Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

  

 

Planeta Criança



Poesia & Contos Infantis

 

 

 


O EXORCISTA / Wilham Peter Blatty
O EXORCISTA / Wilham Peter Blatty

                                                                                                                                                   

                                                                                                                                                  

 

 

Biblioteca Virtual do Poeta Sem Limites

 

 

O EXORCISTA

 

 

O sol escaldante fazia brotar bolhas de suor da testa do velho, mas ele rodeava com as mãos o copo de chá quente, como para as aquecer. Não conseguia libertar se do pressentimento: estava colado às suas costas como gélidas folhas molhadas.

A escavação terminara. A mamoa fora peneirada extracto por extracto, e o recheio examinado, etiquetado e embarcado: contas e pendentes, objectos de glíptica, falos, almofarizes de pedra polida manchada de ocra, vasos vidrados. Nada de especial. Uma caixa assíria de toucador, em marfim. E um homem. Ossos de um homem. Os restos frágeis do tormento cósmico que outrora o tinham feito pensar se a matéria seria Lúcifer tacteando o regresso ascensional ao seu Deus. No entanto, agora já sabia mais. O cheiro do alcaçuz e da tamarga levavalhe o olhar para as colinas cobertas de papoilas, para as planícies de juncos, para o esfarrapado troco da estrada semeado de pedras que se precipitavam para o horror. Mossul ficava a nordeste; a este, Erbil; para sul, Badgade e Kirkuk e a fornalha ardente de Nabucodonosor. Cruzou as pernas por debaixo da mesa, em frente da solitária chaykhana, e fitou as manchas deixadas pela erva nas botas e nas calcas de caqui. Be-berricou o chá. A escavação terminara. Que iria começar? Tentou aclarar o pensamento, como se limpasse a argila fresca dum achado, mas não conseguiu identificá-lo.

Alguém respirou ruidosamente dentro da chaykhana; o proprietário, mirrado, arrastou-se na sua direcção, levantando o pó com os sapatos de fabrico russo, acalcanhados como chinelos, com os contrafortes a rangerem-lhe debaixo dos pés. A sua sombra escura projectou-se na mesa.

"Kaman chay, chawaga?"

O homem de caqui abanou a cabeça, olhou lhe para os sapatos sem atacadores, endurecidos, por assim dizer, pela espessa camada de resíduos produzida pelo cansaço de viver. A substância do Cosmos, reflectiu ele calmamente: matéria; mas, de certo modo, ao fim e ao cabo, espírito. O espírito e os sapatos eram só aspectos de uma substância essencial, uma substância primordial e totalmente outra.

A sombra deslocou-se. O curdo parou, esperando como se uma antiga dívida. O velho de caqui levantou a vista e fixou uns olhos desbotados e húmidos, como se tivessem coladas às íris membranas de casca de ovo. Glaucoma. Em tempos não poderia ter amado este homem.

Puxou da carteira e esquadrinhou a, à procura de uma moeda entre o recheio amarrotado: alguns dinares; uma carta de condução iraquiana; um calendário de há doze anos, de plástico desbotado, com uma inscrição nas costas: "Quem dá aos pobres, empresta a Deus." O calendário tinha sido impresso na Missão dos Jesuítas. Pagou o chá e deixou uma gorjeta de cinquenta fils em cima de uma mesa escavada, da cor da tristeza.

Encaminhou-se para o jipe. O silêncio foi quebrado pelo leve ruído metálico da chave de ignição. Parou um momento a absorver aquela calma. Aglomerados no cume dum alto monte, os telhados de Erbil pairavam muito ao longe, em linha quebrada, sobre as nuvens, como bênção pedregosa e enlameada. Nas costas, as folhas agarraram-se lhe com mais força à carne.

Alguma coisa estava à espera.

"Allàh maak, chawaga."

Dentes podres. O curdo com um sorriso amarelo dizia adeus. O homem de caqui procurou algum calor dentro de si e conseguiu arranjar um adeus e um sorriso forçado, que desapareceu quando olhou para outro lado. Ligou o motor, deu uma volta em U, excêntrica e apertada, e dirigiu-se para Mossul. À medida que o jipe ganhava velocidade, o curdo olhava confuso, com a sensação de ter perdido qualquer coisa. Que desaparecera? Que sentira ele na presença do desconhecido? Talvez segurança, recordou; uma sensação de protecção e profundo bem-estar. Agora diminuía na distância, com a velocidade do jipe. Sentiu-se estranhamente só.

Por volta das seis e dez o meticuloso inventário terminara. O conservador de antiguidades de Mossul, um árabe de faces flácidas, escrevia com cuidado, à secretária, a última entrada no registo. Parou um instante levantando o olhar para o amigo, ao mesmo tempo que mergulhava o aparo da caneta no tinteiro. O homem de caqui parecia absorvido nos seus pensamentos. Junto de uma mesa, mãos nas algibeiras, olhava fixamente uma réstia do passado, ressequido e etiquetado. O conservador observou-o, curioso e imóvel, depois, continuou a escrever, com letra firme, esmerada e miudinha. Por fim deu um suspiro e pousou a caneta, ao ver as horas. O comboio de Badgade partia às oito. Passou o mata-borrão pela página e perguntou ao homem de caqui se queria tomar chá; este abanou a cabeça, de olhos fixos num objecto que estava em cima da mesa. O árabe olhava-o, vagamente perturbado. Que pairava no ar? Com certeza qualquer coisa. Levantando-se, aproximou-se. Sentiu umas vagas picadas na nuca quando o amigo, movendo-se por fim, apanhou um amuleto e o segurou pensativamente nas mãos. Era uma cabeça de pedra verde do demónio Pazuzu, personificação do vento de sudoeste. Tinha poder sobre a doença e a moléstia. A cabeça estava furada. O dono do amuleto usara-o para se proteger.

- O mal contra o mal - murmurou o conservador, abanando-se vagarosamente com uma revista científica francesa que tinha uma nódoa de azeite na capa feita pelo

contacto de um dedo. O amigo não se mexeu nem fez comentários.

- Que se passa consigo?

Não obteve resposta.

- Padre?!

No entanto, o homem de caqui pareceu não o ouvir, absorvido pelo amuleto, o último dos seus achados. Um segundo depois pousou-o e olhou interrogativamente o árabe.

- Tinha dito alguma coisa?

- Nada.

Resmungaram despedidas.

À porta, o conservador agarrou a mão do velho com inusitada firmeza.

- Padre, o meu coração tem um desejo; que não se vá embora.

O amigo respondeu-lhe brandamente, falando de chá, do tempo, de coisas a fazer.

- Não, não, não; queria dizer, para casa.

O homem de caqui fixou o olhar numa migalha de grão--de-bico cozido que se aninhara no canto da boca do árabe; todavia, o seu olhar continuou distante.

- Para casa - repetiu. Estas palavras pareciam afirmar que alguma coisa terminara.

- Os Estados Unidos - acrescentou o conservador árabe, perguntando imediatamente a si mesmo porque o fizera.

O homem de caqui fixou a fundo a preocupação do outro. Nunca achara difícil amar aquele homem.

- Adeus - disse, num murmúrio; depois voltou-se rapidamente e meteu pelo triste aglomerado das ruas, numa viagem de regresso a casa, cuja distância parecia de certo modo indeterminada.

- Vê-lo-ei daqui a um ano! - gritou-lhe da porta o conservador. Mas o homem de caqui nunca olhou para trás.

O árabe viu a sua silhueta diminuir ao atravessar em diagonal uma rua estreita, quase esbarrando com um carro que avançava com rapidez. Dentro levava uma velha árabe corpulenta, de rosto oculto na sombra de um véu de renda preta que a envolvia como um sudário. Calculou que ia célere encontrar-se com alguém. Em breve perdeu de vista o seu apressado amigo.

O homem de caqui caminhava como que compelido. Afastando de si a cidade, percorreu os subúrbios e atravessou o Tigre. Próximo das ruínas, abrandou o passo, pois a cada passada o pressentimento incipiente assumia uma forma mais sólida e mais horrível. Não obstante tinha de saber. Tinha de se preparar.

Uma prancha de madeira colocada sobre a torrente lamacenta do Khors rangeu sob o peso do seu corpo. E então chegou; parou no tumulus onde outrora brilhara Nínive, a das quinze portas, o covil temível das hordas assírias. Agora a cidade jazia, estiraçada, na poeira sangrenta da sua predestinação. E todavia ele estava ali, o ar estava cheio dele, daquele Outro que lhe invadia os sonhos.

Um guarda curdo, ao voltar duma esquina, aprontou a arma, correu para ele e depois estacou. Com um aceno de reconhecimento sorriu e prosseguiu na sua ronda.

O homem de caqui vagueou pelas ruínas. O Templo de Nabu. O Templo de Istar. Sentiu vibrações. Parou no palácio de Assurbanipal; em seguida, olhou de soslaio para uma informe estátua de calcário in situ: asas esboroadas, pés providos de garras, pénis túrgido, saliente, erecto, e a boca tensa, esticada num esgar feroz. O demónio Pazuzu.

De repente, dobrou-se.

Ele sabia.

Aquilo aproximava-se.

Fixou a poeira. As sombras aumentavam. Ouviu mati lhas de cães selvagens a latir em torno da cidade. O Sol começava a desaparecer no horizonte. Baixou as mangas da camisa e abotoou-as quando se levantou uma brisa cortante vinda de sudoeste.

Dirigiu-se apressado para Mossul e para o comboio, com o coração apertado pela gélida convicção de que cedo teria de enfrentar um velho inimigo.

 

                       O PRINCÍPIO

 

Assim como a rápida e fatal labareda da explosão de sóis é debilmente registada pelos olhos dos cegos, o princípio do horror passou quase despercebido. O estrépido do que se seguiu foi de facto esquecido e talvez nem sequer relacionado com o horror. Era uma coisa difícil de avaliar.

A casa era de aluguer. Sombria, acanhada. De tijolo; de estilo colonial, afogada em hera; no bairro de Georgetown, em Washington, D.C. Um dos limites do compus da Universidade de Georgetown ficava do outro lado da rua; nas traseiras, um aterro íngreme mergulhava verticalmente na Rua M e mais além corria o lamacento Potomac. Na noite de 1 de Abril, a casa estava imersa em silêncio. Chris MacNeil, recostada na cama, revia o seu texto para a filmagem do dia seguinte; a filha Regan dormia perto do vestíbulo; o casal de criados de meia-idade, Willie e Karl, dormia em baixo, num quarto junto da copa. Por volta da meia-noite e vinte e cinco, Chris levantou os olhos do guião com um franzir de sobrancelhas intrigado. Ouvira o som de pancadas rápidas. Estranhas. Abafadas. Profundas. Em séries ritmadas. Um código estranho, com a marca de um morto.

Que esquisito.

Esteve à escuta uns momentos. Depois, não ligou mais; mas, como as pancadas persistissem, não conseguiu con­centrar-se. Atirou com o guião para cima da cama.

Bolas, que chatice!

Levantou-se para investigar.

Saiu para o corredor e olhou em redor. Aquilo parecia vir do quarto de Regan.

Que estará ela a fazer?

Caminhou silenciosamente pelo corredor e as pancadas tornaram-se de súbito mais fortes, muito mais rápidas; mas quando empurrou a porta e entrou no quarto, cessaram de repente.

Mas que raio se está a passar?

A filha, uma bonita garota de onze anos, dormia muito agarrada a um grande urso de peluche, de olhos redondos. O Pookey. Desbotado por anos de grandes abraços, anos de muitos beijos lambuzados e carinhosos.

Chris aproximou-se da cabeceira da cama e inclinou-se

sobre ela.

- Rags, estás acordada? - segredou. Respiração regular. Pesada. Profunda.

Chris deu uma olhadela pelo quarto. Uma luz difusa vinda do vestíbulo reflectia-se, pálida e quebrada, nos quadros de Regan, nas suas esculturas; em bichos de pano. - De acordo, Rags. A burra da tua velhota já está caquéctica. Bem podes dizê-lo: "Mentira do dia I de Abril!" E, todavia, Chris sabia que não era hábito dela. A criança era por natureza acanhada e muito tímida. Quem seria então o engraçadinho? Algum espírito sonolento que metia na ordem o ruído dos canos de água ou do aquecimento? Uma vez, nas montanhas do Butão estivera durante horas a olhar para um monge budista, sentado na posição de lótus, em meditação. Por fim, pensava tê-lo visto em levitação. Talvez. Sempre que contava a história a alguém, acrescentava invariavelmente "talvez". E talvez a sua mente, hábil narradora de ilusões, tivesse dado muita importância às pancadas.

Merda! Mas eu ouvi-as!

De repente deitou um rápido olhar ao tecto. Ali! Um arranhar leve.

Ratos no sótão; oh, com mil raios! Ratos!

Suspirou. É isso mesmo. De rabo comprido. Tape, tape. Sentiu um estranho alívio. E depois notou o frio. O quarto estava gelado. Foi em bicos de pés até à janela. Examinou-a. Estava fechada. Apalpou o radiador. Estava quente.

Mas que é isto?

Intrigada, foi novamente até à cama e pôs a mão na cara de Regan. Macia como seda e a transpirar ligeiramente.

Devo estar doente!

Olhou para a filha, para o seu nariz arrebitado, para a cara sardenta e, num impulso carinhoso e rápido, debru­çou-se e deu-lhe um beijo. "Eu gosto mesmo de ti", murmu­rou. Depois, regressou ao quarto, à cama e ao guião.

Chris continuou a estudar durante mais uns momentos. O filme era uma comédia musical, uma nova versão de Mr. Smith goes Wndshington. Tinha-lhe sido acrescentado um entrecho suplementar sobre insurreições no campus. Chris era a protagonista. Desempenhava o papel de uma professora de Psicologia que tomara o partido dos rebeldes. E detestava-o. É estúpido! Esta cena é completamente estúpida! O seu cérebro, embora inculto, nunca confundia a propaganda com a realidade e, como um gaio curioso, procurava inexoravelmente, por entre a verborreia, a cintilação do facto escondido. E por isso, para ela, a causa dos rebeldes era "estúpida". Não fazia sentido. Como pode ser? perguntava a si própria. Diferença de gerações? Conversa! Eu tenho trinta e dois anos. Uma perfeita estupidez, isto tudo; é sim senhor!...

Calminha. Mais uma semana.

Os interiores já tinham sido rodados em Hollywood. Só faltavam algumas cenas exteriores no campus da Universidade de Georgetown, que começariam a ser filmadas no dia seguinte. Estava-se nas férias da Páscoa e os estudantes tinham partido.

Começou a ficar ensonada. Sentia os olhos pesados. Voltou a uma página anterior, rasgada de maneira singular. Sorriu, pensativa. O seu realizador inglês, quando estava muito nervoso, rasgava com as mãos agitadas e trémulas uma tirinha de papel da margem da folha que tivesse mais à mão e, centímetro a centímetro, mastigava-a até a reduzir a uma bola.

Querido Burke.

Bocejou. Olhou com carinho para as margens do guião. As páginas pareciam ratadas. Lembrou-se dos ratos. Os estuporzinhos tinham ritmo. Anotou mentalmente que na manhã seguinte teria de dizer ao Karl para lhes armar ratoeiras. O guião escorregou-lhe dos dedos frouxos. Dei­xou-o cair. Estúpido. É estúpido. A mão hesitante tacteou à procura do comutador. Cá está. Suspirou. Ficou um mo­mento imóvel, quase adormecida. Depois, com uma perna frouxa, afastou a roupa. Maldito calor.

Uma neblina de orvalho, macia e leve, cobria as vidraças.

Chris adormeceu. E sonhou com a morte no seu aspecto mais horrível - com a morte, como se ainda ninguém soubesse o que era a morte: enquanto qualquer coisa retinia, ela arquejante sumia-se a deslizar para o abismo, pensando e repensando eu não tornarei a existir, vou morrer, não tornarei a existir por toda a eternidade; oh Papá!, não consintas. Não permitas que isto aconteça, não me deixes desaparecer para sempre, e dissolvendo-se, libertando-se, ouviu retinir, retinir...

O telefone!

Saltou da cama com o coração aos pulos e deitou a mão ao telefone; sentia um vazio no estômago, completamente oco, e o telefone a retinir.

Atendeu. Era o assistente do realizador.

- A caracterização é às seis, querida.

- Muito bem.

- Como vai isso?

Se eu for à casa de banho e ela não arder, parece-me

que já ganhei alguma coisa. Ele soltou uma gargalhada.

Até logo.

Com certeza. E obrigadinha.

Desligou. Sentou-se um momento, imóvel, a pensar no sonho. Teria sido um sonho? Parecia-se mais com um pensamento na fronteira entre o sono e o despertar. Aquela claridade terrível. O luzir da caveira. O nada. Irreversível. Não podia concebê-lo. Meu Deus, não pode ser! Reflectiu. Por fim baixou a cabeça. Mas é. Foi à casa de banho, enfiou um roupão, desceu a correr para a cozinha, para a vida, para o bacon a fritar.

- Ah, bom dia, Sr.a MacNeil.

Willie, cinzenta e apagada, de olhos empapuçados e violáceos, espremia laranjas. Um vestígio de sotaque suíço, como o de Karl. Enxugou as mãos a uma toalha de papel e encaminhou-se para o fogão.

- Deixe, Willie, eu vou buscar.

Chris, sempre sensível, tinha notado o seu ar cansado, e enquanto Willie, resmungando, voltava para o lava-louça, a actriz deitou café numa chávena e dirigiu-se para a mesa do pequeno-almoço. Sentou-se, sorrindo com ternura para a bandeja. Uma rosa vermelha. Regan. Aquele anjo. Muitas vezes, de manhãzinha, quando Chris trabalhava, Regan levantava-se da cama, muito devagar, descia à cozinha e deixava uma flor. Depois, de olhos sonolentos, regressava novamente ao sono. Chris abanou a cabeça, pesarosa, recordando; por pouco não lhe chamara Goneril. Pois. Assim mesmo. Prepara-te para o pior. Chris sorriu, ante a recordação. Tomou um gole de café. Quando tornou a olhar para a rosa ficou de repente triste. De olhos grandes, verdes, magoados, num rosto de criança abandonada. Lembrara-se de outra flor. Um filho. Jamie. Morrera há muito tempo, com três anos, quando Chris era muito nova e corista anónima da Broadway. Tinha jurado nunca mais se entregar como se entregara ao Jamie e ao pai, Howard MacNeil. Desviou os olhos da rosa, e como a sua memória de morte fumegasse do café, acendeu rapidamente um cigarro. Willie trouxe-lhe o sumo e Chris lembrou-se dos ratos.

- Onde está o Karl? - perguntou à criada.

- Estou aqui, minha senhora!

Karl pareceu vindo da despensa, felino, sorrateiro. Autoritário, deferente, dinâmico e subserviente, com um pedaço de Kleenex num corte que fizera no queixo ao barbear-se.

- Faz favor? - disse junto à mesa. Musculoso, careca, de olhar brilhante e nariz adunco.

Karl, olhe que temos ratos no sótão. É melhor arranjar ratoeiras.

Há ratos?

Foi o que disse.

Mas o sótão está limpo.

Pois bem, temos ratos asseados!

Não há ratos.

Ouvi-os esta noite, Karl - disse Chris com calma, dominando-se.

Talvez fosse a canalização - sugeriu Karl - , ou as tábuas.

Talvez ratos! Vá-me comprar as malditas ratoeiras e deixe-se de conversas.

Sim, minha senhora! - volveu ele, célere. - Vou já!

Não, agora não, Karl! As lojas ainda estão todas fechadas!

Estão fechadas! - declarou Willie, repreensiva.

Vamos a ver - disse ele, e desapareceu.

Chris e Willie trocaram um olhar e Willie, abanando a cabeça, voltou a ocupar-se do bacon. Chris bebeu mais um golo de café. Que estranho, que homem tão estranho. Tão trabalhador como a Willie, muito leal e discreto. No entanto, havia qualquer coisa nele que a deixava vagamente desconcertada. O que seria? Um certo ar arrogante? Desafio? Não. Mais alguma coisa. Qualquer coisa difícil de determinar. O casal já estava com ela quase há seis anos, no entanto Karl era ainda um hieróglifo indecifrável, uma máscara que falava, respirava, lhe fazia compras e recados com rapidez e aprumo. Não obstante, por trás da máscara algo se movia. Ela podia ouvir um mecanismo qualquer pulsar como uma consciência. Apagou o cigarro; ouviu o ranger da porta da frente ao ser aberta e depois fechada.

- Estão fechadas - resmungou Willie.

Chris comeu sem apetite um pouco de bacon, voltou para o quarto, onde vestiu o seu conjunto de sweater e saia. Viu-se ao espelho e olhou solenemente para o cabelo curto, ruivo, sempre com aspecto desgrenhado, para a cara pequena, bem lavada e cheia de sardas. Entortou os olhos e fez uma careta parva. Olá, minha linda miúda do lado! Posso falar ao teu marido? Ao teu amante? Ao teu chulo? Oh! O teu chulo está no asilo? Daqui é o Avon! Deitou a língua de fora à sua imagem: Depois deixou pender o corpo. Oh, porca de vida! Pegou na caixa das perucas, desceu as escadas, cabisbaixa, e saiu para a rua arborizada, num frio pungente.

Fora de casa, parou um instante e aspirou o ar da manhã. Olhou para a direita. Ao lado da casa velhos degraus de pedra precipitavam-se na Rua M, lá muito em baixo. Um pouco mais longe ficava a entrada superior da garagem dos autocarros, dantes utilizada pelos autocarros dos transportes públicos; telhado de telha marselha, torreões rococó, tijolo antigo. Olhou pensativa para tudo aquilo. Giro. Que rua gira. Rai's me partam! Porque é que não hei-de cá ficar? Comprar a casa... Começar a viver? Ouviu o repicar dum sino. Olhou na direcção do som. A torre do relógio do campus de Georgetown. A ressonância melancólica ecoou no rio; vibrou; penetrou-lhe no coração cansado. Continuou a caminhar para o trabalho. Para aquela horrível charada; para aquela palhaçada reles e grotesca, sem valor nenhum.

A sua depressão diminuiu quando atravessou o portão principal do campus; e mais ainda ao olhar para os camarins atrelados que se alinhavam ao longo do caminho, na parte sul da cerca; pelas oito horas da manhã, na altura em que o dia verdadeiramente começava quase voltara a ser ela mesma. Principiou a discutir sobre o guião.

Ouve cá, Burke! Deita uma olhadela para essa porcaria, fazes favor!

Ah, estou a ver que tens um guião. Mas que bom! – O realizador Burke Dennings, tenso e malicioso, com o olho esquerdo a piscar, mas mesmo assim com um brilho travesso, cortou-lhe, com perícia cirúrgica e mãos trémulas, uma tira estreita duma página do guião e grasnou: - Vou mastigá-lo!

Estavam no terraço em frente do edifício da administração, cercados pelo grupo dos actores; luzes; técnicos; figurantes e maquinistas. Aqui e ali, alguns espectadores, na sua maioria da Faculdade dos Jesuítas, espalhavam-se pela relva. Montes de crianças. O operador, aborrecido, pegou no Daily Variety quando Dennings, a exalar o leve cheiro do primeiro gim da manhã, meteu o papel na boca dando uma risadinha.

- É verdade, estou extraordinariamente satisfeito por te terem dado um guião.

Era um homem evasivo, frágil, que rondava pelos cinquenta. Falava com um forte e engraçado sotaque inglês, tão cerrado e formal que transformava em elegâncias as mais grosseiras obscenidades. Quando bebia parecia sempre perdido de riso, constantemente a lutar consigo mesmo para manter a compostura.

- E agora diz-me cá, minha linda... Que há? Que se passa?

No guião, a cena em causa exigia que o reitor da imaginária faculdade discursasse numa reunião de estu­dantes num esforço para esmagar uma ameaça de "greve de braços cruzados". Em seguida Chris devia subir a correr as escadas do terraço, arrancar o megafone ao reitor e, apontando para o edifício principal da administração, gritar:

"Vamos deitá-lo abaixo!"

Isto não faz sentido nenhum - disse Chris.

Bem, é perfeitamente compreensível - mentiu Dennings.

- Mas por que raio haviam eles de deitar o edifício abaixo, Burke? Para quê?

Estás-me a gozar?

Não, estou só a perguntar "para quê?"

Porque está lá, meu amor!

No guião?

Não, ali no terreno!

Pois bem, não faz sentido, Burke. Ela não tinha nada que fazer isso.

Tinha, sim senhora.

Não, não tinha.

Mandamos chamar então o autor? Parece que ele está em Paris!

Escondido?

Não, foi às meninas...

Tinha os olhos a brilhar na cara balofa, enquanto as palavras, pronunciadas com dicção impecável, subiam nítidas e claras em direcção às espirais góticas. Chris encostou-se-lhe ao ombro a rir.

Ó Burke, és impossível, diabos te levem!

Pois sou. - Disse isto com a modéstia de César ao confirmar os boatos da sua tripla recusa da coroa. – E agora, já podemos continuar?

Chris nem ouviu. Olhava furtiva e embaraçadamente para um jesuíta que estava ali próximo, tentando verificar se ele teria ouvido a obscenidade. Moreno, de face vincada, cheia de rugas, parecia um jogador de boxe. Teria uns quarenta anos. Os seus olhos irradiavam uma vaga tristeza, um certo sofrimento. No entanto, quando se fixaram nos dela, eram cordiais e tranquilizadores. Ouvira. Estava a sorrir. Olhou para o relógio e foi-se embora.

Então, podemos continuar ou não?

Voltou-se indiferente.

Com certeza, Burke, vamos a isso.

Graças a Deus!

Não, espera!

Mas que chatice!

Chris queixou-se da fala final da cena. Parecia-lhe que o ponto culminante era atingido com a oposição entre a sua fala e a sua corrida, logo a seguir, pela porta do edifício.

Não acrescenta nada - disse. - É parvo.

Pois é, querida, pois é - concordou Burke com sinceridade. - No entanto, como o montador insiste que se faça, cá estamos, como vês.

Não, não vejo.

Não, pois claro que não. É estúpido. Sabes, uma vez que a cena seguinte começa com o Jed a caminhar na nossa direcção, saindo de uma porta - soltou uma risadinha - , o montador tem a certeza de ser promovido se a cena precedente terminar contigo a desapareceres por uma porta.

Mas isso é idiota!

Pois! Já se sabe que sim! É um vómito! É simplesmente uma trampa de endoidecer! Mas agora, porque não vamos filmar? Confia em mim e eu corto-a da montagem final. Deve ficar uma mixórdia bastante saborosa.

Chris riu-se e concordou. Burke olhou de relance para o montador, conhecido pelo seu feitio egoísta e excitável, muito dado a discussões que só serviam para perder tempo. Estava ocupado com o operador. O realizador soltou um suspiro de alívio.

No relvado, ao fundo das escadas, enquanto esperava que as luzes aquecessem, Chris olhava para Dennings a bombardear um infeliz maquinista com obscenidades e ficar depois radiante de satisfação. Ele parecia divertir-se com as próprias excentricidades. Contudo, Chris sabia que em dada altura da bebedeira ele poderia explodir subitamente em ataques de fúria; e se isso acontecesse às três ou quatro horas da manhã, era capaz de telefonar a pessoas im­portantes e insultá-las barbaramente por motivos fúteis. Chris recordava-se de um chefe de estúdio cuja ofensa consistira em observar lhe calmamente durante uma pro­jecção que os punhos da sua camisa estavam ligeiramente puídos, o que sugeriu imediatamente a Dennings acordá-lo às três da manhã para o classificar de "grosseiro filho da mãe", cujo pai seria "provavelmente mais que doido!" E, normalmente, no dia seguinte fingia-se amnésico e mostrava-se radiante com um refinado prazer, quando aqueles a quem tinha ofendido contavam pormenoriza­damente o que lhes fizera. Porém, lembrava-se de tudo, se isso lhe conviesse. Chris recordou, sorrindo, a noite em que ele destruíra os escritórios do seu estúdio, numa fúria cega, atestada pelo gim; mais tarde, ao ser-lhe apresentada uma conta discriminada e fotografias polaroid com os pormenores do prejuízo, ele tinha-as maliciosamente posto de lado, dizendo serem "falsificações óbvias; o prejuízo foi muito, muito maior que isso!" Chris não acreditava que Dennings fosse um alcoólico inveterado ou um bêbado sem esperança de cura, mas, sim, que bebia porque era isso que esperavam dele: vivia segundo a sua lenda.

Bom, creio que é uma espécie de imortalidade, pensou ela.

Voltou-se, olhando por cima do ombro, à procura do jesuíta que sorrira. Passeava à distância; desanimado; uma nuvem negra à procura de chuva.

Chris nunca gostara de padres. Tão confiantes, tão seguros. E no entanto aquele...

Estás pronta, Chris? - Era o Dennings que falava.

Sim, estou pronta.

Muito bem. Silêncio! - disse o assistente do realizador.

Motor! - ordenou Burke.

Velocidade!

E agora, acção!

Chris subiu os degraus a correr enquanto os figurantes aplaudiam e Dennings olhava para ela, tentando adivinhar o que se passaria na sua cabeça. Abandonara a discussão depressa de mais. Dennings fitou significativamente o técnico do diálogo, que se aproximou respeitoso e lhe apresentou o guião aberto, como um acólito experiente apresentaria o missal ao padre numa missa solene.

Trabalharam sob um sol intermitente. Pelas quatro horas o céu estava coberto duma espessa camada de nuvens e o assistente do realizador despediu a companhia, dando o trabalho do dia por terminado.

Chris partiu a pé em direcção a casa. Estava cansada. Na esquina da Rua Trinta e Seis com a Rua Zero assinou um autógrafo, a pedido dum caixeiro italiano que a chamara da porta da sua mercearia. Escreveu o nome e "Os melhores votos" num cartucho de papel pardo. Enquanto esperava para atravessar, olhou em diagonal para a igreja católica do outro lado da rua. Dos padres jesuítas. Ouvira dizer que Jonh F. Kennedy casara lá com Jackie; tinha lá ouvido missa. Tentou imaginar John F. Kennedy no meio das velas votivas e das piedosas mulheres cheias de rugas, ou John F. Kennedy curvado em oração: Eu creio... num entendimento com os Russos; eu creio, eu creio em... Apoio IV, por entre o desfiar das contas dos rosários; eu creio... na Ressurreição e na Vida Eterna...

Pois. O ambicioso.

Prestou atenção a uma camioneta, pesada e ruidosa, que transportava cerveja; nela, tilintavam agitadas promessas líquidas.

Atravessou. Quando descia a Rua Zero, ao passar pelo auditório da escola primária, foi ultrapassada por um padre apressado, de mãos nas algibeiras dum blusão de nylon. Novo. Muito nervoso. A precisar de fazer a barba. Mais à frente voltou à direita e meteu-se por uma passagem que dava para um pátio atrás da igreja.

Chris parou junto à passagem, olhando-o com curio­sidade. Parecia dirigir-se para uma casa pequena de cai­xilhos brancos. Um velho guarda-vento rangeu ao abrir-se e apareceu mais um padre. Parecia de mau humor e também muito nervoso. Fez um breve aceno ao homem novo e, -de olhos baixos, caminhou apressado para uma porta que dava para a igreja. Uma vez mais o guarda-vento da casa se abriu do lado de dentro. Outro padre. Parecia-se... Espera, e era! Aquele que sorrira quando Burke tinha dito "Foi às meninas". Simplesmente agora tinha um aspecto grave ao cumprimentar em silêncio o recém-chegado, passando-lhe o braço por cima do ombro num gesto bondoso e um tanto paternal. Levou-o para dentro e o guarda-vento fechou-se com gemidos cada vez mais fracos.

Chris pregou os olhos no chão. Estava intrigada. Que manobras são estas? Perguntou a si mesma se os jesuítas se iriam confessar.

Ouviu-se ao longe o ribombar dum trovão. Olhou para o céu. Iria chover?... a ressurreição de...

Sim, sim, pois, na próxima terça-feira. Relâmpagos estalavam à distância. Não nos chames, miúdo, nós chamaremos por ti.

Puxou a gola do casaco para cima e continuou a andar devagar. Desejou que chovesse a cântaros.

Depressa chegou a casa. Precipitou-se para a casa de banho. Depois foi para a cozinha.

- Olá Chris, que tal correu o dia?

Uma bonita loira de vinte e tantos anos estava sentada à mesa. Sharon Spencer. Fresca. Do Oregon. Era há três anos preceptora de Regan e secretária de Chris.

Oh, a estafa do costume. - Chris foi até à mesa e começou a examinar o correio. - Alguma coisa de interesse?

Quer jantar na Casa Branca na próxima semana?

Oh, não sei, Marty; que é que lhe apetece fazer?

Comer bombons até ficar enjoada.

Chris riu-se.

A propósito, onde é que está a Rags?

Lá em baixo, no quarto dos brinquedos.

A fazer o quê?

A esculpir. Parece-me que está a fazer um pássaro.

É para si.

Ainda bem, preciso dum - murmurou Chris. Foi até ao fogão e encheu uma chícara com café quente. - Estava a gozar-me com a história do jantar? - perguntou.

Não, de maneira nenhuma - respondeu Sharon. – É na quinta-feira.

Uma grande reunião?

Não. Calculo que sejam só cinco ou seis pessoas.

Não goze!

Ficou satisfeita, mas na realidade não se surpreendeu. A sua companhia era procurada por motoristas de táxi, poetas, professores, reis. O que é que nela lhes agradava? A vivacidade? Chris sentou-se à mesa.

- Que tal foi a lição?

Sharon, com um franzir de sobrancelhas, acendeu um cigarro.

Passámos outra vez um mau bocado com a Matemática.

Mas que coisa esquisita.

Também acho. É a disciplina de que ela gosta mais - disse Sharon.

Oh! estas "novas matemáticas". Que chatice! Eu nem conseguiria arranjar dinheiro trocado para o autocarro se...

Olá, mãe!

Entrou aos pulos pela porta dentro, com os braços magros estendidos. Tinha o cabelo ruivo apanhado em rabichos. A cara era macia, brilhante, cheia de sardas.

Venha cá, meu bichinho! - Radiante, Chris apertou-a num grande abraço, depois deu-lhe, com fervor, um beijo na cara. Não podia reprimir a imensidade do seu amor pela filha. "Hummmmm!" Mais beijos. Depois afastou Regan de si e examinou-lhe o rosto com um olhar ansioso. – Que fizeste hoje? Alguma coisa com interesse?

Oh, coisas...

Mas que espécies de coisas?

Oh, deixa cá ver. - Tinha os joelhos encostados aos da mãe, balançando-se devagar para trás e para a frente. - Bem, está claro que estudei.

Hum, hum!

Ah, e pintei!

Que é que pintaste?

Ora, já sabes. Malmequeres? Só cor-de-rosa. E depois... Ah, é verdade! Aquele cavalo! - De repente ficou excitada, de olhos arregalados. - Sabes, aquele homem tinha um cavalo, lá em baixo, ao pé do rio. Demos um passeio, percebes, mãe, e depois apareceu o cavalo. Era lindo! Oh, mãe, havias de o ter visto. E o homem deixou-me montar! A sério! Quer dizer, foi só um bocadinho!

Chris piscou o olho a Sharon, com uma certa malícia. "Teria sido ele?", perguntou de sobrancelhas erguidas. Quando se mudara para Washinton para fazer o filme, a loura secretária, que praticamente já fazia parte da família, vivera lá em casa, ocupando um quarto vago no segundo andar, até ter encontrado o "cavaleiro" numa cavalariça próxima. Como a partir dessa altura Sharon precisasse dum sítio para estar só, Chris decidira alugar-lhe uma suite num hotel caro e insistira em pagar a conta.

Ele mesmo. - Sharon sorriu ao responder a Chris.

Era um cavalo cinzento! - acrescentou Regan. - Mãe, não podíamos arranjar um cavalo? Quer dizer, seria possível?

Veremos, querida.

Quando é que o podemos ter?

- Vamos a ver. Onde está o pássaro que tu fizeste?

Regan ficou num momento estupefacta; depois, voltou-se

para Sharon, soltou uma gargalhada, com o aparelho de ortodôncia a encher-lhe a boca, e timidamente disse, numa censura:

Tu foste dizer! - Depois sorriu para a mãe: - Era uma supresa.

Quer dizer que...?

Com o bico comprido, como querias!

Oh, Rags, que bom! Posso ver?

Não, ainda tenho de o pintar. Quando é que jantamos, mãe?

Tens fome?!

Estou cheia de fome!

Credo, ainda nem sequer são cinco horas. A que horas

foi o almoço? - perguntou Chris a Sharon.

Oh, por volta do meio-dia - respondeu Sharon.

Quando é que a Willie e o Karl voltam?

Tinha-lhes dado folga da parte da tarde.

Penso que pelas sete - disse Sharon.

- Mãe, não podíamos ir ao Hot Shoppe? - suplicou

Regan. - Pode ser?

Chris pegou na mão da filha e beijou-lha, sorrindo com ternura.

Vai lá acima depressa, veste-te e vamos.

Oh, adoro-te!

Regan saiu a correr para o quarto.

Querida, põe o vestido novo! - gritou-lhe Chris da cozinha.

Quanto não daria você para ter onze anos? - disse Sharon absorta.

É uma oferta?

Chris pegou no correio e sem prestar atenção começou a vasculhar toda aquela adulação escrita.

- Vai aceitar, não? - perguntou Sharon.

Com a cabeça com que estou agora? Com todas as recordações?

Pois.

Nem pensar.

Reflicta melhor.

Estou a reflectir. - Chris tinha pegado num guião que

vinha acompanhado por uma carta cuidadosamente presa

por um clip à capa. Era do Jarris, o seu agente. - Tenho a impressão de lhes ter dito que por uns tempos não queria mais guiões.

Devia lê-lo - disse Sharon.

Crê que sim?

Sim, li-o esta manhã.

E que tal? Razoável?

Estupendo.

E tenho de fazer o papel duma freira que descobre que

é lésbica, não?

Não, você não tem de fazer papel nenhum.

Bolas! Os filmes estão melhores que nunca. De que diabo está você a falar, Sharon? A que propósito vem esse risinho?

Querem-na como realizadora - soprou Sharon, com ar pudico, juntamente com o fumo do cigarro.

O quê?!

Leia a carta.

- Por amor de Deus, Sharon, você está a gozar-me!

Chris percorreu a carta com olhos ávidos, esfomeados,

devorando as palavras aos bocados. "... um novo guião... um tríptico... o estúdio quer Sir Stephen Moore... aceita o papel desde que..."

- Seja eu a realizar a sua parte!

Chris levantou os braços, soltando um grito de alegria áspero e estridente. Depois embalou a carta contra o peito com ambas as mãos. "Oh, Steve, és um anjo, não te esqueceste!" A filmar em África. Bêbado. Em cadeiras de lona. A ver o tranquilo pôr do Sol, vermelho-sangue. "Oh, este negócio é uma merda! Para o actor é uma porcaria, Steve!""Oh, eu gosto!""É um nojo! Não sabes o que costuma acontecer na nossa profissão? Realizar um filme!" "Oh, sim." "Então fazemos alguma coisa, alguma coisa que é nossa; quer dizer, uma coisa viva!" "Bem, então, mete mãos à obra." "Já tentei; não me aceitam." "Porque não?" "Oh, deixa-te disso, sabes muito bem porquê; pensam que não sou capaz." Grata recordação. Um sorriso amigo. O Steve, que amor!...

- Mãe, não consigo encontrar o vestido! - gritouRegan do patamar.

Está no roupeiro - gritou Chris.

Já procurei!

Já lá vou! - gritou Chris. Examinou o guião por mais um momento. Depois foi ficando desalentada. - Provavelmente não presta mesmo para nada.

Oh, deixe-se agora disso. Acho que é realmente bom.

Oh, você até achava que o Psico precisava de uma sequência cómica.

Sharon riu-se.

- Mãezinha?

Vou já!

Chris levantou-se devagar.

Vai encontrar-se com alguém, Shar?

Vou.

Chris apontou para o correio.

- Então vá. Podemos pôr tudo isto em dia amanhã de manhã.

Sharon levantou-se.

- Ah, não, espere - acrescentou Chris, lembrando-se de mais qualquer coisa. - Tem de ser posta uma carta no correio esta noite.

- Oh, está bem. - A secretária pegou no bloco de apontamentos.

Mãeeeee! - Uma lamúria de impaciência.

Espere que eu desço já - disse Chris a Sharon. Ia a sair da cozinha, mas parou quando viu Sharon olhar para o relógio.

- Ai!, Chris, que é a hora da minha meditação - disse ela.

Chris fitou-a atentamente, numa irritação muda. Durante os últimos seis meses tinha vindo a observar a secretária. Transformara-se subitamente numa "sequiosa de serenidade". Começara em Los Angeles pela auto-hip-nose, que depois fora substituída por cânticos budistas. Durante as últimas semanas em que Sharon ocupara o quarto do segundo andar, a casa tresandara a incenso e a entoações monótonas de Nam myoho renge kyo. ("Compreende? Basta que continue a cantar assim, Chris, só isso, para conseguir o que deseja; alcançará tudo o que desejar...") ouviam-se às horas mais impossíveis e mais ino­portunas, a maior parte das vezes quando Chris estudava um texto. "Pode abrir a televisão", disse Sharon generosamente à patroa numa dessas ocasiões. "Está estupendo. Posso cantar no meio de qualquer espécie de barulho. Não me incomoda nada." Agora era a vez da meditação transcendente.

Shar, você pensa realmente que esse tipo de coisas lhe vai fazer algum bem? - perguntou Chris, numa voz sem entonações.

Dá-me paz de espírito - respondeu Sharon.

Está bem - disse Chris secamente. Voltou as costas e deu as boas-noites. Não disse nada acerca da carta e saiu da cozinha a murmurar myoho renge kyo.

Repita durante um quarto de hora ou vinte minutos - disse Sharon. - Talvez a si lhe dê resultado.

Chris parou e pensou dar-lhe uma resposta à letra. Depois desistiu. Subiu ao quarto de Regan e foi imedia­tamente ao roupeiro. Regan estava no meio do quarto a olhar para o tecto.

Que se passa? - perguntou-lhe Chris enquanto procurava o vestido. Era de algodão azul-pálido. Tinha-o comprado na semana anterior e lembrava-se de o ter pendurado no roupeiro.

Barulhos esquisitos - disse Regan.

Já sei. Temos amigos.

Regan olhou para ela.

Ha?

Esquilos, minha querida; esquilos no sótão.

A filha tinha nojo e terror de ratazanas e até os ratinhos a afligiam.

A procura do vestido foi infrutífera.

- Vês, mãe, não está aqui.

Estou a ver. Talvez a Willie o tenha-levado para a lavandaria com a outra roupa.

Desapareceu!

Bem, pois então põe o azul-marinho. É bonito.

Foram ao Hot Shoppe. Chris comeu salada, enquanto Regan comeu sopa, quatro pãezinhos, frango na frigideira, um batido de chocolate e dose e meia de torta de mirtilos com gelado de café.

Onde é que ela mete aquilo tudo? - pensou Chris com ternura. - Nos pulsos? A criança era delgada como uma esperança fugaz.

Chris acendeu um cigarro depois do café e olhou pela janela, à sua direita. O rio estava escuro e parado, na expectativa.

- Gostei do meu jantar, mãe.

Chris voltou-se para ela e, como tantas vezes acontecia, ficou sem respiração ao sentir novamente a dor de ver os traços de Howard na cara de Regan. Era a incidência da luz. Baixou o olhar sobre o prato da filha.

- Não comes mais torta?

Regan baixou a vista.    

- Comi bombons.

Chris apagou o cigarro e sorriu.

- Vamos embora.

Estavam de volta antes das sete. Willie e Karl já tinham chegado. Regan deu uma corrida para o quarto de brinquedos, na cave, ansiosa por terminar a escultura para a mãe. Chris foi à cozinha buscar o guião. Encontrou Willie a fazer café; moído grosso; cafeteira sem tampa. Parecia irritada e rabujenta.

Olá, Willie, que tal? Divertiram-se muito?

Nem pergunte! - Juntou uma casca de ovo e uma pitada de sal ao líquido fervente da cafeteira. Tinham ido ao cinema, explicou Willie. Ela quisera ir ver os Beatles, mas Karl insistira em ir ver um filme artístico sobre Mozart. – É horrível - explodiu, ao baixar o lume - aquele cabeça de burro!

- Que pena. - Chris meteu o guião debaixo do braço. - Willie, viu o vestido que comprei para a Regan na semana passada? O de algodão azul?

Vi-o no roupeiro dela esta manhã.

Onde é que o pôs?

Está lá.

Por acaso não o teria levado, por engano, com a outra roupa para lavar?

Está lá.

Na roupa para lavar?

No roupeiro.

Não, não está. Já procurei.

Willie ia responder, mas cerrou os lábios e virou-se carrancuda para o café. Karl entrara.

Boa tarde, minha senhora. - Foi ao lava-louça buscar um copo de água.

Já armou as ratoeiras? - perguntou-lhe Chris.

Não há ratos.

Mas já as armou?

Com certeza que já as armei, mas o sótão está limpo.

Diga-me cá, Karl, que tal foi o filme?

Excelente. - Tanto as costas como a cara apresentavam-se resolutamente inexpressivas.

Chris saiu da cozinha a cantarolar uma famosa canção dos Beatles. Mas depois voltou-se. Só mais uma alfinetada!

Custou-lhe muito arranjar as ratoeiras, Karl?

Não, não custou nada.

Às seis da manhã?

- No mercado de serviço permanente.

Sacana!

Chris tomou um banho demorado e repousante e quando foi ao roupeiro do seu quarto buscar o roupão encontrou o vestido de Regan aparentemente desaparecido. Estava caído no fundo do roupeiro todo amarrotado.

Chris pegou nele.

O que está o vestido aqui a fazer?

Ainda tinha as etiquetas. Durante uns segundos, tentou recordar-se. Depois, lembrou-se de que no dia em que comprara o vestido também adquirira duas ou três coisas para si. Talvez as tenha posto todas juntas.

Chris levou o vestido para o quarto de Regan, pendurou-o num cabide e meteu-o no roupeiro. Deu uma vista de olhos pela roupa da filha. Bonita. Bonitas roupas. Sim, Rags, repara bem, não as terias em casa do teu pai, que nem sequer escreve.

Quando se voltou, vinda do armário, bateu com um dedo do pé numa cómoda. Chiça que me magoei! Ao levantar o pé para dar uma massagem ao dedo reparou que a cómoda estava deslocada cerca de um metro. Não admira ter dado uma topada. A Willie deve ter passado isto com o aspirador.

Desceu ao gabinete de trabalho com o guião enviado pelo seu agente.

Ao contrário da enorme e pesada sala de estar, com a perspectiva das grandes janelas de sacada, o gabinete de trabalho tinha um ambiente de quente e discreto conforto, próprio para tios ricos trocarem segredos. Fogão de sala com chaminé de tijolo, com painéis de carvalho, vigas entrecruzadas, de uma madeira que parecia já ter pertencido a uma ponte levadiça. Os poucos toques modernos que o gabinete tinha eram dados por um bar, almofadas de cores vivas e um tapete pertencente a Chris, em pele de leopardo, que cobria o chão de madeira de pinho junto ao fogão de sala aceso, e onde ela agora estava estendida, com a cabeça e os ombros encostados ao assento de um cómodo sofá.

Tornou a ler a carta do agente. Fé, Esperança e Caridade; três histórias, cada uma com realizador e elenco diferentes. A dela seria a Esperança. Gostava da ideia e do título. Possivelmente insípido, pensou, mas requintado. Provavelmente vão mudá-lo para qualquer coisa do género de: "Dança à Volta das Virtudes."

A campainha da porta tocou. Burke Dennings. Um homem solitário, que aparecia muitas vezes. Chris sorriu com tristeza, sacudindo a cabeça, quando o ouviu lançar uma obscenidade ao Karl, a quem parecia detestar e a quem continuamente espicaçava.

- Olá, onde é que está essa bebida? - disse mal--humorado, de olhar fugidio, ao entrar na sala direito ao bar, com as mãos enfiadas nas algibeiras da gabardina amarrotada.

Sentou-se num banco do bar. Irritado, de olhos inquietos, vagamente desapontado.

Andas outra vez na vadiagem? - perguntou-lhe Chris.

Que raio queres dizer com isso? - resmungou ele.

Tens todo o aspecto disso. - Já o vira antes assim, quando tinham trabalhado juntos numa película, em Lausana. Na primeira noite que lá tinham passado, num hotel sossegado na margem do lago de Genebra, Chris não conseguira adormecer. Às cinco horas da manhã saíra da cama, resolvera vestir-se e descer ao hall à procura de café ou de companhia. Na entrada, quando esperava pelo elevador, olhara pela janela e vira o realizador a passear à beira do lago, rígido, de mãos nas algibeiras do sobretudo, a defender-se do frio glacial do Inverno. Ao chegar à sala vinha ele a entrar no hotel. "Nem um chaveco à vista!", rosnou com amargura ao passar por ela, de olhos baixos.

Em seguida entrou no elevador e subiu para o quarto. Mais

tarde, quando ela, a brincar, se referira ao incidente, o realizador enfurecera-se e acusara-a de divulgar "alucinações flagrantes", nas quais as pessoas "muito provavelmente vão acreditar, só porque você é uma estrela!". Também a tinha definido como não passando de "uma cretina de merda!". Mas depois, num esforço para lhe não ferir os sentimentos, sugerira com brandura que, apesar de tudo, "talvez" ela tivesse visto alguém que muito simplesmente tomara por ele. "No fim de contas", observara na ocasião, "acontece que a minha tetravô era suíça."

Então Chris dirigiu-se para detrás do balcão e recordou--lhe o incidente.

- Oh, não sejas parva! - ripostou Dennings. – Acontece que passei a tarde toda num chá estuporado; um chá da faculdade!

Chris debruçou-se sobre o bar.

Estiveste mesmo num chá?

Pois sim, continua, goza!

Apanhaste uma piela num chá - disse sarcástica - com jesuítas!

Não, os jesuítas estavam sóbrios.

Eles não bebem?

Estás maluca ou quê? - berrou ele. - Beberam que nem uns odres! Eu, o que nunca vi foi ninguém aguentar tanto!

Tem cuidado, Burke! Olha a Regan.

Ah, sim, a Regan - murmurou ele. Onde raio está a minha bebida?

Quererás dizer-me o que foste fazer a um chá da faculdade?

- A chatice das relações públicas; uma coisa que tu devias fazer.

Chris passou-lhe um gim on the rocks.

- Meu Deus, como nós lhes cagamos os jardins - murmurou piedosamente, levando o copo aos lábios. - Está bem, continua, ri-te! Só serves para rir e mostrar o eu.

Mas eu agora estou só a rir.

Bem, alguém tinha de animar aquilo...

E agora diz-me cá, como vai isso?

Ela respondeu com um desconsolado encolher de ombros.

Estás deprimida? Vá lá, conta.

Não sei.

Dize cá ao tiozinho.

Merda! Parece-me que vou beber qualquer coisa - disse ela, estendendo a mão para um copo.

- Pois bebe, faz bem ao estômago. Então, agora, o que foi?

Ela deitou lentamente o vodka no copo.

Já alguma vez pensaste na morte?

Se já pensei...

Na morte - interrompeu ela. - Já alguma vez pensaste nisso, Burke? O que significa? Quer dizer, o que realmente significa?

- Não sei - respondeu ligeiramente irritado.- Não, não penso; nunca pensei em tal. É o que faço. Por que diabo estás tu agora a falar nisso?

Chris tornou a encolher os ombros.

- Não sei - respondeu baixinho. Deixou cair o gelo no copo e ficou a olhá-lo pensativa. - Sei... eu até sei - emendou. - Penso que... bem, pensei nisso esta manhã... uma espécie de sonho... ao acordar. Não sei. Quer dizer, na realidade foi uma espécie de ideia que me passou pela cabeça... o que isso significa. Quer dizer, o fim - o fim! - como se fosse a primeira vez que tivesse ouvido falar nisso. - Abanou a cabeça.- Meu Deus, fiquei mesmo abalada! Senti-me cair deste estuporado planeta a milhões de quilómetros à hora.

Oh, isso são palermices. A morte é um alívio - resmungou Dennings.

Para mim não, menino.

Ora, tu sobrevives nos teus filhos.

Oh, deixa-te disso! Os meus filhos não são a minha pessoa.

Pois ainda bem. Uma já chega.

Quer dizer, pensa nisto, Burke! Não existir... para todo o sempre! É...

Oh, pelo amor de Deus!

Burke bateu com o copo na mesa.

Vamos a outro.

Sabes, eu não imaginava que os jesuítas bebessem.

Claro, tu és estúpida.

Os olhos dele começaram a ficar pequeninos. Estava a chegar ao ponto crítico. Chris interrogava-se. Pressentia que lhe tinha tocado num ponto nevrálgico. Teria?

Confessam-se? - perguntou-lhe.

Como hei-de eu saber? - berrou ele.

Mas, não andaste a estudar para...

Onde é que está a merda dessa bebida?

Queres café?

Não sejas parva. Quero é mais um copo.

Bebe um pouco de café.

Anda daí, vá. Dá-me mais um para o caminho.

Um Lincoln Highway?

- Esse não presta e eu detesto bebidas más. Vá lá. Enche lá isso.

Fez deslizar o copo pelo balcão e ela deitou lhe mais gim.

Parece-me que talvez devesse convidar uns quantos - murmurou Chris.

Convidar quem?

Bem, quaisquer uns. - Encolheu os ombros. – Os mais importantes, percebes, padres.

Nunca mais te largam. São uns sacanas - rosnou, bebendo o gim dum trago.

Pois é, ele está quase a explodir, pensou Chris, e mudou de assunto rapidamente: falou-lhe do guião e da sua oportunidade de o realizar.

Oh!, formidável - resmungou Dennings.

A mim apavora-me.

Oh, tolices! Minha filha, a única dificuldade da realização é fazer com que essa estuporada coisa pareça difícil. Quando fiz a primeira estava completamente em branco, mas, como vês, cá estou. É uma brincadeira de crianças.

Burke, para ser franca contigo, agora que me ofereceram a oportunidade, nem sequer tenho a certeza de ser capaz de dirigir a minha avó a atravessar a rua. Refiro-me a toda essa porcaria da técnica.

Não penses nisso; deixa tudo por conta do montador, do operador e da anotadora, querida. Arranja uns que sejam bons e eles fazem-te o trabalhinho. O importante é manobrar o elenco e nisso vais ser uma maravilha. Não só lhes podes ensinar as marcações e a pronunciar as falas, como também lhes podes mostrar como é. Lembra-te só do

Paul Newman em Raquel, Raquel, e deixa-te de histerismos.

Chris parecia ainda ter dúvidas.

- Bem, mas toda essa parte técnica - disse ela preocupada. Embriagado ou sóbrio, Dennings era o melhor realizador dentro do meio. Queria a sua opinião.

- Sobre quê, por exemplo? - perguntou ele.

Durante quase uma hora investiu contra a barreira dos pormenores. Os dados eram fáceis de encontrar em livros, mas a leitura tinha o condão de a impacientar. Preferia ler nas pessoas. Naturalmente curiosa, espremia-lhes o suco, extorquia-lhes toda a substância. Mas os livros não se podiam espremer. Os livros não passavam de conversa. Diziam "por conseguinte" e "evidentemente", quando nada era evidente e os seus circunlóquios nunca podiam ser discutidos. Não podiam ser interrompidos com uma frase perspicaz e desconcertante. "Espera aí um bocadinho, eu sou estúpida. Podes repetir outra vez?" Não podiam ser espicaçados, espremidos, dissecados. Os livros eram como o Karl.

- Querida, na verdade, o que tu realmente precisas é dum esplêndido montador - cacarejou Dennings, rematando: - Quer dizer, alguém que perceba realmente do ofício.

Mostrava-se agora encantador e cheio de espírito e o ponto perigoso, que estivera iminente, parecia ter sido ultrapassado.

- Desculpe, minha senhora, deseja alguma coisa?

Karl perfilava-se atento na porta do gabinete.

Olá, Thorndike - disse Dennings num esgar. - Ou

será Heinrich? Nunca me lembro.

É Karl.

Ah, pois claro que é. Tinha-me esquecido. Diga-me, Karl, eram relações públicas o que você me disse que fazia na Gestapo, ou relações de comunidade? Parece-me que há uma diferença.

Karl falou com delicadeza.

Nem uma coisa nem outra, senhor. Sou suíço.

Ah, pois, naturalmente. - O realizador deu uma gargalhada. - E suponho que nunca jogou bowling com Goebbels.

Karl, impenetrável, voltou-se para Chris.

E nunca voou com Rudolph Hess!

A senhora deseja alguma coisa?

Oh, não sei. Burke, queres café?

Merda para o café.

O realizador levantou-se com um ar beligerante e saiu da sala e da casa a passos largos.

Chris abanou a cabeça e depois voltou-se para Karl.

- Desligue os telefones - ordenou, inexpressiva.

Sim, minha senhora. Mais alguma coisa?

Oh, talvez um pouco de Sanka. Onde está a Rags?

Em baixo, no quarto de brinquedos. Chamo-a?

Sim. São horas de ir para a cama. Olhe, não, espere um segundo, Karl. Não faça caso, é melhor eu ir ver o pássaro. Arranje-me só o Sanka, por favor.

Sim, minha senhora.

E, pela milésima vez, peço desculpa pelo Burke.

Eu não ligo importância.

Eu sei. É isso mesmo que o chateia.

Chris foi até ao hall de entrada, abriu a porta das escadas da cave e desceu.

- Olá, meu bichinho, que estás tu a fazer aí em baixo? Já acabaste o pássaro?

- Acabei, sim, anda ver! Vem cá abaixo, já está pronto!

O quarto de brinquedos era apainelado e decorado com cores vivas. Cavaletes. Pinturas. Gira-discos. Mesas de jogos e uma mesa para escultura. Bandeiras vermelhas e brancas, decorações duma festa, deixadas ali por um rapazinho, filho dos inquilinos anteriores.

Ena, ena! Está formidável! - exclamou Chris, quando Regan lhe passou a escultura para as mãos. Ainda não estava bem seca e apresentava umas leves parecenças com um "pássaro aflito", todo pintado de cor de laranja, menos o bico, que tinha riscas verdes e brancas dos lados e um tufo de plumas colado na cabeça.

Gostas? - perguntou Regan.

Se gosto, meu amor, gosto mesmo muito. Já lhe arranjaste nome?

Hum!

Que nome é que lhe ficará bem?

-Não sei - volveu Regan encolhendo os ombros.

- Deixa-me cá ver. - Chris bateu nos dentes com a ponta dos dedos. - Não sei. Que é que tu achas? Que dizes a "Pássaro Estúpido"? Hem? Só "Pássaro Estúpido", sem mais nada.

Regan ria-se, a acenar com a cabeça, escondendo a boca com as mãos para não mostrar o aparelho.

- "Pássaro Estúpido" por maioria de votos! Vou deixá-lo aqui a secar e depois levo-o para o meu quarto.

Chris, ao pousar o pássaro, reparou no quadro oui-ja. Mesmo ali. Sobre a mesa. Esquecera-se que o tinha. Quase tão curiosa a respeito de si própria como dos outros, comprara-o, em princípio, como um possível meio de desvendar motivações ao seu subconsciente. Não tinha dado resultado. Experimentara-o uma ou duas vezes com Sharon e uma vez com Dennings, que guiara o indicador de plástico com tal habilidade ("És tu que o estás a mexer, queridinha?"), que todas as "mensagens" saíram obscenas, e depois atribuíra a responsabilidade àqueles "espíritos porcos...!"

Estás a brincar com o oui-ja?

Estou.

Sabes como se faz?

Pois claro que sei! Olha, vou-te mostrar. - Dirigiu-se para junto do quadro e sentou-se.

Bem, minha querida, parece-me que são precisas duas pessoas.

Não, mãe, não são. Eu faço sempre assim.

Chris puxou de uma cadeira.

Olha, vamos jogar as duas, valeu? - disse.

- Está bem - volveu Regan, após uma hesitação. Tinha as pontas dos dedos pousadas no indicador branco e quando Chris estendeu a mão para pôr as dela, o indicador moveu-se rápida e subitamente para a posição do quadro marcada com "Não".

Chris olhou para ela e sorriu com malícia.

Mãe, antes queria ser eu sozinha a fazê-lo!

É isso? Tu não queres que eu jogue?

Não, quero! O capitão Howdy é que disse que "não".

O capitão quê?

O capitão Howdy.

E quem é o capitão Howdy, minha querida?

Oh, sabes, eu faço perguntas e ele responde.

Ah, sim?

Pois. Ele é formidável.

Chris tentou não franzir o sobrolho ao sentir uma vaga e repentina inquietação. A criança gostava profundamente do pai, no entanto, nunca reagira de modo evidente ao divórcio deles. E Chris não gostava disso. Talvez chorasse no quarto. Chris não sabia, mas receava que ela se estivesse a reprimir e que um dia as suas emoções viessem a explodir de forma prejudicial. Um companheiro de brincadeiras imaginário. Não lhe parecia saudável. E porquê "Howdy"? Seria o diminutivo de Howard, do pai? Deve ser isso.

- Então como é que tu, que nem sequer conseguiste arranjar um nome para um pássaro feito por ti, me apareces agora com essa do "capitão Howdy"? Porque é que lhe chamas "capitão Howdy"?

Regan riu-se.

Porque é esse o nome dele, está claro.

E quem é que to disse?

Foi ele mesmo.

Pois, com certeza!

Pois com certeza que foi!

E que mais te diz ele?

Coisas.

- Que coisas?

Regan encolheu os ombros.

Oh, coisas!

Como, por exemplo?

Já te mostro. Vou-lhe fazer algumas perguntas.

Então faz lá.

Com as pontas dos dedos pousadas sobre o indicador, Regan olhava para o quadro concentrada, de olhos fixos.

- Capitão Howdy, não achas que a minha mãezinha é bonita?

Passou-se um segundo... cinco... dez... vinte...

- Capitão Howdy?

Passaram mais alguns segundos. Chris estava surpreendida. Esperava que a filha fizesse deslizar o indicador até ao canto onde estava escrito "Sim". Oh, por amor de Deus, que virá agora? Hostilidade inconsciente? Oh, isto é uma loucura!

- Capitão Howdy, realmente não me parece muito bem educado - censurou Regan.

Talvez ele esteja a dormir, queridinha.

Achas que sim?

O que acho é que tu já devias estar a dormir.

Já?

Chris levantou-se.

- Anda, bebé! Toca para a cama!

- É um parvo - resmungou Regan. E subiu as escadas atrás da mãe.

Chris aconchegou lhe a roupa e sentou se na cama ao lado dela.

- Querida, no domingo não há trabalho. Queres fazer alguma coisa?

- O quê?

No princípio da sua chegada a Washington, Chris esforçara-se por arranjar amigas para Regan. Só tinha encontrado uma. Uma garota de doze anos chamada Judy. Mas a família de Judy fora passar a Páscoa fora, e Chris preocupava-se com a possível solidão de Regan.

Não sei - respondeu Chris. - Qualquer coisa. Queres ir dar uma volta? Olha, talvez ver as cerejeiras em flor! É uma ideia. Este ano floriram mais cedo! Queres ir?

Se quero, mãe!

E amanhã à noite vamos ao cinema, que tal?

Ó mãe, adoro-te!

Regan apertou-a num abraço e Chris devolveu-lho com um fervor especial, segredando: "Oh, Rags, meu amor, gosto tanto, tanto de ti!"

Se quiseres podes levar o Sr. Dennings.

Chris afastou-se para a olhar.

O Sr. Dennings?

Bem, quero dizer, por mim pode ir.

Chris sorriu.

Não, mas por mim não pode. Por que havia eu de levar o Sr. Dennings?

Ora, tu gostas dele.

Oh, com certeza que gosto dele, querida; e tu também, creio.

Regan não respondeu.

Que se passa, minha pequenina? - perguntou Chris,

tentando que Regan falasse.

Vais casar com ele, não vais, mãe? - Não era uma

pergunta, mas sim uma afirmação amuada.

Chris explodiu numa gargalhada.

Oh, meu amor, claro que não vou! De que estás tu a falar? O Sr. Dennings? Onde é que foste buscar essa ideia?

Mas gostas dele.

Também gosto de pizzas, mas nunca me casaria com uma pizza! Meu amor, ele é um velho amigo meu; mas é só um velho amigo meio maluco!

Não gostas dele como do paizinho?

Amo o teu pai, querida; hei-de amar sempre o teu papá. O Sr. Dennings vem cá muitas vezes porque se sente sozinho; só por isso; é um amigo.

É que eu ouvi dizer.

Ouviste o quê? E a quem?

Laivos de dúvida perpassaram-lhe pelos olhos; uma hesitação, depois um encolher de ombros.

Não sei, pareceu-me.

Bem, é uma parvoíce, portanto, esquece-te dela.

Está bem.

Agora dorme.

Posso ler? Não tenho sono.

Com certeza, querida, lê o teu livro novo até teres sono.

Obrigada, mamã.

Boa noite, minha pequena.

Boa noite.

Chris atirou-lhe um beijo da porta e em seguida fechou-a. Desceu as escadas. Os miúdos! Onde irão eles buscar ideias destas? Gostaria de saber se Regan ligava Dennings ao seu pedido de divórcio. Oh, vamos lá, isso é uma parvoíce. Regan apenas sabia que Chris tinha apresentado o pedido. No entanto, Howard desejara-o. Grandes separações. A corrosão do seu ego como marido duma estrela. Ele encontrara outra pessoa. Regan não sabia disto. Oh, deixa--te de toda essa psicanálise barata e faz mas é o possível por passares mais tempo com ela.

Chris regressou ao gabinete de trabalho. Ao guião. Começou a ler. A meio da leitura, Regan veio ter com ela.

Que se passa, querida?

São aqueles ruídos muito esquisitos, mãe.

No teu quarto?

- É como se fossem pancadas. Não consigo adormecer.

Onde raio estarão aquelas ratoeiras!

- Querida, dorme no meu quarto, que vou ver o que se passa.

Chris levou-a para o quarto, meteu-a na cama e tapou-a com carinho.

Posso ver um bocadinho de televisão até adormecer?

Onde é que está o teu livro?

Não consegui encontrá-lo. Posso ver a televisão?

Podes, com certeza. - Chris procurou um canal na televisão portátil que estava no quarto. - Ouves bem?

Sim, mãezinha.

Tenta dormir.

Chris apagou a luz e saiu para o hall. Subiu a estreita escada alcatifada que levava ao sótão. Abriu a porta e procurou o comutador; encontrou-o, acendeu a luz, curvando-se para entrar.

Olhou em volta. No chão de madeira de pinho havia caixas de papelão cheias de recortes de jornais e de correspondência. Mais nada, a não ser as ratoeiras. Eram seis, armadas. O sótão estava impecável. Até o ar cheirava a fresco e a lavado. Não era aquecido. Não havia cana­lização, nem radiador, nem buraquinhos no tecto.

"Não há nada."

Chris deu um pulo assustada. "Oh, meu Deus!" exclamou ofegante; voltou-se rápida, levando a mão ao coração agitado.

Bolas, Karl, não torne a fazer isso!

Karl estava parado na escada.

Peço imensa desculpa. Mas como vê, está limpo.

Sim, está limpo. Muitíssimo obrigada!

Talvez um gato seja melhor.

Quê?

Para caçar ratos.

Sem esperar resposta, acenou com a cabeça e foi-se embora.

Chris ficou durante uns momentos a olhar para a porta, de olhos arregalados. Karl não tinha o mínimo sentido do humor, ou, se o tinha, era tão pouco que ela nem dava por isso. Não podia decidir-se por nenhuma das hipóteses.

Pensou novamente nas pancadas, depois olhou para o tecto esconso. A rua era sombreada por várias árvores, muitas delas nodosas e entrelaçadas de trepadeiras; e os ramos duma das tílias, entroncada, coberta de fungos, abrangiam um terço da fachada da casa. Seriam esquilos? Devem ser. Ou ramos. É isso, podiam ser ramos. As noites tinham sido ventosas.

"Talvez um gato seja melhor."

Chris tornou a olhar para a porta. Ora o convencido das dúzias! De repente, sorriu com um ar atrevido e malicioso.

Desceu ao quarto de Regan, pegou em qualquer coisa, levou-a para o sótão e, passado um minuto, voltou ao quarto. Regan estava a dormir. Levou-a para o quarto dela, deitou a na cama e regressou ao seu. Apagou a televisão, deitou-se e adormeceu.

A casa ficou sossegada até de manhã.

Enquanto tomava o pequeno-almoço, Chris disse a Karl, com ar despreocupado, que pensava ter ouvido durante a noite a mola duma ratoeira a fechar-se.

- Quer ir ver o que se passa? - sugeriu Chris, bebendo o

café e fingindo se absorvida na leitura do jornal da manhã.

Sem comentários, Karl subiu para investigar.

Chris cruzou-se com ele no hall do segundo andar. Karl voltava do sótão, olhando inexpressivamente para um enorme rato de feltro que trazia na mão. Encontrara-o com o focinho preso numa das ratoeiras.

Chris, ao dirigir-se para o quarto, olhou espantada para o rato.

Anda alguém a divertir-se - resmungou Karl ao passar por ela. Levou o brinquedo para o quarto de Regan.

De facto estão a passar-se muitas coisas – murmurou Chris, sacudindo a cabeça ao entrar no quarto. Despiu o roupão e arranjou-se para ir para o trabalho. Pois, talvez um gato seja melhor, meu velho. Muito melhor. Sempre que se ria franzia a cara toda.

 

Naquele dia as filmagens correram sem dificuldades. Ao fim da manhã Sharon apareceu no local e, no camarim ambulante de Chris durante os intervalos das cenas, trataram ambas de assuntos que tinham entre mãos: uma carta para o agente de Chris (que ia pensar no guião); "aceitar o convite" da Casa Branca; um telegrama para Howard a lembrar-lhe que telefonasse no aniversário de Regan; um telefonema para o seu administrador, pergun­tando se teria recursos que lhe permitissem suspender o trabalho durante um ano; planos para dar um jantar no dia vinte e três de Abril.

No princípio da tarde Chris levou Regan ao cinema e no dia seguinte foram passear no Jaguar XKE de Chris. Visitaram locais de interesse: o monumento de Lincoln, o Capitólio, a lagoa das cerejeiras em flor; por fim, lancharam. Em seguida, atravessaram o rio e foram ao cemi­tério de Arlington e ao túmulo do Soldado Desconhecido. Regan ficou com um ar solene e mais tarde, junto à campa de John F. Kennedy, pareceu tornar-se distante e um pouco triste. Esteve um bocado a olhar para a "chama eterna", depois, em silêncio, agarrou na mão de Chris.

- Mamã, porque é que as pessoas têm de morrer?

A pergunta trespassou a alma da mãe. Ó Rags, também tu? Tu também? Oh, não! E no entanto, que lhe poderia dizer? Mentiras? Não, não lhe podia mentir. Olhou para a cara da filha voltada para cima, com os olhos enevoados de lágrimas. Teria ela adivinhado os seus pensamentos? Já tinha acontecido tantas vezes antes... tantas vezes.

Queridinha, as pessoas cansam-se - respondeu a Regan com ternura.

Porque é que Deus deixa?

Por instantes Chris ficou de olhar parado; estava confusa e perturbada. Como era descrente, nunca falara de religião a Regan. Achava a religião desonesta.

Quem te tem andado a falar de Deus? - perguntou.

A Sharon.

Ah! - Tinha de lhe falar a esse respeito.

Mãezinha, porque é que Deus nos deixa ficar cansados?

Baixando o olhar para aqueles olhos sensíveis e para aquela dor, Chris rendeu-se; não podia fazê-lo, não podia falar no que acreditava.

- Bem, depois de um certo tempo Deus fica com saudades nossas, Rags, e quer que regressemos.

Não ajudava nada. Regan fechou-se no silêncio. Esteve calada durante o regresso a casa e manteve a mesma disposição toda a segunda-feira.

Na terça-feira, dia dos seus anos, Regan pareceu melhorar. Chris levou-a consigo para as filmagens e quando o trabalho do dia terminou todos os artistas e toda a equipa cantaram "Parabéns a você" e apareceram com um bolo. Sempre bom e delicado quando sóbrio, Dennings mandou de novo acender as luzes e filmou-a a cortar o bolo. Disse-lhe que aquilo era um "teste cinematográfico" e prometeu fazer dela uma estrela de cinema. Ela parecia bastante satisfeita.

Porém, depois de jantar e de abrir os presentes, deu a impressão que toda a sua boa disposição desaparecera. Nem uma palavra de Howard. Chris pediu uma chamada para Roma e um empregado do hotel informou-a de que-Howard não estava lá há vários dias e que não podia comunicar com ele. Encontrava-se algures num iate. Chris pediu desculpa.

Regan baixou a cabeça, tristonha, e rejeitou a sugestão da mãe para irem ao Hot Shoppe tomar um batido. Sem uma palavra, desceu ao quarto de brinquedos, onde ficou até à altura de ir para a cama.

Na manhã seguinte, ao abrir os olhos, Chris encontrou Regan na sua cama, meio acordada.

Mas porque carga... Que estás tu a fazer aqui? - perguntou Chris, rindo.

A minha cama estava a tremer.

És uma parvinha. - Chris beijou-a e puxou-lhe a roupa. - Dorme. Ainda é cedo.

O que parecia madrugada era o princípio de uma noite sem fim.

 

Parou à beira da plataforma solitária do metropolitano, procurando ouvir o ruído dum comboio que acalmasse a dor que trazia sempre consigo. Com o bater do pulso, que só podia ser ouvido no silêncio. Mudou a mala para a outra mão e alongou a vista pelo túnel. Pontos luminosos alongavam-se pela escuridão, como guias para a desesperança.

Ouviu tossir. Olhou para a esquerda. Um miserável de barba grisalha a despontar estava sentado no chão, entorpecido no charco da própria urina; fitava o rosto vincado do padre com uns olhos amarelados. O padre olhou para o outro lado. Ele havia de se aproximar lamuriante. Pode ajudar um velho sacristão, padre? Pode? A mão salpicada de vomitado a fazer-lhe pressão no ombro. A procura atrapalhada da medalha. O tresandar do hálito de mil confissões, com o vinho, o alho e os velhos pecados, tudo junto num arroto, a asfixiar... a asfixiar...

O padre ouviu o miserável levantar-se.

Não te aproximes!

Ouviu uns passos.

Oh, meu Deus, deixai-me!

- Ei, padre!

Contraiu se. Curvou-se. Não podia voltar-se. Seria um tormento procurar novamente Cristo por entre o mau cheiro e os olhos encovados; o Cristo de pus e excremento ensanguentado, o Cristo que não podia existir. Num gesto distraído apalpou a manga como se estivesse à procura de um fumo de luto invisível. Lembrou-se vagamente de um outro Cristo.

- Ei, padre!

O ruído de um comboio a chegar. O som de passos hesitantes. Olhou para o vagabundo. Cambaleava. Desfalecia. Num ímpeto inconsciente e repentino, o padre enca­minhou-se para ele, agarrou-o e arrastou-o até ao banco encostado à parede.

- Eu sou católico - murmurou o miserável. - Sou católico.

O padre instalou-o com cuidado, deitou-o ao comprido; viu o comboio. Tirou um dólar da carteira e meteu-lho na algibeira do casaco, depois pensou que ele o poderia perder. Agarrou no dólar e enfiou-lho numa algibeira das calças húmidas de urina; em seguida, pegou na mala e apanhou o comboio.

Sentou-se num canto e fingiu dormir. No fim da linha, saiu e foi a pé até à Universidade de Fordham. O dólar era para pagar o táxi.

Quando chegou à residência reservada aos visitantes assinou o nome no registo. Escreveu "Damien Karras". Depois ficou a olhar para o que escrevera. Havia qualquer coisa que não estava bem. Lembrou-se e, cansado, acrescentou, "S. J.".

Ficou num quarto do Weigel Hall e uma hora depois conseguiu adormecer.

No dia seguinte foi a uma reunião da Associação dos Psiquiatras Americanos. Como orador principal, fez uma conferência subordinada ao tema "Aspectos psicológicos da evolução espiritual". Passou um fim de tarde agradável na companhia de alguns psiquiatras, a tomar umas bebidas e a petiscar. Eles pagaram. Deixou-os cedo. Tinha de ir ver a mãe.

Andou até ao edifício de apartamentos, de arenito acastanhado, a cair aos bocados, na Rua Vinte e Um Este de Manhattan. Parando junto aos degraus da porta, ficou a olhar para as crianças que estavam na entrada da casa. Desleixadas, mal vestidas, sem terem para onde ir. Recordou as expulsões, as humilhações: os regressos a casa com a namorada, uma garota da escola, e o encontrar a mãe numa esquina a remexer, esperançada, num caixote de lixo. Subiu os degraus e abriu a porta, como uma ferida dolorosa. Um cheiro a cozinhado, putrefacção adocicada. Lembrou-se das visitas à senhora Choirelli e do seu minúsculo apartamento com os dezoito gatos. O cheiro era parecido. Agarrou-se ao corrimão e subiu dominado por um cansaço súbito e esgotante, que sabia ser causado por um sentimento de culpa. Não a deveria ter deixado sozinha. Nunca.

Ela recebeu-o com alegria. Uma exclamação, um beijo. Correu a fazer café. Uma imigrante. Morena; de pernas curtas, fortes e nodosas. Sentou-se na cozinha a ouvi-la falar. As paredes esquálidas e o chão sujo infiltravam-se-lhe nos ossos. O apartamento parecia um estábulo. Só tinha a Assistência Social e uns escassos dólares de um irmão todos os meses.

Ela sentou-se à mesa. A Sra. Tal, o tio Fulano. Ainda com sotaque de imigrante. Ele evitou aqueles olhos que eram poços de sofrimento; olhos que levavam dias à janela, olhos que ele não ousava enfrentar nem mesmo em sonhos.

Nunca a deveria ter deixado.

Mais tarde escreveu-lhe uma carta. Ela não sabia ler nem escrever inglês. Depois dedicou algum tempo a reparar o sintonizador de um rádio de plástico todo estalado. Era o mundo dela. O noticiário. O mayor Lindsay.

Foi ao quarto de banho. Jornais amarelados estendidos no ladrilho. Manchas de ferrugem na banheira e no lavatório. No chão um espartilho velho. Sementes da vocação. Fugira delas para o amor; e agora o amor desaparecera.

Às onze menos um quarto beijou-a e despediu-se; prometeu voltar logo que pudesse. Partiu deixando o rádio sintonizado no noticiário.

Uma vez de regresso ao quarto em Weigel Hall pensou em escrever uma carta ao padre provincial da província de Maryland. Já anteriormente discutira todo o assunto com ele: um pedido de transferência para a província de Nova Iorque, para estar mais perto da mãe; pedido para um lugar de professor e dispensa dos seus cargos. Ao apresentar esta última solicitação apontara como motivo a "incapacidade" para o trabalho.

O provincial de Maryland não se esquecera do assunto no decurso da sua inspecção anual à Universidade de Georgetown, função muito semelhante à de um inspector--geral do exército ao conceder audiências particulares a quem tivesse reclamações a apresentar. Sobre o assunto da mãe de Damien Karras, o provincial inclinara a cabeça e manifestara a sua simpatia, mas a questão da "inca­pacidade" do padre, a julgar pelas aparências, parecia-lhe inconsistente. Karras, no entanto, insistira:

"Pois bem, Tom, é mais que a psiquiatria. Sabe isso muito bem. Muitos dos problemas resumem-se na vocação, no significado das suas próprias vidas. Cos diabos, nem sempre é sexo o que está em causa, é a fé, e eu não posso ignorá-lo de forma alguma, Tom, é de mais. Preciso duma saída. Também tenho os meus próprios problemas. Quero dizer, dúvidas."

"Qual é o homem pensante que as não tem, Damien?" Homem aflito com muitos problemas, o provincial não insistira com ele para saber o motivo das suas dúvidas. Karras ficou-lhe grato por isso. Sabia que as suas respostas teriam o tom da loucura. A necessidade de rasgar a carne com os dentes e de defecar em seguida. As nove primeiras sextas-feiras da minha mãe. Peúgas sujas. Os bebés da Talidomida. Uma noticia nos jornais sobre um jovem sacristão numa paragem à espera do autocarro. Assaltado por desconhecidos; regado com petróleo; incendiado. Não. Seria demasiadamente sentimental, vago, existencial. Mais enraizado na lógica era o silêncio de Deus. No mundo existia o mal. E grande parte do mal era resultado da dúvida; de uma confusão honesta entre homens de boa vontade. Recusaria um Deus justo acabar com o mal? Não Se revelar Ele próprio? Não falar?

Senhor, dai-nos um sinal...

A ressurreição de Lázaro sumia-se num passado longínquo. Nenhuma pessoa agora viva ouvira a sua gargalhada.

Porque não um sinal?

Várias vezes o padre desejara ter vivido com Cristo; ter visto, ter tocado, ter sondado o seu olhar. Oh, Meu Deus, deixai-me ver-Vos! Fazei que eu saiba! Vinde em sonhos!

O anseio consumia-o.

Agora estava sentado à secretária com a caneta em cima do papel. Talvez não fosse a falta de tempo que tivesse feito calar o provincial. Talvez ele compreendesse que no fim a fé era uma questão de amor.

O provincial prometera considerar o pedido, mas até ao momento nada tinha sido feito. Karras escreveu a carta e deitou-se.

Acordou preguiçosamente às cinco horasda manhã, foi à capela de Weigel Hall, tirou uma hóstia do cibório; depois regressou ao quarto e disse missa.

Et clamor meus aã te venial, orou num murmúrio de angústia. "Até Vós suba o meu clamor..."

Elevou a hóstia na consagração, com a recordação dolorosa da alegria que em tempos lhe dera; sentiu uma vez mais, como todas as manhãs, a angústia da visão longínqua e quase despercebida de um amor há muito perdido.

Fraccionou a hóstia sobre o cálice.

"Deixo-vos a minha paz. A minha paz vos dou..."

Meteu a hóstia na boca e engoliu aquele sabor a papel do desespero.

Depois da missa limpou o cálice e colocou-o cuidadosamente na mala. Correu para o comboio das sete e dez, de regresso a Washington, levando a dor dentro de uma mala preta.

 

Na madrugada de 11 de Abril, Chris telefonou ao seu médico, em Los Angeles, e pediu-lhe que lhe indicasse um psiquiatra em Washington para Regan.

- Que se passa?

Chris explicou. A partir do dia seguinte ao aniversário de Regan - Howard não havia telefonado - notara uma mudança trágica e repentina no comportamento e na atitude da filha. Tinha insónias, estava irascível, com acessos de mau humor. Dava pontapés nas coisas, atirava com elas. Gritava. Não queria comer e, além disso, a sua energia parecia anormal. Movia-se constantemente, tocando em tudo, com ira, volteante; corria e dava saltos, de um lado para o outro. Não sabia as lições. Arranjara um companheiro imaginário de brincadeiras. Tácticas excên­tricas para chamar a atenção.

- Tais como? - perguntou o médico.

Primeiro começara com as pancadinhas. Desde a noite em que Chris fora ao sótão investigar, ouvira-as novamente mais duas vezes. Em ambas as ocasiões reparara que Regan estava no quarto. E as pancadinhas paravam no momento em que ela entrava. Em segundo lugar, continuou, Regan "perdia" coisas no quarto: um vestido, a escova de dentes, livros, os sapatos. Queixava-se de que "alguém lhe mudava" os móveis. Finalmente, na manhã seguinte ao jantar da Casa Branca, Chris vira Karl no quarto de Regan a pôr no seu lugar uma cómoda que fora deslocada através do quarto. Quando Chris lhe perguntou o que estava a fazer, ele repetiu o seu anterior "anda alguém a divertir se", e recusou-se a fazer mais comentários. No entanto, daí a bocado, Chris ouvira Regan na cozinha queixar-se de que alguém lhe mudara todos os móveis do quarto, durante a noite, enquanto ela dormia. Fora este o incidente, explicou Chris, que finalmente concretizara as suas suspeitas. Estava provado que era a filha quem fazia aquilo tudo.

Refere-se a sonambulismo? Ela faz essas coisas enquanto dorme?

Não, Marc, é quando está acordada. Para chamar a atenção.

Chris referiu-se ao abanar da cama, que acontecera mais duas vezes, sempre seguido pela insistência de Regan em dormir com a mãe.

Bem, isso pode ser fisiológico - sugeriu o médico.

Não, Marc, eu não disse que a cama abana, eu disse que ela diz que abana.

E sabe se não abana?

Não, não sei.

Bem, podem ser espasmos clónicos - murmurou ele.

Quê?

Ela tem febre?

Não. Que é que acha? Devo levá-la a um psiquiatra ou quê?

Você falou das lições, Chris. Como vai ela com a matemática?

Porque pergunta isso?

Diga lá como é que ela vai - insistiu ele.

Uma desgraça. Quero dizer de repente começou a andar mal.

Ele soltou um grunhido.

Mas porque é que pergunta? - repetiu ela.

Bem, porque faz parte da síndroma.

Do quê?

Não é nada de grave. Prefiro não fazer conjecturas pelo telefone. Tem aí um lápis? Queria dar-lhe o nome de um especialista de Washington.

- Marc, você não pode cá vir? Gostava que ela fosse

examinada por si. - Jamie. Uma infecção que se prolongara. Naquela altura o médico de Chris receitara um antibiótico novo, de largo espectro. Ao tornar a aviar a receita numa farmácia do bairro, o farmacêutico fora cauteloso. "Não a quero alarmar, minha senhora, mas isto...

Bem, é muito recente no mercado e na Geórgia descobriu-se que tem causado anemia plástica em..." Jamie. Jamie.

Morto. E desde então Chris já não confiava nos médicos. Só no Marc. E mesmo assim levara anos. - Marc, você não pode? - implorou Chris.

- Não. Não posso. Mas não se preocupe. Esse homem é esplêndido. É o melhor. Agora arranje um lápis.

Chris hesitou. Depois disse:

Está bem - e assentou o nome.

Faça com que ele a examine e diga-lhe para me telefonar - recomendou o médico. - E por enquanto esqueça-se do psiquiatra.

Acha que sim?

Ele criticou acerbamente a facilidade com que a maior parte do público identificava doenças psicossomáticas e falhava na identificação do inverso: que as doenças somáticas eram muitas vezes a causa de pretensas doenças psíquicas.

Que me diria você - exemplificou ele - se fosse o meu médico assistente, do que Deus me livre, se eu lhe dissesse que tinha dores de cabeça, pesadelos, enjoos, insónias e embaciamento na vista? E que normalmente me sentia incoerente, aborrecido de morte com o meu emprego? Diria que eu era neurótico?

Não sou a pessoa indicada para lhe responder, Marc. Eu sei que você é maluco.

Os sintomas que lhe dei, Chris, são idênticos aos do tumor cerebral. Examinemos primeiro o organismo. É o principal. Depois veremos.

 

Chris telefonou ao especialista e marcou consulta para aquela tarde. O seu tempo agora pertencia-lhe. As filmagens tinham terminado, pelo menos para ela. Burke Dennings continuava a vigiar vagamente o trabalho do "segundo grupo", uma equipa geralmente menos difícil, que filmava as cenas de menor importância, na sua maioria filmagens, de helicóptero, de vários exteriores em volta da cidade e também as acrobacias; cenas sem as vedetas. Mas ele queria que cada centímetro de filme ficasse perfeito.

O consultório do médico era em Arliugt.on. Samuel Xlein. Enquanto Regan se sentava irritada numa sala de observações, Klein levou a mãe para o seu gabinete, para uma história superficial do caso clínico. Chris descreveu-lhe SÓ a situação. Ele ouviu; acenou com a cabeça; tomou muitos apontamentos. Quando ela mencionou a cama a abanar franziu o sobrolho. Mas Chris continuou:

Pareceu-me que o Marc achou significativo o facto de a Regan estar mal em Matemática. Diga-me o porquê?

A senhora refere-se a más lições?

Sim, às lições, mas especialmente à Matemática. Que quer isso dizer?

Bem, Sra. MacNeil, primeiro o exame e depois falaremos.

O médico pediu-lhe que esperasse e foi fazer um exame completo a Regan, o qual incluiu colheitas de urina e de sangue. A urina era para análise das funções hepáticas e renais; o sangue para várias análises hematológicas: diabetes, funcionamento da tiróide, contagem de glóbulos vermelhos para verificar a existência de uma possível anemia, contagem de glóbulos brancos para ver se havia uma doença rara do sangue.

Quando terminou, sentou-se a conversar com Regan, observando-lhe o comportamento. Em seguida, voltou para junto de Chris e começou a passar uma receita.

Ela parece ter uma doença de comportamento hiper cinético.

Uma quê?

Uma disfunção neurológica. Pelo menos, parece-me.

Ainda não se sabe exactamente qual é o funcionamento, mas verifica-se com frequência na primeira adolescência. Apresenta todos os sintomas: hiper actividade, irritabilidade, o fraco rendimento na Matemática.

Ah! sim, a Matemática. Mas porquê a Matemática?

Porque afecta a concentração. - Arrancou a folha da receita do bloco de papel azul e entregou-lha. - Está aqui a receita da Ritalina.

Quê?

Cloridrato dum éster metílico.

Ah!

Dez miligramas duas vezes por dia. Eu aconselhava uma dose às oito da manhã e outra às duas da tarde.

Ela olhou para a receita.

- Um calmante?

- Um estimulante.

- Um estimulante? Ela agora já está uma pilha de nervos.

- O seu estado não é exactamente o que parece -

explicou Klein. - É uma forma de compensação excessiva.

Uma reacção excessiva à depressão.

- À depressão?

Klein disse que sim com a cabeça.

Uma depressão - murmurou Chris. Ficou pensativa.

Bem, você falou no pai dela - disse Klein.

Chris levantou a cabeça e fitou o médico.

Acha que devo levá-la a um psiquiatra?

Oh, não. Eu esperava e via o resultado da Ritalina. Julgo que é essa a solução. Esperemos duas ou três semanas.

Então crê que são tudo nervos?

Suspeito que sim.

E as mentiras que ela diz? Isso vai fazer com que acabe com elas?

Ficou intrigada com a resposta de Klein, que lhe perguntou se ela já tinha notado que Regan praguejava e dizia obscenidades.

Nunca - respondeu Chris.

Bem, sabe, é um sintoma muito semelhante ao de mentir, incaracterístico, por aquilo que você me conta, mas em certas doenças nervosas pode...

Espere um pouco - interrompeu Chris perplexa. -

Donde lhe veio essa ideia de a minha filha dizer obscenidades? Foi isso que disse, ou percebi mal?

O médico ficou a olhar para ela durante um momento com uma certa curiosidade; ponderou e depois afirmou cautelosamente:

- Sim, eu acho que ela diz obscenidades. Ainda não

tinha dado por isso?

Não, ainda não dei por isso! De que é que está a falar?

Bem, Sra. MacNeil, enquanto a examinava ela largou

um grande chorrilho de asneiras.

Está a brincar! Mas que espécie de asneiras?

Ele foi evasivo.

- Bem, parece-me que o vocabulário dela é bastante extenso.

- Sim, mas o que é que ela disse? Isto é, dê-me um exemplo!

O médico encolheu os ombros.

Refere-se a palavrões como "merda"? Ou "porra"?

O médico descontraiu-se.

Sim, empregou essas palavras - disse ele.

E que mais disse ela, especificamente?

- Bem, Sra. MacNeil, especificamente, aconselhou-me a tirar os sacanas dos meus dedos da sua...

Chris ficou sufocada com o choque.

Empregou essas palavras?

Bem, não é invulgar, Sra. MacNeil, e no seu lugar não me preocupava com isso de modo nenhum. Faz parte da síndroma.

Ela sacudiu a cabeça, olhando para o chão.

Custa realmente a acreditar.

Porém, duvido que ela percebesse o que estava a dizer - acrescentou o médico para a sossegar.

Sim, acredito - murmurou Chris. - Talvez não percebesse.

Experimente aRitalina - aconselhou-a - e vamos ver a evolução. Gostava de a observar novamente daqui a duas semanas.

Consultou um bloco-calendário colocado em cima da secretária.

Vejamos, pode ser na quarta-feira, dia vinte e sete.

Convém-lhe? - perguntou, olhando para Chris.

Sim, com certeza - murmurou ela levantando-se. Meteu a receita numa das algibeiras do casaco. - No dia vinte e sete é óptimo.

Sou um grande admirador seu - disse Klein, sorrindo ao abrir a porta que dava para o hall.

Ela parou no limiar, preocupada, com a ponta de um dedo oprimindo o lábio. Olhou para o médico.

Mas não acha que um psiquiatra, ha?

Não sei. A explicação mais simples é sempre a melhor. Vamos esperar. Vamos esperar e depois veremos. - Teve um sorriso animador.- Daqui até lá tente não se preocupar.

- Como!?

Ela saiu.

No carro, a caminho de casa, Regan perguntou-lhe o que é que o médico tinha dito.

- Que andas nervosa.

Chris decidira não lhe falar da sua linguagem. Burke.

Aprendera-a com o Burke.

Mais tarde falou a Sharon sobre o caso e perguntou se já ouvira Regan empregar aquelas obscenidades.

- Credo! Não - respondeu. - Quer dizer, nem sequer últimamente. Mas, sabe, acho que a professora de Desenho fez uma observação. - Era uma professora particular que vinha a casa.

Você quer dizer recentemente? - perguntou Chris.

Sim, foi na semana passada. Mas você já a conhece.

Imaginei que Regan talvez tivesse apenas dito "com os raios" ou "merda". Qualquer coisa desse género, percebe?

A propósito, Shar, tem-lhe falado muito de religião?

Sharon corou.

Bem, tenho, mas muito pouco. Compreende, é difícil evitar. Você sabe, ela faz tantas perguntas e... depois... - Encolheu ligeiramente os ombros. - É mesmo difícil. Veja, como posso responder-lhe sem lhe contar o que creio ser uma enorme mentira?

Dê-lhe opções múltiplas.

Durante os dias que precederam o dia do jantar que ia oferecer, Chris teve um cuidado extremo em verificar se Regan tomava a sua dose de Ritalina. No entanto, até à noite do jantar, não conseguira notar nenhuma melhora perceptível. Para dizer a verdade, existiam leves sinais de um agravamento geral: a falta de memória aumentara, estava mais desmazelada e uma vez queixara-se de enjoo. Quanto às tácticas para chamar a atenção, embora não se repetissem as habituais, parecia ter surgido uma nova: queixas de um "cheiro" desagradável e repugnante no quarto de Regan. Perante a sua insistência, Chris um dia foi lá verificar e não lhe cheirou a nada.

Tu não sentes?

Mas está a cheirar-te agora? - perguntou-lhe Chris.

Pois claro que está! - Regan franziu o nariz. – Como se estivesse qualquer coisa a arder.

Ah sim? - Chris cheirou novamente.

A ti não te cheira?

Parece que sim, querida - mentiu ela - , cheira um bocadinho. Vamos abrir a janela um bocado e deixar entrar o ar.

Na realidade, não sentira cheiro algum, mas já resolvera contemporizar, pelo menos até à próxima consulta do médico. Estava também preocupada com alguns outros assuntos. Um referia-se aos preparativos do jantar. Outro dizia respeito ao guião. Embora estivesse loucamente entusiasmada com a expectativa de ser realizadora, uma instintiva prudência tinha-a impedido de tomar uma decisão imediata. Entretanto, o seu agente telefonava-lhe diariamente. Ela dissera-lhe que tinha entregue o guião a Dennings para ele dar uma opinião e que esperava que o estivesse a ler em vez de o mastigar.

A sua terceira e mais importante preocupação era o fracasso de duas especulações financeiras: a compra de obrigações convertíveis por meio de juros pagos anteci­padamente e um investimento num projecto de extracção de petróleo no Sul da Líbia. Metera-se em ambas para camu­flar rendimentos que de outro modo estariam sujeitos a enormes impostos. Mas acontecera algo ainda pior: os poços estavam secos e as taxas de juros, subindo vertiginosa­mente, tinham provocado a venda das obrigações a baixo preço.

Eram estes os problemas que haviam obrigado o seu agente de negócios a tomar um avião e a vir acabrunhado à cidade para os discutir com ela. Chegara na quinta-feira. Durante toda a sexta-feira Chris fizera-o esquematizar e explicar os assuntos. Por fim, adoptou um procedimento que o agente achou prudente. Acenou a sua aprovação, mas ficou carrancudo quando ela falou em comprar um Ferrari.

Você está a falar em comprar um Ferrari novo?

E porque não? Sabe, eu já uma vez conduzi um num filme. Se escrevêssemos para a fábrica e lhes lembrássemos isso, podia ser que nos vendessem um por uma pechincha.

Não acha?

Ele não achava. E preveniu-a de que um carro novo era uma imprudência.

- Bem, no ano passado fiz oitocentos mil dele e você diz-me que não posso comprar um carro extravagante? Não acha que isso é ridículo? Para onde foi a massa?

Ele recordou-lhe que a maior parte do seu dinheiro estava ao abrigo do fisco. Seguidamente, enumerou as diferentes extorsões que exauriam o seu capital: o imposto federal sobre o rendimento; o imposto federal projectado sobre o rendimento; o imposto estadual; o imposto sobre os bens imóveis; a comissão de dez por cento para o seu agente; de cinco para ele; de cinco para o agente de publicidade; de um e um quarto entregue como donativo para o Motion Picture Welfare Found; os gastos para manter um guarda-roupa de acordo com a moda; os ordenados de Willie, de Karl e de Sharon e da pessoa que lhe tomava conta da casa de Los Angeles; diversas despesas de viagem e, por fim, as suas despesas mensais.

- Você vai fazer um outro filme este ano? - perguntou-lhe.

Ela encolheu os ombros.

Não sei. Terei de o fazer?

Sim, penso que seria melhor.

Chris meteu a cara entre as mãos e olhou-o mal-humorada.

- E se fosse um Honda?

Ele não respondeu.

Mais tarde, naquele dia, Chris tentou pôr de lado todas as preocupações; procurou ocupar-se com os preparativos para a festa da noite seguinte.

- Vamos servir o caril em pé em vez de na mesa – disse ela a Willie e a Karl.

Podemos pôr uma mesa ao fundo da sala, está certo?

Muito bem, minha senhora - respondeu Karl prontamente.

- Willie, que pensa você de uma salada de frutas para a sobremesa?

Sim, será óptimo - disse Willie.

Obrigada, Willie.

Tinha convidado um grupo, uma mistura interessante. Além de Burke ("Não me apareças bêbado, rais te partam!") e do jovem realizador do elenco secundário, esperava um senador (e a mulher); um astronauta dum Apoio (e a mulher); dois jesuítas de Georgetown; os vizinhos do lado; Mary Jo Perrin e Ellen Cleary.

Mary Jo Perrin era uma vidente de Washington, gordinha e de cabelo grisalho, que Chris conhecera no jantar da Casa Branca e de quem gostara imenso. Esperara que ela fosse austera e desagradável, mas afinal tinha podido dizer--Ihe "Você não é nada assim/" Era despretensiosa, efervescente e cordial.

Ellen Cleary era uma secretária de meia idade da Secretaria de Estado: trabalhava na Embaixada dos Estados Unidos em Moscovo quando Chris andara em tournée pela Rússia. Envidara consideráveis esforços e tivera muitas maçadas para livrar Chris de inúmeras dificuldades e embaraços surgidos no decurso das suas viagens, muitos dos quais, e não os menores, tinham sido originados pela franqueza da ruiva actriz. Chris recordara-a sempre com afeição durante anos e procurara-a ao chegar a Washington.

Ouça, Shar, que padres é que vêm? - perguntou ela.

Ainda não tenho a certeza. Convidei o director da faculdade e o reitor do colégio, mas parece-me que o director da faculdade mandará um representante. O seu secretário telefonou no fim da manhã a dizer que talvez ele tivesse de ir para fora.

Quem é que ele vai mandar? - perguntou Chris com um interesse velado.

Deixe-me ver. - Sharon percorreu os papéis cheios de notas. - Cá está, Chris. O seu assistente... o padre Joseph Dyer.

Esse é do campus, não é?

Bem, parece-me que sim.

Está bem.

Ela pareceu ficar desapontada.

Amanhã à noite não me perca o Burke de vista - disse.

Esteja descansada.

Onde está a Rags?

Lá em baixo.

Sabe, talvez fosse bom colocar a máquina de escrever lá em baixo, não acha? Quer dizer, assim podia vigiá-la en­quanto escreve. Está bem? Não quero que ela esteja tão só.

Boa ideia.

Está bem, mas mais tarde. Vá para casa, medite e divirta-se com cavalos.

Com os planos e os preparativos terminados, Chris, preocupada, encontrou-se de novo a pensar em Regan. Tentou ver televisão. Não conseguia concentrar-se. Sentia--se inquieta. Havia na casa qualquer coisa estranha. Como que um pó espesso. Um silêncio opressivo.

Cerca da meia-noite tudo dormia.

Não houve perturbações naquela noite.

 

Quando recebeu os convidados vestia um conjunto de recepção verde-limão; túnica de longas mangas de sino e calças. Os sapatos eram confortáveis. Simbolizavam as suas esperanças para aquela noite.

A primeira a chegar foi MaryJo Perrin, acompanhada do filho Roberto, de uns dezoito anos. O último foi o padre Dyer. Era novo e pequenino, de faces rosadas, de olhos tristes por trás de uns óculos de armação de aço. Desculpou--se à porta pelo seu atraso. "Não conseguia encontrar a gravata apropriada", disse ele a Chris, inexpressivamente. Ela ficou a olhar para ele estupefacta durante uns segundos e depois soltou uma gargalhada. A depressão que sentira durante todo o dia começou a desaparecer.

As bebidas faziam efeito. Pelas dez menos um quarto estavam todos dispersos pela sala jantando em grupos e a conversar com vivacidade.

Chris encheu o prato de caril fumegante e esquadrinhou a sala com os olhos à procura de Mary Jo Perrin. Estava sentada num sofá com o padre Wagner, o reitor jesuíta que tinha uma careca cheia de sardas e modos reservados e afáveis. Chris trocara poucas palavras com ele. Deslizou até ao sofá e sentou-se no chão defronte da mesinha de café. A vidente ria-se, divertida.

Oh, conte lá, Mary Jo1 - disse o reitor a rir, levando uma garfada de caril à boca.

Sim, conte lá, Mary Jo - repetiu Chris.

Mas que rico caril! - disse o reitor.

Não está quente de mais?

De modo nenhum. Está mesmo no ponto. A Mary Jo contava-me que havia um jesuíta que também era médium.

A vidente riu-se.

- Ele não me acredita!

- Ah! distinguo - corrigiu o reitor. - Eu disse que era difícil de acreditar.

- Mas era médium, mesmo médium? - perguntou Chris.

- Pois naturalmente! - respondeu Mary Jo. - Ele até costumava levitar.

- Oh, eu faço isso todas as manhãs - disse o jesuíta calmamente.

- Quer dizer que ele fazia sessões de espiritismo - perguntou Chris à Sra. Perrin.

- Sim, fazia - respondeu ela. - Foi muito, muito célebre no século XIX. Com efeito, foi talvez o único espírita do seu tempo que nunca foi abertamente acusado de fraude.

Como disse já, não era jesuíta - observou o reitor.

Valha-me Deus, mas era! - Ela riu-se. - Quando ele fez vinte e dois anos ingressou nos Jesuítas e prometeu não trabalhar mais como médium, mas expulsaram-no de França - riu-se ainda mais- imediatamente depois de uma sessão que fez nas Tulherias. Sabem o que aconteceu? Durante a sessão disse à imperatriz que ia ser tocada pelas mãos do espírito de uma criança que se materializaria completamente, e quando acenderam todas as luzes - soltou uma gargalhada - apanharam no sentado, a tocar com um pé descalço no braço da imperatriz! Podem imaginar o que foi, não?

O jesuíta sorria ao pousar o prato na mesa.

Nunca mais me venha pedir desconto nas indulgências, Maryjo.

Deixe-se disso! Todas as famílias têm uma ovelha ranhosa.

- Estávamos a valorizar a nossa quota com os papas Médicis.

- Sabe, eu uma vez tive uma experiência - começou Chris a dizer.

Mas o reitor interrompeu:

Está a fazer disso matéria de confissão?

Chris sorrindo disse:

Não, eu não sou católica.

A Sra. Perrin riu-se:

Oh, os Jesuítas também não.

Isso são calúnias dos Dominicanos - retorquiu o reitor. Depois, voltando-se para Chris, acrescentou; - Desculpe, minha filha, estava a dizer...?

- Bem, dizia apenas que uma vez me pareceu ver uma pessoa em levitação. Foi no Butão.

Repetiu a história.

- Acham que é possível? - perguntou ao terminar. - Quer dizer, a sério, vocês acham realmente possível?

Ele encolheu os ombros.

Quem sabe? Quem sabe o que é a gravidade? Ou até, pensando bem, o que é a matéria?

Quer saber a minha opinião? - interrompeu a Sra. Perrin.

Não, Mary Jo - disse o reitor. - Fiz voto de pobreza.

Também eu - murmurou Chris.

Que disse? - perguntou o reitor inclinando-se para a frente.

Nada. Olhe, há uma coisa que tencionava perguntar-lhe. Conhece aquela casa pequena que fica por trás da igreja ali defronte? - Apontou, vagamente.

A da Santíssima Trindade? - perguntou ele.

Sim, essa mesmo. Afinal que se passa lá?

Oh, é lá que dizem missas negras - disse a Sra. Perrin.

Missas quê?

Missas negras.

Oh, ela está a brincar - disse o reitor.

Sim, eu sei - afirmou - , mas sou uma ignorante.

Quer dizer, o que é uma missa negra?

Oh, fundamentalmente, é uma paródia da missa católica - explicou o reitor. - Está ligada à feitiçaria e ao culto do Diabo.

A sério? O senhor quer dizer que de facto existem coisas dessas?

Na realidade não posso afirmá-lo. No entanto, segundo uma estatística que ouvi uma vez referir, dizem-se em Paris, possivelmente, umas cinquenta mil missas negras por ano.

Actualmente? - perguntou Chris espantada.

Não sei, foi uma coisa que ouvi.

Pois, com certeza. Foi o serviço secreto jesuíta que lhe disse - troçou a Sra. Perrin.

- De maneira nenhuma. Ouço vozes - respondeu o reitor.

- Sabem, em Los Angeles - disse Chris - contam-se imensas histórias sobre a existência de cultos de feitiçaria na cidade. Perguntei muitas vezes a mim mesma se seria verdade.

- Pois, como disse, não sei - declarou o reitor. - Mas o Joe Dyer sabe. Onde está o Joe? O reitor olhou em redor de si:

- Está ali - disse, designando com a cabeça o outro padre que, de pé junto do bufete e de costas voltadas para eles, enchia o prato de comida pela segunda vez. - Eh, Joe!

O jovem padre voltou o rosto, impassível.

- Chamou, grão-reitor?

O outro jesuíta chamou-o com um gesto.

Já vou, só um minuto - respondeu Dyer, e continuou a atacar o caril e a salada.

É o único duende do clero - disse o reitor, com um vislumbre de afeição. Bebeu um golo de vinho. – Houve alguns casos de profanações na Santíssima Trindade a semana passada e Joe disse qualquer coisa acerca de um deles lhe lembrar algo que costumavam fazer nas missas negras. Por isso, suponho que sabe alguma coisa sobre o assunto.

- Que aconteceu na igreja? - perguntou Mary Jo Perrin.

- Oh, na realidade, é repugnante de mais - respondeu o reitor.

- Conte lá; já todos acabámos de jantar.

Não, por favor. É demasiado - objectou ele.

Oh, conte lá!

Afinal, você não pode ler o meu pensamento, Mary Jo? - inquiriu ele.

- Oh, na realidade podia - ripostou ela - , mas acho que não sou digna de entrar nesse Santo dos Santos! - riu-se.

- É realmente nojento - principiou o reitor.

Descreveu as profanações.

No primeiro incidente, o velho sacristão da igreja descobrira um monte de excrementos humanos sobre a toalha do altar, mesmo em frente do tabernáculo.

Oh, isso é realmente nojento - declarou a Sra. Perrin, fazendo uma careta.

Pois a outra ainda foi pior - observou o reitor. Depois falou indirectamente e empregou um dos dois eufemismos para explicar como fora encontrado no altar do lado esquerdo um pesado falo, modelado em barro, firmemente colado numa estátua de Cristo.

É assaz repelente, não é? - concluiu ele.

Chris reparou que Mary Jo parecia verdadeiramente perturbada ao dizer:

Por agora chega. Desculpe ter perguntado. Mudemos de assunto, por favor.

Não, eu estou fascinada - disse Chris.

Sim, com certeza, sou um homem fascinante.

Era o padre Dyer. Erguia-se na sua frente com o prato na mão.

Escute, espere só um momento que volto já. Julgo que tenho ali qualquer coisa a tratar com o astronauta.

Que espécie de coisa? - quis saber o reitor.

O padre Dyer ergueu as sobrancelhas numa interrogação teatral.

- O senhor já tinha pensado num primeiro missionário na Lua? - perguntou ele.

Desataram todos a rir.

O senhor é da estatura que convém - disse a Sra. Perrin. - Podiam metê-lo na ponta do cone.

Não, a mim não - corrigiu ele com um ar grave.

Depois voltou-se para o reitor e explicou: - Tenho andado a

ver se consigo arranjar o lugar para o Emory.

É o prefeito de disciplina do campus - explicou Dyer num aparte para as senhoras. - Lá em cima não há ninguém e é o que ele gosta, sabem? Parece que gosta de sossego.

E então, quem ia ele converter? - perguntou a Sra. Perrin.

Que quer dizer com isso? - Dyer, sério, voltou-se para ela e franziu o sobrolho. - Ia converter os astronautas. Isso mesmo. É disso que ele gosta. Sabe, uma ou duas pessoas.

Grupos nunca. Duas ou três pessoas.

Dyer olhou com inexpressividade na direcção do astronauta.

Desculpem - disse, e deixou-os.

Eu gosto dele - declarou a Sra. Perrin.

Eu também - afirmou Chris. Voltou-se em seguida para o reitor. - Não me disse o que se passa naquela casa - lembrou-lhe. - É um grande segredo? Quem é aquele padre

que vejo lá sempre? Um moreno. Sabe a quem me refiro?

É o padre Karras - esclareceu o reitor baixando a voz, com uma ponta de pesar.

Que faz ele?

É um consultor. - Pousou o copo de vinho e segurando-o pelo pé fê-lo rodar. - Sofreu um golpe muito duro a noite passada, pobre rapaz.

- Que lhe aconteceu? - perguntou Chris subitamente preocupada.

- Faleceu-lhe a mãe.

Chris sentiu-se comovida, com uma sensação de dor que não podia explicar.

Que pena - disse ela.

Parece-me que lhe está a custar bastante – continuou o jesuíta. - Vivia sozinha e suponho que já tinha morrido há uns dias quando a encontraram.

Mas que impressionante - murmurou a Sra. Perrin.

Quem é que a encontrou? - perguntou Chris com um ar grave.

- Foi o encarregado do prédio. Julgo que até agora não a teriam ainda encontrado se não fosse... Bom, os vizinhos do lado queixaram-se de ouvir o rádio dela sem interrupção.

É muito triste - murmurou Chris.

Perdão, minha senhora, faz favor.

Olhou e viu Karl com uma bandeja cheia de copos e licores.

- Pois sim, Karl, ponha-a aí; está óptimo.

Chris gostava de servir ela própria os licores aos seus convidados. Parecia-lhe que criava uma intimidade que de outro modo poderia faltar.

- Bem, agora vejamos; vou começar por vocês – disse ao reitor e à Sra. Perrin; e serviu-os. Em seguida, percorreu a sala atendendo os pedidos, amável com todos os convidados. No fim da volta, os diversos grupos formavam novas combinações, com excepção de Dyer e do astronauta, que pareciam cada vez mais íntimos. - Não, na verdade não sou padre - Chris ouviu Dyer dizer muito sério, com o braço no ombro do astronauta sacudido pelo riso. - Na realidade, sou um terrível rabino da vanguarda. - E pouco depois ouviu Dyer perguntar ao astronauta: - Que é o espaço? - Quando o astronauta encolheu os ombros e disse que de facto não sabia, o padre Dyer olhou-o muito a sério e respondeu: - Pois devia saber.

 

Mais tarde, quando Chris recordava com Ellen Cleary a sua estada em Moscovo, ouviu ressoar uma voz conhecida, estridente e zangada, vinda dos lados da cozinha.

Oh, Meu Deus! É o Burke!

Gritava obscenidades a alguém.

Chris desculpou-se e foi depressa à cozinha, onde Dennings insultava Karl violentamente, enquanto Sharon tentava em vão acalmá-lo.

- Burke! - exclamou Chris - Pára lá com isso!

O realizador fez de conta que não a via e continuou a enfurecer-se, com a saliva a espalhar-se nos cantos da boca, enquanto Karl, encostado ao lava-louça, calado, de braços cruzados e expressão impassível, o olhava fixamente.

- Karl! - disse Chris irritada - Saia imediatamente daqui! Saia! Não vê como ele está?

Mas o suíço não se mexeu até que Chris começou de facto a empurrá-lo para a porta.

Porco naazi! - gritou-lhe Dennings nas costas. Em seguida voltou-se alegremente para Chris a esfregar as mãos. - Que é a sobremesa? - perguntou com meiguice.

A sobremesa! - Chris bateu com a mão na testa.

- Mas eu tenho fome - queixou-se Dennings.

Chris voltou-se para Sharon.

- Dê-lhe de comer! Tenho de meter a Regan na cama. E tu, Burke, com mil raios, porta-te bem! - pediu ela ao realizador apontando para a sala. - Há padres lá dentro!

Enrugou a testa e os olhos mostraram um interesse súbito, intenso e aparentemente genuíno.

- Também já reparaste? - perguntou sem maldade.

Chris saiu da cozinha e desceu à cave para ver Regan no quarto de brinquedos, onde a filha passara o dia. Encontrou-a entretida com o oui-ja. Parecia amuada; distraída; remota. Bom, pelo menos não está a fingir, reflectiu Chris, e, na esperança de a divertir, levou-a à sala e começou a apresentá-la aos convidados.

- Oh, é encantadora! - disse a mulher do senador.

Regan comportou-se singularmente bem, excepto com a Sra. Perrin, a quem não quis falar nem apertar a mão. Mas a vidente levou o caso para a brincadeira.

- Ela sabe que sou uma impostora. - Piscou o olho a Chris. Depois, com um curioso ar de inspecção, estendeu a mão e agarrou a de Regan com uma leve pressão, como se estivesse a tomar-lhe o pulso. Regan sacudiu-a, brusca, olhou-a malevolamente.

Meu Deus, meu Deus, deve estar cansada - disse a Sra. Perrin com naturalidade. Todavia, continuou a observar Regan com uma fixidez investigadora, uma ansiedade sem explicação.

Tem andado adoentada - murmurou Chris desculpando-a. Olhou Regan. - Não tens, querida?

Regan não respondeu. Manteve-se de olhos baixos.

Já tinha sido apresentada a todos excepto ao senador e a Robert, o filho da Sra. Perrin. Chris achou melhor desistir de a apresentar a estes. Levou-a para o quarto e meteu-a na cama.

Achas que podes dormir? - perguntou-lhe.

Não sei - respondeu Regan ausente. Voltou-se de lado e ficou a olhar a parede com uma expressão distante.

Queres que te leia um bocadinho?

Sacudiu a cabeça.

Está bem. Então vê se dormes.

Inclinou-se e beijou a filha. Em seguida foi até à porta e apagou a luz.

- Boa noite, pequenina.

Chris já ia a sair a porta quando Regan lhe perguntou muito baixinho:

- Mãe, o que é que eu tenho?

Falou, perturbada, num tom cheio de desânimo, desproporcionado com o seu estado. Por um momento, a mãe sentiu-se abalada e confusa. Mas depressa se recompôs.

- Pois é como te disse, querida; são nervos. O que precisas é tomar esses comprimidos durante umas semanas e tenho a certeza de que te sentirás óptima. Agora, querida, vê se dormes, está bem?

Nem resposta. Chris esperou.

Está bem? - repetiu.

Está bem - murmurou Regan.

De repente, Chris notou que os seus braços se arrepiavam. Esfregou-os. Meu Deus! Este quarto está gelado. Donde virá a corrente de ar?

Foi até à janela e verificou os caixilhos. Não encontrou nada. Voltou-se para Regan:

- Estás quentinha, querida?

Regan não respondeu.

Chris foi até à cama.

- Regan? Estás a dormir? - murmurou. A filha tinha os olhos fechados e respiração profunda.

Chris saiu do quarto em bicos de pés.

No hall ouviu cantar, e ao descer as escadas viu com prazer que o jovem padre Dyer tocava piano junto da grande janela da sala e regia um grupo que se tinha formado à sua volta cantando uma canção alegre. Quando entrou na sala estavam a acabar Till We Meet Again.

Chris dirigiu-se para o grupo, mas foi rapidamente interceptada pelo senador e pela mulher, já com os casacos no braço. Pareciam um pouco nervosos.

Vão-se já embora?

Oh, temos realmente muita pena, minha cara.

Passámos uma noite maravilhosa - disse o senador efusivo - , mas a Martha, coitada, está com dores de cabeça.

Tenho imensa pena, mas sinto-me muito mal disposta - lamuriou a mulher do senador. - Vai desculpar-nos, Chris. Foi uma festa muito agradável.

Tenho muita pena que se vão embora - disse por sua vez Chris.

Acompanhou-os até à porta, ouvindo o padre Dyer perguntar lá dentro: "Há aí mais alguém que saiba a letra de I'll B et You're Sorry Now, Tokyo Rose?"

Deu-lhes as boas-noites. No seu regresso à sala viu Sharon surgir silenciosa, vinda do gabinete de trabalho.

Onde é que está o Burke? - perguntou-lhe Chris.

Lá dentro - respondeu Sharon, acenando com a cabeça na direcção do gabinete de trabalho. - Está a cozê-la. Que lhe disse o senador? Alguma coisa?

Que quer dizer com isso? - perguntou Chris. - Foram-se embora e pronto.

Bem, creio que foi melhor assim.

Sharon, explique-se.

Oh, foi o Burke - suspirou Sharon. Descreveu em voz baixa o encontro entre o senador e o realizador. Dennings de passagem dissera-lhe, contou Sharon, que parecia haver "um cabelo público estranho a flutuar no meu gim".

Voltando-se de seguida para o senador acrescentou num tom vagamente acusador: "Nunca vi este cabelo na minha vida! E você?"

Chris começou a rir enquanto Sharon continuava a descrever como a reacção embaraçada do senador provocara uma daquelas cóleras quixotescas de Dennings, em que ele exprimira a sua "gratidão sem limites" pela existência de políticos, visto que sem eles "não se pode distinguir, como vê, quem são os estadistas".

Quando o senador se afastara ofendido, o realizador voltara-se para Sharon e dissera-lhe com orgulho: "Ora vê? Eu não falei mal. Agora diga-me, não acha que manobrei com muita decência."

Chris não pôde deixar de rir.

Pois bem, deixe-o dormir. Mas é melhor ficar lá ao pé, não vá acordar. Importa-se?

Não me importo nada. - Sharon entrou no gabinete de trabalho.

Num canto da sala, Mary Jo Perrin estava sentada numa cadeira, só e pensativa. Parecia nervosa; perturbada. Chris dirigiu-se para ela, mas mudou de ideias quando viu um dos vizinhos encaminhar-se para o canto.

Chris dirigiu-se então para o piano. Dyer parou de dedilhar as teclas e ergueu a cabeça para a cumprimentar.

- Minha senhora, que deseja hoje? Temos uma oferta especial de novenas.

Chris riu se juntamente com os outros.

- Pensei em vir saber as últimas notícias sobre o que se passa nas missas negras - disse ela. - O padre Wagner afirmou que o senhor era o perito.

O grupo que se encontrava junto do piano calou-se interessado.

- Não, na realidade não sou - disse Dyer, tocando algumas notas ao de leve. - Porque fala de missas negras? - perguntou ele com um ar grave.

Há bocado alguns de nós estivemos a falar sobre... bem... dessas coisas que encontraram na Santíssima Trindade... e...

Ah, refere-se às profanações? - interrompeu Dyer.

Há alguém que nos dê uma pista? - disse o astronauta.

Decerto - declarou Ellen Cleary. - Também estou perdida.

Pois bem, descobriram algumas profanações na igreja

que fica ali ao fundo da rua - explicou Dyer.

Que profanações? - perguntou o astronauta.

Não falemos mais nisso - aconselhou o padre Dyer. - Digamos que foram obscenidades, está bem?

O padre Wagner diz que o senhor lhe contou que se assemelhava a uma missa negra - insistiu Chris - , e eu queria saber o que se passa nessas coisas.

Na realidade, não sei muito - protestou ele. – De facto, a maior parte do que sei ouvi-o a um outro jes.

Que é um jes?- perguntou Chris.

É a abreviatura de jesuíta. O padre Karras é o perito em todos esses assuntos.

De repente Chris prestou atenção.

É aquele padre moreno da Santíssima Trindade?

Conhece o? - perguntou Dyer.

Não, só tenho ouvido falar dele.

Bem, parece-me que uma vez escreveu um ensaio a esse respeito. Sob o ponto de vista psiquiátrico, sabe?

Que é que quer dizer? - perguntou Chris.

Que é que quer dizer, que é que quer dizer?

Está a afirmar que ele é um psiquiatra?

Pois com certeza! Desculpem. Pensei que sabiam.

Ouçam, ao menos que haja alguém que me explique alguma coisa - tornou o astronauta impaciente. - Que se passa numa missa negra?

Digamos que perversões. - Dyer encolheu os ombros.

- Obscenidades. Blasfémias. É uma paródia diabólica da missa, onde adoram Satanás em vez de Deus e às vezes fazem sacrifícios humanos.

Ellen Cleary abanou a cabeça e afastou-se.

- Isto para mim está a ficar arrepiante. - Sorriu contrafeita.

Chris não lhe prestou atenção. O reitor juntou-se discretamente ao grupo.

- Mas como pode saber isso? - perguntou ela ao jovem jesuíta. - Se realmente essa coisa da missa negra existe, quem é que pode dizer o que se passa lá?

- Bem, acho que souberam a maior parte das coisas pelas pessoas que foram apanhadas e depois confessaram.

Oh, deixe-se disso - disse o reitor. - Essas confissões não tinham valor, Joe. As pessoas eram torturadas.

Não, só as pessoas indecentes - afirmou Dyer com suavidade.

Houve um estrépito de gargalhadas vagamente nervosas.

O reitor olhou para o relógio.

- Bem, realmente tenho de ir andando - disse ele a Chris. - Tenho de dizer a missa das seis na capela de Dahlgreen.

- E eu tenho a missa do banjo - disse Dyer sorrindo. Depois fixou os olhos num ponto da sala atrás de Chris e pôs-se sério de repente. - Bem, creio que agora temos uma visita, Sra. Mac Neil - avisou ele com um gesto feito com a cabeça.

Chris voltou-se e abafou um grito ao ver Regan em camisa de noite a urinar em torrente em cima do tapete. Olhando fixamente para o astronauta, Regan disse numa voz monótona:

Você vai morrer lá em cima.

Oh, meu Deus! - gritou Chris, aflita, correndo para a filha. - Oh, meu Deus, minha pequenina! Oh, vem comigo!

Pegou em Regan pelos braços e levou-a rapidamente, dando, por cima do ombro uma desculpa trémula ao astronauta, branco como a cal: - Oh, desculpe! Ela tem andado doente; deve estar sonâmbula! Não sabia o que estava a dizer!

Chris ouviu Dyer dizer para alguém: "Talvez sejam horas de partir."

- Não, não, fiquem - protestou Chris, voltando-se por um momento. - Fiquem por favor! Está tudo bem! Eu volto dentro dum minuto!

Chris parou ao passar pela cozinha para dizer a Willie que tratasse do tapete antes de a mancha ficar indelével; em seguida subiu a escada com Regan e, na casa de banho, lavou-a e mudou-lhe a camisa. "Querida, porque disseste aquilo?", perguntou-lhe Chris repetidas vezes. Mas Regan parecia não compreender e resmungava coisas sem nexo. Os seus olhos estavam vagos e velados.

Chris meteu-a na cama e Regan pareceu adormecer quase imediatamente. Chris esperou um pouco, ouvindo-lhe a respiração. Depois saiu do quarto.

No fundo das escadas encontrou Sharon e o jovem realizador do segundo grupo a ajudarem Dennings a sair do gabinete de trabalho. Tinham chamado um táxi e iam conduzi-lo para a sua suite no SheratonPark.

- Tenham cuidado - aconselhou Chris quando partiram, um de cada lado, levando Dennings no meio.

Quase inconsciente, o realizador disse "Porra!" e desapareceu no nevoeiro, ao entrar no táxi.

Chris regressou à sala, onde os convidados que ainda restavam lhe demonstraram a sua simpatia quando lhes deu uma explicação resumida da doença de Regan. Ao mencionar as pancadas e outros fenómenos "para chamar a atenção" a Sra. Perrin olhou para ela intensamente. Uma vez, Chris olhou também para a convidada, esperando um comentário, mas a Sra. Perrin não disse nada e Chris continuou.

Ela tem muitas crises de sonambulismo?- perguntou Dyer.

Não, foi esta a primeira. Ou pelo menos a primeira de que dei conta. Creio que é a história da hiperactividade, não será?

Na realidade não sei - disse o padre. - Já ouvi dizer que o sonambulismo é frequente na puberdade, a não ser que... - Interrompeu o que ia a dizer e encolheu os ombros.

- Não sei. Creio que era melhor perguntar ao médico.

Durante todo o resto da discussão a Sra. Perrin esteve tranquilamente sentada a olhar para as chamas do fogão de sala. Chris reparou que o astronauta, que tinha naquele ano de cumprir uma missão na Lua, estava quase tão abatido como ela. Olhava para a sua bebida emitindo de vez em quando um som que procurava significar interesse e atenção. Numa espécie de entendimento tácito ninguém se referiu ao que Regan lhe dissera.

- Bem, tenho de dizer aquela missa - declarou por fim o reitor, levantando-se para partir.

Desencadeou uma debandada geral. Todos se levantaram e agradeceram o jantar e a noite.

Na porta da rua o padre Dyer pegou na mão de Chris e olhou-a nos olhos com serenidade.

- Acha que haverá algum papel num dos seus filmes para um padre muito baixinho que sabe tocar piano? - perguntou ele.

- Bem, se não houver - Chris riu-se - , farei com que

arranjem um para si, padre.

- Estava a pensar no meu irmão - disse ele com ar solene.

- Ora você! - riu-se outra vez e, simpática e amavelmente, desejou-lhe as boas-noites.

Os últimos a partir foram Mary Jo Perrin e o filho. Chris demorou-os na porta com uma conversa sem importância. Pressentia que Mary Jo tinha algo na ideia, mas que o não dizia. Para demorar a sua partida, Chris perguntou-lhe a opinião acerca do uso contínuo que Regan fazia do oui-ja e da sua invenção do capitão Howdy.

- Pensa que pode ser prejudicial? - perguntou ela.

Na expectativa de uma negativa indiferente, Chris ficou surpreendida quando a Sra. Perrin franziu o sobrolho e olhou fixamente para o chão. Parecia pensar; ainda na mesma atitude, saiu e juntou-se ao filho que esperava à entrada.

Quando por fim levantou a cabeça, os olhos ficaram na sombra.

- Eu tirava-lho - disse ela, em voz baixa. Deu as chaves ao filho. - Boby, põe o motor a trabalhar... Está frio.

Ele pegou nas chaves, disse a Chris que gostara dela em todos os seus filmes e dirigiu-se timidamente para um gasto e velho Mustang estacionado na rua.

Os olhos da Sra. Perrin continuavam na sombra.

- Não sei o que pensa de mim - disse ela, devagar. - Muita gente relaciona-me com o espiritismo, mas não é assim. Sim, penso que tenho um dom - continuou, no mesmo tom - , mas não é oculto. De facto, parece-me natural; perfeitamente natural. Como católica, acredito que todos temos um pé em cada mundo. Aquele de que estamos conscientes é o tempo. Mas de vez em quando uma excêntrica como eu apanha uma centelha do outro pé; e esse, penso... está na eternidade. Ora bem, a eternidade é atemporal. Lá o futuro é presente. Por isso, quando sinto o outro pé, creio que começo a ver o futuro. Quem sabe? Talvez não. Talvez seja tudo coincidência. - Encolheu os ombros. - Mas penso que não. E se é assim, é por isso que digo que é natural, percebe? Mas agora o oculto... - Fez uma pausa escolhendo as palavras. - O oculto é uma coisa diferente. Mantive-me afastada dele. Creio que metermo--nos com isso é perigoso. E isso inclui andar a brincar com um oui-ja.

Até àquela altura, Chris pensara que ela era uma mulher eminentemente sensata. Contudo, agora havia qualquer coisa nos seus modos que a perturbava profundamente. Sentiu uma premonição arrepiante que tentou dissipar.

Oh, deixe-se disso, Mary Jo! - Chris sorriu. – Você não sabe como funcionam os oui-ja? Não é nada mais do que o nosso subconsciente; é apenas isso.

Talvez sim - respondeu, calmamente. - Talvez. Poderá ser tudo sugestão. Mas todas as histórias que tenho ouvido contar sobre sessões de espiritismo, oui-jas e tudo o mais parecem conduzir à abertura de uma porta qualquer.

Mas não para o mundo dos espíritos; você não acredita nele.

Então, talvez uma porta para o que você chama o subconsciente. Tudo o que sei é que parece acontecerem certas coisas. E, minha querida, há por todo o mundo manicómios cheios de pessoas que se meteram no ocultismo.

Está a brincar comigo?

Houve um silêncio momentâneo. Depois a voz suave continuou a falar na escuridão.

- Havia uma família da Baviera, Chris, em mil novecentos e vinte e um... Não me lembro do nome, mas era uma família de onze pessoas. Suponho que você pode verificar pelos jornais. Pouco tempo depois da experiência de uma sessão de espiritismo, endoideceram todos. Todos, e eram onze. Deu-lhes para queimar tudo o que tinham em casa e quando acabaram com a mobília, atiraram-se a um bebé de três meses de uma das filhas mais novas. E foi nessa altura que os vizinhos intervieram e os obrigaram a parar... Toda a família deu entrada num manicómio - concluiu ela.

Caramba! - suspirou Chris, pensando no capitão Howdy. Ele assumira agora um tom ameaçador. Doença mental. Seria isso? Era importante. - Eu sabia que devia levá-la a um psiquiatra!

Oh, por amor de Deus - volveu a Sra. Perrin, dando um passo para a zona iluminada - ; não faça caso do que digo; faça só caso do seu médico. - Um tom de segurança forçada na sua voz não era convincente. - Sou formidável quanto ao futuro - disse a Sra. Perrin, sorrindo - , mas quanto ao presente não valho nada. - Mexia na carteira. - E agora onde pus eu os óculos? Vê? Já os perdi. Ah, estão aqui, mesmo aqui. - Encontrara-os numa algibeira do casaco. - Que linda casa - observou, pondo os óculos e olhando para a parte superior da fachada da casa. – Dá uma sensação de conforto.

Meu Deus, que alívio! Pensei por um segundo que me ia dizer que a casa era assombrada!

A Sra. Perrin olhou para Chris.

- Porque havia eu de lhe dizer uma coisa dessas?

Chris pensou numa amiga, uma conhecida actriz de Beverly Hills, que vendera a casa devido à sua teimosia em pensar que ela era habitada por um poltergeist.

Eu não sei. - Teve um sorriso amarelo. - Por se tratar de si, creio eu. Estava a brincar.

É uma bela casa - disse a Sra. Perrin, numa voz calma, tranquilizando-a. - Já aqui estive antes, sabe? Muitas vezes.

A sério? Já cá esteve?

Sim, pertencia a um almirante, um dos meus amigos.

De vez em quando recebo uma carta dele. Mandaram-no outra vez para o mar, pobre querido. Na realidade, não sei se é ele que me faz falta ou se é a casa. - Sorriu. – Mas talvez você me torne a convidar.

Adorava que voltasse, Mary Jo. É verdade. Você é uma pessoa fascinante.

Bem, pelo menos sou a pessoa mais irritante que conhece.

Oh, deixe-se disso. Ouça, telefone-me. Por favor.

Telefona-me na semana que vem?

Pois sim. Gostaria de saber como vai a sua filha.

Tem o número do telefone?

Sim, tenho-o em casa na agenda.

O que estaria mal?, pensou Chris. Qualquer coisa no seu tom de voz despertava-lhe suspeitas.

- Então boa noite - disse a Sra. Perrin - , e mais uma vez obrigada. - E antes que Chris lhe pudesse responder, começou a caminhar rapidamente pela rua fora.

Por breves momentos Chris ficou a olhar para ela e depois fechou a porta da casa. Sentia uma enorme fadiga. Mas que noite, pensou; que noite... mas que noite...

Foi à sala e parou ao pé de Willie que, ajoelhada junto da mancha de urina, escovava o pêlo do tapete.

Pus vinagre branco - murmurou Willie. – Duas vezes.

Está a sair?

Talvez saia agora - respondeu Willie. - Não sei.

Veremos.

Não, não se pode realmente saber até que o raio da coisa seque.

Sim, agora foste brilhante, fantoche. Foi na realidade uma observação brilhante. Padre Judas, miúda, vai prà cama!

Vamos, deixe isso por agora, Willie. Vá dormir.

Não, eu acabo.

Então está bem. E obrigada. Boa noite.

Boa noite, minha senhora.

Chris principiou a subir a escada com passos cansados.

O caril estava óptimo, Willie. Toda a gente gostou.

Sim, minha senhora, obrigado.

Chris foi ver Regan e encontrou-a ainda a dormir. Então lembrou-se do oui-ja. Deveria escondê-lo. Deitá-lo fora? Credo! A Perrin é mesmo chalada no que respeita a essas coisas. No entanto, Chris dava-se conta de que o companheiro de brincadeiras imaginário era mórbido e doentio.

Sim, talvez eu devesse deitá-lo fora.

Contudo, hesitava. Junto da cama, ao olhar paraRegan

lembrou-se de um incidente quando a filha tinha apenas três anos: foi numa noite em que Howard decidira que ela já não tinha idade para dormir com a chupeta, à qual se habituara. Tirara-lha naquela noite e Regan gritara até às quatro da manhã; depois, tivera crises histéricas durante vários dias. Agora, Chris receava uma reacção semelhante. É melhor esperar até que eu fale no assunto a um médico. Além disso, a Ritalina ainda não tivera oportunidade de fazer efeito, reflectiu.

Por fim, resolveu esperar para ver o que acontecia.

Chris foi para o seu quarto e deixou-se cair na cama, fatigada; adormeceu quase imediatamente. O som de horríveis gritos histéricos, escutados no limiar da consciência, fê-la acordar.

Mãe, vem cá, vem cá, tenho medo!

Sim, vou já, está bem, querida, vou já!

Chris correu pelo corredor até ao quarto de Regan. Ouviu gemidos, choro, uns sons como de molas do colchão.

- Oh meu bebé, que aconteceu? - exclamou Chris ao acender a luz.

Deus Todo-Poderoso!

Regan, deitada de costas, toda retesada, com a cara molhada de lágrimas e contorcida de terror, agarrava-se aos lados da cama estreita.

- Mãe, porque é que a cama está a abanar? - gritou. - Faz com que pare.' Oh, tenho medo! Faz com que pare.' Mãe, por favor, faz com que isto pare!

O colchão abanava violentamente para trás e para a frente.

 

             O GUME

 

 

Conduziram-na à última morada, um cemitério super­lotado, onde as pedras tumulares pediam ar.

A missa fora solitária como a sua vida. Os irmãos de Brooklyn. O merceeiro da esquina que lhe fiava e lhe prolongava os prazos de pagamento. Vendo-os enterrá-la na escuridão de um mundo sem janelas, Damien Karras soluçou com uma dor que durante muito tempo interpretara mal.

- Ai, Dimmy, Dimmy...

Um tio punha-lhe um braço sobre os ombros.

- Não te preocupes, ela agora está no Céu, Dimmy, está feliz.

Ó meu Deus, permiti que seja assim! Ó meu Deus! Oh, por favor! Ó Deus, que assim seja, por favor!

Esperaram no carro enquanto ele se demorava junto da sepultura. Não podia suportar o pensamento de ela estar sozinha.

Ao volante, até à estação de Pensilvânia, ouvia os tios falarem das respectivas doenças com sotaque de imigrantes.

"... enfisema... tenho de deixar de fumar... quase morri no ano passado, sabiam?"

Espasmos de raiva queriam brotar-lhe dos lábios, mas ele empurrou-os para trás e sentiu-se envergonhado. Olhou pela janela: o Posto de Auxílio na Rua Vinte e Três Este, onde, aos sábados de manhã, em pleno Inverno, ela ia buscar leite e batatas, enquanto ele ficava na cama; o Jardim Zoológico do Central Park, onde ela o deixava no Verão, enquanto ia pedir esmola junto à fonte em frente do Plaza. Passando o Hotel, Karras desatou a soluçar e depois, sufocando as lembranças, limpou as lágrimas de remorsos pungentes. Perguntou a si mesmo porque teria o amor esperado por aquela separação, esperado pelo momento em que ele já não precisava de lhe tocar, quando os limites do contacto e da resignação humanos se tinham reduzido ao tamanho de um santinho de luto impresso e metido na carteira: In memoriam...

Ele sabia. Aquela dor era antiga.

Chegou a Georgetown à hora do jantar, mas não tinha apetite. Andou de um lado para o outro dentro do pavilhão. Apareceram amigos jesuítas a apresentar pêsames. Demoraram-se pouco tempo. Prometeram orações.

Pouco depois das dez apareceu Joe Dyer com uma garrafa de uísque. Mostrou-a com orgulho:

Chivas Regai!

Onde é que arranjou dinheiro para isso... na caixa das esmolas?

Não seja burro! Seria faltar ao meu voto de pobreza.

Então onde é que a arranjou?

Roubei-a.

Karras sorriu e sacudiu a cabeça, enquanto ia buscar um copo e uma caneca de café, de estanho. Lavou-os no pequeno lavatório da casa de banho e disse "Acredito".

- Nunca encontrei fé tão grande.

Karras sentiu a punhalada de uma dor familiar. Conteve-a e voltou para junto de Dyer, que, sentado no catre, quebrava o selo. Sentou-se a seu lado.

Quer absolver-me agora ou mais logo?

Deite lá isso e absolvemo-nos um ao outro - disse Karras.

Dyer encheu o copo e a caneca até cima.

- Os reitores de colégio não deviam beber - murmurou. - É um mau exemplo. Creio que o livrei de uma terrível tentação.

Karras engoliu o uísque, mas não a história. Conhecia muito bem a maneira de ser do reitor. Era um homem cheio de tacto e sensibilidade que manifestava sempre indirectamente o seu afecto. Sabia que Dyer tinha vindo não só como amigo, mas também como emissário pessoal do reitor. Por isso, quando Dyer, de passagem, fez um comentário sobre a possível necessidade "de repouso" de Karras, o jesuíta psiquiatra tomou-o como um bom augúrio e sentiu uma momentânea onda de alívio.

A companhia de Dyer era reconfortante; fazia-o rir; falou da festa e de Chris MacNeil; contou-lhe novas ane­dotas sobre o prefeito de disciplina dos Jesuítas. Bebeu muito pouco, mas não deixava de encher o copo de Karras, e quando lhe pareceu que este já estava suficientemente entorpecido para dormir, levantou-se do catre, obrigou Karras a estender-se, enquanto ele próprio, sentado à secretária, continuou a falar até Karras fechar os olhos e começar a responder-lhe com grunhidos.

Dyer levantou-se e, desapertando os atacadores, descalçou os sapatos a Karras.

E agora vai-me roubar os sapatos? - murmurou Karras com voz empastada.

Não, é que leio a sina nas rugas dos sapatos. Agora cale-se e durma.

Você é um jesuíta larápio.

Dyer sorriu e cobriu-o com um casaco que fora buscar a um armário.

- Escute, alguém tem de se preocupar com as coisas cá de casa. Tudo o que vocês sabem fazer é desfiar as contas e rezar pelos hippies da R ua M.

Karras não respondeu. A sua respiração era regular e profunda. Dyer foi pé ante pé até à porta e apagou a luz.

Roubar é pecado - murmurou Karras na escuridão.

Mea culpa - disse Dyer baixinho.

Esperou um instante; por fim, convenceu-se de que Karras dormia e saiu do pavilhão.

A meio da noite, Karras acordou lavado em lágrimas. Tinha sonhado com a mãe. No sonho, estava à janela de um andar alto em Manhattan e vira-a a sair de um quiosque do metropolitano, do outro lado da rua. Ela parara à esquina, com um saco de compras de papel pardo na mão, à procura de Karras. Ele acenou mas ela não o viu. Começou a atravessar a rua, de um lado para o outro Autocarros. Camiões. A multidão hostil. Ela começara a ficar assustada. Voltara ao metropolitano, principiando a descer. Karras, angustiado, saiu para a rua a correr e a chorar chamando Por ela; a chorar por não a encontrar, a chorar ao ima­giná-la desamparada e perdida no labirinto dos túneis subterrâneos.

Esperou que os soluços cessassem; depois, procurando o uísque às apalpadelas, sentou-se no catre e bebeu na escuridão. As lágrimas corriam sem parar. Era como uma dor da infância.

Lembrou-se duma chamada telefónica do tio:

"Dimmy, o edema afectou-lhe o cérebro. Não deixa nenhum médico aproximar-se dela. Só diz coisas aos gritos. Até fala para o maldito do rádio. Penso que tem de ir para Bellevue, Dimmy. Um hospital vulgar não atura isto. Calculo que se lá estiver uns dois meses fica como nova; depois, trazemo-la cá para fora. Está bem? Ouve, Dimmy, já a metemos lá. Deram-lhe uma injecção e levaram-na na ambulância esta manhã. Não te quisemos incomodar, mas há uma audiência e tu tens de assinar os papéis. Agora... O quê?... Hospital particular? Mas quem tem dinheiro para isso, Dimmy? Tu?

Não se lembrava de ter adormecido.

Acordou entorpecido, com a lembrança do infortúnio a exaurir-lhe o sangue do estômago. Foi a cambalear até à casa de banho; tomou um duche, fez a barba, vestiu a sotaina. Eram cinco e trinta e cinco. Abriu a porta que dava para a Igreja da Santíssima Trindade, paramentou-se e disse a missa no altar do lado esquerdo.

"Memento etiam...", orou com frio desespero. "Lembrai-Vos da Vossa serva Mary Karras..."

Viu a cara da enfermeira da recepção do Bellevue na porta do tabernáculo; ouviu novamente os gritos que vinham do quarto isolado.

É o filho dela?

Sim, sou Damien Karras.

Olhe, se fosse a si não entrava. Está com um ataque.

Olhara, pelo postigo, para o quarto sem janelas, com lâmpada sem quebra-luz, pendurada no tecto e paredes almofadadas; era no quarto nu que tinha como único móvel o catre em que ela delirava.

"... concedei-lhe, rogamo-Vos,.um lugar de refrigério, a luz e a paz..."

Quando os seus olhos se encontraram, ela calara-se subitamente; viera até ao postigo com uma expressão de perplexidade.

- Porque me fazes isto, Dimmy? Porquê?

Os olhos tinham uma expressão mais meiga do que a dum cordeiro.

"Agnus Dei...", murmurou ao curvar-se e bater no peito. "Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, con­cedei-lhe o repouso eterno..."

Ao fechar os olhos, segurando a hóstia, viu a mãe na sala da audiência, com as mãos cruzadas sobre o colo e uma expressão dócil mas confusa quando o juiz lhe explicava o relatório do psiquiatra de Bellevue.

- Compreende isto, Mary?

Ela acenara que sim; não quisera abrir a boca; tinham-lhe tirado a dentadura.

Bem, o que tem a dizer a este respeito, Mary?

O meu filho fala por mim - respondera, com orgulho.

Karras deixou escapar um queixume de angústia ao

curvar a cabeça sobre a hóstia. Bateu no peito como se marcasse compasso e murmurou "Domine, non sum dig-nus... não sou digno... dizei uma só palavra e a minha alma será salva".

Contra toda a razão, contra todo o entendimento, orou para que Alguém escutasse a sua oração.

Todavia, não pensava que isso acontecesse.

Depois da missa, regressou ao pavilhão e tentou dormir, mas não conseguiu.

Ao fim daquela manhã, apareceu inesperadamente um padre jovem que ele nunca vira. Bateu à porta e espreitou.

- Está ocupado? Posso falar consigo um momento?

Trazia nos olhos um fardo de impaciência e na voz um apelo dilacerante.

Durante uns segundos Karras odiou-o.

- Entre - disse num tom de amabilidade. Interiormente, enraivecia-o aquela parte do seu ser que o tornava um homem desamparado, que não podia controlar, que jazia enrolada dentro de si qual pedaço de corda sempre pronto a arremessar-se espontaneamente ao ouvir o apelo da necessidade dos outros. Não o deixava em paz. Nem sequer durante o sono. No limiar dos seus sonhos fazia-se muitas vezes ouvir um som parecido com um grito breve e indistinto de alguém aflito. De tão distante era quase inaudível. Sempre o mesmo. E depois de acordar sentia durante alguns minutos a ansiedade originada pelo não cumprimento de um dever.

O jovem padre atrapalhou-se, vacilou, pareceu tímido.

Karras foi paciente com ele. Ofereceu-lhe cigarros, café instantâneo. Depois, conseguiu encarar com interesse o jovem e melancólico visitante quando este expôs gra­dualmente um problema habitual: a terrível solidão dos sacerdotes.

De todas as expressões de ansiedade que Karras descobrira na comunidade, aquela tornara-se ultimamente a mais corrente. Afastados da família, bem como de mulheres, muitos jesuítas receavam também manifestar afeição por padres seus companheiros, ou criar amizades profundas.

- Por exemplo, gostaria de passar o braço pelo ombro de outro tipo, mas tenho imediatamente receio de que ele comece a pensar que sou maricas. Quer dizer, ouvimos falar de todas essas teorias a respeito de tantos que, desconhecendo-se, são atraídos pelo sacerdócio... É por isso que não o faço. Não vou ao quarto de ninguém, nem para ouvir discos, conversar, ou fumar. Não é que tenha medo de alguém; fico apenas aflito ao pensar que alguém se pode afligir por minha causa.

Karras sentiu o peso do outro a deslizar lentamente para ele. Deixou-o aproximar-se. Deixou o jovem padre falar. Sabia que voltaria muitas vezes, para procurar alivio para a sua solidão, para fazer de Karras seu amigo; e quando tivesse compreendido que procedera assim sem medo nem desconfiança, talvez fosse capaz de arranjar amigos entre os outros.

O psiquiatra começou a sentir-se cansado; deu consigo a resvalar para a sua dor pessoal. Olhou para uma placa que alguém lhe oferecera no último Natal. "O meu irmão sofre. Compartilho da sua dor. Nele encontro Deus." Um encontro falhado. Censurava-se por isso. Traçara as vias do tormento de seu irmão e, contudo, nunca as tinha percorrido; ou assim acreditava. Pensava que a dor que sentia era a sua própria dor.

Por fim, o visitante olhou para o relógio. Era a hora do almoço no refeitório do compus. Levantou-se e preparou-se para sair. Parou a olhar para um romance em voga colocado em cima da secretária de Karras.

- Já o leu? - perguntou Karras.

Não, não li - volveu o outro sacudindo a cabeça. - Devo lê-lo?

Não sei. Acabei de o ler e não tenho a certeza de o ter compreendido - disse Karras mentindo. Pegou no livro e ofereceu-lho. - Quer levá-lo? Sabe, gostaria realmente de ouvir a opinião de outra pessoa.

Com certeza - disse o jesuíta examinando a dobra da sobrecapa do livro. - Vou ver se lho trago daqui a uns dias.

Parecia mais bem disposto.

Ao ouvir o guarda-vento ranger após a saída do outro, Karras sentiu uma paz momentânea. Pegou no breviário e dirigiu-se para o pátio, onde passeou vagarosamente, rezando o ofício.

De tarde, teve ainda um outro visitante; o velho pároco da Santíssima Trindade, que se sentou numa cadeira perto da secretária e lhe apresentou os pêsames pela morte da mãe.

Rezei umas missas por ela, Damien. E uma por si - disse ele com um sopro asmático e vestígios de um sotaque estranho na voz.

Foi muito atencioso, padre. Muito obrigado.

Que idade tinha ela?

Setenta anos.

Uma idade bastante avançada.

Karras fixou a vista numa sacra que o pároco trouxera consigo. Uma das três utilizadas durante a missa. Coberta de plástico, tinha inscrita parte das orações ditas pelo padre. O psiquiatra perguntou a si próprio o que faria ele com aquilo.

- Pois bem, Damien, tivemos cá hoje na igreja mais um daqueles casos, sabe? M ais um a profanação.

O pároco contou-lhe que uma imagem da Virgem, colocada no fundo da igreja, fora pintada como uma prostituta. Em seguida deu a sacra a Karras.

- Esta verificou-se na manhã seguinte à sua partida para Nova Iorque, sabe? Foi no sábado? Sim, foi no sábado.

Bem, dê uma olhadela àquilo. Acabo de falar com um sargento da polícia e... bem... bem, olhe para a sacra, Damien, se faz favor.

Enquanto Karras examinava a sacra, o pároco explicou que alguém metera uma folha dactilografada entre o original e o plástico. O texto substituído, embora com algumas letras batidas e vários erros de dactilografia, estava num latim basicamente fluente e inteligível, descrevendo, com vívidos e eróticos pormenores, um encontro homossexual imaginário entre a Santíssima Virgem Maria e Maria Madalena.

- Por agora chega, não precisa de ler tudo - disse o pároco, tirando-lhe a sacra, como se receasse que ela pudesse constituir motivo de pecado. - Trata-se de um excelente latim; quer dizer, tem estilo, um estilo de latim de igreja. Ora, o sargento diz que falou com um indivíduo, um psicólogo, o qual afirmou que a pessoa que tem feito tudo isto pode ser um padre, sabe, um padre muito doente. Crê que sim?

O psiquiatra reflectiu durante alguns momentos. Depois, inclinou a cabeça num gesto afirmativo.

Sim, sim, talvez.Um acto de rebelião, possivelmente

num estado de sonambulismo completo. Não sei. Pode ser.

É capaz de pensar em alguns candidatos, Damien?

Não o estou a compreender.

Bem, não acha que mais tarde ou mais cedo eles o virão visitar? Quer dizer, os doentes do compus, se os houver. Não conhece nenhum assim? Quer dizer, com esta espécie de doença? Bem, creio que nada se revelaria.

Bem, de qualquer modo, como hei-de saber, padre? O sonambulismo é uma maneira de resolver um grande número de possíveis situações de conflito e a forma habitual de solução é simbólica. Portanto, na verdade não sei. Se se trata de um sonâmbulo, é provável que arranje posteriormente uma amnésia completa acerca do que fez. Por conseguinte, nem sequer ele terá um indício.

E se fosse você a esclarecê-lo? - inquiriu o pároco com malícia. Puxou o lóbulo da orelha num gesto que Karras reparara ser-lhe habitual sempre que pensava que ele estava a mostrar-se demasiado esperto.

Realmente não sei - tornou o psiquiatra.

Não, não, de facto não creio que você me conte alguma coisa. - O pároco levantou-se e caminhou para a porta. - Sabe o que é que vocês são, na realidade? Padres! - disse ele, num queixume.

Enquanto Karras sorria devagar, o pároco voltou atrás e deixou cair a sacra em cima da secretária.

- Deve estudar essa coisa - murmurou. - Talvez lhe surja alguma ideia.

O pároco dirigiu-se para a porta.

Procuraram impressões digitais nisto? - perguntou Karras.

Duvido - respondeu. O pároco parou, voltando-se ligeiramente. - Afinal não andamos atrás de um criminoso, não é assim? É mais provável que se trate apenas de um paroquiano demente. Que pensa desta, Damien? Crê que possa ser alguém da paróquia? Sabe, eu penso que sim. Não foi um padre; foi um dos paroquianos. - Puxou novamente o lóbulo da orelha. - Não lhe parece?

Realmente não sei - repetiu ele.

- Não, não creio que você me conte alguma coisa.

Mais tarde, nesse dia, o padre Karras foi dispensado das suas obrigações como consultor e enviado para a Escola Médica da Universidade de Georgetown, como professor de Psiquiatria. Com ordens de "repousar".

 

Regan estava deitada na mesa de observações de Klein com os braços e as pernas encurvadas para fora. O médico, pegando-lhe num pé com ambas as mãos, flectiu-o pelo tornozelo. Manteve-o assim em tensão durante um momento, e depois soltou o. O pé, deixado à vontade, voltou à posição normal.

Klein repetiu isto várias vezes, mas sem obter outro resultado. Pareceu ficar descontente. Quando Regan, de repente, se sentou e lhe cuspiu na cara, disse a uma enfermeira para ficar na sala e regressou ao gabinete a fim de falar com Chris.

Era o dia 26 de Abril. Ele estivera fora da cidade no domingo e na segunda-feira e Chris não conseguira encontrá-lo senão naquela manhã para lhe contar o que tinha acontecido ao jantar e o subsequente abanar da cama.

Estava realmente a abanar?

Estava a abanar.

Durante quanto tempo?

Não sei. Talvez dez segundos, talvez quinze. Quer dizer, isso foi apenas o que vi. Depois, pareceu ficar inteiriçada e urinou na cama. Ou talvez tivesse urinado antes. Não sei. De repente, caiu num sono profundo e só acordou na tarde do dia seguinte.

O Dr. Klein entrou pensativo.

- Então? - perguntou Chris num tom ansioso.

Da primeira vez, ele informara-a da sua suspeita de que o abanar da cama tinha sido causado por um acesso de contracções clónicas, uma tensão e relaxação alternadas dos músculos. A forma crónica de tal estado, dissera-lhe ele, era o espasmo clónico, indício, habitualmente, de uma lesão cerebral.

- Bem, o teste foi negativo - disse-lhe ele, e descreveu o processo, explicando que no espasmo clónico a flexão e a relaxação alternadas do pé teriam desencadeado uma sucessão de contracções clónicas. Contudo, ao sentar-se, ainda parecia preocupado. - Ela deu alguma vez uma queda?

Em que batesse com a cabeça? - perguntou Chrís.

Sim.

Que eu saiba, não.

E quanto a doenças de crianças?

As habituais. Sarampo, papeira e varicela.

E crises de sonambulismo?

Até agora nenhuma.

Que quer dizer? Na festa não estava sonâmbula?

Estava, sim. Ainda hoje não sabe o que fez naquela noite. E há ainda outras coisas de que não se lembra.

Ultimamente?

No domingo, Regan ainda dormia, Chris atendeu uma chamada telefónica internacional de Howard.

Como vai a Rags?

Os meus agradecimentos por teres telefonado no dia dos anos dela.

Estava num iate. E agora, por amor de Deus, deixa-me em paz. Telefonei-lhe mal regressei ao hotel.

Oh, pois claro!

Ela não te disse?

Falaste com ela?

Falei. Por isso é que pensei que era melhor telefonar-te. Que diabo se passa com ela?

Onde é que queres chegar?

- É que ela chamou-me "cabrão" e desligou o telefone.

Ao relatar o incidente ao Dr. Klein, Chris explicou que, quando por fim acordara, Regan não tinha a mínima lembrança da chamada telefónica nem do que acontecera na noite do jantar.

Então talvez ela não estivesse a mentir a respeito da deslocação dos móveis - arriscou o Dr. Klein, como hipótese.

Não compreendo.

Bem, foi ela própria que os deslocou, não há dúvida, mas talvez o fizesse durante um daqueles estados em que realmente não sabia o que estava a fazer. É um estado a que se chama automatismo. É parecido com um estado de transe. O doente não sabe nem se lembra do que faz.

Doutor, lembrei-me agora duma coisa. No quarto dela há uma grande cómoda de teca. Deve pesar para aí meia tonelada. Pergunto: como poderia ela ter mudado aquilo?

Em patologia, é bastante vulgar encontrar-se pessoas dotadas por vezes de uma força extraordinária.

Ah, sim? Mas porquê? Que acontece?

Ninguém sabe - volveu o médico, encolhendo os ombros. - Agora, além do que já me contou – continuou ele - , diga-me se reparou em qualquer outro comportamento estranho?

Bem, ela tornou-se muitíssimo desmazelada.

É estranho.

É estranho nela. Mas espere! Ainda há mais! Recorda-se do oui-ja com que ela tem brincado? Do capitão Howdy?

O companheiro de brincadeiras imaginário.

Pois bem, ela agora até já o ouve - explicou Chris.

O médico inclinou-se para a frente, de braços cruzados sobre a secretária. Enquanto Chris continuava, ele con­servava-se profundamente atento e a reflexão reduzia-lhe as pupilas a pontos dardejantes.

Ontem de manhã - contou Chris - ouvi-a falar com Howdy no quarto. Ou por outra, ela falava e depois parecia esperar, como se estivesse a brincar com o oui--ja. No entanto, quando espreitei para dentro do quarto, vi que não havia lá nenhum- oui-ja; só a Rags; ela inclinava a cabeça, exactamente como se estivesse a concordar com o que ele dizia.

Ela via-o?

Julgo que não. Tinha a cabeça um pouco virada para o lado, como quando está a ouvir discos.

O médico concordou, pensativo.

Sim, sim, compreendo. Mais alguns fenómenos como esse? Ela vê coisas? Cheira-lhe a qualquer coisa?

Cheirar... No quarto qualquer coisa continua a cheirar-lhe mal.

Cheiro a queimado?

Oh, é isso mesmo! - exclamou Chris. - Como é que sabe?

Muitas vezes é o sintoma de um tipo de perturbação na actividade químico-eléctrica do cérebro. No caso da sua filha é no lobo temporal, percebe? - Levou a mão à fronte. - Aqui em cima, na parte da frente do cérebro. É uma perturbação rara, mas provoca alucinações estranhas, geralmente antes de uma convulsão. Suponho que é a razão por que se confunde tantas vezes com a esquizofrenia, É causada por uma lesão no lobo temporal. Ora, como o teste do clónus não é concludente, Sra. MacNeil, parece-me necessário fazer um EEG.

Que é isso?

Um electroencefalograma, com o gráfico das ondas cerebrais. Normalmente é uma indicação bastante boa de funcionamento anormal.

Mas pensa que se trata disso? Lobo temporal?

Bem, apresenta a síndroma, Sra. MacNeil. Por exemplo, o desmazelo, a combatividade, o comportamento socialmente embaraçante e também o automatismo. E, evidentemente, os acessos que fazem abanar a cama. São quase sempre seguidos por urinar na cama, ou por vómitos, ou por ambas as coisas, e depois por um sono profundo.

Quer fazer-lhe o teste agora mesmo? - inquiriu Chris.

Sim, vamos fazê-lo imediatamente, mas ela vai precisar de um sedativo. Se se mover ou se se contrair o resultado será nulo. Portanto, posso dar-lhe, digamos, vinte e cinco miligramas de Libríum?

Deus meu! Faça o que entender - disse ela perturbada.

Acompanhou-o à sala de observações. Quando viu o médico apontar a seringa, Regan começou, aos gritos, a encher o ar com uma torrente de obscenidades.

Ó meu amor, é para te tratar! - exclamou Chris numa súplica. Depois, segurou Regan para a manter quieta enquanto o Dr. Klein lhe dava a injecção.

Volto já - disse o médico, fazendo um aceno. E, enquanto uma enfermeira empurrava o aparelho do EEG para a sala, saiu para atender outro doente. Ao voltar, pouco tempo depois, viu que o Librium ainda não fizera efeito.

Pareceu ficar surpreendido.

Era uma dose bastante forte - fez ele notar a Chris.

Injectou mais vinte e cinco miligramas, saiu, regressou e encontrou Regan tratável e dócil.

Que está a fazer? - perguntou Chris ao ver Klein aplicar os eléctrodos no couro cabeludo de Regan.

Colocam-se quatro de cada lado - explicou ele. – Isso permite obter uma leitura das ondas cerebrais dos lados esquerdo e direito do cérebro e depois fazer uma comparação.

E para que é a comparação?

Bem, as divergências podem ser significativas. Por exemplo, tinha um doente que costumava sofrer de alucinações - disse Klein. - Via coisas, ouvia coisas, coisas estas que, na realidade, não estavam de facto na sua frente.

Pois bem, encontrei uma discrepância ao comparar as leituras das ondas cerebrais do lado direito e do lado esquerdo, descobrindo que realmente o homem tinha alucinações apenas num lado da cabeça.

Isso é fantástico!

O olho e o ouvido esquerdos funcionavam normalmente, só o lado direito é que tinha visões e ouvia coisas... Bom, está tudo preparado. Agora vejamos. - Ligou o aparelho e apontou para as ondas no visor fluorescente. - São os dois lados juntos - explicou. - Agora estou a procurar os picos - fez um desenho no ar com o dedo indicador -, especialmente as ondas.de grande amplitude. Surgem de quatro a oito por segundo... O lobo temporal - explicou.

Estudou cuidadosamente a configuração das ondas cerebrais, mas não descobriu nenhuma arritmia. Não havia picos. Nem cúpulas achatadas. E quando procedeu às leituras de comparação, os resultados também foram negativos.

Klein franziu as sobrancelhas. Não conseguia com­preender. Repetiu o processo, mas não encontrou diferença. Chamou uma enfermeira para tomar conta de Regan e voltou ao gabinete com Chris.

- Que se passa, afinal? - perguntou Chris.

O doutor sentou-se, pensativo, na beira da secretária.

- Bem - disse ele - , o EEG provaria que ela tinha o que penso, mas a falta de arritmia não é para mim uma prova concludente de que não tenha. Pode tratar-se de histeria, mas o quadro anterior e posterior às convulsões era muito estranho.

Sabe, está sempre a falar do mesmo, doutor - declarou Chris, franzindo a testa. - Convulsões. Qual é exatamente o nome dessa doença?

Bem, não é uma doença - volveu Klein com calma.

Mas então o que é? Quer dizer, como se chama isso?

A Sra. MacNeil conhece-a sobre o nome de epilepsia.

Oh, meu Deus!

Chris deixou-se cair numa cadeira, profundamente angustiada.

Agora, encaremos a questão - disse o médico, procurando tranquilizá-la. - Estou a ver que, como a maior parte do público, a ideia que faz da epilepsia é exagerada e, provavelmente, contém uma grande dose de mito.

Não é hereditária? - perguntou Chris, contraindo-se.

Esse é um dos mitos - respondeu Klein calmamente.

- Pelo menos parece que muitos médicos o admitem. Olhe, praticamente, qualquer pessoa pode ter convulsões. Sabe, muitos de nós nascemos com um limiar bastante elevado de resistência às convulsões; alguns com um limiar baixo; portanto, a diferença entre a senhora e um epiléptico é uma questão de grau. E is tudo. Não é uma doença.

Então o que é? Uma alucinação fantasista?

Uma perturbação: uma perturbação controlável. E há muitas, muitas espécies, Sra. MacNeil. Por exemplo, a senhora está agora aí sentada e por um segundo parece ficar ausente, digamos, e perde um bocado do que estou a dizer. Pois bem, isso é uma espécie de epilepsia, Sra. MacNeil. É assim mesmo. É um verdadeiro ataque epiléptico.

Sim, bem, isso não se passa com a Regan – refutou Chris. - E por que é que sucede assim de repente?

Escute, ainda não temos a certeza de que ela sofra disso. E, claro, talvez a senhora tenha razão; é muito possível que seja psicossomático. No entanto, duvido. E, para responder à sua pergunta, há um sem-número de modificações nas funções do cérebro dos epilépticos que podem provocar uma convulsão: preocupações; fadiga; estados emocionais; uma determinada nota num instrumento musical. Por exemplo, uma vez tive um doente cujas crises se verificavam no autocarro, um quarteirão antes de chegar a casa. Finalmente, descobrimos a causa: a vibração da claridade de uma vedação de ripas brancas reflectida na janela do autocarro. Assim, como vê, se viajasse a outra hora do dia ou se o autocarro andasse a uma velocidade diferente, ele não teria as convulsões. Uma lesão, uma cicatriz no cérebro causada por alguma doença em criança, era a causa daquilo. No caso da sua filha, a cicatriz seria na frente... em cima, no lobo temporal; quando fosse atingida por um determinado impulso eléctrico com um dado comprimento de onda e uma certa frequência, desencadear-se-ia, de um foco no interior do lobo, um surto repentino de reacções anormais. Está a compreender?

Creio que sim - suspirou Chris, abatida. - Mas para lhe dizer a verdade, doutor, não compreendo como toda a sua personalidade podia mudar.

No lobo temporal isso é extremamente comum e pode durar dias ou até semanas. Não é raro encontrar-se um comportamento destruidor ou até criminoso. De facto, há uma modificação tão grande, que há duzentos ou trezentos anos atrás as pessoas com perturbações no lobo temporal eram consideradas muitas vezes possessas de um demónio.

Eram consideradas o quê?

Possuídas pelo espírito de um demónio. Sabe, qualquer coisa parecida com a versão supersticiosa da dupla personalidade.

Chris fechou os olhos e apoiou a testa numa das mãos.

Por favor, diga-me qualquer coisa boa - murmurou ela.

Bem, não se alarme. Se for uma lesão, ela está, de certo modo, com sorte. Nessa altura, tudo o que teremos a fazer é remover a cicatriz.

Óptimo.

Ou poderá ser apenas tensão cerebral. Olhe, gostaria

de ver algumas radiografias da cabeça. Há um radiologista

aqui no prédio e talvez consiga que ele a atenda imediatamente. Quer que lhe telefone?

Meu Deus, com certeza; siga para a frente.

Klein telefonou, combinando tudo. Disseram-lhe que receberiam Regan imediatamente. Desligou o telefone e começou a passar uma receita.

- Sala vinte e um, no segundo andar. Depois, é provável que lhe telefone amanhã ou na quinta-feira. Gostaria de ouvir um neurologista sobre este caso. Entretanto, vou retirar-lhe a Ritalina. Vamos experimentar o Librium pur uns tempos.

Tirou a folha da receita do bloco e entregou-lha.

Eu, no seu caso, faria o possível por não a deixar sozinha, Sra. MacNeil. Nestes casos de sonambulismo, se é que se trata disso, é sempre possível que ela se magoe. O seu quarto fica perto do dela?

Sim, fica.

Óptimo. No rés-do-chão?

Não, no segundo andar.

O quarto dela tem janelas grandes?

Bem, tem uma. Porque faz essa pergunta?

Pois eu, se fosse a si, fechava-a; talvez até lhe pusesse um cadeado. Num estado de crise, ela pode atirar-se pela janela. Uma vez tive um...

... doente - completou Chris, com um sorriso cansado.

Klein sorriu.

Creio que tenho uma boa porção deles, na verdade.

Bastantes.

Ela colocou a cara entre as mãos e inclinou-se para a frente, pensativa.

Sabe, pensei agora mesmo noutra coisa.

Em quê?

Bem, o senhor disse que depois de um ataque ela cairia imediatamente num sono profundo. Como no sábado à noite. Não foi isso o que disse?

Sim - assentiu Klein - , foi isso mesmo.

Pois então, como se explica que ela estivesse completamente acordada todas as outras vezes que se queixou de que a cama abanava?

A senhora não me contou isso.

Bem, mas foi assim. Ela parecia estar realmente bem. Tinha ido ao meu quarto e pedido para se deitar na minha cama.

Urinou na cama? Vomitou?

- Não, estava bem - volveu Chris, sacudindo a cabeça.

Por momentos, Klein franziu a testa e mordeu devagar os lábios.

- Bem, vamos esperar pelas radiografias - disse por fim.

Esgotada e entorpecida, Chris levou Regan ao radio-logista e ficou ao lado dela enquanto tiravam as radiografias; depois, levou-a para casa. Ficara estranhamente silenciosa após a segunda injecção e Chris tentou travar conversa com ela.

- Queres jogar ao monopólio ou a outra coisa qualquer?

Regan respondeu que não com a cabeça e depois fixou a mãe com olhos desfocados que pareciam infinitamente distantes.

- Tenho sono - disse Regan numa voz tão longínqua como o olhar. Depois, voltando-se, subiu as escadas em direcção ao seu quarto.

Deve ser o "Librium", reflectiu Chris enquanto a observava. Por fim, suspirou e foi para a cozinha. Serviu-se de café e sentou-se à mesa do pequeno-almoço com Sharon.

Que se passou?

Mas que chatice!

Chris atirou com a folha da receita para cima da mesa.

- É melhor telefonar e pedir para aviarem isso – disse ela. Depois, explicou o que o doutor lhe tinha dito. – Se estiver ocupada ou tiver de sair não a perca de vista, sim, Shar? Ele... - Interrompeu-se e disse de repente. - Isto fez-me lembrar uma coisa.

Levantou-se da mesa, subiu ao quarto de Regan e en­controu-a debaixo dos cobertores, aparentemente a dormir. Em seguida, foi à janela e apertou o fecho. Olhou para baixo. A janela, na fachada lateral da casa, dava directa­mente para as íngremes escadas públicas que mergulhavam na Rua M, lá muito embaixo.

Credo, é melhor chamar imediatamente um serralheiro.

Chris voltou para a cozinha, acrescentou a incumbência à lista que Sharon estava a fazer e disse a Willie o que queria para o jantar; por fim, telefonou para o seu agente, em resposta a uma chamada dele.

Que se passa com o guião? - quis ele saber.

Oh, é formidável, Ed; vamos fazê-lo - disse ela. - Isto está marcado para quando?

Bem, a sua história está marcada para Julho. Portanto, você tem de começar a preparar-se imediatamente.

Quer dizer já?

Quero dizer já. Isto não é representar, Chris. Você está metida em grande parte dos preparativos da produção. Tem de trabalhar com o cenarista, com o figurinista, com o

caracterizador, com o produtor. E tem de escolher um operador e um montador e fazer os seus planos. Vamos lá,

Chris, já conhece a cantiga.

Oh, que merda!

Tem algum problema?

Sim, tenho um problema.

Que problema?

Bem, a Regan está bastante doente.

Oh, que pena! Que se passa?

O médico ainda não sabe. Estou à espera de algumas análises. Ouça, Ed, não a posso deixar.

E quem lhe diz para a deixar?

Não, você não percebeu, Ed. Preciso de estar em casa com ela. A pequena necessita da minha atenção. Olhe, não lhe posso explicar, Ed, é muito complicado; portanto, porque não adiamos isso tudo por uns tempos?

Não podemos. Querem concorrer ao Music Hall pelo Natal, Chris, e creio que estão a lançar-se a fundo na questão.

Oh, por amor de Deus, Ed, podem esperar duas semanas. Vá, faça lá isso!

Olhe, você chateou-me porque queria realizar um filme e agora de repente...

Tem razão, Ed, eu sei - interrompeu ela. - Olhe, quero mesmo, muito, mas você tem de facto de lhes dizer que preciso de mais algum tempo.

Se o fizer vamos estragar tudo. Para já, esta é a minha opinião. Olhe, de qualquer modo, eles não a querem a si, isto não é novidade nenhuma. Só a aceitam por causa do Moore.

Creio que se agora forem ter com ele e lhe disserem: "Ela não tem ainda a certeza de querer realizar o filme", ele zanga-se. Portanto, Chris, não diga asneiras. Olhe, faça o que entender. A mim não me interessa. Não dá dinheiro, a não ser que seja um sucesso. Se quiser, peço um adiamento, mas creia que vai tudo ao ar. Então, que deseja que lhes diga?

h, gaita - suspirou Chris.

Não é fácil, eu sei.

Não, não é. Bem, escute...

Ela reflectiu. Depois, sacudiu a cabeça.

Ed, realmente eles terão de esperar - disse cansada.

A decisão é sua.

Com certeza, Ed. Depois diga-me qualquer coisa.

Sim. Telefono lhe, não se inquiete.

Você também não, Ed. Adeus.

Desligou, deprimida, e acendeu um cigarro.

A propósito, falei com o Howard. Já lhe contei? - disse voltando-se para Sharon.

Oh, quando? Contou-lhe o que se passa com a Rags?

Sim. Aconselhei-o a vir vê-la.

E vem?

Não sei. Creio que não - respondeu Chris.

Podia esperar-se que ele fizesse um esforço.

Eu sei - Chris suspirou. - Mas tem de compreender porque é que ele cortou, Shar. Foi por isso. Eu sei que foi por isso.

Porquê?

Oh, toda aquela questão com a "Sra. Chris MacNeil". E Rags fazia parte dela. Rags participava e ele estava de fora.

Sempre eu e a Rags juntas nas capas das revistas; eu e a

Rags nas exposições; mãe e filha, duendes gémeos. - Pensativa, sacudiu a cinza do cigarro com um dedo. - Oh, merda! Quem sabe? É tudo uma trapalhada. Mas é difícil esgrimir com ele, Shar; não posso de maneira nenhuma fazê-lo. - Pegou num livro que estava junto de Sharon. - Que está você a ler?

A que se refere? Ah, a isso. Isso é para si. Tinha-me esquecido. Foi a Sra. Perrin que o deixou cá.

Esteve cá?

Esteve, esta manhã. Disse que tinha pena de não a encontrar e que ia para fora, mas que vinha visitá-la logo que chegasse.

Chris inclinou a cabeça num gesto afirmativo e olhou para o título do livro: Estudo sobre o Culto do Diabo e Fenómenos Ocultos Afins. Abriu-o e encontrou uma nota de Mary Jo Perrin escrita à mão:

Querida Chris:

Passei pela Biblioteca da Universidade de Geor-getown e trouxe este livro para si. Tem alguns capí­tulos sobre as missas negras. No entanto, deve lê-lo todo; penso que achará os outros capítulos especial­mente interessantes. Até breve.

Mary Jo

Que senhora tão amável! - exclamou Chris.

Realmente é - concordou Sharon.

Chris folheou as páginas do livro.

Que diz sobre as missas negras? É de pôr os cabelos em pé?

Não sei - respondeu Sharon. - Não o li.

Não é tranquilizador?

Oh, essas coisas não me interessam - declarou Sharon após um bocejo.

Que aconteceu ao seu complexo de Jesus?

Oh, deixe-se disso.

Chris fez deslizar o livro sobre a mesa na direcção de Sharon.

Tome lá; leia-o e depois diga-me do que se trata.

Para arranjar pesadelos?

Para que pensa você que é paga?

Para vomitar.

Isso posso eu fazer - murmurou Chris ao pegar no jornal da tarde. - Se meter o conselho do seu agente de negócios pela garganta abaixo ficará a vomitar sangue durante uma semana. - Irritada, pôs o jornal de lado. - Pode ligar o rádio, Shar? Quero ouvir o noticiário.

Sharon jantou em casa com Chris e depois saiu para comparecer a um encontro. Porém, esqueceu-se do livro. Chris viu-o em cima da mesa e pensou lê-lo, mas sentiu-se muito cansada.

Subiu ao quarto de Regan, que parecia estar ainda a dormir sob os cobertores. Aparentemente, nem sequer tinha acordado. Foi à janela outra vez, para a verificar. Ao deixar o quarto, Chris certificou se de que a porta ficava aberta e fez o mesmo com a sua antes de se meter na cama. Viu parte de um filme na televisão. Depois, adormeceu.

Na manhã seguinte, o livro sobre o culto do Diabo tinha desaparecido de cima da mesa. Ninguém deu por isso.

 

O neurologista consultado observou novamente as radiografias e procurou dentículos que dariam ao crânio o aspecto de ter sido batido como cobre martelado. O Dr. Klein estava de pé atrás dele, de braços cruzados. Ambos tinham procurado lesões e acumulações de líquido; um possível desvio da glândula pineal. Nesse momento queriam saber se se tratava de alguma coisa relacionada com um crânio de Líickenshadl, com as depressões que indicariam tensão intercraniana crónica.

Nada conseguiram ver. Era uma quinta-feira, dia 28 de Abril.

O neurologista convocado tirou os óculos e meteu-os cuidadosamente no bolso do lado esquerdo da bata.

- Não há aqui literalmente nada, Sam. Nada que eu veja.

Klein, carrancudo, olhou para o chão, sacudindo a cabeça.

- Isto não faz sentido.

Quer tirar outra série?

Creio não ser preciso. Vou tentar uma PL.

Boa ideia.

Entretanto, gostava que você a visse.

Que tal se fosse hoje?

Bem, estou - o telefone tocou. - Desculpe. - Levantou o auscultador. - Está?

A Sra. MacNeil. Diz que é urgente.

Em que linha?

- Na doze.

O médico carregou no botão da extensão.

- Fala o Dr. Klein, Sra. MacNeil. Que se passa?

A voz de Chris manifestava perturbação; ela estava à beira da histeria.

Oh, meu Deus, doutor, é a Regan! Pode vir imediatamente?

Bem, que aconteceu?

Não sei, doutor, não posso descrever-lhe o que se passa. Oh, por amor de Deus, venha imediatamente.

Com certeza.

Ele ligou para a telefonista.

Susan, diga ao Dresner para ficar com a minha consulta. - Pousou o auscultador no descanso e começou a despir a bata. - É ela. Quer vir? É perto daqui, depois de atravessar aponte.

Disponho de uma hora.

Vamos então.

Chegaram volvidos alguns minutos a casa de Chris. Da porta, onde Sharon os recebeu, ouviram gemidos e gritos de terror vindos do quarto de Regan.

- Sou Sharon Spencer - disse ela, com cara de pessoa assustada. - Entrem. Ela está lá em cima.

Levou-os até à porta do quarto de Regan, abriu-a com um empurrão e disse para dentro:

- Os médicos, Chris!

Chris veio imediatamente à porta, com a face contorcida num esgar de medo.

Oh, meu Deus, entrem! - disse, trémula. - Entrem e vejam o que ela está a fazer!

Este é o Dr. ...

A meio da apresentação Klein interrompeu-se ao olhar para Regan. Gritando histericamente, ela batia com os braços no corpo e parecia lançar-se horizontalmente no ar, acima da cama, e depois caía brutalmente, batendo, no colchão. Tudo estava a acontecer rápida e repetidamente.

- Ó mãe, fá-lo parar! - guinchava Regan aterrorizada.

- Fá'-lo parar! Ele está a tentar matar-me! Fá-lo parar!

Paraaar, Mãeeeee!

- Ó minha querida! - Chris, soluçando, levou o punho fechado à boca, numa contracção, e mordeu-o. Lançou a Klein um olhar suplicante.

Doutor, o que é isto? Que se passa?

Ele sacudiu a cabeça com o olhar fixo em Regan, enquanto o estranho fenómeno continuava. Ela levantava--se, de cada vez, cerca de trinta centímetros e depois caía, com a respiração entrecortada, como se mãos invisíveis a tivessem levantado e atirado para baixo.

Chris tapou os olhos com uma mão trémula.

- Oh, Jesus, Jesus! - exclamou com uma voz rouca. - Doutor, o que é isto?

Os movimentos para cima e para baixo pararam abruptamente e a garota começou a torcer-se de um lado para o outro, com os olhos virados para cima, de tal maneira que só se via o branco da córnea.

- Ai, ele está a queimar... a queimar-me! - Regan gemia. - Ai, estou a arder! Estou a arder!...

As pernas começaram a cruzar-se e a descruzar-se rapidamente.

Os médicos aproximaram-se mais, um de cada lado da cama. Ainda a contorcer-se e com movimentos convulsos, Regan arqueou a cabeça para trás, pondo em evidência a garganta inchada e tumefacta. Começou a murmurar algo incompreensível num tom estranhamente gutural.

- ... nauonmai... nauonmai...

Klein inclinou-se para lhe tomar o pulso.

- Agora vamos ver o que se passa, querida - disse ele com meiguice.

E de repente, Regan, com a face contorcida por uma fúria medonha, sentou-se e deu-lhe malevolamente uma pancada, com o braço para trás, projectando-o, atordoado e a cambalear, através do quarto.

- A porca é minha.' - gritou ela numa voz grossa e potente. - É minha/ Afaste-se dela! Ela é minha.

Uma gargalhada parecida com um latido brotou-lhe da garganta. Depois caiu de costas como se alguém a tivesse empurrado. Puxou a camisa de noite para cima, expondo os órgãos genitais.

- Venham para a cama comigo! - gritou para os médicos, e começou a passar freneticamente a mão pela vagina.

Momentos depois, Chris saiu do quarto a correr, sufocando um soluço, na altura em que Regan levou os dedos à boca e os lambeu.

Quando Klein se aproximou da cama, Regan parecia enlaçar-se, acariciando os braços com as mãos.

- Oh, sim, minha pérola... - sussurrou naquela voz estranhamente engrossada. Tinha os olhos fechados, como

num êxtase. - Minha filha... minha flor... minha pérola...

Depois, contorceu-se novamente, de um lado para o outro, gemendo repetidas vezes sílabas sem significado. E de repente sentou-se de olhos arregalados num terror sem remédio.

Miou como um gato.

Depois ladrou.

Depois relinchou.

Por fim, dobrando-se pela cintura, começou a fazer girar o tronco em círculos rápidos e enérgicos. Faltava-lhe o ar.

- Oh, façam-no parar! - pediu a chorar. - Por favor, façam-no parar! Está-me a fazer doer! Façam-no parar!

Façam-no parar! Não posso respirar!

Klein já vira o suficiente. Levou a maleta para a janela e começou rapidamente a preparar uma injecção.

O neurologista ficou junto da cama e viu Regan cair para trás como se tivesse sido empurrada. Os olhos tornaram a virar-se para cima nas órbitas e, rolando de um lado para o outro, Regan iniciou um murmúrio rápido em tom gutural. O neurologista inclinou-se mais e tentou percebê-la. Depois, viu Klein chamá-lo com um gesto. Dirigiu-se para ele.

- Vou dar-lhe Librium - disse-lhe Klein baixinho vendo a seringa contra a luz da janela. - Mas vocês tem de a segurar.

O neurologista acenou que sim. Parecia preocupado. Inclinou a cabeça de lado como se escutasse o murmúrio que vinha da cama.

Que está ela a dizer? - perguntou Klein em voz baixa.

Não sei. São apenas sons inarticulados. Sílabas sem sentido. - Todavia, a sua própria explicação parecia deixá-lo insatisfeito. - Mas ela di-las como se tivessem significado. Com cadência.

Klein fez um gesto com a cabeça em direcção da cama e ambos se aproximaram silenciosamente, um de cada lado. Ao chegarem ela ficou rígida, como se estivesse em poder das garras de uma tetania; os médicos trocaram um olhar significativo. Depois, fixaram novamente Regan, que começou a arquear o corpo para cima, numa posição im­possível, dobrando-o para trás como um arco, até que a frente da cabeça lhe tocou nos pés. Ela gritava com dores. Os médicos entreolharam-se numa interrogação muda, cheia de suposições. Depois, Klein fez um sinal ao neu­rologista. Porém, antes que este conseguisse agarrá-la, Regan caiu, flácida, num desmaio e urinou a cama.

Klein inclinou-se para a frente e levantou-lhe uma pál­pebra. Tomou-lhe o pulso.

Vai estar assim um bocado - murmurou ele. - Penso que teve uma convulsão. Não lhe parece?

Penso que sim.

Bem, vamos pelo seguro - disse Klein. Deu-lhe a injecção habilmente.

- Bem, que pensa você? - perguntou Klein ao colega enquanto aplicava um penso de adesivo esterilizado na picada.

- É o lobo temporal. De acordo, talvez se trate de esquizofrenia, Sam, mas o ataque é demasiado repentino.

Ela não apresentou nenhuns sintomas, pois não?

Não, não apresentou.

E neurastenia?

Klein disse que não com a cabeça.

Então histeria, talvez - arriscou o neurologista.

Já pensei nisso.

- Com certeza. Mas ela tinha de ser um fenómeno para contorcer o corpo voluntariamente, como fez agora, não concorda? - Abanou a cabeça. - Não, penso que é patológico, Sam, a força, a paranóia, as alucinações. Esquizofrenia, está bem; engloba esses sintomas. Mas o lobo temporal também engloba as convulsões. Contudo, há uma coisa que me preocupa...

Ele arrastou as palavras, enrugando a testa, intrigado.

Que é?

Bem, na realidade não tenho a certeza, mas penso que ouvi indícios de dissociação: "minha pérola"... "minha filha"... "minha flor"... "a porca". Tive a sensação de que ela

estava a falar de si própria. Foi também essa a sua impressão ou estou a ler nas entrelinhas?

Klein bateu no lábio enquanto ponderava a pergunta.

- Bem, francamente, na altura não me ocorreu, mas agora que você o menciona... - Murmurava pensativamente. - Pode ser. Sim. Sim, pode ser.

Depois, encolheu os ombros, afastando a ideia.

- Bem, vou fazer-lhe já uma PL, enquanto ela está desmaiada; depois, talvez saibamos qualquer coisa.

O neurologista assentiu com a cabeça. Klein remexeu na maleta, encontrou uma pílula e meteu-a na algibeira.

- Você pode ficar?

O neurologista consultou o relógio.

- Talvez uma meia hora.

Saíram do quarto e entraram no corredor.

Chris e Sharon estavam encostadas à balaustrada, junto da escada, cabisbaixas. Quando os médicos se aproximaram, Chris limpou o nariz com um lenço todo amachucado. Tinha os olhos vermelhos de chorar.

Ela está a dormir - disse Klein.

Graças a Deus - suspirou Chris.

E tomou uma boa dose de tranquilizante. Provavelmente vai dormir até amanhã.

Ainda bem - volveu Chris, com voz débil. - Doutor, desculpe-me por me portar como uma criança.

Está a portar-se muito bem - assegurou-lhe ele. - É uma provação assustadora. A propósito, apresento-lhe o Dr. David.

Como está? - disse Chris com um sorriso de desânimo.

O Dr. David é neurologista.

Que pensam disto? - perguntou ela aos dois.

Bem, ainda acreditamos que se trata de qualquer coisa

no lobo temporal - respondeu Klein. - E...

Bolas, de que diabo estão a falar? - explodiu Chris. - Ela tem-se comportado como uma psiconeurótica, como se tivesse desdobramento de personalidade! Que é que os senhores...

Bruscamente, recuperou a calma e baixou a cabeça, levando a mão à testa.

- Creio que estou completamente tensa - suspirou, cansada. - Desculpem me. - Levantou a vista, fitando Klein com perturbação. - Que dizia?

- Verificaram-se apenas cerca de um cento de casos genuínos de desdobramento de personalidade, Sra. MacNeil - respondeu David, como se falasse em nome do colega. - É um estado pouco frequente. Sei que agora a tentação é encaminhar o caso para o campo da psiquiatria, mas qualquer psiquiatra responsável esgotaria primeiro as possibilidades somáticas. É esse o método mais seguro.

- Está muito bem; que se segue agora? – perguntou Chris, suspirando.

Uma punção lombar - respondeu David.

Na espinha?

O neurologista inclinou a cabeça num gesto afirmativo.

- O que não vimos na radiografia e no EEG pode aparecer agora. Pelo menos esgotará outras possibilidades.

Gostaria de a fazer aqui, neste momento, enquanto ela está a dormir. Naturalmente, começaremos com uma anestesia local, mas o que estou a tentar eliminar são os movimentos.

Como pode ela saltar assim na cama? - perguntou

Chris com a cara contorcida pela ansiedade.

Bem, penso que já discutimos isso antes - disse Klein. - Os estados patológicos podem originar uma força anormal e um comportamento motor acelerado.

Mas não sabe porquê - disse Chris.

Bem, parece que isso tem qualquer coisa a ver com a motivação - observou David. - Mas é tudo quanto sabemos.

- E afinal com respeito à punção? - perguntou Klein a Chris. - Autoriza-a?

Ela suspirou e curvou se, olhando para o chão.

- Sim - murmurou. - Façam o que tiverem a fazer para a curar.

- Vamos tentar - disse Klein. - Posso servir-me do seu telefone?

Com certeza. Venha, está no gabinete.

Oh, a propósito - disse Klein no momento em que Chris se voltou para lhes indicar o caminho - , ela precisa da roupa da cama mudada.

- Oh, eu ocupo-me disso - disse Sharon, que se dirigiu imediatamente para o quarto de Regan.

- Posso fazer-lhes café? - perguntou Chris aos médicos, quando desciam a escada. - Como dei a tarde aos empregados, tem de ser café instantâneo.

Klein e David recusaram.

Reparei que ainda não arranjou a janela - observou Klein.

Não, mas já chamei os operários - respondeu Chris.

- Vêm amanhã colocar persianas que se podem fechar a cadeado.

Ele fez um gesto de aprovação.

Entraram no gabinete de trabalho, onde Klein telefonou para o consultório e deu instruções a um assistente para lhe enviar a casa o equipamento e os medicamentos necessários.

- E prepare o laboratório para umas análises raquidianas - recomendou Klein. - Vou eu mesmo fazê-las logo a seguir à punção.

Ao terminar, voltou se para Chris e perguntou-lhe o que se passara desde que vira Regan pela última vez no consultório.

Bem, na terça-feira - disse Chris, reflectindo – não houve nada. Foi logo para a cama e dormiu profundamente até ao fim da manhã seguinte. Depois... Oh, não, não - emendou. - Não, não dormiu tanto. Foi assim: Willie contou que a tinha ouvido andar na cozinha muito cedo. Lembro-me de ter ficado contente por ela ter recuperado o apetite. Mas depois, segundo me parece, voltou para a cama, pois esteve deitada todo o dia.

A dormir? - perguntou Klein.

Não, creio que esteve a ler - respondeu Chris. - Bem, comecei a sentir-me um pouco melhor a respeito de tudo isto. Quero dizer, parecia que o Librium era mesmo aquilo que ela estava a precisar. De certo modo, reparei que parecia abstracta e isso aborreceu-me um pouco, mas mesmo assim foram umas grandes melhoras. Bem, a noite passada também não houve nada. Depois, esta manhã, recomeçou tudo - acrescentou respirando profundamente.

- Caramba! E recomeçou de que maneira! - concluiu, sacudindo a cabeça.

Chris contou aos médicos que estava sentada na cozinha quando Regan correu, aos gritos, pela escada abaixo em direcção à mãe, escondendo-se atrás da sua cadeira, ao mesmo tempo que lhe agarrava o braço e lhe explicava, numa voz aterrorizada, que o capitão Howdy, perseguin-do-a, a tinha beliscado, lhe dera socos, a empurrava, en­quanto dizia obscenidades e ameaçava matá-la. "Lá está ele!" gritara no fim, apontando para a porta da cozinha. Depois, caíra no chão com o corpo sacudido por espasmos, ao mesmo tempo que, respirando com dificuldade e a chorar, dizia que Howdy lhe estava a dar pontapés. Subitamente, Regan pusera-se de pé no meio da cozinha, de braços estendidos, e começara a rodopiar rapidamente "como um pião", continuando a fazer esses movimentos durante vários minutos até cair exausta no chão.

- Depois, de repente - terminou Chris desolada - vi-lhe aquele... ódio, aquele ódio! E ela disse-me...

Estava sufocada.

- Chamou-me... Oh, Jesus!

Desatou a soluçar e, escondendo os olhos, chorou convulsivamente.

Klein foi calmamente até ao bar, encheu um copo com água da torneira e dirigiu-se para Chris.

- Merda, onde é que está um cigarro? – perguntou Chris, trémula e suspirando ao limpar os olhos com as costas da mão.

Klein deu-lhe a água e uma pequena pílula verde.

Experimente isto - aconselhou.

É um calmante?

Sim, é um calmante.

Dê-me duas.

Uma é suficiente.

Que pródigo - murmurou Chris com um sorriso amarelo. Engoliu a pílula e depois entregou o copo vazio ao médico. Obrigada - disse, baixinho, e descansou a fronte nas pontas trémulas dos dedos. Abanou a cabeça devagar. - Sim, foi então que recomeçou - continuou, abatida. - Tudo aquilo. Como se ela fosse uma outra pessoa.

Talvez no género do capitão Howdy, não? - perguntou David.

Chris, perplexa, levantou os olhos, fixando o neuro­logista, que a olhava atentamente.

Que é que o senhor quer dizer? - perguntou.

Não sei - volveu ele encolhendo os ombros. – Foi apenas uma pergunta.

Chris voltou para junto do fogão de sala com um olhar ausente e alucinado.

- Não sei - disse entorpecida - era apenas uma pessoa diferente.

Após um momento de silêncio David levantou-se e explicou que tinha de ir ver um doente. Depois de algumas frases tranquilizadoras, despediu-se de Chris.

Klein acompanhou-o à porta.

Vai verificar o açúcar? - perguntou-lhe David.

Não, sou o tolo da aldeia de Rosslyn - respondeu David, esboçando um leve sorriso. - Eu próprio também me sinto um pouco tenso com tudo isto - disse ele. Ficou a pensar, com o olhar vago. - É um caso estranho.

Durante uns momentos esteve a dar pancadinhas no queixo, meditativo. Em seguida, levantou a vista e fitou Klein.

Diga-me o que descobrir.

Fica em casa?

- Sim. Telefone-me. - Fez um gesto de despedida e saiu.

Pouco depois, após a chegada do equipamento, Klein anestesiou Regan com Novocaína, na região espinal, e, enquanto Chris e Sharon assistiam, extraiu o líquido cefalorraquidiano, vigiando o manómetro.

- A tensão está normal - murmurou.

Ao terminar foi à janela verificar se o líquido era claro ou turvo.

Era claro.

Guardou cuidadosamente os tubos na maleta.

Não é natural que aconteça - disse Klein às duas mulheres -, mas no caso de ela acordar durante a noite talvez precisem de uma enfermeira para lhe dar um sedativo.

Não posso dar-lho eu mesma? - perguntou Chris preocupada.

E porque não uma enfermeira?

Ela não se quis referir à sua profunda desconfiança em médicos e enfermeiras.

Preferia ser eu a fazê-lo - disse simplesmente. - Concorda?

Bem, as injecções são traiçoeiras - respondeu Klein.

- Uma bolha de ar é muito perigosa.

Oh, eu sei dar injecções - interrompeu Sharon. - minha mãe dirigia uma casa de saúde no Oregon.

- Formidável! Você faz-me isso, Shar? Fica aqui esta noite? - perguntou-lhe Chris.

- Bem, para além desta noite - interrompeu Klein - pode precisar de alimentação intravenosa, depende de como reagir.

- Pode ensinar-me a fazer isso? - perguntou Chris - Ele fez um gesto afirmativo com a cabeça.

- Sim, creio que posso.

Passou uma receita de Thorazine solúvel e seringas de plástico esterilizadas. Entregou-a a Chris.

- Mande-a aviar imediatamente.

Chris entregou-a por sua vez a Sharon.

- Querida, faça-me esse favor, sim? Basta telefonar, que eles mandam cá.

Queria estar junto do doutor quando ele fizer aquelas análises... Importa-se? - perguntou ao médico.

Ele reparou na tensão que se pressentia à volta dos olhos dela, no ar confuso e de desamparo. Disse que sim.

- Eu sei o que sente - sorriu com ternura. - Sinto o mesmo quando falo do meu carro aos mecânicos.

Saíram precisamente às 6.30 da tarde.

No seu laboratório no edifício ocupado por médicos em Rosslyn, Klein fez algumas análises. Primeiro, o teor de proteínas. Era normal. Depois, fez a contagem de glóbulos.

- Demasiados glóbulos vermelhos - explicou Klein – é sinal de hemorragia. E glóbulos brancos a mais quer dizer infecção.

Procurava especialmente uma infecção provocada por um fungo que muitas vezes era a causa de um comportamento crónico estranho. De novo, análise negativa. Por fim, Klein verificou a percentagem de açúcar.

Para quê? - perguntou Chris, atenta.

Bem, vejamos. O açúcar do líquido cefalorraquidiano - disse-lhe - deve corresponder a dois terços da totalidade do açúcar no sangue. Uma diferença importante abaixo dessa percentagem significará uma doença em que as bactérias comem o açúcar do líquido cefalorraquidiano. E se assim acontecer, isso poderá explicar os sintomas dela. Mas não conseguiu encontrar nada.

Chris abanou a cabeça e cruzou os braços.

- Cá estamos nós outra vez na mesma, camaradas - murmurou, tristemente.

Klein esteve uns instantes a pensar. Por fim, voltou-se e fitou Chris.

Tem quaisquer drogas em casa? - perguntou.

Ha?

Anfetaminas? LSD?

Credo, não! Se as tivesse, não lhe mentia. Não, não há lá nada disso.

Ele sacudiu a cabeça e olhou para o chão. Em seguida, levantou a vista e disse:

- Bem, penso que chegou a ocasião de consultarmos um psiquiatra, Sra. MacNeil.

Chris regressou a casa às 7.21 da tarde. Da porta da rua, chamou: "Sharon!"

Sharon não estava.

Subiu ao quarto de Regan. A pequena ainda estava a dormir profundamente. Não se via nem uma só ruga na roupa da cama. Chris reparou que a janela estava aberta de par em par. Sentiu um cheiro a urina. A Sharon deve tê-la aberto para arejar o quarto, pensou. Fechou-a. Onde teria ela ido?

Chris voltou para baixo na altura em que Willie entrava.

Olá, Willie. Divertiu-se hoje?

Compras. Cinema.

Onde está o Karl?

Willie fez um gesto de abandono.

Desta vez, deixou-me ir ver os Beatles. Sozinha.

Bom trabalho.

Willie levantou a mão com os dedos em V. Eram 7.35.

Às 8.01, quando Chris se encontrava no gabinete de trabalho a falar ao telefone com o agente, Sharon chegou com vários embrulhos, deixou-se cair numa cadeira e esperou.

Onde é que tem estado? - perguntou-lhe por fim Chris.

Oh, ele não lhe disse?

Quem é que não me disse?

O Burke. Ele não está cá? Onde está?

Esteve cá?

Quer dizer que ele não estava quando você chegou a casa?

Escute lá, comece outra vez do princípio - disse Chris.

Oh, aquele chalupa - - censurou Sharon com um gesto feito com a cabeça. Como não consegui que o farmacêutico cá mandasse a encomenda quando o Burke apareceu, pensei que ele podia ficar com a Regan enquanto eu ia buscar a Thorazine. - Encolheu os ombros. - Eu já devia calcular.

Pois, você já devia calcular. E então, -que é que comprou?

Bem, como pensei que tinha tempo, fui comprar um resguardo de borracha para a cama dela. - Desfez um embrulho e mostrou-o.

Já comeu?

Não. Creio que vou arranjar uma sanduíche. Quer uma?

Boa ideia.

Que se passou com as análises? - perguntou Sharon ao encaminharem-se devagar para a cozinha.

Absolutamente nada. Todas negativas. Terei de a levar a um psiquiatra - respondeu Chris com uma expressão de tristeza.

Depois das sanduíches e do café, Sharon ensinou Chris a dar injecções.

- As duas coisas principais - explicou ela - são ter a certeza de que não há nenhuma bolha de ar e depois certificarmo-nos de que não se apanhou nenhuma veia.

Veja, aspira-se um pouco, assim - demonstrou - e vê-se se

aparece sangue na seringa.

Durante algum tempo, Chris praticou com eficiência a técnica numa toranja. Depois, às 9.28, a campainha da porta principal tocou. Willie foi abrir. Era Karl. Ao passar pela cozinha para se dirigir ao seu quarto, deu as boas noites e observou que se esquecera de levar a chave.

- Quase não quero acreditar - disse Chris a Sharon. - É a primeira vez que ele confessa um erro.

Passaram o serão a ver televisão no gabinete de tra­balho. Às 11.46 Chris atendeu o telefone. Era o jovem realizador do segundo grupo. Falou com voz séria.

Já sabe a notícia, Chris?

Não, que há?

Bem, a notícia não é boa.

De que se trata? - tornou ela.

O Burke morreu.

Estava bêbado. Tropeçara. Caíra pelas escadas ao lado da casa até ao fundo. Uma pessoa que passava na Rua M vira-o precipitar-se na noite sem fim, com o pescoço partido. Fora a última cena de sangue.

Depois de o telefone lhe cair dos dedos, Chris, de pé, começou a cambalear, chorando em silêncio, Sharon correu para a amparar, desligou o telefone e levou-a para o sofá.

O Burke morreu - disse Chris a soluçar.

Oh, meu Deus! - exclamou Sharon sufocada. - Que aconteceu?

Mas Chris ainda não conseguia falar. Chorava.

Mais tarde, conversaram, durante horas. Chris bebeu, e recordou coisas de Dennings. Ora ria, ora chorava. "Oh, meu Deus", disse a suspirar. "Pobre Burke... pobre Burke..."

Continuava a lembrar-se do sonho que tivera, sobre a morte.

Cerca das cinco da manhã, Chris estava atrás do balcão do bar, de cotovelos assentes, de cabeça baixa e olhos tristes. Esperava que Sharon voltasse da cozinha com cubos de gelo.

- Ainda não posso acreditar - suspirou Sharon ao entrar no gabinete.

Chris levantou os olhos, hirta. Deslizando rapidamente, como uma aranha, mesmo atrás de Sharon, com o corpo dobrado para trás em arco e com a cabeça quase a tocar nos pés, viu Regan, de língua a sair e a entrar rapidamente na boca, enquanto assobiava sibilante como uma serpente.

- Sharon! - exclamou Chris, estarrecida, ainda a olhar para Regan.

Sharon deteve-se. E Regan também. Sharon voltou-se e, não viu nada. Depois, soltou um grito de histeria ao sentir a língua de Regan, serpenteando, tocar-lhe num tornozelo.

Chris estava lívida.

- Telefone ao médico e tire-o da cama! Já!

Para onde quer que Sharon fosse, Regan seguia-a.

 

Sexta-feira, 29 de Abril. Enquanto Chris esperava no corredor do lado de fora do quarto, o Dr. Klein e um famoso neuropsiquiatra examinavam Regan.

Os médicos observaram na durante uma hora. Saltava. Rodopiava. Puxava os cabelos. De vez em quando, fazia caretas e tapava as orelhas com as mãos, como se não quisesse ouvir um ruído repentino e ensurdecedor. Proferia obscenidades. Gritava com dores. Depois, por fim, atirou se para cima da cama, de cara para baixo, encolhendo as pernas sob o estômago. Soltava queixumes incoerentes.

O psiquiatra fez um sinal a Klein para se afastar da cama.

- Vamos dar-lhe um tranquilizante - segredou ele. - Talvez eu consiga falar com ela.

Klein assentiu e preparou uma injecção de cinquenta miligramas de Thorazine. No entanto, quando os médicos se aproximaram da cama, Regan pareceu sentir a presença deles e voltou-se rapidamente. Quando o neuropsiquiatra tentou segurá-la, começou a gritar, numa fúria malévola. Mordeu-lhe. Lutou com ele. Manteve-o à distância. E foi só no momento em que chamaram Karl para os ajudar que os médicos conseguiram mantê-la suficientemente quieta para que Klein pudesse dar-lhe a injecção.

Como a dose fosse inadequada, injectaram lhe mais cin­quenta miligramas e esperaram.

Regan começou a mostrar-se tratável. Em seguida, ficou sonolenta. Depois, olhou para os médicos com um espanto repentino.

- Onde está a mamã? Eu quero a minha mãezinha"! - disse ela a chorar.

A um aceno do psiquiatra, Klein saiu do quarto para ir à procura de Chris.

A tua mãe não demora um minuto, querida - disse o psiquiatra, sentando-se na cama e afagando a cabeça de Regan. - Vamos, vamos, querida, não tenhas medo, eu sou

médico.

Quero a minha mãezinha! - tornou Regan.

Ela vem já. Tens dores, querida?

Ela fez um gesto afirmativo com as lágrimas a correrem-lhe pela cara abaixo.

Onde?

Em toda a parte! - disse Regan a soluçar. - Sinto-me toda dorida!

Oh, minha filhinha!

Mãezinha!

Chris correu para a cama e abraçou-a. Depois, beijando-a, acalmou-a. A própria Chris começou então a chorar.

Oh, Rags, tu voltaste! És realmente tu!

Oh, Mãezinha, ele magoou-me! - fungou Regan. - Faz com que deixe de me magoar! Por favor!

Chris ficou intrigada durante uns momentos e em seguida fitou os médicos com uma súplica no olhar.

Ela tomou uma grande dose de tranquilizante – disse o psiquiatra em voz muito baixa.

Que significa?

Veremos - disse ele, interrompendo-a. Depois, voltou-se para Regan. - Podes dizer-me o que sentes, querida?

Eu não sei - volveu ela. - Não sei porque é que ele me faz isto. - As lágrimas rolavam-lhe dos olhos. – Dantes foi sempre meu amigo!

Quem?

O capitão Howdy! Agora é como se fosse outra pessoa

dentro de mim, que me obriga a fazer coisas!

O capitão Howdy?

Não sei!  

É uma pessoa?

Ela respondeu afirmativamente com um aceno.

Quem?

Não sei.

Bem, não importa; vamos experimentar uma coisa, Regan. É um jogo. - Procurou na algibeira um berloque brilhante preso a uma corrente prateada. - Já viste filmes em que alguém tenha sido hipnotizado?

Já.

Bom, sou um hipnotizador. Sou sim! Isto é, no caso de consentirem, posso hipnotizar pessoas. Creio que se te hipnotizar, Regan, isso ajudará a curar-te. Sim, essa pessoa que está dentro de ti vem logo cá para fora. Gostarias de ser hipnotizada? Vê, a tua mãe está aqui, mesmo ao pé de ti.

Regan fitou Chris interrogativamente.

- Vá, querida, faz isso - insistiu Chris. - Experimenta.

Regan voltou-se para o psiquiatra e fez um aceno com a cabeça.

- Está bem - disse ela, baixo. - Mas só durante um bocadinho.

O psiquiatra sorriu e olhou de repente para trás ao ouvir um barulho de louça a partir-se. Um vaso frágil tinha caído do alto de uma cómoda onde o Dr. Klein descansava agora o braço. O médico fixou o braço e, em seguida, com ar in­trigado, os cacos dispersos no chão. Depois, baixou-se para os apanhar.

Não faz mal, doutor, a Willie apanha-os - declarou Chris.

Pode fazer-me o favor de fechar as persianas, Sam? - disse o psiquiatra. - E de correr os cortinados?

Quando o quarto ficou imerso na obscuridade o psi­quiatra pegou na corrente com as pontas dos dedos e começou a balouçar o berloque para trás e para a frente, com um movimento leve. Fez incidir a luz de uma lapiseira luminosa sobre o objecto, e iniciou o ritual hipnótico.

- Agora olha para isto, Regan, continua a olhar e depressa sentirás as pálpebras pesarem cada vez mais...

Num curto espaço de tempo a pequena estava em transe.

É extremamente sugestionável - murmurou o psiquiatra. Em seguida dirigiu-se à pequena. - Sentes-te bem, Regan?

Sim - respondeu ela com voz suave e sussurrante.

Que idade tens, Regan?

Doze anos.

Tens alguém dentro de ti?

Às vezes.

Quando?

Uma vez por outra.

É uma pessoa?

Sim.

Quem é.

Não sei.

É o capitão Howdy?

Não sei.

É um homem?

Não sei.

Mas está dentro de ti?

Sim, às vezes.

Agora?   

Não sei.

Se eu lhe pedir para falar comigo, tu deixa-lo responder?

Não!

Porquê?

Tenho medo!

De quê?

Não sei!

Se ele falar comigo, Regan, penso que irá embora. Queres que vá?

Sim.

Então permite que ele fale. Sim?

Uma pausa.

Sim - respondeu Regan.

- Agora falo com a pessoa que está dentro de Regan - disse o psiquiatra com firmeza. - Se está aí, também está hipnotizado e deve responder a todas as minhas perguntas. - O psiquiatra deteve-se para permitir a entrada da sugestão na corrente sanguínea. Depois, repetiu: - Se está aí também está hipnotizado e deve responder a todas as minhas perguntas. Agora, apareça e responda: Está aí?

Silêncio. Sucedeu então uma coisa curiosa: o hálito de Regan tornou-se de repente nauseabundo, espesso, como um fluxo. O psiquiatra cheirava-o a meio metro de distância. A luz da lapiseira luminosa incidiu sobre a cara de Regan.

Chris sufocou um grito. As feições da filha estavam contorcidas numa máscara malévola: os lábios esticavam-se em direcções opostas, a língua tumefacta pendia-lhe da boca, como a de um lobo.

- Oh, meu Deus! - exclamou Chris com um suspiro.

Você é a pessoa que está dentro de Regan? - perguntou o psiquiatra.

Sim.

Quem é você?

Nauonmai - respondeu ela numa voz gutural.

É esse o seu nome?

Regan assentiu com a cabeça.

É um homem?

Diga - volveu ela.

Respondeu?

Diga - tornou a pequena.

Se é "sim" responda com a cabeça.

Ela inclinou a cabeça num gesto afirmativo.

Está a falar numa língua estrangeira?

Diga.

Donde vem?

Cão.

Afirma que vem de um cão?

Cãomorfomoção - respondeu Regan.

O psiquiatra reflectiu durante um momento, depois ten­tou outro caminho.

- Quando lhe fizer perguntas responderá mexendo a cabeça: um aceno para "sim" e uma sacudidela para "não". Compreende?

Regan acenou.

As suas respostas tinham sentido? - perguntou ele.

Sim.

Você é alguém que a Regan tenha conhecido?

Não.

De quem ela tenha ouvido falar?

Não.

Você é alguém que ela inventou?

Não.

Você é real?

Sim.

Faz parte de Regan?

Não.

Já alguma vez fez parte de Regan?

Não.

Gosta dela?

Não.

Tem-lhe aversão?

Sim.

Odeia-a?

Sim.

Por causa de alguma coisa que ela fez?

Sim.

Responsabiliza-a pelo divórcio dos pais?

Não.

É alguma coisa que tenha que ver com os pais?

Não.

Com uma pessoa amiga?

Não.

Mas odeia-a.

Sim.

Está a castigar a Regan?

Sim.

Deseja fazer-lhe mal?

Sim.

Matá-la?

Sim.

Se ela morrer, você morrerá também?

Não.

A resposta pareceu inquietá-lo; baixou os olhos e ficou a pensar. Ao mudar de posição, as molas da cama gemeram. No silêncio asfixiante, a respiração de Regan sibilava, como se saísse de um fole carcomido e pútrido. Aqui. E, no en­tanto, distante. Sinistramente longínqua.

O psiquiatra levantou novamente os olhos para aquela cara horrivelmente contorcida. O seu olhar agudo brilhava, com as suposições.

Há alguma coisa que ela possa fazer que o obrigue a deixá-la?

Sim.

Pode dizer-me o que é?

Sim.

Vai dizer-me?

Não.

Mas...

Abruptamente, o psiquiatra gritou com a surpresa provocada pela dor súbita. Compreendeu com uma arripiante incredulidade que Regan lhe estava a apertar o sexo com uma mão, que o prendia como uma garra de ferro. De olhos esbugalhados, esforçou-se por se libertar, mas não conseguiu.

- Sam! Sam! Acuda-me - exclamou numa voz aflita.

Confusão.

Chris levantou a vista e deu um salto, para ir acender a luz. Klein aproximou-se a correr.

Regan, com a cabeça virada para trás, cacarejou diabolicamente, depois uivou como um lobo.

Chris alcançou o comutador e acendeu a luz. Viu um filme de um pesadelo em câmara lenta, tremido, cheio de riscos. Regan e os médicos debatiam-se na cama, numa barafunda, entre esgares, gritos e pragas, e os uivos e as horrorosas gargalhadas de Regan. Depois quando o filme começou a correr mais depressa a armação da cama abanou com violência de um lado para o outro, enquanto Chris, impotente, observava a filha, que, de olhos revirados soltava, aterrorizada, um grito agudo, dilacerante, um grito por assim dizer em carne viva, ensanguentado, vindo do fundo da espinha.

Regan dobrou-se e ficou inconsciente. O indiscritível abandonou o quarto.

Durante um momento, irrespirável, ninguém se moveu. Depois, lenta e cuidadosamente, os médicos desenven­cilharam se. Ao levantarem-se, fixaram Regan. Volvido um instante o inexpressivo Klein tomou o pulso da pequena. Satisfeito, puxou devagar o cobertor e fez um sinal aos outros. Saíram do quarto e desceram ao gabinete de trabalho.

Chris instalou-se no sofá; Klein e o psiquiatra sentaram--se em cadeiras, diante dela. O psiquiatra, pensativo, beliscava os lábios e olhava para a mesinha colocada em frente do sofá. Após um suspiro fitou Chris, que voltou para ele um olhar de amargura.

Que diabo se está a passar? - perguntou ela com um suspiro de tristeza e perturbação.

Reconheceu a língua em que a pequena falava? - volveu ele.

Chris sacudiu a cabeça.

A senhora pratica alguma religião?

Não.

E a sua filha?

Também não.

Em seguida o psiquiatra fez-lhe uma longa série de perguntas relativas à história psicológica de Regan. Quando por fim terminou parecia perturbado.

Que tem ela? - inquiriu Chris, com os nós dos dedos brancos de amassar com força, nas mãos, o lenço feito numa bola.

Bem, é tudo um tanto confuso - disse o psiquiatra iludindo a pergunta. - E, com franqueza, seria uma irresponsabilidade da minha parte tentar apresentar um diagnóstico depois de um exame tão breve.

Tem com certeza alguma ideia - insistiu ela.

O psiquiatra soltou um suspiro, passando os dedos pela testa.

- Bem, como sei que está bastante preocupada, vou referir uma ou duas ideias que, no entanto, não passam de hipóteses.

Chris, tensa, inclinou-se para a frente e fez um aceno com a cabeça. De mãos no colo começou a mexer no lenço, passando os dedos pelos pontos da bainha, como se fossem as engelhadas contas de linho de um rosário.

- Para começar - disse ele - é altamente improvável que ela esteja a fingir.

Klein manifestou a sua concordância.

Temos muitas razões para pensar assim - continuou o psiquiatra. - Por exemplo, as contorções anormais, dolorosas; o mais interessante, a meu ver, foi a modificação verificada nas suas feições quando falávamos com a suposta pessoa que ela pensa ter dentro de si. Como vê, um efeito psíquico como este é pouco provável, a não ser que ela acredite nessa pessoa. Está a compreender-me?

Creio que sim - disse Chris, perplexa, entortando os olhos. - Mas uma coisa não percebo eu: donde vem essa pessoa. Quer dizer, fala-se muito de "desdobramento de personalidade", mas na verdade nunca soube qual era a, explicação.

Bem, nem há ninguém que saiba, Sra. MacNeil.

Empregamos conceitos como "consciência", "mente", "personalidade", mas na realidade ainda não sabemos o que são essas coisas. - Ele sacudiu a cabeça. - Na realidade, não. Portanto, quando falamos de coisas tais como personalidade múltipla ou desdobramento de personalidade tudo o que temos são algumas teorias que fazem surgir mais perguntas do que as respostas que dão. Freud pensava que certas ideias e sentimentos são recalcados pela mente consciente por um processo qualquer, permanecendo vivos no subconsciente das pessoas; são de facto muito fortes e procuram exprimir-se através de vários sintomas. Vejamos agora, quando esta massa recalcada, ou chamemos-lhe dissociada - a palavra "dissociação" implica uma separação da corrente principal da consciência - , bem, quando este tipo de massa é suficientemente forte, ou quando a personalidade do sujeito é fraca ou está desorganizada o resultado pode ser uma psicose esquizofrénica. Ora isto não é o mesmo - preveniu ele - que dupla personalidade. Esquizofrenia quer dizer uma fragmentação da personalidade. Mas onde a massa dissociada é suficientemente forte-para se organizar de certa maneira no subconsciente do indivíduo - então tem-se, por vezes, verificado que funciona independentemente, como uma personalidade distinta, assumindo as funções do corpo.

O psiquiatra tomou fôlego. Chris escutava atentamente e ele continuou.

Esta é uma teoria. Há várias outras, algumas delas incluem a noção de fuga para a inconsciência; fuga de qualquer conflito ou problema emotivo. Voltando a Regan, ela não tem nenhuns sintomas de esquizofrenia e o EEG não mostrou o esquenia de ondas cerebrais que normalmente a

acompanha. Por isso, inclino-me a pôr a esquizofrenia de parte. O que nos deixa o campo genérico e amplo da histeria.

Desisti na semana passada - murmurou Chris, desanimada.

O psiquiatra, preocupado, sorriu levemente.

- A histeria - continuou - é uma forma de neurose, em que as perturbações emocionais se convertem em perturbações físicas. E em algumas das suas formas há dissociação. Na psicastenia, por exemplo, o indivíduo perde a consciência das suas acções, mas vê-se a si próprio a agir e atribui as suas acções a outra pessoa. Contudo, a sua ideia da segunda personalidade é vaga e a de Regan parece definida. Portanto, chegamos ao que Freud costumava chamar a forma de "conversão" da histeria. Nasce do sentimento inconsciente de culpa e da necessidade de ser punido. A dissociação aqui é a característica principal, até a múltipla personalidade. E a síndroma pode incluir também convulsões epilépticas, alucinações e excitação motora anormal.

Isso parece-se muito com o que tem Regan – arriscou Chris, pensativa. - Não acham? Quer dizer, excepto no que

respeita à culpa. Mas porque havia ela de se sentir culpada? Porquê?

Bem, uma resposta clássica - respondeu o psiquiatra -, podia ser o divórcio. As crianças sentem muitas vezes que são elas a pessoa desprezada e assumem a inteira responsabilidade da partida de um dos progenitores. No caso da sua filha, há motivos para acreditar que podia ser esse o problema. Nesta altura estou a pensar no acabrunhamento e na profunda depressão provocada pela ideia da morte: tanatofobia. Nas crianças, encontramo-la acompanhada por uma estrutura de culpa que se relaciona com tensões familiares e é muito frequente o medo de perder um dos progenitores. Isso provoca fúrias e uma frustração intensa. Além do mais, a culpa, neste tipo de histeria, não precisa de ser conhecida pela mente consciente. Até poderia constituir um sentimento de culpa que denominamos de "livre-flutuação"; uma culpa geral que não se relaciona com coisa nenhuma em particular - concluiu ele.

Estou baralhada - murmurou Chris, sacudindo a cabeça. - Quer dizer, a que propósito aparece esta nova personalidade?

Bem, é novamente uma hipótese - replicou ele - uma hipótese apenas: suponho que se trata de uma histeria de conversão proveniente de um sentimento de culpa, então a segunda personalidade é simplesmente o agente que aplica o castigo. Se fosse a própria Regan que o aplicasse,

isso quereria dizer que ela reconhecia a sua culpa.

Percebeu? Mas ela quer esquivar-se a esse reconhecimento.

Daí, portanto, uma segunda personalidade.

É isso o que ela tem, no seu entender?

Como eu já afirmei antes, não sei - volveu o psiquiatra, ainda evasivo. Parecia escolher as palavras como escolheria pedras cobertas de musgo para atravessar um rio. - É extremamente invulgar para uma criança da idade de Regan ser capaz de juntar e organizar os componentes de uma nova personalidade. E certas... bem, há outras coisas desconcertantes. A sua actuação com o oui-ja, por exemplo, indicaria uma extrema sugestionabilidade; no entanto, aparentemente, não a hipnotizei. - Encolheu os ombros. - Bem, talvez ela tenha resistido. Mas a coisa verdadeiramente surpreendente - observou - é a aparente precocidade da nova personalidade. Não tem doze anos, de modo algum. É muito, muito mais velha. E depois, temos a língua que ela estava a falar... - Olhou para o tapete em frente do fogão de sala, pensativo, puxando o lábio inferior. - Naturalmente, há um estado similar, mas não sabemos muito a respeito dele: uma forma de sonambulismo em que o sujeito manifesta de repente conhecimentos ou habilidades que nunca aprendeu - e em que a intenção da segunda personalidade é a destruição da primeira. No entanto...

A palavra ficou no ar. De repente, o psiquiatra olhou para Chris.

Bem, é terrivelmente complicado - disse - e eu simplifiquei descaradamente.

Então qual é a última palavra? - perguntou Chris.

Neste momento ainda não foi dita - respondeu o psiquiatra. - Ela precisa de ser examinada a fundo por uma equipa de especialistas durante duas ou três semanas de estudo intensivo, num ambiente de clínica; digamos, na Clínica Barringer, em Dayton.

Chris olhou para longe e disse, num murmúrio:

Formidável.

Há algum problema?

Não, não há problema - suspirou ela. - Acabo de perder a Esperança, é tudo.

Não percebi.

É uma tragédia interior.

O psiquiatra telefonou do gabinete de Chris para a Clínica Barringer. Concordaram em receber Regan no dia seguinte.

Chris engoliu a dor com a recordação de Dennings, ao lembrar-se da morte, dos vermes, do vácuo e da indizível solidão, da imobilidade, da escuridão debaixo da terra, sem movimento... Em resumo, chorou. É de mais... de mais... Depois, pôs a questão de parte e começou a fazer as malas.

Chris, de pé, no quarto, escolhia uma cabeleira postiça para se disfarçar em Dayton quando Karl'apareceu. Vinha dizer-lhe que uma pessoa a queria ver.

Quem é?

Um detective.

Quer ver-me, a mim?

Karl respondeu que sim. Em seguida, entregou lhe um cartão de visita profissional. Examinou-o surpreendida. "William Kinderman", anunciava o cartão, "tenente de detectives"; e, encolhidas no canto inferior esquerdo, como parentes pobres, as palavras "Secção de Homicídios." Estava impresso num tipo floreado e em relevo que podia ter sido escolhido por um negociante de antiguidades.

Ela levantou a vista do cartão, fungando desconfiada.

- Ele traz alguma coisa que se pareça com um guião?

Um envelope de papel grosso, por exemplo?

Chris já descobrira que não havia ninguém no mundo que não tivesse um romance, um guião, ou uma ideia para uma ou ambas as coisas, metido no canto duma gaveta ou numa peúga mental. Ela parecia atraí-los como os padres atraem os bêbados.

Mas, como Karl abanasse a cabeça, Chris ficou com curiosidade e desceu as escadas. Burke? Seria alguma coisa a respeito de Burke?

O detective balançava-se na entrada, agarrando com dedos curtos e gordos, de unhas arranjadas de fresco, a aba do chapéu mole e engelhado. Roliço. Na casa dos cinquenta. De faces bochechudas, luzidias do sabonete. No entanto, as calças com dobra, largas e enrugadas, troçavam do cuidado assíduo que ele tinha com o corpo. Trazia um sobretudo de tweed cinzento, largueirão e fora de moda, e os seus olhos castanho e húmidos, de cantos descaídos, pareciam voltados para tempos passados. Soprava asmaticamente enquanto esperava.

Chris aproximou-se. O detective estendeu-lhe a mão com um gesto cansado e modos um tanto paternais, e falou num sopro rouco.

Eu identificaria a sua cara em qualquer fila de suspeitos, Miss MacNeil.

E estou agora numa? - perguntou Chris com sinceridade ao apertar-lhe a mão.

Oh, pelo amor de Deus! Não, oh, não - disse ele, varrendo a ideia com a mão, como se quisesse matar uma mosca. Fechou os olhos e inclinou a cabeça; a outra mão repousava de leve na barriga. Chris esperava um Deus nos livre! - Não, é estritamente um caso de rotina – afirmou ele -, de rotina. Olhe, se tem que fazer volto cá amanhã.

Virou-se como se fosse partir, mas Chris, ansiosa, disse:

- De que se trata? É do Burke? Do Burke Dennings?

A naturalidade descuidada e murcha do detective tinha, de certo modo, posto sob tensão as molas dos seus nervos.

Uma desgraça. Mas que desgraça - suspirou o detective, de olhos baixos e sacudindo a cabeça.

Foi assassinado? - perguntou Chris, impressionada.

- Isto é, foi por isso que o senhor cá veio? Ele foi assassinado?

Não, não, não, é um caso de rotina - repetiu ele -, de rotina apenas. A senhora compreende, ele era um homem importante; assim, não podíamos deixar passar isto sem investigação. - Desculpava-se, com um ar infeliz. – Pelo menos uma ou duas perguntas. Ele caiu? Foi empurrado? - Ao falar inclinava a cabeça e a mão de um lado para o outro. Depois, encolheu os ombros e disse com voz rouca: - Quem sabe?

Ele foi assaltado?

Não, Miss MacNeil, ninguém o assaltou. Quem precisa de motivo para isso nos tempos que vão correndo? – As suas mãos agitavam-se constantemente, como uma luva flácida enformada pelos dedos de um titeriteiro bocejante.

- Pois é, hoje em dia, Miss MacNeil, para um assassino, os

motivos só causam embaraço; na verdade, são um estorvo.

- Abanou a cabeça. - As drogas, as drogas - lamentou-se - , todas essas drogas. O LSD.

Batendo com as pontas dos dedos no peito, olhou para Chris.

Acredite-me, sou pai, e quando vejo o que se passa por aí, parte-se-me o coração. A senhora tem filhos?

Sim, tenho.

Rapazes?

Não, uma rapariga.

Bem...

Ouça, vamos para o meu gabinete - interrompeu-o Chris, ansiosa; depois, voltou-se para lhe mostrar o caminho. Estava a perder a paciência.

Miss MacNeil, posso pedir-lhe uma coisa?

Chris virou-se, com a vaga e estafada espectativa de ele querer um autógrafo para os filhos. Nunca era para si próprios: era sempre para os filhos.

Sim, com certeza - disse ela.

É o meu estômago. Fez um gesto e uma vaga careta. - Talvez me possa arranjar um pouco de água gaseificada. Se é muita maçada, não se preocupe; não quero incomodar.

Não incomoda nada - suspirou ela. - Sente-se numa cadeira do gabinete. - Apontou e depois voltou-se, dirigindo-se para a cozinha. - Parece-me que há uma garrafa no frigorífico.

Não, eu vou à cozinha - disse o detective, seguindo-a. - Detesto dar maçada.

Não maça nada.

Não, a senhora tem realmente que fazer: eu vou lá. Tem filhos? - perguntou ele enquanto se dirigiam para a cozinha. - Não. É verdade! Tem uma filha; já me disse; é isso. E é única.

É, é única.

Que idade tem ela?

Fez há pouco doze anos.

Então não tem com que se preocupar - suspirou. - Por enquanto ainda não. No entanto, mais tarde, tem de ter cuidado. - Ia sacudindo a cabeça. Chris reparou que ele tinha um andar bamboleado, de pato. - Quando vemos toda esta porcaria, diariamente - continuou ele. - É inacreditável, incrível. Uma loucura. Sabe, virei-me para a minha mulher aqui há uns dias - ou semanas - já não me lembro, e disse-lhe: "Mary, o mundo, todo o mundo, está a sofrer de uma depressão nervosa generalizada. Toda a gente. O mundo inteiro." - Fez um gesto global.

Na cozinha, Karl limpava o interior do forno. Não se mexeu, como se não desse pela presença deles.

- Isto é realmente embaraçante - soprou o detective na sua voz rouca na altura em que Chris abria a porta ao frigorífico. E, todavia, o seu olhar seguia Karl, passando-o rápido e interrogativo pelas costas, pelos braços e pelo pescoço do criado como um pequeno pássaro rasando as águas de um lago. - Encontro-me com uma estrela de cinema famosa - continuou ele - e peço-lhe água gaseificada. Vejam isto!

Gelo? - perguntou Chris depois de ter encontrado a garrafa.

Não, simples.

Lembra-se daquele filme intitulado O Anjo? - perguntou ele. - Eu vi seis vezes esse filme.

Se anda à procura do assassino - murmurou ela ao deitar a água gasosa no copo - , prenda o produtor e o montador.

Oh, não, não, era excelente, deveras; gostei muito!

Sente-se, faz favor. - Ela indicou a mesa.

Oh, muito obrigado. - Ele sentou-se. - Não, o filme era simplesmente maravilhoso - insistiu. – Bastante comovedor. Mas tinha uma coisa - arriscou ele -, um pequeno pormenor, minúsculo, insignificante. Oh, muito obrigado.

Ela pousou o copo de água na frente dele e sentou-se do outro lado, com os cotovelos em cima da mesa, descansando o queixo sobre as mãos cruzadas.

- Uma pequena falha - resumiu ele com o ar de quem se desculpa. - Apenas uma falha mínima. Acredite-me, por favor. Não passo de um leigo. Percebe? Sou apenas um espectador. Que sei eu? No entanto, pareceu-me... isto para um leigo... que a música prejudicava certas cenas. Era

demasiado intrusiva. - Agora falava com sinceridade; estava interessado. - Fazia-me constantemente lembrar que se tratava de um filme. Percebe? Como ultimamente certos ângulos fantasistas da câmara. Distraem-nos tanto!

A propósito da música, Miss MacNeil! Talvez o compositor se tenha inspirado emMendelssohn, não?

Chris fez os dedos tamborilar de leve na mesa. Que detective estranho. E porque estaria ele constantemente a olhar para o Karl?

- Não faço ideia - volveu ela -, mas estou satisfeita por ter gostado do filme. É melhor beber isso - acrescentou, indicando a água. - Pode perder o gás.

Sim, pois claro. Sou tão falador! A senhora tem que fazer. Desculpe-me. - Levantou o copo como para fazer uma saúde e bebeu-o de um trago, espetando o dedo mínimo com afectação. - Ah, é boa, muito boa. - Respirou satisfeito ao pôr o copo de lado; entretanto pousava de leve a vista na escultura do pássaro de Regan. Servia agora de centro de mesa, de bico trocista flutuando sobre o saleiro e o pimenteiro. É exótico. - Sorriu. - Bonito. - Levantou a vista. - Quem foi o artista? 

A minha filha - disse Chris.

Muito bonito.

Olhe, eu detesto ser...

Sim, sim, eu sei, sou um maçador. Bem, só uma ou duas perguntas e acabamos. Para dizer a verdade, basta uma pergunta; e depois vou-me embora. - Olhava para o relógio de pulso, como se estivesse ansioso por partir. - Visto que o pobre Sr. Dennings - respirou com dificuldade - tinha terminado o filme aqui na área, perguntamos a nós próprios se não teria visitado alguém na noite do acidente.

Então, tirando a senhora, é claro, tinha amigos cá na área?

Oh, esteve cá naquela noite - disse Chris.

Oh? - O detective levantou as sobrancelhas em arco. - Próximo da hora do acidente?

Mas a que horas foi o acidente? - perguntou ela.

Às sete para as cinco - respondeu Kinderman.

Sim, julgo que sim.

Bem, então está o assunto arrumado. - Ele inclinou a cabeça num gesto afirmativo e voltou-se na cadeira como se se preparasse para se levantar. - Estava bêbado, ia a sair, caiu pelas escadas abaixo. Sim, está o assunto arrumado.

Definitivamente. No entanto, só por causa do relatório, pode dizer-me aproximadamente a que horas saiu cá de casa?

O detective procurava a verdade como um solteirão esquisito escolhe a hortaliça no mercado. "Como teria ele chegado a tenente?", perguntava Chris a si mesma.

Não sei - respondeu ela -, não o vi.

Não percebo.

Bem, chegou e partiu quando eu não estava em casa.

Tinha ido a Rosslyn ao consultório de um médico.

Ah, estou a ver. - Sacudiu a cabeça. - Naturalmente. Mas então como sabe que ele esteve cá?

Oh, bem, a Sharon disse...

A Sharon? - interrompeu ele.

Sharon Spencer. É a minha secretária. Estava cá quando Burke apareceu. Ela...

Ele veio visitá-la, a ela?

Não, a mim.

- Pois claro. Desculpe tê-la interrompido.

A minha filha estava doente e a Sharon deixou-o cá enquanto foi buscar uns medicamentos. Mas quando cheguei a casa o Burke já se tinha ido embora.

E que horas eram, por favor?

Cerca das sete e um quarto ou sete e meia.

E a que horas tinha a senhora saído?

Às seis e um quarto, pouco mais ou menos.

A que horas saiu Miss Spencer?

Não sei.

E no intervalo, entre a saída de Miss Spencer e o regresso da senhora, quem ficou em casa com o Sr. Dennings, além de sua filha?

Ninguém.

Ninguém? Ele deixou-a sozinha?

Sim.

Sem os criados?

Não, a Willie e o Karl tinham...

Quem são eles?

Subitamente, Chris sentiu a terra faltar-lhe debaixo dos pés. Apercebera-se de que a entrevista rotineira se transformara de repente num interrogatório cerrado.

Bem, o Karl está aqui. - Fez um movimento com a cabeça, fixando o olhar enfadado nas costas do criado, ainda a limpar o fogão... - E a Willie é a mulher dele - continuou. - São os meus empregados.

- A limpar...

- Tiveram folga da parte da tarde e quando eu cheguei ainda não tinham voltado. A Willie... - Chris fez uma pausa.

A Willie o quê?

Oh, não é nada. - Encolheu os ombros e desviou os olhos das costas musculosas do criado. Tinha reparado que o forno estava limpo. Porque é que o Karl o continuava a limpar?

Chris pegou num cigarro. Kinderman acendeu-lho.

Portanto, só a sua filha pode saber quando é que Dennings se foi embora.

Foi de facto um acidente?

Está claro que sim. Isto é um caso de rotina, Sra.

MacNeil, apenas de rotina. O Sr. Dennings não foi roubado e não tinha inimigos, que saibamos, isto é, cá na zona.

Chris lançou um olhar dardejante na direcção de Karl, mas virou rapidamente a vista para Kinderman. Teria ele reparado? Aparentemente não. Passava os dedos pela escultura.

Este pássaro tem um nome qualquer. Não me consigo lembrar. Chama-se... - Reparou no olhar de Chris e pareceu ficar vagamente embaraçado. - Desculpe-me, sei que tem que fazer. Bem, é só um minuto e acabamos. Então a pequena? Ela deve saber quando partiu o Sr. Dennings.

Não, não sabe. Tinha tomado uma grande dose de tranquilizantes.

Oh, meu Deus, é uma pena, uma pena. - As pálpebras descaídas do detective exudavam preocupação. - É alguma

coisa grave?

Sim, receio bem que sim.

Posso saber...? - inquiriu ele, fazendo um gesto delicado.

Ainda não sabemos.

Tenha cautela com as correntes de ar - advertiu ele com firmeza.

Chris não percebeu o sentido das palavras de Kinderman.

- Uma corrente de ar no Inverno é um tapete voador para as bactérias. A minha mãe costumava dizer isso. Talvez seja um mito popular. Quem sabe? - Encolheu os ombros. - Mas, para falar com franqueza, um mito para mim é como uma ementa num'restaurante francês de luxo. É o disfarce complicado e deslumbrante de uma coisa que de outra maneira não se poderia tragar, talvez assim como um prato de favas - disse ele com sinceridade.

Chris acalmou-se. O cão peludo que patinhava tonto pelos campos de milho tinha regressado.

- O quarto dela não é aquele lá em cima - apontou com o polegar para o tecto -, o que tem uma janela grande que dá para as escadinhas?

Chris confirmou.

Conserve a janela fechada que melhora.

Bem, está sempre fechada e as persianas corridas - disse (Chris, vendo o detective meter a mão gorducha na algibeira interior do casaco.

Ela melhora - repetiu sentencioso. - Não se esqueça de que um homem prevenido...

Chris tornou a fazer tamborilar os dedos no tampo da mesa.

- A senhora tem que fazer. Bem, terminámos. Só um apontamento para o relatório, de rotina, e despeço me.

Tirou da algibeira do casaco um programa passado a stencil de uma exibição do Cyrano de Bergerac numa escola secundária e depois começou a remexer nos bolsos do sobretudo, de onde pescou um coto de lápis amarelo, todo mordido, cujo bico parecia ter sido aguçado com a lâmina de uma tesoura. Espalmou o programa em cima da mesa, desenrugando-o com as mãos.

Agora só um nome ou dois - disse, arquejando. - É Spencer com c?

Sim, com c.

Um c - repetiu ele escrevendo o nome na margem do programa. - E os empregados? John e Willie...?

Karl e Willie Engstrom.

Karl. É isso. Karl. Karl Engstrom. - Escrevinhou os nomes com uma letra grossa, carregada. - Bem, das horas lembro - me - tornou ele numa voz rouca, dando voltas ao programa, à procura de um espaço em branco. – Das horas... Oh, oh, não, espere. Esqueci-me. É verdade, os empregados. A que horas disse a senhora que tinham voltado a casa?

Não disse nada sobre isso. Karl, a que hora chegou a noite passada? - perguntou Chris, em voz alta.

O suíço voltou-se com uma cara impenetrável.

Exactamente às nove e trinta, minha senhora.

Sim, tinha se esquecido das chaves; está certo.

Lembro-me de ter olhado para o relógio da cozinha quando

tocou à porta.

O filme era bom? - perguntou o detective a Karl. - Eu nunca me deixo guiar pelas críticas - explicou ele a Chris, num aparte asmático. - O importante é o que as pessoas pensam, os espectadores.

Paul Scofield no Lear - disse Karl, informando o detective.

Ah, vi esse; é óptimo. Óptimo. Maravilhoso.

Sim, fui ao Crest - continuou Karl - , à sessão das seis. Depois apanhei o autocarro logo a seguir, em frente do cinema e...

Por favor, isso não é necessário - protestou o detective com um gesto. - Por favor.

Não tem importância.

Se quer continuar...

Desci no cruzamento da Avenida Wisconsin com a Rua

  1. Talvez às nove e vinte. Depois, vim a pé até casa.

Ouça, não era obrigado a contar-me isso - declarou o detective - , mas, de qualquer modo, muito obrigado, foi muito amável. Gostou do filme?

Era muito bom.

Sim, eu também gostei. Excepcional. Bem, agora... - Ele voltou- se para Chris e continuou a rabiscar no programa. - Fi-la perder tempo, mas tenho o meu trabalho. - Encolheu os ombros. - Bem, é só um momento e termino.

Trágico... trágico... - suspirou ao escrevinhar nas margens.

- Tanto talento. E um homem que, tenho a certeza, conhecia as pessoas: sabia lidar com elas. Com tantos elementos que o podiam fazer parecer bom ou talvez fazê-lo parecer mau, como o operador, o técnico do som, o compositor, fosse quem fosse... Emende-me, por favor, se não tenho razão, mas parece-me que hoje em dia um realizador de valor tem também de ser um Dale Carnegie, não acha?

Oh, Burke tinha o seu mau génio - suspirou Chris.

Ah, bem, talvez o tivesse com os manda-chuvas - disse o detective endireitando o programa. - Com as pessoas da sua categoria. - Tornou a escrever. - Mas a regra geral são as pessoas humildes, o povo, a gente que trata dos pequenos pormenores, que, se não fossem bem feitos, seriam grandes pormenores, não acha?

Chris olhou para as unhas e, pesarosa, abanou a cabeça.

- Quando o Burke perdia as estribeiras, nunca discriminava - murmurou ela com um fraco sorriso de esguelha.

- Não, meu caro senhor. No entanto, era assim apenas quando estava bêbado.

Acabámos. Já acabámos. - Kinderman pôs um ponto no último i. - Oh, não, mais uma coisa - lembrou-se ele de repente. - A Sra. Engstrom. Eles foram e vieram juntos? - Fez um gesto na direcção de Karl.

Não, ela foi ver um filme dos Beatles – respondeu Chris no momento em que Karl se voltava para responder.

- Entrou poucos minutos depois de mim.

- Porque fiz eu esta pergunta? Não tinha importância. - Encolheu os ombros, dobrou o programa e meteu-o juntamente com o lápis no bolso do casaco. - Bem, isto está pronto. Pela certa que quando chegar ao meu gabinete me vou lembrar de qualquer coisa que deveria ter perguntado. Comigo acontece sempre assim. Bem, posso telefonar-lhe - disse ele resfolegando, ao levantar-se.

Chris levantou-se ao mesmo tempo.

Bom, vou estar fora durante umas semanas - disse ela.

Isto pode esperar - afirmou ele. - Pode esperar. - Olhava para a escultura com um sorriso carinhoso. - É giro. Muito giro - disse ele. Inclinou-se, pegou no pássaro e passou o polegar pelo bico dele.

Chris curvou-se para apanhar uma linha do chão.

- Tem um bom médico? - perguntou o detective. - Para a sua filha, quero eu dizer.

Pousou a escultura no seu lugar e preparou-se para partir. Chris seguiu-o, carrancuda, enrolando a linha à volta do polegar.

Bem, estou certa de que tenho bastantes – murmurou ela. - Seja como for, vou metê-la numa clínica.

É fora da cidade, essa clínica?

É sim.

E é boa?

Vamos a ver, mas segundo as informações que tenho é óptima.

Livre-a das correntes de ar.

Tinham chegado à porta principal da casa. Ele pôs a mão na maçaneta da porta.

- Bem, diria que foi um prazer, mas nestas circunstâncias... - Baixou e sacudiu a cabeça. - Sinto muito. Realmente sinto muitíssimo.

Chris cruzou os braços e fixou a vista no tapete. Depois fez um breve gesto com a cabeça.

Kinderman abriu a porta e saiu. Ao voltar-se para Chris pôs o chapéu na cabeça.

Bem, boa sorte para a sua filha.

Obrigada. - Chris sorriu cansada. - Boa sorte para todos nós.

Ele concordou; tinha nos olhos uma expressão bondosa e triste. Em seguida, afastou-se com o seu andar de pato. Chris ficou a vê-lo encaminhar-se para um carro da polícia estacionado perto da esquina, em frente de uma boca de incêndio. Viu-o levar a mão ao chapéu, ao levantar-se de repente um vento cortante, de sul. Chris fechou a porta.

Depois de entrar no carro-patrulha e de se sentar ao lado do motorista, Kinderman voltou-se para trás e olhou para a casa. Pensou ter notado um movimento na janela de Regan, de um pequeno vulto que fugiu rapidamente para o lado e desapareceu. Não teve a certeza. Vira-o de soslaio ao voltar --se. Mas reparou que as persianas não estavam corridas. Esperou um momento. Ninguém apareceu. Com um intrigado franzir de sobrancelhas, o detective voltou-se e abriu o porta-luvas, tirando de lá um pequeno sobrescrito de papel pardo e um canivete. Fez saltar a lâmina mais pequena do canivete, meteu o polegar dentro do envelope e, com precisão cirúrgica, raspou a tinta da escultura de Regan de debaixo da unha. Quando acabou, ao fechar o envelope, fez um sinal ao sargento sentado ao volante. Arrancaram.

Ao descerem a Rua Prospect, Kinderman meteu o sobrescrito na algibeira.

- Vá devagar - aconselhou ele ao sargento, observando para o tráfego que se adensava à frente. - Estamos em serviço, não a divertir-nos. - Esfregou os olhos com dedos cansados. - Ai que vida - suspirou. - Que vida!

 

Ao fim da tarde, na altura em que o Dr. Klein injectava cinquenta miligramas de Sparine a Regan para ter a certeza de que ela estaria calma durante a viagem para Dayton, o tenente Kinderman, meditativo, com as palmas das mãos apoiadas na secretária, estudava atentamente no seu gabinete os dados fragmentados e desconcertantes. O estreito feixe de luz de um candeeiro de secretária antigo iluminava alguns relatórios dispersos. Não havia mais nenhuma luz. O detective estava convencido de que aquilo o ajudava a reduzir o foco da sua concentração. A sua respiração labutava pesadamente na escuridão, enquanto o olhar pousava ora aqui ora ali. Depois, respirou fundo e fechou os olhos. Liquidação total da mente! exclamou para si mesmo, como fazia sempre, quando desejava limpar o cérebro para descobrir um novo ponto de vista. Tem de ser absolutamente tudo despachado!

Quando abriu os olhos examinou o relatório do patologista sobre Dennings:

... ruptura da espinal medula com fractura de crânio e pescoço, numerosas contusões, lacerações e esco­riações; distensão da pele do pescoço; equimoses da pele do pescoço; ruptura do platisma, do esterno-mastóide, do esplénio, do trapézio e de vários mús­culos mais pequenos do pescoço, com fractura da coluna e das vértebras e ruptura tanto dos ligamentos espinais anteriores como dos posteriores...

Olhou através de uma janela a escuridão da cidade. A cúpula iluminada do Capitólio brilhava. O Congresso ainda trabalhava. Fechou novamente os olhos, recordando a sua conversa com o patologista daquele sector, às onze e cinquenta e cinco, na noite da morte de Dennings.

Poderia ter-se verificado durante a queda?

Não, é muito pouco provável. Só os esternomastoides e os músculos do trapézio seriam suficientes para o evitar. E depois temos também a oposição das várias articulações da coluna cervical, assim como os ligamentos que impedem a deslocação dos ossos.

Apesar de tudo, é possível?

Bem, naturalmente, ele achava-se embriagado e, sem dúvida, aqueles músculos estariam um tanto frouxos.

Talvez a força do impacte inicial fosse suficientemente poderosa e...

Caindo de uns sete ou dez metros antes de bater?

Sim, isso, e se imediatamente antes do impacte a cabeça tivesse ficado presa numa coisa qualquer; por outras palavras, se tivesse havido uma interferência na rotação normal da cabeça e do corpo considerados como uma unidade, bem, então talvez, mas eu digo apenas talvez - , se pudesse obter esse resultado.

Poderia um outro ser humano ter feito aquilo?

Sim, mas teria de ser um homem com uma força excepcional.

Kinderman verificara a história de Karl Engstrom sobre o seu paradeiro na altura da morte de Dennings. As horas da sessão condiziam, assim como os horários do autocarro dos transportes colectivos urbanos. Além disso, o condutor do autocarro que Karl pretendia ter tomado junto do cinema saíra de serviço no cruzamento da Winsconsin com a M, onde Karl afirmara ter descido às nove e vinte aproximadamente. Houvera uma mudança de condutores e o que fora rendido registara as horas no local: 9.18 em ponto.

Ainda mais, na secretária de Kinderman estava o documento relativo a uma acusação formal contra Engstrom, em 27 de Agosto de 1963, onde se alegava que ele furtara uma certa quantidade de estupefacientes, durante um período de vários meses, da casa de um médico de Beverly Hills, onde ele e Willie estavam então empregados.

... nascido em 20 de Abril de 1921, em Zurique, Suíça. Casado com Willie, nascida Braun, em 7 de Setembro de 1941. Uma filha, Elvira, nascida da cidade de Nova Iorque, em 11 de Janeiro de 1943, endereço actual desconhecido. O réu...

O detective considerou o resto desconcertante.

O médico, cujo depoimento era indispensável para o êxito da acusação, bruscamente - e sem qualquer expli­cação - retira a queixa.

Porque procedera assim?

Os Engstrom tinham sido contratados por Chris MacNeil apenas dois meses mais tarde, o que significava que o médico lhes fornecera referências favoráveis.

Porque procedera assim?

Engstrom furtara certamente as drogas e, no entanto, o exame médico feito na altura da acusação não conseguira revelar o mais leve sinal de que o homem fosse um viciado, ou mesmo que se drogasse ocasionalmente.

E porque não?

Com os olhos ainda fechados, o detective recitou baixinho o "Jabberwocky", de Lewis Carrol: Twas brillig and the slithy toves... Um outro dos seus truques para desobstruir o cérebro.

Quando acabou de recitar o poema abriu os olhos e fixou-os na cúpula do Capitólio, tentando conservar a mente vazia. Mas, como habitualmente, viu que era uma tarefa impossível. Suspirando, olhou para o relatório do psicólogo da polícia sobre as recentes profanações na Santíssima Trindade: "... imagem... falo... excrementos humanos... DamienKarras...", sublinhara a vermelho. Respirou naquele silêncio e em seguida pegou numa obra erudita sobre feitiçaria, abrindo-a numa página que tinha marcado com um clip.

Nela relatava o que era uma missa negra, uma forma de culto do diabo, em que o ritual consistia principalmente em 1) exortação (o "sermão") à prática do mal entre a comunidade; 2) cópula com o demónio (considerada dolorosa, sendo o sexo do demónio invariavelmente descrito como "frio como o gelo" e 3) uma série de profanações, na sua maior parte de natureza sexual, na maior mistura entre a simbologia sacra e sacramental e as imagens religiosas como símbolos e práticas ligadas ao erotismo e à vida sexual.

Kinderman passou as páginas até um parágrafo sublinhado que tratava de assassínios rituais. Leu-o devagar, mordendo na polpa do indicador, e ao terminar franziu o sobrolho, fixando a página e abanando a cabeça. Olhou pensativo para o candeeiro. Apagou a luz. Saiu do gabinete e foi no carro até à morgue.

O jovem .contínuo, sentado à secretária, mastigava uma sanduíche de pão de centeio com fiambre e queijo; quando Kinderman se aproximou, varreu as migalhas de cima de um problema de palavras cruzadas.

- Dennings - disse o detective numa voz rouca.

O contínuo acenou com a cabeça, preenchendo uma horizontal de cinco letras; depois, levantou-se e foi pelo corredor com a sanduíche na mão. Kinderman, de chapéu na mão, seguiu o ténue cheiro de grãos de cominho e mostarda até às filas de armários frigoríficos - câmaras do sono sem sonhos usadas para arquivos de olhos sem luz.

Pararam na gaveta do contínuo, inexpressivo, abriu-a e fê-la deslizar. Deu uma dentada na sanduíche e, despreocupado, deixou cair um pedaço de côdea com maionese no sudário.

Kinderman olhou para baixo por um momento; depois, vagarosa e delicadamente, puxou o lençol, expondo o que tinha visto, mas que todavia não podia aceitar.

A cabeça de Burke Dennings estava completamente voltada, com a cara para as costas.

 

No fundo do vale quente e verde do campus, Damien Karras marchava sozinho, a passo rápido, à volta de uma pista oval argilosa, de calções de caqui e de camisola de algodão colada ao corpo, ensopada pelo suor tonificante. À frente, no alto de uma pequena colina, as cúpulas do observatório astronómico, de um branco de cal, pulsavam com o ritmo das suas passadas; atrás, desaparecia a escola médica, juntamente com os pedaços de terra revolvida e as preocupações.

Desde que fora isento dos seus cargos, ia ali diariamente para devorar as milhas e perseguir o sono. Quase o alcançara, quase aliviara a garra de dor que lhe apertava o coração como um sonoro toque de recolher; agora, ela apertava-o com mais brandura.

Vinte voltas à pista...

Muito mais branda.

Mais! Mais duas!

Muito mais branda...

Karras, com os músculos das pernas vigorosas de puro sangue, doloridos, ondulando com uma graça leonina, fazia ressoar o chão, ao dar uma curva, quando reparou em alguém sentado num banco, no sítio onde deixara a toalha, a camisola e as calças. Era um homem de meia-idade, de sobretudo e chapéu de feltro amarrotados. Parecia estar a observá-lo. Estaria? Estava... voltara a cabeça ao ver Karras passar.

O padre acelerou, atacando a volta final com passadas marteladas; depois, ofegante, reduziu a velocidade para uma marcha rápida, ao passar pelo banco, sem um olhar, de mãos levemente apoiadas nas costelas arquejantes. O arfar do peito e dos ombros, de músculos duros como pedras, fazia esticar a camisola, distorcendo a palavra "Filósofos" estampada na frente em letras que outrora tinham sido pretas mas que agora não passavam de uma sugestão desbotada por repetidas lavagens.

O homem de sobretudo levantou-se e aproximou-se dele.

- É o padre Karras? - perguntou o tenente Kinderman com voz rouca.

O padre voltou-se e fez um gesto breve com a cabeça, de olhos franzidos devido à luz do Sol, esperando que Kinderman o alcançasse; depois, fez-lhe sinal para que o acompanhasse e principiou de novo a caminhar.

Não se importa? Se eu parar agora fico com cãibras - disse ele sem fôlego.

Com certeza - respondeu o detective, inclinando a cabeça; após uma careta que denuncia a sua falta de entusiasmo perante a ideia do padre, meteu as mãos nas algibeiras. O caminho desde o parque de estacionamento fatigara-o.

Já nos conhecemos? - perguntou o jesuíta.

Não, padre. Mas uns padres da Residência disseram-me que o senhor parecia um pugilista. - O detective puxou da carteira.

Como se chama?

William Kinderman, padre. - Mostrou o cartão de identificação. - Homicídios.

Palavra? - Karras examinou o distintivo e o cartão de identificação, com o interesse vivo de um garoto. Ao voltar -se para o bamboleante detective, a sua cara, corada e a transpirar, tinha um ar interessante e inocente.

A que propósito vem isso?

Sabe uma coisa, padre? - disse Kinderman examinando as feições vincadas do jesuíta. - Afinal, é verdade. O senhor parece um pugilista. Essa cicatriz, aí ao pé do olho, percebe? - Apontou. - Parece a do Marlon Brando em Waterfront, exactamente a do Marlon Brando.

Com a cicatriz - fez uma demonstração, puxando um canto do próprio olho - a vista dele parecia um pouco fechada, dando-lhe o aspecto de um sonhador, sempre triste. Bem, é o senhor - disse tornando a apontar. - O senhor é o Marlon Brando. Costumam dizer-lhe isso, padre?

Não, não costumam.

Já praticou pugilismo?

Oh, um pouco.

O senhor é desta zona da cidade?

Sou de Nova Iorque.

Golden Gloves. Aceitei?

Acaba de alcançar o posto de capitão. - Karras

sorriu. - E agora, em que lhe posso ser útil?

Ande um pouco mais devagar, se faz favor. Enfisema.

- O detective apontou para a garganta.

Desculpe. - Karras abrandou o passo.

Não tem importância. Fuma?

Sim, fumo.

Pois não devia.

Bem, agora diga-me qual é o problema?

Pois claro, estou a divagar. A propósito, têm que

fazer? - perguntou o detective. - Não o estou a interromper?

A interromper o quê? - perguntou Karras espantado.

Bem, talvez a oração mental.

Ainda há-de chegar a capitão. - Karras sorriu enigmático.

- Perdão, houve aí qualquer coisa que me escapou.

Karras abanou a cabeça, mas continuou a sorrir.

- Duvido que alguma vez lhe escape qualquer coisa - observou. No olhar de soslaio que deitou a Kinderman inseriu uma piscadela maliciosa e interessada.

Kinderman parou e fez um esforço enérgico e desesperado para se mostrar confuso, mas, vendo os olhos franzidos do jesuíta, baixou a cabeça e casquinou, arrependido.

- Oh, bem. Pois... pois... um psiquiatra. Quem estou a enganar? - Encolheu os ombros. - Sabe, é um hábito meu padre. Perdoe-me a choradeira... é o método Kinderman; pura choradeira. Bem, vou parar e falar-lhe francamente daquilo que me traz até si.

- Das profanações - disse Karras, inclinando a cabeça.

- Portanto, desperdicei a minha choradeira – disse baixo o detective.

Desculpe.

Não importa, padre. Foi o que mereci. Sim, são aquelas coisas na igreja - confirmou ele< - Está certo. Mas talvez ainda uma outra coisa além dessas, uma coisa séria.

Um assassínio?

Sim, bata-me outra vez, estou a gostar.

Bem, Secção de Homicídios - disse o jesuíta, encolhendo os ombros.

Não faça caso, não faça caso, Marlon Brando; não faz mal. Já lhe disseram que para padre o senhor é muito sabido?

Mea culpa - murmurou Karras. Embora estivesse a sorrir, sentiu um certo pesar por ter talvez ferido o amor próprio daquele homem. Não o fizera de propósito. E agora sentia se satisfeito pela oportunidade de demonstrar uma sincera perplexidade. - Contudo, não estou a ver o que seja - acrescentou, tendo o cuidado de franzir a testa. - Qual é a relação de -uma coisa com a outra?

Ouça padre, isto pode ficar entre nós? Confidencial?

Como se fosse, digamos, matéria de confissão?

Naturalmente. - Ele olhava com seriedade para o detective. - De que se trata?

Padre, conhece aquele realizador chamado Burke Dennings que estava aqui a fazer o filme?

Bem, vi o.

Viu-o. - O detective fez um gesto afirmativo. – Está inteirado da maneira como ele morreu?

Bem, os jornais... - Karras tornou a encolher os ombros.

Esses só trazem parte do que se passou.

Ah!

Só uma parte. Uma parte. Apenas uma parte. Escute, que sabe a respeito de feitiçaria?

Quê?

Escute com paciência; tenho algo em mente. Agora vamos à feitiçaria, se faz favor. Está familiarizado com o assunto?

Um pouco.

Do ponto de vista da feitiçaria, não do da caça.

Oh, fiz uma vez um trabalho sobre feitiçaria. – Karras sorriu. - O ponto de vista psiquiátrico.

Oh, a sério? Óptimo! Estupendo! É um bónus. O senhor podia ajudar me muito mais do que pensei. Ouça, padre.

Então, a feitiçaria...

O detective pegou no braço do jesuíta ao voltar de uma curva e ao aproximarem-se do banco.

Agora eu, que sou um leigo, e, para falar com franqueza, não tenho instrução... instrução policial, mas leio... Olhe, sei o que dizem dos homens que se fazem a si próprios; dizem que são horríveis exemplos do trabalho não especializado. Mas eu, falando francamente, não me envergonho. De modo algum; sou... - Reteve abruptamente o fluxo de palavras, olhou para o chão e sacudiu a cabeça.

- Choradeira. É o hábito. Não posso acabar com a choradeira. Desculpe-me, o senhor tem que fazer.

Sim, estou a orar.

A resposta breve do jesuíta fora seca e inexpressiva. Kinderman parou um momento e fitou-o.

- Está a falar a sério? Não?

O detective olhou novamente para a frente e continuaram a andar.

Olhe, entremos no assunto: as profanações. Fazem-lhe lembrar alguma coisa relacionada com a feitiçaria?

Talvez. Alguns dos rituais das missas negras.

Um Bom-Mais. E agora Dennings... sabe como ele morreu?

De uma queda.

Bem, eu vou contar lhe a verdade, mas por favor... é confidencial!

Com certeza.

De repente o detective sentiu-se triste ao reparar que Karras não tinha intenção de se sentar no banco.

Não se importa? - perguntou, com ansiedade.

De quê?

Podíamos parar? Talvez sentarmo-nos?

Oh, com certeza. - Retrocederam na direcção do banco.

Não vai ter cãibras?

Não. Agora estou óptimo.

Tem a certeza?

Estou óptimo.

Muito bem, muito bem, se insiste.

Estava a dizer...

Um momento, por favor, só um momento.

Kinderman instalou o seu dolorido volume no banco, com

um suspiro de contentamento.

Ah, assim é melhor, muito melhor - disse ele, enquanto o jesuíta pegava na toalha e limpava o suor do rosto. - A meia-idade. Que vida!

O Burke Dennings?

Burke Dennings, Burke Dennings, Burke Dennings...

- O detective abanava a cabeça enquanto olhava para o chão. Depois fitou Karras. O padre limpava a parte de trás do pescoço. - O Burke Dennings, meu bom padre, foi encontrado no fundo daquelas escadas intermináveis, às sete e cinco exactas, com a cabeça completamente voltada

para trás.

Gritos de excitação chegavam amortecidos do losango de baseball onde a equipa da Universidade treinava. Karras deixou de se enxugar e sustentou o olhar fixo do tenente.

Isso não aconteceu na queda? - perguntou por fim.

Claro, é possível. - Kinderman encolheu os ombros.

- Mas...

Improvável - disse Karras, pensativo.

Sendo assim, de que nos poderemos lembrar, no contexto da feitiçaria?

O jesuíta sentou-se, vagarosamente, com ar pensativo.

Bem - disse ele por fim - , provavelmente os demónios torciam o pescoço às feiticeiras desse modo. Pelo menos, o mito é esse.

É um mito?

Oh, em grande parte - volveu Karras, voltando-se para Kinderman. - Embora morresse gente dessa maneira, suponho: provavelmente, membros de uma seita que renegassem ou revelassem segredos. Isto é apenas uma suposição. Mas sei que era a marca distintiva dos assassinos demoníacos.

Exacto, exacto - disse Kinderman com um gesto afirmativo. - Um assassínio em Londres fez-me lembrar essa relação. Recentemente, padre. Quer dizer, há quatro ou cinco anos. Lembro-me de ter lido nos jornais.

Sim, também li, mas julgo que descobriram tratar-se de uma mistificação qualquer. Não foi assim?

Sim, padre, está certo, absolutamente certo. Mas neste caso, pelo menos, pode ver-se talvez uma certa relação entre isso e as profanações na igreja. Foi talvez algum doido, padre, talvez alguém que tenha ódio à Igreja. Alguma revolta inconsciente...

Um padre doente - murmurou Karras. - É o que está a pensar?

Escute, padre, o senhor é que é o psiquiatra; o senhor é que me vai falar sobre o assunto.

Bem, é claro que as profanações são nitidamente patológicas - disse Karras, pensativo, vestindo a camisola.

- E se Dennings foi assassinado... creio que o assassino é um louco.

E talvez tenha também alguns conhecimentos de feitiçaria, não?

É possível.

É possível - grunhiu o detective. - Portanto, quem é que, correspondendo à acusação e vivendo também na vizinhança, tem simultaneamente acesso à igreja durante a noite?

Um padre doente - disse Karras, aborrecido, pegando num par de calças de caqui, desbotadas pelo sol, que tinha a seu lado.

Ouça, padre, é duro para si... Por favor! Compreendo.

Mas, para os padres aqui do compus, o senhor é o psiquiatra. Portanto...

Não, as minhas atribuições mudaram.

Oh, realmente? A meio do ano?

É a Ordem. - Karras encolheu os ombros ao puxar as calças.

Mesmo assim, devia saber quem, na altura, estava doente e quem não estava. Isto é, quem tivesse uma espécie de doença destas. Havia de saber.

Não, não necessariamente, tenente. De maneira nenhuma. De facto, se o soubesse seria acidentalmente. Não sou um psicanalista, percebe? Sou apenas consultor. De qualquer modo - observou ele abotoando as calças – não conheço realmente ninguém que corresponda à descrição.

- Oh, pois; a ética médica. Mesmo que soubesse não me dizia nada.

- Não, provavelmente não dizia.

A propósito - e só menciono isto de passagem - ultimamente essa ética é considerada ilegal. Não o quero maçar com trivialidades mas, há pouco, um psiquiatra da radiosa Califórnia, nada menos, foi parar à prisão por se recusar a dizer à polícia o que sabia acerca de um doente.

É uma ameaça?

Não seja paranóico. Mencionei o facto de passagem.

Eu podia declarar ao juiz que era matéria de confissão - disse o jesuíta com um sorriso forçado ao meter a fralda da camisa para dentro das calças. - Para falar com franqueza - acrescentou ele.

O detective fitou o padre um pouco triste.

- Quer estabelecer um acordo comigo, padre? - perguntou ele. Depois, afastou os olhos, desconsolado. - "Padre"... qual "padre"? - exclamou com ênfase. – O senhor é judeu; verifiquei isso logo que nos encontrámos.

O jesuíta riu baixinho.

- Está bem, ria-se - disse Kinderman - Ria-se. - Porém, sorriu, parecendo maliciosamente satisfeito consigo próprio. Voltou-se, de olhos a luzir. - Padre, isso faz-me lembrar o exame de admissão na polícia. Quando o fiz, uma das perguntas era mais ou menos assim: Que são rabies e o que faria se encontrasse algum? Sabe o que um daqueles parvos escreveu na resposta? "Rabies são padres judeus, e eu faria por eles tudo o que pudesse." É verdade! - Levantou a mão, como se fosse fazer um juramento.

- Venha daí - dise Karras, dando uma gargalhada. - Vou consigo até ao carro. Está estacionado no parque?

O detective olhou para ele com relutância em mexer-se.

- Então já terminámos?

O padre pôs um pé no banco e inclinou-se, apoiando pesadamente um braço no joelho.

- Escute, na realidade não estou a encobrir ninguém - disse ele. - É verdade. Se soubesse de algum padre como esse que procura, o menos que faria era dizer-lhe que tal homem existia, sem lhe revelar o nome. Depois, creio que me dirigiria ao Provincial. Mas não conheço ninguém em tal situação.

Com certeza - suspirou o detective. - Em primeiro lugar nunca pensei que se tratasse de um padre. - Fez um sinal na direcção do parque de estacionamento. - Sim, o carro está ali.

Na realidade suspeito - continuou o detective ao reencetarem a marcha - que se o dissesse alto o senhor chamava-me doido. Não sei. Não sei. - Sacudiu a cabeça.

- Todas essas agremiações e esses cultos onde matam sem motivo fazem-nos pensarem coisas estranhas. Actualmente, para acompanharmos a época, temos de ser um pouco loucos.

Karras inclinou a cabeça num gesto afirmativo.

Que é essa coisa que traz na camisola? - perguntou o detective, fazendo um sinal em direcção do peito do jesuíta.

Que coisa?

Na camisola - tornou o detective. - As letras da palavra "Filósofos".

Oh, dei uns cursos durante um ano no seminário de Woodstock, em Maryland. Joguei na equipa de baseball... na segunda categoria. Chamava-se Filósofos - disse Karras.

Ah, e a equipa da primeira categoria?

Teólogos.

Kinderman sorriu e sacudiu a cabeça.

Teólogos três, Filósofos dois - ruminou ele.

Filósofos três, Teólogos dois.

Naturalmente.

Naturalmente.

Que coisas estranhas - meditou o detective. - Estranhas. Escute, padre - começou ele, num rumo reticente.

- Escute, doutor... estarei doido, ou haverá possibilidade

de existir por aqui, presentemente, uma seita de feiticeiros?

Oh, deixe-se disso - disse Karras.

Então poderá existir.

Essa não entendo eu.

Agora vou ser eu o doutor - anunciou o detective, furando o ar com o indicador. - O senhor não disse que não, e em vez disso mostrou-se outra vez finório. Está a jogar à defesa meu bom padre, à defesa. Talvez tenha receio de parecer crédulo; um padre supersticioso perante Kinderman, a grande inteligência, o racionalista - bateu com o dedo na têmpora - , o génio aqui a seu lado, a ambulante Idade da Razão. Acertei?

O jesuíta olhou então para ele, com uma suspeita e um respeito crescentes.

Mas é muito perspicaz - observou ele.

Bem, então está certo - grunhiu Kinderman. - Portanto, vou perguntar lhe novamente: haverá possibilidades de existir por aqui uma seita de feiticeiros?

Bem, realmente não sei - respondeu Karras, pensativo e de braços cruzados. - Mas há regiões da Europa onde se dizem missas negras.

Actualmente?

Actualmente.

Quer dizer, como nos velhos tempos, padre? Olhe, li acidentalmente essas coisas a respeito da sexualidade e das estátuas e sabe-se lá que mais. A propósito, não o quero aborrecer, mas fazem-se aquelas coisas todas? Mesmo a sério?

Não sei.

- Então dê-me a sua opinião, padre na retranca.

O jesuíta riu baixinho.

Muito bem; penso que fazem essas coisas, a sério. Pelo menos, suspeito. Mas o meu raciocínio baseia-se muito na patologia. Qualquer pessoa que faça essas coisas é um ser humano bastante perturbado, e perturbado de um modo muito especial. De facto, há um nome clínico para essa espécie de perturbação: satanismo, e aplica-se às pessoas que não podem ter nenhum prazer sexual a não ser relacionado com um acto blasfemo. Bem, não é tão invulgar como isso, mesmo hoje! A missa negra serve apenas de justificação.

Desculpe uma vez mais, por favor... mas as coisas que fizeram às estátuas de Jesus e de Maria?

Que quer saber a esse respeito?

É mesmo verdade?

Bem, julgo que, como polícia, isto lhe deve interessar. - Com o interesse científico desperto e excitado, os modos de Karras tornaram-se calmamente animados. - Os arquivos da polícia de Paris ainda conservam o caso de dois monges de um mosteiro próximo. Vejamos... - Coçou a ca­beça-, ao tentar lembrar-se. - Sim, creio que se trata do de Crépy. Bem, um qualquer não importa. - Encolheu os om­bros. - Ali perto. Seja como for, os monges chegaram a uma estalagem e pediram uma cama para três pessoas. Bem, a terceira carregavam na eles. Era uma estátua em tamanho natural da Mãe Santíssima.

Ah! Isso é chocante - suspirou o detective. - Chocante.

Mas verdadeiro. E uma boa prova de que o que tem lido se baseia em factos.

Bem, a sexualidade, talvez sim, talvez sim. Estou a ver. É uma outra história. Deixemos isso. Mas quanto aos assassínios rituais, padre? É verdade? Então, diga lá!

Utilizam o sangue de recém-nascidos? - O detective aludia a qualquer outra coisa que lera no livro sobre feitiçaria, em que se descrevia que os padres apóstatas cortavam, às vezes, nas missas negras, os pulsos a um recém-nascido, de modo a que o sangue corresse para um cálice, para ser

consagrado mais tarde e tomado sob a forma de comunhão.

- É exactamente como as histórias que costumavam contar

dos judeus - continuou o detective. - Roubavam os bebés cristãos e bebiam-lhes o sangue. Olhe, desculpe-me, mas a sua gente já contou essas histórias todas.

Se o fizemos, perdoe-me.

Está absolvido, está absolvido.

Uma sombra escura e triste perpassou pelo olhar do padre, a sombra da dor repentinamente lembrada. Fixou prontamente a vista no caminho.

- Bem, realmente não sei nada sobre assassínios rituais - disse Karras. - Não sei. Mas uma vez na Suíça uma parteira confessou terem sido assassinados trinta ou quarenta bebés para as missas negras. Oh, bom, talvez ela tivesse sido torturada - emendou ele. - Quem sabe? Mas contou, sem dúvida, uma história convincente. Disse que escondia uma agulha comprida e fina na manga e quando ajudava ao parto puxava da agulha, enterrava-a no alto da cabeça do bebé e depois escondia-a novamente. Não havia sinais - disse ele, olhando para Kinderman. - O bebé parecia nado-morto. Ouviu falar no preconceito que os católicos europeus tinham contra as parteiras? Bem, foi assim que principiou o caso.

É assustador.

Este século não fechou a demência a cadeado. De qualquer maneira...

Espere um momento, desculpe-me. Essas histórias contaram-nas pessoas que foram torturadas, não é verdade? Portanto, basicamente, não são de toda a confiança.

Assinavam o documento da confissão, mais tarde, preenchido por outrem. Quero dizer, nessa altura não existia nada parecido com o habeas corpus, por exemplo.

Não acha que tenho razão?

Sim, tem razão, mas nessa altura muitas das confissões eram também voluntárias.

Mas quem diria voluntariamente tais coisas?

Bem, talvez pessoas com perturbações mentais.

Ah! Outra fonte fidedigna!

Bem, na verdade, tem toda a razão, tenente. Estou apenas a fazer o papel de advogado do Diabo. Mas há uma coisa que temos às vezes tendência para esquecer: é que sendo as pessoas suficientemente psicopatas para confessarem tais coisas, pode conceber-se que sejam suficientemente psicopatas para as terem feito. Por exemplo, os mitos acerca dos lobisomens. De acordo, são ridículos: ninguém se pode transformar em lobo. Mas que me diz de um homem que estivesse tão perturbado que além de pensar ser um lobisomem também procedesse como tal?

Horrível! Mas que é isso agora, padre... teoria ou realidade?

Bem, temos William Stumpf, por exemplo. Ou Peter Stumpf. Não consigo lembrar-me. Seja como for, era um alemão do século dezasseis que pensava ser um lobisomem. Matou talvez umas vinte ou trinta criancinhas.

Quer dizer que confessou?

Sim; mas penso que foi uma confissão válida.

Como assim?

Quando o prenderam ele estava a comer os miolos das duas jovens noras.

Do campo de treino, no claro sol de Abril, vinham os ecos agudos das conversas ali travadas e do embate da bola contra o bastão. "Vá lá, Mullins, vamos treinar. Começa tu!"

O padre e o detective tinham chegado ao parque de estacionamento. Caminhavam agora em silêncio.

Ao chegarem junto do carro da polícia, Kinderman, distraído, estendeu a mão para o fecho da porta, mas deteve-a; depois, taciturno, levantou os olhos e fitou Karras.

Então, padre, de que ando eu à procura? - perguntou ele.

De um louco - respondeu Damien Karras em voz baixa. - Ou talvez de alguém que se drogue.

O detective ponderou; depois assentiu, em silêncio.

Quer uma boleia? - perguntou ele virando-se para o padre e abrindo a porta do carro.

Oh, obrigado, a distância é pequena.

Não importa; aproveite! - Kinderman gesticulou com impaciência ao fazer sinal a Karras para entrar no carro. - Assim, pode contar a todos os seus amigos que já andou num carro da polícia.

O jesuíta riu-se e sentou-se no banco de trás.

- Muito bem, muito bem - suspirou com rouquidão o detective. Em seguida, contorcendo-se, conseguiu sentar-se ao lado do jesuíta e fechar a porta. - Nenhuma distância é pequena - comentou ele. - Nenhuma.

Com Karras a indicar o caminho, seguiram para a nova residência dos Jesuítas, na Rua Prospect, onde o padre arranjara novos aposentos. Ele pensara que, ficando no pavilhão, podia encorajar os homens que tinham já solicitado os seus ofícios a procurar de novo o seu auxílio profissional.

Gosta de cinema, padre Karras?

Muito.

Já viu Lear?

É muito caro.

Eu vi. Tenho bilhetes gratuitos.

Que bom.

Tenho bilhetes gratuitos para os melhores espectáculos. Contudo a minha mulher aborrece-se; nunca quer ir.

Que pena.

É pena, sim; detesto ir sozinho. Compreende, gosto de falar de filmes, de os discutir, de os criticar. - Olhava pela janela, para o lado, desviando os olhos do padre.

Karras sacudiu a cabeça num gesto de concordância e olhou para as suas próprias mãos, grandes e fortes. Tinha -as cruzadas entre as pernas. Passado um momento, Kinderman, hesitante, voltou-se com um ar esperançado.

- Gostaria de ir ver um filme comigo, padre? É de graça... Arranjo bilhetes gratuitos - apressou-se a acrescentar.

O padre olhou para ele a rir.

Tenente, como o Elwood P. Dowd dizia no Harvey:

"Quando"?

Oh, telefono lhe, telefono-lhe! - O detective sorriu, radiante.

Chegados à Residência, pararam. Karras levou a mão ao fecho da porta e abriu-a.

- Está bem, telefone. Olhe, lamento não lhe ter sido mais útil.

- Não tem importância; de qualquer maneira, ajudou-me. - Kinderman fez um vago aceno. Karras saía do carro.

- De facto, para um judeu que tenta ser aceite, o senhor é um homem muito simpático.

Karras voltou-se, fechou a porta e debruçou-se na janela com um sorriso leve e amistoso. - Já alguma vez lhe disseram que se parece com o Paul Newman?

- Estão-me sempre a dizer isso. E acredite-me, o Sr. Newman luta para sair de dentro deste corpo. Há cá muita gente. Também tem dentro o Clark Gable.

Karras, sorrindo, fez um gesto de adeus e começou a caminhar.

- Padre, espere!

Karras voltou-se. O detective saía do carro com dificuldade.

Ouça, padre, esqueci-me - disse, arquejante, aproximando-se. - Tive uma ideia súbita. Lembra se do quadro com umas asneiras escritas... aquele que foi encontrado na igreja?

Refere-se à sacra?

Ou isso. Ainda está por aí?

Ainda. Tenho-a no meu quarto. Estou a verificar o latim. Quere-a?

Queria, sim. Talvez nos revele alguma coisa. Quem sabe?

Só um momento. Vou buscá-la.

Enquanto Kinderman esperava na rua, junto do carro da polícia, o jesuíta foi ao quarto, que ficava no rés-do-chão e deitava para a Rua Prospect, e trouxe a sacra, que entregou a Kinderman.

- Talvez tenha algumas impressões digitais – disse Kinderman examinando-a. Depois deu a impressão de se ter lembrado de repente de outra coisa. - Não, espere, o senhor tem-lhe mexido. Bom raciocínio. À sua frente, o judeu Mr. Moto. - Manuseava a folha de plástico transparente. - Ah, não, espere aí; a folha sai, sai, sai cá para fora! - Depois, fitou Karras com certo desânimo. - Tem-lhe mexido por dentro também, Kirk Douglas?

Karras sorriu pesaroso e disse que sim com a cabeça.

Não faz mal, pode ser que se encontre qualquer outra coisa. A propósito, já examinou isto?

Examinei, sim.

Quais foram as suas conclusões?

Não me parece que seja obra de um brincalhão - disse Karras, encolhendo os ombros. - De princípio pensei que talvez fosse um estudante. Mas duvido. Quem quer que seja, está profundamente perturbado.

É como diz.

E o latim... - Karras reflectiu. - Não é apenas impecável, tenente, é... bem, tem um estilo definido, muito original, como se a pessoa que fez isso estivesse habituada a pensar em latim.

Os padres pensam?

Oh, deixe-se de brincadeiras.

Por favor, responda apenas à pergunta, padre Paranóia.

Com certeza, fazem-no em dada altura da sua instrução. Pelo menos os jesuítas e os membros de algumas outras ordens. No seminário de Woodstock certos cursos de Filosofia são dados em latim.

Para quê?

Para se obter uma maior precisão de pensamento. É como o Direito.

Ah, compreendo.

Olhe, tenente - disse Karras com uma súbita expressão de seriedade -, posso dizer-lhe quem realmente penso que fez isso?

Quem foi? - volveu o detective, aproximando-se mais.

- Os Dominicanos. Vá interrogá-los a eles.

Karras riu-se, fez um sinal de adeus e afastou-se.

- Menti! - gritou-lhe o detective mal humorado. – O senhor parece-se com o Sal Mineo!

Kinderman ficou a observá-lo, enquanto o padre esbo­çava outro gesto de despedida e entrava na Residência. Depois, voltou-se e entrou no carro da polícia. Sentado, imóvel, respirou com dificuldade, olhando para o chão do carro. "Este homem vibra, vibra", murmurou. "Exactamente como um diapasão debaixo de água." Manteve o olhar baixo durante mais um momento e depois voltou-se e disse ao condutor.

- Muito bem, voltemos para a sede. Depressa, mesmo que tenha de infringir as leis.

O novo quarto de Karras estava mobilado com sim­plicidade: cama estreita, uma cadeira confortável, secretária e uma estante de parede. Em cima da secretária tinha uma fotografia da mãe, em nova; da parede, junto à cama, pendia, em reprovação silenciosa, um crucifixo de metal.

O estreito quarto constituía um mundo suficiente para ele. Interessava se pouco por bens materiais; queria apenas que aqueles que possuía estivessem limpos.

Tomou um duche, esfregou-se vigorosamente e em seguida vestiu umas calças de caqui e uma camisola de desporto e dirigiu-se vagarosamente para o refeitório dos padres onde descobriu Dyer, com as faces coradas, sentado sozinho a jantar, numa mesa de canto.

- Olá, Damien - disse Dyer ao ver o outro aproximar-se. O jovem padre vestia um pullover desbotado.

Karras, em pé junto da cadeira, curvou a cabeça e deu graças num murmúrio rápido. Em seguida benzeu-se, sentou-se e cumprimentou o amigo.

Como vai o preguiçoso? - perguntou Dyer, enquanto Karras desdobrava o guardanapo no regaço.

Quem é o preguiçoso? Estou a trabalhar.

Uma lição por semana?

O que conta é a qualidade - disse Karras. - Que há para jantar?

Não lhe cheira?

Oh, merda, é o dia dos cachorros. Salsichas e chucrute.

O que conta é a quantidade - replicou Dyer com serenidade.

Karras sacudiu a cabeça e pegou num jarro de alumínio com leite.

Eu não faria isso - murmurou Dyer sem expressão, ao pôr manteiga numa fatia de pão integral. - Vê as bolhas? É salitre.

É do que preciso - retorquiu Karras. Ao inclinar o copo para o encher de leite ouviu alguém sentar-se à mesa.

Bem, afinal já li aquele livro - disse alegremente o recém-chegado.

Karras levantou a vista e, num doloroso desânimo, sentiu um peso suavemente esmagador, uma pressão de chumbo, ao reconhecer o padre que viera recentemente procurá-lo para se aconselhar, aquele que não podia criar amizades.

- Oh, e o que pensa dele? - perguntou Karras, pousando o jarro como se fosse o pequeno livro de novenas cuja leitura tivesse interrompido.

O jovem padre começou a falar e meia hora mais tarde, ainda à mesa, Dyer, irrequieto, animava o refeitório com gargalhadas. Karras consultou o relógio.

- Quer vestir um casaco? - perguntou ele ao jovem padre. - Podemos atravessar a rua e ver o pôr do Sol.

Pouco depois estavam encostados a uma grade no alto das escadas que desciam para a Rua M. Os raios brilhantes do sol poente flamejavam com esplendor em direcção às nuvens, no ocidente do céu, e fragmentavam-se em ondu­lantes salpicos escarlates nas águas escuras do rio. Karras encontrara Deus uma vez naquele espectáculo. Há muito tempo. Como um amante abandonado, continuava a comparecer à entrevista.

É de facto um belo espectáculo - disse o homem mais novo.

É sim - concordou Karras. - Faço o possível para vir aqui todas as tardes.

O relógio do campus repercutiu as horas. Sete.

Às 7.23, o tenente Kinderman examinava uma análise espectrográfíca que provava que a tinta da escultura de Regan era idêntica à da estátua profanada da Virgem Maria.

E às 8.47, num bairro pobre da parte norte da cidade, Karl Engstrom, impassível, emergiu de um prédio de aluguer infestado de ratos; percorreu três quarteirões, para sul, até chegar à paragem do autocarro; aí, esperou sozinho um minuto, sem expressão, e em seguida encostou se, soluçando, a um candeeiro.

Àquela hora o tenente Kinderman estava no cinema.

 

Na quarta-feira, 11 de Maio, regressaram a casa. Meteram Regan na cama, colocaram um cadeado nas janelas do quarto dela e da casa de banho.

...tem cada vez menos momentos de lucidez e agora receio que se verifique uma obliteração total da consciência durante as crises. Isto é novo e parece eliminar a possibilidade da histeria verdadeira. Entretanto, um ou dois sintomas daquilo a que chamamos fenómenos parapsíquicos têm...

O Dr. Klein chegou e Chris e Sharon escutaram no enquanto ele lhes dava instruções sobre a maneira correcta de proceder à administração de alimentos a Regan, com Sustagene durante os períodos de coma. O médico inseriu o tubo nasogástrico.

Primeiro... - Chris esforçou se por prestar atenção, sem todavia ver a cara da filha e por apreender as palavras que o médico dizia e esquecer outras que ouvira na clínica.

Elas infiltravam-se-lhe na consciência, como a neblina através das folhas de um salgueiro dobrado pela chuva.

Agora, aqui, a senhora declarou "Sem religião", Sra.

MacNeil. Está correcto? Nenhuma educação religiosa?

Oh, bem, apenas "Deus". Na generalidade, percebe?

Porquê?

Bem, por um lado, o conteúdo de muitos dos seus delírios quando não é aquela algaraviada, fazer pressupor uma orientação religiosa. Diga-nos, onde é que pensa que ela vai buscar aquilo tudo?

Bem, dê-me um exemplo.

Oh, "Jesus e Maria, sessenta e nove", por exemplo.

Klein introduzira o tubo no estômago de Regan.

Primeiro, certificamo-nos de que o líquido não vai para os pulmões - disse ele, apertando o tubo para impedir o escoamento do Sustagene, - Se ele...

"...síndroma de um tipo de doença que raramente se encontra actualmente, excepto nas culturas primitivas. Chamava-se possessão sonambuliforme. Com toda a franqueza, pouco sabemos a seu respeito, a não ser que começa com um conflito ou culpabilidade que even­tualmente leva o doente a ter a ilusão de que o seu corpo foi invadido por uma inteligência estranha, por um espírito, se quiser. Em tempos idos, quando a crença no diabo era bastante forte, a entidade possuidora era na generalidade um demónio. No entanto, em casos relativamente modernos é, na maioria das vezes, o espírito de um morto, com frequência alguém que o doente conheceu ou viu e de quem é capaz de imitar inconscientemente a voz e os modos, por exemplo; e até a mímica, por vezes. Eles..."

Depois de o Dr. Klein ter partido, cabisbaixo, Chris telefonou ao seu agente em Beverly Hills e declarou-lhe, com torpor, que não realizaria a sua parte do filme. Depois, telefonou à Sra. Perrin. Tinha saído. Chris desligou com um crescente sentimento de desespero. Alguém. Ela tinha de arranjar auxílio de... Casos em que é mais fácil lidar com o espírito dos mortos; em muitos desses casos não se encontram as fúrias, nem a hiperactividade e a excitação motora. No entanto, no outro tipo principal de possessão sonambuliforme, a nova personalidade é sempre malévola, sempre hostil para com a primeira. O seu fim principal é, de facto, feri-la, torturá-la e por vezes até matá-la.

Tinham encomendado um conjunto de correias, e agora, de pé, Chris, pálida e exausta, observava Karl, que as prendia à cama e depois aos pulsos de Regan. Quando Chris ajeitou a almofada, num esforço para a centrar sob a cabeça de Regan, o suíço endireitou-se e olhou com pena para a cara desfigurada da criança.

- Vai ficar boa? - perguntou ele. Um vestígio de emoção matizara as suas palavras; tinham sido ligei­ramente grifadas pela preocupação.

Porém Chris não pôde responder. Enquanto Karl lhe falava, pegara num objecto que estava debaixo da almofada de Regan.

- Quem é que pôs este crucifixo aqui? - perguntou ela.

A síndroma é apenas a manifestação de um conflito, de culpabilidade. Por isso, tentamos localizá-lo e descobrir o que representa. Pois bem, o melhor processo de tratamento num caso como este é a hipno-terapia; no entanto, parece que não conseguimos hipnotizá-la. Por isso tentamos então a narcossíntese. Todavia, para sermos francos, parece outro beco sem saída.

- Portanto, que se poderá seguir?

- Receio bem que só o tempo, apenas o tempo trará a solução. Temos de continuar com tentativas e esperar uma

modificação. Entretanto é preciso hospitalizá-la para um...

Chris encontrou Sharon na cozinha colocando a máquina de escrever em cima da mesa; acabava de a trazer do quarto de brinquedos, na cave. Willie cortava cenouras para um guisado, no lava-louça.

Foi você que pôs o crucifixo debaixo da almofada da Regan, Shar? - perguntou Chris sob forte tensão.

Que quer dizer? - perguntou Sharon aturdida.

Não foi você?

Chris, eu nem sequer sei de que é que você está a falar.

Escute, já lhe disse no avião que a única coisa que tenho dito a Rags é que "Deus fez o mundo" e talvez coisas acerca...

Óptimo, Sharon, óptimo, acredito, mas...

Não pus lá nada - resmungou Willie, na defensiva.

Raios me partam! Alguém lá o pôs! - explodiu Chris. Em seguida virou se e viu Karl, que entrara na cozinha, abrir a porta do frigorífico. - Olhe, pergunto-lhe mais uma vez - gritou num tom que raiava o desespero - , foi você que pôs aquele crucifixo debaixo da almofada de Regan?

Não, minha senhora - respondeu Karl calmamente.

Embrulhava cubos de gelo numa toalha de rosto. - Não.

Cruzes, não.

Aquela maldita cruz não foi lá parar pelo seu pé. Raios vos partam, um de vocês está a mentir! - A ira que irradiava estupidificou a casa. - Têm de me dizer quem a pôs lá, quem... - De repente, deixou-se cair numa cadeira e desatou a soluçar, com a cara entre as mãos trémulas. - Oh, desculpem-me, desculpem-me. Não sei o que estou a fazer! Ó meu Deus, não sei o que estou a fazer!

Willie e Karl observaram-na silenciosos e Sharon foi ao pé dela e fez-lhe uma festa no pescoço com uma mão reconfortante.

- Oh, não se inquiete - disse Sharon.

Chris limpou a cara a uma manga.

Creio que quem quer que o tenha feito tentava apenas ajudá-la.

Escutem, torno a dizer-lhes, e é melhor que me acreditem, ainda não chegou a altura de a meter num hospital de doidos!

- É o...

- Pouco me interessa o que lhe chamam! Não a vou perder de vista!

Bem, lamento.

Pois sim, lamente! Merda! Oitenta e oito médicos e tudo o que me sabem dizer é...

Chris acendeu um cigarro, tirou algumas baforadas e esmagou-o nervosamente no cinzeiro, subindo em seguida ao andar de cima para ver Regan. Abriu a porta. Na penumbra do quarto descobriu um vulto junto da cama de Regan, sentado numa cadeira de madeira,-de espaldar. Karl. "Que estará ele a fazer aqui?" perguntou a si mesma.

Quando Chris se aproximou o criado não levantou a vista; manteve o olhar na cara da criança. Tinha o braço estendido e tocava-a. Que tinha na mão? Ao chegar ao lado da cama, Chris viu o que era: o saco de gelo improvisado que fizera na cozinha. Karl refrescava a testa de Regan.

Chris ficou sensibilizada; de pé, observou-o com surpresa, e, como Karl não se mexesse nem parecesse dar pela sua presença, voltou-se e saiu do quarto, silenciosamente.

Foi à cozinha, bebeu café puro e fumou outro cigarro. Depois, obedecendo a um impulso, dirigiu-se para o gabinete de trabalho. Pode ser... pode ser...

"...uma fraca possibilidade, uma vez que a possessão se relaciona vagamente com a histeria e visto que a origem da síndroma é quase sempre auto-sugestiva. Como a sua filha devia saber da existência de possessões, acreditar em possessões e conhecer alguns dos seus sintomas, o seu inconsciente origina agora a síndroma. Se se conseguir determinar isto pode tentar-se uma forma auto-sugestiva de cura. Penso que deveremos proceder neste caso a um tratamento de Choque, embora, suponho, muitos outros terapeutas não concordem com tal método. Pois bem, como disse, é uma possibilidade muito fraca e, como a senhora se opõe a que a sua filha seja hospitalizada, eu..."

Por amor de Deus, que se fará então?

Já alguma vez ouviu falar de exorcismos, Sra.MacNeil?

Os livros do gabinete de trabalho faziam, por assim dizer, parte do mobiliário e Chris não estava familiarizada com eles. Agora, examinava-lhes os títulos, procurando, procurando...

... ritual estilizado agora pouco usado, por meio do qual os rabinos e os padres tentavam expulsar o demónio.

Só os católicos o não suprimiram ainda, mas conservam-no bastante em segredo, como se fosse um embaraço, penso.

Mas para alguém que se pensa estar realmente possesso, diria que o ritual é deveras impressionante. De facto, era eficaz, embora naturalmente o não fosse pelas razões que pensavam; a sua eficiência residia meramente na força da sugestão. A crença da vítima na possessão ajudava a provocar a síndroma, ou pelo menos a sua aparência, e, exactamente do mesmo modo, a fé no poder do exorcismo podia fazê-lo desaparecer. É... ah, a senhora franze o sobrolho. Bem, talvez deva falar-lhe dos aborígenes australianos. Estão convencidos de que, se algum feiticeiro lhes enviar um "raio da morte" à distância, morrerão, percebe? É de facto o que acontece! Deitam-se no chão e morrem, lentamente! A única coisa que por vezes os salva é uma forma de sugestão semelhante: um "raio" contrário de outro feiticeiro!

Está a aconselhar-me a levá-la a um curandeiro?

Sim, suponho que estou a dizer mais ou menos isso: como um recurso desesperado, talvez a um padre. É um conselho bastante bizarro, bem sei, de facto até é perigoso, a não ser que nos possamos certificar definitivamente se a Regan sabia o que quer que fosse sobre possessão e em especial sobre exorcismas, antes de tudo isto ter aparecido.

Pensa que ela poderia ter lido alguma coisa a esse respeito?

Não, não creio.

Teria visto algum filme sobre o assunto? Alguma coisa na televisão?

Não.

Teria talvez lido os Evangelhos? O Novo Testamento?

Porquê?

Há neles umas quantas narrativas de possessões; de exorcismas feitos por Cristo. As descrições dos sintomas são de facto as mesmas das possessões actuais. Se a senhora...

Olhe, não vale a pena. Não faça caso. Não falemos mais disso! Só me falta que o pai dela saiba que chamei um bando de... a unha do indicador de Chris ia vagarosamente de lombada em lombada. Nada, nem Bíblia, nem Novo Testamento. Nem um...

Calma!

Os seus olhos voltaram rapidamente atrás, ficando-se num título na prateleira do fundo. O volume sobre feitiçaria que a Mary Jo Perrin lhe enviara. Chris puxou-o da prateleira e foi ao índice, fazendo correr a unha do polegar pelo...

Cá está!

O título de um capítulo pulsou como uma batida do coração: "Estados de possessão."

Chris fechou o livro e os olhos ao mesmo tempo, pensando... pensando...

Talvez... só talvez...

Abriu os olhos e encaminhou-se vagarosamente para a cozinha. Sharon escrevia à máquina. Chris mostrou-lhe o livro.

- Leu isto, Shar?

A loura continuou a escrever, sem levantar a vista.

Li o quê? - perguntou ela.

Este livro sobre feitiçaria.

Não.

Foi você quem o pôs no gabinete?

Não. Nunca lhe mexi.

Onde está a Willie?

No mercado.

Chris acenou com a cabeça, reflectindo. Em seguida, voltou para cima, para o quarto de Regan. Mostrou o livro a Karl.

Karl, você pôs isto no gabinete? Na estante?

Não, minha senhora.

Talvez fosse a Willie - murmurou Chris, olhando para o livro. Sentia-se invadida pela fina vibração das suposições. Teriam os médicos da Clínica Barringer razão? Seria aquilo? Teria Regan contraído a doença pela auto-sugestão das páginas daquele livro? Encontraria ali a descrição dos seus sintomas? Qualquer coisa específica das que Regan fazia?

Chris sentou-se à mesa, abriu o livro no capítulo sobre possessões e começou a procurar, a procurar, a ler:

Imediatamente derivado da crença prevalecente em demónios era o fenómeno conhecido por possessão, um estado no qual muitos indivíduos acreditavam que as suas funções físicas e mentais tinham sido invadidas e estavam a ser controladas por um demónio (mais comum no período em dis­cussão) ou pelo espírito de algum morto. Não há período histórico ou parte do mundo em que este fenómeno não tenha sido observado em condições mais ou menos semelhantes, e todavia ainda não foi suficientemente explicado. Desde o trabalho definitivo de Traugott Oesterreich, publicado pela primeira vez em 1921, muito pouco tem sido acrescentado a esse conjunto de conhecimentos, não obstante os progressos da psiquiatria.

Não foram completamente explicados? Chris franziu as sobrancelhas. Recebera dos médicos uma impressão diferente.

O que se sabe é o seguinte: que várias pessoas, em diferentes épocas, têm passado por consideráveis transformações, tão completas que os que as rodeiam sentem que estão a tratar com outra pessoa. Além de se verificar alteração na voz, nos maneirismos, nas expressões faciais e nos movimentos característicos, o próprio sujeito representa-se agora como um ente totalmente distinto da pessoa original, com nome - humano ou demoníaco - e história próprios...

Os sintomas, onde mencionaram os sintomas?, pensou Chris, impaciente.

... No arquipélago malaio, onde a possessão é, mesmo hoje, um acontecimento vulgar e diário, o espírito dominador de um morto obriga muitas vezes o possesso a imitar os seus gestos, voz e maneirismos de um modo tão impressionante que os parentes do morto desatam a chorar. Mas, exceptuando as chamadas quase possessões - aqueles casos que finalmente são redutíveis a fraude, paranóia e histeria - o problema residiu sempre na interpretação dos fenómenos, sendo a mais antiga a espírita, uma impressão que, provavelmente, é reforçada pelo facto de a personalidade invasora poder ter dons totalmente estranhos à primeira. Na forma demoníaca da possessão, por exemplo, o "demónio" pode falar línguas desconhecidas da primeira personalidade, ou...

Aqui! Alguma coisa! A algaraviada de Regan! Uma tentativa de linguagem? Continuou a ler rapidamente.

...ou manifestar vários fenómenos parapsíquicos, por exemplo, a telecinesia: a movimentação de objec tos sem a aplicação de força material.

As pancadas? O lançar-se para cima e para baixo na cama?

... Em casos de possessão pelos mortos verificam -se manifestações como a relatada por Oesterreich, relativamente a um monge que, de repente, quando possesso, se transformava num dançarino brilhante e talentoso, embora, antes da possessão, nunca tivesse tido a oportunidade de dar sequer um passo de dança. Estas manifestações são por vezes tão impressionantes que Jung, o psiquiatra, depois de estudar um caso em primeira mão, só pôde dar uma expli­cação parcial do que tinha a certeza de "não poder ter sido uma fraude"... Inquietante. Aquilo tinha um tom inquietante.

... e William James, o maior psicólogo que a América jamais teve, deu como provada "a plausibili­dade da interpretação espírita do fenómeno" depois de estudar cuidadosamente o chamado "Prodígio de Watseka", uma jovem de Watseka, no Ilinóis, cuja personalidade se tornara indistinguível da de uma rapariga chamada Mary Roff, que morrera num hos­pital de doidos, doze anos antes da possessão...

De testa franzida, Chris não ouviu o toque da campainha da porta; não ouviu Sharon deixar de escrever à máquina e levantar se para ir atender.

Habitualmente pensa se que a forma demoníaca da possessão teve a sua origem no cristianismo primitivo; contudo, tanto a possessão como o exorcismo são, de facto, anteriores ao tempo de Cristo. Os antigos Egípcios, bem como as primeiras civilizações do Tigre e do Eufrates, acreditavam que as doenças físicas e mentais eram causadas pela invasão do corpo pelos demónios. Por exemplo, a fórmula do exorcismo contra as doenças das crianças no Egipto antigo era a seguinte: "Vai-te, tu que vens na escuridão, cujo nariz está voltado para trás, cuja face está com o cimo para baixo. Vieste para beijar esta criança? Eu não te deixarei..."

- Chris?

Ela continuava a ler, absorvida.

Estou ocupada, Shar.

Está aqui um detective de homicídios que a quer ver.

Oh, Sharon, diga lhe que... - Deteve-se. - Não, não, espere aí. - Chris franziu o sobrolho, com a vista fixa ainda no livro. - Não. Diga lhe que entre.

Som de passos.

Som de expectativa.

De que estou eu à espera?, pensou Chris. Quedou-se numa expectativa, conhecida mas indefinida, como um sonho vivido, do qual nunca nos podemos recordar.

O detective entrou acompanhado por Sharon; as suas mãos amarrotavam a aba do chapéu, asmático, dobrado e deferente.

Lamento. A senhora está ocupada, venho maçá-la.

Como vai isso?

Muito mal, muito mal. Como está a sua filha?

Na mesma.

Ah, tenho pena, tenho muita pena. - Ele encontrava-se agora junto da mesa, pesadão, de pálpebras a gotejar preocupação. - Olhe, eu nem queria incomodar; a sua

filha; é uma aflição. Só Deus sabe, quando a minha Ruthie teve as... não, não, não, foi a Sheila, a minha pequena...

Sente-se, por favor - interrompeu Chris.

Ah, sim, muito obrigado - disse ele, arquejante, instalando agradecido o corpo volumoso numa cadeira, do outro lado da mesa, em frente de Sharon, que voltara à máquina e às cartas.

Desculpe, o senhor dizia?... - perguntou Chris ao detective.

Bem, a minha filha, ela... oh, não faça caso. – O detective decidiu não se referir ao assunto. - A senhora tem que fazer. Vou começar, vou contar-lhe a história da minha vida. A senhora talvez pudesse fazer dela um filme. Na realidade, é incrível! Se soubesse metade do que costumava acontecer na minha extravagante família, percebe? Como o meu... ah, pois, uma pessoa é... Uma! Vou contar-lhe uma!

Aquela da minha mãe, que nos fazia peixe gefilte todos os domingos, está bem? Só que durante toda a semana ninguém conseguia tomar banho. A minha mãe metia a carpa na banheira, onde nadava de um lado para o outro, para trás e para a frente, a semana inteira. A minha mãe dizia que aquilo lhe tirava o veneno do organismo! Está preparada? É porque a... Ah, basta; basta. - Suspirou, cansado, movendo a mão num gesto de abandono. – Mas faz bem dar uma gargalhada de vez em quando, só para a gente não chorar.

Chris observava o com um olhar inexpressivo, à espera...

Ah, a senhora está a ler. - Passou a vista pelo livro sobre feitiçaria. - É para um filme? - perguntou.

Estava só a ler.

É bom?

Comecei agora.

Feitiçaria... - murmurou ele, pondo a cabeça de lado e lendo o título no alto da página.

E que tem isso?

Sim, desculpe-me. A senhora está ocupada. Está ocupada. Vou terminar. Como dizia, não a incomodaria, se não fosse...

Se não fosse o quê?

Com uma súbita expressão séria, ele cruzou as mãos em cima da mesa.

Bem, o Sr. Dennings, Sra. MacNeil...

Sim...

Que chatice! - atirou Sharon, irritada, arrancando uma carta da máquina. Fê-la numa bola e lançou-a para o cesto de papéis colocado junto de Kinderman. - Oh, perdão - desculpou-se ela ao ver que a sua explosão os interrompera.

Chris e Kinderman ficaram a olhar.

É Miss Fenster? - perguntou o detective.

Spencer - disse Sharon, puxando a cadeira para trás para se levantar e ir buscar a carta.

Não faz mal, não faz mal - disse Kinderman, dobrando-se e apanhando, do chão, junto a seus pés, a página amarrotada.

Obrigada - disse Sharon.

De nada. Desculpe... a senhora é a secretária?

Sharon, o Sr. ...

Kinderman - lembrou-lhe o detective. – William Kinderman.

Exacto. É a Sharon Spencer.

Muito prazer - disse Kinderman à loira, que, de braços cruzados sobre a máquina, o olhava com curiosidade. - Talvez possa ajudar - acrescentou ele. - Na noite do falecimento do Sr. Dennings, a senhora saiu para ir a um dmgstore e deixou-o sozinho em casa, não é verdade?

Bem, não; a Regan estava cá.

É a minha filha - esclareceu Chris.

Kinderman continuou a interrogar Sharon.

Ele tinha vindo visitar a Sra. MacNeil?

Sim, tinha.

Ele esperava que ela viesse em breve?

Bem, eu disse-lhe que esperava que ela voltasse bastante cedo.

Muito bem. E a que horas saiu a senhora? Lembra se?

Vejamos. Estava a ver o noticiário, portanto, creio... ah, não, espere... sim, assim é que foi. Recordo-me de ter ficado aborrecida porque o farmacêutico afirmou que o moço de recados já se tinha ido embora. Lembro-me de que lhe disse: "Oh, veja lá", ou qualquer coisa relativa a serem só seis e meia. Então o Burke chegou, talvez uns dez ou vinte minutos depois.

Portanto - concluiu o detective - a média indica-nos que ele chegou às seis e quarenta e cinco.

E afinal para que é tudo isto? - perguntou Chris, sentindo um vago nervosismo.

Bem, sugere uma pergunta, Sra. MacNeil – resfolegou Kinderman, voltando a cabeça para olhar para ela. - Chegou cá a casa, digamos, às sete menos um quarto e partir apenas quinze minutos mais tarde...

Oh, bem, o Burke era assim - disse Chris. - Isso era mesmo dele.

E era também do Sr. Dennings - inquiriu Kinderman - frequentar os bares da Rua M?

Não.

Não, pensei que não. Fiz uma pequena investigação. E era também seu costume andar de táxi? Não costumava chamar um táxi pelo telefone quando se ia embora?

Sim, costumava.

Então, uma pessoa tem curiosidade em saber, não é verdade? Como se explica que ele ande a passear no terraço do alto das escadas? E porque é que as companhias de táxis

não registaram nenhuma chamada cá de casa naquela noite - acrescentou Kinderman - excepto a do táxi que veio cá buscar Miss Spencer às seis e quarenta e sete em ponto?

Não sei - respondeu Chris, numa voz sem timbre... esperando...

O senhor sabia desde o princípio! - exclamou Sharon, perplexa, dirigindo-se a Kinderman.

- Sim, desculpe - disse lhe o detective. - Contudo, o assunto torna se sério.

Chris, com a respiração cortada, olhou fixamente para o detective.

- Sob que aspecto? - perguntou ela. A voz saiu-lhe fraca da garganta.

Ele inclinou-se para a frente, ainda de mãos cruzadas em cima da mesa, a página dactilografada, feita numa bola, entre eles.

O relatório do patologista, Sra. MacNeil, parece mostrar que a probabilidade de a morte ter sido acidental é ainda muito possível... No entanto...

Está a dizer que ele foi assassinado? - Chris ficou rígida.

A posição... bem, eu sei que é doloroso...

Ande, diga.

A posição da cabeça de Dennings e os músculos dopescoço seccionados de determinada maneira indicariam...

Oh, meu Deus! - Chris estremeceu.

Sim, é doloroso. Lamento; lamento muito. Mas como vê, aquele aspecto - podemos omitir os pormenores - nunca poderia apresentar-se a não ser que o Sr. Dennings tivesse caído de uma certa distância antes de atingir os degraus, percebe? Por exemplo, uns sete ou dez metros antes de ter rolado até ao fundo. Portanto, uma nítida possibilidade, para falar com franqueza, talvez seja... Bem, primeiro permita me que lhe pergunte... Ele voltara-se então para Sharon, que franzia o sobrolho. Quando saiu, onde é que estava o Sr. Dennings? Com a criança?

Não, cá em baixo, no gabinete. Ficou a preparar uma bebida.

Lembrar-se-á a sua filha... - ele voltou-se para Chris - se acaso o Sr. Dennings esteve no quarto dela naquela noite? Teria ela estado alguma vez só com ele?

Porque faz essa pergunta?

A sua filha lembrar-se-á?

Não, como já lhe disse, ela estava cheia de tranquilizantes e...

Sim, a senhora disse-me. É verdade; lembro-me; mas talvez ela acordasse... Não teria acontecido? E...

Não há possibilidade. E...

Também tinha tomado tranquilizantes - interrompeu ele - da última vez que falámos?

Bem, de facto tinha - recordou-se. - E depois?

Julgo que a vi naquele dia à janela do quarto.

Está enganado.

Pode ser, pode ser - volveu ele encolhendo os ombros.

- Não tenho a certeza.

Escute, porque é que pergunta tudo isso? - quis saber Chris.

Bem, uma mera possibilidade, como dizia, talvez seja que o morto estivesse tão bêbado que tropeçasse e caísse da janela do quarto de sua filha.

É impossível - declarou Chris abanando a cabeça. - Em primeiro lugar, a janela esteve sempre fechada e, em segundo lugar, Burke, apesar de estar sempre bêbado, nunca perdia a noção das coisas. Não é verdade, Shar?

Exactamente.

Burke costumava compreender quando estava perdido de bêbado. Como podia ele ter tropeçado e caído de uma janela?

Talvez a senhora estivesse à espera de mais alguém naquela noite? - perguntou o detective.

Não.

Tem amigos que aparecem sem telefonar?

Apenas o Burke costumava fazê-lo - respondeu Chris.

- Porquê?

O detective baixou a cabeça, sacudindo-a e franzindo o sobrolho para o papel amarrotado que tinha na mão.

- É estranho... desconcertante. - Em seguida levantou os olhos para Chris. - O morto vem fazer uma visita, fica só vinte minutos, sem sequer a ver, e deixa completamente sozinha uma garota muito doente. Para lhe falar com franqueza, Sra. MacNeil, é como diz: não é provável que ele tivesse caído de uma janela. Além disso, há talvez uma probabilidade em mil de uma queda ser suficiente para lhe provocar aquilo no pescoço. - Meneando a cabeça, indicou o livro de feitiçaria. - A senhora leu nesse livro a parte sobre os assassínios rituais?

Chris, gelada por uma espécie de premonição, fez um gesto negativo.

- Talvez não seja mencionado nesse livro - disse ele. - No entanto... desculpe; falo disto apenas para que a senhora pense um pouco mais profundamente... o pobre Dennings foi encontrado com o pescoço torcido para trás no estilo dos assassínios rituais praticados pelos chamados demónios,

Sra. MacNeil.

Chris ficou lívida.

O Sr. Dennings foi morto por um lunático – continuou o detective, olhando fixamente para Chris. - Nunca lho disse para lhe poupar o desgosto. E, além disso, técnicamente, podia tratar se ainda de um acidente. Porém, não penso assim. É uma suspeita. É a minha opinião. Creio que foi morto por um homem muito possante: primeiro ponto. E a fractura da cabeça, segundo ponto, acrescida das várias coisas que já mencionei, tornaria muito provável, provável não, indubitável que o morto tivesse sido assassinado e atirado depois pela janela do quarto de sua filha. Mas não estava cá ninguém a não ser a pequena. Portanto, como poderia ter acontecido? Da seguinte maneira: alguém veio visitá-la entre a hora a que Miss Spencer saiu e a hora a que a senhora voltou. Talvez fosse assim. Por favor, agora pergunto-lhe novamente: quem poderia ter vindo?

Caramba, dê-me um segundo para pensar – disse Chris com voz rouca, ainda em estado de choque.

Sim, desculpe. É doloroso. Talvez eu esteja completamente errado, admito-o. Mas vai pensar agora? Quem? Diga-me, quem poderia ter vindo?

Chris baixou a cabeça, franzindo o sobrolho, pensativa. Depois levantou os olhos para Kinderman.

Não. Ninguém.

Então talvez a senhora, Miss Spencer - inquiriu ele.

- Alguém vem cá visitá-la?

Oh, não, ninguém - disse Sharon, de olhos muito abertos.

O cavaleiro sabe onde você trabalha? - disse Chris voltando se para ela.

O cavaleiro? - quis saber Kinderman.

- É o namorado dela - explicou Chris.

A loura sacudiu a cabeça.

Ele nunca cá veio. Além disso, naquela noite estava

em Boston. Foi a uma conferência.

É caixeiro-viajante?

É advogado.

O detective voltou-se novamente para Chris.

- E os criados? Recebem visitas?

Nunca. Nunca recebem ninguém.

A senhora esperava alguma encomenda naquele dia?

Que eu saiba, não! Porquê?

O Sr. Dennings era... não falo mal do morto, que descanse em paz... mas, como a senhora disse, com os copos era um tanto... chamemos-lhe irascível; capaz, sem dúvida, de provocar uma discussão, num acesso de ira; neste caso, podia ter se irado com um portador que tivesse vindo entregar uma encomenda. Portanto, esperava alguma coisa? Talvez a roupa da lavandaria? Mercearias? Bebidas?

Realmente não posso saber. O Karl é quem trata de todas essas coisas.

Oh, compreendo.

Quer perguntar-lhe?

O detective suspirou e inclinou-se para trás, afastando-se da mesa e metendo as mãos nas algibeiras do casaco. Olhou sombrio para o livro de feitiçaria.

Não interessa, não interessa; é uma probabilidade remota. A senhora tem uma filha muito doente e... bem, não faça caso. - Com um gesto, indicou que não o interessava mais o assunto e levantou-se da cadeira. - Foi um prazer conhecê-la, Miss Spencer.

Para mim também conhecê-lo a si - declarou Sharon fazendo um vago gesto.

Desconcertante - disse Kinderman, abanando a cabeça. - Estranho. - Concentrava-se nalgum pensamento interior. Em seguida olhou para Chris, que se levantava da cadeira. - Bem, desculpe. Macei-a para nada. Perdoe-me.

Espere, acompanho o à porta - disse Chris, pensativa.

Não se incomode.

- Não me incomoda nada.

- Se insiste. A propósito - declarou ele ao sair da cozinha - é apenas uma probabilidade num milhão, eu sei, mas a sua filha... a senhora poderia perguntar-lhe se naquela noite viu o Sr. Dennings no quarto?

Chris caminhava de braços cruzados.

Olhe, em primeiro lugar, ele não tinha motivo para ir lá acima.

Eu sei; compreendo; isso é verdade; mas se alguns médicos ingleses nunca tivessem perguntado "Que fungo é

este?", não teríamos hoje a penicilina. Certo? Pergunte, por

favor. Vai perguntar?

Sim, quando ela estiver melhor.

Isso não lhe pode fazer mal. Entretanto... – Ao chegarem à porta da rua, Kinderman vacilou, embaraçado; depois, levou as pontas dos dedos à boca num gesto de hesitação. - Olhe, na realidade detesto pedir-lho, no entanto... Chris preparada para um novo choque, sentiu um arrepio premonitório percorrer-lhe a espinha.

Que é ?

Para a minha filha... a senhora poderia dar-me um autógrafo? - Ele corou e Chris, aliviada, por pouco não se riu de si própria, da desesperança e da condição humana.

Oh, com certeza. Tem um lápis? - perguntou ela.

Ei-lo! - respondeu ele instantaneamente, puxando da algibeira do casaco um toco de lápis todo roído e levando a outra mão a uma algibeira do colete para tirar um cartão de visita. - Ela vai ficar encantada - disse ele, entregando o cartão e o lápis a Chris.

Como se chama ela?" - perguntou Chris, apoiando o cartão na porta e colocando o toco do lápis na posição de escrever. Seguiu-se uma hesitação cheia de significado. Ela ouvia apenas a respiração asmática de Kinderman. Este voltou a cabeça e olhou: nos olhos dele viu o desenrolar de uma luta impressionante e terrível.

Menti-lhe - acabou ele por dizer com um ar de desafio, um tanto afoito. - É para mim. - o detective fixou a vista no cartão e corou. - Escreva "Para William...

William Kinderman"... está escrito nas costas.

Chris olhou-o com uma afeição inesperada e triste, verificou a ortografia do nome, escreveu William Kin­derman, gosto de si!, e assinou. Em seguida, deu-lhe o cartão, que ele meteu na algibeira sem ler a inscrição.

- É uma senhora muito amável - disse-lhe ele com um ar tímido, desviando os olhos.

- O senhor é um homem muito amável.

Ele ficou ainda mais corado.

- Não. Não sou nada. Sou um maçador. - Ele abria a porta. - Não faça caso do que eu disse hoje. É desolador.

Esqueça-se disso. Pense na sua filha.

Chris fez um gesto afirmativo com a cabeça; o desalento surgiu-lhe novamente, enquanto Kinderman dava um passo para a saída e punha o chapéu.

Mas vai perguntar-lhe aquilo que mencionei? - lembrou ele ao voltar-se.

Perguntarei, sim - murmurou Chris. - Prometo.

Bem, adeus. E tenha cuidado.

Ele fechou devagarinho a porta. Depois, tornou a abri-la imediatamente quando ele bateu.

- Que aborrecimento. Sou um chato. Esqueci-me do lápis. - Fez uma careta de desculpa.

Chris olhou para o toco que tinha na mão, sorriu vagamente e deu-o a Kinderrnan.

Outra coisa... - Ele hesitou. - Não tem importância, eu sei... é uma maçada, é estúpida... mas sei que não conseguirei dormir a pensar que talvez haja um lunático ou um drogado à solta, por cada pormenorzinho que eu não investigue, seja ele qual for. Acha que poderia... não, não, é estúpido, é uma... sim, sim... mas talvez eu pudesse ter uma conversa com o Sr. Engstrom, não acha? As encomendas... a questão das entregas. Na realidade, devia...

Com certeza, entre - disse Chris, cansada.

Não, a senhora tem que fazer. Chega. Posso falar-lhe aqui. Aqui é óptimo.

O detective encostara-se a um gradeamento.

Se insiste - Chris teve um sorriso ténue. - Ele está com a Regan. Vou já mandá-lo cá abaixo.

Muito agradecido.

Chris fechou rapidamente a porta. Passado um minuto, Karl abriu-a. Deu uns passos para o patim com a mão na maçaneta da porta, mantendo-a um pouco entreaberta. De pé, alto e direito, fitou Kinderrnan com olhos limpidos e frios.

- Faz favor? - perguntou ele sem expressão.

- O senhor tem o direito de não responder – declarou Kinderman, com o olhar de aço fixo no de Karl. – Se renunciar ao direito de não responder - volveu ele numa cadência monótona e implacável - , tudo o que disser pode ser, e será, utilizado contra si num tribunal. Tem o direito de falar com um advogado e de contar com a presença de um advogado durante o interrogatório. Se assim o desejar, e não puder pagar um advogado, nomear-se-á um antes do interrogatório, sem quaisquer encargos. Compreende cada um dos direitos que lhe expliquei?

Os passarinhos chilreavam suavemente nos ramos do sabugueiro e o ruído do tráfego da Rua M chegava em surdina, como o zumbido de abelhas de um prado distante. Ao responder que "sim" o olhar de Karl não vacilou.

Deseja renunciar ao direito de não responder?

Sim.

Deseja renunciar ao direito de falar com um advogado e de o ter presente durante o interrogatório?

Sim.

Afirmou anteriormente que no dia 28 de Abril, na noite da morte do Sr. Dennings, viu um filme no Crest?

Sim.

A que horas entrou no cinema?

Não me recordo.

O senhor disse anteriormente que assistira à sessão das seis horas. Isto ajuda o a recordar-se?

Sim. Sim, sessão das seis horas. Recordo-me.

E viu a película... o filme... desde o princípio?

Sim, senhor.

E saiu no fim do filme?

Sim, senhor.   

Não saiu antes?

Não, vi o filme todo.

E ao sair do cinema tomou o autocarro em frente ao cinema, apeando-se no cruzamento da Rua M com a Avenida Wisconsin, aproximadamente às nove e vinte da noite?

Sim.

E foi a pé para casa?

Fui a pé para casa.

E chegou à residência aproximadamente às nove e trinta da noite?

Cheguei às nove e trinta exactas - respondeu Karl.

Tem a certeza?

Sim. Consultei o relógio. Afirmo-o.

E viu o filme todo... até ao fim?

Sim, já disse isso.

As suas respostas estão a ser registadas electronicamente, Sr. Engstrom. Quero que esteja absolutamente seguro.

Estou seguro.

Está ciente da altercação entre um arrumador e um espectador bêbado que teve lugar durante os últimos cinco minutos do filme?

Sim.

Pode dizer me qual foi a causa dessa altercação?

O homem, bêbado, fazia distúrbios.

E finalmente, que lhe fizeram?

Puseram-no na rua.

Não houve altercação nenhuma. O senhor também está ciente de que durante a sessão das seis horas uma avaria técnica, que durou cerca de quinze minutos, originou uma interrupção na projecção do filme?

Não.

Recorda-se de a assistência ter protestado.

Não houve nenhuma interrupção.

Tem a certeza?

Não houve nada.

Houve, sim, como consta do registo do operador, onde se vê que o filme terminou naquela noite não às oito e quarenta, mas aproximadamente às oito e quarenta e cinco, o que significa que o autocarro que o poderia levar mais cedo do cinema o deixaria no cruzamento da Rua M com a Wisconsin não às nove e vinte, mas às nove e quarenta e cinco, e que, portanto, o mais cedo que poderia estar em casa era aproximadamente às dez menos cinco, e não às nove e meia, como também foi testemunhado pela Sra. MacNeil. Agora, está interessado em fazer quaisquer observações sobre esta curiosa discrepância?

Karl, que não perdera um momento sequer a compostura, continuava a mantê-la ao responder "não".

Durante um instante o detective fíxou-o em silêncio; em seguida suspirou e baixou a vista, desligando o botão de controlo de movimento escondido no forro do casaco. Conservou os olhos baixos durante um momento e depois levantou os para Karl.

- Sr. Engstrom... - começou ele num tom paciente e compreensivo. - Pode ter sido cometido um crime grave. O senhor é suspeito. O Sr. Dennings insultava o, soube eu de outras fontes. E, aparentemente, o senhor mentiu a respeito do local onde se encontrava à hora da morte dele. Ora, às vezes acontece... nós somos homens, porque não?... que um homem casado se encontra num lugar onde diz que não esteve. Reparou que eu providenciei para falarmos em particular? Longe dos outros. Longe da sua mulher. Agora não estou a gravar nada. Pode confiar em mim. Se aconteceu ter saído naquela noite com uma mulher, que não a sua, pode confessar-mo; eu mando verificar, o senhor fica livre de dificuldades e a sua mulher nada saberá. Então agora diga-me, onde estava à hora em que Dennings morreu?

Por momentos algo cintilou no fundo dos olhos de Karl; depois, esse algo extinguiu-se.

- No cinema - insistiu ele de lábios semicerrados.

O detective olhou o fixamente, silencioso e imóvel, sem produzir nenhum som a não ser o da respiração asmática, enquanto os segundos se escoavam, pesados, pesados...

- Vai prender-me? - perguntou Karl, interrompendo o silêncio com uma voz ligeiramente vacilante.

O detective não respondeu, mas continuou a olhá-lo sem pestanejar, e, quando Karl parecia ir dizer mais qualquer coisa, afastou-se bruscamente do gradeamento, caminhando de mãos nas algibeiras, em direcção ao carro da polícia. Andava sem pressa, olhando para a direita e para a esquerda, como um interessado visitante da cidade.

Do patim, Karl, impassível, de expressão parada, ficou a observar Kinderman quando este abriu a porta do carro da polícia, tirou um lenço de papel de uma caixa fixada no tablier e se assoou, enquanto olhava descuidado para a outra margem do rio, como se pensasse onde poderia ir, por exemplo, almoçar. Em seguida subiu para o carro sem olhar para trás.

Quando o carro arrancou e virou a esquina da Rua Trinta e Cinco, Karl olhou para a mão que não segurava a maçaneta da porta e viu que ela tremia.

Ao ouvir fechar a porta da frente, Chris preparava, meditativa, no bar do gabinete de trabalho, uma vodka com gelo. Ouviu passos: Karl subia a escada. Pegou no copo e voltou devagar para a cozinha, mexendo a bebida com o dedo indicador, tacteando o caminho com o olhar ausente. Alguma coisa... alguma coisa estava horrivelmente errada. Como a luz de um quarto que se escoasse sob a porta, um clarão de pavor infiltrou-se no escuro corredor da sua mente. O que haveria atrás da porta? O que seria?

Não olhes!

Entrou na cozinha, sentou-se à mesa e bebeu um gole.

- Creio que foi morto por um homem muito possante...

Baixou a vista, fixando-a no livro de feitiçaria.

Uma coisa...

Passos. Sharon voltava do quarto de Regan. Entrou. Sentou-se à mesa, à máquina de escrever. Resingou com petulância: "Há uma imensidade de espeluncas de hippies lá em baixo, em redor da Rua M." Papel na máquina.

Uma coisa...

- Bastante arripiante - murmurou Sharon com as pontas dos dedos apoiadas sobre o teclado e os olhos fixos nas notas estenografadas a seu lado.

Nem resposta. Um certo mal-estar pairava na cozinha. Chris, distraída, tomava a bebida a pequenos goles.

Numa voz baixa e cansada, Sharon rompeu o silêncio:

Há uma imensidade de espeluncas de hippies lá em baixo, em redor da Rua M e da Wisconsin. Drogados.

Ocultistas. A polícia chama-lhes "cães do inferno". – Fez uma pausa, como se esperasse um comentário, de olhos ainda fixos nas notas; depois, continuou: - Gostava de saber se o Burke teria...

Oh, gaita, Shar! Não pense mais nisso, se faz favor! - explodiu Chris. - A Rags já me dá bastante que pensar! Importa-se? - Tinha os olhos fechados e segurava o livro com vigor.

Sharon voltou imediatamente às teclas da máquina, martelando as palavras num ritmo furioso durante um minuto; de repente, saltou da cadeira e saiu da cozinha.

Vou dar um passeio! - disse ela, glacial.

Mas ponha-se a milhas da Rua M! - resmungou-lhe Chris, sombria, olhando para o livro, por cima dos braços cruzados.

É o que vou fazer!

E da N!

Chris ouviu a porta da frente abrir-se e depois fechar-se. Suspirou. Sentiu uma ponta de remorso. Mas a bulha constituíra uma válvula de escape para os seus nervos. Não de todo. O clarão ainda permanecia no corredor. Muito fraco.

Corre com ele!

Chris inspirou profundamente e tentou concentrar-se no livro. Encontrou a página onde interrompera a leitura; impacientou-se; começou a folhear o livro, apressada, à procura de descrições dos sintomas de Regan. "possessão demoníaca... síndroma... o caso de uma garota de oito anos... anormal... quatro homens possantes para a impedir de..."

Ao voltar uma página, Chris fixou a vista - e ficou regelada.

Ruídos. A Willie voltava com as mercearias.

Willie?... Willie - chamou Chris numa voz monótona.

Minha senhora - respondeu Willie, pousando os sacos.

Sem levantar a vista, Chris mostrou o livro.

- Willie, foi você quem pôs este livro no meu gabinete?

Willie olhou para o livro e disse que sim com a cabeça; em seguida, voltou-se e começou a tirar as compras dos sacos.

Onde é que o encontrou, Willie?

Em cima, no quarto - respondeu Willie pondo o bacon no compartimento da carne no frigorífico.

Em que quarto, Willie?

No da menina Regan. Encontrei-o debaixo da cama quando fiz as limpezas.

Quando é que o encontrou? - perguntou Chris com o olhar ainda preso às páginas do livro.

Depois de todos irem para o hospital, minha senhora, quando passei o aspirador pelo quarto da menina Regan.

Tem a certeza?

Tenho a certeza, minha senhora. Sim. Tenho a certeza.

Chris não se moveu, não pestanejou, não respirou ao surgir-lhe abruptamente na memória, como uma ave de rapina de garras abertas que soubesse o seu nome, a imagem de uma janela aberta no quarto de Regan, na noite do acidente de Dennings; ao reconhecer um fenómeno que lhe era aterradoramente familiar; ao olhar para a página do livro na sua frente.

Uma pequena tira de papel fora cortada com perícia cirúrgica a todo o comprimento da margem.

Chris levantou rapidamente a cabeça ao ouvir o ruído de rebuliço no quarto de Regan.

Pancadas rápidas, com uma ressonância de pesadelo; cavas; como se fosse uma marreta a bater num túmulo!

Regan gritava angustiada; aterrorizada; implorativa.

Karl! Karl zangado com Regan!

Chris saiu disparada da cozinha.

Deus Todo-Poderoso, que se passa?

Desvairada, Chris correu para a escada, em direcção ao quarto, ouviu uma pancada, alguém a tombar, alguém a estatelar-se no chão como uma pedra e sua filha a gritar "Não, oh, não, não me faça isso! Oh, não, por favor!" e Karl aos berros... Não! Karl, não! Qualquer outra pessoa! Uma voz de baixo atroadora, que ameaçava, enraivecida!

Chris disparou pelo corredor e, ao entrar no quarto, ficou com a respiração suspensa, pregada ao chão, paralisada pelo choque, enquanto as pancadas ressoavam, compactas, fazendo estremecer as paredes; Karl jazia inconsciente no chão, perto da cómoda; Regan, de pernas levantadas e abertas, numa cama que saltava e abanava com violência.

Chris não podia acreditar no que via. Regan, estava descomposta, com os olhos esbugalhados e cheios de terror, com a cara manchada de sangue de ter arrancado o aparelho nosogástrico e aproximava do corpo um crucifixo de osso e ao mesmo tempo parecia querer afastá-lo.

Oh, por favor! Oh, não, por favor! - gritava ela na sua voz e, logo a seguir, com outra voz, áspera e gutural, enquanto a sua expressão e feições se transformavam horrivelmente nas da personalidade demoníaca e feroz que aparecera no decurso da hipnose, dizia:

Vais fazer como eu te disser, minha porca! Vais fazê-lo!

As duas vozes alternavam-se:

Não!

Vais fazer minha cadela, senão mato-te! Vais fazê-lo!

Por favor!

Não, obrigo-te.

Os esgares lúbricos tomavam agora a sua face demoníaca e, desesperadamente, toda a verdadeira parte de Regan parecia ter desaparecido para se entregar ao frenesim que lhe fora ordenado.

Chris, pregada ao chão, paralisada de terror, agarrava a cara com as mãos, enquanto uma gargalhada demoníaca estalava outra vez jubilosamente; os lençóis estavam já sujos de sangue. De repente, com um grito que lhe arranhou a garganta, Chris correu para a cama e, cega, agarrou o crucifixo e continuou ainda a gritar quando Regan, num acesso de cólera furiosa, com as feições infernalmente contorcidas, estendeu a mão, e, agarrando-lhe o cabelo, lhe puxou a cabeça para baixo, com um esticão, comprimindo-lhe a cara contra si e enchendo-lha de sangue, ao mesmo tempo que os seus esgares continuavam.

- Aahhh, mãezinha porca! - grasnava Regan, num erotismo áspero, gutural e rouco. Em seguida, a mão que mantinha baixa a cabeça de Chris levantou a de repente e a outra mão deu-lhe uma pancada no peito que a atirou, cambaleante, pelo quarto fora, fazendo-a bater contra uma

parede com uma força tremenda, enquanto Regan, rindo, soltava uivos de rancor.

Chris caiu redonda no chão, estupificada de horror, no meio de um rodopiar de imagens, de sons, no quarto, enquanto a vista lhe rodava, vertiginosa, enevoada, turva, e os ouvidos zumbiam fortemente, com distorções caóticas; tentou levantar-se, mas muito fraca, ofegante, vacilou, e depois olhou para baixo, para a cama, ainda com a vista toldada: Regan, de costas voltadas, continuava a afagar-se e, com a voz de baixo profundo, grasnava "Ah, cá está a minha porca, sim, a minha doce e meiga porquinha, a minha porquinha, a minha..."

A voz interrompeu-se quando Chris começou a gatinhar penosamente em direcção à cama, com a cara cheia de sangue, ainda de olhos enevoados, de membros doloridos. Depois, passando então por Karl, recuou contraída, num terror incrédulo, ao imaginar ver, confusamente, num nevoeiro estonteante, a cabeça da filha a voltar-se lenta­mente para trás, no cimo de um tronco imóvel, a rodar, monstruosa e inexoravelmente, até que por fim pareceu ficar virada para as costas.

- Sabes o que ela fez, a cabra da tua filha? - riu-se uma voz familiar de duende, numa troça.

Chris pestanejou ao ver aquela cara contorcida, de olhar enlouquecido, de lábios secos e fendidos e olhos de raposa.

Gritou até desmaiar.

 

               O ABISMO

 

Chris estava de pé, no passeio da Ponte de Key, com os braços apoiados no parapeito, irrequieta, à espera, enquanto os carros dos que regressavam a casa passavam vagarosamente, num tráfego compacto, atrás dela. Condutores dominados pelas preocupações diárias buzinavam, pára-choques batiam em pára-choques com indiferença. Ela conseguira encontrar Mary Jo; contara-lhe mentiras.

A Regan está óptima. A propósito, tenho andado apensar noutro jantar. Diga-me lá, mais uma vez, como se chama aquele jesuíta que é psiquiatra? Quero talvez incluí-lo no...

Uma gargalhada fendeu o ar e veio até ela: um jovem par em bluejeans encontrava se numa canoa alugada. Com um gesto rápido e nervoso, sacudiu a cinza do cigarro e olhou para o passeio da ponte, na direcção da zona onde residia. Alguém apressado: um homem de calças de caqui e camisola azul; não era padre; não era ele. Olhou novamente para o rio, lá em baixo, com a sua solidão redemoinhando na esteira da canoa de um vermelho vivo. Conseguiu ler o nome no casco: Capricho.

Passos. O homem da camisola abrandou o passo ao chegar junto dela. Viu-o de soslaio pousar um braço no alto do parapeito e virou rapidamente a cabeça na direcção de Virgínia.

- Ponha-se a mexer, seu nojento - resmungou ela energicamente, lançando o cigarro para o rio. - Juro, por Deus, que grito por um chui!

- Miss MacNeil? Sou o padre Karras.

Sobressaltada, voltou-se de repente, corada.

- Oh, meu Deus! Oh, eu estou... Credo! - disse com a cara séria, vincada. Arrancou os óculos de sol, atrapalhou-se e tornou a pô-los imediatamente quando os olhos escuros e tristes fixaram os seus.

- Devia ter-lhe dito que não viria com vestes sacerdotais. Desculpe.

A voz dele, embaladora, apaziguou-a. O jesuíta cruzou devagar as mãos fortes, grandes, e no entanto sensíveis, de veias fortes, como as esculpidas por Miguel Angelo. Sem saber porquê, Chris olhou as instantaneamente, atraída.

Pensei que dava muito menos nas vistas – continuou ele. - A senhora parecia tão preocupada em manter a discrição.

Creio que me devia ter preocupado em não fazer tão triste figura - retorquiu ela, remexendo de súbito na carteira. - Julguei que o senhor era...

Humano? - interrompeu ele, sorrindo.

Isso percebi eu quando um dia o vi no campus – disse ela, procurando então nas algibeiras do fato. - Eis porque lhe telefonei. O senhor parecia humano. - Levantou os olhos e viu-o a olhar-lhe para as mãos. - Tem aí um cigarro, padre?

Consegue fumar um cigarro sem filtro - disse ele, tirando um maço da algibeira da camisa.

Agora até fumava palha.

Com a minha mesada é o que faço com frequência - tornou ele, fazendo saltar um cigarro do maço.

O voto de pobreza - murmurou ela, tirando o cigarro, com um riso tenso.

Um voto de pobreza tem a sua utilidade - observou ele, procurando os fósforos na algibeira.

Como, por exemplo?

Fazia com que o cigarro de palha soubesse melhor - disse ele, de novo, com um meio sorriso ao fixar a mão dela que segurava o cigarro. A mão tremia. O sacerdote viu o cigarro agitar-se em movimentos rápidos e irregulares e, sem hesitação, tirou-lho dos dedos e meteu o na boca.

Acendeu-o protegendo a chama com as mãos. Deu uma fumaça. Devolveu o cigarro a Chris, de olhos pousados nos

carros que passavam na ponte. - Assim é muito mais fácil.

É a aragem levantada pelo tráfego - disse ele por fim.

Obrigada, padre.

Chris fitou o com apreço, com gratidão, até mesmo com esperança. Sabia o que ele tinha feito. O jesuíta acendeu um Como para si próprio, esquecendo-se de proteger a chama com as mãos. Quando expeliu o fumo, cada um deles descansou um cotovelo no parapeito.

Padre Karras, onde nasceu?

Em Nova Iorque.

Eu também. Todavia, nunca voltaria para lá. E o senhor?

Não, eu também não! - volveu Karras, dominando a emoção que sentiu na garganta. - Mas não me cabe tomar essas decisões - acrescentou com um sorriso forçado.

Meu Deus, sou tão estúpida. O senhor é padre. Tem de ir para onde o mandam.

É isso mesmo.

Como é que um psiquiatra vai para padre? - perguntou ela.

Karras estava ansioso por saber qual seria o problema urgente a que Chris se referira pelo telefone. Sentia que ela tacteava o caminho... em direcção a quê? Devia deixá-la à vontade. Acabaria por falar...

É o contrário - corrigiu ele, calmamente. - A Companhia...

Quê?

A Companhia de Jesus. Jesuíta é uma maneira de denominar um membro da Companhia.

Ah, percebo.

A Sociedade mandou-me cursar Medicina e especializar-me em Psiquiatria.

Onde?

- Oh, bem, em Harvard; Johns Hopkins; Bellevue.

Karras deu-se de repente conta de que a queria impressionar. Porquê?, perguntou a si mesmo; imediatamente, encontrou a resposta nos bairros pobres da sua infância; nos balcões dos cinemas do Lower East Side. O pequeno Dimmy com uma estrela de cinema.

Não está mal - disse ela apreciativa, sacudindo a cabeça.

Nós não fazemos voto de pobreza mental.

Chris pressentiu irritação; encolheu os ombros; voltou se para a frente, para o rio.

- Olhe, é só porque eu não o conheço, e... - Deu uma fumaça longa, profunda, e depois expeliu o fumo, esmagando a beata no parapeito. - É amigo do padre Deyer, não é verdade?

Sou, sim.

Muito amigo, não?

Muito amigo.

Ele falou-lhe do jantar?

Em sua casa?

Em minha casa.

Disse que a senhora parecia humana. 

Ela não percebeu ou ignorou o comentário.

Falou-lhe da minha filha?

Não, eu não sabia que a senhora tinha uma filha.

Tem doze anos. Ele não lhe falou dela?

Não.

Não lhe contou o que ela fez?

Nunca me contou nada a seu respeito.

Então os padres têm a boca fechada a cadeado, não?

Isso depende - respondeu Karras.

De quê?

Do padre.

No limiar da sua consciência surgiu um aviso contra as mulheres que sentem atracção neurótica por padres, e que, inconscientemente e sob o disfarce de qualquer outro problema, desejam seduzir o inatingível.

Olhe, refiro-me à confissão. Os senhores não estão autorizados a falar a esse respeito, não é verdade?

Sim.

E fora da confissão? - perguntou ela. - Quer dizer, se alguém... - As mãos agora agitavam-se; mexiam nervosamente. - Sinto curiosidade. Eu... Não. Na realidade, gostava de saber. Quer dizer, se uma pessoa, digamos, um

assassino ou um outro qualquer, compreende? Se essa pessoa o procurasse para a ajudar o senhor tinha de a denunciar?

Tentava ela esclarecer-se? Aclarar dúvidas relativamente à conversão? Havia pessoas, Karras sabia-o, que se aproximavam da salvação como se ela fosse uma ponte insegura suspensa sobre um abismo.

- Se viessem ter comigo em busca de auxílio espiritual, não a denunciava, mas tentaria persuadi-la a denunciar-se.

E o que é que se faz para se conseguir um exorcismo?

Perdão, não compreendi.

Se uma pessoa estiver possessa de algum demónio, o que é que se faz para se conseguir um exorcismo?

Bem, primeiro temos de a meter na máquina do tempo e fazê-la regressar ao século XVI.

Que quer dizer com isso? - volveu ela intrigada. - Não percebi.

Bem, Miss MacNeil, isso é uma coisa que já não acontece.

Desde quando?

Desde que estudamos as doenças mentais, a paranóia, o desdobramento da personalidade, tudo aquilo que me ensinaram em Harvard.

Está a brincar?

A voz tremia-lhe, desconsolada, confusa, e Karras lamentou a sua petulância. De onde lhe viera esta? perguntou a si mesmo. Saltara-lhe da boca sem querer.

Muitos católicos cultos, Miss MacNeil - tornou ele num tom mais brando - , já não crêem no Diabo e, com respeito à possessão, desde que entrei para a Companhia nunca encontrei um padre que tivesse alguma vez na vida feito um exorcismo. Nem um sequer.

O senhor é realmente padre? - perguntou ela com amarga mordacidade, produzida pelo desapontamento - ou vem de Central Casting? Isto é, que me diz a respeito de tantas histórias da Bíblia em que Cristo expulsa todos aqueles demónios?

Karras respondeu novamente encrespado, mas sem pensar:

Olhe, se Cristo tivesse dito que todos os supostos possessos eram esquizofrénicos, como eu realmente imagino que sejam, é provável que o tivessem crucificado três anos mais cedo.

Oh, sim? - Chris levou a mão trémula aos óculos de sol e baixou a voz, num esforço para se controlar. Bem, padre Karras, acontece que uma pessoa que me é muito chegada está provavelmente possessa. Necessita de um exorcismo. O senhor pode fazê-lo?

De repente tudo pareceu irreal a Karras: a Ponte Key; a Hot Shoppe do outro lado do rio; o tráfego; Chris MacNeil, a estrela de cinema. Karras olhou para ela, à procura de uma resposta. Viu-a tirar os óculos e contraiu-se momenta­neamente sob o efeito do choque, perante o vermelhão, o apelo desesperado daqueles olhos cansados. Convenceu-se de que a mulher era sincera.

Padre Karras, trata-se da minha filha - disse ela com voz rouca - , da minha filha!

Então, mais uma razão - declarou ele por fim, com brandura - para não pensar mais em exorcismos e...

- Porquê? Meu Deus, não compreendo! - explodiu ela numa voz aguda e perturbada.

Ele pegou-lhe no pulso com uma mão reconfortante.

Em primeiro lugar - disse ele num tom calmo – podia piorar a situação.

Mas como?

O ritual do exorcismo é perigosamente sugestivo. Pode implantar a noção de possessão onde ela não existia anteriormente, pode contribuir para a reforçar, compreende? E em segundo lugar, Miss MacNeil, a Igreja, antes de autorizar um exorcismo procede a uma investigação para ver se é justificado. Isso leva tempo. Entretanto a sua...

O senhor mesmo não pode fazer o exorcismo? – disse ela implorativa e de lábios trémulos. Os olhos enchiam-se de lágrimas.

Escute, todos os padres têm autoridade para exorcisar, mas com a aprovação da Igreja, e, com franqueza, esta raramente é concedida. Portanto...

Nem sequer a pode ver?

Bem, sim, como psiquiatra posso, mas...

Ela precisa de um padre! - gritou Chris de repente, de feições contorcidas pela cólera e pelo desespero. – Levei-a a todos os cabrões de médicos e psiquiatras deste mundo e eles mandaram-me para si; agora, o senhor manda-me para eles!

Mas a sua...

Merda! Não haverá alguém que queira ajudar-me? - O grito dilacerante saltou cru para o rio. Pássaros a piarem, assustados, levantaram voo. Chris deixou se cair sobre o peito de Karras, gemendo e soluçando convulsivamente. - Ajude-me, por favor! Ajude-me! Por favor! Ajude-me, pelo amor de Deus!...

O jesuíta olhou para ela, pousou-lhe na cabeça mãos consoladoras, enquanto os passageiros dos automóveis parados devido à lentidão do tráfego os observavam, olhando pelas janelas, com o desinteresse de quem passa.

- Vá lá - murmurou Karras, dando-lhe pancadinhas no ombro. Ele só queria acalmá-la; animá-la; reprimir a histeria. "... a minha filha?" Ela é que precisava de ajuda psiquiátrica. - Está bem. Vou vê-la - disse ele. - Vou vê-la.

Acompanhou-a a casa, em silêncio, com uma persistente sensação de irrealidade, pensando na lição do dia seguinte, na Escola Médica de Georgetown. Ainda tinha de preparar os seus apontamentos.

Subiram os degraus em frente da porta. Karras olhou para a rua, para a Residência dos Jesuítas, e viu que ia perder o jantar. Faltavam dez para as seis. Fitou Chris quando ela meteu a chave na fechadura. Hesitou e voltou-se para ele.

- Padre... acha que devia envergar as suas vestes sacerdotais? A voz era tão infantil, tão ingénua.

- É muito perigoso - respondeu ele.

Ela fez um gesto de assentimento e principiou a abrir a porta. Foi então que Karras sentiu aquilo: uma advertência urgente e gélida. Passou lhe pelas veias como estilhaços de gelo.

- Padre Karras?

Ele levantou a vista. Chris entrara e segurava a porta.

Hesitante, ficou imóvel, um momento; em seguida, abruptamente, avançou, entrando na casa com uma estra­nha sensação de morte.

Karras ouviu barulho. Lá em cima. Uma voz sonora e profunda trovejava obscenidades, ameaçando encolerizada, odienta, contrariada. Arrepiava ouvi-la, embora a voz chegasse através das paredes.

Karras fixou Chris. Ela olhava-o em silêncio. Em seguida, começou a caminhar e o jesuíta seguiu-a quando ela subiu as escadas e meteu depois pelo corredor, em direcção ao quarto de Regan. Karl estava encostado à parede em frente da porta, de cabeça baixa sobre os braços cruzados. Quando o criado levantou lentamente o olhar para Chris, Karras viu--lhe nos olhos perplexidade e pavor. A voz que chegava do quarto fechado era tão alta que quase parecia amplificada electronicamente.

- A criatura continua a não querer as correias - informou Karl numa voz aterrorizada de falsete.

- Padre, volto já - disse Chris num tom surdo de voz.

Karras viu-a caminhar pelo corredor e entrar no seu próprio quarto, e em seguida olhou para Karl. O suíço fitava-o.

- O senhor é padre? - perguntou Karl.

Karras fez um sinal afirmativo; depois, voltou depressa a fixar a porta do quarto de Regan. A voz fora substituída pelo mugido estridente de um animal que poderia ser um novilho. Ele sentiu que lhe punham um objecto na mão. Baixou a vista.

- É ela - dizia Chris - , é a Regan.

O jesuíta olhou para a fotografia. Uma garota, muito bonita, de sorriso meigo.

Foi tirada há quatro meses - disse Chris num murmúrio. Com a fotografia de novo na mão, indicou a porta do quarto, com a cabeça. - Entre e olhe bem para ela agora. - Encostou-se à parede, ao lado de Karl. – Eu espero aqui.

Quem está lá dentro com ela? - perguntou Karras.

Ninguém.

Ele sustentou o olhar fixo de Chris e em seguida, de sobrolho carregado, voltou-se para a porta do quarto. Ao pegar na maçaneta da porta, os sons que vinham lá de dentro cessaram de repente. No silêncio sublinhado pelo tiquetaque do relógio, Karras hesitou, depois entrou devagar no quarto, quase recuando ao sentir o cheiro nauseabundo a excrementos bafientos que o atingiu na cara como o sopro de uma explosão.

Refreando rapidamente a repulsa, fechou a porta. Os olhos espantados ficaram então presos àquela criatura que era Regan, àquele ser que jazia de costas, na cama, de cabeça afundada na almofada, enquanto os olhos, saindo--Lhe esbugalhados das órbitas encovadas, brilhavam com argúcia de demente e inteligência febril, com interesse e maldade, ao fixarem os seus; observando-o, atentos, ferventes de cólera, num rosto moldado numa máscara esquálida e medonha de malevolência que subjugava a mente. Karras passou os olhos pelo cabelo despenteado e densamente emaranhado, pelas pernas e pelos braços definhados, pelo estômago dilatado, sobressaindo grotescamente. Depois voltou aos olhos. Vigiavam-no... cravavam--se nele... desviando-se então para lhe seguirem os movi­mentos quando se dirigiu para uma cadeira da secretária perto da janela.

Olá, Regan - disse o padre num tom cordial e amistoso ao pegar na cadeira, que levou para junto da cama. Sou um amigo da tua mãe. Ela contou-me que não te tens sentido muito bem. - Sentou-se. - Queres dizer-me o que tens? Gostava de te ajudar.

Os olhos dela brilharam ferozmente, sem pestanejar, e de um canto da boca escorreu lhe para o queixo uma baba de saliva amarela. Em seguida um sorriso feroz repuxou-lhe os lábios, num arco de troça.

Ora, ora, ora - troçou Regan, sardónica. Karras sentiu eriçarem-se lhe os cabelos da nuca, pois a voz era de um baixo incrivelmente profundo, cheio de força ameaçadora.

- Então és tu... mandaram-te a ti! Bem, de ti não temos nada a temer.

Pois é verdade. Sou teu amigo. Gostava de te ajudar - disse Karras.

Então podias desapertar as correias - grasnou Regan.

Levantou os pulsos. Karras reparou então que estavam presos por correias reforçadas.

Incomodam te? - perguntou ele.

Muito. Uma maçada, uma maçada infernal. – Os olhos rebrilharam de astúcia, secretamente divertidos.

Karras viu-lhe os arranhões na cara, as gretas nos lábios onde possivelmente os mordera.

Receio que te possas ferir, Regan.

Eu não sou a Regan - bramiu ela, ainda com o medonho esgar que pareceu então a Karras ser a sua expressão permanente. Como parecia incongruente nos seus dentes o aparelho de ortodôncia, reflectiu ele.

Ah, estou a ver. Bem, então talvez nos devêssemos apresentar um ao outro. Sou Damien Karras - disse o padre. - Quem és tu?

Sou o Diabo.

Ah, muito bem, muito bem - Karras fez um gesto afirmativo. - Agora já podemos falar.

Uma conversazinha?

Se quiseres.

Faz muito bem à alma. Contudo, vais ver que não posso falar à vontade enquanto estiver manietado por estas correias. Estou habituado a gesticular - disse Regan, tagarela. - como é do teu conhecimento, meu caro Karras, passei grande parte do meu tempo em Roma. Agora faz o favor de desatar as correias.

Que precocidade de pensamento e de linguagem - ruminou Karras. Inclinou-se para a frente na cadeira, com interesse profissional. - Afirmas que és o Diabo?

Garanto-te que sou.

Então, porque não fazes desaparecer as correias?

Isso é uma exibição de poder demasiado vulgar, Karras. Grosseira de mais. No fim de contas, sou um príncipe! - Uma risadinha. - Prefiro, de longe, a persuasão, Karras; o companheirismo; o conluio na comunidade.

Além disso, se eu próprio soltar as correias, nego-te a oportunidade de praticares um acto de caridade.

Mas um acto de caridade - disse Karras - é uma virtude e isso é o que o Diabo deveria querer impedir.

Portanto, estarei de facto a ajudar-te agora se não desatar as correias. A não ser, naturalmente, que - encolheu os ombros - não sejas, na realidade, o demónio. E, nesse caso, desapertarei as correias.

Que grande raposa me saíste, Karras! Se o bom do Herodes estivesse aqui, apreciaria isto.

Que Herodes? - perguntou Karras, semicerrando os olhos. Estaria ela a fazer um jogo de palavras por Cristo ter chamado a Herodes "aquela raposa"? - Havia dois.

Referes-te ao Rei da Judeia?

Ao petrarca da Galileia! - Ela explodiu numa cólera e num desprezo mordaz. Em seguida sorriu de novo, lisonjeando-o naquela voz sinistra. - Pois, vês como estas malditas correias me perturbam? Desata-as. Desata-as e eu esclareço-te o futuro.

É muito tentador.

É o meu forte.

Mas então como saberei que tu podes ler o futuro?

Sou o Diabo.

Sim, afirmas que sim, mas não me dás provas disso.

Não tens fé.

Em quê? - volveu Karras, hirto.

Em mim, meu caro Karras, em mim! - Malícia e zombaria dançaram escondidas naqueles olhos.

Todas essas provas, todos esses sinais no céu!

Bem, agora pode servir qualquer coisa de muito simples - sugeriu Karras. - Por exemplo: o Diabo sabe tudo, não é verdade?

Não, Karras, quase tudo... quase. Vês? Continuam a dizer que sou orgulhoso. Não sou. Então, agora, que estás a preparar, ó raposa? - Os olhos amarelados e injectados de sangue brilhavam de astúcia.

Pensei que podíamos verificar a extensão dos teus conhecimentos.

Ah, sim? O maior lago da América do Sul – zombou Regan, de olhos salientes de gozo - é o lago Titicaca, no Peru! Isto serve?

Não, eu tenho de perguntar uma coisa que só o Diabo saiba. Por exemplo, onde está a Regan? Sabes?

Está aqui.

Onde é "aqui"?

Na porca.

Deixa-me vê-la.

Porquê?

Porquê? Para provar que me estás a contar a verdade.

Queres fodê-la? Desaperta as correias que eu deixo-te fazê-lo!

Deixa-me vê-la.

Tem uma cona muito apetitosa - disse Regan com altivez, passando lentamente a língua saburrenta pelos lábios rachados, a lamber a saliva. - Mas é uma pobre conversadora, meu amigo. Aconselho-te vivamente a que fiques comigo.

É óbvio que não sabes onde ela está... - Karras encolheu os ombros. - Portanto, parece-me que não és o Diabo.

Sou! - bramiu Regan de faces contorcidas pela raiva, dando um sacão repentino para a frente. Karras estremeceu ao ouvir a voz potente e aterradora ribombar, fazendo ressoar as paredes do quarto. - Sou!

Bem, então, deixa-me ver a Regan - tornou Karras.

- Isso prová-lo-á.

- Vou provar-to! Vou ler o teu pensamento! - A criatura excitou-se furiosamente. - Pensa num número de um a dez!

- Não, isso não prova nada! Tenho de ver a Regan.

De repente, a criatura riu-se, inclinando-se para trás, contra a cabeceira da cama.

Não, para ti, Karras, nada provará seja o que for.

Magnífico! De facto é magnífico! Entretanto, vamos tentar manter-te devidamente entretido. Apesar de tudo, não desejamos perder-te agora.

Quem é "nós"? - inquiriu Karras, com o interesse desperto.

Somos um grupinho razoável cá dentro da porquinha - disse a criatura, fazendo um gesto com a cabeça. - Oh, sim, uma pequena multidão assaz formidável. Mais tarde, com uma certa discrição, pensarei nas apresentações. Entretanto, sofro de uma comichão louca num sítio onde não posso chegar. Karras, poderias soltar uma das correias por um momento?

Não. Basta que me digas onde te come que eu coço-te.

Oh, que esperto; espertíssimo! Queres bater claras, hem?

Se me mostrares a Regan, talvez desaperte uma correia - volveu Karras. - Se...

Vacilou de repente sob o choque ao ver que fixava uns olhos cheios de terror, uma boca que se abria e fechava num grito de socorro mudo, electrizante.

Mas a identidade de Regan desapareceu então pronta­mente, numa rápida e indistinta transformação das feições.

- Não me vais tirar estas correias? - perguntou uma voz persuasiva, num cerrado sotaque inglês.

A personalidade demoníaca voltara num relâmpago.

- Podia ajudar um velho sacristão, padre? – crocitou ela, atirando em seguida a cabeça para trás, a gargalhar.

Karras, estupefacto, sentiu novamente aquelas mãos glaciais na nuca, mais palpáveis agora, mais firmes. A criatura-Regan interrompeu a gargalhada e fixou-o com sarcasmo.

- A propósito, Karras, a tua mãe está aqui connosco.

Queres deixar lhe um recado? Farei com que lho entreguem.

Karras evitou então, saltando de repente da cadeira, um vómito arremessado em torrente. Atingiu-lhe uma parte da camisola e uma das mãos.

Lívido, o padre baixou então o olhar para a cama, onde Regan casquinava de gozo. A sua mão gotejou vomitado no tapete.

- Se isso é verdade - disse o padre, estarrecido - então deves saber o nome próprio da minha mãe. Qual é?

A criatura Regan silvou-lhe, de olhos loucos a rebrilhar, de cabeça a ondular como uma cobra.

- Qual é?

Regan mugiu como um novilho, num urro que atravessou as persianas e fez estremecer os grandes vidros da janela. Os olhos reviraram-se para cima, nas órbitas.

Durante alguns momentos Karras observou, enquanto os urros continuavam. Em seguida, olhou para a mão e saiu do quarto.

Chris afastou-se rapidamente da parede, a olhar, aflita, para a camisola do jesuíta.

Tem uma toalha? - perguntou ele.

Há uma casa de banho, mesmo ali - respondeu Chris

pressurosa, apontando para uma porta ddo corredor. - Karl, cuide dela! - ordenou; depois, seguiu o padre até à casa de banho.

Desculpe! - exclamou ela, agitada, puxando uma toalha do toalheiro. O jesuíta foi ao lavatório.

- Está a dar-lhe tranquilizantes? - quis saber ele.

Chris abriu as torneiras.

Estou. Librium, Vamos, tire essa camisola e depois pode lavar-se.

Que dose? - perguntou ele puxando a camisola com a mão esquerda, que estava limpa.

Vamos, eu ajudo-o. - Chris puxou a camisola para cima. - Bem, padre, hoje tomou quatrocentos miligramas.

Quatrocentos?

Sim, só dessa maneira fomos capazes de lhe pôr as correias. Nós todos, em conjunto.

A senhora deu à sua filha quatrocentos miligramas de uma vez?

Vamos, padre, levante os braços. - Ele levantou-os e ela puxou delicadamente. - É inacreditável a força que ela tem.

Chris puxou a cortina do chuveiro para o lado, atirando a camisola para dentro da banheira.

A Willie vai lavar-lha, padre. Desculpe.

Não faz mal. Não tem importância. - Ele desabotoou a manga direita da camisa branca engomada e enrolou-a para cima, expondo uma tapeçaria de finos pêlos castanhos num antebraço espesso, de músculos salientes.

Desculpe - repetiu Chris em voz baixa, sentando-se devagar na borda da banheira.

Ela está a tomar qualquer alimento? - perguntou Karras, mantendo a mão sob a torneira da água quente para lavar o vomitado.

Chris torcia e destorcia a toalha. Era cor-de-rosa, com o nome de Regan bordado a azul.

Não, padre. Toma apenas Sustagene durante o sono.

Mas arrancou os tubos.

Arrancou-os?

Hoje.

Perturbado, Karras ensaboou e enxaguou as mãos e, depois de uma pausa, disse com ar bastante sério:

Ela devia estar num hospital.

Eu não posso fazer isso - respondeu Chris, numa voz sem entoação.

Porque não?

Não posso! - repetiu ela, trémula de ansiedade. - Não posso meter mais nada nem ninguém nisto! Ela... - Chris deixou tombar a cabeça. Respirou fundo. - Ela fez uma coisa, padre. Não posso correr o risco de qualquer outra pessoa descobrir isto. Nem um médico... nem uma enfermeira... - Levantou a vista. - Ninguém.

Ele fechou as torneiras, de sobrolho franzido.

- ... Se uma pessoa, digamos, fosse um criminoso... - Baixou a cabeça olhando para o lavatório. - Quem lhe dá o Sustagene? O Librium? Os medicamentos?

- Somos nós. O médico ensinou-nos a maneira de o fazer.

Precisa de receitas.

Bem, o senhor pode passar algumas, não é verdade, padre?

Karras voltou-se para ela, de mãos erguidas sobre a bacia do lavatório, como um cirurgião depois de se lavar. Fixou-lhe por instantes os olhos alucinados, pressentiu neles um segredo terrível, um receio. Com um gesto, indicou a toalha que Chris segurava nas mãos. Ela olhava absorta. - A toalha se faz favor - disse ele, baixo.

Oh, desculpe! - Atrapalhada, entregou-lha muito depressa, ainda a observá-lo, numa expectativa tensa. O jesuíta enxugou as mãos. - Bem, padre, o que lhe parece? - perguntou-lhe Chris por fim. - Pensa que ela está possessa?

E a senhora?

Eu não sei. Pensei que o senhor é que era o especialista.

O que sabe sobre possessão?

Apenas um pouco que li. Algumas coisas que os médicos me contaram.

Que médicos?

Na Clínica Barringer.

Ele dobrou a toalha e pô-la cuidadosamente no toalheiro.

A senhora é católica?

Não.

E a sua filha?

Também não.

Que religião professa?

Nenhuma, mas eu...

Então porque veio ter comigo? Quem a aconselhou?

Vim porque estou desesperada! - deixou ela escapar,

excitada. - Ninguém me aconselhou!

Karras voltava-lhe as costas, agarrando ainda ligei­ramente as franjas da toalha.

A senhora disse primeiro que alguns psiquiatras a tinham aconselhado a procurar me.

Oh, eu não sei o que estava a dizer! Tenho andado praticamente de cabeça perdida.

Escute, os seus motivos não me interessam nada - respondeu ele com uma intensidade cuidadosamente doseada. - Tudo o que me interessa é fazer o que for melhor para a sua filha. Mas afirmo-lhe já: se espera que um exorcismo constitua uma cura de choque auto--sugestiva, é muito melhor que chame a Central Casting, Miss MacNeil, porque a Igreja não vai nisso e a senhora perde o seu precioso tempo. - Karras agarrou a barra do toalheiro para firmar as mãos trémulas. - Que é que há. Que aconteceu?

- A propósito, é Sra. MacNeil - ouviu ele Chris dizer-lhe secamente.

Ele baixou a cabeça e moderou o tom.

Olhe, seja um demónio ou uma doença mental, farei todo o possível para a ajudar. Mas tenho de saber a verdade. É importante paraRegan. Neste momento ando a tactear, numa situação de ignorância, o que não é nada sobrenatural ou desusado para mim; trata-se apenas do meu estado normal. Agora, porque não saímos ambos desta casa de banho e não vamos lá para baixo, para onde possamos falar? - Ele voltou-se para ela com um leve sorriso amigo e tranquilizador e estendeu a mão para a ajudar a levantar-se. - Eu tomava uma chícara de café.

Eu tomava uma bebida.

Enquanto Karl e Sharon cuidavam de Regan, eles sentaram-se no gabinete de trabalho. Chris no sofá, Karras numa cadeira junto do fogão de sala, e Chris relatou-lhe a história da doença de Regan, embora omitisse cuidadosamente qualquer menção aos fenómenos relacionados com Dennings.

O padre escutou, dizendo muito pouco: uma pergunta ocasional; um aceno; um franzir de sobrancelhas.

Chris admitiu que a princípio considerara o exorcismo como um tratamento de choque.

Agora não sei - disse ela, sacudindo a cabeça. Dedos sardentos entrelaçados tremiam-lhe no colo. - Já não sei.

- Levantou os olhos para o padre pensativo. - Padre, o que

é que o senhor pensa?

Comportamento compulsivo causado por um sentimento de culpa, associado talvez a um desdobramento de personalidade.

Já me contaram toda essa merda, padre! Depois de tudo o que acabou de ver como pode o senhor dizer isso agora?

Se a senhora tivesse visto tantos doentes nas enfermarias de psiquiatria como eu, podia dizê-lo facilmente - assegurou-lhe. - Vamos ver agora. A possessão pelos demónios, muito bem: suponhamos que é um facto real, que acontece. Mas a sua filha não afirma que é um demónio; ela insiste que é o Diabo propriamente dito, o que equivale a dizer-se que se é Napoleão Bonaparte! Percebe?

Então explique-me todas essas pancadas e o resto.

Não as ouvi.

Bem, padre, em Barringer ouviram-nas. Portanto, não foi apenas cá em casa.

Bem, talvez, mas não precisamos de um diabo para as explicar.

Então explique-as.

Psicocinesia.

Quê?

Bem, já ouviu falar de fenómenos de poltergeist, não?

- Fantasmas que atiram com pratos e outras coisas?

Karras fez um sinal afirmativo.

Não é assim tão invulgar, e na generalidade acontece próximo de adolescentes emocionalmente perturbados.

Aparentemente, uma extrema tensão interior pode, às vezes, libertar uma energia desconhecida que parece mover a uma certa distância os objectos próximos. Não há aí nada de sobrenatural. É como a força anormal de Regan. Em patologia, porém, é vulgar. Chame-lhe o domínio da matéria pela mente, se quiser.

Chamo-lhe uma coisa sinistra.

Bem, seja como for, acontece fora do âmbito das possessões.

Safa! Não é bonito? - disse ela aborrecida. – Aqui estou eu que sou ateia e o senhor aí que é padre e...

A melhor explicação de um fenómeno qualquer - interrompeu Karras - é sempre a mais simples das que dispomos que abranja todos os factos.

Bem, pode ser que eu sej a estúpida - retorquiu ela - mas declararem-me que um monstro desconhecido metido na cabeça de alguém atira pratos ao tecto não me diz nada? Portanto, o que é? Pelo amor de Deus, o senhor não me pode dizer o que é?

Não, nós, nas circunstâncias...

Padre, que diabo é o desdobramento da personalidade? O senhor fala disso; eu ouço. Mas o que é? Sou na realidade assim tão estúpida? Não pode dizer-me o que é, de maneira que possa acabar por metê-lo na cabeça? – Nos olhos raiados de vermelho havia uma prece confusa e desesperada.

Olhe, não há ninguém no mundo que pretenda compreender - disse o padre com paciência. - Tudo o que sabemos é que acontece, e toda e qualquer coisa além do

fenómeno propriamente dito é pura especulação. Mas se quiser pense deste modo: o cérebro humano tem, digamos, dezassete biliões de células.

Chris inclinou-se para a frente, com a testa franzida pela atenção.

- Olhando agora para essas células cerebrais - continuou Karras - vemos que transmitem e recebem cerca de cem milhões de mensagens por segundo; é esse o número de sensações que bombardeiam o nosso corpo. Elas não só integram todas essas mensagens, mas fazem-no com eficiência, sem nunca se enganarem nem interferirem mutuamente. Ora, como podem proceder assim sem uma forma qualquer de comunicação. Bem, parece que não podem. Portanto, aparentemente, cada uma dessas células possui talvez uma consciência própria. Muito bem. Imagine agora que o corpo humano é um grande paquete transoceânico e que todas as suas células cerebrais constituem a tripulação. Imagine agora uma dessas células na ponte. É o comandante. Mas ele nunca sabe exactamente o que o resto da tripulação, em baixo, nas cobertas, está a fazer. Sabe apenas que o navio continua a navegar regularmente, que o serviço está a ser feito. Ora o comandante é cada um de nós, é a nossa consciência activa. E o que talvez aconteça no desdobramento de personalidade é que uma dessas células da tripulação de lá de baixo, da coberta, vem para a ponte e toma conta do comando. Por outras palavras, trata-se de amotinação. Ora isto ajuda-a a compreender?

Ela olhava com incredulidade, sem pestanejar.

Padre, isso está tão fora da realidade, que penso ser quase mais fácil acreditar no Diabo!

Bem... Olhe, eu não sei nada a respeito dessas coisas, - interrompeu ela numa voz intensa e grave. - Mas vou dizer-lhe uma coisa, padre; se o senhor me mostrasse a gémea verdadeira de Regan: a mesma cara, a mesma voz, o mesmo cheiro, tudo idêntico, até o modo de ela pôr os pontos nos ii, eu conheceria num segundo que não era realmente ela! Conheceria! Conhecê-lo-ia nas minhas entranhas e estou a dizer-lhe que sei que aquela criatura lá

em cima não é minha filha! Eu sei!

Chris encostara-se à parede, exausta.

- Agora o senhor vai dizer-me o que há a fazer - desafiou ela. - Comece: vai dizer-me que sabe que de facto a minha filha não está doente a não ser da cabeça; que sabe que de facto ela não precisa de um exorcismo: que sabe que lhe não vai fazer nada. Ande! Diga-me! Diga-me o que há a fazer!

Durante longos e difíceis segundos o padre manteve-se imóvel. Em seguida respondeu calmamente:

- Bem, há muito poucas coisas neste mundo que eu saiba de facto.

Após reflectir durante alguns momentos, afundado na cadeira, perguntou:

A Regan tem uma voz grave? Normalmente?

Não. Na realidade, diria que é muito fina.

A senhora considera-a precoce?

De modo nenhum.

Sabe qual é o seu quociente de inteligência?

Anda pela média.

E o que costuma ela ler?

Geralmente Nancy Drew e histórias aos quadradinhos.

E o seu estilo de falar, o actual: que diferença diria que faz do normal?

É completamente diferente. Ela nunca empregou metade daquelas palavras.

Não, não me refiro ao conteúdo; refiro-me ao estilo.

Ao estilo?

À sua maneira característica de expressão.

Apre! Não tenho a certeza de estar a compreender o que diz.

Tem algumas cartas escritas por ela? Redacções? Uma gravação da voz seria...

Sim, há uma fita gravada com ela a falar para o pai - interrompeu Chris. - Estava a gravá-la para lha mandar como uma carta, mas nunca a acabou. Quere-a?

Sim, quero, e também preciso dos relatórios médicos, especialmente a papelada do Barringer.

Olhe, padre, já percorri esse caminho e eu...

Sim, sim, eu sei, mas eu próprio tenho de ver os relatórios.

Por conseguinte, o senhor ainda é contra o exorcismo.

Sou apenas contra a probabilidade de fazer à sua filha mais mal do que bem.

Mas agora está estritamente a falar como psiquiatra, não é verdade?

Não, estou também a falar como padre. Se for à Chancelaria, ou lá onde tiver de ir, para obter a autorização para fazer um exorcismo, a primeira coisa que devo apresentar é uma indicação suficientemente fundamentada de que a doença da sua filha não é um problema puramente psiquiátrico. Além do mais, preciso de provas que a Igreja aceite como indícios de possessão.

Quais, por exemplo?

Não sei. Tenho de examinar o caso.

Está a brincar? Pensei que era tido como um perito.

Nesta altura, provavelmente, a senhora sabe mais sobre possessões demoníacas do que muitos padres. Entretanto, quando me poderá arranjar os relatórios de Barringer?

Eu até freto um avião, se for preciso!

E a fita gravada?

Chris levantou-se.

Vou ver se consigo encontrá-la.

- Só mais uma coisa - acrescentou ele. Chris deteve-se ao lado da cadeira do jesuíta. - Aquele livro de que a senhora falou, que tem um capítulo sobre possessões: lembra-se se por acaso a Regan alguma vez o leu antes do aparecimento da doença?

Chris concentrou-se, de unhas a raspar nos dentes.

Caramba, parece que me lembro de ela ter lido alguma coisa na véspera daquela mer... Antes de as perturbações terem realmente começado - emendou ela - , mas na verdade não posso ter a certeza. Porém, creio que ela o fez

numa altura qualquer. Quer dizer, tenho a certeza. A certeza absoluta.

Gostaria de o consultar. Pode emprestar-mo?

É seu. Já passou o prazo de entrega na sua biblioteca.

Vou buscá-lo. - Ela ia a sair do gabinete de trabalho. - Penso que a fita está na cave. Vou lá ver. Volto já.

Karras fez um gesto de assentimento, distraído, a olhar para os desenhos do tapete, e alguns minutos depois levantou-se, caminhou vagarosamente para o hall de entrada e parou imóvel na escuridão. Parou, sem expressão, numa outra dimensão, de olhar perdido no vago, com as mãos nas algibeiras, enquanto escutava os grunhidos de um porco vindos do andar de cima, o latido de um chacal, os soluços, os silvos.

- Oh, o senhor está aí? Fui procurá-lo ao gabinete.

Karras voltou-se e viu Chris a mover-se na zona iluminada.

Vai-se embora? - Ela aproximou-se com o livro e a fita gravada na mão.

Tenho uma lição a preparar para amanhã.

Ah, onde?

N a Escola Médica. - O padre recebeu das mãos dela o livro e a fita.

Vou tentar passar por cá amanhã, de tarde ou à noite.

Em caso de urgência, faça favor de me chamar, seja a que horas for. Vou deixar recado no P. B. X. para me passarem a sua chamada.

Ela fez um gesto afirmativo com a cabeça. O jesuíta abriu a porta.

Então, de que medicamentos precisa? - perguntou ele.

Está tudo bem. Tenho uma receita que pode ser aviada novamente.

A senhora não quer chamar mais uma vez o seu médico?

A actriz fechou os olhos e sacudiu ligeiramente a cabeça.

A senhora sabe, eu não sou médico de clínica geral - preveniu ele.

Não posso - murmurou ela. - Não posso.

Ele sentia a ansiedade dela a bater como as ondas numa praia desconhecida.

Bem, agora, mais tarde ou mais cedo, tenho de comunicar o que estou a fazer a um dos meus superiores; especialmente se tiver de vir cá de noite a horas insólitas.

E tem mesmo de lhe dizer alguma coisa? - Ela franziu o sobrolho, aflita.

Bem, de outro modo podia parecer tudo um pouco esquisito, não lhe parece?

Ela baixou a vista.

Sim, percebo - murmurou.

Importa-se? Só lhe vou contar o indispensável. Não se aflija - tranquilizou-a. - Não andarei muito por aqui.

Ela levantou o rosto desesperado e atormentado para os olhos tristes e decididos; viu força; viu dor.

- Pois sim - disse ela sem coragem. Acreditou na dor.

Ele acenou que sim com a cabeça.

- Havemos de falar.

Preparou-se para partir, mas parou um momento na soleira da porta, a pensar, com a mão nos lábios.

A sua filha sabia que vinha cá um padre?

Não, ninguém sabia a não ser eu.

A senhora sabia que a minha mãe morreu há pouco tempo?

Sim. Sinto muito.

E a Regan sabe?

Porquê?

Sabe?

- Não, não sabe.

Karras fez um gesto com a cabeça.

Porque é que pergunta isso? - tornou Chris, de sobrancelhas ligeiramente levantadas pela curiosidade.

Não é importante. - Encolheu os ombros. – Estava apenas a pensar. - Examinou-lhe as feições com um olhar ligeiramente preocupado. - A senhora tem conseguido dormir?

Oh, um pouco.       

Tome uns comprimidos. Tem tomado Librium?

Sim.

Quanto? - perguntou ele.

Dez miligramas, duas vezes por dia.

Experimente vinte, duas vezes por dia. Entretanto, tente não se aproximar de sua filha. Quanto mais se expuser ao seu comportamento actual maior será a probabilidade dos sentimentos que nutre por ela ficarem permanentemente prejudicados. Mantenha-se afastada. E acalme se. Não pode ajudar Regan com um esgotamento nervoso, sabe?

De olhos baixos, inclinou a cabeça num gesto de assentimento.

Agora, faz favor, vá para a cama - disse ele com meiguice. - Vai fazer-me o favor de ir já para a cama?

Sim, está bem - disse ela baixo. - Está bem. Prometo. - Olhou para Karras com o vestígio de um sorriso. - Boa noite, padre. Obrigada. Muito obrigada.

Inexpressivo, estudou a um momento; depois, afastou-se rapidamente.

Chris ficou a observá-lo da porta. Ao vê-lo atravessar a rua ocorreu-lhe que provavelmente já passara, para ele, a hora do jantar. Depois, ficou por instantes preocupada por Karras poder sentir frio. Puxara para baixo as mangas da camisa.

Na esquina da Prospect com a P, ele deixou cair o livro e parou rapidamente para o apanhar; depois, voltou a esquina e desapareceu. Chris, de repente, experimentou um sentimento de leveza ao vê-lo desaparecer. Não viu Kinderman, sozinho, sentado no carro sem distintivo.

Fechou a porta.

Meia hora mais tarde, Damien Karras voltava apressado ao seu quarto, na Residência dos Jesuítas, com uma porção de livros e periódicos das estantes da biblioteca de Georgetown. Deixou-os cair precipitadamente em cima da secretária e depois procurou pelas gavetas um maço de cigarros. Encontrou um maço de Camel meio vazio. Acendeu um cigarro, inspirou profundamente e conservou o fumo nos pulmões enquanto pensava em Regan.

Histeria. Tinha de ser histeria. Expirou o fumo, enfiou os polegares no cinto e olhou para os livros. Tinha a Possessão, de Oesterreich; Os Diabos de Loudun, de Huxley; Para-praxis no Caso Haizman, de Freud; Possessão Demoníaca e Exorcismo no Cristianismo Primitivo à Luz das Ideias Modernas sobre Doenças Mentais, de McCasland, e extrac­tos de jornais psiquiátricos de "Uma neurose de possessão demoníaca no século XVII", e de "A demonologia da psi­quiatria moderna", de Freud.

"Podia ajudar um velho sacristão, padre?" O jesuíta apalpou a testa e depois olhou para os dedos, esfregando entre eles um suor pegajoso. Reparou então que a porta estava aberta. Atravessou o quarto e fechou-a, e em seguida foi a uma estante procurar o seu exemplar do Ritual Romano, um compêndio de ritos e orações, encadernado a vermelho. Apertando o cigarro entre os lábios, piscou com o fumo ao voltar-se para as "Regras gerais" para exorcistas, à procura dos sinais da possessão demoníaca. Percorreu o livro e depois começou a ler, devagar:

... O exorcista não deve acreditar sem reservas que uma pessoa está possessa de um espírito mau; deve averiguar os sinais pelos quais se pode distinguir uma pessoa possessa de outra que sofra de alguma doença, especialmente uma doença de natureza psicológica. Podem constituir sinais de possessão os seguintes: a habilidade para falar uma língua estranha com certa facilidade ou para a compreender quando é falada por outrem; a faculdade de revelar o futuro e acon tecimentos ocultos; a demonstração de faculdades que ultrapassam a idade do sujeito e a sua condição natural; e várias outras circunstâncias que, quando encaradas em conjunto, podem ser tomadas como provas.

Karras reflectiu durante alguns momentos. Depois en­costou-se à estante e leu as restantes instruções. Quando terminou revia a instrução n.o 8:

"Alguns revelam um crime que foi cometido e cujos autores..."

Olhou para a porta, ao ouvir bater.

Damien?

Entre.

Era Dyer.

A Gris MacNeil queria entrar em contacto consigo. Já o conseguiu?

Quando? Quero dizer, esta noite?

Não, esta tarde.

Ah, sim, sim, já falei com ela.

Muito bem - disse Dyer. - Só queria ter a certeza de que tinha recebido o recado.

O padre, de baixa estatura, cirandava agora pelo quarto, pegando nos objectos como um elfo numa loja de artigos em segunda mão.

De que precisa, Joe? - perguntou Karras.

Tem pastilhas de limão?

Quê?

Andei à procura de pastilhas de limão por toda a Residência. Não há ninguém que as tenha. Safa! Está-me mesmo a apetecer uma - disse Dyer, aborrecido e ainda à procura. - Uma vez levei um ano a ouvir confissões de crianças e fiquei com o gosto pelas pastilhas de limão. Os pequenos estupores exalavam o seu aroma de mistura com toda aquela prosa. Aqui entre nós, penso que aquilo é um estupefaciente. - Levantou a tampa de um recipiente para tabaco de cachimbo, onde Karras guardara algumas sementes de pistache. - O que é isto... feijão saltador mexicano?

Karras voltou-se para a estante, à procura de um livro.

Escute, Joe, tenho um...

Aquela Chris não é mesmo simpática? - interrompeu Dyer, atirando se para cima da cama. Estendeu-se ao comprido, com as mãos confortavelmente cruzadas atrás da cabeça. - Simpática senhora. Conhece-a?

Conversámos - respondeu Karras, puxando um volume encadernado de verde intitulado Satanás, uma colecção de artigos e trabalhos vincando a posição católica de vários teólogos franceses. Levou-o consigo para a secretária. - Ouça, tenho realmente de...

Simples. Terra a terra. Nada afectada - continuou Dyer. Ela pode ajudar-nos nos meus planos para quando abandonarmos o sacerdócio.

Quem vai abandonar o sacerdócio?

Palha. Aspirações. Então eu...

Joe, tenho de preparar uma lição para amanhã - disse Karras ao pousar os livros na secretária.

Sim, está bem. Então, o meu plano é irmos ter com a Chris MacNeil - está a ver o quadro? - com aquela ideia que tenho para um argumento baseado na vida de Santo Inácio de Loiola. O título é A Marcha dos Jesuítas Valentes, e...

Joe, faz-me o favor de levar o eu daqui para fora? - instou Karras, esmagando a ponta do cigarro num cinzeiro.

É assim tão maçador?

Tenho que fazer.

Quem diabo o está a impedir?

Vamos, ande, estou a falar a sério. - Karras principiara a desabotoar a camisa. - Vou tomar um duche e depois preciso de trabalhar.

A propósito, não o vi ao jantar - disse Dyer, levantando-se da cama com relutância. - Onde jantou?

Não jantei.

Isso é idiota. Vale a pena fazer dieta quando só se traz o hábito? - Ele aproximou-se da secretária e cheirou um cigarro. - É um cigarro velho.

Há algum gravador cá na Residência?

Cá na Residência nem sequer há uma pastilha de limão. Sirva-se do do laboratório de línguas.

Quem tem a chave? O padre reitor?

Não. O padre porteiro. Precisa dela esta noite?

Sim, preciso - disse Karras, deixando cair a camisa nas costas da cadeira da secretária. - Onde posso encontrá-lo?

Quer que lha arranje?

Era óptimo. Estou realmente num aperto.

Não custa nada, Grande e Beatífico Médico Feiticeiro Jesuíta. Vou já. - Dyer abriu a porta e saiu.

Karras tomou o duche e em seguida vestiu uma camisa desportiva e um par de calças. Ao sentar-se à secretária, descobriu um pacote de Camel sem filtro e ao lado uma chave com a etiqueta "Laboratório de línguas" e outra que dizia "Frigorífico do refeitório". Presa à última encontrava--se uma nota: "Antes você que os ratos." Karras sorriu ao ler a assinatura: O Miúdo das Pastilhas de Limão. Pôs a nota de lado, depois tirou o relógio de pulso e colocou-o na sua frente em cima da secretária. Eram 10.58 da noite. Começou a ler, Freud. McCasland. Satanás. O estudo exaustivo de Oesterreich. Um pouco depois das quatro da manhã tinha terminado. Esfregou a cara e os olhos, que picavam. Olhou para o cinzeiro: cinzas e pontas torcidas de cigarros. O ar estava espesso de fumo. Levantou-se e encaminhou-se, fatigado, para a janela. Abriu-a. Encheu os pulmões com a frescura do ar húmido da manhã e ficou ali a pensar. Regan tinha a síndroma física da possessão. Até ali sabia; disso não tinha dúvidas. Pois, caso após caso, independente da situação geográfica ou do período histórico, os sintomas da possessão eram essencialmente constantes. Regan ainda não manifestara alguns deles: estigmas, desejo de alimentos repugnantes, insensibilidade à dor, o soluçar alto frequente e irreprimível. Mas os outros manifestara-os nitidamente: a excitação motora involuntá­ria, o mau hálito, a língua saburrenta, o emagrecimento do corpo, o estômago dilatado, a irritação da pele e das mucosas. E os sintomas básicos do núcleo sólido dos casos de Oesterreich descrevera como possessões genuínas estavam muito significativamente presentes: a mudança notória da voz e das feições, acrescida da manifestação de uma nova personalidade.

Karras levantou a vista e olhou, sombrio, para a rua. Através dos ramos das árvores podia ver a casa e a grande janela de sacada do quarto de Regan. Quando a possessão era voluntária, como acontecia com os médiuns, a nova personalidade tinha muitas vezes um carácter benigno. Como a tia, pensou Karras. O espírito de uma mulher que possuíra um homem. Um escultor. Em breves períodos de tempo. Uma hora de cada vez. Por fim, um amigo do escultor apaixonou se desesperadamente... pela tia. Pediu ao escultor que permitisse que ela ficasse permanentemente de possessão do seu corpo. Mas na Regan não há nenhuma tia, reflectiu Karras, aborrecido. A personalidade invasora era má. Malévola. Típica dos casos de possessão demoníaca em que a nova personalidade procurava a destruição do corpo do seu hospedeiro. E, frequentemente, conseguia-o.

O jesuíta, sombrio, voltou para a secretária, onde pegou num maço de cigarros; acendeu um. Portanto, está certo. Ela tem a síndroma da possessão demoníaca. Agora, como se cura?

Sacudiu o fósforo para o apagar. Depende da causa. Sentou-se na beira da secretária. Considerou. As religiosas do convento de Lille, possessas, na França dos começos do século XVII, tinham confessado aos exorcistas que, en­quanto impotentes, no estado de possessão, haviam intervindo regularmente em orgias satânicas; tinham variado regularmente a sua ementa erótica: segundas e terças-fei-ras, cópula heterossexual; às quintas feiras, sodomia, fellatio e cunnilingus com companheiros homossexuais; aos sábados, cópula com animais domésticos e dragões. E dra­gões!... O jesuíta sacudiu a cabeça. Pensou que, exacta­mente como em Lille, a causa de muitas possessões era um misto de fraude e mitomania. No entanto, outras ainda pareciam causadas por doenças mentais: paranóia, esqui­zofrenia, neurastenia, psicastenia; e era essa a razão, sabia, pela qual a Igreja recomendara durante anos que o exorcista trabalhasse na presença de um psiquiatra ou neuro­logista. Contudo, nem todas as possessões tinham causas tão evidentes. Muitas tinham levado Oesterreich a descrever a possessão como uma doença diferente, completamente distinta; a abandonar, por não ser mais que um substituto igualmente oculto do conceito de "demónio" e "espírito dos mortos", o rótulo explanatório de "personalidade múltipla" da psiquiatria.

Karras passou o dedo por uma ruga junto ao nariz. As indicações de Barringer, dissera-lhe Chris, eram que a doença de Regan podia ser causada por uma sugestão, por alguma coisa que de qualquer modo se relacionasse com a histeria. E Karras pensava que isso seria provável. Acreditava que a maioria dos casos que estudara tinham sido originados precisamente por esses dois factores. Com certeza. Por um lado, as mulheres são as mais atingidas. Por outro lado, todos aqueles surtos de epidemias, de possessões. E depois aqueles exorcistas... Karras franziu o sobrolho. Eles próprios se tornavam muitas vezes vítimas da possessão. Pensou em Loudun. França. O convento das religiosas ursulinas. Dos quatro exorcistas lá enviados para combater uma epidemia de possessões, três - os padres Lucas, Lactance e Tranquille - , além de se tornarem possessos, morreram pouco depois, aparentemente de choque. E o quarto, o padre Surin, de trinta e três anos, quando se tornou possesso ficou doido durante os subsequentes vinte e cinco anos de vida.

Sacudiu a cabeça para si próprio. Se a doença de Regan era histeria, se o acesso da possessão fosse produto de sugestão, então a origem da sugestão só poderia ser o capítulo do livro de feitiçaria. O capítulo sobre a possessão. Tê-lo-ia ela lido?

Percorreu cuidadosamente as suas páginas. Haveria semelhanças relevantes entre os pormenores e o comportamento de Regan? Isso poderia constituir uma prova. Poderia.

Encontrou certas correlações.

... O caso de uma miúda de oito anos, que o capítulo descrevia como "mugindo como um touro, numa voz de baixo, grave e trovejante". (A Regan a mugir como um novilho.)

... O caso de Helene Smith, tratada pelo grande psicólogo Flournoy; a sua descrição da transformação da voz e das feições nas de uma diversidade de personalidades com a "rapidez de um relâmpago". (Ela fez o mesmo comigo. A personalidade que falou com um sotaque inglês. Mudança rápida. Instantânea.)

... Um caso na África do Sul, contado em primeira mão pelo célebre etnólogo Junod; a sua descrição de uma mulher que, desaparecendo numa noite da sua moradia, foi encontrada na manhã seguinte "amarrada no cimo" de uma árvore muito alta "com lianas muito finas", e depois "deslizou ao longo da árvore, de cabeça para baixo, ao mesmo tempo que assobiava, estendia e encolhia rapi damente a língua, como uma cobra. Depois, pendurou-se na árvore, ficando suspensa durante algum tempo e começou a falar numa linguagem que nunca ninguém ouvira". (Regan a deslizar como uma cobra quando seguira Sharon. A algaraviada. A tentativa de uma linguagem desconhecida.)

... O caso de Joseph e Thiebaut Burner, respectivamente de oito e dez anos; a descrição deles "deitados de costas e girando de repente como piões, com a maior velocidade". (Parece-se muito com a maneira dela rodopiar como um dervixe.)

Havia outras semelhanças; contudo, existiam também razões para se suspeitar de sugestão: a menção de uma força anormal, o proferir obscenidades e os relatos de possessões dos Evangelhos, que, pensou Karras, talvez constituíssem a base do conteúdo curiosamente religioso dos delírios de Regan na Clínica Barringer. Além disso, mencionava se no capítulo o princípio das possessões nos seus estágios: "... O primeiro, a infestação, consiste num ataque motivado pelo ambiente que cerca a vítima; ruídos, cheiros, a deslocação de objectos; e o segundo, a obsessão, consiste num ataque pessoal ao sujeito, destinado a inspirar o terror através da espécie de ferimentos que uma pessoa pode infligir a outra por meio de pancadas e pontapés." As pancadas. As perturbações. Os ataques do capitão Howdy.

Talvez... Talvez ela o tivesse lido. Mas Karras não estava convencido. De modo nenhum... de modo nenhum. E Chris. Parecia bastante indecisa a esse respeito.

Foi outra vez à janela. Então qual é a resposta? Uma verdadeira possessão? Um demónio? Olhou para baixo e abanou a cabeça. Não há maneira. Não há maneira. Acontecimentos paranormais? Certamente. Porque não? Muitos observadores competentes os tinham comunicado. Médicos. Psiquiatras. Homens como Junod. Mas oproblema é: como interpretar os fenómenos? Tornou a pensar em Oesterreich. A referência a um xamane do Altai. Sibéria. Voluntariamente possesso e examinado numa clínica durante a realização de um acto aparentemente para normal: a levitação. Imediatamente antes, o ritmo das pulsações chegara a cem, depois, em seguida, saltara para o número incrível de duzentas. Também teve diferenças notáveis de temperatura. Na respiração. Portanto, a sua acção paranormal estava ligada à fisiologia. Era causada por alguma energia ou força física. Mas como prova de possessão, a Igreja exigia fenómenos evidentes e exteriores que sugerissem...

Esquecera-se das palavras. Procurou-as. Passou um dedo pela folha de um livro colocado em cima da secretária. Encontrou o. "... fenómenos exteriores verificáveis que sugerissem a ideia de que são devidos à intervenção extraordinária de uma causa inteligente diferente do homem." Seria esse o caso do xamane?, perguntou Karras a si próprio. Não. É este o caso da Regan?

Voltou a uma passagem que sublinhara a lápis: "O exorcista terá simplesmente cuidado para que nenhuma das manifestações do doente fique sem explicação..."

Fez um sinal afirmativo com a cabeça. Então, muito bem. Vejamos. Andando de um lado para o outro, percorreu as manifestações da doença de Regan, juntamente com as possíveis explicações. Conferiu as mentalmente, uma a uma:

A espantosa transformação das feições de Regan.

Em parte era a sua doença. Em parte era a deficiência de nutrição. Principalmente, concluiu, era devido ao facto de a fisionomia ser expressão da constituição psíquica. Ou lá o que é!, acrescentou ele com uma careta.

A espantosa transformação da voz de Regan.

Ainda tinha de ouvir a voz original. E mesmo que tivesse sido clara, como a mãe dizia, os gritos constantes acabariam por tornar espessas as cordas vocais, com o consequente engrossamento da voz. Aqui, o único problema, reflectiu ele, era o volume imponente daquela voz, pois, mesmo com o espessamento das cordas vocais, aquilo parecia ser fisiologicamente impossível. E, no entanto, considerou ele, sabia-se ser um lugar comum as demonstrações de força paranormal em excesso do potencial muscular, em estados de ansiedade ou patologia. Não poderiam as cordas vocais e a laringe estar sujeitas aos mesmos efeitos misteriosos?

Os conhecimentos e o vocabulário de Regan subitamente ampliados.

Boa suposição. Se ela tivesse lido o capítulo sobre possessões poderia ter esperado a visita de um padre. E, segundo Jung, a atenção inconsciente e a sensibilidade dos doentes histéricos podiam, por momentos, ser cinquenta vezes maiores que as normais, o que explicava as aparentemente autênticas "leituras de pensamento", por meio de pancadas na mesa, feitas por um médium, porque o que inconsciente do médium realmente "lia" eram as tremuras e as vibrações provocadas na mesa pelas mãos da pessoa cujos pensamentos se supunha estarem a ser lidos. As tremuras formavam um conjunto de letras ou números. Assim, concebia-se que Regan podia ter "lido" a sua identidade simplesmente pelas" suas maneiras, pelo aspecto das suas mãos, pelo cheiro do vinho sacramental.

O conhecimento de Regan da morte de sua mãe.

Boa suposição. Ele tinha quarenta e seis anos.

Pode ajudar um velho sacristão, padre?

Os compêndios adoptados nos seminários católicos aceitavam a telepatia não só como a realidade, mas também como fenómeno natural.

A precocidade intelectual de Regan.

Depois de ter pessoalmente observado um caso de personalidade múltipla que incluía fenómenos ditos ocultos, o psiquiatra Jung concluíra que, em certos estados de so­nambulismo histérico, não só eram intensificadas as percepções inconscientes dos sentidos, mas também as funções do intelecto, porque as novas personalidades, no caso em questão, pareciam nitidamente mais inteligentes que a primeira. E, contudo, cismava Karras, a simples descrição do fenómeno explicá-lo-ia?

De repente, parou de andar de um lado para o outro e encostou-se à secretária, pois tornara se lhe de súbito evidente que o trocadilho de Regan sobre Herodes era ainda mais complicado do que parecera a princípio: quando os fariseus informaram Cristo das ameaças de Herodes, recordou-se ele, Cristo respondera lhes: "Ide e dizei a essa raposa: Eis que eu lanço fora os demónios..."

Olhou durante um momento para a fita gravada com a voz de Regan; depois, sentou-se, cansado, à secretária. Acendeu outro cigarro... expeliu o fumo... pensou nova mente nos filhos Burner; no caso da garota de oito anos que manifestara sintomas de uma possessão completa. Que livro lera aquela pequena que permitira ao seu inconsciente simular os sintomas com tal perfeição? E como é que o inconsciente de vítimas residentes na China comunicava os sintomas aos vários inconscientes de pessoas residentes na Sibéria, na Alemanha, em África, de maneira que os sintomas eram sempre os mesmos.

"A propósito, Karras, a tua mãe está aqui connosco..."

Ele fixava, sem ver, o fumo do cigarro a subir como os murmúrios ondulados da memória. O padre inclinou se para trás, a olhar para baixo, para a gaveta do fundo, do lado esquerdo da secretária. Durante algum tempo conti­nuou a olhar. Depois, inclinou-se vagarosamente, abriu a gaveta e tirou um caderno desbotado de exercícios de inglês. Educação de adultos. A de sua mãe. Sentou se na secretária e folheou as páginas, com um cuidado cheio de ternura. Letras do alfabeto, repetidas vezes sem conta. Depois, exercícios simples:

O meu endereço completo

Entre as páginas o esboço de uma carta.

Depois, outro começo. Incompleto. Desviou a vista. Viu os olhos dela na janela... à espera...

"Domine, non sum dignus..."

Os olhos transformaram-se nos de Regan... olhos que gritavam... olhos que esperavam...

"Mas dizei uma só palavra..."

Olhou para a fita gravada com a voz de Regan.

Saiu do quarto. Levou a fita para o laboratório de línguas. Descobriu um gravador. Sentou-se. Ligou a fita a uma bobina vazia. Pôs um par de auscultadores. Ligou. Em seguida, inclinou-se para a frente e escutou. Exausto. Tenso.

Durante algum tempo, só o ruído da fita. A chiadeira do mecanismo. De repente, ruídos. "Olá..." Depois, um silvo de feed-back. Chris MacNeil, no fundo, falava numa voz abafada: "Queridinha, não te aproximes tanto do microfone. Mantém-no afastado." "Assim?" "Não, mais." "Assim?" "Sim, assim está bem. Agora fala, anda." Risinhos. O microfone a bater na mesa. Depois a voz clara e meiga de Regan MacNeil:

"Olá, paizinho! Sou eu. Ummm..." Risadinhas. Depois, um aparte em segredo "Não sei o que hei-de dizer!" - "Oh, queridinha, diz lhe só como estás. Conta lhe tudo o que tens feito." Mais risinhos. Depois: "Ummm, Paizinho... Bem, está a ver... quero dizer, espero que me ouça bem, e, ummm... bem, agora vamos a ver. Umm, bem, primeiro, nós estamos... Não, espere, agora... Veja, primeiro nós estamos em Washington, sabe, paizinho? Quer dizer, é o sítio em que vive o Presidente, e esta casa... O pai sabe?... é... Não, espere lá, é melhor eu tornar a começar. Sabe, paizinho, há uma..."

Karras só ouviu o resto, confusamente longínquo, através do pulsar do sangue nos ouvidos, forte como o bramido do oceano, ao subir-lhe pelo peito, ao inchar-lhe o rosto, numa avassaladora onda de intuição: A criatura que vi na­quele quarto não era Regan!

Regressou ao átrio da Residência dos Jesuítas. Encon­trou um cubículo. Disse missa antes da hora de movimento. Ao erguer a hóstia, na consagração, esta tremeu-lhe nos dedos com uma esperança que ele não ousava esperar, que combatia com todas as fibras da sua vontade. "Pois isto é o Meu Corpo..."

Não; é pão! Isto é pão! Isto é apenas pão!

Ele não ousava amar de novo e perder. Essa perda era demasiado grande, essa dor por de mais aguda. Inclinou a cabeça e engoliu a hóstia como uma ilusão perdida; ela ficou um momento presa na secura da sua garganta.

Depois da missa faltou ao pequeno-almoço. Tomou apontamentos para a lição. Deu aula na Escola Médica da Universidade de Georgetown. Arrastou-se áspera e dificilmente pela lição mal preparada: "... e considerando os sintomas das doenças de comportamento maníaco, vocês verão..." "Paizinho, aqui sou eu..." aqui sou eu...

Mas quem era "eu"?

Karras despediu cedo a classe e voltou para o seu quarto, onde se debruçou imediatamente sobre a secretária, apoiado nas palmas da mão abertas, e reexaminou aten­tamente a posição da Igreja em relação aos sinais paranor-mais da possessão demoníaca. Estaria eu a ser muito cabeçudo?, perguntou a si mesmo. Verificou os pontos mais relevantes de Satanás: "telepatia... fenómeno natural... a movimentação dos objectos à distância é agora suspeita... do corpo pode emanar algum fluido... os nossos antepassados... a ciência... hoje em dia devemos ser mais cautelosos. Contudo, apesar dos indícios paranormais..." Diminuiu a velocidade da leitura. "... todas as conversas tidas com o doente devem ser cuidadosamente analisadas, porque se apresentarem o mesmo sistema de associação de ideias e de hábitos lógico-gramaticais que os por ele exibidos no seu estado normal, a possessão deve então considerar-se suspeita."

Karras respirou fundo, exausto. Depois, exalou. Deixou cair a cabeça. Não há maneira. Não resolve o assunto. Olhou para a ilustração da página seguinte. Era um demónio. O seu olhar negligente desceu a página até à legenda: "Pazuzu." Karras fechou os olhos. Algo estava errado. Tranquille... imaginou a morte do exorcista: a agonia final... os mugidos... os silvos... os vómitos... o atirar--se da cama para o chão "empurrado pelos seus demónios", furiosos porque ele depressa estaria morto e fora do alcance dos seus tormentos. E Lucas! Lucas. Ajoelhado junto da cabeceira da cama. A orar. Mas no momento em que Tranquille morrera, Lucas assumira imediatamente a identidade dos seus demónios, começara maldosamente a dar pontapés no cadáver ainda quente, no corpo destroçado e arranhado, fedendo a excrementos e a vomitado, enquanto seis homens possantes tentavam retê-lo; ele não parara até que o corpo fora levado do quarto. Karras viu-o. Viu-o nitidamente.

Poderia ser? Seria possível, concebível que fosse assim? Poderia o ritual do exorcismo ser a única esperança de Regan? Teria ele de abrir aquela arca de dores?

Não o podia sacudir. Não podia deixá-lo sem experimentar. Tinha de saber. Como saber? Abriu os olhos."... as conversas com o doente devem ser cuidadosamente..." Sim. Sim, porque não? Se a descoberta de que os esquemas de linguagem de Regan e do "demónio" eram idênticos iluminasse a possessão, mesmo com acontecimentos para-normais, então certamente... Com certeza... grande diferença nos seus esquemas deve significar que provavelmente existe possessão!

Ele andou a passear de um lado para o outro. Que mais? Que mais? Encontrar depressa uma coisa. Ela... Espera. Fez uma pausa, olhando para baixo, de mãos cruzadas atrás das costas. Aquele capítulo... aquele capítulo do livro sobre feiti­çaria. Mencionava...? Sim, mencionava: que os demónios invariavelmente reagem com fúria quando confrontados pela hóstia consagrada... por relíquias... por... Água benta!

É isso mesmo! Está certo! Vou lá e borrifo-a com água da torneira! Mas digo-lhe que é água benta! Pois! Se ela reagir como se supõe que os demónios reagem, então saberei que não está possessa... que os sintomas são uma sugestão... que os leu no livro! Mas se ela não reagir isso significará...

Verdadeira possessão?

É possível...

Procurou febrilmente um frasquinho para água benta.

Willie abriu-lhe a porta. Na entrada, olhou para o quarto de Regan. Gritos. Obscenidades. No entanto, não eram proferidas na voz áspera e profunda do demónio. Estridente. Mais clara. Um sotaque inglês... Sim!... A manifestação que aparecera repentinamente na última vez que vira Regan.

Karras baixou os olhos para Willie, que esperava. Ela olhava, intrigada, para o seu colarinho de padre. Para as vestes sacerdotais.

- Por favor, onde está a Sra. MacNeil? - perguntou

Karras em voz baixa.

Willie indicou o andar de cima.

- Muito obrigado.

Ele encaminhou-se para a escada. Subiu. Viu Chris no corredor. Estava sentada numa cadeira perto do quarto de Regan, de cabeça baixa, braços cruzados no peito. À aproximação do jesuíta, Chris ouviu-lhe o rocegar das vestes. Levantou a vista e pôs-se rapidamente de pé.

- Como está, padre?

Tinha papos azulados sob os olhos. Karras franziu o sobrolho. - Dormiu?

- Oh, um pouco.

Ele sacudiu a cabeça numa admoestação.

Bem, não pude - suspirou Chris, designando a porta

de Regan com a cabeça. - Ela esteve assim toda a noite.

E a vomitar?

Não. - Pegou-lhe na manga, como para o afastar. - Venha, vamos lá para baixo onde podemos...

Não, eu gostava de a ver - interrompeu ele, brandamente, resistindo ao puxar insistente da mão dela.

Já?

Alguma coisa não estava certa, reflectiu Karras. Ela parecia tensa. Receosa.

- Porque não agora? - inquiriu ele.

Chris deitou um olhar furtivo à porta do quarto de Regan. A voz rouca, de doido, gritava lá dentro: "Malvado naa-zi! Puta de naa-zi!"

Chris desviou os olhos; depois, relutante, fez um aceno afirmativo.

Pois sim. Então entre.

A senhora tem um gravador?

Os olhos dela procuravam os seus com movimentos rápidos, pestanejando.

- Podia mandar pó-lo cá em cima no quarto, com uma bobina de fita nova, se faz favor?

Ela franziu o sobrolho, desconfiada.

Para quê? - Depois, alarmou-se. - Quer dizer que vai gravar...?

Sim, é im...

Padre, eu não posso permitir-lhe...!

Preciso de comparar os esquemas de linguagem - interrompeu ele com firmeza. - Então, por favor! A senhora tem de ter confiança em mim!

Voltaram-se ambos para a porta quando Karl saiu do quarto de Regan, escapando aparentemente a um violento chorrilho de obscenidades. De rosto carrancudo, cor de cinza, trazia roupa de cama e resguardos sujos.

- Tem-nas postas, Karl? - perguntou ao criado quando ele fechava a porta do quarto atrás de si.

Karl olhou rapidamente para Karras e depois para Chris.

- Estão postas - disse ele, conciso, caminhando apressado pelo corredor em direcção à escada.

Chris ficou a observá-lo e depois voltou-se para Karras.

- Muito bem - disse ela, vencida. - Muito bem. Vou mandá-lo pôr cá em cima - E, abruptamente, caminhou pelo corredor fora.

Karras ficou um momento a olhar para ela. Intrigado. Que estaria errado? Reparou então no silêncio repentino do quarto. Foi breve. Agora ouvia se o ladrido de gargalhadas diabólicas. Avançou. Apalpou na algibeira o frasco de água benta. Abriu a porta e entrou no quarto. O fedor era mais forte que na tarde anterior. Fechou a porta. Olhou aquele horror, aquela criatura na cama.

Ao vê-lo aproximar-se, vigiava-o com os olhos trocistas, cheios de malícia, de ódio. Cheios de força.

- Olá, Karras.

Levantou os joelhos e o padre ouviu o ruído nauseabundo e o escorrer viscoso da diarreia expelida para as calças de plástico.

O jesuíta falou calmamente, dos pés da cama.

- Olá, Diabo. Como te sentes?

Neste momento, muito feliz por te ver. Contente. - A língua pendia fora da boca, enquanto os olhos apreciavam Karras com insolência. - Com que então de bandeira

desfraldada? Muito bem. - Mais outro borbulhar de diarreia. - Karras, não te faz diferença um pouco de mau cheiro, pois não?

De modo nenhum.

És um mentiroso!

Incomoda-te?

Ligeiramente.

Mas o Diabo gosta dos mentirosos.

Só dos bons, meu querido Karras, só dos bons - troçou ele. - Além disso, quem disse que era o Diabo?

Não foste tu?

Oh, podia ter sido. Podia. Eu não estou bem. Tu acreditaste em mim?

Naturalmente.

As minhas desculpas.

Estás a dizer que não és o Diabo?

Sou apenas um pobre demónio que se debate. Um diabo. Há uma diferença subtil. A propósito, não lhe vais mencionar o meu deslize verbal, pois não, Karras? Hem?

Quando o vires.

Na porca? De maneira nenhuma. Só uma pobre familiazita de almas errantes, meu amigo. Não nos censures por estarmos aqui, pois não? No fim de contas, não temos nenhum sítio para onde ir. Não temos lar.

E por quanto tempo tencionam ficar?

A cabeça levantou-se da almofada com um movimento brusco, contorcida de raiva, rugindo:

- Até que a porquinha morra! - E depois, no mesmo instante, Regan ajeitou-se para trás, de lábios grossos, babando-se num esgar. - A propósito, Karras, que dia excelente para um exorcismo.

O livro! Ela devia ter lido aquilo no livro!

Os olhos sardónicos fixavam-no, penetrantes.

Principia depressa. Muito depressa.

Inconsistente. Há aqui uma coisa que destoa.

Gostarias disso - disse Karras, franzindo o sobrolho.

Profundamente.

Mas isso não te expulsaria de Regan?

O demónio deitou a cabeça para trás, cacarejando idiotamente, depois interrompeu-se e respondeu com uma voz gutural.

Isso unia-nos.

Tu e a Regan?

- Tu e nós, meu bom amigo - grasnou o demónio. – Tu e nós. - E das profundas da garganta saiu um gargalhar abafado.

Karras olhou espantado. Sentiu mãos na nuca, frias de gelo, tocando-o levemente. Depois, desapareceram. Causado pelo medo, concluiu ele. Medo.

Medo de quê?

- Sim, Karras, juntar-te-ás à nossa pequena família.

Sabes, o aborrecido dos sinais no céu, meu pedacinho gostoso, é que, uma vez avistados, não se tem desculpa.

Reparaste como ultimamente se ouve falar de tão poucos milagres? Não é por culpa nossa, Karras, não nos censures.

Fazemos o possível!

Karras virou de repente a cabeça para trás ao ouvir um som forte e súbito. Tinha se aberto uma gaveta da cómoda, deslizando a todo o comprimento. Sentiu surgir uma emoção súbita, ao vê-la fechar-se com um estampido. Aí está! E então, repentinamente como surgira, a emoção caiu como um pedaço de casca apodrecida do tronco de uma árvore: Psicocinese. Karras ouviu rir. Voltou a olhar para Regan.

- Karras, como é agradável falar contigo - disse o demónio, fazendo uma careta. - Sinto-me livre. Como um devasso. Abro as minhas grandes asas. De facto, até o eu te contar isto só servirá para aumentar a tua danação, meu doutor, meu caro médico inglório.

- Foste tu que fizeste aquilo? Fizeste com que a gaveta da cómoda se mexesse, agora mesmo?

O demónio não estava a ouvir. Olhara para a porta, ao ouvir o ruído produzido por alguém que se aproximava rapidamente pelo corredor; então, as suas feições transformaram-se nas de outra personalidade.

- Malvado sacana do carniceiro! - gritou na voz áspera de sotaque inglês. - O sacana do huno!

Karl entrou, movendo-se, ligeiro, com o gravador, colocando-o junto da cama, desviando o olhar e retirando-se em seguida, rapidamente, do quarto.

- Fora daqui, Himmler! Fora da minha vista! Vai visitar a coxa da tua filha! Leva-lhe chucrute! Chucrute e heroína, Thorndike! Ela vai adorar! Ela vai...

Saíra. Karl saíra. E então, abruptamente, a criatura dentro de Regan tornou-se cordial, observando Karras, vendo o padre a arranjar depressa o gravador, procurar uma tomada, ligar a ficha, colocar a fita.

Ah, pois, tá-tá-tá! O que é que se prepara? – disse contente. - Padre, vais gravar alguma coisa? Que divertido! Ah, sabes? Adoro representar! Oh, muitíssimo!

Chamo-me Damien Karras - disse o padre, enquanto trabalhava. - E tu quem és?

Estás a pedir-me agora as minhas credenciais, amorzinho? Que estupor de atrevimento, quem diria? - Ria-se. - Eu era o Puck na peça da primeira classe. - Olhou em volta. - A propósito, onde é que está essa bebida?

Estou ressequido.

O padre colocou o microfone, com cuidado, na mesa de cabeceira.

Se me disseres o teu nome, vou tentar arranjar-te uma.

Sim, pois claro - respondeu, crocitando divertido. - E depois bebe-la tu, suponho eu!

Karras respondeu ao premir o botão "Gravar".

Diz-me o teu nome.

Que "pilha" sacana! - rouquejou.

Então desapareceu prontamente e foi substituído pelo demónio.

- E que estás tu a fazer agora, Karras? A gravar a nossa pequena conversa?

Karras endireitou-se. Olhou. Em seguida puxou uma cadeira para junto da cama e sentou-se.

Dás licença? - disse ele.

Ora essa - crocitou o demónio. - Sempre gostei muito de engenhos infernais.

Karras foi de repente assaltado por um forte cheiro diferente. Era um odor de...

- Chucrute, Karras. Reparaste?

Cheira a chucrute, maravilhou se o jesuíta. Parecia emanar da cama. Do corpo de Regan. Depois, desapareceu, substituído pelo anterior fedor pútrico. Karras franziu o sobrolho. Foi imaginação minha? Auto-sugestão? Pensou na água benta. Agora? Não, guarda-a. Apanha mais um pouco do esquema de linguagem.

A quem estava eu a falar antes? - perguntou ele.

Apenas a uma pessoa da família, Karras.

A um demónio?

Dás-lhe muita honra.

Como assim?

A palavra "demónio" quer dizer "o sábio". Ele é estúpido.

O jesuíta ficou tenso.

Em que língua é que "demónio" significa "sábio"?

Em grego.

Falas grego?

Fluentemente.

Um dos sinais!, pensou Karras excitado. Falar uma língua desconhecida! Era mais do que esperava.

Pôs egnokas hoti presbyteros eimi? - inquiriu rapidamente em grego clássico.

Não me apetece, Karras.

Oh! Então não sabes...

Não me apetece!

Decepção. Karras ficou a cismar.

Fizeste deslizar a gaveta da cómoda? - inquiriu ele.

Podes ter a certeza.

Impressionante. - Karras inclinou a cabeça. – De certeza que és um demónio muito, muito poderoso.

Sou.

Estava a pensar se o vais fazer outra vez.

Sim, a seu tempo.

Repete agora, por favor... na realidade, gostaria de ver.

A seu tempo.

Porque não agora?

Devemos dar-te algum motivo de dúvida - grasnou ele. - Algum. O suficiente para assegurar o resultado final. - Deitou a cabeça para trás, num cacarejo malicioso.

Que novidade, o atacar com a verdade! Oh, que alegria!

Mãos geladas a tocarem-lhe levemente no pescoço. Karras olhou. Porquê de novo o medo? Medo? Seria medo?

- Não, não é medo - disse o demónio. Teve um riso arreganhado. - Era eu.

As mãos tinham desaparecido. Karras franziu o sobrolho. Sentiu nova admiração. Venceu-a. É telepática. Será? Descobre. Descobre agora.

Podes dizer-me o que estou a pensar neste momento?

Os teus pensamentos são demasiado insípidos para serem divertidos.

Então não podes ler o meu pensamento.

- Toma-o como quiseres... como quiseres.

Experimentar a água benta? Agora? Ouviu o chiar do mecanismo do gravador. Não. Continua antes a pesquisar. Arranja uma amostra maior da fala.

- És uma pessoa fascinante - disse Karras.

Regan teve um riso gutural.

Não, realmente - disse Karras - gostaria de saber mais sobre o teu passado. Por exemplo, nunca me disseste quem és.

Um diabo - crocitou o demónio.

Sim, eu sei, mas que diabo? Qual é o teu nome?

Ah, Karras, e o que significa um nome? Não te importes com o meu nome. Chama-me Howdy, se achares mais cómodo.

Ah, sim. O capitão Howdy. - Karras fez um sinal afirmativo com a cabeça. - O amigo de Regan.

O seu muito íntimo amigo.

Ah, de verdade?

Sim.

Mas então porque a atormentas?

Porque sou amigo dela. A porquinha gosta!

Ela gosta?

Adora!

Mas porquê?

Pergunta-lho!

Permitirias que ela respondesse?

Não.

Bem, então qual seria o objectivo da minha pergunta?

Nenhum! - grasnou o demónio, com os olhos a brilharem de ódio.

Quem é a pessoa com quem falei antes? - perguntou Karras.

Já perguntaste essa.

Eu sei, mas nunca respondeste.

Apenas um outro dos bons amigos da doce, querida porquinha, meu caro Karras.

Posso falar-lhe?

Não. Ele está entretido com a tua mãe. Ela está a fazer-lhe uma coisa..., Karras! - Riu-se baixinho e depois acrescentou. - Não é nada má atua mãe. Uma delícia.

Troçava dele, radiante. Karras sentiu-se trespassado por uma raiva, um ódio tremendo que, sobressaltado, depressa descobriu não se dirigir a Regan, mas ao demónio. Ao demónio! Que diabo se passa contigo, Karras? O jesuíta pro­curou, a todo o custo, conservar-se calmo. Respirou profun­damente, depois levantou-se e tirou o frasco de água benta do bolso da camisa. Desarrolhou-o.

O demónio pareceu circunspecto.

Que é isso?

Não sabes? - perguntou Karras, tapando parte da boca do frasco com o polegar e começando a aspergir Regan com o seu conteúdo. - É água benta, diabo.

Instantaneamente, o demónio começou a encolher-se aterrorizado, a estorcer-se, mugindo de medo e de dor:

- Arde! Arde! Ai, acaba com isso! Pára, sacana de padre! Pára!

Karras, inexpressivo, parou de aspergir. Histeria. Sugestão. Ela leu o livro. Olhou para o gravador. Ralar-se para quê?

Reparou no silêncio. Olhou para Regan. Franziu as sobrancelhas. Que é isto? Que se passa? A personalidade demoníaca desaparecera e no seu lugar havia outras feições semelhantes. E, no entanto, diferentes. Os olhos tinham-se revirado nas órbitas, mostrando o branco. Agora murmurava. Lentamente. Uma algaraviada febril. Karras deu a volta até ao lado da cama. Inclinou-se para ouvir. Que é isto?Nada. E contudo... Tem cadência. Sentiu o adejar de asas no estômago; segurou--as com força: manteve as tranquilas. Vamos, não sejas idiota!E no entanto...

Olhou para o controlo do volume do gravador. Não acendia. Rodou o botão do amplificador e depois escutou, atento, com o ouvido próximo dos lábios de Regan. A algaraviada cessara e fora substituída pelo ruído áspero e pro­fundo da respiração.

Karras endireitou-se.

Quem és tu? - perguntou.

Nauonmai - respondeu a entidade. Um gemido sussurrante. Doloroso. O branco dos olhos. Pálpebras a bater. - Nauonmai. - A voz rachada, ofegante, como a alma do seu dono, parecia enclausurada num espaço escuro, vedado por cortinados, além do tempo.

É esse o teu nome? - perguntou Karras, franzindo o sobrolho.

Os lábios moveram-se. Sílabas febris. Lento. Ininteli­gível. Depois, de repente, parou.

- És capaz de me compreender?

Silêncio. Apenas a respiração, profunda, estranhamente abafada. O som lúgubre do sono numa tenda de oxigénio.

O jesuíta aguardou, na expectativa. Não aconteceu mais nada.

Rebobinou a fita, colocou o gravador na respectiva caixa, pegou nele e na bobina. Deitou um último olhar a Regan, sem saber que fazer. Irresoluto, saiu do quarto e desceu as escadas.

Encontrou Chris na cozinha, sentada à mesa, sombria, bebendo café com Sharon. Ao verem-no aproximar-se olharam para ele, com uma expectativa ansiosa e interrogadora.

- É melhor ir ver como está a Regan, importa-se? - Chris disse baixo para Sharon.

Sharon bebeu um último gole de café, fez um ligeiro gesto com a cabeça a Karras e saiu. Ele sentou-se à mesa, esgotado.

- Então, o que se passa? - perguntou Chris, examinando-lhe o olhar.

Karras ia a responder mas esperou ao ver Karl entrar sem ruído, vindo da copa, e dirigir-se ao lava-louça para esfregar as panelas.

Chris seguiu-lhe o olhar.

Não faz mal - disse ela, baixo. - Continue. Então que temos?

Houve duas personalidades que eu não tinha visto antes. Bem, não, julgo que vi uma delas apenas um instante; aquela que parece inglesa. É alguém que a senhora conhece?

Isso é importante? - perguntou Chris.

Karras viu-lhe de novo no rosto aquela tensão especial.

- É importante.

Ela baixou os olhos e fez um sinal afirmativo com a cabeça.

Sim, é alguém que eu conheci - murmurou numa voz rouca.

Quem?

Burke Dennings - volveu, levantando os olhos.

O realizador?

Sim.

O realizador que...

Sim - interrompeu ela.

O jesuíta ponderou a resposta dela um momento, em silêncio. Observou que o dedo indicador de Chris tremia.

Padre, quer café ou qualquer outra coisa?

Não, obrigado - respondeu ele, abanando a cabeça. Inclinou-se para a frente, de cotovelos em cima da mesa. - Regan conhecia-o?

Sim.

E...

Um ruído de panelas. Chris sobressaltou-se, voltou-se e viu que Karl deixara cair uma assadeira no chão e que se baixava para a apanhar. Ao levantá-la, deixou-a cair outra vez.

Santo Deus, Karl!

Desculpe, minha senhora.

Vá-se embora, Karl, saia daqui! Vá ao cinema ou a outro sítio qualquer! Não podemos estar todos aqui enca-fuados em casa! - Voltou-se de novo para Karras, pegou num maço de cigarros e bateu com ele na mesa quando Karl protestou.

Não, eu vejo...

Não, Karl, faça o que eu lhe digo! - ripostou Chris, nervosa, levantando a voz mas sem voltar a cabeça. - Saia!

Saia já desta casa por umas horas! Temos todos de começar a sair! Então? Saia imediatamente!

Sim, sai! - exclamou Willie, ecoante, ao entrar.

Arrancando a assadeira das mãos de Karl. Empurrou-o irritada em direcção à copa.

Karl olhou rapidamente para Karras e depois para Chris e em seguida saiu.

Perdão, padre - murmurou Chris, desculpando-se. Pegou num cigarro. - Ele tem aguentado imenso ultimamente.

Certamente - disse Karras, com calma. Pegou nos fósforos. - Todos vocês devem fazer um esforço para sair de casa. - Acendeu-lhe o cigarro. - A senhora também.

Então o que disse o Burke? - perguntou Chris.

Apenas obscenidades - volveu Karras, encolhendo os ombros.

Foi tudo?

Ele percebeu-lhe no tom o leve pulsar do medo.

E foi bastante - respondeu ele. Em seguida, baixou a voz. - A propósito, Karl tem uma filha?

Uma filha? Não, que eu saiba não. Ou, se tem, nunca falou nisso.

Tem a certeza?

Willie esfregava no lava-louça. Chris voltou-se para ela.

Willie, você não tem uma filha, pois não?

Ela morreu, minha senhora, muito, muito antes...

Sinto muito.

Chris tornou a voltar-se para Karras.

- É a primeira vez que ouço falar dela - segredou. - Porque pergunta? Como é que soube?

- Pela Regan. Ela referiu-se a isso - disse Karras.

Chris olhou-o, espantada.

Ela já alguma vez mostrou sinais de ter ESP? - perguntou ele. - Quer dizer, anteriormente.

Bem... - Chris hesitou. - Bem, não sei. Não tenho a certeza. Quer dizer, tem havido inúmeras vezes em que ela parece estar a pensar as mesmas coisas que eu, mas não acontece isso com pessoas que são íntimas?

Karras fez um gesto afirmativo com a cabeça. Reflectiu.

Agora a outra personalidade a que me referi - começou ele. - É aquela que apareceu uma vez durante a hipnose?

Fala numa algaraviada?

Sim. Quem é?

Não sei.

Não lhe é familiar?

De modo nenhum.

Mandou buscar os relatórios médicos?

Chegarão cá esta tarde, de avião, directamente para si. - Bebeu um gole de café. - Foi a única maneira de os conseguir. E mesmo assim tive de pintar o diabo.

Pois, pensei que podia haver dificuldades.

Houve. Mas eles vêm aí. - Bebeu outro gole. - Então, padre, a respeito do exorcismo?

Karras baixou os olhos; depois, suspirou.

Bem, não tenho muitas esperanças de poder convencer o bispo.

Que quer dizer com isso de não ter muitas esperanças?

- Pousou a chávena de café, franzindo a testa com ansiedade.

O jesuíta meteu a mão na algibeira e tirou o frasco, segurando o para o mostrar a Chris.

- Vê isto?

Ela fez um sinal afirmativo.

Eu disse-lhe que era água benta - explicou Karras. - E quando comecei a aspergi-la reagiu violentamente.

E então?

Não é água benta. É água vulgar, da torneira.

Pois, pode ser que alguns demónios não conheçam a diferença.

A senhora realmente acredita que haja um demónio dentro dela?

Acredito que há uma coisa dentro de Regan que está a tentar matá-la, padre Karras, e se essa coisa sabe diferenciar a água do mijo ou não, não me parece que tenha muito que ver com tudo o resto, não acha? Quer dizer, o senhor desculpe, mas pediu a minha opinião! - Esmagou o cigarro. - E, afinal, qual é a diferença entre água benta e água da torneira?

A água benta é benzida.

Parabéns, padre; estou muito satisfeita com isso! Portanto, o senhor vem-me dizer que por agora... nada de exorcismo?

Escute, eu apenas comecei a indagar o assunto – disse Karras com calor. - Mas a Igreja tem critérios que devem ser seguidos, e isto por uma excelente razão: para se manter afastada dos vestígios de superstição que as pessoas continuam a atribuir-lhe, ano após ano! Dou-lhe como exemplo os "padres que levitam", e as estátuas da Mãe Santíssima que, segundo se supõe, choram na Sexta Feira Santa e nos dias santos. Ora, penso que posso viver sem contribuir para tal!

Quer um pouco de Librium, padre?

- Desculpe, mas pediu a minha opinião.

- Já a tive.

Ele estendeu a mão para os cigarros.

- Também quero um - disse Chris com voz velada.

Karras estendeu-lhe o maço. Ela tirou um. Ele meteu um na boca e acendeu os dois. Expeliram o fumo com suspiros audíveis e afundaram-se nas cadeiras em redor da mesa.

Desculpe-me - disse ele, em voz baixa.

Estes cigarros sem filtro hão-de ser a sua morte.

Ele brincou com o maço de cigarros, fazendo estalar o celofane.

- Temos aqui os sinais que a Igreja poderá aceitar. Um é o falar numa língua que o sujeito nunca conheceu anteriormente. Que nunca estudou. Estou a ocupar-me desse, com as fitas magnéticas. Vamos a ver. Depois, temos a clarividência, embora hoje em dia a telepatia ou a ESP a possam anular.

- O senhor acredita nessa coisa? - perguntou, céptica, franzindo o sobrolho.

Ele olhou para ela. Falava a sério. E continuou:

E o último são as faculdades que ultrapassam a sua idade e possibilidades. Isto abrange tudo, tudo o que seja oculto.

Bem, então, que faz das pancadas na parede?

Por si próprias, nada significam.

E a maneira como ela se levanta no ar e caía na cama?

Não é suficiente.

Bem, e então aquelas coisas na pele.

Que coisas?

Não lhe falei delas?

Falou me de quê?

Oh, aconteceu na clínica - explicou Chris. - Havia...

bem... - Traçou um desenho no peito com a ponta do dedo. - Como se fosse escrito, percebe? Só letras. Apareciam-lhe no peito e depois desapareciam. Assim mesmo.

A senhora disse "letras"? - volveu Karras, franzindo o sobrolho. - Não eram palavras?

Não, não eram palavras. Só um M, uma ou duas vezes.

Depois um L.

E a senhora viu? - perguntou ele.

Bem, não. Mas eles esclareceram-me.

Quem?

Os médicos da clínica. Olhe, isso consta do relatório que vai receber. Foi mesmo a sério.

Sim, tenho a certeza. Mas, uma vez mais, trata se de um fenómeno natural.

Onde? Na Transilvânia? - disse Chris, incrédula.

Não - volveu Karras, abanando a cabeça. - Já encontrei casos desses em revistas. Lembro-me de um em que o psiquiatra de uma prisão relatava o caso de um doente...

um preso... que podia pôr-se em estado de transe e fazer com que os signos do zodíaco lhe aparecessem na pele. - Com um gesto, indicou o peito. - A pele levantava se.

Caramba! Para si não é fácil arranjar um milagre, pois não?

Uma vez, numa experiência - explicou ele com brandura - , um sujeito foi hipnotizado e posto em estado de transe; após incisões cirúrgicas em ambos os braços, disseram-lhe que o braço esquerdo ia sangrar, mas o direito não. Pois bem, o braço esquerdo sangrou e o direito não. O poder da mente controlou a hemorragia. Na realidade, não se sabe como isso acontece. Portanto, nos casos de estigmas - como o do prisioneiro a que me referi, ou como o de Regan - o inconsciente controla o diferencial da corrente sanguínea, fazendo afluir à pele mais sangue nos sítios que quer ver levantados. Portanto, temos assim desenhos ou letras, ou seja o que for. Misterioso, sim, mas sobrenatural de modo nenhum.

- Padre Karras, o senhor é na verdade difícil. Sabia?

Karras tocou nos dentes com a unha do polegar.

- Escute, talvez isto a ajude a compreender - disse por fim. - Uma vez a Igreja publicou uma declaração, um aviso aos exorcistas. Li-os na noite passada. Nele dizia-se que a maioria das pessoas que se pensa estarem possessas, ou que outras crêem possessas - e agora vou citar - "está muito mais necessitada de um médico que de um exorcista". - Levantou a vista e fitou Chris. Consegue adivinhar a data deste aviso?

- Não.

- Mil quinhentos e oitenta e três.

Chris olhou o surpreendida; reflectiu.

Sim, certamente foi um ano levado dos diabos - murmurou ela. Ouviu o padre levantar-se da cadeira. Deixe-me esperar pelos relatórios da clínica e examiná-los - declarou ele.

Chris fez um gesto de assentimento.

Entretanto - continuou Karras - , vou montar as fitas e levá-las ao Instituto de Línguas e Linguística. Pode ser que aquela algaraviada constitua alguma espécie de linguagem.

Duvido. Mas pode ser. E comparando os esquemas da linguagem... Bem, então saberemos. Se forem idênticos, teremos a certeza de que ela não está possessa.

E depois? - perguntou ela ansiosa.

O padre sondou-lhe o olhar e viu-a perturbada. Afligia-se por afilha não estar possessa! Pensou em Dennings. Alguma coisa estava errada. Deveras errada.

- Detesto fazer-lhe esse pedido, mas pode emprestar-me

o seu carro por uns tempos?

Ela cravou os olhos no chão, desolada.

- Emprestava-lhe a minha vida por uns tempos - murmurou. - Basta que o traga na quinta-feira. Posso precisar dele; nunca se sabe.

Karras fixou com pesar a cabeça curvada, indefesa. Desejava pegar-lhe na mão e dizer-lhe que no fim tudo se resolveria. Mas como?

- Espere, vou buscar as chaves - disse ela.

O jesuíta viu-a desaparecer como uma prece sem esperança.

Quando ela lhe entregou as chaves, Karras voltou ao seu quarto na Residência. Deixou lá o gravador e pegou na fita com a voz de Regan. Depois, atravessando a rua, enca­minhou-se para o carro de Chris, estacionado no parque.

Ao subir para o carro, ouviu Karl chamá-lo da porta de casa:

- Padre Karras!

Karras voltou a cabeça. Karl descia o patim a correr, enfiando à pressa um casaco. Fazia sinais.

- Padre Karras! Um momento!

Karras inclinou-se e fez descer o vidro da janela do lado dos passageiros, accionando o fecho da manivela. Karl meteu a cabeça, inclinando-se.

Padre Karras, para que lado vai?

Para a rotunda Du Pont.

Ah, sim, bem! Podia deixar-me lá, padre, se faz favor? Não se importa?

Com certeza. Suba.

Muito agradecido, padre!

Karras pôs o motor a funcionar.

Faz-lhe bem sair.

Sim. Vou ver um filme. Um bom filme.

O carro arrancou.

Durante algum tempo andaram em silêncio. Karras, preocupado, procurando soluções para o caso. Possessão. Impossível. A água benta. Contudo...

- Karl, conheceu o Sr. Dennings muito bem, não é verdade?

Karl olhou pelo pára-brisas; depois, fez um sinal rígido com a cabeça.

- Sim. Conheci-o.

- Quando a Regan... quando ela parece ser o Sr. Dennings, você tem a impressão que ela realmente o é?

Uma longa pausa. Depois, um breve e inexpressivo "Sim".

Karras aquiesceu com a cabeça, assombrado.

Não conversaram mais até chegarem à rotunda Du Pont, onde pararam junto de um sinal de tráfego.

- Padre Karras, saio aqui - disse Karl, abrindo a porta. - Posso apanhar aqui o autocarro. - Desceu, e em seguida enfiou a cabeça pela janela. - Muito obrigado, padre.

Manteve-se de pé na placa de refúgio e esperou a mudança do sinal. Sorriu e disse adeus quando o sacerdote partiu. Ficou a olhar, até que por fim o carro desapareceu na curva, à entrada da Avenida Massachusetts. Depois, correu para o autocarro. Entrou. Tirou um bilhete de transferência. Mudou de autocarro. Viajou em silêncio até que por fim, se apeou num bairro da parte nordeste da cidade; aqui, encaminhou-se para um prédio de apartamentos e entrou.

Karl parou no fundo da escada sombria, aspirou os odores acres de cozinhados. De algures vinha o ruído de um bebé a chorar. Curvou a cabeça. Uma barata fugiu, rápida, do rodapé e atravessou um degrau aos ziguezagues. Agarrou-se ao corrimão, decidido a voltar para trás; depois, abanou a cabeça e principiou a subir. Cada passada provocava um rangido que soava como uma reprovação.

No segundo andar, dirigiu-se para uma porta situada numa ala escura e parou um momento com a mão na ombreira da porta. Olhou para a parede: a tinta saía; escritos a lápis, os nomes Nicky e Ellen e, por baixo, uma data e um coração, cujo centro era constituído por estuque fendido. Karl premiu o botão da campainha e esperou, de cabeça baixa. Do interior do apartamento veio um gemido de molas de colchão. Um murmúrio de irritação. Em seguida, alguém a aproximar-se; um som irregular: o pisar arrastado de um sapato ortopédico. A porta entreabriu-se de repente: a corrente de segurança retesava-se ao máximo. Na abertura apareceu uma mulher em slip, carrancuda, de cigarro pendurado ao canto da boca.

- Ah, é você - disse ela com voz rouca. Tirou a corrente.

Karl viu naquele olhar duro e movediço um poço de censura e de dor selvagem; na curva dissoluta dos lábios e na cara destroçada descobriu uma jovem beldade enterrada viva em mil quartos de pensão, com mil manhãs de des­pertar de um sono sem repouso.

Vamos, diz-lhe que vá para outro lado! - exclamou o homem, de voz ordinária, pastosa, de dentro do apartamento. O amigo.

Oh, cala a boca, estúpido, é o paizinho! – respondeu rapidamente a rapariga, voltando a cabeça.

A rapariga virou-se depois para Karl.

- Ele está bêbado, paizinho. É melhor não entrar.

Karl sacudiu a cabeça num gesto afirmativo.

A rapariga baixou os olhos encovados ao olhar-lhe para a mão quando a metia na algibeira de trás das calças para tirar a carteira.

Como está a mãezinha? - perguntou ela, puxando o cigarro da boca, de olhos nas mãos que mergulhavam na carteira contando notas de dez dólares.

Está óptima. - Moveu a cabeça, conciso. - A tua mãe está óptima.

Ao entregar-lhe o dinheiro, ela começou a tossir com aspereza. Levou a mão à boca.

- Maldito cigarro! - disse ela, engasgando-se.

Karl olhou-lhe para as marcas de picadas no braço.

- Obrigada, paizinho.

Ele sentiu o dinheiro deslizar-lhe dos dedos.

Chiça! Despacha-te! - resmungou o amigo lá de dentro.

Escute, paizinho, é melhor terminarmos, sim? Sabe como ele fica.

Elvira...! - Karl enfiara de repente o braço através da abertura e agarrara-lhe no pulso. - Há clínica em Nova Iorque! - segredou-lhe suplicante.

Ela contorceu-se, tentando livrar-se da pressão.

Oh, deixe-se disso! - exclamou.

Eu mando-te para lá! Eles ajudam-te! Não vais parar à cadeia! É...

Chiça, paizinho, vá-se embora! - guinchou ela, libertando-se da mão de Karl.

Não, não, por favor! É...

Ela fechou-lhe a porta na cara.

No corredor sombrio, no túmulo atapetado das suas esperanças, Karl olhou, mudo, para a porta e em seguida curvou a cabeça, numa dor silenciosa. Do interior do apartamento veio uma conversa abafada. Depois, uma gargalhada, cínica e sonora de mulher. Em seguida, um ataque de tosse.

Karl voltou-se para se ir embora e sentiu como que uma punhalada nas costas ao ver o caminho bloqueado pelo tenente Kinderman.

- Talvez possamos falar agora, Sr. Engstrom - disse--Lhe ele, arfando, asmático, de mãos nas algibeiras do casaco e com tristeza nos olhos. - Talvez possamos ter agora uma conversa...

 

Karras prendeu a fita num carreto vazio, no escritório do director, rotundo, de cabelos grisalhos, do Instituto de Línguas e Linguística. Tendo montado cuidadosamente diversas secções das fitas em carretos separados, ia agora passar a primeira. Pôs o gravador em movimento e afastou-se da mesa. Escutaram a voz febril, crocitando a sua algaraviada. Em seguida, Karras voltou-se para o director.

- Que é isto, Frank? Trata-se de uma língua?

O director estava sentado na beira da secretária. Na altura em que a fita acabou, franzia o sobrolho, intrigado.

- É muito estranho. Onde é que arranjou isso?

Karras fez parar a fita.

Oh, é uma coisa que tenho há vários anos, desde a altura em que trabalhei num caso de dupla personalidade. Estou a fazer um estudo sobre ele.

Compreendo.

Então, que lhe parece isto?

O director tirou os óculos e mordiscou a armação de tartaruga.

- Não, não se trata de nenhuma língua que alguma vez tenha ouvido. Contudo... - Franziu o sobrolho. Depois, levantou a vista para Karras. - Quer passá-la outra vez?

Karras enrolou rapidamente a fita e depois tornou a passá-la.

Que pensa então? - perguntou ele.

Bem, tem a cadência de uma língua.

Karras sentiu uma excitação de esperança. Procurou abafá-la.

Sim, foi o que pensei - concordou - , mas tenho a certeza de que a não reconheço, padre. É antiga ou moderna? Ou não sabe?

Não, não sei.

Bem, porque não deixa isso comigo, padre? Vou estudá-la com alguns dos meus rapazes.

Pode tirar uma cópia? Gostaria de ficar com o original.

Oh, com certeza.

Entretanto, tenho mais outra coisa. Dispõe de tempo?

Naturalmente. Qual é o problema?

Bem, se lhe der fragmentos da fala normal do que aparentemente são duas pessoas diferentes, pode dizer-me, por meio de uma análise semântica, se apenas uma pessoa podia ter sido capaz de falar de ambas as maneiras?

Oh, penso que sim.

Como?

Bem, suponho que um quociente de "termo-tipo" é um bom processo. Em extractos de mil palavras, ou mais, pode verificar-se a frequência com que ocorrem várias partes do discurso.

E crê que isso é concludente?

Creio que sim. Bem, é bastante bom. Esta espécie de teste toma em consideração qualquer mudança no vocabulário básico, percebe? Não são as palavras, mas a expressão das palavras: o estilo. Chamamos-lhe o "índice de diversidade". É muito confuso para os leigos, aquilo que naturalmente pretendemos. - O director teve um sorriso travesso e indicou com um gesto feito com a cabeça as bobinas que se encontravam nas mãos de Karras. - Tem aí

duas pessoas diferentes, não é verdade?

Não, Frank, a voz e as palavras são da mesma pessoa. Como lhe disse, trata-se de um caso de dupla personalidade. As palavras e as vozes parecem-me, a mim, totalmente diferentes, mas saíram da boca de uma só pessoa. Olhe, preciso que me faça um grande favor...

Quer que as examine? Com muito gosto. Vou passá-las a um dos instrutores.

Não, Frank, o grande favor é este: gostaria que fosse você mesmo a fazê-lo e o mais depressa possível. É terrivelmente importante.

O director lendo-lhe a urgência nos olhos, fez um gesto afirmativo.

- Está bem, está bem. Vou fazer eu o trabalho.

O director tirou cópias de ambas as fitas, e Karras regressou à Residência dos Jesuítas com os originais. No quarto, encontrou um recado. Tinham chegado os relatórios da clínica.

Apressou-se a ir à recepção e assinou o recibo referente ao envio. De volta ao quarto, começou imediatamente a ler. Depressa ficou convencido de que a sua ida ao Instituto fora inútil.

"... indícios de culpa obsessiva, com consequente sonâm­bulo-histeria..."

Havia sempre lugar para dúvidas. Era uma interpretação. Mas os estigmas de Regan... Karras apoiou a cara cansada entre as mãos. Os estigmas da pele que Chris descrevera estavam descritos no dossier de Regan. Mas tam­bém fora anotado que Regan tinha uma pele hiper-reactiva, podendo ter sido ela própria a autora das misteriosas letras, traçando-as muito simplesmente com o dedo na pele, pouco tempo antes do seu aparecimento. Dermatografia.

Fê-lo ela própria, cismou Karras. Tinha a certeza. Logo que os braços de Regan foram imobilizados por correias - fazia notar o relatório - os misteriosos fenómenos tinham cessado, nunca mais se repetindo.

Fraude. Consciente ou inconsciente. Mas fraude.

Levantou a cabeça e olhou para o telefone. Frank. E se lhe dissesse para não continuar? Pegou no auscultador. Como não conseguiu falar com ele deixou recado. Depois, exausto, levantou-se e encaminhou-se vagarosamente para a casa de banho, borrifando a cara com água fria. "O exorcista fará simplesmente o possível porque nenhuma das manifestações do doente fique sem..." Olhou para a sua imagem no espelho. Esquecera-se de alguma coisa? De quê? O cheiro a chucrute. Voltou-se, tirou uma toalha do toalheiro e enxugou a cara. Auto-sugestão, lembrou-se. Em certas alturas, os doentes mentais pareciam poder comandar inconscientemente o seu corpo, de modo a emitirem variados odores.

Karras limpou as mãos. As pancadas... o abrir e fechar da gaveta. Psicocinese? De verdade? "O senhor acredita nessa coisa?" Deteve-se, ao colocar a toalha no toalheiro. Apercebeu-se de que não estava a pensar com clareza. Cansado de mais. Contudo, não ousava entregar Regan a uma conjectura, à opinião, às traições selvagens do pen­samento.

Abandonou a Residência e foi à biblioteca do campus, onde procurou no Guia de Literatura Periódica: Po... Pol... Polte... Encontrou o que procurava e sentou-se, com um jornal científico, a ler um artigo sobre a investigação de fenómenos de poltergeist, pelo psiquiatra alemão Dr. Hans Bender.

Não tinha dúvida, concluiu ele ao terminar: os fenó­menos psicocinéticos existiam; tinham sido completamente documentados, filmados, observados em clínicas psiquiátricas. E em nenhum dos casos referidos no artigo descobriu qualquer ligação com a possessão demoníaca. Pelo contrário, a hipótese era que se tratava de energia inconscientemente produzida, dirigida pelo pensamento e usual e significativamente, compreendeu Karras, por adolescentes em estados de "tensão interior, frustração e raiva, extremamente intensos".

Karras esfregou os olhos cansados. Ainda se sentia remisso. Tornou a percorrer um por um todos os sintomas, como um rapazinho que volta atrás para tocar nas ripas de uma vedação de estacas brancas. Qual deles falhara? perguntou a si mesmo. Qual?

A resposta, concluiu ele exausto, era: nenhum.

Devolveu o jornal à secretária.

Voltou a casa das MacNeil. Willie abriu-lhe a porta e levou-o até ao gabinete de trabalho. A porta estava fechada. Willie bateu.

- O padre Karras - anunciou ela.

- Entre.

Karras entrou e fechou a porta atrás de si. Chris estava em pé, de costas voltadas, de testa na mão, com um cotovelo apoiado no bar.

- Olá, padre.

A sua voz era um murmúrio rouco e desesperado. Preocupado, foi até junto dela.

A senhora está bem? - perguntou com brandura.

Sim, estou óptima.

A voz dela parecia tensa. Franziu a testa. A mão dela obscurecia-lhe a cara. Tremia.

Que se passa? - perguntou.

Bem, já examinei os relatórios da clínica. - Esperou.

Como ela não respondesse, continuou. - Creio que... - Fez uma pausa. - Bem, neste momento, a minha honesta opi­nião é de que a melhor maneira de ajudar Regan é por meio de tratamento psiquiátrico intenso.

Ela assentiu com um sinal feito com a cabeça, de cima para baixo, muito devagar.

Onde está o pai dela? - perguntou o jesuíta.

Na Europa - sussurrou ela.

Já o informou sobre o acontecido?

Pensara nisso algumas vezes. Sentira a tentação de o fazer. A crise podia reuni-los novamente. Mas o Howard e os padres... Por causa de Regan decidira não lhe comunicar nada.

Não - respondeu ela em voz baixa.

Bem, penso que podia constituir uma ajuda tê-lo aqui.

Escute, nada poderá ajudar, excepto uma coisa do outro mundo! - explodiu Chris de repente. – Qualquer coisa muito do outro mundo!

Creio que o devia mandar chamar.

Porquê?

Seria...

Raios o partam! Pedi-lhe que expulsasse um demónio, não lhe pedi para chamar para cá outro! - gritou ela para Karras, num súbito ataque de histeria. As suas feições contorciam-se, angustiadas. - Que aconteceu assim de repente ao exorcismo?

Ora...

Que diabo hei-de eu querer do Howard?

Podemos falar sobre isso...

Vamos falar sobre isso agora, com mil raios! Que raio de utilidade poderá o Howard ter agora aqui? Para que me serve?

Há uma forte probabilidade de que a doença de Regan tenha origem numa culpa por causa...

Culpa por causa de quê? - gritou ela, com um olhar desvairado.

Podia...

Por causa do divórcio? Toda essa psiquiatria de merda?

Então...

Ela sente-se culpada porque matou o Burke Dennings! gritou Chris, apertando fortemente as têmporas com as mãos. - Ela matou-o! Ela matou-o e vão matá-la, vão matá-la. Ó meu Deus, ó meu...

Karras amparou-a quando, soluçando, ela ia a cair e conduziu-a ao sofá.

Vá lá, vá lá - repetia ele, baixinho. - Vá lá...

Não, eles vão... matá-la - soluçava ela. - Vão... vão... ohhhhhhh! Ú meu Deus! Ó meu Deus!

Está bem...

Ele estendeu-a ao comprido no sofá. Sentou-se na beira e agarrou-lhe na mão com as suas. Pensou em Kinderman. Dennings. Ela a soluçar. Irrealidade.

- Está bem, não chore... não chore... vá lá... não se apoquente...

O choro abrandou depressa e ele ajudou-a a sentar-se. Trouxe-lhe água e uma caixa de lenços de papel que en­controu numa prateleira atrás do bar. Depois, sentou-se ao lado dela.

- Oh, estou satisfeita - disse, fungando e assoando-se depois. - Meu Deus, estou satisfeita por ter atirado isto cá para fora.

Karras estava violentamente perturbado e o seu próprio choque, ao imaginar o acontecido, aumentava à medida que ela ficava mais tranquila. Agora, fungadelas mais calmas. Soluços intermitentes na garganta. Sentia de novo o peso sobre as suas costas, enorme e opressivo. Endureceu inte­riormente. Mais não! Não diga mais!

- Quer contar-me mais alguma coisa? - perguntou-lhe com meiguice.

Chris fez um sinal afirmativo com a cabeça. Suspirou. Limpou um dos olhos e falou, hesitante, aos arrancos, de Kinderman; do livro; da sua certeza de que Dennings estivera lá em cima no quarto de Regan; da grande força de Regan; da personalidade de Dennings; Chris vira-o com a cabeça torcida, de cara voltada para as costas.

Ao terminar, esperou a reacção de Karras. Ele não falou durante um tempo, enquanto repensava tudo. Por fim disse baixo:

A senhora não sabe que ela o fez.

Mas a cabeça voltada para trás... - volveu Chris.

A senhora bateu com a cabeça contra a parede com bastante força - respondeu Karras. - Também se encon­trava em estado de choque. Imaginou-o.

- Ela afirmou que o tinha feito - disse Chris, inexpressivamente.

Uma pausa.

E ela contou-lhe como o fez? - respondeu Karras.

Chris sacudiu a cabeça. Ele voltou-se para ela.

Não - respondeu ela. - Não.

- Então isto não significa nada - disse Karras. - Não, não significa nada a não ser que lhe tenha fornecido pormenores que concebivelmente ninguém conhecesse, excepto o assassino.

Ela sacudiu a cabeça, duvidando.

- Não sei - respondeu. - Não sei se estou a dizer o que devo. Creio que foi ela que o fez e que pode matar mais alguém. Não sei... - Interrompeu-se. - Padre, que devo fazer? - perguntou, desamparada.

O peso era agora de cimento; ao secar tomara a forma das costas. Pousou um cotovelo no joelho e fechou os olhos.

- Bem, agora já contou isso a alguém - disse ele tranquilamente. - Fez o que devia. Agora esqueça-se de tudo. Arrume o caso e permita que eu me encarregue do resto.

Ele sentiu-lhe o olhar dela, e fitou-a.

- Está a sentir-se melhor?

Ela respondeu com um sinal afirmativo.

Quer fazer-me um favor? - perguntou ele.

Sim.

Saia e vá ver um filme.

Ela limpou os olhos com as costas da mão e sorriu.

Detesto ver filmes.

Então vá visitar uns amigos.

Tenho um amigo mesmo aqui - disse ela por fim.

Karras sorriu.

Repouse um pouco - aconselhou-a ele.

Sim, vou repousar.

O jesuíta teve novo pensamento.

- Crê que o Dennings levou o livro lá para cima? Ou já lá estaria?

- Penso que já lá estava - respondeu Chris.

Ele reflectiu na resposta. Depois, levantou-se, Bem, então, está bem. Precisa do carro?

Não, sirva-se dele.

Óptimo. Volto mais tarde.

Tchao, padre.

- Tchao.

Ele saiu, numa perturbação profunda. Num turbilhão. Regan. Dennings. Impossível! Não! No entanto, havia a quase convicção de Chris, a sua reacção, a sua histeria. E é disso mesmo que se trata: imaginação histérica. E no en­tanto... Corria atrás das certezas como atrás das folhas, no meio de um vento cortante.

Quando passou pela íngreme escadaria junto da casa ouviu um som lá em baixo, perto do rio. Deteve-se e olhou para baixo, na direcção do canal. Um harmónio. Alguém tocava Red River Valley, a canção favorita de Karras desde pequeno. Escutou até que o ruído produzido pelo tráfego a abafou, até que a momentânea reminiscência foi sacudida por um mundo atormentado que existia agora, que gritava por socorro, gotejando sangue sobre as emanações dos tubos de escape. Meteu as mãos nas algibeiras. Pensou febril­mente. Em Chris. Em Regan. Em Lucas a dar pontapés em Tranquille. Devia fazer qualquer coisa. Mas quê? Podia obter melhores resultados que os clínicos de Barringer? "...ir a Centrai Casting!" Sim, sabia que era isso a esperança. Lembrou-se do caso de Achille. Possesso. Como Regan, chamava-se a si mesmo um diabo; como a de Regan, a sua doença fora causada por um sentimento de culpa: o rempeso de uma infidelidade conjugal. O psicólogo Janet curara-o sugerindo hipnótica mente a presença da mulher que apareceu perante os olhos alucinados de Achille e lhe perdoou solenemente. Karras sacudiu a cabeça. A sugestão < podia dar resultado com a Regan. Mas não pela hipnose. Já a tinham tentado em Barringer. Não. A sugestão contrária para Regan, segundo ele, era o ritual do exorcismo. Ela sabia; conhecia os efeitos. A sua reacção à água benta. Leu aquilo no livro. E no livro havia descrições de exorcismos bem sucedidos. Podia dar resultado! Podia! Podia dar resultado! Mas como obter a autorização da Chancelaria? Como instaurar um processo sem mencionar Dennings? Karras não podia mentir ao bispo. Não ia falsear os factos. Mas podes deixar que os factos falem por si próprios!

"Que factos?"

Passou a mão pela testa. Necessitava de dormir. Não conseguia dormir. Sentiu as têmporas a bater, sentiu dores de cabeça. "OZtí, paizinho?" Que factos?

As fitas gravadas, no Instituto. Que encontraria Frank? poderia encontrar lá alguma coisa? Não. Mas, quem sabe? Regan não distinguira a água benta da água da torneira, pois. Mas se supusermos que ela é capaz de ler o meu pensamento, porque é que não distinguira a diferença entre as duas? Levou a mão à testa. A dor de cabeça. Confusão. Chiça, Karras, acorda! Está alguém a morrer. Acorda!

De regresso ao quarto, telefonou para o Instituto. Frank não estava. Desligou o telefone. Água benta. Água da torneira. Alguma coisa. Abriu o Ritual nas "Instruções aos exorcistas"; "... espíritos maus... respostas enganadoras... de modo a parecer que o atormentado de maneira alguma está possesso..." Karras ponderou. Seria aquilo? De que diabo estás tu afalar?De que "espírito mau"?

Fechou o livro com ruído e viu os relatórios médicos. Releu-os, esquadrinhando-os rapidamente à procura de alguma coisa que pudesse facilitar as coisas com o bispo.

Pára. Não há caso de histeria. Já é qualquer coisa. Mas fraca. Uma discrepância... Que seria? Examinou, desesperado, as recordações dos seus tempos de estudante. Então, lembrou se... Não era muito, mas já era alguma coisa. Foi ao telefone e ligou para Chris. Esta parecia ensonada.

Olá, padre.

Estava a dormir? Desculpe.

Não faz mal.

Chris, onde se encontra aquele médico... – Karras passou um dedo por uma página dos relatórios. - O Dr. Klein?

Em Rosslyn.

No edifício dos médicos?

Sim.

Faça-me o favor de lhe telefonar e dizer-lhe que o Dr. Karras vai passar por lá e que gostaria de ver o EEG de Regan. Chris, diga-lhe que é o Dr. Karras, sim? Percebeu?

Sim.

Mais tarde falo consigo.

Depois de ter desligado o telefone, Karras tirou a volta e despiu a batina e as calças pretas, mudando rapidamente para calças de caqui e camisa de desporto. Por cima, envergou a capa preta, para a chuva, usada pelos sacerdotes, abotoando-a até à gola. Viu-se ao espelho e franziu o sobrolho. Padres e polícias, pensou ele ao desabotoar rapidamente a capa: as suas roupas tinham um cheiro característico que não podia ser dissimulado. Karras tirou os sapatos e calçou o único par que possuía além dos pretos: os poídos sapatos brancos de ténis.

No carro de Chris, dirigiu-se rapidamente para Rosslyn. Enquanto esperava na Rua M pelo sinal para atravessar a ponte, olhou pela janela da direita e viu uma coisa inquietante: Karl saía de um sedan preto, na Rua Trinta e Cinco, em frente do Dixie Liquor Store. O condutor do carro era o tenente Kinderman.

A luz mudou. Karras acelerou, disparando em frente, e virou para a ponte; depois, olhou para trás, pelo retrovisor. Tê-lo-iam eles visto! Julgava que não. Mas o que andavam a fazer juntos? Puro acaso? Teria alguma coisa a ver com Regan? Com Regan e...?

Esquece-te! Cada coisa a seu tempo!

Estacionou o carro junto do edifício dos médicos e subiu aaté ao consultório do Dr. Klein. O médico estava ocupado, mas uma enfermeira entregou a Karras o EEG. Depressa se encontrou num cubículo, a estudar a estreita e longa fita de papel que lhe escorregava por entre os dedos.

Klein entrou apressado e passou os olhos, intrigado, pelo fato de Karras.

É o Dr. Karras?

Sim, como está? - volveu o jesuíta, apertando a mão do médico.

Sou Klein. Como vai a pequena?

Melhora.

Estou satisfeito por saber isso. - Karras fez incidir o olhar sobre o gráfico e Klein observou-o com ele, percorrendo com o dedo o traçado das ondas. - Ali, vê? É muito regular. Não há flutuações.

Sim, vejo. - Karras franziu o sobrolho, continuando o estudo. - Muito curioso. Presumindo que se trata de histeria.

Não compreendo.

- Suponho que é pouco conhecido - murmurou Karras, fazendo deslizar o papel pelas mãos, num movimento contínuo - , mas um belga, Iteka, descobriu que a histeria faz aparecer flutuações bastante estranhas no gráfico, um desenho minúsculo, mas sempre idêntico. Andei aqui a procurá-lo, mas não o encontro.

Klein soltou um grunhido, sem emitir opinião.

E isto que está aqui?

Ela estava certamente doente quando fez o gráfico, não é verdade? - disse ele, fitando o médico.

Sim, estava doente.

Bem, então, não é curioso que o teste esteja tão perfeito? Mesmo as pessoas num estado normal podem exercer alguma influência sobre as suas ondas cerebrais, pelo menos dentro dos limites habituais, e Regan naquela altura estava perturbada. Segundo parece, devia haver alguma flutuação. Se...

Sr. Doutor, a Sra. Simmons está a ficar impaciente - interrompeu uma enfermeira, entreabrindo a porta.

Sim, vou já - suspirou Klein, A enfermeira desapareceu apressada e ele deu um passo em direcção ao corredor; depois, voltou-se com a mão na empena da porta. - Falando de histeria - observou secamente. - Desculpe. Tenho de me apressar.

Fechou a porta atrás de si. Karras ouviu os passos pelo corredor fora e notou que uma porta se abria. Ouviu: "Bem, então como se sente hoje, Sra...."

A porta fechou-se. Karras voltou ao estudo do gráfico, terminou, enrolou-o e pôs-lhe o elástico. Devolveu-o à enfermeira da recepção. Uma coisa. Era uma coisa que podia utilizar como argumento perante o bispo: que Regan não era uma histérica e portanto, possivelmente, estaria possessa. E, no entanto, o EEG ainda apresentara outro mistério: porque não havia flutuações?

Conduziu até casa de Chris, mas num sinal de paragem situado na esquina da Rua Prospect com a Trinta e Cinco ficou paralisado ao volante: estacionado entre Karras e a Residência dos Jesuítas, estava Kinderman, sentado ao volante, sozinho, de cotovelo fora da janela, a olhar em frente.

Karras virou à direita antes de Kinderman o poder ver no Jaguar de Chris. Encontrou rapidamente um lugar para arrumar o carro e depois dobrou a pé a esquina, como se se encaminhasse para a Residência. Preocupado, perguntou a si próprio, Estará ele a vigiar a casa? O espectro de Dennings ergueu-se novamente para o assombrar. Seria possível que Kinderman pensasse que Regan tinha...? Devagar. Sê brando. Com jeito.

Caminhou até junto do carro e meteu a cabeça pela janela do lado do passageiro.

- Olá, tenente.

O detective voltou-se rapidamente e pareceu surpreen­dido. Depois, mostrou-se radiante.

- Padre Karras.

Fora de tom, pensou Karras. Reparou que as suas mãos estavam húmidas e frias. Devagarinho! Não deixes que ele perceba que estás preocupado! Devagarinho!

Não sabe que vai ser multado? Estacionamento proibido entre as quatro e as seis, nos dias de semana.

Não se preocupe com isso - resfolegou Kinderman. - Estou a falar com um padre. Os polícias aqui da área são todos católicos, ou estão para o ser.

Como tem passado?

Para falar com franqueza, padre Karras, apenas assim assim. E o senhor?

Não me posso queixar. Já resolveu aquele caso?

Que caso?

O do realizador.

Oh, esse. - Fez um gesto de desânimo. - Ouça, que faz esta noite? Está preocupado? Tenho bilhetes grátis para o Crest. Vai o Otelo.

Quem são os actores?

Molly Picon é Desdémona e Otelo é o Leo Fuchs. Está satisfeito? São à borla, padre Marlon Esquisito! Trata-se de

William F. Shakespeare! Não interessa quem são os actores ou quem não são! Então, vem?

Creio que tenho de recusar o convite. Estou assoberbado com trabalho.

- Vê-se. Está com uma cara péssima, desculpe reparar.

Deita-se muito tarde?

- Tenho sempre uma cara péssima.

- Só que agora é pior que de costume. Venha daí! Saia ao menos uma noite! Vamos divertir nos!

Karras decidiu experimentá-lo; tocar-lhe num nervo.

- Tem a certeza de que é esse o filme que vai no Crest? - perguntou. Os seus olhos examinaram fixamente os de Kinderman. - Quase jurava que está lá um filme com a Chris MacNeil.

O detective fez uma pequena pausa e depois respondeu rapidamente:

Não, tenho a certeza. É o Otelo.

A propósito, que o traz por cá?

Vim apenas convidá-lo para ir ao cinema!

Sim, é mais fácil vir cá de carro que pegar num telefone - disse Karras de mansinho.

As sobrancelhas do detective levantaram-se num protesto de inocência pouco convincente.

- O telefone estava ocupado! - soprou ele, rouco, levantando no ar a mão aberta.

O jesuíta fitou-o inexpressivamente.

- Que se passa? - perguntou Kinderman volvido um momento.

Com ar grave, Karras meteu a mão dentro do carro e levantou uma das pálpebras de Kinderman. Examinou-lhe o globo ocular.

Não sei. O senhor parece-me muito mal. Pode ficar doente de mitomania.

Não sei o que quer dizer com isso - respondeu Kinderman quando Karras retirou a mão. - É sério?

Não é fatal.

Que é? Estou louco de ansiedade!

Vá ver - disse Karras.

Escute, não seja tão snob. De vez em quando deve dar a César um pouco do que é de César. Represento a lei. Podia deportá-lo, sabia?

Para quê?

Um psiquiatra não deve afligir as pessoas. Além disso, para falar com franqueza, os gentios apreciariam isso imenso. De qualquer modo, padre, o senhor é para eles um estorvo em tudo. Não, francamente, embaraça-os. Eles gostariam de se ver livres de si. Quem é que precisa de um Padre que traz camisas desportivas e alpercatas?

Karras concordou com a cabeça e sorriu de leve.

- Tenho de ir. Tome cuidado. - O jesuíta bateu duas vezes com a mão na moldura da janela num gesto de adeus e em seguida voltou-se e caminhou vagarosamente para a entrada da Residência.

- Vá a um psicanalista! - gritou-lhe o detective com voz rouca. Em seguida, o seu ar calmo deu lugar à apreensão.

Olhou para a casa através do pára-brisas, depois ligou o motor e começou a caminhar. Passando por Karras, tocou a buzina e disse adeus.

Karras correspondeu e ficou a ver Kinderman dobrar a esquina da Rua Trinta e Seis. Em seguida, deixou-se ficar um bocado imóvel no passeio, esfregando a testa devagarinho com a mão trémula. Realmente, a pequena poderia tê-lo feito? Poderia Regan ter morto Burke Dennings de um modo tão horrível? Olhou para a janela de Regan com os olhos febris. Santo nome de Deus, que se passa naquela casa? E quanto tempo decorreria antes de Kinderman pedir para ver Regan? De ter uma oportunidade de observar a personalidade de Dennings? De a ouvir? Quanto tempo passaria antes de Regan ser internada?

Ou morrer?

Ele tinha de organizar o processo para a Chancelaria. Atravessou a rua em diagonal, em direcção à casa de Chris. Tocou a campainha. Willie abriu-lhe aporta.

A senhora está a passar pelo sono - disse ela.

Bem. Muito bem - disse Karras num gesto de assentimento. Passou por ela e subiu ao quarto de Regan no andar de cima. Ele procurava conhecer alguma coisa no âmago.

Entrou e viu Karl numa cadeira junto da janela, de braços cruzados, a olhar para Regan. Estava silencioso como um escuro e denso bosque.

Karras foi até junto da cama e olhou para Regan. O branco dos olhos parecia um nevoeiro leitoso. Murmúrios, encantamentos de um outro mundo. Karras virou os olhos na direcção de Karl. Em seguida, inclinou-se devagar e começou a desatar uma das correias que prendiam Regan.

- Não, padre!

Karl correu para a cabeceira da cama e puxou o braço do padre.

- Muito mau, padre! Forte! Deixe as correias!

Nos seus olhos havia um medo que Karras reconheceu ser genuíno. Agora sabia que a força de Regan não era teórica; constituía um facto. Ela poderia tê-lo feito. Poderia ter torcido o pescoço de Dennings. Meu Deus, Karras! Apressa-te! Descobre alguma prova! Pensa! Apressa-te antes que...!

- Ich mõchte Sie etwas fragen, Engstrom!

Surpreendido pela descoberta e pela esperança ardente que surgia, Karras voltou rapidamente a cabeça e baixou os olhos para a cama. O demónio, num esgar de riso, troçava de Karl.

- "Tanzt Ihre Tochter gern?

Alemão! Perguntara se a filha de Karl gostava de dançar! Com o coração a bater, Karras voltou-se e viu que as faces do criado estavam cor de carmesim, que ele tremia, que os olhos chispavam de fúria.

- Karl, é melhor sair - aconselhou Karras com brandura.

O suíço sacudiu a cabeça, cerrando os punhos com tanta força que os nós dos dedos ficaram brancos.

Não, eu fico!

Saia, se faz favor - disse o jesuíta com firmeza. O seu olhar, implacável, sustentava o de Karl.

Depois de um momento de teimosa resistência, Karl cedeu e saiu do quarto.

As gargalhadas tinham cessado. Karras voltou-se. O de­mónio vigiava-o. Parecia satisfeito.

- Então voltaste - crocitou. - Estou espantado. Pensava que aquela vergonha da água benta te tinha desencorajado de voltares mais alguma vez. - Riu-se. – Mas esqueci-me que um padre não tem vergonha.

Karras respirou devagar e esforçou-se por refrear as suas esperanças, por pensar com clareza. Sabia que na possessão o teste da linguagem requeria conversações in­teligentes como prova de que nada do que se dissesse seria atribuível a recordações linguísticas esquecidas. Calma! Devagar! Lembras-te daquela rapariga?Uma criada de uns dezanove anos. Possessa. Quando em delírio, balbuciava uma língua que finalmente se reconheceu ser o siríaco. Karras esforçou-se por pensar na excitação que causara, em como finalmente depois se soube que a rapariga estivera uma vez empregada numa pensão em que um dos hóspedes era estudante de Teologia. Nas vésperas de exame ele andava de um lado para o outro no quarto e subia e descia as escadas repetindo alto as suas lições de siríaco. E a rapariga tinha-as ouvido. Devagar! Não te queimes!

Sprechen Sie deutsch? - perguntou Karras cauteloso.

Mais brincadeiras?

Sprechen Sie deutsch? - repetiu ele, de pulso ainda a bater com aquela esperança distante.

Natúrlich - troçou o demónio. - Mirabile dictu, não concordas?

O coração do jesuíta deu um salto. Além de alemão falava latim! E a propósito!

Quod nomen mihi est? - perguntou rapidamente. - Qual é o meu nome?

Karras.

E agora, excitado, o padre apressou-se a continuar.

Ubi sum? - Onde estou?

In cubículo. - Num quarto.

Et ubi cubicuZum? - E onde fica o quarto?

In domo. - Numa casa.

Ubi est Burke Dennings? - Onde está Burke Dennings?

Mortuus. - Está morto.

Quomodo mortuus est? - Como morreu?

Inventus est capite reverso. - Foi encontrado de cabeça voltada para trás.

Quis occidit eum? - Quem o matou?

Regan.

Quomodo ea occidit Ulum? Dic mihi exacte! - Como o matou ela? Diz-me exactamente!

Oh, bem, por agora chega de excitação - disse o demónio, sorrindo num esgar. - Chega. Chega perfeitamente. Embora, naturalmente, te ocorra, suponho eu, que enquanto fazias as tuas perguntas em latim formulavas mentalmente as respostas em latim. - Riu-se. - Tudo inconsciente, é claro. Sim, o que faríamos nós sem o incons­ciente? Karras, vês onde quero chegar? Eu não falo latim. Leio o teu pensamento. Tiro simplesmente as respostas da tua cabeça!

Karras, num desânimo instantâneo, ao ver ruir a sua certeza, sentiu-se desapontado e frustrado em extremo pela dúvida insistente implantada agora no seu cérebro.

O demónio cacarejou.

- Sim, Karras, eu sabia o que te ia acontecer – crocitou ele. - É por isso que gosto de ti. É por isso que aprecio todos

os homens capazes de raciocinar. - A sua cabeça inclinara-se para trás, numa torrente de gargalhadas.

O pensamento do jesuíta correu, rápido, desesperado, formulando perguntas para as quais não havia uma resposta única, mas várias. Mas pode ser que eu pensasse nelas todas! raciocinou ele. Muito bem! Então faz uma pergunta para a qual não conheças a resposta! Podia verificar a resposta mais tarde, para ver se estaria correcta.

Esperou que as gargalhadas diminuíssem antes de falar.

- Quam profundus est imus Oceanus Indicus imo base?

- Qual é a profundidade do oceano Índico no ponto mais

baixo?

Volveu o demónio com os olhos a brilhar:

La plume de ma tante.

Responde em Latine.

Bonjour! Bonne nuit!

Quam...

Karras interrompeu-se ao ver os olhos revirados nas órbitas e aparecer a entidade que falava a algaraviada.

- Deixa-me falar outra vez com o demónio! – pediu Karras impaciente e frustrado.

O jesuíta não recebeu resposta; ouviu apenas a respiração vinda de uma outra margem.

Quis est tu? - atirou ele numa voz rouca e desfeita.

Ouviu ainda apenas a respiração.

Deixa-me falar com Burke Dennings!

Um soluço. A respiração. Um soluço. A respiração.

- Deixa-me falar com Burke Dennings!

Os soluços continuavam regulares e violentos. Karras sacudiu a cabeça. Depois, encaminhou-se para uma cadeira e sentou-se na beira. Curvou as costas, tenso, atormentado. À espera...

O tempo escoou-se. Karras dormitou. Depois, levantou a cabeça de repente. Mantém-te acordado! De pálpebras pe­sadas, a piscarem, olhou para Regan. Não havia soluços. Silêncio.

A dormir?

Encaminhou-se para a cama. Olhou para a pequena. Olhos fechados, respiração pesada. Baixou-se e tomou-lhe o pulso; em seguida curvou-se mais e examinou-lhe cuidadosamente os lábios. Estavam ressequidos. Endireitou-se e esperou. Por fim, saiu do quarto. Desceu à cozinha à procura de Sharon e encontrou-a à mesa a comer sopa e uma sanduíche.

Padre Karras, posso arranjar-lhe alguma coisa para comer? - perguntou ela. - O senhor deve ter fome.

Não, não tenho, muito obrigado - respondeu. Sentou-se, estendeu o braço e pegou num lápis e num bloco junto da máquina de escrever de Sharon. - Ela tem estado a soluçar - disse-lhe ele. - Tem alguma Compazine que lhe tenham receitado?

Sim, temos.

Então, esta noite aplique-lhe metade de um supositório de vinte e cinco miligramas.

Está bem.

Ela está a começar a desidratar - continuou ele. - Portanto, vou pô-la a alimentação intravenosa. Amanhã de manhã, a primeira coisa a fazer é telefonar para uma farmácia e pedir para lhe entregarem isto imediatamente. - Fez deslizar sobre a mesa, na direcção de Sharon, o bloco em que escrevera. - Entretanto, como ela está a dormir, podia alimentá-la a Sustagene.

Está bem. - Sharon fez um sinal afirmativo com a cabeça. - Vou fazer isso. - Enquanto metia uma colher de sopa na boca, Sharon voltou o bloco para si e olhou para a lista.

Karras observava-a. Depois, franziu o sobrolho, concen­trado.

A senhora é a preceptora dela?

Sim, sou.

Ensinou-lhe latim?

Não, não ensinei - respondeu ela intrigada.

E alemão?

Apenas francês.

A que nível? La plume de ma tante?

Mais ou menos.

Mas nem alemão nem latim?

Não.

Mas os Engstrom falam às vezes alemão?

Com certeza.

Ao pé de Regan?

Sharon encolheu os ombros.

Suponho que sim. - Levantou-se e foi pôr os pratos no lava-louça. - De facto, tenho quase a certeza.

A senhora estudou alguma vez latim? - perguntou Karras.

Não, nunca.

Mas reconheceria a toada geral?

Oh, tenho a certeza. - Lavou a tijela de sopa e pô-la a escorrer.

Ela falou alguma vez latim na sua presença?

A Regan?

Desde que está doente.

Não, nunca.

E qualquer outra língua? - perguntou Karras.

Sharon fechou a torneira, pensativa.

Bem, eu podia tê-lo imaginado, creio, mas...

Quê?

Bem, penso... - franziu o sobrolho. - Bem, iria jurar que a ouvi falar russo.

A senhora fala russo? - perguntou ele espantado, de garganta seca.

Oh, bem, assim assim - disse ela, encolhendo os ombros. Começou a dobrar o pano da louça. - Apenas o estudei no colégio, é tudo.

Karras vacilou. Ela apanhou o latim no meu pensamento. A olhar, desolado, apoiou a testa nas mãos, duvidando, em tormentos do conhecimento e da razão. A telepatia é mais comum nos estados de grande tensão: falando sempre numa língua conhecida de um dos presentes:"... pensa as mesmas coisas que eu penso..."; "Bonjour...", "La plume de ma tante..."; "Bonrce nuit..." Com tais pensamentos, ele viu lentamente o sangue transformar-se em vinho.

Que fazer? Vai dormir um pouco. Depois volta e experimenta outra vez... experimenta outra vez... experimenta outra vez.

Levantou-se e olhou perturbado para Sharon. Ela encon­trava-se encostada ao lava-louças, pensativa, de braços cruzados, a observá-lo.

Vou para a Residência - disse-lhe ele. - Gostaria de receber um telefonema mal a Regan acordasse.

Pois sim, eu telefono.

E a Compazine? - lembrou-lhe. - Não se vai esquecer?

- Não - disse ela - , tratarei disso imediatamente.

Ele fez um sinal afirmativo. De mãos nas algibeiras, baixou os olhos, tentando pensar no que se poderia ter esquecido de dizer a Sharon. Havia sempre algo a fazer, algo que se omitiria quando tudo fora feito.

- Padre, que se passa? - ouviu-a perguntar, gravemente. - Que se passa realmente com a Rags?

Virou para ela um olhar alucinado e duro.

- Na realidade não sei - disse exausto.

Voltou-se e saiu da cozinha.

Ao passar no hall de entrada, Karras ouviu atrás de si passos que se aproximavam rapidamente.

- Padre Karras!

Voltou-se. Viu Karl com a sua camisola.

- O senhor desculpe - disse o criado ao entregar lha. - Pensava tê-la pronto muito antes. Mas esqueci.

As manchas do vomitado haviam desaparecido e a ca misola irradiava um cheiro agradável.

Foi muito atencioso, Karl - disse o padre com brandura. - Muito obrigado.

Obrigado eu, padre Karras.

A voz do criado tremia-lhe e os olhos estavam rasos de água.

- Obrigado por ajudar Miss Regan - terminou Karl.

Depois, desviou a cabeça, embaraçado, e saiu rapidamente do átrio.

Karras observou-o, lembrando-se da sua presença no carro de Kinderman. Mais mistério. Confusão. Abriu a porta, cansado. Era noite. Desesperado, saiu da escuridão para a escuridão.

Atravessou a rua na direcção da Residência, à procura do sono, mas ao entrar no quarto viu um bilhete cor-de-rosa no chão. Pegou nele. Um recado de Frank. As fitas. O número de casa. "É favor telefonar..."

Pegou no auscultador e pediu o número. Esperou. As mãos tremiam-lhe com a violência da esperança.

Está? - um rapazinho, de voz aflautada.

Posso falar ao seu pai, se faz favor?

Sim. Só um instante. - O ruído do pousar do auscultador, que em seguida foi levantado rapidamente.

Ainda o rapaz.

- Quem fala?

O padre Karras.

O padre Karrits?

Karras. O padre... - volveu ele, de coração a bater, mas falando com calma.

Karras premiu os dedos contra a testa. Ruídos no telefone.

Padre Karras?

Sim. Olá Frank. Tenho tentado falar consigo.

Oh, desculpe. Tenho estado em casa a trabalhar nas fitas.

Já acabou?

Já, sim. A propósito, aquilo é uma coisa muito estranha.

Eu sei - Karras tentou abrandar a tensão da voz. - Que me conta, Frank? Que descobriu?

Bem, primeiro, aquele quociente de "termo-tipo"...

Sim?

Bem, não tive uma amostra suficiente para ser absolutamente exacto, compreende? Mas diria que estou muito aproximado ou, pelo menos, tanto quanto as coisas permitem. Bem, de qualquer forma diria que as duas vozes diferentes, nas fitas, são provavelmente de personalidades separadas.

Provavelmente?

Bem, não quereria jurá-lo num tribunal. De facto, teria de dizer que a variação é na realidade apenas mínima.

Mínima... - repetiu Karras moroso. Bem, é o jogo da péla. - E a respeito da algaraviada? - perguntou sem esperança. - É alguma espécie de língua?

Frank riu-se.

É assim tão divertido? - perguntou o jesuíta, aborrecido.

Padre, isto era realmente um teste psicológico secreto?

Que quer dizer, Frank?

Bem, penso que ensarilhou as bobinas ou coisa parecida. É...

Trata-se ou não de uma língua, Frank - interrompeuKarras.

Oh, certamente; diria que se trata de uma língua.

Está a brincar? - tornou Karras, inteiriçado.

Não, não estou.

Que língua é? - perguntou Karras, descrente.

Inglês.

Karras emudeceu por um momento e quando falou fê-lo numa voz cortante.

- Frank, parece que a ligação é muito má, ou você quer explicar-me a piada?

Tem aí o seu gravador? - perguntou Frank.

O gravador estava em cima da secretária.

Sim, tenho.

Tem um botão de retrocesso?

Porquê?

Tem ou não?

Só um segundo. - Irritado, Karras pousou o telefone e tirou a tampa do gravador para verificar. - Sim, tem.

Frank, para que é isto tudo?

Ponha a fita no gravador e passe-a de trás para diante.

Quê?

O senhor tem aí duendes. - Frank riu-se. - Olhe, passe a fita e falo-lhe amanhã. Boa noite, padre.

Boa noite, Frank.

Divirta-se.

Karras desligou. Parecia perplexo. Procurou a fita da algaraviada e colocou-a no gravador. Primeiro, passou-a normalmente, e escutou. Era uma algaraviada. Deixou-a correr até ao fim e depois passou-a ao invés. Ouviu a sua voz a falar ao contrário. Depois a de Regan - ou de outra pessoa - em inglês!

... Merin merin Karras paz em nos deixa-nos...

Inglês. Sem sentido, mas inglês! Como diabo podia ela fazer aquilo? admirou-se ele. Ouviu tudo, depois tornou a enrolar a fita e passou-a de novo. E mais uma vez. Por fim, descobriu que a ordem do discurso estava invertida.

Parou a fita e tornou a enrolá-la. Sentou-se à secretária com lápis e papel e começou a passar a fita desde o prin­cípio, enquanto transcrevia as palavras, trabalhando longa e penosamente, pondo o gravador em movimento a cada instante. Quando finalmente terminou, fez outra transcrição para uma segunda folha de papel, invertendo a ordem das palavras. Depois, inclinou-se para trás e leu:

...perigo. Ainda não. (indecifrável) morrerá. Pouco tempo. Então a (indecifrável). Deixe-a morrer. Não, não, é bom! No corpo é bom! Eu sinto! Há (in­decifrável). É melhor (indecifrável) que o vácuo. Receio o padre. Dá-nos tempo. Receiem o padre! Ele é (indecifrável). Não, não é este: é o (indecifrá­vel), aquele que (indecifrável). Ele está doente. Oh, o sangue, sintam o sangue, como ele (canta?).

Aqui, Karras perguntou: "Quem és tu?", e veio a resposta: Não sou ninguém. Não sou ninguém.

Depois Karras inquiriu: "É esse o teu nome?", e em seguida:

Não tenho nome. Não sou ninguém. Muitos. Deixa--nos em paz. Deixa-nos quentes no corpo. Não nos (indecifrável) do corpo no vácuo, no (indecifrável). Deixa-nos. Deixa-nos em paz. Karras (Merin? Me­rin?)...

Repetiu várias vezes a leitura, perseguido pelo seu tom, pela sensação de que falava mais de uma pessoa, até que finalmente a própria repetição enfraqueceu as palavras, transformando-as em banalidades. Pousou o bloco em que as transcrevera e esfregou o rosto, os olhos, os pensamentos. Não era uma língua conhecida. E escrever às avessas com facilidade dificilmente era paranormal ou mesmo invulgar. Mas falar às avessas: ajustando e alterando a fonética de modo que o passá-las ao contrário as tornasse inteligíveis; não estaria tal habilidade fora do alcance até de um intelecto hiper-estimulado? Seria o inconsciente acelerado a que Jungse referia? Não. Uma coisa...

Recordou-se. Foi à estante buscar um livro: a Psicologia dos Fenómenos Ocultos, de Jung. Algo de similar ali, pensou ele. Uma coisa...

Encontrou: a relação de uma experiência de escrita automática, na qual o inconsciente do sujeito parecia capaz de responder às suas perguntas e anagramas.

Anagramas!

Pôs o livro ao alto, aberto sobre a secretária. Debruçou--se sobre ele e leu a descrição de parte de uma experiência:

Que é o homem? Avem ecad ainos paz. Isso é um anagrama? Sim. Quantas palavras tem? Cinco. Qual é a primeira palavra? Vê. Qual é a segunda palavra? Eeeee. Vê? Interpreto-o eu? Tenta?

O sujeito encontrou a seguinte solução: "A vida é menos capaz". Ficou espantado com aquela manifestação intelectual, que lhe parecia provar a existência de uma inteligência independente da sua própria. E portanto continuou a perguntar:

Quem és tu? Clelia.

És uma mulher? Sim.

Viveste na terra? Não.

Virás a viver? Sim.

Quando? Dentro de seis anos.

Porque conversas comigo? O se Clelia nut!

O sujeito interpretou esta resposta como um anagrama de "Eu Clelia sinto".

  1. dia

Sou eu quem responde às perguntas? Sim.

A Clelia está aí? Não.

Então quem está aí? Ninguém.

A Clelia existe? Não.

A Clelia existe, pelo menos? Não.

Então com quem estive ontem a falar? Com ninguém.

Karras deixou de ler. Sacudiu a cabeça. Aqui não havia actuações paranormais; apenas as infinitas habilidades da mente.

Pegou num cigarro, sentou-se e acendeu-o. "Não sou ninguém. Muitos." Sinistro. De onde viria aquele conteúdo da sua fala?, cismou.

"Com ninguém."

Do mesmo lugar onde Clelia viera? Personalidades emergentes?

"Merin... Merin..." "Oh, o sangue..." "Ele está doente..."

Obcecado, olhou para o seu exemplar do Satanás e folheou-o, taciturno, abrindo-o na página do exergo: "Não permitas que o dragão seja o meu guia..."

Expeliu o fumo e fechou os olhos. Tossiu. Sentia a garganta áspera e inflamada. Esmagou o cigarro, de olhos a chorar por causa do fumo. Exausto. Os ossos pareciam tubos de ferro. Levantou-se e pôs do lado de fora da porta o letreiro "Não incomodar." Apagou a luz do tecto, correu as persianas da janela, atirou com os sapatos e deixou-se cair na cama. .Fragmentos. Regan. Dennings. Kinderman. Que fazer? Tinha que ajudar. Como? Tentar o bispo com o pouco que tinha? Pensava que não. Nunca poderia defender o caso de um modo convincente.

Pensou em despir-se e meter-se dentro da cama. Cansado de mais. Aquele peso. Queria libertar-se.

"... Deixa-nos em paz!"

"Deixa-me em paz", respondeu ele ao fragmento.

Caiu num sono escuro, imóvel, granítico.

Foi acordado pelo tocar do telefone. Meio tonto, procurou o comutador da luz às apalpadelas. Pegou no telefone às cegas. Atendeu. Sharon. Poderia ir imediatamente lá a casa? Iria. Desligou o telefone, sentindo-se novamente apanhado, asfixiado, enredado.

Foi à casa de banho, borrifou a cara com água fria e enxugou-se. Ia a sair do quarto, mas na porta voltou-se e foi buscar a camisola; enfiou-a pela cabeça e depois saiu.

O ar era frio e tranquilo na escuridão. Uns gatos, num caixote de lixo, afastaram-se com medo quando ele se encaminhou para a casa de Chris.

Sharon veio recebê-lo à porta. Vestia uma camisola e vinha embrulhada num cobertor. Parecia assustada. Confusa.

Desculpe, padre - murmurou ela quando Karras entrava em casa - , mas julgo que o senhor devia ver "isto".

O quê?

Vai ver. Não façamos barulho. Não quero acordar a Chris. Ela não deve ver isto. - Fez-lhe sinal para a seguir.

Ele seguiu-a em bicos de pés, sem fazer ruído, pelas escadas acima, até ao quarto de Regan. Ao entrar, o jesuíta sentiu-se arrepiado até aos ossos. O quarto estava gelado. Intrigado, franzindo o sobrolho, olhou para Sharon, e ela, séria, fez um sinal afirmativo.

- Sim. Sim, o aquecimento está ligado - segredou. Em seguida voltou-se e olhou para Regan, para o branco dos seus olhos, com brilho sinistro à luz da lâmpada. Parecia estar em coma. A respiração pesada. Imóvel. O tubo naso-gástrico achava-se no seu lugar. O Sustagene infiltrava-se vagarosamente no organismo.

Sharon foi silenciosamente até à cama e Karras seguiu-a, ainda surpreendido com o frio. Quando estavam em pé junto da cama, ele viu bagas de transpiração na testa de Regan; olhou para baixo e viu-lhe as mãos firmemente seguras pelas correias.

Sharon. Ela curvava-se, abrindo devagar o pijama de Regan para os lados e Karras foi atingido por uma onda de piedade à vista do peito definhado, das costelas salientes, onde se podiam contar as semanas ou os dias de vida que lhe restavam.

Sentiu os olhos alucinados de Sharon a fitá-lo.

- Não sei se acabou - segredou ela. - Mas observe: olhe-lhe bem para o peito.

Ela voltou-se e baixou os olhos, e o jesuíta, intrigado, seguiu-lhe o olhar. Silêncio. A respiração. Observando. O frio. Então, as sobrancelhas do jesuíta contraíram-se com força, ao ver surgir algo na pele: uma ligeira vermelhidão, mas nitidamente definida, como que escrita à mão. Curvou--se e observou atento, de mais perto.

- Olhe, está a aparecer - segredou Sharon.

A pele dos braços de Karras não se arrepiara de repente por causa do frio do quarto; fora pelo que estava a ver no peito de Regan; fora por causa da escrita que se levantava em baixo-relevo, em letras nítidas, feitas de pele vermelho sangue. Duas palavras: ajudem-me

- É a letra dela - segredou Sharon.

Naquela manhã, às nove horas, Damien Karras foi ter com o reitor da Universidade de Georgetown e pediu-lhe autorização para solicitar um exorcismo. Recebeu-a e foi imediatamente depois ao bispo da diocese, que escutou com grave atenção tudo o que Karras tinha para dizer.

Está convencido que é autêntico? - perguntou o bispo por fim.

Fiz um juízo prudente que satisfaz as condições expressas no Ritual - respondeu Karras, evasivo. Ele ainda não ousava acreditar. Não fora o seu cérebro, mas o coração que o impelira para este momento; pena e a esperança de uma cura por sugestão.

Quer o senhor mesmo fazer o exorcismo? - perguntou o bispo.

Sentiu um momento de elação; viu a porta escancarar-se para os campos, para a fuga ao peso esmagador da ansiedade e daquele encontro em cada crepúsculo com o fantasma da sua fé.

Sim, naturalmente - respondeu Karras.

Como está de saúde?

Perfeitamente.

Já alguma vez se ocupou desta espécie de coisas?

Não.

Bom, veremos. Seria melhor ter consigo um homem com experiência. Não há muitos, naturalmente, mas talvez alguém que tenha regressado das missões no estrangeiro.

Deixe me saber quem há por aí. Entretanto, chamo-o logo que possuir alguma informação.

Quando Karras partiu, o bispo telefonou ao rei da Universidade de Georgetown e falaram a seu respeito pela segunda vez naquele dia.

Bem, ele sabe do assunto - disse o reitor numa altura da conversa. - Duvido que haja algum perigo em deixá-lo assistir. De qualquer modo, deve estar presente um psiquiatra.

E a respeito do exorcista? Tem alguma ideia? Estou em branco.

Bem, agora está cá o Lankester Merrin.

Merrin? Eu tinha ideia de que ele se encontrava no Iraque. Penso ter lido que trabalhava em escavações perto de Ninive.

Sim, abaixo de Mossul. Era isso, Mike. Mas terminou e regressou há três ou quatro meses. Está em Woodstock.

A ensinar?

Não. A trabalhar num outro livro.

Deus nos ajude! Não acha que já está velho de mais?

Como vai ele de saúde?

Bem, deve estar bem ou não andava ainda a correr de um lado para o outro a desenterrar túmulos, não lhe parece?

Sim, suponho que sim.

E, além disso, Mike, ele tem experiência.

Não sabia.

Bem, pelo menos é o que consta.

Quando foi isso?

Oh, talvez há uns dez ou doze anos, penso eu, em África. Supõe se que o exorcismo durou meses. Ouvi dizer que escapara por um triz à morte.

Bem, nesse caso, duvido que queira fazer outro.

Mike, aqui fazemos o que nos mandam. Os rebeldes estão todos com vocês, seus seculares.

Obrigado por mo lembrar.

Bom, então, que pensa fazer?

- Olhe, deixo o caso consigo e com o provincial.

No princípio daquela tarde silenciosa e expectante um jovem estudante de Teologia que se preparava para o sacerdócio percorria os terrenos do Seminário de Woodstock, em Maryland. Procurava um velho jesuíta, magro, de cabelo grisalho. Encontrou o numa vereda, a vaguear por entre as árvores. Entregou-lhe um telegrama. O velho agradeceu-lhe, sereno, com olhos bondosos, depois voltou-se e reatou a sua contemplação, continuando o seu passeio através de uma natureza que amava. Parava aqui e ali a ouvir o canto de um tordo, a ver uma borboleta de cores vivas pairando sobre um ramo. Não leu o telegrama, nem o abriu. Sabia o que dizia. Já conhecia o conteúdo. Lera-o no pó dos templos de Nínive. Estava preparado. Continuou as suas despedidas.

 

       "E ATÉ VÓS CHEGUE O MEU CLAMOR"

 

Na escuridão repousante do seu tranquilo escritório, Kinderman cismava, sentado à secretária.

Ajustou um bocadinho a luz do candeeiro da secretária. Em baixo estavam relatórios, cópias, exposições, processos da polícia, relatórios do laboratório de criminologia, notas escrevinhadas. Pensativo, tinha-os disposto numa colagem do feitio de uma rosa, como para desmentir a desagradável conclusão a que o tinham levado: que ele não podia aceitar.

Engstrom estava inocente. À hora da morte de Dennings fora visitar a filha, dar-lhe dinheiro para comprar drogas. Mentira a respeito do seu paradeiro para a proteger, a ela e à mãe, que pensava que Elvira estava morta e para além de todo o mal e degradação.

Não fora por Karl que Kinderman soubera aquilo. Na noite do seu encontro com ele, na escada de Elvira, o criado permanecera obstinadamente silencioso. Fora só quando Kinderman notificara a filha da implicação do pai no caso Dennings que Elvira dissera voluntariamente a verdade. Havia testemunhas a confirmá-lo. Engstrom estava ino­cente. Inocente e calado com respeito aos acontecimentos na casa de Chris MacNeil.

Kinderman franziu o sobrolho à colagem da rosa. Algo estava errado na composição. Mudou a ponta de uma pétala - o canto de uma deposição - um bocadinho mais para baixo e para a direita.

Rosas. Elvira. Ele avisara-a, inflexível, de que se ela não desse entrada numa clínica dentro de duas semanas a perseguiria como um cão, seguindo-lhe a pista com contrafés, até ter provas para proceder à sua prisão. No entanto, não acreditava realmente que ela fosse. Tempos havia em que ele olhava para a lei sem pestanejar, como olharia para o sol ao meio-dia na esperança de que o cegasse temporariamente, enquanto alguma peça de caça se punha em fuga.

Engstrom estava inocente. Quem restava?

Kinderman, arfando, mudou de posição. Em seguida, fechou os olhos e imaginou que mergulhava num banho quente e repousante. Saldo! Liquidação total da mente!, proclamou para si próprio: Mudança para novas con­clusões! Liquidação total da existência! Esperou um mo­mento, não convencido. Depois acrescentou, severo: Liqui­dação total!

Abriu os olhos e examinou de novo os dados desconcertantes:

A morte do realizador Burke Dennings parecia de qualquer modo relacionada com as profanações na Santíssima Trindade. Ambos os casos estavam ligados à feitiçaria e o profanador desconhecido poderia facilmente ter sido o assassino de Burke Dennings.

Um perito em feitiçaria, um padre jesuíta, fora visto a visitar a casa das MacNeil.

A folha dactilografada que continha o texto da sacra blasfema descoberta na Santíssima Trindade fora examinada para colher as impressões digitais. Encontraram se impressões em ambos os lados. Algumas tinham sido feitas por Damien Karras. Mas encontraram-se ainda outras que, pelo seu tamanho, se julgava serem as de uma pessoa de mãos muito pequenas, muito possivelmente uma criança.

O tipo de máquina da sacra fora analisado e comparado com o tipo da carta por terminar que Sharon Spencer tirara da sua máquina, amarrotara e atirara para o cesto dos papéis e que caíra no chão enquanto Kinderman interrogava Chris. Ele apanhara a e trouxera-a clandestinamente. A carta e a sacra tinham sido escritas na mesma máquina. No entanto, segundo o relatório, o bater das pessoas que as tinham dactilografado diferia. A pessoa que dactilografara o texto blasfemo tinha um toque muito mais pesado que o de Sharon Spencer. Além disso, desde que a dactilografia da primeira não fora de quem anda à procura das teclas, mas antes feita com destreza, isso sugeria que o dactilógrafo desconhecido do texto da sacra era uma pessoa de força extraordinária.

Burke Dennings - se não tivera morte acidental - fora morto por uma pessoa de força extraordinária.

Engstrom já não era suspeito.

Uma verificação nas reservas da linha aérea doméstica revelou que Chris MacNeil levara a filha a Dayton, Ohio. Kinderman sabia que a filha dela estava doente e fora levada para uma clínica. Mas a clínica em Dayton teria que ser a Barringer. Kinderman investigara e a clínica confirmara que a filha estivera lá internada em observação. Embora a clínica se recusasse a dizer a natureza da doença, era óbvio tratar-se de uma grave doença mental.

Graves doenças mentais originavam, por vezes, força patológica.

Kinderman suspirou e fechou os olhos. Voltara à mesma conclusão. Sacudiu a cabeça. Depois, abriu os olhos e fixou--os no centro da rosa de papel: um exemplar velho e desbotado de uma revista noticiosa nacional. Na capa estavam Chris e Regan. Examinou a filha. O rosto fresco e sardento e os rabichos com fitas, o sorriso com a falta de um dente da frente. Olhou pela janela para a escuridão. Começara a cair uma chuva miudinha.

Desceu à garagem, subiu para o sedan preto sem distintivo e conduziu pelas ruas reluzentes e escorregadias de chuva até à área de Georgetown, onde estacionou no lado oriental da Rua Prospect. Deixou-se ficar sentado. A olhar para a janela de Regan. Deveria bater à porta e pedir para a ver? Baixou a cabeça. Esfregou a testa. William F. Kinderman, estás doente! Estás doente! Vai para casa! Toma um remédio! Dorme!

Olhou outra vez para a janela e abanou a cabeça, pesaroso. A sua lógica obcecante trouxera-o aqui.

Mudou a direcção do olhar quando um táxi parou junto da casa. Ligou o motor e os limpa-pára-brisas.

Do táxi saiu um homem alto e idoso. Gabardina e chapéu pretos e uma mala velha. Pagou ao motorista e em seguida voltou-se e ficou imóvel a olhar para a casa. O táxi arrancou e virou a esquina da Rua Trinta e Seis. Kinderman arrancou rapidamente atrás dele. Ao voltar a esquina reparou que o velho alto não se movera. Continuava parado na névoa, à luz dos candeeiros, como um viajante melancólico congelado no tempo. O detective fez sinal com as luzes ao táxi.

Naquela altura, dentro de casa, Karras e Karl seguravam um braço de Regan, enquanto Sharon lhe dava uma injecção de Librium, elevando a quantidade total injectada nas duas últimas horas para quatrocentos miligramas. Karras sabia que a dose era enorme. Mas, depois de um período de calma de várias horas, a personalidade demo­níaca despertara subitamente num ataque de fúria tão fre­nética que o organismo debilitado de Regan não o poderia suportar por muito tempo.

Karras estava exausto. Depois da visita à Chancelaria, naquela manhã, voltara lá a casa para dizer a Chris o que acontecera. Depois, pusera Regan a alimentação intra­venosa, regressara ao seu quarto e caíra na cama. Contudo, após uma escassa hora e meia de sono, o telefone acordara-o violentamente. Era Sharon. Regan ainda estava incons­ciente e o pulso descia gradualmente. Karras correra então lá a casa-com a maleta e apertara-lhe o tendão de Aquiles, esperando uma reacção à dor. Não houve. Apertou-lhe uma das unhas com força. Continuou a não obter reacção. Ficou preocupado. Embora soubesse que na histeria e em estados de transe havia às vezes uma insensibilidade à dor, receava agora um coma, um estado a partir do qual Regan poderia deslizar facilmente para a morte. Verificou a tensão: máxima nove, mínima seis; em seguida a frequência do pulso: sessenta. Esperara então no quarto e examinara-a de quarto em quarto de hora, durante uma hora e meia, antes de ter a certeza de que a tensão e o pulso se tinham estabilizado, o que significava que Regan não estava em estado de choque, mas em estado letárgico. Deu instruções a Sharon para continuar a verificar-lhe o pulso de hora a hora. Depois, regressou ao quarto e ao sono. Mas de novo o telefone o acordou. O exorcista, disseram-lhe da Chancelaria, seria Lankester Merrin. Karras seria o coadjutor.

A notícia surpreendera-o. Merrin! O filósofo-paleon-tólogo! O surpreendente e sublime intelecto! Os seus livros tinham provocado efervescência na Igreja, pois interpretavam a sua fé em termos de ciência, em termos de uma matéria ainda em evolução, destinada a tornar-se espírito e a unir-se a Deus.

Karras telefonou imediatamente a Chris a dar-lhe a notícia, mas descobriu que ela já a tinha recebido directamente do bispo. Ele dissera-lhe que Merrin chegaria no dia seguinte. "Eu disse ao bispo", contou-lhe Chris, "que ele podia ficar cá em casa. Será apenas por um dia ou dois, não?" Antes de responder, Karras fez uma pausa. "Não sei." E então, depois de outra pausa, disse-lhe: "Não deve esperar demasiado." "Quer dizer, se der resultado", respondeu Chris numa voz apagada. "Eu não quis sugerir que não dará", tranquilizou-a ele. "Apenas quero dizer que pode levar tempo." "Quanto tempo?" "Varia." Ele sabia que um exorcismo, muitas vezes, levava semanas, meses até; sabia que frequentemente falhava por completo. Esperava a Ultima hipótese; esperava que a responsabilidade da enfadonha cura pela sugestão caísse, uma vez mais e por fim, sobre ele. "Pode levar alguns dias ou semanas", disse--Lhe ele então. "Padre Karras, quanto tempo ela ainda?..."

Quando desligou o telefone sentiu-se pesado, atormen­tado. Estendido na cama, pensou em Merrin. Merrin! Sen­tiu-se invadido pela excitação e pela esperança, seguidas por uma inquietação penetrante. Ele próprio deveria ter sido naturalmente escolhido para exorcista. No entanto, o bispo passara por cima dele. Porquê? Porque Merrin já o fizera antes?

Fechando os olhos, recordou-se de que os exorcistas eram escolhidos pela sua "piedade" e "altas qualidades morais"; que uma passagem do Evangelho de São Mateus contava que Cristo, ao ser interrogado pelos discípulos sobre a causa do insucesso deles numa tentativa de exorcismo lhes respondera: "... por causa da vossa pouca fé."

O provincial conhecia o seu problema; e o reitor também, reflectiu Karras. Algum deles o teria contado ao bispo?

Desalentado, dera então voltas na cama, transpirando; sentia-se um tanto indigno; incompetente; rejeitado. Aquilo doía. Injustamente, doía-lhe. Por fim, veio o sono, precipitando-o no vácuo, invadindo-lhe os nichos e as fendas do coração.

Mais uma vez foi acordado pela campainha do telefone.

Chris telefonava para o informar do novo ataque da filha. Novamente lá em casa, verificou o pulso de Regan. Batia com força. Deu-lhe Librium, depois mais. E mais ainda. Finalmente, foi à cozinha, passando uns breves momentos à mesa com Chris, para tomar café. Ela lia um livro; um livro de Merrin, que encomendara. "Está muito além da minha compreensão", disse ela em voz baixa; e, contudo, parecia tocada e um tanto comovida. "Mas tem passagens tão belas - tão grandiosas." Voltou atrás, algumas páginas, detendo-se numa passagem que marcara, e estendeu o livro a Karras, por cima da mmesa. Ele leu:

...Temos uma experiência familiar da ordem, da constância, da perpétua renovação do mundo material que nos rodeia. Todas as suas partes são frágeis e transitórias, os seus elementos agitados e migratórios, todavia ele subsiste. Está unido por uma lei de permanência e, embora sempre a morrer, renasce a cada instante. A dissolução apenas dá origem a novos modos de organização; uma morte gera mil vidas. Cada hora, ao chegar, é apenas um testemunho de quão passageiro e, no entanto, quão seguro e quão certo é o grande todo. É como uma imagem nas águas, sempre a mesma, embora as águas fluam constantemente. O Sol entra no ocaso para tornar a despontar; os dias são engolidos pela escuridão da noite para dela nascerem tão novos como se nunca tivessem findado. A Primavera transforma-se no Verão, e, pelo Verão e pelo Outono, é transformada no Inverno, ainda mais confiante pelo seu regresso último, para triunfar daquela sepultura para a qual resolutamente se apressou desde a sua primeira hora. Lamentamos as flores de Maio porque se destinam a murchar; mas sabemos que Maio um dia obterá a sua vitória sobre Novembro pela revolução daquele círculo solene que nunca se detém - que nos ensina no cume da nossa esperança a ser sempre sóbrios e no mais profundo da desolação a nunca desesperar.

- Sim, é belo - disse Karras baixinho. Os seus olhos ainda estavam pousados na página. A fúria do demónio no andar de cima aumentou, "...filho da puta... escumalha... hipócrita piedoso!"

- Ela costumava pôr uma rosa no meu prato... de manhã... antes de eu ir trabalhar.

Karras levantou os olhos interrogativamente.

Regan - disse-lhe Chris, com o olhar enevoado pela

lembrança. Baixou os olhos. - Sim, é verdade. Esquecia-me... o senhor nunca a conheceu. - Assoou o nariz e enxugou os olhos. - Frank Karras, quer um pouco de

brande no café? - perguntou ela.

Obrigado, não quero.

O café está sem sabor - murmurou ela trémula. - Vou buscar um pouco de brande. Com licença. - Saiu rapidamente da cozinha.

Karras ficou sentado, sozinho, bebendo triste o seu café. Sentia-se quente dentro da camisola que trazia por baixo da batina; sentia-se fraco pelo seu insucesso em consolar Chris. Então, uma memória da infância bruxuleou tristemente, uma lembrança de Ginger, a sua cadela rafeira, esquelética e entorpecida, num caixote do apartamento. Ginger tremia de febre e vomitava, enquanto Karras a cobria com toalhas, tentava fazer-lhe beber leite quente; depois, um vizinho apareceu e, vendo que se tratava de esgana, abanou a cabeça e disse, "a tua cadela precisa de levar já uma injecção". Certa tarde, à saída da escola... para a rua... formando dois a dois até à esquina... a mãe vindo ao seu encontro... inesperadamente... com um ar triste... agarrando-lhe na mão para lhe dar uma moeda de meio dólar a brilhar... alegria... tanto dinheiro!... depois a sua voz, meiga e terna, "Ginger morreu..."

Baixou os olhos para a negridão fumegante e amarga da sua chávena e sentiu as mãos vazias de conforto ou de remédio.

"... piedoso filho da puta!"

O demónio. Ainda enraivecido.

"A tua cadela precisa de levar já uma injecção..."

Voltou apressado ao quarto de Regan, onde a segurou enquanto Sharon lhe administrava a injecção de Librium, que elevava agora a dosagem total para quinhentos miligramas.

Sharon esfregava a picada da agulha com um pedaço de algodão, enquanto Karras observava Regan, intrigado. As obscenidades frenéticas pareciam não se dirigir a ninguém no quarto, mas antes a alguém invisível - ou ausente.

Afastou o pensamento.

- Eu volto - disse ele a Sharon. Saiu do quarto.

Preocupado a respeito de Chris, desceu à cozinha, onde a encontrou, sozinha, novamente sentada à mesa. Deitava brande no café.

- Tem a certeza de não querer um pouco, padre? - perguntou ela.

Sacudindo a cabeça, aproximou-se da mesa e, cansado, sentou-se. Olhou para o chão. Ouviu o ruído de uma colher tocando em porcelana ao mexer o café.

Já falou ao pai dela? - perguntou.

Sim. Ele telefonou. - Uma pausa - Queria falar com a Rags.

E o que lhe disse a senhora?

Que ela saíra para uma festa - respondeu Chris após uma pausa.

Silêncio. Karras não ouviu mais ruídos. Levantou a vista e viu-a a olhar para o tecto. Então reparou também: os gritos, lá em cima, tinham finalmente cessado.

- Creio que o Librium fez efeito - disse ele, aliviado.

O som da campainha da porta. Olhou na direcção da porta e depois para Chris, que correspondeu ao seu olhar com um franzir de sobrancelhas interrogativo e cheio de apreensão.

Kinderman?

Esperaram. Willie repousava. Sharon e Karl ainda estavam no andar de cima. Ninguém ia abrir. Chris, tensa, levantou se abruptamente da mesa e foi à sala. Ajoelhando--se num sofá, entreabriu uma cortina e espreitou furtiva­mente o visitante, pela janela. Graças a Deus! Não era Kin­derman. Em vez dele viu um homem alto, velho, de gabardine no fio, de cabeça inclinada pacientemente à chuva. Trazia uma mala velha e estafada. Uma fivela brilhou por um instante à luz do candeeiro quando a mala lhe balançou ligeiramente na mão.

A campainha tocou de novo.

Quem será?

Intrigada, Chris desceu do sofá e encaminhou-se para a entrada. Abriu a porta ligeiramente, tentando ver no escuro, por entre a névoa fina da chuva. A aba do chapéu obscurecia o rosto do homem.

Faz favor. Que deseja?

É a Sra. MacNeil? - perguntou uma voz na sombra, meiga, culta e, no entanto, cheia de significado.

Enquanto ele tirava o chapéu, Chris cumprimentou com um gesto feito com a cabeça e viu-se de repente a fitar uns olhos que a subjugavam, que brilhavam de inteligência e bondosa compreensão, de serenidade que deles emanava para o seu ser, como as águas de um rio vivo e milagroso, cuja nascente estava nele e no entanto além dele, e cuja torrente, reprimida, era contudo impetuosa e interminável.

- Sou o padre Merrin.

Por um momento, sem perceber, olhou a face magra e ascética, os malares esculpidos, polidos como esteatita; depois, abriu com rapidez a porta.

- Oh, meu Deus! Entre por favor! Oh, entre! Credo, eu...

De verdade! Não sei onde tenho a minha...

Ele entrou e ela fechou a porta.

Quer dizer, eu não o esperava senão amanhã!

Sim, eu sei - ouviu-o ela dizer.

Ao voltar-se para ficar de frente para ele, viu-o de pé, de cabeça inclinada para o lado, olhando para cima, como se escutasse - não, mais como se sentisse, pensou ela - alguma vibração distante, que fosse conhecida e familiar. Intrigada, ficou-se a observá-lo. A sua pele parecia curtida por ventos estranhos, por um sol que brilhasse algures, em algum local remoto, longe dela e da sua época.

Padre, posso pegar na sua mala? Deve pesar-lhe toneladas.

Não tem importância - disse ele, baixo, ainda a sentir, ainda a observar. - É como se fizesse parte do meu braço: muito velha, muito usada. - Ele olhara para ela com um sorriso quente e cansado. - Estou habituado ao peso...

O padre Karras está cá? - perguntou.

- Sim, está. Na cozinha. A propósito, padre, já jantou?

Ele olhou para cima ao ouvir o som de uma porta a abrir-se.

- Sim, jantei no comboio.

- Não quererá tomar mais alguma coisa?

Volvido um momento ouviu-se o som de uma porta a fechar-se. Ele baixou os olhos.

Não, obrigado.

Credo, esta chuva toda - protestou ela, ainda agitada.

- Se soubesse que o senhor vinha, podia ter ido esperá-lo à estação.

Não tem importância.

Teve de esperar muito por um táxi?

Alguns minutos.

Eu pego nisso, padre!

Karl, que descera as escadas muito depressa, tirou então a mala das mãos do padre e levou-a pelo corredor fora.

Padre, arranjamos-lhe uma cama no gabinete de trabalho. - Chris estava excitada. - É, na realidade, muito confortável e pensei que gostaria de ficar tranquilo. Vou mostrar-lhe onde é. - Começou a andar e em seguida

deteve-se. - Ou gostaria de cumprimentar o padre Karras?

Gostaria de ver a sua filha primeiro - disse Merrin.

Quer dizer, já de seguida, padre? - Volveu ela, intrigada.

Ele olhou novamente para cima, com aquela atenção distante.

Sim, agora... penso que agora mesmo.

Bolas, tenho a impressão de que ela está a dormir.

Talvez não esteja.

Bem se...

Chris vacilou subitamente, ao ouvir um som vindo de lá de cima, a voz do demónio, troando e no entanto abafada, crucitando como num funeral prematuro amplificado.

- Merriiiiinnnnn!

Depois o potente e arrepiante estremeção de uma única pancada, ressoando contra as paredes do quarto.

- Deus Todo-Poderoso! - suspirou Chris ao levar ao peito as mãos pálidas. Estupefacta, olhou para Merrin. O padre não se movera. Olhava ainda para cima, enérgico, e todavia sereno, e nos seus olhos não havia sequer um vislumbre de surpresa. Era antes, pensou Chris, como se se tratasse de um reconhecimento.

As paredes foram sacudidas por outra pancada.

- Merriiiiinnnnn!

O jesuíta caminhou lentamente para a frente, esquecido de Chris, que abria a boca de espanto; de Karl, a entrar ligeiro e incrédulo, vindo do gabinete de trabalho; de Karras, surgindo, espantado, da cozinha, enquanto aquelas pancadas e aquele crocitar de pesadelo continuavam. Subiu calmamente a escada, a mão magra de alabastro a deslizar pelo corrimão acima.

Karras chegou junto de Chris e ambos ficaram em baixo a observar, enquanto Merrin entrava no quarto de Regan e fechava a porta atrás de si.

Houve silêncio durante alguns minutos. E então, de súbito, o demónio gargalhou horrendamente e Merrin saiu. Fechou a porta e caminhou pelo corredor. A porta tornou a abrir se atrás dele e Sharon deitou a cabeça de fora, a olhar para Merrin com uma estranha expressão no rosto.

O jesuíta desceu rapidamente a escada e estendeu a mão a Karras, que aguardava.

Padre Karras...

Como está, padre?

Merrin agarrava a mão do outro padre com ambas as mãos; apertava-a, perscrutando o rosto de Karras com um olhar grave e preocupado, enquanto lá em cima as gargalhadas se transformavam em obscenidades depravadas dirigidas contra Merrin.

Tem um ar de cansaço horrível - disse ele. - Está cansado?

De maneira nenhuma. Porque me faz essa pergunta?

Tem a sua gabardina consigo?

Não - disse Karras abanando com a cabeça.

Então tome lá a minha - disse o jesuíta grisalho,

desabotoando a gabardina. - Gostaria que fosse à Residência, Damien, e trouxesse para mim uma batina, duas sobrepelizes, uma estola púrpura, um pouco de água benta e o seu exemplar do Ritual Romano. - Entregara a gabardina

ao intrigado Karras. - Creio que devemos começar.

Quer dizer imediatamente? - perguntou Karras franzindo o sobrolho.

Sim, acho que sim.

Não deseja ouvir primeiro os pormenores do caso, padre?

Para quê?

Merrin ergueu as sobrancelhas com simplicidade, numa interrogação sincera.

Karras viu que não tinha resposta a dar-lhe. Desviou a vista daqueles olhos desconcertantes.

- Está bem - disse ele. Enfiou a gabardina e deu meia volta. - Vou buscar as coisas.

Karl moveu-se com rapidez, atravessou-se à frente de Karras e abriu-lhe a porta. Trocaram um olhar breve e então Karras saiu para a noite chuvosa. Merrin olhou para Chris.

- Não se importa se começarmos imediatamente? - perguntou-lhe em voz baixa.

Ela estivera a observá-lo, radiante e aliviada pela sensação de decisão e de comando que surgia como um grito à luz do dia.

- Não, estou contente - disse ela, grata. - Embora o senhor deva estar cansado, padre.

Ele viu-lhe o olhar ansioso dirigir-se para cima, para a fúria do demónio.

- Quer uma chávena de café? - perguntou ela. – Está feito de fresco. - Insistente, quase rogando. - Está quente.

Não quer, padre?

Ele viu-lhe as mãos abrirem-se e fecharem-se, ligeiras; as olheiras profundas à roda dos olhos.

- Quero sim - disse ele, cotdial. - Obrigado. - Algo de pesado fora cuidadosamente removido. - Se tem a certeza

de que não incomodo...

Levou-o à cozinha e poucos minutos depois ele encostava-se ao fogão, com uma caneca de café nas mãos.

- Padre, quer aí um pouco de brande? - Chris mostrou-Lhe a garrafa.

Ele curvou a cabeça e olhou para a caneca, sem expressão.

- Bem, os médicos aconselham-me a não beber – disse ele. Em seguida estendeu a caneca. - Mas, graças a Deus, a

minha vontade é fraca.

Chris, insegura, parou um momento, depois viu-lhe um sorriso nos olhos quando ele levantou a cabeça. Deitou o brande.

- Tem um nome tão bonito! - disse ele. - Chris MacNeil. Não é um nome de teatro?

Chris deitou brande no seu café e abanou a cabeça.

Não, na realidade não me chamo Esmeralda Glutz.

Demos graças a Deus por isso - murmurou Merrin.

Chris sorriu e sentou-se.

Padre, que é Lankester? Tão invulgar. Deram-lhe o nome de alguma outra pessoa?

De um navio de carga - murmurou, de olhar ausente, ao levar a caneca aos lábios. Bebeu. - Ou de uma ponte.

Sim, suponho que foi de uma ponte. - Tinha um ar triste. - Agora Damien - continuou ele - , como eu desejaria ter um nome assim, tão bonito.

Padre, de onde é que vem esse nome?

Damien? - Ele olhou para a caneca. - Era o nome de um padre que dedicou a vida a tratar dos leprosos na ilha de

Molokai. Por fim contraiu a doença. - Fez uma pausa. - Bonito nome - disse outra vez. - Julgo que, se me chamasse Damien, até me contentaria com o apelido Glutz.

Chris riu-se. Começou a acalmar. Sentia-se mais descansada. Durante minutos, ela e Merrin falaram de coisas simples, de coisas sem importância. Por fim, Sharon apareceu, e só então Merrin se preparou para sair da cozinha. Foi como se estivesse à espera da sua chegada, pois levou imediatamente a caneca para o lava-louça, lavou-a e colocou-a cuidadosamente na prateleira.

Soube-me bem; era disto mesmo que precisava - disse ele.

Vou levá-lo ao seu quarto - declarou Chris, levantando-se.

Ele agradeceu-lhe e seguiu-a até à porta do gabinete de trabalho.

- Padre, se precisar de alguma coisa - disse ela - peça.

Ele pôs-lhe a mão no ombro e apertou-lho tranqui­lizadoramente. Chris sentiu se penetrada de força e calor. Paz. Sentiu paz. E um sentimento estranho de... segurança? perguntou ela a si própria.

- É muito bondosa. -- Os olhos dele sorriam. - Muito obrigado.

Tirou a mão e ficou a vê-la afastar-se. Mal ela partiu, uma dor aguda pareceu apanhar-lhe a cara. Entrou no gabinete e fechou a porta. De uma algibeira das calças tirou uma caixa de lata com um rótulo que dizia "Aspirina Bayer". Abriu-a, pegou num comprimido de nitroglicerina e colocou-o cuidadosamente debaixo da língua.

Chris entrou na cozinha. Parou à porta e olhou para Sharon, que estava junto do fogão, com a palma da mão contra a máquina do café, à espera que aquecesse.

Chris, preocupada, dirigiu-se para ela.

- Olhe lá, querida - disse ela com meiguice - , porque não vai descansar um bocadinho?

Não obteve resposta. Sharon parecia absorta nos seus pensamentos. Depois, voltou-se e olhou interrogativamente para Chris.

- Perdão, disse alguma coisa?

Chris estudou-lhe a rigidez da cara, o olhar distante.

Que aconteceu lá em cima, Sharon? - perguntou.

Que aconteceu aonde?

Quando o padre Merrin foi lá acima?

Ah, sim... - Sharon franziu o sobrolho. Mudou o olhar longínquo para um ponto no espaço, entre a dúvida e a lembrança. - Sim, foi esquisito.

Esquisito?

Estranho. Eles só... - Fez uma pausa. - Bem, só olharam um para o outro durante um momento e então Regan - aquela criatura - disse...

Disse o quê?

Disse: "Desta vez vais perder."

Chris fitou Sharon, expectante.

E depois?

Foi tudo - respondeu Sharon. - O padre Merrin voltou-se e saiu do quarto.

E que ar tinha ele? - perguntou Chris.

Esquisito.

Oh, porra!, Sharon. Diga outra palavra qualquer! - explodiu Chris, que ia acrescentar mais qualquer coisa quando reparou que Sharon inclinara a cabeça e a voltara para cima, abstracta, como se escutasse.

Chris olhou para cima e também ouviu: o silêncio; o súbito cessar da raiva do demónio; e, no entanto, algo mais... algo... que aumentava.

As duas mulheres entreolharam-se de soslaio.

- Também sente? - perguntou Sharon, baixinho.

Chris fez um sinal afirmativo com a cabeça. A casa. Era algo na casa. Uma tensão. Um adensamento gradual da atmosfera. Um pulsar, como de energias a acumularem-se lentamente.

O tilintar da campainha da porta pareceu irreal.

Sharon voltou-se.

- Vou abrir.

Foi à entrada e abriu a porta. Era Karras. Trazia uma caixa de papelão.

Obrigado, Sharon.

O padre Merrin está no gabinete de trabalho – disse ela.

Karras foi depressa ao gabinete, bateu à porta de leve e, sem prestar atenção, entrou com a caixa.

- Desculpe, padre - foi dizendo - , tive um pequeno...

Karras estacou. Merrin, de calças e camisa de desporto, estava ajoelhado em oração junto da cama alugada, de cabeça baixa e mãos a cobrir o rosto. Karras ficou preso ao chão durante um momento, como se ao dobrar uma esquina tivesse encontrado por acaso o rapazinho que fora. Com uma sobrepeliz de menino de coro dobrada no braço, a andar apressado, sem sequer lhe lançar um olhar de reconhecimento.

Karras olhou para a caixa de papelão sem tampa, para as gotas de chuva na goma. Então, vagarosamente, ainda a desviar a vista, foi para junto do sofá e, sem ruído, tirou o conteúdo da caixa. Ao terminar, despiu a gabardina e dobrou-a cuidadosamente, pondo-a numa cadeira. Ao olhar para trás, para Merrin, viu o padre benzer-se e apressadamente desviou os olhos, pegando na maior das duas sobrepelizes de algodão branco. Começou a vesti-la por sobre a batina. Ouviu Merrin levantar-se e em seguida dizer: "Obrigado, Damien." Karras voltou-se de frente para ele, enfiando a sobrepeliz, enquanto Merrin se foi pôr em frente do sofá, olhando com ternura para os paramentos.

Karras pegou numa camisola.

- Padre, pensei que podia vestir isto por baixo da batina - disse ele a Merrin ao dar-lha. - Por vezes faz frio no quarto.

Merrin tocou ao de leve na camisola com as mãos.

- Muito obrigado pelo seu cuidado, Damien.

Karras tirou a batina de Merrin de cima do sofá. Viu-o enfiar a camisola; só então, e muito repentinamente, enquanto observava aquela acção prosaica e familiar, sentiu o tremendo impacte do homem; do momento; de um silêncio na casa, que o esmagava, sufocando-lhe a respiração.

Voltou a dar conta de si ao sentir a batina sair-lhe das mãos. Fora Merrin. Para a vestir.

- Damien, está familiarizado com as regras do exorcismo?

- Sim, estou - respondeu Karras.

Merrin começou a abotoar a batina.

- Especialmente importante é a advertência de evitar

conversas com o demónio...

"O demónio." Ele dissera-o tão naturalmente, pensou Karras. Aquilo chocava-o.

- Podemos perguntar o que for relevante - disse Merrin ao abotoar a gola da batina. - Mas tudo o que for além disso é perigoso. Extremamente perigoso - Tirou a sobrepeliz das mãos de Karras e começou a vesti-la sobre a sotaina.- - Especialmente, não ouça o que quer que seja que ele diga. O demónio é um impostor. Mente para nos confundir; mas também mistura a mentira com a verdade para nos atacar. O ataque, Damien, é psicológico. E eficiente. Não escute. Lembre-se disso. Não escute.

Quando Karras lhe deu a estola, o exorcista acrescentou:

Damien, tem qualquer outra coisa que me queira perguntar agora?

Não - respondeu Karras, sacudindo a cabeça - , mas penso que pode ser útil dar-lhe algumas informações sobre as diferentes personalidades que Regan manifestou. Até agora foram três.

Só há uma - disse Merrin, em voz baixa, passando a estola em volta dos ombros. Agarrou-a por um momento e ficou imóvel; os olhos assumiram uma expressão preocupada. Depois, pegou nos exemplares do Ritual Romano e deu um a Karras. - Passamos em branco a Ladainha dos Santos. Você tem aí a água benta?

Karras tirou o frasquinho esguio, de rolha de cortiça, da algibeira. Merrin pegou nele e depois indicou serenamente a porta com a cabeça.

- Damien, faça o favor de ir à frente.

No andar de cima, junto da porta do quarto de Regan, Sharon e Chris esperavam, nervosas. Estavam entrouxadas em pesadas camisolas e casacos. Voltaram-se ao ouvir o ruído feito pela porta a abrir-se, olharam para baixo e viram Karras e Merrin, que vinham do hall para as escadas em procissão solene. Altos - como eles eram altos, pensou Chris. E Karras: o rosto moreno, como que esculpido na rocha, acima do branco inocente de menino de coro da sobrepeliz. Observando-os a subirem a escada, serenos, Chris sentiu-se estranha e profundamente comovida. Vem aí o meu irmão mais velho para te dar uma marretada na cabeça, meu bicho peçonhento! Sentia algo de muito parecido, pensou ela. Deu-se conta de o coração começar a bater mais depressa.

Os jesuítas pararam à porta do quarto. Karras franziu o sobrolho, ao ver a camisola e o casaco que Chris vestia.

A senhora vai entrar?

Bem, na realidade pensei que devia assistir.

Não, por favor - instou ele. - Não faça isso. Seria um grande disparate.

Chris voltou-se para Merrin com ar interrogativo.

- O padre Karras sabe o que diz - retorquiu o exorcista, com calma.

Chris voltou a olhar para Karras. Inclinou a cabeça.

Muito bem - disse desconsolada. Encostou-se à parede. - Espero cá fora.

Qual é o segundo nome da sua filha? – perguntou Merrin.

Teresa.

Que bonito nome - disse Merrin com calor. Tranquilizador, sustentou-lhe o olhar por um momento. Em seguida voltou a vista para a porta e Chris tornou a sentir aquela tensão; o adensamento da escuridão enrolada em anéis. Lá dentro. No quarto de cama. Para além daquela porta. Reparou que Karras e Sharon também o sentiam.

Merrin fez um sinal com a cabeça.

- Vamos - disse, baixinho.

Karras abriu a porta e quase recuou com o impacte da lufada de fedor e frio intenso. Karl, num canto do quarto, aconchegava-se numa cadeira. Vestia um blusão de caça, desbotado, verde-azeitona, e voltava-se expectante para Karras. O jesuíta desviou rapidamente a vista para a cama, para o demónio. Os seus olhos a reluzir estavam voltados para o corredor. Fixavam-se em Merrin.

Karras avançou até aos pés da cama, enquanto Merrin avançava devagar, alto e direito, até um dos lados. Aí parou e olhou para baixo, para aquela figura de ódio.

Pairava no quarto uma imobilidade sufocante. Regan passou uma língua de lobo, enegrecida, pelos lábios inchados e fendidos. Parecia uma mão a alisar pergaminho amarrotado.

- Então, escumalha orgulhosa! - crocitou o demónio. - Até que enfim! Até que enfim vieste!

O velho padre ergueu a mão e fez o sinal da cruz sobre a cama e depois repetiu o gesto em todas as direcções. Voltando se de novo, desarrolhou o frasco de água benta.

- Ah, pois! Agora a urina benta! - grasnou o demónio. - O sémen dos santos!

Merrin levantou o frasco e a cara do demónio ficou lívida, a contorcer-se.

- Ah, vais fazer isso, filho da puta? - espumou ele. - Vais?

Merrin começou a aspergir a água benta. O demónio levantou a cabeça, com a boca e os músculos do pescoço trémulos de raiva.

Sim, salpica! Salpica, Merrin! Encharca-nos! Encharca-nos no teu suor! O teu suor é santo, São Merrin! Dobra-te

e peida nuvens de incenso! Dobra-te e mostra o teu santo

traseiro, para que o veneremos e o adoremos! o beijemos! O lambamos, santo...

Cala-te!

As palavras saíram dardejantes, como flechas. Karras, maravilhado, estremeceu e voltou a cabeça para Merrin, que olhava autoritário para Regan. E o demónio ficou calado. Devolvia-lhe o olhar. Mas os olhos agora hesitavam. A piscarem. Cautelosos.

Merrin fechou automaticamente o frasco de água benta e devolveu-o a Karras. O psiquiatra meteu-o na algibeira e observou, enquanto Merrin se ajoelhava ao lado da cama e, fechando os olhos, orava, murmurando.

- "Pai Nosso..." - começou ele.

Regan cuspiu e atirou uma bola de muco amarelado para a cara de Merrin. Escorreu vagarosamente pela face do exorcista.

- "...venha a nós o Vosso Reino..." - de cabeça ainda curvada, Merrin continuou a oração sem uma pausa,enquanto, com a mão, tirava um lenço da algibeira e serenamente, sem pressa, limpava o escarro. - "...e não nos deixeis cair em tentação" - terminou, suavemente.

- "Mas livrai-nos do mal" - responsou Karras.

Levantou rapidamente a vista. Os olhos de Regan reviravam-se nas órbitas, até ficar apenas exposto o branco da esclerótica. Karras, inquieto, sentiu algo a congelar-se no quarto. Voltou ao texto para seguir a oração de Merrin.

Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, apelo para o Vosso Santo Nome, rogando humildemente da Vossa Bondade que Vos digneis conceder-me o auxílio contra este espírito imundo, que atormenta agora esta Vossa criatura; por Cristo Nosso Senhor.

Ámen - responsou Karras.

Então Merrin levantou-se e orou, reverente:

- Deus Criador e defensor do género humano, tende piedade desta Vossa serva, Regan Teresa MacNeil, presa

agora nos anéis do antigo inimigo do homem, inimigo jurado da nossa raça, que...

Karras levantou os olhos ao ouvir o silvo de Regan e viu-a sentada, erecta, com o branco dos olhos à mostra, enquanto a língua lhe saía e entrava rapidamente na boca, ondulando lentamente a cabeça para trás e para a frente como uma serpente.

Karras sentiu-se inquieto mais uma vez. Voltou a olhar para o texto.

"Salvai a Vossa serva" - rezava Merrin, de pé, lendo o Ritual.

"Que confia em Vós, nosso Deus" - respondeu Karras.

"Que ela encontre em Vós, Senhor, uma torre de fortaleza."

"Em face do inimigo."

Enquanto Merrin continuava a linha seguinte, Karras ouviu atrás de si um grito de Sharon e, voltando-se de súbito, viu-a olhar, estupefacta, para a cama. Intrigado, voltou-se e ficou instantaneamente electrizado. A frente da cama estava a levantar-se do chão!

Olhou, incrédulo. Dez centímetros. Quinze centímetros. Trinta centímetros. Nesse momento as pernas de trás começaram também a levantar-se.

- Gott in Himmel! - murmurou Karl, com medo. Mas Karras não ouviu nem o viu fazer o sinal da cruz quando a parte de trás da cama se levantou, ficando ao mesmo nível

da da parte da frente. Não pode ser!, pensou ele, observando aquilo, pasmado.

A cama levantou-se outros trinta centímetros e depois ficou a pairar, oscilando levemente inclinada, como se flutuasse num lago estagnado.

- Padre Karras!

Regan balouçava, silvando.

- Padre Karras!

Karras voltou-se. O exorcista olhou-o, sereno" e indicou então com a cabeça o exemplar do Ritual nas mãos de Karras.

- Damien, o responso, se faz favor.

Karras olhou sem compreender. Sharon fugiu do quarto.

- "Que o inimigo não tenha poder sobre ela" – repetiu Merrin, suavemente.

Karras, de coração a bater, apressou-se a olhar para o texto e disse o responso:

"E que o filho da iniquidade não tenha poder para lhe fazer mal."

"Senhor, ouvi a minha prece" - continuou Merrin.

"Que até Vós chegue o meu clamor."

"O Senhor seja convosco."

"E com o vosso espírito."

Merrin começou uma longa prece e Karras voltou a olhar para a cama, para as esperanças no seu Deus e para aquele pairar sobrenatural no espaço vazio. Uma exaltação percorreu-lhe o ser. Está ali! Ali! Mesmo à minha frente! Ali! Voltou-se de repente, ao ouvir a porta. Sharon entrou a correr com Chris, que parou, sem acreditar, e gritou: "Chíça!"

- "Pai Todo-Poderoso, Deus eterno..."

O exorcista estendeu a mão de uma maneira normal e, sem pressa, fez sinal da cruz três vezes sobre a testa de Regan enquanto continuava a ler o Ritual "que enviastes ao mundo o Vosso Único Filho para esmagar este leão ru­gidor ..."

O silvo parara e do tenso e rígido O da boca de Regan veio o mugido arrepiante de um touro.

"...livrai da destruição e das garras do demónio do meio-dia esta humana criatura, feita à Vossa imagem e..."

O mugido aumentou, rasgando a carne, e fazendo tremer os ossos.

- "Deus e Senhor de todas as coisas criadas..." – Merrin levantou a mão num gesto rotineiro e premiu uma ponta da

estola de encontro ao pescoço de Regan, continuando a rezar: - "... por cujo poder Satanás foi expulso do céu como

o relâmpago, feri de terror a besta que assola a Vossa vinha..."

O mugido cessara. Um silêncio a ressoar. Então, da boca de Regan começou a borbotar um espesso e pútrido vómito esverdeado, brotando em surtos lentos e regulares, que lhe escorria como lava pelo lábio e se derramava em vagas sobre a mão de Merrin. Mas ele nem sequer se mexeu.

- "Que a Vossa mão poderosa expulse este cruel demónio de Regan Teresa MacNeil, que..."

Karras percebeu confusamente uma porta abrir-se e Chris sair do quarto a correr.

- "Expulsai este perseguidor da inocente..."

A cama começou a balouçar preguiçosa e, depois, bruscamente, mergulhou e guinou com violência, e Merrin, com o vómito ainda a borbotar da boca de Regan, reajustava e mantinha a estola calma e firmemente de encontro ao pescoço dela.

- "Enchei os Vossos servos de coragem para varonilmente resistirem a esta serpente réproba para que ela não despreze os que põem a sua confiança em Vós, e..."

Os movimentos diminuíram de repente e enquanto Karras observava, hipnotizado, a cama deslizou lentamente para o chão, como uma pena, e pousou no tapete com um baque surdo.

- "Senhor, permiti que esta..."

Estarrecido, Karras olhou para a mão de Merrin. Não a podia ver. Estava enterrada sob um monte de vomitado fumegante.

- Damien?

Karras levantou a vista.

- "Senhor, ouvi a minha prece" - disse o exorcista em voz baixa.

Karras voltou-se devagar para a cama.

- "Que até Vós chegue o meu clamor."

Merrin levantou a estola, deu um pequeno passo para trás e em seguida abalou as paredes do quarto com o chicotear da sua voz troante, ao ordenar:

- "Eu expulso-te, espírito imundo, juntamente com todos os poderes satânicos do inimigo! Todas as aparições do Inferno! Todos os brutos teus companheiros!" - A seu lado,

a mão de Merrin pingava o vomitado no tapete. - "É Cristo,

que outrora acalmou os ventos, o mar e a tempestade, quem to ordena! Quem..."

Regan parara de vomitar. Sentava-se, silenciosa e imóvel. O branco dos seus olhos brilhava malignamente para Merrin. Dos pés da cama, Karras observava-a com intensidade, à medida que o seu espanto e excitação começavam a desaparecer, que o seu pensamento começava febrilmente a agitar-se, a meter os dedos, espontânea, compulsivamente, nos recantos mais profundos da dúvida lógica: poltergeists; acção psicocinética; tensões da adolescência e força mentalmente dirigida. Franziu o sobrolho ao lembrar-se de uma coisa. Foi até à beira da cama, inclinou-se e estendeu a mão para o pulso de Regan. E encontrou o que receava. Tal como o do chamane da Sibéria, o pulso batia a uma velocidade incrível. Roubou-lhe o sol de repente, e olhando para o relógio contou as pulsações como se fossem argumentos contra a sua própria vida.

- "É Aquele que te expulsou das alturas, de cabeça para baixo, Quem to ordena!"

O poderoso esconjuro de Merrin martelava a fímbria da consciência de Karras com pancadas ressoantes e inexoráveis, à medida que o pulso acelerava ainda mais. E ainda mais. Karras olhou para Regan. Silenciosa. Imóvel. No ar gélido ténues fumos de vapor subiam do vomitado, qual oferta nauseabunda. Karras sentiu-se inquieto. Então os cabelos dos braços começaram a arrepiar-se. Com a lentidão de um pesadelo, uma fracção de cada vez, a cabeça de Regan voltava-se devagar, girando como a de um manequim, estalando com o som de um mecanismo enferrujado, até que o horrível e luzente branco daqueles olhos espectrais se fixava nos seus.

"E pois, treme de temor agora, Satanás..."

A cabeça voltou-se novamente, devagar, para Merrin.

- "... corrupta da justiça! criador da morte! traidor das gentes! usurpador da vida! tu..."

Karras olhou cautelosamente em redor quando as luzes do quarto começaram a tremelicar, escurecendo, e depois diminuíram até uma sinistra vibração ambarina. Ele estremeceu. Estava mais frio. O quarto estava a ficar mais frio.

- "...tu, príncipe dos homicidas! inventor de todas as obscenidades! inimigo do género humano! Tu..."

Pancadas abafadas sacudiram o quarto. Depois mais. Depois regulares, ecoando, atravessando as paredes, atravessando o chão, atravessando o tecto, estilhaçando, pulsando, num ritmo pesado como o bater de um coração enorme e doente.

- "Vai-te, monstro! O teu lugar é na solidão! A tua

morada num ninho de víboras! Humilha-te e rasteja como

elas! É o próprio Deus que to ordena! O sangue do..."

O ruído das pancadas aumentou, começou a ressoar sinistramente mais depressa, cada vez mais depressa.

- "Esconjuro-te, serpente antiga..."

E ainda mais depressa.

- "... pelo juiz dos vivos e dos mortos, pelo teu Criador,

pelo Criador de todo o universo, a que..."

Sharon gritou, premindo os punhos contra as orelhas, quando as pancadas se tornaram ensurdecedoras e então de repente se aceleraram e mudaram para um ritmo aterrador.

O pulso de Regan estava incrível. Martelava a uma velocidade rápida de mais para ser medida. Do outro lado da cama, Merrin estendeu a mão calmamente e com a ponta do polegar traçou o sinal da cruz no peito de Regan coberto de vomitado. As palavras da sua oração eram engolidas pelas pancadas.

Karras sentiu a velocidade do pulso cair de repente e enquanto Merrin rezava e fazia o sinal da cruz na testa de Regan, as pancadas de pesadelo cessaram abruptamente.

"Ó Deus do Céu e da Terra, Deus dos anjos e arcanjos..." - Karras podia agora ouvir Merrin a rezar enquanto o pulso baixava, baixava...

Merrin, orgulhoso filho da puta! Escumalha! Tu vais perder! Ela morrerá! A porca morrerá!

A névoa vacilante tornou-se gradualmente mais lumi­nosa. A entidade demoníaca regressara e, odienta, invectivava Merrin.

Pavão devasso! Patriarca dos herejes! Esconjuro-te a que te voltes e olhes para mim! Olha agora para mim, ralé! - O demónio atirou-se para a frente, escarrou na face de Merrin e depois crocitou. - Assim cura o teu mestre os cegos!

"Deus e Senhor de todas as coisas criadas..." – rezava Merrin, pegando placidamente no lenço e limpando o escarro.

Segue agora a tua doutrina, Merrin! Anda! Põe o teu c... santificado na boca da porquinha e limpa-a, pincela-a com a engelhada relíquia, São Merrin, e ela ficará curada!

Um milagre! Um...

"...libertai esta Vossa serva de..."

Hipócrita! Tu não queres saber da porca para nada.

Não te interessa! Fizeste dela um objecto de disputa entre nós!

"...eu humildemente..."

Mentiroso! Aldrabão, filho da puta! Diz-nos onde está a tua humildade, Merrin. No deserto? Nas ruínas? Nos túmulos para onde fu'giste dos homens teus irmãos, para onde fugiste dos teus inferiores, dos coxos e dos mancos de espírito? Tu, ó vómito piedoso, tu falas aos homens!...

"... livrai..."

A tua morada é um ninho de pavões, Merrin! O teu lugar é dentro de ti próprio! Torna ao alto da montanha e fala ao teu único igual!

Merrin continuou com as orações, sem prestar atenção, enquanto a torrente de insultos prosseguia enfurecida.

- Tens fome, São Merrin? Olha, dou-te néctar e ambrósia. Dou-te o alimento do teu Deus! - crocitou o demónio. Expeliu diarreia, troçando. - Pois isto é o meu corpo!

Agora, São Merrin, consagra isto!

Enojado, Karras concentrou a sua atenção no texto enquanto Merrin lia uma passagem de São Lucas:

"... O meu nome é Legião, respondeu o homem, porque tinham entrado nele muitos demónios. E eles rogaram a Jesus que os não mandasse ir para o abismo. Ora andava por ali pastando no monte uma grande vara de porcos; e rogavam-lhe que lhes permitisse entrar neles. E Jesus lho permitiu. Saíram os demónios do homem e entraram nos porcos; e a vara precipitou-se com ímpeto por um despenhadeiro no lago, e afogou-se. E..."

Willie, trago-te uma boa notícia! - grasnou o demónio. Karras levantou os olhos e viu Willie junto da porta parar de repente, com uma braçada de toalhas e lençóis. - Trago-te novas de redenção! - exultou, maligno. – A Elvira está viva! Vive! Ela está...

Willie olhou, sufocada, e então Karl voltou-se e gritou--Lhe:

- Não, Willie! Não!

- ... uma viciada na droga, Willie, uma incorrigível...

Não ouças, Willie! - gritou Karl.

Queres que te diga onde ela mora? - crocitou o demónio.

Não ouças! Não ouças! - Karl corria com Willie do quarto.

Vai visitá-la no Dia da Mãe, Willie! Faz-lhe uma surpresa! Vai e...

O demónio interrompeu-se de repente e fixou os olhos em Karras. Ele verificara novamente o pulso e encontrara-o forte, o que significava que era seguro dar mais Librium a Regan. Aproximou-se então de Sharon para lhe dizer que preparasse outra injecção.

- Tu quere-la? - troçou o demónio. - É tua! Sim, a puta de cavalariça pertence-te? Podes cavalgá-la como quiseres! Ora, todas as noites fantasia coisas a teu respeito, Karras! Masturba-se a sonhar com o teu grande e sacerdotal...

Sharon corou até às orelhas e desviou a vista, enquanto Karras lhe dava instruções a respeito do Librium.

- E um supositório de Compazine se houver mais vómitos - acrescentou.

Sharon, de cabeça baixa, fez um sinal afirmativo e afastou-se, constrangida. Ao passar pela cama, de cabeça ainda baixa, Regan grasnou-lhe:

- Cadela! - E em seguida ergueu-se e acertou-lhe na cara com uma golfada de vómito. Enquanto Sharon estacava, paralisada e a pingar, apareceu a personalidade de Dennings, a rouquejar: - Puta de cavalariça!

Sharon saiu disparada do quarto. A personalidade de Dennings fez então uma careta de repugnância, olhou em volta e perguntou:

Por favor, alguém poderá abrir uma janela? Fede como o raio, neste quarto! É simplesmente... - Não, não, não abram! - emendou depois. - Não, por amor de Deus, não abram ou, cos raios, qualquer outra pessoa pode morrer! - Em seguida, cacarejou. Monstruosamente, piscou um olho a Karras e desapareceu.

"...É Ele quem te expulsa..."

Então o demónio voltou e Merrin continuou os escon­jures, as aplicações da estola e os constantes sinais da cruz, enquanto de novo o chicoteava com obscenidades. Demasiado longo, pensou Karras preocupado; o ataque continuava há demasiado tempo.

- Agora vem aí a porca! A mãe da porquinha! – troçou o demónio.

Karras voltou-se e viu Chris a caminhar na sua direcção com algodão e uma seringa de plástico, esterilizada. Ela manteve a cabeça baixa enquanto o demónio cuspia insultos, e Karras foi ter com ela, de sobrolho franzido.

A Sharon está a mudar de roupa - explicou Chris - e oKarl...

Está bem - disse Karras, interrompendo-a. Aproximaram-se da cama.

- Ah, pois, vem ver o teu trabalho, mãe-porca! Anda!

Chris tentou desesperadamente não ouvir, não olhar, enquanto Karras segurava o braço de Regan, que não opunha resistência.

- Vejam o vómito! Vejam a cadela assassina! - dizia o demónio raivoso. - Estás satisfeita? Foste tu que o fizeste!

Sim, tu com a tua carreira primeiro que tudo, a tua carreira primeiro que o teu marido, primeiro que ela, primeiro...

Karras olhou à volta. Chris, de pé, ficou paralisada.

- Ande! - mandou ele. - Não ouça! Continue!

... o teu divórcio! Vais aos padres, não vais? Os padres

não te ajudarão! - A mão de Chris começara a tremer. - Ela está louca! Ela está louca! A porquinha está louca! Levaste-a à loucura e ao assassínio e...

Não posso! - De face contorcida, Chris olhava para a seringa que tremia. Abanou a cabeça. - Não posso dar a injecção!

Karras tirou-lha da mão.

Está bem, esfregue o álcool! Esfregue o braço! Aí! - disse ele com firmeza.

...no caixão, sua cadela, junto...

Não ouça - preveniu-a Karras, outra vez. Então o demónio rodou a cabeça, de olhos vagos e esbugalhados. - E tu, Karras!

Chris esfregou o braço de Regan com o algodão.

- Agora saia! - ordenou-lhe Karras, espetando a agulha na carne definhada.

Ela fugiu.

- Sim, querido Karras, conhecemos a tua bondade com as mães! - crocitou o demónio. O jesuíta empalideceu e por momentos ficou imóvel. Depois, retirou a agulha devagar e olhou para aqueles olhos esbugalhados e revirados nas órbitas. Da boca de Regan saía um canto, lento e cristalino, quase um cântico, entoado numa voz doce e clara, como a de um menino de coro. - "Tantum ergo sacramentum veneramur cernui..."

Era um hino cantado nas bênçãos católicas. Karras estacou, sem pinga de sangue, enquanto aquilo continuava. Sinistro e arrepiante, o cântico era um vácuo no qual Karras sentiu, com uma horrível clareza, precipitar-se o horror da tarde. Levantou os olhos e viu Merrin com uma toalha nas mãos. Com movimentos ternos, cansados, limpou o vomi­tado do rosto e do pescoço de Regan.

- "...et antiquum documentum..."

O cântico. De quem era a voz?, cismava Karras. E depois fragmentos: Dennings... à janela... Preocupado, viu Sharon voltar e tirar a toalha das mãos de Merrin.

- Padre, eu acabo isso - disse ela. - Agora estou bem.

Gostava de a mudar e limpar antes de lhe dar a Compazine; acha bem? Podem esperar ambos lá fora um momento?

Os dois padres foram para o calor e para a penumbra do corredor e encostaram-se à parede, cansados.

Karras, arrepiado, escutava o cântico abafado que vinha lá de dentro. Volvidos alguns instantes disse a Merrin, com brandura:

O senhor disse... o senhor há bocado disse que havia só uma... uma entidade.

Sim.

A voz baixa, as cabeças inclinadas, eram de confissão.

- Todas as outras são apenas formas de ataque - continuou Merrin. - Há uma... apenas uma. É um demónio. - Houve um silêncio. Em seguida, Merrin afirmou com simplicidade: - Eu sei que duvida disto. Mas sabe, este demónio... eu já uma vez o encontrei. E é poderoso... poderoso...

Um silêncio. Karras voltou a falar:

Diz-se que o demónio... não pode tocar na vontade da vítima.

Sim, assim é... assim é... Não há pecado.

Qual será então a finalidade da possessão? – disse Karras, franzindo o sobrolho. - Qual é o sentido?

Quem o pode saber? - respondeu Merrin. – Quem pode realmente ter a esperança de saber? - Pensou um momento. E depois, sempre tentando, continuou: - No entanto, penso que o alvo do demónio não é o possesso; somos nós... quem observa... todas as pessoas desta casa. E julgo... julgo que o objectivo, Damien, é fazer-nos desesperar, rejeitarmos a nossa própria humanidade; vermo-nos, em última análise, bestiais; vis e putreseentes no mais alto grau; sem dignidade; repelentes; indignos. E eis aí o âmago da questão, talvez: na indignidade. Porque eu creio que a fé em Deus não é de modo nenhum questão de

raciocínio; creio que é finalmente uma questão de amor; de

aceitarmos a possibilidade de que Deus nos pode amar...

Merrin fez nova pausa. Continuou mais devagar, numa calma introspecção:

- Ele sabe... o demónio sabe onde atacar... - Abanou a cabeça. - Há muitos anos desesperei de jamais amar o meu próximo. Certas pessoas... repugnavam-me. Como as podia amar?, pensava eu. Isso atormentava-me. Damien; levava-me a desesperar de mim próprio... e daí, prontamente a desesperar do meu Deus. A minha fé estava abalada...

Karras levantou os olhos para Merrin, com interesse.

E que aconteceu? - perguntou.

Oh, bem... por fim convenci-me de que Deus nunca me pediria o que sei ser psicologicamente impossível; que o amor que Ele me pedia estava na minha vontade e não se destinava, de modo algum, a ser sentido como emoção. De modo nenhum. Ele pedia-me que agisse com amor; que eu o fizesse aos outros; e que eu o fizesse àqueles que me repugnavam, creio ser um acto de amor maior do que qualquer outro. - Abanou a cabeça. - Damien, eu sei que tudo isto parece bastante óbvio. Eu sei. M as na altura não o podia ver. Estranha cegueira. Quantos maridos e mulheres - proferiu com tristeza - se vêem forçados a acreditar que já não amam em virtude de os seus corações já não baterem apressados ao pé dos seus queridos! Ah, Santo Deus! - Abanou a cabeça e depois fez um sinal afirmativo. - Aí está, penso eu, Damien... a possessão; não nas guerras, como alguns têm tendência para acreditar; não tanto; e muito raras vezes nas intervenções extraordinárias como aqui... esta menina... esta pobre criança. Não, Damien, vejo-o muitas mais vezes nas pequenas coisas: nos ódios mesquinhos e absurdos; nos desentendimentos; na palavra cortante e cruel que vem à boca sem querer, entre amigos.

Entre amantes. Basta - murmurou Merrin -, não precisamos de Satanás para fazer as nossas guerras; essas fazemo-las nós mesmos... para nós próprios...

O cântico podia ainda ouvir-se, vindo do quarto. Merrin levantou os olhos para a porta e escutou por um momento.

- E contudo, mesmo disto... do mal... vem o bem. De qualquer modo. De um modo que talvez nunca compreendamos ou vejamos. - Merrin fez uma pausa. - Talvez o mal seja o crisol da bondade - meditou. - E talvez o Próprio Satanás - Satanás, a despeito de si próprio - sirva,

de qualquer modo, para cumprir a vontade de Deus.

Calou-se e estiveram um momento em silêncio, enquanto Karras reflectia. Veio-lhe à mente uma outra objecção.

Uma vez expulso o demónio - inquiriu - o que o impede de regressar?

Não sei - respondeu Merrin. - Não sei. E contudo parece que nunca aconteceu. Nunca. Nunca. – Merrin levou a mão à cara, beliscando os cantos dos olhos. - Damien... que nome maravilhoso - murmurou. Karras ouviu-lhe esgotamento na voz. E algo mais. Uma ansiedade.

Algo como a repressão da dor.

Abruptamente, Merrin afastou-se da parede e ainda de mãos a esconderem o rosto pediu desculpa e foi a passos rápidos pelo corredor fora até à casa de banho. Que acontecera?, pensou Karras. Sentiu uma inveja e uma admiração súbitas pela fé forte e simples do exorcista. Voltou-se para a porta. O cântico. Parara. Teria a noite enfim terminado?

Alguns minutos mais tarde, Sharon saiu do quarto com uma trouxa de roupa mal cheirosa.

- Ela agora está a dormir - disse. Desviou rapidamente a vista e foi pelo corredor fora.

Karras respirou fundo e regressou ao quarto. Sentiu frio. Cheirou o fedor. Caminhou devagar até à beira da cama. Regan. Adormecida, finalmente. E, por fim, pensou Karras, ele podia repousar.

Curvou-se, pegou no magro pulso de Regan, e olhou para o ponteiro dos segundos do relógio.

Dimmy, porque me fazes isto?

Veio-lhe um frio à alma.

Porque me fazes isto?

O padre não se pôde mexer, não respirou, não ousou olhar para onde vinha aquela voz magoada, não ousou ver aqueles olhos realmente ali: olhos acusadores, olhos solitários. A sua mãe. A sua mãe!

- Tu deixas-me para ser padre, Dimmy; mandas-me para o asilo...

Não olhe"!

Agora escorraças-me!...

Não é ela!

Porque fazes isto?...

De cabeça a latejar, de coração na garganta, Karras fechou os olhos com força quando a voz se tornou implorante, assustada, lacrimosa.

- Dimmy, tu sempre foste bom filho. Por favor! Tenho medo! Por favor não me expulses, Dimmy! Por favor!

... não é a minha mãe!

Lá fora nada! Só escuridão, Dimmy! Sozinha! - Agora lacrimosa.

Tu não és a minha mãe! - murmurou Karras com veemência.

Dimmy, por favor!...

Tu não és a minha...

- Oh, Karras, por amor de Deus!

Dennings.

- Olhe, simplesmente não é decente expulsar-nos daqui!

Isto é, falando por mim, é mais que justo que eu esteja aqui!

A cadelinha! Levou o meu corpo e parece me estar certo que me deixem ficar no dela, não acha? Ah, Karras, por amor de

Deus, olhe para mim, se faz favor! Vá! Não é muitas vezes que consigo vir cá fora e fazer o meu discurso. Agora olhe para aqui!

Karras abriu os olhos e viu a personalidade de Dennings.

- Assim está bem. Olha, ela matou-me. Não o nosso estalajadeiro, Karras - ela! Oh, sim, de facto! – Acenava afirmativamente. - Ela! Percebes? Eu estava a tratar da minha vida no bar, quando pensei tê-la ouvido gemer. No andar de cima. Bem, então, apesar de tudo, tive de ver o que a incomodava, portanto vim cá acima e não querem lá ver que ela me agarrou pelas goelas, a putazinha! - A voz era agora lamurienta; patética. - Chiça! Nunca vi na minha vida uma força assim! Começou a gritar que eu estava a arruinar a mãe ou coisa parecida, ou que eu causara o divórcio. Uma coisa desse género. Não era claro. Mas o que eu te digo, querido, é que ela me atirou pela estuporada daquela janela fodida! - A voz tornou-se áspera, e depois aguda. - Ela matou-me! Aquela fodida, matou-me! Ora, não achas que é lixado expulsar me? Anda, Karras, responde-me agora! Pensas, na realidade, que é decente? Quer dizer, achas que sim?

Karras engoliu em seco.

- Sim ou não - insistiu - decente?

- Como foi... voltada a cabeça? - perguntou Karras com voz rouca.

Dennings olhou em volta, evasivo.

- Oh, bem, isso foi um acidente... uma extravagância... sabes, bati nos degraus... Foi uma... uma fantasia...

Karras, com a garganta seca, ponderou. Em seguida pegou outra vez no pulso de Regan e olhou para o relógio, num gesto de abandono.

- Dimmy, por favor! Não me faças estar só!

A sua mãe.

- Se em vez de seres padre tu fosses médico, eu poderia viver numa casa bonita, Dimmy, não com as baratas, não sozinha no apartamento! Então...

Ele esforçava-se por não ouvir, mas a sua voz começou de novo a chorar.

Dimmy, por favor!

Tu não és a minha...

Não queres encarar a verdade, ralé maldita? - Era o demónio. - Acreditas no que Merrin te diz! - espumou ele.

- Pensas que ele é santo e bom? Pois bem, não é! É orgulhoso e indigno! Vou provar-to, Karras!'Vou prová-lo matando a porquinha!

Karras abriu os olhos. Mas não ousou olhar ainda.

- Sim, Karras, vai morrer, e o Deus de Merrin não a salvará! Tu não a salvarás! Vai morrer por causa do orgulho de Merrin e da tua incompetência! Sapateiro! Tu não lhe devias ter dado o"Librium"!

Karras voltou-se então e olhou para os olhos dela. Brilhavam de triunfo e de rancor intenso.

- Toma-lhe o pulso - riu o demónio. - Vá, Karras, fá-lo!

Ainda conservava o pulso de Regan agarrado na mão e então, preocupado, fanziu o sobrolho. A pulsação era rápida e...

- Fraca? - grasnou o demónio. - Ah, sim, um nadinha.

Por enquanto, só um nadinha.

Karras foi buscar a sua maleta e retirou o estetoscópio. O demónio rosnou:

- Escuta, Karras! Escuta bem!

Karras escutou. O bater do coração ecoava distante e débil.

- Não a deixarei dormir!

Karras levantou a vista para o demónio. Sentiu um calafrio.

- Sim, Karras! - grasnou. - Ela não dormirá! Ouves?