Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

  

 

Planeta Criança



Poesia & Contos Infantis

 

 

 


JOSÉ BALSAMO Vol. II / Alexandre Dumas
JOSÉ BALSAMO Vol. II / Alexandre Dumas

 

 

Biblioteca Virtual do Poeta Sem Limites

 

 

JOSÉ BALSAMO

Volume II

 

A SENHORA LUÍSA DE FRANÇA

        A filha mais velha de el-rei esperava seu pai na grande galeria de Lebrun, a mesma onde, em 1683, Luís XIV havia recebido o doge imperial e os quatro senadores genoveses que vinham implorar perdão para a República.

        Na extremidade dessa galeria, oposta àquela por onde el-rei devia entrar, achavam-se duas ou três damas de honor que pareciam consternadas.

        Luís XV chegou no momento em que no vestíbulo começavam a formar-se grupos, porque a resolução que parecia ter sido tomada naquela manhã pela princesa, já começava a divulgar-se no palácio.

        A senhora Luísa de França, princesa de estatura majestosa e de beleza perfeitamente real, mas cujo rosto se obscurecia por vezes com uma tristeza desconhecida; a senhora Luísa de França, dizemos, impunha à corte, pela prática das mais austeras virtudes, esse respeito pelos grandes poderes do Estado que, desde cinqüenta anos, já ninguém em França sabia venerar senão por interesse ou receio.

        Ainda mais: nesse momento de geral desafeição dos povos pelos senhores, ela era amada. É porque era franca a sua virtude: nunca se havia falado dela em público, mas sabia-se que tinha bom coração, e todos os dias o provava por acções piedosas que fazia, enquanto as outras só praticavam escândalos.

        Luís XV temia sua filha, pelo único motivo que a estimava. Algumas vezes mesmo ensoberbecia-se por ter uma semelhante filha; também era ela a única das suas filhas a quem poupava nas zombarias agudas que lhes dirigia, e, enquanto às três outras - Adelaide, Vitória e Sofia - chamava Loque, Chiffe e Graille, a sua Luísa de França era sempre tratada por “senhora”.

        Desde que o marechal de Saxe levara consigo para o túmulo a alma dos Turenne e Condé, Maria Leckzinska o espírito de conduta da rainha Teresa, minguava tudo em redor do trono, já sem esplendor; então a senhora Luísa, com um carácter verdadeiramente real, e que por comparação parecia heróico, fazia o orgulho da coroa de França, que apenas possuía essa jóia fina no centro do ouropel e pedraria falsa.

        Não queremos dizer nisto que Luís XV amasse a sua filha. Luís XV, como todos sabem, só se amava a si. Só o que afirmamos é que queria mais a esta que às outras.

        Ao entrar, viu a princesa só, no meio da galeria, encostada a uma mesa de mosaico.

        Estava vestida de preto; os seus formosos cabelos sem pós ocultavam-se debaixo de duas ordens de rendas; a sua fronte, menos austera que de costume, era quase triste. Não olhava em torno de si, só de vez em quando dirigia melancolicamente os olhos para os retratos dos reis da Europa, à frente dos quais figuravam os reis de França, seus antepassados.

        O trajo preto era o que geralmente usavam em jornada as princesas; escondia grandes algibeiras que ainda naquela época se usavam, como no tempo das rainhas que cuidavam no governo das suas casas; e a senhora Luísa, seguindo o seu exemplo, trazia à cintura, presas numa argola de ouro, a grande quantidade de chaves dos seus armários e caixas.

        O rei tornou-se muito pensativo quando viu o silêncio e a atenção com que olhavam para o resultado desta cena.

        Mas a galeria é tão comprida, que os espectadores, colocados nas duas extremidades dela, eram discretos à força. Viam, tinham esse direito; não ouviam, era o seu dever.

        A princesa deu alguns passos para ir ao encontro de el-rei, pegou-lhe na mão e beijou-a com respeito.

        - Dizem-me que vai partir, minha senhora? – perguntou Luís XV; - vai para a Picardia?

        - Não, senhor - disse a princesa.

        - Então já adivinho - disse el-rei levantando a voz - vai de romaria a Noirmoutiers.

        - Não, senhor - respondeu a senhora Luísa - retiro-me para o convento das carmelitas de Saint-Denis, onde, como sabe, posso ser abadessa.

        El-rei estremeceu; todavia o sobressalto do coração não lhe alterou o rosto.

        - Oh! Não - disse ele - não, minha filha, não se apartará de mim, não é verdade? É impossível que me deixe.

        - Meu pai, há muito tempo que tomei esta resolução, que Vossa Majestade já se dignou autorizar; portanto, meu pai, peço-lhe que não queira agora resistir.

        - É verdade... Já dei essa autorização, mas depois de a haver combatido largamente, bem o sabe. Dei-a porque sempre esperei que lhe faltasse o ânimo no momento da partida. Não pode ir fechar-se num claustro, a senhora; não se entra num convento senão por desgosto ou reveses da fortuna. A filha do rei de França não é pobre, creio eu, e se tem desgostos ninguém os deve conhecer.

        A palavra e o pensamento de el-rei elevavam-se à medida que ele entrava mais nesse papel de pai e de rei, que o actor nunca desempenha mal quando a soberba aconselha um e a saudade o outro.

        - Senhor - respondeu Luísa, que percebia a comoção de seu pai, tão rara no egoísta Luís XV e que, por esse motivo, usava de dissimulação para com sua filha - senhor, não enfraqueça a minha alma mostrando-me ternura. O meu desgosto não é um desgosto vulgar, motivo por que a minha resolução é fora dos costumes do nosso século.

        - Tens desgostos? - exclamou el-rei com um raio de sensibilidade. - Desgostos! Tu, pobre criança!

        - Cruéis, imensos, senhor - respondeu Luísa.

        - Ah!  Minha filha, e por que mo não dizias?

        - Porque são desgostos cuja cura não depende de mão humana.

        - Nem da mão de um rei?

        - Nem da mão de um rei, senhor.

        - Nem de um pai?

        - Também não, senhor, também não.

        - Entretanto és religiosa, Luísa, e da religião tira-se força bastante...

        - Não me basta, senhor, e retiro-me para o claustro a fim de achar mais. No silêncio fala Deus ao coração do homem; na solidão fala o homem ao coração de Deus.

        - Mas fazes ao Senhor um sacrifício enorme que nada compensará. O trono da França espalha uma sombra augusta sobre os filhos criados em torno dele; não te basta essa sombra?

        - A da cela é ainda mais profunda, meu pai; refresca o coração, é doce para os fortes e para os fracos, para os humildes e para os soberbos, para os grandes e para os pequenos.

        - Receias algum perigo? Se é isso, lembra-te que el-rei está ao teu lado para te defender.

        - Senhor, comece Deus por defender a el-rei!

        - Eu te repito, Luísa, deixas-te levar por um zelo mal entendido. É bom orar, mas não orar sempre. Tu que és tão boa, tão caridosa, para que precisas orar tanto?

        - Nunca orarei bastante, meu pai! Nunca orarei bastante, meu rei, para afastar as desgraças que estão iminentes, e que vão cair sobre nós! Esta bondade que Deus me deu, esta pureza que há vinte anos tento purificar ainda mais, não são bastante, muito o receio, para a vítima expiatória.

        O rei recuou um passo, e olhando admirado para Luísa, disse:

        - Nunca me falaste assim. O ascetismo perde-te, querida filha.

        - Oh! Senhor, não dê esse nome mundano à devoção mais verdadeira e principalmente mais necessária que nunca filha ou súbdita ofereceram ao seu pai ou rei. Senhor, o seu trono, cuja sombra protectora ainda há pouco me oferecia com tanto orgulho, já treme com os golpes que ainda não sente, mas que eu adivinho. Está-se fazendo em silêncio uma grande escavação, abismo que de repente pode engolir a monarquia. Já lhe falaram alguma vez a verdade, senhor?

        A senhora Luísa olhou em torno de si para verificar se ninguém estava a distância de poder ouvi-la, e vendo todos longe, prosseguiu:

        - Pois bem, senhor, essa verdade sei-a eu; eu, que sob o hábito da misericórdia, visitei vinte vezes as ruas sombrias, as mansardas cheias de fome, os becos cheios de gemidos. Pois bem! Nessas ruas, nesses becos, nessas mansardas, senhor, morre-se de fome e de frio no Inverno; no Verão, de sede e de calor. Os campos, que não vê, senhor, porque ides unicamente de Versalhes a Marly e de Marly a Versalhes, os campos já não têm grão, não direi já para sustentar o povo, senhor, mas nem mesmo para deitar no sulco da charrua, que, amaldiçoada não sei por que poder inimigo, devora e não produz. Toda essa gente, a quem falta o pão, queixa-se em voz baixa, porque há rumores vagos e desconhecidos que atravessam os ares, no crepúsculo, na noite, e falam-lhes em ferros, grilhões, tiranias, e acordam ouvindo essas palavras, cessam de queixar-se em voz alta e começam a murmurar.

        “De outro lado os parlamentos pedem o direito de representação, isto é, de lhe dizer em voz alta o que dizem em voz baixa: ‘Rei, estás-nos perdendo! Salva-nos, senão tratamos nós da nossa salvação...’ A gente de guerra escava com a espada inútil uma terra, em que está o germe da liberdade semeado a mãos-cheias pelos enciclopedistas. Os escrevinhadores - e como se explica isto a não ser que os olhos dos homens começam a ver coisas que dantes não viam? - os escrevinhadores sabem o que fazemos, e dizem-no ao povo que, cada vez que vê passar os seus amos, franze as sobrancelhas. Vossa Majestade casa o seu filho! Antigamente, quando a rainha Ana de Áustria casou o seu, a cidade de Paris fez presentes à princesa Maria Teresa. Hoje, pelo contrário, nem só a cidade se cala, nem só a cidade nada oferece, mas ainda Vossa Majestade viu-se obrigado a aumentar os impostos para pagar as carruagens em que se conduz uma filha dos Césares para a casa de um filho de S. Luís. Há já muito tempo que o clero está acostumado a não orar a Deus, mas vê que as terras estão dadas, os privilégios exaustos, os cofres vazios, e começa agora de novo a orar a Deus, para o que chama a felicidade do povo! Enfim, senhor, será preciso dizer-lhe o que muito bem sabe, o que tem visto com tanto desgosto que a ninguém tem querido falar nisso? Os reis, nossos irmãos, que dantes nos invejavam, afastam-se agora de nós. As suas quatro filhas, as filhas do rei de França, não casaram, e há na Alemanha vinte príncipes, três em Inglaterra, dezesseis nos Estados do Norte, sem contar os nossos parentes, os Borbons da Espanha e de Nápoles, que, ou se esquecem ou se afastam de nós como os mais. Talvez o sultão nos quisesse, se não fôssemos filhas de Sua Majestade Cristianíssima. Oh! Eu não falo por mim, meu pai, não me queixo; é um estado feliz o meu, porque estou livre, porque a ninguém da minha família sou precisa, porque no retiro, na meditação e na pobreza para onde vou, poderei orar a Deus para que afaste da sua cabeça e da do meu sobrinho essa tremenda tempestade que brame ao longe no céu do futuro.”

        - Minha filha - disse el-rei - os teus receios pintam-te esse futuro muito pior que ele na realidade é.

        - Senhor, senhor - disse Luísa - lembre-se dessa princesa da Antiguidade, essa real profetisa, que prognosticava como eu a seu pai e seus irmãos a guerra, a destruição, o incêndio; e seu pai e seus irmãos riam das suas profecias, a que chamavam insensatas. Não me trate como ela foi tratada. Pense no que eu lhe digo, meu pai!

        Luís XV cruzou os braços e inclinou a cabeça sobre o peito.

        - Minha filha - disse ele - falas-me severamente; essas desgraças de que me falas são porventura obra minha?

        - Deus não permita que eu o pense, mas são obra do tempo em que vivemos. É levado pela corrente como nós todos. Escute, senhor, como nos teatros aplaudem a menor alusão contra a realeza; veja, de tarde, os grupos alegres que descem tumultuosamente as escadas das sobrelojas, quando está deserta a grande escada de mármore. Senhor, o povo e os cortesãos criaram prazeres à parte dos nossos, divertem-se sem nós, ou melhor direi, quando aparecemos nos lugares em que se divertem ficam tristes. Ah! - prosseguiu a princesa com uma adorável melancolia - ah! pobres mancebos! pobres raparigas! amem! cantem! olvidem! sejam felizes! Aqui incomodava-os eu, mas lá, no meu retiro, poderei servi-los. Aqui, abafam os seus alegres risos, com receio de me desagradar; mas lá, hei-de eu orar com todo o meu coração, pelo rei, por minhas irmãs, por meus sobrinhos, pelo povo de França, por vós todos enfim, que eu amo com a energia de um coração que ainda não está gasto por nenhuma paixão.

        - Minha filha -disse el-rei depois de um triste silêncio - suplico-te que não me deixes, pelo menos neste momento; acabas de me despedaçar o coração.

        Luísa de França pegou na mão de seu pai, e fitando com ternura os olhos no nobre rosto de Luís XV, disse:

        - Não, não, meu pai; nem mais uma hora neste palácio. Não, é tempo de ir orar. Sinto-me com forças para com as minhas lágrimas resgatar todos os prazeres a que aspira, o senhor, ainda moço como é, e um bom pai que sabe perdoar.

        - Fica comigo, Luísa, fica - disse el-rei apertando sua filha entre os braços.

        A princesa abanou a cabeça.

        - O meu reino não é neste mundo - disse ela tristemente, livrando-se do abraço real. - Adeus, meu pai. Eu disse hoje coisas que há mais de dez anos me pesam sobre o coração. O peso oprimia-me. Adeus, vou contente. Veja: rio, sou feliz hoje pela primeira vez. De nada levo saudades.

        - Nem de mim, querida filha?

        - Oh! de si teria saudades, se não devesse tornar a vê-lo; mas há-de ir algumas vezes a Saint-Denis, não se esquecerá inteiramente de mim.

        - Oh! nunca me hás-de esquecer! Nunca!

        - Não se enterneça, senhor; a nossa separação não é eterna. Minhas irmãs nada sabem ainda, segundo creio, pelo menos só as minhas aias estão na confidência. Há oito dias que ando fazendo os meus preparativos, e desejo ardentemente que o rumor da minha partida não seja ouvido senão depois do que fizerem as pesadas portas do convento de Saint-Denis. Este não me deixará ouvir o outro.

        El-rei leu nos olhos de sua filha que era irrevogável a sua resolução. Preferiu deixá-la ir sem oposição.

        E demais, Luís XV queria também ir a Marly, e se começasse a demorar-se em Versalhes, não poderia partir naquele dia.

        Enfim, lembrou-se que ao voltar de alguma orgia, indigna de um rei e de um pai, não tornaria a encontrar aquele rosto sério e triste que lhe parecia uma admoestação a essa vida devassa que ele passava.

        - Faça-se a tua vontade, minha filha - disse ele; mas antes, recebe a bênção de teu pai, que tanta felicidade te deve.

        - Dê-me a sua mão para eu beijar, senhor, e mentalmente conceda-me essa preciosa bênção.

        Para os que sabiam da sua resolução, era este um espectáculo grande e solene.

        Chegados à porta, el-rei cortejou a filha, e voltou para trás sem dizer palavra.

        A corte seguiu-o como era da etiqueta.

 

LOQUE, CHIFFE E GRAILLE

        El-Rei dirigiu-se para o gabinete das equipagens, onde costumava sempre ir antes de sair para a caça ou para passeio, a fim de dar as suas ordens para os diversos trens de que precisava para o serviço daquele dia.

        No fim da galeria cortejou as pessoas que o acompanhavam e fez-lhes um sinal com a mão indicando que queria ficar só.

        Luís XV, só, continuou no seu caminho por um corredor sobre o qual dava o quarto das suas filhas. Chegado diante da porta que estava fechada por um reposteiro, parou um instante e abanou a cabeça.

        - Só uma era boa - resmungou ele entre dentes – e essa partiu!

        Umas poucas de vozes responderam a esse axioma, pouco amável para as que ficavam. O reposteiro levantou-se e Luís XV foi saudado por estas palavras que em coro lhe dirigiu um trio furioso:

        - Obrigado, meu pai!

        El-rei estava entre as suas três outras filhas.

        - Ah! És tu, Loque - disse ele dirigindo-se à mais velha das três, isto é, à senhora Adelaide. - Ah! Minha rica, quer te agrade, quer não, eu disse a verdade.

        - Ora! - disse a senhora Vitória - o que acaba de nos dizer não é novo para nós, senhor, bem sabemos que sempre preferiu Luísa.

        - Acabas de dizer uma grande verdade, Chiffe.

        - E por que prefere Luísa a nós? - perguntou a senhora Sofia com azedume.

        - Porque Luísa não me atormenta - respondeu ele com essa bonomia de que, nos seus momentos de egoísmo, Luís XV oferecia um tipo tão perfeito.

        - Oh! Descanse, meu pai, ela o atormentará – disse a senhora Sofia num tom que atraiu a atenção de el-rei.

        - Como sabes tu isso, Graille? - perguntou ele. - Quando Luísa partiu veio fazer-te as suas confidências, a ti? Isso admira-me, porque ela não gosta muito de ti.

        - Também pago-lhe na mesma moeda – redargüiu Sofia.

        - Muito bem! - disse Luís XV - odeiem-se, despedacem-se, nada tenho com isso, contanto que me não venham incomodar para restabelecer a ordem no reino das amazonas. Mas o que desejava saber é em que me há-de atormentar a pobre Luísa.

        - A pobre Luísa! - repetiram com ironia as duas irmãs, Vitória e Adelaide.

        - Em que o há-de atormentar? Pois eu lho digo, meu pai.

        Luís XV sentou-se numa grande poltrona colocada junto da porta, de modo que ficara a jeito para se retirar logo que lhe conviesse.

        - Porque a senhora Luísa - respondeu Sofia – está um pouco possessa pelo Demónio que a abadessa de Chelles tinha, no corpo, e recolhe ao convento para fazer as suas experiências.

        - Vamos, vamos - disse el-rei - nada de equívocos a respeito da virtude de sua irmã; por fora, onde se diz tanta coisa, nunca se falou dela. Não comeces tu.

        - Eu?

        - Sim, tu.

        - Oh! não falo da sua virtude - disse a senhora Sofia, muito sentida pela acentuação particular que seu pai dava à palavra tu; - digo que vai fazer experiências, nada mais.

        - Ora, quando mesmo ela fosse trabalhar em química, aprender a jogar as armas, tocar, quebrar cravos, que mal haveria nisso?

        - Eu digo que ela vai trabalhar em política.

        Luís XV estremeceu.

        - Estudar a filosofia, a teologia e continuar os comentários sobre a bula Unigenitus; de modo que presas entre as suas teorias governamentais, os seus sistemas metafísicos e a sua teologia, havemos de parecer as inúteis da família...

        - Se isso abrir a tua irmã o caminho do paraíso, que mal te pode fazer? - atalhou Luís XV, não deixando todavia de notar a relação que havia entre a acusação de Graille e a diatribe política com que a senhora Luísa rematara a sua partida. - Invejam a sua bem-aventurança? Seria uma acção de más cristãs.

        - Não, não - disse a senhora Vitória; - deixo-a ir para onde vai; mas não a quero seguir.

        - Nem eu, disse a senhora Sofia.

        - E demais ela odiava-nos - disse a senhora Vitória.

        - A todas? - perguntou Luís XV.

        - Sim, sim - responderam as outras duas irmãs.

        - Verão - disse Luís XV - ela foi escolher o paraíso para não ter receio de se encontrar com a sua família.

        Este dito fez rir um pouco as três irmãs. A senhora Adelaide, a mais velha das três, reunia toda a sua lógica a fim de descarregar sobre o pai um golpe mais profundo que os que acabavam de resvalar sobre a sua couraça.

        - Minhas senhoras - disse ela num tom reservado que lhe era peculiar - não souberam ou não quiseram dizer a Sua Majestade o verdadeiro motivo da partida da senhora Luísa.

        - Bom! Temos mais algum dito - atalhou el-rei. - Basta, Loque, basta!

        - Oh! senhor - redargüiu ela - bem sei que vou dizer alguma coisa que há-de desagradar um pouco a Vossa Majestade.

        - Diz antes que tens essa esperança, e falarás assim mais verdade.

        A senhora Adelaide mordeu os lábios.

        - Mas - acrescentou ela - hei-de dizer a verdade.

        - Bom! o caso promete. A verdade! emenda-te de semelhante coisa; a verdade nunca se diz; faz como eu, e olha que me não dou mal com isso, graças a Deus!

        E Luís XV encolheu os ombros.

        - Vamos, fale, minha irmã, fale - disseram as outras duas princesas, impacientes por saberem esse motivo que tanto devia desagradar a el-rei.

        - Ora - prosseguiu a senhora Adelaide - o que a nossa irmã Luísa receava mais que tudo, ela que com tanto rigor observava a etiqueta, era...

        - Era?...-repetiu Luís XV; - vamos, já que principiaste, acaba.

        - Pois bem, senhor, era a intrusão de novas caras.

        - A intrusão, disseste tu? - observou el-rei descontente com esse começo, porque via, de antemão, o fim a que tendia; - a intrusão! Há em minha casa intrusos? Obriga-me alguém a receber quem eu não quero que seja recebido?

        Era um meio hábil de mudar absolutamente o sentido da conversa.

        Mas a senhora Adelaide era muito fina, para assim se deixar despistar.

        - Expliquei-me mal, senhor - atalhou ela - expliquei-me mal, e não usei do termo próprio. Em lugar de intrusão, deveria ter dito introdução.

        - Ah! Ah! - disse o rei - isso já é outra coisa; a outra palavra desagradava-me, confesso-o; acho melhor introdução.

        - E contudo, senhor - continuou a senhora Vitória parece-me que nem essa é ainda a verdadeira palavra.

        - Qual é então, vejamos?

        - É apresentação.

        - Ah! sim - disseram as outras irmãs unindo-se à mais velha - parece-me que desta vez acertou-se.

        El-rei mordeu os lábios.

        - Ah! julga que é isso? - disse ele.

        - Sim - continuou a senhora Adelaide. - Dizia eu que a minha irmã gosta pouco de novas apresentações.

        - Bem! - disse el-rei que desejava acabar a conversa; - e depois?

        - Depois, meu pai, naturalmente teve medo de ver chegar ao Paço a Srª. Condessa du Barry.

        - Ora adeus! - exclamou el-rei com um impulso irresistível de despeito - ora adeus! digam logo claro o que têm para dizer, sem procurar tantos rodeios.

        - Senhor - respondeu a senhora Adelaide - se tanto me demorei antes de dizer a Vossa Majestade o que acabo de dizer-lhe, é porque o respeito me prendeu a fala, e só a sua ordem me podia obrigar a falar sobre semelhante assunto.

        - Ah! sim, sim, não falas, não mordes, nem mesmo tens abrimentos de boca!...

        - Apesar de tudo isso, senhor - continuou a senhora Adelaide - parece-me ter descoberto o verdadeiro motivo da partida de minha irmã.

        - Pois estás enganada.

        - Oh! senhor - repetiram juntas, abanando a cabeça, as senhoras Vitória e Sofia; - oh!  senhor, temos a certeza do que acaba de ouvir.

        - Sim! - interrompeu Luís XV; - ah! ah! Partilham todas da mesma opinião; há conspiração na minha família, pelo que vejo. É por isso que a tal apresentação não pode ter lugar; é por isso que estas senhoras nunca estão em casa quando as querem visitar; é por isso que não respondem aos requerimentos e petições em que se solicitam audiências.

        - Que requerimentos e que petições são essas? – perguntou a senhora Adelaide.

        - Ora! bem o sabem, os requerimentos da menina Joana Vaubernier - disse a senhora Sofia.

        - Nada, não é isso, são as petições da Srª. Lange, que quer uma audiência - disse a senhora Vitória.

        El-rei levantou-se furioso, e o seu olhar geralmente tão sossegado e doce despedia raios pouco favoráveis para as três irmãs.

        Entretanto, como no trio real não havia heroína capaz, de sustentar a ira paternal, abaixaram todas três a fronte diante do ímpeto da tempestade.

        - Isso - disse ele - é para me provar que me enganava quando há pouco dizia que das quatro a melhor tinha partido.

        - Senhor - disse a senhora Adelaide - Vossa Majestade trata-nos mal, pior que aos cães.

        - Pudera não; quando chego, os meus cães vêm fazer-me festas; os meus cães são meus verdadeiros amigos. Adeus, minhas senhoras. Vou ver Carlota, Bela Filha e Gredinet. Pobres animais! Sim, gosto deles, e gosto deles principalmente porque não ladram a verdade.

        El-rei saiu furioso, e não teria andado quatro passos quando ouviu as suas três filhas que em coro cantavam a primeira copla de uma canção contra a Srª. du Barry.

        El-rei esteve a ponto de voltar para trás, e talvez que tivesse sido muito pouco agradável para Suas Altezas, mas conteve-se, e continuou o seu caminho, bradando:

        - Senhor capitão das galgas!

        O oficial chamado com um título tão singular acudiu prontamente.

        - Faça abrir a casa dos cães! - disse el-rei.

        - Oh! senhor - bradou o oficial indo ao encontro de Luís XV - não dê Vossa Majestade nem mais um passo.

        - Então o que aconteceu? - perguntou el-rei, parando no limiar da porta, por baixo da qual se ouvia a respiração dos cães que farejavam a presença do seu dono.

        - Senhor - disse o oficial - perdoai o meu zelo, mas não posso permitir que el-rei entre na casa dos cães.

        - Ah! Sim, é porque não está ainda arranjada... limpa... Pois bem, chame para aqui Gredinet.

        - Senhor - murmurou o oficial cujo rosto exprimia a consternação - há dois dias que Gredinet não bebe nem come, e receia-se muito que esteja danado.

        - Oh! Decididamente - exclamou Luís XV - sou o mais infeliz de todos os homens... Gredinet danado! É o que agora me faltava.

        O oficial das galgas julgou dever verter uma lágrima para animar a cena.

        El-rei voltou e dirigiu-se para o gabinete, onde o esperava o seu criado de quarto.

        Este, vendo o rosto consternado de el-rei, retirou-se para um vão de janela.

        - Ah! Bem o vejo - murmurou Luís XV sem se importar com a presença do criado, que era um fiel servidor, e caminhando a largos passos no seu gabinete - ah! bem o vejo, o senhor de Choiseul zomba de mim; o delfim já se considera como meio senhor, e julga que o será de todo quando tiver feito assentar a sua austriacazinha sobre o trono. Luísa ama-me, porém com aspereza, porque me prega um sermão de moral e retira-se. As minhas três outras filhas cantam-me canções em que me chamam nomes pouco agradáveis, o Sr. Conde de Provença traduz Lucrécia, o Sr. Conde de Artois procura aventuras pelas ruas sujas, os meus cães danam-se e querem morder-me. Decididamente, só a minha condessa me ama. Os diabos levem portanto aqueles que lhe querem mal!

        Então, com uma resolução desesperada, sentando-se junto da mesa sobre a qual Luís XIV dava a sua assinatura, a mesma que havia recebido o peso dos últimos tratados e das cartas soberbas do grande rei, disse:

        - Agora percebo o motivo por que todos querem apressar a chegada da delfina. Julgam que bastará apresentar-se aqui para eu ser seu escravo, ou para ser dominado pela sua família. Ora! hei-de ter muito tempo para ver a minha querida nora, porque a sua chegada aqui deve meter-me decerto em novas sensaborias. Vivamos portanto sossegados; sossegados o mais tempo possível, e para isso vamos demorá-la no caminho. Ela devia passar em Reims e Noyon sem parar, e seguir logo para Compienha: nada, é melhor manter o primeiro programa. Três dias de recepção em Reims, e um... não! é melhor dois, ora adeus! três dias de festa em Noyon. Isso fará sempre seis dias, seis bons dias.

        El-rei pegou na pena e com o seu próprio punho escreveu ao senhor de Stainville dando-lhe ordem de se demorar três dias em Reims, e três dias em Noyon.

        Depois, expedindo o correio, disse-lhe:

        - Vai a toda a brida, e não pares senão para entregar esta ordem à pessoa a quem é dirigida.

        Depois, com a mesma pena escreveu:

        “Querida condessa, hoje instalámos Zamora no seu governo. Vou partir para Marly. Esta noite irei a Luciennes dizer-lhe tudo quanto penso neste momento.

                                                           França.”

        - Lebel - bradou el-rei - leve esta carta à condessa e recomendo-lhe o maior respeito, ouviu? é um conselho que lhe dou.

        O criado inclinou-se e saiu.

 

A SENHORA DE BÉARN

        A Srª. Condessa de Béarn, como Chon o havia dito a seu irmão, caminhava rapidamente para Paris.

        Esta jornada era o resultado de uma dessas maravilhosas imaginações que, em momentos críticos, vinham em auxílio do visconde João.

        Não podendo achar, entre as senhoras da corte, essa madrinha tão desejada e necessária, porque sem ela não podia ter lugar a apresentação da senhora du Barry, lançara os olhos para a Província, examinara as posições, esquadrinhara as aldeias e acabara por encontrar o que precisava, numa sofrível casa gótica das margens do Meuse.

        O que ele procurava, era uma velha demandista e um velho processo.

        A velha demandista era a condessa de Béarn.

        O processo era um negócio do qual esperava toda a sua fortuna e que dependia do senhor de Maupeou, que se achava recentemente ligado com a senhora du Barry, com quem descobrira um grau de parentesco até então ignorado, e a quem por conseqüência chamava sua prima. O senhor de Maupeou, na esperança de obter a chancelaria, tinha pela favorita todo o fervor de uma amizade nascida na véspera e de um interesse que o haviam feito nomear por el-rei vice-chanceler, e por abreviatura o vice (o vício) que era como todos o conheciam.

        A Srª. Condessa de Béarn, apesar do seu nome e título magníficos, não era mais que uma velha demandista muito semelhante à condessa de Escarbagnas ou à senhora de Pimbèche, que eram os dois bons tipos daquela época.

        Ágil, magra, angulosa, sempre desconfiada de tudo, virando continuadamente e para todos os lados os seus olhos de gato espantado, tinha a condessa de Béarn conservado os costumes das mulheres do tempo da sua mocidade, e como a moda, apesar dos seus caprichos, consente algumas vezes em ser lógica e arrazoada, acontecia que o trajo das raparigas de 1740 era exactamente um trajo de velhas em 1770.

        Amplas rendas, manteletes bordados, enormes coifas, bolsos imensos, indispensável colossal e mantinha de seda lavrada, tal era o costume em que Chon, a irmã querida e confidente fiel da senhora du Barry, havia encontrado a senhora de Béarn, quando em sua casa se apresentou com o nome suposto de Flageot, isto é, na qualidade de filha do seu advogado.

        A velha condessa usava-o (entende-se que falamos do trajo) tanto por gosto como por economia. Não era destas pessoas que se envergonham da sua pobreza, porque essa pobreza não precedia de culpa sua. Só o que lamentava era não ser rica para deixar uma fortuna a seu filho, que fosse digna do seu nome. O filho era um mancebo provinciano, tímido como uma donzela, e que apreciava muito mais as doçuras da vida material que os favores da fama.

        Restava-lhe, contudo, o recurso de chamar suas as terras que o seu advogado disputava aos Salúcios; mas, como era mulher de elevado espírito, bem conhecia que se tivesse que pedir dinheiro emprestado sobre elas, não acharia um único usurário, e naquela época havia-os bem ousados em França, que lhe emprestasse coisa alguma sobre semelhante penhor.

        É o motivo por que, reduzida aos rendimentos das terras não compreendidas na demanda, a Srª. Condessa de Béarn, que possuía uns mil escudos cada ano, fugia da corte, onde, só para se transportar a casa dos senhores juízes e dos senhores advogados, gastaria uns doze francos por dia.

        Tinha-se retirado principalmente porque desesperava de fazer sair e dar andamento aos seus autos antes de quatro ou cinco anos. Hoje as demandas ainda são longas, mas enfim, sem viver a idade de um patriarca, alguma esperança se pode ter de as ver concluídas, mas antigamente uma demanda atravessava duas ou três gerações, e, como essas fabulosas plantas d’As Mil e Uma Noites, só dava flor ao cabo de duzentos ou trezentos anos.

        Ora, a condessa de Béarn não queria devorar o resto do seu património na tentativa de recuperar as dezessete vigésimas partes empenhadas: era, como já o dissemos, o que em todos os tempos se chama uma boa mulher do tempo antigo, isto é, sagaz, prudente, forte e avarenta.

        Teria decerto defendido, advogado, executado e dirigido a sua demanda, melhor que qualquer procurador ou advogado, mas chamava-se Béarn, e esse nome punha obstáculos a muita coisa. Resultava que, devorada de arrependimentos e angústias, muito semelhante ao divino Aquiles, que, retirado na sua tenda, sofria mil mortes ao ouvir o som desse clarim para o qual se fingia surdo, a senhora de Béarn passava os dias com os óculos no nariz decifrando antigos pergaminhos, e as noites embuçada no seu roupão de chita da Pérsia, com os cabelos grisalhos soltos, a advogar diante do seu travesseiro a causa dessa sucessão reivindicada pelos Salúcios, causa que ela sempre ganhava a si mesma, com uma eloqüência de que ficava tão satisfeita, que em idênticas circunstâncias, desejava-a igual ao seu advogado.

        Facilmente se percebe a doce sensação que, em tais circunstâncias, devia ter causado à condessa de Béarn a chegada de Chon com o nome suposto de filha do Sr. Flageot.

        O jovem conde estava no seu regimento.

        Com facilidade se crê aquilo que se deseja. Também a senhora de Béarn deu logo ouvidos à história que Chon lhe contou.

        Havia contudo uma sombra de desconfiança para conceber: a condessa conhecia o Sr. Flageot havia mais de vinte anos, tinha-o visitado duzentas vezes na sua casa da Rua do Petit-Lion-Saint-Sauveur, e nunca percebera o menor indício de criança que viesse pedir doces e pastilhas aos clientes.

        Mas quem havia de pensar nessas coisas em tal momento, quem se havia de lembrar se existia ou não criança alguma em casa do advogado? a filha do Sr. Flageot era filha do Sr. Flageot, e nada mais lhe importava.

        Demais, esta senhora dizia que era casada, não vinha a Verdun de propósito, ia para Estrasburgo ter com seu marido.

        A senhora de Béarn devia talvez ter perguntado à Srª. Flageot pela carta que junto dela a devia acreditar; mas se um pai não pode mandar sua filha, a sua própria filha, sem levar uma carta, a quem se poderia incumbir uma missão de confiança, e depois, por que teria esses receios? A que tendiam semelhantes suspeitas? Qual seria o fim de fazer uma jornada de sessenta léguas para contar uma história dessas?

        Se ela fosse rica, se, como a mulher de um banqueiro ou de um recebedor geral, tivesse que trazer consigo equipagens, baixelas e brilhantes, poderia pensar que era uma trama urdida por ladrões. A senhora de Béarn ria-se muito quando por vezes pensava no modo como ficariam despeitados os ladrões que se lembrassem de a querer roubar.

        Por isso, apenas Chon saiu no carro ordinário, puxado por um único cavalo, e no qual ela vinha desde a última posta, onde havia deixado a sua carruagem, convencida a Srª. Condessa de Béarn que era chegada a ocasião de fazer um sacrifício, meteu-se também por sua vez numa antiga carruagem, e por tal forma apressou os postilhões, que passou em Chaussée uma hora antes da delfina e chegou à barreira de Saint-Denis apenas cinco ou seis horas depois de Chon du Barry.

        Como a viajante tinha pouca bagagem e sendo para ela da maior urgência informar-se do seu negócio, fez parar a carruagem na Rua do Petit-Lion, à porta do Sr. Flageot.

        Isto não se fez sem que se juntasse um grande número de curiosos (e os parisienses todos o são) em torno desse venerável coche que, pela arquitectura monumental, pelas cortinas de marroquim imprensado e pelas ferragens parecia sair das cocheiras de Henrique IV.

        A Rua do Petit-Lion não é larga. A senhora de Béarn e o seu trem ocupavam-na toda majestosamente, e tendo pago aos postilhões, deu-lhes ordem de conduzirem a carruagem para a hospedaria em que ela costumava apear-se, isto é, no Galo Cantante, que era situada na Rua de Saint-Germain-des-Prés.

        Subiu, segurando-se à corda sebenta, a escura escada do Sr. Flageot; havia nela uma frescura que não desagradou à velha, fatigada pela rapidez e ardor do caminho.

        O Sr. Flageot, apenas a sua criada Margarida lhe anunciou a visita da Srª. Condessa de Béarn, compôs-se, porque o calor excessivo obrigava-o a estar meio despido, pôs na cabeça uma cabeleira que sempre tinha ao seu lado, levantou-se e dirigiu-se para a porta, levando um sorriso nos lábios. Mas nesse sorriso via-se tão claramente uma nuvem de admiração que a condessa julgou-se obrigada a dizer-lhe:

        - Então que é isso, meu caro Sr. Flageot? sou eu.

        - Sim, sim, bem a vejo, senhora condessa.

        Fechando então pudicamente o seu roupão, o advogado conduziu a condessa para uma poltrona de couro, que estava no canto mais claro do gabinete, e afastou-a com prudência da mesa em que estavam os seus papéis, porque sabia que era muito curiosa.

        - Agora, minha senhora - disse ele - permitirá que me alegre por uma tão agradável surpresa.

        A senhora de Béarn, encostada na poltrona, erguia um pouco os pés para deixar entre o chão e os seus sapatos de cetim lavrado o espaço necessário para a colocação de uma pequena almofada, que Margarida lhe trazia.

        Ergueu-se rapidamente.

        - Como surpresa? - disse ela entalando o nariz com os óculos que acabava de tirar do estojo para melhor poder ver o Sr. Flageot.

        - Sem dúvida, eu julgava que estava nas suas fazendas, minha senhora - respondeu o advogado, usando assim de uma amável lisonja para qualificar as três jeiras de terra de horta da condessa.

        - Lá estava efectivamente; mas, como vê, deixei-as ao seu primeiro sinal.

        - Ao meu primeiro sinal? - disse o advogado muito admirado.

        - À sua primeira palavra, primeiro aviso, primeiro conselho, enfim, ou como melhor lhe agradar.

        Os olhos do Sr. Flageot cresceram até ao tamanho dos óculos da condessa.

        - Parece-me que não andei mal - continuou esta e que deve estar contente por isso.

        - Estou encantado, minha senhora, como sempre; mas permita que lhe diga, que não vejo o que tenho com tudo isto.

        - Como! - disse a condessa - o que tem com isto?... tem tudo, ou direi melhor, fez tudo o senhor mesmo.

        - Eu?

        - Certamente... Ora vamos a saber, temos novidades por cá?

        - Oh!  sim, minha senhora, muitas; dizem que el-rei está para fazer um golpe de Estado a respeito do parlamento. Mas, esquecia-me oferecer-lhe de tomar alguma coisa.

        - Bem me importa a mim com el-rei, ou com os golpes de Estado!

        - Então de que se trata, minha senhora?

        - Trata-se da minha demanda. Era a respeito da minha demanda que eu lhe perguntava o que havia de novo.

        - Oh! quanto a isso - disse o Sr. Flageot abanando tristemente a cabeça - nada temos, nada absolutamente, minha senhora.

        - Isto é, nada...

        - Nada, mesmo nada.

        - Nada, depois que a senhora sua filha me foi falar. Ora, como ela me falou anteontem, compreendo facilmente que depois daquele momento não poderá ter havido muitas novidades mais.

        - A minha filha, minha senhora?

        - Sim.

        - Disse... a minha filha?

        - Sem dúvida, a sua filha...  a que mandou lá.

        - Perdão, minha senhora - disse o Sr. Flageot – mas era impossível que eu lhe mandasse a minha filha.

        - Impossível!

        - Por uma razão muito simples, é porque não tenho nenhuma.

        - Está certo disso? - perguntou a condessa.

        - Minha senhora - respondeu o Sr. Flageot – tenho a honra de ser solteiro.

        - Ora adeus! - exclamou a condessa.

        O Sr. Flageot tornou-se desassossegado; chamou Margarida para trazer os refrescos oferecidos à condessa, e para ficar ali com ele a fim de a vigiarem.

        - Infeliz mulher - pensou ele - ter-se-lhe-á voltado o juízo?

        - Como! - disse a condessa - o senhor não tem uma filha?

        - Não, minha senhora.

        - Uma filha casada, em Estrasburgo?

        - Não, minha senhora, não, mil vezes não.

        - E não encarregou essa filha - continuou a condessa prosseguindo na sua idéia - não encarregou essa filha de me procurar, no seu caminho para Estrasburgo, a fim de me anunciar que a minha demanda ia ser julgada?

        - Não.

        A condessa deu um salto na poltrona batendo com as mãos sobre os joelhos.

        - Beba alguma coisa, senhora condessa - disse o Sr. Flageot - isso há-de fazer-lhe bem.

        Fez ao mesmo tempo um sinal a Margarida, que trazia dois copos de cerveja sobre uma bandeja, mas a velha já não tinha sede, porque repeliu a bandeja e os copos com tal força, que Margarida, que parecia ter alguns privilégios na casa, ficou sentida.

        - Vamos, vamos - disse a condessa, olhando para o Sr. Flageot por cima dos óculos - expliquemo-nos, senhor, se me faz favor.

        - De boa vontade - respondeu Flageot; - fica, Margarida, talvez a senhora condessa queira tomar alguma coisa; vamos à explicação.

        - Vamos, se assim o quer, porque hoje está incompreensível, meu caro Sr. Flageot; palavra de honra, dir-se-ia que o calor da estação lhe voltou o juízo.

        - Sangue-frio, minha senhora - disse o advogado inclinando-se para trás na poltrona para se afastar da condessa - não se exaspere e conversemos.

        - Sim, conversemos. Não tem nenhuma filha, Sr. Flageot?

        - Não, minha senhora, o que me causa muita pena porque me parece que lhe seria agradável que eu tivesse alguma; ainda que...

        - Ainda que? - repetiu a condessa.

        - Ainda que, quanto a mim, preferiria ter um rapaz; os rapazes nestes tempos em que estamos saem melhores e são mais fáceis de acomodar.

        A senhora de Béarn ficou um instante pensativa.

        - Como! - disse ela - não me mandou recado por uma irmã, uma sobrinha, uma prima qualquer, para que eu viesse imediatamente para Paris?

        - Nem mesmo pensei nisso, porque sei quanto é dispendioso viver em Paris.

        - Mas a minha demanda?

        - Terei a honra de a avisar quando estiver para ser julgada, minha senhora.

        - Como? quando estiver para ser julgada!

        - Sim.

        - Pois não está para o ser?

        - Não, que eu saiba, minha senhora.

        - Pois o meu processo não está avocado?

        - Não.

        - Nem se trata disso proximamente?

        - Não, minha senhora! Santo Deus, não!

        - Então - exclamou a velha erguendo-se - zombaram, escarneceram indignamente de mim.

        O Sr. Flageot coçou a cabeleira e murmurou:

        - Receio muito que assim seja, minha senhora.

        - Sr. Flageot! - exclamou a condessa.

        O advogado deu um salto sobre a cadeira e fez um sinal a Margarida, que se apressou a segurar seu amo.

        - Sr. Flageot - prosseguiu a condessa - não hei-de tolerar semelhante humilhação, e vou ter com o senhor chefe da polícia para que me procurem a sirigaita que cometeu tal insulto para comigo.

        - Oh! - disse o Sr. Flageot - há-de ser difícil!

        - Assim que souber quem foi - prosseguiu a condessa levada pela raiva - hei-de intentar logo uma acção!

        - Ainda outra demanda! - disse tristemente o advogado.

        Estas palavras fizeram cair a demandista de toda a altura do seu furor; a queda foi pesada.

        - Ah! - disse ela - eu vinha tão contente, tão feliz!

        - Mas o que lhe disse então essa mulher, minha senhora?

        - Primeiramente disse-me que vinha da sua parte.

        - Horrível intrigante!

        - E da sua parte me trazia a notícia da avocação do meu processo; era iminente; todas as diligências que eu fizesse eram poucas, poderia chegar já tarde.

        - Ah! - repetiu o Sr. Flageot por sua vez - o negócio está longe de ser avocado, minha senhora.

        - Esqueceram-nos, não é verdade?

        - Olvidados, enterrados, minha senhora, e a não haver algum milagre, e como bem o sabe os milagres são raros...

        - Oh! decerto - murmurou a condessa soltando um suspiro.

        O Sr. Flageot respondeu com outro suspiro modulado sobre o da condessa.

        - Olhe, Sr. Flageot - continuou a senhora de Béarn - quer que lhe diga uma coisa?

        - Fale, minha senhora.

        - Sinto que não hei-de sobreviver a isto.

        - Oh! quanto a isso, não faria bem.

        - Meu Deus! Meu Deus! - disse a pobre condessa - estão exaustas as minhas forças.

        - Ânimo, minha senhora, ânimo! - disse Flageot.

        - Mas não tem algum conselho a dar-me?

        - Oh! sim, tenho um: é de voltar para as suas fazendas, e não dar ouvidos daqui por diante senão aos que levarem um bilhetinho escrito por mim.

        - Que hei-de eu fazer, senão voltar para as minhas terras!

        - É o mais prudente.

        - Mas acredite-me, Sr. Flageot - murmurou ainda a condessa de Béarn - tenho quase a certeza de que não nos tornaremos a ver neste mundo.

        - Que infâmia!

        - Mas pelo que vejo tenho inimigos bem cruéis?

        - É alguma maldade dos Salúcios, era capaz de o jurar.

        - Em todo o caso, é muito mesquinha.

        - Sim, e de mau gosto - disse o Sr. Flageot.

        - Oh! a justiça, a justiça! - exclamou a condessa - meu caro Sr. Flageot, a justiça é a caverna de Caco!

        - E por que não existe já a justiça, minha senhora? - disse ele - porque o senhor de Maupeou quis ser chanceler em vez de se deixar ficar presidente.

        - Sr. Flageot, aceitarei agora o refresco que me ofereceu.

        - Margarida! - chamou o advogado.

        Margarida entrou. Tinha já saído quando viu que a conversa tomava um tom pacífico.

        Entrou, dizemos nós, trazendo a bandeja e os dois copos; a condessa bebeu lentamente um copo de cerveja depois de ter feito a honra de tocar o copo no do seu advogado; levantou-se, dirigiu-se para a ante-sala tendo feito previamente uma triste mesura, e despedidas mais tristes ainda.

        O Sr. Flageot seguiu-a, de cabeleira na mão.

        A senhora de Béarn estava no patamar da escada, procurando a corda que servia de corrimão, quando sentiu outra mão encontrar-se com a sua e a cabeça de alguém que lhe batia contra o peito.

        Essa mão e essa cabeça pertenciam a um escrevente que subia a quatro e quatro os degraus da escada.

        A condessa, resmungando e praguejando, sacudiu as saias e continuou a descer, enquanto o escrevente chegava ao patamar, empurrava a porta e bradava com a voz franca e alegre dos escreventes de todos os tempos:

        - Aí tem, Sr. Flageot; é a respeito da questão Béarn!

        E dava-lhe um papel.

        Subir novamente a escada, empurrar o escrevente, lançar-se sobre o Sr. Flageot, arrancar-lhe o papel, bloquear o advogado no seu gabinete, eis tudo quanto tinha feito a velha condessa, antes que o escrevente acabasse de receber duas bofetadas que Margarida lhe aplicava ou fingia aplicar-lhe em resposta a dois beijos.

        - Então! - bradou a velha - que diz este papel, Sr. Flageot?

        - Ainda não sei, senhora condessa; mas se mo quiser restituir, talvez que possa dizer-lho.

        - É verdade, meu caro Sr. Flageot; leia, leia depressa.

        Este olhou para a assinatura do bilhete.

        - É do Sr. Guildou, nosso procurador - disse ele.

        - Ah! meu Deus!

        - Convida-me - continuou o Sr. Flageot com uma estupefacção crescente - convida-me a aprontar-me para advogar na terça-feira, porque foi avocada a nossa demanda.

        - Avocada! - bradou a condessa saltando de contente. - Ah! Sr. Flageot, não brinquemos desta vez, porque era capaz de me matar.

        - Minha senhora - respondeu o Sr. Flageot admirado com a notícia - se alguém zomba aqui, há-de ser o Sr. Guildou, mas seria a primeira vez na sua vida.

        - A carta é dele?

        - Assinou-se Guildou, veja!

        - É verdade!... Avocada hoje, julgada na terça-feira. Então a tal senhora que foi visitar-me não é uma intrigante?

        - Parece-me que não.

        - Mas se não era mandada pelo senhor... Tem a certeza que não foi mandada por si?

        - Pudera não!

        - Por quem seria então mandada?

        - Sim, por quem?

        - Porque enfim devia ser mandada por alguém.

        - Não percebo.

        - Não entendo.

        - Ah! deixe-me tornar a ler, Sr. Flageot: avocada, julgada, está escrito, julgada perante o Sr. Presidente Maupeou.

        - Diacho! está lá isso?

        - Sem dúvida.

        - É mau!

        - Por quê?

        - Porque o presidente Maupeou é um amigo íntimo dos Salúcios.

        - Sabe isso?

        - É o seu maior amigo.

        - Bom, estamos então pior que dantes. Sou infeliz.

        - E contudo - disse o Sr. Flageot - aqui nada há que dizer, é preciso ir visitá-lo.

        - Mas, receber-me-á muito mal?

        - É provável.

        - Ah! Sr. Flageot, o que me diz?

        - A verdade, minha senhora.

        - Como! nem só perde o ânimo, mas ainda em cima quer roubar-me aquele que eu tenho.

        - Do senhor de Maupeou, nada tem que esperar de bom.

        - É tão fraco, o senhor, um Cícero?

        - Cícero teria perdido a causa dos Ligarius, se tivesse advogado perante Verres, em vez de falar diante de César - foi a resposta mais modesta que ocorreu ao Sr. Flageot para repelir a honra insigne que a sua cliente acabava de lhe fazer.

        - Então dá-me de conselho que o não vá procurar?

        - Deus não permita, minha senhora, que eu lhe aconselhe semelhante irregularidade, mas compadeço-me da senhora por estar obrigada a uma tal entrevista.

        - Está-me falando, Sr. Flageot, como um soldado que pensa em desertar. Dir-se-ia que receia encarregar-se do negócio.

        - Minha senhora - respondeu o advogado - já perdi durante a minha vida algumas causas que tinham mais probabilidade de se vencerem do que esta.

        A condessa suspirou e juntou toda a sua energia.

        - Hei-de ir até ao fim - disse ela com uma certa dignidade, que contrastava com o carácter cómico do diálogo; - não se dirá que tendo eu o direito por mim, receei a luta. Poderei perder o meu processo, mas hei-de mostrar aos prevaricadores a fronte de uma mulher de bem como não há muitas hoje na corte. Dá-me o braço, Sr. Flageot, para me acompanhar a casa do seu vice-chanceler?

        - Minha senhora - disse o Sr. Flageot, chamando em seu socorro toda a sua dignidade - minha senhora, nós, os membros oponentes do parlamento de Paris, jurámos não ter relações fora das audiências com os que abandonaram os parlamentos na questão do senhor de Aiguillon. A união faz a força, e como o senhor de Maupeou não andou firme e conseqüente nessa questão, como temos razões de queixa contra ele, ficaremos em nossos respectivos campos até que ele se resolva para um lado ou para outro.

        - O meu negócio chega em má ocasião, segundo vejo - suspirou a condessa; - advogados de mal com juízes, juízes de mal com os clientes... Não importa, hei-de perseverar.

        - Deus a ajude, minha senhora - disse o advogado levantando ao mesmo tempo o seu roupão sobre o braço esquerdo, como um senador romano o teria feito com a sua toga.

        - Eis aqui um bem triste advogado - murmurou consigo mesmo a senhora de Béarn. - Receio muito ser tão feliz com a sua defesa no parlamento, como o era lá na minha casa de campo quando eu mesma defendia a minha causa diante do meu travesseiro.

        Depois, em voz alta e com um sorriso no qual tentava disfarçar o seu desassossego, prosseguiu:

        - Adeus, Sr. Flageot, estude bem a causa, rogo-lho! Ninguém sabe o que poderá acontecer.

        - Oh! minha senhora - disse o Sr. Flageot - não é a defesa que me dá cuidado. Há-de ser um belo discurso, e tanto mais belo que tenciono fazer nele terríveis alusões.

        - Alusões a quê, senhor, a quê?

        - A corrupção de Jerusalém, minha senhora, que hei-de comparar com as cidades malditas e sobre as quais hei-de chamar o fogo do Céu. Percebe, minha senhora, e ninguém duvidará que Jerusalém é Versalhes.

        - Sr. Flageot - bradou a velha - não nos vá comprometer, ou direi melhor, não comprometa a minha causa!

        - Ora! minha senhora, a sua causa com o senhor de Maupeou, está perdida; do que se trata agora é de vencer aos olhos do público, e como nos não fazem justiça, façamos nós bulha e escândalo!

        - Sr. Flageot...

        - Minha senhora, sejamos filósofos... façamos estalada!

        - Anda! os diabos te façam estalada a ti! – murmurou a condessa consigo - mau advogado, que só vês em tudo isto um meio de te envolveres nos teus farrapos filosóficos. Vamos ver o senhor de Maupeou; não é filósofo, esse, e talvez seja mais feliz com ele do que contigo!

        E a velha condessa separou-se do Sr. Flageot e afastou-se da Rua do Petit-Lion-Saint-Sauveur, depois de haver percorrido em dois dias todos os degraus da escada da esperança e do desapontamento.

 

O VICE

        A condessa tremia como varas verdes ao dirigir-se a casa do senhor de Maupeou.

        Contudo, durante o caminho, havia feito uma reflexão própria para se tranqüilizar. Segundo toda a probabilidade, a hora não era própria para o senhor de Maupeou a poder receber, e contentar-se-ia em anunciar ao porteiro uma próxima visita.

        Efectivamente, seriam sete horas da tarde, e conquanto fosse ainda dia, o costume de jantar às quatro, como já entre a nobreza se usava, interrompia geralmente todos os negócios desde o jantar até ao dia seguinte.

        A senhora de Béarn, que ardentemente desejava falar com o vice-chanceler, consolou-se todavia com a idéia de que não o encontraria. É esta uma das freqüentes contradições do espírito humano, que sempre se hão-de entender sem se poderem explicar.

        A condessa apresentou-se portanto, esperando que o porteiro lhe negasse a entrada. Tinha preparado um escudo de seis libras para adoçar o Cérbero e convidá-lo a inscrever o seu nome na lista das audiências solicitadas.

        Chegando em frente do palácio, viu o porteiro falar com um correio que parecia estar dando uma ordem. Esperou discretamente, receando que a sua presença incomodasse os dois interlocutores; mas o correio, assim que viu a velha na sua carruagem alugada, retirou-se.

        O porteiro aproximou-se então da carruagem e perguntou o nome da senhora.

        - Oh! - disse ela - bem sei que provavelmente não terei a honra de ver Sua Excelência.

        - Apesar disso, minha senhora - respondeu o porteiro - tem sempre a bondade de me dizer o seu nome.

        - Condessa de Béarn - respondeu ela.

        - Sua Excelência está em casa - replicou o porteiro.

        - Como? - disse a senhora de Béarn no cúmulo da admiração.

        - Digo que Sua Excelência está em casa – repetiu este.

        - Mas decerto não recebe ninguém a estas horas.

        - Há-de receber a senhora condessa - disse o porteiro.

        A senhora de Béarn apeou-se sem saber bem se dormia ou velava. O porteiro puxou por uma corda que duas vezes fez soar uma sineta. Apareceu um criado no patamar da escada e o porteiro fez sinal à condessa para que subisse.

        - Quer falar com Sua Excelência, minha senhora? – perguntou o criado.

        - Isto é, senhor, eu solicito esse favor, mas sem esperança de o obter.

        - Queira seguir-me, senhora condessa.

        - Dizem tanto mal deste grande magistrado! – pensou a condessa enquanto seguia o criado - e contudo tem uma qualidade óptima, é de receber a gente a toda a hora. Um chanceler!... é singular.

        Enquanto caminhava, estremecia com a idéia de ir encontrar um homem tanto mais intratável, tanto mais desagradável quanto lho permitia ser a sua assiduidade ao trabalho. O senhor de Maupeou, coberto com uma grande cabeleira e vestido com a sua casaca de veludo preto, trabalhava num gabinete de portas abertas.

        A condessa, ao entrar, lançou em torno de si um olhar rápido, mas viu com surpresa que estava só, e que os espelhos não reflectiam outros rostos a não ser o seu e o do pálido e magro chanceler.

        O criado anunciou a senhora condessa de Béarn.

        O senhor de Maupeou levantou-se e encostou-se à chaminé que lhe ficava por detrás.

        A condessa fez as três mesuras do estilo.

        O pequeno cumprimento que seguiu as mesuras foi um pouco embaraçado. Não tinha esperado alcançar a honra... não julgava que um ministro tão ocupado tivesse ânimo de tirar às suas horas de descanso...

        O senhor de Maupeou disse-lhe que o tempo era tão precioso que os súbditos de Sua Majestade como para os seus ministros, e que não obstante, ainda havia distinções a fazer a favor das pessoas que estão com pressa, e que portanto sempre dava o seu melhor resto de tempo àquelas que mereciam as suas atenções.

        Novas mesuras da senhora de Béarn, depois um silêncio e perturbação, porque era chegado o ponto de acabar com os cumprimentos e começar o seu negócio.

        O senhor de Maupeou esperava.

        - Senhor - disse a demandista - quis apresentar-me na presença de V. Ex.ª, a fim de lhe expor muito humildemente um negócio muito grave e do qual depende toda a minha fortuna.

        O senhor de Maupeou fez um leve sinal com a cabeça, que queria dizer:

        - Fale.

        - Com efeito, senhor - disse ela - saberá que toda a minha fortuna, ou direi melhor, toda a fortuna do meu filho depende de uma demanda que tenho contra a família dos Salúcios.

        O vice-chanceler continuou a prestar atenção.

        - Mas, senhor, é-me tão conhecida a sua equidade que, apesar do conhecimento das relações de amizade que existem entre V. Ex.ª e os meus adversários, não hesitei um só momento em vir pedir a V. Ex.ª a mercê de me ouvir.

        O senhor de Maupeou não pôde deixar de sorrir-se ao ouvir louvar a sua equidade; fazia-lhe isso lembrar o tempo em que também louvavam o Sr. Dubois a respeito das suas virtudes apostólicas.

        - Minha senhora - disse ele - tem razão de observar que sou amigo dos Salúcios, mas tem também razão em acreditar que ao encarregar-me dos selos, como chanceler, pus de parte todas as amizades. Responder-lhe-ei portanto, minha senhora, fora de toda e qualquer preocupação particular, como é do dever do chefe soberano da justiça.

        - Oh! meu senhor, Deus o abençoe! - exclamou a velha.

        - Examino portanto a sua demanda como um simples jurisconsulto - prosseguiu o chanceler.

        - E muito o agradeço a V. Ex.ª, que tão hábil é nestas matérias.

        - Parece-me que a sua demanda está para ser julgada proximamente?

        - Na semana próxima, senhor.

        - Agora diga-me o que deseja.

        - Que V. Ex.ª tome conhecimento dos documentos que juntei.

        - Já examinei tudo.

        - Então! - perguntou a velha toda trémula - qual é a sua opinião?

        - A respeito do seu negócio?

        - Sim.

        - Parece-me que não pode haver a menor dúvida.

        - Como, em se ganhar?

        - Não, em se perder.

        - V. Ex.ª diz que hei-de perder a minha causa?

        - Indubitavelmente. Dou-lhe um conselho.

        - Qual é? - perguntou a condessa com uma última esperança.

        - É que, se depois de julgada e condenada a sua demanda, tem que fazer algum pagamento...

        - Então?

        - Trate de ter o seu dinheiro pronto.

        - Mas, senhor, ficamos perdidos!

        - Ah! senhora condessa, bem sabe que a justiça não pode entrar nessas considerações.

        - Entretanto, senhor, ao lado da justiça está a piedade.

        - É exactamente por essa razão, senhora condessa, que fizeram a justiça cega.

        - Contudo, V. Ex.ª não me negará um conselho.

        - Fale! em que género o quer?

        - Não haverá meio algum de entrar numa combinação, num acordo para ter uma sentença mais suave?

        - Não conhece nenhum dos seus juízes? – perguntou o vice-chanceler.

        - Nenhum, senhor.

        - Isso é mau! Os senhores Salúcios têm relações com mais de três quartas partes do parlamento!

        A condessa estremeceu.

        - Note bem - continuou o vice-chanceler - que isto afinal nada faz ao caso, porque um juiz não se deixa levar por influências particulares.

        Isto era tão verdade como a equidade do chanceler e as famosas virtudes apostólicas de Dubois.

        A condessa esteve a ponto de perder os sentidos.

        - Mas enfim - prosseguiu o chanceler – estabelecida a integridade, o juiz pensa mais no seu amigo do que num indiferente; é muito justo quando é justo, e como há-de ser justo que perca a sua demanda, poderá acontecer que queiram tornar as conseqüências o mais desagradáveis possível para si.

        - Mas o que V. Ex.ª me faz a honra de dizer-me é aterrador!

        - Quanto a mim, senhora condessa - prosseguiu o senhor de Maupeou - bem deve pensar que me hei-de abster de tudo; não tenho recomendações que fazer aos juízes, e como não sou eu mesmo quem julgo, posso falar.

        - Ah! senhor, eu já desconfiava de uma coisa.

        O vice-chanceler olhou sorrateiramente para a velha demandista.

        - É que os senhores Salúcios habitando Paris estão ligados com todos os meus juízes, e portanto os senhores Salúcios têm muita influência.

        - Em primeiro lugar a justiça e o direito estão do lado deles.

        - Quanto é cruel, senhor, ouvir semelhantes palavras sair da boca de um homem tão recto como V. Ex.ª.

        - Digo-lhe que isto tudo é verdade, e contudo dou-lhe a minha palavra que desejava ser-lhe útil.

        A condessa estremeceu; parecia-lhe ver alguma coisa obscura, senão nas palavras, pelo menos nas idéias do vice-chanceler, e que se essa obscuridade se dissipasse, veria talvez alguma coisa de favorável.

        - Demais - prosseguiu o senhor de Maupeou - o seu nome, que é um dos melhores nomes da França, é já para mim uma recomendação muito eficaz.

        - Que contudo não me há-de impedir de perder a minha demanda, senhor.

        - Ah! que lhe hei-de eu fazer?

        - Oh!  senhor - disse a condessa abanando a cabeça - como os negócios se fazem!

        - Parece dizer, minha senhora, que no nosso tempo andavam os negócios melhor.

        - Sim, senhor, pelo menos assim me parece, e lembra-me com saudades o tempo em que, simples advogado de el-rei no parlamento, pronunciava esses belos discursos, que eu, jovem mulher naquela época, ia aplaudir com entusiasmo. Que fogo! que eloqüência! que virtude! Ah! senhor chanceler, naquele tempo não havia intriga nem favor, naquele tempo teria eu ganho o meu processo.

        - Havia naquele tempo a senhora de Phalaris que tentava reinar no momento em que o regente fechava os olhos, e a Souris que se metia por toda a parte a fim de ver se achava alguma coisa para roer.

        - Oh!  senhor, a senhora de Phalaris era tão nobre, e a Souris era tão boa menina!

        - Que não havia meio de lhe recusar coisa alguma.

        - Ou que elas nada sabiam recusar.

        - Ah! senhora condessa - disse o chanceler rindo com um modo que admirou cada vez mais a velha demandista, tanto parecia franco e natural - não me faça falar mal da minha administração por amor da minha mocidade.

        - Mas V. Ex.ª não pode todavia impedir que eu chore a minha fortuna perdida, a minha casa arruinada.

        - Eis o resultado da mudança dos tempos, condessa; sacrifique ao ídolo do dia, sacrifique.

        - Ah! senhor, os ídolos nada querem com os que vêm adorá-los de mãos vazias.

        - Como sabe isso?

        - Eu?

        - Sim; parece-me que ainda não experimentou?

        - Oh! senhor, é tão bom, que me fala como uma pessoa de amizade.

        - Ora! Somos da mesma idade, condessa.

        - Tivesse eu vinte anos, e fosse V. Ex.ª um simples advogado, havia de advogar a minha causa e não haveria Salúcios no mundo que nos vencessem.

        - Infelizmente, senhora condessa, já não temos vinte anos - disse o vice-chanceler soltando um suspiro; - é preciso implorar aqueles que os têm, já que a senhora mesma confessa que é essa a idade da influência... Como! Não conhece ninguém na corte?

        - Alguns velhos retirados dos negócios públicos, que se envergonhariam da sua antiga conhecida porque está pobre. Olhe, senhor, tenho entrada no Paço, em Versalhes, poderia lá ir se quisesse; mas de que me serviria? Ah! apanhe eu as minhas duzentas mil libras, e verá como sou outra vez procurada. Faça esse milagre, senhor.

        O chanceler fingiu não ouvir esta última frase.

        - No seu lugar - disse ele - eu esqueceria os velhos, como os velhos a esquecem, e procuraria os moços que tratam de alcançar partidários. Tem conhecimento com as senhoras princesas?

        - Naturalmente já se não lembram de mim.

        - Também pouca influência têm. Conhece o delfim?

        - Não.

        - Também está muito ocupado com a sua arquiduquesa, prestes a chegar; não tem tempo para pensar noutras coisas; mas vejamos entre os favoritos.

        - Nem já sei como se chamam.

        - O senhor de Aiguillon?

        - Um peralvilho contra o qual se dizem coisas indignas; que se escondeu num moinho enquanto os outros se batiam... Ora adeus!

        - Ora! - disse o chanceler - nunca se deve acreditar senão metade do que se diz.   Procuremos ainda.

        - Procure, senhor, veja se lhe ocorre alguém.

        - Mas por que não? Sim... Não... ora, sim...

        - Fale, senhor, fale!

        - Por que se não há-de dirigir pessoalmente à condessa?

        - À senhora du Barry? - perguntou a velha abrindo o leque.

        - Sim; no fundo é boa pessoa.

        - Realmente?

        - E principalmente muito serviçal.

        - Sou de nobreza muito antiga para poder agradar-lhe, senhor.

        - Pois julgo que está enganada, condessa; ela está procurando ligar relações com as boas famílias.

        - Julga isso? - disse a velha condessa, abalada na sua oposição.

        - Conhece-a?

        - Oh! meu Deus! não.

        - Ah! isso é mau! Essa tem bastante crédito, parece-me?

        - Ah! sim, crédito tem ela, mas nunca a vi.

        - Nem à sua irmã Chon?

        - Não.

        - Nem sua irmã Bischi?

        - Não.

        - Nem seu irmão João?

        - Não.

        - Nem o seu preto Zamora?

        - Como, seu preto?

        - Sim, o seu preto é um forte empenho.

        - Esse monstrozinho, cujo retrato se vende no Pont-Neuf, e que parece um macaco vestido?

        - Esse mesmo.

        - Pois eu havia de conhecer um tal mono? – exclamou a condessa ofendida na sua dignidade; - e como havia eu de tê-lo conhecido?

        - Ora, o que vejo, condessa, é que pouco lhe importa perder a demanda.

        - Como?

        - Pois despreza Zamora.

        - Mas que pode Zamora fazer nisto tudo?

        - O que pode? Pode fazer-lhe ganhar a sua demanda, nada mais.

        - Ele! Esse pretinho, fazer-me ganhar a minha demanda! Então como?

        - Basta que ele diga à sua ama que lhe agrada que a senhora seja a vencedora. Sabe o que são as influências... Ele faz o que quer da sua ama, e a sua ama faz do rei tudo quanto quer.

        - Então é Zamora quem governa a França?

        - Zamora é muito influente - disse o senhor de Maupeou abanando a cabeça - e antes quereria estar de mal com... com a delfina, por exemplo, do que com ele.

        - Jesus! - exclamou a condessa - se estas coisas me não fossem ditas por um homem tão sério como V. Ex.ª...

        - Ah! meu Deus! não serei o único que lhe diga isto, é toda a gente. Pergunte aos duques e aos pares se esquecem, quando vão a Marly ou a Luciennes, os confeitos para a boca, ou as pérolas para as orelhas de Zamora? Eu que lhe falo, eu, que sou pouco mais ou menos chanceler de França, pois bem! quer saber o que estava fazendo quando chegou? estava-lhe passando o diploma de governador.

        - De governador?

        - Sim, o Sr. Zamora está nomeado governador do palácio de Luciennes.

        - O mesmo título com que foi recompensado o Sr. Conde de Béarn depois de vinte anos de serviço?

        - Exactamente, quando foi nomeado governador do palácio de Blois.

        - Que degradação. Santo Deus! - exclamou a condessa; - então a monarquia está perdida?

        - Pelo menos está muito doente, condessa; e de um doente que está para morrer, entende, arranca-se-lhe tudo quanto se lhe pode arrancar?

        - Sim, sim; mas ainda para isso é preciso ter possibilidade de se aproximar do doente.

        - Sabe o que lhe seria preciso para a salvo aproximar-se da senhora du Barry?

        - O quê?

        - Precisava ser admitida a levar este diploma ao seu preto...

        - Eu!

        - Era uma bela introdução!

        - Julga isso, senhor? - disse a condessa em extremo consternada.

        - Tenho essa certeza, mas...

        - Mas... - repetiu a senhora de Béarn.

        - Mas, veja bem, não conhece pessoa nenhuma da intimidade dela?

        - E o senhor?

        - Ora! eu...

        - Sim.

        - Eu, isso seria mais difícil.

        - Vamos, decididamente - disse a pobre velha demandista despedaçada por todas estas alternativas – decididamente a fortuna não quer mais nada de mim. V. Ex.ª faz-me a honra de me receber como nunca fui recebida, quando nem sequer esperava vê-lo. Acontece, porém, faltar-me ainda alguma coisa: nem só estou disposta a fazer a corte à senhora du Barry, eu, uma Béarn! para chegar a ela, estou pronta a fazer-me portadora de diplomas para aquele horrível negro, a quem, se o encontrasse na rua, nem mesmo faria a honra de lhe dar um pontapé, e eis que nem junto desse pequeno monstro tenho meios de chegar...

        O senhor de Maupeou começava novamente a passar a mão pela fronte e parecia pensar em alguma coisa, quando de repente o criado anunciou:

        - O Sr. Visconde João du Barry!

        A estas palavras, o chanceler bateu palmas em sinal de estupefacção, e a condessa deixou-se cair meio desfalecida sobre uma poltrona.

        - Diga ainda que a fortuna a abandona, minha senhora! - bradou o chanceler. - Ah! condessa, condessa, o Céu, pelo contrário, combate por si.

        Depois, voltando-se para o criado sem dar tempo à condessa para sair da sua estupefacção, disse:

        - Mande entrar.

        O criado retirou-se; porém voltou um instante depois precedendo o nosso conhecido João du Barry, que entrou, de perna tesa e com o braço ao peito.

        Após as cortesias do estilo, e quando a condessa, trémula e indecisa, tentava erguer-se para se retirar, e como para obedecer à leve inclinação de cabeça que o chanceler lhe dirigia para dar a entender que estava terminada a audiência, o visconde fez nova cortesia e disse:

        - Perdão, senhor, perdoe-me, minha senhora, rogo-lhe que... Se Sua Excelência quiser ouvir-me, tenho apenas duas palavras que lhe dizer.

        A condessa de Béarn sentou-se novamente sem se fazer rogar; o seu coração nadava em alegria e palpitava de impaciência.

        - Talvez que eu o incomode, senhor? - balbuciou a condessa.

        - Nada! De modo nenhum! É só dar duas palavras a Sua Excelência; vou roubar-lhe dez minutos de trabalho precioso, o tempo necessário para fazer uma queixa.

        - Uma queixa, diz o senhor? - perguntou o chanceler ao senhor du Barry.

        - Fui assassinado! Sim, senhor, assassinado! Bem entende que não posso perdoar essas coisas. Vilipendiem-nos, façam-nos canções, caluniem-nos, paciência, a isso sobrevive-se; mas que não venham assassinar-nos, com os diabos!

        - Explique-se, senhor - disse o chanceler fingindo-se assustado.

        - Explico-me em duas palavras, mas não quero interromper a audiência desta senhora.

        - A Srª. Condessa de Béarn - disse o chanceler apresentando a velha ao visconde du Barry.

        Du Barry e a condessa recuaram com elegância para se cortejarem com tanta gravidade como na corte o teriam feito.

        - Eu ficarei para depois, senhor visconde - disse ela.

        - Senhora condessa, não me atrevo a cometer um crime de lesa-delicadeza.

        - Fale primeiro, senhor, fale, para mim apenas se trata de dinheiro, para o senhor é um negócio de honra, pela ordem natural o seu negócio é de maior urgência.

        - Minha senhora - disse o visconde - aproveitarei o seu delicado oferecimento.

        E contou a sua história ao chanceler, que o ouviu com toda a gravidade.

        - Carece testemunhas - disse o senhor de Maupeou depois de um momento de silêncio.

        - Ah! - exclamou du Barry - nisso reconheço eu o juiz íntegro que só quer deixar-se influenciar pela verdade irrecusável.  Não tem dúvida, eu arranjarei testemunhas...

        - Senhor - disse a condessa - há já uma testemunha que está pronta.

        - Qual é? - perguntaram ao mesmo tempo o visconde e o senhor de Maupeou.

        - Eu! - disse a condessa.

        - A senhora! - exclamou o chanceler.

        - Queira dizer-me, senhor, essa questão não teve lugar em Chaussée?

        - Sim, minha senhora.

        - Na estação das mudas?

        - Sim.

        - Pois bem! Eu sou testemunha. Passei duas horas depois no lugar em que o atentado se praticou.

        - Realmente, minha senhora? - perguntou o chanceler.

        - Ah! minha senhora, enche-me de favores - disse o visconde.

        - Por tal sinal - prosseguiu a condessa - que em toda a aldeia se não falava noutra coisa.

        - Cuidado! - disse o visconde - cuidado! Se consente em servir-me neste negócio, os Choiseul acharão provavelmente algum meio de a fazer arrepender.

        - Ah! - disse o chanceler - e tanto mais fácil lhe seria isso nesta ocasião, porquanto a senhora condessa tem actualmente uma demanda, cujo bom resultado me parece muito duvidoso.

        - Senhor, senhor - bradou a velha levando as mãos à fronte - caio de abismo em abismo.

        - Apoie-se um pouco no senhor visconde, ele lhe prestará um braço sólido.

        - Um só - disse du Barry - mas conheço alguém que tem dois bons braços e que lhos oferecerá de boa vontade.

        - Ah! senhor visconde - bradou a velha - esse oferecimento é do coração?

        - Sim, minha senhora, serviço por serviço, aceito os seus, aceite a senhora os meus. Está dito?

        - Aceito, senhor, oh! e com grande prazer.

        - Pois bem! Minha senhora, eu vou neste momento visitar minha irmã: digne-se acompanhar-me na minha carruagem...

        - Sem um pretexto, sem a prevenir? Oh! senhor, nunca me atreverei...

        - Tem um motivo, minha senhora - disse o chanceler entregando à condessa o diploma de Zamora.

        - Senhor chanceler - exclamou a condessa - V. Ex.ª é o meu anjo da guarda, e o senhor visconde a flor da nobreza de França.

        - Estou às suas ordens, repetiu o visconde mostrando o caminho à condessa, que saiu com a maior rapidez.

        - Agradeço em nome de minha irmã - disse João em voz baixa ao senhor de Maupeou; - obrigado, meu primo. Mas não desempenhei bem o meu papel, hem?

        - Perfeitamente - disse Maupeou - mas conte também como representei o meu. Em todo o caso, cuidado, a velha é esperta.

        Neste momento voltava-se a condessa.

        Os dois homens inclinaram-se fazendo uma profunda e cerimoniosa cortesia.

        Em baixo achava-se uma carruagem magnífica, cujos criados vestiam librés da casa real. A condessa, inchada de orgulho, subiu para ela. João fez um sinal e a carruagem partiu.

        Depois da saída de el-rei de casa da senhora du Barry, depois de uma recepção curta e aborrecida, como el-rei o havia anunciado aos cortesãos, a condessa tinha ficado só com sua irmã Chon e seu irmão, o qual não se havia mostrado logo, para que não fossem constatar o estado da sua ferida na realidade bem leve.

        O resultado do conselho de família tinha sido que a condessa, em vez de partir para Luciennes, como o dissera a el-rei, tinha partido para Paris. A condessa possuía na Rua de Valois um pequeno palácio que lhe servia a ela e a toda a sua família, que sem descanso corria por montes e vales, quando os negócios ou os divertimentos reclamavam a sua presença em Paris.

        A condessa instalou-se em sua casa, pegou num livro e esperou.

        Durante esse tempo, o visconde dispôs as suas baterias.

        Contudo a favorita não tivera ânimo de atravessar Paris sem de vez em quando pôr a cabeça fora do postigo. Um dos instintos das mulheres bonitas é mostrarem-se, porque conhecem que são boas para serem vistas. A condessa portanto mostrou-se de modo, que a notícia da sua chegada a Paris espalhou-se por tal forma, que das duas horas até às seis recebeu umas vinte visitas. Foi um favor da divina Providência, porque sem essas visitas teria a pobre condessa morrido de aborrecimento; mas graças a essa distracção, passou o tempo em conversar e rir.

        Eram sete horas e meia da tarde quando o visconde passou com a condessa de Béarn diante da igreja de Santo Eustáquio.

        A conversa na carruagem foi sobre as hesitações da condessa em aproveitar-se de uma tal felicidade.

        Da parte do visconde, era a afectação de uma certa dignidade de protector e admirações sem-número sobre o feliz acaso, que proporcionava à senhora de Béarn o conhecimento com a senhora du Barry.

        Por sua parte, a senhora de Béarn não se cansava em dirigir elogios à civilidade e afabilidade do vice-chanceler.

        Apesar dessas mentiras recíprocas, não deixava a carruagem de avançar, e chegaram a casa da condessa às oito horas menos alguns minutos.

        - Permita, minha senhora - disse o visconde deixando a velha numa sala de espera - permita que vá prevenir a senhora du Barry da honra que a aguarda.

        - Oh! senhor - disse a condessa - não consentirei que a incomode por minha causa.

        João aproximou-se de Zamora, que estivera por dentro da janela a espreitar a chegada do visconde, e deu-lhe uma ordem em voz baixa.

        - Oh! que engraçado pretinho - exclamou a condessa. - Pertence à senhora sua irmã?

        - Sim, minha senhora - disse o visconde - é um dos favoritos.

        - Dou-lhe os parabéns.

        Quase no mesmo instante abriu-se de par em par a porta da sala de espera, e o criado introduziu a condessa de Béarn na grande sala, em que a senhora du Barry dava as suas audiências.

        Enquanto a demandista examinava, suspirando, o luxo desse encantador aposento, João du Barry tinha-se dirigido para o gabinete de sua irmã.

        - É ela? - perguntou a condessa.

        - Em carne e osso.

        - Não desconfia de coisa nenhuma?

        - De coisa nenhuma.

        - E o vice?

        - Andou optimamente. Tudo conspira a nosso favor, minha amiga.

        - Então não nos demoremos mais em conversas, para ela não desconfiar.

        - Tens razão, porque me parece que é esperta como um grilo. Onde está Chon?

        - Bem sabes que está em Versalhes.

        - Cuidado em que não apareça.

        - Recomendei-lho muito.

        - Vamos, princesa, faça a sua entrada.

        A senhora du Barry empurrou a porta do seu toucador e entrou.

        Todas as cerimónias da etiqueta, próprias daquela época, foram escrupulosamente desempenhadas por estas duas actrizes, preocupadas ambas com o desejo de se agradarem reciprocamente.

        A senhora du Barry foi a primeira que tomou a palavra.

        - Já agradeci a meu irmão, minha senhora – disse ela - por me haver proporcionado a honra da sua visita; resta-me agradecer-lhe a sua lembrança.

        - E eu, minha senhora - redargüiu a demandista encantada - não sei as expressões que deverei empregar para lhe patentear toda a minha gratidão pelo delicado acolhimento que me faz.

        - Minha senhora - disse por sua vez a condessa fazendo uma mesura respeitosa - cumpro o meu dever para com uma senhora da sua alta jerarquia, e desejaria ser-lhe útil para qualquer coisa.

        E feitas as três mesuras do estilo, de ambos os lados, a condessa du Barry ofereceu uma poltrona à senhora de Béarn, e puxou outra para si.

 

O DIPLOMA DE ZAMORA

        - Minha senhora - disse a favorita à condessa queira falar, estou pronta a escutá-la.

        - Permita, minha irmã - disse João que ficara de pé - permita que eu evite que a Srª. Condessa de Béarn tenha o carácter de uma solicitadora; a senhora condessa não pensava nisso por forma alguma. O senhor chanceler encarregou-a de uma missão junto de si, e nada mais.

        A senhora de Béarn lançou um olhar agradecido sobre João e apresentou à condessa du Barry o diploma que erigia Luciennes em paço real, e conferia a Zamora o título de governador.

        - De modo que sou eu sua obrigada, minha senhora - disse a condessa depois de lançar um golpe de vista sobre o diploma - e se eu tivesse a fortuna de achar também uma ocasião de lhe ser útil...

        - Oh! minha senhora - exclamou a demandista com uma vivacidade que encantou os dois irmãos; - isso é coisa muito fácil.

        - Como, minha senhora? Rogo-lhe que fale.

        - Já que faz a honra de me dizer, minha senhora, que o meu nome lhe não é totalmente desconhecido...

        - Ora, uma Béarn!

        - Deve talvez ter ouvido falar numa demanda, que deixa vagos os bens da minha casa?

        - Disputados pelos senhores de Salúcios, creio eu?

        - Sim, minha senhora!

        - Sim, sim, estou ao facto dessa questão - disse a condessa. - Uma noite destas, falava Sua Majestade nisso a meu primo o senhor de Maupeou.

        - Sua Majestade! - exclamou a demandista – Pois Sua Majestade falou na minha demanda?

        - Sim, minha senhora.

        - E em que termos?

        - Ah! Pobre condessa! - exclamou por sua vez a senhora du Barry abanando a cabeça.

        - Ah! Demanda perdida, não é verdade? - disse a velha com uma expressão de angústia.

        - Para falar a verdade, minha senhora, receio muito que sim.

        - Sua Majestade disse-o?

        - Sua Majestade, como é muito prudente e delicado, não emitiu a sua opinião, mas parecia olhar para esses bens como pertencentes já à família dos Salúcios.

        - Oh! Santo Deus, minha senhora, se Sua Majestade estivesse ao facto do negócio, se soubesse que é por cessão depois de uma obrigação satisfeita...  Sim, minha senhora, satisfeita, as duzentas mil libras foram restituídas. Não possuo os recibos, mas tenho as provas morais, e se eu pudesse advogar pessoalmente ante o parlamento, mostraria por dedução tudo quanto afirmo.

        - Por dedução? - interrompeu a condessa que nem palavra percebia de tudo quanto a senhora de Béarn lhe dizia, mas que não obstante parecia prestar a mais séria atenção à sua questão.

        - Sim, minha senhora, por dedução.

        - A prova por dedução é admitida - disse João.

        - Ah! julga isso, senhor visconde? - exclamou a velha.

        - Julgo, sim - respondeu o visconde com suprema gravidade.

        - Nesse caso, mostrarei por dedução que essa obrigação de duzentas mil libras, que com os juros acumulados forma hoje um capital de mais de um milhão, hei-de provar que essa obrigação, datada no ano de 1406, deve ter sido paga por Guy Castão IV, conde de Béarn, no seu leito de morte, em 1417, porque por seu próprio punho se acham escritas no seu testamento as seguintes palavras: “No meu leito de morte, não devendo nada aos homens; e pronto a comparecer perante Deus...”

        - Então? - disse a condessa.

        - Então! bem entende; se ele nada devia aos homens, é porque já tinha pago aos Salúcios.  A não ser isso, teria dito: “Devendo duzentas mil libras”, em vez de dizer: “Não devendo nada”.

        - Sim, incontestavelmente o haveria dito – interrompeu João.

        - Mas não tem outras provas?

        - Além da palavra de Castão IV, não, minha senhora; mas era este o que chamavam o irrepreensível.

        - Mas a obrigação de dívida está em poder dos adversários?

        - Está, é verdade - disse a velha - e é exactamente o que complica a demanda.

        Deveria ter dito que era exactamente essa obrigação o que esclarecia a questão, mas a senhora de Béarn via as coisas do ponto de vista que lhe era mais favorável.

        - Então, minha senhora, é sua convicção que os Salúcios estão pagos? - disse João.

        - Sim, senhor visconde - respondeu imediatamente a senhora de Béarn - é essa a minha convicção.

        - Mas - redargüiu a condessa para seu irmão, como se acabasse de perceber bem a fundo a questão – quer que lhe diga uma coisa, João, é que esta dedução, como diz a senhora de Béarn, muda terrivelmente o aspecto do negócio?

        - Terrivelmente para os meus adversários – prosseguiu a condessa; - os termos do testamento de Castão IV são positivos: “Não devendo nada mais aos homens”.

        - Nem só é claro, mas até mesmo é lógico – disse João. - Não devia nada mais aos homens, portanto tinha pago o que lhes devia.

        - Portanto, tinha pago o que lhes devia - repetiu a senhora du Barry por sua vez.

        - Ah! minha senhora - exclamou a velha condessa - permitisse Deus que fosse a senhora o meu juiz!

        - Antigamente, num caso destes não se teria recorrido aos tribunais - disse o visconde João; - o juízo de Deus teria decidido a questão. Quanto a mim, estou por tal forma convencido da justiça da sua causa, que lhe juro, se um semelhante costume estivesse ainda em prática, oferecer-me-ia por campeão da senhora condessa.

        - Oh! senhor!

        - É como lhe digo; entretanto, não faria mais do que fez um dos meus antepassados, du Barry Moore, que teve a honra de unir-se por casamento com a família real de Stuart, quando combateu pela jovem e formosa Edite de Scarborough, obrigando o seu adversário a confessar publicamente que havia mentido com quantos dentes tinha na boca. Mas, infelizmente - prosseguiu o visconde soltando um suspiro de desprezo - já não vivemos nesses tempos gloriosos, e hoje, quando pessoas como nós querem discutir os seus direitos, têm que sujeitar-se a uma chusma de becas, que não percebem uma frase tão clara e explícita como esta: “Não devendo mais nada aos homens”.

        - Ouça, meu caro irmão, há trezentos anos que essa frase foi escrita - disse a senhora du Barry - e é preciso ver se não há o que no Palácio da Justiça chamam a prescrição.

        - Não importa, não importa - disse João - estou convencido que se Sua Majestade ouvisse a senhora condessa fazer a exposição do seu negócio, como acaba de a fazer agora perante nós...

        - Oh! havia de o convencer, não é verdade, senhor? tenho essa certeza.

        - E eu também.

        - Sim, mas como poderei fazer-me ouvir?

        - Seria preciso para isso que me fizesse a honra de vir um dia visitar-me a Luciennes, e como Sua Majestade me faz a honra de me ir lá ver muitas vezes...

        - Sim, minha querida irmã, tudo isso é muito bom, mas depende do acaso.

        - Visconde - disse a condessa com um sorriso encantador bem sabe que confio bastante no acaso, e que não tenho motivo para me queixar dele.

        - Todavia o acaso pode fazer que durante oito, quinze ou mesmo vinte dias, a senhora de Béarn se não encontre com el-rei.

        - É verdade.

        - E entretanto a sua demanda deve julgar-se na segunda, ou terça-feira.

        - Terça-feira, senhor.

        - Estamos hoje em sexta-feira de tarde.

        - Oh! Então, é preciso tirar daí o sentido - disse a senhora du Barry de um modo desesperado.

        - O que devemos fazer? - disse o visconde parecendo meditar profundamente. - Diacho!

        - E uma audiência em Versalhes? - disse timidamente a senhora de Béarn.

        - Oh! não alcançará isso.

        - Talvez com a sua protecção, minha senhora?

        - Oh! a minha protecção de nada serviria; el-rei odeia tudo quanto é oficial, e neste momento tem um negócio que muito o preocupa.

        - A respeito dos parlamentos? -perguntou a Srª. Condessa de Béarn.

        - Não, a respeito da minha apresentação.

        - Ah! - disse a velha demandista.

        - Porque, naturalmente sabe, minha senhora, que, apesar da oposição do senhor de Choiseul, apesar das intrigas do senhor de Praslin e apesar dos esforços da senhora de Grammont, Sua Majestade El-Rei decidiu que eu havia de ser apresentada.

        - Não, minha senhora - disse a velha demandista - eu não sabia.

        - Oh!  pois é coisa decidida - disse João.

        - E quando há-de verificar-se essa apresentação, minha senhora?

        - Proximamente.

        - Eis o caso... el-rei quer que seja antes da chegada da senhora delfina para poder levar minha irmã às festas de Compiègne.

        - Ah! Entendo. Então está para ser apresentada? – disse timidamente a condessa.

        - Sim. A Srª. Baronesa de Alogny... conhece a baronesa de Alogny?

        - Não, senhor. Ah! Já não conheço pessoa alguma; há vinte anos que me retirei do paço.

        - Pois é a Srª. Baronesa de Alogny que lhe serve de madrinha. El-rei tem dispensado muitos favores a essa baronesa; seu marido foi feito camarista, o filho entra no corpo de guardas com promessas de entrar na primeira vagatura de tenente; o seu baronato é erecto em condado, os vales sobre o bolsinho de el-rei são-lhe permutados contra acções de crédito, e no dia da apresentação há-de receber vinte mil escudos em moeda sonante. Também ela está com uma pressa que isso se faça!

        - Pudera não! - disse a condessa de Béarn sorrindo.

        - Ah! mas agora me lembro!... - exclamou João.

        - O que é? - perguntou a senhora du Barry.

        - Que desgraça! - exclamou saltando sobre a sua poltrona - que desgraça não ter eu encontrado oito dias mais cedo a Srª. Condessa de Béarn em casa do nosso primo o vice-chanceler.

        - Por quê?

        - Porque nessa época não tínhamos ainda tratado coisa alguma com a baronesa de Alogny.

        - Meu caro - disse a senhora du Barry - fala como uma esfinge, mas não o entendo.

        - Não entende?

        - Não.

        - Aposto que a senhora condessa entende?

        - Perdão, senhor visconde, mas também não percebo.

        - Há oito dias não tinha ainda madrinha?

        - Não há dúvida.

        - Então, minha senhora...  talvez eu tome liberdade demasiada?

        - Não, senhor, fale.

        - A senhora condessa ter-lhe-ia servido, e o que el-rei faz pela senhora baronesa, tê-lo-ia feito pela senhora condessa.

        A demandista abriu muito os olhos.

        - Ah! - disse ela.

        - Ah! se soubesse - prosseguiu João - a boa vontade com que Sua Majestade lhe tem concedido todas estas mercês! Não foi necessário pedir-lhas, ele mesmo tem tido a lembrança de as oferecer. Assim que lhe disseram que a baronesa de Alogny se oferecia para madrinha de Joana, disse: “Ainda bem, estou farto de aturar todas essas desdenhosas que são mais soberbas que eu, pelo que parece... Condessa, apresentar-me-á à senhora baronesa, não é verdade? Tem ela alguma demanda, algum crédito sobre o Estado, alguma dívida à fazenda pública?...”

        Os olhos da condessa dilatavam-se cada vez mais.

        - “Há só uma coisa que me amofina um pouco” – acrescentou el-rei.

        - Ah! Havia então alguma coisa que amofinava Sua Majestade?

        - Sim, uma única.  “É só uma coisa que me amofina, é que para apresentar a senhora du Barry teria querido um nome histórico”.  E dizendo estas palavras, Sua Majestade olhava para o retrato de Carlos I, por Van Dyck.

        - Sim, entendo - disse a velha demandista – Sua Majestade fez essa observação por causa daquela aliança dos du Barry Moore com os Stuarts, da qual há pouco me falou.

        - Exactamente.

        - O facto é - respondeu a senhora de Béarn num tom impossível de explicar - o facto é que nunca ouvi falar dessa família de Alogny.

        - Entretanto - disse a condessa - é uma família distinta e nobre.

        - Ah! Santo Deus! - exclamou repentinamente o visconde João erguendo-se um pouco da poltrona em que estava sentado.

        - Então o que é isso - perguntou a senhora du Barry fazendo os maiores esforços para conter o riso na presença das contorções de seu irmão.

        - O senhor picou-se talvez? - perguntou com cuidado a velha demandista.

        - Não - disse João deixando-se novamente cair sobre a poltrona; - não! É uma idéia que eu tive.

        - Que idéia? - perguntou a condessa rindo; - quase que o ia deitando ao chão!

        - Deve ser muito boa! - disse a senhora de Béarn.

        - Excelente!

        - Diga-a.

        - Só tem um inconveniente.

        - Qual é?

        - É que se não pode executar.

        - Diga sempre.

        - Mas receio com isso que fique alguém com pena.

        - Não importa, fale, visconde, fale.

        - Lembrava-me que se participasse à senhora de Alogny essa observação que fazia el-rei olhando para o retrato de Carlos I...

        - Oh! Visconde, isso seria muito incivil.

        - É verdade.

        - Então não pensemos mais nisso.

        A velha suspirou.

        - É pena - prosseguiu o visconde, como falando consigo mesmo - os negócios caminhavam sós. A senhora condessa, que tem um nome distinto e que é mulher de espírito, oferecia-se para o lugar da baronesa de Alogny. Ganhava a sua demanda, o senhor de Béarn filho era nomeado para um alto lugar, e como a senhora condessa tem feito grandes despesas nas diferentes jornadas em que tem andado por causa da demanda, dar-se-lhe-ia uma indemnização. Ah! uma fortuna assim não se oferece duas vezes na vida de uma pessoa!

        - Não - exclamou a Srª. Condessa de Béarn, atordoada com esse golpe inesperado.

        O facto é que na posição da pobre demandista, todos teriam exclamado como ela, e como ela teriam todos ficado abatidos sobre a poltrona.

        - Olhe, meu irmão - disse a condessa com um acento de profunda comiseração - afligiu a senhora condessa com as suas palavras. Não era bastante já o haver-lhe eu dito que nada podia pedir a el-rei antes da minha apresentação?

        - Oh! Se eu pudesse fazer adiar o julgamento da minha demanda!

        - Só a adiariam por oito dias - disse a senhora du Barry.

        - Sim, por oito dias - disse a senhora de Béarn; - dentro de oito dias há-de verificar-se a sua apresentação.

        - Sim, mas el-rei estará em Compienha daqui a oito dias, el-rei estará no centro das festas e divertimentos, terá chegado a delfina...

        - É verdade, é verdade - disse João - mas...

        - O quê?

        - Espere; tive uma nova idéia.

        - Qual é, senhor, qual é? - perguntou a velha.

        - Parece-me, sim... não... sim, sim, sim!

        A senhora de Béarn repetia com ansiedade os monossílabos de João.

        - Disse sim, senhor visconde? - perguntou ela.

        - Parece-me que achei um meio.

        - Fale.

        - Ouça!

        - Estamos ouvindo.

        - A sua apresentação, por ora, é ainda um segredo, não é verdade?

        - Decerto, só a senhora...

        - Oh! Descanse! - exclamou a demandista.

        - Portanto ainda é segredo a sua apresentação, e ignora-se que encontrou uma madrinha.

        - Sem dúvida; el-rei quer que a notícia se espalhe com estrondo, quando tudo estiver feito.

        - Então tenho o que quero, desta vez.

        - Com certeza, senhor visconde? - perguntou a senhora de Béarn.

        - Temos tudo - repetiu João.

        A velha condessa prestava toda a sua atenção. João chegou a poltrona em que estava sentado para junto dela e de sua irmã.

        - A Srª. Condessa de Béarn portanto ignora, como todos, que está para ser apresentada, e que achou uma madrinha.

        - Decerto, e ainda o ignoraria se não mo houvesse dito.

        - É preciso fingir portanto que não esteve connosco, que ignora tudo, e que vai pedir uma audiência a el-rei.

        - Mas a senhora condessa é de parecer que ma negará?

        - Pede uma audiência a el-rei, oferecendo-se para ser madrinha da condessa, percebe? Deve ignorar se ela tem ou não tem madrinha. Pede portanto uma audiência a el-rei e oferece-se ao mesmo tempo para madrinha de minha irmã. Da parte de uma mulher da sua jerarquia, esse oferecimento sensibiliza el-rei. Sua Majestade recebe-a, agradece-lhe e pergunta o que pode fazer para lhe ser útil. Fala então na sua demanda e mostra as suas deduções. Sua Majestade ouve o que a senhora lhe diz, recomenda o negócio, e ganha essa demanda que julga perdida.

        A senhora du Barry fitava na condessa um olhar ardente; esta havia provavelmente adivinhado o laço.

        - Oh! Eu, mesquinha criatura - disse ela com vivacidade como quer que Sua Majestade...

        - Basta! Parece-me pelo menos ter mostrado boa vontade - disse João.

        - Se unicamente se trata de boa vontade... - disse a condessa hesitando.

        - A idéia não é má - atalhou a senhora du Barry sorrindo; - mas talvez que mesmo para ganhar a sua demanda repugne à senhora condessa empregar tais embustes?

        - Tais embustes! - redargüiu João; - ora adeus! E quem há-de ter conhecimento desses pretendidos embustes?

        - A senhora condessa tem razão - disse a velha esperando sair-se bem deste negócio empregando um desvio - eu preferiria prestar-lhe um serviço mais verdadeiro para assim conciliar a sua amizade com mais firmeza.

        - Isso seria muita bondade da sua parte - disse a senhora du Barry com um leve tom de ironia, que a senhora de Béarn percebeu perfeitamente.

        - Pois bem! - disse o visconde João - ainda tenho um meio.

        - Um meio?

        - Sim.

        - De tornar mais verdadeiro e real esse serviço?

        - Ora, visconde, pelo que vejo dá em poeta. Cuidado! O senhor de Beaumarchais não tem decerto uma imaginação mais fértil.

        A velha esperava com ansiedade a exposição desse meio anunciado por João.

        - Ponhamos de parte a zombaria - disse João. – Vamos a saber uma coisa, minha irmã, tem muita intimidade com a senhora de Alogny, não é verdade?

        - Decerto!... bem o sabe.

        - Seria ela capaz de se formalizar se a não aceitasse por madrinha?

        - Pode ser.

        - Está sabido que não lhe deverá ir dizer à queima-roupa que el-rei observou que não era nobre bastante para uma semelhante missão, mas como a mana é mulher de espírito, dir-lhe-á outra qualquer coisa.

        - E depois? - perguntou a senhora du Barry.

        - Depois, ela cederia à Srª. Condessa de Béarn essa ocasião de fazer fortuna e de lhe prestar um serviço.

        A velha estremeceu. O ataque desta vez era directo. Não havia possibilidade de dar uma resposta evasiva.

        Contudo ela achou uma.

        - Eu não quereria por forma alguma fazer uma acção desagradável a essa senhora; entre gente de bem é preciso guardar certas conveniências.

        A senhora du Barry fez um movimento de despeito, que tratou logo de disfarçar por causa dos sinais que lhe fazia seu irmão.

        - Deve notar, minha senhora, - disse ele - que lhe não proponho coisa alguma. Tem uma demanda, isso acontece a todos; deseja vencê-la, também é natural.  Parece estar perdida, e isso desespera-a; apresento-me no meio do seu desespero muito comovido de simpatia por si; interesso-me nesse negócio que me deve ser indiferente; procuro um meio para o tornar a seu favor quando está já quase todo contra. Fiz talvez mal, mas não falemos mais nisso.

        E João levantou-se.

        - Oh! senhor - exclamou a velha com um aperto de coração que lhe mostrou os du Barry, até àquele momento indiferentes, ligados todos contra a sua demanda; - oh! senhor, pelo contrário, reconheço e admiro a sua bondade!

        - Quanto a mim - disse João com uma bem fingida indiferença - tanto me importa que a minha irmã seja apresentada pela senhora de Alogny, como pela senhora de Polastron ou pela senhora de Béarn; deve certamente conhecer isso.

        - Sem dúvida, senhor.

        - Só, isso confesso-o, o que me tornava furioso era se os favores de el-rei fossem recair em algum mau coração que, seduzido por um sórdido interesse, teria capitulado, na presença do nosso poder, conhecendo a impossibilidade de o derribar.

        - Oh! Provavelmente é o que havia de acontecer – disse a senhora du Barry.

        - Enquanto que - prosseguiu João - a senhora de Béarn, que não fomos procurar, que apenas conhecemos, e que enfim de tão boa vontade se oferece, parece-me digna por todos os modos de aproveitar as vantagens da posição.

        A demandista ia talvez reclamar contra essa boa vontade com que o visconde a honrava, mas a senhora du Barry não lhe deu tempo para isso.

        - O facto é - disse ela - que um semelhante procedimento encantaria Sua Majestade, que nada recusaria a essa pessoa.

        - Como! El-rei nada recusaria, diz a senhora?

        - Digo mais, digo que adivinharia os desejos dessa pessoa, isto é, com os seus próprios ouvidos o ouvirá dizer ao vice-chanceler: “Quero que a senhora de Béarn seja obsequiada, ouviu, senhor de Maupeou?”. Mas, pelo que vejo, acaba a senhora condessa de descobrir nisto alguma dificuldade. Pois bem. Só o que espero – acrescentou o visconde inclinando-se - é que a senhora condessa há-de confessar que fiz tudo quanto estava ao meu alcance para lhe mostrar a minha boa vontade.

        - Estou-lhe realmente muito obrigada, senhor! – exclamou a velha.

        - Oh! mas sem haver de quê - disse o visconde.

        - Mas... - atalhou a condessa.

        - Minha senhora?

        - Mas, a senhora de Alogny não há-de querer ceder os seus direitos - disse a velha.

        - Então voltaremos ao que primeiramente se disse, a senhora condessa oferece-se e el-rei saberá agradecer esse favor.

        - Mas supondo que a senhora de Alogny cedesse – disse a condessa velha que queria examinar bem o fundo do negócio - não é justo que essa senhora perca agora as vantagens...

        - A bondade de el-rei para comigo é infinita, minha senhora - disse a favorita.

        - Oh! - exclamou o visconde - que raio que vai cair sobre a cabeça desses Salúcios que tanto odeio!

        - E se eu oferecesse à senhora condessa prestar-lhe os meus serviços - disse a velha decidindo-se cada vez mais levada pelo seu interesse e pela comédia que com ela representavam - não consideraria a minha demanda como vencida; porque enfim, dificilmente se vencerá amanhã uma demanda que hoje todos julgam perdida.

        - Ah! Se todavia el-rei quiser... - respondeu o visconde apressando-se em combater esta nova hesitação.

        - Pois também eu sou do parecer da Srª. Condessa de Béarn - disse a favorita.

        - Como? - disse o visconde abrindo muito os olhos.

        - Digo que seria honroso para uma senhora com um nome tão distinto deixar seguir a demanda. Ninguém pode pôr obstáculos à vontade de el-rei, nem fazê-lo parar na sua real munificência. E se el-rei não quisesse, principalmente na posição em que se acha com os seus parlamentos, se el-rei não quisesse mudar o curso da justiça, e oferecesse à senhora condessa uma indemnização?

        - Honrosa - apressou-se em acrescentar o visconde. - Oh! Sim, minha irmã, sou da sua opinião.

        - Ah! - disse tristemente a demandista - como me poderá indemnizar de uma demanda que me leva duzentas mil libras?

        - Em primeiro lugar - disse a senhora du Barry - por uma doação real de cem mil libras, por exemplo?

        Os dois associados olhavam avidamente para a sua vítima.

        - Tenho um filho - disse ela.

        - Melhor, é mais um servidor para o Estado, um novo defensor de el-rei.

        - Fariam alguma coisa por meu filho, minha senhora, julga isso?

        - Respondo eu por isso, minha senhora - disse João - e o que de menos lhe poderá dar, será o lugar de tenente das guardas.

        - Tem mais parentes? - perguntou a favorita.

        - Um sobrinho.

        - Pois bem! há-de inventar-se alguma coisa para seu sobrinho.

        - E encarregá-lo-íamos disso, visconde, já que tão bem tem provado ter boa cabeça para inventar – disse a favorita rindo.

        - Vejamos, se Sua Majestade fizesse todas estas coisas a seu favor, minha senhora - disse o visconde que, seguindo o preceito de Horácio, procurava já um desfecho - acharia el-rei arrazoado?

        - Achá-lo-ia generoso além de toda a expressão, e agradeceria tudo à senhora condessa, bem convencida que seria a ela que eu deveria tanta generosidade.

        - Portanto, minha senhora - perguntou a favorita - digna-se tomar a sério a nossa conversa?

        - Sim, minha senhora, muito a sério - disse a velha, empalidecendo pela obrigação que acabava de contrair.

        - E dá licença que fale de si a Sua Majestade?

        - Faça essa honra - respondeu a demandista soltando um suspiro.

        - Minha senhora, isso há-de verificar-se, e há-de ser hoje mesmo, esta noite - continuou a favorita levantando-se da cadeira. - E agora, minha senhora, parece-me ter conquistado a sua amizade.

        - A da senhora é para mim tão preciosa – prosseguiu a velha - que realmente me parece estar sob o império de um sonho.

        - Vejamos, recapitulemos - disse João, que queria dar ao espírito da condessa toda a fixidade de que necessitava para levar a cabo as coisas materiais. - Vejamos, temos em primeiro lugar cem mil libras como indemnização de custas de demandas, jornadas, gratificação de advogados, etc., etc.

        - Sim, senhor.

        - Um lugar de tenente das guardas para o jovem conde.

        - Oh! Seria um magnífico princípio de carreira.

        - E alguma coisa para um sobrinho, não é verdade?

        - Alguma coisa.

        - Há-de inventar-se alguma coisa, eu já o disse; incumbo-me de tudo.

        - E quando tornarei a ter a honra de a ver, senhora condessa? - perguntou a velha demandista.

        - Amanhã pela manhã; a minha carruagem há-de estar à sua porta, minha senhora, para a levar a Luciennes, onde encontrará el-rei. Amanhã às dez horas terei cumprido a minha promessa; Sua Majestade há-de ser avisado e a senhora não terá que esperar.

        - Permita que eu a acompanhe - disse João, oferecendo o braço à condessa.

        - Não consinto, senhor - disse a velha - não se incomode.

        João insistiu.

        - Até ao alto da escada, pelo menos.

        - Já que absolutamente o quer assim...

        E aceitou o braço que o visconde lhe oferecia.

        - Zamora! - chamou a condessa.

        Zamora apareceu.

        - Alumiem a senhora condessa até ao fim da escada, e façam chegar a carruagem de meu irmão.

        Zamora saiu como um raio.

        - Realmente, é muita honra, minha senhora – disse a velha.

        E as duas mulheres fizeram reciprocamente uma última mesura.

        Chegados ao alto da escada, o visconde João largou o braço da senhora de Béarn, e voltou para sua irmã, enquanto a demandista descia majestosamente os degraus.

        Zamora ia adiante; atrás de Zamora seguiam dois, lacaios levando luzes, depois a senhora de Béarn, a quem um terceiro lacaio levava a cauda, que era curtinha.

        Os dois irmãos olhavam pela janela para seguir com a vista até à carruagem essa preciosa madrinha, com tanto cuidado procurada e achada com tanta dificuldade.

        No momento em que a senhora de Béarn chegava ao fim da escada, entrava no pátio uma carruagem de posta, da qual se apeou uma jovem senhora.

        - Ah! minha ama Chon! - exclamou Zamora abrindo desmarcadamente os grossos beiços - boa tarde, ama Chon!

        A senhora de Béarn ficou como espantada; acabava de reconhecer na recém-chegada a pessoa que a havia ido visitar ao campo, a falsa filha do Sr. Flageot.

        Du Barry havia precipitadamente aberto a janela, e dela fazia sinais aterradores a sua irmã, que os não via.

        - Gilberto está cá? - perguntou Chon aos lacaios sem ver a condessa.

        - Não, minha senhora - respondeu um deles – ninguém o viu.

        Foi então que erguendo os olhos percebeu os sinais de João.

        Seguiu a direcção da mão, dessa mão incessantemente estendida para o lado da senhora de Béarn.

        Chon reconheceu-a, soltou um grito, carregou a touca sobre os olhos e sumiu-se no vestíbulo.

        A demandista, sem parecer nada ter percebido, entrou para a carruagem e deu a direcção ao cocheiro.

 

EL-REI ENFASTIA-SE

        El-Rei, que segundo o dissera, tinha partido para Marly, deu as suas ordens, pelas três horas da tarde, a fim de o conduzirem a Luciennes.

        Devia supor que a senhora du Barry, ao receber o seu bilhetinho, se apressaria em sair também de Versalhes para ir esperá-lo na encantadora habitação que ela acabava de mandar construir, e que el-rei já por duas ou três vezes havia visitado, sem contudo passar lá noite alguma, debaixo do pretexto, que ele sempre dava, que Luciennes não era um paço real.

        Não foi pequena a sua surpresa quando, ao chegar, achou Zamora bem pouco soberbo e bem pouco governador, divertindo-se em arrancar as penas do periquito que diligenciava mordê-lo. Os dois favoritos estavam em rivalidade, como o senhor de Choiseul com a senhora du Barry.

        El-rei instalou-se na pequena sala e despediu as pessoas do seu séquito.

        Apesar de ser um dos homens mais curiosos do seu reino, não costumava fazer perguntas aos lacaios; mas Zamora nem mesmo era um lacaio, ocupava um lugar qualquer entre o sagüi e o periquito.

        El-rei portanto dirigiu perguntas a Zamora.

        - A senhora condessa está no jardim?

        - Não, meu amo - disse Zamora.

        A palavra amo substituía o título de Majestade, do qual a senhora du Barry, por uma das suas fantasias, sempre despojava el-rei quando estava em Luciennes.

        - Então foi ver as carpas?

        Havia-se feito, com grande dispêndio, um belo lago na montanha, alimentado pelas águas do aqueduto, e para ele tinham sido transportadas as melhores carpas de Versalhes.

        - Não, meu amo - respondeu outra vez Zamora.

        - Então onde está ela?

        - Em Paris, amo.

        -Como, está em Paris!... A condessa não veio a Luciennes?...

        - Não, meu amo; a senhora condessa mandou para cá Zamora.

        - Para quê?

        - Para esperar pela chegada de el-rei.

        - Ah! ah! - disse Luís XV - cometeram-te o cuidado de me vires receber. É coisa encantadora a companhia de Zamora! Obrigado, condessa, muito obrigado.

        E el-rei ergueu-se um pouco despeitado.

        - Oh! Não - disse o preto - el-rei não terá a companhia de Zamora.

        - Por quê?

        - Porque Zamora vai partir.

        - E aonde vais?

        - Para Paris.

        - Então vou ficar só. Cada vez lhe acho mais graça. Mas o que vais tu fazer a Paris?

        - Vou ter com minha ama Barry e dizer-lhe que el-rei está em Luciennes.

        - Ah! ah! a condessa encarregou-te de lhe ires dizer isso?

        - Sim, amo.

        - E não disse o que eu havia de fazer enquanto espero a sua chegada?

        - Disse que havia de dormir.

        - Também - pensou el-rei - é porque não há-de tardar e quer fazer-me alguma surpresa.

        Depois acrescentou em voz alta:

        - Parte depressa, e volta com a condessa... Mas é verdade, como vais a Paris?

        - Vou no grande cavalo branco, com a gualdrapa vermelha.

        - E quanto tempo gasta o grande cavalo branco para ir daqui a Paris?

        - Não sei - disse o preto - mas vai depressa, muito depressa; que Zamora gosta de ir depressa.

        - Ainda assim é uma fortuna que Zamora goste de ir depressa.

        E foi para a janela a fim de ver partir Zamora.

        Um lacaio alto pegou nele, colocou-o sobre o cavalo, e com essa feliz ignorância do perigo que pertence particularmente às crianças, partiu o preto agarrado ao gigantesco cavalo, que se pôs a galope.

        El-rei, que ficara só, perguntou ao lacaio se havia alguma coisa de novo que ver em Luciennes.

        - Há - respondeu o criado - o Sr. Boucher, que está pintando o grande gabinete da senhora condessa.

        - Ah! Boucher. Esse bom Boucher está cá? – disse el-rei com uma espécie de satisfação. - E onde está ele?

        - No pavilhão, no gabinete; Sua Majestade deseja que eu o conduza junto do Sr. Boucher?

        - Não - disse el-rei - não; decididamente antes quero ir ver as carpas.  Dá-me uma faca.

        - Uma faca, senhor?

        - Sim, e um pão grande.

        O criado voltou, trazendo num prato de louça do Japão um grande pão redondo com uma faca espetada no centro.

        El-rei fez sinal ao criado para o acompanhar, e satisfeito dirigiu-se para o lago.

        Era uma tradição de família este costume de dar de comer às carpas. O grande rei não faltava a isso um único dia.

        Luís XV sentou-se no banco de musgo de onde se gozava uma vista deliciosa.

        Via-se primeiro que tudo o pequeno lago com as suas margens verdes; além a aldeia edificada entre duas colinas, uma das quais, a do oeste, erguia-se a prumo como a rocha musgosa de Virgílio, de modo que as casas cobertas de colmo que suporta, parecem brincos de crianças enfardados numa caixa cheia de feto.

        Mais adiante as torres de Saint-Germain, a sua gigantesca escadaria e os imensos maciços de árvores do seu terraço; mais longe ainda o horizonte azul de Sannois e de Cormeilles, e enfim, um céu avermelhado e majestoso fechando isto tudo numa redoma de cobre magnífica.

        A atmosfera estava carregada, a folhagem das árvores sobressaía em escuro no verde claro dos prados; a água, lisa e imóvel como se fora uma imensa superfície de azeite, apenas se agitava de vez em quando, na ocasião em que algum peixe, de escama prateada, saía das profundidades do lago para vir à superfície agarrar a mosca dos tanques que corre sobre a água com as suas longas pernas.

        Então, formavam-se sobre a água uns círculos infinitamente multiplicados que a adamascavam com mil e variados arabescos.

        Viam-se também aparecer, de longe em longe, os enormes focinhos dos peixes silenciosos que, certos de não encontrarem nunca a rede nem o anzol, vinham, sossegadamente chupar os trevos que ali cresciam e contemplar com seus grandes olhos vidrosos os insectos dourados e as rãs verdes que saltavam entre os juncos.

        Quando el-rei, como homem que sabe perder bem o seu tempo, havia admirado em todas as direcções a vista que se lhe oferecia, depois de haver contado as casas da aldeia e as aldeias de perspectiva, pegou no pão que estava no prato que fizera colocar no chão, a seu lado, e começou a cortá-lo em pedaços.

        As carpas ouviram o ferro ranger sobre a côdea, e familiarizadas com esse ruído que para elas era o sinal do jantar, aproximaram-se tanto quanto lhes era possível para se mostrarem a Sua Majestade, a fim de que se dignasse conceder-lhes o pasto quotidiano. Fariam o mesmo com o primeiro lacaio que ali fosse para idêntico fim, mas el-rei persuadia-se de que todos aqueles obséquios eram só para ele.

        Atirou um depois de outro os pedaços de pão que, mergulhando primeiro e vindo depois à superfície do lago, eram algum tempo disputados até que, desfeitos em migalhas pela água, eram engolidos num instante.

        Era com efeito um espectáculo divertido, ver todas essas côdeas puxadas de um para outro lado pelos peixes, e agitando-se sobre a água até ao momento em que desapareciam para sempre.

        No fim de meia hora, Sua Majestade, que tivera a paciência de cortar mais de cem pedaços de pão, recebia a satisfação de não ver mais nem um sobre a água.

        Mas também depois el-rei enfastiou-se, e lembrou-se que o Sr. Boucher poderia proporcionar-lhe alguma distracção, certamente menos importante que a das carpas, mas no campo contentam-se todos com o que acham.

        Luís XV dirigiu-se portanto para o pavilhão. Boucher já estava prevenido. Pintando, ou antes fingindo que pintava, seguia el-rei com a vista; viu-o encaminhar-se para o pavilhão, e alegre com isso, compôs os bofes da camisa, puxou os punhos e trepou na escada, porque lhe haviam recomendado que fingisse ignorar que el-rei estava em Luciennes. Ouviu o sobrado estalar debaixo dos passos do amo, e começou a pintar um amor papudo, roubando uma rosa a uma pastora vestida de branco com um corpete de cetim azul, e com um chapéu de palha na cabeça. Tremeu-lhe a mão e palpitou-lhe o coração.

        Luís XV parou no limiar da porta.

        - Ah!  Sr. Boucher - disse ele - como cheira a terebintina!

        E passou para diante.

        O infeliz Boucher, apesar de saber que el-rei era pouco apreciador das artes, esperava outro cumprimento e esteve a ponto de cair da cadeira abaixo.

        Desceu e retirou-se com as lágrimas nos olhos, sem raspar a palheta e sem limpar os pincéis, o que nunca deixava de fazer.

        Sua Majestade puxou pelo relógio; eram sete horas.

        Luís XV voltou ao palácio, brincou com o macaco, fez falar o periquito, e tirou de cima das cómodas, umas depois das outras, todas as curiosidades que lá se achavam.

        Entretanto anoiteceu.

        Sua Majestade não gostava dos quartos escuros, por isso acendeu-se luz.

        Mas também não gostava de estar só.

        - Quero a minha carruagem posta, daqui a um quarto de hora - disse el-rei.

        Depois, falando consigo mesmo em voz baixa, acrescentou:

        - Dou-lhe ainda um quarto de hora, nem mais nem menos.

        E Luís XV deitou-se sobre o sofá em frente da chaminé, incumbindo-se a tarefa de esperar a fim de que passassem os quinze minutos, ou novecentos segundos.

        À quadringentésima oscilação do pêndulo, que representava um elefante azul com uma sultana cor-de-rosa em cima, já Sua Majestade dormia.

        Como se pode facilmente julgar, o criado que vinha dar parte que a carruagem estava pronta, vendo el-rei a dormir, não se atreveu a acordá-lo. Resultou desta atenção pelo augusto sono que, acordando sem ninguém o chamar, viu el-rei em frente de si a senhora du Barry que não dormia, e que olhava para ele com os olhos muito abertos. Zamora, ao pé da porta, esperava qualquer ordem.

        - Ah! está aí, condessa - disse el-rei ficando sentado, mas tomando a sua posição vertical.

        - Sim, senhor, estou aqui já há bastante tempo - disse a condessa.

        - Oh! muito tempo! Quer dizer...

        - Ora! há mais de uma hora. Como Vossa Majestade dormia!

        - Olhe, condessa, como não estava aqui, morria de aborrecimento; e daí tenho passado mal as noites. Sabe que estava já para me retirar?

        - Bem sei, vi a carruagem posta, quando entrei.

        El-rei olhou para o relógio.

        - Oh! dez horas e meia - disse ele; - dormi perto de três horas!

        - E diga agora que se não dorme bem em Luciennes, senhor.

        - Sim, não se dorme mal! Mas que diabo vejo eu ali? - bradou el-rei vendo Zamora.

        - Vê o governador de Luciennes, senhor...

        - Ainda não, ainda não - disse el-rei rindo-se; - pois aquele maroto traz o uniforme antes de estar nomeado? Conta certamente com a minha palavra!

        - Senhor, a sua palavra é sagrada e temos o direito de contar com ela; mas Zamora tem mais que a sua palavra, ou direi melhor, tem menos que a sua palavra, tem o diploma.

        - Como?

        - O vice-chanceler mandou-mo: aqui está. Agora a única formalidade que falta para a sua definitiva instalação é a de prestar juramento; receba-lho pois, senhor, para ele entrar nas suas funções.

        - Aproxime-se, senhor governador - disse el-rei.

        Zamora aproximou-se. Vinha vestido com um uniforme de gola bordada, trazia dragonas de capitão, calção de seda e espadim. Andava direito e compassadamente com um enorme chapéu armado debaixo do braço.

        - Saberá ele jurar? - perguntou el-rei.

        - Oh! Sabe decerto; experimente, senhor.

        - Avance à ordem - disse el-rei olhando com curiosidade para esse negro boneco.

        - Ajoelhe - disse a condessa.

        - Preste o juramento - acrescentou Luís XV.

        O pretinho pôs uma das mãos sobre o coração e a outra entre as mãos de el-rei e disse:

        - Juro fidelidade e homenagem a meu amo e a minha ama; juro defender até à morte o palácio, cuja guarda me é confiada, e de comer até ao último covilhete de doce antes de me render, no caso de ser atacado.

        El-rei riu-se tanto da fórmula do juramento como da seriedade com que Zamora o pronunciava.

        - Em paga deste juramento - redargüiu el-rei tomando a gravidade conveniente - concedo-lhe, senhor governador, o direito soberano de baraço e cutelo sobre todos os que habitam o ar, a terra, o fogo e água do palácio.

        - Agradecido, meu amo - disse Zamora erguendo-se.

        - E agora - prosseguiu el-rei - vai passear nas cozinhas com a tua linda farda e deixa-nos ficar quietos; vai.

        Zamora saiu.

        O preto saía por uma porta e Chon entrava por outra.

        - Ah! és tu, Chon? Boa noite.

        El-rei sentou-a sobre os joelhos e deu-lhe um beijo.

        - Vamos, minha linda Chon - continuou ele - tu vais dizer-me a verdade.

        - Ah! Senhor, bate a má porta - disse Chon. – Quer que lhe diga a verdade?... Parece-me que seria a primeira vez na minha vida que a dissesse. Se quer saber a verdade, pergunte-a a Joana, que não sabe mentir.

        - É isso verdade, condessa?

        - Senhor, Chon forma demasiado bom conceito de mim. O exemplo estragou-me, e desde esta noite principalmente estou decidida a mentir como uma verdadeira condessa, se não houver vantagem em dizer a verdade.

        - Ah! - disse el-rei - parece-me que Chon quer ocultar-me alguma coisa?

        - Não, senhor.

        - Algum duquezinho, marquês ou visconde que se terá ido ver.

        - Creio que não - redargüiu a condessa.

        - Que diz Chon a isto?

        - Cremos que não, senhor.

        - Há-de ser preciso que eu mande saber isso à polícia?

        - A polícia do senhor de Sartines ou à minha?

        - À do senhor de Sartines.

        - Quanto pagará por isso?

        - Se me disser coisas curiosas, não farei preço.

        - Então dê preferência à minha polícia, e receba as informações que eu lhe der. Hei-de servi-lo... realmente.

        - Vender-se-á a si mesma?

        - Por que não, se a soma valer o segredo?

        - Pois seja assim! Estou pronto para ouvir, mas nada de mentira!

        - França, está-me insultando.

        - Quero dizer, nada de rodeios.

        - Pois então, senhor, apronte a soma, eis as informações.

        - Está pronta - disse el-rei, fazendo tinir algumas moedas de ouro que trazia na algibeira.

        - Em primeiro lugar direi, que a condessa du Barry foi vista em Paris pelas duas horas da tarde.

        - Isso sei eu; e depois?

        - Na Rua de Valois.

        - Também sei.

        - Pelas seis horas foi Zamora lá ter.

        - É possível também; mas o que foi a senhora du Barry fazer à Rua de Valois?

        - Estava em sua casa.

        - Bem sei, mas por que estava ela em sua casa?

        - Para esperar pela sua madrinha.

        - Sua madrinha! - exclamou el-rei fazendo uma visagem que não pôde disfarçar; - então, vai baptizar-se?

        - Sim, senhor, nas fontes de Versalhes.

        - Acho que faz mal; o paganismo estava-lhe tão bem!

        - Que se lhe há-de fazer, senhor! conhece o provérbio: “Deseja-se aquilo que se não possui.”

        - De modo que querem ter uma madrinha?

        - E já a temos, senhor.

        El-rei estremeceu e encolheu os ombros.

        - Gosto muito desse movimento, senhor; prova-me que Vossa Majestade sentiria muito que ficassem vencidas as Grammont, Guémenée, e todas essas delambidas da corte.

        - Como?

        - Certamente, liga-se com toda essa gente!

        - Ligo-me?... Condessa, sabe uma coisa, é que o rei só se liga com reis.

        - É verdade, mas todos os reis são amigos do senhor de Choiseul.

        - Falemos da madrinha, condessa.

        - Prefiro isso, senhor.

        - Conseguiu então fabricar uma?

        - Não, senhor, achei-a, pronta e muito bem feita, uma condessa de Béarn, família de príncipes que reinaram, nada menos. Essa não há-de desonrar, creio eu, a aliada dos aliados dos Stuarts.

        - A condessa de Béarn? - perguntou el-rei admirado; - só conheço uma que vive para as bandas de Verdun.

        - É essa mesma; fez a jornada de propósito.

        - E dar-lhe-á a mão?

        - As mãos ambas.

        - E quando?

        - Amanhã, às onze horas da manhã, terá a honra de ser recebida em audiência particular por mim; e ao mesmo tempo, se não é indiscreta a pergunta, pedirá a el-rei para fixar o dia, e há-de fixar um que seja o mais próximo possível, não é assim, Sr. França?

        El-rei sorriu-se, com um riso forçado.

        - Certamente, certamente - disse ele beijando a mão da condessa.

        Mas de repente bradou:

        - Amanhã às onze horas?

        - Sim, à hora do almoço.

        - É impossível, minha querida.

        - Como, impossível?!

        - Não almoço cá; volto ainda esta noite para o meu palácio.

        - Que temos de novo? - disse a senhora du Barry sentindo gelar-se-lhe o coração. - Retira-se, senhor?

        - É necessário, querida condessa, tenho uma entrevista com Sartines para um trabalho de importância.

        - Como quiser, senhor, mas pelo menos há-de cear.

        - Oh! isso é outro caso... sim, estou com fome; para cear ficarei.

        - Manda pôr a ceia na mesa, Chon - disse a condessa a sua irmã fazendo-lhe ao mesmo tempo um sinal particular, e que certamente tinha relação com algum ajuste anterior.

        Chon saiu.

        El-rei viu o sinal num espelho, e ainda que o não pudesse entender, adivinhou que se lhe ia armar algum laço.

        - Não, não - disse ele; - reflectindo melhor, lembrou-me que nem mesmo posso ficar para a ceia... Devo partir no mesmo instante. Tenho que ir para a assinatura, porque hoje é sábado.

        - Pois bem! então vou dar ordem para que mandem chegar a carruagem.

        - Sim, minha querida.

        - Chon!

        Chon apareceu.

        - A carruagem de el-rei - disse a condessa.

        - Bem - disse Chon sorrindo-se.

        E saiu de novo.

        Um instante depois ouvia-se Chon, que bradava na ante-sala:

        - A carruagem de el-rei!

 

EL-REI DIVERTE-SE

        El-Rei, encantado com o seu golpe de autoridade, que castigava a condessa de o haver feito esperar, ao mesmo tempo que o livrava dos aborrecimentos da apresentação, encaminhou-se para a porta da sala.

        Chon entrava.

        - Então, viste os meus criados?

        - Não, senhor, os criados de Vossa Majestade não estão nas antecâmaras.

        El-rei encaminhou-se para a porta.

        - Os meus criados! - bradou ele.

        Ninguém respondeu: dir-se-ia que nem mesmo no palácio havia eco, pois tudo ficou silencioso.

        - Quem diria - exclamou el-rei entrando novamente na sala - que sou neto daquele que disse: “Estiveram para me fazer esperar!”

        Dirigiu-se para a janela e abriu-a.

        Mas a esplanada estava deserta como as antecâmaras; nem cavalos, nem criados, nem guardas. A noite só se oferecia à alma e aos olhos em toda a sua serenidade e majestade, alumiada por um luar admirável, que mostrava, trémulos como as ondas do oceano, os cumes das árvores dos bosques de Chatou, que formavam milhões de raios luminosos nas águas do Sena, gigantesca e preguiçosa Serpente, cujas dobras se podiam seguir com a vista desde Bougival até Maisons, isto é, quatro ou cinco léguas de extensão.

        Depois, no meio disso tudo, algum rouxinol improvisava um desses cantos maravilhosos, como só no mês de Maio se ouvem, como se as suas notas alegres não pudessem achar uma natureza mais digna delas que os primeiros dias da Primavera que se sente fugir apenas é chegada.

        Todas estas harmonias eram infelizmente perdidas para Luís XV, rei pouco pensador, pouco poeta, pouco artista, mas muito material.

        - Vejamos, condessa, rogo-lhe que dê as suas ordens. Com os diabos! é preciso que esta brincadeira acabe!

        - Senhor - respondeu a condessa com esse engraçado amuo de que sempre tirava tão bom resultado; - não sou eu que mando aqui.

        - Em todo o caso também não sou eu - disse Luís XV - porque vê como me obedecem.

        - Nem o senhor, nem eu.

        - Quem é então? És tu, Chon?

        - Eu! - respondeu Chon, que estava sentada do outro lado do quarto numa poltrona, fazendo simetria com a condessa - já me custa bastante obedecer, Deus me livre de querer mandar.

        - Mas então quem é que manda aqui?

        - É o senhor governador.

        - O Sr. Zamora?

        - Sim, senhor.

        - É justo; toque a campainha.

        A condessa, com um gesto encantador, estendeu a mão para o cordão de seda de uma campainha, que se fez ouvir.

        Entrou um lacaio, a quem naturalmente já haviam ensinado o que devia responder.

        - O governador? - perguntou el-rei.

        - O governador - respondeu respeitosamente o criado - está velando pelos preciosos dias de Vossa Majestade.

        - Aonde está ele?

        - Está rondando.

        - Rondando! - repetiu el-rei.

        - Com quatro oficiais - acrescentou o criado.

        - Exactamente como o senhor de Malborough – disse a condessa.

        El-rei não pôde reprimir um sorriso.

        - Sim, é célebre - disse ele - mas isso não impede que me ponham e façam chegar a carruagem.

        - Mas o senhor governador mandou fechar as cavalariças com receio que dessem refúgio a algum malfeitor.

        - E os criados, onde estão?

        - Nos quartos, senhor.

        - Que fazem eles lá?

        - Dormem.

        - Como! dormem?

        - Tiveram ordem para isso.

        - Ordem de quem?

        - Do governador.

        - Mas as portas? - disse el-rei.

        - Que portas, senhor?

        - As portas do palácio.

        - Estão fechadas.

        - Muito bem, mas onde estão as chaves?

        - Senhor, as chaves levou-as consigo o governador.

        - Isto é que se chama um palácio bem guardado - disse el-rei. - Apre! Que boa ordem!

        O criado saiu, vendo que el-rei não lhe dirigia mais perguntas.

        A condessa, voluptuosamente estendida numa poltrona, divertia-se a morder uma linda rosa junto da qual a sua boca parecia de coral.

        - Vamos, senhor - disse ela com esse doce sorriso que lhe era natural - compadeço-me de Vossa Majestade; dê-me o braço, e vamos procurar; Chon, faz favor de alumiar.

        Chon foi adiante em ar de guarda avançada, e pronta a dar sinal dos perigos que por acaso se oferecessem.

        Ao voltar do primeiro corredor, um cheiro, que teria desafiado o apetite do mais delicado guloso, começou a bafejar as ventas de el-rei.

        - Ah! Ah! - disse ele parando - que cheiro é este, querida condessa?

        - É da ceia; eu julgava que el-rei me fazia a honra de cear em Luciennes e portanto tinha tomado as minhas medidas para isso.

        Luís XV aspirou duas ou três vezes o perfume gastronómico, reflectindo, de si para si, ao haver-lhe o seu estômago dado já sinal de existência, que mesmo fazendo muita bulha precisaria pelo menos de meia hora para acordar os criados, um quarto de hora para se lhe pôr a carruagem, dez minutos para ir a Marly, onde o não esperavam, e que só acharia ceia para remediar; aspirou novamente o cheiro sedutor, e conduzindo a condessa parou diante da porta da casa de jantar.

        Dois talheres estavam postos numa mesa esplendidamente iluminada e sumptuosamente servida.

        - Bravo! a condessa tem um belo cozinheiro! – disse Luís XV.

        - Senhor, hoje era exactamente o seu ensaio, e o pobre diabo fez quanto pôde para merecer a aprovação de Vossa Majestade. Agora é capaz de se degolar, como esse infeliz Vatel.

        - Realmente! julga isso? - disse Luís XV.

        - Havia principalmente uma fritada de ovos de faisões, na qual ele contava...

        - Uma fritada de ovos de faisões! Exactamente sou doido por uma fritada de ovos de faisões.

        - Veja que infelicidade!

        - Pois bem, condessa, não quero causar esse desgosto ao seu cozinheiro - disse el-rei sorrindo - e talvez que enquanto estivermos ceando volte o senhor governador da sua ronda.

        - Ah! Senhor, é uma idéia triunfante - disse a condessa, não podendo ocultar a sua satisfação por ter vencido esse primeiro obstáculo. - Venha, senhor, venha.

        - Mas quem nos há-de servir? - disse el-rei procurando em vão algum criado.

        - Ah! Senhor - disse a condessa du Barry - o café não lhe sabe muito bem quando sou eu mesma que lho deito na chávena?

        - E mesmo quando é feito por suas próprias mãos, condessa.

        - Pois bem! então venha, senhor.

        - Só dois talheres! - disse el-rei. - E Chon, já ceou?

        - Senhor, não se atreveram sem ordem expressa de Vossa Majestade...

        - Ora adeus! - disse el-rei pegando num prato e num talher de cima do aparador. - Vem, minha linda Chon, senta-te ali, em frente de nós.

        - Oh! senhor... - disse Chon.

        - Sim, sim, torna-te agora humilde e obediente, hipócrita! Sente-se aqui, condessa, junto de mim... a meu lado. Que encantador perfil que tem!

        - É hoje que deu por tal, Sr. França?

        - Que quer, condessa, tomei o costume de olhar para si de frente. Decididamente, o seu cozinheiro é o melhor dos cozinheiros!

        - Então fiz bem em despedir o outro?

        - Muito bem.

        - Então, senhor, siga o meu exemplo, bem vê que sempre se ganha em mudar.

        - Não a entendo.

        - Despedi o meu Choiseul, mande também embora o seu.

        - Não falemos de política, condessa; dê-me um copo desse vinho da Madeira.

        El-rei aproximou o copo; a condessa pegou numa garrafa de gargalo estreito e serviu el-rei.

        A pressão fez fugir o sangue dos dedos para as unhas do formoso escanção.

        - Vaze muito devagar, condessa.

        - Para não turvar o vinho, senhor?

        - Não, é para me dar mais tempo de admirar a sua delicada mão.

        -Ah! decididamente, senhor, está Vossa Majestade hoje disposto a fazer descobertas - disse a condessa rindo com muito gosto.

        - Também diz a verdade! - redargüiu el-rei que a pouco e pouco voltava ao seu bom humor - e parece-me que estou a ponto de descobrir.

        - Um mundo? - perguntou a condessa.

        - Não! - disse el-rei; - um mundo é ambição demais, basta-me já ter um reino. Mas quereria uma ilha, um pequeno recanto sobre a terra, uma montanha encantadora, um palácio de que seria Armida uma formosa senhora que eu conheço, e as portas desse palácio seriam guardadas por monstros de todas as qualidades.

        - Senhor - disse a condessa apresentando a el-rei uma garrafa de vinho de Champanha nevado, invenção inteiramente nova naquela época - aqui tem juntamente uma água vinda do rio Lete.

        - Do rio Lete, querida condessa! Tem bem a certeza disso?

        - Sim, senhor; foi o pobre João que a trouxe consigo do Inferno, onde esteve metido quase todo.

        - Condessa - disse el-rei levantando o copo - bebo à sua feliz ressurreição, mas peço-lhe que não falemos em política.

        - Então já não sei de que hei-de falar, senhor; e se Vossa Majestade quisesse contar-nos uma história, já que tanta habilidade tem para isso...

        - Não, mas vou recitar-lhe uns versos.

        - Versos?! - exclamou a senhora du Barry.

        - Sim, versos... De que se admira?

        - Vossa Majestade detesta-os.

        - Pudera! sobre cem mil que se fabricam, há noventa mil contra mim.

        - E os que Vossa Majestade vai recitar pertencem aos dez mil que lhe não podem fazer perdoar os outros noventa mil?

        - Não, condessa, os que vou recitar, são-lhe expressamente dirigidos.

        - A mim?

        - A si.

        - E por quem?

        - Pelo senhor de Voltaire.

        - Então encarregou ele a Vossa Majestade...

        - Não, ele dirigia-os directamente a Vossa Alteza.

        - Como? Sem uma carta?

        - Pelo contrário, numa carta encantadora.

        - Ah! entendo: Vossa Majestade esteve esta manhã com o director da posta.

        - Exactamente.

        - Leia, senhor, leia os versos do senhor de Voltaire.

        Luís XV desdobrou um papelinho e leu:

       

        ô deusa do prazer, das Graças três, rainha

        de Paio, nesse templo, em penetrais só teus,

        por que vens intentar com traça tão mesquinha

        a perda dum herói, dum semideus

                  d’Ulisses, caro à Grécia,

                  d’Agamemnon sustento,

                  o mor sábio do reino

                  que por seu grão talento

                  os povos d’alta Pérgama

                  ao jugo fez curvar?

        Subjuga ao teu império os imortais do Empíreo!

        Governa os corações em teu doce reinar!

        Do deus d’amores mãe, num mágico delírio

        as rosas da volúpia, oh! faz desabrochar.

                  Mas um sorriso aos lábios

                  te surja, encantadora!

                  Pedimos nós, humílimos

                  ao ver-te, sedutora,

                  em rogos, preces cálidas

                  um só, um teu olhar!

                  e torna mais pacífico

                  o irado deus do mar.

        Ulisses, vencedor de Pérgamo orgulhosa,

        de qual se vinga altiva a deusa cípria irada,

        somente é receado agora em paz ditosa,

        quando suspira e treme aos pés da sua amada.1

       

        - Decididamente, senhor - disse ela mais despeitada do que reconhecida pela poética missiva; - decididamente o senhor de Voltaire quer fazer as pazes consigo.

        - Oh! Quanto a isso, é trabalho perdido – disse Luís XV; - é um tal enredador que faria muito mal se voltasse para Paris. Que vá ter com o seu amigo, o meu primo Frederico II. Já basta que tenhamos cá o Sr. Rousseau. Mas guarde estes versos, condessa, e medite sobre eles.

        A condessa recebeu o papel, dobrou-o num rolo bem delgado, e pô-lo junto do seu prato.

        El-rei olhava para ela.

        - Senhor - disse Chon - beba um pouco deste tocai.

        - É das adegas de Sua Majestade o Imperador da Áustria - disse a condessa; - fie-se em mim, senhor.

        - Oh! Das adegas do imperador... - respondeu el-rei; - só eu é que o tenho.

        - Foi o seu despenseiro que mo mandou, senhor.

        - Como! então seduziu-o?

        - Não, ordenei-lho.

        - Bem respondido, condessa. El-rei não tem juízo.

        - Pois sim, mas o Sr. França...

        - O Sr. França tem o bom-senso de a amar de todo o seu coração.

        - Ah! senhor, por que não é simples e verdadeiramente o Sr. França?

        - Condessa, nada de política.

        - El-rei quer café? - perguntou Chon.

        - Certamente.

        - E Sua Majestade quer queimá-lo como de costume? - perguntou a condessa.

        - Se a castelã não se opuser.

        A condessa levantou-se.

        - Que faz?

        - Vou servir-lho, senhor.

        - Vamos - disse el-rei encostando-se na cadeira como um homem que ceou perfeitamente, pondo assim os seus humores em equilíbrio; - vamos, vejo que o que tenho de melhor a fazer, é deixar ir tudo como a condessa quiser ordenar.

        A condessa trouxe sobre uma pequena salva de prata uma cafeteira contendo dentro o moca; depois pôs diante de el-rei um prato com uma chávena de prata dourada e uma pequena garrafa de cristal da Boémia; depois, junto disso tudo, pôs uma pequena torcida de papel.

        El-rei, com a profunda atenção que geralmente dava a essa operação, calculou o seu açúcar, mediu o café, e vazou vagarosamente a aguardente para que o álcool ficasse ao de cima, pegou no pequeno rolo de papel, acendeu-o, e com ele comunicou o fogo ao seu café.

        Depois atirou com o papel para a salva onde acabou de arder.

        Cinco minutos depois, saboreava o café com toda a voluptuosidade de um gastrónomo consumado.

        A condessa deixou-o fazer tudo, mas quando ele bebia a última gota:

        - Ah! senhor - exclamou ela - deitou o fogo ao café com os versos do senhor de Voltaire, isso é um mau agouro para os Choiseul.

        - Enganei-me - disse el-rei rindo-se - a condessa não é uma fada, é um demónio.

        A condessa ergueu-se.

        - Senhor - disse ela - quer Vossa Majestade ver se já voltou o governador?

        - Ah! Zamora? Ora! para quê?

        - Para voltar para Marly, senhor.

        - É verdade - respondeu el-rei, fazendo um esforço para se tirar do bem-estar em que se achava. – Vamos ver, condessa, vamos ver.

        A senhora du Barry fez um sinal a Chon, a qual desapareceu logo.

        El-rei começou de novo a sua investigação, mas, força é dizê-lo, com um espírito bem diferente daquele que havia presidido ao princípio.

        Os filósofos têm dito que o modo sombrio ou risonho pelo qual o homem encara as diversas coisas do mundo depende quase sempre do estado do seu estômago.

        Ora, como os reis têm estômagos de homens, geralmente inferiores aos dos seus súbditos, é verdade, mas comunicando ao resto do corpo o seu mal ou bem-estar, tal e qual como a eles, el-rei parecia tão alegre e bem disposto como é permitido a um rei sê-lo.

        Ao cabo de dez passos andados no corredor, um novo perfume veio deliciar o olfacto de el-rei.

        Uma porta que dava para um lindo quarto forrado de cetim lavrado acabava de abrir-se, e deixava ver, alumiada por uma luz misteriosa, a alcova para a qual, havia mais de duas horas, se dirigiam os passos da feiticeira.

        - Então, senhor! - disse ela - parece que Zamora não voltou, que continuamos a estar fechados, e que, a não querermos sair do palácio pela janela...

        - Com os lençóis da cama? - perguntou el-rei.

        - Senhor - atalhou a condessa com um sorriso encantador - usemos mas não abusemos.

        El-rei abriu os braços, rindo-se também, e a condessa deixou cair no chão a rosa, com que toda a noite estivera a brincar e que se desfolhou caindo sobre o tapete.

 

VOLTAIRE E ROUSSEAU

        Como já dissemos, a câmara de dormir de Luciennes era uma maravilha de construção e adorno.

        Situada ao oriente, era tão hermeticamente fechada pelos postigos dourados e pelas cortinas de cetim, que a luz do dia só lá entrava como um cortesão, depois de ter solicitado longo tempo essa honra.

        De Verão uns ventiladores invisíveis conservavam-lhe um ar sempre fresco e puro, como o teria produzido um milheiro de leques em contínuo movimento.

        Eram dez horas quando el-rei saiu da câmara azul.

        Desta vez, a carruagem de el-rei estava posta e pronta no pátio desde as nove horas.

        Zamora, de braços cruzados, dava ou fingia que dava ordens.

        El-rei espreitou pela janela e viu todos esses preparativos de partida.

        - Que quer isso dizer, condessa? - perguntou ele; - nós não almoçámos: dir-se-ia que me quer mandar embora em jejum.

        - Deus me livre de tal, senhor - redargüiu a condessa; - mas eu pensava que Vossa Majestade tinha que estar em Marly para falar com o senhor de Sartines.

        - Ora! - observou el-rei - parece-me que se poderia muito bem mandar dizer a Sartines para vir aqui ter comigo, e demais é tão perto.

        - Vossa Majestade far-me-á a honra de acreditar que não foi o primeiro que teve semelhante idéia.

        - E daí - disse el-rei - a manhã é bela de mais para trabalhar, portanto almocemos.

        - Entretanto, senhor, tenho alguns papéis para lhe apresentar e que esperam a sua assinatura.

        - Para a senhora de Béarn?

        - Exactamente, e depois indicar-me o dia.

        - Que dia?

        - E a hora.

        - Que hora?

        - O dia e a hora para a minha apresentação.

        - Enfim - disse el-rei - tem ganho bem a sua apresentação. Fixe a condessa mesma o dia.

        - Senhor, desejo que seja o mais próximo possível.

        - Está tudo pronto?

        - Sim, senhor.

        - Aprendeu já a fazer as três mesuras?

        - Pudera não! há um ano que me exercito nisso.

        - Tem o vestido?

        - Faz-se em vinte e quatro horas.

        - E a madrinha?

        - Daqui a uma hora há-de estar aqui.

        - Pois bem, condessa, vamos fazer um contrato.

        - Qual é?

        - Não me tornar a falar da questão do visconde João com Filipe de Taverney.

        - Então sacrificamos o pobre visconde?

        - Sim.

        - Pois bem, senhor, não falaremos mais nisso... Qual é então o dia?

        - Depois de amanhã.

        - A hora?

        - Dez horas da noite, como de costume.

        - Está dito, senhor?

        - Está dito.

        - Palavra real?

        - À fé de gentil-homem.

        - Toque, França.

        E a senhora du Barry ofereceu a el-rei a mãozinha na qual Luís XV deixou cair a sua.

        Nessa manhã Luciennes em peso ressentia-se da alegria do amo, que havia cedido num ponto, sobre o qual desde muito tempo estava resolvido a ceder, mas havia ganho noutro; portanto, tudo era benefício. Daria cem mil libras a João com a condição de as ir perder nos Pirenéus ou no Auvergne, e aos olhos dos Choiseul passaria isso por um exílio. Deu-se ouro para os pobres, as carpas tiveram bolos, e o Sr. Boucher recebeu cumprimentos sobre as suas pinturas.

        Apesar de ter perfeitamente ceado na véspera, almoçou Sua Majestade com grande apetite.

        Entretanto acabavam de soar onze horas. A condessa, enquanto servia el-rei, olhava para a pêndula que, para o seu desejo, andava muito devagar.

        El-rei mesmo havia dito que se viesse a senhora de Béarn, a poderiam introduzir na casa de jantar.

        O café serviu-se, provou-se e bebeu-se, mas nada de chegar a senhora de Béarn.

        As onze horas e um quarto ouviu-se no pátio o trotar de um cavalo.

        A senhora du Barry ergueu-se rapidamente e foi à janela.

        Um correio de João du Barry apeava-se de um cavalo coberto de suor e de pó.

        A condessa estremeceu; mas como lhe não convinha deixar aperceber os seus cuidados, a fim de manter el-rei nas boas disposições em que estava, foi sentar-se junto dele.

        Um instante depois, entrava Chon trazendo na mão uma cartinha.

        Não se podia recusar, era mister ler.

        - O que é isso, Chon, alguma cartinha de amores? – perguntou el-rei.

        - Sim, senhor.

        - De quem?

        - Do pobre visconde.

        - Seriamente?

        - Veja.

        El-rei conheceu a letra, e como pensou que talvez nessa carta se falasse da aventura de Chaussée, disse, afastando a carta com a mão:

        - Está bem, basta a tua palavra.

        A condessa estava impaciente.

        - A carta é para mim? - perguntou ela.

        - Sim, condessa.

        - El-rei dá licença?...

        - À sua vontade, e entretanto Chon há-de aproximar-se de mim para me contar a fábula do corvo e da raposa.

        E dizendo isto agarrou Chon entre os joelhos, e cantava com a voz mais desafinada do seu reino, como dizia João Jacques Rousseau:

       

        Perdi o meu servidor,

        Perdi a felicidade

        E o valor...

       

        A condessa retirou-se para o vão de uma janela e leu em voz baixa:

        “Não esperes pela velha; ela afirma ter queimado um pé ontem à noite, e não sai do quarto. Agradece a Chon, a quem nós devemos isto, pela sua chegada ontem; a bruxa viu-a no pátio, conheceu-a e temos tudo transtornado.

        Se aquele maroto de Gilberto, que é causa disto tudo, aparecesse, eu havia de lhe torcer o pescoço, e se o encontrar em alguma parte pode ter a certeza que lho hei-de fazer.

        Resumindo tudo, digo-te: vem depressa a Paris, quando não ficamos como dantes. - João.”

        - O que é? - perguntou el-rei que viu a súbita palidez da condessa.

        - Nada, senhor, é apenas um boletim da saúde de meu irmão.

        - E está melhor o nosso caro visconde?

        - Muito melhor - disse a condessa. - Agradecida, senhor. Lá entra uma carruagem no pátio.

        - Há-de ser talvez a nossa condessa?

        - Não, senhor, é Sartines.

        - Então! - disse el-rei vendo que a condessa se dirigia para a porta.

        - Então, senhor, vou deixá-lo só com ele, são horas de me ir vestir.

        - E a senhora de Béarn?

        - Quando ela chegar, senhor, terei a honra de o mandar dizer a Vossa Majestade - disse a condessa rasgando o bilhete que tinha no bolso do seu penteador.

        - Abandona-me, condessa?! - disse el-rei com um suspiro melancólico.

        - Senhor, hoje é domingo; as assinaturas!... as assinaturas!...

        E veio oferecer a el-rei as suas faces rosadas e frescas, sobre cada uma das quais ele depôs um beijo, e em seguida retirou-se.

        - Os diabos levem as assinaturas - disse el-rei - e os que vêm buscá-las! Quem teria inventado os ministros, as pastas e os papéis de Estado?

        Apenas el-rei acabava de proferir esta maldição, entrava o ministro, com a pasta e papéis de Estado pela porta oposta àquela que acabava de dar saída à condessa.

        El-rei soltou um segundo suspiro ainda mais melancólico que o primeiro.

        - Ah! senhor de Sartines - disse ele - como é exacto!

        Estas palavras eram ditas com um tal acento, que se não podia saber se era uma censura ou um elogio.

        O senhor de Sartines abriu a pasta e aprontava-se a tirar para fora alguns papéis.

        Ouviu-se então o rodar de uma carruagem sobre a areia da avenida.

        - Espere - disse el-rei.

        E correu para a janela.

        - Como! - disse ele - é a condessa que sai?

        - Ela mesma, senhor - disse o ministro.

        - Mas então não espera pela Srª. Condessa de Béarn?

        - Senhor, estou tentado a crer que se cansou de esperar e que vai buscá-la.

        - Entretanto, a tal senhora devia vir hoje mesmo, de manhã.

        - Senhor, tenho quase a certeza de que não virá.

        - Como, Sartines, sabe isso?

        - Senhor, é preciso que eu saiba um pouco de tudo para Vossa Majestade estar contente comigo.

        - O que aconteceu? diga, Sartines.

        - À velha condessa, senhor?

        - Sim.

        - O que sempre acontece em todas as coisas, senhor; sobrevieram dificuldades.

        - Mas afinal virá ela, essa condessa de Béarn?

        - Ontem havia mais certeza do que hoje.

        - Infeliz condessa! - disse el-rei, não podendo ocultar um raio de prazer que lhe brilhou nos olhos.

        - Ah! senhor, a quádrupla aliança e o pacto de família eram bem pouca coisa comparadas com este negócio da apresentação.

        - Infeliz condessa! - repetiu el-rei - nunca poderá conseguir os seus fins.

        - Muito o receio, senhor; a não ser que Vossa Majestade se enfade.

        - Ela julgava estar tão segura do seu negócio!

        - O que para ela não há-de ser pior - disse o senhor de Sartines - é que se não for apresentada antes da chegada da senhora delfina, provavelmente nunca o há-de ser.

        - É mais que provável; o senhor de Sartines tem razão. Dizem que a minha nora é muito austera e devota. Infeliz condessa!

        - Certamente - atalhou o senhor de Sartines – a senhora du Barry há-de ter grande desgosto em não ser apresentada, mas também isso há-de evitar grandes penas a Vossa Majestade.

        - Julga isso, Sartines?

        - Certamente, há-de haver de menos os invejosos, os maldizentes, os cançonetistas, os lisonjeiros, as gazetas. Se a senhora du Barry fosse apresentada, senhor, isso havia de custar-nos cem mil francos de polícia extraordinária.

        - Realmente! Infeliz condessa! E contudo ela tem isso muito a peito.

        - Nesse caso, basta que Vossa Majestade o ordene e os desejos da senhora condessa hão-de cumprir-se.

        - Que diz, Sartines? - exclamou el-rei. - Pois, em consciência, posso eu meter-me nestes negócios? Posso eu assinar uma ordem para que sejam amáveis com a senhora du Barry? E é o senhor de Sartines, um homem de espírito, que me aconselha semelhante golpe de Estado para satisfazer uma fantasia da condessa?

        - Oh! Não, senhor, de forma alguma. Contentar-me-ei em dizer como Vossa Majestade: pobre condessa!

        - Demais - disse el-rei - não é tão desesperada a sua posição. O senhor vê sempre tudo tão negro como o pano do seu fato! Quem nos diz que a senhora de Béarn não mudará de tenção? Quem nos assegura que a senhora delfina há-de chegar tão cedo que possa causar estorvo? Temos ainda quatro dias antes que ela chegue a Compienha, e em quatro dias faz-se muita coisa. Vamos a saber, hoje temos algum trabalho, Sartines?

        - Oh! Senhor, apenas três assinaturas.

        E o chefe da polícia tirou um papel dos que vinham na pasta.

        - Oh! Oh! - disse el-rei - uma ordem de prisão.

        - Sim, senhor.

        - E contra quem?

        - Vossa Majestade pode ver.

        - Contra o Sr. Rousseau? Quem é este Rousseau, Sartines, e que fez ele?

        - Fez o Contrato Social, senhor.

        - Ah! Ah! É contra João Jacques? Quer metê-lo na Bastilha?

        - Senhor, ele provoca desordens.

        - Pois que diabo há-de ele fazer?

        - E demais, não o quero meter na Bastilha.

        - Então de que serve a ordem?

        - Senhor, é para ter a arma pronta.

        - Isso não quer dizer que eu estime muito todos os seus filósofos - disse el-rei.

        - E Vossa Majestade tem razão para não os estimar - respondeu Sartines.

        - Mas isso faria falar; e demais, eu julgava que a sua presença em Paris tinha sido autorizada.

        - Tolerada, senhor, mas com a condição de não aparecer.

        - E ele aparece?

        - A toda a hora.

        - Com o seu trajo arménio?

        - Oh! Não, senhor, mandámos-lhe insinuar que não aparecesse assim.

        - E ele obedeceu?

        - Sim, mas dizendo que era uma perseguição insuportável.

        - E como se veste ele agora?

        - Como toda a gente, senhor.

        - Então não é grande a provocação.

        - Como, senhor! Um homem a quem dizem que não apareça, adivinha aonde ele vai todos os dias?

        - A casa da marechala de Luxemburgo, a casa do senhor de Alembert, a casa da senhora de Epinay?

        - Ao café da Regência, senhor! Joga lá todas as noites as damas, por teima, porque sempre perde; é preciso muitas vezes mandar vir alguns soldados para vigiarem os ajuntamentos que se formam em torno do café.

        - Ora adeus! - exclamou el-rei - os parisienses são ainda mais tolos do que eu pensava. Deixe-os divertir nisso, Sartines; enquanto fizerem isso não hão-de queixar-se da miséria que existe.

        - Sim, senhor; mas se qualquer dia se lhe meter na cabeça fazer discursos como fazia em Londres?

        - Oh! Então, como seria um delito e delito público, não precisaria de ordem de prisão para isso, Sartines.

        O chefe da polícia via que a arrestação de Rousseau era uma medida que El-Rei queria pôr à força fora da responsabilidade real, portanto não insistiu.

        - Agora, senhor - disse o senhor de Sartines - trata-se de outro filósofo.

        - Ainda? - respondeu el-rei com enfado; - pelo que vejo é um nunca acabar?

        - Ah! senhor, eles é que nos não deixam sossegados.

        - E de qual se trata?

        - Do senhor de Voltaire.

        - Voltou também para França, esse?

        - Não, senhor, e melhor fora que ele estivesse em França, porque ao menos poderíamos vigiá-lo.

        - Que fez ele?

        - Não foi ele que fez, são os seus partidários: trata-se nada menos que levantar-lhe uma estátua.

        - Eqüestre?

        - Não, senhor, e contudo é um forte revolucionário, asseguro-lho eu.

        Luís XV encolheu os ombros.

        - Senhor, ainda não vi outro igual depois de Poliorceto - prosseguiu o senhor de Sartines; - tem correspondências por toda a parte; os primeiros do reino de Vossa Majestade fazem-se contrabandistas para introduzirem os seus livros. Mandei o outro dia apreender oito caixas cheias deles, duas das quais eram dirigidas ao senhor de Choiseul.

        - É muito divertido.

        - Entretanto, senhor, note que fazem por ele o que se pratica para com os reis, dedicam-lhe estátuas.

        - Ninguém dedica estátuas aos reis, Sartines, eles é que as votam a si mesmos. E quem está encarregado dessa bela obra?

        - O escultor Pigale. Partiu para Ferney a fim de executar o modelo. E entretanto chovem as subscrições. Há já seis mil escudos, e note, senhor, que só os homens de letras podem subscrever.  Todos vêm trazer a competente oferta; é uma procissão. O Sr. Rousseau mesmo foi levar os seus dois luíses.

        - Então! que lhe hei-de eu fazer? - disse Luís XV; - como não sou homem de letras, estou isento disso.

        - Senhor, eu contava ter a honra de propor a Vossa Majestade acabar com essa demonstração.

        - Não faça tal, Sartines; em vez de lhe levantarem uma estátua de bronze, haviam de mandá-la fazer de ouro. Deixe-os fazer a sua vontade. Ainda há-de ficar mais feio de bronze, que de carne e osso.

        - Então deseja Vossa Majestade que se não interrompa a marcha deste negócio?

        - Desejo... Expliquemos isto bem, Sartines; desejo, não é o termo próprio. Eu bem quereria evitar todas estas coisas, mas é impossível. Passou o tempo em que a realeza podia dizer ao espírito filosófico, como Deus ao Oceano: “Não passarás daqui”. Bradar sem resultado, ferir sem alcançar, seria mostrar fraqueza. Voltemos o rosto, Sartines, e façamos vista grossa.

        O senhor de Sartines suspirou.

        - Senhor - disse ele - se não castigamos os homens, devemos, pelo menos, destruir-lhes as obras. Eis aqui uma lista de obras que devem ser acusadas quanto antes, porque umas atacam o trono e outras o altar; umas são uma rebelião, outras um sacrilégio!

        Luís XV pegou na lista, e leu vagarosamente:

        “O contágio sagrado, ou História natural da superstição; Sistema da natureza, ou Leis do mundo físico e moral; Deus e os homens, discurso sobre os milagres de Jesus Cristo; Instruções do religioso de Ragusa ao irmão Perduicloso, ao partir para a Terra Santa.”

        El-rei não tinha lido a quarta parte da lista, e contudo deixou-a cair das mãos: o seu rosto, geralmente sereno, apresentava uma singular expressão de tristeza e desanimação. Ficou alguns instantes imóvel, pensativo, distraído.

        - Seria mais fácil levantar o mundo, Sartines – murmurou ele. - Deixo isso para outros mais hábeis e experientes do que eu.

        Sartines contemplava-o com essa inteligência que Luís XV tanto gostava de ver nos seus ministros.

        - Sossego, não é verdade, senhor, sossego é o que el-rei quer? - disse o chefe da polícia.

        - É verdade; nada mais lhes peço, aos seus enciclopédicos, iluminados, poetas, economistas, foliculários que vêm, ninguém sabe de onde, que rosnam, escrevem, grasnam, caluniam, calculam, pregam, gritam. Ponham-lhes coroas, fundem-lhes estátuas, edifiquem-lhes templos; mas pelo amor de Deus, deixem-me em sossego.

        Sartines levantou-se, cortejou el-rei e saiu murmurando:

        - Felizmente está escrito nas nossas moedas: Domine,salvum fac regem.

        Então Luís XV que ficara só, pegou numa pena e escreveu ao delfim:

        “Pediu-me para apressar a chegada da senhora delfina; estou pronto para fazer-lhe este favor.

        Dou ordem para que se não demorem em Noyon; portanto, na quinta-feira de manhã há-de ela estar em Compienha.

        Eu também lá estarei às dez horas em ponto, isto é, um quarto de hora antes da sua chegada.”

        - Deste modo - disse ele - fico livre da história da apresentação que me dá mais cuidado que o senhor de Voltaire, o Sr. Rousseau e todos os filósofos passados e futuros. Isso então há-de ser questão entre a condessa, o delfim e a delfina. Pois viva Deus! Fiquem os cuidados, os ódios e as vinganças a cargo da gente moça, que tem força para lutar. As crianças precisam aprender a padecer, isso fortifica a mocidade.

        Encantado por haver assim vencido a dificuldade, certo de que ninguém poderia atribuir-lhe o ter favorecido ou evitado a apresentação de que se falava em toda a cidade de Paris, el-rei meteu-se na sua carruagem e partiu para Marly, onde a corte o esperava.

 

MADRINHA E AFILHADA

        A infeliz condessa... Conservemos-lhe o epíteto que el-rei lhe havia dado, porque realmente merecia-o bem, principalmente naquele momento; a infeliz condessa, dizemos nós, corria como uma alma danada pela estrada de Paris.

        Chon, aterrada pelo penúltimo parágrafo da carta de João, ocultava num gabinete de Luciennes a sua dor e o seu cuidado, maldizendo a idéia fatal que tivera de recolher Gilberto quando o achou no meio da estrada.

        Quando tinha chegado à ponte de Antin, que estava sobre o regato que ia acabar no rio e cercava Paris do Sena a Roquette, achou a condessa uma carruagem que a esperava.

        Nessa carruagem estava o visconde João na companhia de um procurador com quem parecia argumentar de um modo enérgico.

        Apenas viu a condessa, João deixou o procurador, apeou-se e fez sinal ao cocheiro da carruagem de sua irmã para que parasse.

        - Depressa, condessa - disse ele - depressa, entra para a minha carruagem e corre à Rua de Saint-Germain-des-Prés.

        - Então, a velha caçoou connosco? - disse a senhora du Barry mudando de carruagem, enquanto o procurador, avisado por um sinal do visconde, fazia outro tanto.

        - Assim o creio, condessa - disse João - assim o creio; paga-nos na mesma moeda que empregámos com ela.

        - Mas o que se passou?

        - Eis o caso em duas palavras: Eu tinha ficado em Paris, porque sou muito desconfiado e não me engano muitas vezes, como agora vês. As nove horas da noite fui passear em torno da hospedaria do Galo Cantante. Nada notei de novo; nem visitas, nem pessoas misteriosas, enfim, ia tudo às mil maravilhas. Pareceu-me, portanto, que podia voltar para casa e dormir sossegado, o que passei logo a executar. Esta manhã, de madrugada, acordo, fui acordar Patrício e dei-lhe ordem para se ir colocar de sentinela num recanto da rua. Às nove horas, nota bem isto, uma hora mais cedo que havia prometido, cheguei na carruagem, mas Patrício nada tinha visto que pudesse causar desconfiança, e subi a escada bem livre de cuidado. Ao entrar a porta, deteve-me uma criada, dizendo-me que a senhora condessa não podia sair de casa todo o dia, nem talvez mesmo antes de oito dias. Confesso que esperava um contratempo qualquer, mas não este.

        “- Como não sairá! - bradei eu; - o que tem ela, então?

        - Está doente.

        - Doente? É impossível! Ontem estava ela de perfeita saúde.

        - Sim, senhor, mas a senhora condessa tem o costume de fazer ela mesma o seu chocolate, e esta manhã, fazendo-o ferver, entornou-o sobre um pé e queimou-se. Ouvindo os gritos da senhora condessa, acudi, estava quase desmaiada. Levei-a para a cama, e, neste momento, julgo que está dormindo.

        Eu estava tão pálido como as rendas que trazes ao pescoço, minha irmã, e exclamei:

        - Isso é mentira!

        - Meu caro senhor du Barry - bradou uma voz tão aguda, que parecia penetrar o vigamento da casa - não, não é mentira, padeço horrivelmente.

        Corri para o lado de onde vinha essa voz, passei por uma porta de vidraça que não queria abrir-se, e vi que a velha condessa estava realmente deitada.

        - Ah! minha senhora... - disse eu.

        Foram todas as palavras que pude proferir, e com prazer a teria esganado.

        - Olhe - disse-me ela mostrando uma reles cafeteira que estava no chão - eis ali o que produziu todo o mal.

        Saltei na cafeteira com os pés ambos, e posso jurar-te que não tornará a servir para fazer chocolate.

        - Que infelicidade! - continuou a velha com a sua voz aguda - há-de ser a senhora de Alogny quem apresente a senhora sua irmã. Que se lhe há-de fazer, estava determinado que assim fosse! Como dizem os orientais.”

        - Ah! Meu Deus! - exclamou a condessa - o mano faz-me desesperar.

        - E todavia eu não desespero se te apresentares a ela, e eis aí o motivo por que te mandei chamar.

        - E por que motivo não desesperas?

        - Ora! porque podes o que eu não posso, porque és uma mulher, e lhe farás tirar diante de ti o apósito, e uma vez assim provada a impostura, podes dizer à senhora de Béarn que seu filho nunca há-de ser mais que um fidalgote pobre, que nunca ela há-de receber sequer um soldo da herança dos Salúcios, e porque enfim representarás as imprecações de Camila com muito mais verossimilhança do que eu representaria os furores de Orestes.

        - Estás zombando, creio eu! - exclamou a condessa.

        - Digo-te a pura verdade, acredita-me.

        - Onde mora ela... a tua Sibila?

        - Tu bem sabes, é no Galo Cantante, Rua de Saint-Germain-des-Prés, uma grande casa negra, com um enorme galo pintado numa chapa de zinco. Quando o vento sopra contra a chapa o galo canta.

        - Vou ter uma cena horrorosa!

        - Assim o creio, mas também creio que é mister correr-lhe o risco. Queres que te escolte?

        - De modo nenhum, porque desse modo irias deitar tudo a perder.

        - Eis o que me disse o nosso procurador, que consultei sobre isto. Ouve-me e fica-o sabendo, que é para o teu governo. Bater numa pessoa em sua casa, é pena de multa e cadeia, bater-lhe fora de casa...

        - Isso nada é - disse a condessa a João; - já o sabes melhor que ninguém.

        João sorriu-se.

        - Ah! - disse ele - as dívidas quando se pagam tarde têm acréscimo de juro, e se eu algum dia encontro aquele maldito rapaz...

        - Falemos só da minha madrinha, visconde.

        - Nada mais tenho que dizer-te; vai!

        E João pôs-se de lado para deixar passar a carruagem.

        - Onde esperas por mim?

        - Na hospedaria mesmo; aí beberei uma garrafa de vinho de Espanha, e se precisares de auxílio, eu acudirei.

        - Para diante, cocheiro! - bradou a condessa.

        - Rua Saint-Germain-des-Prés, ao Galo Cantante – acrescentou o visconde.

        A carruagem partiu impetuosamente pelos Campos Elísios.

        Um quarto de hora depois, parava perto da Rua Abbatiale e do mercado de Santa Margarida.

        Ali apeou-se a senhora du Barry, porque receou que o rodar da carruagem prevenisse a velha astuta, que sem dúvida estaria à espreita, e poderia esconder-se de modo que evitasse a visita que lhe chegava.

        Portanto, a condessa, seguida do lacaio, dirigiu-se apressadamente para a Rua Abbatiale, que apenas continha três edifícios, sendo o da hospedaria o que ficava no centro.

        Entrou rapidamente pelo pórtico que estava aberto.

        Ninguém a viu entrar, mas no princípio da escada encontrou a estalajadeira.

        - A senhora de Béarn? - perguntou ela.

        - A senhora de Béarn está muito doente, e não pode receber pessoa alguma.

        - Doente! Pois venho mesmo de propósito para saber como está - disse a condessa.

        E, ligeira como uma ave, em menos de um segundo estava no topo da escada.

        - Minha senhora, minha senhora - bradou a estalajadeira - querem arrombar a porta do seu quarto.

        - Quem? - perguntou do fundo desse quarto a velha demandista.

        - Eu - disse a condessa apresentando-se repentinamente no limiar da porta com uma fisionomia perfeitamente adequada para o caso, porque sorria por civilidade e fazia visagens de dó pela circunstância.

        - A senhora condessa aqui! - exclamou a demandista, pálida de susto.

        - Sim, querida senhora, e que vem testemunhar-lhe toda a parte que toma na desgraça que acaba de suceder-lhe, e que recebeu a notícia neste mesmo instante. Peço-lhe que me conte de que modo sucedeu isso.

        - Minha senhora, não me atrevo a oferecer que se sente nesta indecente casa.

        - Eu sei que tem um palácio na Touraine, e desculpo a hospedaria.

        A condessa sentou-se. A senhora de Béarn conheceu portanto que ela se instalava.

        - Parece padecer muito, minha senhora? - disse a condessa du Barry.

        - Horrivelmente.

        - Na perna direita? Oh! Meu Deus! Mas como pôde queimar-se na perna direita?

        - Nada mais simples: segurava a cafeteira, escorregou-me o cabo das mãos, entornou-se a água a ferver que continha e caiu toda sobre o pé.

        - É horroroso!

        A velha suspirou.

        - Oh! Sim - disse ela - horroroso. Mas o que se lhe há-de fazer? As desgraças vêm sempre umas após outras.

        - Sabe que el-rei esperava esta manhã por si?

        - Aumenta com essa notícia a minha pena, minha senhora.

        - E Sua Majestade não gostou, minha senhora, que faltasse à audiência.

        - O meu padecimento deve desculpar-me, e depois pedirei humildemente perdão a Sua Majestade.

        - Não digo isto para a afligir, minha senhora – disse a condessa du Barry, vendo quanto a velha estava triste; - queria só explicar-lhe quanto Sua Majestade estimava esse passo e de que modo lhe era grato.

        - Vê a minha posição, minha senhora?

        - Certamente; mas quer que lhe diga uma coisa?

        - Diga; estimarei muito ouvi-la.

        - É que, segundo toda a probabilidade, esse acidente que lhe sucedeu foi causado por alguma comoção forte que sentiu.

        - Oh! Não digo o contrário - respondeu a demandista, fazendo uma mesura só com metade do corpo; fiquei muito comovida com a honra que me fez de me receber com tão bom modo em sua casa.

        - Julgo que houve ainda outro motivo.

        - Outro motivo? Não que eu o saiba, minha senhora.

        - Oh! sabe! Um encontro...

        - Como?

        - Sim, ao sair de minha casa.

        - Não encontrei pessoa alguma, minha senhora. Fui na carruagem do senhor seu mano.

        - Antes de entrar para a carruagem.

        A demandista pareceu pensar um pouco.

        - Enquanto descia os últimos degraus da escada.

        A demandista fingiu prestar ainda maior atenção.

        - Sim - disse a senhora du Barry, com um sorriso que manifestava impaciência; - entrava alguém no pátio no momento em que saía de casa.

        - Infelizmente, minha senhora, não me lembra.

        - Uma mulher... Ah! Agora deve lembrar-se?

        - Tenho a vista tão curta, minha senhora, que a dois passos de distância nada distingo. Portanto, julgue se eu poderia ver alguém.

        “Vamos, esta é forte - disse consigo a condessa. Nada de espertezas, eu ficaria vencida.”

        - Pois bem, já que não viu essa senhora – prosseguiu ela - vou dizer-lhe quem era.

        - A tal senhora que entrou quando eu saía?

        - Exactamente. É a minha cunhada, a senhora du Barry.

        - Ah! Sim. Mas como eu ainda a não tinha visto...

        - Viu-a já, sim.

        - Vi-a?

        - Sim, e até lhe falou.

        - A essa senhora du Barry?

        - Sim, a essa senhora du Barry, com a diferença, porém, que naquele dia chamava-se ela a Srª. Flageot.

        - Ah! - exclamou a velha demandista, com um azedume que não pôde disfarçar - ah! Essa falsa Srª. Flageot, que foi procurar-me e que me obrigou a fazer uma jornada, era a senhora sua cunhada?

        - Em pessoa, minha senhora.

        - Que era mandada?...

        - Por mim.

        - Para me mistificar?

        - Não, para a servir, e para que viesse servir-me.

        A velha franziu as suas espessas sobrancelhas.

        - Creio - disse ela - que essa visita não me há-de ser de grande proveito.

        - Seria porventura mal recebida pelo senhor de Maupeou, minha senhora?

        - Isso é água benta da corte.

        - Parece-me que tive a honra de lhe oferecer alguma coisa mais sólida que água benta.

        - Minha senhora, Deus dispõe quando o homem propõe.

        - Vamos, minha senhora - disse a condessa – falemos sério.

        - Ouço-a.

        - Queimou o pé?

        - Como vê.

        - Gravemente?

        - Horrivelmente.

        - Apesar dessa ferida, que é certamente dolorosa, mas que não pode ser perigosa, não poderia, fazendo um esforço, suportar a condução na carruagem até Luciennes, e ficar de pé um segundo que seja, no meu gabinete, diante de Sua Majestade?

        - É impossível, minha senhora, só com a idéia de me levantar sinto-me desfalecer.

        - Mas então a queimadura é terrível?

        - Terrível, minha senhora.

        - E quem a trata, quem lhe dá os remédios?

        - Tenho, como todas as donas de casa, excelentes receitas para queimaduras; curo-me com um bálsamo composto por mim.

        - Será possível, sem cometer uma indiscrição, ver esse específico?

        - Naquele frasco, sobre a mesa.

        “Hipócrita! - pensou a condessa - levou a dissimulação até este ponto; decididamente é muito forte, mas vejamos o fim.”

        - Minha senhora - disse em voz alta a condessa – eu também tenho um óleo admirável para essas feridas; mas a aplicação depende muito do género da queimadura.

        - Como?

        - Há a inflamação simples, a empola e a chaga. Não sou médico, mas quem se não tem queimado alguma vez!

        - Pois, minha senhora, em mim produziu chaga.

        - Oh! Meu Deus! Como há-de sofrer. Quer que lhe aplique o meu óleo?

        - De boa vontade, minha senhora. Trouxe-o consigo?

        - Não, mas poderei mandá-lo.

        - Mil vezes agradecida, minha senhora.

        - Só o que preciso é ver o estado do seu mal.

        - Oh! Não, minha senhora - disse a velha – não quero oferecer-lhe um semelhante espectáculo.

        “Bom - pensou a senhora du Barry - agora a pilhei eu.”

        - Oh! - prosseguiu ela - não receio isso, estou familiarizada com a vista das queimaduras.

        - Oh! minha senhora, eu não queria tomar essa liberdade.

        - Quando se trata de socorrer o nosso próximo, esquecemos todas as etiquetas, minha senhora.

        E, de repente, dirigiu a mão para a perna que a condessa de Béarn tinha estendida sobre a poltrona.

        A velha soltou um grito horrível, apesar de que a senhora du Barry apenas a tinha tocado.

        - Oh! Perfeitamente! - murmurou a condessa du Barry, que estudava as crispações do rosto decomposto da senhora de Béarn.

        - Sinto-me morrer - disse a velha. - Ah! Que susto me pregou, minha senhora!

        E, com o rosto pálido, os olhos moribundos, deixou-se cair para trás como se estivesse para perder os sentidos.

        - Permite, minha senhora? - continuou a favorita.

        - Como quiser, minha senhora - disse a velha com uma voz sumida.

        A senhora du Barry não perdeu tempo: tirou o primeiro alfinete dos panos que lhe envolviam a perna, depois desenrolou rapidamente a tira.

        Com grande surpresa da senhora du Barry, a velha deixou-a fazer a sua vontade.

        “Espera que eu chegue ao chumaço para então soltar altos gritos, mas, ainda que eu tivesse de a matar para isso, hei-de ver-lhe a perna” - murmurou a favorita.

        E continuou na sua obra.

        A senhora de Béarn gemia, mas não se opunha.

        O chumaço desatou-se, e aos olhos da senhora du Barry ofereceu-se uma verdadeira chaga. Não era fingimento, e ali acabava a diplomacia da senhora de Béarn.

        Lívida e sanguinolenta, a queimadura era uma prova eloqüente do que a demandista afirmara. Podia ser que a senhora de Béarn tivesse visto e reconhecido Chon; mas então elevava-se à altura de Pórcia e de Múcio Cévola.

        A senhora du Barry calou-se e admirou.

        A velha, tornada a si, gozava plenamente da sua vitória; o seu olhar semimorto não se levantava de sobre a condessa ajoelhada aos seus pés.

        A senhora du Barry aplicou-lhe novamente o apósito com a estremada solicitude que é peculiar nas mulheres, cuja mão é tão leve para o tratamento das feridas, colocou-lhe novamente a perna sobre a poltrona e sentando-se junto dela, disse:

        - Vamos, minha senhora, é ainda mais forte do que eu pensava, e peço-lhe perdão de não ter, logo ao princípio, atacado a questão como convinha a uma mulher do seu valor. Apresente-me as suas condições.

        Os olhos da velha cintilaram, mas foi só um raio que logo se apagou.

        - Diga claramente qual é o seu desejo, minha senhora - disse ela - e veremos se posso servi-la.

        - Quero - disse a condessa du Barry - quero ser apresentada em Versalhes pela senhora, ainda que isso devesse custar-lhe uma hora dos horríveis padecimentos que esta manhã sofreu.

        A senhora de Béarn ouviu sem pestanejar.

        - E depois? - disse ela.

        - Nada mais, minha senhora; agora responda.

        - Eu quereria - disse a senhora de Béarn com uma firmeza que provava muito bem que tratavam com ela de potência em potência - eu quereria garantidas as duzentas mil libras da minha demanda.

        - Mas, se ganha a demanda, vem a ser isso quatrocentas mil libras, parece-me.

        - Não, porque as duzentas mil libras que me disputam os Salúcios, já as considero como minhas. As outras duzentas mil libras serão como uma boa fortuna para juntar à honra que tive de travar conhecimento consigo.

        - Terá essas duzentas mil libras, minha senhora. E depois?

        - Tenho um filho que amo com ternura, minha senhora. A espada sempre enobreceu a nossa casa; mas, nascidos para comandar, bem deve compreender que para soldados pouco servem os homens da nossa família. Preciso desde já que se forme uma companhia para meu filho, e que se lhe dê também uma nomeação de coronel para o ano próximo.

        - Quem fará as despesas do regimento, minha senhora?

        - El-rei. Bem vê que se eu gastar com esse regimento as duzentas mil libras do meu benefício, hei-de ser amanhã tão pobre como sou hoje.

        - Se as contas não enganam, faz isto seiscentas mil libras.

        - Quatrocentas mil, supondo que o regimento valha duzentas, o que é avaliá-lo em subido preço.

        - Bem, será satisfeita nisso.

        - Tenho ainda que pedir a el-rei a restituição da minha vinha de Touraine; são quatro boas jeiras que os engenheiros de el-rei me tiraram para o canal, há-de haver onze anos.

        - Mas essas foram-lhe pagas.

        - Sim, mas pagaram pela avaliação dos louvados, e eu estimo-as exactamente no dobro do que eles as estimaram.

        - Bem! ser-lhe-ão pagas segunda vez. Nada mais?

        - Perdão. Não estou muito abundante em dinheiro, como deve facilmente julgar. Devo ao Sr. Flageot pouco mais ou menos nove mil libras.

        - Nove mil libras!

        - Oh! Isto é indispensável. O Sr. Flageot é um homem de bom conselho.

        - Sim, eu creio - disse a condessa. - Eu pagarei essas nove mil libras do meu próprio bolsinho. Parece-me que me achou fácil em aceitar as condições que me propôs?

        - Oh!  minha senhora, é muito condescendente; mas parece-me que também da minha parte lhe provei toda a minha boa vontade.

        - Se soubesse quanto eu lamento que se tivesse queimado! - disse a senhora du Barry sorrindo.

        - Eu não lamento isso, minha senhora – respondeu a demandista - porque, apesar deste acontecimento, a minha boa vontade, espero-o, há-de dar-me forças para lhe ser útil, como se não tivesse sucedido.

        - Façamos um resumo - disse a senhora du Barry.

        - Espere!

        - Esqueceu alguma coisa?

        - Uma explicação.

        - Diga.

        - Eu não podia esperar ter que aparecer na presença do seu rei. Há muito tempo que Versalhes e seus esplendores deixaram de ser familiares para mim, de modo que não tenho vestido.

        - Eu tinha previsto esse caso, minha senhora; ontem, depois da sua partida, começou-se a fazer o seu vestido para o acto da apresentação, e tive o cuidado de o mandar fazer em casa de outra modista, porque a minha tinha muito que trabalhar para mim. Amanhã, ao meio-dia, há-de estar pronto.

        - Não tenho brilhantes.

        - Os Srs. Boëhmer e Bossange lhe darão amanhã, mediante um bilhetinho meu, um adereço no valor de duzentas mil libras, o qual lhe tornarão a comprar depois de amanhã pelas mesmas duzentas mil libras. E deste modo ficará paga a sua indemnização.

        - Muito bem, minha senhora; nada mais tenho que desejar.

        - Estou encantada disso.

        - Mas a nomeação para meu filho?

        - Sua Majestade lha dará pessoalmente.

        - Mas a promessa das custas do regimento?

        - Virá mencionada na nomeação.

        - Perfeitamente. Só falta a questão das vinhas.

        - Então, em quanto avalia essas quatro jeiras, minha senhora?

        - Em seis mil libras cada uma. Eram umas terras excelentes.

        - Vou assinar-lhe uma obrigação de doze mil que, juntas às doze mil que já recebeu, completam exactamente a soma das vinte e quatro mil.

        - Aí tem papel e tinta, minha senhora - disse a condessa de Béarn mostrando com a mão os objectos que acabava de mencionar.

        - Vou ter a honra de lhos dar - disse a senhora du Barry.

        - A mim?

        - Sim.

        - Para quê?

        - Para que se digne escrever a Sua Majestade a cartinha que vou ter a honra de lhe ditar.   Gosto de tudo em regra.

        - É justo - disse a senhora de Béarn.

        - Digne-se escrever, minha senhora.

        A velha puxou mais a mesa para si, aprontou o papel, pegou na pena e esperou.

        A senhora du Barry ditou:

        “Senhor, a felicidade que sinto ao saber que Vossa Majestade aceitou o oferecimento que fiz de ser a madrinha da minha muito querida amiga, a condessa du Barry...”

        A velha mostrou um beiço muito estendido e fez espirrar a pena.

        - Essa pena não é boa, condessa - disse a favorita - escreva com outra.

        - Não é preciso, minha senhora, já vai escrevendo melhor.

        - Julga isso?

        - Sim, minha senhora.

        A senhora du Barry prosseguiu:

        “...anima-me a solicitar a Vossa Majestade para que me receba benignamente, quando amanhã me apresentar em Versalhes, como se digna permiti-lo. Ouso crer, senhor, que Vossa Majestade me pode honrar com uma boa recepção, pois que sou descendente de uma casa, em que cada varão tem vertido o seu sangue pelo serviço dos príncipes da vossa augusta raça.”

        - Agora assine, se faz favor.

        E a condessa assinou com este nome:

        Anastácia Eufemia Rodolfa,Condessa de Béarn.

        A velha escrevia com mão firme; os caracteres, de meia polegada de altura, deitavam-se sobre o papel, salpicando-o de uma aristocrática quantidade de erros de ortografia.

        Assim que acabou de assinar, a velha, segurando com uma das mãos a carta que acabava de escrever, passou com a outra mão a tinta, o papel e a pena à senhora du Barry, que, com uma letra pequena e direita, subscreveu uma obrigação de vinte e uma mil libras, sendo doze mil para indemnização da perda das vinhas, e nove mil para pagar a dívida ao Sr. Flageot.

        Depois escreveu um bilhetinho aos Srs. Boëhmer e Bossange, ourives da Coroa, pedindo-lhes que entregassem ao portador o adereço de brilhantes e esmeraldas chamado Luísa, o qual havia pertencido à princesa, tia do delfim, que o havia mandado vender para poder dar as suas esmolas.

        Acabado isto, madrinha e afilhada trocaram os seus diplomas.

        - Agora - disse a senhora du Barry - dê-me uma prova de boa amizade, querida condessa.

        - De muito boa vontade, minha senhora.

        - Tenho a certeza que, se consentir em se alojar em minha casa, Tronchin a curará em menos de três dias. Venha portanto, e ao mesmo tempo experimentará o óleo que possuo, que é óptimo.

        - Entre sempre para a carruagem, minha senhora - disse a velha prudente; - tenho que tratar aqui de uns negócios antes de sair.

        - Nega-me este favor?

        - Pelo contrário, aceito-o, minha senhora; mas não imediatamente. Está a dar uma hora; conceda-me licença até às três, às cinco em ponto estarei em Luciennes.

        - Permite que às três horas venha meu irmão buscá-la na sua carruagem?

        - Com muito gosto.

        - Agora, daqui até lá, trate de si.

        - Nada tem que recear. Sou fidalga, tem a minha palavra, e, ainda que eu soubesse que disso morria, tenha a certeza que estarei consigo amanhã em Versalhes.

        - Até à vista, querida madrinha!

        - Até à vista, adorada afilhada!

        E assim se separaram, a velha sempre deitada com uma perna sobre as almofadas, e a mão sobre os papéis; a senhora du Barry, mais ligeira ainda que na chegada, mas com o coração levemente oprimido por não ter podido ser superior à velha demandista, ela que, a seu bel-prazer, dominava o rei de França.

        Ao passar em frente da sala, viu João que, para a sua demora na hospedaria não causar desconfiança, acabava de atacar uma segunda garrafa.

        Vendo sua irmã, correu para ela, e disse:

        - Então?

        - Eis o que a Sua Majestade disse o marechal de Saxe, mostrando-lhe o campo de batalha de Fontenoy: “Senhor, aprendei por este espectáculo quanto uma vitória é cara e dolorosa”.

        - Fomos, portanto, vencedores? - perguntou João.

        - Ainda repetirei outro dito, mas esse é-nos transmitido da Antiguidade: “Outra vitória como esta, e ficamos arruinados”.

        - Temos a madrinha?

        - Sim, com a diferença que nos custa perto de um milhão.

        - Oh! Oh! - exclamou o visconde João fazendo uma horrível visagem.

        - Era pegar ou largar!

        - Mas é uma soma espantosa!

        - É assim. E não desdenhemos, porque se não nos portássemos bem, podia ainda ser que nada tivéssemos disto, ou que nos custasse o dobro.

        - Apre! Que mulher!

        - É uma romana.

        - É uma grega.

        - Grega ou romana, seja o que for, prepara-te para a vires buscar às três horas da tarde, e levar-ma a Luciennes. Não descanso enquanto a não tiver fechada em meu poder.

        - Bem, não saio daqui - disse João.

        - Eu vou preparar tudo - disse a condessa.

        E meteu-se na carruagem, dizendo ao cocheiro:

        - Para Luciennes!... Amanhã direi: para Marly acrescentou ela em voz baixa.

        - Enfim - disse João seguindo a carruagem com a vista - custamos uma grande soma à França!... O que não deixa de ser lisonjeiro para os du Barry.

 

A QUINTA CONSPIRAÇÃO DO MARECHAL DE RICHELIEU

        El-Rei tinha vindo, como de costume, fazer a sua recepção em Marly.

        Menos escravo da etiqueta que Luís XIV, que, nas reuniões da corte, procurava ocasiões de experimentar o seu poder, Luís XV indagava em cada grupo as novidades de que era ávido, e examinava a variedade de rostos, distracção para ele superior a todas as outras, principalmente quando esses rostos pareciam contentes.

        Na mesma tarde da entrevista, que acabámos de referir, e duas horas depois que a senhora de Béarn, segundo a sua promessa, que desta vez cumpriu, estava instalada no gabinete da senhora du Barry, el-rei jogava na sala azul.

        Tinha ao lado esquerdo a duquesa de Ayen, e ao lado direito a princesa de Guémenée.

        Sua Majestade parecia muito preocupado, o que lhe originou uma perda de oitocentos luíses; depois, mais disposto para as coisas sérias (Luís XV, como digno descendente de Henrique IV, gostava muito de ganhar), el-rei levantou-se da mesa -do jogo às nove horas e foi falar no vão de uma janela com o senhor de Malesherbes, filho do ex-chanceler, enquanto que o senhor de Maupeou, conversando com o senhor de Choiseul no vão de uma janela fronteira, seguia a conversa com um olhar inquieto.

        Entretanto, desde que se levantara el-rei, havia-se formado um círculo junto da chaminé. As senhoras Adelaide, Sofia e Vitória, na volta de um passeio nos jardins, haviam ido sentar-se ali com as suas damas de honor e cavalheiros.

        E como em torno de el-rei, que certamente tratava de algum negócio sério, porque todos conheciam a austeridade do senhor de Malesherbes, como em torno de el-rei, dizemos nós, havia um círculo de oficiais de mar e de terra, de grandes dignitários, de senhores e de presidentes, detidos ali por uma respeitosa atenção, a pequena corte junto da chaminé contentava-se consigo mesma, e preludiava para uma conversa mais animada, por algumas escaramuças que se podiam considerar como negócio unicamente de guardas avançadas.

        As principais mulheres que compunham esse grupo eram, além das três filhas de el-rei, as senhoras de Grammont, de Guémenée, de Choiseul, de Mirepoix e de Polastron.

        No momento em que principiámos a examinar este grupo, a senhora Adelaide contava uma história de um bispo que não repetiremos, mas que era sofrivelmente escandalosa, principalmente para sair da boca de uma princesa real; mas a época que tentamos descrever não estava, como todos sabem, debaixo da invocação da deusa Vesta.

        - Pois bem! - disse a senhora Vitória - esse bispo andou aqui, entre nós, haverá apenas um mês.

        - Ainda se estaria exposto a piores encontros em casa de Sua Majestade - disse a senhora de Grammont - se aqui viessem aqueles que nunca vieram, mas que desejam vir.

        Toda a gente conheceu logo pelas primeiras palavras da duquesa, e principalmente pelo tom em que eram pronunciadas, de quem ela queria falar e em que terreno ia manobrar a conversa.

        - Não é verdade, felizmente, duquesa, que querer e poder são duas coisas diferentes? - disse, metendo-se na conversa, um homenzinho de setenta e quatro anos, que apenas parecia ter cinqüenta, tanto a sua estatura era elegante, a voz fresca, as pernas delgadas, olhos vivos, a tez branca e a mão formosa.

        - Ah! Aí vem o senhor de Richelieu tomar de assalto a nossa mesquinha conversa como tomou a praça de Mahon - disse a duquesa. - Ainda conserva um pouco os hábitos de granadeiro, meu caro duque.

        - Um pouco! Ah! Duquesa, é injusta comigo; diga antes muito.

        - Então! Não dizia eu a verdade, duque?

        - Quando?

        - Agora.

        - O que dizia?

        - Que as portas do palácio não são tão fáceis de arrombar...

        - Como as de uma alcova. Sou da sua opinião, duquesa, sempre da sua opinião.

        Esta palavra obrigou algumas das senhoras a ocultarem o rosto com os leques, porém foi bem recebida, ainda que os detractores do tempo passado afirmassem que o espírito do duque havia envelhecido.

        A duquesa de Grammont corou, apesar do carmim com que pintava o rosto, porque a ela é que particularmente se dirigia o epigrama.

        - Minhas senhoras - prosseguiu ela - se o senhor duque quer dizer-nos semelhantes coisas, não continuo a minha história, e asseguro-lhes que perdem muito nisso, a não ser que, a pedido seu, o senhor marechal lhes conte alguma outra.

        - Eu - disse o duque - interrompê-la quando provavelmente vai dizer mal de alguma pessoa da minha amizade! Deus me livre de tal, ouço com toda a minha atenção.

        Apertou-se a roda em torno da duquesa.

        A senhora de Grammont deitou um olhar para o lado da janela, a fim de certificar-se de que el-rei continuava a estar lá. El-rei estava efectivamente; mas, apesar de continuar a conversa com o senhor de Malesherbes, não perdia o grupo de vista, e o seu olhar cruzou-se com o da senhora de Grammont.

        A duquesa sentiu-se um pouco intimidada com a expressão que julgara ler nos olhos de el-rei, mas tinha começado e não quis parar em meio caminho.

        - Sabem portanto - continuou a senhora de Grammont dirigindo-se principalmente às três princesas – que uma senhora - o nome pouco importa, não é verdade? – desejou ultimamente ver-nos, a nós, as eleitas de Deus, dominando do alto da nossa glória, cujos raios a fazem morrer de inveja.

        - Ver-nos, aonde? - perguntou o duque.

        - Ora, em Versalhes, Marly, Fontainebleau.

        - Bem, bem, bem.

        - A pobre criatura nunca tinha visto das nossas grandes reuniões, mais que o jantar de el-rei, em que os papalvos são admitidos por detrás das bandeiras para verem Sua Majestade e seus convivas a comerem, desfilando, já se sabe, debaixo da guarda do meirinho de serviço.

        O senhor de Richelieu tomou uma pitada de tabaco, de uma caixa de porcelana de Sèvres.

        - Mas para nos ver em Versalhes, Marly ou Fontainebleau, é preciso ser apresentado - disse o duque.

        - Exactamente, a senhora de que se trata solicitou a apresentação.

        - Aposto que lhe é concedida? - redargüiu o duque - el-rei tem tão bom coração!

        - Mas, desgraçadamente, para ser apresentado, não basta a licença de el-rei, é preciso ainda alguém que apresente.

        - Sim - disse a senhora de Guémenée - alguma madrinha, por exemplo.

        - Sim, mas nem todos têm madrinha - observou a senhora de Mirepoix - por exemplo a formosa borbonesa, que anda em procura de uma e que a não acha.

        E pôs-se a cantarolar:

       

        A galante borbonesa

        Não lhe vale a gentileza...

       

        - Ah! Marechala, marechala - disse o duque de Richelieu - deixo à senhora duquesa toda a glória do seu conto.

        - Vamos, vamos, duquesa - disse a senhora Vitória - fez-nos crescer água na boca, e deixou-nos em meio caminho.

        - De modo nenhum; tenho, pelo contrário, empenho em contar a minha história até ao fim. Não tendo madrinha, procurou-se uma. “Procurai e achareis”, diz o Evangelho. Tanto se procurou que afinal se achou; mas que madrinha, Santo Deus! Uma boa mulher de aldeia, lhana e cândida. Tiraram-na do seu pombal, aboboraram-na, acariciaram-na, enfeitaram-na.

        - Tudo isso faz estremecer - disse a senhora de Guémenée.

        - Mas eis que de repente, quando a provinciana estava bem aboborada, acariciada, enfeitada, cai do alto abaixo da sua escada...

        - E?... - perguntou o senhor de Richelieu.

       

        Quebrou uma perna.

        Ah!  ah!  ah!  ah!  ah!

       

        - disse a duquesa ajuntando um verso adequado para a ocasião aos dois da marechala de Mirepoix.

        - De modo que, a respeito de apresentação?... – disse a senhora de Guémenée.

        - Nem sombras dela, minha querida.

        - O que é a Providência! - exclamou o marechal erguendo as mãos ao céu.

        - Perdão - disse a senhora Vitória - mas eu compadeço-me muito da pobre provinciana.

        - Pelo contrário, minha senhora - disse a duquesa - deve felicitá-la; de dois males escolheu o menor.

        A duquesa parou: acabavam os seus olhos de encontrar um segundo olhar de el-rei.

        - Mas de quem acaba de falar, duquesa? – perguntou o marechal, fingindo que diligenciava adivinhar quem era a pessoa de que se tratava.

        - Não me disseram o nome.

        - Que pena! - disse o marechal.

        - Mas eu adivinhei; faça como eu.

        - Se as senhoras apresentadas tivessem ânimo e fossem fiéis aos princípios de honra da velha nobreza de França - disse com azedume a senhora de Guémenée – iriam todas inscrever-se em casa da provinciana que teve a sublime idéia de partir uma perna.

        - É verdade - disse Richelieu - boa idéia. Mas seria preciso saber como se chama essa fidalga, que nos salva de um perigo tão iminente, porque nada mais temos que temer; não é verdade, cara duquesa?

        - Oh! nada mais, respondo eu por tal; está sobre o seu leito, com a perna embrulhada e impossibilitada de dar um único passo.

        - Mas - disse a senhora de Guémenée - se essa mulher achar outra madrinha? Ela não descansa.

        - Oh! nada há que temer; não é coisa tão fácil achar uma madrinha.

        - Pudera! acredito-o - disse o marechal mastigando uma dessas maravilhosas pastilhas às quais, segundo dizem, ele devia a sua eterna mocidade.

        Naquele momento, el-rei fez um movimento como para se aproximar.

        Calaram-se todos.

        Então a voz de el-rei, tão clara e tão conhecida, soou na sala.

        - Adeus, minhas senhoras, boa noite, meus senhores.

        Levantaram-se todos, e houve um grande movimento na galeria.

        El-rei deu alguns passos para a porta, depois voltando-se no momento de sair, disse:

        - A propósito, amanhã temos uma apresentação em Versalhes.

        Estas palavras caíram como um raio sobre a assembléia.

        El-rei olhou para o grupo de senhoras, que empalideciam olhando umas para as outras.

        Mas apenas saiu a porta da sala com a numerosa comitiva de oficiais do seu serviço, teve lugar a explosão entre as princesas e as pessoas que ficaram depois da sua partida.

        - Uma apresentação! - balbuciou a duquesa de Grammont que se tornara lívida. - O que quis dizer Sua Majestade?

        - Ah! Duquesa - disse o marechal com um desses sorrisos que lhe não perdoavam nem os seus melhores amigos - será essa apresentação por acaso a sua?

        As princesas mordiam os beiços com despeito.

        - Oh! Isso é impossível - repetia em voz baixa a senhora de Grammont.

        - Olhe, duquesa - disse o marechal - hoje é coisa facílima consertar uma perna.

        O senhor de Choiseul aproximou-se da sua irmã e apertou-lhe o braço em sinal de aviso; mas a condessa estava muito sentida para poder dar atenção ao que lhe diziam.

        - Seria uma indignidade! - exclamou ela.

        - Sim, uma indignidade! - repetiu a senhora de Guémenée.

        O senhor de Choiseul, vendo que nada tinha que fazer, afastou-se.

        - Oh! Minhas senhoras - exclamou a duquesa dirigindo-se às três filhas de el-rei - já não temos recurso senão em vós. Sendo as primeiras senhoras do reino, poderão consentir que fiquemos expostas a encontrar, no único asilo inviolável das senhoras de distinção, uma sociedade que não se dignariam admitir as nossas criadas?

        Mas em vez de responderem, as princesas baixaram tristemente a cabeça.

        - Minhas senhoras, em nome do Céu! - repetiu a duquesa.

        - El-rei é senhor das suas acções - disse a senhora Adelaide suspirando.

        - É justo - disse o duque de Richelieu.

        - Mas então toda a corte de França está comprometida! - exclamou a duquesa. - Ah! meus senhores, pouco cuidado lhes deve a honra das suas famílias!...

        - Minhas senhoras - disse o senhor de Choiseul fazendo um esforço para se rir - como isto vai tomando jeitos de conspiração, não hão-de estranhar que me retire e que leve comigo o senhor de Sartines. Venha, duque prosseguiu o senhor de Choiseul dirigindo-se ao marechal.

        - Não! - disse o marechal - eu adoro as conspirações, e portanto fico.

        O senhor de Choiseul saiu levando Sartines consigo.

        Os poucos homens que ainda estavam na sala, seguiram o exemplo do senhor de Choiseul.

        Só ficaram em torno das princesas as senhoras de Grammont, de Guémenée, de Ayen, de Mirepoix, de Polastron, e oito ou dez mais das que haviam abraçado com ardor a questão da apresentação.

        De homens havia só o senhor de Richelieu.

        As senhoras olhavam para ele com desassossego, como se fosse um troiano no campo dos gregos.

        - Eu aqui represento minha filha, a condessa de Egmont; vão - disse ele - vão.

        - Minhas senhoras - disse a duquesa de Grammont - há um meio de protestar contra a infâmia que nos querem impor, e, pela minha parte, empregarei esse meio.

        - Qual é? - perguntaram todas as mulheres ao mesmo tempo.

        - Disseram-nos - redargüiu a senhora de Grammont - que el-rei era senhor das suas acções.

        - E eu respondi: “é justo” - disse o duque.

        - El-rei é senhor em sua casa, é verdade, mas na nossa, governamos nós; ora, quem pode impedir-me de dizer esta noite ao meu cocheiro: “Para Chanteloup”, em vez de lhe dizer: “Para Versalhes”

        - Isso é verdade - disse o senhor de Richelieu; - mas quando tiver protestado, duquesa, que resultado tirará disso?

        - Resultará que hão-de reflectir muito melhor – exclamou a senhora de Guémenée - se muitos nos imitarem.

        - E por que motivo não imitaremos todas a duquesa? - disse a marechala de Mirepoix.

        - Oh! minhas senhoras - disse então a duquesa dirigindo-se novamente às filhas de el-rei - oh! Que belo exemplo que dariam à corte, vós, filhas da França!

        - El-rei querer-nos-ia mal? - perguntou a senhora Sofia.

        - Não, não! Estejam Vossas Altezas certas disso! – bradou a odienta duquesa. - Não! ele que tem o sentido tão delicado, um tacto tão perfeito, pelo contrário, havia de agradecer-vo-lo.   El-rei, acreditem-me, não violenta pessoa alguma.

        - Pelo contrário - disse o duque de Richelieu, aludindo pela segunda ou terceira vez a uma invasão que, segundo diziam, a senhora de Grammont tinha feito certa noite na câmara de el-rei - é a ele que violentam, que querem tomar à força.

        Naquele momento, e por efeito das palavras do marechal, houve nas fileiras das senhoras um sussurro e um tumulto semelhante aos que há numa companhia de granadeiros, quando rebenta alguma bomba.

        Finalmente sossegaram.

        - Verdade seja que el-rei nada disse, quando recusámos receber a condessa - disse a senhora Vitória, animada pela efervescência da assembléia; - mas pode acontecer que, numa ocasião tão solene...

        - Sim, sim, não há dúvida - insistiu a senhora de Grammont - certamente assim poderia acontecer, se só faltassem Vossas Altezas, mas quando vir que faltamos todas...

        - Todas? - bradaram as senhoras.

        - Sim, todas - repetiu o velho marechal.

        - Então, entra também na conspiração? – perguntou a senhora Adelaide.

        - Certamente, e é por esse motivo que pedirei a palavra.

        - Fale, duque, fale - disse a senhora de Grammont.

        - Procedamos metodicamente - disse o duque; - não basta gritarem: “Todas! todas!” e bradar bem alto “hei-de fazer isto”, e chegada a ocasião fazerem exactamente o contrário; ora, tomando eu parte na conspiração, como acabo de ter a honra de lhes dizer, pouco me importa ser abandonado, como geralmente o era quando conspirava no tempo do falecido rei ou da regência.

        - Realmente, duque - disse ironicamente a duquesa de Grammont - dir-se-ia que se esquece onde está, e que no país das Amazonas parece tomar uns certos modos de chefe.

        - Minha senhora - disse o duque - rogo-lhe que acredite que terei algum direito a esse título que me contesta; odeia mais a senhora du Barry - bom, lá disse eu o nome, mas ninguém ouviu, não é verdade? – odeia mais a senhora du Barry do que eu, porém eu estou mais comprometido do que a senhora.

        - O senhor comprometido, duque? - perguntou a marechala de Mirepoix.

        - Sim, comprometido, e horrivelmente mesmo; há oito dias que não vou a Luciennes; há quatro dias que não vou a Versalhes; chega a tanto que ontem mandou a condessa saber a minha casa se eu estava doente, e querem saber o que Rafe respondeu? Que estava tão bom que nem mesmo tinha dormido em casa. Contudo, abandono os meus direitos, não tenho ambição, deixo-lhes o primeiro lugar, e ainda mais, conduzo-as a ele. Puseram tudo em movimento, foram o bota-fogo, revolucionaram as consciências, pertence-lhes o bastão do comando.

        - Depois de Suas Altezas - disse a duquesa com respeito.

        - Oh! Deixem-nos a parte passiva - disse a senhora Adelaide. - Vamos ver nossa irmã Luísa ao convento de Saint-Denis; ela não nos deixa sair, não chegamos a tempo, e nada há que dizer.

        - Nada absolutamente - disse o duque - ou seria preciso ter o espírito muito mal formado.

        - Eu - disse a duquesa - vou para Chanteloup ver a minha lavoura.

        - Bravo! - exclamou o duque - ora, graças a Deus, isso é o que se chama uma boa razão.

        - Eu - disse a princesa de Guémenée - tenho um filho doente, e faço-me enfermeira para o tratar.

        - Eu - disse a senhora de Polastron - sinto-me hoje incomodada, e poderia ter uma doença séria se Tronchin me não sangrasse amanhã.

        - E eu - disse majestosamente a marechala de Mirepoix - não vou a Versalhes porque não quero ir; é o único motivo que dou, o livre arbítrio!

        - Muito bem - disse Richelieu - tudo isso é muito cheio de lógica, mas é preciso jurar.

        - Como, é preciso jurar?

        - Sim, nas conspirações sempre se faz um juramento. Desde a conspiração de Catilina até à de Cellamare, de que tive a honra de fazer parte, sempre se jurou, e nem por esse motivo tiveram melhor êxito, é verdade, contudo devem-se respeitar os costumes. Juremos! É muito solene, como vão ver.

        Estendeu a mão para o centro do grupo das mulheres e disse majestosamente:

        - Assim o juro.

        Todas as senhoras repetiram o juramento, exceptuando as princesas, que se haviam eclipsado.

        - Agora acabou-se - disse o duque; - quando numa conspiração se fez o juramento, não há mais que fazer.

        - Oh! Que raiva não há-de sentir, quando se achar sozinha na sala! - exclamou a senhora de Grammont.

        - El-rei sempre nos há-de desterrar um pouco – disse Richelieu.

        - Ora adeus, duque! - bradou a senhora de Guémenée - que há-de ser da corte, se nos desterrarem? Não estão à espera de Sua Majestade dinamarquesa? O que lhe mostrarão? E a senhora delfina que está para chegar, a quem a mostrarão? E demais, não se pode desterrar uma corte inteira; hão-de escolher.

        - Bem sei que sempre escolhem - disse Richelieu - e lá nisso, sempre sou feliz, escolhem-me sempre a mim; já me escolheram quatro vezes, porque, se eu me não engano, é esta a minha quinta conspiração, minhas senhoras.

        - Ora! - disse a senhora de Grammont - o que o duque diz não é exacto, a escolhida hei-de ser eu; serei eu a sacrificada.

        - Ou o senhor de Choiseul; - acrescentou o marechal - repare bem, duquesa!

        - O senhor de Choiseul é como eu, há-de submeter-se à desgraça, mas não sofrerá uma afronta.

        - Não será o senhor duque, nem a senhora duquesa, nem o senhor de Choiseul, que hão-de ser desterrados - disse a marechala de Mirepoix; - hei-de ser eu. El-rei não poderá perdoar-me de ser menos amável com a condessa, do que o fui com a marquesa.

        - É verdade - disse o duque - a senhora a quem sempre chamavam a favorita, infeliz marechala, será desterrada comigo!

        - Seremos desterradas todas - disse a senhora de Guémenée erguendo-se - porque tenho a esperança de que nenhuma de vós revogará a determinação aqui tomada.

        - Nem o juramento - disse o duque.

        - Oh! - acrescentou a senhora de Grammont – em todo o caso eu tomarei as minhas medidas!

        - A senhora? - perguntou o duque.

        - Sim; para estar em Versalhes amanhã às dez horas, precisa ela três coisas.

        - Quais são?

        - Um cabeleireiro, um vestido e uma carruagem.

        - Sem dúvida.

        - E então?

        - E então não estará ela em Versalhes às dez horas; el-rei há-de impacientar-se, retirar-se-á e a apresentação será transferida para as calendas gregas, visto chegar a senhora delfina.

        Um viva estrondoso e bravos sem-número foram a resposta a este novo episódio da conjuração; mas aplaudindo sempre em mais altos brados que as outras pessoas o senhor de Richelieu e a senhora de Mirepoix que olhavam significativamente um para o outro.

        Os dois velhos cortesãos haviam-se encontrado na inteligência de um igual pensamento.

        Às onze horas, todos os conjurados voavam pela estrada de Versalhes e de Saint-Germain, alumiados por um belíssimo luar.

        Só, o senhor de Richelieu tinha montado no cavalo do seu estribeiro, e, enquanto a sua carruagem, com os postigos bem fechados, corria ostensivamente pela estrada de Versalhes, ele, por um atalho, seguia a toda a brida em direcção a Paris.

 

NEM CABELEIREIRO, NEM VESTIDO, NEM CARRUAGEM

        Teria sido de mau gosto sair a senhora du Barry do seu aposento de Versalhes para ir à sala das apresentações.

        Demais, Versalhes era bem mesquinho em recursos num dia tão solene.

        Finalmente, melhor que isso tudo, não era esse o costume. Os eleitos chegavam com um aparato de embaixador, quer saindo dos seus palácios particulares de Versalhes, quer das suas casas de Paris.

        A senhora du Barry escolheu este último ponto de partida.

        Desde as onze horas da manhã, que havia chegado à sua casa da Rua Valois com a senhora de Béarn, que tinha guardado fechada a sete chaves, quando a não guardava debaixo da sua vista, fazendo-lhe renovar a cada instante todas as drogas que a química e a medicina forneciam para lhe curar a ferida.

        Desde a véspera andavam em preparativos João du Barry, Chon e Doreia, e quem os não visse trabalhar, dificilmente teria formado uma idéia da influência do ouro e do poder do génio humano.

        Uma procurava o cabeleireiro, outra não largava as costureiras; João, que fora encarregado das carruagens, tomara além disso sobre si o encargo de vigiar também as costureiras e os cabeleireiros. A condessa, arranjando flores, brilhantes e rendas, nadava em adereços de toda a qualidade, e de hora em hora recebia correios de Versalhes, que lhe diziam estar dada a ordem para ser iluminada a sala da rainha, e que nada estava mudado.

        Pelas quatro horas entrou João du Barry, pálido, cansado, mas alegre.

        - Então? - perguntou a condessa.

        - Tudo há-de estar pronto.

        - O cabeleireiro?

        - Encontrei Doreia em casa dele e está tudo tratado. Recebeu das minhas mãos um vale de cinqüenta luíses, e há-de aqui jantar às seis horas em ponto.

        - O vestido?

        - Há-de ser maravilhoso. Chon estava em casa da modista, e vinte e seis costureiras estão empregadas em lhe pregar as pérolas, as fitas e os enfeites. Ter-se-á assim feito pano por pano, esse trabalho prodigioso, que a outros que não fôssemos nós, teria custado oito dias de espera.

        - Como, pano por pano? - disse a condessa.

        - Sim, minha irmã, o vestido tem treze panos. Em cada pano trabalham duas costureiras, uma do lado esquerdo e outra do lado direito, que vão enfeitando com pérolas e jóias; de modo que só juntam tudo no último instante. É objecto de duas horas mais. As seis horas da tarde teremos cá o vestido.

        - Tens a certeza disso, João?

        - Levei ontem comigo um engenheiro e estivemos a fazer o cálculo dos pontos. Há dez mil pontos que fazer em cada pano; cinco mil por cada costureira. Como a fazenda é grossa, uma mulher não pode dar mais que um ponto em cada cinco segundos, vêm a ser doze por minuto, setecentos e vinte cada hora, sete mil e duzentos em dez horas. Deixo os dois mil e duzentos para os descansos indispensáveis, pontos falsos, e temos ainda quatro horas de sobejo.

        - E a carruagem?

        - Oh! Quanto à carruagem, bem sabes que respondi por ela; o verniz e a pintura estão secando num grande armazém que mandei expressamente aquecer numa temperatura de cinqüenta graus. É uma linda carruagem, por minha alma! E ao pé dela são bem insignificantes as que mandaram à delfina. Além dos brasões que formam o fundo dos quatro lados, com o grito de guerra dos du Barry: sempre avante! Nas duas almofadas dos lados, mandei pintar, numa, dois pombinhos beijando-se, e na outra um coração atravessado por uma seta. Tudo isto com uma cercadura de arcos, cupidos e setas. Está povo imenso à porta de Francian para a ver; às oito horas em ponto há-de estar aqui.

        Neste momento entravam Chon e Doreia. Vinham confirmar tudo quanto João tinha dito.

        - Obrigada, meus valentes lugares-tenentes - disse a condessa.

        - Minha irmã, tens os olhos pisados - disse o visconde João - vai dormir ao menos uma hora, que há-de fazer-te bem.

        - Dormir! Ora, sim! Hei-de dormir esta noite, e muitos não poderão dizer o mesmo.

        Enquanto em casa da condessa se faziam estes preparativos, corria pela cidade a notícia da apresentação. Por mais ocioso e indiferente que pareça, o povo de Paris é o mais amador de novidades. Ninguém conheceu melhor as personagens da corte e as suas intrigas que o papalvo do século dezoito, esse mesmo que não era admitido a festa alguma do interior, que só via os hieroglíficos das carruagens e as misteriosas librés dos lacaios. Não era então raro que um ou outro fidalgo da corte fosse conhecido de Paris inteiro; era simples: nos teatros, nos passeios, a corte representava o papel principal. E o senhor de Richelieu no seu banco da cena italiana, a senhora du Barry na sua carruagem mais deslumbrante que uma rainha, apareciam então diante do público como um actor ou uma actriz queridos da actualidade.

        Os rostos que se conhecem causam maior interesse. Paris inteiro conhecia a senhora du Barry, mostrando-se sempre, no teatro, no passeio, nas lojas, como as mulheres ricas moças e formosas. Depois também a conhecia pelas caricaturas, pelos retratos e por Zamora. Portanto, Paris inteiro tratava quase tanto da apresentação como a corte. Nesse dia ainda houve ajuntamento no Palais-Royal, mas, pedimos perdão à filosofia, não era para ver o Sr. Rousseau jogando o xadrez no café da Regência, era para ver a favorita na sua linda carruagem e com o seu belo vestido, objectos de que tanto se havia falado. A palavra de João du Barry: “Custamos caros à França” era uma grande verdade, e portanto era bem natural que a França, representada por Paris, quisesse gozar de um espectáculo que pagava por tão alto preço.

        A senhora du Barry conhecia perfeitamente o seu povo, porque o povo francês foi muito mais seu, que o havia sido de Maria Leckzinska. Sabia que gostava de ser deslumbrado, e como tinha bom carácter, trabalhava para que o espectáculo fosse proporcionado à despesa.

        Em vez de se deitar, como lho aconselhara seu irmão, das cinco para as seis horas tomou um banho de leite; depois, finalmente, às seis horas, entregou-se nas mãos das suas aias, enquanto esperava a chegada do cabeleireiro.

        Não há erudição a fazer a propósito de uma época tão bem conhecida dos nossos dias, que quase se poderia chamar contemporânea, e que a maior parte dos nossos leitores conhecem tão bem como nós mesmos. Mas não será fora de propósito explicar, principalmente agora, o que um penteado da senhora du Barry devia custar de cuidado, tempo e arte.

        Imagine-se um edifício completo. O prelúdio desses castelos com ameias, como a corte do jovem rei Luís XVI edificava sobre a cabeça, como se tudo, nessa época, devesse ser um presságio, como se a moda frívola, eco das paixões sociais que minavam a terra sob os passos de tudo quanto era, ou de tudo quanto parecia ser grande, houvesse decretado que as mulheres da aristocracia tivessem bem pouco tempo mais para gozar dos seus títulos, para deixarem de os estampar na fronte; como se, profecia ainda mais sinistra, mas não menos justa, lhes quisesse anunciar que tendo pouco tempo mais para conservarem as suas cabeças, deviam enfeitá-las até à exageração e elevá-las o mais possível acima das cabeças vulgares.

        Para fazer tranças com o seu lindo cabelo, pregá-lo sobre uma almofada de seda, enrolá-lo sobre moldes de barba de baleia, enfeitá-lo com pedrarias, pérolas, flores, empoá-lo com esse branco que dava brilho aos olhos e frescura à tez; para tornar, finalmente, harmoniosas essas cores do rosto, do pó, dos rubis, da madrepérola, dos brilhantes, das flores omnicolores e multiformes, era mister ser não só um grande artista, mas também um homem paciente.

        Também, de todas as corporações de ofícios, eram os cabeleireiros os únicos que traziam espadim como os estatuários.

        Eis o que explica os cinqüenta luíses dados por João du Barry ao cabeleireiro do paço, no receio que o grande Lubin (o cabeleireiro do paço naquela época chamava-se Lubin) não fosse menos exacto ou hábil do que se esperava.

        Esses receios pouco tardaram em se justificar; deram seis horas, não apareceu o cabeleireiro; depois seis horas e meia, um quarto para as sete, e nada de novo. Uma única esperança consolava um pouco os corações palpitantes de toda essa gente, é que um homem de valor e talento como o Sr. Lubin, devia naturalmente fazer-se esperar um pouco.

        Mas deram as sete horas. O visconde receava que esfriasse o jantar preparado para o cabeleireiro e que o artista não ficasse satisfeito. Mandou portanto um criado a casa dele dar-lhe a notícia de que a sopa estava sobre a mesa.

        O lacaio voltou um quarto de hora depois.

        Os que em idênticas circunstâncias têm esperado, são os únicos que sabem quantos infernais segundos contém um quarto de hora.

        O lacaio havia falado com a mulher de Lubin pessoalmente, a qual lhe assegurou que o Sr. Lubin acabava de sair naquele instante e que se não tinha ainda chegado ao palácio, ia decerto no caminho.

        - Bom! - disse du Barry - não achou carruagem nenhuma, e vem a pé. Esperemos.

        - Demais - disse a condessa - ainda não faz grande falta, pode pentear-me quando eu estiver já meio vestida, porque a apresentação só tem lugar às dez horas em ponto. Temos ainda três horas a nosso favor, e basta uma para ir daqui a Versalhes. Entretanto, Chon, vai atacar-me o colete e vestir-me... Mas onde está Chon? Chon! O meu vestido, o meu vestido!

        - O vestido da senhora ainda não chegou – disse Doreia - e a mana da senhora condessa saiu, há-de haver dez minutos, para o ir buscar ela mesma.

        - Ah! - disse João du Barry - ouço o rodar de uma carruagem, há-de ser a nossa carruagem que nos trazem.

        O visconde enganava-se, era Chon que voltava na sua carruagem, puxada por dois cavalos, que vinham cansados e cobertos de suor.

        - O meu vestido! - bradou a condessa, apenas sentiu Chon no corredor - o meu vestido!

        - Ainda não veio? - perguntou Chon assustada.

        - Não.

        - Oh! Então pouco poderá tardar - prosseguiu ela sossegando mais - porque a modista, quando cheguei a casa dela, acabava de partir numa carruagem com duas das suas costureiras para o trazer e provar.

        - Com efeito - disse João - ela mora na Rua do Bac, e a carruagem em que vem não anda decerto tão depressa como a nossa.

        - Sim, sim, seguramente, - disse Chon, que não podia evitar uma certa inquietação.

        - Visconde - disse a senhora du Barry - seria bom que mandasses buscar a carruagem para não termos que esperar desse lado, pelo menos.

        - Tens razão, Joana.

        E du Barry abriu a porta.

        - Vão buscar a carruagem a casa de Francian – disse ele - e com os cavalos novos, a fim de evitar demoras.

        O cocheiro e os cavalos partiram.

        Começava a deixar de se sentir o ruído do trote dos cavalos na direcção da Rua de Saint-Honoré, quando entrou Zamora trazendo uma carta.

        - Uma carta para minha senhora Barry - disse ele.

        - Quem a trouxe?

        - Um homem.

        - Como, um homem! Que homem foi?

        - Um homem a cavalo.

        - E por que ta entregou?

        - Porque Zamora estava na porta.

        - Mas lê, condessa, lê, é melhor isso do que fazer perguntas - disse João.

        - Dá-ma, visconde.

        João entregou-lhe a carta.

        - Contanto que essa carta não traga alguma notícia má - murmurou o visconde.

        - Não - disse a condessa - há-de ser alguma petição para entregar a Sua Majestade.

        - A carta não vem dobrada em forma de requerimento.

        - Realmente, visconde, hás-de morrer de susto – disse a condessa sorrindo.

        E abriu a carta.

        Apenas leu as primeiras linhas, soltou um grito horrível, e caiu como morta sobre uma poltrona.

        - Nem cabeleireiro, nem vestido, nem carruagem! – disse ela.

        Chon correu para a condessa, João precipitou-se sobre a carta.

        Era de uma letra direita e miúda: evidentemente conhecia-se que era letra de mulher. A carta dizia o seguinte:

        “Minha senhora, tome cuidado; esta noite há-de faltar-lhe o cabeleireiro, o vestido e a carruagem.

        Espero que receberá este aviso a tempo de remediar tudo.

        Não lhe digo o meu nome; adivinhe quem sou se quer conhecer uma amiga sincera.”

        - Ah! - exclamou du Barry desesperado - eis o último golpe. Com os diabos! Preciso matar alguém. Não há cabeleireiro! Com mil demónios! Hei-de estripar aquele biltre de Lubin. Mas, com efeito, são sete horas e meia e ele não chega. Ah! Maldição!

        E João du Barry, que nessa noite não tinha que ser apresentado, desafogou a sua raiva nos cabelos, arrepelando-os horrivelmente.

        - O pior é faltar o vestido! Santo Deus! O vestido! - exclamou Chon. - Seria fácil achar um cabeleireiro, mas um vestido...

        - Qual! Que cabeleireiro se poderá achar? Algum mau aprendiz! Ah! Raios o partam! Mil legiões de diabos o levem.

        A condessa não falava, mas soltava suspiros capazes de enternecer os próprios Choiseul, se a tivessem ouvido.

        - Vamos, vamos, sossego - disse Chon. – Procuremos um cabeleireiro, voltemos à modista, para saber o que é feito do vestido.

        - Nem cabeleireiro! - murmurava a moribunda condessa - nem vestido! Nem carruagem!

        - É verdade, nem carruagem! - bradou João; - também essa não chega, e contudo já cá deveria estar. Oh! Isto é uma conspiração, condessa. Não mandará Sartines prender os autores? Maupeou não os mandará enforcar? Não queimarão os cúmplices na Praça da Greve? Quero fazer rodar o cabeleireiro, quebrar os ossos à costureira, e esfolar o segeiro.

        Durante este tempo havia a condessa tornado a si, mas era para mais sentir o horror da sua posição.

        - Oh! Desta vez estou perdida - murmurou ela; - as pessoas que conseguiram comprar Lubin, são decerto bastante ricas para afastarem os bons cabeleireiros de Paris. Só se acharem algum asno que virá estropear-me o cabelo... E o meu vestido! O meu rico vestido!... E a minha carruagem nova, que os devia fazer ralar de inveja!...

        João não respondia coisa alguma, mas chamejavam-lhe os olhos terrivelmente, ia dar consigo de encontro a todos os ângulos do quarto, e cada objecto que lhe punha obstáculo quebrava-o em mil pedaços, e depois, se os pedaços lhe pareciam grandes de mais, reduzia-os a outros mais pequenos ainda.

        No meio desta cena de aflição, que do toucador se comunicara até à ante-sala, e da ante-sala até ao pátio, enquanto os lacaios, aturdidos por vinte ordens diversas e contraditórias, saíam, vinham, corriam, encontravam-se, um mancebo vestido com uma casaca verde-gaio, véstia de cetim, calção cor de flor de alecrim e meias de seda, apeava-se de um cabriole, transpunha o limiar da porta da rua, atravessava o pátio saltando no bico dos pés, de pedra em pedra, subia a escada, e vinha bater à porta do toucador da condessa.

        João estava descarregando a sua raiva, calcando aos pés um magnífico aparelho de porcelana de Sèvres que deitara ao chão com uma das abas da casaca, enquanto queria evitar a queda de um grande pote do Japão, que havia ameaçado com um soco.

        Ouviu-se bater três pancadas na porta, com muita discrição, muita modéstia e brandura.

        Seguiu-se um silêncio prolongado. Acharam isto tão extraordinário, que ninguém se atreveu a perguntar quem era.

        - Perdão - disse uma voz desconhecida - mas eu desejava falar com a Srª. Condessa du Barry.

        - Mas, senhor, isso não são modos de entrar na casa alheia - bradava o guarda-portão que viera correndo atrás do desconhecido, para impedir que fosse mais adiante.

        - Espere, espere - disse o visconde - não nos pode acontecer nada pior de que tem acontecido. O que quer da condessa?

        E João abriu a porta com uma tal força que bastaria para arrombar as portas de Gaza.

        O estranho evitou o choque dando um salto para trás e caindo na terceira posição da dança, disse com voz aflautada:

        - Meu caro senhor, eu queria oferecer os meus serviços à Srª. Condessa du Barry, que, se me não engano, tem que ir ao paço.

        - E que serviços são esses, senhor?

        - Os da minha profissão.

        - Que profissão é a sua?

        - Sou cabeleireiro.

        E o estranho fez nova cortesia.

        - Ah! - exclamou João saltando ao pescoço do mancebo.

        - Ah! É cabeleireiro. Entre, meu amigo, entre!

        - Venha, meu caro senhor - disse Chon, agarrando-se ao mancebo.

        - Um cabeleireiro! - exclamou a senhora du Barry erguendo as mãos ao céu. - Um cabeleireiro! Mas é um anjo. É Lubin quem o manda, senhor?

        - Não venho mandado de ninguém. Li num jornal que a senhora condessa devia ser apresentada esta noite, e disse comigo: “E se por acaso a senhora condessa não tivesse cabeleireiro?” Não é provável, mas é possível, e portanto vim.

        - Como se chama? - perguntou a condessa um pouco desanimada.

        - Leonardo, minha senhora.

        - Leonardo! Não é conhecido.

        - Ainda não; mas se a senhora condessa aceitar os meus serviços, sê-lo-ei amanhã.

        - É porque há cabeleireiros de várias qualidades – resmungou João.

        - Se a senhora condessa não se fia em mim, então retiro-me - respondeu ele.

        - É porque não temos tempo de experimentar – disse Chon.

        - E por que motivo há-de experimentar? – exclamou cheio de entusiasmo o mancebo, examinando a cabeça da condessa. - Bem sei que o penteado da senhora du Barry deve atrair todas as vistas. Também, desde que daqui a estou examinando, inventei um penteado, que há-de produzir um efeito prodigioso, tenho essa certeza.

        E o mancebo fez com a mão um gesto cheio de confiança em si mesmo, que começou a decidir a condessa e a fazer voltar a esperança ao coração de Chon e de João.

        - Ah! Realmente! - disse a condessa, maravilhada com a afirmativa do mancebo, que tomava várias atitudes, como se fosse o grande Lubin.

        - Mas, primeiro que tudo, seria preciso que eu visse o vestido que a senhora condessa leva, para harmonizar os enfeites.

        - Oh! o meu vestido! - exclamou a senhora du Barry caindo na triste realidade - o meu rico vestido!

        João bateu na fronte.

        - Ah! É verdade - disse ele. - Senhor, imagine que nos armaram um laço odioso!...  roubaram-no... vestido, costureira, tudo! Chon! Minha rica Chon!

        E du Barry, cansado de arrancar os cabelos, começou a chorar.

        - Se voltasses a casa dela, Chon? - disse a condessa.

        - Para quê - disse Chon - se ela tinha saído para vir cá?

        - Ah! - murmurou a condessa deixando-se cair numa poltrona - Oh! De que serve um cabeleireiro, se não tenho vestido!

        Neste momento a sineta da porta tocou. O guarda-portão, receando que se introduzisse mais alguém, como acabava de acontecer, tinha fechado todas as portas e corrido todos os fechos.

        - Tocam - disse a senhora du Barry.

        Chon foi à janela.

        - Uma caixa! - bradou ela.

        - Uma caixa! - repetiu a condessa. - E é para cá?

        - Sim, não... sim... entregaram-na ao guarda-portão.

        - Voa, João, voa, em nome do Céu!

        João precipitou-se pela escada, deitou ao chão todos os lacaios que encontrou no caminho, e arrancou a caixa das mãos do guarda-portão.

        Chon olhava pela vidraça.

        O visconde abriu a caixa, meteu a mão dentro, e soltou um grito de alegria.

        Continha um admirável vestido de cetim de Macau, com flores recortadas e uma guarnição de rendas de uma riqueza espantosa.

        - Um vestido! Um vestido! - bradou Chon batendo as palmas.

        - Um vestido! - repetiu a senhora du Barry, quase desfalecendo de alegria, como já estivera para desfalecer de raiva.

        - Quem te entregou isto? - perguntou João ao guarda-portão.

        - Foi uma mulher, senhor.

        - Mas que mulher?

        - Não a conheço.

        - Onde está ela?

        - Senhor, entregou-me esta caixa, e disse-me: “Para a senhora condessa!” Tornou a meter-se no cabriole em que veio, e partiu com toda a velocidade do seu cavalo.

        - Bem - disse João - é um vestido, e era isso o principal.

        - Mas sobe, João! - bradou Chon - a condessa morre de impaciência.

        - Olha - disse João - olha, vê, admira, eis o que nos manda o Céu.

        - Mas não me poderá servir, decerto que me não serve, não foi feito para mim. Meu Deus! Meu Deus! Que desgraça! Porque enfim, é muito rico.

        Chon pegou rapidamente numa medida.

        - O comprimento é o mesmo - disse ela - e a largura também.

        - Que rica fazenda! - disse João.

        - É fabuloso! - observou Chon.

        - É aterrador! - disse a condessa.

        - Mas pelo contrário - disse João - isto prova que se tens muitos inimigos, tens também amigos verdadeiros.

        - Não pode ser de pessoa amiga - disse Chon; - porque, como poderia ter sabido o que se tramava contra nós? Deve ser de algum duende, algum silfo.

        - Seja ele do Diabo! - exclamou a senhora du Barry - pouco me importa, contanto que me ajude a combater os Grammont; e nunca há-de ser tão diabo como esta gente!

        - E agora - disse João - agora penso melhor.

        - O que pensas?

        - Que podes entregar a cabeça a este senhor, com toda a confiança.

        - Quem te dá essa certeza?

        - Ora! Foi mandado pelo mesmo que te mandou o vestido.

        - Eu! - disse Leonardo com uma surpresa lhana.

        - Vamos! vamos! - disse João - essa história que nos contou, de ter lido na gazeta, é tudo uma comédia, não é verdade, meu caro senhor?

        - O que eu disse é uma pura verdade, senhor visconde.

        - Vamos, confesse - disse a condessa.

        - Minha senhora, aqui está o jornal na minha algibeira, guardei-o para fazer papelotes.

        O cabeleireiro puxou efectivamente por um jornal, que trazia na algibeira, e no qual vinha anunciada a apresentação da condessa.

        - Vamos - disse Chon - não há tempo para perder, são já oito horas.

        - Oh! Temos muito tempo - disse o cabeleireiro; basta uma hora para o caminho.

        - Sim, se tivermos carruagem - disse a condessa.

        - Oh! Com os diabos! É verdade - disse João; - e aquele maroto de Francian que não chega.

        - Bem nos avisaram - disse a condessa; - nem cabeleireiro, nem vestido, nem carruagem!

        - Oh! - disse Chon assustada - pois ele seria capaz também de nos faltar?

        - Não - disse João - não, ele aí vem.

        - É a carruagem? - disse a condessa.

        - Naturalmente ficou à porta. O guarda-portão vai já abrir. Mas o que tem o segeiro?

        Com efeito, quase no mesmo instante, Francian, com os olhos espantados, entrava na sala.

        - Ah! senhor visconde! - exclamou ele - a carruagem da senhora condessa vinha em caminho para cá, e de repente, ao voltar a Rua Traversière, foi mandada parar por quatro homens, que deitaram a terra o meu oficial, que a conduzia, e metendo os cavalos a galope, desapareceram pela Rua Saint-Nicaise.

        - Não o dizia eu?! - exclamou João du Barry sem mesmo se levantar da poltrona em que estava deitado; - não o dizia eu?!

        - Mas isto é um atentado! - bradava Chon. – Agora não te deixes aí ficar, João!

        - Eu? e para que me hei-de levantar?

        - Ora, para ir buscar uma carruagem, aqui não há senão cavalos cansados e carruagens sujas. Joana não pode ir ao paço em semelhantes carroças!

        - Ora adeus! - disse o visconde - aquele que põe um freio ao furor das ondas, que sustenta as aves do campo, que manda um cabeleireiro como aquele senhor e um vestido como esse, não deixará de nos mandar também uma carruagem.

        - Espere - disse Chon - ouço o rodar de uma.

        - E mesmo que pára - acrescentou João.

        - Sim, mas não entra - disse a condessa.

        - Não entra, é verdade - respondeu João.

        Depois, dando um salto para a janela e abrindo-a, bradou:

        - Corre, com a fortuna! corre depressa, quando não será tarde. Alerta! Alerta! Para conhecermos o nosso benfeitor.

        A lacaiada toda correu à porfia, porém já era tarde.

        Uma carruagem forrada de cetim branco, e puxada por dois baios magníficos, estava em frente da porta.

        Mas nem sinal de cocheiro, nem de criados de tábua, um moço de recados unicamente segurava nos freios dos cavalos.

        O moço tinha recebido seis libras do indivíduo que ali trouxera o trem, e que tinha deitado a fugir para o lado do Pátio das Fontes.

        Passou-se a examinar as pinturas das portinholas da carruagem; os brasões tinham sido destramente substituídos por uma rosa.

        Todas estas ocorrências tinham-se passado em menos de uma hora.

        João mandou recolher a carruagem para o pátio, fechou a porta, e levou consigo a chave.

        Em seguida subiu e foi ter ao toucador, onde o cabeleireiro se dispunha a dar à condessa as primeiras provas do seu saber.

        - Senhor! - exclamou ele, agarrando no braço de Leonardo - se não nos diz o nome do nosso génio protector, se não o designa ao nosso reconhecimento eterno, juro-lhe que...

        - Cuidado, senhor visconde! - interrompeu fleumaticamente o mancebo - está-me fazendo a honra de me apertar o braço de maneira tal que vou ficar com a mão dormente, e assim mal poderei toucar a senhora condessa, e já não temos muito tempo, aí estão dando oito horas e meia.

        - Deixa-o, João, deixa-o! - gritou a condessa.

        João deixou-se cair numa cadeira de braços.

        - Que milagre! - disse Chon - Que milagre! a medida do vestido está perfeita... Tem mais uma polegada na frente, é o único defeito, mas dentro em dez minutos estará emendado.

        - E a carruagem que tal é?... é decente? – perguntou a condessa.

        - É de muito bom gosto... já a examinei por dentro - respondeu João; - o forro é de cetim branco, e está perfumada com essência de rosas.

        - Então tudo vai bem! - bradou a senhora du Barry, batendo as palmas com as mãos. - Vamos, Sr. Leonardo, se se desempenhar bem do seu mister, está feita a sua fortuna.

        Leonardo não esperou que lho repetissem; apossou-se da cabeça da senhora du Barry, e logo aos primeiros movimentos do pente, mostrou um talento superior.

        Rapidez, gosto, precisão maravilhosa, conhecimento da combinação do físico com o moral, tudo patenteou no desempenho de tão importantes funções.

        No fim de três quartos de hora, a senhora du Barry saiu das suas mãos muito mais sedutora do que a deusa Afrodite, porque realmente era bela.

        Logo que acabou de dar a última demão àquele edifício esplêndido, depois de se ter afirmado da sua solidez, e de ter lavado as mãos e agradecido humildemente a Chon, a qual, no excesso da sua alegria, o servia como se fora um monarca, quis retirar-se.

        - Ah! Senhor - disse du Barry - saiba que sou tão teimoso nas minhas amizades, como nos meus ódios. Espero, pois, que se resolverá agora a dizer-me quem é.

        - Já o sabe, senhor, sou um mancebo que apenas me estreio e chamo-me Leonardo.

        - Que apenas se estreia! Irra! É um mestre examinado, senhor.

        - Há-de ser o meu cabeleireiro, Sr. Leonardo – disse a condessa vendo-se num espelhinho de mão - e por cada toucado de cerimónia pagar-lhe-ei cinqüenta luíses. Chon, entrega cem luíses ao senhor por este primeiro penteado, dos quais são cinqüenta de gratificação.

        - Bem dizia eu, que a senhora havia de fazer a minha reputação.

        - Mas só me penteará a mim...

        - Nesse caso guarde os cem luíses, minha senhora; disse Leonardo - quero a minha liberdade, a ela devo ter tido a honra de penteá-la hoje. A liberdade é para o homem o primeiro dos bens.

        - Um cabeleireiro filósofo! - exclamou du Barry, levantando as mãos ao céu; - para onde caminhamos nós? Pois bem! meu caro Sr. Leonardo, não quero ficar de mal consigo, tome os seus cem luíses, e fique com o seu segredo e a sua liberdade. A caminho, condessa, venha meter-se na carruagem.

        Estas palavras eram dirigidas à senhora de Béarn, que vinha entrando direita e enfeitada como uma santa num relicário, e que havia sido tirada do seu gabinete no momento em que tinha de servir.

        - Vamos - disse João - levem esta senhora ao colo e devagarinho até ao fim da escada. Se ela der um suspiro, mando-os açoitar.

        Enquanto João vigiava esta delicada e importante manobra, na qual era coadjuvado por Chon na qualidade de lugar-tenente, a senhora du Barry procurava Leonardo com a vista.

        Leonardo tinha desaparecido.

        - Mas por onde se foi ele então? - murmurou a senhora du Barry, que ainda não estava em si de todas as surpresas por que tinha sucessivamente passado.

        - Por onde se foi? Ou pelo chão abaixo ou pelo tecto, é por onde saem os génios.  E agora, condessa, tome sentido no seu toucado, não se torne ele nalguma empada de tordos, o vestido em teia de aranha, e não vamos nós chegar a Versalhes nalguma casca de abóbora puxada por dois ratos!

        Foi enunciando este último receio que o visconde João subiu também para a carruagem, onde já se achavam a Srª. Condessa de Béarn e a sua feliz afilhada.

 

A APRESENTAÇÃO

        Versalhes, assim como tudo quanto é grande, é e será sempre belo.

        Poderá o musgo roer-lhe as pedras derrubadas, poderão os seus deuses de chumbo, de bronze ou de mármore, jazer deslocados em seus tanques sem água, poderão as suas grandes alamedas de árvores recortadas subir esgalhadas até às nuvens, sempre haverá, mesmo nessas ruínas, um espectáculo pomposo e arrebatador para o poeta ou para o ente que meditar, quando, do cimo da grande varanda, olhar para os horizontes eternos, depois de ter visto as grandezas efémeras.

        Mas era principalmente no tempo da sua vida e da sua glória que Versalhes era digno de se ver. Quando as ondas de uma população sem armas, reprimidas por uma outra população de brilhantes soldados, vinham dar de encontro às suas grades douradas; quando as carruagens de veludo, de seda e de cetim, enfeitadas de orgulhosos brasões, rodavam estrepitosamente sobre a calçada a todo o galope de fogosos cavalos; quando todas as janelas, iluminadas como as de um palácio encantado, deixavam ver uma multidão resplandecente de diamantes, de rubis, de safiras, que o gesto de um único homem fazia curvar como o vento curva as espigas de ouro entremeadas de alvas boninas, de purpúreas papoilas e de lóios azulados; então sim, Versalhes era belo, e especialmente quando de todas as suas portas saíam correios para todas as potências, e quando os reis, os príncipes, os senhores, os oficiais e os sábios do mundo civilizado calcavam as suas ricas alcatifas e os seus preciosos mosaicos.

        Mas era sobretudo quando se adornava para uma grande cerimónia, quando as sumptuosidades do reposte e as grandes iluminações redobravam a magia de suas riquezas, que Versalhes podia oferecer aos espíritos mais frios uma idéia de todos os prodígios que podem nascer da imaginação e do poder dos homens.

        A cerimónia da recepção de um embaixador, e para os simples gentis-homens, a cerimónia da apresentação, eram desta natureza.

        Luís XV, criador da etiqueta, que encerrava a cada qual num espaço que não devia transpor, tinha querido que a iniciação aos esplendores da sua vida real incutisse nos eleitos uma tal veneração, que nunca pudessem considerar o palácio do rei senão como um templo, onde lhes era permitido vir adorar o deus coroado num lugar mais ou menos aproximado do altar.

        Assim, pois, Versalhes, já degenerado, é verdade, mas ainda resplandecente, tinha aberto todas as suas portas, acendido todas as suas tocheiras, e descoberto todas as suas magnificências para a apresentação da senhora du Barry. A imensidade de curiosos, povo esfaimado e miserável, mas que não se lembrava, coisa célebre! da sua miséria e da sua fome à vista de tanto esplendor, o povo, dizemos, entulhava a praça de armas e a Avenida de Paris. O palácio parecia deitar fogo por todas as janelas, e as girândolas assemelhavam-se de longe a astros revolvendo-se numa nuvem de ouro.

        O rei saiu dos seus aposentos às dez horas em ponto. Vinha mais enfeitado do que o costume, isto é, as rendas que trazia eram mais ricas, e só as fivelas das ligas e dos sapatos valiam um milhão.

        Sabia pelo senhor de Sartines da conspiração urdida na véspera pelas senhoras invejosas; por isso vinha de parecer carregado, e receando não encontrar senão homens na sala.

        Porém, logo se tranqüilizou, quando avistou na sala da rainha, que era especialmente destinada às apresentações, no meio de uma nuvem de pó em que relampejavam diamantes, primeiro, as três filhas, depois a marechala de Mirepoix, que tanta bulha tinha feito na véspera; finalmente, todas as amotinadoras que tinham jurado ficar em casa, e que ali se achavam na primeira fileira.

        O Sr. Duque de Richelieu corria como um general de uma à outra, e dizia-lhes:

        - Ah! Pérfida, agora a apanhei eu!

        Ou então:

        - Veja se eu não fazia bem em contar com a sua deserção!

        Ou a outra:

        - Que lhe dizia eu a respeito de conspirações?

        - E então o duque? - respondiam as senhoras.

        - Eu, era o representante de minha filha, da condessa de Egmont. Procurem e verão que Septimânia não veio; só ela e as senhoras de Grammont e de Guémenée foram as únicas que sustentaram o que disseram, eis-me pois muito bem arranjado. Amanhã, ou serei exilado pela quinta vez, ou irei pela quarta para a Bastilha. Estou resolvido a nunca mais conspirar.

        El-rei apareceu. Houve um prolongado silêncio, durante o qual se ouviram dar as dez horas. Hora solene! Uma corte numerosa cercava Sua Majestade. Estavam junto de el-rei mais de cinqüenta pessoas que não tinham jurado não comparecer ao acto da apresentação, e que provavelmente por esse motivo, estavam todas presentes.

        O rei notou logo que as senhoras de Grammont, de Guémenée e de Egmont faltavam nessa brilhante e esplêndida assembléia.

        Chegou-se para o senhor de Choiseul, que afectava um profundo sossego, e que, a despeito dos seus esforços, apenas conseguia mostrar uma falsa indiferença.

        - Não vejo aqui a Srª. Duquesa de Grammont – disse Luís XV.

        - Senhor - respondeu o senhor de Choiseul – minha irmã está doente e encarregou-me de apresentar a Vossa Majestade os seus humildes cumprimentos.

        - Sinto muito! - disse el-rei, e voltou as costas ao senhor de Choiseul.

        Voltando-se, achou-se de cara a cara com o príncipe de Guémenée.

        - E a Srª. Princesa de Guémenée - disse ele – onde está? Não veio consigo, príncipe?

        - Não foi possível, senhor, porque está doente; quando fui buscá-la a casa, achei-a de cama.

        - Ah! Sinto, sinto! - disse el-rei. -Ah! Aí vem o marechal. Boa noite, duque.

        - Senhor... - disse o marechal inclinando-se com a flexibilidade de um mancebo.

        - Pois não está doente? - disse el-rei em voz alta bastante para que os senhores de Choiseul e de Guémenée o ouvissem.

        - Senhor - respondeu o duque de Richelieu – sempre que se trate de servir Vossa Majestade em objecto que lhe seja agradável, estou de perfeita saúde.

        - Mas - disse el-rei olhando em torno de si – a sua filha, a senhora de Egmont, por que motivo não está cá?

        O duque, vendo que o escutavam, tomou um ar de profunda tristeza:

        - Ah! senhor, a minha filha é bem infeliz em se ver privada da honra que desejava ter de vir depor aos pés de Vossa Majestade as suas respeitosas homenagens; mas hoje, senhor, está doente, bem doente, senhor!...

        - Sinto muito! - disse el-rei. - Doente, a senhora de Egmont, a melhor saúde que há em França! Sinto muito, sinto muito!

        E el-rei separou-se do senhor de Richelieu como se tinha separado dos senhores de Choiseul e de Guémenée.

        Depois completou o seu giro na sala, cumprimentando todos e principalmente a senhora de Mirepoix, que estava incomodada.

        - Eis o prémio da traição - disse-lhe o marechal ao ouvido; - amanhã há-de ser paga com honras e mercês, enquanto que nós!... Só de pensar no que nos pode suceder, faz-me estremecer.

        E o duque soltou um suspiro.

        - Mas parece-me que o senhor duque também atraiçoou os Choiseul, porque o vejo aqui... Tinha jurado...

        - Jurei por minha filha, marechala, pela minha infeliz Septimânia! Agora, ei-la caída da graça por ter sido muito fiel.

        - A seu pai! - redargüiu a marechala.

        O duque fingiu não ouvir esta resposta, que podia passar por um epigrama.

        - Mas - disse ele - não lhe parece, marechala, que el-rei está inquieto?

        - Pudera! Tem de quê.

        - Como?

        - São dez horas e um quarto.

        - Ah! é verdade, e a condessa não vem. Quer saber uma coisa, marechala?

        - Diga.

        - Tenho um receio.

        - Qual é?

        - Que tenha acontecido alguma desgraça a essa infeliz condessa. A senhora há-de sabê-lo?

        - Eu! Por quê?

        - Porque na conspiração nadava em mar largo.

        - Pois bem, duque - disse a marechala confidencialmente - tenho igual receio.

        - A nossa amiga duquesa é uma poderosa antagonista, que fere e foge como os Partos; ora, ela fugiu. Repare como o senhor de Choiseul está inquieto, apesar da vontade que tem de parecer que está sossegado; olhe! Não pode estar quieto e segue el-rei com os olhos. Vamos a saber, tramaram alguma coisa? Diga-mo.

        - Nada sei, duque, mas sou da sua opinião.

        - O que conseguirão eles com isso?

        - Mais uma demora, caro duque, e bem sabe o adágio: “Quem ganha tempo, ganha alguma coisa”. Amanhã pode sobrevir um acontecimento imprevisto que atrase indefinidamente a apresentação. A delfina chega talvez amanhã a Compienha, em vez de chegar daqui a três ou quatro dias. Talvez queiram ganhar o dia de amanhã.

        - Marechala, quer que lhe diga, esse contozinho parece-me bem uma realidade. Ela não chega, com todos os demónios!

        - E el-rei impacienta-se, repare.

        - É a terceira vez que se aproxima da janela. El-rei padece realmente.

        - Então logo há-de ser ainda pior.

        - Como?

        - Olhe! São dez horas e vinte minutos.

        - Sim.

        - Agora posso dizer-lho.

        - Fale.

        A marechala olhou em torno de si; depois, em voz baixa, disse:

        - Ela não virá.

        - Ah! Santo Deus, marechala! Mas isso vai produzir uma cena horrível!

        - É quanto basta para se instaurar um processo, duque, um processo criminal... capital... porque há-de haver de tudo... sei-o de boa parte, rapto, violência, lesa-majestade mesmo se for preciso. Os Choiseul jogaram as últimas.

        - Mas é uma grande imprudência.

        - Que se lhe há-de fazer? A paixão cega-os.

        - Eis a vantagem de se não apaixonar, e de ver tudo a sangue-frio como nós, marechala; pelo menos, vê-se tudo claro.

        - Olhe, lá se aproxima el-rei outra vez da janela.

        Efectivamente, Luís XV, triste, ansioso, irritado, aproximou-se da janela e encostou-se à vidraça fria, pondo a mão sobre o fecho cinzelado dos postigos.

        Durante esse tempo, ouvia-se sussurrar, como a folhagem antes da tempestade, as conversas dos cortesãos.

        Todas as vistas se dirigiam alternadamente da pêndula para el-rei.

        O relógio deu a meia hora. O seu som puro pareceu morder no aço, e a vibração apagou-se fremente na sala imensa.

        O senhor de Maupeou chegou-se a el-rei e disse-lhe timidamente:

        - Está um tempo lindo, senhor.

        - Óptimo, óptimo. Entende alguma coisa disto, senhor de Maupeou?

        - De quê, senhor?

        - Desta demora. Infeliz condessa!

        - Terá adoecido, senhor - disse o chanceler.

        - Entendo facilmente que as senhoras de Grammont, de Guémenée, de Egmont estejam doentes; mas a condessa, isso é incompreensível!

        - Senhor, uma comoção forte pode fazer adoecer, e a alegria da condessa era tão grande!

        - Ah! acabou-se - disse Luís XV abanando a cabeça - acabou-se; agora já não vem!

        Apesar de el-rei ter pronunciado estas palavras em voz baixa, era tal o silêncio que havia, que foram ouvidas por quase todas as pessoas presentes.

        Mas ainda não teriam podido responder, nem mesmo mentalmente a esse dito de el-rei, quando se ouviu um grande ruído de carruagens.

        Todas as frontes oscilaram, todos os olhares se interrogaram mutuamente.

        El-rei afastou-se da janela e foi colocar-se no centro da sala para melhor ver a galeria em toda a sua extensão.

        - Receio muito que seja alguma má nova que vamos receber - disse a marechala ao ouvido do duque, que dissimulava um sorriso.

        Mas de repente o rosto de el-rei tornou-se alegre, os seus olhos brilharam.

        - A Srª. Condessa du Barry! - bradou o porteiro ao mestre-de-cerimónias. - A Srª. Condessa de Béarn!

        Estes dois nomes fizeram palpitar todos os corações com sensações bem opostas. Um grupo de cortesãos invencivelmente levados pela curiosidade, aproximou-se de el-rei.

        A senhora de Mirepoix ficou casualmente mais próxima de Luís XV.

        - Oh! Como é formosa! - exclamou a marechala de mãos postas como se quisesse estar em adoração.

        El-rei voltou-se e sorriu para a marechala.

        - Não é uma mulher - disse o duque de Richelieu – é uma fada.

        El-rei dirigiu ao velho cortesão o fim do seu sorriso.

        Com efeito, nunca a condessa parecera tão formosa, nunca se lhe vira semelhante suavidade de expressão, nunca comoção melhor representada, olhar mais modesto, corpo mais nobre, andar mais elegante, haviam excitado a admiração na sala da rainha, que era, como já dissemos, a sala das apresentações.

        Formosa a ponto de encantar, rica sem fausto, penteada divinamente, avançava a condessa, levada pela mão da senhora de Béarn, que apesar dos horríveis padecimentos, não coxeava, não pestanejava, mas cuja cor lhe fugia a pouco e pouco, tanto a vida se retirava do seu rosto, tanto cada fibra estremecia nela dolorosamente ao menor movimento da sua perna ferida.

        Todos fixavam a vista nesse grupo estranho.

        A velha, decotada como no tempo da sua mocidade, com o penteado da altura de um pé, os grandes olhos encovados e brilhantes como os de uma coruja, o vestuário magnífico e andar de esqueleto, parecia a imagem do tempo passado, dando a mão ao tempo presente.

        Essa dignidade seca e fria, guiando essa graça decente e voluptuosa, excitou a admiração e contemplação da maior parte das pessoas presentes.

        Pareceu a el-rei, tanto era vivo o contraste, que a senhora de Béarn lhe trazia a sua amante mais moça, mais fresca, mais alegre que nunca a havia visto, e no momento em que, segundo a etiqueta, a condessa dobrava o joelho para beijar a mão a el-rei, Luís XV agarrou-a pelo braço, e fê-la erguer com uma palavra que foi a recompensa de tudo quanto desde quinze dias padecia.

        - Aos meus pés, condessa! - disse el-rei; - está zombando!... Eu sou quem deveria, e sobretudo quem quereria estar aos seus.

        Depois el-rei abriu os braços, como era uso, mas em lugar de fingir que abraçava, desta vez abraçou realmente, manifestando vivos sinais de alegria.

        - Tem uma bem formosa afilhada, minha senhora - disse ele à senhora de Béarn; - mas também em compensação tem ela uma madrinha bem nobre, e que tenho grande prazer em ver novamente no paço.

        A velha agradeceu fazendo uma mesura.

        - Vá cumprimentar as minhas filhas, condessa – disse el-rei em voz baixa à senhora du Barry - e mostre-lhes que sabe fazer as mesuras. Espero que não ficará descontente com as que elas lhe fizerem.

        As duas senhoras continuaram a andar no meio de um grande espaço vazio, que em torno delas se formava à medida que avançavam, mas que os olhos cintilantes pareciam encher de chamas ardentes.

        As três filhas de el-rei, vendo a senhora du Barry dirigir-se para elas, levantaram-se como se estivessem seguras por molas, e esperaram.

        Luís XV velava. Com os olhos fitos nas filhas, recomendava-lhes a mais favorável civilidade.

        Suas Altezas, um pouco comovidas, pagaram a mesura à senhora du Barry, a qual se inclinou muito mais do que o ordenava a etiqueta, o que acharam de muito bom gosto, e de tal forma comoveu isto as princesas, que abraçaram a condessa como el-rei o havia feito, e com uma civilidade de que el-rei pareceu ficar encantado.

        Desde então começou a apresentação da condessa a ser para ela um triunfo, e os mais vagarosos ou menos hábeis cortesãos tiveram que esperar mais de uma hora antes de poderem dirigir as suas cortesias à rainha da festa.

        Esta, sem cólera, sem orgulho, sem recriminação, acolheu todos os cumprimentos e pareceu esquecer todas as traições. Nada havia de falso nessa magnânima benevolência; o seu coração transbordava de alegria e não tinha já lugar para um sentimento de ódio.

        O senhor de Richelieu não era em vão o vencedor de Mahon; sabia manobrar. Enquanto os cortesãos vulgares, durante as cortesias, se conservavam em seus lugares e esperavam o resultado da apresentação para incensarem ou denegrirem o ídolo, havia o marechal ido tomar posição por detrás da cadeira em que estava a condessa, e, semelhante ao guia de cavalaria que numa planície vai colocar-se a cem toezas de distância para esperar e servir de ponto a uma fila, no seu ponto de conversão, o duque esperava a senhora du Barry, e devia naturalmente achar-se perto dela. A senhora de Mirepoix, da sua parte, conhecendo a fortuna que sempre acompanhara o duque na guerra, havia imitado esta manobra, e insensivelmente havia aproximado da condessa a cadeira em que estava sentada.

        As conversas estabeleceram-se em cada grupo, e a senhora du Barry foi minuciosamente examinada.

        A condessa, animada pelo amor de el-rei, pelo gracioso acolhimento das princesas e pelo apoio da sua madrinha, olhava com menos timidez para os homens que cercavam el-rei, e certa da sua posição procurava as suas inimigas entre as mulheres.

        Um corpo opaco interrompeu a perspectiva.

        - Ah! senhor duque - disse ela - foi preciso vir aqui para o encontrar.

        - Por que, minha senhora? - perguntou o duque.

        - Sim, porque há-de haver oito dias que não o vejo, nem em Versalhes, nem em Paris, nem mesmo em Luciennes.

        - Preparava-me para o prazer de a encontrar aqui esta noite - redargüiu o velho cortesão.

        - Previu isto, talvez?

        - Tinha a certeza de a ver aqui.

        - Ora veja! Realmente, andou muito mal, duque; saber isto e não me ter prevenido, a mim, que sou sua afeiçoada e que nada sabia.

        - Como, minha senhora! Pois não sabia que havia de vir aqui?

        - Não. Estava pouco mais ou menos como Esopo, quando um magistrado o deteve na rua e lhe perguntou: “Para onde vais? - Não sei, respondeu o fabulista. - Ah! sim? Pois vou mandar-te para a cadeia. - Bem vê, portanto, que eu não sabia para onde ia, respondeu Esopo”. Eu estava no mesmo caso, duque, podia ter a esperança de vir a Versalhes, mas não tinha bastante certeza para o dizer. Eis o motivo por que me teria feito um serviço indo-me visitar... Mas... Agora irá... Não é assim?

        - Minha senhora - disse Richelieu, sem parecer notar a zombaria - não sei por que motivo não tinha a certeza de vir aqui?

        - Vou dizer-lho: é porque armaram laços à roda de mim.

        E olhou para o rosto do duque, que imperturbavelmente sustentou esse olhar.

        - Laços! Ah! Santo Deus! O que me diz, condessa?

        - Em primeiro lugar, furtaram-me o meu cabeleireiro.

        - Oh! Oh! O seu cabeleireiro.

        - É certo.

        - Por que mo não mandou dizer? Ter-lhe-ia mandado um; - mas falemos baixo - ter-lhe-ia mandado uma pérola, um tesouro, que a senhora de Egmont descobriu, um artista muito superior a todos os cabeleireiros conhecidos, a todos os cabeleireiros reais, o meu pequeno Leonardo.

        - Leonardo! - exclamou a senhora du Barry.

        - Sim, um rapaz que penteia Septimânia, e que ela esconde de todos, como Harpagão esconde a sua caixa. Todavia, não tem de que se queixar, condessa, está maravilhosamente bem penteada e formosa como um anjo; e, coisa singular, esse enfeite que traz na cabeça parece-se muito com um desenho que a senhora de Egmont pediu ontem a Boucher, e de que tencionava servir-se para si mesma se não tivesse adoecido. Infeliz Septimânia!

        A condessa estremeceu e olhou mais atentamente para o duque; mas este permanecia risonho e impenetrável.

        - Mas perdão, condessa, interrompi-a... Falava em laços que lhe haviam armado?...

        - Sim, depois de me terem furtado o meu cabeleireiro, roubaram-me também o meu vestido, um vestido magnífico.

        - Oh! isso é odioso; mas afinal pôde bem dispensar o que lhe roubaram, porque a vejo vestida com uma fazenda milagrosa... É de seda de Macau, não é verdade, com flores recortadas em cima? Pois, se na sua aflição se tivesse dirigido a mim, como para o futuro o deve fazer, ter-lhe-ia enviado o vestido que a minha filha mandou fazer para a sua apresentação, e que era tão semelhante a este que juraria ser o mesmo.

        A senhora du Barry pegou nas duas mãos do duque, porque começava a conhecer quem era o feiticeiro que lhe havia acudido a tempo.

        - Sabe em que carruagem vim, duque? – perguntou ela.

        - Não; provavelmente na sua.

        - Duque, haviam-me roubado a minha carruagem, como o meu vestido e o meu cabeleireiro.

        - Mas foi um ataque geral? Então em que carruagem veio?

        - Diga-me em primeiro lugar como é a carruagem da senhora de Egmont.

        - Parece-me que prevendo a cerimónia de hoje, tinha mandado fazer uma carruagem forrada de cetim branco. Mas não tiveram tempo de lhe pintar em cima os seus brasões.

        - Sim, e uma rosa pinta-se muito mais depressa que um brasão. Os Richelieu e os de Egmont têm uns brasões muito complicados. O duque é realmente um homem adorável!

        E a condessa estendeu-lhe as mãos ambas, que o velho cortesão levou à boca.

        De repente, no meio dos beijos com que as cobria, sentiu o duque estremecer as mãos da senhora du Barry.

        - O que é? - perguntou Richelieu olhando em torno de si.

        - Duque... - disse a condessa com um olhar espantado.

        - O que é?

        - Quem é aquele homem, que está acolá, ao pé do senhor de Guémenée?

        - Com uma farda de oficial prussiano?

        - Sim.

        - Aquele homem trigueiro, de cabelo preto, de rosto expressivo, condessa? É algum oficial superior que Sua Majestade El-Rei da Prússia manda aqui certamente para assistir à sua apresentação.

        - Não zombe, senhor duque; aquele homem já esteve em França há três ou quatro anos; aquele homem que eu não tenho podido encontrar, que por toda a parte procurei, conheço-o.

        - Engana-se, condessa; é o conde de Fénix, um estrangeiro aqui chegado ontem ou anteontem.

        - Repare, duque, como ele olha para mim!

        - Todos olham para si, minha senhora, é tão formosa!

        - Lá me corteja ele, olhe, olhe!

        - Todos aqueles que ainda não a cortejaram, hão-de cortejá-la, condessa.

        Mas a condessa, entregue a uma extraordinária comoção, não ouvia as finezas do duque, e com os olhos fitos no homem que cativara a sua atenção, deixou, como contra vontade, o seu interlocutor para dar alguns passos para o desconhecido.

        El-rei, que a não largava de vista, notou esse movimento, e julgou que a condessa reclamava a sua presença, e como já havia cumprido a etiqueta, conservando-se bastante tempo afastado dela, aproximou-se para lhe dar os parabéns.

        Mas era muito forte a preocupação que se apoderara da condessa para que o seu espírito pudesse atender a outro objecto.

        - Senhor - disse ela - quem é aquele oficial prussiano que está de costas voltadas para o senhor de Guémenée?

        - Que está olhando para nós? - perguntou Luís XV.

        - Sim - respondeu a condessa.

        - Aquele rosto enérgico, aquela bela cabeça, metidos numa gola de ouro?

        - Sim, sim, exactamente.

        - É um enviado do meu primo da Prússia...  algum filósofo assim como ele. Mandei-o aqui vir esta noite. Quis que a filosofia prussiana consagrasse o triunfo de Cotilhão III com a presença de um embaixador.

        - Mas como se chama ele, senhor?

        - Espere, deixe ver se me lembra; ah! é isso, é o conde de Fénix.

        - É ele! - murmurou a senhora du Barry - é ele, tenho a certeza disso!

        El-rei esperou ainda alguns segundos para dar tempo à senhora du Barry de lhe fazer novas perguntas; mas vendo que ficava calada, disse em voz alta:

        - Minhas senhoras, amanhã chega a senhora delfina a Compienha. Sua Alteza Real há-de ser recebida ao meio-dia em ponto: todas as senhoras apresentadas devem ir à recepção, menos as que estão doentes, porque a jornada é comprida, e a senhora delfina não quererá certamente agravar-lhes o mal.

        El-rei pronunciou estas palavras, olhando severamente para os senhores de Choiseul, de Guémenée e de Richelieu.

        Seguiu-se em torno de el-rei um silêncio aterrador.

        O sentido das palavras reais tinha sido bem traduzido: era o desvalimento.

        - Senhor - disse a condessa du Barry, que ficara ao lado de el-rei - peço perdão para a Srª. Condessa de Egmont.

        - Por quê?

        - Porque é filha do Sr. Duque de Richelieu, e o Sr. Duque de Richelieu é o meu mais fiel amigo.

        - Richelieu?

        - Tenho a certeza do que digo, senhor.

        - Faça o que quiser, condessa - disse el-rei.

        E aproximando-se do marechal, que nem um só movimento dos lábios da condessa havia perdido, e que, se não tinha ouvido, pelo menos tinha adivinhado o que ela acabava de dizer, disse-lhe:

        - Espero, meu caro duque, que a senhora de Egmont estará restabelecida para amanhã.

        - Certamente, senhor, e mesmo para esta noite, se Vossa Majestade o desejar.

        E Richelieu cortejou el-rei de modo que conhecesse que era um testemunho de respeito e agradecimento.

        El-rei aproximou-se mais da condessa e falou-lhe ao ouvido.

        - Senhor - respondeu ela fazendo uma agradável mesura - sou a sua mais humilde e obediente súbdita.

        El-rei saudou todos com a mão, e retirou-se.

        Apenas havia passado o limiar da porta, os olhos da condessa dirigiram-se mais aterrados que nunca para aquele homem tão singular, que tanto a preocupava.

        Este homem, como todos os mais, inclinou-se quando el-rei passou; mas, ainda assim, nesse acto de humildade conservava na sua fronte uma singular expressão de ameaça. Depois, apenas Luís XV havia desaparecido, abrindo caminho entre os grupos, veio parar a dois passos de distância da condessa du Barry.

        A condessa, atraída por uma invencível curiosidade, deu um passo, de modo que o desconhecido, inclinando-se, pôde dizer-lhe em voz baixa:

        - Lembra-se de mim, minha senhora?

        - Sim, senhor, lembro-me perfeitamente, é o profeta da Praça de Luís XV.

        Então o desconhecido dirigiu para ela o seu olhar límpido e firme.

        - Então, menti eu, minha senhora, quando lhe profetizei que seria rainha de França?

        - Não, senhor; a sua profecia está cumprida, ou pelo menos quase cumprida. Diga agora o que deseja.

        - O lugar não é próprio, minha senhora, e demais o tempo de lhe fazer o meu pedido ainda não chegou.

        - Em qualquer tempo que quiser, achar-me-á pronta sempre para desempenhar a minha promessa.

        - Poderei em todo o tempo, em qualquer lugar e a toda a hora chegar-me a si, minha senhora?

        - Sim.

        - Agradecido.

        - Mas quando me quiser procurar, apresentar-se-á como conde de Fénix?

        - Não, há-de ser com o nome de José Bálsamo.

        - José Bálsamo... - repetiu a condessa, enquanto o homem misterioso desaparecia entre os grupos. – José Bálsamo! Está bom! Não me esquecerei.

 

COMPIENHA

        No dia seguinte, ergueu-se Compienha embriagada e delirante, ou para melhor dizer, em Compienha ninguém dormiu.

        Desde a véspera, a vanguarda da casa do rei havia disposto e arranjado os seus quartéis na cidade, e enquanto os oficiais tomavam conhecimento dos lugares em que estavam, aqueles a quem isso pertencia preparavam a cidade para a grande honra que ia receber.

        Arcos de triunfo feitos com louro, jardins artificiais, inscrições latinas, francesas e alemãs, versos e prosa, tudo isso levava tempo a combinar.

        Raparigas vestidas de branco, segundo o costume imemorial, homens vestidos de preto, religiosos com os hábitos cinzentos, o clero com as suas mais ricas alfaias, os soldados e oficiais da guarnição com os seus uniformes novos, todos foram colocados em seus postos esperando o sinal da chegada da princesa.

        O delfim, que na véspera tinha partido, havia chegado incógnito pelas onze horas da noite com seus irmãos.

        De manhã cedo montou a cavalo, sem outra distinção que não fosse a de um simples particular, e, seguido pelo Sr. Conde de Provença e pelo Sr. Conde de Artois, o primeiro de quinze, e o segundo de treze anos de idade, começou a galopar na direcção de Ribecourt, seguindo a estrada pela qual a senhora delfina devia vir.

        Não era ao jovem príncipe, deve dizer-se, que tinha ocorrido a idéia de ir assim ao encontro da noiva; era uma lembrança do seu preceptor, o Sr. Lavauguyon, que, chamado na véspera por el-rei, tinha recebido instruções a tal respeito.

        O senhor de Lavauguyon tinha pois julgado conveniente, para sustentar sem quebra a honra da monarquia, que o duque de Berry seguisse o exemplo tradicional dos reis seus ascendentes, Henrique IV, Luís XIII, Luís XIV e Luís XV, os quais tinham querido analisar por seus próprios olhos, e sem a ilusão dos adornos, as suas futuras esposas menos preparadas em trajos de jornada a sofrer o exame de um marido.

        Montados em cavalos de corridas, andaram três ou quatro léguas em meia hora. O delfim tinha saído sério e seus irmãos risonhos. Às oito e meia já tinham voltado. O delfim vinha sério como tinha ido, o senhor de Provença quase triste, só o Sr. Conde de Artois vinha mais alegre do que pela manhã.

        Esta inquietação do Sr. Duque de Berry, a inveja do Sr. Conde de Provença, a alegria do Sr. Conde de Artois, tinham uma única e mesma causa: a formosura da delfina.

        O carácter circunspecto, invejoso e desleixado dos três príncipes, lia-se claramente no rosto de cada um deles.

        Davam dez horas no relógio da municipalidade de Compienha, quando o vigia viu içar no campanário da aldeia de Claives a bandeira branca que anunciava estar a delfina à vista.

        Tocou logo o sino de advertência, e a este sinal respondeu um tiro de artilharia da praça do castelo.

        No mesmo instante, e como se unicamente esperasse este aviso, o rei saiu de Compienha numa carruagem a oito cavalos, cercado pelos militares de sua casa em duas fileiras, e seguido pela imensa multidão das carruagens da corte.

        Os gendarmes e os dragões abriram caminho a galope por entre as turbas que manifestavam ao mesmo tempo o desejo de ver o rei e o de ir ao encontro da delfina; o esplendor atraía-os a um lado, e o interesse a outro.

        Cem carruagens a quatro cavalos cada uma, e que tomavam quase o espaço de uma légua, conduziam quatrocentas senhoras e outros tantos homens pertencentes à mais alta nobreza de França. Estas cem carruagens iam escoltadas por moços de estribeira, lacaios, andarilhos e pajens. Os gentis-homens da casa do rei iam a cavalo e formavam um brilhante exército que resplandecia no meio do pó levantado pelas patas dos cavalos, como uma onda de veludo, de ouro, de plumas e de sedas.

        Pararam por alguns minutos em Compienha, e logo saiu tudo da cidade a passo, para ir até ao lugar convencionado, que era uma cruz colocada na estrada, na altura da aldeia de Magny.

        Toda a mocidade de França acompanhava o delfim, todos os fidalgos velhos estavam com o rei.

        A delfina, que não tinha mudado de carruagem, veio adiantando-se a passos contados até aos limites marcados.

        Os dois ranchos encontraram-se finalmente.

        Logo se despejaram as carruagens todas. De ambos os lados se apeou o tropel dos cortesãos; duas únicas carruagens ainda estavam ocupadas: uma era a do rei, a outra a da delfina.

        Abriu-se a portinhola da carruagem da delfina, e a jovem arquiduquesa saltou ligeiramente para fora.

        A princesa caminhou logo para a portinhola da carruagem real.

        Luís XV, logo que avistou sua nora, mandou abrir a portinhola da carruagem, e apeou-se apressadamente.

        A senhora delfina tinha calculado tão habilmente a distância, que no mesmo instante em que o rei punha o pé no chão, ajoelhou ante ele.

        O rei abaixou-se, levantou a princesa e abraçou-a com ternura, mas não sem lhe lançar um olhar, que sem ela querer, lhe fez subir a cor ao rosto.

        - Eis o senhor delfim! - disse el-rei mostrando a Maria Antonieta o duque de Berry, que estava por detrás dela, e que ainda não tinha visto, pelo menos oficialmente.

        A delfina fez uma mesura graciosa que o delfim retribuiu corando também.

        Depois do delfim seguiram-se seus dois irmãos, depois destes as três filhas do rei.

        A senhora delfina disse uma palavra obsequiadora a cada um dos dois príncipes, assim como a cada uma das três princesas.

        À medida que iam tendo lugar estas apresentações, a senhora du Barry, colocada por detrás das princesas, esperava com a maior ansiedade. Tratar-se-ia dela, ou seria esquecida?

        Depois da apresentação da senhora Sofia, última das filhas de el-rei, houve um silêncio de instantes, durante o qual todas as respirações permaneceram arquejantes.

        El-rei parecia hesitar, e a delfina parecia esperar algum novo incidente, de que porventura já tinha sido prevenida.

        O rei olhou em torno de si, e vendo a condessa a seu alcance, tomou-lhe a mão.

        Todos se apartaram imediatamente. El-rei e a delfina ficaram no centro de um círculo.

        - A Srª. Condessa du Barry - disse ele - a minha melhor amiga.

        A delfina empalideceu, porém o mais amável sorriso assomou logo a seus olhos descorados.

        - Vossa Majestade é muito feliz - respondeu ela em ter uma amiga tão encantadora, e já não me admira a afeição que ela é capaz de inspirar.

        Todos os circunstantes olharam uns para os outros com espanto que chegava à estupefacção. Era evidente que a delfina seguia as instruções que recebera na corte de Áustria, e repetia, provavelmente, as próprias palavras que lhe ditara Maria Teresa.

        O senhor de Choiseul, vendo isto, pensou que era necessária a sua presença. Adiantou-se pois para ser também apresentado, mas el-rei fez um sinal com a cabeça, e logo rufaram os tambores, tocaram as trombetas, e troou a artilharia.

        El-rei pegou na mão da jovem princesa para a conduzir à sua carruagem. Ela passou por esta forma pela frente do senhor de Choiseul.

        É impossível dizer se ela o viu ou não, o que é certo é que nem com a mão nem com a cabeça fez aceno algum que se assemelhasse a uma cortesia.

        No momento em que a princesa entrava na carruagem de el-rei, ouviu-se acima de toda esta bulha solene o repique dos sinos da cidade.

        A senhora du Barry voltou radiante de alegria para a sua carruagem.

        Houve uma demora de uns dez minutos enquanto el-rei subiu para a sua carruagem, e mandou voltar para Compienha.

        Durante este tempo, todas as vozes, até ali comprimidas pelo respeito ou pela comoção, romperam num burburinho geral.

        Du Barry aproximou-se da portinhola da carruagem pertencente à irmã; esta recebeu-o com cara risonha, porque esperava que ele lhe desse os parabéns.

        - Sabes, Joana - lhe disse ele apontando para um cavaleiro que estava conversando com alguém que vinha numa das carruagens da comitiva da senhora delfina - sabes quem é aquele mancebo?

        - Não - disse a condessa - mas não queres saber o que respondeu a delfina, quando el-rei me apresentou?

        - Não é disso que se trata agora. Aquele mancebo é o Sr. Filipe de Taverney.

        - O que te deu a estocada?

        - Exactamente. E queres saber quem é aquela linda pessoa com quem está conversando?

        - Aquela menina tão pálida e tão majestosa?

        - Sim, para quem el-rei está agora mesmo olhando, e de quem, provavelmente, está perguntando o nome à senhora delfina.

        - Então quem é?

        - É a irmã dele.

        - Ah! - exclamou a senhora du Barry.

        - Olha, Joana! Parece-me, não sei por que, que deves acautelar-te tanto da irmã como eu do irmão.

        - Estás doido.

        - Não estou doido, sou prudente. Em todo o caso, hei-de vigiar o rapazinho.

        - E eu já não perco de vista a rapariguinha.

        - Caluda! - disse João - aí vem o nosso amigo, o duque de Richelieu.

        E na verdade o duque aproximava-se, abanando a cabeça.

        - Que tem, meu caro duque? - perguntou a condessa com o sorriso mais encantador - dir-se-ia que não está satisfeito.

        - Condessa - respondeu o duque - não lhe parece que estamos todos muito sérios, ou para melhor dizer muito tristes, por ocasião de um acontecimento tão alegre como este devia ser? Lembra-me termos ido, outrora, ao encontro de uma princesa amável como esta, formosa como esta; era a mãe do senhor delfim, e íamos todos mais alegres. Seria por sermos mais moços?

        - Não, meu querido marechal - disse uma voz por detrás do duque - era porque a realeza não estava tão velha.

        Todos os que ouviram aquela palavra sentiram uma espécie de arrepio. O duque voltou-se e viu um fidalgo velho de elegante porte, que lhe punha a mão sobre o ombro, acompanhando este gesto com um riso misantrópico.

        - Assim Deus me condene! - gritou o duque - é o barão de Taverney; - e virando-se para a condessa continuou: - um dos meus amigos mais antigos, o barão de Taverney Casa Vermelha, para o qual desde já peço toda a sua benevolência.

        - É o pai! - disseram ao mesmo tempo João e a condessa ao curvarem-se para cumprimentar.

        - A caminho, senhores, a caminho! - bradou neste momento o major da casa real, comandante da escolta.

        Os dois fidalgos velhos fizeram uma cortesia à condessa e ao visconde, e dirigiram-se ambos para a mesma carruagem, felizes por se encontrarem depois de tão prolongada ausência.

        - Sabes que mais! - disse o visconde - se queres que te fale a verdade, minha rica, não me agrada mais o pai que os filhos.

        - Que grande desgraça que é - disse a condessa ter fugido aquele ursinho do Gilberto, porque nos teria dado informações acerca de toda esta família, visto ter ele sido criado com ela.

        - Ora adeus! - disse João; - não nos custará muito tornar a achá-lo, agora que não temos outra coisa de que tratar.

        O movimento das carruagens pôs termo à conversa.

        No dia seguinte, depois de terem pernoitado em Compienha, as duas cortes, que eram o ocaso de um século e a aurora de outro, caminhavam confundidas para Paris, essa voragem devoradora que um dia havia de engoli-las a ambas.

 

A PROTECTORA E O PROTEGIDO

        Já é tempo de tratarmos de Gilberto, de quem apenas sabemos a fuga por uma exclamação imprudente da Srª. Chon, sua protectora.

        A admiração do nosso filósofo pela sua protectora tinha esfriado consideravelmente, desde que lhe tinha sabido o nome, na aldeia de Chaussée, por ocasião dos preliminares do duelo entre Filipe de Taverney e o visconde du Barry.

        Freqüentes vezes, em Taverney, quando escondido no meio de um bosque, ou por detrás de uma latada, ele espreitava avidamente Andreia passeando com seu pai, freqüentes vezes, dizemos, tinha ele ouvido o barão explicar-se categoricamente acerca da senhora du Barry.

        O ódio interesseiro do velho de Taverney, de quem já sabemos os vícios e os princípios, tinha encontrado certa simpatia no coração de Gilberto. Provinha isto de não contradizer à Srª. Andreia, por forma alguma, o mal que o barão dizia da senhora du Barry, porque, forçoso é dizê-lo, o nome da senhora du Barry era muito desprezado em França. Finalmente, o que tinha atraído Gilberto completamente ao partido do barão, era ter ouvido, de uma vez, Nicola exclamar: “Ah! se eu fosse a senhora du Barry”

        Durante todo o tempo da jornada, Chon esteve muito entretida, e com coisas muito sérias, para poder dar atenção à mudança que no espírito de Gilberto havia produzido o conhecimento dos seus companheiros de viagem. Chegou portanto a Versalhes pensando unicamente no melhor modo de tornar a favor do visconde o resultado da ferida que recebera de Filipe.

        Quanto a Gilberto, apenas entrado na capital, se não da França, pelo menos da monarquia francesa, esqueceu todo o mau pensamento para exclusivamente se entregar a uma franca admiração. Em Versalhes, majestosa e fria, com as suas grandes árvores, a maior parte das quais começavam a secar e a morrer de velhas, deu entrada Gilberto com esse sentimento de religiosa tristeza de que se não pode livrar nenhum espírito bem organizado na presença das grandes obras levantadas pela perseverança humana, ou criadas pelo poder da natureza.

        Resultou desta impressão suscitada em Gilberto, contra a qual se erguia em vão o seu orgulho inato, que durante os primeiros instantes, a surpresa e a admiração o haviam tornado dócil e silencioso. Esmagava-o o sentimento da sua miséria e da sua inferioridade. Achava-se bem pobremente vestido para estar ao lado desses senhores enfeitados de ouro e cordões, bem pequeno ao pé dos soldados da guarda, bem pouco seguro, quando, com os seus grosseiros sapatos, teve que pisar os sobrados de mosaico e os mármores polidos das galerias.

        Então sentiu que para fazer de si alguma coisa lhe era indispensável o socorro da sua protectora. Aproximou-se dela para que os guardas vissem bem que ele vinha na sua companhia. Mas foi por essa mesma necessidade que tivera de Chon, que, com a reflexão que depois lhe veio ele não lhe pôde perdoar.

        Sabemos já que a senhora du Barry habitava em Versalhes um belo quarto, outrora pertencente à senhora Adelaide. O ouro, o mármore, os perfumes, os tapetes, as rendas, embriagaram ao princípio Gilberto, natureza sensual por instinto, espírito filosófico por vontade, e foi só depois de lá estar por muito tempo que, embriagado primeiro pela reflexão de tantas maravilhas que haviam deslumbrado a sua inteligência, percebeu finalmente que estava numa pequena mansarda forrada de sarja, que lhe tinham trazido um caldo, o resto de um assado e um copo com uma pouca de nata, e que o lacaio servindo-o, lhe havia dito num tom de amo:

        - Fique aqui!

        Retirou-se depois.                                                                          

        Entretanto, uma última parte do quadro – verdade seja que era o mais belo - prendia ainda Gilberto. Haviam-no mandado para as águas-furtadas, como já dissemos, mas da janela da mansarda via os jardins matizados, as águas cobertas com essa camada verde que nascia do abandono em que estavam, e além os cumes das árvores, murmurando como as ondas do oceano, as planícies verdes e os horizontes azuis das montanhas vizinhas. A única coisa em que pensou Gilberto naquele momento, foi que, sem ser cortesão nem lacaio, sem recomendação alguma de nascimento e sem baixeza de carácter, estava hospedado em Versalhes, no palácio do rei, como se fosse um dos primeiros nobres de França.

        Então Gilberto reparava as suas forças, comendo o que lhe haviam trazido, grande festim, se o comparasse com os que costumava ter, mas cuja sobremesa era olhar pela janela da mansarda. Chon chegava, como decerto nos lembramos todos, ao gabinete de sua irmã, dizendo-lhe ao ouvido que estava cumprida a sua incumbência para a senhora de Béarn, e dava-lhe parte em voz alta do sucedido a seu irmão na estalagem de Chaussée, acontecimento que, apesar da bulha que ao princípio causara, vimos perder-se e morrer no abismo em que se deviam perder tantas outras coisas muito mais importantes, tais como a indiferença de el-rei.

        Gilberto estava entregue a uma dessas meditações, que lhe eram familiares em presença das coisas que passavam a medida da sua inteligência ou da sua vontade, quando vieram participar-lhe que Chon o convidava a descer. Pegou no seu chapéu, escovou-o, comparou disfarçadamente o seu fato usado com o fato rico do lacaio, e, dizendo consigo mesmo que o fato deste último era uma libré, não deixou por isso de descer corando de vergonha, por se achar tão-pouco em harmonia com os homens por quem passava e com as coisas que via.

        Chon descia para o pátio ao mesmo tempo que Gilberto, com a diferença que ela descia pela grande escada e ele por uma espécie de escada de mão. Uma carruagem esperava. Era um faetonte de dois assentos, quase semelhante a essa célebre carruagem histórica em que o grande rei, a senhora de Montespan, a senhora de Fontanges e muitas vezes a rainha, passeavam todos juntos.

        Chon meteu-se dentro e sentou-se no primeiro banco; levava consigo uma caixa grande e um cão pequeno. Os outros dois lugares eram destinados para Gilberto e para uma espécie de mordomo chamado Grange.

        Gilberto deu-se pressa em colocar-se por detrás de Chon para manter-se no seu lugar. O mordomo, sem fazer dificuldades, sem mesmo pensar em tal, sentou-se por sua vez por detrás da caixa e do cão.

        Como a Srª. Chon, semelhante pelo espírito e pelo coração a tudo quanto habitava Versalhes, se sentia alegre por sair do grande palácio e respirar o ar dos bosques e dos prados, tornou-se comunicativa; apenas saiu da povoação, voltou-se um pouco para Gilberto:

        - Então! - disse ela - como acha Versalhes, senhor filósofo?

        - Muito belo, minha senhora, mas já o deixamos?

        - Sim, desta vez vamos para nossa casa.

        - Quer dizer para sua casa, minha senhora – disse Gilberto no tom de um urso que se humanizava.

        - É o que eu queria dizer. Mostrá-lo-ei a minha irmã; faça por lhe agradar, é dela que actualmente dependem os mais nobres senhores da França. A propósito, Sr. Grange, mandará fazer um fato completo a este rapaz.

        Gilberto fez-se vermelho.

        - Que fato há-de ser, minha senhora? a libré pequena? - perguntou o mordomo.

        Gilberto deu um salto sobre o banco como se estivesse sentado sobre brasas.

        - A libré! - exclamou ele, deitando sobre o mordomo um olhar feroz.

        Chon riu.

        - Não, mandará fazer... eu lho direi depois; tenho uma idéia, que quero comunicar a minha irmã. Velará unicamente em que o tal fato esteja pronto ao mesmo tempo que o de Zamora.

        - Sim, minha senhora.

        - Conhece Zamora? - perguntou Chon a Gilberto, a quem todo este diálogo causava admiração.

        - Não, minha senhora - respondeu ele; - não tenho essa honra.

        - É um companheirozinho que há-de ter, e que vai ser governador do palácio de Luciennes. Trate de lhe ganhar a amizade, porque afinal Zamora é uma boa criatura, apesar da sua cor.

        Gilberto teve desejos de perguntar qual era a cor de Zamora, mas lembrou-se da prática que lhe fizera Chon a propósito de curiosidades, e receando uma segunda admoestação, conteve-se.

        - Eu farei a diligência - respondeu ele com um sorriso cheio de dignidade.

        Chegaram a Luciennes. O filósofo tinha visto tudo: a entrada com as árvores ultimamente plantadas, os seus sombrios outeiros, o grande aqueduto que parece uma obra dos Romanos, os castanheiros com as suas belas folhas, e finalmente, esse magnífico ponto de vista de planícies e bosques que acompanham as duas margens do Sena na direcção de Maisons.

        - É aqui - disse consigo Gilberto - esse palácio que tanto dinheiro custou à França, segundo diz o Sr. Barão de Taverney!

        Alguns cães alegres e alguns criados que correram para cumprimentar Chon, interromperam Gilberto no meio das suas reflexões aristocrático-filosóficas.

        - Minha irmã chegou? - perguntou Chon.

        - Ainda não, minha senhora, mas estão à espera dela.

        - Quem?

        - O senhor chanceler, o senhor chefe da polícia e o Sr. Duque de Aiguillon.

        - Bem! vai depressa abrir o gabinete chinês, e quero ser a primeira a falar com minha irmã; dir-lhe-ás que estou ali, ouviste? Ah! Sílvia - prosseguiu Chon dirigindo-se a uma espécie de aia que acabava de pegar na caixa e no cãozinho - dá a caixa e Misapouf ao Sr. Grange e leva o meu pequeno filósofo para junto de Zamora.

        Sílvia olhou em torno de si, procurando certamente a espécie de animal de que Chon queria falar, e os seus olhos e os da sua ama, tendo-se fixado ao mesmo tempo sobre Gilberto, Chon fez sinal que era daquele rapaz que se tratava.

        - Venha - disse-lhe Sílvia.

        Gilberto, cada vez mais admirado, seguiu a aia, enquanto que Chon, ligeira como um pássaro, desaparecia por uma das portas laterais do palácio.

        Se não fosse o tom imperativo com o qual Chon lhe falou, Gilberto teria tomado Sílvia por uma grande fidalga da corte, mas nunca por uma criada. E efectivamente, pelo vestuário, parecia-se muito mais com Andreia do que com a criada Nicola. Sílvia levou Gilberto pela mão, dirigindo-lhe ao mesmo tempo um agradável sorriso, porque as palavras de Chon a respeito de Gilberto indicavam, senão afeição, pelo menos fantasia.

        Sílvia era uma bela rapariga, alta, olhos de um azul escuro, tez branca, com leves manchas de sardas, magníficos cabelos de um louro carregado. A boca delicada e fina, os dentes brancos, os braços gordos e bem feitos, produziram em Gilberto uma dessas impressões sensuais, às quais era tão acessível, e que lhe fizeram lembrar, por um doce estremecimento, essa lua-de-mel de que Nicola lhe falara algumas vezes.

        As mulheres dão logo por estas coisas; Sílvia conheceu-o e disse-lhe sorrindo-se:

        - Como se chama, senhor?

        - Gilberto, menina - respondeu o nosso mancebo com uma voz suave.

        - Pois bem, Sr. Gilberto, venha travar conhecimento com o Sr. Zamora.

        - Com o governador do palácio de Luciennes?

        - Com o governador.

        Gilberto puxou as mangas da casaca, escovou-se com as mãos, sacudiu-se com o lenço. No fundo da sua alma achava-se bastante intimidado para comparecer perante uma personagem tão importante, mas lembrava-se destas palavras: “Zamora é uma boa criatura”, e estas palavras tranquilizavam-no.

        Já era amigo de uma condessa, amigo de um visconde, e ia sê-lo de um governador.

        - Ora - pensou ele - também caluniaram a corte, onde é tão fácil ter amigos! Imagino que são boas pessoas e hospitaleiras.

        Sílvia abriu a porta de uma linda antecâmara que mais parecia um toucador; as portas eram de tartaruga com embutidos de cobre dourado. Dir-se-ia ser o átrio de Lúculo, com a diferença que no palácio deste romano, eram os embutidos todos de ouro fino.

        Ali, numa imensa poltrona, metido entre travesseiros e almofadas, de pernas cruzadas, roendo umas pastilhas de chocolate, achava-se o Sr. Zamora, que nós conhecemos, mas que Gilberto não conhecia ainda.

        Também o efeito que nele produziu a aparição do futuro governador de Luciennes, traduziu-se de um modo bem curioso no rosto do filósofo.

        - Oh! - exclamou ele contemplando tão estranha criatura, porque era a primeira vez que via um preto. - Oh! oh! o que é isto?

        Zamora nem sequer levantou a cabeça e continuou a roer as suas pastilhas, mexendo muito com o branco dos olhos.

        - Isto - redargüiu Sílvia - é o Sr. Zamora.

        - Este?!... - disse Gilberto, admirado.

        - Certamente - respondeu Sílvia, rindo do aspecto que a cena ia tomando.

        - O governador! - prosseguiu Gilberto; - pois este mono é o governador do palácio de Luciennes? Ora adeus, menina, está brincando.

        Ouvindo isto, Zamora endireitou-se na sua poltrona e mostrou os seus dentes brancos.

        - Eu sou governador - disse ele - não sou mono.

        Gilberto olhava, ora para Sílvia, ora para Zamora, com um olhar inquieto, e que se tornou furioso, quando viu que a rapariga soltou uma gargalhada, apesar dos esforços que fazia para se conter.

        Quanto a Zamora, sério e impassível como um ídolo negro, meteu a sua mão preta no saco de cetim que continha as pastilhas e continuou a roer algumas.

        Neste momento abriu-se a porta e entrou o Sr. Grange com um alfaiate.

        - Eis aqui - disse ele designando Gilberto - a pessoa para quem é o fato; tome a medida do modo como já lhe expliquei.

        Gilberto estendeu maquinalmente os braços e os ombros, enquanto Sílvia e o Sr. Grange conversavam no fundo da casa, do que resultava rir às gargalhadas a rapariga, a cada palavra que lhe dizia o mordomo.

        - Ah! Há-de ser lindo - disse Sílvia; - e terá ele o barrete agudo como Esganarelo?

        Gilberto não quis mesmo ouvir a resposta, repeliu asperamente o alfaiate, e de modo algum permitiu que lhe acabassem de tomar a medida. Ele não conhecia Esganarelo, mas o nome e mais que tudo as risadas de Sílvia indicavam-lhe que devia ser uma personagem eminentemente ridícula.

        - Está bom - disse o mordomo ao alfaiate - não o obrigue à força; sabe quanto basta, não é verdade?

        - Certamente - respondeu o alfaiate - e ainda que venha largo não importa, estes fatos quanto mais largos são, melhor ficam.

        Depois disto Sílvia, o mordomo e o alfaiate partiram, deixando Gilberto só com o pretinho, que continuava a roer as pastilhas e a mexer o branco dos olhos.

        Que de inimigos para o pobre provinciano! Que de receios, que de angústias principalmente para o filósofo que via ou julgava ver a sua dignidade de homem mais claramente comprometida em Luciennes do que o era em Taverney!

        Entretanto, quis falar com Zamora; ocorreu-lhe a idéia que seria talvez algum príncipe índio, como os conhecia pelos romances do Sr. Crébillon filho.

        Mas o príncipe índio, em vez de lhe responder, foi passear por diante dos espelhos para ver e admirar a sua farda, como faz uma noiva com o seu vestido do casamento; depois, foi escarranchar-se numa cadeira de rodas, a qual impeliu com os pés, dando assim algumas dez voltas em redor da casa com uma velocidade que provava evidentemente o estudo profundo que havia feito de semelhante exercício.

        De repente, ouviu-se tocar uma campainha, Zamora largou a sua cadeira, deixando-a no meio da casa, e saiu precipitadamente por uma das portas da sala seguindo a direcção do som.

        Esta prontidão em obedecer ao toque de uma campainha acabou de convencer Gilberto que Zamora não era um príncipe índio.

        Gilberto teve vontade de sair pela mesma porta por onde saíra Zamora, mas quando chegou ao fim do corredor, que dava para uma sala, viu tantos cordões azuis e vermelhos, e tudo tão vigiado por lacaios tão atrevidos, tão insolentes e tão bulhentos, que se sentiu estremecer, e voltou coberto de suor para a mesma casa em que tinha estado.

        Assim se passou uma hora. Zamora não voltava, Sílvia continuava a estar ausente, Gilberto desejava com toda a força da sua alma que lhe aparecesse algum rosto humano, ainda mesmo que fosse o do horrível alfaiate que ia confeccionar a mistificação desconhecida de que ele estava ameaçado.

        No fim desta hora, abriu-se a porta por onde ele tinha entrado, e apareceu um lacaio que lhe disse:

        - Venha!

 

O MÉDICO FEITO A PRESSA

        Gilberto afligia-se muito por se ver na necessidade de obedecer a um lacaio, todavia, como provavelmente se tratava de alguma mudança no seu estado, e como lhe parecia que toda a mudança para ele devia ser vantajosa, apressou-se em seguir o criado.

        Chon, livre afinal de toda a negociação, tendo posto sua cunhada ao facto do que se havia passado com a senhora de Béarn, estava almoçando muito sossegadamente, num lindo trajo de manhã, sentada próximo de uma janela à altura da qual chegavam as acácias e os castanheiros do jardim.

        Comia com muito bom apetite, e Gilberto notou que esse apetite estava justificado com a presença de um guisado de faisão e de uma galantina de trufas.

        O filósofo Gilberto, conduzido para junto de Chon, procurou com a vista o lugar do seu talher na mesa: esperava um convite, mas Chon nem sequer o mandou sentar.

        Contentou-se em olhar para ele, depois, tendo bebido um copo de vinho cor de topázio, disse:

        - Vamos a saber, meu caro médico, como tem estado com Zamora?

        - Como tenho estado?! - perguntou Gilberto.

        - Certamente; espero que tenha travado amizade!

        - Como quer que se trave amizade com uma espécie de animal que não fala, e que quando lhe falam faz caretas e mostra os dentes!

        - Assusta-me - respondeu Chon sem interromper o seu almoço e sem que a expressão da sua fisionomia correspondesse por forma alguma às suas palavras; - o senhor é então muito intratável para travar amizade?

        - A amizade supõe igualdade, minha senhora.

        - Bela máxima! - disse Chon. - Então não se julga igual de Zamora?

        - Quero dizer - atalhou Gilberto - que o não considero meu igual.

        - Realmente - disse Chon como falando consigo mesma - é muito interessante!

        Depois, voltando-se para Gilberto, de quem notara o modo arrogante, acrescentou:

        - Diz portanto, caro doutor, que dificilmente dá o seu coração?

        - Muito dificilmente, minha senhora.

        - Então enganava-me eu quando pensava ser do número das pessoas a quem tem amizade?

        - Tenho muita inclinação para si pessoalmente, minha senhora - disse Gilberto com altivez - mas...

        - Ah! muito lhe agradeço esse esforço; enche-me de prazer, mas quanto tempo será preciso, meu belo desdenhoso, para obter a sua estima?

        - Muito tempo, minha senhora; e há mesmo pessoas, minha senhora, que façam o que fizerem nunca a poderão alcançar.

        - Ah! isso agora explica-me o motivo por que, tendo estado dezoito anos em casa do barão de Taverney, saiu dela rapidamente. Os Taverney não haviam conseguido a fortuna de alcançar a sua estima, não é assim?

        Gilberto corou.

        - Então, que responde? - continuou Chon.

        - Que lhe hei-de responder, minha senhora? Deve saber que para se alcançar amizade e confiança é preciso merecê-la.

        - Que tal! Parece-me então que a família Taverney não lhe merecia nem amizade nem confiança?

        - Toda, não, minha senhora.

        - E o que lhe fizeram aqueles que tiveram a infelicidade de lhe desagradar?

        - Eu não me queixo, minha senhora - disse Gilberto com altivez.

        - Ora vamos - disse Chon - veja que sou também excluída da sua confiança, Sr. Gilberto, e todavia não é porque me falte vontade de a conquistar, o que me falta talvez é saber os meios que se devem empregar.

        Gilberto mordeu os lábios.

        - Afinal, esses Taverney não lhe faziam tudo quanto desejava - acrescentou Chon com uma curiosidade cuja tendência Gilberto percebeu. - Diga-me em que se empregava em casa deles.

        Gilberto perturbou-se, porque realmente nem ele mesmo sabia em que se empregava em Taverney.

        - Minha senhora - disse ele - eu era... era homem de confiança.

        Estas palavras, pronunciadas com a fleuma filosófica de Gilberto, produziram em Chon uma tal vontade de rir que se recostou na poltrona soltando seguidas e estridentes gargalhadas.

        - Duvida? - perguntou Gilberto franzindo as sobrancelhas.

        - Deus me livre! Sabe que mais, meu rapaz, é de uma tal ferocidade que se lhe não pode dizer nada. Eu perguntava que pessoas eram esses Taverney; esta pergunta não era para o ofender, mas sim para o servir, vingando-o também.

        - Não me vingo, ou exerço eu mesmo as minhas vinganças, minha senhora.

        - Muito bem, mas nós mesmos fomos desfeiteados pelos Taverney. Como naturalmente também recebeu uma ou mais desfeitas, somos por natureza aliados.

        - Está enganada, minha senhora; o meu modo de me vingar não pode ter relação alguma com o seu, porque fala dos Taverney em geral, e eu admito várias diferenças nos diversos sentimentos que tenho por eles.

        - E o Sr. Filipe de Taverney, por exemplo, o seu sentimento por ele faz diferença a favor ou contra?

        - Nada tenho contra o Sr. Filipe, que nunca me fez bem nem mal; nem lhe tenho amizade nem ódio, e é-me absolutamente indiferente.

        - Nesse caso, não quererá depor diante de el-rei ou do senhor de Choiseul, contra o Sr. Filipe de Taverney?

        - A que propósito?

        - A propósito do seu duelo com meu irmão.

        - Se me chamassem para depor, minha senhora, diria o que sei.

        - Então o que sabe?

        - A verdade.

        - Vamos a saber a que chama a verdade, que é uma palavra bem elástica?

        - Nunca é elástica para aquele que sabe distinguir o bem do mal, o que é justo do que é injusto.

        - Entendo: o bem é o Sr. Filipe de Taverney, o mal é o Sr. Visconde du Barry.

        - Sim, minha senhora, pelo menos segundo a minha opinião e a minha consciência, assim é.

        - Eis o que apanhei no caminho! - disse Chon com azedume; - eis aí o modo por que me recompensa aquele que me deve a vida!

        - Quer dizer, minha senhora, aquele que lhe não deve a morte.

        - Vem a ser a mesma coisa.

        - Pelo contrário, é muito diverso.

        - Como?

        - Não lhe devo a vida, impediu que os seus cavalos ma tirassem, nada mais; e ainda assim, não foi a senhora, foi o postilhão.

        Chon olhou atentamente para o pequeno filósofo que tão pouco arriscava as palavras que proferia.

        - Teria esperado - disse ela adoçando a voz e o sorriso - um pouco mais de amabilidade da parte de um companheiro de jornada, que sabia tão bem achar, durante o caminho, o meu braço debaixo de uma almofada, e o meu pé sobre os joelhos.

        Chon era tão provocante com essa doçura e essa familiaridade, que Gilberto esqueceu Zamora, o alfaiate e o almoço para o qual lhe parecia que se haviam esquecido de o convidar.

        - Ora bem, bem, já estamos mais mansos – disse Chon pegando na barba de Gilberto. - Irá depor contra Filipe de Taverney, não é verdade?

        - Oh! Isso não - disse Gilberto - nunca!

        - Por que, senhor teimoso?

        - Porque o Sr. Visconde João teve a culpa de tudo.

        - Em que teve ele culpa, faz favor de dizer?

        - Em insultar a delfina, enquanto, pelo contrário, o Sr. Filipe de Taverney...

        - Que mais?

        - Tinha razão em defendê-la.

        - Ah! Pelo que vejo é do partido da delfina?

        - Não, sou do partido da justiça.

        - É um doido, Gilberto, cale-se, não fale assim neste palácio.

        - Nesse caso, dispense-me de responder às suas perguntas.

        - Então mudemos de conversa.

        Gilberto inclinou-se em sinal de consentimento.

        - Vamos a saber, rapazinho - perguntou Chon num tom de voz bastante áspero - o que tenciona aqui fazer? Não se tornar útil para alguma coisa?

        - Deverei ser perjuro para me tornar útil?

        - Mas onde diacho foi buscar todos esses palavrões?

        - No direito que tem todo o homem de se conservar fiel à sua consciência.

        - Ora! - disse Chon - quando se serve um amo, esse amo assume a si toda a responsabilidade.

        - Não tenho amo - resmungou Gilberto.

        - E com os modos que adopta, meu pateta, também não terá ama. Agora, repito a minha pergunta, e responda-me categoricamente: o que tenciona aqui fazer?

        - Não julgava que fosse necessário ser amável, uma vez que se pudesse ser útil.

        - Engana-se; gente útil há muita, e estamos até fartos dela.

        - Então retirar-me-ei.

        - Retirar-se-á?

        - Certamente, não pedi para vir, não é verdade? Portanto, estou livre.

        - Livre! - exclamou Chon, que começava a enfadar-se com essa resistência à qual não estava acostumada.

        - Oh! Não está tal!

        O rosto de Gilberto contraiu-se.

        - Vamos, vamos - disse Chon, que pelo franzir das sobrancelhas do seu interlocutor, conheceu que não renunciava facilmente à sua liberdade. - Vamos, façamos as pazes! É um mancebo muito virtuoso, e nisso será muito divertido, quando mais não seja, pelo contraste que fará com tudo quanto nos cerca. O que principalmente lhe recomendo e até peço encarecidamente é que conserve sempre esse amor que tem pela verdade.

        - Decerto que o conservarei - disse Gilberto.

        - Sim, mas entendemos isto de dois modos diversos. Quero dizer, conserve-o para si, e não vá celebrar o seu culto nos corredores do Trianon ou nas ante-salas de Versalhes.

        Gilberto murmurou algumas palavras em voz baixa.

        - É escusado fazer observações; não é tão sábio, meu pequeno filósofo, que uma mulher lhe não possa ensinar muita coisa; e para começar, ouça este axioma: calar não é mentir; lembre-se sempre disto.

        - Mas se me interrogarem?

        - Quem? Está doido, meu amigo? Meu Deus! Quem pensa em si neste mundo, a não ser eu? Ainda não tem escola, segundo me parece, senhor filósofo. A espécie de que faz parte é ainda rara. É preciso andar pela estrada, e bater o mato para achar os seus semelhantes. Viverá junto de mim, e em menos de quatro dias há-de estar transformado num perfeito cortesão.

        - Duvido - respondeu imperiosamente Gilberto.

        Chon encolheu os ombros.

        Gilberto sorriu-se.

        - Mas acabemos com isto - atalhou Chon; - demais, não tem necessidade de agradar senão a três pessoas.

        - E quem são essas três pessoas?

        - El-rei, minha irmã e eu.

        - Que deverei fazer para isso?

        - Viu Zamora? - perguntou Chon, evitando de responder directamente à pergunta.

        - O preto? - perguntou Gilberto mostrando um profundo desprezo.

        - Sim, o preto.

        - Que posso eu ter de comum com ele?

        - Talvez que fosse a sua fortuna, meu amigo. Aquele preto já tem de renda anual duas mil libras pelo bolsinho real. Vai ser nomeado governador do palácio de Luciennes, e aqueles mesmos que riram dos seus grossos lábios e da sua cor hão-de ser os primeiros em lhe vir fazer a corte, e a tratarem-no por senhor e excelência.

        - Não hei-de ser eu, minha senhora - disse Gilberto.

        - Ora adeus! - disse Chon - eu julgava que um dos primeiros preceitos dos filósofos era que todos os homens são iguais.

        - É por esse mesmo motivo que não darei a Zamora o tratamento de excelência.

        Chon ficara batida com as suas próprias armas. E por sua vez mordeu os lábios também.

        - Então não é ambicioso? - perguntou ela.

        - Pelo contrário, sou-o! - bradou Gilberto com os olhos chamejantes.

        - E se bem me lembra, a sua ambição era de ser médico?

        - Considero como a mais bela de todas, a missão de poder socorrer o meu semelhante.

        - Pois bem, o seu sonho há-de realizar-se.

        - Como?

        - Será médico, e até médico de el-rei.

        - Eu! - exclamou Gilberto - eu, que nem mesmo tenho as primeiras noções de medicina!... Zomba de mim, minha senhora.

        - Ora! Zamora sabe porventura o que é uma ponte levadiça, o que são besteiras e seteiras, ou contra-escarpas? Não, por certo, nem se lhe importa sabê-lo, o que não impede que seja governador do palácio de Luciennes, com todos os privilégios inerentes ao título.

        - Ah! Sim, sim, já percebo - disse Gilberto amargamente - tem só um bobo, mas não basta; el-rei enfastia-se, precisa mais outro.

        - Bom - exclamou Chon - lá se enfada ele outra vez. Realmente torna-se feio a um ponto que causa prazer vê-lo. Guarde todas essas fisionomias fantásticas para quando tiver a cabeleira na cabeça e o chapéu agudo sobre ela; então, em vez de parecer feio, há-de ser cómico.

        Gilberto franziu pela segunda vez as sobrancelhas.

        - Vamos - disse Chon - pode muito bem aceitar o emprego de médico de el-rei, quando o Sr. Duque de Tresmes solicita o título de sagüi de minha irmã.

        Gilberto nada respondeu. Chon aplicou-lhe o provérbio: “Quem cala, consente”.

        - Para prova de que começa a ser bem visto – disse Chon - não comerá com a família.

        - Ah! Muito obrigado, minha senhora – respondeu Gilberto.

        - Já dei ordens a esse respeito.

        - Onde deverei então comer?

        - À mesa de Zamora.

        - Eu?

        - Certamente; o governador e o médico de el-rei podem muito bem comer à mesma mesa. Vá jantar com ele, se quiser.

        - Não tenho vontade - respondeu Gilberto asperamente.

        - Muito bem - disse Chon com sossego; - não tem agora vontade, mas tê-la-á esta noite.

        Gilberto abanou a cabeça.

        - Se não for esta noite, há-de ser amanhã ou depois de amanhã. Ah! Há-de amansar, senhor rebelde, e se for renitente, temos o senhor corrector dos pajens, que está às nossas ordens.

        Gilberto estremeceu e tornou-se pálido.

        - Procure o Sr. Zamora, vá para junto dele – disse Chon com severidade; - não se dará mal com isso, porque a cozinha é boa, e não seja ingrato porque nos obrigará a ensinar-lhe a ser agradecido.

        Gilberto abaixou a cabeça.

        Assim praticava todas as vezes que em lugar de responder, resolvia obrar.

        O lacaio que havia conduzido Gilberto esperava que saísse. Conduziu-o para uma pequena casa de jantar contígua àquela de onde saía. Zamora estava à mesa.

        Gilberto foi sentar-se junto dele, mas não o puderam obrigar a comer.

        Deram três horas; a senhora du Barry partiu para Paris. Chon, que devia ir ter com ela, deu as ordens para que lhe domesticassem o seu urso. Muitos pratos de doces se se portasse bem, muitas ameaças e uma hora de prisão, se continuasse a rebelar-se.

        Às quatro horas trouxeram ao quarto de Gilberto o fato completo do médico feito à pressa: barrete agudo, cabeleira, casaco preto, toga da mesma cor. Traziam-lhe também os bacalhaus, a varinha e o livro.

        O criado portador de todo este vestuário mostrava-lhe os objectos um por um; Gilberto não mostrou tenção alguma de resistir.

        O Sr. Grange entrou depois do criado e ensinou a Gilberto de que modo se vestiam as diversas peças de que se compunha o fato: este ouviu com paciência toda a demonstração do Sr. Grange.

        - Eu pensava - observou unicamente Gilberto – que os médicos antigamente traziam uma escrivaninha e um rolo de papel.

        - Na verdade, tem razão - disse o Sr. Grange; - vá buscar-lhe uma escrivaninha portátil que ele há-de pendurar na cintura.

        - E papel e penas - bradou Gilberto. - Quero que seja tudo completo.

        O criado saiu para executar a ordem dada. Foi ao mesmo tempo encarregado de dar parte à Srª. Chon da extraordinária boa vontade de Gilberto.

        A Srª. Chon ficou tão encantada, que deu ao mensageiro uma pequena bolsa com oito escudos, para ser atada, conjuntamente com o tinteiro, à cintura desse médico modelo.

        - Obrigado - disse Gilberto a quem trouxe tudo. Agora faça favor de me deixar só, para eu me poder vestir à minha vontade.

        - Nesse caso vista-se depressa - disse o Sr. Grange - a fim de que a senhora possa vê-lo antes de partir para Paris.

        - Estou pronto em meia hora - disse Gilberto – só peço meia hora.

        - Ou mesmo três quartos de hora se for preciso, senhor doutor - disse o mordomo fechando cuidadosamente a porta do quarto de Gilberto.

        Gilberto, que ficara só, aproximou-se da porta no bico dos pés; escutou para se assegurar de que os passos se afastavam, depois dirigiu-se para a janela que dava sobre uns terraços, os quais ficavam dezoito pés abaixo dela, e eram cobertos com uma areia fina e circundados de árvores, cuja folhagem fazia sombra às sacadas superiores.

        Gilberto rasgou a sua toga em três pedaços e acrescentou-os um ao outro, pôs sobre a mesa o chapéu, junto do chapéu a bolsa, e escreveu:

        “Minha senhora:

        O primeiro de todos os bens é a liberdade. O mais santo dever do homem é conservá-la. A senhora violenta-me, eu liberto-me.

        Gilberto.”

        Gilberto dobrou a carta, pôs-lhe o sobrescrito para a senhora Chon, prendeu a sua tira de sarja preta às grades da janela, por entre as quais passou como se fosse uma serpente, saltou ao terraço, mesmo arriscando a vida, porque a tira não tinha o preciso comprimento, e daí, ainda que um pouco estonteado com o salto que acabava de dar, correu para as árvores, agarrou-se aos ramos, meteu-se entre a folhagem como um esquilo, chegou ao chão e desapareceu a correr quanto podia na direcção dos bosques de Ville-d’Avray.

        Quando passada meia hora o vieram buscar, já estava longe de todo o alcance.

 

O ANCIÃO

        Gilberto não quis seguir pela estrada receando ser perseguido. De bosque em bosque, havia chegado a uma espécie de mata na qual afinal parou, tendo andado pouco mais ou menos légua e meia em três quartos de hora.

        O fugitivo olhou em torno de si, e viu que estava bem só. Essa solidão sossegou-o. Tentou aproximar-se da estrada que, segundo o seu cálculo, devia conduzir a Paris.

        Mas tendo visto uns criados com librés cor de laranja, que saíam da aldeia de Roquencourt, conduzindo uns cavalos, assustou-se de tal modo que ficou curado da tentativa de andar pela estrada real, e voltou a esconder-se no bosque.

        - É melhor ficar escondido entre estes castanheiros - disse Gilberto consigo mesmo; - se me procurarem por alguma parte, há-de ser na estrada real. Esta noite, de árvore em árvore, de bairro em bairro, irei até Paris. Dizem que Paris é grande, eu sou pequeno, por isso, facilmente me perderão de vista.

        A idéia pareceu-lhe tanto melhor porque o tempo estava óptimo, o bosque era sombrio, e o chão coberto de relva. Os raios de um sol áspero e intermitente, que começava a esconder-se por detrás dos outeiros de Marly, haviam secado as ervas e arrancado da terra esses agradáveis perfumes da Primavera que participam ao mesmo tempo da flor e da planta.

        Era naquela hora do dia em que o silêncio cai mais suave e profundo do céu que começa a escurecer, naquela hora, em que as flores, fechando-se, ocultam em si o insecto adormecido. As moscas azuis e douradas recolhem ao carvalho oco que lhes dá abrigo, as aves passam mudas por entre a folhagem das árvores, ouvindo-se apenas o seu rápido esvoaçar, e o único canto que ainda soa é o acentuado trinar do melro, e o tímido gorjeio do pintarroxo.

        Os bosques eram familiares a Gilberto, que lhes conhecia os rumores e os silêncios; por isso, sem reflectir mais tempo, sem se entregar a receios pueris, deitou-se sobre as urzes do bosque, cobertas em várias partes pelas folhas secas do Inverno.

        Ainda mais, em vez de estar em desassossego, sentia Gilberto um imenso prazer. Aspirava a grandes tragos o ar puro e livre; sentia que, desta vez ainda, havia triunfado, como homem estóico de todos os laços armados às fraquezas humanas. Que lhe importava não ter pão, nem dinheiro, nem asilo? Não tinha ele a sua cara liberdade, não dispunha de si plena e inteiramente?

        Estendeu-se aos pés de um gigantesco castanheiro, que lhe fazia uma cama entre os dois braços de raiz musgosa, e, olhando para o céu que lhe sorria, adormeceu.

        Acordou-o o cantar das aves; era apenas dia. Erguendo-se sobre os cotovelos magoados pelo contacto do pau das árvores, viu Gilberto o azulado crepúsculo da manhã, enquanto pelas sendas umedecidas pelo orvalho, passavam, de orelha baixa, as lebres velozes, e o gamo curioso corria sobre suas pernas de aço e parava de repente no caminho para contemplar aquele objecto desconhecido, que aconselhava a fugir.

        Assim que se levantou, conheceu Gilberto que tinha fome; não tinha querido, como já dissemos, jantar com Zamora na véspera, de modo que depois do seu almoço nas mansardas, em Versalhes, nada mais havia comido. Achando-se debaixo das abóbadas da floresta, ele, o intrépido passeador das grandes florestas da Lorraine e Champanha, julgou que estava ainda nos bosques de Taverney ou nas ruínas de Pierrefitte, sendo acordado pela aurora, depois de ter ali passado a noite, esperando alguma caça para levar a Andreia.

        Mas então sempre achava junto de si alguma perdiz, ou algum faisão, e desta vez só via ao seu alcance o seu chapéu, já muito maltratado pela jornada e inteiramente estragado pela umidade da manhã.

        Não era portanto um sonho, como o julgou ao acordar. Versalhes e Luciennes eram uma realidade, desde a sua entrada triunfal numa até à sua saída espavorida da outra.

        Depois, o que cada vez mais o chamou à realidade, foi uma fome cada vez mais crescente, e por conseqüência mais aguda.

        Então, maquinalmente, procurou em torno de si aquelas frutas silvestres, aquelas raízes tão saborosas com que se sustentam muitos homens do campo.

        Mas nem era a estação das frutas, nem havia daquelas raízes que Gilberto procurava; castanheiros, sobreiros e algum mato, foi tudo quanto achou.

        - Vamos - disse Gilberto - irei em direitura a Paris. Posso ter ainda que andar umas quatro léguas, é caminho para duas horas. Que importa padecer mais duas horas, quando se tem a certeza de não padecer mais? Em Paris a ninguém falta o pão, e vendo um mancebo honrado e laborioso, o primeiro homem que eu encontrar não recusará trocar um pedaço de pão por um pouco de trabalho.

        “Num dia, em Paris, ganha-se o sustento do dia seguinte, que mais preciso eu? Nada, contanto que cada dia que passar me engrandeça, me eleve e aproxime... do fim a que aspiro.”

        Gilberto apressou o passo; queria voltar para a estrada real, mas havia perdido todos os meios de se orientar. Em Taverney e em todas as florestas dos arredores conhecia ele o oriente e o ocidente; cada raio de sol, era para ele um indício de hora e caminho. De noite, cada estrela, por mais desconhecida que lhe fosse, com o seu nome de Vénus, Saturno ou Lúcifer, servia-lhe de guia. Mas neste mundo novo, não conhecia mais os homens que as coisas, e era mister achar, no meio de uns e outros, o caminho, apalpando ao acaso.

        - Felizmente - disse Gilberto consigo - vi postes em que estão indicadas as estradas.

        E avançou até à encruzilhada, onde tinha visto esses postes indicadores.

        Havia com efeito três, conduzindo a três diferentes partes, porém nenhuma dizia: Paris.

        Gilberto portanto ficou sabendo ainda menos que dantes; andou mais de três horas sem poder sair da floresta.

        Corria-lhe o suor pela fronte, e vinte vezes despira a sua véstia para trepar por algum Castanheiro colossal, mas chegado ao cume, só via Versalhes; Versalhes, ora da direita ora da esquerda; Versalhes, para onde parecia que uma fatalidade o impelia sempre.

        Meio doido de raiva, não se atrevendo a meter-se na estrada real, na convicção que Luciennes em peso corria atrás dele, Gilberto, conservando-se sempre no centro das florestas, acabou por passar além de Viroflay, depois Chaville e daí Sèvres.

        Davam cinco horas e meia no palácio de Meudon, quando ele chegou ao convento de monges, situado entre a manufactura e Bellevue; dali, trepando sobre uma cruz, mesmo com o risco de a quebrar, e de ser açoitado publicamente como Sirven, por decreto do Parlamento, viu o Sena, o burgo e o fumo das suas primeiras casas.

        Mas ao lado do Sena, pelo meio do burgo, diante do limiar daquelas casas passava a estrada real de Versalhes, da qual ele tinha tanto interesse em se afastar.

        Gilberto, por algum tempo perdeu a fome e a fadiga que o atormentavam. Via-se ao longe, no horizonte, uma grande quantidade de casas envoltas no vapor da manhã; julgou que seria Paris, dirigiu-se para esse lado e só parou quando lhe faltou o fôlego para continuar.

        Achava-se no centro do bosque de Meudon, entre Fleury e Plessis-Piquet.

        - Vamos, vamos - disse ele olhando em torno de si - nada de vergonha. Hei-de infalivelmente encontrar algum trabalhador, dos que vão para o trabalho, levando um grande pedaço de pão debaixo do braço.  Hei-de dizer-lhe: “Os homens são todos irmãos, e devem por isso auxiliar-se reciprocamente. Leva aí mais pão do que precisa, não só para almoçar mas até para todo o dia, enquanto que eu estou morrendo de fome”. E então ele me dará metade do seu pão.

        A fome tornou Gilberto ainda mais filósofo e continuava as suas reflexões mentais.

        - Com efeito - dizia ele - tudo quanto há sobre a terra, não é comum para todos? Deus, essa fonte eterna de todas as coisas, deu a este ou àquele o ar que fecunda a terra, ou a terra que fecunda a fruta? Nem só muitos têm usurpado, mas aos olhos de Deus como aos do filósofo, ninguém possui; aquele que tem, é porque Deus lho emprestou.

        E nisto não fazia Gilberto mais que resumir com uma inteligência natural, essas idéias vagas e indecisas naquela época, e que os homens sentiam flutuar no espaço e passar-lhes sobranceiros à cabeça, como essas nuvens que impelidas para um único ponto vão-se amontoando, e acabam por formar uma tempestade.

        - Alguns - continuava Gilberto, prosseguindo no seu caminho - alguns guardam por meio da força aquilo que a todos pertence. Pois bem, a esses pode-se também arrancar pela força o que eles não têm direito de partilhar. Se meu irmão, que tem muito pão para si, me recusa um pedaço do seu pão, pois bem!... arrancar-lho-ei à força, imitando nisso a lei animal, fonte de todo o bom-senso e de toda a equidade, porque deriva de toda a necessidade natural. A menos, contudo, que meu irmão me não diga: “Esta parte que reclamas é a de minha mulher e de meus filhos”; ou então: “Eu sou mais forte que tu, e portanto, mesmo a teu despeito, este pão há-de ser para mim”.

        Gilberto estava nestas disposições de lobo esfaimado, quando chegou ao meio de um claro, cujo centro estava ocupado por um pântano de águas lodacentas, em torno do qual cresciam canas e plantas silvestres.

        Sobre o declive coberto de relva que descia até à água, na superfície da qual se moviam em todo o sentido uns insectos com pernas compridas, brilhavam, como uma sementeira de turquesas, numerosas moitas de miosótis.

        O fundo deste painel, isto é, o anel da circunferência, era formado por uma fileira de grandes faias, e a profusão de amieiros enchia com os seus ramos copados os intervalos que a natureza tinha posto entre os troncos prateados de seus dominadores.

        Seis ruas de arvoredo davam entrada para esta espécie de encruzilhada; duas delas pareciam chegar em altura até ao Sol, que dourava o cimo das árvores longínquas, enquanto que as outras quatro, divergentes como os raios de uma estrela, se entranhavam pela profundidade azulada da floresta.

        Esta espécie de sala de verdura parecia mais fresca e mais florescente do que qualquer outro sítio dos bosques.

        Gilberto tinha-se metido por uma das ruas mais sombrias.

        A primeira coisa que avistou, quando depois de ter corrido com os olhos o horizonte que acabámos de descrever, e lançou um olhar em volta de si, foi, na penumbra de um fosso profundo, o tronco de uma árvore caída sobre o qual estava sentado um homem de cabeleira ruça, com fisionomia agradável e fina, vestido com uma casaca de pano grosso cor de castanha, calção do mesmo, e um colete de acolchoado cinzento riscado; umas meias de algodão, também cinzentas, cobriam-lhe as pernas musculosas e sofrivelmente torneadas; os sapatos com fivelas, cheios de pó ainda em alguns sítios, tinham sido lavados no talão e no bico pelo orvalho da manhã.

        Ao pé deste homem estava colocada sobre a árvore caída uma caixa pintada de verde, inteiramente aberta, e recheada de plantas apanhadas recentemente. Segurava entre as pernas uma bengala de azevinho, cujo castão arredondado luzia na sombra, e que acabava em baixo por uma enxada pequena que teria duas polegadas de largura e três de comprimento.

        Gilberto, com um único relancear de olhos, percebeu tudo quanto acabamos de expor detalhadamente; mas o que desde logo lhe prendeu o sentido, foi um pedaço de pão, que o velho partia aos bocadinhos para comer, repartindo fraternalmente com os tentilhões e verdelhões, que de longe namoravam a presa tão desejada, saltando-lhe em cima apenas lhes era entregue, e fugindo depois rapidamente para o emaranhado dos bosques onde chilreavam alegremente.

        O velho, seguindo-os com o olhar meigo e penetrante ao mesmo tempo, metia de vez em quando a mão num lenço de xadrez de cor, e dele tirava uma cereja que saboreava juntamente com o pão.

        - Bem, eis aqui o que eu preciso - disse Gilberto apartando os ramos das árvores, e dando quatro passos em direcção ao solitário, o qual saiu finalmente da sua distracção.

        Mas ainda não tinha andado um terço do caminho, quando, ao notar a aparência de doçura e serenidade que o homem tinha, parou e tirou o chapéu.

        O velho, vendo que já não estava só, olhou rapidamente para o vestuário e para a caixa.

        Fechou-a e abotoou-se.

 

O BOTÂNICO

        Gilberto encheu-se de ânimo e aproximou-se de todo.

        Porém abriu a boca e tornou a fechá-la sem ter proferido uma única palavra. Ia-lhe faltando a resolução; parecia-lhe que era pedir esmola, e não reclamar um direito.

        O velho reparou neste acanhamento, e pareceu ficar ele mesmo mais desembaraçado.

        - Pretende falar-me, meu amigo? - disse ele com modo risonho e pondo o pão sobre uma árvore.

        - Sim, senhor - respondeu Gilberto.

        - Então o que deseja?

        - Noto, senhor, que está atirando com o seu pão aos pássaros, como se não se houvera dito que é Deus quem os sustenta.

        - Sustenta-os, não há dúvida, mancebo – respondeu o estranho; - porém a mão dos homens é um dos meios que Ele emprega para esse fim. Se é uma repreensão que quer dar-me, não tem razão, porque nunca é perdido o pão que se deixa cair, quer seja numa rua povoada, quer num bosque deserto. Acolá apanham-no os pobres, aqui levam-no os pássaros.

        - Pois bem, senhor - disse Gilberto, singularmente comovido pela voz meiga e persuasiva do velho - conquanto estejamos aqui num bosque, conheço eu um homem que de boamente disputaria aos passarinhos o pão que lhes dá.

        - Seria o meu amigo? - exclamou o velho - e por acaso terá fome?

        - Muita fome, senhor, juro-o, e se permite...

        O velho pegou logo no pão com visível compaixão; porém, reflectindo de repente, lançou a Gilberto um olhar vivo e penetrante.

        Gilberto, efectivamente, não tinha tanta aparência de esfaimado, que não fosse lícito reflectir; o seu vestuário era decente, apesar de estar nalguns sítios manchado pelo contacto com a terra. Trazia roupa lavada, porque na véspera, em Versalhes, tirara uma camisa da sua trouxa, mas a camisa estava amarrotada pela umidade, e era bem visível que Gilberto passara a noite no bosque.

        E além de tudo isso, tinha demais a mais umas mãos brancas e esguias, sinal de homem desocupado e que não se empregava em trabalhos materiais.

        Gilberto não era falto de tacto, entendeu a desconfiança e hesitação do estranho a seu respeito e apressou-se em destruir algumas das conjecturas que logo supôs não serem a seu favor.

        - Senhor - disse ele - todo aquele que não tem comido durante doze horas, tem fome, e já lá vão vinte e quatro sem que eu tenha tomado coisa alguma.

        A verdade das palavras do mancebo lia-se na comoção da fisionomia, no tremor da voz, e na palidez do rosto.

        O velho deixou pois de hesitar, ou para melhor dizer de recear. Apresentou-lhe ao mesmo tempo o pão e o lenço de que tirava as cerejas.

        - Agradeço-lhe, senhor - disse Gilberto repelindo brandamente o lenço - agradeço-lho, não quero senão pão, é quanto basta.

        E em seguida partiu o pedaço ao meio, ficando com uma metade e restituindo a outra; depois sentou-se sobre a relva em distância de três passos do velho, que para ele olhava com uma admiração que ia em aumento.

        A comida durou pouco tempo. O pão era pouco, e Gilberto tinha muita fome. O velho não o estorvou com palavra alguma; continuou a examiná-lo silenciosamente, e às furtadelas, prestando, na aparência pelo menos, a maior atenção às plantas e flores da caixa, as quais, levantando-se como para respirarem, mostravam as cabeças odoríferas acima da tampa de folha-de-flandres.

        Entretanto, vendo que Gilberto se aproximava do charco, gritou com vivacidade:

        - Não beba dessa água, mancebo, porque está infeccionada pela podridão das plantas, que secaram durante o ano passado, e pelos ovos das rãs que lhe estão boiando na superfície. Coma antes umas cerejas, que lhe mitigarão a sede tão bem como a água. Convido-o a aceitá-las, pois vejo perfeitamente que não é um hóspede importuno.

        - É verdade, senhor, não é do meu génio ser importuno, e não há coisa que eu mais receie. Ainda há pouco o mostrei em Versalhes.

        - Ah! Vem então de Versalhes? - disse o estranho olhando para Gilberto.

        - Sim, senhor - respondeu o mancebo.

        - É uma cidade muito rica; é preciso ser muito pobre, ou muito soberbo, para lá morrer de fome.

        - Sou ambas as coisas, senhor.

        - Teve alguma desavença com seu amo? – perguntou timidamente o estranho, continuando a interrogar Gilberto com o olhar, ao passo que arranjava as plantas na caixa.

        - Eu não tenho amo, senhor.

        - Meu amigo - disse o estranho pondo o chapéu - eis aí uma resposta demasiadamente ambiciosa.

        - E contudo é exacta.

        - Não, mancebo, porque não há ninguém que não obedeça a um senhor neste mundo, e só por mal entendida soberba se pode dizer: “Eu não tenho senhor!”

        - Como?

        - Não há nada mais certo; sim, todos quantos existimos, velhos ou moços, estamos sujeitos à lei de um poder que nos domina. Uns são governados pelos homens, outros pelos princípios, e os senhores mais severos nem sempre são os que ordenam com a voz ou batem com a mão humana.

        - Seja assim - disse Gilberto; - então sou eu governado por princípios. Confesso-o. Os princípios são os únicos senhores que um espírito que pensa pode reconhecer sem pejo.

        - E quais são os seus princípios, vejamos? Parece-me muito moço, meu amigo, para ter já princípios determinados.

        - Eu sei que todos os homens são irmãos, e que todo o homem contrai ao nascer uma soma de obrigações relativas para com seus irmãos. Sei que Deus me deu um valor qualquer, por pequeno que seja, e que visto eu reconhecer o valor dos outros, tenho direito a exigir que os outros reconheçam o meu, se porventura não o exagerar. Tenho pois direito a um quinhão de estima, pela minha qualidade de homem, enquanto não praticar acções injustas ou que me desonrem.

        - Ah! Ah! - exclamou o estranho - parece-me que tem estudado?

        - Não, senhor, infelizmente; apenas li o Discurso Sobre a Desigualdade das Condições, e o Contrato Social. Desses dois livros é proveniente todo o meu saber, e talvez sejam a origem de todos os meus sonhos.

        A estas palavras do mancebo, um fogo brilhante animou os olhos do estranho. Fez um movimento involuntário que ia dando cabo de uma linda planta que parecia hesitar em se acomodar de encontro aos lados côncavos da caixa.

        - E são esses os princípios que professa?

        - Não serão talvez os seus - respondeu o mancebo - mas são os de João Jacques Rousseau.

        - Mas diga-me - perguntou o estranho mostrando uma desconfiança tão visível que não podia deixar de humilhar o amor-próprio de Gilberto - tem a certeza de os ter entendido bem?

        - Parece-me - disse Gilberto - que entendo o francês; especialmente quando a linguagem é pura e poética...

        - Bem vê que não há tal - disse o velho sorrindo-se - porque o que eu acabo de perguntar-lhe neste instante, se bem que não é precisamente poético, é pelo menos claro. Desejava que me dissesse se os seus estudos filosóficos o tinham habilitado a compreender o fundo da economia do sistema de...

        O desconhecido parou e quase que ia corando.

        - De Rousseau - continuou o mancebo. - Oh! Eu não estudei filosofia em nenhum colégio, mas possuo um instinto que me fez descobrir, entre todos os livros que tenho lido, a excelência e utilidade do Contrato Social.

        - É matéria bem árida para um mancebo, contemplação bem estéril para sonhos na idade de vinte anos, flor amarga e pouco odorífera para uma imaginação que está na sua primavera - disse o velho desconhecido com tristeza.

        - A desgraça, senhor, torna o homem velho antes do tempo - disse Gilberto - e enquanto aos sonhos, se não se lhes tem mão, muitas vezes conduzem-nos ao mal.

        O desconhecido abriu os olhos que tinha meio fechados por um hábito que lhe era familiar nos momentos de sossego, e que lhe dava certa graça à fisionomia.

        - A quem alude? - perguntou ele corando.

        - A ninguém, senhor - disse Gilberto.

        - E a mim parece-me que sim...

        - Asseguro-lhe que a ninguém.

        - Parece ter estudado o filósofo de Genebra. Alude acaso à vida dele?

        - Não o conheço - respondeu Gilberto com singeleza.

        - Não o conhece? - O desconhecido suspirou. – Pois digo-lhe, mancebo, que é um ente bem infeliz.

        - Isso é impossível. João Jacques Rousseau infeliz! Seria preciso que já não houvesse justiça, nem na Terra, nem no Céu. Infeliz! Um homem que tem dedicado a sua vida à felicidade dos homens!

        - Vamos, vejo que efectivamente não o conhece; passemos agora a falar de si.

        - Prefiro antes continuar com o assunto que estamos tratando; que quer, senhor, que lhe diga de mim que nada sou?

        - E demais a mais não me conhecendo, receia decerto confiar-se num estranho.

        - Oh! Que posso eu, senhor, recear de pessoa alguma neste mundo, e quem poderá tornar-me mais desgraçado ainda do que sou? Lembre-se de que maneira apareci à sua vista: só, pobre e com fome.

        - Aonde ia?

        - A Paris. O senhor é parisiense?

        - Sim... ou para melhor dizer, não.

        - Então, em que fica? - perguntou Gilberto sorrindo-se.

        - Gosto pouco de mentir, e a cada instante conheço mais quanto é necessário reflectir antes de falar. Sou parisiense, se pela palavra parisiense se pode designar o homem que habita em Paris há muito tempo e que vive como os de Paris; porém não nasci naquela cidade. Por que me faz essa pergunta?

        - Era, no meu espírito, o seguimento da nossa conversa. Queria dizer que, já que habita em Paris, deve ter visto o Sr. Rousseau, de quem falávamos há pouco.

        - E com efeito, tenho-o visto algumas vezes.

        - Todos olham para ele quando passa, não é verdade? Todos o admiram, e o apontam como um benfeitor da humanidade?

        - Não; os rapazes perseguem-no, e, instigados pelos pais, apedrejam-no.

        - Ah! Deus meu! - exclamou Gilberto, dolorosamente estupefacto; - é ele rico, ao menos?

        - Muitas vezes, assim como ao senhor sucedeu esta manhã, pergunta ele a si próprio: onde almoçarei hoje?

        - Porém, assim mesmo pobre como é, goza de consideração, é poderoso e respeitado?

        - Nunca sabe, à noite, quando adormece, se não acordará no dia seguinte na Bastilha.

        - Oh! Que ódio não terá ele aos homens!

        - Nem os estima, nem lhes tem ódio; aborrece-os unicamente.

        - Não entendo que seja possível deixar de ter ódio a quem nos trata mal! - bradou Gilberto.

        - Rousseau sempre foi livre, senhor; Rousseau sempre teve bastante força para servir de esteio a si próprio; e a força e a liberdade tornam os homens pacíficos e bons; a escravidão e a fraqueza é que os obriga a ser malvados.

        - Eis aí o motivo por que eu quis conservar-me livre - disse orgulhosamente Gilberto; - era porque adivinhava o que acaba de me explicar.

        - Meu amigo - disse o desconhecido - mesmo dentro de uma prisão se pode ser livre; dado o caso de Rousseau ser encerrado amanhã na Bastilha, como não pode deixar de lhe suceder mais dia menos dia, nem por isso deixaria de pensar ou de escrever com tanta liberdade como se estivesse nas montanhas da Suíça. Eu, pelo que me diz respeito, nunca me persuadi de que a liberdade do homem consistisse em fazer tudo quanto quer, mas sim em não ser levado por poder algum humano a fazer aquilo que não tem na vontade.

        - Acaso escreveu Rousseau isso que está dizendo?

        - Penso que sim - respondeu o desconhecido.

        - Mas não no Contrato Social?

        - Não, foi numa nova publicação que tem por título Os Sonhos de Um Passeante Solitário.

        - Senhor - disse Gilberto acaloradamente - parece-me que há um ponto em que estamos concordes.

        - Qual é?

        - É que ambos nós estimamos e admiramos Rousseau.

        - Fale por si unicamente, mancebo, está ainda na idade das ilusões.

        - É possível avaliar erradamente as coisas, mas não os homens.

        - Pois conhecê-lo-á com o tempo, é especialmente na avaliação dos homens que pode haver engano. Rousseau é talvez um pouco mais justo do que os outros homens; porém, acredite-me, tem defeitos e muito grandes.

        Gilberto abanou a cabeça com um modo que mostrava estar pouco convencido; mas, apesar de tão incivil demonstração, o desconhecido continuou a tratá-lo com o mesmo agrado.

        - Tornemos ao nosso ponto de partida - disse o desconhecido. - Sei que abandonou o seu amo em Versalhes.

        - E eu - disse Gilberto algum tanto mais acalmado - eu que já lhe respondi que não tinha amo, poderia ter acrescentado que só de mim dependeu ter um muito ilustre, e que recusei há pouco um lugar que a muitos teria feito inveja.

        - Um lugar?

        - Sim, era para servir de divertimento a fidalgos ociosos; porém lembrei-me que sendo moço, podendo estudar e procurar a minha vida, não devia perder o tempo precioso da mocidade nem comprometer na minha pessoa a dignidade de homem.

        - Muito bem - disse o desconhecido com gravidade - mas para procurar a sua vida já formou algum plano?

        - Eu, senhor, ambiciono ser médico.

        - É uma carreira bela e nobre, na qual poderá escolher ou a verdadeira ciência, modesta e mártir, ou o charlatanismo descarado, dourado e obeso. Se gosta da verdade, mancebo, seja médico.

        - Porém é preciso muito dinheiro para estudar, não é assim, senhor?

        - É preciso dinheiro, certamente, mas não tanto como imagina.

        - O caso é - replicou Gilberto - que João Jacques Rousseau, que tudo sabe, estudou sem despesa.

        - Sem despesa! Oh! mancebo - disse o velho sorrindo-se com tristeza - tem em conta de nada as dádivas mais preciosas que Deus fez aos homens: a candura, a saúde, e o sono; foi quanto custou ao filósofo genebrês o pouco que conseguiu aprender.

        - O pouco! - disse Gilberto quase enfadado.

        - Sem dúvida; tire inquirições a respeito dele, e verá as respostas.

        - Em primeiro lugar, é um grande músico.

        - Oh! porque el-rei Luís XV cantou apaixonadamente Perdi o meu servo, não há motivo para dizer que o Adivinho de aldeia seja uma boa ópera.

        - É um grande botânico. E senão veja as cartas dele, de que só tenho podido alcançar algumas páginas desirmanadas; o senhor que apanha plantas nos bosques deve tê-las lido?

        - Oh! Há indivíduos que pensam saber botânica, e muitas vezes não passam de...

        - Acabe.

        - De ervanários... e ainda...

        - E o senhor o que é?... Ervanário ou botânico?

        - Oh! sou apenas um ervanário muito ignorante, na presença destas maravilhas de Deus a que chamamos plantas e flores.

        - Ele sabe latim?

        - Muito mal.

        - Contudo, li numa gazeta que ele traduzira as obras de um autor antigo, chamado Tácito.

        - É porque no seu orgulho - e infelizmente todo o homem tem intervalos de orgulho - porque no seu orgulho quis empreender tudo; mas ele mesmo diz na introdução do primeiro livro, único que traduziu, que não entende bem o latim, e em breve se enfastiou de Tácito, que é um adversário escabroso. Não, não, meu rico, apesar da sua admiração, acredite que não há homem algum que seja universal, e quase sempre se perde em profundidade o que se adquire em superfície. Não há rio, por pequeno que seja, que não se espraie em ocasião de temporal, e então assemelha-se a um lago; mas se quiser, navegá-lo, em breve achará o fundo.

        - E na sua opinião, Rousseau é um desses homens superficiais?

        - Sim; talvez ele apresente uma superfície um pouco mais extensa que a dos outros homens - disse o desconhecido - e nada mais.

        - Muitos homens, creio eu, se julgariam felizes de chegar a semelhante superfície.

        - Alude a mim? - perguntou o estranho com um modo que sossegou imediatamente Gilberto.

        - Ah! Deus me livre! - exclamou este último – sinto demasiado prazer em conversar consigo, para querer assim causar-lhe algum desgosto.

        - E em que pode agradar-lhe a minha conversa, diga? Não creio que me queira adular por um pedaço de pão e algumas cerejas que lhe dei?

        - Tem razão. Eu não adularia nem que me dessem o império do mundo; mas, creia-me, é a primeira pessoa que me fala de bom modo, com afabilidade, como se fala a um mancebo e não como se fala com uma criança. Ainda que não estivéssemos de acordo a respeito de Rousseau, há na brandura do seu espírito alguma coisa de elevado que atrai o meu. Quando falo consigo, parece-me que estou numa rica sala, em que as janelas estão fechadas, mas cuja riqueza adivinho apesar da escuridão. Dependeria de si deixar cair na sua conversa um raio de luz, e eu ficaria deslumbrado.

        - Mas o senhor também, fala com certos termos que indicam uma educação superior à que confessa ter tido.

        - É a primeira vez, senhor, e eu mesmo admiro-me dos termos em que falo; alguns há de que eu apenas conhecia a significação, e de que me sirvo por tê-los ouvido uma vez. Havia-os encontrado nos livros que tenho lido, mas não os tinha entendido.

        - Tem lido muito?

        - De mais, mas hei-de tornar a ler.

        O ancião olhou admirado para Gilberto.

        - Sim, li tudo quanto me caiu debaixo das mãos, livros bons e maus tudo devorei, por assim dizer. Oh! se alguém me houvesse guiado nas minhas leituras, para me dizer o que eu devia esquecer e o que me devia ficar na memória!... Mas perdão, senhor, esqueço que se a sua conversa me é preciosa, não lhe há-de acontecer o mesmo com a minha: está ervorizando, e eu talvez o estorve.

        Gilberto fez um movimento como querendo retirar-se, mas com o vivo prazer de querer ser detido. O ancião, cujos olhos pardos estavam fitos nele, parecia ler no fundo do seu coração.

        - Não - lhe disse ele - a minha caixa está quase cheia, e já não preciso senão de alguns musgos; disseram-me que havia aqui boas avencas.

        - Parece-me ter visto, ainda há pouco num rochedo, a planta que procura.

        - Longe daqui?

        - Não, apenas cinqüenta passos.

        - Mas como sabe que as plantas que viu são avencas?

        - Nasci no meio dos bosques, senhor; além disso, a filha daquele em cuja casa fui criado tratava muito de botânica; tinha um ervário, cada planta tinha o nome ao lado, escrito pela própria mão de Andreia. Muitas vezes olhei para essas plantas e para os letreiros, e parece-me ter visto uns musgos, que eu só conhecia com o nome de musgo de tocha, designados com o de avencas.

        - E gosta de botânica?

        - Ah! senhor, quando eu ouvia Nicola dizer – Nicola era aia da Srª. Andreia - quando eu lhe ouvia dizer que sua ama procurava inutilmente alguma planta nos arredores de Taverney, eu pedia a Nicola que visse se sabia o feitio dessa planta.  Então, muitas vezes, sem saber que era eu quem tinha feito esse pedido, Andreia desenhava-a com quatro traços de lápis, Nicola pegava no desenho e dava-mo. Depois corria eu pelos campos, prados e bosques até achar essa planta, e logo que a encontrava, arrancava-a cuidadosamente e de noite levava-a para o ervário; de modo que em alguma das seguintes manhãs, quando Andreia passeava, soltava um grito de prazer, dizendo: “Ah! Meu Deus! Como é singular, esta planta, que eu tanto procurei, estava aqui tão perto de mim!”

        O ancião olhou para Gilberto com mais atenção; e se este, pensando no que acabava de dizer, não tivesse baixado os olhos, corando, poderia ter visto que essa atenção era acompanhada de um interesse cheio de ternura.

        - Pois então! - disse ele - continue a estudar a botânica, mancebo; a botânica o conduzirá à medicina pelo caminho mais curto. Deus nada criou que seja inútil, acredite no que lhe digo, e cada planta terá um dia a sua significação no livro da ciência. Aprenda primeiro a conhecer os simples, e depois aprenderá quais são as suas propriedades.

        - Há escolas em Paris, não é verdade?

        - E mesmo gratuitas; a escola de cirurgia, por exemplo, é um dos bons actos do reinado actual.

        - Poderei lá seguir os estudos?

        - Nada há mais fácil, porque presumo que os seus parentes conhecendo as suas disposições, lhe darão uma pensão alimentar.

        - Não tenho parentes; mas, com o meu trabalho, poderei sustentar-me.

        - Certamente, e já que leu as obras de Rousseau, deve ter visto que todo o homem, seja ele filho de príncipe, deve aprender um ofício qualquer.

        - Não li o Emílio. Parece-me que é no Emílio que se acha essa recomendação, não é verdade?

        - Sim.

        - Mas ouvi o senhor de Taverney motejar dessa máxima, e dizer que tinha pena de não ter feito do seu filho marceneiro.

        - E o senhor de Taverney o que fez dele? – perguntou o desconhecido.

        - Um oficial - respondeu Gilberto.

        O ancião sorriu.

        - Sim, todos eles são assim, os nobres: em vez de ensinarem aos filhos a arte que faz viver, ensinam-lhes a que faz morrer. Também, se vier uma revolução, que em seguida os obrigue ao exílio, ver-se-ão obrigados a mendigar em terra estranha ou a vender a espada, o que ainda é pior; mas o senhor, como não é filho de nobre, deve saber um ofício, presumo eu?

        - Senhor, eu já lhe disse que nada sei; e demais, confesso-o, repugna-me qualquer trabalho que imprima ao corpo movimentos ásperos e brutais.

        - Ah! - disse o ancião - é preguiçoso?

        - Oh! Não, não sou preguiçoso; porque, em vez de me fazer trabalhar em alguma coisa de força, dê-me livros e um gabinete com pouca luz, e verá se os meus dias e as minhas noites se não gastam no género de trabalho que eu houver escolhido.

        O desconhecido olhou para as mãos brancas e delgadas do mancebo.

        - É uma predisposição - disse ele - um instinto. Essas repugnâncias chegam algumas vezes a bons resultados, mas precisam ser bem dirigidas. Enfim, - prosseguiu ele - se não esteve em nenhum colégio foi decerto à escola?

        Gilberto abanou a cabeça.

        - Sabe ler, escrever...

        - Minha mãe, antes de morrer, teve tempo de me ensinar a ler, nobre mãe! porque vendo o meu corpo fraco, dizia sempre: “Nunca poderás ser um bom trabalhador, é preciso fazer de ti um padre ou um sábio”. Quando eu mostrava repugnância em ouvir as suas lições, dizia-me ela: “Aprende a ler, Gilberto, e não terás que rachar lenha, não terás que andar com os bois e a charrua, não te farão quebrar pedra”, e eu então aprendia. Desgraçadamente, sabia apenas ler quando minha mãe morreu.

        - E quem lhe ensinou a escrever?

        - Eu mesmo.

        - O senhor?

        - Sim, com um pauzinho que eu aguçava e uma pouca de areia que peneirava para ser mais fina. Durante dois anos escrevi como se imprime, copiando de um livro, e ignorando que houvesse outros caracteres além daqueles que eu havia conseguido imitar. Enfim, um dia, há-de haver pouco mais ou menos três anos, Andreia havia partido para o convento; desde alguns dias não havia notícias dela, quando um dia o correio me deu uma carta dela para seu pai. Vi então que existiam outros caracteres diferentes daqueles com que se imprimia. O senhor de Taverney abriu a carta, deitou fora o sobrescrito, apanhei-o cautelosamente, e guardei-o; depois, a primeira vez que o correio voltou, fiz com que ele mo lesse; dizia assim:

        “Ao senhor barão de Taverney Casa Vermelha, no seu palácio, por Pierrefitte.”

        “Sobre cada uma destas letras pus a que lhe correspondia em caracteres impressos, e vi que exceptuando três, todas as letras do alfabeto estavam contidas nessas duas linhas. Depois imitei as letras escritas pela Srª. Andreia. Ao cabo de oito dias havia eu reproduzido esse sobrescrito talvez mais de dez mil vezes e sabia escrever. Escrevo portanto sofrivelmente e antes bem que mal; vê portanto, senhor, que as minhas esperanças não são exageradas, pois que sei ler e escrever, que tenho lido tudo quanto tenho apanhado, e que tenho tentado fazer reflexões sobre tudo quanto tenho lido. Por que não acharei um homem que precise da minha pena, um cego que precise de meus olhos, ou um mudo que precise da minha língua?”

        - Esquece que terá então um amo, o senhor que não o quer ter. Um secretário e um leitor são criados de segunda ordem e nada mais.

        - É verdade - murmurou Gilberto empalidecendo; - mas não importa, é preciso que eu chegue ao meu fim. Trabalharei nas calçadas de Paris, acarretarei água, se preciso for, mas hei-de alcançar o que desejo ou hei-de morrer no caminho, e neste caso terei alcançado do mesmo modo.

        - Ora, vamos! -disse o estranho - parece ter muita vontade e muito ânimo.

        - Mas o senhor mesmo - disse Gilberto - que tão bom se mostra para comigo, não exerce profissão nenhuma? Traja como um homem que tem dinheiro.

        O ancião sorriu-se com o seu sorriso doce e melancólico.

        - Tenho uma profissão - disse ele; - sim, é verdade, porque todo o homem deve ter uma, mas é absolutamente alheia a coisas de dinheiro; senão viria eu aqui ervorizar?

        - Ervoriza por ofício?

        - Quase.

        - Então é pobre?

        - Sim.

        - Os pobres é que dão, porque a pobreza tornou-os sábios, e um bom conselho vale mais que um luís de ouro. Dê-me portanto um conselho.

        - Talvez faça mais.

        Gilberto sorriu.

        - Eu desconfiava disso - bradou ele.

        - Quanto julga que será necessário para viver?

        - Oh! bem pouco!

        - Talvez não conheça Paris?

        - Vi ontem a cidade pela primeira vez, das alturas de Luciennes.

        - Então ignora que é caro viver na cidade?

        - Quanto, pouco mais ou menos?... Estabeleça-me uma proporção.

        - De boa vontade. Olhe, por exemplo, o que na província custa um soldo, pode custar-lhe três em Paris.

        - Pois bem! - disse Gilberto - supondo que tenha um abrigo qualquer onde possa descansar depois do trabalho, preciso pouco mais ou menos seis soldos para a vida material.

        - Bem, meu amigo - exclamou o desconhecido - bem! Assim gosto eu do homem. Venha a Paris comigo e achar-lhe-ei uma profissão independente, com o auxílio da qual viverá.

        - Ah! Senhor! - exclamou Gilberto cheio de prazer.

        Depois, emendando-se, disse:

        - Está sabido que hei-de realmente trabalhar e que não é isso uma esmola que me quer fazer?

        - Oh! Não; descanse, meu menino. Não sou rico bastante para dar esmolas, nem tão louco que as desse assim ao acaso.

        - Ainda bem - redargüiu Gilberto, a quem este ditomisantrópico punha à vontade, em vez de o desgostar.

        - Gosto dessa linguagem. Aceito o seu oferecimento e agradeço-lho.

        - Está portanto decidido que vem a Paris comigo?

        - Sim, senhor, se dá licença.

        - Decerto que dou, pois que ofereci.

        - A que estarei obrigado para consigo?

        - A nada... senão a trabalhar; e ainda assim, o senhor mesmo regulará o trabalho; terá o direito de ser moço, de ser feliz, de ser livre e mesmo de ser ocioso, quando tiver ganho para essa ociosidade - disse o desconhecido sorrindo como contra vontade. Depois, erguendo os olhos ao céu, acrescentou suspirando: - Ó juventude! Ó vigor! Ó liberdade!

        E a estas palavras, uma melancolia de uma poesia inexplicável se manifestou nas suas feições finas e puras. Depois ergueu-se, firmando-se na bengala.

        - E agora - disse ele mais alegremente - agora que tem um emprego, vamos encher uma segunda caixa de plantas? Tenho aqui umas folhas de papel pardo sobre as quais classificaremos a primeira colheita. Mas a propósito, tem ainda fome? Conservo um pedaço de pão.

        - Guardemo-lo para de tarde, senhor, se lhe aprouver.

        - Ao menos, coma as cerejas, porque nos incomodam.

        - De bom grado; mas permita que eu leve a sua caixa, andará assim mais à vontade.

        - Mas, espere, o seu encontro trouxe-me fortuna; parece-me ver acolá o vicris hieracioides, que desde pela manhã procuro inutilmente; e aí, debaixo dos seus pés, ah! não o pise! O cerastium aquaticum. Espere, espere! Não arranque! Oh! Meu amigo, ainda está longe de ser botânico; uma destas ervas acha-se ainda muito úmida para ser colhida, e a outra ainda não está formada. Quando às três horas por aqui voltarmos, colheremos então o vicris hieracioides, e quanto ao cerastium só de hoje a oito dias estará em estado de se apanhar. Demais, quero mostrá-lo, ainda na terra, a um amigo meu muito instruído, de quem tenciono implorar a protecção em seu favor. Agora leve-me ao sítio de que há pouco me falou, e onde viu avencas tão belas.

        Gilberto começou a andar adiante do seu novo conhecido; o velho seguiu logo atrás dele, e em breve se sumiram ambos pela floresta.

 

O SENHOR JACQUES

        Gilberto, maravilhado da sua fortuna, a qual nos momentos críticos, lhe deparava sempre um protector, Gilberto, como dissemos, caminhava na frente, voltando-se de quando em quando para o homem singular, que, com tão poucas palavras, o tornara tão brando e dócil.

        Assim o foi guiando até às ervas que designara, e que eram na verdade soberbas avencas. E logo que o velho completou a colecção delas, puseram-se a caminho em busca de novas plantas. Gilberto era mais entendido em botânica do que ele próprio se julgava. Nascido entre os bosques, conhecia como amigas da infância as plantas silvestres, posto que só lhes soubesse dar o seu nome vulgar.

        Ao passo que ele assim as designava, o seu companheiro indicava-lhe o nome científico, que Gilberto tentava repetir, quando encontrava outra planta da mesma família.

        Nas duas ou três primeiras vezes estropiava o nome grego ou latino, o desconhecido então, decompondo-lho, mostrava-lhe a relação que tinha a planta com cada uma das palavras de que o seu nome se compunha, e deste modo aprendia Gilberto não só o nome da planta, como também o sentido da palavra grega ou latina, com que Plínio, Lineu, ou Jussieu a tinham baptizado.

        Algumas vezes exclamava ele:

        - Que pena não poder ganhar uns seis soldos passando o dia inteiro na sua companhia entregue à botânica! Juro-lhe que não descansaria um momento; nem seriam necessários seis soldos: um pedaço de pão como o que tinha esta manhã, seria suficiente para o meu sustento diário. Bebi há pouco num regato, cujas águas não eram inferiores às de Taverney, e debaixo das árvores, onde esta noite me deitei, dormi melhor do que se estivesse sob os tectos de algum palácio.

        A isto sorria o desconhecido.

        - Meu caro - lhe dizia este - chegará o Inverno, murcharão as plantas, o regato ficará gelado, e em vez da brisa suave, que brandamente agita as folhas, o vento norte soprará com força por entre as árvores desfolhadas. Então ser-lhe-á necessário um abrigo, fato e lume, e dos seis soldos diários não lhe sobejaria para ter um quarto, lenha e roupa.

        Gilberto suspirava, colhia novas plantas, e fazia novas perguntas.

        Assim percorreram durante uma boa parte do dia as florestas de Aulnay, de Plessis-Piquet e de Clamart-sous-Meudon.

        Gilberto, segundo o seu costume, tinha tomado com o seu companheiro um tom familiar. O velho, pela sua parte, fazia as perguntas com notável astúcia, Gilberto contudo, desconfiado, circunspecto e receoso, descobria o seu pensamento o menos que podia.

        Em Châtillon, o desconhecido comprou pão e leite, de que sem custo obteve do seu companheiro que aceitasse metade; tomaram depois ambos o caminho de Paris, para que Gilberto pudesse aí entrar ainda de dia.

        Pulava o coração do mancebo só com a idéia de se achar em breve em Paris, nem ocultou esta sensação, quando, chegando ao alto de Vanves, avistou Saint-Geneviève, os Inválidos, Notre-Dame, e esse imenso mar de casas, cujas ondas vão como impelidas pela maré, bater de encontro aos flancos de Montmartre, Belle-Ville e Ménilmontant.

        - Ó Paris, Paris! - dizia ele a meia voz.

        - Sim, Paris, um monte de casas, um pego de males - dizia o velho. - De cada uma dessas pedras que daqui vemos, brotaria uma lágrima, ou tingi-la-ia uma nódoa de sangue, se os pesares, que esses muros encobrem, pudessem ver-se exteriormente.

        Gilberto conteve o seu entusiasmo. Nem lhe foi difícil, este acabou por si mesmo.

        Entraram pela barreira d’Enfer. O bairro era sujo e infecto; viam-se passar os doentes, que em macas eram conduzidos para o hospital; crianças seminuas metidas na lama com os cães, vacas e porcos. Gilberto ia-se tornando carrancudo.

        - Acha isto hediondo, não é verdade? - disse-lhe o velho. - Pois em breve nem isto mesmo verá. Uma vaca, um porco, são ao menos uma riqueza, uma criança é uma alegria. O lodo encontrá-lo-á sempre, por toda a parte.

        Gilberto, disposto como estava para ver Paris sob uma atmosfera sombria, não achou exagerada a pintura que lhe fazia o seu companheiro.

        Este, que tão prolixo se mostrara a princípio nos seus discursos, tinha-se insensivelmente, e ao passo que se aproximava do centro da cidade, tornado silencioso e mudo. Parecia tão preocupado que Gilberto se não atreveu a perguntar-lhe que jardim era o que ele via através da grade, que o fechava, nem que ponte era essa, sobre a qual passavam o Sena. Era o Luxemburgo e o Pont-Neuf.

        Como, porém, fossem sempre caminhando e o desconhecido fosse tão pensativo, que mais parecia inquieto, aventurou-se Gilberto a perguntar-lhe:

        - Ainda mora muito longe?

        - Estamos quase chegando - respondeu o desconhecido, a quem esta pergunta parece que tornou ainda mais melancólico.

        Pela Rua do Four costearam o sumptuoso palácio de Soissons, o qual tinha a frente e a entrada principal por esta rua, posto que os jardins grandiosos se estendessem pelas de Crenelle e dos Deux-Écus.

        Gilberto passou pela frente de uma igreja, que se lhe figurou ser bonita.

        - Belo edifício - disse ele.

        - É Saint-Eustache - respondeu o velho.

        Depois, levantando a cabeça:

        - São oito horas! - exclamou ele - oh! Meu Deus! Meu Deus! Venha depressa, mancebo, venha!

        O desconhecido começou a apressar o passo; Gilberto foi-o seguindo.

        - A propósito - disse o desconhecido depois de alguns momentos de um silêncio tão profundo que começava a inquietar Gilberto - esqueceu-me dizer-lhe que sou casado.

        - Ah! - disse Gilberto.

        - É verdade, e que minha mulher, como verdadeira parisiense, vai talvez ralhar comigo por entrar em casa tão tarde. E além disso, devo preveni-lo de que é muito desconfiada com as pessoas que não conhece.

        - Se quer que me vá embora... - disse Gilberto, a quem estas palavras fizeram cessar repentinamente toda a sua expansão.

        - Por modo nenhum, meu amigo; convidei-o a que viesse para minha casa, há-de vir.

        - Segui-lo-ei - disse Gilberto.

        - À direita, por aqui, somos chegados.

        Gilberto levantou os olhos, e à luz incerta do crepúsculo da tarde leu na esquina da praça, por cima de uma loja, as seguintes palavras:

        Rua Plastrière.

        O desconhecido continuou a apressar o passo, porém, quanto mais se aproximava da casa, mais aumentava nele a agitação febril que já lhe notámos. Gilberto, que não queria perdê-lo de vista, tropeçava a cada passo, já com quem passava, já nos fardos dos homens que iam carregados, já nas lanças das carruagens, ou nos varais das carroças.

        O seu guia parecia tê-lo esquecido inteiramente, corria a passo apressado, visivelmente preocupado por alguma idéia que o incomodava.

        Parou por fim defronte da porta de um corredor, cuja bandeira era de grade.

        Via-se na porta um cordel, que saía por um buraco; o velho puxou por ele e abriu a porta.

        Voltou-se então, e vendo Gilberto indeciso no limiar da porta, disse-lhe:

        - Entre depressa.

        E fechou depois a porta sobre si. Tendo dado alguns passos em completa escuridão, Gilberto encontrou o primeiro degrau de uma escada íngreme e negra. O velho, conhecedor do sítio, tinha já subido uns poucos de degraus.

        Gilberto em breve o alcançou, subiu enquanto o sentiu subir, e parou quando ele também parou.

        Achavam-se sobre um capacho gasto pelo uso, e num patamar, onde havia duas portas. O desconhecido puxou por uma argola suspensa num cordão, e uma pequena campainha fez ouvir o seu fraco som no interior da casa. Ouviram-se então dentro os passos arrastados de uma pessoa em chinelos; depois abriu-se a porta e uma mulher, entre os cinqüenta ou cinqüenta e cinco anos, apareceu no limiar.

        Duas vozes se confundiram então, uma a do desconhecido, outra a da mulher, que lhes tinha aberto a porta.

        Uma delas dizia em tom tímido:

        - É já muito tarde, minha boa Teresa?

        A outra resmungava:

        - Não tem dúvida, fazes com que ceemos a uma bonita hora, Jacques!

        - Tudo se vai remediar - respondeu o desconhecido com modo afectuoso, fechando ao mesmo tempo a porta e tomando das mãos de Gilberto a caixa de folha.

        - Bravo! De criado! - exclamou a velha - era o que lhe faltava. Com que então já não pode trazer os seus molhos de ervas! O Sr. Jacques de criado! Essa é boa! O Sr. Jacques está um fidalgo!

        - Ora vamos lá - respondeu aquele que tão rudemente era interpelado pelo nome de Jacques, colocando com toda a pachorra as plantas sobre o fogão; - vamos lá, mais sossego, Teresa.

        - Pois então pague-lhe e mande-o embora; escusamos de espiões.

        Gilberto tornou-se pálido como a morte, e correu para a porta; Jacques agarrou-o.

        - Este senhor - disse ele - não é um criado, e muito menos um espião, é um hóspede que trago comigo.

        A velha deixou pender os braços que até ali tivera cruzados.

        - Um hóspede! - exclamou ela - só me faltava ver mais esta!

        - Ora vamos lá, Teresa - replicou o desconhecido num tom de voz, em que, se ainda era afectuoso, já transluzia cada vez mais os vislumbres da vontade; - acende uma luz, estou com calor, e temos sede.

        A velha resmungou então por entre dentes, ao princípio com muita força, mas diminuindo pouco a pouco.

        Pegou então num fuzil, e começou com ele a ferir lume sobre uma caixa, que tinha cheia de isca; em breve saltaram algumas faíscas, que incendiaram a isca.

        Enquanto durava este diálogo, bem como durante os murmúrios e o silêncio que se lhe seguiu, Gilberto tinha-se conservado imóvel, mudo, e como que pregado ao chão, a dois passos dessa porta, que ele agora sentia bem ter transposto.

        Jacques compreendeu o que ele deveria sofrer, e disse-lhe:

        - Aproxime-se, Sr. Gilberto, peço-lho eu.

        A velha voltou então o rosto descorado e encarquilhado para ver quem era esse, a quem seu marido falava com aquela política estudada; foi então que Gilberto a contemplou à luz incerta de uma vela delgada, metida num castiçal de cobre.

        Aquele rosto enrugado, desigual, e como que embebido de fel em alguns sítios, aqueles olhos tão vivos, ou antes lascivos que pareciam sair das suas órbitas, a afabilidade patente nas suas feições vulgares, e que o tom e a recepção que a velha lhe fizera desmentiam inteiramente, despertaram desde o primeiro momento em Gilberto a maior antipatia para com ela.

        A velha, pela sua parte, estava longe de lhe ter agradado o rosto pálido e delicado, o silêncio circunspecto e o modo seco do mancebo.

        - Creio bem que devem sentir calor e estar sequiosos - lhes disse ela. - Na realidade, quem passa o dia à sombra dos arvoredos, deve estar cansado; demais, abaixar-se de quando em quando para colher uma erva, é trabalhar! Pois pelo que vejo, este senhor também apanha ervas provavelmente; é a ocupação daqueles que não têm nenhuma.

        - Este senhor - redargüiu Jacques com um tom de voz cada vez mais firme - é um bom e digno mancebo, que todo o dia me honrou com a sua companhia, e que estou certo, a minha boa Teresa vai receber como um amigo.

        - Eu contei com dois, e não com três - disse Teresa.

        - Sou sóbrio e ele também - disse Jacques.

        - Sim, sim, está bom, conheço de sobejo a sua sobriedade, mas juro-lhe que não tenho em casa pão que chegue para satisfazer a sua dúplice parcimónia, e que não sou eu que desço agora três andares para ir comprar mais. Além de que, a estas horas, está a padaria fechada.

        - Então serei eu quem descerei para ir buscá-lo - disse Jacques franzindo as sobrancelhas. - Abre-me a porta, Teresa.

        - Porém...

        - Mando eu!

        - Está bom, está bom! - disse a velha resmungando, mas cedendo contudo ao tom imperioso que a sua contrariedade tinha gradualmente forçado Jacques a tomar.

        - Não estou eu sempre pronta para satisfazer os seus caprichos?... Veremos, farei com que chegue para todos. Vamos cear.

        - Sente-se aqui junto de mim - disse Jacques a Gilberto, conduzindo-o a uma mesa pequena, colocada no quarto imediato, e na qual estavam marcados os lugares de cada um dos donos da casa por dois guardanapos, que junto dos talheres se achavam enrolados e atados, um com um cordão vermelho, e o outro com um branco.

        Este quarto, pequeno e quadrado, era forrado de papel azul desmaiado com flores brancas. Pendiam da parede dois grandes mapas geográficos. Completavam a mobília desta casa seis cadeiras de pau de cerejeira com assentos de palhinha, a mesa de que falámos e um cesto, cheio de meias consertadas.

        Gilberto sentou-se, a velha pôs diante dele um prato, um talher usado, e terminou trazendo-lhe um copo de estanho muito bem polido.

        - Então, não vais lá abaixo? - perguntou Jacques à mulher.

        - Já não é necessário - respondeu ela com um modo irritado que mostrava o rancor que conservava a Jacques pela vitória que sobre ela alcançara; - não é já necessário, achei no armário mais meio pão. Isto faz libra e meia de pão, que se há-de fazer que chegue.

        Enquanto dizia estas palavras, tinha posto a sopa na mesa.

        Jacques foi servido primeiro, depois Gilberto, e a velha comeu na terrina.

        Todos três tinham grande apetite; Gilberto, porém, lembrado da discussão de economia doméstica de que ele tinha sido causa, reprimia o seu quanto podia; não obstante, foi o primeiro que acabou de comer.

        A velha lançou sobre aquele prato, que tão depressa se despejara, um olhar irritado.

        - Quem veio hoje por cá? - perguntou Jacques a ver se distraía Teresa da idéia fixa, a que estava entregue.

        - Ora! Todos os do costume - disse ela. - Tinhas prometido à senhora de Boúfflers os quatro cadernos, à senhora de Escars as duas árias e um quarteto com acompanhamento à senhora de Penthièvre. Umas vieram, e outras mandaram os seus criados. Mas qual! O senhor andava a apanhar ervas, e como ninguém pode divertir-se e trabalhar ao mesmo tempo, tiveram aquelas senhoras que passar sem a sua música.

        Jacques não respondeu palavra, do que Gilberto, que esperava vê-lo irritar-se muito, se admirou. Como, porém, agora o caso era só com ele, não se importou.

        À sopa seguiu-se um pequeno pedaço de carne cozida, servido num prato de louça todo riscado do corte das facas.

        Jacques serviu Gilberto com toda a parcimónia, porque era vigiado por Teresa; cortou para si um bocado igual ao que dera a Gilberto, e depois passou o prato a Teresa.

        Esta pegou no pão e cortou um pedaço para Gilberto, mas tão pequeno, que subiu a cor ao rosto de Jacques; esperou que Teresa o servisse a ele, e a si própria, e tomando-lhe o pão das mãos, disse a Gilberto:

        - Cortará o senhor mesmo o pão que quiser, e peço-lhe que corte segundo a vontade que tiver, porque o pão só se dá por medida a quem o desperdiça.

        Pouco depois vieram à mesa feijões verdes temperados com manteiga.

        - Vê como estão verdes? - disse Jacques - são das nossas conservas; temo-los comido excelentes.

        Dizendo isto, passou o prato a Gilberto.

        - Obrigado, senhor - respondeu este; - jantei bem, não tenho agora vontade.

        - Esse senhor não é da tua opinião a respeito das minhas conservas - disse Teresa com azedume; - estou certa que gostaria mais que eles fossem frescos, mas isso são iguarias que os nossos teres não comportam.

        - Pelo contrário, senhora - replicou Gilberto - acho-os assim muito melhores, e estimaria muito poder prová-los, se não estivesse no costume de não comer mais de uma coisa.

        - E não bebe senão água? - disse Jacques, estendendo a garrafa.

        - Sempre.

        Jacques vazou para si um copo de vinho.

        - Ora agora, minha mulher - disse Jacques pondo a garrafa na mesa - peço-te que trates de arranjar uma cama para este mancebo, que deve estar cansado.

        Teresa deixou cair o garfo que tinha na mão, e, fitando em seu marido os olhos espantados, exclamou:

        - Uma cama! Está doido? Pois traz quem venha cá dormir? Tenciona talvez deitá-lo na sua cama? Na verdade perdeu a cabeça. Então vai agora estabelecer colégio? Nesse caso, procure quem lhe cozinhe e o sirva; bem me bastava ser sua criada, quanto mais sê-la dos outros.

        - Teresa - redargüiu Jacques num tom forte e firme - Teresa, peço-te que me atendas, é só por esta noite. Este mancebo nunca veio a Paris, fui eu que o trouxe aqui. Não quero que durma numa estalagem, de modo nenhum o quero, quando mesmo ele devesse dormir na minha cama, como há pouco o disseste.

        Depois desta segunda manifestação da sua vontade, o velho esperou o resultado dela.

        Teresa, que tinha estado a observá-lo atentamente, e que, enquanto ele falara, lhe estudara os músculos do rosto, viu claramente que não era esta ocasião azada de lutar vantajosamente com ele, e por isso mudou repentinamente de táctica.

        Nada teria alcançado continuando a fazer oposição a Gilberto, começou pois a combater em seu favor; só esperava ocasião propícia para o atraiçoar.

        - Na verdade, este mancebo, visto ter vindo contigo - disse ela - é sinal de que o conheces, e por isso deve ficar em nossa casa. Verás como lhe arranjo uma cama no teu gabinete, junto àqueles maços de papéis.

        - Por modo nenhum - atalhou Jacques vivamente; - um gabinete não é lugar onde se durma. Pode pegar fogo nesses papéis.

        - Forte desgraça! - disse Teresa a meia voz, e continuou alto: - Então na antecâmara, junto ao tremo.

        - Também não.

        - Pois então já vejo que, apesar da boa vontade que temos ambos, não há aonde ele fique, a não ser no teu quarto ou no meu...

        - Parece-me, Teresa, que te não lembram todas as casas.

        - A mim?

        - Sim, a ti. Pois não temos nós a água-furtada?

        - Diz antes o vão do telhado.

        - Não é um eirado, é um quarto que posto seja tosco, é sadio, e tem vista para uns jardins lindos, o que é bem raro em Paris.

        - E que importa que seja um vão de telhado? – disse Gilberto - juro-lhe que ficarei satisfeitíssimo.

        - Aí não - disse Teresa - é aonde eu estendo a roupa.

        - Não importa, Teresa, este mancebo não a tirará de onde ela está. Não é verdade, meu amigo, que terá todo o cuidado em que nada suceda à roupa desta boa dona de casa? Somos pobres, e qualquer perda nos faria grande prejuízo.

        - Fique descansado, senhor.

        Jacques levantou-se e chegando-se a Teresa, disse-lhe em voz baixa:

        - Eu não quero, minha querida amiga, que este mancebo se perca, ouviste? Paris é um sítio perigoso, e aqui ao menos poderemos vigiá-lo.

        - Pelo que vejo, estás encarregado da sua educação. Então o teu discípulo há-de pagar-te?

        - Não, e asseguro-te que nos não custará nada. De amanhã em diante, é ele mesmo quem provê à sua subsistência. Quanto a domicílio, como quase não precisamos do quarto em que ele fica, podemos fazer-lhe a esmola de lho ceder.

        - Os preguiçosos lá se entendem uns com os outros - disse Teresa a meia voz, encolhendo os ombros.

        - Senhor - disse Gilberto, mais enfastiado ainda do que o seu companheiro pelo combate, que ele sustentava a pé firme, por causa de uma hospitalidade que tanto o humilhava - nunca incomodei ninguém, e por certo não começarei pelo senhor, que tão bom se mostra para comigo. Permita pois que me vá embora. Vi da banda da ponte por que passámos alguns bancos debaixo das árvores.  Asseguro-lhe que dormiria perfeitamente deitado sobre um desses bancos.

        - Para o prenderem como vadio.

        - Que é realmente - disse Teresa em voz baixa, levantando a mesa.

        - Venha, mancebo - disse Jacques - tenho lá em cima, se bem me lembro, um colchão de palha; sempre é melhor do que um banco de pedra, e como lhe bastava um banco...

        - É de mais até, senhor, nunca dormi senão sobre palha.

        Depois, querendo encobrir esta verdade que lhe escapara, por meio de uma mentira, acrescentou:

        - A lã faz-me muito calor.

        - A palha na verdade é mais fresca - disse Jacques sorrindo-se; - traga a vela que está sobre a mesa, e siga-me.

        Teresa nem sequer olhou para onde estava Jacques. Soltou um suspiro, porque estava vencida.

        Gilberto levantou-se com gravidade e seguiu o seu protector.

        Quando passavam pela antecâmara, viu uma pequena fonte na parede.

        - É cara a água em Paris? - perguntou ele.

        - Não, meu amigo, mas ainda que o fosse, o pão e a água são duas coisas que o homem não pode negar a quem lhas pede.

        - É que em Taverney a água nada custa, e o luxo do pobre é o asseio.

        - Aí tem, meu amigo - disse Jacques indicando-lhe uma bacia de louça - leve.

        E continuou a andar adiante do mancebo, admirado de encontrar numa criança daquela idade a firmeza do povo junto aos instintos da aristocracia.

 

A AGUA-FURTADA DO SENHOR JACQUES

        Se a escada já era estreita e íngreme no fim do corredor, isto no sítio em que Gilberto encontrara o primeiro degrau, mais estreita e íngreme se ia tornando do terceiro andar em diante, onde morava o Sr. Jacques.

        Foi pois com custo que este e o seu protegido chegaram a um verdadeiro vão de telhado. Desta vez era Teresa que tinha razão; era um verdadeiro vão de telhado dividido em quatro quartos, três dos quais estavam desabitados.

        Verdade é que todos eles, mesmo o destinado a Gilberto, eram inabitáveis.

        O telhado, pela inclinação que tinha, formava com o sobrado um perfeito ângulo agudo. No centro do telhado, havia uma fresta com um caixilho velho, e já sem vidros, que dava luz e ar à casa. A claridade entrava frouxamente, o vento, porém, em quantidade, sobretudo no Inverno, quando ele fosse forte.

        Por felicidade começava o Verão, e apesar da proximidade da estação calmosa, a luz que Jacques trazia, quase se apagou quando entraram.

        O colchão, de que Jacques falara a Gilberto tão lisonjeiramente, aí se achava na verdade, e tanto mais saliente se tornava quanto era o principal móvel daquele quarto.

        Por uma e outra parte estavam espalhados maços de papéis velhos impressos, amarelos nas margens, de envolta com um montão de livros, já meio roídos dos ratos.

        Em duas cordas colocadas transversalmente, e na primeira das quais Gilberto por pouco se não esganou, soavam, quando movidos pelo vento, sacos de papel contendo feijões secos na casca, ervas aromáticas, roupa, e algum fato velho de mulher.

        - Não é lá muito bom - disse Jacques - mas o sono e a escuridão tornam iguais aos mais sumptuosos palácios as choupanas mais miseráveis. Durma, como costuma suceder na sua idade, e não lhe custará amanhã a crer que dormiu no Louvre. Sobretudo, tome cuidado com a luz!

        - Sim, senhor - respondeu Gilberto um pouco aturdido com o que acabava de ver e ouvir.

        Jacques saiu sorrindo-se para ele; mas voltando outra vez atrás, disse-lhe:

        - Falaremos amanhã. Espero que não porá dúvida em trabalhar, não é assim?

        - Bem sabe, senhor, que pelo contrário, os meus desejos são de encontrar trabalho.

        - Parece-me isso muito bem.

        E Jacques encaminhou-se de novo para a porta.

        - Trabalho honesto - acrescentou Gilberto.

        - Não conheço outro, meu amigo. Adeus, até amanhã.

        - Boas noites, senhor, de novo lhe agradeço – disse Gilberto.

        Jacques saiu, fechou a porta por fora e Gilberto ficou só no sótão.

        A princípio estava admirado, depois espantado de se achar em Paris, e perguntava a si mesmo se seria realmente Paris, essa cidade onde havia quartos como aquele em que se encontrava.

        Mas, por fim, pensou que o quarto em que estava lhe era dado como esmola por Jacques, e como tinha visto fazer esmolas em Taverney, não só não estranhou, mas até a sua estranheza foi em breve substituída pela gratidão.

        Pegou então na luz, e começou com todas as precauções recomendadas por Jacques a percorrer os cantos do sótão; importando-se tão pouco com o fato de Teresa, que nem sequer tirou um vestido para com ele se cobrir.

        Passou junto aos maços de papéis, que eram o que mais que tudo despertava a sua curiosidade.

        Como estivessem porém amarrados, não lhes tocou.

        Com o pescoço estendido e os olhos arregalados, passou dos maços de papéis a examinar minuciosamente os sacos dos feijões.

        Os sacos dos feijões eram feitos de papel branco impresso e muito encorpado, e estavam pregados com alfinetes.

        Num movimento repentino que fez, Gilberto tocou com a cabeça na corda e fez cair um dos sacos.

        Mais pálido e atónito do que ficaria se tivesse arrombado a fechadura de uma burra, Gilberto apressou-se a apanhar os feijões, que se tinham espalhado pelo chão e a metê-los no saco.

        Quando estava entregue a esta operação, olhou casualmente para o papel, e foi também maquinalmente, que leu algumas palavras, que lhe prenderam a atenção. Atirou fora os feijões e sentando-se sobre o colchão, começou a ler o papel. As palavras que aí encontrou estavam de tal modo em harmonia com o seu pensamento, e mormente com o seu carácter, que pareciam não só expressamente escritas para ele, mas por ele mesmo.

        Eram as seguintes:

        “Demais, nunca me agradaram costureiras, criadas, ou modistas, mas somente as donzelas de uma classe mais elevada. Cada um tem a sua fantasia, esta foi sempre a minha. Neste ponto sou da opinião de Horácio. Não é, todavia, a vaidade do estado e da posição que me atraem, o que me atrai é sim um rosto mais delicado, umas mãos finas, um trajo mais gracioso, certo ar de delicadeza e dignidade em toda a sua pessoa, certa escolha de vestuário e no falar, um vestido mais rico, um sapato mais fino, finalmente, os laços, as rendas, o cabelo mais bem penteado. Preferirei sempre uma mulher, em que isto se encontre, ainda que seja menos bela. Concordo em que é ridícula esta preferência, mas nem por isso o meu coração deixa de a dar a meu pesar.”

        Gilberto estremeceu, um suor frio lhe inundava o rosto; era impossível expressar melhor os seus pensamentos, definir melhor os seus instintos, analisar melhor os seus gostos. Só encontrava uma diferença; Andreia não era a mulher menos bela com todas essas qualidades, Andreia tinha-as todas, e era além disso a mais bela.

        Gilberto continuou pois a ler com atenção e avidez o que se seguia.

        Às linhas que citámos, seguia-se uma interessante aventura de um mancebo com duas donzelas; era a história de um passeio a cavalo com todos os incidentes, com os sustos e gritos, que tornam as mulheres tanto mais interessantes quando traem a sua fraqueza; seguia-se-lhe a de uma jornada, em que ele levava uma delas na garupa do seu próprio cavalo, e a de uma volta nocturna ainda mais encantadora e deliciosa.

        Viu qual era a numeração das páginas, e começou a procurar as que se lhe seguiam.

        Não achou as páginas imediatas, encontrou porém sete ou oito sacos, cuja paginação era seguida. Tirou-lhes os alfinetes, vazou os feijões no chão, reuniu as folhas e começou a ler.

        Desta vez o assunto era diferente. As novas folhas continham os amores de um mancebo pobre e desconhecido com uma senhora nobre. Essa mulher tinha descido até ele, ou antes era ele que tinha subido até ela, a qual o recebera como se fosse seu igual, e fazendo dele o seu amante, havia-o iniciado em todos os mistérios do coração e nesses sonhos dourados da infância, que têm tão curta duração, e que chegados a outro termo da vida só nos aparecem como esses meteoros brilhantes e fugitivos, que nas noites de Outono vemos deslizar no céu estrelado. O nome do mancebo não era mencionado em nenhuma daquelas folhas. A dama era ali designada com o nome de Warens, nome mui doce e de pronúncia agradável.

        Gilberto já pensava na felicidade que ia gozar, passando a noite toda a ler, felicidade que lhe era assegurada pela longa enfiada de sacos de papel, que ele tinha para ir desembrulhando a pouco e pouco, quando ouviu crepitar a luz; era o castiçal de cobre que, pela proximidade da chama, tinha o bocal em brasa; o resto da vela de sebo derreteu-se e tornou-se líquida, espalhou-se no sótão o cheiro infecto do morrão, o pavio apagou-se e Gilberto ficou em completa escuridão.

        Tudo isto tinha ocorrido tão rapidamente que Gilberto não teve tempo de o remediar. Interrompido no meio da sua leitura, quase que chorou de raiva. Deixou cair as folhas de papel, que tinha na mão, sobre os feijões, que estavam amontoados ao pé da cama, estendeu-se sobre o colchão, e a despeito de todo o seu pesar, adormeceu profundamente.

        Dormiu como dorme quem tem dezoito anos, e só acordou ao ruído do ferrugento cadeado, com que Jacques lhe tinha na véspera fechado a porta.

        O dia tinha já começado há muito, e Gilberto, abrindo os olhos, viu o seu protector, que entrava no quarto nos bicos dos pés.

        A vista de Gilberto dirigiu-se imediatamente para os feijões, que estavam espalhados, mas a de Jacques já tinha tomado a mesma direcção.

        Gilberto sentiu subir-lhe o rubor às faces, e sem atinar com o que dizia, murmurou:

        - Bons dias, senhor.

        - Bons dias, meu amigo - lhe respondeu Jacques – dormiu bem?

        - Perfeitamente.

        - Será porventura sonâmbulo?

        Gilberto ignorava o que era ser sonâmbulo, mas logo viu que a pergunta tinha por fim pedir uma explicação da saída dos feijões para fora dos seus sacos, bem como do estado em que estes se achavam.

        - Ah! Senhor - disse Gilberto - bem vejo por que pergunta isso; sim, eu é que sou o autor desta desordem toda, e humildemente me acuso; creio, porém, que a poderei remediar.

        - Não há dúvida, mas como se gastou a vela até ao fim?

        - Porque estive acordado até muito tarde – respondeu Gilberto no maior enleio.

        - E o que esteve a fazer todo esse tempo? – perguntou Jacques desconfiado.

        - Estive lendo.

        Jacques percorreu então com um olhar ainda mais desconfiado todos os cantos da casa, onde estavam os maços de papéis.

        - Interessou-me de tal sorte esta primeira folha – disse Gilberto designando o primeiro saco que ele tinha despregado e lido - na qual casualmente lancei os olhos... Mas o senhor, que é tão instruído, deve saber a que livro ela pertence?

        Jacques lançou os olhos maquinalmente sobre ela, e respondeu:

        - Não sei.

        - Naturalmente é algum romance - disse Gilberto e romance bem lindo.

        - Julga pois que é romance?

        - Parece-me que sim; fala-se aqui de amor como nos romances; mas neste muito melhor do que em qualquer outro.

        - Todavia - replicou Jacques - como vejo no fim da página a palavra Confissões, creio...

        - O quê?

        - Que é talvez uma história.

        - Oh! Por certo que não; o homem que assim fala, sem dúvida não fala de si mesmo. Há tanta franqueza nas suas palavras, tanta imparcialidade nos seus juízos...

        - Pois eu creio que se engana - atalhou prontamente o velho. - O autor, bem dissemelhante dos outros, quis dar este exemplo de sinceridade ao mundo, mostrando-se o homem tal qual Deus o formara.

        - Conhece o autor?

        - O autor é João Jacques Rousseau.

        - Rousseau! - exclamou o mancebo.

        - Sim, aqui estão separadas e perdidas algumas folhas do seu último livro.

        - Com que então esse mancebo pobre, desconhecido e obscuro, mendigando quase pelas estradas, que percorria a pé, era Rousseau, o homem que um dia devia compor o Emílio, e escrever o Contrato Social?

        - Era o mesmo, ou para melhor dizer não o é – disse o velho com um tal sentimento de tristeza, que é impossível reproduzi-lo. - Não, não era ele: o autor do Contrato Social e do Emílio, é o homem descrido do mundo, da vida, da glória e quase de Deus; o outro... O outro Rousseau... O da senhora de Warens, é o mancebo entrado na vida pela mesma porta por onde entra a aurora no mundo; é o mancebo com as suas alegrias e as suas esperanças. Há entre os dois Rousseau um abismo, que impedirá que jamais se encontrem... São trinta anos de desgraças!

        E acabando de dizer isto o velho abanou tristemente a cabeça, deixou pender os braços, e ficou entregue a uma meditação profunda.

        Gilberto, esse, ficara como deslumbrado.

        - É pois verdadeira esta aventura com a menina de Galley e a menina de Graffenried? É pois verdade que ele sentiu pela senhora de Warens o amor que pinta? Não é pois uma mentira a posse dessa mulher, que ele amava, posse que o encheu de tristeza, em vez de o transportar ao Céu, como ele esperava?

        - Mancebo - disse o velho - Rousseau nunca mentiu. Lembre-se da sua divisa: Vitam impendere vero.

        - Já a sabia, mas como não entendo o latim, ignorava o que significasse.

        - Quer dizer: “Dar a sua vida pela verdade”.

        - É pois possível - continuou Gilberto - que um homem, partindo do ponto de onde partiu Rousseau, conseguisse ser amado por uma senhora bela e nobre?! Oh! Meu Deus! Sabe o senhor que isto é para fazer conceber as mais loucas esperanças aos que, colocados tão baixo, como ele, ousaram elevar demasiado as suas vistas?

        - Ama - disse Jacques - e acha a situação de Rousseau análoga à sua?

        Gilberto tornou-se vermelho, mas não respondeu nada.

        - Mas nem todas as mulheres são como a senhora de Warens - disse ele; - se as há como ela é, também as há soberbas, orgulhosas, inacessíveis, e essas... é loucura amá-las.

        - E todavia, meu amigo - redargüiu o velho – mais de uma vez se apresentaram a Rousseau ocasiões idênticas.

        - Ah! Sim - exclamou Gilberto - mas era Rousseau. Por certo que se sentisse dentro em meu peito uma só faísca desse fogo, que lhe queimava o coração, e lhe incendiava o génio...

        - O que sucederia?

        - O quê? Diria que não haveria mulher, por mais alto que o seu nascimento a tivesse colocado, que pudesse contar comigo, enquanto que, como nada sou, como não tenho a certeza de um futuro, quando elevo os olhos acima de mim, fico assombrado. Oh! Quem me dera poder falar com Rousseau!

        - Para quê?

        - Para lhe perguntar se porventura a senhora de Warens não tivesse descido até ele, ele se teria elevado até ela; para lhe dizer: “Essa posse que o enche de tristeza, se fosse recusada, não a teria conquistado mesmo por...?”

        E o mancebo parou.

        - Por quê?... - perguntou o velho.

        - Por um crime.

        Jacques estremeceu.

        - Minha mulher já deve ter acordado - disse ele, cortando assim o fio à conversa - desçamos. E demais, previno-o de que o dia de um trabalhador nunca começa tão tarde; venha.

        - É verdade - disse Gilberto - desculpe-me; mas há conversas que me encantam, livros que me exaltam, pensamentos que quase me tornam louco.

        - Vamos, vamos - disse o velho - já vejo que está enamorado.

        Gilberto não respondeu, começou a apanhar os feijões e a metê-los nos sacos de papel, pregando-os com os alfinetes. Jacques ficou parado, vendo o que ele fazia.

        - Não tem um quarto sumptuoso, é certo - disse o velho - mas aqui tem o necessário, e se fosse mais madrugador, teria aspirado por esta janela a fragrância das plantas, que não deixam de ter todo o mérito no meio dos cheiros nauseabundos, que infeccionam esta grande cidade. São aí os jardins da Rua Jussienne, e estamos no tempo em que a tília e o ébano se cobrem de flor, e aspirar-lhes o aroma é por certo para um pobre cativo, acumular felicidade para um dia inteiro.

        - Eu também gosto disso tudo, mas o hábito de o ver a miúdo, faz com que lhe não preste muita atenção.

        - Diga antes, que não há ainda muito tempo que deixou o campo, por isso não tem saudades. Mas como já dormiu, vamos agora ao nosso trabalho.

        E mostrando a Gilberto o caminho, Jacques esperou que ele saísse, e fechou depois o cadeado.

        Jacques conduziu então o seu companheiro em direitura ao lugar, a que Teresa tinha na véspera dado o nome de gabinete.

        Compunham a mobília deste quarto, colecções de borboletas, metidas em redomas de vidro, ervas e minerais postos em caixilhos de madeira preta, uma biblioteca de nogueira cheia de livros, uma mesa estreita e comprida coberta com um pano de lã verde e preta, já gasto pelo uso, e sobre a qual estavam colocados com toda a ordem maços de manuscritos, quatro cadeiras de braços feitas de cerejeira, lavradas e com estofo de crina; isto tudo tão arrumado e limpo, que o homem mais escrupuloso não lhe notaria uma falta de ordem ou de asseio; o seu aspecto, contudo, entristecia a vista e o coração, tão frouxa era a claridade que umas cortinas de cassa deixavam penetrar, tão longe pareciam estar o luxo e a felicidade das cinzas frias que se viam no negro fogão.

        Um cravo de madeira clara sustentado em quatro pés direitos e simples, e um relógio pequeno, que estava sobre o fogão, e em cujo mostrador se lia “Dolt ao Arsenal”, eram os únicos objectos, que, um pela vibração das cordas movidas pelo ruído das carruagens que passavam, o outro pelo movimento da pêndula, faziam lembrar que vivia alguém naquela espécie de túmulo.

        Gilberto entrou respeitosamente no gabinete que acabamos de descrever; achou a mobília quase sumptuosa, porque era pouco mais ou menos igual à do castelo de Taverney; o que mais o admirou foi o sobrado que era encerado.

        - Sente-se - disse Jacques designando-lhe uma mesa, colocada no vão da janela; - vou mostrar-lhe qual é a ocupação que lhe destino.

        Gilberto obedeceu prontamente.

        - Conhece o que é isto? - perguntou-lhe o velho.

        E designou a Gilberto uma folha de papel pautado em distâncias iguais.

        - Por certo - respondeu este; - é papel de música.

        - Pois bem, quando uma destas folhas está cheia de pontos pretos, quero dizer, quando tenho copiado tanta música quanta ela pode conter, tenho ganho dez soldos; foi este o preço que eu mesmo estabeleci. Parece-lhe que poderá aprender a copiar música?

        - Estou convencido que sim.

        - Mas não lhe fazem confusão estes borrões pretos sobre estas linhas iguais, unidos aos dois, e aos três?

        - É verdade, senhor. À primeira vista não percebo nada; mas aplicando-me, distingo as notas umas das outras; por exemplo, aqui está um fa.

        - Aonde?

        - Aqui, na última linha.

        - E que nota é esta no primeiro intervalo?

        - Também é um fa.

        - E esta que está sobre a outra, que ocupa a segunda linha?

        - É um sol.

        - Então, pelo que vejo, sabe música?

        - Sei os nomes das notas, mas não lhes conheço o valor.

        - E sabe também distinguir as notas brancas das pretas, as colcheias, semicolcheias, fusas?...

        - Conheço isso tudo.

        - E este sinal?

        - Também; é uma pausa.

        - E este?

        - Um sustenido.

        - E este?

        - Um bemol.

        - Muito bem. Então - disse Jacques com o olhar de desconfiança que lhe era habitual - já vejo que, apesar da ignorância que afecta, fala da música como falou da botânica, de que também se dizia ignorante, e como esteve esta manhã quase falando de amor.

        - Oh! Não zombe comigo, senhor - disse Gilberto tornando-se vermelho.

        - Pelo contrário, meu filho, eu não zombo, admiro. A música é uma arte, a que só nos entregamos depois dos outros estudos, e como me disse que não tinha recebido educação alguma, que não tinha aprendido nada...

        - E é verdade, senhor.

        - Não foi todavia por si só que soube que este ponto preto na última linha era um fa, creio eu.

        - Senhor - disse Gilberto abaixando a cabeça e a voz ao mesmo tempo - na casa em que eu vivia, havia uma... Uma menina, que tocava piano.

        - Ah! Já sei - disse Jacques - provavelmente a mesma que estudava botânica.

        - Exactamente, senhor, e tocava muito bem.

        - Sim?

        - É verdade, e eu gosto muito de música.

        - Isso contudo não é razão suficiente para se lhe conhecerem as notas.

        - Senhor, Rousseau diz que é imperfeito o homem que goza do efeito sem lhe indagar a causa.

        - Sim, mas também ele diz que o homem que se quer aperfeiçoar por essa indagação, perde a sua alegria e instinto natural.

        - E isso o que importa - disse Gilberto - se encontra no estudo prazeres iguais aos que por ele perde?

        Jacques voltou-se admirado e exclamou:

        - Bravo! Não só é botânico e músico, como também é lógico.

        - Ah! Senhor - disse ele - desgraçadamente, nem botânico, nem músico, nem lógico sou; distingo uma nota ou outra, um ou outro sinal, eis o que sei de música.

        - Mas solfeja?

        - Nada absolutamente.

        - Pois não importa, quer sempre experimentar se pode copiar a música? Aqui tem papel pautado, não o desperdice que custa muito caro. Ou então é melhor isto, aqui tem papel branco, paute-o e faça nele a experiência.

        - Farei como me recomenda, senhor; mas permita-me que lhe diga que não vejo nisto um modo de vida que abrace para sempre; pois copiar música, materialmente sem a entender, melhor me fora então fazer-me escrevente.

        - Mancebo, mancebo, fala irreflectidamente, tome conta com isso.

        - Eu?

        - O senhor, sim. Porventura é de noite que o escrevente ou empregado público ganham a sua vida?

        - Não, por certo.

        - Pois bem! então ouça o que lhe digo: um homem hábil pode em duas ou três horas de noite copiar cinco folhas destas e até seis, quando à força de exercício faz as notas perfeitas de uma penada, tem um traço puro, e contraiu um hábito de ler a música, que lhe dispensa o olhar a miúdo para a que está copiando. Seis páginas valem três francos, pode se viver com esta quantia; espero que não duvidará disto, o senhor, que só lhe bastavam seis soldos. Com duas horas pois de trabalho nocturno, pode um homem seguir o curso de cirurgia, medicina, ou botânica.

        - Ah! - exclamou Gilberto - percebo agora e de todo o coração lhe agradeço.

        E atirou-se imediatamente à folha de papel, que o velho lhe apresentava.

 

QUEM ERA O SENHOR JACQUES

        Trabalhava Gilberto com todo o ardor, e o papel ia-se cobrindo com os ensaios, que ele atentamente fazia, quando o velho, depois de por algum tempo contemplar a sua obra, se foi por sua vez sentar na outra mesa, e começou a emendar umas folhas de papel impresso, iguais às que formavam os sacos dos feijões existentes no quarto de Gilberto.

        Assim se passaram três horas, e acabavam de soar as nove horas no relógio, quando Teresa entrou precipitadamente no quarto.

        Jacques levantou a cabeça.

        - Depressa, depressa! - disse ela - vai para a sala quanto antes. Aí temos agora outro príncipe. Oh! Meu Deus! Quando acabará esta procissão de altezas? Se este ao menos se não lembrar de almoçar connosco, como fez o outro dia o duque de Chartres, bom será!

        - E que príncipe é? - perguntou Jacques em voz baixa.

        - O príncipe de Conti.

        Gilberto, ao ouvir este nome, deixou cair sobre o papel um sol, a que Bridoison, se então vivesse, teria chamado antes um borrão do que uma nota...

        - Um príncipe, uma alteza! - disse ele em voz baixa.

        Jacques saiu, sorrindo-se, atrás de Teresa, que fechou logo a porta.

        Gilberto olhou então em roda de si, e vendo que estava só, levantou a cabeça desorientado, e exclamou:

        - Mas onde estou eu? Príncipes e altezas em casa do Sr. Jacques! O duque de Chartres, o príncipe de Conti em casa de um copista!

        Chegou-se à porta para escutar; o coração batia-lhe com força.

        O príncipe e Jacques já tinham feito os primeiros cumprimentos; era o príncipe quem estava falando.

        - Queria levá-lo comigo - dizia ele.

        - E com que fim, meu príncipe? - perguntou Jacques.

        - Para o apresentar à delfina. É uma nova era para a filosofia, meu caro filósofo.

        - Agradeço-lhe a boa vontade, senhor, mas actualmente é-me impossível acompanhá-lo.

        - Todavia, há-de haver seis anos, não teve dúvida em acompanhar a senhora de Pompadour a Fontainebleau.

        - Então tinha de menos seis anos de idade; hoje as minhas doenças não me permitem que me afaste da minha poltrona.

        - Diga também a sua misantropia.

        - Suponhamos que assim é. Por minha fé, não é por isso; o mundo não é uma coisa tão curiosa que valha a pena incomodar-se alguém por sua causa.

        - Pois bem, pactuemos; dispenso-o da ida a Saint-Denis e do grande cerimonial, mas há-de vir comigo à Muette, onde depois de amanhã pernoitará Sua Alteza Real.

        - Pois Sua Alteza Real chega depois de amanhã a Saint-Denis?

        - Com todo o seu séquito. Ora vamos, duas léguas num instante se andam, e não é coisa que cause grave incómodo. A princesa tem fama de ser exímia na música, foi discípula de Gluck.

        Gilberto nada mais ouviu. Quando disseram: “Depois de amanhã a delfina chega com todo o seu séquito a Saint-Denis”, só pensou numa coisa, e foi que, dentro em dois dias, se acharia a duas léguas de Andreia.

        Esta idéia ofuscou-lhe a vista, como se os seus olhos tivessem encontrado um espelho ardente.

        O mais forte dos dois sentimentos fez calar o outro. O amor fez cessar a curiosidade; por alguns momentos pareceu a Gilberto que não havia no quarto ar bastante para respirar, por isso correu à janela com tenção de a abrir, mas a janela estava fechada por dentro com um cadeado, provavelmente para nunca se ver do quarto fronteiro ao de Jacques o que neste se passava.

        Caiu então sobre a cadeira em que estivera sentado.

        - Oh! Nunca mais escutarei às portas - disse ele; - não quero penetrar os segredos desse homem, meu protector, desse copista, a quem um príncipe dá o nome de amigo, e quer apresentar à futura rainha de França, à filha de imperadores, àquela a quem a menina Andreia falara quase de joelhos. E contudo, talvez soubesse alguma coisa da menina Andreia, se continuasse a escutar... Mas não, não, porque deste modo assemelhar-me-ia a um lacaio. La Brie também escutava às portas.

        E fazendo um esforço sobre si mesmo retirou-se de junto da fechadura, da qual se tinha aproximado; tremiam-lhe as mãos e as pernas, e parecia-lhe que um véu lhe turvava a vista.

        Sentiu então a necessidade de alguma distracção forte; a cópia tê-lo-ia ocupado muito pouco, e por isso pegou ao acaso num livro, que estava sobre a mesa de Jacques.

        - As Confissões - leu ele com surpresa misturada de alegria - as Confissões, de que com tanto prazer li algumas páginas.

        “Edição ornada com o retrato do autor”, continuou ele a ler.

        - Oh! Eu que nunca vi o retrato de Rousseau! – exclamou ele. - Vejamos.

        E dizendo isto levantou rapidamente o papel de seda que cobria a estampa, e soltou um grito.

        Neste momento abria-se a porta e entrava Jacques.

        Gilberto confrontou o rosto de Jacques com o retrato que tinha na mão, e com os braços estendidos e o corpo todo trémulo, deixou cair o livro no chão, exclamando ao mesmo tempo:

        - Estou em casa de João Jacques Rousseau!

        - Vejamos que tal copiou a música, meu filho – respondeu este sorrindo, mais feliz no fundo do seu coração com aquela ovação imprevista do que o fora com os mil triunfos que obtivera durante a sua vida gloriosa.

        E passando por diante de Gilberto, que estava todo trémulo, aproximou-se da mesa e lançou os olhos sobre o papel de música.

        - Não tem má cópia - disse ele; - mas deixa margens muito grandes, além disso, não junta com o mesmo traço as notas ligadas. Falta-lhe um sustenido neste compasso, e as linhas com que separa os compassos não estão direitas. As notas brancas deve fazê-las com dois semicírculos. Não importa que não fiquem bem unidas. A nota, inteiramente redonda, é desengraçada e mal lhe fica o traço que se lhe junta. Pois é verdade, meu amigo, está em casa de João Jacques Rousseau.

        - Oh! Então, senhor, perdoe-me as loucuras que tenho proferido - disse Gilberto juntando as mãos, e quase que prostrando-se diante dele.

        - Foi pois necessário que viesse um príncipe a minha casa para conhecer o perseguido, o desgraçado filósofo de Genebra? Pobre mancebo, ou antes feliz mancebo, que ignora ainda o que é perseguição!

        - Oh! Sim, eu sou feliz, bem feliz, mas é porque o vejo, porque o conheço e porque me acho junto de si.

        - Obrigado, meu filho, obrigado; mas não basta ser feliz, é necessário também trabalhar. Agora que já fez os seus ensaios, aqui tem este rondo, e faça por copiá-lo em papel de música; é pequeno e pouco difícil, sobretudo faça diligência para que fique obra asseada. Mas como foi que me conheceu?

        Gilberto, com o coração cheio de prazer, pegou no volume das Confissões e mostrou o retrato a João Jacques.

        - Ah! Sim, já percebo, é o meu retrato, queimado em estátua na primeira página do Emílio, mas que importa! A chama sempre alumia, quer ela venha do Sol, quer de um auto-de-fé!

        - Ah! Senhor, se soubesse que foram sempre os meus sonhos de felicidade o viver consigo! Se soubesse que a isto se limitavam as minhas ambições!...

        - Não viverá comigo, meu amigo, porque eu não faço prosélitos. Para o ter como hóspede, bem vê que não sou rico bastante para os receber, e muito menos para os conservar em casa.

        Gilberto estremeceu. João Jacques pegou-lhe na mão.

        - Todavia - lhe disse ele - não desespere. Desde que o encontrei que o estudo, meu filho, e se em si há alguma coisa de mau, também há alguma coisa de bom; lute com a sua vontade contra os seus instintos; desconfie do orgulho, esse verme roedor da filosofia, e copie música, esperando melhor sorte.

        - Oh! Meu Deus, meu Deus! - disse Gilberto – eu enlouqueço com o que me acontece!

        - E contudo, nada é mais natural e simples do que isto que acaba de lhe suceder; verdade é, que as coisas simples são as que mais comovem os corações profundos e os espíritos inteligentes. Fugia não sei de onde, não lhe perguntei qual era o seu segredo, fugia pelos bosques, onde encontrou um homem que apanhava ervas, o qual tinha um pedaço de pão, e como o senhor não o tinha dividiu-o consigo; como não soubesse para onde havia de ir, esse mesmo homem ofereceu-lhe um asilo em sua casa; esse homem devia necessariamente ser alguém, ter um nome qualquer, esse homem chama-se Rousseau, nada mais simples, e diz-lhe:

        “O primeiro preceito da filosofia é o seguinte: Homem, provê às tuas precisões.”

        - E por conseguinte, meu amigo, quando tiver copiado o rondo, terá o seu sustento de hoje. Copie pois o rondo.

        - Oh! Como é bom, senhor!

        - Quanto à habitação, tem-na livre de despesas; só lhe recomendo que nada de leituras nocturnas, ou se quer ter luz será à sua custa, aliás teremos que ouvir Teresa ralhar. Tem já vontade de comer?

        - Oh! Não, senhor - disse Gilberto sufocado.

        - Resta-nos da ceia de ontem alguma coisa para almoçarmos hoje; não faça cerimónia! Será a última vez que comerá à minha mesa, salvo o caso de o convidar alguma vez, se ficarmos sempre amigos.

        Gilberto começou um gesto que Rousseau interrompeu com um sinal de cabeça.

        - Há na Rua Plâtrière uma pequena casa de pasto para os operários, dar-lhe-ão aí de comer por uma bagatela, porque o recomendarei ao dono dela. No entretanto, vamos almoçar.

        Gilberto seguiu Rousseau, sem responder. Pela primeira vez na sua vida tinha sido subjugado; verdade é, que o fora por um homem superior aos outros.

        Tendo apenas comido alguma coisa, levantou-se da mesa e voltou para o seu trabalho. Ele tinha dito a verdade, o seu estômago ressentido ainda do abalo que sofrera, não suportava nenhum alimento. Durante o dia inteiro não levantou cabeça da obra que estava fazendo, e pelas oito horas da noite, depois de ter inutilizado três folhas, tinha conseguido copiar inteligivelmente e com asseio um rondo de quatro páginas.

        - Não quero lisonjeá-lo - lhe disse Rousseau – ainda está mau, mas já está inteligível; isto vale dez soldos, aqui os tem.

        Gilberto pegou neles inclinando-se.

        - Sr. Gilberto, ainda aí temos pão no armário – disse Teresa, em quem tinham produzido bom efeito a discrição, candura e aplicação do mancebo.

        - Obrigado, minha senhora - respondeu ele; - fique certa de que jamais esquecerei a sua bondade para comigo.

        - Aqui tem - disse Teresa, apresentando-lhe o pão.

        Gilberto ia recusar, mas olhou para João Jacques e viu, naquele sobrolho que se arqueava, por cima daquele olho tão penetrante, naquela boca fina, que se contraía, que a sua recusa feriria o melindre do seu protector.

        - Aceito - disse ele.

        Depois retirou-se para o seu quarto levando na mão a moeda de prata de seis soldos, e a de cobre de quatro, que João Jacques lhe acabava de dar.

        - Finalmente - disse ele entrando no quarto – estou senhor de mim; mas não, ainda não, ainda aqui tenho o pão que por esmola me deram.

        E apesar de estar com fome, pôs sobre o parapeito da fresta o pão que lhe tinham dado, e no qual nem sequer tocara.

        Depois, lembrando-se de que lhe passaria a fome dormindo, apagou a luz e deitou-se no colchão.

        No dia seguinte, Gilberto, que pouco dormira durante a noite, viu nascer o dia. Lembrou-se então do que Rousseau lhe tinha dito a respeito dos jardins sobre os quais dava a fresta do telhado. Deitou a cabeça fora da fresta e viu com efeito as árvores de um lindo jardim, e por entre elas o palácio a que o jardim pertencia, cuja entrada era pela Rua Jussienne.

        A um canto do jardim, cercado de lindos arbustos e flores, estava situada uma pequena casinha de vidraças toda fechada.

        Gilberto cuidou a princípio que as vidraças estavam fechadas por causa da hora que era, e que os que ali moravam ainda não estavam levantados, mas reparando depois que os arbustos se tinham entrelaçado nas vidraças e pegado a elas, viu que aquela casa era desabitada, pelo menos no Inverno.

        Voltou então a admirar os lindos bosques de tílias, que encobriam a parte principal do edifício.

        Duas ou três vezes tinha a fome obrigado Gilberto a lançar os olhos sobre o pedaço de pão, que na véspera lhe tinha dado Teresa, mas sempre senhor de si mesmo, não lhe tocara, posto que mais de uma vez o cobiçasse.

        Entretanto deram cinco horas, julgou por isso que já deveria estar aberta a porta da rua, e depois de se ter lavado, escovado e penteado, Gilberto, que graças ao cuidado de João Jacques tinha encontrado no seu quarto com que fazer tudo isto, lavado pois, escovado e penteado, como dizíamos, pegou no pedaço de pão e desceu. Rousseau, que neste dia o não fora acordar, e que talvez por excessiva desconfiança, e para melhor saber quais eram os hábitos do seu hóspede, tinha deixado a porta do seu quarto aberta, vendo-o descer, pôs-se a espreitá-lo.

        Viu sair Gilberto com o pão debaixo do braço.

        Chegou-se a ele um pobre; viu Gilberto dar-lhe o pão que tinha, e depois entrar num padeiro que acabava de abrir a loja, onde comprou pão.

        - Vai naturalmente a alguma casa de pasto – pensou Rousseau - e gasta todos os dez soldos.

        Rousseau enganava-se. Gilberto, continuando a andar, comia parte do pão que levava, e chegando a uma fonte, que estava no canto da rua, parou, bebeu água, comeu o resto do pão, tornou a beber, enxugou a boca, lavou as mãos e voltou.

        - Na verdade - disse Rousseau - creio que sou mais feliz do que Diógenes, porque encontrei um homem.

        E sentindo-o subir a escada, apressou-se a ir-lhe abrir a porta.

        Passou o dia todo a trabalhar sem interrupção; Gilberto tinha aplicado toda a sua actividade, penetração e assiduidade obstinada, no enfadonho trabalho de copista. O que não percebia, adivinhava-o; e a sua mão, escrava da sua vontade de ferro, traçava os caracteres sem hesitar, ou errar. Deste modo, quando anoiteceu, tinha copiado sete folhas, e se a cópia não era elegante, era ao menos limpa e sem erros.

        Rousseau contemplou esse trabalho como juiz e como filósofo ao mesmo tempo. Como juiz censurou o feitio das notas, achou as linhas que as ligavam muito finas, os sustenidos muito largos, conveio em que Gilberto tinha desde a véspera feito progressos notáveis, e deu-lhe vinte e cinco soldos.

        Como filósofo, admirou a força da vontade humana, que pode fazer curvar debaixo do trabalho, durante doze horas seguidas, um mancebo de dezoito anos, de corpo fino e delicado, de temperamento apaixonado, pois Rousseau facilmente conheceu a paixão de fogo que queimava o coração do mancebo; só lhe restava saber se esta paixão era ambição ou amor.

        Gilberto olhou para o dinheiro, que acabava de receber: era uma moeda de vinte e quatro soldos, e um soldo. Meteu o soldo na algibeira do colete, provavelmente com os outros, que da véspera lhe sobejaram, e apertando com ardente satisfação na mão direita a moeda de vinte e quatro soldos, disse: