uma fossa, sem qualquer autorização? — indagou o sargento.

O que mais podíamos fazer? — respondeu Alice, em tom moderado. — Não podíamos despejar ao mesmo tempo dezenas de baldes de merda no sistema de esgoto. Não numa casa que estava vazia. Haveria então motivos maiores para reclama­ções, não é?

Outra pausa.

Não podem fazer esse tipo de coisa — declarou o sar­gento.

Batendo em retirada. Por favor, Deus, pensou Alice, não deixe que Pat ou Philip diga "Mas fizemos!"

Silêncio. A coisa estava na balança. Por favor, Deus, por favor, pensou Alice, não permita que nada aconteça, que as duas garotas não entrem o que seria a pá de cal ou que Jasper não resolva se intrometer... Pois Jasper, num certo ânimo, podia muito bem sair e provocar uma confrontação.

Mas a situação se manteve. Os cinco policiais que estavam dispersos pelo vestíbulo voltaram a se concentrar em torno de seu líder, como uma posse. Alice disse:

Com licença, mas pode me devolver isso?

O sargento ainda estava com o papel amarelo. Ele tornou a ler, solene, depois entregou-o.

Terei de comunicar a abertura do buraco ao Departa­mento de Agua disse ele.

Não havia canos onde cavamos declarou Alice. Ab­solutamente nenhum.

Apenas um esqueleto comunicou Pat, em tom negligente. Os seis homens se viraram em sua direção, como um só, com expressões iradas, e ela acrescentou: De um cachorro. Era a sepultura de um cachorro.

Os homens relaxaram. Mas continuaram a olhar para Pat. Ela os provocara, mas suavemente. A luz difusa da única lâm­pada, Pat estava descontraída, uma moça morena e bonita, com um sorriso polido.

Vamos voltar declarou o sargento, sacudindo a cabe­ça para a porta.

Todos saíram, o ameaçador por último, com um olhar frio e frustrado para Philip e Pat, mas sem dispensar muita atenção a Pat, uma pessoa comum, que não oferecia qualquer desafio.

A porta foi fechada. Ninguém se mexeu. Todos ficaram olhando para a porta; a polícia podia entrar de novo, arromban- do-a. Uma armadilha. Mas os segundos foram passando. Ouvi­ram um carro ser ligado. Alice acenou com a cabeça para Phi­lip, que parecia prestes a romper numa efusão de sentimento. E a porta foi aberta. Era o sargento.

Dei uma olhada naqueles sacos disse ele. Disse que serão levados amanhã?

Mas seus olhos vasculhavam o vestíbulo, detendo-se com um ligeiro franzido da testa na porta quebrada do armário sob a escada.

Isso mesmo, amanhã. Com voz desapontada, Alice acrescentou: Não foi muito legal quebrar aquela porta sem motivo algum.

Apresente queixa disse o sargento, lacônico, quase jo­vial, para desaparecer em seguida.

Fascistas de merda! disse Pat, quase numa explosão.

Todos permaneceram onde estavam. Era quase como se brincassem de "estátuas".

Eles deixaram passar dois ou três minutos e depois, como uma só pessoa, ressuscitaram, enquanto Jim emergia das som­bras de sua sala, sorrindo. Os quatro foram para a sala de es­tar, onde Jasper e Bert estavam refestelados, tomando cerveja. Alice compreendeu, pelo jeito dos dois, que Jasper estivera con­tando a Bert como ela era boa nessas coisas... refletindo crédi­to sobre si mesmo; e que Pat estava impressionada e Jim incré­dulo com a aparente facilidade de tudo. Ela sabia que aquele era o momento em que podia impor sua vontade em qualquer coisa, e em sua mente, no alto da longa agenda de dificuldades a serem superadas, um item se destacava: Philip e Jim.

Ela aceitou uma garrafa de cerveja oferecida por Bert, que a acompanhou com o sinal do polegar para cima. Logo to­dos estavam sentados num grupo compacto no centro da sala alta. Ainda não houvera tempo para substituir a luz de vela por uma lâmpada. Mas Philip manteve-se um pouco apartado, hesitante.

Primeiro disse Pat —, a Alice!

Todos beberam a ela, que se manteve em silêncio, sorrin­do, com medo de chorar.

Agora, pensou ela, vou resolver o problema de Philip. E de Jim. Vamos acertar tudo.

Mas no vestíbulo, subitamente, soaram vozes, risos. Um momento depois as duas garotas entraram na sala, acesas com a exal­tação que deriva de um dia satisfatório em piquetes, manifes­tações e marchas.

Roberta, rindo, aproximou-se do engradado, pegou uma garrafa, levou à boca, tomou um longo gole de cerveja. Estendeu a garrafa para Faye, que também bebeu.

Que dia! exclamou Roberta, indo se instalar no braço de uma poltrona, enquanto Faye ocupava o outro.

Uma dupla apartada, elas contemplaram o resto, como aventureiras, e iniciaram seu relato, Roberta liderando, Faye com­pletando os detalhes.

Eram cerca de duzentos ou trezentos piqueteiros — os números variaram, já que muitas pessoas apareciam e iam embora evitando que os caminhões com jornais passassem pelos por­tões para serem distribuídos. A polícia estava presente para pro­videnciar que os caminhões passassem incólumes.

Duzentos guardas! disse Roberta, desdenhosa. Duzentos guardas escrotos!

Mais guardas do que piqueteiros — acrescentou Faye, rindo.

Roberta olhou para ela, cheia de afeto. Animada e exultan­te, Faye era bonita de verdade. Sua aparência de apatia, até mesmo de depressão, desaparecera por completo. Parecia cintilar na sala escura.

Tive de impedir que Faye ficasse muito exaltada — informou Roberta. — Caso contrário ela estaria lá na frente. E com nós duas tendo de nos manter escondidas...

Houve prisões?

Cinco — respondeu Roberta. — Levaram Gerry. Mas ele não foi quietinho.

Não foi mesmo — acrescentou Faye, orgulhosa.

Quem mais?

Não conhecíamos os outros. Acho que eram da turma dos militantes.

Uma pausa. Alice sabia que perdera a vantagem e sentiu-se desanimada. E, percebendo a expressão de Jasper, enquanto ob­servava as duas garotas, ela pensou: Ele estará lá amanhã, se bem o conheço.

Vou para lá amanhã — anunciou Jasper.

Ele olhou para Bert, que disse:

Certo.

Bert olhou para Pat e ela murmurou:

Estou nessa.

Silêncio. Faye rompeu-o, muito excitada:

Eu gostaria de acabar com um daqueles camburões. Quando vi aquela coisa parada ali, blindada, toda iluminada, com uma tela no pára-brisa, senti o maior ódio... parecia a própria essência do mal.

Tem razão — concordou Bert. — Simboliza tudo o que odiamos.

Eu gostaria... eu gostaria... — Percebendo como o amante a fitava, Faye bancou a coquete nesse momento, acres­centando com um tremor provocante: — Eu gostaria de cravar os dentes no camburão!

Roberta deu-lhe um tapinha afetuoso no ombro e depois abraçou-a por um instante.

Mesmo assim, nós duas não devemos aparecer lá outra vez — ressaltou ela. — Não podemos ser apanhadas.

Por que não? — protestou Faye. — Basta a gente tomar cuidado.

É claro que eles fotografaram todo mundo — interveio Jim, muito excitado. — Devem ter os retratos de vocês.

Mas não estávamos fazendo nada — insistiu Faye. — E muito azar ter de ficar na moita...

Eu irei — anunciou Jim. — Terei o maior prazer. Sacanear os porcos.

Falou com sinceridade e algum pesar, o que fez com que Faye e Roberta o fitassem, curiosas. Bert disse:

A polícia esteve aqui esta noite.

Ainda bem que não estávamos — comentou Roberta.

Alice cuidou deles — explicou Pat. — Ela é uma verda­deira maravilha.

Porém ela não falou com a mesma cordialidade que teria se as duas mulheres não tivessem aparecido para dividir as fidelidades.

Tudo arruinado, pensou Alice, amargurada, surpreenden­do a si mesma. Um momento antes, ela refletira: Aqui estou eu a me preocupar com uma casa, enquanto elas estão fazendo algo sério.

Ora, muito bem — disse Faye, descartando a visita da polícia à casa como algo sem importância, em comparação com os grandes problemas. — Tenho de dormir agora, se quiser acor­dar cedo amanhã.

As duas se levantaram. Roberta olhou para Philip, que ain­da estava sentado ali, apartado, esperando.

Vai passar a noite aqui? — perguntou ela.

Philip olhou para Alice, que se apressou em dizer:

Eu disse a Philip que pode ficar aqui.

Ela ouviu o tom de apelo em sua voz, sabia que estava com a sua cara, sabia que podia a qualquer momento perder o controle e desatar a chorar.

O corpo de Roberta mudara sutilmente, parecia mais duro, indignado, embora ela se esforçasse para manter uma expressão imparcial. Philip dava a impressão de que estava recebendo gol­pes invisíveis.

Roberta olhou para Bert, alteando as sobrancelhas. A expressão de Bert era neutra; ele não tomaria partido. Mais uma vez, Alice pensou: Ele não é grande coisa. Não presta.

Alice olhou para Pat e percebeu algo que poderia salvar a situação. Pat esperava por Bert; isso mesmo, algo fora dito, dis­cutido, quando ela não estava presente. Uma decisão? Pat final­mente falou, já que Bert não se manifestava:

Philip, Alice não pode tomar decisões individualmente. Alice, você sabe disso. Precisamos discutir o assunto.

Nesse ponto ela olhou para Jim, que declarou no mesmo instante:

Cheguei aqui antes de qualquer um de vocês. Esta casa era minha. Ele parecia furioso, estava furioso, a jovialidade risonha desaparecera. Eu disse a vocês que podiam ficar, que esta era a Casa da Liberdade.

Ali estava uma questão de princípio. Alice a reconheceu e pensou: "E Jim quem vai salvar Philip!" Jim acrescentou:

E depois vocês vêm me dizer: "Este não é o seu lugar, tem de sair daqui". Não dá para entender!

Roberta e Faye se levantaram. Roberta disse:

Devemos convocar uma reunião de verdade e discutir o assunto direito.

Philip também se levantou e disse:

Estou trabalhando aqui há dois dias. As cinqüenta libras não pagariam a fiação que já usei.

Alice olhou desesperada para Jasper. Que estava esperando uma manifestação de Bert. Que sorriu calmamente, os dentes brancos e os lábios vermelhos brilhando na barba preta.

Pat levantou-se. E disse bruscamente, desapontada com Bert:

Não vejo qualquer motivo para que Philip não possa fi­car. Por que não? E Jim já estava aqui antes de qualquer um de nós chegar. Agora vou me deitar. Se queremos participar do piquete amanhã, então devemos levantar até as oito horas, o mais tardar.

Eu estarei no piquete declarou Philip.

Alice respirou fundo e conteve um gemido. Depois, murmurou:

Arrumarei o dinheiro. Terei amanhã à noite.

Philip soltou uma pequena risada desapontada.

E possível disse ele. Mas não é essa a questão. Se eu me preocupasse apenas com o dinheiro, nem estaria aqui.

Tem toda a razão concordou Pat. Bom, acho que todos estaremos no piquete amanhã.

Ela bocejou e espreguiçou-se, vigorosamente, sensualmen­te, lançando um olhar para Bert, que reagiu se levantando e passando um braço por seus ombros.

Oh, não, pensou Alice, não de novo!

Roberta e Faye saíram, de mãos dadas. Boa noite. Boa noite.

Bert e Pat também deixaram a sala, enlaçados.

Jasper foi atrás deles. Alice ouviu-o subir a escada corren­do, fazendo o maior barulho. E disse a Philip e Jim:

Está tudo acertado.

Mas você não pode dizer que está, não individualmente ressaltou Philip.

Isso mesmo acrescentou Jim.

Ele perdera sua agressividade irada. Voltara à sua personalidade sensata, sorridente. Mas Alice pensou: Se o expulsarmos, ele voltará uma noite e arrebentará toda a casa. Ou algo pareci­do. Ela ficou surpresa porque os outros não haviam percebido isso, não haviam sentido.

Philip disse a Alice, assumindo uma posição que já tivera de adotar muitas vezes antes, como ela desconfiava:

Não vou trabalhar aqui amanhã. Irei com os outros. Afi­nal, a luta contra os capitalistas é mais importante que o nosso conforto.

Sem pagamento, não há trabalho! Ele saiu e foi possível ou­vir seus passos na escada.

Jim também saiu, sem dizer boa-noite, e foi se refugiar em sua sala. Começou a tocar seus tambores, baixinho, em tom emocional, como uma ameaça.

Alice estava sozinha. Deu a volta pela sala, apagando as ve­las. Ficou esperando que os olhos se ajustassem, a fim de poder ver na escuridão irregular os contornos assumindo forma, o en­costo de uma poltrona, a quina dura de uma mesa. E pensou: A próxima coisa que farei será...

Ao deixar a sala, sentia-se preocupada: Será que Jasper le­vou suas coisas para outro quarto? Seu coração pareceu se con­trair. Pois se Jasper a excluísse, ela sabia que, com a presença de Bert, seria difícil manter com ele a ligação que era o sentido e propósito de sua vida. Tinha certeza de que Jasper não a deixaria, mas podia se afastar muito.

Passou para o vestíbulo, agora vazio e enorme, sem ninguém. Apagou a luz. Subiu no escuro, sentindo o carpete puído bastante escorregadio, na escada e no patamar do andar em que os outros estavam, por trás das portas fechadas. Até Philip se encontrava ali, no quarto pequeno, depois do grande que Ro­berta e Faye ocupavam. Jim sempre dormia lá embaixo, onde estava sua música e também porque seria mais fácil pular pe­la janela e fugir, se fosse necessário.

Alice abriu a porta de seu quarto e constatou, com um alí­vio que deixou seus joelhos bambos, que Jasper ali estava, enroscado contra a parede, parecendo um bicho na semi-escuridão.

O saco de dormir de Alice estava junto à mesma parede; no pas­sado, ele já o afastara muitas vezes. Foi se deitar, completamen­te vestida.

Jasper...

O que é?

Boa noite.

Ele não disse nada. Os dois ficaram em silêncio, prestando atenção para descobrir se Pat e Bert recomeçariam. E foi o que aconteceu. Mas Alice sentia-se esgotada. Pegou no sono imedia­tamente e quando acordou já era dia claro. Jasper já saíra, e ela sabia que todos os outros também. Estava sozinha na casa, à exceção talvez de Philip. Foi verificar. Nem Philip; e suas fer­ramentas estavam perto do buraco no assoalho, onde estivera trocando os fios.

Ela precisava arrumar dinheiro. De qualquer maneira.

Eram nove horas da manhã.

Alice pensou: Se eu falar com mamãe, explicar a situação... Mas a perspectiva dissolveu-se num poço de consternação. Não lembrava exatamente o que a mãe dissera, mas sua voz vazia, como se toda a vida tivesse sido sugada... disso ela recordava. O que será que está acontecendo com mamãe?, pensou Alice, indignada.

O pai. Mas ele tem de me dar algum dinheiro! E vai dar! Essa perspectiva também morreu; não podia sobreviver... Descobriu que estava pensando na casa nova do pai. Isto é, não era tão nova assim; o pai já morava lá há mais de cinco anos, pois ela e Jasper só tinham ido se instalar com a mãe depois que ele saíra há mais de um ano. Uma nova esposa. Dois novos filhos. Alice imaginou a casa, em que já estivera várias vezes. O jar­dim: Jane. Jane Mellings,com seus dois lindos bebês no jardim enorme, abundando agora com as flores da primavera.

Alice pareceu ressuscitar, desceu correndo, pegou a túnica e saiu para a rua, onde as pessoas começavam a ligar seus carros para ir ao trabalho. Enquanto corria, pensava: Os lixeiros disseram que viriam! Mas ela só se ausentaria por uma hora. Eles não virão tão cedo... mas como posso ter certeza? Se aparece­rem e não encontrarem ninguém... Mesmo assim, continuou a andar, o mais depressa que podia, pensando: Mas eles não vão aparecer por enquanto. Tenho certeza absoluta.

Ela ofegava ao entrar na estação do metrô, arrancou um bilhete da máquina, desceu a escada e chegou à plataforma no ins­tante em que um trem parava. Não ficou surpresa, sabendo que as coisas estavam transcorrendo a seu favor naquela manhã. Fi­cou se remexendo inquieta, de pé, no trem apinhado, subiu cor­rendo a escada na outra estação, avançou rapidamente pelas ruas arborizadas e foi parar na frente da casa do pai, que ficava a menos de um quilômetro da casa da mãe.

Avistou no jardim, como já esperava, a nova esposa do pai, Jane, sentada na grama, sobre uma manta grande, de listras ver­melhas e verdes, em companhia de duas crianças pequenas, cu­jas cabeças louras refletiam os raios do sol.

Alice desviou os olhos da cena, como se o olhar pudesse ter a força de obrigar Jane a fitá-la. Encaminhou-se para a porta da frente, descobriu que estava trancada, deu a volta para os fundos. Estava agora à plena vista de Jane, se ela virasse a cabeça. Alice entrou na cozinha, que fez seu coração se confranger, por ser espaçosa, com uma vasta mesa de madeira, sobre a qual as­sentavam tigelas com frutas e flores, coisas que para ela eram o símbolo da felicidade.

Foi para o vestíbulo e subiu a escada, pensando que se o pai estivesse atrasado para o trabalho — o que nunca acontecia — ela diria: Olá, papai, finalmente o encontrei! Abriu calmamente a porta do quarto e deparou, como já esperava, com uma enorme cama de casal, as cobertas empurradas para um lado, a camisola de Jane (de seda vermelha), o pijama do pai, uma bola listrada de criança, um ursinho de pelúcia.

Alice foi direto para as portas corrediças por trás das quais estavam penduradas as roupas do pai. De maneira impecável: o pai era um homem metódico. Revistou os bolsos, sabendo que encontraria alguma coisa, pois sempre fora uma piada, em sua casa, que Dorothy Mellings sempre descobria dinheiro nos bolsos do marido e o gastava com extravagâncias. Ele, o pai de Alice, indagava:

Afinal, em que gastou o dinheiro?

E a mãe de Alice respondia:

Pêssegos conservados em conhaque.

Ou marrons glacês. Ou uísque Glenfiddich.

As mãos de Alice entravam e saíam rapidamente dos bol­sos, e ela orava. Oh, Deus, faça com que haja algum dinheiro, faça com que haja bastante. Seus dedos encontraram um maço grosso e ela tirou-o, sem acreditar em sua sorte. Um enorme maço de notas. E notas de dez libras. Meteu-as no bolso da túnica e saiu do quarto. Desceu a escada, atravessou a cozinha e saiu para o quintal dos fundos. Nem parou para verificar se Jane estava olhando para o outro lado. Sabia que estava.

Afastou-se apressada pela rua, e um momento depois a casa estava fora de vista. Parou então, virada para uma sebe alta, e contou as notas. Não queria acreditar, mas era verdade. Trezentas libras.

O pai daria por falta daquele dinheiro; não era apenas um vidro de gengibre ou de pêssegos em conserva. Trezentas libras. O pai pensaria que ela roubara... Jane roubara. Pois que pen­sasse assim! Alice experimentou um prazer frio e azedo, tor­nou a guardar as notas e saiu correndo. Os lixeiros!

Cerca de quarenta e cinco minutos depois de sair ela estava de volta à casa e viu o caminhão do lixo virar a esquina.

Sabia, tinha certeza, que tudo correria bem. Ficou parada ali, sorrindo, o coração disparado, fazendo o sangue latejar em seus ouvidos.

Os mesmos três homens do dia anterior saltaram do cami­nhão do lixo. Reconheceram-na, acenaram com a cabeça e começaram a carregar os sacos pretos e lustrosos. Não disseram uma só palavra sobre a chuva, que tornara ainda mais pesados os sacos com o lixo.

Levaram cerca de vinte minutos; Joan Robbins veio se pos­tar diante de sua porta e ficou observando, de braços cruzados. Quem mais estava observando? Alice não olhou, mas fez questão de ir até a sebe para falar com Joan Robbins e sorrir: vizinhas trocando comentários, seria isso que os observadores veriam. Depois, foi até o portão, por onde o último saco de lixo acabara de passar, e entregou quinze libras a Alan, o moto­rista, com o sorriso de uma dona-de-casa. Entrou. Passava um pouco de dez horas. O dia inteiro estendia-se pela frente, e cada minuto seria ocupado com alguma atividade útil. E seria mes­mo, assim que começasse. Pois seu vapor se esgotara. Estava ago­ra pensando neles, seus amigos, sua família; deviam estar diante das oficinas em Melstead, misturados com os outros piquetei­ros, avaliando a disposição da polícia, circulando confiantes, tro­cando comentários que os guardas tinham de ouvir e ignorar... ignorar até poderem se desforrar mais tarde.

Bert, Jasper e Pat, Jim e Philip, Roberta e Faye... ela es­perava que as duas tomassem todo o cuidado. Ora, eram todos politicamente amadurecidos, sabiam até que ponto podiam ir. Jasper? Bom, Jasper não participava de uma confrontação há muito tempo; por um lado, ele acabara de cumprir em liberda­de uma pena de dois anos. Ela não queria mantê-lo sempre em segurança, mas apenas que as coisas fossem feitas da maneira certa. Jasper era incontrolável, fora condenado a dois anos não por alguma coisa útil — na opinião de Alice —, mas apenas por descuido.

Sentou-se sozinha, envolta confortavelmente pela sala de estar grande e surrada, e viu que estava com fome. Não tinha ener­gia para sair de novo. Havia junto à parede um malote amar­rotado de estafeta, com um pão e um pouco de salame. Só Deus sabia há quanto tempo estavam ali, mas ela não se importou. Comeu devagar, tomando cuidado com as migalhas. Precisaria de ajuda para aquela sala: era muito grande e o teto bastante alto. Mas a cozinha... Precisou de uma hora para se decidir a entrar em ação; estava mesmo cansada. Além do mais, desfru­tava mentalmente o prazer de gastar o dinheiro, que podia sen­tir num volume grande e macio logo abaixo do coração. Mas acabou fazendo um esforço e se levantou, foi para a cozinha. Enchendo os baldes com água fria — infelizmente —, começou a trabalhar. Esfregou o teto e as paredes, deslocando a escada em torno do fogão, que ainda estava caído de lado no chão. Em determinado momento, sentiu que as lágrimas escorriam pelo rosto... pensava nos outros, todos juntos, gritando em unís­sono:

Abaixo Thatcher! Abaixo Thatcher! Abaixo Thatcher!

E mais:

Abaixo a polícia! Abaixo a polícia! Abaixo a polícia!

Podia ouvi-los entoar:

Os operários unidos jamais serão vencidos!

Pensou como um deles — Philip, isso mesmo, seria Philip - iria a um pub e compraria sanduíches e cerveja para os outros. Talvez houvesse até uma cantina ambulante àquela altura; devia haver, já que o piquete operava há algum tempo.

Pensou no clima denso e carregado, no momento em que os carros blindados — o símbolo de tudo o que abominavam - começariam a avançar, e a multidão lutaria unida, tornando- se uma muralha contra a polícia.

Alice chorou um pouco, alto, fungando e engolindo em se­co, enquanto limpava o chão. Se eles decidissem que Philip não podia ficar na casa, então... aqueles ladrilhos no teto, aqueles ladrilhos...

Por volta das quatro horas da tarde a cozinha estava limpa, sem qualquer mancha de terra ou poeira. A mesa grande se en­contrava no lugar apropriado, com as pesadas cadeiras de ma­deira ao redor, tendo em cima um pote de geléia de vidro com alguns junquilhos recolhidos do jardim. Só o pobre fogão con­tinuava caído de lado, uma lembrança da desordem. Alice pen­sou em pegar o metrô e ir se encontrar com os outros tinha direito a isso, era veterana de uma centena de batalhas —, mas sentou para descansar um pouco na sala de estar e pegou no sono. Acordou para descobrir que os outros estavam chegan­do, fazendo um grande barulho, rindo e conversando, exultan­tes com seus feitos.

Alice, sonolenta na poltrona grande, manteve-se humilde, quase penitente, enquanto fazia um esforço para se levantar e cumprimentá-los. Sentiu que não precisava fazer isso quando a comida e a bebida foram arrumadas no chão e convidaram-na a participar do banquete.

E foi só então que se lembrou. Tirou do bolso o grosso ro­lo de notas e, rindo, entregou cento e cinqüenta libras a Philip.

Por conta disse ela.

Silêncio. Todos a fitavam. E depois riram, puseram-se a abraçá-la e uns aos outros. Até mesmo Jasper abraçou-a rapida­mente, enquanto ria, dando a impressão de que se exibia para os outros.

Sei que é melhor não perguntar de onde veio o dinhei­ro, mas meus parabéns assim mesmo disse Roberta.

Espero que tenha sido ganho honestamente acrescen­tou Faye, afetada.

Todos recomeçaram a se abraçar e rir, mas Alice sabia que era mais pelos excessos exuberantes de emoção das vigorosas confrontações com a Autoridade naquele dia do que por satisfação com seu empenho...

De qualquer forma, ainda temos de tomar uma decisão coletiva — declarou Faye.

Mas Roberta protestou:

Ora, Faye, não enche. Está tudo certo...

As duas mulheres trocaram um olhar, e Faye compreendeu: haviam discutido o assunto e discordado. Bert disse, sumariamente, como se não tivesse a menor importância:

Para mim, está tudo bem.

Jasper ecoou:

Eu concordo.

E Pat disse:

Claro que está tudo bem.

Philip não podia falar, pois acabaria chorando; brilhava de alívio, de felicidade. E Jim... ora, ele simplesmente aceitava, Alice podia perceber, como uma moratória; ela sabia que nada poderia ser mais do que um bem temporário para Jim. Mas ele estava bastante satisfeito. Havia na sala um clima agradável, acon­chegante. Uma família...

Esse clima perdurou durante a refeição e enquanto Alice os levava à cozinha para mostrar a limpeza.

Ela é mesmo uma maravilha entoou Faye. Alice, a maravilha; a maravilhosa Alice...

Ela estava inebriada e exultante, todos sentiam prazer em contemplá-la.

Sem que Alice pedisse, Bert e Jasper levantaram o fogão e o puseram em seu lugar, junto à parede.

Vou consertá-lo amanhã prometeu Philip, feliz da vida.

Subiram juntos a escada, relutantes em se separar pela noi­te, de tão unidos que se sentiam num grupo.

Deitada no chão, ao longo da parede, no escuro, seus pés a um metro dos pés de Jasper, Alice indagou, sonhadora:

O que você e Bert decidiram?

Um movimento brusco de Jasper, que ela notou, pensan­do: Eu não sabia que ia dizer isso.

Ele estava tenso, exposto; era a sua reação às palavras de Alice.

Ora, Jasper, eu não me importo acrescentou ela, impaciente, mas conciliadora. Mas vocês discutiram o assunto, não é?

Uma pausa.

Discutimos.

Afeta a todos nós.

Outra pausa. E depois, relutante:

Achamos que talvez não seja má idéia ter os outros aqui. Mas eles precisam ser da UCC. Jim terá de se alistar.

Ou seja, Philip e Jim serão uma cobertura.

Jasper não disse nada. Quem cala consente. Alice acres­centou:

É claro que haverá mais pessoas chegando e...

Ele se apressou em dizer, nervosamente:

Você não pode deixar qualquer um entrar. Não pode­mos aceitar qualquer um.

Eu não falei em qualquer um... e os outros não preci­sam saber que somos do IRA.

Exatamente.

Então Alice comentou, com uma voz sonhadora e para sua própria surpresa:

Com os camaradas na outra casa, fico pensando...

Ela parou. Interessada no que dissera. Com um sentimento de respeito.

Mas Jasper se soerguera; apoiado num cotovelo, observava- a na semi-escuridão, os faróis da rua correndo pelo teto, pare­des e chão, iluminando-os a intervalos irregulares. Ele ficou calado. Não perguntou "Como sabe da outra casa?", nem disse "Como se atreve a me espionar?", coisas que dissera com freqüência no passado, até aprender que Alice possuía aquela ca­pacidade: saber sem que lhe contassem.

Ela pensava depressa, escutando o que dissera. Então Bert e Jasper tinham ido à outra casa, não é? Há camaradas ali? Mas é isso mesmo!

Vocês apenas foram até lá contando com a sorte ou... o que aconteceu? — indagou Alice.

Ele respondeu tensamente, depois de uma pausa:

Houve um contato. Eles mandaram uma mensagem.

Para você? Para você e Bert?

Pela hesitação de Jasper, Alice compreendeu que ela estava incluída, mas não tinha a menor intenção de transformar isso num cavalo de batalha.

Recebemos uma mensagem — insistiu ele secamente, tornando a se estender no saco de dormir.

E você, Bert e... os camaradas de lá decidiram que deveríamos ter mais pessoas aqui, como cobertura.

Silêncio. Mas Alice sabia que ele não estava dormindo. Dei­xou passar alguns minutos, enquanto pensava. Depois, mudou de assunto, comentando:

Daqui a pouco os outros vão ter de começar a contri­buir. Até agora fui eu quem pagou tudo.

Onde arrumou aquele dinheiro? — perguntou Jasper no mesmo instante, lembrando o fato, como era intenção de Alice.

Ela estava preparada; inclinou-se no escuro e entregou-lhe algumas notas.

Quanto? — perguntou Jasper.

Cinqüenta.

Com quanto você ficou?

Não faça perguntas.

Alice teria respondido se ele insistisse, mas Jasper limitou- se a comentar:

Está bem, pode espremer ao máximo.

Alice disse:

Tenho de ir à prefeitura amanhã. Pode me dar meu car­tão da previdência?

Claro.

Os dois aguardavam os sons de amor no quarto ao lado, mas Bert e Pat deviam estar exaustos e dormiram logo. Jasper e Alice estavam tensos, mas relaxaram agora, num silêncio cordial. Alice pensou: Estamos juntos... E como um casamento: uma conversa antes de dormir. Espero que ele comece a me contar o que aconteceu hoje.

Alice não queria perguntar, mas sabia que Jasper sabia que ela ansiava por ouvir tudo. E ele foi generoso: começou a falar. Ela o amava quando estava assim. Jasper relatou tudo, desde o início: como os sete viajaram no metrô, como compraram sanduíches e café na estação, instalaram-se em dois bancos de fren­te uns para os outros, partilharam o desjejum. Como foram de táxi até as oficinas. O motorista estava do lado deles e dissera, antes de partir:

Boa sorte.

Isso foi maravilhoso comentou Alice baixinho, sor­rindo no escuro.

E assim continuaram a conversar, aos sussurros, Jasper descrevendo tudo, pois era muito bom nisso, projetando em pala­vras imagens de um evento, uma ocasião. Ele é muito inteligente, deveria ter sido jornalista, refletiu Alice.

Ela poderia conversar a noite inteira, pois dormira até mais tarde. Jasper, no entanto, logo adormeceu; e ela se contentou em ficar deitada ali, no silêncio, formulando seus planos para o dia seguinte, que sabia que não seria fácil.

Quando acordou, Jasper não estava mais no quarto. Ela su­biu para o topo da casa e examinou os quatro quartos que dei­xara com as janelas abertas. Os dois quartos em que estavam os horríveis baldes já eram apenas quartos que em breve esta­riam ocupados por outras pessoas. Mas não fora por isso que subira. Havia manchas úmidas e marrons nos tetos de dois quar­tos. Localizando no patamar o alçapão para o sótão, subiu no peitoril da janela para alcançá-lo. Mal conseguiu alcançar, mas sentiu o alçapão se levantar sob seus dedos. Não haveria nenhum problema ali!

Desceu correndo para a cozinha, onde soavam vozes. E o que ali encontrou fez com que seus olhos se enchessem de lágrimas. Estavam sentados em torno da mesa: Bert e Pat, bem juntos; Jasper; Jim, sorridente e feliz; e Philip, já trabalhan­do no fogão, inclinando-se por trás, com uma xícara de café em cima. Bert fora à casa da namorada de seu amigo Philip, Felicity, enchera a garrafa térmica, comprara croissants, manteiga e geléia. Era uma refeição de verdade. Ela sentou em seu lugar, à cabeceira da mesa, em frente a Bert, e disse:

Se esta cozinha tivesse umas cortinas...

Todos riram.

Antes de falar em cortinas, é melhor você acertar tudo com a prefeitura.

Quem falou foi Jasper, um tanto prepotente, mas apenas porque estava com ciúme de Pat, que disse:

Eu apoiaria Alice... apoiaria em qualquer coisa.

Café e croissantsapareceram à sua frente, e Alice indagou:

Alguém já notou como está o teto lá em cima?

Eu notei — respondeu Pat.

Philip protestou:

Não posso fazer tudo ao mesmo tempo.

Ele parecia melindrado, e Pat disse:

Não se preocupe. Não é difícil consertar as telhas. Já fiz isso uma vez, em outra casa.

Farei isso junto com você quando terminar aqui — prometeu Philip.

Pat disse a Bert:

Se alguém pudesse tirar as telhas que caíram na calha...

Não gosto de alturas — respondeu Bert, com a maior tranqüilidade.

Eu posso cuidar disso — declarou Alice. E acrescentou para Jasper, não para Bert: — Se conseguisse emprestado o car­ro da outra casa, não poderia procurar alguns móveis nas lojas? Vi quatro lojas de móveis de segunda mão na rua em que meu pai mora, todas com coisas boas.

Uma pausa, e ela acrescentou, com veemência:

Refugo. Tudo aquilo é refugo. — Ela sabia que estava prestes a assumir sua cara especial, e tratou de continuar: — Esta casa, com todos os seus cômodos... e pessoas jogando coisas fora por toda parte, quando ainda estão boas e usáveis.

Alice ficou lutando contra si mesma, sabendo que Pat a examinava, fazia um diagnóstico. E Pat disse a Bert:

Aí está o seu trabalho para hoje, Bert. Você e Jasper. — Enquanto ele ria de alguma piada antiga sobre sua indolência, ela acrescentou, irritada: — Mas que merda! Alice tem feito to­do o trabalho até agora.

E arrumado todo o dinheiro — comentou Philip, do fogão.

É isso aí — murmurou Bert.

É isso aí — concordou Jasper, satisfeito, já se movimen­tando de um lado para o outro, irrequieto, querendo sair com Bert, procurar, vasculhar as ruas...

Os dois saíram no instante em que Roberta e Faye entra­ram na cozinha, encontraram os remanescentes dos croissants e sentaram-se para consumi-los.

Alice arrastou a pesada escada de Philip para a frente da ca­sa e subiu. Por sorte a casa era atarracada, afundando na terra, não alta e assustadora. Quando ela chegou lá em cima, Pat já estava no telhado, sentada perto da chaminé, pela qual passava um braço: passara pelo sótão e uma clarabóia. O telhado pare­cia erodido e esburacado em torno da base da chaminé. Muitas telhas haviam deslizado e estavam presas na calha. Para onde ia toda a água? Ainda não haviam examinado o sótão direito.

Alice começou a se inclinar, pegando as telhas e pondo-as no telhado à sua frente. Pat parecia não estar com a menor pressa de começar; desfrutava a vista, contemplando os telhados e janelas superiores. E é claro que também os vizinhos, que obser­vavam as duas mulheres trabalhando no telhado. Onde estavam os homens?, quase que se podia ouvir aquelas pessoas pensando — Joan Robbins, a velha sentada debaixo de uma árvore, o ho­mem olhando irritado de uma janela superior.

Pegue! — gritou Alice, pronta para jogar a primeira telha.

Mas Pat disse:

Espere um instante.

Ela virou-se de bruços e espiou através do telhado.

Tem um ninho nesta viga — acrescentou, em voz abafa­da, como se receasse incomodar os pássaros.

Oh, não, que coisa horrível!

Alice parecia subitamente histérica, e Pat fitou-a friamente, por cima do braço estendido sobre o telhado.

Pelo amor de Deus! — exclamou Alice, começando a chorar.

Um pássaro —- protestou Pat. — Um pássaro, não uma pessoa.

Ela arrancou punhados de palha e outras coisas e jogou lon­ge. Depois, alguma coisa bateu ruidosamente nas telhas: um ovo. O pequeno embrião de um pássaro ficou esparramado ali. Mexendo-se.

Alice continuou a chorar, pequenos arrancos de soluços ofegantes, os olhos fixos no telhado.

Outro ovo se arrebentou nas telhas.

Olhos infantis e frenéticos imploraram a Pat, que ainda enfiava o braço pelo buraco no telhado. Mas Pat, deliberadamen­te, não estava olhando para Alice, enquanto continuava a ar­rancar o que havia ali embaixo.

Um terceiro ovo voou em arco por cima do telhado e foi cair no jardim.

Já acabei anunciou Pat, olhando para Alice. Pare com isso!

Alice fungou até o choro acabar. E, a um aceno de cabeça de Pat, começou a lhe jogar as telhas. Pat pegava-as com extre­mo cuidado, uma após outra.

Roberta e Faye apareceram lá embaixo e saíram para a rua, acenando em despedida.

Divirtam-se — disse Pat, lacônica, irônica, mas com um sorriso revelando que ela, como Alice, não esperava outra coisa.

Pouco depois Philip subiu para ajudar Pat. Alice, depois de ter limpado todas as calhas até onde podia alcançar, desceu pa­ra deslocar a pesada escada por alguns passos. Continuou a trabalhar assim, contornando toda a casa, removendo massas de folhas em decomposição e telhas caídas. Lá em cima, Philip e Pat repunham as telhas nos lugares.

Alice sentia-se desanimada e traída. Por alguém. Os dois minúsculos passarinhos parcialmente formados estavam caídos no telhado, o pescoço estendido, olhos fechados, sem que ninguém olhasse. Os pais circulavam pelos galhos altos nas proximida­des, queixando-se.

Alice tentou se concentrar no que tinha de ser feito em seguida. A faxina. Uma limpeza completa! Janelas e assoalhos, pa­redes e tetos, depois a pintura, muita tinta, custaria...

No meio da tarde foi telefonar para a prefeitura, como se isso não tivesse a menor importância, como se tudo estivesse acertado.

Foi informada de que Mary Williams não estava e sentiu um aperto no coração.

Bob Hood, uma autoridade incomodada em seu trabalho importante, disse bruscamente que a decisão sobre a 43 e a 45 fora adiada para o dia seguinte.

Quer dizer que está tudo certo? indagou Alice.

Claro que não respondeu Bob Hood. Não ficou acertado que você ou qualquer outra pessoa poderá ocupar essas casas.

Alice declarou, em voz tão incisiva e autoritária quanto a dele:

Deveria visitar a casa. É uma desgraça que tenha sido considerada apropriada para demolição. A cabeça de alguém vai rolar por causa disso. Tenho certeza de que cabeças rolarão. São duas casas perfeitamente sólidas, em bom estado.

Uma pausa. Um pouco irritado mas já batendo em reti­rada —, ele disse:

E recebemos mais reclamações. Não podemos permitir que essa situação continue.

Mas já limpamos a 43... a casa que ocupamos. A polí­cia pode confirmar.

Alice esperou, confiante. Conhecia o tipo, sabia como funcionava a mente mesquinha e covarde de gente assim, sabia que o dominara por completo. Podia ouvir sua respiração, podia sentir como as engrenagens mentais se ajustavam.

Muito bem disse Bob Hood. Darei um pulo até aí. Estava mesmo querendo dar uma olhada nessas duas propriedades.

Pode me dizer a que horas mais ou menos vai aparecer? pediu Alice.

Não é preciso. Temos chaves.

Sei disso, mas não podemos deixar que desconhecidos entrem aqui sem mais aquela, não é? Gostaria que nos indicasse a hora aproximada.

Era tanta desfaçatez que ela ficou espantada consigo mes­ma. Mas sabia que não era um exagero por causa de sua atitude, tão autoritária quanto a dele. E não ficou surpresa quando Bob Hood anunciou:

Irei até aí agora.

Ótimo. Estaremos à espera.

Alice desligou. Voltou correndo para a casa. Gritou para Philip e Pat lá em cima que o homem da prefeitura estava vin­do e que eles não deveriam parar de jeito algum, porque seria ótimo se o fiscal visse gente trabalhando. Depois, entrou, foi inspecionar a sala de estar e a cozinha. Subiu para os quartos em que todos dormiam. Ficou impressionada ao descobrir que o quarto de Roberta e Faye era um genuíno refúgio de femini­lidade, com penteadeira, almofadas, uma colcha estendida so­bre o saco de dormir duplo, fotografias tudo meio encardido, é verdade, mas causaria uma boa impressão. Ela alisou a saia. Ajeitou os cabelos, as unhas. Ouviu uma batida na porta antes do que esperava e desceu correndo a escada, quase tropeçando, com um sorriso frio já fixado no rosto, a fim de abrir a porta da maneira correta.

Bob Hood? Sou Alice Mellings.

Espero que aqueles dois no telhado saibam o que estão fazendo.

Eu também. Ele é empreiteiro e ela o está ajudando. Co­mo amadora. Mas já trabalhou nisso antes.

Alice o silenciara. Ah, seu homenzinho repulsivo, pensava ela por trás do sorriso de boa moça, seu burocrata insignifican­te e nojento!

Quer dar uma olhada aqui embaixo primeiro? Claro que isso não lhe dará uma idéia do estado em que a casa se encontrava há apenas três dias. Por um lado, os operários da prefeitu­ra encheram os vasos com concreto e arrancaram os fios das paredes... criando um grande risco de incêndio.

Não tenho a menor dúvida de que eles estavam apenas cumprindo ordens.

Está querendo dizer que receberam instruções para dei­xar os fios perigosos e concretar o registro geral da água? Será que o Departamento de Agua sabe disso?

Bob Hood ficou vermelho e furioso. Sem olhar para ele, Alice foi abrindo uma porta após outra no primeiro andar, demorando-se na cozinha.

O eletricista já consertou tudo aqui, mas tiveram sorte de a casa não pegar fogo. Mary Williams me informou que vo­cê já esteve aqui antes. Como foi que não notou os fios soltos e desencapados?

Lá em cima, ela disse, sabendo que para aquele homem qualquer coisa incorreta, até mesmo um colchão no chão em vez de numa cama, deveria ser uma afronta eterna:

Terá de aceitar a minha palavra, é claro... mas a verda­de é que esses quartos se encontravam no pior estado possível quando chegamos aqui. E mal começamos a trabalhar.

Encontra-se no pior estado possível agora — comentou ele, rispidamente, dando uma olhada no quarto em que Alice e Jasper dormiam, os dois sacos de dormir encostados na pare­de, como peles de cobra descartadas.

E relativo. Acho que ficará surpreso quando voltar a vi­sitar a casa dentro de um mês.

Bob Hood tratou de aproveitar a vantagem:

Eu disse que não deve esperar coisa alguma.

Se esta casa ficar vazia outra vez, vai se encher de vânda­los e mendigos dentro de uma semana, e você sabe disso. Tem sorte por sermos nós que estamos aqui. Vamos deixar a casa em ordem, sem qualquer despesa para os contribuintes.

Ele não disse nada. Em silêncio, inspecionaram os quartos do último andar, agora com um cheiro agradável, o ar circulan­do. Instintivamente, Bob Hood fechou uma janela depois de outra, com um ar meticuloso, virtuoso e irritado. Como uma porra de uma dona-de-casa, pensou a sorridente Alice. Desceram.

Tenho de concordar com você... não há motivo para que essas casas sejam demolidas, ao que eu posso ver — disse ele. — Vou examinar o assunto.

A menos que alguém vá ganhar muito dinheiro com is­so — comentou Alice, suave e implacável. — Leu o artigo do Guardian, "O escândalo da reforma urbana"?

Li, sim. Mas não é relevante para este caso.

Ahn...

Eles estavam na porta.

Alice ficou esperando. Merecia uma capitulação; e foi o que aconteceu. A autoridade declarou, de expressão sisuda, mas com todo o corpo manifestando uma cumplicidade involuntária:

Defenderei sua posição amanhã. Mas não prometo na­da. E não apenas esta casa, mas também a outra. Vou até lá agora.

Mais uma vez, Alice esquecera a outra casa.

Bob Hood se afastou e ela subiu correndo para uma peque­na janela pela qual podia observar a outra casa. Com irada frustração, viu o jovem limpo, bem-penteado e bem-vestido parar diante das pilhas de lixo no jardim, e percebeu que sua expres­são era a mesma dos lixeiros: um nojo exasperado e incrédulo.

Incapaz de suportar as batidas fortes do coração, o estôma­go em polvorosa, Alice desceu, devagar, subitamente sem qualquer energia, e foi arriar na sala de estar, no momento em que Pat entrava, acompanhada por Philip.

E então? — indagou Pat.

O rosto de Philip estava contraído de ansiedade, havia uma oração em seus olhos.

Estamos perdidos — respondeu Alice, começando a cho­rar, o que a deixou furiosa. — Oh, Deus, mas que merda! Não é possível!

Pat, ajeitando-se no braço da poltrona em que Alice estava encolhida, passou um braço por seus ombros encurvados e disse:

Você está cansada. Surpresa! Você está cansada.

Vai acabar tudo bem! — soluçou Alice. — Tenho certe­za! Posso sentir!

No silêncio, ela compreendeu que, por cima de sua cabeça, Philip e Pat trocavam olhares, dizendo um ao outro que ela, Alice, tinha de ser consolada, afagada, que era preciso servir-lhe café da garrafa térmica e conhaque de uma garrafa guardada para ocasiões especiais. Mas sabia também que o interesse de Pat podia ser genuíno, mas não era como o de Philip e o seu. O coração de Pat nunca haveria de disparar nem seu estômago embrulharia... Por esse motivo, não aceitou a fraternidade en­volvente de Pat, permaneceu sozinha, triste e isolada, tomando o café, o conhaque. Philip era seu pupilo, sua responsabilidade: sua família, porque era igual a ela. Mesmo assim, sentia-se satis­feita por ter Pat como aliada.

E foi então que Jasper e Bert voltaram com os despojos de Londres, essa autêntica caverna dos tesouros. Alice correu para o vestíbulo, a fim de receber uma carga de coisas que precisa­vam ser separadas e que desviaram suas emoções para outro circuito.

Oh, mas que desperdício vergonhoso! — exclamou ela, furiosa, vendo os sacos de plástico cheios de cortinas, que ali estavam só porque alguém se cansara delas, uma geladeira, ban­cos, mesas, cadeiras, tudo ainda aproveitável, embora algumas coisas precisassem de uns poucos minutos de trabalho para se­rem consertadas.

Bert e Jasper tornaram a sair; estavam exultantes e gostan­do da missão. Uma dupla, uma dupla de verdade, uma equipe; unidos por aquele empreendimento, de mobiliar a casa. E como tinham o carro para o dia inteiro, precisavam aproveitar ao máximo.

Philip e Pat deixaram o trabalho no telhado para ajudar Alice a arrumar os móveis e foram comprar os acessórios para as cortinas, com dinheiro que ela tirou de sua reserva.

Correram de um lado para outro, subiram e desceram, carregando móveis, pendurando cortinas, estendendo no vestíbu­lo um tapete grande, que só precisava de uma limpeza para se tornar perfeito.

Bert e Jasper, depois de vasculharem Mayfair e St. John's Wood, chegaram ao final da tarde com outro carregamento e anunciaram que por aquele dia bastava... e os ocupantes da casa sentaram-se na cozinha, para tomar chá e comer ovos com bacon, já feitos no fogão, tendo por companhia o zumbido da geladeira.

E no meio desse banquete, que era um delicado equilíbrio de interesses, o resultado de boa vontade cuidadosa e calculada, houve uma batida na porta. Porém era uma batida hesitante, não um chamado autoritário. Todos se viraram como um só; da cozinha, podiam avistar a porta da frente, que estava se abrin­do. Uma jovem apareceu; enquanto os outros olhavam aturdi­dos — De quem ela é amiga? —, o coração de Alice começou a disparar. Já sabia de tudo, pela maneira como a visitante cor­reu os olhos pelo vestíbulo, agora atapetado, aconchegante, com uma iluminação fraca mas adequada, depois observou a escada sólida e finalmente contemplou-os. Ela era toda determinação e propósito.

Ela é da prefeitura — tranqüilizou Alice. — Mary Williams. A colega daquele fascista que esteve hoje aqui. Mas é uma boa pessoa...

Ela sabia que o último comentário provocaria uma discus­são que ocorreria mais tarde, talvez ainda naquela noite. Tal­vez não uma discussão acirrada, mas pelo menos uma conver­sa amistosa... Oh, Deus, faça com que esteja tudo bem, orou Alice, levantando-se e dizendo aos outros:

Não se preocupem. Vou conversar com ela...

Saiu, fechando a porta da cozinha, para um riso que a ta­chava de autoritária, mas não insuportavelmente assim. Oh, por favor, por favor, suplicava interiormente — talvez ao Desti­no —, enquanto se encaminhava sorrindo para Mary. Que esta­va sorrindo em súplica para Alice. E como Alice esperava, Mary começou:

Passei pelo escritório... estive o dia inteiro num curso, pois eles sempre mandam a gente fazer cursos, o que estou fa­zendo agora é de relações sociais... e encontrei com Bob Hood, que estava saindo. Ele me contou que esteve aqui...

Alice estava abrindo a porta da sala de estar, que parecia com a de qualquer outra casa, aconchegante, embora um tanto velha e gasta; viu o rosto de Mary se enternecer, ouviu-a suspirar.

Elas se sentaram. Agora, Mary era a suplicante e Alice a juí­za. Alice procurou ajudar:

Não acha que é uma ótima casa? Seria loucura demoli-la.

Mary não pôde conter a explosão:

Pois eles estão loucos! (Alice não pôde deixar que o "eles" fosse pronunciado num tom irônico familiar, seco, até mesmo resignado.) Quando optei pelo setor de habitação, pensava que estaria providenciando casas para as pessoas, ajudando os desa­brigados. Mas se eu soubesse... Estou completamente decep­cionada agora. Se você soubesse o que costuma acontecer...

Mas eu sei.

Nesse caso...

Mary estava corando, os olhos suplicantes.

Vou direto ao ponto. Acha que eu poderia vir morar aqui? Estou precisando. E não apenas eu. Queremos casar... eu e meu namorado, Reggie. Ele é químico industrial.

Essa parte do químico foi introduzida para me tranqüili­zar, pensou Alice, com os primórdios de um desdém que tra­tou de reprimir e esconder.

Estávamos juntando dinheiro para comprar um apartamento e ele perdeu o emprego. A firma em que Reggie traba­lhava foi fechada. Por isso, tivemos de renunciar à idéia do apartamento. Poderíamos morar com minha mãe ou com os pais dele, mas.. . se ficássemos aqui teríamos condições de guar­dar algum dinheiro...

Ela se obrigara a dizer tudo, odiando seu papel de suplican­te; e o resultado do esforço era uma determinação intensa, co­mo uma ordem.

Mas Alice estava pensando: Oh, merda, é pior do que eu imaginava. O que os outros dirão? Procurou ganhar tempo.

Não quer dar uma olhada na casa?

Oh, Deus! — balbuciou Mary, as lágrimas escorrendo. — Bob disse que tem uma porção de quartos lá em cima, todos vazios.

Ele não vai morar aqui! — protestou Alice, sem saber se ela própria iria e manifestando uma aversão tão profunda a Bob Hood que Mary parou de chorar, aturdida.

Ele é uma boa pessoa — murmurou Mary. — Apenas sua atitude é esquisita.

Não é apenas a atitude — insistiu Alice.

Acho que tem razão...

O reconhecimento da hediondez de Bob fez com que Alice se sentisse mais cordial, e ela disse, gentilmente:

Já viveu em alguma comuna? Não, claro que não. Pois eu já vivi. Em muitas. Não é fácil. As pessoas têm de se ajustar a esse tipo de vida.

Os olhos brilhantes e famintos de Mary — como os do po­bre gato, pensou Alice — refletiam o anseio de ser tudo o que Alice quisesse.

Ninguém jamais disse que sou uma pessoa de convivên­cia difícil — comentou ela, suspirando, fazendo um esforço pa­ra parecer engraçada.

A maioria das pessoas aqui se interessa por política — declarou Alice, muito formal.

E quem não se interessa? Hoje em dia, todos têm o de­ver de ser políticos.

Somos socialistas.

Não tem problema.

União do Centro Comunista.

Comunistas?

Alice pensou: Se ela for à reunião amanhã e disser que so­mos comunistas... E bem capaz de fazê-lo e com um lindo sor­riso democrático! Alice ressaltou:

Não comunista como o Partido Comunista da Grã- Bretanha.

Mantendo os olhos firmemente fixos no rosto de Mary, pois sabia que tudo o que Mary via no seu era tranqüilizador — a menos que estivesse usando sua cara, o que tinha certeza de que não acontecia —, Alice acrescentou, firmemente:

Os camaradas na Rússia perderam o caminho. Já se extraviaram há muito tempo.

Quanto a isso, não pode haver a menor dúvida murmurou Mary, com um desprezo evidente, enxugando os olhos com um lenço de papel.

Ela parecia recuperada, uma jovem simpática e comum, os cachos castanhos brilhando, a pele viçosa. Como um anúncio de sabonete de qualidade média. Mas no dia seguinte ela podia decidir o destino de todos eles, pensou Alice, examinando-a com curiosidade. Se ela dissesse a Bob na manhã seguinte, enquanto tomassem um café, antes da reunião, "Passei pela casa 43 na Old Mill Road ontem à noite e aquilo é uma verdadeira pocilga", ele poderia mudar de idéia com a maior facilidade, ainda mais se lembrasse a sujeira da outra casa.

Alice perguntou:

Bob Hood disse alguma coisa sobre a casa ao lado?

Disse apenas que não há nada de fundamentalmente errado.

Então por quê? explodiu Alice, incapaz de se contro­lar. Por quê?

O projeto era construir dois blocos de apartamentos no lugar em que estão estas casas. Não apartamentos horríveis. Ao contrário, até muito bons. Mas não combinariam com todas as casas ao redor.

Mary fez uma pausa e depois acrescentou, amargurada, esquecendo sua posição:

Mas algum construtor ganharia muito dinheiro com is­so. E, depois, deu um passo ainda pior. Um negócio entre amigos.

Chocada por suas palavras, ela lançou um olhar embaraça­do para Alice e arrematou com um sorriso social.

Não podemos deixar que façam isso murmurou Alice.

Concordo. Seja como for, o que conta é o que Bob diz. E ele está furioso e vai brigar. Diz que é um crime derrubar estas casas. Mary hesitou por um instante e depois saltou pa­ra um mergulho no que julgava obviamente ser uma indiscri­ção ainda maior. Fui da Tendência Militante por algum tempo, mas seus métodos não me agradavam e por isso fui embora.

Alice estava espantada. Mary na Militante! Mas é claro que ela não poderia gostar dos métodos da Militante. E também não gostaria dos métodos de Alice, Jasper, Pat, Roberta ou Faye. Nem dos de Jim, diga-se de passagem (era do que Alice descon­fiava). Mas já era uma impossibilidade Mary ter sequer se apro­ximado da Tendência Militante. Alice perguntou, cautelosa:

E Reggie?

Ele também deixou a Tendência Militante pelo mesmo motivo. Fiquei chocada com o que vi por lá, empregos para os camaradas e tudo mais... — Outra vez o breve sorriso social, como um pedido de desculpa sempre pronto. Concluímos que não era o nosso lugar. E aderimos ao Greenpeace.

Mas se vocês são trotskistas... — murmurou Alice, esperançosa.

Com um pouco de sorte, Mary diria que sim, que eram trotskistas, o que tornaria impossível a presença dos dois na casa... Mas Alice ouviu outra coisa:

Não somos nada no momento, apenas do Greenpeace. Pensamos em entrar para o Partido Trabalhista, mas precisamos de algo mais...

Dinâmico arrematou Alice, escolhendo uma palavra lisonjeiramente vigorosa, mas não ideológica. Talvez a UCC seja o que estão procurando. Seja como for, venha conhecer a casa.

Ela se levantou e Mary também... era como o encerramen­to de uma entrevista. Alice já concluíra que gostava de Mary. A jovem se ajustaria. Mas o que dizer de Reggie? Pensamentos em Reggie acompanharam as duas mulheres enquanto elas cir­culavam rapidamente pelos andares superiores. Alice abriu as portas dos quartos vazios, escutando Mary suspirar ansiosamen­te. Não ficou surpresa ao ouvi-la informar, enquanto desciam:

Para dizer a verdade, Reggie está me esperando no pub que fica aqui perto.

Ela riu, uma risada vigorosa de menina. Depois de um momento, Mary acompanhou-a, com um trinado meio ofegante.

O problema é que temos de discutir o assunto — comunicou Alice. — Todos nós. Uma decisão coletiva.

Podemos voltar daqui a meia hora?

Precisamos de mais tempo. — Uma pausa, e Alice acrescentou, por causa dos olhos suplicantes de Mary: — Farei o me­lhor possível.

Alice voltou à cozinha, onde todos se encontravam num ambiente de conforto (criado por ela), e expôs a situação.

Devido a toda a comida, a conversa, a cordialidade e a união, houve uma explosão de risos. Mas havia na reação um aspecto teatral que não agradou muito a Alice.

A seguir, houve um longo momento de silêncio, rompido por Pat:

Está querendo dizer que não vamos ficar com a casa se não deixarmos eles virem para cá, Alice?

Ela demorou a responder.

Tenho certeza de que Mary não faria qualquer coisa rancorosa de propósito. Mas se ela vier morar aqui, tomará todo o cuidado com o que disser. È da natureza humana.

Alice concluiu sem muita convicção, usando uma frase que obviamente estava além do razoável.

O que ela pode dizer que venha a fazer uma grande diferença? — insistiu Pat.

Se ela disser que somos um bando de vermelhos, Bob Hood logo encontrará um motivo para nos expulsar. Ela não se importa porque também o é.

Aquela garota é uma revolucionária? — indagou Bert, rindo.

Ela é uma espécie de trotskista. Ou foi.

Então como eles poderiam ficar aqui, Alice? — pressio­nou Bert, firme mas gentil.

Não creio que ela seja muita coisa no momento. Em ter­mos ideológicos. Além do mais — persistiu Alice corajosamen­te, sabendo o que seu argumento lhe custara no passado, provocando todas as acusações —, não somos todos assim, de certa forma? Afinal, não proclamamos que Trótski nunca existiu. Nós lhe concedemos todo o crédito por suas realizações. E dizemos que Lênin é que foi o verdadeiro líder do proletariado. Depois, os camaradas por lá enveredaram por um caminho errado, acei­tando Stálin. Se dizer que Trótski foi um bom camarada e de­pois seguiu por um caminho errado transforma alguém num trotskista, então todos nós o somos, não é? E pelo que me lem­bro, não estabelecemos uma linha definida em relação a Tróts- ki. Pelo menos não na UCC.

A ideologia não é mesmo a sua linha, Alice declarou Jasper, com um ar de superioridade.

Creio que este não é o momento para definir nossa ati­tude em relação ao camarada Trótski disse Pat, depois de tro­car olhares eficientes com Bert. Há algo de procedente no que Alice argumentou, mas isso não é o importante agora. Acho que esse negócio de ter uma casa limpa e um teto sobre nossas cabeças está começando a nos definir. E o que nós fazemos.

Levou quatro dias ressaltou Alice, apelando por justi­ça. Apenas quatro dias.

Mas agora parece que precisamos ter aqui duas novas pessoas só para mantermos a casa.

Jim interveio:

Por que não os convidamos a entrar na UCC? Eu vou entrar.

E por que não? disse Bert, depois de uma pausa prolongada.

Alice percebeu que ele e Jasper trocavam um olhar demo­rado e pensativo. Sabia que eles estavam pensando se não deve­riam ir à outra casa para pedir a alguém quem? —um conselho. Ou instrução.

Precisamos decidir esta noite disse ela. A reunião será amanhã.

E agora ela tinha a sua cara. A voz assim lhe dizia; e os ou­tros também, ao se virarem para observá-la, sentada ali, estofa­da e sofredora.

Bert e Jasper ainda olhavam um para o outro, distraídos. O que eles faziam, na verdade, era reconstituir mentalmente o que fora dito por alguém na casa ao lado, especulando como enquadrar aquela nova situação. Bert acabou dizendo:

Não vejo por que não poderíamos convidá-los. Sempre dizemos que queremos recrutar mais gente, e os dois podem es­tar maduros. Com um pouco de educação política...

E, com essas palavras, ele e Jasper se levantaram ao mesmo tempo e saíram. Jasper avisou, antes de se retirarem:

Voltaremos num minuto.

Pat anunciou:

Também vou sair. Tenho de visitar uma pessoa.

Não quer conhecer Mary e Reggie?

Pat deu de ombros, sorriu e saiu. Alice fora lembrada — como tinha certeza ser a intenção da outra — de que Pat não se importava realmente, iria embora de qualquer maneira.

Restavam Alice, Philip e Jim.

Pouco depois Mary apareceu, em companhia de um homem sobre quem Alice se descobriu pensando, à primeira vista, "Mas é claro!". Com isso, estava querendo dizer que ele e Mary for­mavam uma dupla. Não na aparência, pois o homem era alto, magro, de pele muito branca, olhos pequenos e pretos sob so­brancelhas pretas e espessas, cabelos pretos lisos e abundantes. Ficaria calvo muito cedo. Onde ele combinava com Mary era no ar de moderação, de bom senso e de proporções adequadas. Mais precisamente, adequadas ao círculo em que viviam, aos ami­gos, à sociedade. Alice contemplava — e sabia disso — a respei­tabilidade. Não que não apreciasse esse tipo de bom senso, mas não seria apropriado ali, naquela casa. Era com um infinito sen­timento de tolerância que ela admitia que outras pessoas preci­savam de suportes e apoios. Pensou: Santo Deus, eles nasceram para ser dois pequeno-burgueses simpáticos, numa casinha simpática. Mais um pouco e estarão preocupados com suas pensões.

Vendo-os juntos, ela sentiu que um erro estava sendo cometido. Aqueles dois não deveriam estar ali. A sós com Mary, podia até gostar dela. Vendo-a com seu companheiro, Reggie, Alice sentia-se alienada, com os primórdios de uma intensa hos­tilidade.

— Sentem-se — convidou ela, sorrindo.

Alice pôs a panela no fogão e ligou a eletricidade. Era uma pena: um fogão a gás seria muito melhor. Mas encontrariam algum ainda aproveitável num ferro-velho ou comprariam um recondicionado, por cerca de dez libras.

Virou-se para observar Reggie examinando Jim e pensou: Com um pouco de sorte, ele terá preconceito racial e não vai querer ficar aqui. Mas não houve tal sorte: ele parecia simpatizar com Jim. Ou, se não gostava de negros, sua atitude nada revela­va. Mas é claro, refletiu Alice, que com essa turma, esse maldito pessoal de classe média, não se pode descobrir nada por sua ati­tude, mesmo com a polidez e tudo mais. A simpatia, porém, era genuína, ela tinha certeza; a linguagem do corpo — algo que o instinto preparara Alice para compreender,- muito antes que hou­vesse um nome específico — dizia que Reggie não tinha qual­quer problema com outra cor de pele. Pelo menos isso. Ela ficou escutando a conversa, Reggie com Jim, Mary com Philip. En­cheu canecas com café e pôs na mesa, junto com um bolo.

Conversa inconseqüente. Como ela, Alice, acertara tudo com o Departamento de Energia Elétrica e também resolveria qualquer problema com a Companhia de Gás. O Departamento de Água também seria informado, é claro. Alice não disse que o departamento não descobriria por vários meses que a li­gação de água fora restabelecida e que não tinha a menor inten­ção de atrair a atenção deles. Aqueles dois eram pagadores e ao mesmo tempo guardiães das contas. Ela advertiu-os:

Já vivi em muitas comunas e vocês terão de aceitar uma coisa: algumas pessoas simplesmente não contribuem, não entram com nada.

O que levou Jim a declarar, magoado:

Até vocês chegarem aqui não havia nada para pagar, não é?

Não estou me referindo a você, mas à situação em geral ressalvou Alice. Não é bom os dois virem para cá pensan­do que tudo funciona certinho.

Mary comentou:

Mas com tanta gente aqui, ainda será mais barato do que em qualquer outra parte, sem o aluguel.

Exatamente. — E Reggie acrescentou, indo direto ao pon­to: Não querem nos falar sobre a UCC? Nunca ouvimos fa­lar. Mary e eu ficamos conversando no pub. Não nos lembra qualquer coisa.

Ainda não é um partido grande respondeu Alice. Mas está crescendo. Quando começamos, não tínhamos a in­tenção de transformá-lo num partido de massa. Não queremos que isso jamais aconteça. Os partidos de massa perdem o conta­to com o povo.

É verdade concordou Reggie.

Mas ele falou com extremo cuidado, como se pudesse dizer outras coisas. Alice pensou: Ele e Mary vão trocar olhares... Não aconteceu, mas apenas por um esforço tão patente que ela pensou, com desdém: As pessoas são espantosas. Trocam olhares como se ninguém pudesse perceber, não imaginam que assim se denunciam... Qualquer um pode interpretar o que as pessoas estão pensando.

Reggie disse:

UCC... União do Centro Comunista?

Centro porque queremos mostrar que não somos desvionistas da esquerda nem revisionistas.

União... dois partidos juntos, dois grupos?

Não. Uma união de posições. Sem divisões sutis. Não queremos isso.

E vocês iniciaram a UCC?

Estou entre os fundadores. E Jasper Willis também. Já ouviram falar dele? — Enquanto Reggie e Mary sacudiam a ca­beça, Alice pensava: Vão ouvir. — Éramos vários. Foi em Birmingham. Temos uma seção lá. E um camarada escreveu na semana passada para comunicar que abriu uma seção em Liver­pool. E tem quatro membros novos. Sem falar na seção aqui em Londres.

A essa altura, Mary e Reggie não conseguiram mais evitar que seus olhos se encontrassem. Alice experimentou um ímpe­to de desprezo autêntico, como ódio, e acrescentou:

Todos os partidos políticos têm de começar, não é? E sempre começam com uns poucos membros. Começamos só há um ano e já temos trinta membros aqui em Londres. Incluin­do os camaradas nesta casa.

Ela resistiu à tentação de dizer: "E há também alguns na casa ao lado".

Qual é a posição política? — indagou Reggie, ainda com o mesmo jeito cuidadoso que indica que não vai permitir que se inicie uma discussão genuína porque prefere manter sua opinião em reserva.

Pois esperem só que ainda vão ouvir falar, e muito, da UCC!, pensou Alice. De qualquer forma, vocês vão se juntar a nós, porque querem morar aqui. Oportunistas! Ao mesmo tempo, pensava: Vamos educá-los. Matéria-prima é matéria-prima. O que conta é o que vocês serão daqui a um ano. Se não tiverem economizado o suficiente para se mudarem antes. E, pelo menos vocês dois, não terão qualquer pressa para ver esta comuna acabar. Disse:

Temos um manifesto político. Eu lhes darei uma cópia. Mas vamos promover uma conferência no próximo mês e definiremos todos os detalhes.

Alice percebeu que eles não estavam prestando atenção. Pensavam em quando poderiam se mudar.

Perguntaram se poderiam trazer alguns móveis, ofereceram panelas e uma chaleira elétrica.

Aceitamos com a maior satisfação — declarou Alice.

Continuaram a conversar, até que Jasper e Bert voltaram

da outra casa. Alice percebeu no mesmo instante que não have­ria qualquer problema para a vinda de Reggie e Mary. Pelo me­nos não daquele lado; já Roberta e Faye seriam outra coisa.

Reggie ficou em silêncio, recostado na cadeira, avaliando Jasper, avaliando Bert. Alice percebeu que ele sentia alguma sim­patia por Bert. Os dois eram da mesma espécie. Ele não foi muito com Jasper. Ela lembrou que também sentira um alerta instin­tivo, alguma repulsa, quando se encontrara pela primeira vez com Jasper, há tantos e tantos anos. E depois descobrira que estava completamente enganada.

Mary e Reggie foram embora às onze horas; tinham medo de perder o último trem do metrô para voltarem a Muswell Hill e Fulham, onde moravam, respectivamente, tão separados.

Philip disse que estava exausto e foi se deitar.

Jim foi para sua sala e eles ouviram a música baixa do seu toca-discos, acompanhada pelos tambores, ainda mais baixos.

O que aconteceu com Faye e Roberta? perguntou Alice.

Foi Bert quem respondeu:

Há uma comuna só de mulheres em Paddington. Elas estão sempre lá.

Por que elas não se mudam para lá?

Gostam daqui disse Bert, com uma careta que dizia não faça perguntas e...

Bert subiu para dormir, e Alice e Jasper ficaram a sós na cozinha.

Está bem disse Jasper. Contarei tudo, se me der uma chance.

Subiram para o seu quarto. Jasper não dissera que ela deve­ria sair ou que ele sairia. Alice meteu-se em seu saco de dormir como um cachorro se esgueira para o seu canto predileto, evitando olhares, torcendo para que ninguém percebesse.

Podiam ouvir Bert se movimentando de um lado para ou­tro no quarto adjacente. Jasper disse:

Bert e Pat vão passar o fim de semana fora.

Dava angústia ouvir sua voz.

Apenas o fim de semana murmurou Alice, procuran­do confortá-lo pela perda de Bert. Quanto a ela, seu coração entristecido informava que sentiria falta de Pat mesmo pelo fim de semana. Para onde eles vão?

Não me disseram, e eu não perguntei.

Eles ficaram num silêncio impregnado de companheirismo, os pés quase se tocando. Ainda não haviam encontrado corti­nas para aquele quarto, e as luzes dos carros passando lá fora continuavam a correr pelo teto. Toda a casa tremia com a passagem dos caminhões pesados que seguiam para o norte, proporcionando a Alice um sentimento confortador de familiari­dade, como se há meses morassem ali, não há dias; tinha a im­pressão de haver passado toda a sua vida em casas que tremiam com o tráfego.

Gostaria de ir para o piquete amanhã? — perguntou Jasper.

Mas eu preciso realmente ficar aqui — lamentou Alice.

Então podemos ir na noite de sábado e pintar alguns slogans.

Ela controlou a voz, a fim de não deixar transparecer o ím­peto de satisfação, de gratidão.

Seria ótimo, Jasper.

Providencie as latas de spray.

Ele virou-se para a parede. Alice não ouviria coisa alguma sobre a outra casa naquela noite. Mas amanhã, à noite... ela poderia ouvir. E no sábado...

Ela acordou junto com Jasper, às sete horas da manhã, mas ficou imóvel, observando-o, os olhos quase fechados. O corpo magro mas vigoroso de Jasper transbordava com a energia da expectativa. Tudo nele, dos cabelos cor de gengibre (que parti­cularmente Alice achava mais para cor de canela) aos pés pe­quenos e ágeis, que ela adorava, porque eram tão alvos e esguios, estava cheio de vida. Jasper parecia dançar enquanto se vestia, o rosto pálido tinha uma expressão inocente e doce quando pa­rou por um momento junto à janela, a fim de verificar como estava o tempo para o piquete do dia. Exibia um ar exaltado e sonhador quando passou por Alice, aparentemente adormeci­da, encaminhando-se para a porta. Não olhou para ela.

Alice relaxou, deitada de costas, e ficou escutando. Jasper bateu na porta ao lado e ela ouviu o resmungo relutante de Bert e a resposta imediata de Pat:

Já acordamos.

Depois, a batida na porta de Roberta e Faye. Philip? Oh, não, Philip não, pois precisava dele na casa! Mas não houve outra batida, e Alice passou a ter outra preocupação: Será que Philip não vai se sentir excluído, desprezado? Uma batida na porta por baixo — a sala grande que Jim usava como quarto, que talvez devesse ser usada como sala mesmo... Não, não se­ria justo. Um grito sobressaltado de Jim e ela não pôde saber se ele estava ou não satisfeito por ser acordado.

Os sons da casa adquiriam vida. Alice podia descer se qui­sesse, podia sentar com o grupo animado e despachá-lo com sorrisos, mas estava com a boca ressequida e os olhos ardendo. Por algum motivo — talvez um sonho? —, queria chorar, voltar a dormir. Desistir. Desconfiava do que sentia, pois esse sentimento a acompanhava desde que podia se lembrar: ser excluída, deixa­da de fora. Indesejável. O que era uma tolice, pois bastaria di­zer que também ia. Mas como poderia, quando o destino de todos seria decidido naquela manhã na prefeitura e não estava absolutamente certo de se ficariam com a casa? Ao se despedir, Mary dissera "Farei o melhor que puder", e era evidente que não podia ir além disso. Alice projetou Bob Hood em sua ima­ginação e, contemplando o jovem correto e ponderado, dese­jou que ele fizesse tudo o que ela queria. "Defenda-nos", disse ela, em sua mente. "Faça com que eles concordem. E nossa ca­sa." Manteve essa projeção por alguns minutos, enquanto escu­tava os outros se movimentando na cozinha. Quase que no mesmo instante, porém, eles saíram. Iam comer num café. O que era um absurdo, pensou Alice, furiosa: desperdiçar todo aquele dinheiro! Todos teriam de aprender a comer em casa. Conversaria com eles, discutiria o assunto.

Ah, como ela se sentia deprimida e triste!

Por algum motivo, pensou no irmão, Humphrey. A incré­dula raiva familiar a dominou. Como ele pudera se contentar em aceitar o jogo deles? Um emprego seguro, controlador de tráfego aéreo... quem poderia imaginar que alguém optaria por consumir sua vida assim? E a mãe dissera que ele escrevera para anunciar um filho. O primeiro. Abruptamente, Alice pensou: Isso significa que sou tia. Nunca lhe ocorrera antes. A raiva se desvaneceu e ela pensou: Talvez eu vá visitá-lo para conhecer o bebê. Continuou deitada, sorrindo, por mais algum tempo, na casa silenciosa, embora o barulho do tráfego lá fora a envol­vesse. Depois, controlando-se conscientemente, com uma ex­pressão determinada, saiu do saco de dormir, vestiu os jeans e desceu. Havia cinco xícaras de café por lavar na mesa — haviam se demorado para isso, o que significava que não passariam pe­lo café; fariam outra refeição no trem, durante a viagem; não, não pense nisso. Lavou as xícaras, pensando: Preciso providen­ciar água quente. Os operários da prefeitura deviam ter rouba­do o boiler e não tinham dinheiro para comprar um novo. Um boiler de segunda mão? Philip deve saber onde e como conse­guir... Hoje ele vai consertar as janelas, se eu conseguir os vi­dros. Ele dissera que precisaria de outra manhã para as telhas. Sete janelas — quanto custaria o vidro para tudo isso?

Ela pegou o dinheiro que restava: menos de cem libras. E com tanta coisa a comprar, a pagar... Jasper prometera rece­ber o seguro-desemprego dela, mas não podia reclamar, pois ele trabalhara muito no dia anterior, trazendo todas aquelas coisas para casa. Foi nesse instante que ela viu no peitoril da janela um envelope em que estava escrito "Alice" e, embaixo, "Te­nha um dia maravilhoso!" Assinado: "Amor, Jasper". Seu di­nheiro estava lá dentro. Ela conferiu rapidamente. Jasper costumava ficar com a metade, dizendo: Devemos fazer sacrifí­cios pelo futuro. Mas lá estavam quatro notas de dez libras.

Sentou-se à mesa, enternecida de amor e gratidão. Jasper a amava. De verdade. E fazia aquelas coisas doces e maravilhosas.

Alice relaxou, à cabeceira da enorme mesa de madeira. Se quisessem vendê-la, poderiam conseguir cinqüenta libras. Ou mais. A cozinha era comprida, mas não muito larga. A mesa ficava perto de uma janela com um peitoril largo. Da mesa podia avistar a árvore, o lugar em que ela e Jim haviam enterrado a merda, agora uma mancha saudável de terra escura, a cerca além, que era da casa de Joan Robbins. Era uma cerca alta de madeira, com arbustos aparecendo por cima, florescendo. Uma explosão amarela de forsítia. Passarinhos. O gato subiu na cerca e abriu a boca num miado silencioso, olhando para ela. Alice abriu a janela, que faiscava ao sol. O gato veio para o pei­toril, bebeu um pouco de leite e comeu algumas sobras. Fi­cou sentado ali por algum tempo, os olhos experientes fixos em Alice. Depois, começou a se lamber.

Encontrava-se em péssimo estado e deveria ser levado a um veterinário.

Tanta coisa que precisava ser feita... Mas Alice sabia que não faria nada enquanto não recebesse notícias de Mary. Continuaria sentada ali, sozinha, ociosa. Engraçado: ela era descrita como desempregada, nunca tivera um emprego e estava sem­pre ocupada. Ficar sentada calmamente, sem fazer nada, era um regalo excepcional. Ficar sozinha — isso era ótimo. O sentimen­to de culpa ameaçou uma invasão com esse pensamento: era uma deslealdade para com seus amigos. Não queria ser como a mãe: egoísta. A mãe costumava reclamar e importunar para ter uma tarde só sua e descarregava nos filhos. Privacidade. Gente assim dava muita importância à privacidade: noventa e nove por cen­to da população do mundo não sabia o que a palavra significa­va. Se é que alguma vez a tinham ouvido. Não, era melhor assim, mais saudável, um grupo de camaradas. Partilhando. Mas, nes­se ponto, a preocupação voltou a atormentá-la, e ela pensou: E por isso que estou tão transtornada esta manhã. Por causa de Mary. Por causa de Reggie. Eles não são dos nossos. Nunca poderão se soltar completamente para se fundirem conosco. Permanecerão um casal. Terão suas opiniões particulares a respei­to de todos os outros. Mas isso também se aplicava a Roberta e Faye, que formavam um casal: elas deixavam patente que pos­suíam suas próprias atitudes e opiniões; não gostavam do que estava acontecendo agora, com a casa. E Bert e Pat? Não, eles não tinham opiniões próprias, que levantavam contra os outros; mas, na verdade, Pat só estava ali porque gostava de ser trepada (a palavra certa para o relacionamento!). Jim? Philip? Ela e Jasper?

Quando se chegava ao fundo, ela e Jasper eram os únicos revolucionários autênticos ali. Horrorizada com tal pensamen­to, mesmo assim Alice analisou-o. E Bert? Jasper o aprovava. A afeição de Jasper a homens que eram como irmãos mais ve­lhos nada tinha a ver com política, mas com suas naturezas: sem­pre eram do mesmo tipo. Condescendentes. Gentis. Era isso. Bert era uma boa pessoa. Mas seria um revolucionário? E injus­to dizer que Faye e Roberta não eram revolucionárias autênti­cas só porque não gosto delas, pensou Alice... Aonde aqueles pensamentos a levavam? Qual era o sentido? O grupo, sua fa­mília, era fragmentado, diminuído, criticado para fora da exis­tência. Alice pensou: Se não ficarmos com esta casa, vamos para a comuna em Brixton.

Um som lá em cima, imediatamente por cima. Faye e Ro­berta não haviam ido com os outros. Alice escutou como elas acordavam e se levantavam: movimentos bruscos, os sacos de dormir sendo arrastados pelas tábuas do assoalho, uma risada, uma risadinha abafada. Silêncio. Depois passos e um momento depois as duas estavam na cozinha.

Alice levantou para pôr a panela para esquentar e tornou a sentar. As duas recendiam a maduro — suadas e fêmeas. Não iam se lavar com água fria, não aquelas duas!

Sorriram para Alice, sentaram juntas de costas para o fo­gão, onde podiam olhar pela janela, e ver o sol da manhã.

Sabendo que não havia outro jeito, Alice fez um esforço para relatar o que acontecera na noite anterior, sobre Mary e Reggie. Não atenuou coisa alguma. As duas continuaram sentadas lado a lado, esperando pelo café, sem olhar uma para a outra, pelo que Alice sentiu-se grata. Viu aparecer em seus ros­tos a ironia que ouvia em sua própria voz.

Quer dizer que a UCC tem dois novos recrutas? perguntou Roberta, desatando a rir.

São boas pessoas comentou Alice, com um tom de censura, mas rindo também.

Faye não riu; os pequenos dentes brancos seguravam o lá­bio inferior rosado; a testa brilhante franzida e toda a sua pes­soa anunciavam a desaprovação. Roberta parou de rir.

Ei, pensou Alice, já vi isso antes: pensava-se que Roberta era a forte parecia maternal, a galinha com seu pintinho —, mas não era esse o caso, pois Faye é quem o era, apesar de suas maneiras afetadas e implicantes. E ela observou Faye com aten­ção e respeito, pois ela estava prestes a se pronunciar. Roberta também esperou.

Escute, Alice, quero que preste toda a atenção, pois vou dizer o que penso...

E Alice compreendeu que ela tinha dificuldade para se expressar, era por isso que recorria a tantos truques e artimanhas, afetações e hesitações, a olhares cautelosos e sorrisos para Ro­berta e para si mesma; mas por baixo era ferro, era formidável.

De uma vez por todas, não me importo com toda essa felicidade doméstica, com toda esta casa e o jardim limpo... — Nesse ponto ela esperou, polidamente, enquanto primeiro Roberta e depois Alice, percebendo que Roberta o fazia, riam um pouco. Continuou: Houve um tempo em que esta casa teria me parecido um palácio. Para mim, todo esse negócio é classudo demais. Já vivi em pelo menos mil casas abandonadas, buracos, cantos, quartos, barracos e residências legais... e aqui é a melhor de todas. Mas não me importo.

Sacudiu um dedo para Alice, impertinente, jovial. Roberta olhava fixamente para a amada, como uma irmã mais velha: Se­rá que ela está indo longe demais? Longe demais, Alice sabia, com toda aquela apresentação, a atitude, os meios que lhe permitiam dizer o que pensava. Roberta não queria que Alice pensasse que aquela garota era frívola ou tola.

Mas Alice não pensava assim, absolutamente.

A qualquer momento vamos ter água quente e assoalho vitrificado. Eu não ficaria surpresa. Para mim, no entanto, tudo isso é merda, entende? Merda!

Alice levantou-se, despejou água quente nas três canecas que já tinham o café solúvel, levou-as para a mesa, pôs a garrafa de leite e o açúcar perto de Faye. Fez tudo isso como uma espécie de demonstração e percebeu que Faye, ao estender a mão para o café, que ia beber puro e sem açúcar, podia compreender, até mesmo apreciar, a julgar por seu rápido e astuto sorriso. Mas Faye ia continuar, com determinação. Também abandonara seu estilo cockney e a voz que o acompanhava. Falava agora o in­glês da BBC.

Não me importo com essas coisas, Alice. Será que não entende? Se você quer me servir, então sirva. Se não quer, não sirva. Não me importo com uma coisa nem outra.

Roberta se apressou em dizer, protetora:

Faye tem levado uma vida terrível, uma vida de merda...

E não pôde mais continuar, virou o rosto para o outro lado.

É verdade, mas não dê maior importância a isso de­clarou Faye. Eu não dou.

Roberta sacudiu a cabeça, incapaz de falar. Pôs a mão, hesitante, pronta para ser rejeitada, no braço de Faye, que acres­centou:  

Se tenciona relatar a Alice a minha horrível infância, o problema é seu, mas não conte nada enquanto eu estiver aqui.

Ela tomou o café amargo, fez uma careta, pegou um biscoi­to, deu uma mordida, mastigou e engoliu, como se fosse uma dose de remédio. Outro gole de cafeína. Roberta desviara o ros­to. Alice sabia que ela se sentia infinitamente triste por alguma coisa; se não pelo passado de Faye, então por seu presente; sua mão, ignorada por Faye, deixara o braço de Faye e descaíra pa­ra seu próprio colo, onde se encontrava inerte, trêmula e la­mentável, enquanto sua cabeça abaixada, com os anéis de cabelos pretos, fazia Alice pensar num cachorro humildemente apaixo­nado. Roberta irradiava amor e anseio. Naquele momento, pe­lo menos, Faye não precisava de Roberta, mas Roberta morria de necessidade de Faye.

Faye provavelmente tem ocasiões em que deseja se livrar de Roberta, acha que é tudo demais é isso mesmo, pensava Alice. Pois aposto que Roberta nunca deseja se livrar de Faye! Oh, Deus, toda essa coisa pessoal interferindo em tudo, o tempo todo! Pelo menos Jasper e eu resolvemos essa parte.

Faye continuava a falar. Por Deus, preste atenção, ela pode arrumar um emprego na BBC, pensou Alice. Quando será que ela aprendeu a falar tão bem? E para quê?

Já conheci pessoas como você antes, Alice. Durante a minha longa carreira. Não pode deixar as coisas como estão.

Está sempre arrumando tudo, fazendo as coisas funcionarem. Se há um pouco de poeira num canto, você entra em pânico.

Nesse ponto Roberta deixou escapar uma risada áspera e Alice sorriu afetada... pensando em todos aqueles baldes.

Ora, riam, podem rir à vontade!

Parecia que Faye poderia ter parado por aí, pois hesitou, e o estilo cockneyquase se restabeleceu, com um sorriso insinuante. Mas ela tratou de se controlar, empertigou-se com uma solidão fria e feroz, tão auto-suficiente que a mão de Roberta, outra vez solícita, procurando, se afastou.

Só me importo com uma coisa, Alice. E você, preste atenção, Roberta, pois está sempre esquecendo o que eu sou, como eu sou. Quero acabar com esse sistema de merda, nojento, men­tiroso, cruel, hipócrita. Está me entendendo, Alice? Você tam­bém, Roberta?

Ela não estava absolutamente bonita ou atraente naquele instante, mas pálida e irada, a boca contraída, os olhos duros; e isso — a maneira como parecia — retirava qualquer sentimen­talismo do que disse em seguida:

Quero acabar com tudo isso para que as crianças não so­fram tanto quanto eu sofri.

Roberta estava isolada, repudiada, incapaz de falar. Alice disse:

Mas você acha que não sou uma revolucionária, Faye? Concordo com tudo o que disse.

Não sei nada a seu respeito, camarada Alice. A não ser que é uma maravilha com uma casa. E com a polícia. Gosto disso. Mas antes de sua chegada, tomamos uma decisão, uma decisão conjunta. Resolvemos que vamos trabalhar com o IRA. Já esqueceu?

Alice ficou calada. Estava pensando. Mas Jasper e Bert não haviam discutido as coisas na outra casa? Disse finalmente, com todo o cuidado:

Soube que um camarada da outra casa indicou que...

Que camarada? — indagou Roberta, ressuscitando. — Não sabemos de nada disso.

Ahn. . . — murmurou Alice. — Pensei...

E tudo besteira de amador — interveio Faye. — De repen­te alguma autoridade desconhecida na casa ao lado diz isso e aquilo.

Não pensei...

Alice não tinha nada a dizer. Estava pensando: Fora Bert quem levara Jasper para...? Fora Jasper quem...? Não me lembro de Jasper jamais ter feito qualquer coisa assim antes...

Depois de algum tempo, embora ninguém dissesse nada, mas todas acalentassem seus pensamentos em separado, Alice disse:

Muito bem, concordo. Está na hora de a gente se reunir e discutir tudo. Da maneira correta.

Inclusive os dois novos camaradas?indagou Faye, amargurada.

Não, não, apenas nós. Apenas você, Roberta, Bert, Jasper, Pat e eu.

Sem Philip e sem Jim acrescentou Roberta.

Nós seis poderíamos ir a um café ou a outro lugar para uma discussão sugeriu Alice.

Isso mesmo concordou Faye. Não podemos ter uma discussão aqui, com tantos elementos estranhos. Exatamente.

Talvez pudéssemos conseguir um quarto emprestado na outra casa aventou Alice.

E por que não podemos fazer um lindo piquenique no parque? indagou Faye, com veemência.

Por que não? concordou Roberta, rindo.

Podia-se perceber que ela recuperava a ascendência, sentia-se forte e confiante, lançava para Faye olhares que em breve seriam retribuídos.

Outro silêncio, sociável, sem ressentimentos. A seguir, Alice disse:

Tenho de perguntar isso, é um assunto que precisa ser levantado. Vocês duas estão dispostas a contribuir com alguma coisa para as despesas?

Faye, como se podia esperar, soltou uma risada. Roberta se apressou em dizer, como uma censura a Faye, o que revelava a Alice as discussões que as duas tiveram sobre aquele assunto:

Vamos pagar pela comida e coisas assim. Você tem de nos dizer como funciona.

Sai muito barato, com tanta gente.

Isso é justo comentou Faye. Mas podem me deixar de fora de todos os arranjos. Não estou interessada. Roberta pode fazer o que quiser.

Ela se levantou, sorriu jovialmente para as outras duas e saiu. Roberta fez um movimento instintivo para acompanhá-la, mas continuou onde estava.

Darei uma contribuição, Alice. Não sou como Faye... não sou indiferente ao ambiente em que vivo. E pode estar cer­ta de que ela é realmente assim.

Roberta falou em tom de premência, sorrindo, insistindo , na diferença de Faye, como ela era singular e preciosa.

Sei disso.

Roberta estendeu duas notas de dez libras, que Alice pegou, sem nenhuma expressão, sabendo que seria só isso. Agradeceu a Roberta, que ficou se remexendo por mais um instante e depois, incapaz de suportar por mais tempo, levantou-se e foi atrás de Faye.

Ainda não eram dez horas. Mary dissera para telefonar à uma da tarde. Persuadida pelos odores deixados no ar da cozi­nha por Faye, por Roberta, ela subiu para o banheiro e forçou-se a tomar um banho frio. Agachou-se na banheira, incapaz de baixar as nádegas para a água, esfregando-se e ensaboando-se. Satisfeita, vestiu roupas limpas, fez uma trouxa com o que tirara e com as roupas de Jasper que precisavam de uma lavagem — o que determinou ao cheirá-las — e saiu para a lavande­ria. Avistou a velha sentada debaixo da árvore no jardim ao lado, os membros descarnados e projetados, como um monte de ga­lhos secos dentro de um saco de saia e casaco de lã. Ela gesticu­lou ansiosamente para Alice, que saiu para a rua, avançou pela calçada e passou pelo portãozinho branco da outra casa, sorrin­do. Esperava que os vizinhos estivessem observando.

Ela saiu e me deixou — anunciou a velha, fazendo um esforço para se empertigar de sua posição arriada. — Eles não se importam. Ninguém se importa.

Quando ela se pôs a falar em voz rouca sobre os crimes de Joan Robbins, Alice ajeitou-a numa posição em que podia respirar direito, pensando que a velha não devia pesar mais do que a sua trouxa de roupa suja. Ficou escutando, com um sorriso, até que não agüentou mais e inclinou-se para gritar, em ouvi­dos possivelmente surdos:

Mas ela é muito gentil ao trazê-la para sentar aqui fora, no jardim. Não é obrigada a fazer isso, não é? — E depois, quan­do o rosto da velha parecia prestes a irromper em protesto, Alice acrescentou: — Não tem importância. Vou buscar uma boa xícara de café.

Chá, chá — balbuciou a velha.

Terá de tomar café. Estamos sem bule para o chá. Fique sentada aqui esperando.

Alice voltou à casa, serviu um café com açúcar, levou-o pa­ra a velha.

Qual é o seu nome?

Senhora Jackson, Jackson... só me chamam assim.

Meu nome é Alice, e moro na casa 43.

Mandou embora todas aquelas pessoas sujas, no que fez muito bem disse a senhora Jackson, já escorregando outra vez pela cadeira, como uma velha boneca bêbada, a caneca virando para o lado em sua mão.

Virei vê-la de novo dentro de poucos minutos pro­meteu Alice, antes de partir apressada.

A lavanderia ocupou-a por quarenta e cinco minutos. Foi buscar a xícara com a senhora Jackson e depois ficou escutando Joan Robbins, que veio da cozinha para dizer que Alice não devia acreditar na velha, que estava caduca; não havia uma úni­ca razão no mundo para que ela, Joan Robbins, devesse fazer alguma coisa pela velha, muito menos ajudá-la a descer a escada para o jardim e tornar a subir, servir café e... As queixas con­tinuaram, enquanto a senhora Jackson gesticulava para as duas, insistindo que sua história era a certa. A cena estava sendo tes­temunhada por várias pessoas, nos jardins e janelas; Alice dei­xou que desfrutassem tudo.

Com um aceno de mão, ela voltou para sua casa.

Eram onze horas, e uma frágil aparição cambaleou na esca­da: Philip, que disse:

Não me sinto bem, Alice. Não me sinto...

Ele chegou lá embaixo, precariamente, e seu rosto, de um anjo triste mas embaraçado, foi apresentado a Alice para diagnóstico e julgamento, com uma confiança absoluta na justiça, o que ela lhe dispensou.

Não estou surpresa, depois de todo aquele trabalho no telhado. Não pense em fazer qualquer coisa hoje. Trate de des­cansar.

Eu bem que gostaria de ir com os outros, mas...

Vá para a sala de estar. Relaxe. Levarei um café para você.

Alice sabia que aquela doença precisava apenas de afeição.

Philip acomodou-se numa poltrona e ela levou-lhe café, e sentou- se também, pensando: Não tenho nada melhor para fazer.

Ela soubera que em alguma ocasião teria de escutar uma história de iniqüidades: aquele era o momento, Philip recebera pro­messas de empregos que não haviam se concretizado; fora des­pedido sem aviso prévio; não recebera pagamento por traba­lhos realizados. Tudo isso lhe foi contado na voz veemente e magoada de alguém que sofrera um azar inexplicável e até ma­ligno, enquanto o motivo de tudo que ele era frágil como uma marionete não era mencionado; nunca poderia ser men­cionado, Alice tinha certeza.

E quer saber de uma coisa, Alice? Ele me disse: "Esteja aqui na próxima segunda-feira e terei um emprego para você". Mas sabe que emprego era? Queria que eu carregasse enormes caixas de tinta e outras coisas para um furgão! Sou um constru­tor e decorador, Alice! Mas aceitei o emprego, trabalhei por qua­tro dias e fiquei com as costas arrebentadas. Passei duas semanas no hospital e depois fiz fisioterapia por um mês. Quando fui procurá-lo para cobrar os quatro dias de trabalho, ele disse que eu é que fora o errado e...

Alice escutava e sorria, sentia o coração confrangido por ele. Parecia-lhe que muita coisa fora pedida a seu coração na­quela manhã, uma pobre vítima depois de outra. Ora, não ti­nha importância, um dia a vida não seria mais assim; era o capitalismo que se mostrava tão implacável e pernicioso, não se importava com o sofrimento de suas vítimas.

Ao meio-dia e meia, quando pensava em ir à cabine telefônica, ela ouviu alguém chegando e correu para interceptar a po­lícia, a prefeitura... quem seria desta vez?

Era Reggie, que depositava caixas no vestíbulo, sorrindo. Informou que Mary deixara a reunião por um momento para lhe telefonar e dar a boa notícia. E ela estaria ali com outro car­regamento na hora do almoço. O alívio deixou Alice meio ton­ta; e, depois, chorou. Encostada na parede, ao lado da porta, na sala de estar, levou as mãos à boca, como numa dor profun­da, suas lágrimas se despejando dos olhos fechados.

Ora, Alice, por quê? — murmurou Reggie, aproximando- se para espiar seu rosto trágico, obrigando-a a repelir os afagos amistosos e um braço estendido por seus ombros.

Reação — sussurrou ela, correndo para o banheiro, a fim de vomitar.

Quando saiu, Philip e Reggie estavam parados lado a la­do, fitando-a, prontos para sorrir, esperando que ela lhes permitisse.

E, finalmente, Alice sorriu, depois riu, não pôde mais parar.

Philip a fitava fixamente, enquanto Reggie, constrangido, sentava-se.

Alice também se sentia constrangida: O que há de errado comigo? Devo estar doente também.

Mas Philip não estava mais doente. Saíra para contar as janelas quebradas, antes de comprar o vidro. Reggie subiu para dar uma olhada nos quartos. Alice ficou na cozinha.

Foi lá que Mary a encontrou, quando chegou com uma cai­xa cheia de panelas, louça de barro e uma chaleira elétrica.

Sentou-se do outro lado da mesa. Estava corada e exultante. Alice ouvira-a rir com Reggie da mesma maneira que Roberta e Faye riam, e, às vezes, Bert e Pat. Dois contra o mundo. Intimidade. Alice foi logo perguntando:

Quais são as condições?

Será apenas por um ano.

Alice sorriu e, diante da expressão de Mary, explicou:

É uma vida.

Mas é claro que eles podem prorrogar o prazo. Se não decidirem demolir a casa, no final das contas.

Não vão demoli-la — declarou Alice, confiante.

Não tenha tanta certeza.

Mary estava agora se mostrando suscetível por conta de seu outro eu, a prefeitura. Alice deu de ombros. Esperou, olhando para Mary, que parecia não saber realmente porquê. Alice aca­bou perguntando:

Mas o que foi decidido sobre o pagamento?

Ora, uma ninharia — respondeu Mary, vagamente. — Ainda não fixaram a quantia exata, mas não será grande coisa. Apenas um valor simbólico.

Sei disso — insistiu Alice, paciente. — Mas quero saber como. Uma soma redonda por toda a casa?

Oh, não! — exclamou Mary, como se isso fosse uma extorsão inconcebível (tal é a força de uma decisão oficial para uma mentalidade oficial). — Nada disso. O benefício será ajus­tado individualmente para todos na casa. Ninguém aqui está tra­balhando, não é?

Não é esse o problema, Mary — comentou Alice, espe­rando que Mary percebesse o problema.

Mas isso não aconteceu. Nem podia; o que em sua expe­riência poderia prepará-la para a situação?

Creio que seria mais fácil se fosse uma quantia fixa e dividida por todos. Ainda mais por ser tão pequena. O suficiente para cobrir os impostos e taxas, não mais do que dez ou quinze libras por semana. Mas não é assim que costumamos fazer.

Era outra vez a autoridade se manifestando, na maneira decisiva de quem sabe que tudo o que se faz deve ser feito da me­lhor forma possível.

Tem certeza de que não há nenhuma possibilidade de mudar essa decisão? — indagou Alice com muito cuidado, de­pois de uma breve pausa.

Absolutamente nenhuma.

No fundo, o que Mary dizia era o seguinte: É um proble­ma tão insignificante que não há sentido em desperdiçar mais um minuto sequer com o assunto.

E era tão insignificante para Mary que ela começou a circu­lar pela cozinha, examinando-a, com um sorriso feliz, como se desembrulhasse um presente.

Alice continuou sentada, ajustando-se à situação. Faye e Roberta não concordariam, iriam embora imediatamente. Jim tam­bém. Jasper não gostaria... exigiria que tanto ele como Alice partissem. Muito bem, todos iriam embora. Por que não? Ela já fizera isso muitas vezes! Havia aquela casa vazia em Stockwell... Jasper e ela vinham falando há meses em ocupá-la. Se­ria conveniente para Faye e Roberta, pois a comuna de mulheres que elas freqüentavam era por aquelas bandas. Só Deus sabia que outros lugares, refúgios, esconderijos elas usavam. Alice ti­nha a impressão de que eram muitos.

Mas era uma pena ter de deixar aquela casa. E enquanto pensava em partir, o pesar contraiu a garganta de Alice, levou-a a fechar os olhos, sofrendo.

E ela disse, parecendo fria e autoritária, por causa da rigidez na garganta:

E isso aí. Lamento muito, mas não tem outro jeito.

Como assim? —Mary se virara e estava imóvel, como uma atriz trágica, a mão na garganta. Não estou entendendo!

Não faz a menor diferença para vocês, não é? Você e Reggie podem ficar aqui sozinhos. E tenho certeza de que poderão facilmente trazer amigos para ocupar a casa.

Mary arriou numa cadeira. Da garota mais feliz do mundo, ela passara a uma pobre criatura, pálida e frágil, uma suplicante.

Não compreendo! Que diferença isso faz? E é claro que Reggie e eu não podemos ficar aqui sozinhos.

Por que não?

Mary ficou vermelha e balbuciou:

E claro... nem precisa dizer... eles não podem saber que estou morando aqui. Bob Hood e os outros não podem sa­ber que estou morando numa casa emprestada.

Ah, então é isso... — murmurou Alice vagamente, por­que já pensava nos problemas de outra mudança.

Não compreendo repetiu Mary. Qual é o problema?

Alice suspirou e explicou, sem entrar em detalhes, que al­guns deles não queriam que sua presença na casa fosse registrada.

Eles são criminosos? indagou Mary.

Ela exibia agora uma tonalidade rosa brilhante e parecia indignada. Alice percebeu que aquele momento já ocorrera an­tes, com a Tendência Militante. Métodos! E disse, parecendo sarcástica, por causa do esforço que fazia para ser paciente:

Política, Mary. Política, entende?

Alice tinha a impressão de que no caso de Jim era algum problema criminal, mas achou melhor ignorar esse detalhe. E provavelmente também havia um problema criminal com Faye e Roberta, por falar nisso.

Será que não entende, Mary? As pessoas recebem o seguro-desemprego em um distrito, mas residem em outro lu­gar. As vezes em vários outros lugares.

Ahn... estou entendendo...

Mary refletiu sobre a perspectiva: revolucionários eficien­tes e perigosos em fuga, sempre escondidos. Mas parecia inca­paz de absorver. E disse, com alguma irritação:

Talvez a decisão possa ser ajustada. Mas ainda bem que a prefeitura não sabe disso.

Quer dizer que pode dar um jeito de alterar a decisão?

Aliviada, a casa recuperada, Alice começou a sorrir, entre lá­grimas. — Oh, Deus, então está tudo bem!

Mary fitava-a atentamente. Alice, constrangida por causa da profundidade de sua emoção, sorriu-lhe. Aquele era o momen­to em que Mary, por sua repugnância a qualquer coisa que não conferia com o padrão invisível do que era certo, conveniente e apropriado, um sistema rígido que partilhava com Reggie, po­deria se levantar, balbuciar algumas desculpas rígidas e ressenti­das e ir embora. Para dizer a Bob Hood que a prefeitura come­tera um erro, que aquelas pessoas na casa 43... Mas ela apenas sorriu e murmurou:

Falarei com Bob. Espero que não haja qualquer proble­ma. Todos vão rachar as despesas? Pedirei que mandem as con­tas todos os meses, em vez de semanalmente. Será mais fácil controlar os pagamentos.

Ela conversou por mais algum tempo, a fim de restaurar a sua autoridade e a da prefeitura, depois comentou que seria preciso fazer alguma coisa com a casa 45. Havia reclamações constantes.

Falarei com eles — sugeriu Alice.

Outra vez a autoridade interveio:

Não é da sua conta, não é? Por que deveria se intrometer?

Vendo Alice dar de ombros, aparentemente indiferente, Mary apressou-se em acrescentar: — Mas talvez seja uma boa idéia...

Ela subiu, com uma expressão tão irritada quanto a de Alice. As duas pensavam que não seria fácil a combinação de tantas pessoas na casa.

Pouco depois Mary saiu com Reggie. Ele a deixaria no trabalho e mais tarde voltariam juntos, com outro carregamento. Trariam alguns móveis também, se ninguém se importasse. Uma cama, por exemplo.

Alice ficou sentada, sozinha. Philip apareceu, pegou o dinheiro para o vidro e saiu para comprá-lo.

Alice contemplava a si mesma durante os últimos quatro dias e pensou: Tenho me comportado como uma louca? Afi­nal, é apenas uma casa... e o que venho fazendo? Aqueles dois, Reggie e Mary... revolucionários? Eles eram da Tendência Militante? Que absurdo!

Foi se recuperando lentamente. A energia voltou. Pensou nos outros, no campo de batalha em Melstead. Trabalhavam pela causa; e ela devia fazer isso também. Alice acabou saindo, tomando cuidado para não verificar se a velha estava ou não lhe acenando. Caminhou junto à sebe que separava sua casa pri­meiro da rua e depois da 45. Entrou na ruazinha transversal que era igual à sua e parou no mesmo lugar em que vira Bob Hood parar no dia anterior, olhando para o jardim cheio de lixo.

Avançou decidida pelo caminho, preparada para ser examinada por quem quer que estivesse ali e se interessasse. Bateu na porta. Esperou um bom tempo para que abrissem. Deu uma olhada no vestíbulo, igual ao de sua casa, mas com caixas empi­lhadas. Havia uma lâmpada. Então eles tinham energia elétrica.

A sua frente estava um homem que a impressionou no mes­mo instante como sendo estrangeiro. Não era por alguma coisa específica em sua aparência, mas havia nele algo diferente. Era russo, Alice teve certeza, o que lhe proporcionou um frisson de satisfação. Era poder, a idéia de poder, que a excitava. O ho­mem em si não tinha nada de extraordinário: largo, não gordo, embora pudesse facilmente se tornar, e não muito alto; na ver­dade, era apenas um pouco mais alto do que ela. Tinha um ros­to largo e um tanto rude, olhos pequenos, cinzentos e pene­trantes. Usava uma calça cinza de sarja que parecia nova e cara e uma camisa também cinza, abotoada e imaculada.

Podia ter sido um soldado.

Sou Alice Mellings. Da casa ao lado.

Ele acenou com a cabeça, muito sério.

Entre.

O homem levou-a por entre as pilhas de caixas para o cô­modo que na outra casa era a sala de estar. Ali, tinha a aparên­cia de um escritório ou estúdio. Havia uma mesa junto à janela grande, a cadeira de costas para a janela. Alice compreendeu o motivo dessa disposição: o homem queria saber quem entrava e saía pela porta.

Ele sentou nessa cadeira e acenou com a cabeça para a ou­tra, em frente. Alice sentou.

Ela pensava, impressionada: Este é o homem, a coisa real.

Ele ficou esperando que ela falasse.

A única coisa que Alice sabia agora que não podia falar era "Você andou dizendo a Jasper e Bert o que devem fazer?", justamente o que desejava saber.

Acabamos de receber autorização da prefeitura para ocu­par a casa, por um prazo curto — disse ela. O homem acenou com a cabeça. — Pensamos que vocês deveriam tentar a mesma coisa. Torna a vida muito mais fácil, entende? E significa que a polícia os deixará em paz.

Ele pareceu relaxar, recostou-se, estendeu um maço de cigarros na direção de Alice, acendeu um para si enquanto ela sa­cudia a cabeça, prendeu a fumaça nos pulmões por um instante, depois expeliu num sopro único e rápido, antes de dizer:

Depende dos outros. Não vivo aqui.

Isso era tudo o que ele ia dizer? Parecia que sim. E a verda­de é que dissera tudo o que era necessário. Confusa, Alice apressou-se em acrescentar:

Há o problema do lixo. Terão de pagar aos lixeiros...

Ela hesitou. O homem a fitava atentamente. Alice sabia que ele estava percebendo tudo. Era um exame frio e meticuloso. Mas não hostil, não inamistoso, não é?

Deram-nos um prazo de um ano para ocupar a casa. Is­so significa que depois que o lugar estiver arrumado poderemos concentrar toda a nossa atenção na... — Alice evitou a pala­vra "revolução" — política.

O homem parecia não ter ouvido. Esperava por mais? Que ela continuasse? Atrapalhada, Alice acrescentou:

E claro que nem todos em nossa casa... Por exemplo, Roberta e Faye não acham que. . . Mas por que saberia quem são elas? Vou explicar...

Ele interrompeu-a:

Sei quem são Roberta e Faye. Como são os dois novos?

Alice respondeu, concedendo a Reggie e Mary o crédito devido:

Já foram membros da Tendência Militante, mas não gostaram dos métodos.

Nesse ponto ela se atreveu a oferecer um sorriso, esperan­do uma retribuição, mas o homem apenas indagou:

Ela trabalha na prefeitura? Em que nível?

Ela não toma decisões.

O homem balançou a cabeça.

E qual é a situação dele? E químico, não é?

Químico industrial. Perdeu o emprego.

Onde trabalhava?

Não perguntei. — Uma pausa, e Alice acrescentou: — Vou descobrir.

O homem tornou a balançar a cabeça. Continuou a fumar. Estava empertigado na cadeira, os antebraços sobre a mesa, com um papel na frente, em que seus olhos pareciam fazer anota­ções. Ele era como Lênin!

Alice pensou: A voz. Americana. Mas com algo estranho para uma voz americana. Não, não era a voz nem o sotaque, mas alguma outra coisa. Nele.

O homem não dizia nada. A dúvida e a ansiedade que se acumulavam em Alice acabaram por aflorar.

Jasper e Bert foram para Melstead. Saíram cedo.

Ele acenou com a cabeça. Pegou um jornal impecavelmen­te dobrado e abriu-o à sua frente, virando as páginas.

Já viu o Times de hoje?

Não leio a imprensa capitalista.

O que talvez seja uma pena — comentou o homem, de­pois de uma pausa.

Ele empurrou o jornal, indicando um parágrafo.

"Indagado se eram bem-vindos esses reforços para o pique­te, Crabit, o porta-voz dos grevistas, declarou que gostaria que os trotskistas e a turma do piquete-de-aluguel se mantivessem a distância. Não eram desejados. Os trabalhadores podem resolver seus problemas sozinhos."

Alice sentiu que poderia recomeçar a chorar com a maior facilidade.

Mas este é um jornal capitalista — alegou ela. — Estão tentando dividir as forças democráticas, querem nos desunir.

Ela já ia acrescentar "Será que não pode perceber isso?", mas não foi capaz.

O homem pegou o jornal de volta e ajeitou-o no lugar em que se encontrava antes. Agora não olhava para Alice.

Camarada Alice, há meios mais eficientes de fazer as coi­sas. — Ele se levantou. — Tenho o que fazer.

Ela estava dispensada. O homem saiu de trás da mesa e acompanhou-a até a porta da frente.

Obrigado por ter vindo me procurar.

Alice balbuciou:

Haveria um cômodo nesta casa que pudéssemos usar pa­ra uma... uma discussão? Alguns de nós não têm muita certe­za sobre... sobre alguns dos outros.

Vou perguntar — respondeu o homem.

Ele não reagira como Alice receava. A conversa parecia tão descabida...

O homem balançou a cabeça mais uma vez e, finalmente, ofereceu-lhe um sorriso. Alice saiu, completamente atordoada. Dizia a si mesma: Mas ele é a coisa real, tenho certeza.

O homem não dissera seu nome.

Alice foi andando devagar porque à sua frente, no meio da calçada, havia uma garota com um bebê num carrinho. A criança parecia um embrulho de plástico estofado, com uma cabeça pá­lida e rechonchuda na extremidade. Choramingava numa nota alta e persistente que deixou Alice nervosa. A garota parecia cansada e desesperada. Tinha cabelos claros e lisos, que davam a impressão de precisarem de uma lavagem. Alice percebeu, pe­lo empinar irado de seus ombros, que ela estava com vontade de bater na criança. Esperava poder andar mais depressa quan­do chegasse à sua rua, mas a garota virou ali, ainda ocupando o meio da calçada. Parou, olhando para as casas, demorando-se em particular na 43. Alice seguiu adiante e empurrou o portão. E foi nesse instante que ouviu a garota dizer:

Você mora aqui? Nesta casa?

Moro — respondeu Alice, sem se virar, em tom brusco.

Sabia o que estava para acontecer. Foi avançando pelo caminho e ouviu as rodas do carrinho rangerem em seu encalço.

Com licença — insistiu a garota.

Pela vozinha obstinada, Alice compreendeu que não tinha como escapar. Virou-se abruptamente, bloqueando a passagem para a porta da frente. Confrontava agora a garota com um não estampado na cara. Não era a primeira vez, é claro, que se en­contrava em tal situação. E pensou: É injusto que eu tenha de lidar com esse problema.

A garota era uma pobre coitada. Provavelmente em torno dos vinte anos. Já desgastada por tudo, e a única energia que lhe restava era a irritação com a criança chorona.

- Soube que esta casa foi aberta à ocupação a curto prazo.

Ela não desviava os olhos do rosto de Alice. Eram grandes, cinzentos, até bonitos, mas Alice não queria a pressão que lhe aplicavam. Virou-se para a porta e abriu-a.

Onde soube disso?

A garota não respondeu. Disse apenas:

Estou enlouquecendo. Tenho de arrumar um lugar para ficar. De qualquer maneira.

Alice passou para o vestíbulo e ia fechar a porta, mas descobriu que o pé da garota a impedia. Ficou surpresa, pois não esperava tal iniciativa. Mas essa determinação tornou-a mais for­te; afinal, se a garota possuía tanto espírito, então sua situação não era tão ruim assim.

A porta ficou aberta. A criança agora chorava ruidosamen­te, com a maior animação, dentro de sua mortalha de plástico transparente, os olhos azuis arregalados, derramando lágrimas. A garota enfrentou Alice, que percebeu que ela tremia de raiva.

Tenho tanto direito de ficar aqui quanto você — decla­rou ela. — E se houver lugar, virei para cá. E tem bastante espa­ço, não é? Basta olhar para o tamanho desta casa!

A garota correu os olhos pelo vestíbulo grande, com o ta­pete reluzente que dava uma aparência de luxo discreto, obser­vou as várias portas, dando para cômodos e mais cômodos, um autêntico tesouro. A seguir contemplou a escada larga, que subia para outro andar. Mais portas, mais espaço. Alice, em ago­nia, fitou-a nos olhos.

Estou num daqueles hotéis... sabe como são? Pois to­do mundo devia saber. A prefeitura nos jogou lá, meu marido, Bobby e eu. Um cômodo só. Estamos lá há sete meses.

Alice podia sentir pelo tom, incrédulo por tanto horror, como haviam sido aqueles sete meses.

Pertence a alguns estrangeiros nojentos — continuou a garota. — Uma coisa repulsiva. Por que eles deveriam ter um hotel e nos ordenar o que fazer? Não temos permissão para co­zinhar. Pode imaginar uma coisa assim com um bebê? Um cô­modo só. E o chão é tão sujo que não posso pô-lo para engatinhar.

Essa informação foi fornecida a Alice em voz emocionada e trêmula, enquanto a criança continuava a chorar, firme e sonora.

Não pode vir para cá — insistiu Alice. — Não é um lu­gar adequado. Para começar, não tem aquecimento. Não há nem água quente.

Agua quente! — exclamou a garota, tremendo de raiva. — Agua quente! Passamos três dias sem água quente e com o aquecimento desligado. A gente liga para a prefeitura e reclama, eles dizem que estão providenciando. Quero um pouco de espaço. Um quarto. Posso esquentar água numa panela para la­var a criança. Tem fogão aqui, não é? Nem posso dar uma co­mida decente a meu filho. Só aquelas porcarias que se compram prontas.

Alice não respondeu. Estava pensando: Por que não? Que direito tenho eu de dizer não? E foi nesse instante que ela ouviu um ruído lá em cima. Virou-se para deparar com Faye no patamar, observando. Havia alguma coisa nela que prendeu a atenção de Alice; algum propósito inabalável, um ânimo implacável. A criatura linda e frágil, Faye, tornara a desaparecer; em seu lugar havia uma mulher maligna, de rosto branco, olhos frios e punitivos, que desceu a escada rapidamente, como se fosse atacar a garota, que a princípio se manteve firme, mas depois, aturdida, deu um passo para trás. E logo Faye estava em cima dela, inclinando-se para a frente e sussurrando:

Saia. Saia. Saia.

A garota balbuciou:

Quem é você? O que...

Faye empurrou-a, pela força de sua presença, seu ódio, de volta à porta, passo a passo. A criança agora berrava.

Como se atreve? — disse Faye. — Como pode entrar aqui desse jeito? Ninguém disse que podia entrar. Sei como você é. Depois de se instalar, trataria de se apropriar de tudo o que pu­desse. É desse tipo.

Tamanha insanidade manteve Alice em silêncio e a garota boquiaberta e de olhos arregalados fitando sua algoz, enquanto batia em retirada para a porta. Ali, Faye lhe deu um empurrão de verdade, o que a fez tropeçar para cima do carrinho e quase derrubá-lo.

Faye bateu a porta estrondosamente. Depois, abriu-a e tor­nou a bater, com toda a força. Tudo indicava que continuaria a fazer isso, mas Roberta entrou em cena nesse instante. Nem mesmo ela se atrevia a tocar em Faye, mas pôs-se a falar, em voz baixa, premente, persuasiva:

Faye, Faye, Faye querida, pare com isso, não, tem de parar. Está me escutando? Pare com isso, Faye...

Faye ouviu-a, o que se podia perceber pela maneira como manteve a porta aberta, hesitante, antes de batê-la outra vez. Mais além podia-se ver a garota, afastando-se devagar pelo caminho, a criança berrando. Ela olhou para trás a tempo de avis­tar Faye ser envolvida pelos braços de Roberta e, assim, mantida prisioneira. E Faye gritou, a voz rouca, ofegante:

Largue-me!

A garota parou, a boca escancarada, os olhos frenéticos. Oh, não, aqueles olhos pareciam dizer, enquanto ela se virava outra vez e corria desajeitada para longe daquela casa dos horrores.

Alice fechou a porta e os gritos da criança cessaram. Rober­ta arrulhava:

Faye, Faye, calma, querida, não, meu amor, está tudo bem...

Faye soluçava como uma criança, com grandes ofegos para respirar, e arriou sobre Roberta. Gentilmente, Roberta levou-a para cima, passo a passo, sempre murmurando:

Calma, calma, não, Faye, por favor, está tudo bem...

Elas entraram em seu quarto, a porta foi fechada, o vestí­bulo ficou vazio. Alice continuou parada ali por mais algum tempo, atordoada; depois, foi para a cozinha e sentou, com o corpo todo tremendo.

Em sua mente, acompanhava a garota na calçada. Não sen­tia culpa, mas uma identificação com ela. Imaginou-se seguindo com a criança pesada e incômoda para o ponto de ônibus, espe­rando e esperando, o rosto impassível, dizendo às outras pes­soas na fila que não se importava com o que pensavam do berreiro de seu filho. Depois, subindo no ônibus com dificuldade por causa do carrinho, sentando com a criança, que talvez não estivesse mais chorando, mas seria uma massa informe de sofrimento exausto. E saltando do ônibus, tornando a ajeitar a criança no carrinho, encaminhando-se para o hotel. Alice co­nhecia aqueles hotéis, sabia o que acontecia.

Depois de algum tempo, obrigou-se a fazer um chá forte e bebeu como se fosse conhaque. Silêncio no piso de cima. Roberta teria posto Faye para dormir?

Mais tarde, Roberta entrou e sentou. Alice sabia como de­via estar parecendo, pela avaliação de Roberta. E pensou: No fundo, ela é uma dessas mulheres maternais, cheia de compreen­são e peitos enormes; quer bancar a machona e durona, mas, para seu azar, não passa de uma mamãezinha.

Não queria se incomodar com o que sabia que estava para acontecer. E quando Roberta disse:

Imagino que impressão deve ter causado, Alice, mas...

Ela tratou de interrompê-la:

Não me importo. Está tudo bem.

Roberta hesitou, depois se forçou a continuar:

Faye às vezes fica assim, mas está muito melhor, e há bastante tempo não tinha um acesso desses. Há mais de um ano.

Certo.

E é claro que não podemos ter crianças aqui.

Alice não disse nada.

Tendo necessidade de alguma reação que não estava obten­do, levantou-se e foi se ocupar com saquinhos de chá e uma caneca. Disse, em voz baixa, rápida, vibrante:

Se soubesse da infância de Faye, se soubesse de tudo o que lhe aconteceu...

Não estou interessada na porra da infância dela comentou Alice.

Mas eu tenho de contar, para o bem de Faye... Ela foi constantemente espancada quando criança...

Não quero saber gritou Alice subitamente. Acho que você não compreende. Já tive todas as infâncias infeli­zes que vou ouvir. As pessoas continuam e continuam... Para mim, infâncias infelizes são a grande desculpa, o grande álibi.

Chocada, Roberta murmurou:

Um bebe maltratado... e bebês maltratados crescem para se tornar adultos.

Ela voltara a seu lugar, sentara, agora inclinava-se para a frente, os olhos fixados em Alice, determinada a fazê-la reagir.

Conheço uma coisa disse Alice. Comunas. Casas ocupadas como esta. Se não se toma cuidado, viram isso... pessoas falando sobre suas infâncias de merda. Nunca mais. Não estamos aqui para isso. Ou é o que você quer? Uma espécie de encontro de grupo permanente. Tudo acaba se transformando nisso, se a gente deixar.

Roberta, convencida de que Alice não ia escutar, ficou em silêncio. Tomou o chá ruidosamente, e Alice estremeceu.

Havia alguma coisa vulgar e grosseira em Roberta, Alice estava pensando, perturbada e irritada demais para censurar seus pensamentos. Ela ainda não se lavara, embora a água já saísse das torneiras. Havia nela aquele cheiro metálico de sangue. Ou Roberta ou Faye, se não as duas, estava menstruada.

Alice fechou os olhos, refugiando-se num lugar em seu ín­timo que descobrira há muitos anos não sabia quando, mas ainda era uma criança pequena. Lá dentro estava segura, o mun­do ao redor podia explodir quanto quisesse. E ouviu-se dizer, naquela sua voz sonhadora e desligada:

Acho que Faye acabará morrendo um dia desses. Ela já tentou o suicídio, não é?

Silêncio. Abriu os olhos para deparar com Roberta em lágrimas.

Já, mas não depois que eu...

Todas aquelas pulseiras... — murmurou Alice. Ci­catrizes por baixo das pulseiras.

Ela só tem uma cicatriz pequena. No pulso esquerdo.

Alice tornara a fechar os olhos e tomava o chá, sentindo

que seus nervos estariam em breve retornando à vida.

Um dia desses vou lhe contar a infância infeliz de mi­nha mãe. Sua mãe era louca e o pai, peculiar. Isso mesmo, "peculiar" é a palavra. Ah, se eu lhe contasse... — Ela não tinha a menor intenção de falar da mãe. Mas não importa.

Alice começou a rir. Era um riso saudável, até jovial, demonstrando como apreciava os caprichos e a riqueza da vida.

Por outro lado, meu pai. . . era farinha de outro saco. Quando criança, ele se sentia feliz o dia inteiro. E por isso ele diz que foi a época mais feliz de sua vida. Mas podemos acredi­tar nele? Eu me sinto propensa a acreditar. Ele é tão obtuso e estúpido que não notaria se fosse infeliz. Poderiam tê-lo espan­cado à vontade e ele nem notaria.

Ela abriu os olhos. Roberta a examinava com um sorriso sugestivo. Contra sua vontade, Alice sorriu em resposta.

Para mim, esse é o ponto final acrescentou Alice. Tem um conhaque ou algo parecido?

Que tal um baseado?

Não, obrigada. Não acontece nada comigo. E não gosto.

Roberta saiu e voltou um momento depois com uma garra­fa de uísque. Ficaram bebendo na cozinha, cada uma sentada numa extremidade da mesa comprida. Quando Philip chegou, cambaleando ao peso dos vidros para as janelas, pronto para co­meçar a trabalhar, recusou um trago, alegando que estava pas­sando mal. Subiu para o seu saco de dormir. O que realmente quisera dizer foi que Alice devia estar trabalhando também, e não sentada ali, sem fazer nada, deixando o tempo passar.

Roberta, depois de beber muito, subiu para junto de Faye. Houve silêncio lá em cima.

Alice resolveu tirar um cochilo. Havia no vestíbulo um envelope, e ela achou que era uma correspondência comercial qual­quer. Pegou-o para jogar fora, descobriu que era do Departa­mento de Energia Elétrica e sentiu-se gelada e enjoada; decidiu se dar algum tempo antes de abri-lo. Foi para a cozinha. Em mãos. A senhora Whitfield dissera que passava por ali no cami­nho entre sua casa e o trabalho. Deixara o envelope pessoal­mente, ao voltar para casa. Era muita gentileza... Alice abriu-o e leu a carta:

"Prezada senhorita Mellings,

Entrei em contato com seu pai para tratar da garantia do pagamento das contas da Old Mill Road, 43, de acordo com a nossa conversa. Lamento dizer que a resposta dele foi negativa. Não poderia aparecer para discutir o problema nos próximos dias?

Atenciosamente,

D. Whitfield."

A carta humana e cordial fez Alice sentir-se apoiada a princípio, mas depois a raiva dominou-a. Por sorte não havia nin­guém ali para testemunhar sua explosão interior, os dentes rangendo, os olhos esbugalhados, os punhos cerrados como se empunhassem facas. Circulou pela cozinha, fervendo de ódio, como uma mosca enorme trancada num quarto numa tarde quente, esbarrando nas paredes, cantos da mesa, fogão, sem sa­ber o que fazia, soltando grunhidos, choramingando, rosnando o que não demorou a ouvir. Assustada, sentou à mesa, ficou completamente imóvel, reprimindo o que sentia. O sossego ab­soluto depois de tanta violência, por alguns minutos. E então irrompeu em movimento, saiu da cozinha, subiu a escada, foi bater com toda a força na porta de Philip. Movimentos no quar­to, mas nenhuma resposta. Alice gritou:

Sou eu, Philip! Alice!

Pode entrar.

Ela entrou e encontrou-o saindo do saco de dormir e ves­tindo o macacão.

Oh, desculpe...

Alice descartou esse embaraço sem maior importância e foi direto ao assunto:

Philip, você pode ser fiador de nossas contas de luz? Como ele fizesse uma cara de quem não estava entendendo, Alice acrescentou: A conta desta casa. Minha mãe não quer ser fia­dora e meu pai também não. Nem a miserável da Theresa e o miserável do Anthony...

Ele estava de pé na sua frente, a claridade intensa e amarela­da do final da tarde por trás, um vulto pequeno e escuro, numa pose rígida e desajeitada. Alice não podia ver seu rosto, e foi para o lado do quarto. Philip virou-se em sua direção e ela viu-o confrontá-la, pequeno, pálido, mas obstinado. Diante de sua expressão, Alice compreenderia que fracassaria, mas mesmo as­sim disse, bruscamente:

Tem um negócio, papel timbrado, pode ser o fiador das contas.

Como, Alice? Não tenho condições de pagar, e você sa­be disso.

Falando como se ele tivesse de pagar, pensou Alice, furiosa outra vez. Mas Philip teria ouvido o seu gracejo de que o primeiro pagamento seria também o último? Ela disse, em tom autoritário:

Ora, Philip, não diga bobagem. Não teria de pagar na­da, não é? E apenas para manter a luz ligada.

Ele resistiu, tentando se manter jovial:

E se eu tivesse de pagar, Alice?

Claro que não teria!

Alice percebeu que ele estava pronto para rir com ela, po­rém ela não tinha como rir.

O que vou fazer agora, Philip? Não tenho a menor idéia!

Não acredito, Alice disse ele, rindo agora, mas gentilmente.

Em voz normal, Alice insistiu:

Precisamos de um fiador, Philip. E você é o único, entende?

Mas ele continuou a resistir:

Não é possível, Alice. Para começar, aquele endereço no papel timbrado é do lugar em que eu morava antes de Felicity... e foi demolido. Não existe mais.

Os dois ficaram se olhando com expressões consternadas idênticas, como se as tábuas do assoalho começassem a ceder sob o peso; pois ambos eram invadidos, ao mesmo tempo, por uma visão de impermanência: casas, prédios, ruas, bairros inteiros, demolidos, derrubados, desaparecendo, uma ilusão. Sus­piraram juntos e, num repente, abraçaram-se ternamente, con­fortando um ao outro.

Ela não quer que a luz seja desligada — explicou Alice. — Deseja ajudar. Só precisa de uma desculpa, mais nada... Ei, espere um pouco... acho que encontrei a solução...

Eu tinha certeza de que encontraria — comentou Philip.

Alice continuou, muito excitada:

Isso mesmo. Meu irmão. Direi ao departamento que ele será o fiador, mas que está ausente, numa viagem de negócios... em Bahrein, não importa o lugar. E a senhora Whitfield vai aceitar. Tenho certeza.

E fazendo o sinal do polegar para cima, Alice saiu corren­do do quarto, rindo, exultante.

Era tarde demais para telefonar para a senhora Whitfield agora, mas cuidaria disso no dia seguinte e não haveria mais pro­blemas.

Não havia necessidade de falar a respeito com Mary e Reggie. E claro que se Mary quisesse poderia garantir o pagamento das contas; era a única que tinha um emprego. Mas Alice sabia que ela jamais concordaria em ser a fiadora.

Alice precisava dormir. Estava abalada e trêmula por den­tro, onde sua ira residia.

Estava escurecendo quando Alice acordou. Ouviu a risada de Bert na cozinha, um profundo "rô rô rô". Não é o seu riso habitual, pensou ela. E como seria? Mais provavelmente "ri ri ri". Isso mesmo, Bert inventara aquela risada para seu uso comum. Confiável e confortável. Viril. Vozes e risos, sempre os inventamos... A voz inventada de Roberta, segura. A voz e a risada rápidas e leves de Pat. E a sua própria risada? Talvez. Então os dois estavam de volta, o que significava que Jasper tam­bém se encontrava ali. Alice saiu do saco de dormir, pôs um suéter, fixou no rosto um sorriso que acompanhava seus senti­mentos por Jasper: admiração e amor suplicante.

Mas Jasper não estava na cozinha com os outros dois, que se mostravam felizes, realizados, comendo peixe com batatas fritas.

Está tudo bem, Alice — disse Pat, puxando uma cadeira para ela. — Eles o prenderam, mas não é sério. Será levado a um tribunal de Enfield amanhã de manhã. Estará de volta ama­nhã até a hora do almoço.

E se ele receber uma pena de detenção? — indagou Bert.

Recebeu uma de dois anos com sursis em Leeds, mas o prazo terminou no mês passado.

No mês passado? — repetiu Pat.

Seus olhos procuraram os de Bert, não encontraram refle­xo para o que estava pensando — provavelmente contra a sua vontade, calculou Alice —, e, para não enfrentarem os de Alice, concentraram-se na tarefa de comer uma batata frita dou­rada após outra. Não era a primeira vez que Alice deparava com insinuações de que Jasper gostava de ser detido... precisava acrescentar essa emoção à sua vida. Ela comentou:

Ele teve de tomar cuidado com o que fazia durante mui­to tempo, vigiar cada passo. Acho...

Alice examinava Bert; sabia que ele poderia lhe contar o que precisava saber sobre a prisão. Jasper fora agarrado pela polícia e Bert não; bastava isso...

Pat empurrou as batatas fritas em sua direção, e Alice co­meu uma ou duas, cautelosa, pensando no colesterol.

Quantos foram presos?

Sete. Não conhecíamos três. Os outros foram John, Cla­rissa e Charlie. E Jasper.

Nenhum dos camaradas das lideranças sindicais?

Nenhum.

Silêncio. Rompido por Bert:

Eles têm multado as pessoas em vinte e cinco libras.

Alice ressaltou, automaticamente:

Então devem pedir cinqüenta libras por Jasper.

Ele achou que seria uma multa de vinte e cinco. Dei-lhe vinte libras, e portanto ele deve ter o suficiente.

Alice, que estava prestes a se levantar, pronta para se reti­rar, perguntou:

Ele não quer que eu vá até lá? Por que não? O que ele disse?

Pat respondeu com uma cautela evidente:

Ele me pediu para dizer a você que não fosse.

Mas eu sempre estava presente todas as vezes que o agarraram. Sempre. E compareci ao tribunal em todas as ocasiões.

Foi o que ele disse — insistiu Bert. — "Digam a Alice que não precisa se incomodar."

Alice continuou sentada, tão concentrada em seus pensamentos que a cozinha, Bert e Pat, até mesmo a casa ao redor, desapareceram. Encontrava-se no cenário do piquete. O furgão carregado com jornais apareceu nos portões, a aparência lustrosa e sinistra avisando a todos para odiá-lo; o piquete avançou, to­dos gritando; e lá estava Jasper, como ela o vira tantas vezes, o rosto pálido distorcido por um ódio intenso, os cabelos aver­melhados. Jasper era sempre o primeiro a ser preso, pensou Alice, orgulhosa, sempre dedicado, sempre obviamente — até para a polícia — disposto ao auto-sacrifício. Puro.

Mas havia alguma coisa que não se ajustava.

Você achou que era melhor não ser preso também por algum motivo, Bert?

Porque, se era esse o caso, poder-se-ia esperar que Jasper também voltasse para casa.

Jasper descobriu lá alguém que pode nos ser muito útil — respondeu Bert.

No mesmo instante tudo se ajustou na mente de Alice.

Era um dos três que vocês não conheciam?

Exatamente. — Bert bocejou. — Detesto ter de pedir, mas poderia me dar as vinte libras? Jasper disse que eu deveria pedir a você.

Alice contou o dinheiro. Não deixou que seu olhar se desviasse da tarefa. Pat comentou, suavemente:

Esse pequeno maço de notas não vai durar muito tempo se continuar assim.

Tem razão.

Alice estava orando: Faça com que Bert saia. Faça com que ele suba. Preciso conversar com Pat. Pensava isso com tanto afinco que não ficou surpresa quando ele se levantou e anunciou:

Vou visitar Felicity para tomar um banho.

Irei também daqui a pouco — disse Pat.

Bert saiu, e as duas continuaram sentadas. Alice perguntou:

Qual é o nome do homem da outra casa?

Lênin?

Agradecida, Alice riu com ela, sentindo-se especial e privilegiada naquela intimidade com Pat, que a admitia numa cons­piração importante. Pat acrescentou:

Ele diz que seu nome é Andrew.

De onde você acha que ele vem?

Boa pergunta.

Ele tem até sotaque americano, Pat.

A linguagem do Novo Mundo.

Isso mesmo.

Elas trocaram um olhar sugestivo.

Depois de dizerem tudo o que era necessário sobre aquele assunto, as duas o abandonaram. Após uma pausa, Alice informou:

Fui até lá esta tarde. Para pedir a eles que tomem algu­ma providência com a sujeira.

Boa idéia.

O que tem em todas aquelas caixas?

Folhetos. Livros. Pelo menos é o que dizem.

Mas com a polícia por aqui a todo instante?

Não estavam lá anteontem. E aposto que não estarão amanhã. Talvez até já tenham sido removidas.

Chegou a ver os folhetos?

Não, mas perguntei. Foi o que ele disse... o tal de An­drew. Material de propaganda.

Outra vez um assunto foi deixado de lado, por consenti­mento tácito. Pat comentou:

Aposto que Bert acha que o tal camarada... com quem Jasper conversou em Melstead... pode nos fornecer algumas informações úteis.

Para o IRA?

Isso aí.

Ouviu alguma coisa da conversa?

Não. Mas Bert participou durante algum tempo.

A essa altura, Alice poderia ter perguntado: O que Bert acha dele? Mas não se importava com o que Bert pensasse. A avalia­ção de Pat é que era importante.

Como ele parecia? Talvez eu o conheça. Não era alguém da turma habitual?

Tenho certeza que nunca o vi antes. Nada de especial para informar.

Foi... foi o camarada Andrew quem disse a vocês para participarem dos piquetes? Ele disse alguma coisa sobre Melstead? Quantas vezes já estiveram na outra casa?

Pat sorriu e respondeu, embora indicasse por sua atitude que não havia motivo para que o fizesse:

Já estive lá duas vezes. Bert e Jasper têm ido com mais freqüência. Quanto a Melstead, tenho a impressão de que o ca­marada Andrew... — ela enfatizou um pouco a palavra "camarada", como se achasse que Alice devia pensar bastante a respeito — que o camarada Andrew não é muito favorável a que os quadros de fora participem dos piquetes.

Alice declarou, com veemência:

Mas é nossa luta também! E uma luta de todas as forças progressistas do país! Melstead é um ponto focal do imperialismo fascista, não apenas um problema dos sindicalistas de Melstead!

Você perguntou. — Uma pausa, e Pat acrescentou: — Na minha opinião, o camarada Andrew tem peixe mais graúdo pa­ra fritar.

Uma emoção intensa invadiu Alice, como aconteceria com alguém que tivesse passado a vida inteira falando em unicórnios e de repente vislumbrasse um. Ela fitou Pat com um excitamento especulativo, mas Pat parecia não perceber o que acabara de di­zer. Se ela não estava insinuando que os camaradas na Old Mill Road, 43 haviam se aproximado involuntariamente de grandes acontecimentos, o que então quisera sugerir? Mas Pat se levan­tava nesse instante. Encerrando a conversa. Alice queria que ela ficasse. Não podia acreditar que Pat estivesse disposta a se reti­rar logo agora, naquele momento emocionante, quando even­tos fabulosos pareciam iminentes. Mas Pat se espreguiçava e bocejava. Seu sorriso era de satisfação, seus olhos se encontra­ram com os de Alice num relance; ela parecia estar zombando, provocando. Ela é sensual demais, pensou Alice, indignada. Mas disse:

Perguntei... ao camarada Andrew se poderíamos usar um cômodo naquela casa para reuniões... reuniões do grupo interno.

Nós também pedimos. Ele disse que sim.

Pat sorriu, baixou os braços. Ficou olhando para Alice, não mais sorrindo, dizendo com o corpo que a conversa já fora mais do que suficiente e queria ir embora.

Onde estão os novos camaradas?

Ela já se encaminhava para a porta.

Estão lá em cima.

Pat saiu e Alice ficou sentada, até ouvi-la subir, entrar no quarto e fechar a porta.

Só então Alice saiu da casa, apressada. Era muito cedo para o que ia fazer. A rua, embora escura, tinha o clima de final de dia, com carros chegando para estacionar, outros partindo para as diversões noturnas, uma inquietação de luzes. Mas o tráfego na rua principal conservava a intensidade da luz do dia. Foi dar uma olhada na casa 45. Teve a impressão de que já haviam co­meçado a remover o lixo; isso mesmo, lá estavam alguns sacos cheios junto à sebe, o plástico preto brilhando. Divisou dois vultos inclinados para a terra, nos fundos, não muito longe do buraco que ela, Pat e Jim tinham escavado, embora uma sebe grande se interpusesse. Estariam cavando uma fossa também? A escuridão era profunda lá atrás. Luzes das janelas superiores de Joan Robbins iluminavam o topo da casa 45, mas não des­ciam até o jardim. Alice espreitou por algum tempo, não viu nin­guém entrar ou sair; não podia divisar o camarada Andrew pelas janelas do primeiro andar porque as cortinas estavam fechadas.

 

Foi para a estação do metrô, pegou um trem e ficou planejando o que ia fazer. Subiu pela rua arborizada em que Theresa e Anthony moravam. Parou na calçada, olhando para as jane­las da cozinha no terceiro andar. Imaginou que eles estavam sen­tados ali, em lados opostos da mesa pequena que usavam quando se encontravam sozinhos. Uma comida deliciosa. Sentiu a boca ficar aguada ao pensar na comida que Theresa preparava. Se to­casse a campainha, ouviria a voz de Theresa: Alice, querida, é você? Pode entrar. Ela subiria, se juntaria aos dois na noite com­prida e tranqüila, aproveitaria a comida. Sua mãe talvez apare­cesse. Mas a raiva dominou-a ante esse pensamento e sacudiu-a com mãos em brasa, a tal ponto que sua vista escureceu e descobriu-se a caminhar mais depressa pela rua, virando em outra, e mais outra, andando como se pudesse explodir caso parasse. Caminhou por muito tempo, enquanto o sentimento das ruas mudava para a noite fechada. Encaminhou-se para a rua do pai. Foi avançando casualmente. As luzes estavam acesas no primeiro andar; todas as janelas despejavam um jorro de luz. Lá em cima havia uma claridade difusa no quarto em que as crianças dor­miam. Muito cedo. Continuou a andar, deu a volta, passou de novo pela casa de Theresa e Anthony, que estava agora escura, subiu a ladeira, desceu, tornou a entrar na rua do pai. As luzes de baixo estavam apagadas, mas acesas as do quarto. Há cerca de uma hora encontrara uma pedra do tamanho e formato cer­tos na beira de um jardim e a guardara no bolso. Olhou para um lado e outro da rua sossegada, onde os lampiões projeta­vam manchas douradas nas árvores. Um casal, de braços dados, vinha lentamente da direção da estação do metrô. Velhos. Um casal idoso. Estavam absorvidos no esforço de andar, não vi­ram Alice. Que mesmo assim foi até a extremidade da rua e vol­tou depressa, no ímpeto de sua necessidade, de sua decisão. Não havia agora ninguém na rua. Ao chegar à casa do pai, ela seguiu direto para o portão, que não se deu o trabalho de abrir sem fazer barulho, e jogou a pedra com toda a força de que era ca­paz na janela do quarto. Esse movimento, a linha firme e contí­nua do arremesso, com toda a força do corpo por trás, e depois a volta completa no balanço do impulso, com a saída para a calçada, a rapidez e a violência, a eficiência, nada disso poderia ser deduzido da maneira como Alice era, em qualquer outra oca­sião do dia ou da noite, a boa menina Alice, a filha de sua mãe... Ela ouviu a janela se espatifar, um grito estridente, o berro do pai. Mas já se afastara; correu pelas sombras densas das árvores para uma rua transversal, percorreu-a e saiu na rua principal, sessenta segundos depois de ter arremessado a pedra. A respira­ção era ofegante, ruidosa demais... Parou, olhando para uma vitrine, a fim de normalizar a respiração. Percebeu que estava cheia de aparelhos de televisão e foi para a vitrine seguinte, calmamente, examinando vestidos, até poder entrar no supermer­cado sem que ninguém reparasse em sua respiração. Ali ficou por uns vinte minutos, escolhendo e rejeitando. Levou a cesta branca carregada para a caixa, pagou, encheu os sacos e voltou para casa de metrô. Desde que a pedra deixara sua mão, mal pensara no que podia estar acontecendo na casa do pai.

Agora, vendo a sóbria luz azulada da delegacia de polícia, ela entrou. Não havia ninguém na mesa de recepção, mas podia ouvir vozes em parte da sala que estava fora de sua vista. Tocou a campainha. Ninguém veio atender. Tocou de novo, autoritá­ria. Uma jovem policial apareceu, avaliou-a, decidiu se mostrar contrariada e sumiu. Alice tocou de novo. Agora, a jovem, tão aprumada em seu uniforme escuro quanto Alice no dela — jeans e blusão —, aproximou-se devagar, uma expressão irritada e de­cidida, indicando que estava escolhendo as palavras para pôr Alice em seu lugar.

Podia ser uma emergência disse Alice. Como ia sa­ber? Por acaso não é. Portanto, você está com sorte.

O rosto da policial ficou subitamente vermelho, ela ofegou, os olhos se arregalaram. Alice acrescentou:

Vim comunicar a ocupação autorizada de uma casa... uma licença a curto prazo... deve conhecer o processo...

A esta hora da noite? indagou a mulher habilmente, numa tentativa de recuperar o controle da situação.

Não devem ser mais do que onze horas, não é? Não sa­bia que havia um horário determinado para tratar dessas coi­sas.

Já que você está aqui, vamos resolver logo o problema. O que quer comunicar?

Alice disse:

Vocês estiveram lá... uma batida, há três noites. Não sabiam que era uma ocupação autorizada... pela prefeitura. Ex­pliquei a situação. E agora vim confirmar. Ficou tudo acertado numa reunião na prefeitura hoje.

Qual é o endereço?

Old Mill Road, 43.

Um pequeno brilho se insinuou no rosto da policial.

Espere um instante.

Ela desapareceu e Alice escutou vozes, de homem e de mulher. A policial voltou, acompanhada por um homem. Alice reconheceu-o: era um dos que haviam estado na casa. Ficou de­sapontada porque não era o que chutara a porta.

Boa noite — disse ela, gentilmente. — Deve se lembrar, pois já esteve na Old Mill Road, 43.

Claro que lembro. — Ainda havia em seu rosto vestí­gios das risadas de que desfrutara com os companheiros. — Fo­ram vocês que enterraram a. . . que abriram uma fossa...

Isso mesmo. Enterramos as fezes que outras pessoas deixaram lá em cima. Em baldes.

Alice estudou os rostos afetados e repugnados à sua frente. Macho e fêmea. Do mesmo tipo.

Não consigo imaginar por que vocês reagem assim. As pessoas enterram seus excrementos em buracos há milhares de anos. E ainda hoje continuam a fazê-lo, na maior parte do mun­do... — Como isso parecesse não os alcançar, ela acrescentou: — Neste país só temos esgotos sanitários há cerca de cem anos. Menos até, em algumas áreas.

Mas agora temos — comentou a mulher, incisiva.

Isso mesmo — concordou o homem.

Creio que adotamos a providência responsável e higiê­nica. A natureza cuidará do resto muito em breve.

Mas não façam isso de novo — disse o homem.

Não temos mais necessidade, não é? — murmurou Alice gentilmente. — O que vim comunicar é que podem verificar com a prefeitura: a casa 43 tem agora uma ocupação autorizada, a curto prazo.

A mulher pegou um formulário. O homem voltou para jun­to dos companheiros. Pouco depois houve uma explosão rui­dosa de risos escandalizados. E mais outra. A mulher, preen­chendo diligentemente o formulário, contraiu os lábios. Alice não pôde definir se era ou não uma reação de crítica.

Pequenas coisas divertem mentes pequenas — comentou

ela.

A policial lançou um olhar que dizia que Alice não devia dizer tais coisas, mesmo que ela própria estivesse pensando as­sim. Alice sorriu-lhe, de mulher para mulher.

E isso aí. A ocupação da casa agora é legal, na mais per­feita ordem. Mais alguma batida e estarão ultrapassando os limites.

Creio que somos nós que decidimos isso — declarou a policial com um sorriso tenso.

Não são, não — contestou Alice. — Tenho certeza de que não. Sei que não haverá mais reclamações dos vizinhos.

Vamos torcer para que não — murmurou a mulher, retirando-se para o convívio dos seus no fundo da sala.

Satisfeita, Alice saiu e foi para casa, passando pela 45. Não havia ninguém no jardim, agora. Mas na sombra mais densa, no encontro das duas sebes, ela percebeu que um buraco fora escavado. Não pôde resistir. Pela segunda vez naquela noite, abriu furtivamente um portão de jardim. A casa parecia deserta, todas as janelas estavam escuras. O buraco tinha cerca de um metro e meio de profundidade. Havia um cheiro intenso de terra revolvida nas encostas ao redor. O fundo parecia plano... água? Alice inclinou-se para verificar. Uma caixa ou algo parecido fo­ra colocado ali. Ela empertigou-se, olhando ao redor. Desfru­tando conscientemente da situação, da sensação de perigo e de ameaça, pensou: Eles estão observando de trás das cortinas ou lá de cima... eu faria isso, no lugar deles. Mas é um risco. Virou- se para avaliar a estratégia da operação. Não, talvez não hou­vesse problema. Enquanto a abertura da fossa do outro lado po­dia ser observada pelos ocupantes de três casas e por qualquer um que passasse pela casa de Joan Robbins, ali dois lados esta­vam resguardados pela sebe e pela cerca alta, e um terceiro pela casa. Entre aquele lugar e o portão havia moitas e arbustos. As janelas superiores da casa de Joan Robbins estavam escuras. Do outro lado da rua, recuada, atrás de seu jardim, uma casa; e cer­tamente qualquer um podia ver o que quisesse das janelas de cima. Que estavam escuras; as pessoas ainda não haviam subido para deitar. Ela já vira o que precisava ver. Gostaria de ficar, o cheiro agradável da terra revolvida e o ímpeto do risco incen­diando seu sangue, mas afastou-se, rápida como uma sombra, foi até a porta da frente e bateu, gentilmente. Foi aberta no mes­mo instante. Por Andrew.

Eu sabia que você devia estar observando — comentou Alice. — Vim avisar que já comuniquei à polícia que a 43 é uma ocupação autorizada. Por isso, eles estarão propensos a acredi­tar quando vocês aparecerem e disserem a mesma coisa.

Seu pulso estava acelerado, o coração batia forte, cada célu­la pulsando e alerta. Sabia que sorria; ah, aquilo era o oposto de "sua cara", quando se sentia assim, como se tivesse bebido uma essência de perigo destilada extrafina e pudesse andar nas nuvens ou correr cinqüenta quilômetros.

Viu o vulto baixo e poderoso sair da escuridão do vestíbulo para um ponto em que podia divisar seu rosto, à luz dos lampiões da rua. Estava sério e determinado, a visão lhe proporcio­nou um agradável sentimento de submissão a seus poderes su­periores.

Enterrei uma coisa... uma emergência disse ele. Sairá daqui dentro de um ou dois dias. Deve compreender.

Claro que compreendo.

Alice sorriu. Ele hesitou. Adiantou-se mais um pouco. Ela sentiu mãos vigorosas segurarem seus braços. Estava cheirando a bebida? Vodca? Uísque.

Estou pedindo para guardar segredo.

Alice balançou a cabeça.

Claro.

Ninguém mais deve saber.

Ela tornou a balançar a cabeça, pensando que só uma pes­soa podia saber na 43, mas quantos não saberiam naquela casa?

Vou confiar totalmente em você, Alice. Ele concedeu- lhe um sorriso tenso e breve. Porque não tenho outro jeito. Sou o único que sabe nesta casa. Todos os outros saíram. Apro­veitei a oportunidade para... para usar um esconderijo muito conveniente. Um esconderijo temporário. Ia cobrir com uma camada de terra e depois espalhar um pouco de lixo por cima.

Alice ficou sorrindo, desapontada com ele, embora não em seu estado normal; ainda flutuava. Pensava que tudo o que ele dissera provavelmente era inverídico, em parte ou no todo, mas não era da sua conta. O homem ainda a segurava pelos braços, que estavam prestes a rejeitar aquela persistente pressão mascu­lina de advertência. Ele pareceu percebê-lo, pois baixou as mãos.

Devo dizer que tenho uma opinião diferente de algumas pessoas de sua casa. Confio em você.

Alice não disse nada. Apenas acenou com a cabeça.

Ele entrou, também lhe acenando com a cabeça, mas sem sorrir.

Alice teria de pensar a respeito. Melhor até, dormir com o problema.

Sua exultação se desvanecia rapidamente. Ela pensou: "Mas amanhã Jasper e eu vamos sair juntos e então... " Seria uma noite inteira daquela emoção inebriante.

Mas o pobre Jasper não se sentiria assim, provavelmente, depois de passar um dia na cadeia. Como era a delegacia de po­lícia de Enfield? Ela não se lembrava de qualquer informação a respeito.

Na rua principal, avistou um vulto franzino e encurvado diante do portão da casa 43. Uma estranha postura... era a garota daquela tarde e ia jogar alguma coisa na janela da sala de estar. Uma pedra! Alice pensou: jogando com a mão abaixo dos ombros, patético! O desdém a reabasteceu. Exuberante, ela se aproximou da moça, que se virou para fitá-la, soltando um "Oh!"

E melhor largar isso — advertiu Alice.

A moça obedeceu. Aquela claridade, ela tinha uma aparên­cia desbotada: cabelos e rosto descoloridos, lábios e olhos apáticos. Com as pupilas enormes.

Onde está seu filho? — perguntou Alice.

Meu marido está lá. De porre.

Ela gemeu por um instante, mas logo parou. Tremia toda.

Por que não procura o pessoal do sistema habitacional? — indagou Alice. — Tem gente para aconselhar sobre a ocupação a curto prazo de casas abandonadas.

Já fiz isso.

Ela começou a chorar, um choro desamparado, rápido, soluçante, como uma criança que já derramou lágrimas por ho­ras. Alice sentiu os primórdios de uma pressão muito familiar.

Você é que tem de fazer alguma coisa por si mesma. Não adianta apenas ficar esperando que os outros ajudem. Deve en­contrar a sua casa abandonada. Mude-se. Ocupe-a. E depois pro­cure a prefeitura... Pare com isso!

Ela arrematou com raiva quando a garota desatou a chorar. Reprimindo o choro, a garota ficou parada na frente de Alice, cabeça baixa, esperando pelo veredicto ou sentença.

Oh, Deus!, pensou Alice. De que adianta? Conheço esta por dentro e por fora. E igualzinha à Sarah, de Liverpool, e à pobre coitada da Mabel. Basta que uma autoridade lance um olhar e saberá que ela vai ceder no mesmo instante.

Uma autoridade... Ora, havia uma autoridade ali, naque­la casa; havia Mary Williams. Alice sentiu-se maravilhada com um pensamento: apenas dois dias antes Mary Williams parecia ter seu destino — o de Alice — nas mãos; e agora Alice tinha dificuldade até para se lembrar da posição dela. Sentia por Mary, na verdade, o desprezo que se concede a alguém ou a uma insti­tuição que cedeu muito fácil. Mas podia-se fazer um apelo a Mary por conta daquela... criança. Alice tornou a contemplar a ex­pressão desolada da garota, a passividade, e pensou: De que adian­ta? Ela não é dessas pessoas que...

Era exasperação o que a impulsionava agora.

Qual é o seu nome?

A cabeça vergada se ergueu, os olhos mortiços se apresentaram, chocados, para Alice.

O que você acha que vou fazer? — indagou Alice. — Procurar a polícia e comunicar que você ia jogar uma pedra em nossa janela?

E subitamente ela se pôs a rir, enquanto a garota observa­va, espantada, dando um passo involuntário para trás, afastando- se daquela lunática.

Acabei de pensar numa coisa. Conheço alguém na prefeitura que talvez possa... apenas talvez...

A garota parecia ter ressuscitado, inclinava-se para a frente, a mão trêmula apertando o antebraço de Alice.

Meu nome é Mônica balbuciou.

Mónica só não é suficiente. — Alice fez um esforço para não se afastar simplesmente em impaciência. — Preciso saber seu nome completo e endereço.

A garota baixou a mão e começou a tatear pela saia. Tirou uma bolsa pequena e espiou o conteúdo.

Não se preocupe — disse Alice. — Basta falar. Não vou esquecer.

A garota disse que se chamava Mônica Winters e o hotel - de que Alice já ouvira falar — era tal e tal, o número dela o 556. O número produziu-lhe uma imagem de miséria con­centrada, centenas de casais com filhos pequenos, cada família em um cômodo, sem os confortos mínimos, uma sordidez ab­soluta. Perdendo toda a exultação e excitamento, Alice ficou sóbria, parada ali, consternada.

Pedirei a essa pessoa para lhe escrever — disse Alice. — Até lá, se eu fosse você, circularia por aí, examinando as casas vazias que encontrasse. Verifique tudo. Entre, descubra como estão as instalações. . . os encanamentos...

Ela parou de falar, desolada, sabendo que Mônica não era capaz de arrombar uma janela de uma casa vazia, a fim de entrar para dar uma olhada, e que o marido provavelmente era igual.

Até breve — acrescentou Alice.

Ela virou as costas à garota e entrou, sentindo que os 556

no mínimo —, jovens casais, com seus bebês sarapintados e frustrados, lhe haviam sido encaminhados pelo destino, como sua responsabilidade.

Oh! Deus! — murmurava, enquanto fazia o chá na cozi­nha vazia. — Oh, Deus, o que vou fazer?

Alice poderia chorar tão ruidosa e inutilmente quanto Mônica. Jasper não estava ali!

Subiu para o segundo andar e viu que havia uma luz acesa lá em cima. Continuou a subir. A claridade saía por baixo da porta do quarto ocupado por Mary e Reggie. Alice esqueceu que era meia-noite e que ali se instalara um casal respeitável. Bateu na porta. Alguns movimentos e uma voz:

Entre.

Alice contemplou uma cena de conforto. Móveis, lindas cortinas, uma cama de casal em que Mary e Reggie estavam deita­dos, lado a lado, lendo. Eles olharam por cima de seus livros com idênticas expressões cautelosas, que diziam: "Até aqui e nem mais um passo além!" Uma onda de riso incrédulo amea­çou Alice. Ela reprimiu-a, enquanto pensava: Não veremos mui­to estes dois, eles estarão sempre...

Mary, uma garota esteve aqui, desesperada. Está no Shaftwood Hotel...

Não fica em nosso distrito disse Mary no mesmo instante.

Sei disso. Mas ela...

Conheço o Shaftwood acrescentou Mary.

Reggie examinava a própria mão, virando-a de um lado eoutro, aparentemente com interesse. Alice sabia que era a situação que ele examinava; Reggie não estava acostumado àque­le informalismo, à vida em grupo, mas agora dispensava alguma consideração.

Não conhecemos todos? Mas essa garota... seu nome é Mónica... parece que é suicida, capaz de fazer qualquer coisa.

Mary disse, depois de uma pausa:

Alice, verei o que posso fazer amanhã. Mas deve compreender que há centenas ou milhares de pessoas nessa situação.

Claro que sei. Uma pausa. Boa noite.

Alice desceu, pensando: Estou bancando a idiota. E não se pode dizer que não conheço o tipo. Se arrumar um lugar para ela, a garota vai encontrar um jeito de estragar tudo num instante. Lembra de Sarah? Tive de lhe encontrar um apartamen­to, providenciar a mudança, procurar o Departamento de Ener­gia Elétrica e depois seu marido... Mónica é uma dessas pes­soas que precisam de uma mãe, alguém que cuide dela... E ocor­reu a Alice uma idéia de tanta beleza e simplicidade que ela começou a rir.

Estava agora no quarto que ocupava junto com Jasper. Sozinha. O saco de dormir de Jasper era um emaranhado azul.

Ela foi endireitá-lo. Pensou: Tem sido maravilhoso partilhar um quarto com Jasper. E pensou também: Mas ele só está aqui por­que Bert fica do outro lado da parede. Ela escutou: silêncio. Pat e Bert dormiam. Esse pensamento, do motivo pelo qual Jasper consentia que ela dormisse ali, em vez de subir para outro quarto ou lhe pedir que saísse, lançou sua mente numa vertigem, co­mo se estivesse — a mente — nauseada. Sentou em seu saco de dormir, tirou o blusão, a calça jeans, pôs uma camisola antiqua­da que fora de sua mãe. Sentia-se confortável e confortada na­quela camisola.

E recomeçou a rir: sua mãe gostava de cuidar das pessoas!

Alice entrou no saco de dormir. Os faróis dos carros cor­riam pelo teto. Pensou com inveja em Jasper na sua cela. Ele estaria com seu novo e misterioso contato... Bom, saberia de tudo amanhã. Jasper voltaria para casa até a hora do almoço.

Alice acordou tarde. Quando desceu para a cozinha, oito canecas no escorredor indicavam que alguém lavara tudo; ela era a última. Havia na mesa um bilhete para ela: "Vamos passar o fim de semana fora. Voltamos na noite de domingo. Jas­per sabe." Pat assinara "Pat e Bert".

Philip trabalhava na fiação elétrica no último andar com o jeito tranqüilo e contemplativo de um operário. Alice, agachando-se prestativa a seu lado, pensou: Este aqui nunca daria um patrão; é um empregado típico; não pode trabalhar sem al­guém segurando sua mão. Philip mostrou-se obsequioso, saben­do que não o fora no dia anterior. Falou de tudo o que ainda precisava ser feito e de como faria, pouco a pouco; disse que era preciso antes de mais nada examinar o sótão, pois tanta chuva entrando devia ter afetado as vigas. Alice declarou que o acom­panharia lá em cima, mas primeiro tinha de telefonar para o Departamento de Energia Elétrica. E onde estava Jim? Ele po­dia ajudar no sótão. Alice pensou: Jim é grande e forte, Philip não é; juntos, precisariam da metade do tempo. Mas Philip in­formou que pedira a Jim para ajudá-lo, naquela manhã mesmo. Jim era um cara esquisito, não era? Não gostava que lhe pedis­sem qualquer coisa. Na opinião de Philip, havia mais coisas em Jim do que os olhos podiam perceber. Nesse ponto Alice e Philip trocaram, com seus olhos, sentimentos a respeito de Jim; exatamente como pessoas olhavam, mas não falavam, apreen­sões a propósito de Faye — como se alguma coisa fosse perigo­sa demais para palavras ou pelo menos volátil, como se fosse um artefato eletrônico arriscado que poderia ser acionado por uma combinação descuidada de sons.

Talvez eu devesse conversar com ele — sugeriu Alice, vagamente.

Ela desceu para inspecionar seu território, antes de sair pa­ra telefonar.

Mary, é claro, estava no trabalho. E Reggie? Enquanto Alice especulava, ele apareceu, carregando mais caixas. Parecia exultante, como convém a um homem que conquistou território, mas também embaraçado, por causa de todas aquelas pro­vas de preocupação com o material. Reggie teria preferido, em suma, não esbarrar com Alice. Disse agora que ele e Mary esta­vam guardando móveis e outras coisas num segundo quarto, mas tirariam tudo se alguém precisasse se instalar ali.

Há o sótão — comentou Alice. — Ou haverá, depois que o ajeitarmos.

Esperou que Reggie se oferecesse para ajudar, mas isso não lhe ocorreu. Ele saiu para buscar outro carregamento.

Alice pensou que era melhor telefonar logo para o Departamento de Energia Elétrica. Ressentia-se por ter de sair em busca de um telefone, no meio de tanta atividade útil, desperdiçando tempo com algo que não passava de rotina.

Mas assim que ouviu a voz da senhora Whitfield, compreendeu que devia dispensar à situação mais tempo e atenção do que previra. A senhora Whitfield estava, se não hostil, pelo menos formal na censura. Disse que em sua opinião seria desejável que Alice comparecesse ao escritório o mais depressa possível. Alice respondeu que iria agora mesmo, o escritório era perto, numa voz animada e afável que insistia em que não havia qual­quer problema, nada estava errado. Ela desligou gentilmente, de um modo que acompanhava a voz. Mas estava sendo atacada por um dos seus acessos de ira. O pai! O que ele dissera? Devia ter sido terrível, para que a senhora Whitfield mudasse tanto.

Alice sentia-se furiosa demais para ir conversar com a mu­lher. Precisava acalmar-se, andando depressa pelas ruas, adian­do os pensamentos sobre o pai. Mas mostraria a ele; o pai não devia pensar que ficaria impune.

Na ante-sala do Departamento de Energia Elétrica, ela sor­riu e acenou para a senhora Whitfield: Aqui estou, uma boa moça! Mas a senhora Whitfield desviou os olhos. Quatro pes­soas entraram antes de Alice. Uma perda de tempo.

Sentou-se à frente da autoridade, na sala grande e clara. Percebeu no mesmo instante que a senhora Whitfield não cortaria a luz. Ou pelo menos não queria fazê-lo. Tudo dependeria de Alice. Que começou a falar sobre o pai. Ele era rico, possuía uma gráfica. Claro que poderia pagar as contas sem a menor dificuldade, se fosse necessário. Mas ele estava, admitiu Alice, numa fase difícil naquele momento.

Ele tem tido muitos problemas — murmurou Alice, com a expressão de uma pessoa que contempla compadecida a miséria humana, absolvendo-a de culpa. E, naquele momento, era mesmo o que sentia. — O rompimento com minha mãe... e depois todos os tipos de dificuldades... a nova esposa é simpá­tica, muito amiga minha, mas não é legal... está me entenden­do? Meu pai fica com muita coisa nas costas.

Continuou a falar assim, sentindo desolada que não adian­tava muito, enquanto a senhora Whitfield escutava, olhos abaixados, rabiscando com a caneta esferográfica no canto superior esquerdo do formulário de Alice.

Seu pai foi categórico ao declarar que não estava dispos­to a garantir o pagamento — comentou ela finalmente.

Não queria fitar Alice, que se empenhava em fazer com que ela levantasse os olhos. O que Cedric Mellings dissera?

Somos dez pessoas na casa, agora. O que significa que um bocado de dinheiro entra a cada semana.

Mas será que uma parte virá para nós? — A senhora Whitfield ainda estava muito seca para abrandar. — Nenhum de vo­cês tem emprego?

Só uma. — Uma pausa e Alice acrescentou, numa inspiração súbita: — Mas é funcionária da prefeitura. Trabalha na Belstrode Road e não quer dar aquele endereço. Não conseguia encontrar um lugar para morar, estava desesperada.

A senhora Whitfield suspirou.

Sei como as coisas podem se tornar terríveis. — Mas agora ela ergueu os olhos e fitou Alice de maneira diferente; ali estava uma colega de casa de uma funcionária da prefeitura que traba­lhava no escritório central para aquela área. — O que vamos fazer?

Ela vencera! Alice mal podia evitar que sua exultação transparecesse. E disse, humildemente:

Tenho um irmão. Ele trabalha na Ace Airways. Pedirei a ele para ser o fiador. — A senhora Whitfield acenou com a cabeça, aceitando o irmão. — Mas ele está em Bahrein no momento.

A senhora Whitfield suspirou outra vez. Não de irritação, mas porque sabia que era mentira e sentia-se triste por Alice.

Baixou os olhos de novo. Um segundo desenho surgiu ao lado do primeiro, no formulário de Alice. Ela perguntou, gentilmente:

E seu irmão estaria disposto a garantir as contas de luz para dez pessoas?

Mas ele saberia que não teria de pagá-las, não é? Alice apressou-se em acrescentar, para evitar que a senhora Whitfield se sentisse na obrigação de responder à pergunta: Tenho cer­teza de que ele vai concordar.

Quando voltará de Bahrein?

Daqui a um mês. Irei procurá-lo e explicar tudo. Foi on­de errei com meu pai. Deveria ter falado com ele antes, em vez de simplesmente presumir...

Sua voz tremia. Parecia patético, mas ondas ardentes de homicídio se esboroavam dentro de Alice. Explodirei aquela casa, pensava, matarei os dois.

Creio que seria uma boa idéia — disse a senhora Whitfield.

Uma pausa longa. Não porque ela estivesse indecisa: a deci­são já fora tomada. Queria que Alice dissesse mais alguma coisa que melhorasse a situação ou pelo menos fizesse com que pare­cesse melhor. Mas Alice limitou-se a esperar.

Muito bem acrescentou a senhora Whitfield, empertigando-se no espartilho do vestido marrom grosso, de mangas curtas, braços roliços e morenos, mãos roliças com pequenos anéis faiscando, tudo disposto de maneira simétrica, inclusive os pés, com toda a certeza, embora Alice não pudesse vê-los, colocados lado a lado. Eu lhe darei cinco semanas. E tempo suficiente para falar com seu irmão. Ela não olhava para Alice. E precisarei de mais alguma coisa como depósito.

Alice tirou uma nota de dez libras não era o suficiente e ela sabia e colocou-a na frente da senhora Whitfield, que a pegou, alisou-a, guardou-a numa antiquada caixa de dinheiro, numa gaveta, depois escreveu um recibo.

Espero-a daqui a cinco semanas. Tornou a suspirar. Até lá.

Era a própria mulher bondosa e decente; sua aflição pelas coisas deste mundo cruel estampava-se em toda a sua pessoa. Quase que certamente nos olhos também, porém não estava olhando para Alice e não olharia, limitando-se a arrematar:

Diga ao próximo para entrar.

Alice murmurou, em tom um pouco indiferente, a fim de não dar muita importância à situação, embora se sentisse enternecida de gratidão e alívio.

Obrigada. Adeus.

Ela saiu. Cinco semanas eram uma vida inteira, qualquer coisa podia acontecer... e aconteceria. Mas estava numa maré de sorte; iria à Companhia de Gás para acertar as coisas.

Ali, ela disse que a Old Mill Road, 43 era uma ocupação autorizada, Mary Williams da Belstrode Road podia confirmar; a luz estava ligada, a senhora Whitfield do Departamento de Energia Elétrica podia confirmar; e seu irmão, no momento em Bahrein, seria o fiador. Esperara que o homem idoso, de aparên­cia simpática, paternal, ficasse livre, e então, suplicou:

Gostaríamos que o gás fosse ligado logo... está muito frio... não temos água quente... é horrível...

Ah, a expressão preocupada e chocada do homem! Não po­dia conceber a vida sem água quente, pelo menos para pessoas como ele e Alice.

Um depósito?

Alice pôs vinte libras na mesa e fitou-o com olhos afáveis e infantis.

Ele pegou o dinheiro. Aceitou-o. Mas sentia-se infeliz com a situação. Como a senhora Whitfield na primeira entrevista, não entendia por que estava sendo compelido por Alice.

Precisamos de um fiador disse ele, mais para si mes­mo. Seu irmão voltará dentro de um mês, não é? Está certo.

Mais um problema resolvido. Alice saiu, recatadamente agradecida.

Precisava arrumar algum dinheiro. De qualquer maneira. Onde?

Sóbria, foi para casa e informou a Philip que o gás seria religado. Se encontrassem um boiler de segunda mão, ele poderia instalá-lo?

Estavam agachados de frente um para o outro, no patamar do último andar, à luz intensa de abril, que entrava pela janela na escada, um pouco obscurecida pela sujeira. Philip sorria, satisfeito com ela, com aquela casa, com o lugar que ocupava ali; disposto a continuar a trabalhar. Mas Alice sabia que o pesar e o ressentimento persistiam, apenas estavam subjugados no mo­mento; e muito em breve teria de arrumar dinheiro para Phil­ip. Para o boiler. Para as tábuas novas do assoalho no vestíbulo, num canto em que a água pingara de um cano vazando. Para... para... para...

Philip, sei que se você aceitasse o trabalho em bases profissionais teria de cobrar centenas de libras. Não se preocupe com isso... só quero que espere um pouco. Arrumarei o dinheiro.

Ele balançou a cabeça, sorriu, continuou a trabalhar, no meio de um emaranhado de fios pretos, como uma espécie de duende entre raízes urbanas. Frágil... podia-se derrubá-lo com um sopro, pensou Alice, o coração se confrangendo por ele.

E onde estava Jasper? Será que, no final das contas, não fo­ra levado ao tribunal naquela manhã? Ou bancara o idiota e continuara na cadeia?

Preocupações, preocupações e mais preocupações; Alice sentia-se oprimida por tantas preocupações.

Foi sentar à mesa da cozinha. E pensou, contemplando o lugar tão aprazível: já estou assumindo tudo como favas con­tadas!

Fazendo um esforço, trabalhou por uma ou duas horas na pilha de coisas trazidas por Jasper e Bert e largadas num canto do vestíbulo; ajustou uma cortina aqui, estendeu um tapete ali. Tudo precisava de uma boa limpeza! Tiraria todas as cortinas quando tivesse tempo e levaria para a lavanderia, mas por en­quanto. . . Encontrou um banco pequeno e sólido, descartado só porque estava com uma perna solta. Colou-a e pôs o banco no canto da cozinha, saiu para o jardim, cortou alguns ramos de forsítia. A velha dormia em sua cadeira, debaixo da árvore. Joan Robbins estava a apenas um metro de distância, do outro lado da cerca. Parecia contente por ver Alice e começou a falar com a voz cansada sobre a maneira como a velha a obrigava a subir e descer a escada correndo, até a acordara no meio da noite. O que podia fazer? Ela já não agüentava mais.

Alice, que conhecia aquela situação de algum lugar do seu passado bem-abastecido, sabia que havia muito pouco que se pu­desse fazer; na verdade, as coisas ficariam cada vez piores. Per­guntou se a senhora Robbins estava a par dos serviços disponíveis aos idosos. Estava, mas não gostava da perspectiva de uma por­ção de pessoas entrando e saindo de sua casa, o dia inteiro. Quem eram tais pessoas? Não teria como controlá-las.

Ela falou e falou, enquanto escavava violentamente a terra no limite de seu jardim. Por anos a casa fora civilizada e ordenada; ela e o marido lá embaixo, com o jardim; a senhora Jackson, uma viúva, ocupando o apartamento de cima. Mas agora era como se ela estivesse morando com a senhora Jackson! Co­mo se fosse sua filha! Era o que a velha parecia pensar.

Alice, com todo o tempo do mundo e nada melhor para fazer, com os ramos amarelos de forsítia nos braços, escutando e aconselhando. Não podia haver a menor dúvida de que seria melhor ter a Ajuda Doméstica, Refeições sobre Rodas e tudo mais, além de uma assistente social para aconselhar e assumir a responsabilidade, em vez de cuidar de tudo sozinha.

Joan Robbins respondeu que talvez fosse mesmo, pensaria a respeito... Com um sorriso de genuína gratidão para Alice, uma expressão de boa vizinha, ela comentou que se sentia con­tente por Alice estar ali, por finalmente haver gente decente no pobre número 43.

Alice entrou, pôs as forsítias num vaso e ajeitou-o no ban­co que estava no canto da cozinha; sentou-se.

Onde estava Jasper?

Aquela era a noite em que sairiam para pintar slogans com spray. Ela tinha a tinta duas latas, vermelha e preta à espe­ra, num canto do vestíbulo.

Sentada à mesa da cozinha, rabiscou slogans num envelope.

Qual era a mensagem que queriam transmitir? A mensagem completa, exata — era por aí que devia começar.

O Uso de Alcagüetes Desmascara a Verdadeira Natureza da Democracia Britânica. Uma Lei para a Inglaterra, Outra pa­ra a Irlanda do Norte, Colônia da Inglaterra.

Era isso. Talvez encontrassem um bom espaço, como uma parede ou um muro comprido e baixo para escrever tudo.

Tinha de encontrar algo mais curto.

Alcagüetes Ameaçam a Democracia!

Não, muito abstrato.

Alcagüetes — Injustiça!

Alcagüetes — Uma Mancha Vergonhosa para a Inglaterra!

Alcagüetes — Vergonha para Nós!

Alice ficou imóvel, o brilho das forsítias em seus olhos. Fechou-os, o amarelo turvou-se e agitou-se na escuridão. Começou a sorrir, recordando a última ocasião em que ela e Jas­per haviam saído juntos. Apenas duas semanas antes. Em ver­melho e preto, escreveram "Todo o Apoio às Mulheres de Gree- nham" sobre a pintura opaca verde-cinzenta de uma ponte, a duzentos metros de uma delegacia de polícia. Ela escrevera, Jas­per ficara de vigia, do outro lado da delegacia. Encerrara ao ou­vir o sinal de Jasper, um grito que ele aperfeiçoara para parecer uma buzina de carro. Guardara a lata de tinta na sacola. Sem olhar para trás, afastara-se pela calçada, pensando que Jasper de­via estar passando pela delegacia. Entre um e outro, provavel­mente dois guardas. Mas os passos que se aproximaram dela eram os de Jasper leves e apressados. Isso significava que os guar­das tinham ido para o outro lado, mas poderiam vê-los se se virassem, Jasper e ela fitaram-se, animados e deliciados, sa­bendo que qualquer um que os olhasse naquele momento po­deria adivinhar, apenas pelas ondas de energia que irradiavam. Os olhos de Jasper diziam: Vamos...

Ela correra de volta à ponte, iluminada por um lampião, a dez metros de distância. Os guardas continuavam a se afastar, calmamente. Jasper esperara onde estava. Alice pegara o spray vermelho e começara a escrever, em letras de trinta centímetros de altura, "Mulheres de Greenham... "

Mantinha apenas a metade de sua atenção no que fazia, concentrando a outra em Jasper, que levantara os braços subitamen­te. Sem se virar para olhar, ela disparara em sua direção, ouvindo passos pesados correndo em seu encalço. Estava agora bufando: animais nojentos, fascistas, porcos, porcos, porcos... Alcan­çara Jasper, que a pegara pelo pulso, correram juntos para a es­tação do metrô. Mas antes de chegarem lá viraram numa rua transversal e depois, torcendo para que os guardas ainda não tivessem alcançado a esquina, em outra. Conheciam alguém que morava numa casa ali. Mas o sangue estava acelerado, sentiam- se inspirados; ela não ficara surpresa quando Jasper balbuciou:

Vamos correr o risco...

Voltaram à rua principal, que estava apinhada, as pessoas circulando por pequenas lojas que vendiam peixe e batatas fritas, lanchonetes, uma discoteca, um supermercado ainda aber­to. Poderiam entrar no supermercado, mas estavam convencidos de que os guardas os reconheceriam; por isso, avançaram de­pressa através da multidão, que não lhes dispensara maior aten­ção, como já esperavam, atravessaram a rua no instante em que o sinal mudava, de tal forma que os carros, começando a andar, desataram a buzinar.

Desceram para a estação do metrô. Não olharam para veri­ficar se os guardas haviam desembocado na rua principal a tem­po de vê-los. Os olhos de Jasper outra vez exigiram que assumissem o risco; subiram pelo outro lado da estação e avistaram dois guardas diferentes se aproximando. Tranqüilos e in­diferentes. Alice e Jasper passaram por eles. E tornaram a des­cer para o metrô. Saltaram duas estações depois, onde Alice vira uma ponte comprida e baixa sobre as linhas do trem. Já eram dez horas e chovia um pouco. Ali, a delegacia ficava a uma boa distância. Do outro lado, os carros passavam regularmente. Na ponte já estava escrito, em letras brancas que haviam escorrido, "As Mulheres Estão Furiosas".

Pararam, de braços dados, de costas para o tráfego, co­mo se olhassem por cima das linhas do trem. Alice, virando a lata de spray para baixo, escrevera: "Estamos Todas... " Fora o máximo que pudera escrever sem mudar de posição. Deslocaram-se uns poucos passos, tornaram a parar juntos, ela escrevera "Furiosas. Furiosas com... " Outro desloca­mento. "Irlanda. Com Machismo. Com... " Mais um deslo­camento. E fora então que ouviram os ouvidos alertas à me­nor variação no fluxo de tráfego um carro diminuindo a marcha logo atrás. Olharam para trás: não era um carro da polícia. Mas dois homens sentados no banco da frente os ob­servavam.

"...Trident", concluíra Alice. E se afastaram, devagar, sabendo que o carro os acompanhava. A sensação inebriante, a exultação: prazer. Não havia nada igual!

Agora, recordando, Alice ansiava por outra noite assim. Torcia para que Jasper não se atrasasse, não se sentisse cansado, es­tivesse disposto a sair. Ele prometera...

... Haviam percorrido talvez uns cento e cinqüenta metros. Sorte! Uma rua de mão única! O carro, é claro, não os seguira. Ao final da rua, seguiram para o ponto de ônibus e para Kilburn, onde haviam trabalhado antes.

"Não ao Cruise! Não ao Trident!"

Ninguém os notara até então.

Cansados, a exultação se desvanecendo, resolveram parar e pegaram um táxi para a casa da mãe de Alice, onde ela fizera café e ovos mexidos para os dois.

Eram agora seis e meia.

Mary entrou na cozinha, sentou por um instante com Alice, disse que ela e Reggie iam ao cinema. Falara a respeito da tal garota, Mónica; não havia nada, absolutamente nada. Fi­zera o máximo possível, Alice devia compreender.

Não tem importância disse Alice. Pensei em outra coisa.

Mary viu o envelope rabiscado, sorriu e informou:

Reggie e eu vamos à manifestação da Greenpeace amanhã.

Bom para vocês.

Mas é chocante, é terrível, a destruição de nossos campos...

Sei disso murmurou Alice. Já estive em algumas manifestações deles.

É mesmo?

Alice percebeu que Mary sentia-se aliviada por saber que as duas partilhavam isso; mas Reggie chamou-a do vestíbulo e ela saiu, com um sorriso.

Onde estavam Roberta e Faye? Provavelmente na tal co­muna de mulheres. E Philip? Ele podia ter sido despejado pela namorada, mas ainda ia lá tomar banho e fazer as refeições, con­tara Bert. E Jim? Era um problema sério: Onde estava? O rosto risonho, a voz suave... mas, afinal, o que estava acontecendo?

Além de sua casa, seu lugar ter sido usurpado daquela maneira.

Preocupações, preocupações, refletiu Alice, sentada a se preocupar.

Jasper entrou, sorridente, exuberante, andando como um dançarino e exclamando prontamente, ao ver as forsítias:

Mas que lindas!

Aí estava: as pessoas diziam isso e aquilo a seu respeito, mas ninguém sabia como ele era sensível, como era gentil. Jasper inclinou-se agora e beijou-a no rosto; foi um beijo de leve, superficial, mas ela compreendeu; e compreendia também quan­do, em raras ocasiões, tinha de abraçá-lo por uma exuberância de amor, e Jasper se encolhia, como se estivesse diante de uma alma penada, algo frio e lamentoso, uma criança perdida. E ele tentava agüentar, aquele súbito sopro de seu amor; Alice podia sentir a brava determinação de suportar, até mesmo uma inten­ção mínima de retribuir. O que, é claro, ele não podia fazer não em termos físicos; Alice sabia que tudo o que ela sentia co­mo uma efusão de afeição era experimentado por Jasper como uma demanda.

Ele parou perto dela, radiante, positivamente inebriado com o excesso de orgulho e satisfação.

Então correu tudo bem.

Trinta libras.

Não foi muito?

Eles me conheciam explicou Jasper, orgulhoso.

Como era a cela?

Não era das piores. Deram-nos comida... não era das piores. Mas fiquei com Jack. . . um pseudônimo, entende?

Claro respondeu Alice, também radiante. O que eu não sei...

... não pode prejudicá-la.

Ele esfregou as mãos e começou a dançar em passos ágeis pe­la cozinha: foi até as forsítias e acariciou-as delicadamente, até a janela, e voltou para junto dela. Alice pôs a chaleira com água para esquentar, colocou café solúvel numa caneca e parou jun­to ao fogão, apenas para ficar de pé, não sentar, enquanto ele se movimentava, elétrico.

Bert também não sabe. Por falar nisso, onde está Bert?

Ele avisou-o: foi passar o fim de semana fora com Pat.

Ah, sim... o fim de semana... Até quando?

Jasper estava agora imóvel, ameaçado, o rosto franzido.

Domingo à noite.

Vamos fazer uma viagem. Ele sabia que ia, mas não tão cedo. Jack diz...

Um belo nome irlandês — comentou Alice.

Ele riu, adorando provocá-la.

Claro que há Jacks na Irlanda. — Uma pausa. — E como soube... Mas você sempre sabe, não é?

O comentário tinha um tom ácido.

Onde mais poderia ser? — murmurou Alice, jovial, no tom que sempre assumia quando Jasper se surpreendia com al­go que era óbvio para ela. — Você, Bert e Jack vão para a Irlan­da porque Jack é do IRA?

Tem contato. Pode promover uma reunião.

Finalmente! — exclamou Alice, entregando-lhe uma caneca de café puro e tornando a sentar.

Ele ficou em silêncio, quieto por um momento.

Preciso de algum dinheiro, Alice.

Ela pensou: "Então é isso" — significando o fim daquela maravilhosa cordialidade. Preparou-se para uma briga.

Dei a Bert o dinheiro que ele deu a você para a multa.

Preciso comprar a passagem para Dublin.

Mas não pode ter gastado a sua parte da pensão!

Jasper hesitou. Teria gastado? Como? Nunca poderia compreender o que ele fazia com o dinheiro, para onde ia — não tivera tempo... para uma outra vida, pois estava com Bert, com Jack!

Eu disse que pagaria a passagem de Jack. . . A multa deixou-o duro.

Ele também foi multado em trinta libras?

Não. Quinze.

Tenho gastado e gastado — protestou Alice. — Ninguém entra com nada... apenas um pouco aqui e ali.

Ela pensou: Pelo menos Mary e Reggie vão contribuir, é o mínimo que se pode dizer de sua espécie... Até a quantia exata, não mais, não menos.

Não pode ter gastado tudo. — Jasper parecia que a esta­va punindo deliberadamente. — Eu vi. Eram centenas de libras.

Quanto acha que tudo isso está custando?

Então — como Alice já esperava —, a mão de Jasper fechou- se em torno de seu pulso, apertando, machucando.

Enquanto você fica brincando de casa e jardim, esban­jando dinheiro em porcarias, a Causa tem de sofrer, ficar sem nada.

Os pequenos olhos azuis de Jasper, nas depressões rasas de carne muito branca e brilhante, fixavam-na, sem piscar, a pres­são no pulso aumentando. Mas há muito que Alice já adquirira imunidade daquela acusação em particular. Sem resistir, deixando o pulso inerte no círculo de osso, ela sustentou o olhar e disse:

Não vejo motivo para você pagar a passagem do cama­rada Jack. Ou as despesas. Se ele não encontrasse você, como arrumaria a passagem?

Mas ele só vai até lá por nossa causa... para promover o contato.

Alice fez um esforço para combatê-lo:

Você pegou nos últimos dias o dinheiro de três sema­nas. Tinha cento e vinte libras ou mais. E ainda por cima pa­guei sua multa. Não pode ter gastado mais de vinte libras de transporte e lanches.

Quando Alice fazia isso, deixava-o saber que fazia aquele cálculo silencioso e eficiente dos seus gastos, do que ele devia estar fazendo, Jasper odiava-a totalmente e não escondia. Ficou branco de ódio. Os lábios finos e rosados, que Alice normal­mente adorava pela delicadeza e sensibilidade, estavam estica­dos numa linha lívida, na qual apareciam os dentes pequenos. Jasper parecia um rato, pensou ela, sabendo que seu amor por ele não diminuía um átomo sequer.

Por que não arranca mais algum dinheiro da porra da sua mãe? Ou de seu pai?

Alice não explicara exatamente de onde tirara todo o di­nheiro que gastara tão prodigamente na casa, mas é claro que ele adivinhara.

É o que pretendo fazer. Quando sentir que posso. Mas agora não adiantaria.

Jasper largou seu pulso.

Agora ele vai me punir, vai pegar suas coisas e passar a dor­mir em outro quarto.

Um silêncio prolongado, Jasper se remexendo, descon­solado.

Vamos sair para comer sugeriu ele, tristemente.

Está bem.

O ânimo de Alice tornou a melhorar, embora ele não fizesse qualquer menção à excursão com os sprays e tivesse visto os slo­gans rabiscados no envelope sobre a mesa. Mas, então, Jasper disse:

Lamento não poder sair com você para pichar esta noi­te, Alice. O motivo é que não quero atrair atenção pouco antes de uma coisa importante.

Tem toda a razão.

Alice refletiu que em anos de pichação, circulando perto da polícia, escarnecendo da sua proximidade, só haviam sido apanhados quando queriam. Essa era a pura verdade.

Jasper queria falar sobre os dois dias em Melstead, os pi­quetes, a emoção, a prisão, a noite na cela e Jack. Foram a um restaurante indiano, onde ele falou e falou, Alice escutando com toda a atenção, projetando imagens de tudo. Ela pagou a refeição. Foram a um pub, Jasper tomou o vinho branco habitual, Alice pediu suco de tomate.

De volta à casa, ela esperou, tensa, na expectativa de Jasper pegar suas coisas e levar para outro quarto. Mas ele não disse nada a respeito, apenas entrou no saco de dormir, com um sus­piro que a deixou aliviada; era o suspiro de uma criança encon­trando um lugar seguro.

Jasper não voltara a falar sobre dinheiro, mas agora recomeçava. Era por isso que não tinha levado suas coisas para ou­tro quarto.

Discutiram, incessantemente, no quarto escuro, enquanto as luzes disparavam pelo teto. Ao final, Alice concordou em dar o dinheiro para a passagem de "Jack". Sabia que por algum motivo era importante que Jasper recebesse o dinheiro dela. Essencial. Sem­pre havia aqueles momentos entre os dois em que ela tinha de ceder, contra a razão, contra o bom senso: Jasper tinha de vencer de qualquer maneira. Alice sabia que ele tinha cem libras, prova­velmente mais. Talvez muito mais. Jasper lhe disse em certa oca­sião, no ânimo de crueldade irônica que às vezes o dominava, que vinha guardando dinheiro discretamente durante todos aqueles anos, o suficiente "para me livrar de você para sempre".

Isto não fazia o menor sentido: que ela pudesse perceber quando pensava a respeito, mas sentia a força da ameaça.

A mãe de Jasper... ora, Alice não ia se envolver nem mes­mo em pensamento com toda aquela melancólica psicologia, mas não era de admirar que ele tivesse problemas com as mulheres.

Pela manhã, depois do café, ele ficou perto de Alice, calado e sombrio, até que ela lhe deu o dinheiro da passagem para Dublin. Disse então que ia se encontrar com Jack e acertar tudo. Se não voltasse naquela noite, estaria em casa no dia seguin­te. Alice devia avisar a Bert que viajariam para a Irlanda na terça-feira, bem cedo.

E Jasper saiu. Ela pensou: Ele vai fazer uma de suas coisas, como passear, bordejar...? Ela achava que não. Jasper não se arriscaria, não com toda a sua alma empenhada na viagem à Ir­landa. Mas "Jack" não seria como ele? Não, Alice tinha certeza de que não. Falando sobre Jack, era como se ele estivesse falan­do sobre Bert, como falara sobre os homens com os quais tive­ra aquele relacionamento específico: de admiração, dependência, podia-se dizer até passivo... mas quem estava agora imprimindo o ritmo, fazendo com que Bert fosse para a Irlanda, fazendo com que Jack os levasse? Não era tão simples assim aquela his­tória de irmão mais moço.

Ela tinha o dia inteiro. Sozinha, podia-se dizer.

Philip subira para o sótão — devia ir ajudá-lo, ficar a seu lado, ou ele começaria a se sentir mal outra vez. Jim — onde estava Jim, qual era o problema? Ele não aparecia desde o dia anterior.

Faye e Roberta? Ouvira-as chegar muito tarde. Pat dissera que haviam ido ao cinema e depois a festas. Uma outra vida — mulheres. O fechado, enjoativo, repulsivo — pelo menos pa­ra Alice — e claustrofóbico mundo das mulheres. Não para ela! Mas elas eram bem-vindas. Deixe que mil flores desabrochem e todo o resto... Dez horas da manhã, e Mary e Reggie ainda estavam na cama. Mary descera, fizera café, levara para cima. Sem dúvida continuavam deitados naquela espantosa cama de casal, que tinha uma cabeceira e mesinhas embutidas dos lados. Só pensar naquela cama, a vida que insinuava, fazia com que Alice se sentisse ameaçada. Metidos juntos naquela cama pela vida inteira, tomando café, olhando de uma maneira cautelosa para as pessoas que eram diferentes, como que avisando para se manterem a distância.

Onde ela ia arrumar dinheiro? Tinha de conseguir. Precisa­va de dinheiro. De qualquer maneira.

Domingo.

Puxa, era apenas domingo, seis dias depois que ela e Jasper haviam deixado a casa da mãe. Ela fizera muita coisa, em tão pouco tempo. Cheia de energia, Alice foi para o sótão, ao encontro de Philip, que estava num macacão branco, circulando sob as vigas do telhado. Havia um cheiro horrível de podre.

Duas vigas devem ser trocadas anunciou Philip. Es­tão completamente podres. Ou toda a casa pode desmoronar.

Dinheiro. Ela precisava arrumar dinheiro.

Muito cedo para pedir a Mary e Reggie. Em algum momento haveria uma negociação. Ela já podia ver seus rostos, os rostos da maldita classe média, quando o assunto de dinheiro fosse le­vantado. Oh, Deus, como os odiava, toda aquela gente da clas­se média, avarenta, contando migalhas, sempre concentrada em economizar e acumular, economizar pensou Alice, a boca cheia de bílis, contemplando uma viga de trinta centímetros de largura, que parecia cinzenta e escamosa, com fibras amarelas esbranquiçadas. A própria podridão, que estenderia seus tentá­culos insinuantes por toda a madeira, se fosse permitido, depois desceria pelas paredes, para o chão, espalhando-se como uma doença...

Ela pensou: Venho vivendo assim há anos. Quantos? Do­ze? Não, catorze anos não, mais... O trabalho que já fiz por outras pessoas, arrumando coisas, fazendo coisas acontece­rem, abrigando os desabrigados, proporcionando-lhes alimento —e muitas vezes pagando por isso. Vamos supor que eu tivesse guardado um pouco, um pouquinho só, desse dinheiro para mim, o que teria agora? Mesmo que fossem apenas umas poucas centenas de libras, quinhentas, não estaria agora angus­tiada de preocupação.

Quanto custará trocar essas duas vigas?

A madeira, em torno de cinqüenta... de segunda mão. Mas talvez eu possa encontrar o que preciso num depósito de material usado, se conseguirmos o carro emprestado de novo. Quanto à mão-de-obra...

Philip soltou uma risadinha desafiadora.

Não se preocupe.

Alice estava pensando: E ele precisará de ajuda: Não tem força para ajeitar vigas enormes no lugar, carregá-las até aqui; haverá necessidade de andaimes ou algo parecido. O que signi­fica dinheiro.

Ela desceria e pediria a Mary e Reggie.

Um bilhete na mesa: "Fomos à manifestação da Greenpeace. Amor. Reggie e Mary". A letra de Reggie. "Amor"! Alice sentou à mesa e contou o que ainda tinha. Só trinta e cinco libras.

Tornou a subir e trabalhou com Philip, removendo a sujei­ra do sótão. De onde vinha tanta coisa, lixo e mais lixo, mais outros sacos, roupas velhas, a maioria apenas trapos. Tudo por­caria. Só porcaria? No fundo de um velho baú preto, por baixo de sapatos rachados, havia camadas de tecido macio, vestidos envoltos em papel de seda preto. Vestidos de baile. Ela jogou- os pelo alçapão e pulou em seguida para examiná-los. Ei, olhe só para isso! Três vestidos muito bonitos, envoltos em separa­do em papel de seda preto. Início dos anos 30. Um deles era rendado, preto, laranja e amarelo, com fios dourados. O corpete era simples e liso, descendo até os quadris e se abrindo em pequenas pontas, como pétalas. O cheiro metálico da renda dou­rada deixou-a com vontade de espirrar.

Alice afastou-se do alçapão, a fim de ficar fora do alcance da vista de Philip, que continuava no sótão, e tirou a blusa de malha. Enfiou o vestido brilhante por cima da cabeça. Não pas­sou pelos quadris, ficou preso numa massa na cintura. Como não havia espelho na casa, não podia ver como ficaram seus bra­ços e ombros, mas via suas mãos fortes e sardentas afagarem o tecido e compreendeu que o vestido a reclamava, como uma impostora exigindo reconhecimento. Tirou-o, furiosa, tornou a pôr a blusa de malha, recuperando com isso um sentimento de conveniência e até de virtude, como se tivesse sido tentada por um momento pelo proibido. Não experimentou o vestido de chiffon cor de damasco, com tiras de contas prateadas na frente e atrás, algumas soltas, outras faltando, como se um inseto co­medor de contas tivesse agido ali. Levantou o vestido verde ren­dado contra o corpo. Era justo em cima, com um recatado decote rosa em V, mas descendo nas costas até o cóccix. E vestidos pa­ra a tarde, o new look, lustrosos e ainda bons. Quem os guarda­ra lá em cima, incapaz de jogá-los fora? Quem os esquecera e fora embora, deixando todos aqueles baús no sótão? Ela mos­trou os vestidos a Philip, que riu muito ao contemplá-los. Mas quando Alice disse que conseguiria algum dinheiro pelos vesti­dos, talvez bastante, ele deu de ombros, involuntariamente res­peitoso.

Guardou tudo numa mala e pegou um ônibus para a Bell Street, até uma loja para a qual a mãe já vendera alguns vestidos. E recebera mais de cem libras.

Sábado. As lojas estavam apinhadas. A mulher na loja que vendia roupas antigas estava ocupada com uma freguesa que exa­minava um vestido branco de crepe-da-china da década de 20, com lantejoulas douradas formando rosas em torno dos qua­dris. Pagou noventa libras pelo vestido. E tinha uma mancha no ombro, que ela disse que esconderia com uma rosa dourada.

Alice adiantou-se com a mala, percebeu os olhos da mulher se estreitarem em cobiça ao tirar o que havia lá dentro. Estava determinada a conseguir o máximo de dinheiro possível, até o último penny. Barganhou cada vestido, observando os olhos da mulher, que sempre a denunciavam. Eram olhos estreitos, es­pertos, acostumados a verificarem os menores pontos, um mi­núsculo rasgão, o jeito de um bordado. Quando Alice tirou o vestido de chiffon, com as contas prateadas, a mulher até suspi­rou, sua língua, grande e pálida, deslizou sobre os lábios.

Por esse vestido Alice obteve sessenta libras, embora a mu­lher insistisse que uma costureira competente teria de substi­tuir as contas que faltavam e isso custaria... Alice não tinha idéia de quanto custaria. Sorriu polidamente, balançou a cabe­ça e manteve-se irredutível.

Foi para casa com duzentas e cinqüenta libras, sabendo que a mulher venderia as roupas por quatro vezes mais. Mas estava satisfeita.

Não contaria a Jasper. Isso significava que a lealdade a proi­bia de contar a Philip que de qualquer maneira não acredita­ria. Disse a ele que conseguira cento e cinqüenta libras, deu-lhe cem e ouviu-o suspirar um pouco; um suspiro muito diferente do ofego brusco da mulher na loja. Como uma criança como Jasper entrando em seu saco de dormir na noite passada, de volta ao lar, são e salvo.

Bom, aquele dinheiro daria para manter as coisas em andamento, mas não por muito tempo. Philip e ela gastaram sessen­ta libras naquela tarde num boiler a gás de segunda mão. E mais cinco libras pela entrega. Ao final da semana haveria água quente. Até mesmo aquecimento, se os radiadores que não haviam sido roubados não estivessem avariados pelo abandono.

Não que Alice se importasse com o aquecimento, mesmo depois de quatro anos na casa aquecida da mãe. Acabara se acos­tumando a se adaptar a temperaturas diferentes. Antes da casa da mãe, passara um inverno numa casa ocupada que não tinha qualquer aquecimento. Simplesmente usara muitas roupas, mantendo-se em movimento. Jasper se queixara, tivera frieiras, mas até ele agüentara; fora esse, porém, um dos motivos pelos quais Jasper se mostrara satisfeito ao ir morar na casa quente de sua mãe, depois de um inverno frio.

Ela ficou trabalhando até tarde com Philip, como sua assistente, entregando as ferramentas, segurando firme o facho de uma potente lanterna. Observou suas mãos esguias e ágeis es­branquiçadas pela luz e viu que Philip podia ter sido, devia ser, um artífice extraordinário e meticuloso, nunca deveria perder tempo com canos e tábuas de assoalho, que pareciam mais pe­sadas do que ele. Aquele desperdício abasteceu a indignação que a mantinha em movimento, povoou sua mente com pensamen­tos que justificavam tudo o que fazia: um dia seria impossí­vel que pessoas como Philip fossem mal-empregadas, humilha­das, insultadas pelas circunstâncias; um dia — e por causa dela, Alice, e seus camaradas — as coisas seriam diferentes.

A meia-noite ela compreendeu que Jasper não viria mais. Seu coração iniciou um pequeno lamento particular, o que a deixou envergonhada, tratando de reprimi-lo. Fez ovos com ba­con para Philip. Depois que ele foi dormir, continuou esperan­do, não apenas por Jasper, mas também por Jim. Encrenca! Podia sentir que se aproximava.

Mary e Reggie chegaram, sorrindo, radiantes, com aquela expressão especial dos manifestantes bem-sucedidos. Sentados com Alice, tomando café, eles contaram como centenas de pes­soas marcharam contra a poluição de uma determinada praia. Deixaram Alice com uma pequena pilha de panfletos; ao saber que em breve a água quente seria um dos confortos da casa, Reg­gie comentou que precisavam ter uma conversa sobre finanças. Mas naquela noite sentiam-se exaustos, precisavam dormir. Su­biram enlaçados. Alice sabia que eles iam fazer sexo. Pois então ela ficaria mais um pouco ali embaixo.

Mary e Reggie tornaram a descer, desmanchando-se em sorrisos, indagando sobre as roupas, todas aquelas coisas velhas es­palhadas no patamar do último andar. Alice esquecera de ar­rumar e disse que o faria no dia seguinte. Mais sorrisos, e os dois subiram de novo.

E se eu não arrumar?, pensou Alice. Claro que eles não arrumariam! Nem pensaram nisso! Eu fiz aquilo e por isso eu te­nho de arrumar. Conheço essa gente, conheço esses dois, conhe­ço a classe média... Quero mais que todos se fodam.

Mas sentada ali, pensando em todo aquele entulho, que te­ria de ser metido em sacos, trazido para baixo e deixado no jardim, para ser levado pelos lixeiros, que teriam de ser pagos, um novo pensamento surpreendeu sua mente. Ao ver aqueles re­quintados vestidos, jogara-os pelo alçapão e descera para examiná-los. Mas não acabara de inspecionar o que havia no sótão. Ainda havia lá em cima outras caixas, baús, trouxas amarradas. Podia haver mais roupas antigas lá em cima, mais coisas que seriam convertidas em dinheiro.

Alice subiu correndo, esquecendo Mary e Reggie no quar­to por baixo do sótão. A escada ainda estava em posição, pois Philip não terminara. Lá em cima, ela acendeu a potente lanterna. A maioria das caixas havia sido aberta, mas na beira do sótão, sob a parte mais baixa do telhado, havia três baús anti­quados, do tipo que as pessoas costumavam levar em cruzeiros, "para uso na viagem". Eram de alguma espécie de fibra, pinta­dos de um castanho lustroso, agora opaco, com tiras de madei­ra como reforço. Ela abriu-os, um, dois, três, o coração mar­telando no peito. Dentro do primeiro, jornais. Jornais? Alice ajoelhou-se junto ao baú, empurrando os jornais para os lados, vasculhando mais fundo, rebuscando nos cantos. Pilhas de jor­nais amarelados, e só. Por quê? Para quê? Que lunático...O segundo tinha jornais cobrindo livros. Não livros especiais, ne­nhum tesouro ali, apenas a coleção de alguma família. Livros velhos, esmaecidos. O talismã, a capa marrom corroída. Peque­nas jóias da Bíblia... Ela amou e perdeu... O tesouro de Sierra Madre... O crochê mais simples. Uma coleção de Dickens.

Poderia obter umas poucas libras pelo lote todo. Mas havia outro baú. Rezando, verificou o interior. Vazio, a não ser por meia dúzia de velhos potes de geléia.

Uma tempestade de raiva a dominou. Levantou-se chutan­do os baús, depois jogando livros, jornais e potes pelo sótão, gritando insultos para as pessoas que haviam deixado aquele li­xo ali.

Merdas nojentos! Porcos fascistas! Vou matar todos vo­cês! Vou bater... até virarem... polpa...

O acesso continuou e ela ouviu gritarem seu nome lá de baixo:

Alice! Alice! O que houve?

Uns porcos nojentos de classe média que ficam acumu­lando coisas...

Jornais, potes, botinas e trapos caíam pelo alçapão para os pés de Mary e Reggie.

Qual é o problema? Podemos ajudar?

Alice viu os dois rostos agitados e preocupados de cidadãos responsáveis virados para cima, iluminados por sua lanterna em bruscos movimentos; subitamente, desatou a rir. Parou por ci­ma deles, cambaleando e rindo.

Oh, Alice! exclamou Mary.

Oh, Alice! protestou Reggie.

Os dois exibiam um ar de censura, petulante. Alice soltou-se, rolou para a beira do alçapão, segurou-se com as mãos fortes, balançou e caiu bem diante de Mary e Reggie, rindo e apontando para eles.

— Se pudessem ver a cara de vocês, se pudessem ver...

E ela continuou a rir e cambalear, entre as pilhas sórdidas, chutando sapatos e roupas para todos os lados. Cacos de vidro espalharam-se pelo chão.

Mary e Reggie olharam um para o outro, para ela, e volta­ram apressados para seu quarto. O barulho da porta fechando, polido e contido, apesar de tudo, fez com que Alice risse de no­vo. Ela arriou no chão, entre todo aquele lixo, e continuou a rir até o silêncio. Levantou os olhos para o alçapão e viu o bri­lho da lanterna acesa lá em cima. Iluminava as vigas enviesadas do telhado, mostrava duas vigas podres, que mesmo lá de bai­xo, com aquela claridade, pareciam estar se dissolvendo.

Alice tornou a subir. Recusando-se a olhar para as vigas perigosas, começou muito sóbria a fechar os baús, arrumar um pouco. Ia mesmo arrumar tudo lá em cima? Para quê? Para quem?

Apagou a lanterna, deixando-a exatamente onde a encon­trara, para Philip. Deixou o sótão, dessa vez pela escada, em­purrou todo aquele refugo com os pés para uma pilha grande ao lado do corrimão. Fazia o maior barulho, mas não se impor­tava. Seria uma boa lição para eles, pensou. Um dia, Mary e Reggie dirão: Bem que tentamos viver numa comuna, fizemos o maior esforço, mas ficamos com medo...

Ela estava outra vez tremendo de riso. Desceu, gritando, soluçando com o riso. Se é que era mesmo riso; já ouvira aqueles lamentos tristes. E pensou: Estou rindo pelo lado errado da boca...

As três horas da madrugada foi se deitar, desolada, prometendo a si mesma que cuidaria da pintura de pelo menos um cômodo no dia seguinte. Talvez o quarto que ocupava. Sabia que Jasper ficaria satisfeito, mesmo que parecesse escarnecer. Pensando em Jasper, no que ele estava fazendo, com quem, Alice mergulhou num sono irrequieto, levantou muitas horas antes do que qualquer outro, tirou as poucas coisas que havia no quar­to, foi buscar os cavaletes, tintas e rolos de Philip, limpou o teto e as paredes com um espanador amarrado na ponta de uma vassoura, varreu do chão a poeira resultante. Ainda eram ape­nas sete horas da manhã.

Sentada sozinha na cozinha, tomando café, olhando para as forsítias amarelas, Alice irradiava saúde, energia, determinação. Não poderia ter feito aquilo se Jasper estivesse ali, teria de adaptar-se seu ritmo ao dele... Às vezes, muito raramente, o pensamento lhe ocorria: Se eu estivesse sozinha, se não preci­sasse me preocupar com Jasper... Era excepcional, e ali estava uma dessas ocasiões. Sabia que estava presa a Jasper pelo que parecia uma corda esticada de ansiedade, que vibrava com as necessidades dele, nunca com as suas; sabia como era afligida por Jasper, como ele a sufocava. E se ela o deixasse? (Pois Jas­per nunca a deixaria!) Se encontrasse um lugar para si, com ou­tros camaradas, é claro — já mudara tantas vezes que isso nada significava, poderia fazê-lo outra vez com a maior facilidade. Sem Jasper. Ficou imóvel, a mão de garota sardenta não che­gando a envolver completamente a caneca marrom, os olhos fixos nas bem-aventuradas forsítias que povoavam toda a cozi­nha com energia, com prazer. Sem Jasper? Alice começou a fa­zer pequenos movimentos, inquietos, apreensivos, a respiração acelerando, depois se reduzindo a um suspiro. Como poderia viver sem Jasper? Era verdade o que as pessoas diziam: eles eram como irmão e irmã. Mas vamos supor... O pensamento de outro homem levou-a a balançar a cabeça, incrédula. Não que muitos não tivessem se aproximado para perguntar: Por que Jas­per, por que não eu? Ele não lhe dá coisa alguma.

Mas ele dava. E quanto dava! Como poderia deixá-lo?

Alice levantou-se lentamente, lavou a caneca, ficou parada por algum tempo, imóvel, o olhar fixo. Pensou: Sempre esqueço que o tempo está passando. Já tinha mais de trinta anos. Muito mais... Para ser mais exata, trinta e seis. Se queria algum dia ter um filho... Não, não; os autênticos revolucionários res­ponsáveis não devem ter filhos. (Mas tinham!)

Ela tratou de se desvencilhar de todo esse emaranhado de pensamentos e subiu correndo, como se alguma delícia ou pra­zer a aguardasse no quarto, não a tarefa árdua de pintar.

Trabalhou sem parar, até acabar de passar a primeira mão. Teto e paredes estavam cobertos por tinta branca fresca, onde antes havia sujeira e encardimento. Algumas pessoas deixariam assim, mas não Alice: haveria uma segunda mão. Circulou so­bre os jornais espalhados pelo chão, alguns deles datados dos anos 30, do tempo da guerra. "Segunda frente!", em letras pre­tas garrafais, deslizou para baixo de outra folha. "Attlee pro­mete... " Não estava interessada no que Attlee ou qualquer outro prometera. Voltando à cozinha, descansou e pensou: Ter­minarei nosso quarto por volta de meio-dia, poderia pintar ou­tro. Precisaria de ajuda para a sala de estar. O pior é o quarto das garotas, Faye e Roberta. Terei de dar uma olhada rápida agora...

Tinha certeza de que as duas não estavam em casa, mas mesmo assim bateu na porta para se certificar. Silêncio. Ela entrou e, porque seus olhos se dirigiram para o teto e as paredes, não percebeu logo que as duas estavam ali, no final das contas, duas massas por baixo de cobertores, xales, uma porção de coisas, quase todas floridas. Roberta, perturbada mas sem saber por quê, esticou os braços para bocejar, depois sentou, os seios balan­çando, e olhou com desprazer para Alice. Que disse:

Desculpe. Pensei que não estavam em casa.

E não estamos!

Mas a expressão de aversão, que Alice receava ser o que Roberta sentia por ela, foi substituída por outra mais amável. Ro­berta tateou à procura de cigarro. Pela aparência tensa do fardo que era Faye, Alice compreendeu que ela estava acordada. Ex­plicou:

Estou pintando nosso quarto. Acabarei em duas horas. Pensei em pintar também o quarto de vocês ainda hoje, se quiserem.

Nesse instante Faye sentou, jogando as cobertas para o la­do, em um só movimento, como uma nadadora aflorando à superfície. Lançou um olhar furioso para Alice, como o que apresentara à pobre Mônica.

- Não — disse ela, em voz fria e implacável. — Você não vai pintar este quarto. Não vai mesmo. E agora nos deixe em paz.

Está tudo bem, Faye — murmurou Roberta.

Não está, não — gritou Faye, em tom estridente. — Pin­te a porra do seu quarto, Alice. Mas mantenha essas suas mãozinhas de merda longe da gente, está me entendendo?

Acostumada a tais situações, Alice manteve-se firme, sem se sentir magoada ou ofendida ou qualquer das coisas que sabia que Faye queria que ela ficasse. Estava pensando: Nota dez para Roberta. Não deve ser fácil aturar Faye o tempo todo.

Está bem, Faye — disse Alice. — Claro que não vou pin­tar nada, se vocês não quiserem. Mas não acha que o quarto está sujo demais?

E olhou com interesse para as paredes, onde, à luz forte da manhã — o sol ainda brilhava sobre uma —, parecia que pode­riam começar a brotar cogumelos.

Elas ficaram sentadas ali, Faye e Roberta, olhando para Alice, tão diferentes de Mary e Reggie que Alice achou até gra­ça — interiormente, é claro, sem deixar transparecer. E seu coração se confrangeu por elas. Mary e Reggie aqueles chefes de família, como Alice desdenhosamente pensava neles sentados lá em cima, em sua cama conjugal, examinando Alice, sa­biam que nada poderia realmente ameaçá-los. Mas Roberta, apesar de toda a sua solidez bonita e morena, de seu instinto maternal, e Faye, como um pintinho frágil aconchegando-se sob o ombro forte da amada, eram vulneráveis. Sabiam que qual­quer coisa, até mesmo Alice, podia atropelá-las como um tra­tor, reduzi-las a fragmentos.

Está tudo bem repetiu Alice gentilmente, com uma infinita compaixão. Não se preocupem. Desculpem.

E saiu, ouvindo a voz estridente de Faye enquanto a porta era fechada, ouvindo a voz consolada de Roberta.

Alice voltou ao trabalho de passar a segunda mão de tinta, equilibrada sobre os cavaletes. Pensou pela primeira vez: Sou uma idiota. Elas gostam assim. Roberta, Faye, com toda a certeza, gostam de viver na imundície. Refletiu sobre isso por al­gum tempo, enquanto passava mais tinta branca para reforçar a que já estava ali, por cima de sua cabeça, a outra mão encosta­da no teto, para se firmar. Elas gostam disso. Precisam disso. Se não gostassem, já teriam feito alguma coisa há muito tempo. E fácil endireitar e limpar as coisas; portanto, se não o fizeram é porque preferem assim.

Concedeu a esse pensamento bastante tempo e profundida­de. Mas não era esse o caso de Jim. Ele não gostava. Bastava ver como ficou satisfeito quando comecei a limpar tudo. Ele não gostava de todos aqueles horríveis baldes lá em cima, ape­nas não sabia como... Jim, ele não tem a capacidade da classe média (quantas vezes ouvira isso na casa de sua mãe); é desam­parado, não sabe como as coisas funcionam. Mas Faye e Rober­ta bom, elas não são da classe média, para exprimir em termos suaves, mas com toda a certeza... isso mesmo, elas teriam aprendido o know-how, a competência; portanto, se não endi­reitaram as coisas foi porque não queriam.

Imagine só querer viver naquele quarto, naquele quarto repulsivo, com paredes que parecem montes de esterco; o que aconteceu ali, o que fizeram no quarto? Provavelmente não foi Roberta. Faye: qualquer coisa errada, qualquer coisa lamentá­vel e pavorosa teria de ser Faye, nunca Roberta. Provavelmen­te quando Faye tivera um de seus acessos... todos os tipos de coisas terríveis acontecendo e depois Roberta agüentando fir­me: Faye querida, está tudo bem; não faça isso; por favor, Faye; relaxe, querida...

Alice terminou de passar a segunda mão ao meio-dia, lavou o rolo, tampou as latas de tinta e levou tudo para um quarto de cima. Enquanto Philip dormia, enquanto Mary e Reggie dormiam, enquanto Roberta e Faye dormiam (elas não saíram do seu quarto), ela pintara um quarto inteiro. E realizara um bom trabalho, sem manchas nem cantos matados, os jornais estavam comprimidos, prontos para os latões de lixo, que em breve es­tariam cheios outra vez.

Fez ovos, tomou chá, lavou-se com água fria, de pé na banheira. Toda limpa e arrumada, com uma blusa impecável, de pequenas flores rosa e gola redonda, Alice saiu da casa e foi pa­ra a 45, como se tivesse planejado fazer isso durante o dia inteiro.

Tinha certeza de que o camarada Andrew não estaria na cama, mesmo que todos os outros ainda estivessem deitados.

Cerca de dois terços dos sacos de refugos haviam desaparecido, e o buraco que ela vira antes parecia nunca ter existido, coberto por uma camada de folhas mortas, em que dois passari­nhos procuravam alimento.

A porta foi aberta por uma jovem que era ao mesmo tem­po alta e esguia e inflada e volumosa, pois usava um uniforme de combate em cáqui e verde, parecido com um traje que Alice vira recentemente numa loja de excedentes militares.

Sou Alice.

Ela falou ao mesmo tempo em que a jovem dizia:

Você é Alice. E acrescentou: Sou Muriel.

Com um sorriso cordial, Muriel deu um passo para o lado,

deixando Alice entrar no vestíbulo em que não restava mais qual­quer vestígio das caixas de panfletos ou o que quer que fossem. Ali não havia tapete no chão; afora isso, o vestíbulo era igual ao da outra casa. Havia até mesmo uma vassoura encostada num canto.

Posso falar com o camarada Andrew?

Muriel respondeu, para desapontamento de Alice:

Acho que ele está dormindo. Lendo o comentário no rosto de Alice, ela se apressou em ressaltar: Mas ele só voltou às três horas da madrugada, e os barcos do canal da Mancha. . .

Depois de fornecer essa informação, a que Alice achou que não tinha direito, Muriel disse, com uma expressão irritada de culpa, por causa do rosto crítico de Alice, que ia verificar. Encaminhou-se para a porta da sala onde Alice estivera e levan­tou a mão, como se fosse bater. Mas arranhou a porta delicada­mente, para não dizer com intimidade, usando apenas o dedo indicador. Alice foi dominada pela angústia fria e terrível que nunca dizia a si mesma que era ciúme. Poderia até desfalecer por causa disso. Certamente sentia-se tonta e, quando sua cabe­ça desanuviou, Muriel ainda estava ali, sorrindo complacente, o dedo ainda levantado, parecendo um bico de passarinho. Isso mesmo, ela parecia um ganso, ou melhor ainda, um ganso no­vo, atarracado e informe. E virou o rosto para Alice, com um sorriso satisfeito.

Posso ouvi-lo agora. Ele está se mexendo.

Ela falou como se os movimentos do camarada Andrew fossem por si mesmos uma prova de sua superioridade, que estava disposta a partilhar generosamente com Alice. A porta foi aberta, e o camarada Andrew apareceu, piscando, os olhos avermelha­dos. Vestia uma calça amarrotada e uma camisa de malha bran­ca que precisava de uma lavagem. Alice sentiu o cheiro de álcool e reprimiu a desaprovação: ele devia estar cansado, tendo che­gado tão tarde. Ele sorriu para Muriel de uma maneira que Alice não se sentiu propensa a analisar, depois viu Alice e acenou- lhe com a cabeça amavelmente, indicando que ela devia entrar.

Alice entrou na sala, e o camarada Andrew fechou a porta, sorrindo para Muriel, a fim de excluí-la.

A sala também fora esvaziada e só restavam dois pacotes. Uma cama dobrável baixa estava encostada a uma parede, com apenas um cobertor vermelho em cima. Estava desarrumada, mas também ele saíra direto da cama para atender ao arranhão na porta. Havia um travesseiro sem fronha, e o tecido listrado parecia gorduroso. Aquela pequena cena da cama era diferente da impessoalidade do resto da sala e sugeria uma masculinidade rude, até mesmo brutal.

Bocejando, sem tentar disfarçar, o homem sentou numa poltrona antiga, ao lado da lareira apagada. Alice sentou na poltro­na em frente.

Estive na França informou o camarada Andrew. Apenas uma pequena viagem.

Alice descobriu-se a olhar discretamente para a cama, que dava a impressão de ser do exterior. Ou talvez de algum clima moral diferente, como uma guerra ou uma revolução. O cama­rada Andrew percebeu que ela examinava a cama. Ainda estava acordando. Levantou-se abruptamente, foi até a cama, esticou o cobertor vermelho, escondendo o travesseiro horrível. Tor­nou a sentar. E comentou:

Já me livrei do que você viu naquele buraco. Foi para o lugar onde pode ter alguma utilidade.

Ótimo — murmurou Alice, indiferente.

Ele podia ou não ter mandado ou levado a "coisa", mas e daí? Ela não queria saber.

Deve estar especulando o que era. Tudo o que posso lhe dizer é que se trata de algo de que uma quantidade muito pequena percorre um longo caminho.

Um intenso desdém aflorava em Alice por causa da inabilidade do homem. E ela disse, em voz firme:

Na minha opinião, quanto menos pessoas souberem a respeito, melhor.

Significando: quanto menos ela soubesse. Os olhos do camarada Andrew se estreitaram e ficaram duros, mas logo ele sorriu.

Tem toda a razão, camarada. Acho que estou com a guar­da baixa. Sou um homem que precisa dormir. Sete em vinte e quatro horas, ou funciono abaixo do melhor nível.

Alice balançou a cabeça, mas analisava-o com uma visão crítica. Achava-o pouco impressionante. Um homem baixo e cor­pulento. Os cabelos curtos achatados aqui e ali, como o pêlo de um animal quando está irritado. Um bafo rançoso saía de sua boca, azedo, não apenas porque ele podia ter bebido demais. Era um homem que precisava vigiar o peso.

Fico contente por ter aparecido, camarada Alice. Estava querendo conversar sobre algumas coisas com você.

Ele se levantou, foi até a mesa à procura de cigarros, ficou de costas para Alice, ocupado em pôr um na boca e acendê-lo. Esse procedimento durante o qual ele parecia estar acabando de despertar, numa série de movimentos rápidos, eficientes e ponderados, sufocou o espírito crítico de Alice. Ela pensou: Ape­sar de tudo, ele é a coisa real. Permitiu-se confiar no homem.

Teve início então uma conversa extraordinária, que se prolongou por algum tempo; eram quase cinco horas quando ela foi embora. Alice sabia que o camarada Andrew estava arran­cando dela o que precisava saber — sondando-a —, e que ele de­via saber também que ela o permitia, compreendia todo o processo. Ela se encontrava numa espécie de estado sonhador, pensativa, passiva mas alerta, acumulando todos os tipos de im­pressões e idéias, que analisaria mais tarde.

O camarada Andrew queria que ela rompesse com "toda aquela turma de lá, você é muito superior a eles", e se lançasse numa carreira de... respeitabilidade. Ela devia se candidatar a um emprego numa certa firma, de importância nacional. Conseguiria o emprego porque ele tomaria as providências necessá­rias, através de contatos que já tinha na firma. Referiu-se várias vezes à "nossa rede". Alice trabalharia em computadores — ele, Andrew, daria um jeito para que ela fizesse um rápido curso de treinamento, que seria uma base suficiente para que uma mu­lher inteligente como ela pudesse se desenvolver. Enquanto is­so, ela moraria num apartamento, não numa casa ocupada a título precário, levaria uma vida normal... e esperaria.

Alice escutou tudo isso com uma atitude de modéstia, as pálpebras abaixadas.

Estava pensando: E quem é ele? Para quem eu trabalharia? Tinha uma boa idéia... mas será que isso fazia alguma diferença? O ponto principal era outro: ela achava ou não que toda a superestrutura terrível devia ser derrubada e destruída, de uma vez por todas? Uma limpeza completa, isso é que era necessá­rio. E Alice contemplou uma paisagem arrasada, árida e desola­da, talvez com um pouco de cinza pálida sendo soprada por toda a extensão. Isso mesmo. Era preciso se livrar da superestrutura podre para abrir caminho a algo melhor. Para o novo. Tinha alguma importância quem fazia a limpeza, quem derrubava tu­do? Rússia, Cuba, China, tio Tom Cobbley, todos eram bem-vindos, em sua opinião.

Mas ela disse, depois de algum tempo, numa pausa que ali estava para que preenchesse:

Não posso, Andrew. — E, subitamente, aflorando de suas profundezas: — Uma vida burguesa? Quer que eu leve uma vi­da de classe média?

Alice ficou sentada ali rindo dele — escarnecendo mesmo —, carregada com a energia do desdém, do desprezo.

Ele a observava com atenção, agora não mais cansado ou atordoado de sono. Sorriu gentilmente.

Camarada Alice, não há nada de errado em uma vida confortável... tudo depende do objetivo. Não seria viver assim por causa do conforto, por causa da segurança... — Andrew parecia estar fazendo um esforço para desprezar essas palavras tanto quanto ela — mas sim por causa do seu objetivo. Nosso objetivo.

Os dois se fitavam. Através de um abismo. Não de ideolo­gia, mas de temperamento, de experiência. Alice sabia, pela maneira como ele dissera "não há nada de errado em uma vida confortável", que Andrew não sentia uma repulsa como a sua. Ao contrário, ele até gostaria de uma vida assim. E como sabia? Ela não tinha como explicar por que sabia de tais coisas sobre os outros. Apenas sabia. Aquele homem explodiria uma cidade sem cinco segundos de remorso — e ela não o criticava por isso —, mas exigiria um bom uísque, comeria em bons restaurantes, gos­taria de viajar em primeira classe. Era da classe operária na ori­gem, pensou ela; a vida lhe fora difícil. Era por isso. Não lhe cabia criticá-lo. E Alice declarou, categórica:

Não adianta, camarada Andrew. Eu não poderia. Não suportaria a espera... das ordens... não importa quanto tempo levasse.

Acredito em você — murmurou ele, balançando a cabeça.

Não me importaria com o perigo. Mas não poderia vi­ver assim. Acabaria enlouquecendo.

Ele tornou a balançar a cabeça, ficou em silêncio por um momento. E depois, parecendo divertido pela primeira vez, até mesmo cômico:

Mas tenho recebido relatórios diários, camarada Alice, até mesmo de hora em hora, sobre as transformações que promoveu naquela pocilga.

A aversão com que ele ressaltou a última palavra era tão intensa quanto poderia ser a dos pais de Alice. Inclinando-se para a frente, Andrew pegou-lhe a mão, sorrindo jovialmente, e virou-a, o dorso para cima, em sua mão forte e quadrada. A mão de Alice se encolhera um pouco, mas ela deixou-a ali, firme. Não gostava de ser tocada, em nenhuma circunstância! Mas o conta­to de Andrew não era tão ruim assim. A firmeza o tornava su­portável. Nas articulações de Alice havia uma crosta de tinta branca. Ele repôs gentilmente a mão no joelho dela e acres­centou:

Em pouco tempo vai transformar aquela casa num palácio.

Não está entendendo. Não vamos viver naquela casa co­mo eles fazem. Não vamos consumir e gastar, amolecer e ficar acordados nos preocupando com nossas pensões. Não somos como eles, que são repulsivos.

A voz de Alice estava quase sufocada de asco. Seu rosto se contorceu em ódio.

Houve um silêncio prolongado, durante o qual ele resol­veu deixar aquele assunto inauspicioso. (Mas, pensou Alice, não o abandonaria por muito tempo!) Ofereceu um café. Havia uma chaleira elétrica, canecas, açúcar e leite numa bandeja no chão. Ele aprontou o café com rapidez e eficiência.

Depois, começou a falar sobre as pessoas do número 43. Alice constatou que a avaliação era a mesma que ela fizera. O que a agradou e lisonjeou, confirmando a convicção em si mesma.

Ele falou muito bem sobre Jim, sobre Philip, mas não se demorou em perguntas. Pareceu descartar Bert. Queria saber mais a respeito de Pat, onde ela trabalhara, qual era o seu treinamen­to. Alice respondeu que não sabia, não perguntara.

Mas isso é importante, camarada Alice — censurou-a Andrew, da forma mais gentil possível. — Muito importante.

Por quê? Não tenho um emprego desde que deixei a uni­versidade. E venho fazendo tudo direito.

O comentário acarretou um obstáculo no fluxo da conver­sa; Andrew estava reprimindo uma necessidade de repreendê-la. Há muito de burguês nele, pensava Alice, mas apenas um pouco crítica, por causa do respeito agora consolidado que sen­tia pelo camarada Andrew.

Jasper... ele não falaria sobre Jasper. Por causa de seu vín­culo comigo, pensou Alice. Mas ela não precisava perguntar: o camarada Andrew não tinha muito tempo para Jasper. Pois ele ia ver uma coisa!

Roberta e Faye. Ele fez muitas perguntas sobre as duas, mas o que o interessava mesmo era o lesbianismo. Não por lascívia ou qualquer outra coisa que Alice pudesse detestar: havia ali uma total incompreensão. Ele simplesmente não tinha a menor idéia a respeito. Nenhuma experiência, concluiu Alice. Queria saber como era a comuna de mulheres que Roberta e Faye freqüenta­vam. Qual a relação entre lésbicas e as formulações revolucio­nárias das mulheres políticas. Alice sugeriu panfletos e livros, que providenciaria para ele. Andrew acenou com a cabeça, mas continuou: como mulheres do tipo de Faye e Roberta viam as relações entre homens e mulheres depois da revolução? Alice suprimiu o impulso de dizer: Elas querem liquidar todos os ho­mens. Lembrava as discussões longas e acaloradas com Molly e Helen, em Liverpool, durante as quais ela, Alice, alegara que a atitude das duas equivalia a um desprezo tão total aos homens, que na verdade eliminava todo e qualquer pensamento sério a respeito deles. Mas o que ela disse agora foi o seguinte:

Há muitas formulações diferentes no Movimento Feminista. Eu diria que Faye e Roberta representam um extremo.

Havia ainda Mary e Reggie; e, como Alice já esperava, o camarada Andrew recusou-se a descartá-los, como ela queria. Justamente o que ela mais detestava nos dois era o que mais o interessava: Alice sabia que ele especulava se Mary e Reggie não poderiam ser persuadidos a se tornarem parceiros latentes da revolução, uma expressão que ela usou e Andrew aprovou com um sorriso seco e um aceno de cabeça.

Alice não sabia. Duvidava muito. Eles eram naturalmente conservadores. (Não que ela tivesse alguma coisa contra o Green- peace. Ao contrário.) Em suma, eram burgueses. Na sua opi­nião, Andrew deveria discutir o assunto pessoalmente. Não podia responder por eles.

Alice sabia que isso cortava a premissa tácita da conversa: a de que ela estava disposta a agir de bom grado como sua assistente na avaliação de possíveis recrutas. Por algum motivo ou outro. Não declarado. Tácito.

Eles planejavam o pessoal do número 43 — aceitar mais gente em sua comuna?

Por que não? Há bastante espaço.

Concordo. Quanto mais, melhor.

E assim eles continuaram, remontando, por alguns minu­tos bastante tensos, à infância de Alice. A mãe de Alice não interessava ao camarada Andrew, mas Cedric Mellings era outro caso. Sua empresa era muito grande? Quantos empregados? Co­mo eles eram?

O irmão de Alice: ela resolveu não dizer que Humphrey trabalhava numa importante companhia de aviação. E limitou- se a comentar:

Não perca seu tempo com ele.

Mais café e uma conversa muito satisfatória sobre a situa­ção da Inglaterra. Podre como uma maçã estragada, pronta pa­ra ser derrubada pelos tratores da história.

Quando Alice disse que precisava ir, pois esperava por Jasper, e levantou-se, ele também ficou de pé e pareceu hesitar. Então disse rapidamente, parecendo contrafeito pela primeira vez:

Está há muito tempo com Jasper, não é?

Quinze anos.

Sabendo o que estava para vir, reconhecendo muitos momentos assim no passado, Alice virou-se para sair. Andrew es­tava a seu lado, e ela sentiu o braço se estender de leve sobre seus ombros.

Camarada Alice, não é fácil compreender... por que optou por esse... relacionamento.

A parcela habitual de afronta, ressentimento e até raiva aflorou em Alice. Mas ali estava o camarada Andrew, e ela já deci­dira que qualquer coisa que partisse dele tinha de ser diferente.

Você não compreende murmurou ela. Não é ca­paz de compreender Jasper.

O braço continuava em seus ombros, tão gentilmente que Alice não sentia qualquer pressão. E ele disse, insinuante:

Mas certamente, Alice, você poderia...

Obter algo melhor era o que ele queria dizer. Alice virou-se para fitá-lo, com um sorriso firme.

Está tudo bem — murmurou ela, como uma colegial. — Eu amo você.

A incredulidade tornou o sorriso de Andrew irônico, paciente.

Bom, camarada Alice... — Fez uma pausa, divertido. — Apareça quando quiser.

Por que não vai visitar nosso palácio?

Obrigado. Irei mesmo.

E Alice foi para a casa, atordoada com indagações.

Tencionava subir para admirar seu quarto recém-pintado, mas alguma coisa levou-a à porta de Jim. Bateu. Não houve resposta, e ela entrou. Jim estava estendido em cima de seu saco de dormir, virado para ela, de olhos abertos.

Você está bem, Jim?

Ele não respondeu. Parecia horrível... Alice aproximou- se, ajoelhou-se, pôs a mão na dele. Estava seca, muito quente.

Jim! O que você tem?

Ora, que importa? — balbuciou ele, num soluço abafa­do, pondo o braço sobre o rosto.

Por baixo da manga havia um ferimento avermelhado que se estendia do cotovelo ao pulso. Largo. Repulsivo. Parecia cheio de geléia vermelha.

O que aconteceu, Jim?

Meti-me numa briga. — As palavras saíram num soluço de frustração e raiva. — Não se preocupe que vai sarar. Não é nada. Já está limpo.

Jim parecia estar lutando contra si mesmo, estendido ali, batendo com o punho na cabeça, contraindo as pernas, depois esticando-as bruscamente.

Mas a polícia não o pegou.

Não, mas a esta altura já devem saber que eu estava lá. Há alguém para cuidar disso. De que adianta? Não há a menor possibilidade de você me livrar desta encrenca. Sendo assim, de que adianta?

Tentou arrumar um emprego?

Tentei, mas de que adianta?

Ele virou-se e ficou deitado de costas, os braços inertes nos lados do corpo.

Alice podia compreender. Havia uma certa fúria frenética em estar desempregado, perseverar para arrumar um trabalho e ser rejeitado. Era diferente de assumir o desemprego.

O que estava tentando?

Uma gráfica em Southwark. Mas não conheço toda essa nova tecnologia... aprendi com as máquinas antigas. Fiz um curso de um ano, pensei que me valeria alguma coisa.

Não disse nada a respeito. Mas deve haver centenas de pequenas gráficas por todo o país que ainda usam máquinas antigas.

Então devo ter me candidatado a um emprego em meta­de delas nos últimos quatro anos.

Meu pai tem uma gráfica. Pequena. Fazem todos os ti­pos de trabalho. Panfletos, folhetos e catálogos.

Ele não continuará a usar máquinas antigas por muito tempo.

Escreverei para ele. Por que não? Ele se diz socialista.

De que adianta? Sou negro.

Espere um instante. Estou pensando.

Jim estava tenso, quente e desesperado, mas já um pouco melhor, pensou Alice. Como uma freira ou sua irmã, ela ficou sentada a segurar-lhe a mão, sorrindo gentilmente.

Isso mesmo acabou murmurando. Escreverei para meu pai. Farei isso. Vou obrigá-lo a praticar o que prega. Além do mais, ele já teve empregados negros.

Alice percebeu que, contra a vontade, ele voltava a sentir esperança.

E vou escrever agora acrescentou ela.

Na mochila em que parecia guardar metade de sua vida, Alice procurou e encontrou uma caneta esferográfica e um bloco.

"Querido papai,

Este é Jim..."

Qual é o seu nome todo, Jim?

Mackenzie.

Tenho um primo que casou com uma Mackenzie.

Meu avô era Mackenzie. De Trinidad.

Então talvez sejamos parentes.

Um pequeno acesso de riso sacudiu-o e deixou-o com um sorriso. Ele suspirou, relaxou, virou-se para Alice, apoiou a cabeça na mão. Estaria adormecido em breve.

Ela escreveu:

"Este é Jim Mackenzie. Não consegue arrumar emprego. E um gráfico. Por que não lhe dá emprego? Não se intitula um progressista? Há quatro anos que ele está desempregado. Em nome da Revolução.

Alice"

Ela dobrou o bilhete com todo o cuidado, meteu num envelope azul (escolhendo o azul em vez do creme por algum mo­tivo) e endereçou-o.

As pálpebras de Jim estavam caindo.

Por que não vai até lá amanhã? O ferimento não estará mais aparecendo.

Alice levantou a manga de sua camisa gentilmente. Ela não encontrou resistência. Era um corte horrível e deixaria uma ci­catriz grande. Precisava levar alguns pontos. Mas isso não im­portava agora.

Gosto de você, Alice. É uma pessoa realmente sincera... Entende o que estou querendo dizer?

Ele não acrescentou "ao contrário dos outros". Alice po­deria ter chorado, sabendo que era verdade o que ele dizia, sentindo-se confirmada e apoiada. Continuou ali até que ele dor­miu; depois saiu para o vestíbulo escuro, acendeu a luz com or­gulho e com a consciência do que esse pequeno ato significava, quanto custara e ainda custaria; ela apertou um pequeno botão na parede e os elétrons obedientemente correram pelos cabos, porque a mulher no Departamento de Energia Elétrica assim decidira.

Dinheiro. De onde?

Parada ali, contemplando o vestíbulo, tão agradável agora (embora ela soubesse que precisava limpar todo o tapete, que ficara muito tempo dobrado na poeira do depósito), Alice cons­tatou que Philip consertara o armário pequeno por baixo da escada, quebrado pelo policial.

Nesse momento houve uma batida na porta. Com uma premonição Alice foi até ela, já fixando no rosto uma expressão de autoridade.

Era a policial que ela encontrara na delegacia. Seu parceiro estava no portão, um jovem que Alice nunca vira antes.

Boa noite — disse Alice. — Em que posso servi-la?

Ela deixou a porta aberta às suas costas, a fim de que a or­dem do vestíbulo pudesse ser observada. Percebeu que a mu­lher fazia uma avaliação. Alice não ficou surpresa ao reparar que a policial tentava localizar com os olhos o lugar no jardim em que aqueles malucos haviam enterrado...

Um tal de James Mackenzie mora aqui?

Mora, sim.

Posso falar com ele?

Poderia, mas ele não está.

Quando voltará?

Talvez não volte esta noite. Foi visitar amigos em Highgate.

Quer dizer que ele não esteve aqui neste fim de semana?

Estava aqui ontem à noite.

E passou a noite inteira na casa?

Passou, sim. Por quê?

Estava aqui desde o anoitecer?

Estava. Jantamos aqui e depois ficamos jogando cartas.

Havia um ligeiro tremor na voz de Alice; ela ia dizer "To­dos passamos a noite aqui", mas lembrou-se a tempo de que nem "todos" podiam estar dispostos a arriscar o pescoço por Jim, se fosse possível alcançar "todos" e avisá-los a tempo.

Você e ele estavam aqui?

E mais um amigo dele. Um garoto branco. William qualquer coisa.

Alice sabia que a policial percebera a pequena hesitação, mesmo que apenas de maneira subliminar. Mas estava tudo bem, ela concluiu; era o que podia deduzir da indecisão da mulher. Alice bocejou, levou a mão à boca e disse:

Desculpe-me, mas já é tarde...

Ela tornou a bocejar, oferecendo o sorriso certo à policial. Que sorriu em retribuição, enquanto tornava a olhar com toda a atenção para o vestíbulo tranqüilizador.

Obrigada.

A mulher encaminhou-se para o portão e saiu, a fim de retornar com seu parceiro à ronda vigilante pelas ruas culpadas.

Alice foi dar uma olhada em Jim, sem fazer barulho. Ele estava dormindo.

Seguiu para a cozinha e escreveu uma carta para a mãe. Ficaria à espera de Mónica Winters, que com toda a certeza apa­receria dentro de um ou dois dias.

Enquanto se ocupava com isso, eles chegaram, a intervalos de poucos minutos, primeiro Jasper, depois Pat e Bert, finalmente Roberta e Faye. Os seis sentaram em torno da mesa na cozinha com um sortimento de comidas, trazidas separadamente e que agora seriam consumidas junto: pizzas, peixe com batatas fritas, tortas. Alice fez café, distribuiu as canecas, sentou à ca­beceira da mesa. Sua felicidade por aquela cena era tão intensa que fechou os olhos, a fim de que não irradiassem grandes jatos de brilho, denunciando-a para a severidade dos outros.

Bert queria saber sobre Jack. Jasper fez um relatório. Os olhares trocados por Faye e Roberta disseram a Alice que havia problemas.               

E foi o que aconteceu. Faye indagou, em sua maneira afeta­da, mas que nada escondia de sua seriedade, por que aqueles planos haviam sido formulados sem uma reunião para a aprovação por todos. Pat declarou que concordava: Jasper não tinha o di­reito de assumir as coisas pessoalmente...

Isso, Alice sabia, era dirigido em parte a Bert, que fora cúmplice de Jasper.

Jasper e depois Bert disseram que ninguém estava comprometido com coisa alguma. Todo o plano até agora era realizar uma pequena viagem exploratória à Irlanda, encontrar um re­presentante do IRA e oferecer a cooperação de um grupo ali.

Que grupo? indagou Faye, mostrando os lindos dentes.

Isso mesmo acrescentou Pat, com uma ponta de iro­nia que indicou a Alice que tudo acabaria bem. Vamos empenhar todos os vastos recursos da UCC ou apenas nós mesmos?

Alice percebeu que Roberta teria rido de tal intervenção se o ânimo de Faye permitisse.

Bert, como queria se reconciliar com Pat, assumiu o coman­do e disse, os dentes brancos aparecendo por entre a barba escura, num sorriso firme, responsável e convincente:

Posso compreender as restrições das camaradas. Mas na natureza das coisas... — nesse ponto ele contraiu os lábios ver­melhos para indicar e partilhar com todas as perspectivas da­quela operação determinados contatos devem ser especulativos e até mesmo, aparentemente, ad hoc. Afinal, o encontro com Jack foi fortuito. Foi puro acaso, e tornou-se produtivo, graças ao camarada Jasper. Foi ele quem fez o contato inicial...

Alice podia perceber que não seria fácil para qualquer deles admitir alguma obrigação para com Jasper, embora ele se man­tivesse corretamente impessoal, um pouco apartado da cena, aguardando a aprovação geral, a própria imagem de um cama­rada responsável.

Mas nesse momento houve um barulho no vestíbulo e a por­ta da frente foi fechada. Jasper levantou-se de um pulo para verificar e informou que era Philip, saindo para a rua. O fato de ele não ter vindo para a cozinha significava que se sentia inde­sejável, o que levou Faye a comentar:

Não há lugar onde possamos conversar nesta casa ago­ra. Alice cuidou disso.

Pat se apressou em intervir:

Podemos ir para a outra casa. Mas certamente é seguro conversar aqui por algun» minutos.

Daqui a pouco Jim vai aparecer. Por que não? — inda­gou Faye, suavemente. — "Oh, Jim", podemos dizer, "estamos apenas tendo uma conversinha sobre o IRA."

Ou Mary e Reggie — sugeriu Roberta, aliando-se a Faye por amor.

Na verdade, como os outros sabiam, ela concordava com eles, não precisava da condenação furiosa que Faye tinha de usar como combustível para seguir em frente.

Por que não definimos logo, agora, alguns pontos bási­cos? — sugeriu Pat. — Não há muita coisa para discutir, não é?

Nada disso — protestou Faye. — Estou falando sério, mesmo que todos os outros estejam apenas brincando.

E com pequenos movimentos petulantes dos lábios e olhos ela desafiou-os; depois, pegou um cigarro, acendeu-o e soprou a fumaça com irritação.

Em seu apoio, vieram sons do vestíbulo: Mary e Reggie, falando e rindo, abriram a porta da cozinha e ficaram em silên­cio no mesmo instante. Sem qualquer motivo para não entra­rem — já que o espírito da casa era de que as pessoas deviam conversar à mesa da cozinha —, eles deram a impressão de sen­tir uma unidade, de saber que não eram desejados. Sorrindo po­lidamente, disseram:

Oh, estávamos apenas...

E apesar dos convites para que ficassem — de Alice, de Pat —, eles subiram.

Maravilhoso! — exclamou Faye.

Concordo — disse Pat. — Isso não foi nada bom. Sugiro que alguém dê um pulo até a outra casa para saber se podem nos emprestar um cômodo... isto é, se todos acham que precisamos discutir mais alguma coisa.

Preciso discutir muita coisa ainda — declarou Faye.

Jasper foi, ficou lá aparentemente por um minuto apenas, voltou para anunciar que eles seriam bem-vindos.

Ele foi o primeiro a seguir para a outra casa. Depois foi a vez de Alice, em seguida Bert e Pat. E, finalmente, Faye e Roberta.

A garota que parecia um ganso abriu-lhes a porta, indican­do um quarto no alto da escada — no mesmo lugar do quarto que na outra casa era ocupado por Jasper e Alice. Fora um quarto de criança, tinha cordeirinhos, patos, Mickey Mouses, dinossauros engraçados, robôs, bruxas em vassouras e outras necessi­dades da infância de classe média.

— Santo Deus, quanta merda! — exclamou Faye, com a maior veemência.

Ela estendeu as mãos bonitas, mostrando as unhas finas, pintadas de um vermelho forte, como se pudesse arranhar as ilus­trações nas paredes. Mas sorriu, se é que se podia chamar aquilo de sorriso.

O que se constatou, no final das contas, é que não havia muita coisa a mais para se falar.

O que ficou evidente é que todos esperavam que o camara­da Andrew participasse da conversa, até mesmo Alice, que sa­bia que ele desaprovava. O que exatamente especulou ela agora? O contato com o IRA? Não, claro que não. A cooperação com o IRA? Como poderia? Então só poderiam ser eles, aquele grupo, entrando em contato com os camaradas irlandeses daquela maneira. Ou este grupo. E ponto final.

Mas não a ela, Alice. Andrew a aprovava. Secretamente satisfeita, apoiada por tal pensamento, que não podia partilhar com ninguém, Alice manteve-se retraída, observando o desen­volvimento da "reunião", percebendo nos rostos de Jasper e Bert como eles ansiavam por ouvir passos, ouvir uma batida na porta, ouvir "Posso participar da reunião, camaradas?"

Mas nada disso aconteceu.

Foi reiterado que Bert e Jasper fariam a viagem apenas co­mo reconhecimento. Poderiam descobrir que tipo de apoio os camaradas irlandeses esperavam. Isso foi considerado um tanto insosso, um tanto insatisfatório, a formulação foi corrigida e tornou-se: Bert e Jasper estavam autorizados pelos presentes a oferecer apoio aos revolucionários irlandeses e pedir que indi­cassem missões concretas.

Não ficaram muito tempo. Ninguém se sentia à vontade naquele quarto, que continha os fantasmas de crianças privilegiadas... de crianças amadas?

Concluíram rapidamente e se retiraram, voltando para o número 43. Roberta e Faye foram ao cinema. Gostavam de filmes violentos, até pornográficos, havia um passando no cinema pró­ximo. Os outros quatro encontraram Mary e Reggie na cozi­nha, comendo em pratos, com todo o decoro. Os restos de pizza, batatas fritas, latas de cerveja e papéis haviam sido jogados na lata de lixo. Mary e Reggie disseram:

— Sentem-se e comam conosco.

Mas assim como os seis haviam repelido Mary e Reggie, ago­ra os dois pareciam cercados por uma corrente invisível: Mantenham distância. Provavelmente eles ainda estão irritados com a noite passada, pensou Alice. Acho que fui longe demais. Ora, o problema é deles.

Com muitos sorrisos e murmúrios de boa-noite, os quatro subiram. Outra reunião foi realizada no quarto recém-pintado, on­de sentaram no chão e discutiram o problema de Faye e Roberta, que não gostavam da intervenção do camarada Andrew em suas atividades. Era por isso que esperavam que ele participasse da reu­nião na outra casa. "Quem era o camarada Andrew?", elas que­riam saber. Quando os quatro terminaram de discutir sobre as duas mulheres, eles formavam uma unidade intima, camaradas até a morte. E, no entanto, Alice não podia deixar de pensar que Pat, por mais que parecesse empenhada agora, não concedia todo o seu apoio a Bert. A jovem atraente e animada, afetuosa e descontraída com Bert depois do fim de semana juntos, presumivelmen­te a sós, não convencia Alice. Lábios cor de cereja lustrosos e faces brilhantes seriam comprimidos contra os lábios vermelhos e sen­suais de Bert, aqueles dentes brancos morderiam e arranhariam a abundante barba preta de Bert... Apesar disso, porém, pensou Alice, apesar disso... E era óbvio que Pat não gostava da idéia de Bert ir à Irlanda em companhia de Jasper. Ela não gostava de Jasper. Na verdade, não constituíam uma unidade, apenas davam essa impressão. Alice, interiormente apartada, refletiu que era mais do que provável que Pat sentisse a mesma coisa.

O cheiro de tinta era muito forte. Jasper acabou dizendo que não poderia dormir ali e subiu. Seu tom foi tão incisivo que Alice não se atreveu a acompanhá-lo. Desceu para passar a noite na sala de estar.

Ela dormiu mal, acordando várias vezes para escutar, a fim de não perder a partida de Jasper pela manhã. Ouviu os dois homens descerem e irem para a cozinha. Seguiu-os; já se sentia excluída, indesejável. Eram apenas seis horas de uma manhã fria e ensolarada de final de primavera.

Alice teve a impressão de que Jasper mal a via ao sair. Ace­nou para ela no portão, onde estava parada, como qualquer dona- de-casa vendo seu homem partir.

Ela voltou para seu saco de dormir, com o pressentimento de que passaria muito tempo antes que Jasper voltasse para casa.

Mas os dias foram passando de forma bastante agradável. Pat estava sempre à disposição de Alice, ajudando-a a pintar e limpar; as duas fizeram milagres, transformando cavernas sórdidas em cômodos limpos e aconchegantes. Pat era divertida, meiga, simpática. Alice se abria e expandia nessa normalidade, nessa descontração, e pensava muitas vezes em quanto consu­mia de seu tempo com o coração apertado e na sombria expec­tativa de mais uma afronta de Jasper. Mas durante o tempo todo, enquanto desfrutava da situação, gostava de Pat, sentia que nunca fora tão feliz, não podia deixar de refletir: E assim que as pes­soas se comportam quando decidem ir embora; num certo sen­tido, ela já partira.

Philip, com o apoio afetuoso das duas mulheres, pôs em funcionamento o sistema de água quente. Todos tomaram banhos em comemoração. Até mesmo Faye, encorajada por Roberta. Philip voltou ao telhado e terminou de arrumar as telhas. Tro­cou tábuas de assoalho e substituiu o reboco caído, consertou as engrenagens das caixas dos vasos e providenciou canos no­vos para pôr no lugar dos velhos, tomando emprestado o carro da outra casa. Descobriu um painel descartado de aquecimento central ainda aproveitável e a casa passou a ter aquecimento de verdade. Localizou duas vigas de madeira boa num depósito de refugos a um quilômetro de distância, mas não conseguiu le­vantá-las; teriam de esperar por Bert e Jasper para ajudá-lo.

Alice, Mary e Reggie realizaram uma reunião de contabilidade para determinar as contribuições regulares. Mary, que sa­bia exatamente o que teria de ser pago, já definira as cotas sua e de Reggie. Era bem pouco. Luz, gás? Com dez pessoas na ca­sa, quanto poderia dar? Foi feita uma avaliação. Agua? O De­partamento de Agua ainda não os procurara. Parecia que o casal só pensara nisso, como se não houvesse mais nada. Alice lembrou-se secamente de todas as melhorias.

— Mas todas as coisas foram trazidas de depósitos de refu­gos — ressaltou Mary, indicando que não deixara de perceber tudo o que estava sendo feito.

A reunião era à mesa da cozinha. Reggie e Mary sentavam de frente um para o outro, amáveis e seguros; Alice estava à cabeceira da mesa, esperando pelo que sabia ser inevitável. Tinha certeza. Podia ver nos olhos de Mary um brilho que indi­cava que ela estava fazendo contas, não do que podia dever a Alice, mas o que acumulava, claro que no momento apenas na imaginação, para a aquisição de um apartamento ou casa.

Tivemos de pagar o boiler, uma porção de fios, ferramen­tas, madeira e vidro comentou Alice.

Ela não esperava muito. E tinha razão. Reggie e Mary trocaram olhares, a quantia de vinte libras foi oferecida e aceita.

Não houve qualquer menção ao trabalho de Philip. Alice pôde ouvir nitidamente o pensamento: Mas é claro que ele não faria o serviço se não viesse morar aqui.

Sorrindo, até recatada, Alice aceitou o chá que Mary se ofereceu para fazer por sentimento de culpa, sem a menor dúvi­da —, contemplou os dois e pensou: Por Deus, como eu odeio pessoas como vocês. Como odeio as suas mentes mesquinhas, avarentas, gananciosas. Porque sabia que estava estufando e em­palidecendo, dominada por sua cara, ela sorriu ainda mais e de­pois convidou-os a falar sobre seus planos para a futura casa, o que eles fizeram no mesmo instante, deixando de prestar aten­ção à sua presença.

Jim levou a carta para Cedric Mellings e voltou trêmulo, quase chorando de felicidade. Começaria a trabalhar no dia seguinte. Por sorte, alguém estava saindo da firma. Por sorte, Jim seria bastante conveniente a Cedric Mellings. E ainda podia aguardar a possibilidade de treinamento nos novos mistérios téc­nicos. Alice comentou, incisiva:

Consciência culpada. Toda essa turma... o problema deles é o remorso.

Ele é muito simpático, Alice. E me tratou muito bem.

Estavam na cozinha. Jim, sentado ou melhor, empolei­rado numa cadeira —, não conseguia ficar quieto, a todo instan­te se levantava e cambaleava ao redor, rindo, incontrolável; tornava a sentar, encostava a cabeça na mesa, ria, batia com os punhos nos lados da cabeça, num excesso de felicidade e grati­dão; as batidas se transformavam num ritmo firme e exultante. Ele acabou abrindo os braços, revirando os olhos, o rosto ne­gro se abrindo num sorriso largo, os dentes brancos à mostra.

Alice, com mil coisas terríveis para dizer a respeito do pai, tratou de reprimi-las, porque amava Jim, amava seu desamparo, sua vulnerabilidade e a participação que ela tinha em aliviar suas mágoas, porque sabia que aquele homem ou rapaz ele tinha vinte e dois anos era realmente doce, tinha gentileza e ternura; e sabia também que um período de felicidade, de su­cesso, o transformaria. Podia imaginar como ele seria se ganhasse dinheiro, assumisse o controle de sua vida. Podia vê-lo nitida­mente: Jim como era agora, mas transbordando de confiança e novas habilidades. Por isso, não disse mais nada sobre seu pai de merda, mas apenas escutou, partilhando o que sabia ser um momento na vida de Jim que ele nunca mais esqueceria.

Depois, ela levou-o para jantar fora, em comemoração; Philip e Pat acompanharam. A noite tornou-se uma daquelas em que os participantes precisam fazer uma pausa e dizer a si mesmos: É verdade, sou eu mesmo quem está aqui... A felici­dade sentou com eles à mesa do Seashell Fish-and-Chips; não conseguiam parar de sorrir, Jim ria e suspirava a todo instante. Houve um momento em que ele comentou:

Não posso acreditar que seja de fato eu.

Os outros se entreolharam, não suportando a incapacidade de exprimir o que sentiam por ele; mas podiam rir e era Pat quem sentava a seu lado afagá-lo ou abraçá-lo. Os demais fre­gueses do restaurante, que em outras ocasiões podiam ter pen­samentos rígidos sobre raça ou sobre mulheres brancas abraçan­do publicamente homens negros (ou pelo menos não com tan­ta desinibição), estavam abrandados, como se podia ver por seus rostos, que também mostravam tendências ao riso sem motivo, pela demanda da ocasião, que era de um abandono total e es­pontâneo à felicidade.

Os quatro voltaram à casa como um grupo unido e terno, Jim como o rei, o vitorioso; não querendo que a noite se per­desse, eles sentaram à mesa da cozinha, tendo como sentinelas as forsítias amarelas, relutantes em se separarem.

Alice já pensava: Esta noite é de se pensar que seremos ami­gos pelo resto da vida, que nunca poderemos fazer mal um ao outro, mas tudo isso pode mudar de repente. Ela sabia, já vira acontecer. Seu coração poderia se confranger, arrastá-la para o fundo do poço, mas ela não permitiu, manteve-o numa corren­te curta e cruel, como se fosse um cachorro perigoso.

Um cartão-postal mostrando as montanhas Wicklow foi enviado por Jasper, com a mensagem: "Gostaria que você estives­se aqui!" Alice conhecia exatamente o ânimo extravagante em que ele estava, e seu rosto assumiu o sorriso que o pensamento de Jasper tantas vezes evocava: modesto, ansioso e admirador, como se os caprichos do gênio ficassem para sempre além de seu alcance. Não mostrou o cartão a ninguém, porque sabia que os outros não compreenderiam. Descendo cedo, muito antes dos outros, ela o encontrara no chão, junto à porta da frente.

Jim saiu para seu primeiro dia de trabalho num ânimo de terna incredulidade, ainda incapaz de parar de sorrir.

Pat, em vez de ajudar Alice a limpar e pintar, saiu para visi­tar "uma amiga" e voltou com a informação de que Bert telefonara, transmitindo um recado. Estava tudo bem e eles voltariam em breve.

O que eles estão fazendo para arrumar dinheiro? Foi esse o pensamento que Alice guardou para si. E também pensou: Quando Bert voltar, Pat não estará mais aqui. Era o que podia perceber no rosto dela. Mas também guardou esse pensamento para si.

Naquela noite, uma batida na porta, furtiva e apressada, informando a Alice quem era, levou-a a encontrar Mônica no ca­minho, perto do portão — não junto da porta, pois a moça ficara com medo de que Faye pudesse abrir.

Vendo Alice, ela se adiantou rapidamente, fitando-a com olhos sequiosos.

Faye se encontrava na cozinha com Roberta, e por isso Alice fechou a porta, sem fazer barulho. Saiu com Mónica para a rua e foram andando até um ponto em que as saudáveis plantas de Joan Robbins as escondiam da vista da casa.

Soube de alguma coisa? — indagou Mónica, já soturna e desolada, aparentemente percebendo pelo rosto de Alice que não havia qualquer notícia.

Ela parecia inchada e pálida. Os cabelos estavam desgrenhados e gordurosos. Exalava um cheiro de derrota tão intenso que Alice teve de fazer um esforço para suportar.

Não dá para esperar nada da prefeitura. — Percebendo um desdém ou rosnado de Eu já sabia!, Alice acrescentou: — Mas tive outra idéia.

Pediu que Mónica a esperasse ali, voltou furtivamente para a casa como se fosse culpada de alguma coisa, tornou a sair com a carta que escrevera para a mãe. Mônica se afastara pela meta­de do caminho para a rua principal, talvez esperando que Alice não retornasse.

Pensou que eu não ia voltar? Se está sempre esperando o pior, então é isso que vai ter.

Um sorriso fraco, constrangido.

Leve esta carta ao endereço no envelope. E vá com o bebê.

Mas já é muito tarde. Deus sabe como é difícil para ele dormir naquele lugar, e está dormindo agora.

Vá amanhã. E a casa de minha mãe. Ela gosta de bebês. E gosta de cuidar das pessoas.

A dúvida no rosto de Mónica não diminuiu de forma algu­ma a confiança absoluta que Alice sentia. Olhe só o que conse­guira com Jim! Estava numa maré de competência e sorte, não podia cometer erros. Tinha certeza de que a mãe seria boa para com a pobre Mônica. E acrescentou, incisiva:

Não se preocupe, Mónica. E, afinal de contas, vale a pe­na tentar, não é?

Olhando desconfiada para o envelope, Mónica encaminhou- se para o ponto de ônibus, enquanto Alice ia se juntar aos outros à mesa da cozinha. Ela preparara um guisado ou sopa gros­sa, sua especialidade, desenvolvida até a perfeição em anos de vida comunitária. Quantas pessoas já haviam gracejado que Alice podia alimentar multidões com aquele prato! Como os pães e os dois peixes da Bíblia.

Quantas pessoas já haviam entrado naquela casa ocupa­da ou em outra e indagado: "Restou um pouco de sua sopa, Alice?", sentando para jogar pedaços de pão dentro e depois estendendo os pratos para comer mais. Não havia deficiências die­téticas nas pessoas que se alimentavam com sua sopa! E nos tempos em que havia bem pouco dinheiro, fora o que os mantivera sobrevivendo, a Jasper e a ela, por meses a fio.

Alice instalou-se em seu lugar e disse aos rostos inquisitivos, prontos para qualquer emergência:

Não era nada demais. Está tudo bem.

Roberta e Faye, Mary e Reggie, Philip e Jim, Pat e Alice ficaram sentados ali noite afora, compelidos a serem como uma família pela magia daquela sopa, o vinho tinto com que Reggie contribuíra e o pão excelente, saudável, de trigo integral, assim como o frívolo pão branco que Faye exigira.

Foi outra noite de prazer, e Jim tinha muitas histórias para contar sobre o pai de Alice e os outros que trabalhavam com ele, doze ou mais, como ela era afortunada por ter um pai assim — enquanto ela se limitava a sorrir e mantinha a língua sob controle.

Na manhã seguinte, ela estava sozinha na casa quando hou­ve um tumulto de batidas violentas na porta, uma voz gritando:

Saia daqui! Quero falar com você!

Alice foi ao encontro de Mónica, que estava transformada pela fúria, disposta a matar. A criança no carrinho, uma coisinha miserável e feia, choramingava sem parar.

Por que fez isso? Por que me mandou até lá? O que eu fiz a você?

E Mônica começou a chutar as pernas de Alice, esmurrar seus braços.

Qual é o problema? O que aconteceu? Ela não a aceitou?

Não havia ninguém! — berrou Mónica. — Por que me mandou lá?

Ela deve ter saído para fazer compras. Mas vai voltar.

Mónica parou de gritar, parou de agredi-la com os braços e pernas. Olhou consternada para Alice e disse:

A casa está vazia. Ninguém mora ali. E tem uma placa de "Vende-se".

Você foi à casa errada — sugeriu Alice, vagamente.

Alguma coisa aflorava em sua mente, um pensamento, uma

lembrança: caixas na mesa da cozinha, cheias de louça embrulhada em jornal. Ela olhou para Mónica e acrescentou, agora também pálida e ofegante:

Há um engano. Alguma coisa está errada.

Você é que está errada — disse Mónica, com uma risada brusca e repulsiva. Ainda olhava fixamente para Alice, como se incapaz de acreditar no que via. — Por que fez isso comigo? Para quê? Imagino que se divertiu com essa brincadeira cruel. Você é a própria essência do mal, uma louca nessa casa.

Explodindo em gemidos, ela saiu correndo, empurrando e sacudindo o carrinho, a tal ponto que a criança desatou a chorar. Seguiram para o ponto de ônibus, fazendo o maior baru­lho, deixando Alice na porta, atordoada e olhando sem ver para a carta que escrevera à mãe e que Mónica metera em sua mão.

"Querida mamãe,

Esta é a Mónica. Ela vive com seu bebê num daqueles ho­téis horríveis que você já deve conhecer. E se não conhece, deveria. Por que não a aceita em sua casa? E o mínimo que pode fazer. Tem três quartos vazios, agora. Mónica e o bebê vivem num quarto nojento, sem um lugar onde ela possa cozinhar ou fazer qualquer outra coisa.

Sua filha, Alice.

P. S.: E há também um marido."

Ela entrou e sentou no último degrau da escada. Ali ficou por um longo tempo, a mente vazia. Depois, iniciou um movimento curioso, esfregando a mão sobre o rosto, como se sen­tindo ou querendo alguma coisa. Era um movimento vigoroso, arrastando a carne para um lado ou outro, e prolongou-se por uns dez minutos. Uma tarefa que tinha de realizar, uma neces­sidade; um observador poderia pensar que ela recebera ordem de fazer isso, sentar naquele degrau com os dedos empurrando a carne por todo o rosto.

Depois, muito metódica, Alice pegou a bolsa e encaminhou- se à estação do metrô. Foi até a casa da mãe e parou, olhando para a placa de "Vende-se". Era como se alguma coisa tivesse sugado os móveis, mas deixado intacto o espírito da casa. O fo­gão continuava na cozinha, embora a geladeira tivesse desapa­recido. As cortinas continuavam penduradas na janela, acon­chegantes. Parecia que se ela virasse a cabeça poderia reapare­cer a mesa a que tantas vezes sentara, em que servira sopa à mãe e aos convidados da mãe. O resto da casa se encontrava na mes­ma situação. Nos quartos estavam as cortinas que ela conhece­ra por toda a sua vida, e os carpetes permaneciam no chão, mas camas e armários haviam sumido. Alice foi para o seu quarto e agachou-se no canto em que ficava a cama branca e estreita onde dormira desde os dez anos de idade. Na janela estava o pavão vermelho e azul que ela desenhara numa tarde de chuva, quando o jardim se encontrava quase escondido pela neblina cinzenta. Um calendário de 1980 estava pendurado na parede; ela o guardara porque gostava da ilustração: Bar no Folies-Bergère, de Manet. Identificava-se com a garota que ali estava, cercada por garrafas, tangerinas, espelhos, o balcão, um paredão de pes­soas com rostos horríveis.

Havia sol no jardim e gatos num gramado que precisava ser aparado.

Alice desceu como uma sonâmbula. Depois, num frenesi, despertada, furiosa, traída, arrancou as cortinas de um cômodo após outro, enrolou-as, saiu cambaleando da casa, esquecendo de trancar a porta, mal conseguindo andar com a carga. Viu uma mulher olhando de uma janela e pensou: Qual é o problema? Elas são minhas, não são? Conseguiu chegar à esquina, sempre cambaleando. Fez sinal para um táxi, voltou à casa, mandou que o motorista esperasse, enquanto entrava para buscar as cor­tinas que ainda restavam. Seguiu para o número 43, onde pas­sou a tarde inteira pendurando cortinas onde antes não existia nenhuma ou substituindo cortinas que não lhe despertavam sen­timento algum. De qualquer forma, aquelas cortinas eram mil vezes melhores do que as trazidas dos depósitos de refugos: de linho genuíno, seda ou veludo grosso, forradas e com entretela, com franjas e borlas.

Como a mãe tivera coragem de abrir mão daquelas corti­nas sem ao menos consultá-la?

Quando foi para a cozinha, Philip estava lá. Alice compreendeu no mesmo instante, por sua atitude, que ele tinha alguma coisa a dizer.

Ele imprimira um volante, que distribuiria em hotéis, restaurantes, lojas, anunciando sua firma: "Philip Fowler, cons­trutor e decorador"; precisava arrumar trabalho de verdade em breve; achava que já contribuíra com mais do que sua parte pa­ra aquela casa, que agora se encontrava em condições de fun­cionamento. Se "eles" quisessem que Philip fizesse mais, então teriam de pagar; claro que não aos preços normais, mas pelo menos o suficiente para que valesse a pena.

O que ainda precisava ser feito ali era trocar as calhas. Também uma parte do cano de escoamento exterior (ele aconselhou que isso devia ser feito em breve, porque a parede estava bas­tante encharcada e acabaria se esfarelando). A caixa-d'água no sótão estava quase que completamente enferrujada, em sua opi­nião podia arrebentar a qualquer momento, inundando a casa. Os peitoris das janelas no último andar estavam apodrecidos, deixando a chuva entrar. E ainda havia o problema das duas vigas podres no sótão.

Ele apresentou a Alice uma lista dessas necessidades, em ordem de urgência, a caixa-d'água em primeiro lugar.

Dinheiro. Ela teria de arrumar algum.

Alice permaneceu sentada, sozinha, por um longo tempo, olhando para as forsítias. Estavam murchando. Pétalas amarelas haviam caído no chão. Saiu, cortou mais alguns ramos, jo­gou fora os secos e ficou sentada durante a tarde inteira, pensando.

Onde estava sua mãe, para começar? Imaginava que podia escapar de Alice desse jeito? Estaria louca? Devia estar, sem avi­sar a Alice e Jasper... Nesse ponto, em algum lugar no fundo de sua mente, um pensamento começou a vibrar e incomodar, qualquer coisa que a mãe dissera. Se tal acontecera, não fora de uma maneira que Alice pudesse registrar.

Conseguiria arrancar da mãe algum dinheiro emprestado? Não, se ela acabara de se mudar. Com todas as despesas inevitá­veis. Além disso, a mãe provavelmente ainda não superara a rai­va; precisava de tempo para esfriar.

E Theresa e Anthony?

Alice pensou sobre essa possibilidade por muito tempo. Theresa poderia lhe dar outras cinqüenta libras, mas isso não seria suficiente. De que adiantariam apenas cinqüenta libras? Recebera as quarenta e tantas libras da previdência naquela semana, que se derreteram em coisas de que Philip precisava. Pensou que se fosse lá enquanto a empregada estivesse trabalhando, numa ocasião em que Theresa e Anthony se encontrassem fora, no trabalho, poderia pegar os netsukes.Se fosse rápida e eficiente, a empregada não notaria. Mas o pensamento não persistiu; foi eliminado pela afeição. Theresa sempre fora boa para ela, não podia fazer isso agora. Anthony era diferente. Se fosse apenas Anthony... ela se apropriaria de qualquer coisa que perten­cesse a ele!

Zoé Devlin? Por algum motivo, Alice não foi capaz de se aprofundar nessa possibilidade. Sentia-se repugnada, como se Zoé tivesse brigado violentamente com ela também, não apenas com a mãe.

Não poderia escolher uma casa conveniente e roubá-la? Não era desprovida de talentos nessa área. Sentia-se confiante de que teria sucesso.

Mas tornar-se uma ladra, uma ladra de verdade — seria um passo além do que ela era. Como poderia se considerar uma re­volucionária, uma pessoa séria, se fosse uma ladra? Além do mais, seria prejudicial à Causa, se fosse apanhada. Não. E sempre fo­ra honesta, nunca roubara coisa alguma, nem mesmo quando era criança. Nunca passara por aquela fase de tirar coisas da bolsa da mãe ou dos bolsos do pai, como acontecia com algumas crian­ças. Nunca.

Pôde se imaginar a escolher uma casa propícia, espreitar a saída dos moradores, entrar, apoderar-se de coisas valiosas — afinal, sabia o que era valioso e o que não era. Não fora uma dessas crianças pobres que entravam por uma janela aberta ou uma porta trancada de maneira imperfeita e depois não sabiam mais do que roubar uma televisão ou um vídeo. Mas não pôde se imaginar com qualquer coisa que fosse, vaso, tapete ou colar, tentando vendê-lo.

Não, essa possibilidade estava excluída.

Precisava conseguir dinheiro. Todas aquelas pessoas toman­do e tomando... embora Jim tivesse anunciado orgulhoso, na noite anterior, que agora contribuiria de forma apropriada; pa­garia sua estada, Alice não precisava se preocupar com isso.

Ela só podia pensar no pai. Não a casa: era muito cedo para tentar isso de novo. A firma. Fechando os olhos, Alice visualizou o interior do prédio que alojava a C. Mellings, Printers and Stationers. O cofre no escritório do pai tinha cheques, mas não era isso o que ela queria. Na pequena papelaria, que o pai co­meçara em pequena escala, como uma experiência, tornando-se tão bem-sucedida que às vezes ele gracejava que financiava tu­do, havia um cofre cheio de dinheiro. Mas apenas durante o dia, quando a loja estava cheia de gente. Todas as noites o di­nheiro era levado para o outro cofre, lá em cima. E na manhã seguinte era levado para o banco. Como podia pegar esse di­nheiro? Não conhecia a combinação e não tinha a menor in­tenção de virar uma profissional, com explosivos ou qualquer outra coisa que eles usassem.

Nada disso. Precisava de outra coisa; precisava de ousadia. Era sexta-feira. As vendas lá eram melhores na sexta-feira do que em qualquer outro dia. A loja fechava às cinco horas, e o dinheiro era levado direto para cima, a fim de ser contado. E permanecia no cofre até a manhã de segunda-feira. As sextas- feiras, o pai muitas vezes ia mais cedo para casa, porque ele, Jane e as crianças gostavam de passar os fins de semana em Kent, onde tinham amigos. Um típico arranjo burguês: Cedric e Jane ficavam com os Boults; os Boults usavam a casa de Cedric e Jane em suas viagens a Londres. Nada disso jamais acontecera enquanto Cedric vivera com Dorothy! Não poderia. A mãe es­tava impregnada da noção do meu e seu: não se podia imaginá-la partilhando sua casa com outra família. Por algum motivo, os fins de semana no campo e as visitas dos Boults a Londres deixavam Alice fervendo de raiva.

Mas, com um pouco de sorte, o pai iria embora às três ho­ras da tarde.

Para chegar à gráfica, ela teve de saltar duas estações do me­trô depois daquela em que ficavam a casa do pai e a da mãe — ou melhor, a antiga casa da mãe. Foi andando, fazendo um esforço deliberado para não pensar muito, entrou na loja, onde foi devidamente cumprimentada, a filha do patrão. Atravessou a loja, dizendo que queria falar com o pai, subiu para o escritó­rio. Os empregados arrumavam suas mesas para o fim de sema­na. Ela cumprimentou-os e foi para a sala do pai, onde sua secretária, Jill, estava sentada na cadeira dele, contando o dinhei­ro da loja.

Oh, ele já saiu — murmurou Alice, sentando-se.

Jill, contando, folheou algumas notas de dez libras, sorriu, acenou com a cabeça, a boca se mexendo para indicar que não podia parar. Alice também sorriu e acenou com a cabeça, levantou-se e foi até a janela, olhou para fora. Indolente e privi­legiada, filha do sistema, ela apoiou-se no peitoril, observando o movimento na rua, escutando os sons de papel deslizando so­bre papel.

Deveria dizer que o pai combinara lhe dar algum dinheiro? Se dissesse, Jill não poderia recuar; e na segunda-feira, ao ser informado, o pai não a denunciaria, não diria: Minha filha é uma ladra. Alice já ia falar: Ele disse que eu poderia ficar com quinhentas libras. Mas foi então que aconteceu, a sorte incrível e milagrosa que agora sempre esperava, já que ocorria com tan­ta facilidade e freqüência: o telefone tocou na sala ao lado. Jill continuou a contar. O telefone tocava e tocava.

Mas que droga! murmurou Jill, delicada, pois era o tipo de boa moça que o pai sempre escolhia para secretária.

Ela correu para atender. Alice viu em cima da mesa um sa­co de lona branca em que já haviam sido guardadas pilhas de notas. Enfiou a mão, tirou um maço grosso e depois outro, me­teu dentro da túnica e voltou a se debruçar na janela, de costas para a sala. Jill voltou, informando que era a senhora Mellings, querendo falar com seu pai. Alice levou alguns momentos para compreender que devia ser sua mãe, não a nova senhora Mel­lings, que naquele momento já devia estar a caminho dos pra­zeres de um fim de semana em Kent.

Não queria perguntar: "Sabe qual é o seu endereço?", pois assim se trairia; mas indagou, em tom de indiferença:

De onde ela estava ligando?

Mais uma vez, Jill demorou a responder, porque continua­va a contar o dinheiro.

Acho que de casa.

Ela não estava notando coisa alguma. Alice esperou até Jill se levantar, com três sacos de lona branca, notas, cheques e moedas separados, indo guardar no cofre.

Bom, vou embora.

Avisarei a seu pai que esteve aqui.

Ao chegar em casa, Alice contou o dinheiro. Mil libras. Pensou no mesmo instante: Eu poderia ter tirado duas ou três mil... seria a mesma coisa. De qualquer forma, quando descobrirem que o dinheiro desapareceu, quando se lembrarem de que estive lá, saberão que fui eu. Perdida por um, perdida por mil.

Teria de se arrumar com aquela quantia.

Pensou por um momento no lugar em que poderia guardar o dinheiro. Não contaria a Jasper. Acabou abrindo seu saco de dormir, meteu os dois maços lá dentro, refletiu que só por muito azar alguém tocaria ali, descobriria o que ela tinha.

Noite de sexta-feira. Jasper e Bert estavam ausentes há dez dias. Haviam dito que voltariam naquele fim de semana.

Alice pensou em Pat. Onde estava ela? Desceu e encontrou-a na cozinha, de túnica e echarpe, com a mochila de lona verme­lha. Ela escrevia um bilhete e parou quando viu Alice, com um sorriso que era ao mesmo tempo severo e frágil revelando a Alice que Pat não gostava de despedidas e se apressaria agora.

Estou indo embora, Alice murmurou ela, mal permitindo que seus olhos se encontrassem.

Acabou com Bert?

As lágrimas afloraram aos olhos de Pat. Ela virou a cabeça.

Em algum momento eu teria de romper. Chegou esse momento.

Uma pessoa de fora não pode fazer comentários.

O coração de Alice estava contraído pela perda, o que a surpreendeu. Parecia que se afeiçoara a Pat.

Tenho de ir, Alice. Por favor, compreenda. Não é por causa de Bert. Continuo a amá-lo. E a política.

Está querendo dizer que não concorda com a nossa li­nha em relação ao IRA?

Não é isso. Não tenho qualquer confiança em Bert.

Pelo menos ela não acrescentou "e em Jasper".

Aqui está meu endereço, Alice. Não vou desaparecer. Não quero fazer rompimentos dramáticos, nada disso. Estarei trabalhando à minha maneira... no mesmo tipo de coisa, só que em algo que considero mais... sério.

Sério?

Isso mesmo, sério. Não vejo nada de sério nessa viagem à Irlanda, baseada apenas na palavra de alguém chamado Jack. Ela parecia cansada e repugnada, a palavra "Jack" foi pronunciada desdenhosamente. É tudo muito amador. E não pos­so mais aceitar.

Eu já imaginava que você iria embora.

Pat desviou a cabeça abruptamente. Porque estava chorando.

Ficamos juntos por tanto tempo...

A voz se tornara rouca e um pouco engrolada.

Não importa murmurou Alice, tristemente.

Eu me importo. E também me importo por deixar vo­cê, Alice.

As duas mulheres se abraçaram, chorando.

Voltarei prometeu Pat. Falamos sobre um congresso da UCC. Voltarei para ele. E por tudo o que sei, não suportarei me separar de Bert. Já tentei uma vez, antes.

Ela saiu, correndo, a fim de deixar as emoções para trás.

Os dois homens voltaram na noite de domingo. Alice percebeu no mesmo instante que haviam fracassado. Jasper estava apático, e Bert soturno, antes mesmo de ler a carta que Pat lhe deixara.

Ela fez jantar para Jasper, que logo depois subiu para seu quarto de dormir, no último andar. Bert disse que estava cansa­do, mas Alice seguiu-o e encontrou-o de pé no quarto que antes partilhava com Pat, sozinho. Ela entrou e disse, embora fosse evidente que Bert não estava pensando na Irlanda:

Eu gostaria de lhe fazer algumas perguntas. Jasper cos­tuma ficar esquisito quando sofre um desapontamento.

É o que também me acontece. — Mas Bert abrandou e ficou parado, as mãos pendendo. — Não conseguimos nada.

Sei disso. Mas por quê?

Alice pensava que aquela rejeição fazia emergir o melhor em Bert. Sem a afabilidade fácil, sem o brilho constante dos dentes brancos entre os lábios vermelhos e a barba preta, ele pare­cia sóbrio e responsável. E sacudindo a cabeça, murmurou:

Como vou saber? Simplesmente nos disseram não.

Ela não sairia enquanto Bert não contasse tudo. E foi o que ele acabou fazendo, Alice escutando com toda a atenção, a fim de projetar uma imagem em que pudesse confiar.

"Jack", em Dublin, estivera em bares e pontos de encon­tro, fizera indagações, reunira-se com um homem e outro, sem­pre informando a Bert e Jasper que tudo corria da melhor forma possível. Depois, Bert e Jasper — mas não Jack, um fato que para Alice devia dar o que pensar — encontraram-se com um certo camarada, numa certa casa secreta, num subúrbio. Ali, fo­ram interrogados por um longo tempo, de uma maneira que — Alice podia perceber pela expressão de Bert, enquanto rela­tava a história — não apenas impressionara os dois, mas tam­bém os deixara mais moderados. Assustara-os, concluiu Alice, satisfeita por isso, pois achava que Jasper era às vezes um pou­co negligente com as coisas.

Quase ao final desse encontro ou entrevista, um segundo homem aparecera, sentara sem dizer nada, limitando-se a escu­tar. Bert comentou, com uma risada curta e um balanço de cabeça:

Esse segundo cara parecia não ser de brincadeira. Eu não gostaria de enfrentá-lo.

O homem que conduzira a conversa ao final dissera, falan­do em nome do IRA, que se sentiam agradecidos pelo apoio oferecido, mas eles — Bert e Jasper — deviam compreender que o IRA não operava como uma organização política comum, e o recrutamento era efetuado com extremo cuidado, atendendo a necessidades específicas.

Jasper interrompera para declarar que é claro que compreendia:

Todos compreendem.

O camarada repetira então, palavra por palavra, o que aca­bara de dizer. E acrescentara que era útil para a causa republica­na ter aliados e partidários no próprio país opressor e que Jasper, Bert "e seus amigos" poderiam desempenhar um papel importante, mudando a opinião pública, fornecendo informações. Po­deriam ser abastecidos, por exemplo, com folhetos.

Jasper aparentemente se tornara excitado e fizera um longo discurso sobre o imperialismo fascista. Os dois homens, o que falara e o que se mantivera em silêncio, escutaram sem qualquer comentário e sem expressão.

A seguir, o homem silencioso simplesmente deixara a sala, com um sorriso e um aceno de cabeça. O sorriso, ao que parecia, impressionara Bert e Jasper.

Ele sorriu, ao final — repetiu Bert, com o pesar que impregnara todo o relato.

Podia-se até dizer que Bert estava embaraçado. Por si mes­mo e por Jasper? Por Jasper? Alice esperava que não fosse por causa de Jasper, embora, obviamente, fazer o discurso emocional não tivesse sido uma boa idéia.

Alice gostaria de continuar a conversa, mas Bert disse:

Já agüentei demais por hoje. Esse negócio com Pat...

Lamento muito — murmurou Alice. — E sei que ela também lamenta.

Obrigado — disse Jasper, secamente. — Muito obrigado.

E começou a tirar a túnica, como se Alice já tivesse se retirado.

Ela resolveu dormir na sala de estar outra vez, porque escolher um quarto agora seria a separação final. Jim apareceu no momento em que ela se acomodava. Ele passara o fim de sema­na com amigos, exultante. Eram amigos que não via há muito tempo, visitados agora porque havia algo para comemorar. Ali­ce percebeu que, depois de apenas três dias, Jim já parecia alerta e competente; ele se tornara embotado e lerdo com o desem­prego. E claro que todos sabiam que isso acontecia, mas teste­munhar os resultados tão depressa...

Satisfeita com Jim, apreensiva por Jasper, Alice ficou acor­dada por um longo tempo, na sala silenciosa. Não se podia ou­vir o tráfego da rua principal naquele lado da casa.

Sabia que nem Jasper nem Bert acordariam cedo, mas fez um esforço para se levantar a tempo de fazer companhia a Jim durante o chá com flocos de milho. Pensou que era um pouco parecida com a mãe, cuidando para que um filho comesse antes de sair para a escola. E não teve escrúpulos em dizer:

Tem certeza de que já comeu o suficiente? Não há can­tina na gráfica. Seria melhor levar alguns sanduíches.

E Jim, como um filho com uma mãe desvelada, respondeu:

Não se preocupe, Alice. Estou muito bem.

Depois Philip apareceu e foi discutido o problema da nova caixa-d'água. Ou melhor, uma boa caixa-d'água de segunda mão. Alice tinha alguma idéia de quanto custaria uma nova? Não, mas podia imaginar! Philip iria naquela manhã à sua fonte para tais coisas; se houvesse alguma disponível, ele gostaria de com­prar; nesse caso, teria dinheiro para isso? Alice autorizou-o a comprar a caixa-d'água, o pedaço do cano de escoamento e a calha. Entrando e saindo rapidamente da sala de estar, ela pe­gou trezentas libras no saco de dormir, não querendo que Philip soubesse quanto havia ali mas apenas porque não que­ria que ninguém soubesse. Um pensamento desconcertante e até mesmo vergonhoso insinuara-se em sua mente. Depois de adquiridas as necessidades daquela lista final, ela deveria guar­dar algum dinheiro numa poupança. Para si mesma. Um dinhei­ro de que ninguém teria conhecimento. Não era certo dispor de alguma reserva? Isso mesmo, abriria uma poupança e não contaria a Jasper.

Philip e Jim saíram. Roberta e Faye deviam estar dormin­do ou na comuna das mulheres. Mary e Reggie haviam passado fora um fim de semana prolongado e não voltariam antes do anoitecer. Bert e Jasper dormiam ou se mantinham em silêncio nos seus respectivos quartos. Alice sentou na extremidade da mesa, na cozinha em sossego. O gato, ausente há dias, reapare­ceu no peitoril da janela, recebeu permissão para entrar, acei­tou flocos de milho e leite, lambeu todo o prato e depois foi embora.

Alice sentia-se pesarosa. Aquela história do IRA fora o ím­peto de Jasper por meses. Muito antes da saída dramática da ca­sa de sua mãe já era o IRA... o IRA... o dia inteiro. A princípio, ela não levara a sério. Mas depois tivera de fazê-lo. Agora, tudo isso ruíra. Distribuir panfletos não poderia satisfazer Jasper.

Nem Bert, a quem ela vira no dia anterior como um camarada potencialmente responsável. Nunca passara pela cabeça de Jas- per ou de Bert a possibilidade de serem recusados. Por não se­rem considerados bastante bons. O IRA não levara Jasper e Bert a sério? Obrigando-se a analisar esse pensamento, devagar, de modo meticuloso, Alice revirou-o na mente, reconstituindo a cena, vendo com nitidez Jasper e Bert com os dois homens do IRA. Não pôde deixar de admitir que Bert e Jasper haviam cau­sado uma péssima impressão. E podia acontecer! Com Jasper, acontecia sempre.

Outra possibilidade era a de Jasper, Bert e os outros — inclusive ela própria — serem testados. Isso mesmo, era bem pos­sível. Alguém os vigiaria, sem que o soubessem. (O camarada Andrew surgiu vigorosamente diante de Alice a esta altura, e ela sorriu à imagem.) Mas certamente Jasper e Bert não haviam pensado nisso; e os camaradas irlandeses não lhes deram nada de específico para fazer.

Isso significava — Alice tinha de enfrentar o inevitável — alguns dias terríveis com Jasper. Quase não o veria. Ele sairia de casa, talvez voltando à noite para comer alguma coisa e sain­do outra vez. Certa ocasião, num momento de crise, Jasper as­sumira essa atitude por várias semanas, mais de um mês; ela vivera no terror da polícia batendo à porta e a notícia sobre Jasper temida desde que o conhecera. Quando ele estava daque­le jeito, não era muito cuidadoso.

A única esperança era seu vínculo com Bert. Cada vez mais firme. Bert podia salvar a situação sem sequer saber que havia uma crise.

Duas horas se passaram, Alice cada vez mais deprimida. Philip voltou, satisfeito, anunciando que seu amigo no depósi­to de refugos, com contatos em todas as demolições, dispunha de tudo o que a 43 precisava; o material se encontrava num furgão lá fora. Mas gastara as trezentas libras e precisava de dinhei­ro para pagar o carreto. No momento em que ele explicava isso, atravessando o vestíbulo junto com Alice, Jasper apareceu, des­cendo a escada quase correndo. Alice ficou imóvel, contemplando-o, o coração disparando. Sempre esquecia, quando pas­sava algum tempo sem vê-lo, como Jasper a afetava. A sua leve­za — cada passo dava a impressão de que ele poderia decolar! — e a maneira como parou ali, ao pé da escada, esguio e emper­tigado: era de pensar que ele era de outro mundo, tão pálido e gracioso, os cabelos curtos brilhando... Mas Jasper estava com a cara amarrada. Sob seu olhar, Alice teve de ir à sala de estar, onde dormira, enquanto ele sabia por que ela o fazia e se ajoelhava junto ao saco de dormir, que mal ficava fora de seu campo de visão. Ela se arriscava à sua entrada na sala; e ti­nha aquele sentimento ansioso e descontrolado que era fatal com Jasper. Ele compreenderia que ela fora pegar dinheiro. O que devia fazer? Alice pôs o que restava de um maço e outro ainda intacto dentro da blusa, onde ficaram visíveis. Colocou um ca­saco, embora Jasper fosse perceber no mesmo instante o moti­vo pelo qual o vestira, e saiu para o seu olhar frio e furioso, que a dissecava por completo. Bert aparecera na escada, pare­cendo cansado e desmoralizado. Que contraste entre Jasper e Bert: um parecia o anjo vingador o pensamento aflorou compulsivo à mente de Alice —, o outro se mostrava abatido e de­bilitado. Philip pediu jovialmente aos dois homens:

Podem me dar uma ajuda?

Jasper não se mexeu. Bert não se mexeu. Envergonhada por eles, Alice murmurou:

Eu ajudo.

Ela saiu com Philip. O motorista, Philip e ela tiveram mui­ta dificuldade com a caixa-d'água, que era pesada e grande, mas conseguiram tirá-la do furgão e levá-la para a casa. O motorista declarou que sua responsabilidade acabava ali. Philip foi buscar a calha e o pedaço do cano de escoamento e tornou a entrar. Bert e Jasper estavam na cozinha, a porta fechada. Alice entrou assim mesmo e disse:

Mas que merda! Será que vocês não podem nos ajudar a levar aquelas coisas lá para cima?

Os dois comunicavam desaprovação e ira por trás daquela porta fechada. Agora, Jasper disse:

Alice, você ficou louca ou o quê? O que pensa que está fazendo? Para que todo esse lixo?

Ela se obrigou a enfrentá-lo.

A caixa-d'água está podre, completamente enferrujada. Quer só Deus sabe quantos galões de água desabando em cima da gente?

Não me importo respondeu Jasper. Se cair, iremos para outro lugar, como sempre fizemos.

Essa traição fria e cruel penetrou até o mais fundo de Alice, deixando seus olhos obscurecidos. Quando se recuperou, descobriu que agarrava a beira da mesa para manter o equilíbrio. Fitou Jasper, ignorando Bert, que punha a chaleira para esquen­tar, cortava pão.

Você sabe que gosto de um lugar decente para morar, um lugar agradável. E claro que sabe...

Mas que merda! — exclamou Jasper, melodramático, porque Alice estava destruindo a imagem que ele gostava de apre­sentar a Bert. — Não vou me envolver com essa história. E quanto está custando? Quanto gastamos desta vez?

Os olhos azuis, duros e redondos, que naquela manhã pareciam se projetar dos lagos cremosos e rasos ao redor, estavam repletos de ódio. Alice sabia o que podia esperar no momento em que ficassem a sós.

Apelou para Bert:

Ajude-nos, por favor. Philip e eu não podemos carregar tudo sozinhos. Olhe só para Philip!

Lentamente, sem qualquer mudança na expressão, Bert pas­sou manteiga no pão e sentou. Depois, erguendo os olhos e ven­do o rosto de Alice, ele se levantou inesperadamente, tão ágil e transbordando de energia quanto antes estava apático (mas era a energia de raiva), e saiu com ela para o vestíbulo, onde Philip, frágil como uma folha, esperava junto à caixa-d'água. Sem di­zer uma só palavra, Bert inclinou-se e levantou um lado da caixa- d'água, deixando Philip e Alice se ajustarem da melhor forma possível. Com ela esbarrando em toda parte, de tão furioso, os dentes brancos agora aparecendo entre os lábios vermelhos con­traídos, numa careta de esforço, a caixa foi levada lá para cima, com muitos danos para o corrimão. No último andar, Bert sim­plesmente largou a caixa e desceu apressado. Alice e Philip ou­viram a porta da cozinha bater de novo, excluindo-os. Ela olhou para Philip com uma expressão de desculpa. Mas ele não a fita­va. A caixa precisava ser deslocada para a extremidade do peque­no patamar. A outra, a enferrujada, estava no sótão. Não havia como passar aquela caixa pelo alçapão. Mistério! Como os cons­trutores da casa pensavam que uma nova caixa poderia ser levada para cima, quando a caixa original, presumivelmente instalada antes de o telhado ser concluído, chegasse a seu fim natural? Deviam acreditar que as caixas-d'água tinham uma vida eterna.

Mas a distância entre o lugar onde a nova caixa se encontra­va agora, bloqueando a passagem no alto da escada, e o lugar em que devia ficar era grande demais para que a deslocassem.

Alice viu Philip aflito, envergonhado, vulnerável.

Espere aqui — murmurou ela.

Alice desceu e viu Jasper saindo da sala de estar, onde obviamente estivera procurando por seu dinheiro. Parando no úl­timo degrau, ela disse isto, sem saber que o faria:

Já agüentei demais, Jasper. Se você não é capaz de aju­dar numa coisa tão pequena, quando eu faço tanto, então vou embora.

Como se não estivesse a caminho da cozinha, ele se virou abruptamente e subiu correndo a escada. Quando Alice chegou lá em cima, ele deslocava a caixa junto com Philip para o lugar em que deveria ficar. Ali estava o outro Jasper, inteligente, rá­pido, engenhoso. Pois Philip dissera que tábuas, pedaços de pa­pelão, qualquer coisa, precisavam ser colocados por baixo da caixa para levantá-la, por causa dos canos se projetando, e Jas­per, vendo as pilhas de jornais que haviam descido do sótão, recolheu tudo num instante e transformou numa plataforma de quase meio metro. Alice percebeu que, enquanto ajuntava os jornais rapidamente, ele separava alguns, como se fossem car­tas de um baralho num jogo qualquer, com manchetes interes­santes: "Os Manifestantes de Jarrow... " "Hitler Invade... " "A Batalha de El Alamein... "

Se os camaradas irlandeses pudessem vê-lo agora!, pensou Alice, observando seu trabalho eficiente e rápido; e depois como ele, Philip e ela própria levantaram a enorme caixa, como se nada pesasse, para cima dos jornais...

Jasper não a fitara. Ela estava quase desfalecendo com a violência de seu coração. Era perigoso demais ameaçar Jasper. E se ele a deixasse? Oh, não, ele não a deixaria. Alice tinha certe­za absoluta. Não podia deixá-la.

Jasper desceu a escada correndo, sem um sorriso ou olhar, e ela tornou a ficar a sós com Philip. Que estava aflito. Pela atmosfera em que se envolvera, que Alice sabia ser veneno puro.

E sabia também que Philip pensava: Se eu não tivesse me esforçado tanto nesta casa, talvez fosse melhor ir embora. Além do mais, ele estava transtornado pela partida de Pat.

Alice deixou Philip concentrado no trabalho, pensando que dessa vez lhe dera o dinheiro para os materiais, mas não pela mão-de-obra. Ela quase voltou para lhe entregar o dinheiro que tinha... Desceu alguns degraus... e quase tornou a subir, he­sitou e depois — a sorte estava do seu lado — acabou fazendo-o. Deu a Philip o que restava do pacote já usado — não chegava a duzentas libras, é verdade, muito longe do que deveria ser — e desceu para a cozinha, abrindo a porta ousadamente, sem se importar que tivesse sido fechada para excluí-la.

Bert se fora.

Jasper a esperava.

De onde tirou aquele dinheiro?

Não é seu dinheiro, por isso cale a boca.

Está nos deixando enojados, Alice. Achamos que ficou insuportável. Só se preocupa com o seu conforto.

O que é uma pena.

Alice sentou. A luz forte da manhã, Jasper, parado à sua frente, parecia um tanto vulgar e até mesmo feio — foi o que pensou Alice, que há apenas poucos momentos se derretia num êxtase familiar de admiração por ele.

Jasper olhava para sua cintura. O blusão, posto às pressas, estava aberto. Na frente, por dentro da blusa de algodão, apare­cia a protuberância do maço de dinheiro.

Por um momento, Alice temeu que ele pudesse avançar, agarrar seu pulso e arrancar o dinheiro. Jasper não fez isso; ape­nas se aproximou da janela e ficou olhando para fora. E declarou:

Não precisa pensar que vou desistir, aceitar a palavra deles como a decisão final!

Alice demorou um momento para compreender: ele estava falando sobre os camaradas irlandeses. Ela murmurou:

Claro que não.

Alice acreditava, com um abrandar do seu pobre coração, que agora poderia começar a discussão objetiva e responsável que tanto gostava de ter com Jasper. Mas a porta foi aberta e ela se virou para deparar com Jim. Que a princípio pensou que não era Jim. A pele marrom lustrosa estava pálida e áspera, os olhos pareciam vidrados.

O que aconteceu? Qual é o problema?

Ela se aproximou de Jim, que tratou de se desvencilhar.

Fui despedido.

Oh, não! Ele não pode ter feito isso!

A respiração de Jim era ofegante. Um som alto, angustiante.

Disseram que roubei dinheiro.

Oh, não! — Uma pausa e Alice repetiu, mas agora num tom diferente: — Oh, não!

Jasper observava a cena em silêncio.

De que adianta? — indagou Jim, aos céus, não a ela, parecendo histriónico, mas não o sendo, pois a indagação tinha toda a sua vida por trás. Ele olhou direito para Alice, vendo-a. — De qualquer maneira, Alice, obrigado. Sei que você tentou. Mas não adianta.

E saiu, a cambalear e chorar. Alice foi em seu encalço.

Espere um pouco. Vou até lá imediatamente. Darei um jeito. Vai ver só.

fim sacudiu a cabeça, foi para a sua sala e fechou a porta.

Alice ficou parada do lado de fora, pensando. Jasper veio na cozinha. Exibia um sorriso de cumplicidade, até mesmo de congratulações. Claro que ele não adivinhara toda a verdade, pois ninguém poderia imaginar a sua sorte, fazendo com que o telefone tocasse naquele exato momento. Mas Jasper compreendera, sendo tão inteligente, a essência do que acontecera.

Vou conversar com meu pai.

É melhor não ir com isso aí — sugeriu Jasper, acenando com a cabeça para a sua cintura.

Ele falou suavemente, como um camarada num momento difícil. Sem pensar, como se não houvesse mais nada que pudesse fazer, Alice enfiou a mão por baixo da blusa. O maço de notas ficara preso na cintura do blusão e ela ficou puxando. Os dedos deslizaram pela pele sedosa e quente e num relance doce e íntimo de lembrança ou advertência seu corpo (seu corpo se­creto e vivo, que ela ignorava durante quase todo o tempo, fa­zendo um esforço para esquecê-lo) adquiriu vida e falou-lhe. Os dedos comicharam com o calor e ela ficou imóvel, parecendo perplexa ou indecisa, o maço de notas solto na mão. Dava a impressão de que tentava se lembrar de alguma coisa. Jasper ti­rou o dinheiro de sua mão e guardou-o no bolso da túnica.

Vou conversar com meu pai — repetiu Alice, falando bem devagar, ainda desconcertada com a mensagem do seu eu sepultado, que vibrava na ponta dos dedos e subia pelo braço.

Desceu lentamente pelo caminho até o portão, saiu pela rua principal a caminho da estação do metrô, ainda sonhando, ain­da envolta por uma teia de insinuações, lembranças, estímulos. Levou os dedos seduzidos ao nariz e cheirou, parecendo ainda mais perplexa e consternada. Percebeu que parara na calçada, com as pessoas passando, o tráfego correndo para um lado e outro — há quanto tempo estava ali, imóvel? Não pôde deixar de olhar para a casa, refletindo que Jasper poderia estar espionando-a. E estava mesmo. Vislumbrou sua palidez na janela do banheiro no primeiro andar. Mas ele desapareceu no instante seguinte.

Suas energias voltaram num ímpeto, ao pensamento de que agora, com todo aquele dinheiro, Jasper poderia ir para algum outro lugar: se quisesse alcançá-lo, tinha de se apressar.

Em C. Mellings, Printers and Stationers, Alice passou dire­to pela loja e subiu para a sala do pai. Ele estava sentado à sua escrivaninha, enquanto Jill, a secretária, sentava à mesa do ou­tro lado. Alice parou na frente do pai e perguntou:

Por que despediu Jim? Por que fez uma coisa dessas? Foi uma atitude nojenta de fascista. Só porque ele é negro, mais nada.

Ao ver a filha, Cedric Mellings ficara vermelho, depois empalidecera. Inclinou-se para a frente, apoiado nos antebraços, os punhos cerrados.

O que está fazendo aqui?

O quê? Vim porque você despediu Jim. Como pôde fa­zer isso? Foi uma injustiça!

E Alice chutou a frente da mesa, com toda a força, várias vezes.

Dei um emprego a Jim Mackenzie porque nossa políti­ca sempre foi a de contratar negros, indianos, qualquer um. Sempre operamos aqui numa base de política não-racial. Como você sabe muito bem. Mas eu já devia imaginar que era melhor não aceitar ninguém recomendado por você.

A voz de Cedric era agora baixa e amargurada, ele parecia estar se sentindo mal.

Vá embora, Alice. Saia daqui. Já agüentei tudo o que po­dia suportar de você.

Vai me escutar! — gritou ela, estridente. — Jim não pe­gou o dinheiro! Fui eu! Como se é capaz de tamanha estupi­dez? — O último comentário foi endereçado a Jill. — Eu estive no escritório, não estive? Você é cega, idiota ou qualquer coisa parecida?

Jill levantou-se, papéis e canetas esferográficas caindo para todos os lados. Ficou olhando para Alice, atordoada, tão pálida quanto o patrão.

Não fale assim com Jill! — interveio Cedric Mellings. — Como se atreve a entrar aqui e... Que história é essa de que foi você quem levou o dinheiro? Como poderia...

Nesse ponto ele pôs a cabeça nas mãos e soltou um gemi­do. Jill teve uma ânsia de vômito e correu para o banheiro.

Alice sentou na cadeira à frente da mesa do pai e esperou que ele se recuperasse.

Você levou o dinheiro? — indagou Cedric finalmente.

Claro que fui eu. Estive aqui, não estive? Jill não contou?

Não me passou pela cabeça. Ela também não pensou nes­sa possibilidade. Por que deveria?

Ele se recostou agora, os olhos fechados, fazendo um esfor­ço para se controlar. As mãos tremiam, em cima da mesa.

Vendo isso, Alice experimentou um ímpeto de triunfo e depois de compaixão. Sentia-se contente pela oportunidade de ob­servar o pai sem que ele percebesse.

Sempre pensara no pai como um homem atraente, até mes­mo bonito, embora soubesse que nem todos pensavam assim. A mãe, por exemplo, tinha o hábito de chamá-lo de "Medo­nho", nos momentos críticos.

Cedric era compacto, com tendência para engordar, a pele bem clara, um pouco sardento, cabelos louros sempre curtos, que pareciam avermelhados sob algumas luzes. Seus olhos eram azuis. Alice sentia um orgulho sincero de sua história, de sua carreira.

Cedric Mellings era o caçula de vários filhos. A família vi­nha das proximidades de Newcastle. Havia ligações escocesas. O avô de Cedric fora clérigo. O pai era jornalista e longe de ser rico. Todos os filhos tiveram de se esforçar ao máximo para obter instrução e se lançar na vida. Cedric era jovem demais para a guerra e por isso nunca perdoara o destino.

Ao contrário dos irmãos, não parecia capaz de se arrumar na vida; desperdiçara seu tempo na universidade, casara muito cedo, viera para Londres, tivera diversos empregos; escrevera um livro, que fora notado mas não dera dinheiro, depois outro, um relato animado e irreverente sobre a carreira de um jor­nalista na província. Era baseado na vida do pai e fizera bastante sucesso para lhe render cinco mil libras, um bocado de dinhei­ro em meados dos anos 50. Compreendera com os conselhos e apoio de Dorothy que era uma oportunidade que talvez não se repetisse. Comprara uma gráfica que fora à falência e lo­go, graças a seus contatos no Partido Trabalhista e todos os ti­pos de grupos políticos de esquerda, tinha um movimento suficiente para sustentá-lo, com a produção de panfletos, peque­nas brochuras e volantes, seguindo-se dois pequenos jornais. A firma prosperara com os bons tempos dos anos 60, e Cedric ini­ciara a seção de papelaria como uma especulação, mas dera cer­to imediatamente. Na maior felicidade, a família deixara o apartamento pequeno e miserável em Stockwell e comprara uma casa confortável em Hampstead. Bons tempos! Era o que todos lembravam dos anos 60, uma época áurea, em que se conseguia tudo com facilidade. Tempos de amizades fáceis, empregos, oportunidades, dinheiro; as pessoas sempre entrando e saindo, lon­gas refeições de família à mesa grande na cozinha enorme, vi­tórias na escola, festas, férias por toda a Europa.

Cedric Mellings tivera uma ou duas ligações extraconjugais, e o mesmo acontecera com Dorothy Mellings. Choques, tempestades, acessos de raiva, acusações; longas discussões familia­res, as crianças envolvidas, coisas remendadas e abafadas, a família unida. Mas, a essa altura, as crianças estavam crescendo, cres­cendo, saindo de casa Alice para o norte, de volta ao territó­rio do pai, embora a princípio não percebesse isso.

Cedric Mellings e Dorothy Mellings ficaram sozinhos na enorme casa. Que não deixara de ficar repleta de visitas, entrando e saindo, comendo e bebendo. Cedric apaixonara-se por Jane. E fora viver com ela. Dorothy continuara na casa enorme.

Tudo acabara. Explodiram e desapareceram os bons tem­pos, os empregos fáceis, parecia que até as conquistas, os ami­gos, afeição, dinheiro.

Cedric e Dorothy pareciam um centro, talvez mesmo essencial; muitas pessoas famosas freqüentavam a casa, com suas conversas sobre política, livros, causas, marchas a favor disso e daquilo, manifestações. Parecia haver um brilho ou lustro em Cedric e Dorothy, uma aura ou atmosfera de sucesso, de con­fiança em torno deles. Mas depois... o que acontecera com tu­do aquilo? Cedric com Jane era muito diferente. Por um lado, a casa era muito menor, porque, no final das contas, C. Mel­lings Printers and Stationers tinha de sustentar duas famílias; a casa de Cedric e Jane não possuía aquele clima esquivo mas inequívoco de descontração, de sucesso. Dorothy, sozinha na casa grande por algum tempo e depois com Alice e Jasper, pa­recia ter cada vez menos amigos. As pessoas que apareciam pa­ra uma refeição com Dorothy Mellings enquanto Alice lá estava, com Jasper tendiam a vir sozinhas ou aos pares, a maio­ria mulheres, talvez precisando dos conselhos de Dorothy ou mesmo de tomar dinheiro emprestado; amigas divorciadas muitos dos casais que freqüentavam os Mellings nos bons tem­pos haviam se separado. Óu era um casal que ficava relembran­do os bons tempos do passado, como tudo estava diferente agora. Se Dorothy oferecia uma festa, era sempre pequena, um gran­de esforço. Ela dava a impressão de estar cansada de tudo, de ter esquecido como as festas aconteciam espontaneamente nos anos 60 e início dos 70. Tomavam a casa de assalto, sugavam as pessoas de todas as partes, os telefones retiniam com convites informais e encomendas de vinho e comidas.

Por algum tempo, Cedric Mellings fora o patinho feio da família que se transformara em cisne pois quem mais entre os seus irmãos levava uma vida tão cintilante e glamourosa? —, mas agora se restabelecera a qualidade de patinho feio. Mas o que tudo aquilo representava?, pensou Alice, desdenhosa e triun­fante, contemplando o rosto muito pálido do pai, ansioso e ten- so, com gotas de suor na testa: imprimir um lixo nojento para esta ou aquela facção nojenta do fascista e nojento Partido Tra­balhista, imprimir jornais asquerosos para os asquerosos libe­rais e revisionistas, explorar os políticos de merda oportunistas e o lixo burguês, coisas que estavam de qualquer forma fadadas a serem varridas para as latas de lixo da história?

Tudo fora lixo, sem exceção. O que Alice não podia se per­doar era deixar-se embalar por tudo aquilo... Mas tivera o bom senso de sair a tempo e conhecer pessoas que podiam levá-la pelo rumo certo...

Cedric Mellings finalmente suspirou, abriu os olhos e, ten­do definido sua posição, inclinou-se para a frente e disse, sem fitar Alice:

Muito bem, você pegou o dinheiro, se é o que afirma. Lamento muito pelo rapaz. Diga a ele para voltar e... Tenho certeza de que poderemos endireitar tudo. E agora vamos falar de você, Alice. Imagino que será uma surpresa para você, já que vive num mundo de sonho, mas aquelas mil libras não são uma quantia que a firma esteja em condições de perder. Também es­tamos sofrendo com a recessão. Os tempos são incertos... tal­vez tenhamos de fechar. A gráfica, não a papelaria.

Ele deu a risada incrédula e admirada que costumava acompanhar qualquer referência à papelaria.

Cartões de cumprimentos! Esse é o grande negócio. Sem falar nos doces, chocolates e todas essas porcarias.

Cedric fitou Alice agora e foi capaz de sustentar o olhar, embora fosse evidente que isso exigia algum esforço, manter os olhos nos olhos da filha; ele não podia compreender o que esta­va vendo.

Posso supor que não adianta lhe pedir para devolver o dinheiro? — ele quase suplicou.

Ao ouvir isso, Alice riu. O riso reconhecido, de admiração, alguma espécie de necessidade que Cedric, o pobre tolo, não podia sequer começar a entender. Mas ele acenou com a cabeça, como se compreendesse, e acrescentou:

Imagino que o seu Jasper já se apropriou do dinheiro. Bom, sei que não adianta dizer qualquer coisa a respeito dele para você. É completamente cega nesse ponto. Mas precisa compreender uma coisa: não terá mais qualquer dinheiro meu. Não vejo motivo para que eu deva sustentar aquele... Vamos dei­xar por aqui. Estou apertado em matéria de dinheiro, Alice... pode entender isso? E não foram as mil libras. Há poucos dias algum desgraçado entrou em nosso quarto, meu e de Jane, e levou...

E de repente, enquanto o pensamento lhe ocorria, ele sacudiu-se para trás na cadeira, como se tivesse levado um pequeno choque elétrico, depois ficou olhando atordoado para Alice, a boca literalmente escancarada. Até aquele momento, esse furto não fora relacionado com Alice. Ela limitou-se a sor­rir, sem admitir nada, mas sabendo que não precisava perder tempo com negativas.

Outra vez Cedric ficara chocado até o fundo do coração, não podia falar, empenhou-se angustiado em ordenar os pensamentos. A respiração era rasa, ofegante. Tateou à procura de um cigarro, acendeu-o desajeitado, pôs-se a tragar como se a fu­maça fosse um narcótico. E, finalmente, murmurou:

Alice, não sei... Agora você virou ladra? E isso? E as­sim que vive? Não posso entender. Cedric apagou o cigarro, esmagando-o como se quisesse fazer a mesma coisa com Alice. Pensei que fosse algum vagabundo, esses garotos que entram numa casa num impulso súbito...

Foi a essa altura que o pensamento seguinte atingiu-o, deixando-o outra vez atordoado.

Foi você? Também jogou aquela pedra?

Ele sabia que fora; não era uma pergunta. E continuou, de­pois de uma pausa:

Aquela pedra não acertou Deborah por menos de um palmo. Havia vidro por toda parte. . . um estilhaço acertou na perna de Jane...

Cedric sacudiu a cabeça, como um cachorro com dor nos ouvidos. Estava se livrando de Alice para sempre.

Claro que você acertou em todos os seus cálculos, Alice. Concluiu que eu não chamaria a polícia porque é minha filha. E não vou fazê-lo desta vez. Mas na próxima chamarei. Para mim, você se transformou numa espécie de animal selva­gem. Está além do julgamento normal.

Alice levantou-se. Não sentia angústia por aquela repulsa; achava que já fora rejeitada e abandonada há muito tempo.

Qual é o endereço de minha mãe?

Cedric levou algum tempo para registrar a pergunta. Preci­sava se dar tempo para que o pensamento o alcançasse.

Quer dizer que perdeu o endereço dela?

Nunca tive. Ela foi embora, não é? Simplesmente dei­xou a nossa casa, abandonou-a.

A voz de Alice era uma acusação furiosa.

Do que está falando? Há meses que ela planeja se mudar.

Porque você não a sustenta.

Porque eu não sustento vagabundos como você e Jasper.

Mas qual é o endereço dela?

Descubra você mesma. Daqui a pouco estará roubando da pobre Dorothy e jogando pedras em suas janelas.

Mas o comentário foi feito em voz hesitante; ele ainda não podia acreditar.

Alice deixou a sala e atravessou o corredor até o escritório geral na frente. Perguntou à moça encarregada dos arquivos:

Qual é o endereço de minha mãe? Dorothy Mellings. Qual é seu endereço?

A moça, é claro, não fora informada do escândalo da filha do patrão e de bom grado foi ao arquivo, encontrou a ficha e leu para Alice, que memorizou o endereço e se retirou. Passou por Jill, que a fitou atentamente, com uma expressão quase suplicante, como se ela fosse uma assassina ou assaltante que pu­desse atacá-la.

Alice passou pela papelaria, cheia de idiotas comprando revistas sobre a vida graciosa e romântica, romances de aventuras e lindos cartões que diziam "Para um Amigo Especial", "Amor no Seu Aniversário" ou "Estou Pensando em Você". Ou cai­xas de papel de carta com desenhos de narcisos ou rosas. Ou... tudo merda, um verdadeiro lixo.

Foi para um café na Finchley Road e ali sentou por um lon­go tempo, sozinha, tomando um café forte. Precisava pensar.

Concluiu que era improvável que o vínculo com Bert impedisse Jasper de se lançar numa de suas bebedeiras; que teria de sentar e esperar; que Bert quase que certamente partiria à procura de Pat; que a melhor coisa que ela podia fazer era orga­nizar um Congresso da UCC o mais cedo possível. O trabalho para isso fomentaria na casa o sentimento, o clima apropriado, acabando com a atmosfera desagradável do último dia. Acabara de salvar a situação de Jim. Mas Philip, uma alma gentil e até tímida, iria embora se ela não fizesse alguma coisa.

Quando chegou em casa, encontrou aberta a porta da sala que Jim ocupava; todas as suas coisas haviam desaparecido.

Foi um golpe duro. Alice chorou, parada ali, olhando para a sala em que nada restara de Jim. Nem os instrumentos musicais — tambores, guitarra, acordeão —, nem o saco de dormir, as roupas, o toca-discos... nada. Jim sumira daquela sala co­mo se nunca tivesse estado ali.

Ela não tinha endereços de amigos ou família.

Ficou na porta aberta, levantando os punhos cerrados para os lados da cabeça e batendo, batendo com força, enquanto se lamuriava:

Não, não, não, oh, não...

Passos desceram a escada correndo; era Faye, indignada, ultrajada.

Qual é o problema?

Jim... ele se foi... sumiu...

Boa viagem! exclamou Faye, rindo. Nós não gostávamos mesmo dele.

Levantando os olhos, Alice avistou Philip, acima de Faye. Seu rosto dizia que ouvira o comentário, como Faye sem dúvida queria que acontecesse. Mas ela também viu Roberta, que se encaminhou apressada para Faye, agarrou seus braços e puxou-a para longe. O rosto de Roberta era grave e chocado magoado por causa de Faye.

A voz baixa e persuasiva de Roberta; a risada alta e estri­dente de Faye. Uma porta foi batida. Roberta desceu correndo, segurou Alice, começou a confortá-la no choro.

Calma, calma, calma...

A culpa é minha soluçou Alice. Toda minha. Fui eu que fiz. Tudo por minha causa.

Calma, calma... Não tem importância.

Ela levou Alice para a sala de estar e obrigou-a a se meter no saco de dormir. Foi buscar um copo de uísque, fê-la beber, para dormir, esquecer.

Alice histérica, como Faye tantas vezes histérica, estava sen­do dopada para se tornar inofensiva.

Ela dormiu até a noite. Depois, encontrou na cozinha Ro­berta e Faye, Mary e Reggie. Jasper não estava ali. Bert saíra para tentar persuadir Pat a voltar. Sentando, Alice disse:

Acho que devemos organizar um Congresso da UCC.

Outra decisão democrática? indagou Faye, rindo.

Estou sugerindo. Apresentando a proposta.

Eu sou a favor declarou Roberta. Há uma porção de membros que nunca conhecemos. Uma nova seção, novos grupos... devemos nos encontrar.

Parece uma boa idéia — comentou Reggie, no tom ponderado de alguém que sempre aprecia os congressos, discussões, quaisquer manifestações do processo democrático.

Também concordo acrescentou Mary. Estive pensando que pode ser o tipo de partido político que venho procu­rando. Não tenho tempo para os grandes partidos burocráticos.

Quando? perguntou Faye.

Muito em breve respondeu Alice. Quanto mais ce­do melhor. O partido está crescendo depressa. Precisamos consolidar e formular as políticas agora.

Concordância geral, embora Faye só aceitasse porque Ro­berta aderira à proposta.

Cinco dias e cinco noites seguiram-se sem Jasper. Bert vol­tou, sem conseguir o que queria e com uma aparência encova­da e amargurada que Alice continuou a encarar como uma melhoria. Bert perguntou onde Jasper estava; Alice, como sem­pre encobrindo, respondeu que Jasper decidira visitar um irmão. Bert, que no final das contas passara bastante tempo em com­panhia de Jasper, mostrou-se surpreso porque nunca fora men­cionado um irmão. Alice explicou que Jasper visitava o irmão porque era seu único "parente viável". A expressão fez com que Bert a olhasse de maneira estranha, mas ela explicou que Jasper tinha uma família de merda e o irmão era o único decen­te. (As visitas de Jasper ao irmão de fato aconteciam, embora raramente.)

Bert, Alice ficou satisfeita ao constatar, sentia falta de Jas­per, tendia a se mostrar desorientado, sem saber o que fazer. Mas estavam numa fase de atividade intensa, pois o congresso seria realizado no fim de semana depois do seguinte, ali mes­mo, naquela casa, número 43. Mensagens eram despachadas e cartas escritas, sempre havia idas apressadas às cabines telefôni­cas na estação do metrô.

Alice assumiu a maior parte do trabalho, mas Bert visitou a seção em South London, a fim de providenciar que todos ali se sentissem inspirados a comparecer. Foi indagado ao número 45 se as pessoas não queriam participar, se não como membros ou membros em potencial, pelo menos como delegados ou observadores. Alice sabia que era inevitável a presença de obser­vadores; e não ficou surpresa quando a mulher-ganso Muriel declarou que estaria presente. O camarada Andrew comunicou que gostaria de comparecer, mas estaria ausente na ocasião.

As duas casas poderiam ser usadas como dormitórios, se o número 43 fosse insuficiente.

Alice deveria providenciar comida farta, mas barata. Para variar, foram garantidas algumas contribuições a seus fundos, já que se cobrariam aos delegados taxas mínimas pela alimentação e alojamento. Depois de alguma contribuição, fixou-se a quantia de duas libras por pessoa para o fim de semana.

Alice também disse que seria ótimo se todo o lixo que ain­da restava no número 45 fosse removido, pois causava uma péssima impressão. Como nada fosse feito, ela tomou o carro emprestado e fez várias viagens, com a ajuda de Philip, ao vaza­douro de lixo.

As apreensões de Philip e sua mágoa por causa de Jim fo­ram aliviadas pelo congresso e o clima feliz que estava criando.

Bert visitou o número 45 várias vezes durante aqueles cin­co dias. Conversava com o camarada Andrew, como Alice o sabia, pois também visitava o camarada Andrew, que parecia querer conversar sobre Bert, não fazendo segredo de seu plano para ele, que era o caminho de um emprego, segurança e res­peitabilidade. É um "treinamento especial", não-especificado, mas compreendido. Alice não podia deixar de especular sobre a escolha de Bert; por que Andrew mudara de idéia a seu res­peito? Ela própria não confiava muito em Bert. Ele se deixava levar com muita facilidade, por exemplo. Haveria alguma ou­tra coisa que Bert discutia com Andrew? Alice estava ansiosa por saber, pois se o IRA não aceitara Bert e Jasper (e, por ex­tensão, o resto deles, inclusive Alice), então alguma outra coisa do mesmo tipo tinha de aparecer. Todos queriam ser úteis, ser­vir de alguma forma! Alice sondou Andrew, mas ele não estava disposto a revelar coisa alguma ou ignorava as idéias alternati­vas de Bert e Jasper. Alice sondou Bert, mas parecia que ele es­perava por Jasper para "formular um compromisso de acordo com nossos recursos". Mais uma vez, Alice pensou: "Ah, as im­pressões fáceis!" — nesse caso, a impressão, como ela sabia que muitas pessoas tinham, era a de que Jasper era o dependente de Bert, seu discípulo.

Jasper se referira várias vezes a Muriel, o que poderia constituir uma indicação para Alice, se sua aversão a Muriel não aflo­rasse prontamente, impedindo-a de prestar atenção ao que po­deria fazer. Jasper comentara que Muriel estava deixando a 45. Começaria a trabalhar. "Um trabalho de verdade", enfatizara ele, com um sorriso orgulhoso, mas discreto, convidando Alice com os olhos e a atitude a compreendê-lo. Mas o que ela preci­sava ouvir de Jasper era a declaração de que ele considerava Mu­riel tão insignificante quanto ela achava; com toda a certeza, Jasper não gostava dela, e Alice sabia disso.

— O camarada Andrew já acertou tudo, o treinamento e o resto.

O respeito que ele tinha por Andrew fazia com que aquilo que pudesse sentir em relação a Muriel não tivesse a menor importância.

Alice tentou até descobrir por intermédio de Muriel quais podiam ser os planos de Jasper. Mas assim que ouviu o no­me de Jasper, Muriel disse incisivamente que em sua opini­ão Andrew era "basicamente" um membro de confiança e útil. O que pareceu a Alice inteiramente despropositado. E ela especulou: Seria por causa de suas dúvidas ocasionais em relação a Andrew?

Tais dúvidas, difíceis de definir, porque a razão sempre as pulverizava, cristalizavam-se no fato de que o camarada Andrew muitas vezes cheirava a bebida; não podia criticá-lo por sua par­cialidade para com a mulher-ganso, porque aprendera há muito a não se aventurar por essa área. Sabia que as pessoas precisa­vam de todo aquele sexo, e o encontravam com pessoas surpreen­dentes e às vezes de maneiras surpreendentes. Só porque o camarada Andrew era... o que ele era, isso significava que de­via fazer um voto de celibato? Não! Mesmo assim. . . Garrafas de vodca e uísque se acumulavam no consolo da lareira da sala que ele ocupava, muitas vezes substituídas.

Havia outra moça, Caroline, que aparentemente também vivia na 45, embora quase não fosse vista. Alice gostaria de conversar com ela, pois se sentia atraída por alguma espécie de afi­nidade; mas, ao que tudo indicava, Caroline não sentia a mesma coisa. De qualquer forma, ela permanecia apartada. Era uma mu­lher — ou moça, pois ainda tinha vinte e poucos anos — baixa e um tanto gorducha, não desprovida de atrativos, que dava a impressão de sorrir com freqüência. Talvez fosse esse sorriso fácil que atraía Alice, embora os olhos, sempre vigilantes, fos­sem duros como botões castanhos. A impressão geral, no en­tanto, era de boa índole, de vontade de agradar. Caroline, disse a mulher-ganso friamente, não estava disposta a seguir as deter­minações do camarada Andrew para se tornar um membro útil, mas tinha (Muriel achava e, por isso, Andrew devia pensar igual) tendências para o idealismo liberal.

Caroline tinha uma amiga chamada Jocelin, que costuma­va visitar a 45 e que talvez até decidisse viver ali. Ao contrário de Caroline, ela era desagradável. Corpulenta, podia-se mesmo dizer que atarracada, com cabelos louros lisos, repartidos no meio e afora isso desgrenhados, andava em passos firmes e deli­berados, sem olhar muito para as outras pessoas, sorrindo tão facilmente quanto Caroline, porém acenando com a cabeça indiferente quando Alice a vislumbrava através de uma porta ou atravessando o vestíbulo com toda a sua eficiência.

Havia também uma dupla de rapazes que viviam na 45 e que Alice não chegara a conhecer. A mulher-ganso disse que Andrew estava "trabalhando" os dois ao que parecia, com sucesso. Eram do norte da Inglaterra, da classe operária, desem­pregados mas, assim se julgava, apenas temporariamente. Os quatro Caroline, Jocelin, Paul e Edward — recusaram-se a comparecer ao Congresso da UCC, mas iriam à festa, na noite de sábado. Em suma, haveria muitos observadores durante aque­le fim de semana; mas, refletia Alice, por que não?

Jasper voltou na noite de domingo. Como sempre aconte­cia depois de suas excursões, parecia doente. Emagrecera, esta­va mais esguio do que o habitual. A pele sedosa estava opaca e manchada, os olhos injetados, a aparência debilitada, como se o seu eu essencial tivesse sido atacado ou exaurido. Procurou Alice imediatamente, e ela alimentou-o com sua sopa, um bom pão e um copo após outro de leite gelado, que ela guardara na geladeira, à sua espera. Não houve qualquer comentário sobre o dinheiro.

Informado sobre o congresso, ele se mostrou a princípio indiferente, depois perguntou por Bert, que gracejou sobre sua aparência e disse que o irmão não devia ter lhe dado coisa algu­ma para comer. Jasper gracejou em resposta que o irmão não era cozinheiro, ao contrário de Alice. Embora fosse patente que devia estar na cama, ele insistiu em subir com Bert para conver­sar no alto da casa. Algum plano ou decisão amadurecera em Jasper, mesmo enquanto mergulhava nas emoções do mundo homossexual. Tinha de conversar a respeito imediatamente.

Quando decidiu se deitar, ele foi para o quarto no último andar, como Alice já esperava.

Ela voltara a dormir no quarto que partilhara com Jasper, ao lado do quarto de Bert. Pois sabia que se Pat voltasse, Jasper também voltaria.

Na segunda-feira, Philip anunciou que recebera uma resposta séria a toda a sua propaganda. Mas precisava de ajuda. O problema era que muitas vezes se apresentava para oferecer seus serviços; as pessoas viam como ele era e davam desculpas para recusá-lo. Mas ele era capaz de fazer o trabalho muito bem como todas as pessoas na casa podiam confirmar. Queria que Bert o acompanhasse, como seu parceiro. Podia ficar calado, se assim desejasse; e era apenas na primeira entrevista. Depois que tudo ficasse acertado, não seria fácil para os clientes rejeitarem-no, mesmo que fosse trabalhar sem Bert. O plano provocou muitos comentários divertidos à mesa do jantar. Bert concordou e tudo deu certo. O trabalho na 43 foi considerado encerrado, embora ainda houvesse no sótão duas vigas podres que espalhavam a podridão por toda a casa. Philip prometeu que cuidaria delas assim que terminasse aquele trabalho, pelo qual seria devidamente remunerado. Recusara-se a começar sem um bom adiantamento e não terminaria se não recebesse parce­las periódicas. Era um novo restaurante de comida para viagem que ficava a cerca de um quilômetro de distância.

Os primeiros delegados chegaram no meio da semana. Eram Molly e Helen, da seção de Liverpool. Militantes do Movimen­to Feminista haviam escrito para comunicar que estavam dis­postas a organizar uma creche. Se não houvesse creche, as mães com filhos pequenos não poderiam comparecer; era uma ques­tão de princípio. Devia ficar claro, no entanto, que elas só cui­dariam de meninas; era outro princípio, aparentemente aplicado com sucesso em todas as creches que já tinham instalado.

Alice imaginara vagamente que haveria crianças vindo com os pais; mas agora lembrou-se dos problemas de princípios e também das prováveis reações de Faye, o que desencadeou uma segunda remessa de mensagens e cartas, em todas as direções, comunicando que não se podia trazer crianças. Molly e Helen tinham muita coisa a dizer sobre isso quando chegaram, e Alice ficou aliviada quando elas resolveram aproveitar ao máximo a estada na capital, com seu conforto, saindo para passar o dia com os piquetes em Melstead. Elas passaram outro dia visitan­do a comuna de mulheres freqüentada por Faye e Roberta, de onde voltaram rindo, irrequietas, com excesso de vitalidade — era melhor não perguntar de que tipo — e famintas. Entregan­do duas libras cada uma, elas disseram que não fariam compras com Alice no dia seguinte, pois precisavam comprar roupas, mas depois a ajudariam a cozinhar.

Enquanto isso, quatro camaradas chegaram de Birmingham, dois homens e duas mulheres, que passaram um dia com os piquetes e uma noite na cadeia. Como todo o dinheiro que tra­ziam foi gasto nas multas, não podiam contribuir para as despesas do fim de semana. Mais dois camaradas chegariam de Liverpool na noite de sexta-feira — tinham emprego e não po­diam vir antes. Haveria mais seis de Birmingham, também che­gando na sexta-feira, também porque trabalhavam. Quatro pessoas de Halifax pensando em criar uma seção ali viriam na sexta-feira.

Todos os trinta e tantos membros da seção de Londres só viriam na manhã de sábado e dormiriam onde pudessem, na 43 ou na 45, na noite de sábado para domingo.

Alice estava aperfeiçoando sua sopa. Mas precisava de um panelão, e não queria comprar. A mãe tinha algo assim. Deixando as assistentes a cortar legumes e pôr lentilhas de molho, ela foi de metrô e andou até deparar mais uma vez com o car­taz de "Vende-se". Esquecera que a mãe se mudara. O que a deixou impaciente e furiosa; estava outra vez com raiva da mãe. O novo endereço se encontrava devidamente arquivado em sua mente. E acarretava um sentimento de vergonha, de pesar. Não era numa das melhores áreas; Alice calculou que ainda podia ser considerado Hampstead por alguém caridoso. Logo ela es­tava parada na frente de um bloco de apartamentos de quatro andares, com um jardim pequeno e imundo. A mãe não podia estar morando ali! Mas lá estava seu nome num pedaço de pa­pel inserido numa fenda ao lado do número 8: Mellings. Um interfone. Alice foi dominada por um pânico inexplicável, não tinha coragem de tocar. Mas uma velha parou a seu lado, en­fiando a chave na porta.

Com licença improvisou Alice. Estou procurando pela senhora Forrester. Número 2.

Não vai encontrar nenhuma senhora Forrester no nú­mero 2, queridinha. Eu sou a moradora do número 2 e meu nome é senhora Wood.

Mas que coisa estranha murmurou Alice, animada e jovial, o sonho de uma avó. Sabe se há alguma senhora Forrester morando neste prédio?

Tenho certeza de que não tem nenhum Forrester aqui.

A velha riu e Alice acompanhou-a. Uma pausa e, como Alice

rezava para que acontecesse, a velha acrescentou:

Vou pôr uma chaleira no fogo. Não quer entrar para to­mar um chá?

Claro que sim; e Alice entrou, puxando o carrinho de compras. A porta do número 2 foi aberta e ela acompanhou a velha até a pequena cozinha, ajudando na arrumação das compras. Par­te de sua mente formulava uma censura rigorosa: Como pode fazer uma coisa dessas, deixar que uma desconhecida entre em seu apartamento? Eu podia ser uma ladra. Outra parte bradava: Mjnha mãe não pode estar morando aqui, não pode! E ainda outra sussurrava: Vou explodir este prédio. Vou mesmo. Não se devia permitir a construção de um lugar assim.

O apartamento da senhora Wood e presumivelmente o apartamento de Dorothy Mellings tinha dois cômodos não muito grandes e uma cozinha que mal dava para uma mesa pe­quena, a que ela e Alice sentaram, bem perto uma da outra, olhando para uma parede amarela encardida, tomando chá e co­mendo dois biscoitos cada uma. A senhora Wood vivia de uma pensão. Classe operária. Tinha um filho em Barnet que visitava aos domingos. Não gostava da nora, que Deus a perdoasse. Ti­nha um neto de cinco anos.

Dorothy Mellings não tinha família para visitar nos fins de semana; esse pensamento aflorou à superfície da mente de Alice, mas foi rejeitado com um ímpeto de emoção: se a mãe decidira morar num lugar assim, então devia ter enlouquecido!

Quando Alice se retirou, sabia com exatidão o que a mãe, três andares acima, teria no armário da cozinha; e certamente não haveria espaço suficiente para um panelão de alumínio.

Alice ficou uma hora ou mais e partiu com promessas de voltar. Foi a uma loja de ferragens e comprou o panelão neces­sário, pensando que, no final das contas, haveria muitos outros congressos e reuniões no número 43; e se tivesse de mudar, le­varia o panelão.

Mas recebera um golpe; seu coração se lamuriava e doía; não tinha mais um lar de verdade. Não havia mais nenhum lu­gar onde soubessem quem ela era, onde pudessem reconhecê-la e aceitá-la.

Subitamente, todo um exército de recordações a invadiu.

Alice estava parada no meio da calçada, na hora de maior movimento, enlaçando um panelão de alumínio, bastante gran­de para cozinhar um pequeno arbusto, o olhar fixo e aparente­mente em estado de choque.

Recordava as festas da mãe. Haviam acontecido durante toda a sua infância e adolescência. Depois que Alice partira para a uni­versidade, raramente voltando para casa, as festas ainda continua­ram; ouvia comentários de alguém, provavelmente de Theresa.

Uma das festas de sua mãe... foi maravilhosa.

Sempre aconteciam da mesma maneira. A mãe comentava,

com uma expressão irrequieta e mortificada:

Está na hora de oferecermos uma festa... Oh, não, eu não poderia agüentar!

E ela começava então a tomar as providências, convidando esta e aquela pessoa, com um mês de antecedência. Sua relutância em relação à festa se desvanecia, e ela começava a brilhar de tanta energia. Convidava os colegas políticos de Cedric, to­das as pessoas que trabalhavam na C. Mellings, Printers and Stationers, as incontáveis pessoas que ela conhecia e que de alguma maneira pareciam estar sempre entrando e saindo da casa. Co­nhecia todas as pessoas na rua e as convidava. Convidava uma mulher que conhecera na mercearia e com quem puxara con­versa, o homem que fora consertar o telhado, um novo au pair da Finlândia (que conhecera no ônibus) que devia estar solitá­rio. No dia da festa, que começava ao meio-dia, havia até uma centena de pessoas se acotovelando por toda a casa; à meia-noite, provavelmente a metade ainda se encontrava na casa, sendo ali­mentada pelo panelão de Dorothy, do tamanho de uma tina. Eram festas maravilhosas. Todos diziam isso. E Alice também.

Ah, que bom, vamos ter outra festa! — exclamava ela.

E se punha a ajudar, na maior animação. Quando ficou mais

velha, depois dos dez anos ou por aí, podia perceber que era útil, mas quando criança era apenas tolerada por aquele turbilhão de eficiência que era sua mãe organizando uma festa. Ain­da assim, insistia em arrumar frutas num prato ou distribuir cinzeiros pela casa, enquanto a mãe reduzia seu ritmo ao da fi­lha. Pelo menos enquanto "ajudava", Alice não se sentia tanto como uma criatura minúscula numa grande onda, fazendo si­nais desesperados e frenéticos para a mãe, que permanecia indi­ferente na praia, sem notá-la.

Quando havia festas, quando havia pessoas na casa, parecia que Alice se tornava invisível para a mãe, não tinha lugar em sua própria casa.

Havia sempre pessoas passando a noite depois das festas: as embriagadas, as que não queriam beber e guiar ou as que tinham vindo de outras cidades. E Dorothy dizia a Alice, na voz con­fiante que acompanhava o sucesso no controle daquele ajunta­mento de pessoas que fazia a casa inteira — para não dizer a rua — explodir com barulho e música por horas e horas:

Alice, você terá de abrir mão de seu quarto. Pode ir dor­mir com Anne? (A melhor amiga de Alice durante a maior par­te da infância.) Não? Por que não? Ora, Alice, não banque a difícil. Mas se não quer, então é melhor levar seu saco de dormir para o nosso quarto.

Alice sempre protestava, reclamava, ficava zangada, fazia uma cena — manifestações que quase não eram percebidas, co­mo se podia prever, com tantas outras coisas acontecendo no palco da festa: mulheres na cozinha lavando a louça, conversas íntimas entre casais por toda a casa, os últimos dançarinos embri­agados circulando pela sala. Quem podia se importar se Alice estava de mau humor mais uma vez?Dormir no quarto dos pais deixava-a violentamente emotiva, e não podia se controlar.

Quatro horas da madrugada e ela estava em seu saco de dor­mir, com uma camada de espuma de borracha, junto à parede, sob a janela. Cedric Mellings, num pijama vistoso, vermelho- escuro, azul-escuro, estava bêbado ou tenso; de qualquer forma, expansivo. Adorava as festas da esposa e orgulhava-se dela. Sempre preparava os drinques, alugava os copos cuidava de toda essa parte. Dorothy Mellings usava uma das coisas bonitas que costumava pôr para dormir, talvez uma bata larga no estilo conhecido como "mother Hubbard", um quimono ou uma kanga do Quênia, enrolada no corpo das maneiras mais diferentes. Também estava tensa, embora não muito, mas não precisava ficar assim, pois sentia-se inebriada, exaltada, flutuando, não con­seguia parar de sorrir, enquanto se estendia na cama ao lado de Cedric e se punha a gemer dramaticamente:

Oh, Deus, meus pés!

Ele a enlaçava, Dorothy se aconchegava um rápido olhar, um lembrete de um ou de outro de que Alice se encontrava no quarto —, alguns beijos sonolentos e ambos dormiam. Mas Alice não dormia. Permanecia acordada, tensa, na casa silenciosa finalmente e naquele quarto tão distante do silêncio por­que... quanto barulho faziam duas pessoas dormindo! Não era apenas a respiração, profunda e imprevisível, regular por algum tempo e depois mudando num ofego ou ronco. Cedric tendia a roncar, mas aparentemente ele próprio se apercebia disso, vi­rava para o lado e passava a dormir de forma mais decorosa. Mas não silenciosamente.

A respiração dos dois se elevando, no escuro... Alice não podia parar de escutar, pois parecia que estava dizendo alguma coisa que ela precisava compreender mas que não conseguia absorver. Duas respirações diferentes, aspirar e expirar, aspirar e expirar, prolongando-se interminavelmente, tendo de conti­nuar mas podiam parar de modo imprevisível, pelo que pa­reciam minutos, embora Alice soubesse que isso era um absurdo, era apenas porque ela aguçava os ouvidos com tanta fúria de concentração que o tempo se tornava mais lento. Enquanto um deles, Dorothy ou Cedric, se mantinha num intervalo da respi­ração, o outro continuava, aspirando e expirando, fazendo a vi­da prosseguir. Não demorava muito para que o silencioso respirasse fundo e retornasse ao diálogo que parecia ocorrer entre os dois. Uma conversa, era essa a impressão da criança escu­tando ali, como se os pais falassem um ao outro, não em palavras, agora, mas numa linguagem que Alice não conhecia. Aspirar e expirar, aspirar e expirar com tantas pequenas pausas, hesita­ções e mudanças de ritmo que era como se estivessem questio­nando um ao outro — e a seguir (Alice esperava por isso) o estágio em que a respiração se tornava regular, profunda e dis­tante, afastando-se mais e mais a cada minuto.

Aquelas duas pessoas ali, as duas pessoas enormes e podero­sas na cama imensa que constituía o outro foco da casa (a mesa grande na cozinha era o primeiro)... era como dormir no mesmo quarto com duas criaturas que mal chegavam a ser huma­nas, tão estranhas e secretamente perigosas pareciam a Alice quando era criança e depois quando estava mais velha, com on­ze ou doze anos, e ainda em seus quinze anos ou por aí. Ela mudou, cresceu, ou pelo menos ficou mais velha, mas a impres­são era de que os pais continuavam como antes. Nada mudava. Era sempre a mesma coisa, aquela cena depois da festa, com os dois se acomodando na cama imensa, enlaçados, resvalando pa­ra o sono que os levava para tão longe que Alice sempre se so­erguia, apoiada no cotovelo, aguçando os olhos através da es­curidão do quarto para as duas elevações, compridas, volumo­sas, que eram seus pais. Porém naquele momento não eram se­us pais, haviam se tornado impessoais e se afastado de Alice. Não podiam ser alcançados. A não ser que ela deixasse o sa­co de dormir e fosse tocar em um deles, acordando-o. Ao que Cedric ou Dorothy despertavam, voltavam a ser eles próprios; como se impostores, sinistros, ameaçadores e misteriosos habi­tassem aqueles corpos adormecidos, mas fossem expulsos pelo contato de Alice. Então, Dorothy ou Cedric, sonolento e so­bressaltado, murmurava:

— Qual é o problema, Alice? Durma.

E eles já se afastavam, retornando depressa àquele outro país — e os impostores lá estavam, não eram mais Cedric e Dorothy. Alice ficava acordada, escutando as respirações, as fungadelas, mur­múrios engrolados e incompreensíveis saindo daquele sono que acontecia por cima dela, no platô da cama; e escutando seu pró­prio sangue ser bombeado e correr pelo corpo, pensando como galões de sangue turbilhonavam ali, naqueles dois corpos... Não conseguia dormir; ou dormia e acordava na maior ansiedade. No instante em que havia qualquer claridade por trás das cortinas si­lenciosas e atentas, que pendiam ali durante a noite inteira, teste­munhas junto com ela da ausência de Dorothy e Cedric de sua cama, seu quarto, sua casa, seus filhos, Alice se levantava e saía. A casa, é claro, estava mergulhada no caos. Por toda parte pessoas ainda dormiam, de tal forma que ela mal tinha coragem de abrir uma porta, com medo do que poderia encontrar. Mas a cozinha era um lugar seguro, e ali ela trabalhava. Gostaria de contar com alguma ajuda — do irmão, Humphrey, por exemplo. Mas ele sem­pre se mostrava feliz em aproveitar o convite dos pais para arru­mar um outro teto sob o qual dormir e raramente estava em casa.

Depois dos doze anos ou por aí, Humphrey permanecia em casa cada vez menos, passando não apenas uma noite em outra casa da rua, mas com amigos por todo o país, às vezes durante semanas a fio. Para Alice, a impressão era de que as festas haviam desencadeado esse processo. Sentindo-se como ela (não que alguma vez houvessem conversado a respeito, mas Alice sabia), como alguma pequena criatura do mar aderindo por sua vida a um rochedo, mas sendo atacada e golpeada por enormes on­das, até se desprender e se afastar à deriva. Como ela também fizera, mais tarde. Mas separadamente; eles mal se viam. Inda­gada se tinha irmãos, Alice precisava fazer um esforço para se lembrar de Humphrey.

Há anos que ela não pensava em tudo isso; foram os braços estendidos em torno do panelão prateado que trouxeram tudo de volta. E poderia continuar parada ali se alguém não tocasse em seu ombro: um homem, um operário, pois usava um macacão branco e carregava uma bolsa com ferramentas — isso mes­mo, a loja de ferragens fazia uma liquidação.

Você está bem, querida? — perguntou o homem.

Estou, sim.

Foi como se ela respondesse: "Por que alguém deveria pen­sar que não estou?"

Já começávamos a nos preocupar com você. Parecia ter criado raízes na calçada, do jeito como estava!

O homem riu, esperando que Alice o acompanhasse; seu rosto gentil — quase que certamente de um pai, para não falar de um marido — mostrava preocupação para com ela. E Alice riu também e foi para o número 43, onde entrou sob aplausos, por causa das dimensões magníficas e do potencial evidente do panelão. Ela sorria na cozinha, preparando sua sopa, enquanto camaradas entravam e saíam para provar, fazer sanduíches ou comer alguma coisa trazida de fora. Estava dissolvida no pesar, por causa da perda de sua verdadeira casa e pelo que recordara, parada na calçada. Oh, Deus, pensava, enquanto trabalhava na cozinha, sempre sorrindo (a Alice de todos, confiável, prestativa, um tesouro), como eles foram capazes de fazer isso comigo? Tiraram meu quarto, sem mais aquela, como se não fosse meu quarto, como se apenas tivessem me emprestado: "Alice, você terá de abrir mão de seu quarto mais uma vez". Há anos que acontecia. O que eles pensavam que faziam? A cada vez sentira que não era realmente sua a casa, que não tinha direito a um lugar ali e a qualquer momento os pais poderiam expulsá-la.

Mas tudo isso é bobagem, pensava Alice, cortando, pican­do, misturando, sorrindo. A maioria das pessoas do mundo não tem a metade do que eu tive, e quanto a seus próprios quartos...

Ora, tudo isso não importa, o congresso exigiria muito trabalho e teria de parar de pensar a respeito, graças a Deus.

Na noite de sexta-feira, depois que todos chegaram e havia vinte e quatro pessoas na casa, o espantoso caldeirão de sopa alimentou todo mundo e foi reabastecido, à uma hora da madrugada, quando os outros já estavam deitados, a fim de ficar pronto para o dia seguinte.

Por volta das nove e meia da manhã seguinte, todos os camaradas de Londres chegaram. Circularam por toda a casa, a soltar exclamações, por seu tamanho e conforto. Não foram pou­cos, de casas ocupadas não tão confortáveis, os que aproveita­ram para tomar um banho. As pilhas de pão na cozinha dimi­nuíram imediatamente, e Alice saiu correndo para comprar mais. Aquele fim de semana custaria... ela não queria pensar sobre isso.

Todos elogiaram também a decoração da sala de estar.

Por cima da lareira havia uma enorme bandeira vermelha, o emblema da UCC num canto, bordado na noite anterior pe­las duas garotas de Birmingham. Num canto do vermelho-vivo havia uma foice e um martelo em dourado e, em outro, um ga­lo e uma rosa em verde.

Um retrato de Lênin estava pendurado em frente à bandei­ra. Ao lado de Lênin e várias vezes maior havia um cartaz de uma baleia: "Salvem as baleias!" Nas outras paredes havia car­tazes dizendo "Salvem a Inglaterra da poluição!", "Salvem os nossos campos!", "Lembrem-se das mulheres de Greenham Common!", e mais um cartaz do IRA, mostrando um soldado britânico espancando um garoto com os braços amarrados. Nu­ma mesa no vestíbulo estavam os panfletos: Em defesa do IRA, toda a propaganda do Greenpeace, vários livros sobre Lênin, um longo poema em versos livres sobre Greenham Common, uma ampla variedade de folhetos do Movimento Feminista e sobre antivivissecção, vegetarianismo, o uso de agentes químicos em alimentos, Cruise, Trident, o despejo do lixo radioativo no mar, o tratamento cruel de bezerros e galinhas e as condi­ções nas prisões da Inglaterra.

No clima familiar e inebriante mas confortador que caracteriza o início de tais eventos, quarenta e tantas pessoas se es­premeram na sala de estar, sentando nos lugares que encon­travam, no chão ou nos peitoris das janelas. Lá fora, era um dia de sol intermitente. Lá dentro, o novo sistema de aque­cimento tornou-se demais para alguns e tiveram de abrir as janelas.

Quase todos tinham menos de trinta anos. Alice calculava que era de longe a mais velha. Isto é, à exceção de Roberta, que se limitava a rir quando perguntavam sua idade.

Foi para Bert e Jasper que todos olharam, embora tivesse combinado que Pat, se aparecesse, faria o discurso de abertura.

Há muitos dias que Bert a aguardava ansioso, como sabiam todos os moradores da casa.

Agora, Bert postou-se descontraído junto à lareira, apoiou o cotovelo no consolo, onde havia um vaso com narcisos, assumindo uma atitude informal, e disse:

Este é o primeiro Congresso Nacional da União do Cen­tro Comunista. De pequenas sementes crescem grandes árvores.

Aplausos vigorosos. Sorrisos, risadas satisfeitas. Mary Williams e Reggie aplaudiam, sóbrios mas enfáticos. Muriel senta­va no chão, num canto. Ela estava ali como espiã, Alice lembrou a si mesma.

Bert não riu. Nem mesmo sorriu. O problema com Pat deixara-o abatido, proporcionando-lhe uma expressão de sofri­mento, controlada pelo pensamento. A afabilidade fácil desa­parecera. Acenou com a cabeça brevemente aos aplausos e continuou para dizer que a UCC se propunha a ser um partido não-sectário, aproveitando o melhor dos partidos socialistas exis­tentes, aprendendo com seus erros e fracassos. A UCC estava de­terminada a se basear nas grandes tradições da classe operária britânica, empenhando-se pela mudança social radical, através de uma revolução, "se for necessário... e cada dia nos ensina que a classe que controla este nosso país só se deixará desalojar pela força... " Aplausos, risos e gritos. Uma revolução que aprenderia com a experiência da Revolução Russa, da Revolu­ção Chinesa e, se preciso, com a Revolução Francesa, pois não era exagero afirmar que as lições da Revolução Francesa não estavam absolutamente esgotadas. O congresso daquele fim de semana não fora convocado com o objetivo de formular uma política detalhada, pois muito mais trabalho teria de ser realiza­do nesse sentido, mas sim para definir os princípios gerais. E agora ele, Bert Barnes, passaria a palavra a um revolucionário muito mais completo e desenvolvido, o camarada Willis.

Jasper ocupou o lugar de Bert. Não se apoiou no consolo da lareira, mas ficou empertigado como uma flecha, os braços baixados nos lados do corpo, os cabelos louro-avermelhados bri­lhando, os olhos fixos no retrato de Lênin. Começou o discur­so em voz mais alta do que o habitual, o que fazia com que parecesse tensa a Alice. Mas também ela estava acostumada a seu estilo oratório e julgava-o por outros critérios: por exem­plo, sabia que Jasper mal dormira na noite passada, pois ficara absorvido numa discussão acalorada e volúvel, e ficar sem dor­mir não lhe era conveniente.

Seu estilo era o de usar frases familiares do léxico socialista, mas como se tivesse acabado de descobri-las, naquele momento mesmo; assim, quando ele começava, havia muitas vezes um ins­tante em que as pessoas mostravam uma tendência a rir. Mas isso cessava logo, por causa de sua seriedade desesperada, até mes­mo extasiada.

Camaradas! Sejam todos bem-vindos, camaradas. Este é um momento histórico para todos nós. Há bem poucos nesta sala hoje, mas somos uns poucos eleitos... escolhidos pelo tem­po em que vivemos, escolhidos pela própria história!... e não há nada que não possamos realizar, se assim nos empenharmos.

Neste ponto, se Bert ou qualquer outro estivesse falando, haveria aplausos. Mas houve um silêncio tenso. A verdade era que os camaradas não esperavam aquele tom de extrema seriedade; ou pelo menos não tão cedo.

Todos conhecemos as condições terríveis e criminosas na Inglaterra. Todos sabemos que o governo fascista-imperialista deve ser derrubado à força! Não há outro caminho para o progresso! As forças que vão nos libertar a todos nós já estão sendo forjadas. Estamos na vanguarda dessas forças, e a responsabili­dade por um futuro glorioso está em nossas mãos.

Jásper continuou assim por cerca de vinte minutos. Alice escutava cada palavra com um sorriso doce, confiante, até mes­mo belo; aquele era o Jasper que mais amava, e era maravilho­so para ela constatar como as outras pessoas reagiam. Até pessoas que ela sabia que o criticavam passavam a admirá-lo em mo­mentos assim. Ou pelo menos reconheciam que ali estava algo extraordinário e muito mais do que um orador natural, o que no final das contas não chegava a ser um fenômeno raro. Isso mesmo, ali estava um líder. A coisa de verdade.

Alice estava de pé ao lado da porta, pronta para sair depres­sa quando chegasse o momento de começar a preparar o chá. Escutava e observava os rostos: como reagiam, como os níveis de atenção eram levados por Jasper. Aquilo acontecia com freqüência quando Jasper começava a falar — um nervosismo, até mesmo uma tendência para risos reprimidos, talvez para fazer comentários sardónicos — pois seu estilo não era o comum bri­tânico, simples, bem-humorado de preferência, sensato. E é claro que Alice seria a primeira a admirar esse britanismo. Era nos­so! As características nacionais eram preciosas. Mas Jasper era um caso especial. Tinha de impor sua exaltação sobre os outros desde o início; e naquele dia não houve risinhos prontamente abafados por outros, que se situavam num nível superior, mais digno. As expressões que ela via não eram de crítica, longe dis­so; eles não confiavam em si mesmos para acreditar em alguma linda mensagem ou dádiva que lhes estava sendo oferecida por Jasper, não se sentiam à altura. Alice aprendera há muito tem­po que enquanto Jasper falava as pessoas não aplaudiam nem gritavam em aprovação. Permaneciam absolutamente silencio­sas — isto é, depois dos difíceis momentos iniciais; e quando ele acabasse de falar haveria um silêncio prolongando-se por cerca de quinze segundos, talvez mais. E em seguida viriam os aplau­sos, súbitos, fervorosos, até mesmo violentos; as pessoas se le­vantariam, gritariam e aclamariam. Os aplausos prosseguiriam assim até cessarem de repente.

E foi justamente o que aconteceu. Os aplausos ao final fo­ram como se alguma coisa se liberasse nas pessoas. Algumas mu­lheres estavam em lágrimas. Todos pareciam profundamente comovidos. (Nem todos; Alice notou que a mulher-ganso, sen­tada como parte de outra audiência, nem aplaudiu. Seus olhos se encontraram com os de Alice, mas seguiram adiante, como se ela não visse Alice, não quisesse ser chamada a explicar o lap­so em sentimento real, para não falar de boas maneiras.) De­pois todos se levantaram, os que já não estavam de pé, na necessidade de aplaudir mais calorosamente, de tão inspirados e inflamados por Jasper, aquele emissário do que ele próprio apregoava como "o futuro, nosso glorioso futuro". Não supor­tavam sentar de novo; embora o intervalo para o chá só estives­se previsto para dali a uma hora, os preparativos começaram naquele instante.

O intervalo prolongou-se por bastante tempo, pois havia muitas pessoas entretidas em conversas. Não eram sobre a UCC ou sequer sobre alguma coisa que Jasper dissera; seu discurso de abertura, na verdade, mal foi mencionado. Quando o inter­valo estava terminando — os camaradas Alice, Roberta e Bert tendo de gritar por cima da algazarra todos os tipos de ameaças e advertências terríveis, sempre divertidas, é claro, para fazerem as pessoas voltar à sala de estar —, Pat apareceu. E tinha uma aparência assustadora. Igualzinha a Bert, para ser mais exato. Estava pálida e magra, perdera o brilho de cereja. Bert e ela se abraçaram rapidamente, de um jeito convulsivo e até culpado; mas Pat não olhou para ele, e por isso Alice compreendeu que ela não ficaria por muito tempo.

Escolher Pat e não Jasper para fazer o discurso de abertura fora uma decisão sensata. O estilo dela era muito diferente do de Jasper, insinuante, bem-humorado, informativo. Pat não es­tava a par do discurso inspirador de Jasper, é claro. Ela contou como a UCC surgira — não de uma forma que apelasse para a emoção, mas explicando que fora uma decorrência da insatisfa­ção com os partidos socialistas existentes, que passou a analisar. Na verdade, estava fazendo uma análise curta mas competente da situação econômica na Inglaterra. As pessoas escutavam com toda a atenção, embora não como haviam ouvido o discurso de Jasper. Contribuíam com fatos e dados, riam sarcasticamente em pontos mais expressivos, havia pequenas ondas de aplau­sos. Fora uma tragédia, Alice sabia, Pat não ter chegado a tempo para o discurso de abertura, deixando Jasper para falar ao final do dia, como fora planejado. Do jeito como as coisas ficaram, era quase como se Jasper nem tivesse feito um discurso; fora tudo desperdiçado; nada parecia fluir do que ele dissera.

Quando o congresso foi suspenso para a sopa, sanduíches e comida que os camaradas de Londres haviam trazido, as conversas durante o longo intervalo, quando abordavam política, eram estimuladas pelos comentários de Pat. Mas o fato é que a maior parte das conversas não foi sobre política. Pessoas que não se viam há algum tempo, talvez anos, estavam se reencon­trando ali. Pessoas de mentalidade parecida se falavam pela pri­meira vez no início de amizades ou ligações amorosas. Pediam- se notícias dos camaradas em Birmingham, Liverpool e Halifax que não haviam podido comparecer. E havia também o reen­contro de antigos amantes; o relacionamento interrompido de Pat e Bert não era o único. Já eram quase três horas da tarde quando eles voltaram à sessão; e mais uma vez, Bert, Roberta e agora Pat também tiveram de gritar pela casa toda para inter­romper as muitas conversas em andamento, a fim de que o con­gresso prosseguisse.

A mulher-ganso não compareceu à sessão da tarde; já havia desaparecido antes mesmo do almoço. Ficara patente que ela aprovara o discurso de Pat, tanto quanto desaprovara o de Jasper, o que Alice lamentava no seu íntimo. Ela estava absolutamente convencida de que Muriel teria outro sentimento se ouvisse Jasper falar no momento oportuno, ao final, quando poderia exemplificar e resumir as emoções de todos.

Depois do almoço (embora já fosse quase a hora do chá), o primeiro ponto da agenda foi discutido: quais as tendências na atual situação britânica que indicavam o caminho para o futuro? As tendências apontadas foram: um, "a insatisfação com o desemprego, que tem de ser explorada"; dois, "a repulsa em massa do povo britânico pela política do governo em relação aos armamentos nucleares"; e três, "a rejeição florescente e ainda não expressa do povo britânico à política tory1na Irlanda do Norte".

Depois do chá, que não ocorreu antes das cinco horas, discutiu-se de que forma essas três tendências podiam ser enfa­tizadas e exploradas. Antes mesmo de terminarem de definir isso, chegaram mais pessoas, de diversas partes de Londres, que haviam ouvido falar do congresso e estavam interessadas... e também sabiam da festa depois. Apareceram camaradas de Liverpool e Birmingham que por um motivo ou outro não pu­deram chegar mais cedo. E veio um grupo da 45 (mas não o camarada Andrew). Havia de repente sessenta pessoas na sala, e estava desconfortável. Algumas se retiraram para o vestíbulo, onde sentaram a conversar, com muito riso e barulho. O con­gresso foi encerrado cedo, antes das sete horas, restando ainda o segundo ponto da agenda a ser discutido. Era "O futuro da Grã-Bretanha: socialismo pleno".

A festa noturna começou. Como uma explosão. A algazar­ra era impressionante, antes mesmo de a luz do dia se desvanecer. Apareceram os penetras, tornando impossível qualquer conversa política séria. Alice, Jasper, Pat e Bert corriam a todo instante para providenciar mais comida e bebida. Reggie e Mary contribuíram com um galão de sidra de Devon. A polícia che­gou às onze horas, não encontrou qualquer evidência de transgressão, foi recebida com calma e eficiência por Alice; entre eles estava a policial, que parecia agora quase uma velha amiga. Al­guns vizinhos bateram na porta à uma hora da madrugada, queixando-se de que não conseguiam dormir. Alice disse que lamentava muito, mas havia setenta pessoas na casa e com tanta gente tinha de haver barulho. Não gostariam de entrar e parti­cipar da festa?

Só às quatro horas da madrugada é que os exaustos camara­das se meteram em seus sacos de dormir, espalhados pelas duas casas. Ninguém se levantou antes do meio-dia, quando já estava na hora, pelo menos para alguns, de partirem de volta para suas cidades no norte. Isto é, ninguém se levantou mais cedo, com exceção de Alice, que arrumava tudo.

Ficou ocupada a servir sopa, sanduíches, chá e café durante a tarde inteira e início da noite. Uns poucos foliões passaram a noite de domingo na casa e foram embora na manhã de segunda-feira, bem cedo.

Pat também partiu. Estava chorando. E o mesmo acontecia com Bert. Alice comentou, irritada:

Mas que merda! Por que vocês não param com essa besteira?

Sentiu depois que devia pedir desculpas. Mas não beijou Pat na despedida, limitando-se a dizer:

Oh, Deus, estou cheia de tudo isso!

E desatou a chorar. Deixou para os outros o encargo de la­var tudo e foi deitar, sem se importar se Jasper estava por perto ou não.

Mas ele estava ali quando Alice acordou, agachado a seu la­do, com uma xícara de café na mão. Exibia uma expressão radiante, como um garoto que sabia que se comportara muito bem.

O que foi, Jasper?

A esperta Alice — murmurou ele, gentilmente. — Foi maravilhoso o que você fez.

Mas ela permaneceu deitada, os braços nos lados do corpo, os pés estendidos. Não estava pensando em Jasper, no congres­so ou na diversão e jogos do fim de semana. Havia um vazio em Alice, um poço, uma cova; sabia que sonhara com a casa agora trancada e com a placa de "Vende-se" na frente. E sabia que devia estar brilhando com lágrimas não-derramadas.

Preciso lhe dizer uma coisa, Alice.

Estou escutando — respondeu ela, formal e remota.

Percebeu que ele hesitava, estremecia. Jasper sentia-se esnobado. Ela deveria se importar, mas isso não acontecia.

Bert e eu... vamos para a União Soviética.

Depois de registrar a informação, Alice comentou:

Os camaradas irlandeses não quiseram aceitar vocês, e os soviéticos aceitarão?

Não era absolutamente um comentário desdenhoso ape­nas uma declaração de posição —, mas lhe valeu um olhar de ódio. Jasper levantou-se, pairando acima dela, um anjo furioso, pronto a lançar raios vingativos.

Não quero atitudes negativas e destrutivas de sua parte, Alice.

Pausa. Ela não se mexeu nem falou.

Indeciso, Jasper tornou a se agachar, disposto a conquistá-la.

Como podem ir tão depressa? Não se pode viajar para a União Soviética de um momento para outro.

Na noite de sábado, um dos camaradas de Manchester disse que sabia de um grupo de turistas que partiria para Mos­cou esta semana. Havia algumas vagas, porque várias pessoas desistiram, por causa da gripe. Podemos obter os vistos através do organizador da excursão. Já mandamos nossos passaportes e vamos recebê-los no momento da partida.

Isso é ótimo.

Uma pausa.

Alice...

Jasper começou hesitante, mas parou. Ia pedir dinheiro, mas sentia agora que seria inútil.

Você já me levou até o último penny, Jasper. E gastei o dinheiro da pensão da semana passada na festa. Não adianta tentar me arrancar qualquer coisa. Percebendo o rosto dele começar a assumir uma expressão ávida e cruel, Alice acrescen­tou, indiferente: E é impossível para mim arrancar mais di­nheiro de Dorothy ou de meu pai.

Ele permaneceu ali, agachado, uma das mãos no chão, estudando o rosto de Alice. Depois levantou-se e encaminhou-se para a porta. Quando Jasper estava saindo, ela comentou:

Se Pat voltar antes da partida, Bert não irá com você.

Ele bateu a porta; Alice não virou a cabeça para observá-lo,

mas continuou imóvel, como uma pedra ou um cadáver, sem vida, olhando pela janela, agora emoldurada pelas lindas cortinas de brocado, verdes e douradas, que antes estavam pendura­das na sala de estar da casa de sua mãe.

Ela dormiu. Acordou ao final da tarde numa casa vazia, to­mou um banho, pôs uma saia que fora da mãe, de lã macia, com enormes rosas sobre um fundo marrom-claro, e um suéter rosa que Pat lhe dera.

Saiu direto da casa e foi para a 45, onde entrou sem bater; o fim de semana fizera com que as duas casas se tornassem uma só. Da cozinha um buraco sórdido, não alegre e decorado com flores como a da 43 — saiu Muriel-ganso, que lhe ofereceu um sorriso pós-festa rigorosamente racionado.

Se Andrew está, quero falar com ele.

A fim de evitar mais arranhões insinuantes na porta, Alice acompanhou Muriel e bateu.

Entre.

Alice entrou, fechando a porta a Muriel. O camarada An­drew estava deitado, esticado como um soldado, como Alice se postara antes, em sua cama baixa, mas com os braços cruzados sobre o peito.

Ele virou as pernas e baixou-as, sentou, abriu um espaço para Alice sentar ao seu lado. Ela assim o fez, mantendo uma distância apropriada.

Preciso saber algumas coisas anunciou ela.

Está certo.

Mas ela ficou calada, apática, não continuou.

Andrew estudou-a por algum tempo, abertamente, sem qualquer tentativa de disfarçar, depois tornou a deitar na cama es­treita, quase encostado na parede. Puxou Alice pelo braço; sem resistir, ela estendeu-se a seu lado. Havia pelo menos uns quin­ze centímetros entre os dois. Ele não a tocou.

Sabia que Bert e Jasper vão para Moscou?

Sabia.

Uma pausa. Alice pensava. Como sempre fazia: uma defi­nição lenta e meticulosa das possibilidades latentes em tudo.

Mas não foi você quem sugeriu.

Não, não fui eu.

Não.

O silêncio prolongou-se. Andrew chegou a especular se ela não viera até ali para dormir, de tão pálida e exausta que parecia. Examinou-a, virando um pouco a cabeça, depois pegou-lhe o pulso direito gentilmente, com a mão esquerda. Alice ficou tensa, depois relaxou: era muito diferente do aperto assassino que Jasper usava.

Você devia se livrar logo dessa gentalha, Alice.

Gentalha! explodiu ela, com toda a energia que lhe restava. São pessoas!

Andrew insistiu, deliberadamente:

Gentalha.

Ela prendeu a respiração, mas deixou escapar suavemente:

O que Muriel lhe contou?

O que acha que ela me disse? Você não é estúpida, Alice.

Ela podia sentir que estava inchando e se derretendo. Calculou que lágrimas escorriam por suas faces.

E o que me diz da festa? ela quase soluçou. Não estava lá!

Andrew permaneceu calado. Depois, gentilmente, passou o braço sob o pescoço de Alice, pondo a mão esquerda na parte superior de seu braço. Parecia, ao mesmo tempo, estar amparando-a e cuidando para que ela não pudesse escapar.

Você deve se afastar daquelas pessoas, Alice.

Está se referindo a Jasper.

A Jasper, Bert e os outros. Todos se ocupam apenas com joguinhos sem importância.

Eles não pensam assim.

Não, mas tenho certeza de que você pensa.

Outro silêncio. Alice quase relaxara agora no braço de Andrew, que estendeu a mão direita e a colocou em sua cintura, por baixo dos seios. Mas ela não queria e não podia ter aquele contato, e afastou a mão, irritada.

Eles estão brincando, Alice, como crianças com explosi­vos. São muito perigosos. Perigosos para si mesmos e para os outros.

E você não é perigoso?

Não, não sou.

Ela deu uma risada breve, desdenhosa, mas também impregnada de admiração.

Não sou mesmo, Alice. Se você faz as coisas direito e com todo o cuidado, então as únicas pessoas que saem machu­cadas são as que deveriam se machucar.

Alice pensou sobre isso por um longo tempo e ele não a interrompeu.

De quem você recebeordens, Andrew?

Eu recebo ordens. E as dou.

Ela pensou um pouco.

Foi treinado na União Soviética?

Fui.

Você é russo.

Meio russo. Meu pai era irlandês. Mas não vou entediá- la com a minha interessante história.

Houve agora uma pausa prolongada, cerca de dez minutos. Alice poderia facilmente adormecer, pois sua respiração era lenta e profunda, mas manteve os olhos abertos.

Andrew se virou um pouco para ela; no mesmo instante, Alice ficou tensa e se afastou, embora ainda envolvida pelo seu braço.

É uma mulher pura e boa murmurou o camarada Andrew. É o que me agrada em você.

Isso, ao que parecia, poderia levar Alice a uma reflexão ain­da mais demorada da que acontecera com relação aos comentários anteriores. O que Andrew podia ver em seu rosto era uma expressão distraída, quase aturdida, em decorrência da exaustão, mas havia também um certo recato, que quase o estimulou a esforços adicionais. Quase: alguma coisa o conteve, talvez o fato de que o recato encobria uma reação surpreendentemente violenta à palavra "pura". Será que ela, Alice, era mesmo pura? E fora assim durante todo aquele tempo, sem o saber? Talvez devesse pensar a respeito; se era pura, então teria de conviver com isso! Essa era a palavra! Não se podia mais usar a palavra "pura" na Inglaterra daquele jeito, estava fora de moda, era um absurdo. E se ele não sabia disso, então... Como eram treina­das as pessoas como Andrew? Talvez não importasse que ele fosse tão estranho, tão diferente; afinal, a Inglaterra estava cheia de estrangeiros. Tivera importância ali, na 43 e 45? Mas tudo dependia do que ele queria fazer. Apresentar-se como Lênin não incomodara ninguém (com exceção de Faye e Roberta), mas tam­bém ela, Alice, só conhecia uma parte da história. O que mais havia? Finalmente, ele rompeu o silêncio:

Acho que você deveria tirar umas férias, Alice.

O que a surpreendeu tanto que ela tentou sentar, mas An­drew tornou a puxá-la para baixo.

Alice estava agora junto dele, e o corpo forte e quente de Andrew começou a irradiar ondas de sensação por todo o seu corpo. Ela sentia-se fascinada e repugnada. Mantinha os olhos fixados no teto, porque sabia o que veria se os baixasse pelo cor­po de Andrew. Não ia se envolver com aquilo, pura ou não!

Não entendo por que está sempre querendo que eu faça coisas de classe média.

O que há de classe média em férias? Todo mundo tem direito a férias. A vida moderna é muito ruim para todos.

Alice pensou que ele estava zombando, mas um olhar confirmou que não era esse o caso.

Mas para onde eu poderia ir? Você despreza todas as pessoas que conheço.

Eu não disse todas. De jeito nenhum.

Pelo que me lembro, não gosta de Pat. Sabia que ela dei­xou Bert porque também acha que ele não é uma pessoa séria?

Sabia. Ela é uma pessoa séria, Alice. Como você.

Mas queria que Bert fizesse alguma coisa.

Mudei de idéia a respeito dele. Foi um erro de jul­gamento.

Não sei... — murmurou Alice, cansada, depois de uma pausa, começando a se sentir uma garotinha a fungar.

Pois eu sei. Está cansada, camarada Alice. Trabalha e trabalha, mas a maioria daquelas pessoas não vale a pena.

A essa altura ela deixou escapar um gemido genuíno, como uma criança, aconchegada contra Andrew, que murmurava pa­ra confortá-la e acalmá-la. E Alice chorou.

Pobre Alice... Mas não adianta chorar. Terá de tomar uma decisão. Aqueles dois Errol Flynns vão para Moscou. Por que você não vai embora antes de eles voltarem?

Errol Flynn!

Não gosta de Errol Flynn? Sempre adorei os seus filmes.

Há uma grande diferença entre nossas duas culturas — declarou Alice, falando para o peito de Andrew.

Os dois estavam deitados de tal maneira que a protuberân­cia dura de Andrew se mantinha a distância e por isso não a incomodava.

Isso é verdade. Mas as pessoas gostam de Errol Flynn, não é? Se não fosse assim, por que ele seria um astro famoso?

Vou pensar sobre tudo isso.

Deve mesmo.

E quando você vai voltar?

Como soube que eu ia viajar?

Pensei que poderia.

Andrew hesitou.

Tem razão. Vou me ausentar, provavelmente por algu­mas semanas... — Sentiu que Alice parecia encolher e acres­centou: — Ou talvez apenas por uma ou duas semanas. — Outra pausa. — E você deve se separar, Alice. Acredite em mim. Tenho um pouco de experiência com esse tipo de gente. Onde pes­soas assim estão, há sempre encrenca.

Depois de alguns minutos, ela se sentou, afastando as mãos de Andrew, de uma maneira escrupulosa, como uma dona-de- casa.

Obrigada, camarada Andrew. Pensarei com muito cui­dado a respeito de tudo o que me disse.

Eu também lhe agradeço, camarada Alice. Tenho certe­za de que vai pensar bastante.

Da porta, Alice virou-se para oferecer-lhe um sorriso contrafeito e depois saiu, apressando-se para não ter de falar com Muriel, que podia ser uma pessoa séria, mas não era alguém de quem estivesse disposta a gostar, nem mesmo por ordem do ca­marada Andrew.

Os poucos dias que se seguiram foram os mais felizes que Alice já conhecera.

De modo geral, quando Jasper estava a reboque uma expressão que outras pessoas usavam, não ela de uma figura de irmão, como Bert, Alice quase não o via. Mas agora eles a con­vidavam para acompanhá-los em tudo o que faziam. Ao cine­ma, mais de uma vez. Ao National Theatre Bert comentou que Shakespeare tinha muitas lições para a luta e que deviam aprender a usar cada arma que a vida lhes oferecia, se não que­riam ser marxistas primitivos. Passaram uma noite num pub que Alice sabia que fora escolhido com todo o cuidado por Jasper, a fim de não mostrar a ela nada de sua outra vida. Nem a Bert...

Mas o melhor de tudo, embora não saíssem para pichações, que era a atividade predileta de Alice, foi a sugestão de Jasper para uma manifestação. Alice sabia que ele fazia aquilo para agradá-la e compensar sua ausência.

As discussões sobre o local e contra quem se manifestariam foram tão agradáveis quanto a própria expedição. É claro que naquele estágio fascista da história britânica não podia haver ca­rência de alguma coisa contra a qual protestar, mas por acaso o fim de semana próximo era rico em opções. O secretário de Defesa falaria em Liverpool, a primeira-ministra em Milches- ter, e um certo professor americano fascista em Londres. Sua "linha" a de que as diferenças entre os seres humanos eram determinadas pela genética, não pela cultura enfureceu o Mo­vimento Feminista, como era de esperar. Faye ficava histérica à simples menção de seu nome. Na noite de sexta-feira, depois de um bom jantar da sopa de Alice e de pizza, eles sentaram e conversaram sobre o dia seguinte.

A cozinha estava alegre, transbordando de vida. O vaso no banquinho tinha tulipas e lilases. Reggie e Mary contribuíram com duas garrafas de vinho tinto, sobre o qual Reggie natu­ralmentefalou como um entendido.

Embora o dia seguinte já fosse maio, eles pareciam envol­tos por uma chuva fria e incessante, o que fazia com que a cena e a companhia se tornassem ainda mais agradáveis. Era o que Alice pensava, risonha e grata, apesar de sentir um aperto no coração. Seu pobre coração parecia levar uma vida própria nos últimos dias, recusando-se a dar atenção ao que ela pensava. Mas ficar ali noite afora, com bons amigos, era agradável. Pois des­de a festa que os unira muitas das tensões pareciam ter se dis­sipado.

Até Philip, que trabalharia durante o fim de semana e não poderia acompanhá-los na manifestação, contribuiu com pensamentos úteis. Por exemplo, o de que a manifestação do Green- peace seria sua escolha: só por causa dos esforços do Greenpeace é que o governo fora forçado a admitir a extensão da poluição radiativa; se não fosse por isso, continuaria a mentir a respeito. Reggie e Mary, que no dia seguinte viajariam para Cumberland, gostaram da sugestão: fora dito o que eles sentiam. Pois os dois e não podiam evitar a impressão de que pensavam assim achavam que a manifestação sobre questões específicas, como a poluição costeira, era mais eficaz do que um protesto geral, "como berrar e gritar contra Maggie Thatcher".

Demonstrando assim o que sentia em relação à política dos outros ou pelo menos de seus métodos, Reggie esfriou um pou­co o bom humor, embora ainda fosse bastante intenso para levá-los a zombar do casal do Greenpeace com um coro vigoroso de vaias, e resmungos.

E isso mesmo interveio Mary, pondo a mão na de Reggie, para lhe dar apoio —, vocês não vão mudar as idéias dela com algumas vaias. Mas os fatos poderão mudá-las.

Concordo murmurou Philip.

Era um esforço para ele fazer isso, desafiar os verdadeiros detentores do poder na comuna (como agora se intitulavam, não mais os meros ocupantes autorizados de uma casa abandona­da). Parecia ainda mais frágil e menor do que antes de começar o novo trabalho. Dava a impressão de definhar. Seus olhos es­tavam avermelhados. Mas havia também uma expressão dura e irada; passava por maus momentos no trabalho, que ia muito devagar, segundo o grego que o contratara.

Todo aquele amor e harmonia eram bastante precários, pensava Alice, enquanto sorria; bastava que acontecesse uma coisi­nha qualquer e tudo desaparecia. Pôs as mãos em torno da caneca com café, sentindo o calor espalhar-se pelo corpo, e refletiu: E como uma família.

Faye estava dizendo, os dentes à mostra, em sua expressão característica e excitação fria:

Vaias? Gritos? Eu vou matar aquele desgraçado! Que di­reito tem ele de vir para cá com todo o seu veneno nojento con­tra as mulheres? Já temos os nossos próprios reacionários em quantidade suficiente!

Todos saindo de seus buracos e mostrando as suas verdadeiras cores acrescentou Roberta. Vai conosco, Jasper? E você, Bert? Vão demonstrar sua solidariedade às mulheres?

Uma pausa. Era para Milchester que Alice desejava ir. Para a senhora Thatcher. Mas havia uma carona para Liverpool e não custaria nada. Jasper sabia que ela preferia Milchester. E Bert também. Alice dissera que não tinha dinheiro. O que era verdade, contava apenas com a pensão. Estava disposta a ir para Liverpool. Odiava o secretário de Defesa, e não apenas por causa de sua política... havia alguma coisa naquela sua cara in­sidiosa e maligna de tory...

Quanto ao professor americano fascista, ela não podia entender o que Roberta, Faye e os outros estavam querendo. Ja­mais pudera compreender por que a palavra "genética" provo­cava tanta raiva. Achava que elas bancavam as tolas, até mesmo frívolas. Se as coisas eram assim, então... então eram e ponto final. Era preciso desenvolver o resto a partir daí.

Certa ocasião, há muito tempo, em seus dias de estudante, ela comentara a sério, inquisitiva (numa tentativa sincera de harmonia, baseada em opiniões partilhadas) que as mulheres tinham seios "e todo esse tipo de coisas", enquanto os homens "eram equipados de maneira diferente", isso não era genético? E se assim era, então as glândulas e hormônios não deviam ser diferentes? Geneticamente? Isso causara uma tempestade de res­sentimentos, da qual a comuna levara dias para se recuperar. Todo aquele negócio de sexo, pensava Alice, era sempre assim! Qualquer coisa relacionada com sexo! Deixava as pessoas dese­quilibradas. Fora de si. Era preciso aprender a ficar quieta e dei­xar que os outros se envolvessem. Só queria que a deixassem de fora...

Há vinte anos ou mais, sua mãe, em seu jeito descuidado, amistoso, clamoroso, maternal-prosaico, informara a Alice que ela iria em breve me