Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

  

 

Planeta Criança



Poesia & Contos Infantis

 

 

 


O NEGOCIADOR / Frederick Forsyth
O NEGOCIADOR / Frederick Forsyth

 

 

Biblioteca Virtual do Poeta Sem Limites

 

 

O NEGOCIADOR

 

       Nantucket, Estados Unidos, 1991.  Em transmissão pela TV, o mundo assiste emocionado quando Mikhail Gorbachev e John Cormack, o progressista presidente norte-americano, assinam o tratado de desarmamento, tendo como palco a pequena ilha do litoral da Nova Inglaterra. 

       Mas nem todos que se postavam diante dos aparelhos de TV viam com bons olhos o acordo assinado em prol do futuro da humanidade.  Um desses era Cyrus Miller, texano, magnata do petróleo, fanático religioso, racista, ultraconservador. Ele reúne adeptos – industriais de armamentos, políticos reacionários – e dá início a um plano internacional com o objetivo de torpedear o acordo de Nantucket e desestabilizar o presidente Cormack.

       Com milhões de dólares investidos no Plano Álamo – nome inspirado no episódio que, na visão de Miller, mais simboliza o espírito americano – e a participação de mercenários contratados para a sua execução, o sinistro Plano começa a ter seus desdobramentos.   Um deles é a derrubada da casa real saudita, substituída por um governo manobrado pelo Grupo Álamo, acabando assim com o monopólio do petróleo.   E quando o filho do presidente Cormack é seqüestrado em Oxford, toda a comunidade de informação ocidental entra em frenética atividade.  Mas tudo é em vão.  A solução é recorrer ao Negociador.

       Ex-combatente no Vietnã, dedicando-se agora ao cultivo de vinhedos na Espanha, o Negociador vez por outra é acionado para servir como intermediador na libertação de reféns em poder de organizações das mais variadas tendências.  E quase sempre com sucesso.   Mas o seqüestro de Simon Cormack tem conotações bem diversas daquelas com que se defrontou até hoje.  Os mentores do seqüestro, contudo, subestimam o Negociador. Ele não perdoa traição.   É capaz de ir até o inferno caçar alguém que faltou com a palavra.   É assim que trabalha o Negociador.

      

       O sonho voltou, um pouco antes da chuva.  Ele não ouviu a chuva.  No sono, o sonho apossou-se dele.

       Outra vez a clareira, na floresta da Sicília, bem acima de Taormina.  Ele saía da floresta e caminhava lentamente para o centro do espaço, conforme combinado.  Segurava a pasta na mão direita.  No meio da clareira ele parou, colocou a pasta no chão, voltou seis passos e se ajoelhou.  Conforme o combinado.  A pasta continha um bilhão de liras.

       Haviam levado seis semanas para negociar o resgate da criança, menos tempo do que em muitos casos anteriores.  Ás vezes levavam meses.  Durante seis semanas ele trabalhou ao lado do especialista dos Carabinieri de Roma, outro siciliano, mas do lado dos anjos, aconselhando sobre táticas.  O oficial dos Carabinieri falava o tempo todo.  Finalmente, foi acertado o resgate da filha do joalheiro de Milão, seqüestrada da casa de verão da família, perto da praia de Cefalu.   Quase um milhão de dólares americanos, depois do pedido inicial de cinco vezes essa importância, mas por fim a Máfia concordou.

       Um homem apareceu na outra extremidade da clareira, barba por fazer, forte, mascarado e com uma espingarda lupara a tiracolo.  Levava a menina de dez anos pela mão.  Ela estava descalça, assustada, pálida, mas parecia ilesa.   Pelo menos fisicamente.  Os dois caminharam na sua direção, e ele podia ver os olhos do bandido fixos atrás da máscara, depois desviando-se rapidamente para a floresta.

       O mafioso inclinou-se sobre a pasta e, com um grunhido, mandou a menina ficar parada.  Ela obedeceu.  Mas olhava para seu salvador com olhos negros e enormes.  Falta pouco agora, garota, fique firme, meu bem.

       O bandido examinou o dinheiro na maleta até ter certeza de que não fora enganado.  O homem alto e a menina se entreolharam.  Ele piscou um olho, ela respondeu com o arremedo de um sorriso.   O bandido fechou a pasta e começou a recuar, olhando para a frente, para seu lado da clareira.  Aconteceu quando ele chegou à entrada da floresta.

       Não era o carabiniere de Roma, e sim o bobo da cidade.  Houve um estampido seco de tiro de rifle e o bandido com a pasta cambaleou e caiu.  Claro que seus amigos estavam escondidos atrás dos troncos das árvores.  Começaram a atirar. Num segundo a clareira foi cortada pelo tiroteio.  Ele gritou "Abaixe-se!" em italiano, mas ela não ouviu; ou então entrou em pânico e tentou correr para ele.   Levantando-se com rapidez, ele correu e cobriu os seis metros que o separavam da menina.

       Quase conseguiu.   Lá estava ela, quase ao alcance das pontas dos dedos da sua mão direita preparada para puxá-Ia para baixo, para a segurança da relva.   Ele percebia o medo nos olhos enormes, os dentinhos na boca aberta, gritando – e então a rosa de um vermelho muito vivo abriu-se na frente do vestido fino de algodão.  Ela caiu como se tivesse levado um soco nas costas e ele se lembrava de ter deitado sobre a menina, cobrindo o pequeno corpo até o fim do tiroteio e da fuga dos mafiosos pela floresta.  Lembrava-se de ficar ali sentado, acalentando o corpo inerte nos braços, chorando e gritando coisas que os policiais, com desculpas tardias, não compreendiam.   "Não, não, Jesus querido, não outra vez..."

      

       NOVEMBRO, 1989

       Naquele ano o inverno chegou cedo.  No fim do mês, os primeiros flocos de neve, trazidos pelo vento cortante das estepes de noroeste, deslizavam por cima dos telhados, como que medindo as defesas de Moscou.

       O quartel do Estado-Maior soviético, um edifício de pedra cinzenta da década de 1930, fica na Frunze Ulitsa nº 19, de frente para o seu anexo muito mais moderno de oito andares, no outro lado da rua.  O chefe do Estado-Maior soviético, na janela do bloco antigo, olhava para as rajadas frias num estado de espírito tão sombrio quanto o inverno que chegava.

       O marechal Ivan K.  Koslov tinha 67 anos, dois além da idade de aposentadoria compulsória, mas na União Soviética, como em toda parte, aqueles que faziam as regras nem sonhavam com a possibilidade de aplicá-Ias a si mesmos.  No começo do ano, para surpresa de muitos, ele havia sucedido ao veterano marechal Akhromeiev na hierarquia militar. Os dois eram diferentes em tudo.  Akhromeiev era um intelectual pequeno e muito magro; Koslov, um gigante com uma farta cabeleira branca, um autêntico militar, filho, neto, sobrinho de militares.  Embora, antes da promoção, fosse apenas um chefe auxiliar de terceira classe, passou à frente de dois superiores, que foram discretamente aposentados.  Ninguém tinha dúvidas sobre o motivo que o levara ao alto posto; de 1987 a 1989 ele havia supervisionado discreta e eficientemente a retirada das tropas soviéticas do Afeganistão, uma manobra realizada sem alarde, sem grandes derrotas nem (o que era mais importante) perda de prestígio público, mesmo com os lobos de Alá rosnando nos seus calcanhares durante todo o tempo, até o passo Salang.  A operação aumentou sensivelmente seu prestígio em Moscou, chamando a atenção do próprio secretário-geral.

       Contudo, mesmo tendo cumprido seu dever e conseguido o posto de marechal, fez uma promessa a si mesmo: nunca mais conduziria.  seu amado Exército soviético numa retirada, pois, apesar do seu bem sucedido esforço, o Afeganistão fora uma derrota.  A ameaça de outra derrota iminente era causa da sua expressão sombria, enquanto olhava através do vidro as pequenas partículas de gelo que desciam em camadas horizontais, batendo na janela.

       O ponto central da sua preocupação era o relatório sobre a mesa, encomendado por ele próprio ao seu mais brilhante protegido, um jovem general-de-divisão que trouxera de Cabul para seu estado-maior. Kaminski era um estudioso, um profundo pensador e um gênio em organização, e o marechal deu a ele o segundo posto mais importante no campo da logística.  Como todos os homens com experiência de combate, Koslov sabia melhor do que ninguém que não se ganham batalhas com coragem, sacrifício, nem com generais inteligentes, mas sim com o equipamento certo no lugar certo no tempo certo, e com antecedência.

       Ainda lembrou com amargura ter visto, aos dezoito anos, a Blitzkriei alemã, magnificamente equipada, esmagar as defesas da sua terra natal, enquanto o Exército Vermelho – desfalcado ao máximo pelos expurgas de Stalin em 1938, e equipado com verdadeiras antigüidades – tentava deter a torrente.  Seu pai morreu tentando manter uma posição impossível em Smolensk, enfrentando os ferozes regimentos Panzer de Guderian com rifles obsoletos.  Na próxima vez, ele jurou, teriam o equipamento adequado e em farta quantidade.  Grande parte da sua carreira militar foi dedicada a esse objetivo, e agora era o chefe das cinco armas da URSS: Exército, Marinha, Força Aérea, Forças Estratégicas de Lançamentos de Foguetes e Defesa Aérea.  Todas sofrendo ameaça de uma futura derrota por causa do relatório de trezentas páginas que estava sobre a mesa.

       Koslov lera o relatório duas vezes na noite anterior, no seu apartamento próximo de Kutuzovski Prospekt, e outra vez naquela manhã, após chegar ao escritório às sete horas e retirar o fone do gancho.  Agora voltou com passos largos para a cabeceira da grande mesa de conferência em forma de T e releu as últimas páginas do relatório.

       SUMÁRIO.  Portanto, o fator principal não é a previsão da exaustão das reservas de petróleo no planeta nos próximos trinta anos, mas o fato de que a União Soviética sem dúvida estará sem petróleo dentro de sete ou oito anos.  A comprovação deste fato está na tabela de reservas comprovadas, apresentada neste relatório e nos números da coluna denominada proporção da RP.  A razão entre reserva-produção é calculada tomando-se a produção anual de uma nação produtora de petróleo e dividindo esse número pelas reservas reais da nação, geralmente indicadas em bilhões de barris.

       O valor da produção, no fim de 1985 – cálculo ocidental, infelizmente, porque ainda dependemos da informação ocidental para saber exatamente o que está acontecendo na Sibéria, apesar dos meus contatos com a indústria petrolífera –, mostra que naquele ano produzimos 4,4 bilhões de barris de óleo cru, o que nos dá quatorze anos de reservas para extração – presumindo-se uma produção igual no mesmo período.  Mas é um cálculo otimista, uma vez que a nossa produção – e portanto o consumo das reservas – foi obrigatoriamente aumentada entre os últimos sete e oito anos.

       O motivo do aumento da demanda reside em duas áreas.  Uma é o aumento da produção industrial, especialmente na área de bens de consumo, exigido pelo Politburo desde a introdução das novas reformas econômicas.  A outra é a ineficiência dessas indústrias, não só as tradicionais, mas também as novas, no uso do petróleo.  Nossa indústria manufatureira, de um modo geral, é muito ineficiente no uso da energia, e em muitas áreas o emprego de maquinaria obsoleta tem um efeito negativo.  Por exemplo, um automóvel russo pesa três vezes mais do que seu equivalente americano – não, como alegam, por causa dos nossos invernos rigorosos, mas porque nossas fundições de aço não são capazes de produzir metal de espessura suficientemente leve.  Assim sendo, para fabricar um carro, despendemos maior quantidade de energia elétrica produzida pelo petróleo do que o Ocidente, e o autómovel assim produzido consome mais gasolina que os ocidentais.

      

       ALTERNATIVAS.  Os reatores nucleares produzem 11% da eletricidade da URSS e nossos planejadores contavam com uma produção de 20% ou mais, no ano 2000.  Até Chernobil.  Infelizmente, 40% da nossa força nuclear eram gerados por usinas iguais a Chernobil.  Desde o acidente, a maioria delas foi fechada para "modificações" – é improvável que sejam reabertas – e outras já planejadas tiveram sua construção interrompida.  Como resultado, nossa produção nuclear, em termos de porcentagem, desceu para sete e continua caindo.

       Temos a maior reserva natural de petróleo do mundo, mas o problema é que, em sua maior parte, está localizada no fim da Sibéria e não é suficiente apenas retirar o petróleo do solo.   Precisamos, e não temos, de uma vasta infra-estrutura de oleodutos e redes para transportar o petróleo da Sibéria até nossas cidades, fábricas e estações geradoras.

       Deve estar lembrado de que, no começo dos anos setenta, quando os preços do petróleo sofreram uma incrível elevação após a guerra do Yom Kippur, nós nos oferecemos para suprir a Europa Ocidental com petróleo natural a longo prazo, por meio de oleodutos.   Isso teria permitido a construção da rede de suprimento de que precisamos, através do financiamento inicial que os europeus estavam dispostos a nos conceder. Mas como a América não seria beneficiada, os Estados Unidos boicotaram a iniciativa com a ameaça de sanções comerciais de grande alcance contra todos os que cooperassem conosco, e o projeto morreu.  Hoje, após o chamado “degelo", esse projeto talvez fosse politicamente aceitável, mas no momento o preço do petróleo ocidental no Ocidente está relativamente baixo, e eles não precisam do nosso.  Quando a escassez mundial de petróleo tornar a elevar o preço no Ocidente e eles voltarem a necessitar do nosso, será tarde demais para nós.

       Sendo assim, nenhuma das alternativas funciona na prática.  O óleo natural e a energia nuclear não nos salvarão.  A grande maioria das nossas indústrias e dos sócios que dependem de nós para a energia está indissoluvelmente ligada aos combustíveis de origem petrolífera e às fontes produtoras. 

       OS ALIADOS.  Um breve aparte para mencionar nossos aliados da Europa Central, os Estados que a propaganda ocidental chama de nossos “satélites".  Embora sua produção conjunta – especialmente do pequeno campo romênio de Ploesti – seja de 173 milhões de barris por ano, isso é uma gota no oceano em comparação às suas necessidades.  O resto vem dos nossos campos, e é um dos elos que os unem a nós.  É verdade que, para aliviar a demanda da nossa produção, sancionamos algumas negociações de intercâmbio entre eles e o Oriente Médio.  Mas se algum dia chegarem a ser independentes de nós na produção do petróleo, portanto dependentes do Ocidente, na certa será uma questão de tempo, de pouco tempo, perdermos a Alemanha Oriental, a Polônia, a Tchecoslováquia e até a Romênia para o campo capitalista.  Para não mencionar Cuba.

       CONCLUSÃO...

       O marechal Koslov ergueu os olhos para o relógio de parede.  Onze horas.  A cerimônia no aeroporto começaria em breve.  Decidira não comparecer. Não pretendia prestar homenagens aos americanos.

       Levantou-se, espreguiçou-se e voltou para a janela com o relatório na mão.  Estava ainda classificado como ultra-secreto e agora Koslov compreendia que devia continuar assim.  Era explosivo demais para passar de mão em mão no prédio do Estado-Maior.

       Há algum tempo, qualquer oficial do Estado-Maior que redigisse um relatório tão realista como o de Kaminski teria sua carreira medida em mícrons, mas Ivan Koslov, embora fanático ortodoxo em quase todas as áreas, jamais desencorajava a franqueza.  Era talvez a única coisa que apreciava no secretário-geral.  Embora não suportasse as idéias modernistas do homem, como dar televisão aos camponeses e máquinas de lavar para as donas de casa, tinha de admitir que todos podiam dizer o que pensavam a Mikhail Gorbachev sem ganhar uma passagem só de ida para a Iacútia.

       O relatório era um choque para ele.  Sabia que a economia desde a introdução da perestroika – a reestruturação – não estava pior do que antes, mas como soldado sempre vivera dentro da hierarquia militar, e os militares tinham prioridade nos recursos, material e tecnologia, sendo a única área da vida soviética capaz de praticar o controle de qualidade.  Pouco ligava para o fato de os secadores de cabelos serem letais e os sapatos civis permeáveis à água; não era problema seu.  E agora ali estava uma crise da qual nem os militares escapariam.  Sabia que o golpe final estava na conclusão do relatório.  De pé, ao lado da janela, continuou a leitura.

       CONCLUSÃO.  As perspectivas que se apresentam são quatro, e todas extremamente sombrias.

       (1) Podemos continuar nossa produção de petróleo no nível atual, certos de que esgotaremos os recursos dentro de no máximo oito anos, e, então, entrar no mercado como compradores.  Estaremos fazendo isso no pior momento possível, quando os preços mundiais do petróleo estarão iniciando sua alta impiedosa e inevitável, a caminho de níveis impossíveis.

       Comprar nessas condições, nem que seja para suprir apenas parte das nossas necessidades do produto, implicará o uso de todas as nossas reservas de moeda forte, do ouro da Sibéria e dos lucros do comércio de diamantes, não sobrando coisa alguma para a importação dos cereais e da maquinaria de alta tecnologia que é a viga mestra da obsessão do Politburo pela modernização industrial.

       Não poderemos amenizar nossa posição com negociações de intercâmbio.  Mais de 55% do petróleo mundial estão nos países do Oriente Médio, cujas necessidades domésticas são pequenas em relação às suas fontes, e eles cantarão de galo, outra vez.  Infelizmente, a não ser armamentos e matéria-prima, os produtos soviéticos não interessam o Oriente Médio o suficiente para a possibilidade de um intercâmbio favorável.  Teremos de pagar com dinheiro forte e vivo, o que não podemos fazer.

       Por fim, existe o risco estratégico da dependência de qualquer fonte externa para nosso petróleo, especialmente, quando consideramos as características e o comportamento histórico dos cinco Estados do Oriente Médio em questão. 

       (2) Podemos reparar e atualizar nossos centros de produção atuais, para maior eficiência, diminuindo assim o índice de consumo sem perda do beneficio.  Nossos meios de produção estão obsoletos, mal conservados, e nosso potencial de recuperação dos principais reservatórios constantemente avariado pelo excesso de extração diária.  (Por exemplo, aos preços atuais, estamos gastando “nos nossos melhores campos" três dólares americanos para evitar uma perda de um dólar americano da produção.  Nossas refinarias consomem em média três vezes mais energia para produzir uma tonelada do produto acabado do petróleo do que suas equivalentes americanas.) Teríamos de reformar todos os nossos campos de extração, refinarias e infra-estruturas dos oleodutos para comercializar nosso petróleo por mais uma década.  Seria preciso começar agora e os recursos necessários são astronômicos.

       (3) Podemos empregar todos os esforços na correção e atualização da tecnologia da extração do petróleo marítimo.  O Ártico é nossa área mais promissora para a descoberta de novas jazidas, mas os problemas extrativos são muito maiores que os da Sibéria, não existe uma infra-estrutura de oleodutos poço-usuário e o próprio programa de exploração está com um atraso de cinco anos.  Aqui também, os recursos necessários seriam simplesmente enormes.

       (4) Podemos voltar ao gás natural, do qual, como já foi dito, possuímos as maiores reservas do mundo, praticamente ilimitadas.  Mas teríamos de investir recursos maciços para extração, tecnologia, mão-de-obra especializada, infra-estrutura de dutos e a conversão de centenas de milhares de fábricas para o uso dessa nova fonte de energia.

       Finalmente, devemos considerar: de onde viriam os recursos mencionados nas opções 2, 3 e 4? Dada a necessidade de usar nossas divisas estrangeiras para importar cereais para alimento do nosso povo, e o compromisso do Politburo de gastar o resto para a importação de alta tecnologia, os recursos, aparentemente, deverão ser procurados no nosso próprio país.  E dado o compromisso adicional do Politburo com a modernização industrial, a tentação óbvia será a de voltar-se para a área das verbas militares.

       Respeitosamente, Camarada Marechal, PIOTR V.  KAMINSKI, general-de-divisão.

      

       O marechal Koslov praguejou em voz baixa, fechou a pasta e olhou para a rua.  A fina chuva de gelo tinha parado, mas o vento continuava cortante.  Via os pedestres, parecendo muito pequenos ali do oitavo andar, segurando com força as shapkas nas cabeças, os protetores das orelhas abaixados, inclinados para a frente, caminhando apressados pela rua Frunze.

       Há quase 45 anos, quando tinha apenas 22, e era ainda tenente da divisão de Fuzileiros Motorizados, Koslov entrara com a tropa de assalto em Berlim, sob o comando de Chuikov, e subira no telhado da chancelaria de Hitler para arrancar do mastro a última bandeira com a suástica que ainda restava na capital.  Vários livros de história traziam sua fotografia nesse momento.  Desde então, galgara com esforço um por um os degraus da hierarquia, servindo na Hungria durante a revolta de 1956, no rio Ussuri, na fronteira com a China, na tropa de ocupação na Alemanha Oriental, depois de volta ao Comando do Extremo Oriente, em Khabarovsk, Alto Comando do Sul, em Baku, e daí para o Estado-Maior. Cumprira seu dever, suportando as noites geladas nos postos mais remotos do império; divorciou-se da mulher que se recusara a acompanhá-Io e enterrou outra, que morreu no Extremo Oriente.  A filha casou-se com um engenheiro de minas, não com um militar como ele esperava, e o filho se recusara a juntar-se a ele no Exército.  Passou 45 anos vendo o Exército soviético crescer até se tornar a melhor força combatente do mundo, dedicando-se à defesa da Rodina – a Mãe-Pátria – e à destruição dos seus inimigos.

       Como muitos tradicionalistas, acreditava que algum dia aquelas armas que as massas trabalhadoras haviam fabricado para ele e para seus homens seriam usadas, e não ia permitir que qualquer conjunto de circunstâncias ou grupo de homens anulasse seu amado Exército enquanto estivesse no comando.  Era totalmente leal ao partido – não estaria onde estava se não fosse –, mas se qualquer pessoa, até mesmo os homens que lideravam o partido agora, pensava que podia cancelar bilhões de rublos do orçamento militar, Koslov teria de repensar sua lealdade a esses homens.

       Quanto mais pensava nas últimas páginas do relatório em suas mãos, mais se convencia de que Kaminski, com toda a sua inteligência, deixara passar uma quinta opção possível.  Se a União Soviética pudesse assumir o controle de uma fonte já existente de grande quantidade de petróleo cru, um território atualmente fora das suas fronteiras...  Se pudesse importar com exclusividade esse óleo cru por um preço compatível com seus meios, isto é, determinado por ela...  e fazer isso antes que se esgotassem suas reservas de petróleo...

       Pôs o relatório sobre a mesa de conferências e atravessou a sala até o mapa-múndi que cobria metade da parede oposta à das janelas.  Estudou o mapa atentamente, enquanto os minutos se aproximavam do meio-dia.  E seus olhos sempre voltavam ao mesmo pedaço de terra.  Finalmente, voltou para a mesa, tornou a ligar o interfone e chamou seu ajudante-de-ordens.

       — Peça ao general Zemskov para vir falar comigo...  agora – disse ele.

       Sentado na cadeira de espaldar alto diante de sua mesa, pegou o controle remoto da televisão e ativou o aparelho no suporte à esquerda.  O Canal Um apareceu na tela, a prometida transmissão ao vivo de Vnukovo, o aeroporto VIP fora de Moscou.

       O Força Aérea Número Um dos Estados Unidos estava abastecido e pronto para taxiar. O novo Boeing 747, que havia substituído os antigos e obsoletos 707 desde o começo do ano, fazia a viagem Moscou-Washington sem escalas, o que o velho 707 jamais conseguira.  Os homens do Transporte Aéreo Militar encarregados da guarda e manutenção do serviço de transporte do presidente, sediados na Base Aérea de Andrews, guardavam o aparelho para o caso de algum russo muito entusiasmado tentar se aproximar o bastante para colocar alguma coisa no avião ou dar uma espiada no seu interior. Mas os russos continuavam a se comportar como perfeitos cavalheiros, como haviam feito durante os três dias da visita.

       A alguns metros da ponta da asa do avião estava armado um palanque, dominado por um pódio no centro, onde o secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética, Mikhail Sergeivitch Gorbachev, terminava seu discurso.  A seu lado, sem chapéu, o cabelo cinzento despenteado pela brisa gelada, estava o visitante John J.  Cormack, presidente dos Estados Unidos da América.  Ladeando os chefes de Estado, sentavam-se os outros membros do Politburo.

       Diante do palanque estava a guarda de honra formada por membros da Milícia, a polícia civil do Ministério do Interior, e homens do Diretório dos Guardas da Fronteira do KGB.  Para acrescentar um toque civil à cerimônia, duzentos engenheiros, técnicos e pessoal do aeroporto reuniam-se no quarto lado da praça.  Para o orador, porém, o foco principal era a bateria de câmaras de televisão, fotógrafos e jornalistas, entre as duas guardas de honra.  Aquela era uma ocasião muito importante. 

       John Cormack, logo após sua surpreendente vitória nas eleições de novembro, antes mesmo de tomar posse havia sugerido que gostaria de se encontrar com o líder soviético e que estava disposto a ir a Moscou.  Mikhail Gorbachev imediatamente concordou com a visita e, para sua satisfação, verificou, nos três dias do encontro, que aquele americano alto, reservado, mas basicamente humano e culto, era um homem com quem, como dizia a Sra. Thatcher, "era possível negociar".

       Assim, contrariando a opinião dos seus conselheiros em segurança e ideologia, concordara com o pedido pessoal do presidente, permitindo que o americano se dirigisse ao povo soviético num programa de televisão ao vivo, sem que seu discurso fosse submetido à aprovação prévia do governo soviético.  Praticamente nenhum programa da televisão soviética é "ao vivo".  Quase tudo é cuidadosamente revisado, preparado, vetado ou finalmente liberado para consumo do povo.

       Antes de concordar com o estranho pedido de Cormack, Mikhail Gorbachev consultou os especialistas em televisão.  Tão surpresos quanto ele, fizeram notar, no entanto que, para começar, ele seria compreendido por uma pequena parte dos cidadãos soviéticos, até que fosse liberada a tradução do discurso (que poderia ser sanada caso ele se excedesse de algum modo) e, em segundo lugar, o discurso podia ser transmitido num loop de oito ou dez segundos, o que faria que fosse ouvido alguns segundos após sua leitura (tanto no som quanto no vídeo) e, se fosse necessário, podiam cortar rapidamente uma parte da transmissão.  Por fim, ficou acertado que se o secretário-geral desejasse algum corte, bastaria passar o dedo indicador no queixo que os técnicos fariam o resto.  Isso, é claro, não se aplicava às três equipes de televisão americanas, nem à BBC da Grã-Bretanha, mas o material dessas estações jamais chegaria ao povo russo.

       Terminando seu discurso com expressões de boa vontade para com o povo americano e afirmando sua esperança de paz entre as duas nações, Mikhail Gorbachev voltou-se para o visitante.  John Cormack levantou-se.  O russo apontou para o microfone e sentou-se ao lado do pódio, não no centro, atrás do orador. O presidente subiu o pequeno degrau.  Não tinha nenhum texto escrito.  Ergueu a cabeça, olhou diretamente para a câmara da TV soviética e começou a falar:

       — Homens, mulheres e crianças da União Soviética, ouçam bem o que vou dizer...

       No seu escritório, o marechal Koslov inclinou-se bruscamente para a frente na cadeira, olhando para a tela.  No pódio, Mikhail Gorbachev ergueu as sobrancelhas por uma fração de segundo.  Na cabine atrás da câmara de televisão soviética, um jovem que podia passar por aluno de Harvard pôs a mão sobre o microfone e murmurou uma pergunta para o funcionário do governo ao seu lado, que balançou a cabeça negativamente.  Pois John Cormack não estava falando em inglês.  Fazia o seu discurso em russo fluente.

       John Cormack não falava russo, mas antes da viagem havia decorado, na privacidade do seu quarto na Casa Branca, um discurso de quinhentas palavras em russo, usando fitas gravadas e orientação para conseguir fluência e pronúncia perfeitas.  Mesmo para um ex-professor da Ivy League era um feito notável.

       — Há cinqüenta anos este país, sua amada terra natal, foi invadido durante uma guerra.  Seus homens lutaram e morreram como soldados ou viveram como lobos na floresta.  Suas mulheres e crianças abrigaram-se nos porões, alimentando-se com restos de comida.  Milhões pereceram.  Sua terra foi devastada.  Embora isso jamais tenha acontecido no meu país, dou-Ihes a minha palavra, posso compreender o quanto este povo odeia a guerra.

       "Durante quarenta e cinco anos, nós, americanos, e vocês, russos, temos tentado manter distância, erguendo muros entre nossas nações, certos de que cedo ou tarde um ou outro seria o agressor. E erguemos montanhas...  montanhas de aço, de canhões, de tanques, de navios, aviões e bombas.  E os muros da mentira erguem-se mais alto para justificar essas montanhas de aço.  Alguns dizem que precisamos dessas armas porque algum dia, com elas, nos destruiremos mutuamente.

       "Noh, ya skazayoo: myee po-idyom drugim putyom.  "

       O espanto era quase audível entre a audiência em Vnukovo.  Ao dizer "mas eu digo: devemos/precisamos seguir outro caminho" , o presidente Cormack repetia uma frase de Lenin, conhecida em todas as escolas russas.  Na Rússia, a palavra putya significa uma estrada, um caminho, uma direção a ser tomada.  Ele continuou o jogo de palavras, voltando ao sentido de "estrada".

       — Refiro-me à estrada do desarmamento gradual, a estrada da paz.  Temos um só planeta para todos, um belo planeta.  Podemos viver nele juntos, ou juntos morrer nele.

       A porta do escritório do marechal Koslov foi aberta e fechada silenciosamente.  Um homem de cinqüenta e poucos anos, outro protegido de Koslov e o homem mais importante de sua equipe de planejamento, ficou de pé junto à porta, olhando para a tela no canto da sala.  O presidente americano terminava seu discurso.

       — Não será um caminho fácil.  Há pedras e buracos.  Mas no fim da estrada estão a paz e a segurança para os dois países.  Pois se cada um de nós tiver armas suficientes para a própria defesa, mas não suficientes para atacar, e se isso puder ser verificado mutuamente, passaremos aos nossos filhos e netos um mundo verdadeiramente livre daquele terrível temor que conhecemos durante os últimos cinqüenta anos.  Se caminharem por essa estrada ao meu lado, eu, para o bem do povo da América, caminharei com Vocês.  Com essa promessa, Mikhail Sergeivitch, estendo minha mão.

       O presidente Cormack voltou-se para Gorbachev com a mão direita estendida.  O russo, um experiente especialista em relações públicas, não teve alternativa senão levantar-se e estender a sua.  Então, com um largo sorriso, abraçou o americano com o braço esquerdo.

       O povo russo é estranho, capaz de grande paranóia e xenofobia, e ao mesmo tempo capaz de grandes demonstrações emotivas.  Os trabalhadores do aeroporto foram os primeiros a quebrar o silêncio.  Primeiro as palmas ardentes, depois os brados de aprovação e em poucos segundos os gorros de pele começaram a voar quando os civis, em geral muito bem ensaiados para tais ocasiões, manifestaram-se espontaneamente, fugindo às regras do controle preestabelecido.  Os homens da Milícia os acompanharam.  Segurando os rifles com a mão esquerda, na posição de "descansar", acenaram os bonés cinzentos com faixa vermelha, erguidos acima das cabeças.

       Os homens do KGB olharam para seu chefe ao lado do pódio, o general Vladimir Kriuchkov, diretor do KGB.  Hesitante a princípio, quando o Politburo se levantou ele fez o mesmo, aplaudindo.  Os Guardas da Fronteira interpretaram isso como um sinal (erroneamente, como souberam mais tarde) e juntaram-se à Milícia na ovação.  Em outros lugares, em cinco diferentes fusos horários, oito milhões de homens e mulheres soviéticos faziam a mesma coisa.

       — Churt vashmi...  – O marechal Koslov desligou a televisão com o controle remoto.

       — Nosso amado secretário-geral – murmurou o general-de-divisão Zemskov.

       O marechal balançou a cabeça afirmativamente, várias vezes.  Primeiro, as previsões assustadoras do relatório Kaminski, e agora isso.  Levantou-se, foi até a mesa e apanhou o relatório.

       — Leve isto e leia – disse ele.  – É material ultra-secreto e deve Continuar assim.  Existem somente duas cópias e a outra está comigo.  Leia com atenção, especialmente o que Kaminski diz na conclusão do relatório.

       Zemskov fez um gesto de assentimento.  A julgar pela expressão Sombria do general, não era um relatório comum.  Há dois anos, quando era ainda coronel, fora notado pelo marechal durante sua visita ao posto de comando na Alemanha Oriental para assistir aos exercícios.

       Os exercícios consistiam no confronto de duas forças.  O Grupo das Forças Soviéticas na Alemanha, de um lado, e o Exército Nacional do Povo da Alemanha Oriental, do outro.  Os alemães faziam o papel de forças americanas invasoras e nos exercícios anteriores haviam derrotado seus irmãos de armas, os soviéticos.  Mas dessa vez os russos os cercaram, seguindo o plano de Zemskov.  Assim que alcançou seu alto posto na Frunze Ulitsa, o marechal Koslov mandou chamar o brilhante estrategista para fazer parte de sua equipe.  Agora levou-o até o grande mapa na parede.

       — Quando terminar a leitura, prepare um suposto plano especial de contingência que deverá ser, na verdade, um plano detalhado, até o último homem, com armas e munições para invasão e ocupação militar de um país estrangeiro.  Terá o prazo de doze meses.

       O general-de-divisão Zemskov ergueu as sobrancelhas.

       — Não acha que é muito tempo, camarada marechal? Tenho à minha disposição...

       — Não tem à disposição mais do que seus olhos, suas mãos e seu cérebro.  Não consultará ninguém, não trocará impressões com ninguém.  Cada item de informação que precisar deve ser obtido por meio de subterfúgios.  Vai trabalhar sozinho, sem ajuda.  Levará meses, e no fim haverá apenas um original do seu trabalho, nenhuma cópia.

       — Compreendo.  E o país...?

       O marechal bateu com a mão no mapa.  – Este.  Um dia esta terra será nossa.

       Houston, a capital americana da indústria petrolífera e, segundo alguns, do comércio mundial do petróleo, é uma cidade estranha, pois tem dois centros importantes.  A leste fica a parte dos bancos, das companhias e da indústria, que aparece a distância como um grupo de arranha-céus cintilantes, torres que se erguem na planície monótona do Texas para o azul pálido do céu.  A oeste fica a Galeria, o centro das lojas e restaurantes e do lazer, dominado pelas torres Post Oak, Westin e Transco, contendo o maior shopping-center, a Galeria propriamente dita.

       Os dois corações da cidade são separados por seis quilômetros e meio de subúrbios com casas térreas e parques, defrontando-se assim como pistoleiros preparados para o duelo pela supremacia.

       O centro econômico é dominado em sua arquitetura pela torre mais alta, a do Texas Commerce, 75 andares de mármore cinzento e vidro cinza-escuro, a mais alta estrutura a oeste do Mississippi.  A segunda é a torre do Banco Allied, uma espiral de 45 andares de vidro espelhado verde.  Ao redor das duas torres erguem-se vinte outros arranha céus de arquitetura variada: bolo de casamento neogótico, vidro espelhado e os simplesmente doidos.

       Um pouco mais baixa do que a do Banco Allied fica a torre da Pan Global, cujos últimos dez andares são ocupados pelos construtores e proprietários do prédio, a Companhia de Petróleo Pan Global, 28ª na lista das maiores companhias petrolíferas dos Estados Unidos e nono lugar em Houston.  Com um ativo total de 3.750 mil dólares, a Pan Global era superada apenas pela Shell, pela Tenneco, Conoco, Enron, Coastal, Texas Eastern, Transco e Pennzoil.  Mas diferia de todas elas por pertencer ao seu antigo fundador e ser controlada por ele.  Tinha acionistas e uma diretoria, mas o dono mantinha o controle e ninguém podia restringir seu poder dentro da companhia.

       Doze horas depois do marechal Koslov incumbir seu oficial de planejamento da organização de um plano, e a oito fusos horários a oeste de Moscou, Cyrus V.  Miller estava no seu escritório na suíte de cobertura do seu prédio, diante da janela de vidro espelhado que ia do assoalho ao teto, olhando para oeste.  A seis quilômetros, através da bruma fria do fim de novembro, a torre da Transco parecia devolver seu olhar. Cyrus Miller ficou ali de pé por algum tempo, depois atravessou a sala coberta pelo tapete espesso até sua mesa e concentrou-se outra vez no relatório.

       Quarenta anos antes, quando começou a prosperar, Miller aprendera que informação é poder. Saber o que está acontecendo e, mais importante, o que vai acontecer, dá ao homem maior poder do que um cargo político e até mesmo mais do que o dinheiro.  Foi nessa época que criou dentro da sua organização a Divisão de Pesquisas e Estatística, escolhendo para trabalhar nela os analistas mais brilhantes e criativos que se formavam nas universidades do país.  Com o advento do computador, equipou essa divisão com o mais moderno banco de dados, no qual era armazenado um imenso compêndio informativo sobre petróleo e outras indústrias, comércio, desempenhos nacionais da economia, tendências do mercado, descobertas científicas e gente centenas de milhares de pessoas de todas as camadas sociais que poderiam algum dia ser úteis a ele.

       O relatório sobre sua mesa era de Dixon, um jovem formado pela Universidade Estadual do Texas, com uma inteligência viva, empregado por Miller há dez anos e que havia crescido com a companhia.  Pelo ordenado que recebia, pensou Miller, o analista não procurava adoçar a pílula no seu relatório.  Miller apreciava isso.  Leu pela quinta vez a conclusão de Dixon.

      

       O resultado, senhor, é que o mundo livre simplesmente está ficando sem petróleo.  No momento isso não é sentido pela vasta massa do povo americano, devido ao plano de sucessivos governos para manter a ficção de que a situação atual do “petróleo barato" vai continuar para sempre.

       A prova da “exaustão" está na tabela das reservas mundiais de petróleo anexada a este relatório.  Das 41 nações produtoras de petróleo atualmente, apenas dez têm reservas comprovadas que ultrapassam a previsão dos trinta anos.  Mesmo esse quadro é otimista.  O cálculo dos trinta anos baseia-se na suposição de que a produção continue nos níveis atuais.  O fato é que o consumo – e consequentemente a extração aumenta, e quando os produtores das reservas menores se esgotarem os restantes terão de aumentar sua extração para compensar essa falta.  É mais seguro calcular vinte anos para o esgotamento total em todas as nações produtoras de petróleo, exceto em dez delas.

       Não há nenhuma possibilidade das forças alternativas de energia chegarem a tempo de salvar a situação.  Nas três próximas décadas será petróleo ou morte econômica para o mundo livre.

       A posição americana caminha rapidamente para a catástrofe.  Quando as nações da OPEP aumentaram o preço do petróleo de dois para quarenta dólares o barril, o governo dos Estados Unidos sensatamente incentivou as indústrias domésticas a explorar, descobrir, extrair e refinar o máximo possível os nossos recursos naturais.  Desde a autodestruição da OPEP e o aumento da produção da Arábia Saudita, em 1985, Washington simplesmente passou a se banhar no petróleo artificialmente barato do Oriente Médio, deixando que a indústria doméstica murchasse ainda em botão.  Essa falta de visão vai ter como resultado uma terrível colheita.

       A resposta da América ao petróleo barato foi o aumento da demanda, maior importação de matéria-prima e produtos e diminuição da produção doméstica, uma parada total na exploração, fechamento de refinarias e um índice de desemprego maior que o de 1932.  Mesmo que a América começasse agora com um programa intensivo, investimento maciço e incentivos federais em grande escala, precisaríamos de dez anos para reconstruir a equipe técnica, remanufaturar ou mobilizar a maquinaria e executar o trabalho para colocar nossa completa dependência do Oriente Médio em proporções manejáveis.  Até o momento, nada indica que Washington pretenda encorajar esse ressurgimento da produção nacional de petróleo.

       Existem três motivos para isso – todos errados.

            (a) O novo petróleo americano custaria vinte dólares o barril  para ser encontrado, ao passo que o petróleo saudita e do Kuwait custa dez a doze centavos o barril para ser produzido e dezesseis dólares para ser comprado por nós.  Presume-se que essa situação continue para sempre.  Mas não vai continuar.

       (b) Presume-se que os árabes, especialmente os sauditas, continuarão a comprar dos Estados Unidos quantidades astronômicas de armas, tecnologia, produtos e serviços para sua infra-estrutura social e de defesa, reciclando assim seus petrodólares conosco.  Não vai acontecer. Sua infra-estrutura está praticamente completa e não sabem mais no que gastar os dólares.  Além disso, suas negociações recentes (1986 e 1988) com a Grã-Bretanha para a compra dos Tornados nos colocou em segundo plano como fornecedores de armas.

       (c) Presume-se que os reinos e sultanatos do Oriente Médio são aliados fiéis que jamais se voltarão contra nós, jamais elevarão novamente os preços e que seus governantes atuais ficarão para sempre no poder. Quanto ao primeiro ponto, a chantagem evidente que fizeram com a América, de 1973 até fins de 1985, demonstra onde está sua lealdade, e quanto ao segundo, numa região instável como o Oriente Médio, qualquer regime pode ser derrubado até o fim desta semana.

       Cyrus Miller olhou para o relatório com a testa franzida.  Não gostava do que acabara de ler, mas sabia que era verdade.  Como produtor e refinador doméstico de petróleo, nos últimos quatro anos passara por momentos difíceis (na sua opinião) e nem todo o lobby a favor da indústria do petróleo em Washington conseguira persuadir o Congresso a conceder leasings de petróleo na Região de Reserva Ecológica do Alasca, o local mais promissor para a descoberta de petróleo no país.  Cyrus odiava Washington e todos os políticos.

       Consultou o relógio.  Quatro e meia.  Apertou o botão no console embutido na mesa e no outro lado da sala um painel de madeira deslizou silenciosamente para o lado, revelando uma tela de TV a cores de 26 polegadas.  Ligou na CNN para ver a principal manchete do dia.

       O Força Aérea Um pairou sobre a pista da Base Andrews, nos arredores de Washington, como se estivesse suspenso no céu, até o trem de aterrissagem tocar suavemente o asfalto, de volta ao solo americano.  Enquanto o aparelho diminuía a velocidade e trodava na pista de um quilômetro e meio na direção do prédio do aeroporto, a imagem foi substituída pelo rosto do apresentador, que contava mais uma vez a história do discurso do presidente antes da sua partida de Moscou há doze horas.

       Como para provar a narração, a equipe de produção da CNN, nos dez minutos até a parada do Boeing, retransmitiu o discurso que o presidente Cormack fizera em russo, com legendas em inglês, as imagens dos funcionários do aeroporto e os homens da Milícia aplaudindo com entusiasmo, e por fim o abraço cheio de emoção de Mikhail Gorbachev no líder americano.  Os olhos cinzentos e opacos de Cyrus Miller nem piscaram, escondendo, mesmo na privacidade do seu escritório, o ódio pelo cavalheiro da Nova Inglaterra que praticamente tomara a presidência de assalto e que caminhava na direção de uma détente com a Rússia com maior decisão do que o próprio Reagan ousara.  Quando o presidente Cormack apareceu na porta do Força Aérea Um e soaram os primeiros acordes do Hail the Chief, Miller, com ar de desprezo, apertou o botão, desligando o aparelho.

       — Sacana, amante de com unas – resmungou ele, voltando à leitura do relatório.

       Na verdade, o prazo de vinte anos para o esgotamento do petróleo em 31 dos 41 centros produtores do mundo é irrelevante.  As altas de preços começarão dentro de dez anos, ou menos.  Um relatório recente da Universidade de Harvard prevê um preço em excesso de cinqüenta dólares o barril (isto é, dólares de 1989) antes de 1999, comparados aos dezesseis dólares por barril de hoje.  O relatório foi vetado, mas erra por excesso de otimismo.  A perspectiva do efeito desses preços junto ao público americano é terrível.  O que farão os americanos quando tiverem de pagar dois dólares por um galão de gasolina? Como reagirá o fazendeiro quando souber que não pode alimentar seus porcos ou colher seus cereais, ou mesmo aquecer sua casa nos rigorosos invernos do norte? Estamos vendo as bases de uma revolução social.

       Mesmo que Washington venha a autorizar uma revitalização maciça do esforço de produção do petróleo, temos ainda apenas cinco anos de reservas a nível do consumo atual.

       A situação da Europa é pior. A não ser pela pequena Noruega (um dos dez países com mais de trinta anos de reservas, mas baseadas em produção marítima muito pequena) a Europa tem três anos de reservas.  Os países da bacia do Pacífico dependem inteiramente do petróleo importado e têm enorme excesso de moeda forte.  Resultado? Excetuando o México, a Venezuela e a Líbia, estaremos todos procurando a mesma fonte de suprimento – os seis produtores do Oriente Médio.

       Irã, Iraque, Abu Dhabi e a Zona Neutra têm petróleo, mas dois são maiores do que os outros oito juntos – a Arábia Saudita e seu vizinho Kuwait serão a chave para a OPEP.  Com uma produção atual de 1,3 bilhão de barris por ano, e uma parcela da produção mundial que deve elevar-se enquanto os outros 31 produtores vão esgotando suas reservas, um por um, a Arábia Saudita controlará o preço mundial do petróleo, e por conseguinte a América.

       Com as altas de preço previstas, em 1995 a América terá uma dívida de importação de 450 milhões de dólares por ano – pagável à Arábia Saudita e ao Kuwait.  O que significa que os fornecedores do Oriente Médio provavelmente serão os donos das indústrias dos Estados Unidos para as quais fornecem.  A América, apesar do seu desenvolvimento, tecnologia, padrão de vida e poder militar, ficará assim econômica, financeira, estratégica e portanto politicamente na dependência de uma nação pouco populosa, atrasada, seminômade, corrupta e caprichosa, que não poderemos controlar.

       Cyrus Miller fechou a pasta do relatório, recostou-se na cadeira e olhou para o teto.  Se alguém tivesse a coragem de dizer que politicamente ele tendia para a direita radical, Cyrus negaria com veemência.  Embora eleitor tradicional do Partido Republicano, jamais se interessara por política a não ser na medida em que interferia com a indústria do petróleo.  Seu partido político, no que o interessava, era o patriotismo.  Miller amava seu estado adotivo do Texas e sua terra natal com uma intensidade que por vezes o emocionava.

       O que não percebia era que, aos 77 anos, o que amava era uma América idealizada por ele próprio, uma América anglo-saxônia, protestante, branca, com valores tradicionais e puro chauvinismo.  Não que tivesse alguma coisa contra judeus, católicos, espanhóis ou negros, ele garantia ao Todo-Poderoso, nas suas várias preces diárias – tinha oito empregadas de língua espanhola na sua mansão em Hill Country, nos arredores de Austin, para não mencionar vários negros trabalhando nos jardins – desde que eles conhecessem seus lugares.

       Olhou para o teto tentando lembrar-se de um nome.  O nome do homem que conhecera dois anos antes numa convenção de produtores de petróleo em Dallas, um homem que morava e trabalhava na Arábia Saudita.  Haviam conversado por pouco tempo, mas Cyrus ficou impressionado.  Lembrava-se claramente da aparência do homem.  Com pouco menos de 1,80m de altura, um pouco mais baixo do que Miller, compacto, tenso como uma mola esticada, quieto, observador, pensativo, um homem com enorme experiência do Oriente Médio.  Mancava um pouco, apoiado numa bengala com castão de prata, e lidava com computadores.  Quanto mais pensava, mais Miller se lembrava.  Haviam falado sobre computadores, os méritos dos seus Honeywells, e o homem demonstrara preferência pelo IBM.  Depois de alguns minutos, Miller ligou para sua divisão de pesquisa e descreveu o que lembrava do homem.  – Descubra quem é ele – ordenou.

       Já era noite na costa sul da Espanha, a chamada Costa deI Sol.  Embora fora da temporada turística, os cem quilômetros da costa, de Málaga até Gibraltar, estavam iluminados por um colar de luzes que, visto das montanhas, devia parecer uma cobra de fogo serpenteando por Torremolinos, Mijas, Fuengirola, Marbella, Estepona, Puerto Duquesa e seguindo até La Linea e a Rocha.  Os faróis de carros e caminhões passavam, iluminando a estrada Málaga-Cádiz, que atravessava a planície entre as montanhas e as praias.      .

       Nas montanhas, próximo da extremidade oeste, entre Estepona e Puerto Duquesa, fica o distrito vinhateiro do sul da Andaluzia, onde é produzido não o vinho de Jerez, a oeste, mas um vinho tinto forte e rico.  O centro dessa área é a pequena cidade de Manilva, a apenas oito quilômetros da costa, mas com uma vista panorâmica do oceano, ao sul.  Manilva é circundada por um grupo de pequenas vilas, quase aldeias, habitadas por aqueles que plantam as encostas e cuidam das vinhas.

       Numa delas, Alcantara deI Rio, os homens voltavam dos campos, cansados, o corpo dolorido depois de um longo dia de trabalho.  A colheita da uva já estava feita, mas as vinhas precisavam ser podadas e preparadas para o inverno e era um trabalho pesado, especialmente para as costas e os ombros.  Assim, antes de voltar para suas casas, quase todos paravam na única cantina da cidadezinha para uma bebida e a oportunidade de uma conversa.

       Alcantara deI Río tinha pouco mais do que paz e tranqüilidade.  A pequena igreja pintada de branco, com seu padre tão decrépito quanto ela, servia o povo rezando missa para as mulheres e crianças, sentindo falta dos homens, que nas manhãs de domingo preferiam o bar. As crianças freqüentavam a escola de Manilva.  Além das quarenta e poucas casas térreas pintadas de branco, havia o Bar Antonio, agora cheio de trabalhadores do campo.  Alguns trabalhavam para cooperativas sediadas a quilômetros da cidade.  Outros eram donos da terra, trabalhavam muito e viviam modestamente, dependendo da colheita e do preço oferecido pelos compradores nas cidades.

       O homem alto foi o último a entrar. Cumprimentou os outros com uma inclinação da cabeça e sentou na sua cadeira habitual, no canto do bar. Era bem mais alto do que os outros, magro, tinha quarenta e poucos anos, rosto de traços marcados e olhos cheios de humor. Alguns camponeses o chamavam de señor, mas Antonio, aproximando-se com a garrafa de vinho e o copo, tinha mais intimidade.

       — Muy buenas noches, amigo.  Va bien?

       — Ola, Tonio – disse o homem.  – Sí, va bien.

       Voltou-se ao ouvir a música na televisão acima do bar. Era o noticiário e os homens silenciaram para ouvir. O apresentador descreveu brevemente a partida do presidente Cormack da Rússia.  A imagem mostrou então Vnukovo e o presidente começando seu discurso.  A TV espanhola não usava legendas, mas sim tradução simultânea para o espanhol.  Os homens no bar escutavam atentamente.  Quando John Cormack terminou e estendeu a mão para Gorbachev, a câmara (era a equipe da BBC, fazendo a cobertura para todas as estações da Europa) focalizou os trabalhadores do aeroporto, depois os homens da Milícia, em seguida os do KGB.  O apresentador espanhol voltou.  Antonio virou-se para o homem alto.

       — Es un buen hombre, el Señor Cormack – ele disse, com um grande sorriso, batendo com força nas costas do homem alto, congratulando-o como se ele fosse propriedade do homem da Casa Branca.

       — Si – disse o homem pensativamente.  – Es un buen hombre.

       Cyrus V.  Miller não nascera rico.  Provinha de família de fazendeiros pobres do Colorado e quando menino viu a pequena propriedade do pai ser comprada por uma companhia mineradora e devastada pelas máquinas.  Convencido de que quando não se pode derrotá-Ios o melhor é juntar-se a eles, o jovem entrou para a Escola de Mineração em Denver, Colorado, terminando o curso em 1933 apenas com um diploma e a roupa do corpo.  Na universidade, Cyrus sentira-se mais fascinado pelo petróleo do que pelas rochas e resolveu seguir para o sul, para o Texas.  Era ainda a época dos exploradores autônomos, quando as concessões não dependiam de consentimento legal nem das preocupações ecológicas.

       Em 1936, ele descobriu um arrendamento barato cedido pela Texaco e calculou que estavam cavando no lugar errado.  Convenceu um "ferramenteiro" com material próprio a juntar-se a ele e conseguiu empréstimo num banco dando como garantia a terra que havia arrendado.  A fornecedora de material para campos de petróleo exigiu também garantias pelo resto do equipamento necessário e três meses depois o poço jorrou – em abundância.  Cyrus comprou a parte do sócio, arrendou sua maquinaria e adquiriu outras concessões.  Com o começo da guerra, em 1941, todos os seus poços estavam produzindo o máximo e ele ficou rico.  Mas queria mais, e assim como havia previsto ao entrada dos Estados Unidos na guerra, em 1939, viu algo em 1944 que despertou seu interesse.  Um britânico chamado Frank Whittle inventara um motor para aviões, sem hélice e com enorme potencial de força.  Cyrus imaginou qual seria o combustível usado nesse motor.

       Em 1945, descobriu que a Boeing/Lockheed havia adquirido os direitos do motor a jato de Whittle, e que o combustível não era gasolina com alto teor de octana, mas um querosene de baixa qualidade.  Investindo grande parte do seu capital numa refinaria de baixa tecnologia e de ações de pouco valor na Califórnia, aproximou-se da Boeíng/Lockheed, que por coincidência começava a se cansar da arrogância condescendente das principais companhias de petróleo na sua procura do novo combustível.  Miller ofereceu sua refinaria e juntos desenvolveram o novo combustível para a aviação a turbina – o AVTUR. A refinaria de baixa tecnologia de Miller era exatamente o que precisavam para produzir o A VTUR, e tão logo conseguiram as primeiras amostras começou a guerra na Coréia.  Com os Sabres, aviões de caça a jato que superavam os Migs chineses, chegou a era do jato.  A Pan-Global entrou em órbita e Miller voltou para o Texas.

       Casou-se também.  Maybelle era pequenina comparada ao marido, mas era ela quem dirigia a casa e Cyrus durante os trinta anos de casamento, e ele gostava demais da mulher. Não tiveram filhos – Maybelle achava que era pequena demais e muito frágil para ter filhos e ele aceitou, feliz por render-se a mais uma de suas vontades.  Quando Maybelle morreu, em 1980, Cyrus ficou inconsolável.  Então descobriu Deus.  Não se filiou a nenhuma religião organizada, apenas a Deus.  Começou a falar com o Todo-Poderoso e descobriu que o Senhor respondia, aconselhando-o pessoalmente sobre o melhor modo de aumentar sua fortuna e servir ao Texas e aos Estados Unidos.  Provavelmente escapou à sua atenção o fato de que o conselho divino era sempre aquilo que ele queria ouvir, e que o Criador compartilhava todo seu chauvinismo, preconceitos e intolerâncias.  Continuou a evitar o estereótipo do texano, preferindo não fumar, beber moderadamente, ser casto, conservador no vestir e no falar, eternamente cortês e um homem que abominava linguagem de baixo calão.

       Seu intercomunicador zumbiu discretamente.

       — O homem cujo nome o senhor queria, Sr. Miller. Quando o senhor o conheceu ele trabalhava para a IBM na Arábia Saudita.  A IBM confirma que deve ser o mesmo homem.  Deixou a companhia e é agora consultor autônomo.  Seu nome é Easterhouse...  coronel Robert Easterhouse.

       — Localize-o – disse Miller. – Mande buscá-Io.  Não importa quanto custe.  Traga-o para mim.

      

       Novembro, 1990

       O marechal Koslov observava impassível os quatros homens sentados à mesa de conferência em forma de T.  Todos liam as pastas marcadas Ultra-Secreto que tinham à frente, todos eram homens nos quais sabia que podia confiar, tinha de confiar – pois sua carreira, e talvez mais do que isso, estava em jogo.

       À sua esquerda estava o chefe-adjunto do Estado-Maior (Sul), que trabalhava com ele em Moscou mas era encarregado geral da região da URSS com suas populosas repúblicas muçulmanas e da fronteira com a Romênia, Turquia, Irã e Afeganistão.  Ao lado dele sentava-se o chefe do Alto Comando do Sul sediado em Baku, que havia voado para Moscou pensando tratar-se de uma reunião de rotina do EstadoMaior. Mas não havia nada de rotineiro naquela reunião.  Antes de ir para Moscou, há sete anos, como primeiro-adjunto; o próprio Koslov fora comandante em Baku, e o homem que lia agora o plano Suvorov devia a ele sua promoção.

       Diante deles estavam os dois outros, também concentrados na leitura.  Mais próximo do marechal sentava-se o homem cuja lealdade e engajamento seriam de vital importância para o sucesso do plano o chefe-adjunto do GRU, o departamento de informações das forças armadas soviéticas.  Em eterno desacordo com seu maior rival, o KGB, o GRU era responsável por todo o serviço secreto militar interno e externo, contra-espionagem e segurança interna dentro das forças armadas.  Mais importante para o plano Suvorov, o GRU controlava as forças especiais, as Spetsnaz, cuja cooperação para o início do plano – se fosse posto em prática – seria crucial.  Foram as Spetsnaz que, no inverno de 1979, aterrissaram no aeroporto de Cabul, atacaram o palácio presidencial, assassinaram o presidente afegão e instalaram no governo o títere Babrak Kamal, que imediatamente publicou um apelo pré-datado dirigido às forças soviéticas para que invadissem o país e acabassem com os "distúrbios".   

       Koslov o escolhera porque o chefe do GRU era um antigo membro do KGB infiltrado no Estado-Maior, e ninguém duvidava que ele constantemente passava aos seus companheiros do KGB qualquer informação prejudicial ao Alto Comando.  O homem do GRU havia atravessado Moscou de automóvel para a reunião, vindo do prédio de sua organização, situado ao norte do aeroporto central.

       Ao lado do chefe do GRU estava o homem lotado no quartel-general nos subúrbios do norte, cujos homens seriam também de importância vital para o Suvorov – o comandante da Vozdyshna Desantniki Voist, ou Força Aérea de Assalto.  Os pára-quedistas da VDV teriam que descer em umas doze cidades mencionadas no Suvorov e tomar conta delas para a ponte aérea que formariam.

       Não era necessário, nessa fase, convocar a Defesa Aérea da Pátria, a Voiska PVO, uma vez que a Rússia não estava para ser invadida, nem as Forças dos Foguetes Estratégicos, já que não iam precisar de foguetes.  Quanto aos Fuzileiros Motorizados, artilharia e blindados, o Alto Comando do Sul tinha o suficiente para a execução do plano.

       O homem do GRU terminou de ler e ergueu os olhos.  Fez menção de falar, mas o marechal levantou a mão e continuaram em silêncio até os outros terem terminado a leitura.  A reunião havia começado três horas antes, quando os quatro leram uma versão resumida do relatório original de Kaminski sobre petróleo.  A preocupação com que leram as conclusões e previsões do relatório era acentuada pelo fato de que nos últimos doze meses várias delas haviam se concretizado.

       Já havia cortes nas alocações de petróleo.  Algumas manobras foram "reprogramadas" (canceladas) por falta de gasolina.  As usinas nucleares não foram reabertas, os campos da Sibéria produziam ainda pouco mais do que o de costume e a exploração no Ártico continuava desorganizada por falta de tecnologia, mão-de-obra especializada e fundos.  Glasnost, perestroika e entrevistas coletivas com a imprensa iam muito bem, mas para transformar a Rússia num país eficiente precisariam de muito mais do que isso.

       Após uma breve troca de opiniões sobre o relatório, Koslov havia entregue as quatro pastas com o plano Suvorov, preparado em nove meses, a partir de novembro, pelo general-de-divisão Zemskov.  O marechal havia estudado o plano durante três meses, até convencer-se de que a situação ao sul das suas fronteiras predispunha seus oficiais subalternos a uma maior aceitação da ousadia do plano.  Agora, terminada a leitura, eles ergueram os olhos na expectativa.  Ninguém queria ser o primeiro a falar.

       — Muito bem – disse o marechal Koslov cautelosamente.  – Comentários?

       — Bem – começou o chefe do Estado-Maior –, sem dúvida nos daria uma fonte de petróleo suficiente para um suprimento normal até a primeira metade do próximo século.

       — Essa é a jogada final – disse Koslov.  – O que me dizem da praticabilidade? – Olhou para o homem do Alto Comando do Sul.

       — A invasão e a conquista...  sem problema – disse o general de quatro estrelas de Baku.  – O plano é brilhante sob esse ponto de vista.  A resistência inicial pode ser anulada com facilidade.  Quanto a governar os filhos da puta depois disso...  São completamente doidos...  teremos de tomar medidas extremamente severas.

       — Isso pode ser providenciado – disse Koslov suavemente.

       — Teremos de usar tropas russas étnicas – disse o pára-quedista.

       — De qualquer modo, nós as usamos, com ucranianos.  Acho que todos sabem que não podemos usar nossas divisões das repúblicas muçulmanas.

       Um murmúrio de assentimento.  O homem do GRU ergueu os olhos.

       — Às vezes me pergunto se podemos ainda usar as divisões muçulmanas para qualquer coisa.  Esse é um dos motivos que me faz gostar do plano Suvorov.  Poderíamos anular a disseminação do fundamentalismo islâmico nas nossas repúblicas do Sul.  Destruir a fonte.  Meus homens do Sul são de opinião que, em caso de guerra, não poderemos contar com as divisões muçulmanas de modo algum.

       O general de Baku concordou plenamente.

       — Malditos árabes – rosnou ele.  – Estão ficando cada vez piores.  Ao invés de defender o Sul, passo metade do tempo resolvendo disputas religiosas em Tashkent, Samarkand e Ashkhabad.  Ficaria muito feliz em atacar o maldito partido de Alá em sua própria casa.

       — Então – disse o marechal Koslov – , temos três fatores a favor. O plano é possível por causa da fronteira extensa e desguarnecida e do caos que reina na região.  Teríamos petróleo por mais meio século e poderíamos exterminar os pregadores fundamentalistas de uma vez por todas.  Alguma opinião contra?

       — O que me diz da reação do Ocidente? – perguntou o general dos pára-quedistas.

       — Os americanos podem começar a Terceira Guerra Mundial por causa disso.

       — Não acredito – respondeu o homem do ORU, que tinha mais experiência do Ocidente do que qualquer outro, tendo estudado o assunto durante anos. 

       — Os políticos americanos são profundamente dependentes da opinião do povo, e para a maioria dos americanos hoje em dia, nada de ruim que aconteça aos iranianos é castigo suficiente.  É assim que o povo americano em geral vê as coisas atualmente.

       Os quatro conheciam bem a história recente do Irã.  Com a morte do aiatolá Khomeini, após um período de lutas políticas internas, o poder havia passado às mãos do sanguinário juiz islâmico Khalkhali – que foi visto exibindo com satisfação os corpos de americanos encontrados no deserto, depois da tentativa malograda de salvar os reféns da embaixada dos Estados Unidos.

       Khalkhali procurou proteger sua frágil ascendência instigando a instalação de outro reino de terror dentro do Irã, usando para isso as temidas Gasht-e-Sarallah (Patrulhas de Sangue).

       Finalmente, quando a mais violenta dessas guardas revolucionadas ameaçou fugir ao seu controle, ele enviou para o exterior os homens que a compunham para uma série de atrocidades terroristas contra cidadãos e propriedades dos Estados Unidos no Oriente Médio e na Europa, uma campanha que havia durado quase seis meses.

       Por ocasião da reunião dos cinco soldados soviéticos para estudar a invasão e ocupação do Irã, Khalkhali era odiado pelo povo iraniano, que finalmente se fartara do Terror Santo, e pelo Ocidente.

       — Eu acho – disse o homem do GRU – que se resolvermos enforcar Khalkhali, o povo americano nos fornecerá a corda.  Washington talvez se ofenda com nossa entrada no país, mas os deputados e senadores, ouvindo as massas, aconselharão o presidente a não interferir. E não esqueçam: supostamente somos grandes amigos dos americanos hoje.

       Koslov compartilhou das risadas discretas de zombaria.

       — Nesse caso, de onde virá a oposição? – perguntou ele.  .

       — Acredito – disse o general do GRU – que não será de Washington, se apresentarmos à América ofait accompli.  Mas estou quase certo de que virá da Novaya Ploshad.  O homem da Stavropol recusará o plano imediatamente.

       (Novaya Ploshad, ou Nova Praça, é a sede, em Moscou, do Comitê Central, e a menção da Stavropol era pouco lisonjeira para o secretário-geral Mikhail Gorbachev, que havia pertencido a ela.)

       Os cinco soldados assentiram, balançando a cabeça sombriamente.  O homem do GRU reforçou sua observação.

       — Nós todos sabemos que há doze meses, desde que aquele maldito Cormack se tornou o grande astro pop em Vnukovo, equipes dos dois ministérios da Defesa estudam os detalhes para um grande tratado de desarmamento parcial.  Gorbachev visitará a América dentro de duas semanas para assinar o acordo e assim liberar recursos suficientes para desenvolver nossa indústria doméstica de petróleo.  Enquanto ele acreditar que pode conseguir petróleo por esse meio, por que vai prejudicar seu amado tratado com Cormack dando permissão para a invasão do Irã?

       — E se ele firmar o tratado, o Comitê Central o ratificará? perguntou o general de Baku.

       — Atualmente o comitê está nas mãos dele – resmungou Koslov.

       — Nos últimos dois anos quase toda a oposição foi afastada.

       A reunião terminou com essa nota pessimista mas resignada.  As cópias do plano Suvorov foram recolhidas e guardadas no cofre do marechal, os generais voltaram aos seus postos, preparados para guardar segredo, observar e esperar.

       Duas semanas mais tarde, Cyrus Miller estava também em conferência, mas com um único homem, amigo e colega de muitos anos, Ele e Melville Scanlon eram amigos desde a Guerra da Coréia, quando o jovem Scanlon, um empresário de Galveston cheio de entusiasmo, investira suas parcas economias em alguns pequenos navios petroleiros.  (Naquela época, todos os petroleiros eram pequenos.)

       Miller tinha um contrato para fornecimento do seu novo combustível para jato para a Força Aérea americana – a entrega devia ser feita no porto do Japão de onde o combustível seria transportado por petroleiros da Marinha para a Coréia do Sul, então em guerra.  Miller deu o contrato a Scanlon e o homem fez maravilhas, conduzindo suas "banheiras enferrujadas" através do canal do Panamá, apanhando o AVTUR na Califórnia e transportando-o através do Pacífico.  Usando os mesmos navios para transportar matéria-prima e produtos do Texas antes de mudar a carga e partir para o Japão, Scanlon manteve seus navios carregados o tempo todo e Miller recebeu matéria-prima e equipamento suficiente para fabricar o A VTUR. Três tripulações de petroleiros haviam desembarcado no Pacífico, mas nenhuma pergunta foi feita a respeito, e os dois homens ganharam muito dinheiro quando Miller finalmente foi obrigado a ceder seu know-how aos "maiorais".

       Scanlon tornou-se um grande corretor e transportador mundial de petróleo, especialmente do golfo Pérsico para a América.  Depois de 1981, Scanlon sofreu um revés quando os sauditas insistiram para que toda sua carga do golfo fosse transportada por navios de bandeira árabe, uma providência que só conseguiram pôr em prática no que se referia à participação do óleo cru, isto é, o pouco que pertencia ao país produtor e não à companhia produtora de petróleo.

       Mas era precisamente pela participação no óleo cru que Scanlon fazia o transporte do óleo saudita para a América.  Então teve de abandonar essa atividade, vendendo ou arrendando seus petroleiros aos sauditas e ao Kuwait a preços irrisórios.  Scanlon sobreviveu, porém não morria de amores pela Arábia Saudita, Mas ainda possuía alguns petroleiros que faziam a rota do golfo para os Estados Unidos, transportando especialmente petróleo cru da Aramco, que conseguia escapar da exigência de "bandeira árabe".

       Miller estava na frente da sua janela panorâmica favorita olhando para Houston, lá embaixo.  Estar tão acima da humanidade dava uma sensação quase divina.  Na outra extremidade da sala, recostado na poltrona de couro, Scanlon batia levemente com os dedos no relatório que acabara de ler. Como Miller, sabia que o óleo cru do golfo acabava de atingir o preço de vinte dólares o barril.

       — Concordo com você, meu amigo.  De modo algum a sobrevivência dos Estados Unidos da América pode depender totalmente daqueles miseráveis.  Que diabo Washington pensa que está fazendo? Serão todos cegos?

       — Não haverá ajuda de Washington, Mel – disse Miller calmamente.  – Se quiser mudar alguma coisa nesta vida, tem de fazer sozinho.  Não foi o que aprendemos do modo mais difícil?

       Mel Scanlon enxugou a testa com o lenço.  Apesar do ar-condicionado do escritório, tinha tendência a suar profusamente.  Ao contrário de Miller, vestia-se como o texano tradicional – chapéu Stetson, gravatas de cordão de sapatos, prendedores de gravata navajos, cintos de fivela e botas com salto.  Infelizmente não parecia nem um pouco um homem de fronteira, pois era pequeno e gordo, mas a aparência de homem bom e simples disfarçava um cérebro astuto.

       — Não vejo como seria possível mudar a localização dessas reservas – resmungou ele.— Os campos de petróleo de Hasa ficam na Arábia Saudita.

       — Não, não a localização geográfica.  Mas o controle político desses campos – disse Miller – e, consequentemente, a possibilidade de ditar o preço do petróleo saudita e do mundo todo.

       — Controle político? Quer dizer para outro bando de ayrabs?

       — Não, para nós – disse Miller. – Para os Estados Unidos da América.  Para que nosso país possa sobreviver precisamos controlar o preço do petróleo mundial, determinando um preço que podemos pagar, e isso significa controlar o governo em Riyad.  Este pesadelo de estar à mercê de um bando de pastores de cabras já durou muito.  Precisa ser mudado e Washington não o fará.  Mas isto aqui pode efetuar essa mudança.

       Apanhou uma pasta de papéis sobre a mesa.  Não havia nada escrito na capa.  O rosto de Scanlon se contraiu.

       — Não me venha com outro relatório, Cy – protestou.

       — Leia – insistiu Miller. – Pode ampliar seus conhecimentos.  Scanlon suspirou e folheou os papéis da pasta.  O título da primeira página dizia apenas:

       DESTRUIÇÃO E QUEDA DA CASA DE SAUD

       — Santa droga – disse Scanlon.

       — Não – corrigiu Miller calmamente.  – Santo Terror. Leia.

 

       ISLÃ.  A religião do Islã (que significa' 'submissão" à vontade de Deus) foi criada pelos ensinamentos do profeta Maomé por volta do ano 622 a.  C.  e hoje tem de oitocentos milhões a um bilhão de adeptos.  Ao contrário do cristianismo, não possui sacerdotes.  Os líderes religiosos são leigos respeitados por suas qualidades morais ou intelectuais.  A doutrina de Maomé está contida no Corão.

       SEITAS.  Noventa por cento dos muçulmanos pertencem à seita sunita (ortodoxa).  A minoria mais importante à seita xiita (sectários).  A diferença principal é que os sunitas seguem a doutrina escrita do Profeta, chamada hadith (tradição), ao passo que os xiitas obedecem e atribuem infalibilidade divina ao seu líder do momento (o imã).  Os baluartes xiitas são o Irã (100%) e Iraque (55%).  Seis por cento dos sauditas são xiitas, uma minoria odiada e perseguida, cujo líder está refugiado e que atua especialmente nas vizinhanças dos campos petrolíferos de Hasa.

       FUNDAMENTALISMO.  Enquanto os fundamentalistas sunitas limitam-se a existir, o verdadeiro lar do fundamentalismo encontra-se na seita xiita.  Esta seita dentro da seita pressupõe absoluta devoção ao Corão como interpretado pelo finado aiatolá Khomeini, que não foi substituído.

       HEZB' ALLAH.  No Irã o verdadeiro credo fundamentalista é seguido pelos militares ou por fanáticos que se intitulam "O Partido de Deus", ou Hezb' Allah.  Nos outros lugares os fundamentalistas operam sob designações diferentes, mas para a finalidade deste estudo serão chamados sempre Hezb' AlIah.

       OBJETIVOS E CREDOS.  A filosofia básica consiste em conduzir todo o Islã, e finalmente todo o mundo, de volta à submissão à vontade de Alá interpretada e exigida por Khomeini.  Para atingir esse objetivo existem diversos requisitos, três dos quais são de interesse para nosso estudo: todos os governos muçulmanos existentes são ilegítimos porque não se baseiam na submissão incondicional a Alá, isto é, a Khomeini; qualquer coexistência entre um governo muçulmano secular e o Hezb'Allah é inconcebível; é dever divino do Hezb' Allah punir com a morte todos aqueles que fazem mal ao Islã no mundo inteiro, mas especialmente os heréticos dentro do Islã.

       MÉTODOS.  Há muito tempo o Hezb'Allah decretou que, para alcançar esse objetivo, não terá misericórdia, compaixão, pena, nenhum impedimento, nenhum remorso – mesmo ao ponto do martírio de seus membros.  Chamam a isso o Santo Terror.

       PROPOSTA.  Inspirar, unir, ativar, organizar e ajudar os fanáticos xiitas no massacre dos seiscentos membros dirigentes e controladores da Casa de Saud, destruindo assim a dinastia e com ela o governo em Riyad, que será então substituído por um príncipe preparado para aceitar uma progressiva ocupação militar americana dos campos petrolíferos de Hasa e fixar o preço do óleo cru no nível “sugerido" pelos Estados Unidos.

      

       — Quem diabo escreveu isto? – perguntou Scanlon, interrompendo a leitura da primeira parte. 

       — Um homem que tem sido meu consultor nos últimos meses disse Miller. – Gostaria de conhecê-Io?

       — Está aqui?

       — Lá fora.  Chegou há dez minutos.

       — É claro – disse Scanlon.  – Vamos dar uma olhada neste maníaco. 

       — Agora mesmo – disse Miller.

       A família Cormack, muito antes do professor John Cormack deixar a vida acadêmica e entrar para a política como senador pelo estado de Connecticut, possuía uma casa de veraneio na ilha de Nantucket.  Ele e a jovem esposa haviam passado as férias pela primeira vez na ilha quando John era ainda professor, trinta anos antes de Nantucket ficar na moda, como Martha's Vineyard e Cape Cod, e encantaram-se com a simplicidade da vida no lugar.

       Situada a leste de Martha's Vineyard, ao largo da costa de Massachusetts, Nantucket tinha então a tradicional aldeia de pescadores, o cemitério índio, ventos fortes e praias douradas, algumas casas de férias e pouco mais.  Havia terrenos a preços acessíveis e o jovem casal economizou para comprar um lote de um hectare em Shawkemo, ao longo da faixa de Children's Beach e na margem da próxima e abrigada lagoa conhecida simplesmente como O Refúgio.  Lá John Cormack construiu sua casa de madeira, com tábuas chanfradas por toda volta, telhas de madeira, móveis rústicos, tapetes de pele e colchas de retalhos.

       Mais tarde houve mais dinheiro e fizeram algumas melhorias e construíram alguns anexos.  Quando, doze meses atrás, ele foi para a Casa Branca e disse que pretendia passar as férias de verão em Nantucket, foi como se um furacão tivesse atingido a antiga casa de praia.

       Especialistas chegaram de Washington, olharam com horror o desconforto, a falta de segurança, falta de comunicações.  Voltaram e disseram: sim, Sr. Presidente, está bem, mas teremos de construir acomodações para cem homens do Serviço Secreto, um heliporto, vários bangalôs para hóspedes, estenógrafos e empregados domésticos – de modo algum Myra Cormack podia continuar a fazer as camas –, oh, e talvez instalar uma ou duas antenas parabólicas para o pessoal das comunicações.  O presidente Cormack desistiu das férias.

       Então, em novembro, resolveu arriscar com o homem de Moscou e convidou Mikhail Gorbachev para um longo fim de semana em Nantucket.  O russo adorou.

       Seus guardas do KGB ficaram tão confusos quanto os homens do Serviço Secreto, mas os dois líderes apenas mandaram que se acalmassem.  Os dois homens, agasalhados, protegidos do vento cortante do Nantucket Sound (o russo dera de presente ao americano um shapka de zibelina), passearam longamente pelas praias com o KGB e o Serviço Secreto americano atrás deles, com outros homens escondidos na relva seca murmurando nos comunicadores, um helicóptero sobrevoando a praia, lutando com o vento, e um cúter da guarda costeira balançando no mar revolto, ao largo da baía.

       Ninguém tentou matar ninguém.  Os dois homens chegaram à cidade de Nantucket de surpresa e os pescadores mostraram a eles as lagostas e os mariscos que acabavam de apanhar. Gorbachev admirou o produto da pescaria, muito risonho e animado, depois tomaram uma cerveja no bar da praia e voltaram a pé para Shawkemo, parecendo, lado a lado, um buldogue e uma cegonha.

       À noite, depois das lagostas grelhadas na casa de madeira, os especialistas em Defesa dos dois lados juntaram-se a eles, com os intérpretes, e elaboraram os pontos principais do tratado, fazendo a minuta do comunicado.

       Na terça-feira receberam a imprensa – nos outros dias, uma força "simbólica" de repórteres comparou e analisou fotografias e palavras, pois, afinal de contas, isto era a América, mas na terça-feira chegou o batalhão oficial.  Ao meio-dia, os dois homens apareceram na varanda de madeira e o presidente leu o comunicado.  Anunciava a intenção firme de apresentar ao Comitê Central e ao Congresso um acordo radical e de vasto alcance para o desarmamento parcial dos dois países e do mundo todo.  Alguns problemas estavam ainda para ser estudados e resolvidos, um trabalho para os técnicos, e os detalhes específicos dos tipos de armamentos, da quantidade que devia ser desmontada, arquivada, destruída ou desativada seriam anunciados mais tarde.  O presidente Cormack falou de paz com honra, paz com segurança e paz com boa vontade.  O secretário Gorbachev assentia vigorosamente com a cabeça, ouvindo a tradução.  Ninguém mencionou naquele momento, embora a imprensa tivesse mencionado extensivamente mais tarde, que com o déficit orçamentário dos Estados Unidos, o caos econômico da URSS e a crise iminente do petróleo nenhuma superpotência poderia continuar a corrida armamentista.

       A três mil quilômetros de distância, em Houston, Cyrus V. Miller desligou a televisão e olhou para Scanlon.

       — Esse homem vai nos deixar nus – disse ele com fúria contida.

       — Esse homem é perigoso.  Esse homem é um traidor. Controlou-se e foi até a mesa, ligando o intercomunicador. – Louise, por favor, mande o coronel Easterhouse entrar.

       Alguém já disse um dia: todos os homens sonham, porém os mais perigosos são os que sonham de olhos abertos.  O coronel Robert Easterhouse estava na elegante sala de espera do prédio da Pan-Global olhando pela janela a vista panorâmica de Houston.  Mas os olhos azuis claros viam o céu abaulado e as areias amareladas do Nejd e ele sonhava em controlar a renda dos campos petrolíferos de Hasa em benefício da América e de toda a humanidade.

       Nascido em 1945, tinha três anos quando seu pai aceitou a cadeira de professor na Universidade Americana em Beirute.  A capital libanesa era um paraíso naquele tempo: elegante, cosmopolita, rica e segura.  Ele estudou numa escola árabe durante algum tempo, com companheiros franceses e árabes.  Quando a família voltou para Idaho, Easterhouse tinha treze anos e falava três línguas: inglês, francês e árabe.

       De volta à América achou os colegas de escola superficiais, frívolos e assustadoramente ignorantes, obcecados por rock'n roll e um jovem cantor chamado Presley.  Zombavam das suas histórias de cedros balouçantes, fortes dos cruzados e da fumaça que espiralava das fogueiras nos acampamentos drusos, nas montanhas do Chouf.  Assim, ele refugiou-se nos livros, e não se contentava com nada menos do que Os sete pilares da sabedoria, de Lawrence da Arábia.  Aos dezoito anos, em vez de ir para a universidade e sair com garotas, alistou-se como voluntário no 82º de Pára-quedistas e estava no campo de treinamento quando Kennedy foi assassinado.

       Durante dez anos foi pára-quedista, com três períodos no Vietnã, voltando com as últimas forças, em 1973.  Quanto mais alto o número de baixas, mais fácil conseguir promoções, e Easterhouse era o coronel mais jovem do 82º quando um acidente estúpido, fora da guerra, o invalidou para o serviço.  Tratava-se de um exercício de salto no deserto.  A zona de aterrissagem devia ser plana e arenosa, o vento uma brisa de cinco nós.  Como sempre, os "maiorais" se enganaram.  O vento estava a mais de trinta nós na superfície do solo.  Os homens foram atirados contra rochas e em desfiladeiros.  Três mortos, 27 feridos.

       A radiografia mostrou, mais tarde, os ossos da perna esquerda de Easterhouse espalhados como fósforos caídos da caixa, sobre veludo negro.  Ele assistiu pela televisão num hospital à retirada embaraçosa dos últimos remanescentes americanos da embaixada em Saigon uma casamata, como ele sabia, desde a ofensiva Tet.  Ainda no hospital, leu um livro sobre computadores e compreendeu que aquelas máquinas eram a estrada para o poder – um meio de corrigir a loucura do mundo e levar ordem e sanidade ao caos e à anarquia, se fossem bem usadas.

       Deu baixa no Exército, voltou a estudar e formou-se em informática, trabalhou na Honeywell durante três anos e depois passou para a IBM.  Era o ano de 1981, o poder do petrodólar dos sauditas estava no auge.  A Aramco contratou a IBM para a construção de sistemas de computadores de alta segurança a fim de controlar a produção, fluxo, exportação e, especialmente, royalties devidos ao seu monopólio de operação na Arábia Saudita.  Falando árabe fluentemente e um verdadeiro gênio em computadores, Easterhouse era o homem ideal.  Passou cinco anos protegendo os interesses da Ararnco na Arábia Saudita, especializando-se em sistemas de segurança contra fraude e peculato, monitorados por computadores.  Em 1986, com o colapso do cartel da OPEP, o poder passou para as mãos dos consumidores.  Os sauditas sentiram-se ameaçados e procuraram o gênio dos computadores que falava sua língua e conhecia seus costumes, pagando uma fortuna para que começasse a trabalhar como autônomo para eles, em vez de para a IBM e para a Aramco.

       Easterhouse conhecia o país e sua história como um nativo.  Quando garoto já se entusiasmava com as histórias do Fundador, o espoliado e nômade xeque Abdul Aziz ibn Saud, que percorria o deserto para atacar a fortaleza de Musmak em Riyad, iniciando sua marcha para o poder. Eastherhouse encantava-se com a astúcia de Abdul Aziz nos trinta anos de luta para conquistar as 37 tribos do interior, unindo o Nedj ao Hejaz e ao Hadramut, casando com as filhas dos inimigos vencidos e formando uma nação – ou o que parecia ser uma nação.  Então ele viu a realidade, e sua admiração transformou-se em desilusão, desprezo e ódio.

       Seu trabalho na IBM envolvia a prevenção e detecção de fraudes nos sistemas de computadores criados por gênios americanos, monitorar a tradução da produção operacional de petróleo para a linguagem contábil e, finalmente, fazer balancetes de bancos, criando sistemas de segurança absoluta que podiam ser integrados no conjunto do tesouro saudita.  A devassidão e a corrupção espantosa despertaram seu espírito basicamente puritano, e Easterhouse convenceu-se de que algum dia seria o instrumento destruidor de toda essa loucura e corrupção, provocadas por um acidente espúrio da vida que dera tamanha riqueza e poder a um povo como aquele.  Ele, Easterhouse, seria o restaurador da ordem, o homem que ia corrigir o louco desequilíbrio do Oriente Médio, fazendo com que aquela dádiva de Deus que era o petróleo fosse usada primeiro a serviço do Mundo Livre, e depois para todos os povos da Terra.

       Poderia ter usado suas habilidades e conhecimentos para fazer imensa fortuna com o petróleo, tal como os príncipes, mas sua moralidade não permitia.  Assim, para realizar seu sonho precisava do apoio de homens poderosos, ajuda, financiamento.  Então foi chamado por Cyrus Miller para destruir o edifício da corrupção e entregar o petróleo à América.  Tudo o que tinha a fazer era convencer aqueles texanos bárbaros de que era o homem certo.

       — Coronel Easterhouse? – Foi interrompido nos seus pensamentos pela voz suave de Louise.  – O Sr. Miller vai recebê-Io agora, senhor.

       Levantou-se, ficou parado por alguns segundos, apoiando-se na bengala, até a dor se abrandar; depois acompanhou-a ao escritório de Miller. Quando a porta se fechou, Easterhouse cumprimentou Miller respeitosamente e foi apresentado a Scanlon.

       Miller foi direto ao assunto:

       — Coronel, gostaria que meu amigo e colega fosse convencido, como eu fui, da praticabilidade da sua idéia.  Respeito o julgamento dele e gostaria que tomasse parte no nosso plano.

       Scanlon apreciou o cumprimento.  Easterhouse percebeu que era uma mentira.  Miller não respeitava o julgamento de Scanlon, mas iam precisar dos navios dele para importar secretamente o armamento necessário para o golpe de Estado.  Tratou Scanlon com respeito.

       — Leu meu relatório, senhor? – perguntou.

       — Ah, sim, aquela parte sobre os tais Hez-Boll-Ah.  Sim.  Coisa complicada, uma porção de nomes esquisitos.  Como acha que podem ser usados para derrubar a monarquia e, o mais importante, entregar os campos de Hasa para a América?

       — Sr. Scanlon, não se pode controlar os campos de petróleo de Hasa e transportar seu produto para a América sem controlar o governo em Riyad, a centenas de quilômetros de distância.  Esse governo deve ser substituído por um regime títere, completamente dirigido por conselheiros americanos.  A América não pode derrubar a Casa de Saud abertamente...  a reação árabe seria violenta.  Meu plano consiste em incitar um pequeno grupo de xiitas fundamentalistas, dedicados ao Santo Terror, à realização desse golpe.  A idéia de que partidários de Khomeini controlam a península da Arábia Saudita provocará ondas de pânico em todo o mundo árabe.  De Omã, ao sul, passando pelos Emirados, até Kuwait, Síria, Iraque, Jordânia, Líbano, Egito e Israel, imediatamente ouviremos pedidos para a intervenção americana a fim de salvá-Ios do Santo Terror.

       Passei dois anos instalando um sistema de computadores para segurança interna na Arábia Saudita e sei que esse grupo do Santo Terror existe e é liderado por um imã que devota ao rei, a seu grupo de irmãos, à máfia interna, chamada AI—Fahd, e a toda a família de três mil jovens príncipes que formam a dinastia um ódio verdadeiramente patológico.  O imã os denunciou publicamente como as prostitutas do Islã, profanadores dos lugares santos, Meca e Medina.  Ele é um fugitivo, mas posso mantê-lo a salvo até precísarmos dos seus serviços, apagando do computador central todas as informações a seu respeito.  Também tenho meios de entrar em contato com ele...  um ex-membro da Mutawain, a onipresente e odiada polícia religiosa.

       — Nesse caso, de que servirá entregar a Arábia Saudita a esses ioiôs? – perguntou Scanlon.  – Com a renda da Arábia Saudita, de trezentos milhões de dólares americanos por dia...  diabo, eles vão criar um verdadeiro caos.

       — Exatamente.  Uma coisa que o mundo árabe não pode tolerar. Todos os países da região, exceto o Irã, pedirão a intervenção americana.  Washington será maciçamente pressionada para enviar sua Força de Deslocamento Rápido para a base preparada de Omã, na península de Mussandam, e daí para a capital, Riyad, além de Daran e Bahrein, para garantir a segurança dos campos de petróleo, antes que sejam destruídos para sempre.  Depois teremos de ficar, para que o fato não se repita.

       — E esse cara, o imã? – perguntou Scanlon.  – O que acontece com ele?

       — Ele morre – disse Easterhouse calmamente.  – E será substituído por um príncipe da Casa, ausente do massacre por ter sido protegido e escondido na minha casa a tempo de salvar sua vida.  Eu o conheço bem: estudou no Ocidente, é a favor da América, fraco, vacilante e bêbado.  Mas vai legitimar os apelos dos outros árabes com o seu, que será transmitido pelo rádio da nossa embaixada em Riyad.

       Como único sobrevivente da dinastia, pode pedir a intervenção americana para restaurar a legitimidade do seu governo.  Então será nosso homem para sempre.

       Scanlon pensou por alguns minutos.  VoItou ao seu tipo característico.

       — o que sobra nisso para nós? Não estou falando dos Estados Unidos, quero dizer nós.

       Miller não esperou que Easterhouse respondesse.  Conhecia Scanlon e sabia como ele ia reagir.

       — Mel – interveio Miller –, se esse príncipe reinar em Riyad, aconselhado em cada minuto do dia pelo coronel, estaremos assistindo ao fim do monopólio da Aramco.  Estaremos assistindo a novos contratos, embarques, importação, refino.  E adivinhe: quem é o primeiro da lista?

       Scanlon assentiu, balançando a cabeça.

       — Quando pretendem realizar este...  evento?

       — Deve saber que o ataque à fortaleza de Musmak ocorreu em janeiro de 1902.  A posse do novo reinado foi em 1932.  Daqui a quinze meses, na primavera de 1992, o rei e sua corte celebrarão o nonagésimo aniversário do primeiro e o jubileu de diamante do reinado.  Estão planejando uma festa de um bilhão de dólares para o mundo todo.  O novo estádio coberto está sendo construído.  Estou encarregado de todos os sistemas de segurança computadorizados...  portões, portas, janelas, ar-condicionado.  Uma semana antes da grande noite haverá um ensaio geral com a presença dos seiscentos membros principais da Casa de Saud, vindos dos quatro cantos do mundo.  Programarei para esse momento o ataque dos Santos Terroristas.  As portas serão fechadas por meio do computador com todos lá dentro.  Os quinhentos soldados da Guarda Real receberão munição defeituosa, importada junto com fuzis de assalto necessários para que os Hezb'Allah façam o trabalho nos seus navios.

       — E quando terminar? – perguntou Scanlon.

       — Quando estiver terminado, Sr. Scanlon, não existirá mais a Casa de Saud.  Nem o grupo de terroristas.  Pois o estádio será incendiado e as câmaras continuarão filmando até derreterem.  Então, o novo aiatolá, o autoconsagrado imã vivo, herdeiro da mente e da alma de Khomeini, anunciará seus planos, na televisão, ao mundo que acaba de testemunhar a tragédia no estádio.  Acredito que isso dará início aos apelos de intervenção.

       — Coronel – disse Cyrus Miller –, de quanto vão precisar?

       — Para começar o planejamento prévio imediatamente, de um milhão de dólares.  Mais tarde, dois milhões para compras no exterior e subornos com dinheiro forte vivo.  Dentro da Arábia Saudita...  nada.  Posso obter fundos dos rivais locais, alguns bilhões para todas as compras internas e subornos.

       Miller fez um gesto afirmativo.  O estranho visionário estava pedindo uma ninharia pelo que ia fazer.

       — Vou providenciar para que tenha o dinheiro, senhor. Por favor, espere lá fora um pouco mais.  Quero que jante em minha casa.   O coronel Easterhouse foi até a porta e parou.

       — Há, ou pode haver, um problema.  O único fator que não podemos controlar, na minha opinião.  O presidente Cormack, aparentemente, é um homem dedicado à paz, e pelo que observei em Nantucket, agora dedicado a um novo tratado com o Kremlin.  Esse tratado talvez não sobreviva ao nosso golpe na Arábia Saudita.  Um homem como  ele é capaz de proibir o envio da Força de Deslocamento Rápido.

       Depois que ele saiu, Scanlon praguejou e Miller franziu a testa.  – Ele pode estar certo, você sabe, Cy.  Meu Deus, se ao menos Odell estivesse na Casa Branca...

       Embora escolhido pessoalmente por Cormack para vice-presidente de sua chapa, Michael Odell era também texano, um homem de negócios que fizera a própria fortuna e muito mais inclinado para a direita do que Cormack.  Miller, com paixão ardente e desusada, voltou-se e segurou Scanlon pelos ombros.

       — Mel, tenho rezado ao Senhor por aquele homem constantemente.  E pedi um sinal.  Agora, com este coronel e as coisas que ele disse, Ele me enviou o sinal.  Cormack deve desaparecer.

       Ao norte de Las Vegas, a capital do jogo, no Nevada, situa-se a extensa Base Nellis da Força Aérea, onde o jogo não consta da agenda.  Pois a base de 3.758 hectares abriga o maior campo de teste de armas secretas dos Estados Unidos, o Tonapah Range, onde qualquer aeronave particular que penetre o espaço aéreo dos 1.004.256 hectares durante um teste provavelmente receberá apenas um aviso antes de ser derrubada.

       Foi aí que, numa manhã clara e fria de dezembro, dois grupos de homens desceram de um comboio de limusines para assistir ao primeiro teste e à primeira demonstração de uma arma ultra-secreta.  O primeiro grupo era formado pelos fabricantes do Veículo de Lançamento Múltiplo por Foguete, que era a base do sistema, e estavam acompanhados por homens das duas corporações associadas que haviam construído os foguetes e os programas eletrônicos de vôo incorporados à arma.  Como a maioria das máquinas modernas, o Despot, o mais novo destruidor de tanques, não era simples, mas compreendia uma rede de sistemas complexos, nesse caso, vindos de três firmas diferentes.

       Cobb era o chefe executivo e o maior acionista da Zodiac VBC Inc., uma companhia especializada em Veículos Blindados de Combate, daí as iniciais que acompanhavam seu nome.  Para ele pessoalmente e para sua companhia, tudo dependia do Despot, cuja fabricação levara sete anos à custa da firma, ser ou não aceito e comprado pelo Pentágono.  Cobb não tinha dúvidas.  O Despot estava anos à frente do Sistema Pave Tiger da Boeing e do mais novo Tacit Rainbow.  Sabia que reagia à preocupação mais premente dos planejadores da OTAN – isolar da segunda a primeira onda de ataque dos tanques soviéticos, na planície central da Alemanha.

       Seus colegas eram Moir, da Pasadena Avionics, na Califórnia, que havia fabricado os componentes Kestrel e Goshawk, e Salkind, das Indústrias ECK, no Vale do Silício, perto de PaIo Alto, Califórnia.  Ambos tinham grande interesse, tanto pessoal quanto comercial, na aceitação e compra do Despot pelo Pentágono.  As Indústrias ECK tinham também uma parte na fabricação da infra-estrutura do bombardeiro B2 "Stealth" para a Força Aérea, mas esse era um projeto já aceito.

       A equipe do Pentágono chegou duas horas mais tarde, quando tudo estava pronto para o teste.  Eram doze, incluindo dois generais, e formavam o grupo técnico, cuja recomendação seria vital para a decisão do Pentágono.  Quando estavam todos sentados sob o toldo, diante da bateria de câmaras de televisão, começou o teste.

       Moir fez um gesto de surpresa.  Convidou os espectadores a se virar nas suas cadeiras e observar o deserto próximo.  Era uma vasta extensão plana e vazia.  Ficaram intrigados.  Moir apertou um botão no consolo a seu lado.  A poucos metros de onde estavam, o chão do deserto começou a se abrir. Uma enorme garra metálica estendeu-se para a frente, dando impulso.  Da areia onde tinha se enterrado, imune a aviões de combate e ao radar voltado para baixo, apareceu o Despot.  Um grande bloco de aço cinzento com rodas e trilhos, sem janelas, independente, autônomo, à prova de qualquer ataque direto, a não ser de artilharia pesada ou uma grande bomba, à prova de ataque nuclear, de gás e de germes, saiu do túmulo feito por ele mesmo e começou a trabalhar.

       Os quatro homens dentro dele ligaram os motores que transmitiam energia aos sistemas, abriram as telas de aço que cobriam as escotilhas de vidro reforçado e estenderam para fora sua antena parabólica, que os avisaria de qualquer ataque iminente, além das antenas sensoras, que os ajudariam a direcionar os mísseis.  A equipe do Pentágono ficou impressionada.

       — Vamos supor – disse Cobb – que a primeira onda de tanques soviéticos cruzou o rio Elba, na Alemanha Ocidental, por meio das várias pontes existentes e um grande número de pontes militares estendidas durante a noite.  As forças da OTAN tentam deter a primeira onda.  Temos forças suficientes para isso.  Mas a segunda onda, muito maior, aparece do seu esconderijo nas florestas da Alemanha Oriental e dirige-se para o Elba.  Esses tanques romperão as linhas de defesa, dirigindo-se para a fronteira da França.  Os Despots, dispostos e enterrados numa linha norte-sul em toda a Alemanha, têm suas ordens.  Encontrar, identificar, destruir.

       Apertou outro botão e uma portinhola se abriu na parte superior do veículo blindado.  Dela, numa rampa, saiu um foguete da espessura de um lápis.  Um tubo com dois metros e meio de comprimento e 32 centímetros de diâmetro.  Ligou a ignição do seu pequeno motor de foguete e voou para o céu azul pálido onde, sendo azul claro também, desapareceu de vista.  Os homens voltaram para suas telas, onde uma câmara de TV de alta definição acompanhava o Kestrel.  A 45 metros, seu motor turbo ventilador de alta derivação foi ligado, o foguete se apagou e continuou seu caminho, agora com duas asas curtas e reforçadas e nadadeiras na cauda, para guiá-Io.  O foguete em miniatura começou a voar como um avião, continuando a subir no espaço.  Moir apontou para uma grande tela de radar. O ponteiro girava no disco, mas nenhuma imagem se acendia na tela.

       — O Kestrel é feito de fibra de vidro – disse Moir com orgulho.  – O motor é feito com derivados de cerâmica, resistentes ao calor mas não detectados pelo radar. Aliado a um pouco de tecnologia "tática" , verão que é totalmente invisível ao olho humano ou a qualquer máquina.  Sua captação no radar é a de um pequeno pássaro.  Menor. Um pássaro pode ser detectado pelo radar pelo bater das suas asas.  O Kestrel não bate as asas, e este radar é muito mais sofisticado que os soviéticos.

       Numa guerra o Kestrel, um veículo de profunda penetração, podia se infiltrar de trezentos a oitocentos quilômetros atrás das linhas inimigas.  Neste teste alcançou a altitude operacional de cinco mil metros, desviou-se a 1.500 metros para baixo e começou a circular lentamente, o que dá dez horas de duração a cem nós.  Começou também a olhar para baixo – eletronicamente.  Os sensores de distância entraram em funcionamento.  Como uma ave predadora examinou o terreno abaixo dele, cobrindo um círculo na superfície, de 112 quilômetros de diâmetro.

       Seus scanners infravermelhos fizeram o rastreamento, depois consultou o radar de faixa milimétrica.

       — Está programado para atacar somente quando o alvo emite calor, é feito de aço e está em movimento – disse Moir. – O alvo deve emitir calor suficiente que o identifique como um tanque, não um carro, caminhão ou trem.  Não atacará uma fogueira, uma casa aquecida nem um veículo estacionado, porque estão imóveis.  Não atacará refletores em ângulo pela mesma razão, nem tijolos, madeira ou borracha, porque não se trata de aço.  Agora, vejam a área do alvo nesta tela, cavalheiros.

       Voltaram-se para a tela gigante, eu ja imagem era transmitida por uma câmara de TV a 160 quilômetros de distância.  Uma grande área fora "preparada" como um cenário externo de Hollywood.  Havia árvores artificiais, casas de madeira, caminhões estacionados e carros.  Tanques de borracha começaram a andar lentamente, puxados por fios invisíveis.  Havia fogueiras, acesas com gasolina, com chamas altas.  Então, um único tanque verdadeiro começou a se mover, controlado pelo rádio.  A cinco mil metros, o Kestrel o descobriu e reagiu imediatamente.

       — Cavalheiros, aqui está o novo fator revolucionário, do qual nos orgulhamos com muita razão.  Nos sistemas anteriores, o caçador atirava-se para baixo, sobre o alvo, destruindo-se com ele e destruindo toda aquela dispendiosa tecnologia.  Muito ineficiente no sentido econômico.  O Kestrel não faz isso, ele chama um Goshawk.  Vejam o Despot.   Todos se voltaram outra vez, a tempo de ver a rápida passagem do foguete, o míssil de um metro de comprimento, o Goshawk, que agora obedecia o chamado do Kestrel e se dirigia para o alvo.  Salkind tomou a palavra:

       — O Goshawk vai subir a trinta e cinco mil metros, dar uma volta e descer novamente.  Quando passar pelo Kestrel, o veículo dirigido por controle remoto transmitirá a informação final sobre o alvo para o Goshawk.  O computador a bordo do Kestrel dará a posição do alvo quando o Goshawk atingir zero metro dos vinte centímetros mais próximos.  O Goshawk atacará dentro desse círculo.  Está descendo agora.

       Entre as casas, cabanas, caminhões, carros, fogueiras, refletores enfiados na areia da área do alvo, entre os tanques de borracha, o tanque de aço (um velho Abrams Mark Um) seguia roncando como se estivesse numa guerra.  Viram uma rápida centelha e foi como se o Abrams tivesse sido atingido por um punho enorme.  Quase em câmara lenta, ele desmoronou, os lados explodiram para fora, o canhão virou para cima, apontando acusadoramente para o céu, e ele se transformou numa bola de fogo.  Sob o toldo, todos soltaram ao mesmo tempo o ar que prendiam nos pulmões.

       — Quanta força de tiro você tem no nariz daquele Goshawk? perguntou um dos generais.

       — Nenhuma – disse Salkind.  – O Goshawk é como uma pedra.  Desce a cerca de dezesseis mil quilômetros por hora.  Além do receptor para detectar a informação do Kestrel e do pequeno radar para seguir instruções na direção do alvo nos últimos cinco quilômetros, não possui nenhuma tecnologia.  Por isso é tão barato.  Mas o efeito de dez quilos de aço com ponta de tungstênio, a essa velocidade, atingindo um tanque, é como...  bem, como dar um tiro de espingarda de chumbo nas costas de uma barata à queima-roupa.  Aquele tanque aparou o equivalente de dois Armtraks desgovernados a 160 quilômetros por hora.  Foi completamente amassado.

       O teste continuou por mais duas horas.  Os fabricantes provaram que podiam reprogramar o Kestrel durante o vôo.  Se ordenassem o ataque a estruturas de aço com água dos dois lados e terra nas duas extremidades, ele destruiria pontes.  Se alterassem a especificação da caça, destruiria trens, barcos ou colunas de caminhões em movimento Se estivessem em movimento.  Quando parados, o Kestrel não sabia se era um caminhão de aço ou um pequeno barracão.  Mas seus sensores podiam penetrar a chuva, nuvens, neve, granizo, geada, neblina e o escuro.  Os grupos separaram-se quando a tarde já ia em meio e o comitê do Pentágono preparou-se para entrar nas limusines que os levariam a Nelhs, e depois ao avião para Washington.

       Um dos generais estendeu a mão para os fabricantes.

       — Como um homem da divisão de tanques – disse ele –, nunca vi nada tão assustador em toda a minha vida.  Tem meu voto.  A rua Frunze vai ficar doente de preocupação.  Ser caçado por homens é terrível, mas ser caçado por aquele maldito robô...  porra, é um pesadelo.  A última palavra foi de um civil:

       — Cavalheiros, é brilhante.  O melhor sistema RPV de ataque de profundidade, destruidor de tanques, do mundo.  Mas devo dizer: se esse tratado de Nantucket for efetivado, acho que jamais o compraremos.

       Cobb, Moir e Salkind, no carro que os levou de volta a Las Vegas, compreenderam que Nantucket os ameaçava – bem como a milhares de outros que faziam parte do complexo da indústria de armamentos – com a ruína comercial e pessoal.

       Na véspera de Natal ninguém trabalhava em Alcantara deI Río, mas bebia-se muito e até tarde.  Quando Antonio finalmente fechou o bar, passava de meia-noite.  Alguns fregueses moravam ali mesmo na cidade, outros voltaram de carro ou a pé para as casas espalhadas nas encostas das colinas.  Por isso José Francisco, chamado de Pablo, passava devagar pela casa do estrangeiro alto, feliz, sem sentir dor alguma, apenas um peso na bexiga.  Sentindo que não podia seguir caminho sem se aliviar, virou para o muro de pedra do pátio onde estava o minijipe Seat Terra, abriu o zíper da calça e concentrou-se no segundo grande prazer solitário do homem.  Lá em cima, na casa, o homem alto dormia e mais uma vez teve o pesadelo que o havia levado àquela cidadezinha.

       Encharcado de suor, reviveu tudo pela centésima vez.  Sem acordar, abriu a boca e gritou "NÃO...  não...!"

       Lá embaixo, Pablo ergueu um pé e caiu de costas na estrada, molhando sua melhor calça de domingo.  Então, levantou-se e correu, a urina descendo pelas pernas, o zíper ainda aberto, seu membro exposto ao ar fresco.  Se o estrangeiro grande e forte ia ficar violento, então ele, José Francisco Echevaria, pela graça de Deus, não pretendia ficar por perto.  O homem era delicado e falava bem o espanhol, mas havia alguma coisa estranha nele.

       Em meados de janeiro, um jovem estudante pedalava sua bicicleta pela St.  Giles Street, na velha cidade britânica de Oxford, pensando no encontro que teria com o novo tutor e feliz com seu primeiro dia no Balliol College.  Vestia calça de veludo grosso e jaqueta acolchoada com capuz, o bastante para se proteger contra o frio, mas fizera questão de usar, por cima da roupa, a capa negra de calouro da Universidade de Oxford.  A capa tatalava ao vento.  Mais tarde saberia que a maioria dos calouros não a usava, a não ser para as refeições no Hall.  Mas, como calouro, orgulhava-se muito dela.  Teria preferido morar na universidade, mas sua família alugara para ele uma grande casa com sete quartos, numa transversal da Woodstock Road.  Passou pelo Martyr's Memorial e entrou na Magdalen Street.

       Atrás dele parou uma caminhonete que o seguia sem que ele tivesse notado.  Havia três homens dentro dela, dois na frente e um atrás.  Este último inclinou-se para a frente.

       — A Magdalen é de acesso restrito.  Não são permitidos automóveis.  Você deve continuar a pé.

       O homem no banco do passageiro praguejou em voz baixa e desceu do carro.  Com passo rápido, abriu caminho entre os transeuntes, sem perder de vista o rapaz da bicicleta.  Por ordem do homem no banco traseiro, o carro virou para a direita, entrando na Beaumont Street, depois à esquerda, na George Street.  Parou ao chegar na outra extremidade da Magdalen no momento exato em que o ciclista apareceu.  O estudante apeou da bicicleta na Broad Street, no outro lado do cruzamento, e o carro continuou parado.  O terceiro homem apareceu no fim da Magdalen, o rosto vermelho por causa do vento.  Olhou em volta, viu o carro e dirigiu-se a ele.

       — Maldita cidade! – observou ele.  – Cheia de ruas de mão única e áreas proibidas para carros!

       O homem no banco traseiro deu uma risada abafada.

       — Por isso os estudantes usam bicicletas.  Talvez fosse melhor arranjarmos uma.

       — Continue vigiando – disse o motorista, sério.

       O homem ao seu lado calou-se e ajeitou a arma que trazia sob o braço, o estudante com a bicicleta observava uma cruz de pedra no meio da Broad Street.  Seu guia turístico dizia que naquele lugar, em 1555, dois "bispos, Latimer e Ridley, haviam sido queimados por ordem da católica rainha Maria I.  Quando as chamas o atingiram, o bispo Latimer disse em voz alta para seu companheiro de martírio: "Acalme-se, Ridley, e comporte-se como um homem.  Hoje, pela graça de Deus, acenderemos uma vela na Inglaterra que jamais será apagada."

       Ele queria dizer a vela da religião protestante, mas a resposta do bispo Ridley não foi registrada porque ele já estava em chamas.  Um ano depois, no mesmo lugar, em 1556, o arcebispo Cranmer teve o mesmo destino.  As chamas da pira chamuscaram a porta do Balliol Colle e a poucos metros de distância.  Mais tarde, a porta foi retirada e instalada na entrada do Quadrilátero interior, onde as marcas do fogo são perfeitamente visíveis ate hoje.

       — Alô – disse alguém ao lado do rapaz alto e magro.  Era uma moça pequena, com olhos escuros e brilhantes e gorducha como uma perdiz.  – Sou Jenny.  Acho que temos o mesmo professor.

       O calouro de 21 anos, que estava em Oxford no programa de Um Ano de Estudo no Estrangeiro, após dois anos em Yale, sorriu para ela.

       — Oi, sou Simon.

       Entraram na universidade sob o arco, ele empurrando a bicicleta.

       No dia anterior ele tinha ido à universidade para conhecer o Mestre, mas de carro.  No meio da entrada, ainda sob o arco, foram interceptados pela figura amistosa mas implacável de Tim Ward-Barber.

       — Novo na universidade, certo, senhor? – ele perguntou.  – Bem, sim – disse Simon.  – Primeiro dia, eu acho.

       — Ótimo, então, trate de aprender a primeira regra da vida aqui.   Nunca, em nenhuma circunstância, mesmo bêbados, dopados ou sonolentos, carregamos, empurramos ou pedalamos nossas bicicletas sob o arco na direção do Quadrilátero.  Encoste sua bicicleta na parede junto com as outras, por favor.

       Nas universidades há chanceleres, diretores, mestres, bedéis, deões, secretários, professores, leitores, companheiros e outros, numa imensa variedade de hierarquia.  Mas o chefe dos porteiros é definitivamente importante.  Como suboficial do 16º dos Lanceiros, Tim tinha enfrentado alguns soldados no seu tempo.  Quando os dois voltaram, fez um gesto afirmativo com ar benigno e disse:

       — Acho que estão com o Dr. Keen, no canto do Quadrilátero, no alto da escada.

       Quando chegaram à sala do professor de história medieval, atulhada de livros e papéis, apresentaram-se, Jenny chamando-o de "professor" e Simon de "senhor" .  O Dr.  Keen sorriu, olhando para os dois por cima dos óculos.

       — Muito bem – disse ele alegremente.  – Duas coisas, e só duas, eu não permito.  Uma é desperdiçar seu tempo e o meu, a outra é me chamar de senhor. Dr. Keen é ótimo, depois passamos para Maurice.  A propósito, Jenny, também não sou professor. Professores têm cadeiras e, como pode ver, eu não tenho, pelo menos não decentes.   Com um gesto mostrou a coleção de móveis semidestruídos e pediu que ficassem à vontade.  Simon escolheu uma Queen Anne sem pernas, sentando-se a poucos centímetros do chão, e juntos começaram a falar sobre Jan Hus e a revolução dos hussitas na Boêmia medieval.

       Simon deu um largo sorriso.  Sabia que ia gostar de Oxford.  Quinze dias mais tarde, por pura coincidência, Cyrus Miller sentou-se ao lado de Lionel Cobb num jantar para levantamento de fundos, em Austin, Texas.  Ele detestava esses jantares e geralmente os evitava.  Esse era para um político local e Miller sabia que devia se fazer notar no mundo da política, junto aos que lhe poderiam ser úteis algum dia.  Dispunha-se a ignorar o homem ao seu lado, pois ele não estava no negócio de petróleo, até o momento em que Cobb deixou claro que se opunha ao tratado de Nantucket e ao homem por trás dele: John Cormack.

       — Aquele maldito tratado precisa ser impedido – disse Cobb.  – É preciso que o Congresso se recuse a ratificá-Io.

       As últimas notícias diziam que o tratado estava nos estágios finais de preparação.  Seria assinado pelos embaixadores dos dois países, em Washington e em Moscou.  Em abril seria ratificado pelo Comitê Central, em Moscou; em outubro, após o recesso de verão, seria apresentado ao Congresso, antes do fim do ano.

       — Acha que o Congresso vai recusar? perguntou Miller, cauteloso.  O industrial da Defesa olhou sombriamente para seu quinto copo de bebida.

       — Não – disse ele.  – A verdade é que o desarmamento sempre é do agrado do povo e, apesar de tudo, Cormack tem carisma e popularidade suficientes para levar adiante o tratado, usando apenas a força da sua personalidade.  Não suporto o cara, mas é um fato.

       Miller admirou o realismo do homem.

       — Conhece os termos do tratado? – perguntou.

       — O suficiente – disse Cobb.  – Determina o corte de dezenas de bilhões nas armas defensivas.  Nos dois lados da Cortina de Ferro.

       Falam em quarenta por cento...  bilateral, é claro.

       — Muitas pessoas pensam como você? – perguntou Miller. Cobb estava bêbado demais para acompanhar a linha do interrogatório.

       — Só a indústria da Defesa, toda ela – disse, cabisbaixo.  – Prevemos o fechamento de várias indústrias com perdas totais, pessoais e comerciais.

       — Humm...  É uma pena que Michael Odell não seja nosso presidente – disse Miller.

       O homem da Zodiac Inc.  deu uma risada áspera.

       — Oh, que sonho! Todos sabem que ele é contra esses cortes.  Mas vai continuar como vice e Cormack como presidente.

       — Será mesmo? – perguntou Miller em voz baixa.

       Na última semana do mês, Cobb, Moir e Salkind foram convidados por Miller para jantar com ele e Scanlon numa suíte luxuosa do Hotel Remington, em Houston.  Tomando conhaque e café, Miller conduziu a conversa para a possibilidade de uma longa permanência de John Cormack na Casa Branca.

       — Ele tem de sair – disse MiIler.

       Os outros concordaram, balançando as cabeças afirmativamente.

       — Não quero me envolver com assassinato – disse Salkind apressadamente.  – De qualquer modo, devemos nos lembrar de Kennedy.

       O efeito de sua morte foi o envio ao Congresso de todos os itens da legislação dos direitos civis que Kennedy não conseguiu fazer passar.

       Totalmente contraproducente.  E foi Johnson, por incrível que pareça, quem transformou tudo em lei.

       — Concordo – disse Miller. – Esse curso de ação é inconcebível.  Mas deve haver um meio de obrigá-Io a renunciar.

       — Diga um – desafiou Moir. – Como se pode provocar uma coisa dessas? O homem é à prova de fogo.  Não existem escândalos na sua vida.  O partido tratou de se certificar disso antes de escolher Cormack como candidato.

       — Deve haver alguma coisa – insistiu Miller. – Algum ponto fraco.  Nós temos a determinação, os contatos, o dinheiro.  Precisamos de alguém para elaborar um plano.

       — Que talo nosso homem, o coronel? – perguntou Scanlon.  Miller balançou a cabeça.

       — Ele sempre vai considerar qualquer presidente dos Estados Unidos seu comandante-em-chefe.  Não, outro homem...  que deve estar em algum lugar...

       O que Miller pretendia encontrar era um renegado.  Astuto, cruel, inteligente e leal apenas ao dinheiro.

      

       1991

       MARÇO

       A penitenciária federal EI Reno, oficialmente chamada "Instituto Criminal Federal", fica a cinqüenta quilômetros a noroeste de Oklahoma City.  Seu regime é um dos mais severos de todas as prisões da América, o que chamam, na gíria criminal, uma "cana dura".  Na madrugada fria, em meados de março, uma pequena porta foi aberta no meio do portão principal e um homem passou por ela, saindo da prisão.

       Estatura mediana, gordo, com a palidez da prisão, sem dinheiro e com muita amargura, o homem olhou em volta, viu pouca coisa (não havia muito para ver) e começou a caminhar na direção da cidade.  Na torre da guarda, olhos invisíveis para ele o observaram meio desinteressados durante algum tempo, depois voltaram-se para outro lado.  Outros olhos, dentro de um carro estacionado, o observavam com muito maior atenção.  A limusine estava a uma distância discreta do portão principal, o suficiente para que sua placa não pudesse ser vista.  O homem que olhava pelo vidro traseiro do carro abaixou o binóculo e disse em voz baixa:

       — Está vindo para cá.

       Dez minutos depois, o homem gordo passou pelo carro, olhou para ele e continuou a andar. Mas era um profissional treinado e suas antenas de alarme foram ativadas.  Estava a uns cem metros do carro quando o motor foi ligado e a limusine parou ao lado dele.  Um homem jovem, atlético, atraente, desceu para a calçada.

       — Sr. Moss?

       — Quem quer saber?

       — Meu patrão.  Ele quer falar com o senhor.

       — Não tem nome, talvez? – disse o homem gordo.

       O outro sorriu.

       — Ainda não, senhor. Mas temos um carro aquecido, um avião particular, e não lhe faremos nenhum mal.  Vamos falar francamente, Sr. Moss: tem algum lugar para ficar?

       Moss pensou.  O carro e o homem não cheiravam à Companhia (CIA) nem ao Bureau (FBI), seus inimigos figadais.  E, não, não tinha para onde ir. Entrou para o banco traseiro, o jovem sentou-se ao seu lado e a limusine seguiu não para Oklahoma City, mas para o aeroporto Wiley Post, a noroeste.

       Em 1966, com 25 anos, Irving Moss era um agente subalterno (OS 12) da CIA, recém-chegado dos Estados Unidos, membro do programa Fênix da CIA no Vietnã.  Naquele tempo as Forças Especiais, os Boinas-Verdes, começavam a entregar seu programa até então bem sucedido de corações-e-mentes no delta do Mekong ao exército vietnamita, que preferia persuadir os camponeses a não dar ajuda aos vietcongues, com métodos menos hábeis e menos humanos.  O pessoal do Fênix devia trabalhar em conjunto com o Exército sul-vietnamita, enquanto os Boinas-Verdes ocupavam-se cada vez mais das missões de procura e destruição, geralmente, levando ao Exército sul-vietnamita prisioneiros ou meros suspeitos para interrogatório, sob a proteção do pessoal do Fênix.  Foi quando Moss descobriu seu gosto secreto e seu verdadeiro talento.

       Quando jovem preocupara-se com sua falta de sexualidade, e lembrava com amargura as zombarias de que fora alvo na adolescência.  Intrigava-o porém o fato de que, nos anos cinqüenta, uma época de relativa inocência entre os adolescentes, ficava imediatamente excitado quando ouvia um grito humano.  Para um homem desse tipo, as selvas discretas e indiferentes do Vietnã eram uma verdadeira caverna de Aladim repleta de prazeres.  Sozinho com sua unidade vietnamita de retaguarda, conseguiu o posto de principal interrogador dos suspeitos, ajudado por dois cabos sul-vietnamitas iguais a ele.

       Foram três anos maravilhosos para Moss, que terminaram certo dia, em 1969, quando um sargento dos Boinas-Verdes, alto e forte, saiu inesperadamente da selva, o sangue escorrendo do seu braço esquerdo, enviado por seu comandante para ser socorrido na retaguarda.  O jovem guerreiro olhou por alguns segundos para o trabalho de Moss, voltou-se sem uma palavra e amassou com um direto certeiro o nariz do interrogador. Os médicos em Danang fizeram o melhor possível, os ossos do septo estavam tão amassados que Moss teve de ir para o Japão.  Mesmo assim, a cirurgia plástica só conseguiu um nariz largo e achatado, e o interior estava tão avariado que até agora ele respirava sibilando asperamente, em especial quando ficava nervoso.

       Moss nunca mais viu o sargento, mas o caso não foi comunicado oficialmente.  Moss conseguiu encobrir tudo e continuou com a Agência.  Até 1983.  Nesse ano, muito promovido, participou da organização do movimento dos contras em Honduras, supervisionando uma série de campos na selva, em toda a fronteira com a Nicarágua, de onde os contras, muitos deles ex-funcionários do governo despótico do ditador Somoza, realizavam missões esporádicas na terra que antes haviam governado.  Certo dia, um desses grupos voltou com um garoto de treze anos, não-sandinista, apenas um camponês.

       O interrogatório foi feito numa clareira, na selva, a quatrocentos metros do acampamento dos contras, mas no ar quente e parado os gritos ensandecidos do garoto podiam ser ouvidos perfeitamente.  Ninguém dormiu.  Nas primeiras horas da manhã, o silêncio chegou afinal.  Moss voltou para o campo como se estivesse dopado, atirou-se na cama e mergulhou num sono profundo.  Dois comandantes nicaragüenses saíram em silêncio, entraram na selva, voltaram vinte minutos depois e pediram uma entrevista com o comandante.  O coronel Rivas os recebeu em sua tenda, onde redigia relatórios à luz do sibilante lampião Petromax.  Os dois guerrilheiros conversaram com ele por alguns minutos.

       — Não podemos trabalhar com esse homem – concluiu o primeiro.  – Falamos com os rapazes.  Eles concordam, coronel.

       — Es un malsano – disse o outro.  – Un animal.

       O coronel Rivas suspirou.  Fora membro do esquadrão da morte de Somoza e muitas vezes arrastara da cama alguns sindicalistas e descontentes.  Presenciara algumas execuções, participara de outras.  Mas crianças...  Pegou o rádio.  Não queria se expor a um motim ou a uma deserção em massa.  Logo após o nascer do sol, o helicóptero militar americano desceu no seu campo e dele saiu um homem moreno e atarracado, o novo chefe designado pela CIA para a Seção da América Latina, que fazia uma viagem de reconhecimento na região da qual era encarregado.  Rivas acompanhou o americano ao local do interrogatório e minutos depois estavam de volta. 

       Moss acordou com alguém chutando o pé da sua cama de campanha.  Ergueu os olhos e viu um homem de uniforme verde de combate olhando para ele.

       — Moss, você está fora – disse o homem.  – Quem, diabo, é você? – perguntou Moss.  O homem disse.

       — Um deles – replicou Moss com desprezo.

       — Certo, um deles.  E você está fora.  Fora de Honduras e fora da Agência.  – Mostrou um papel.

       — Isto não é de Langley – protestou Moss.

       — Não – disse o homem.  – Vem de mim mesmo.  Eu venho de Langley.  Pegue suas coisas e suba naquele helicóptero.

       Trinta minutos depois, David Weintraub observou o helicóptero levantar vôo para o céu matinal.  Em Tegucigalpa, Moss foi recebido pelo chefe do posto, frio e formal, que o acompanhou até o avião para Miami e Washington.  Moss nem voltou a Langley.  No aeroporto Nacional de Washington, recebeu seus papéis e a ordem de desaparecer. Durante cinco anos, sempre muito requisitado, trabalhou para diversos ditadores, cada vez menos suportáveis, no Oriente Médio e na América Central, e então começou a organizar o tráfico de drogas para Noriega, do Panamá.  Um grande erro.  A agência antidrogas dos Estados Unidos pôs seu nome na lista dos alvos principais.

       Em 1988, Moss passava pelo aeroporto de Heathrow, em Londres, quando os britânicos guardiães da lei, com sua habitual cortesia, o convidaram para uma conversa particular. A "conversa" era sobre uma metralhadora encontrada em sua mala.  As providências normais de extradição foram tomadas com inusitada rapidez, e três semanas depois Moss desembarcava em solo americano.  Foi julgado e condenado a três anos.  Como réu primário podia ter sido enviado para uma penitenciária menos severa.  Mas enquanto esperava a sentença, dois homens haviam almoçado discretamente no exclusivo Metropolitan Club, em Washington.

       Um era atarracado e chamava-se Weintraub, agora diretora assistente de Operações da CIA.  O outro era Oliver "Buck" Revell, um enorme ex-aviador naval e agora diretor-assistente executivo (Investigações) do FBI.  Fora também um grande jogador de futebol americano na juventude, mas não por tempo suficiente para que amassassem seu cérebro.  Muita gente no prédio Hoover garantia que ele ainda funcionava muito bem.  Quando Revell terminou seu bife, Weintraub mostrou-lhe uma pasta e algumas fotografias.  Revell fechou a pasta e disse simplesmente:

       — Compreendo.  Mas sem que outros compreendessem, Moss pagou sua sentença em EI Reno, entre os mais cruéis assassinos, estupradores e extorsionários que cumpriam sentenças naquela época.  Quando saiu, tinha um ódio patológico pela CIA, pelo FBI, pelos britânicos...  e isso apenas para começar.

       No aeroporto de Wiley Post, a limusine cruzou o portão principal sem nenhuma formalidade e parou perto de um Learjet.  Além do número de registro, que Moss memorizou imediatamente, o aparelho não tinha logotipo.  Em vinte minutos estava no ar, na direção sul, levemenente a oeste.  Moss sabia a direção exata orientando-se pelo sol matinal.   Ele sabia que estavam indo para o Texas.

       Nos arredores de Austin, onde começa o que os texanos chamam de Hill Country, o dono da Pan-Global tinha sua casa de campo, um rancho de seis mil hectares no sopé das montanhas.  A mansão dava para sudeste com vistas panorâmicas da grande planície texana até a distante Galveston e o golfo.  Além de alojamentos para empregados, casas de hóspedes, piscina e estande de tiro, a propriedade possuía uma pista de pouso particular, onde o Learjet aterrissou antes do meio-dia.

       Moss foi conduzido a um bangalô de jacarandá, deram-lhe meia hora para tomar banho, fazer a barba e mudar de roupa.  Depois o levaram para a mansão, para um escritório fresco com móveis forrados de couro.  Dois minutos depois, estava diante de um homem alto, idoso, de cabelos brancos.

       — Sr. Moss? – disse o homem.  – Sr. Irving Moss?

       — Sim, senhor – respondeu Moss.  Farejava dinheiro, muito dinheiro.

       — Meu nome é Miller – disse o homem.  – Cyrus V.  Miller.

      

       ABRIL

       A reunião foi na Sala do Gabinete, na extremidade do corredor, depois da sala do secretário particular, ao lado do Salão Oval.  Como outras pessoas, o presidente Cormack surpreendeu-se com o tamanho exíguo do Salão Oval na primeira vez em que alí entrou.  A Sala do Gabinete, com a mesa octogonal sob o retrato de George Washington feito por Stuart, tinha mais espaço para espalhar papéis e apoiar os cotovelos.

       Naquela manhã, John Cormack convidou seu gabinete interno de amigos íntimos e conselheiros de confiança para estudar a redação final do tratado de Nantucket.  Os detalhes estavam resolvidos, os procedimentos de verificação checados, os especialistas haviam colaborado relutantemente – ou não concordado, no caso de dois generais e três funcionários do Pentágono que haviam se demitido –, mas Cormack queria a última palavra da sua equipe interna.

       Cormack estava com sessenta anos, no auge dos seus poderes intelectuais e políticos, abertamente desfrutando a popularidade e a autoridade de um cargo que jamais esperara alcançar. Quando houve a crise no Partido Republicano, no verão de 1988, o diretório procurou alguém para apresentar como candidato.  Encontraram aquele representante de Connecticut no Congresso, de família rica e tradicional da Nova Inglaterra, que havia colocado o dinheiro da família numa série de fundos de investimento para lecionar na Universidade de Cornell, até entrar para a política como representante de Connecticut, com quase quarenta anos.

       Pertencendo à ala liberal do partido, John Cormack era praticamente desconhecido no país.  Os amigos íntimos sabiam que era um homem decidido, honesto e humano, e garantiram ao diretório do partido que estava "limpo" como a neve.  Não era conhecido na televisão – agora um atributo indispensável para qualquer candidato – mas mesmo assim o escolheram.  Para a imprensa ele era um candidato sem chances.  Então, após quatro meses de campanha improvisada, o desconhecido inverteu as coisas.  Deixando de lado a tradição, ele olhava diretamente para a câmara e dava respostas diretas a todas as perguntas, o que sempre foi considerado como a melhor receita para o desastre.  Chegou a ofender alguns – quase todos da direita –, mas, de qualquer modo, não tinham candidato melhor em quem votar. Contudo, havia agradado muitos outros mais.  Protestante, com um nome típico do Ulster, insistiu, como condição para aceitar a candidatura, em escolher o vice-presidente, Michael Odell, um legítimo irlandês americano, e católíco, do Texas.

       Eram completamente diferentes.  Odell pendia muito mais para a direita do que Cormack e fora governador do seu estado.  Cormack, porém, gostava e confiava no mascador de chiclete de Waco.  A chapa deu certo.  Os eleitores elegeram, por pequena margem, o homem que a imprensa (erroneamente) gostava de comparar a Woodrow Wilson, o último professor/presidente da América, e seu companheiro de chapa, que disse abertamente para Dan Rather, com seu sotaque acentuado de texano:

       — Nem sempre concordo com meu amigo John Cormack, mas, que diabo, isto é a América, e eu amasso qualquer um que disser que ele não tem o direito de dizer o que pensa.

       E a coisa funcionou.  A combinação do homem direto da Nova Inglaterra, de fala decidida e persuasiva, com o homem típico do sudoeste conquistou os votos dos hispano-americanos e dos irlandeses e os levou à vitória.  Desde a sua posse, Cormack deliberadamente incluía Odell nas tomadas de decisão do mais alto nível.  Agora sentavam se frente a frente para discutir os itens do tratado que, Cormack sabia, Odell não aprovava.  Dos dois lados do presidente estavam quatro outros amigos íntimos: Jim Donaldson, secretário de Estado, Bill Walters, secretário da Justiça, Hubert Reed, do Tesouro, e Morton Stannard, da Defesa.

       Nos dois lados de Odell estavam Brad Johnson, um talentoso negro do Missouri, que fizera palestras sobre defesa na Universidade cornell e era agora conselheiro da Segurança Nacional e Lee Alexander, diretor da CIA, que havia substituído o juiz Bill Webster poucos meses depois de Cormack tomar posse.  Ele estava presente porque se os soviéticos violassem algum dos termos do tratado, a América precisaria ser informada rapidamente através dos seus satélites e do serviço de espionagem em posicionamento em terra.

       Os oito homens liam os termos finais do tratado, convencidos de que era um dos acordos mais controvertidos que os Estados Unidos jamais haviam assinado.  Já havia uma vigorosa oposição da direita e das indústrias orientadas para a defesa.  Em 1988, no governo Reagan, o Pentágono concordara com o corte de 33 bilhões de dólares de gastos para produzir um orçamento da defesa num total de 299 bilhões.

       Para os anos fiscais de 1990 até 1994, todos os departamentos receberam ordem de cortar as despesas planejadas em 37,1 bilhões de dólares, 41,3 bilhões, 45,3 bilhões e 50,7 bilhões, respectivamente.  Mas isso apenas limitaria o crescimento das despesas em 2% ao ano.  O tratado de Nantucket previa grandes decréscimos nos gastos com defesa, e se os cortes anteriores haviam provocado problemas, Natucket ia provocar um verdadeiro furor.

       A diferença era que, como acentuava Cormack repetidamente, os cortes anteriores no crescimento da despesa não haviam sido planejados devido a cortes correspondentes na URSS.  Em Nantucket, Moscou concordara com uma redução sem precedentes nas suas forças.  Além disso, Cormack sabia que as superpotências tinham pouca escolha.  Desde a posse, ele e Reed vinham lutando contra o crescimento em espiral do orçamento e com os déficits comerciais.  Caminhavam para uma situação incontrolável que ameaçava a prosperidade não só dos Estados Unidos, mas de todo o Ocidente.  As análises dos especialistas informavam que a URSS estava nas mesmas condições, por motivos diferentes, e Cormack expôs a situação diretamente a Mikhail Gorbachev.  Eu preciso cortar as despesas e você precisa diversificar.

       O russo encarregou-se do resto dos países do Pacto de Varsóvia; Cormack convenceu a OTAN, primeiro os alemães, depois os italianos, os membros menores e finalmente os britânicos.  Estes eram os termos gerais do tratado:

       Terra.  A URSS concorda em reduzir seu contingente atual na Alemanha Oriental, a força potencial de invasão na direção ocidental na planície central da Alemanha, à metade das suas 21 divisões de combate em todas as categorias.  Não serão dispersadas, mas retiradas para além da fronteira russo-polonesa e não voltarão para o Ocidente.   São todas divisões de primeira categoria.  Acima de tudo, a URSS reduzirá o número de homens de todo o Exército em 40% do número atual.  Comentários, pediu o presidente.  Stannard, do Pentágono, que compreensivelmente tinha as maiores reservas contra o tratado – a Imprensa já havia insinuado sua demissão – ergueu os olhos.

       — Para os soviéticos esta é a essência do tratado, porque o Exército é seu serviço principal – disse ele, citando diretamente o presidente da Junta de Chefes do Estado-Maior, mas sem admitir a citação.  – Para o homem comum parece fantástico.  Na Alemanha Ocidental todos pensam assim.  Mas não é tão bom quanto parece.

       "Para começar, a URSS não pode manter suas atuais 177 divisões de linha sem fazer uso extensivo dos grupos étnicos do Sul, isto é, os muçulmanos, e sabemos que estão ansiosos para se livrar deles.   Além disso, o que assusta realmente nossos planejadores não é o poderoso Exército soviético; é um exército com a metade do tamanho mas profissionalizado.  Um pequeno exército profissional é muito mais eficiente do que um grande número de homens semi-idiotas, que é exatamente o que eles têm agora.

       — Mas se voltarem para dentro da URSS – opinou Johnson não podem atacar a Alemanha Ocidental.  Lee, se as tropas se movimentarem via Polônia para a Alemanha Oriental, é possível que não tomemos conhecimento dessa manobra?

       — Não – disse o chefe da CIA com autoridade.  – Além dos satélites, que podem ser enganados por caminhões e trens cobertos, nós e os britânicos temos outros meios para descobrir qualquer movimento de tropas na Polônia.  Que diabo, os alemães orientais também não querem que sua região se transforme em zona de guerra.  Provavelmente eles mesmos nos contariam.

       — Muito bem, e nós, do que desistimos? – perguntou Odell.  Johnson respondeu.

       — De alguns homens, não muitos.  Os russos retiram dez divisões com quinze mil homens cada uma.  Nós temos 326 mil homens na Europa Ocidental.  Reduzimos para menos de trezentos mil pela primeira vez, desde 1945.  A 25 mil nossos contra 150 mil deles, a proporção ainda está a nosso favor. Seis para um, e estávamos com quatro para um. 

       — Sim – disse Stannard –, mas temos de concordar também em não ativar nossas duas novas divisões pesadas, uma de carros blindados, a outra de infantaria mecanizada.

       — Economia de custos, Hubert? – perguntou o presidente, com voz calma.

       Costumava deixar que os outros falassem, ouvia com atenção, fazia alguns comentários sucintos e pertinentes e então decidia.  O secretário do Tesouro apoiava o tratado de Nantucket.  Facilitaria muito o balanço dos seus livros.

       — Três vírgula cinco bilhões a divisão blindada, 3,4 bilhões a infantaria – disse ele –, mas são apenas custos iniciais.  Depois disso, economizaremos trezentos milhões de dólares por ano em custos correntes.  E agora que a fabricação do Despot está parada, outros dezessete bilhões de dólares correspondentes às trezentas unidades projetadas.

       — Mas o Despot é o melhor sistema destruidor de tanques do mundo – protestou Stannard.  – Diabo, precisamos dele!

       — Para destruir tanques que foram recuados para leste de Brest-Litovsky? – perguntou Johnson.  – Se reduzirem à metade os tanques que têm na Alemanha Oriental, podemos detê-Ios com o que já que os aviões A-10 e as unidades terrestres de tanques.  Além disso, podemos construir mais defesas estacionárias com parte do que economizaremos.  Isso é permitido pelo tratado.

       — Os europeus gostam da idéia – disse Donaldson, do Departamento de Estado, com voz tranqüila.  – Não precisam reduzir o número de homens, mas verão as divisões soviéticas desaparecerem da frente dos seus olhos.  Parece-me que ganhamos terreno.

       — Consideremos uma batalha naval – sugeriu Cormack.

       A URSS concordava em destruir, sob supervisão, metade da sua frota de submarinos; todos seus submarinos atômicos das classes Hotel, Eco e Novembro, e todos os movidos a motor elétrico-diesel, das classes Julieta, Foxtrot, Whiskey, Romeu e Zulu.  Mas, como Stannard acentuou, esses submarinos nucleares já estavam obsoletos e não ofereciam segurança, com vazamentos constantes de nêutrons e raios gama, e os outros eram de desenho muito antigo.  Depois disso, os russos podiam concentrar seus recursos e seus melhores homens nos Sierra, Mike e Akula, muito melhores tecnicamente, e portanto mais perigosos.

       Contudo, ele concordava que 158 submarinos era uma grande quantidade de metal e que os alvos de guerra anti-submarina da América seriam drasticamente reduzidos, simplificando o trabalho de conduzir comboios até a Europa se a coisa viesse a estourar um dia.

       Todos sabiam que os submarinos a ser destruídos eram do tipo de ataque antinavios.  Os submarinos equipados com mísseis, os boomers, não eram mencionados no tratado, em parte porque armas nucleares constavam dos termos do tratado das forças nucleares, de 1989, sucessor do tratado INF de 1988, e em parte porque os boomers da Rússia não eram "sérios", na linguagem do Departamento da Marinha.  O armamento nuclear da Rússia sempre foi especialmente terrestre por uma razão muito russa.  A Grã-Bretanha e a América deixam seus capitães de submarinos navegar de um lado para o outro durante meses e meses, sem se identificar nem informar sobre sua posição.  Confiam nos capitães.  Apesar da presença a bordo dos submarinos dos seus controladores políticos, os detestados zampolitis, Moscou não ousa fazer isso.  Assim, a cada 24 horas os submarinos russos levantam uma antena e gritam: "Estamos aqui, mamãe." Os americanos, agradecidos, anotam a posição e o perseguem.

       Finalmente, Moscou concordava em destruir o primeiro dos quatro aviões de transporte Kiev, já construído, e desistir da fabricação – uma concessão de pouca importância, já que os Kiev eram caros demais para serem mantidos.

       O item mais dispendioso em qualquer orçamento de guerra é o do grupo de transporte.  Começa com um transporte de quatro bilhões de dólares, subindo para oitenta aviões a trinta milhões, quarenta milhões para sistemas de armamentos, isso o preço de cada um.  Vem então uma verdadeira tela protetora formada por destróieres equipados com mísseis, fragatas e helicópteros anti—submarinos, além de submarinos de ataque e detectores de submarinos Orion P—3, formando um círculo mais extenso.  Pelo tratado de Nantucket, os Estados Unidos poderiam conservar os navios de transportes recém-lançados, Abraham Lincoln e George Washington, mas teriam de se desfazer do Midway e do Coral Sea (já condenado, mas com sua destruição adiada para que entrasse no tratado), mais os segundos em idade, o Forrestal e o Saratoga, com suas duas alas de pouso.  Essas alas, uma vez desativadas, exigiriam três ou quatro anos para voltar a condições de combate.

       — Os russos vão dizer que eliminaram dezoito por cento de nossa possibilidade de ataque à sua terra natal – resmungou Stannard – e desfizeram-se de apenas 158 submarinos, que, de qualquer modo, eram de manutenção muito cara.

       Mas o Gabinete, verificando aquela economia de um mínimo de vinte bilhões de dólares por ano, metade em pessoal, metade em material, concordava com os cortes na Marinha, contra a oposição de Odell e Stannard.  O ponto-chave era a Força Aérea.  Cormack sabia que para Gorbachev era a questão crucial.  No total, a América saía ganhando em terra e no mar, uma vez que não pretendia ser a agressora, queria apenas garantir que a URSS não a agredisse.  Mas, ao contrário de Stannard e Odell, Cormack e Donaldson sabiam que muitos cidadãos soviéticos acreditavam que algum dia o Ocidente se lançaria sobre a Mãe-Pátria, incluindo seus líderes.

       Nos termos do acordo de Nantucket, o Ocidente interromperia a fabricação do avião de combate TFX, ou F—18, e o projeto conjunto do avião de caça de função múltipla, europeu, para a Itália, Alemanha Ocidental, Espanha e Grã-Bretanha.  Moscou interromperia a fabricação do Mig-33.  Eliminaria também o Blackjack, a versão Tupolev do bombardeiro americano B—1 e 50% dos seus aviões-tanques, reduzindo maciçamente a ameaça aérea ao Ocidente.

       — Como saberemos que não vão construir o Backfire em outro lugar? – perguntou Odell.

       — Teremos inspetores oficiais na fábrica Tupolev – disse Cormack.  – Dificilmente poderão construir outra fábrica Tupolev em outro lugar.  Certo, Lee?

       — Certo, Sr. Presidente – disse o diretor da CIA.  Depois de uma pausa, continuou: – Além disso, temos homens na diretoria da Tupolev.

       — Ah – observou Donaldson, impressionado.  – Como diplomata, não quero saber.

       Os outros sorriram.  Todos sabiam que Donaldson era muito austero.  O presidente Cormack era tradicionalista no que dizia respeito ao tratamento entre membros do governo.  Não gostava do uso dos nomes de batismo nos primeiros encontros.  Chamava pelo primeiro nome os seus colegas do Gabinete, mas todos o tratavam de Sr. Presidente.   Em particular, apenas Odell, Reed, Donaldson e Walters podiam chamá-Io de John.  Ele os conhecia há muito tempo.

       O maior inconveniente para a América nos termos do acordo relativo à Força Aérea era o abandono do bombardeiro "Stealth" B—2A, um avião de potencial revolucionário, construído para não ser detectado pelo radar e para atirar suas bombas onde e quando quisesse.  Os russos estavam muito assustados com ele.  Para Mikhail Gorbachev, era a única concessão dos Estados Unidos que, se negada, impediria a ratificação do tratado de Nantucket.  Tornava desnecessária também a despesa de um mínimo de trezentos bilhões de rublos para a reconstrução do sistema de defesa aérea da URSS, o Voiska-PVO de que tanto se orgulhavam, destinado a detectar qualquer ataque iminente.  Era esse dinheiro que ele queria desviar para a nova indústria e tecnologia do petróleo.

       Para a América, o "Stealth" era um projeto de quarenta bilhões de dólares, o que representava uma grande economia, mas seu cancelamento custaria cinqüenta mil empregos na indústria de armamentos e parte do dinheiro economizado teria de ser usada para a criação de novas indústrias para compensar o desequilíbrio social.

            — Talvez seja melhor continuarmos como estamos e levar os sacanas à falência – sugeriu Odell.

            — Michael- disse Cormack delicadamente –, então eles teriam de declarar a guerra.

       Doze horas depois, o gabinete aprovou o acordo de Nantucket e teve início o trabalho cansativo de tentar convencer o Congresso, a indústria, as finanças, a imprensa e o público de que era uma coisa boa.  Isso é democracia.  Cem bilhões de dólares seriam cortados do orçamento da Defesa.

      

       MAIO

       Em meados de maio, os cinco homens que haviam jantado no Remington Hotel em janeiro, por sugestão de MilIer, resolveram formar o Grupo Alamo, em memória dos que, em 1836, haviam lutado pela Independência do Texas no Álamo, contra as forças mexicanas do general Sant'Anna, O projeto para derrubar o reino de Saud foi chamado de plano Bowie, em homenagem ao lutador de faca Jim Bowie, morto no Álamo.  O plano de desestabilização do presidente Cormack através de uma campanha difamadora paga, feita através dos lobbies, da imprensa, do povo e do Congresso, recebeu o nome de plano Crockett, em homenagem a Davy Crockett, pioneiro e combatente dos índios, também morto no Alamo.  Agora estavam reunidos para estudar o relatório de Irving Moss sobre o modo de ferir John Cormack a Ponto de torná-Io suscetível aos pedidos de renúncia do cargo.  Era o plano Travis, nome do comandante do forte Álamo.

            — Certas partes deste relatório me dão arrepios – disse Moss batendo com a mão na pasta.'

            — A mim também – observou Salkind.  – As últimas quatro páginas.  Precisamos ir tão longe?

       — Cavalheiros, amigos – disse Miller com sua voz forte –, compreendo perfeitamente sua preocupação, sua aversão.  Peço porém que considerem o que está em jogo.  Não apenas nós, mas toda a América, corremos perigo mortal.  Viram os termos propostos por aquele judas da Casa Branca.  Retirar todas as defesas da nossa terra para fazer a vontade do anticristo de Moscou.  Esse homem precisa desaparecer antes que destrua este nosso amado país, levando todos à ruína.  Vocês, especialmente, ameaçados de falência total.  E o Sr. Moss garantiu que não haverá necessidade de aplicar o que está descrito nas últimas quatro páginas.  Cormack deixará a presidência antes disso.

       Irving Moss, vestido de branco, estava na outra extremidade da mesa, calado.  Havia certas partes do seu plano que não constavam do relatório, coisas que só podia mencionar particularmente a Miller. Respirou pela boca para evitar o silvo do seu nariz defeituoso.  E então, de repente, Miller espantou a todos.

       — Amigos, vamos procurar a orientação d' Aquele que compreende todas as coisas.  Vamos orar juntos.

       Ben Salkind olhou rapidamente para Lionel Cobb, que se limitou a erguer as sobrancelhas.  Cyrus Miller apoiou as mãos espalmadas sobre a mesa, fechou os olhos e ergueu o rosto para o teto.  Não era homem de abaixar a cabeça, nem mesmo quando falava com o Todo-Poderoso.  Afinal, eram confidentes íntimos.

       — Senhor – disse o magnata do petróleo – , ouvi nossa prece, ouvi os filhos sinceros e leais desta terra gloriosa, vossa criação e confiada à nossa guarda.  Guiai nossas mãos, amparai nossos corações, ensinai—nos a coragem para realizar a tarefa que temos pela frente e que, temos certeza, conta com vossa bênção.  Ajudai—nos a salvar este vosso país escolhido e vosso povo escolhido...      

       Continuou assim por alguns minutos, depois ficou em silêncio durante um tempo.  Quando abaixou a cabeça e olhou para os cinco homens, seus olhos ardentes tinham a convicção do verdadeiro crente.

       — Cavalheiros, Ele falou.  Está Conosco na nossa tarefa.  Devemos prosseguir, não recuar, por nosso país e nosso Deus.

       Os outros não tiveram outra escolha senão concordar com um aceno da cabeça.  Uma hora mais tarde, Irving Moss teve uma conversa particular com Miller, no escritório.   Explicou que havia dois componentes vitais que ele, Moss, não podia arranjar. Um era um objeto complexo de alta tecnologia soviética.  O outro era uma fonte secreta no interior do grupo mais fechado da Casa Branca.  Explicou por quê.  Miller assentiu pensativo.

       — Vou providenciar ambos – disse ele.  – Tem seu orçamento e o pagamento inicial do que vai receber pelo trabalho.  Prossiga com o plano sem demora.

      

       JUNHO

       O coronel Easterhouse foi recebido por Miller na primeira semana de junho.  Estava muito ocupado na Arábia Saudita, mas o chamado era urgente e ele voou de Jeddah para Nova York, via Londres, e tomou a conexão direta para DalIas.  Um carro o esperava no aeroporto e levou-o ao aeroporto particular W.P.  Hobby, a sudeste da cidade, onde embarcou no Learjet que o deixou no rancho que ainda não conhecia.   O relatório do seu trabalho era otimista e foi bem recebido. 

       Podia afirmar que seu contato na Polícia Religiosa ficara entusiasmado com a idéia de uma mudança de governo em Riyad.  Ele havia se comunicado com o imã fugitivo dos xiitas fundamentalistas, após Easterhouse ter-lhe revelado o esconderijo.  O fato de o imã não ter sido traído provava que o seu contato na Polícia Religiosa merecia confiança.

       O imã ouvira a proposta – sem que fossem citados nomes, já que jamais aceitaria se soubesse que cristãos, como Easterhouse, agiriam como instrumentos da vontade de Alá – e também ficara entusiasmado.

       — O caso, Sr. Miller, é que os fanáticos de Hezb'AlIah até agora não se dispuseram a tomar o prêmio óbvio que é a Arábia Saudita, limitando-se à tentativa falha de atacar, dominar e anexar o Iraque.

       Sua paciência deve-se ao temor de que, se procurarem derrubar a Casa de Saud, provocarão uma reação violenta dos Estados Unidos, até agora indecisos.  Sempre acreditaram que, no momento certo, a Arábia Saudita cairá em suas mãos.  Ao que parece, o imã acredita que a próxima primavera...  a festa do jubileu de diamante está agora definitivamente marcada para abril..  será o momento certo escolhido por Alá.

       "Durante as festividades, enormes delegações das 37 tribos principais do país convergirão para Riyad, a fim de prestar homenagem à casa real.  Entre elas estarão as tribos da região de Hasa, os homens que trabalham nos campos de petróleo, quase todos da seita xiita.  Disfarçados entre eles estarão duzentos assassinos escolhidos do imã, desarmados até que suas armas e munição, importadas secretamente Por meio de um dos petroleiros de Scanlon, sejam distribuídas.

       Easterhouse finalmente informou que um importante oficial egípcio – o grupo consultivo dos militares no Egito desempenhava um papel vital em todos os níveis técnicos do Exército saudita – afirmara que, se seu país, com seus milhões de habitantes e pouco dinheiro, tivesse acesso ao petróleo saudita depois do golpe, ele garantiria a entrega da munição defeituosa à guarda real, que ficaria incapacitada de defender seus senhores.  Miller assentiu pensativamente.

       — Bom trabalho, coronel – disse ele e então mudou de assunto: – Diga-me, qual será a reação dos soviéticos a esta tomada da Arábia Saudita pelos americanos?

       — Perturbação extrema, suponho – disse o coronel.

       — O bastante para pôr um fim ao tratado de Nantucket, do qual agora conhecemos todos os termos? – perguntou Miller.

       — Acredito que sim – disse Easterhouse.

       — Que grupo dentro da União Soviética teria mais motivos para se opor a todos os termos do tratado e desejar que seja recusado?

       — O Estado-Maior – disse o coronel sem hesitação.  – A posição dos chefes do Estado-Maior, na URSS, é igual à dos nossos chefes do Estado-Maior e da indústria de defesa reunidos.  O tratado reduzirá em quarenta por cento seu poder, seu prestígio, seu orçamento e seus números.  Evidentemente, não vão gostar disso.

       — Estranhos aliados – murmurou Miller. – Existe algum meio de fazer um contato discreto?

       — Eu...  tenho alguns conhecimentos – disse Easterhouse cautelosamente.

       — Quero que faça uso deles – ordenou Miller. – Diga apenas que interesses poderosos nos Estados Unidos não vêem com bons olhos o tratado de Nantucket, acreditam que possa ser torpedeado no lado americano e gostariam de conversar a respeito.

       O reino da Jordânia não é especialmente a favor dos soviéticos, mas o rei Hussein há muito tempo segue uma estrada perigosa para permanecer no trono, em Amã, e ocasionalmente tem comprado armas dos russos, embora sua legião árabe, a Hashemita, esteja equipada quase que exclusivamente com armas ocidentais.  Contudo, existe uma equipe militar consultiva soviética composta de trinta homens em Amã, liderada pelo adido da Defesa da embaixada russa.  Easterhouse, certa vez, quando assistia a um teste de armamentos soviéticos no deserto, a leste de Aqaba, representando seus patrões sauditas, havia conhecido esse homem.  Quando voltou dos Estados Unidos, Easterhouse fez uma parada em Amã.

       O adido da Defesa, coronel Kutuzov – que Eaterhouse tinha certeza de pertencer ao ORU –, ocupava ainda seu posto e os dois jantaram juntos.  O americano ficou assombrado com a rapidez da reação.   Duas semanas depois, foi procurado em Riyad e informado de que certos cavalheiros ficariam muito felizes em encontrar seus "amigos" em circunstâncias de grande discrição.  Deram a Easterhouse um grosso guia com instruções de viagem, o qual ele enviou por mensageiro para Houston, sem abrir.

      

       JULHO

       A Iugoslávia é o mais displicente dos países comunistas no que se refere a turistas, tanto que vistos de entrada podem ser conseguidos sem muita formalidade logo que se chega ao aeroporto de Belgrado.  Em meados de julho, cinco homens chegaram a Belgrado de avião, vindos de direções diferentes, em vôos diferentes.  Viajaram pelas linhas aéreas normais que partiam de Paris, Roma, Viena, Londres e Frankfurt.  Como eram todos americanos, não precisavam de vistos para nenhuma dessas cidades.  Todos pediram e receberam vistos para uma semana de turismo em Belgrado, um na parte da manhã, dois na hora do almoço e dois no meio da tarde.  Todos disseram ao funcionário que os entrevistou que pretendiam caçar javalis e veados no famoso pavilhão de caça de Karadjordjavo, uma antiga fortaleza no Danúbio, muito procurada por ocidentais ricos e que havia recebido o vice-presidente George Bush.  A caminho do pavilhão de caça, todos afirmaram, ao receber os vistos, que passariam uma noite no superluxuoso Hotel Petrovaradin, em Novy Sad, a oitenta quilômetros a noroeste de Belgrado.  E cada um tomou um táxi para o hotel.

       Os funcionários que concediam o visto foram substituídos na hora do almoço, assim apenas um dos americanos foi visto pelo agente Pavlic, que era um agente secreto a soldo do KGB.  Duas horas depois de Pavlic deixar o posto, um relatório de rotina assinado por ele chegou à mesa do residente soviético no seu escritório da embaixada, no centro de Belgrado.

       Pavel Kerkorian não se sentia bem.  Deitara-se muito tarde na noite anterior – não inteiramente no cumprimento do dever, mas sua mulher era gorda e estava sempre se queixando e Pavel Kerkorian achava lrresistíveis as carnes firmes das jovens bosnianas – e naquele dia tivera um almoço muito pesado, inteiramente no cumprimento do dever, com um membro beberrão do Comitê Central da Iugoslávia que ele esperava recrutar. Quase deixou de lado o relatório de Pavlic.  Os americanos chegavam aos montes na Iugoslávia nesses dias – era impossível verificar todos.  Mas havia alguma coisa naquele nome.  Não no sobrenome, bastante comum, mas onde havia visto o nome Cyrus antes?

       Ele o encontrou novamente uma hora depois no seu escritório.  Um número atrasado da revista Forbes publicava um artigo sobre Cyrus V.  Miller. Por acasos como esses o destino é muitas vezes decidido Não fazia sentido, e o armênio musculoso, major do KGB, gostava de coisas que faziam sentido.  Por que um homem com quase oitenta anos, conhecido como um anticomunista quase patológico, viria caçar javalis na Iugoslávia, viajando em aviões comerciais comuns quando era suficientemente rico para caçar o que quisesse na América do Norte viajando no seu jato particular? Chamou dois homens de sua equipe, jovens recém-chegados de Moscou, esperando que não fizessem uma confusão com o caso.  (Como ele havia declarado a um homem da CIA recentemente num coquetel, não se consegue bons auxiliares atualmente.  O homem da CIA concordou plenamente.)

       Os jovens agentes de Kerkorian falavam servo-croata, mas mesmo assim ele recomendou que confiassem no motorista, um iugoslavo que conhecia bem a cidade.  Naquela noite eles telefonaram de uma cabine telefônica do Hotel Petrovaradin, o que deixou o major furioso, pois o telefone provavelmente tinha escuta dos iugoslavos.  Mandou que os dois fossem para outro lugar.

       Kerkorian ia sair do escritório quando eles voltaram a telefonar, agora de uma humilde estalagem a alguns quilômetros de Novy Sad.  Não havia só um americano, mas cinco, informaram.  Talvez tivessem se encontrado no hotel, mas pareciam se conhecer. Dinheiro havia mudado de mãos na recepção e eles conseguiram cópias das três primeiras páginas dos passaportes.  Os americanos seriam apanhados de manhã por um microônibus e conduzidos a um pavilhão de caça, disseram os agentes, indagando para onde deviam ir agora.  Fiquem aí, disse Kerkorian, sim, a noite toda.  Quero saber aonde eles vão e com quem se encontram.

       É bem feito, pensou ele, voltando para casa.  Esses rapazinhos levam uma vida muito fácil.  Provavelmente não era nada, mas daria aos novatos um pouco de experiência.  Na tarde seguinte, eles voltaram cansados, barba por fazer, mas triunfantes.  O que contaram deixou Kerkorian estupefato.  Um microônibus havia chegado na hora marcada e levado os cinco americanos.  O guia estava à paisana, mas parecia definitivamente militar – e russo.  Em vez de se dirigir para o pavilhão de caça, o carro levou os cinco americanos de volta a Belgrado e então entrou direto na Base Aérea Batajnica.  Não apresentaram os passaportes no portão principal – o guia os fez passar pela barreira apresentando cinco passes que tirou do bolso do paletó.

       Kerkorian conhecia Batajnica – uma grande base aérea iugoslava situada a vinte quilômetros a noroeste de Belgrado, que definitivamente não constava do programa turístico dos americanos.  Entre outras coisas, a base tinha um movimento constante de transportes militares soviéticos que traziam suprimentos para o enorme grupo consultivo militar soviético na Iugoslávia.  Isso significava que havia uma equipe de engenheiros russos dentro da base, e um deles trabalhava para ele.  O homem era encarregado do controle de carga.  Dez horas mais tarde, Kerkorian enviou um relatório relâmpago para Yazenevo, no quartel-general do Primeiro Diretório do KGB, a divisão de espionagem externa.  Foi diretamente para a mesa do chefe-assistente do Primeiro Diretório, general Vadim Kirpichenko, que, após fazer várias perguntas para a divisão interna da URSS, enviou um relatório detalhado para seu diretor, o general Chebrikov.

       O relatório de Kerkorian informava que os cinco americanos foram conduzidos diretamente do microônibus para um transporte a jato Antonov 42 que acabava de chegar de Odessa com carga e que voltou imediatamente.  Um relatório posterior do residente de Belgrado dizia que os americanos retornaram no mesmo transporte 24 horas depois, passaram outra noite no Hotel Petrovaradin e deixaram a Iugoslávia sem ter caçado nenhum javali.  Kerkorian foi elogiado por sua vigilância.

      

       AGOSTO

       O calor estendia-se sobre a Costa do Sol como um cobertor. Nas praias os turistas reviravam-se na areia como bifes na grelha, assando corajosamente enquanto tentavam adquirir um bronzeado naquelas duas preciosas semanas, mas um tom vermelho de camarão era o máximo que iriam conseguir. O céu era de um azul tão pálido que parecia quase branco, e mesmo a habitual brisa marinha declinara para uma simples aragem.

       A oeste, o grande molar que era o Rochedo de Gibraltar projetava-se na névoa quente, bruxuleando na sua extensão de dez quilômetros; as pálidas rampas de concreto construídas pelos Engenheiros Reais, a fim de recolher água da chuva para abastecimento das cisternas subterrâneas, estendiam-se como cicatrizes no flanco do rochedo.

       Nas colinas atrás da praia de Casares, o ar era um pouco mais fresco, mas não muito; o alívio só vinha realmente ao alvorecer e um pouco antes do pôr-do-sol, portanto os trabalhadores nos vinhedos de Alcantara deI Río levantavam às quatro da manhã para produzir seis horas, antes que o solos expulsasse para a sombra.  Após o almoço eles iam cochilar na tradicional siesta espanhola até as cinco, voltando ao trabalho até que a luz se extinguisse, por volta das oito.

       Debaixo do sol as uvas cresciam e maduravam.  A colheita não seria já, mas deveria ser boa este ano.  No seu bar, Antonio, como de hábito, trouxe a garrafa de vinho para o estrangeiro e sorriu radiante.

       — Sera bien, Ia cosecha? – perguntou.

       — Sim – disse o homem alto com um sorriso.  – Este ano a colheita será muito boa.  Vou poder pagar minhas contas de bar.

       Antonio explodiu em gargalhadas.  Todo mundo sabia que o estrangeiro possuía sua própria terra e costumava pagar suas contas na ficha.

       Duas semanas mais tarde, Mikhail Sergeivitch Gorbachev não tinha a menor vontade de brincar. Embora fosse sempre um homem de boa índole, com fama de possuir senso de humor e tratar delicadamente seus subordinados, podia também mostrar um temperamento explosivo, como quando era instruído pelos ocidentais sobre itens de direitos civis ou quando um subordinado o desapontava.  Sentado à sua mesa no sétimo e último andar do prédio do Comitê Central, em Novaya Ploshad (Praça Nova), Gorbachev olhava furioso para os relatórios espalhados à sua frente.

       A sala era estreita e longa, 18x6m, com a mesa do secretário-geral numa das extremidades, de frente para a porta.  Gorbachev senta-se de costas para a parede, todas as janelas ficam à esquerda da sua mesa e recobertas por cortinas de renda com xales laterais de veludo.  No centro da sala está a mesa de conferências com a qual a mesa do secretário forma a parte superior da letra T.

       Ao contrário dos seus antecessores, ele preferia uma decoração clara e arejada.  A mesa de conferência, como a dele, é de faia clara, com oito cadeiras confortáveis de cada lado.  Nessa mesa estavam espalhados os relatórios selecionados por seu amigo e colega o ministro do Exterior Edvard Shevadnadze, que o havia chamado com urgência do seu feriado na praia em Yalta, na Criméia.  Gorbachev pensava furioso que preferia estar tomando banho de mar com sua neta Aksaina e não ali sentado em Moscou, lendo aquele lixo.

       Mais de seis anos já haviam passado desde o dia gelado de março em 1985, quando Chernenko finalmente tivera de deixar o cargo e ele subira com rapidez quase desconcertante – embora tivesse planejado e se preparado para isso – para o degrau mais alto.  Seis anos durante os quais tentara agarrar pela nuca o país que tanto amava e fazê-Io voltar-se para a última década do século XX, colocando-o em posição de enfrentar, competir em termos iguais com o Ocidente capitalista, e, no fim, triunfar.

       Como todos os russos devotados ao seu país, admirava o Ocidente, ao mesmo tempo ressentindo-se com tudo que ele representava:  a prosperidade, o poder financeiro, a segurança quase arrogante.  Ao contrário da maioria dos russos, não estava preparado para aceitar o fato de que as coisas jamais mudariam no seu país, aceitando a corrupção, a preguiça, a burocracia e a letargia como partes do sistema, que sempre haviam existido e sempre existiriam.  Mesmo quando jovem sentia que era capaz de mudar as coisas com seu dinamismo e energia, se tivesse uma oportunidade.  Isso foi seu estímulo, a força propulsora durante todos aqueles anos de estudo e de trabalho para o partido, em Stavropol, a certeza e que um dia chegaria sua vez.

       A primeira providência foi a limpeza no partido, afastando os reacionários e toda a madeira apodrecida – bem, quase todos.  Agora tinha certeza de que governava o Politburo e o Comitê Central.  Seus auxiliares controlavam as secretarias dispersas do partido através das repúblicas da União e compartilhavam da sua convicção de que a URSS só poderia competir com o Ocidente se fosse enconomicamente forte.  por isso, a maioria das suas reformas relacionava-se com a economia e não com a moral.

       Comunista convicto, acreditava que seu país já havia conquistado a superioridade moral – não precisava mais provar isso.  Mas não tinha ilusões quanto às forças econômicas dos dois campos.  Agora, com a crise do petróleo, da qual estava perfeitamente a par, precisava de recursos maciços para investir na Sibéria e no Ártico, o que significava cortes em outras áreas.  O que o levava a Nantucket e ao confronto inevitável com os militares do seu país.

       Como todos os líderes soviéticos, sabia que as três colunas mestras do poder eram o partido, o Exército e o KGB, e que ninguém podia enfrentar dois deles ao mesmo tempo.  Bastava estar em desacordo com seus generais.  Ser apunhalado pelas costas pelo KGB era intolerável.  Os relatórios sobre sua mesa, selecionados da imprensa ocidental pelo ministro do Exterior e traduzidos, eram inconvenientes num momento em que a opinião pública americana podia ainda influir na decisão do Congresso, levando-o a rejeitar o acordo de Nantucket e – insistir na fabricação e uso do desastroso (para a Rússia) bombardeiro "SteaIth" .

       Pessoalmente não tinha grande simpatia pelos judeus que queriam deixar a Mãe-Pátria que lhes dera tudo.  Mikhail Gorbachev não era anti-russo no que se referia a dissidentes e opositores do regime.  Mas irritava-se com o fato de a coisa ter sido feita deliberadamente, e sabia quem estava por trás de tudo.  Ressentia-se ainda com o maldoso video-tape que criticava as compras de sua mulher em Londres, há três anos, e que circulava no circuito de Moscou.  Sabia quem estava por trás disso também.  As mesmas pessoas.  O predecessor do homem que fora chamado e que devia chegar a qualquer momento.

       Bateram na porta à direita da estante de livros, na outra extremidade da sala.  Seu secretário particular olhou para ele e balançou a cabeça num gesto afirmativo.  Gorbachev ergueu a mão pedindo "um minuto".

       Voltou para sua mesa, sentando-se na frente dos três telefones e do suporte de ônix de cor creme para canetas.  Então acenou afirmativamente.  O secretário abriu a porta.

       — Camarada Diretor, o Camarada Secretário-Geral – anunciou o jovem, retirando-se imediatamente.

       O visitante estava com uniforme completo, é claro, e Gorbachev esperou que ele atravessasse todo o comprimento da sala sem uma palavra.  Então levantou-se e mostrou com um gesto os papéis espalhados na mesa de conferências.

       O general Vladimir Kriuchkov, diretor do KGB, fora amigo íntimo e protegido do seu predecessor, cujas idéias compartilhava, o reacionário ultraconservador Viktor Chebrikov.  O secretário-geral incluíra Chebrikov no grande expurgo conduzido por ele no outono de 1988 livrando-se assim do seu último oponente no Politburo.  Mas não teve alternativa senão indicar o primeiro-assistente, Kriuchkov, para seu sucessor. Uma expulsão era suficiente, duas seriam um massacre.  Há limites, até mesmo para Moscou.

       Kriuchkov olhou para os papéis e ergueu uma sobrancelha.  Filho da puta, pensou Gorbachev.

       — Não havia necessidade desse show na televisão – disse Gorbachev, como sempre indo diretamente ao assunto.  – Seis unidades de TV ocidentais, oito repórteres de rádio e vinte caçadores de escândalos dos jornais e revistas, metade deles americanos.  Tivemos uma  cobertura menor nos Jogos Olímpicos em 80.

       Kriuchkov ergueu uma sobrancelha.

       — Os judeus estavam fazendo uma manifestação ilegal, meu caro Mikhail Sergeivitch.  Eu estava de férias na ocasião.  Mas meus homens do Segundo Diretório agiram de modo certo, acredito.  Aquela gente não obedeceu ao comando de dispersar e meus homens usaram os métodos habituais.

       — Estavam na rua.  Era da alçada da Milícia.

       — Um grupo de subversivos.  Faziam propaganda anti-soviética.

       Veja as faixas.  Isso é da alçada do KGB.

       — E a presença maciça da imprensa estrangeira?

       O chefe do KGB deu de ombros.

       — Esses enxeridos estão em toda a parte.

       Sim, quando são avisados por telefone, pensou Gorbachev.  Imaginou se devia se valer desse acontecimento para afastar Kriuchkov, mas desistiu da idéia.  Seria necessário todo o Politburo para despedir o chefe do KGB, e o motivo jamais seria o espancamento de um bando de judeus.  Mas Gorbachev estava zangado e ia dizer o que pensava.  Fez isso em cinco minutos.  Kriuchkov ouviu em silêncio, os lábios cerrados.  Não gostava de ser censurado por aquele homem mais moço, porém seu superior. Gorbachev estava de pé agora na frente da mesa.

       Os dois eram da mesma altura, fortes e atarracados.  Os olhos de Gorbachev, como sempre, fixavam-se nos do homem com firmeza.  E então Kriuchkov cometeu um erro.  

       Tinha no bolso um relatório do homem do KGB em Belgrado, acrescido de algumas informações espantosas enviadas por Kirpichenko para o chefe do Primeiro Diretório.  Certamente era importante e devia ser mostrado ao secretário-geral.  Que se dane, pensou amargamente o chefe do KGB, ele pode esperar. Assim, o relatório de Belgrado foi suprimido.

      

       SETEMBRO

       Irving Moss estava instalado em Londres, mas antes de deixar Houston combinara um código pessoal com Cyrus Miller. Sabia que os monitores da Agência Nacional de Segurança em Fort Meade estavam sempre no ar, interceptando bilhões de palavras de chamadas telefônicas do estrangeiro e que bancos de computadores as examinavam a fim de detectar qualquer item de interesse.  Para não falar do pessoal do GCHQ britânico, os russos e qualquer pessoa que pudesse instalar um posto de escuta.  Mas o volume do tráfego comercial é tão vasto que a não ser que algo pareça definitivamente suspeito é que passa pelo exame.  O código de Moss baseava-se em listas de preços variados, passando entre o ensolarado Texas e a sombria Londres.  Apanhou a lista de preços, riscou palavras, deixou os números e, de acordo com a data no calendário, decifrou, consultando o bloco do qual só ele e Cyrus tinham cópia.

       Nesse mês ficou sabendo de três coisas.  Que o objeto de tecnologia russa de que precisava estava nos últimos estágios de preparação e seria entregue dentro de quinze dias.  Que a fonte de informação que havia pedido na Casa Branca estava instalada, comprada e paga para fazer o serviço.  E que devia agora prosseguir com o plano Travis conforme combinado.  Queimou as folhas de papel e deu um largo sorriso.

       Seus honorários baseavam-se no planejamento, ativação e sucesso.  Agora podia exigir a segunda parte do pagamento.

      

       OUTUBRO

       O período de aulas de outono na Universidade de Oxford é de oito semanas, e como os estudiosos gostam de obedecer os preceitos da lógica, são chamados Primeira Semana, Segunda Semana, Terceira Semana e assim por diante.  Depois do oitavo período há várias atividades especialmente atléticas, teatrais e de debates – na Nona Semana.  Um grande número de estudantes comparece antes do início do período para preparar seus estudos, instalar-se ou começar os treinos, no período chamado de Semana Zero.

       No dia 2 de outubro, primeiro dia da Semana Zero, houve uma revoada de pássaros madrugadores no Vincent's Club, o bar preferido por atletas/estudantes, entre eles Simon, o jovem alto e magro que se preparava para seu terceiro e último período em Oxford no programa Um Ano no Estrangeiro.  Uma voz jovial disse às suas costas:

       — Alô, jovem Simon.  Voltou cedo?

       Era o comodoro-do-ar John De' Ath, tesoureiro do Jesus College e tesoureiro-chefe do Clube Atlético, que incluía o time de corrida rústica.  Simon deu um largo sorriso.

       — Sim, senhor.

       — Vamos perder os quilos ganhos nas férias de verão, certo?  – disse o oficial aposentado da Força Aérea, sorrindo também.  Bateu de leve na barriga inexistente do jovem.  – Ótimo.  Você é nossa esperança de dar uma sova em Cambridge em dezembro, em Londres.

       Todos sabiam que a grande rival desportiva de Oxford era Cambridge, o confronto principal em qualquer competição.

       — Pretendo começar uma série de corridas matinais para voltar à forma, senhor – disse Simon.

       Realmente Simon começou um treino rigoroso, correndo de manhã bem cedo, começando com sete quilômetros e aumentando até quinze, durante a semana.  Na manhã de quarta-feira, dia 9, saiu de casa em Woodstock Road, na zona sul de Summertown, ao norte de Oxford, e pedalou sua bicicleta para o centro da cidade.  Passou ao largo do Martyr's Memorial e da igreja de Sta.  Maria Madalena, entrou à esquerda na Broad Street, passou pela porta da sua faculdade, Balliol, continuou por Holywell e Longwall até High Stree 1.  Entrou outra vez à esquerda, chegando à grade de ferro do Madalen College.

       Desceu da bicicleta, atou-a com a corrente à grade de ferro e começou a correr. Atravessou a ponte Madalen, o Cherwell e desceu para St. Clement, no Plain.  Agora dirigia-se para leste.  Às seis e meia da manhã, o sol começava a se erguer à sua frente e Simon tinha seis quilômetros para vencer antes de passar os subúrbios de Oxford.

       Passou por New Headington para atravessar a pista dupla Rins Road pela ponte de aço que levava a Shotover Hill.  Ninguém corria àquela hora.  Simon estava quase sozinho na rua.  No fim da Old Road chegou à subida da colina e sentiu a dor do corredor de longa distância.  As pernas musculosas subiram a colina e desceram para Shotover Plain.  Aí terminava o asfalto e Simon entrou na trilha cheia de buracos com a água da chuva empoçada nas valas.  Passou para a relva lateral, o prazer da grama macia sob os pés, atravessando a barreira da dor, aumentando a sensação de liberdade da corrida.

       Atrás dele, o carro anônimo apareceu do meio das árvores da colina, percorreu o fim do asfalto e começou a pular e sacudir na estrada esburacada.  Os homens dentro do carro conheciam o caminho e estavam fartos dele.  Quinhentos metros de estrada de terra, ladeada por pedras cinzentas, até o reservatorio, depois voltando para o asfalto para a descida até a cidadezinha de Wheatley, passando pelo povoado de Littleworth.

       A cem metros do reservatório a estrada de terra se estreitava e um freixo enorme inclinava-se sobre o caminho.  Ali estava estacionado o furgão de entregas escondido no mato ao lado da estrada.  Era um Ford Transit verde, antigo, que tinha nos dois lados os dizeres "Produtos do Pomar Barlow".  Nada fora do comum.  No começo de outubro, os carros do Barlow percorriam toda a região entregando as maçãs de Oxfordshire aos vendedores de frutas e legumes.  Quem olhasse para a parte de trás do furgão – invisível para os homens do carro, pois o furgão de entregas estava de frente para eles – veria as caixas de maçãs empilhadas.  Mas ninguém podia saber, na verdade, que as caixas eram pintadas na parte interna das duas janelas da porta traseira.

       O furgão de entregas estava com o pneu dianteiro direito vazio.  O carro fora levantado pelo macaco e um homem soltava a roda para trocar o pneu, inclinado sobre seu trabalho.  Simon corria na relva do outro lado da vala e continuou seu caminho.

       Quando passou pela frente do furgão, duas coisas aconteceram com rapidez espantosa.  As portas traseiras foram abertas e dois homens encapuzados, com roupas negras de corrida, saltaram, atiraram-se sobre Simon, jogando-o no chão.  O homem com a chave de roda voltou-se e endireitou o corpo.  Estava de chapéu e também usava máscara, e a chave de roda não era uma chave de roda e sim uma metralhadora portátil Skorpion, de fabricação tcheca.  Imediatamente ele abriu fogo, fazendo em pedaços o pára-brisa do carro de passeio a vinte metros de distância.

       O motorista do carro, atingido no rosto, morreu instantaneamente.  O carro derrapou e o motor morreu.  O homem no banco traseiro reagiu como um gato, abrindo a porta, atirando-se para fora, rolando o corpo duas vezes e colocando-se em posição de tiro.  Atirou duas vezes com seu Smith & Wesson de 9mm.  O primeiro tiro a uns trinta centímetros além do alvo, o segundo uns três metros aquém, pois enquanto ele atirava, a rajada contínua da Skorpion o atingiu no peito.  Não teve a menor chance.

       O homem no banco da frente saiu do carro um segundo depois do seu companheiro.  A porta estava aberta e ele tentava atingir o homem da metralhadora, disparando através da janela, quando três balas atravessaram seu escudo, atingindo-o na barriga e atirando-o violentamente para trás.  Em cinco segundos o homem voltava para o banco ao lado do motorista do furgão.  Os outros dois haviam atirado o estudante para o compartimento de carga, trancando as portas Por fora.  O carro saiu de cima do macaco, deu uma ré na entrada do reservatório, fez meia-volta e seguiu pela estrada de terra, na direção de Wheatley.

       O agente do Serviço Secreto estava morrendo aos poucos, mas tinha muita coragem.  Arrastando-se lenta e agonizantemente, voltou para o carro, agarrou o microfone sob o painel e com voz rouca transmitiu sua última mensagem.  Não se preocupou com senhas e códigos, nem com as regras da transmissão.  Seu fim estava próximo.  Cinco minutos mais tarde, quando chegou socorro, ele estava morto.  Sua mensagem foi a seguinte: "Socorro...  precisamos de ajuda aqui.  Alguém acaba de seqüestrar Simon Cormack."

      

       Na esteira da mensagem do agente secreto agonizante várias coisas começaram a acontecer com rapidez crescente.  O seqüestro do filho único do presidente ocorreu às 7 :05 da manhã.  A chamada de socorro foi registrada às 7:07.  Embora ele tenha usado uma faixa "dedicada" (exclusiva), falou abertamente.  Por sorte, nenhuma pessoa não-autorizada ouvia a faixa da polícia naquela hora.  O chamado foi ouvido em três lugares.

       Na casa alugada e isolada em Woodstock Road estavam os outros dez homens da equipe do Serviço Secreto encarregados de guardar o filho do presidente durante seu ano em Oxford.  Oito dormiam ainda, só dois estavam de pé, incluindo o do turno da noite que escutava a freqüência exclusiva.

       O diretor do Serviço Secreto, Creighton Burbank, desde o começo fora contrário àquela viagem de estudos do filho do presidente.  Engolindo suas objeções, Burbank requisitou uma equipe de cinqüenta homens para Oxford.

       Mais uma vez John Cormack cedera ao pedido do filho – dê uma chance, papai.  Vou parecer um touro premiado numa feira de gado, se ficar com cinqüenta guarda-costas atrás de mim – e finalmente a equipe foi reduzida a doze homens.  A embaixada em Londres alugou uma casa grande e isolada ao norte de Oxford, colaborando durante meses com as autoridades britânicas, e contratou três empregados de confiança dos britânicos, um jardineiro, um cozinheiro e uma empregada para arrumar e lavar. A intenção era fazer com que Simon Cormack pudesse aproveitar normalmente aquele ano na Inglaterra.

       A equipe tinha sempre um mínimo de oito homens em serviço, quatro nos fins de semana.  Trabalhavam aos pares em três turnos, cobrindo 24 horas por dia na casa, e dois deles acompanhavam Simon sempre que ele saía.  Os homens ameaçaram se demitir se não fosse permitido o porte de armas, e a lei proibia estrangeiros de portar armas em solo britânico.  Chegaram a um acordo típico: fora da casa, um sargento armado.  da Divisão.  Especial estaria sempre no carro.  Tecnicamente os americanos estariam operando sob suas ordens e podiam usar armas.  Era uma solução fictícia, mas os homens da Divisão Especial local de Oxfordshire eram ótimos guias e as relações tornaram-se muito amistosas.  O sargento britânico foi o homem que tentou sair do banco traseiro do carro, empunhando sua arma, sendo morto em Shotover Plain.

       Segundos após o chamado de socorro do homem agonizante, a casa em Woodstock Road encheu-se de gritos e agitação, e os outros membros do Serviço Secreto entraram em dois carros, dirigindo-se para Shotover Plain.  O caminho do treino de Simon estava claramente marcado e todos o conheciam.  O encarregado do turno da noite ficou na casa com outro homem e deu dois telefonemas.  Um para Washington, para a casa de Creighton Burbank, que dormia ainda, quatro horas mais cedo que o horário de Londres.  O outro foi para o consultor legal da embaixada americana em Londres, que estava fazendo a barba em sua casa, em St.  John's Wood.

       O consultor legal numa embaixada americana é sempre um representante do FBI, e em Londres esse posto é muito importante.  A comunicação entre as agências mantenedoras da lei dos dois países é uma constante.  Patrick Seymour havia substituído Darrell Mills há dois anos, dava-se bem com os britânicos e gostava do seu trabalho.  Sua reação imediata foi uma palidez extrema e uma ligação à prova de escuta para Donald Edmonds, diretor do FBI, que também dormia na sua residência em Chevy Chase.

       O segundo a ouvir o chamado de socorro foi um carro-patrulha da Polícia do Vale do Tâmisa, a força que policiava os antigos condados de Oxfordshire, Berkshire e Buckinghamshire.  Embora a equipe americana e seu acompanhante da Divisão Especial estivessem sempre perto de Simon Cormack, a PVT fazia questão de ter um carro a uma distância máxima de um quilômetro, numa base de "chamado de emergência".  O carro-patrulha estava ligado na freqüência exclusiva, passando por Headington no momento da chamada, e percorreu um quilômetro em cinqüenta segundos.  Mais tarde, comentou-se que o sargento e o motorista deviam ter passado pelo local e saído em perseguição aos seqüestradores.  Uma solução em retrospecto.  Com três corpos na estrada de terra de Shotover, eles pararam para ver se podiam socorrer alguém e conseguir alguma descrição dos homens.  Tarde demais para as duas coisas.

       Um terceiro pedido de socorro foi ouvido no quartel-general da PVT, na cidadezinha de Kidlington.  A policial Janet Wren ia terminar o seu turno da noite às 7:30 e bocejava, quando a voz rouca com sotaque americano estalou nos seus fones de ouvido.  Ficou tão surpresa que por uma fração de segundo, pensou que era uma brincadeira.  Então consultou uma lista e digitou alguma coisa no computador à sua esquerda.  A tela logo mostrou uma série de instruções que a jovem, terrivelmente assustada, começou a seguir à risca.

       Depois de um longo tempo de colaboração, um ano atrás, entre a PVT, a Scotland Yard e o Ministério do Interior britânico, a embaixada dos Estados Unidos e o Serviço Secreto, a operação conjugada de proteção a Simon Cormack foi denominada Operação Yankee Doodle.   Os processos de rotina foram computadorizados, bem como os que deviam ser seguidos em uma variedade de contingências – como uma briga de bar, acidente rodoviário, manifestação política, doença do filho do presidente ou viagem para outro condado fora de Oxford.  A policial Wren ativou o código "seqüestro" e o computador estava respondendo.

       Dentro de minutos o oficial de dia estava ao lado dela, pálido e preocupado, e logo começou a dar uma série de telefonemas.  Um foi para o superintendente do Departamento de Investigações Criminais que informou seu colega, o superintendente da Divisão Especial.  O homem em Kidlington também telefonou para o subchefe de polícia (Operações), que no momento atacava dois ovos cozidos em sua casa.  Ele ouviu com atenção e imediatamente deu uma série de ordens acompanhadas de perguntas.

       — Onde exatamente?

       — Shotover Plain, senhor – disse o inspetor-chefe de Kidlington.  – Delta Bravo está na cena do seqüestro.  Examinaram um carro particular que saía de Wheatley, interrogaram duas outras pessoas que estavam correndo e uma senhora com um cachorro, do lado de Oxford.  Os dois americanos estão mortos, bem como o sargento Dunn.

       — Jesus – disse o subchefe de Operações.  Aquilo ia ser o maior acontecimento de sua carreira e como responsável por Operações, o setor mais delicado do trabalho policial, era seu dever dar uma solução ao caso.  Não podia cometer erros.  Não seriam aceitáveis.  Entrou Imediatamente em atividade.

       — Mande um mínimo de cinqüenta homens uniformizados para o local, imediatamente.  Estacas, martelos e cordões.  Quero o local isolado...  agora.  Todos os ACC que temos.  E barreiras de estrada.  E uma estrada com duas saídas, não é? ...  Eles saíram pelo lado de Oxford?

       — Delta Bravo diz que não – respondeu o homem.  – Não sabemos qual foi o intervalo de tempo entre o ataque e o chamado do americano.  Mas foi pequeno.  Delta Bravo estava na estrada e diz que ninguém passou por ele vindo de Shotover. As marcas dos pneus nos dirão, a estrada é lamacenta.

       — Concentre as barreiras de norte a sul no lado leste – disse o subchefe.

       — Deixe o chefe de polícia comigo.  Já mandaram meu carro?

       — Deve estar aí agora – disse o outro.  Estava.  O subchefe de Operações olhou pela janela da sala de estar e viu o carro, que devia normalmente apanhá-lo quarenta minutos mais tarde, parando na frente da casa.

       — Quem já foi para o local? – perguntou. 

       — O DIC, a DE, os ACC e agora os homens uniformizados disse Kidlington.

       — Tire todos os detetives dos casos em que estão trabalhando e mande começar a investigação – disse o subchefe.  – Vou direto para Shotover.

       — Extensão das barreiras? – perguntou o oficial de dia no quartel-general.

       O subchefe pensou por um momento.  Barreiras em estrada são mais fáceis de ordenar que realizar.  Os Home Counties, todos muito históricos e densamente populosos, possuem um labirinto de ruas estreitas, estradas secundárias e de terra ligando uma cidade à outra, povoados e aldeias que constituem o campo.  Caso se estenda a rede por uma área muito grande, o número de estradas secundárias multiplica-se para centenas; se fosse uma área muito pequena, a distância que os seqüestradores teriam de percorrer para escapar da rede diminuía.

       — Nos limites de Oxfordshire – disse o subchefe. 

       Desligou o telefone e fez uma ligação para seu superior, o chefe de polícia.  Em todas as forças policiais dos condados britânicos, o policiamento cotidiano compete ao subchefe de Operações.  O chefe de polícia pode ou não conhecer o trabalho policial, mas sua tarefa é política, moral, cuidar da imagem pública e ligação com Londres.  O subchefe consultou o relógio enquanto discava o número.  Eram 7:31 da manhã.

       O chefe da Polícia do Vale do Tâmisa morava numa bela reitoria reformada, na cidadezinha de Bletchingdon.  Foi da sala do café da manhã para seu escritório, limpando geléia dos lábios, para atender o telefone.  Quando ouviu a notícia, esqueceu o café.  Muita gente teria sua manhã perturbada naquele dia 9 de outubro.

       — Compreendo – disse ele, ouvindo os detalhes conhecidos ate aquele momento.  – Sim...  continue.  Eu...  vou telefonar para Londres.

       Sobre sua mesa de trabalho havia vários telefones.  Um era uma linha especial e muito particular para o escritório do secretário da Divisão F—4 do Ministério do Interior da Grã-Bretanha, que dirige as forças policiais metropolitana e dos condados.  Naquela hora o funcionário público não estava no escritório, mas o chamado foi transferido para sua casa em Fulham, Londres.  O burocrata disse um palavrão, deu dois telefonemas e dirigiu-se imediatamente para o grande prédio branco em Queen Anne's Gate, ao lado da Victoria Street, onde ficava seu ministério.

       Um dos telefonemas que deu foi para o oficial de dia na Divisão F—4, ordenando que tirasse de sua mesa tudo que se referisse a outros assuntos e que todo seu pessoal fosse acordado e levado para o escritório imediatamente.  Não explicou por quê.  Não sabia ainda quantas pessoas estavam a par do massacre de Shotover Plain, mas como um bom funcionário do governo não pretendia aumentar o número, se pudesse evitar.

       O outro telefonema era obrigatório.  Foi para o subsecretário permanente, o mais antigo funcionário do governo de todo o Ministério do Interior. Felizmente, os dois homens moravam no centro de Londres, não a quilômetros de distância, e estavam no prédio do ministério às 7:51.  Sir Harry Marriott, secretário do Interior do Partido Conservador e seu ministro, chegou às 8:04, sendo informado dos detalhes.  Sua reação imediata foi telefonar para Downing Street nº 10 e insistir em falar pessoalmente com a Sra.  Thatcher.

       O telefone foi atendido pelo secretário particular – existem inúmeros secretários em Whitehall, a sede da administração britânica.  Alguns, na realidade, são ministros, outros funcionários públicos, outros ainda ajudantes particulares e alguns fazem serviço de secretário.  Charles Powell pertencia ao penúltimo grupo.  Sabia que a primeira-ministra, no escritório particular ao lado, estava trabalhando há uma hora, despachando pilhas de documentos, bem antes que muitos dos seus colegas tivessem tirado os pijamas.  Era costume dela.  Powell sabia também que Sir Harry era um dos amigos mais chegados e mais íntimos da ministra.  Informou-a do telefonema e ela atendeu imediatamente. 

       — Primeira-ministra, preciso vê-la.  Agora.  Preciso ir a Whitehall imediatamente.

       Margaret Tatcher franziu a testa.  A hora e o tom eram estranhos.

       — Venha então, Harry – disse ela.

       — Três minutos – disse a voz no telefone. 

       Sir Harry Marriott desligou.  Lá embaixo, seu carro esperava para o percurso de quinhentos metros.  Eram ainda oito horas da manhã.

       Eram quatro seqüestradores.  O atirador, sentado ao lado do motorista, ajeitou a metralhadora no chão do carro, entre seus pés, e tirou o capuz de lã.  Usava uma peruca e um bigode.  Pôs também óculos sem lentes com armação grossa.  O motorista, líder do grupo, também usava peruca e uma barba postiça.  Eram disfarces provisórios, porque teriam de viajar vários quilômetros sem chamar atenção.   Na parte de trás do furgão, os outros dois tentavam dominar Simon Cormack, que se defendia violentamente.  Não foi problema.  Um dos homens era enorme e simplesmente segurou o jovem americano num abraço de urso enquanto o outro, magro e musculoso, aplicava o chumaço de algodão embebido em éter. O furgão saiu da estrada de terra aos solavancos, afastando-se do reservatório, e entrou na estrada asfaltada secundária, na direção de Wheatley, e os sons lá atrás cessaram quando o filho do presidente caiu inconsciente.

       A estrada descia atravessando Littleworth, com as pequenas casas espalhadas, e depois continuava numa reta até Wheatley.  Passaram por um carrinho elétrico que fazia a entrega do tradicional litro de leite fresco e cem metros mais adiante o motorista notou, de passagem, que um entregador de jornais olhava para eles.  Saindo de Wheatley, entraram na rodovia principal A40, que leva a Oxford, voltaram e percorreram quinhentos metros na direção da cidade, depois viraram para a direita entrando na estrada secundária B4027, que atravessava as cidadezinhas de Forest Hill e Stanton St.  John.

       O furgão atravessou as duas cidades em velocidade normal, passou pelo cruzamento em New Inn Farm e seguiu para Islip.  Porém, um quilômetro e meio após New Inn, logo depois de Fox Covert, virou na direção de um portão de fazenda, à esquerda.  O homem ao lado do motorista saltou e abriu o cadeado do portão com uma chave que tirou do bolso – tinham substituído o cadeado do fazendeiro dez horas antes – e o furgão entrou no caminho de terra.  Dez metros adiante, chegaram ao celeiro abandonado de madeira atrás de um grupo de árvores que os seqüestradores haviam revistado duas semanas antes.  Eram 7: 16 da manhã.

       O dia clareava e os quatro homens trabalharam rapidamente.  O homem da metralhadora abriu as portas do celeiro e tirou o grande Volvo escondido ali desde a meia-noite.  O furgão verde entrou, o motorista desceu e tirou do carro a Skorpion e as máscaras.  Verificou a parte da frente do furgão, certificando-se de que não haviam esquecido nada, e bateu a porta.  Os outros dois abriram as portas traseiras do furgão, tiraram o inconsciente Simon Cormack lá de dentro e o colocaram na espaçosa mala do Volvo, preparada com orifícios para entrada de ar. Os quatro homens tiraram as roupas negras de corrida sob as quais usavam respeitáveis ternos de passeio, colarinhos, camisas e gravatas.  Não tiraram as perucas, os bigodes, nem os óculos.  As malhas de corrida foram enfiadas na mala com Simon, a Skorpion no chão, sob o banco traseiro do Volvo, escondida sob um cobertor.

       O motorista do furgão e líder dos seqüestradores sentou-se no Volvo e esperou.  O homem magro colocou as cargas no furgão e o gigante fechou as portas do celeiro.  Os dois entraram atrás no Volvo, que atravessou o portão, dirigindo-se para a estrada.  O homem da metralhadora fechou o portão atrás do carro, retirou o cadeado e recolocou o cadeado do fazendeiro, com a corrente enferrujada.  O Volvo deixou marcas na lama, mas isso não podia ser evitado.  Eram pneus comuns que logo seriam trocados.  O homem sentou-se ao lado do motorista e o Volvo seguiu para o norte.  Eram 7:22 da manhã.  O subchefe de Operações estava nesse momento dizendo “Jesus”.

       Os seqüestradores foram na direção noroeste, atravessando a cidade de Islip, entraram na grande reta que é a rodovia A421 , fazendo uma volta de noventa graus na direção de Bicester. Passaram pela agradável cidadezinha comercial a nordeste de Oxfordshire em marcha normal e entraram na A421 para a cidade de Buckingham.  Logo depois de Bicester um grande Range Rover da polícia apareceu atrás deles.  Um dos homens na parte de trás resmungou um aviso e estendeu a mão para a Skorpion.  O motorista mandou o homem ficar quieto e continuou em velocidade permitida.  A cem metros uma placa dizia: "Bem-vindo a Buckinghamshire." A divisa do condado.  Quando chegou na placa, o Range Rover diminuiu a marcha, desviou para o acostamento e começou a descarregar barreiras de aço para fechar a estrada.  O Volvo continuou na mesma marcha e logo desapareceu.  Eram 8:05.  Em Londres, Sir Harry Marriott apanhava o telefone e ligava para Downing Street.

       A primeira-ministra é uma senhora extremamente humana, muito mais do que os cinco homens que a precederam no cargo.  Embora possa permanecer mais calma do que qualquer um deles sob extrema pressão, não é imune às lágrimas.  Mais tarde, Sir Harry contou à sua mulher que, quando deu a notícia, os olhos da Sra.  Thatcher encheram-se de lágrimas, ela cobriu o rosto com as mãos e murmurou: "Oh, meu Deus, o pobre homem."

       — Ali estávamos nós – contou Sir Harry para Debbie –, enfrentando a maior crise com os ianques desde Suez, e seu primeiro pensamento foi para o pai.  Não para o filho, veja bem, para o pai.

       Sir Harry não tinha filhos e não ocupava o posto atual em janeiro de 1982, portanto, ao contrário do secretário de gabinete aposentado, Robert Armstrong, que não teria ficado surpreso, não fora testemunha da angústia de Margaret Thatcher quando seu filho foi dado como desaparecido no rali Paris-Dacar, no deserto da Argélia.  Então, na privacidade da noite, ela havia chorado com aquela dor pura e muito, especial da mãe ou do pai cujo filho está em perigo.  Mark Thatcher foi encontrado vivo por uma patrulha, seis dias depois.

       Quando ela levantou a cabeça, já dominada a emoção, apertou um botão no interfone.

       — Charlie, quero que dê um telefonema pessoal para o presidente Cormack.  Eu vou falar. Diga ao pessoal da Casa Branca que é Urgente .  e não pode esperar. Sim, é claro que sei que horas são em Washington.

       — Temos o embaixador americano, através do secretário do Exterior – sugeriu Sir Harry Marriott.  – Ele podia...  talvez...

       — Não, eu mesma farei isso – insistiu a primeira-ministra – Harry, por favor, mobilize o COBRA.  Quero informações de hora em hora.

       Não há nada de especialmente quente sobre a chamada Linha Quente entre Downing Street e a Casa Branca.  Na verdade é uma conexão telefônica exclusiva, via satélite, mas com scramblers que não podem ser anulados, instalados em cada extremidade, para garantir a privacidade.  Uma Linha Quente em geral leva cinco minutos para completar a ligação.  Margaret Thatcher empurrou os papéis para um lado olhou para fora, através das janelas à prova de bala do seu escritório particular, e esperou.

      

       Shotover Plain estava literalmente fervendo.  Os dois homens do carro-patrulha Delta Bravo sabiam como evitar a invasão de estranhos no local e caminhavam cautelosamente, mesmo quando examinaram os três corpos para verificar se havia algum sinal de vida.  Não havia, e eles os deixaram em paz.  Uma investigação pode ser prejudicada desde o começo quando alguém destrói, mesmo inadvertidamente, provas que seriam de grande importância para a medicina legal ou quando um pé descuidado enterra na lama uma cápsula vazia, destruindo as impressões digitais nela impressas.

       Os policiais uniformizados haviam isolado toda a estrada de terra, desde Littleworth, descendo a colina para leste, atravessando a ponte de aço e a Ring Road entre Shotover e Oxford City.  Dentro dessa área, os ACC, Agentes da Cena do Crime, procuravam tudo e qualquer coisa.  Descobriram que o sargento britânico da DE havia atirado duas vezes; um detector de metais tirou a bala da lama, na frente dele o sargento caíra para a frente, de joelhos, atirando enquanto caía.  Não conseguiram encontrar a outra bala.  Devia ter atingido um dos seqüestradores, disseram nos seus relatórios.  (Não atingira, mas eles não sabiam disso.)

       Encontraram as cápsulas vazias da Skorpion, 28 ao todo, todas na mesma poça d'água.  Foram fotografadas separadamente onde estavam, apanhadas com pinças e colocadas em sacolas de plástico para o laboratório.  Um dos americanos continuava caído sobre o volante do carro, o outro no lugar onde morreu, ao lado da porta do passageiro, as mãos ensangüentadas nos três orifícios de bala em sua barriga o microfone balançando ao lado.  Tudo fotografado de todos os ângulos antes de ser removido.  Os corpos foram para a enfermaria Radcliffe, enquanto o patologista do Ministério do Interior dirigia-se rapidamente de Londres para lá.

       As marcas na lama eram importantes, mostravam o lugar em que Simon Cormack havia caído com os dois homens sobre ele, os desenhos das solas dos sapatos dos seqüestradores – o exame revelou que eram do tipo mais comum, impossível de ser identificado e as marcas dos pneus do veículo da fuga, logo identificado como uma espécie de furgão.  E havia o macaco de carro, novo em folha, comprado em qualquer loja de autopeças.  Como as cápsulas da Skorpion, não tinha impressões digitais.

       Trinta detetives faziam o "trabalho de campo" – monótono mas vital que conseguiu as primeiras descrições.  A duzentos metros do reservatório, no caminho que levava a Littleworth, havia duas pequenas casas.  A moradora de uma delas ouviu, quando fazia chá, alguns "estouros" na estrada, mais ou menos às sete horas, mas não viu nada.   Um homem em Littleworth viu um furgão verde logo depois das sete, indo na direção de Wheatley.  Os detetives encontraram o entregador de jornal e o leiteiro pouco antes das nove horas o garoto na escola, o leiteiro tomando seu café da manhã.

       Foi a melhor testemunha.  Ford Transit, verde claro, muito usado, com o logotipo da Barlow nos dois lados.  O diretor da Barlow confirmou que não tinham nenhum furgão fazendo entrega na área àquela hora.  Tudo combinava.  A polícia tinha o veículo da fuga e transmitiu um alerta em todos os pontos.  Sem explicar o motivo, apenas para encontrarem o furgão.  Ninguém associou o furgão com o celeiro incendiado na estrada de Islip...  não ainda.

       Outros detetives foram à casa em Summertown, investigando de porta em porta as casas de Woodstock Road e vizinhanças.  Alguém havia visto algum carro estacionado, furgões, ou qualquer outro veículo? Seguiram a rota da corrida de Simon até o centro de Oxford e a outra extremidade da cidade.  Cerca de vinte pessoas declararam ter visto o jovem seguido por homens num carro – mas era sempre o carro do Serviço Secreto.

       Às nove horas, o subchefe de Operações reconheceu aquela sensação familiar. Não ia haver uma solução rápida, não teriam acasos felizes, não fariam nenhuma prisão imediata.  Fossem quem fossem os homens, estavam longe.  O chefe de polícia, com uniforme completo, juntou-se a ele em Shotover Plain e observou as equipes de investigação do local.

       — Aparentemente Londres quer tomar conta do caso – disse o chefe de polícia.

       O subchefe resmungou qualquer coisa.  Era uma censura, mas ao mesmo tempo tirava de suas costas uma responsabilidade dos diabos.   O inquérito sobre o passado seria duro, mas falhar no futuro...

       — Parece que Whitehall acha que eles saíram da nossa jurisdição, você compreende.  Os poderes querem que a Metropolitana se encarregue agora.  A imprensa já sabe?

       O subchefe balançou a cabeça.

       — Não ainda, senhor. Mas não vão ficar quietos por muito tempo.  É coisa grande demais.

       Ele não sabia que a mulher que passeava com seu cachorro afastada da cena pelos homens do Delta Bravo, às 7: 16, viu dois dos três corpos, correu para casa assustada e contou para o marido.  Tampouco sabiam que ele trabalhava na seção de impressão do Oxford Mail.

       Embora fosse apenas um técnico de impressão, achou que devia contar o fato ao editor, quando chegou ao trabalho.

       O telefonema de Dowing Street foi atendido pelo oficial de dia no centro de comunicações da Casa Branca, situado no segundo subsolo do prédio do executivo, a Ala Oeste, ao lado da Sala de Situação.  Foi registrado às 3:34 da manhã, hora de Washington.  Quando soube de quem se tratava, o oficial de comunicações corajosamente concordou em telefonar para o agente secreto em serviço na mansão, àquela hora.

       O homem do Serviço Secreto patrulhava o corredor central naquele momento, próximo dos apartamentos particulares no segundo andar. Atendeu quando o telefone na sua mesa, na frente do elevador dourado da primeira família dos Estados Unidos, tocou discretamente.

       — Ela quer o quê? – murmurou ele no telefone.  – Será que aqueles britânicos sabem que horas são aqui?

       Escutou outra vez.  Não se lembrava da última vez que alguém havia acordado um presidente àquela hora.  Talvez em algum caso de guerra, imaginou ele.  Talvez fosse isso agora.  Ia se complicar com Burbank se não entendesse as coisas direito.  Por outro lado...  a primeira-ministra britânica em pessoa...

       — Vou desligar agora, telefono depois – disse ele para o homem de comunicações.

       Informaram Londres que tinham ido acordar o presidente, que deviam esperar na linha.  Esperaram.

       O guarda do Serviço Secreto, Lepinsky, passou pelas portas duplas, entrou na sala de estar da Ala Oeste e parou diante da porta do quarto do presidente Cormack.  Respirou fundo e bateu levemente.  Nenhuma resposta.  Experimentou a maçaneta.  A porta não estava trancada.  Certo de que estava arriscando sua carreira, entrou.  Na grande cama de casal viu os dois vultos adormecidos, sabia que o presidente estava do lado da janela.  Na ponta dos pés foi até a cama, identificou o paletó de pijama creme escuro e sacudiu o ombro do presidente.

       — Sr. Presidente, quer acordar, por favor, senhor?

       John Cormack acordou, identificou o homem um tanto intimidado, de pé ao lado da cama, olhou para a mulher e não acendeu a luz.

       — Que horas são, Sr. Lepinsky?

       — Pouco mais de três e meia, senhor. Desculpe-me...  mas a primeira ministra britânica está no telefone.  Ela diz que não pode esperar.  Desculpe-me, Sr. Presidente.

       — John Cormack pensou por um momento, e então pôs as pernas para fora da cama, com cuidado para não acordar Myra.  Lepinsky entregou-lhe um roupão.  Depois de quase três anos na presidência, Cormack conhecia muito bem a primeira-ministra.  Estivera com ela duas vezes na Inglaterra – na segunda, uma parada de duas horas quando voltou de Vnukovo – e ela havia feito duas visitas aos Estados Unidos.   Eram ambos pessoas decisivas, davam-se bem.  Se ela estava no telefone devia ser importante.  Ele podia recuperar o sono perdido em outra hora.

       — Volte ao corredor central, Sr. Lepinsky – murmurou ele.  Não se preocupe, agiu bem.  Vou atender o telefone no meu escritório particular.

       O escritório do presidente – havia vários, mas só um na ala da família – fica entre o quarto de dormir e o Salão Oval Amarelo que está situado sob a rotunda central.  Como as do quarto, as janelas do escritório dão para os jardins da Pennsylvania Avenue.  Cormack fechou a porta de comunicação, acendeu a luz, piscou os olhos várias vezes, sentou à sua mesa e apanhou o telefone.  Em dez segundos, Margaret Thatcher estava na linha.

       — Alguém já entrou em contato com o senhor?

       Sentiu um aperto no estômago.

       — Não...  ninguém.  Por quê?

       — Acredito que o Sr. Edmonds e o Sr. Burbank já saibam.  Sinto muito por ser a primeira...

       Então ela contou.  O presidente apertava o fone contra o ouvido e olhava sem ver para as cortinas das janelas.  Sua boca estava seca e não conseguia engolir. Ouvia as frases...  tudo, mas estavam fazendo de tudo...  a melhor equipe da Scotland Yard...  não poderiam escapar...  Ele disse sim, muito obrigado, e desligou.  Era como se tivesse levado um murro no peito.  Pensou em Myra, dormindo ainda.  Tinha de contar a ela.  Ia ser terrível.

       — Oh, Simon – murmurou ele.  – Simon, meu filho.

       Sabia que não podia ficar sozinho.  Precisava de um amigo para tomar as providências enquanto ele cuidava de Myra.  Depois de alguns minutos, chamou o telefonista e disse com voz muito calma:

       — Chame o vice-presidente Odell, por favor. Sim, agora.

       Em sua residência, no Observatório Naval, Michael Odell foi acordado do mesmo modo, por um homem do Serviço Secreto.  O chamado inequívoco e não explicado.  Por favor, venha imediatamente à mansão.  Segundo andar. O escritório.  Agora, Michael, agora, por favor.

       Quando o presidente desligou, o texano fez o mesmo.  Coçou a cabeça e desembrulhou um chiclete de hortelã.  Ajudava-o a se concentrar. Pediu o carro e começou a se vestir. Odell era viúvo e dormia sozinho, portanto não precisava se preocupar em acordar ninguém.   Dez minutos depois, com calça esporte, sapatos e uma suéter sobre a camisa, estava na limusine, olhando para as costas do motorista da Marinha ou para as luzes noturnas de Washington, até aparecer o grande vulto iluminado da Casa Branca.  Evitou o pórtico e a entrada do sul, ambos grandiosos demais, e entrou para o corredor do térreo pela porta menor, do lado oeste.  Mandou o chofer esperar, não ia demorar.  Estava enganado.  Eram 4:07 da manhã.

       As crises de alto nível, na Grã-Bretanha, são da alçada de um comitê convocado rapidamente, cujos membros variam de acordo com a natureza do caso.  Mas o lugar da reunião é sempre o mesmo.  Quase sempre é na Sala de Instruções do escritório do Gabinete, um salão tranqüilo, com ar condicionado, no segundo subsolo sob o escritório do Gabinete, ao lado de Downing Street.  Esses comitês são conhecidos pela sigla COBRA.

       Sir Harry Marriott e seus auxiliares em uma hora haviam tirado os "corpos" escolhidos, como ele dizia, de suas casas, dos seus trens para a cidade ou dos seus diversos e espalhados escritórios, reunindo-os na sala do Gabinete.  Às 9:56 ele sentou-se na cabeceira da mesa de reuniões.

       O seqüestro era evidentemente um ato criminoso e da alçada da polícia, que era subordinada ao Ministério do Interior. Mas nesse caso havia várias outras ramificações.  Além do Ministério do Interior, estava presente um ministro de Estado do Ministério do Exterior, que tentaria se manter em comunicação com o Departamento de Estado, em Washington e, portanto, com a Casa Branca.  Além disso, se Simon Cormack tivesse sido levado para a Europa, sua participação seria vital a nível político.  O serviço secreto britânico, o MI—6, ou "A Firma" , era subordinado ao Ministério do Exterior e seu trabalho consistia em verificar a possibilidade de envolvimento de grupos terroristas estrangeiros.  Seu representante viera do outro lado do rio, de Century House, e devia prestar contas ao "chefe".

       Também subordinado ao Ministério do Interior, separado da polícia, havia o Serviço de Segurança, MI—5, a divisão de contra-espionagem com um interesse mais do que passageiro no terrorismo, na medida em que afetava a Grã-Bretanha internamente.  Seu homem viera de Curzon Street, em Mayfair, onde informações sobre candidatos prováveis já estavam sendo eliminadas às dezenas e um número de "infiltrados" contatados, para responder a uma pergunta especial e explosiva: quem?

       Estava presente um funcionário graduado do Ministério da Defesa, encarregado do regimento de Serviços Aéreos Especiais, em Hereford.   No caso de localizarem rapidamente Simon Cormack e seus seqüestradores e desenvolver-se uma situação de "fortaleza" (de cerco), o SAE poderia ser convocado para o resgate do refém, uma das suas complexas especialidades.  Ninguém precisava saber que a tropa em prontidão permanente de meia hora – neste caso, de acordo com a rota o sétimo batalhão, os homens de queda livre do esquadrão B – discretamente havia passado para Alerta Ambar (dez minutos) e sua retaguarda de alerta, de duas horas, passara para sessenta minutos. 

       Havia um representante do Ministério dos Transportes, que controlava os portos e aeroportos da Grã-Bretanha.  Trabalhando com a Guarda Costeira e a alfândega, esse departamento instalaria um alerta geral dos portos, pois a primelra preocupação era manter Simon Cormack dentro do país, no caso dos seqüestradores terem outras idéias.

       Ele já havia se comunicado com o Departamento de Comercio e Industria que explicou que o exame de todas as cargas seladas e encaixotadas que saíam do país era praticamente impossível.  Contudo, qualquer avião particular, iate ou navio de passageiros, pesqueiro, barco a motor que tentasse sair com grande carregamento a bordo, ou alguém numa maca, ou simplesmente drogado e inconsciente, despertaria mais do que um simples interesse da Guarda Costeira ou da Alfândega.

       Entretanto, o homem-chave estava à direita de Sir Harry: Nigel Cramer.

       Ao contrário das delegacias de polícia dos condados e autoridades policiais, a força policial de Londres, a Polícia Metropolitana, conhecida como "Met", não é liderada por um chefe de polícia, mas por um comissário, sendo a maior força no país.  O comissário, neste caso Sir Peter Imbert, é auxiliado por quatro comissários-assistentes, cada um encarregado de um dos quatro departamentos.  Abaixo deles está o Especialista em Operações, ou EO.

       O departamento EO tem treze divisões, de uma a quatorze, excIuindo a quinta, que, não se sabe por que, não existe.  Entre as treze estão Esquadrão Secreto, Esquadrão de Crimes Graves, Esquadrão de Vôo e Esquadrão de Crimes Regionais.  Além da Divisão Especial (contra-espionagem), Divisão de Informação Criminal (EO 11) e Divisão Antiterrorista (EO 13).

       O homem designado por Sir Peter Imbert para representar a Met no comitê COBRA era o comissário-assistente do Departamento EO, Nigel Cramer.  A partir daquele momento, seus relatórios seriam feitos em duas direções.  Para cima, ao seu comissário-assistente e ao próprio comissário-chefe e, lateralmente, ao comitê COBRA.  Em sua direção fluiriam as informações do oficial das Investigações, o OI, que, por sua vez, estaria fazendo uso de todas as divisões e esquadrões do departamento, na medida das necessidades.

       Só uma decisão política pode se impor à Met numa força provinciana, mas a primeira-ministra já havia tomado essa decisão, justificada pela suspeita de que Simon Cormack poderia estar agora fora da área do Vale do Tâmisa, e Sir Harry Marriott acabava de informar o chefe de polícia sobre essa decisão.  Os homens de Cramer já estavam nas vizinhanças de Oxford.

       Havia dois indivíduos não-britânicos, convidados a fazer parte do COBRA.  Um era Patrick Seymour, o homem do FBI na embaixada

       O outro era Lou Collins, o oficial de ligação da CIA, com base em Londres.  Sua inclusão era mais do que apenas cortesia.  Estavam presentes a fim de manter suas organizações a par do nível de esforço realizado em Londres para resolver o ultraje, e talvez para contribuir com qualquer informação que seus homens pudessem conseguir.

       Sir Harry abriu a reunião com um breve relatório dos fatos conhecidos até o momento.  O seqüestro já tinha três horas de duração.

       Nessa circunstância, ele considerava necessárias duas suposições.  Uma que Simon Cormak fora levado para fora de Shotover Plain e estava agora em algum lugar secreto.  A segunda, que os seqüestradores eram terroristas que não haviam ainda feito contato com as autoridades.

       O homem do MI—6 informou que seus subordinados estavam tentando contatar vários agentes infiltrados em grupos terroristas conhecidos da Europa, na esperança de identificar o grupo responsável pelo seqüestro.  Esse trabalho tomaria alguns dias.

       — Esses agentes infiltrados levam uma vida muito perigosa acrescentou ele.

       — Não podemos simplesmente telefonar e mandar chamar Jimmy.  Encontros secretos serão realizados em vários lugares durante a próxima semana, para ver se conseguimos uma pista.

       O homem do MI—5 disse que seu departamento estava fazendo o mesmo com os grupos, dentro do país, que podiam estar envolvidos ou saber de alguma coisa.  Duvidava que os seqüestradores fossem de um deles.  Além do IRA e do INLA – irlandeses – as Ilhas Britânicas tinham seu quinhão de malfeitores, mas o nível de cruel profissionalismo demonstrado em Shotover Plain parecia excluir a atuação dos descontentes que geralmente só faziam barulho.  Contudo, seus agentes infiltrados nesses grupos seriam também ativados.

       Nigel Cramer informou que as primeiras pistas provavelmente seriam obtidas pelo laboratório da polícia ou de uma testemunha ocasional ainda não interrogada.

       — Sabemos como era o furgão usado – disse.  – Um Ford Transit pintado de verde, velho, tendo nos dois lados o logotipo, muito conhecido em Oxfordshire, da companhia Barlow.  Foi visto atravessando Wheatley, na direção leste, afastando-se da cena do crime, uns cinco minutos depois do seqüestro.  E não era um furgão da Barlow, isso já foi confirmado.  A testemunha não viu o número da placa.  Obviamente está sendo realizado um trabalho maciço de busca de outras pessoas que tenham visto o furgão, notado a direção que seguia, ou que possa descrever os homens dentro dele.  Aparentemente havia dois, no banco da frente, vultos vagos atrás dos vidros fechados, mas o leiteiro acha que um tinha barba.

       "Foram entregues ao laboratório um macaco de carro, perfeitas marcas de pneus do furgão...  o pessoal do Vale do Tâmisa determinou o lugar exato em que estava estacionado...  e uma coleção de cápsulas vazias, aparentemente de uma metralhadora portátil.  Tudo isso está sendo enviado aos especialistas do Exército em Fort Halstead, bem como as balas que forem retiradas dos corpos dos dois agentes do Serviço Secreto e do sargento Dunn, da Divisão Especial de Oxford.  Fort Halstead nos dirá exatamente, mas à primeira vista parece se tratar de munição do Pacto de Varsóvia.  Quase todos os grupos terroristas da Europa, exceto o IRA, usam armas do Bloco Oriental.

       "A equipe de laboratório da polícia em Oxford é muito boa, mas vou levar todas as peças encontradas, na cena do crime ou nas vizinhanças, para nossos laboratórios em Fulham.  O Vale do Tâmisa continuará a procurar testemunhas.

       "Portanto, cavalheiros, temos quatro linhas de investigação.  O furgão da fuga, testemunhas na cena do crime ou nas vizinhanças, tudo que os seqüestradores deixaram e, outra tarefa para o pessoal do Vale do Tâmisa, procurar qualquer pessoa que tenha sido vista observando a casa de Woodstock Road.  Aparentemente...  – olhou para os dois americanos – Simon Cormack, todas as manhãs, fazia o mesmo caminho, à mesma hora, durante alguns dias.

       Nesse momento o telefone tocou.  Era para Cramer. Ele atendeu, fez várias perguntas, escutou por alguns minutos e depois voltou para a mesa. 

       — O comandante Peter Williams, chefe da EO 13, a Divisão Antiterrorista, foi designado por mim para atuar como chefe das investigações.  Era ele no telefone.  Acho que encontramos o furgão.

       O proprietário da Fazenda Whitehill, perto de Fox Covert, na estrada de Islip, chamou os bombeiros às 8:10 quando viu a fumaça que saia do celeiro quase em ruínas na sua fazenda.  Ficava numa planície perto da estrada, a quinhentos metros da sua casa, e ele raramente ia lá.   O fazendeiro viu as chamas consumindo a estrutura de madeira, fazendo desmoronar primeiro o telhado, depois as paredes.

       Quando os bombeiros estavam "esfriando as cinzas", viram o que parecia ser os restos de um furgão sob a madeira queimada.  Isso foi às 8:10.  O fazendeiro afirmou que não havia nenhum veículo no celeiro.  Temendo que houvesse alguém – ciganos, ambulantes ou até excurcionistas – dentro do furgão, os bombeiros resolveram retirar a madeira queimada de cima do carro.  Logo que possível, olharam para dentro do furgão.  Não havia nenhum corpo.  Mas era definitivamente um Transit.        

       Ao voltar para o quartel dos bombeiros, um oficial inteligente viu no rádio que a Polícia do Vale do Tâmisa procurava um Transit, presumivelmente usado na perpetração de uma "ofensa que envolvia armas de fogo”, naquela manhã.  Ele telefonou para Kidlington.

       — Temo que esteja destruído – disse Cramer. – Pneus provavelmente queimados, impressões digitais apagadas.  Contudo, os números do bloco do motor e do chassi não são afetados pelo fogo.  Meu pessoal da Seção de Veículos já está a caminho.  Se restou alguma coisa...  e quero dizer qualquer coisa...  descobriremos.

       A Seção de Veículos da Scotland Yard pertence ao Esquadrão de Crimes Graves, parte do Departamento EO.

       O COBRA continuou reunido, mas alguns dos principais participantes saíram para prosseguir seu trabalho, deixando em seu lugar subordinados que os informariam de qualquer novidade.  Um membro menos graduado do Ministério do Interior assumiu a presidência.

       Num mundo perfeito, que não existe, Nigel Cramer teria preferido manter a imprensa fora do caso, pelo menos por algum tempo.  Às onze horas da manhã, Clive Empson, do Oxford Mail, estava em Kidlington fazendo perguntas sobre o tiroteio e as mortes em Shotover Plain ao nascer do sol.  Três coisas o deixaram surpreso.  Uma foi que o levaram imediatamente ao superintendente dos detetives, que perguntou quem o havia informado da ocorrência.  Ele se recusou a dizer. A segunda foi a atmosfera de medo que envolvia os agentes menos graduados no quartel da Polícia do Vale do Tâmisa.  A terceira foi o fato de não ter recebido nenhuma ajuda.  Para as duas mortes – a mulher do impressor só vira dois corpos – normalmente a polícia pediria a cooperação da imprensa e faria uma declaração, para não dizer uma entrevista coletiva.

       De volta a Oxford ele meditou sobre tudo aquilo.  Um "causas naturais” seria mandado para o necrotério da cidade.  Mas um tiroteio significava as facilidades mais sofisticadas da enfermaria de Radcliffe.   Por acaso ele estava namorando uma enfermeira de Radcliffe; ela não estava na seção de "corpos”, mas talvez conhecesse alguém que trabalhasse lá.

       Na hora do almoço foi informado de que havia grande movimento em Radcliffe.  Havia três corpos no necrotério, dois aparentemente de americanos e um de um policial britânico; fora chamado um patologista de Londres e alguém da embaixada americana.  Clive Empson ficou intrigado.

       O corpo de um soldado da base próxima de Upper Heyford podia fazer com que um membro uniformizado da Força Aérea americana comparecesse à enfermaria, um turista morto justificaria a presença de membros da embaixada americana, mas por que Kidlington não dizia nada? Pensou em Simon Cormack que, como todos sabiam, estava estudando na Inglaterra, e fora ao Balliol College, para encontrar uma bonita estudante galesa chamada Jenny.

       Ela confirmou que Simon Cormack não havia comparecido à auIa naquele dia, mas não parecia preocupada.  Provavelmente ele estava se matando de correr, treinando para a competição.  Correr? Sim, ele é  a maior esperança para derrotar Cambridge em dezembro.  Corre brutalmente todas as manhãs.  Geralmente em Shotover Plain.

       Clive Empson sentiu como se tivesse levado um pontapé na barriga acostumado à idéia de passar a vida fazendo a cobertura de pequenos casos para o Oxford Mail, de repente via as luzes brilhantes de Fleet Street chamando-o.  Quase acertou, mas pensou que Simon Cormack tinha sido morto a tiros.  Foi essa a informação que enviou a um dos principais jornais de Londres naquela tarde, o que teve o efeito de provocar uma declaração do governo.

       Pessoas bem informadas em Washington costumavam confidenciar aos seus amigos britânicos que dariam seu braço direito para ter um sistema de governo igual ao deles.  O sistema britânico é relativamente simples.  A rainha é o chefe de Estado e permanece no seu lugar. O chefe do governo é o primeiro-ministro, sempre o líder do partido que vence as eleições gerais.  Isto tem duas vantagens.  O chefe executivo da nação não pode estar em total desacordo com uma maioria do partido político da oposição, no Parlamento (o que facilita uma legislação necessária, embora nem sempre popular) e o primeiro-ministro, empossado depois de vencer as eleições, é quase sempre um político hábil e experiente a nível nacional, e provavelmente um ex-ministro do Gabinete na administração anterior. A experiência, o know—how, o conhecimento de como as coisas acontecem e de como fazer com que aconteçam, está sempre presente.

       Londres era uma terceira vantagem.  Atrás dos políticos existe uma quantidade de funcionários graduados do governo que provavelmente serviram na administração imediatamente anterior e na anterior a essas.  Com um máximo de cem anos entre uma dezena deles, esses "mandarins" são de grande ajuda para os novos vencedores.  Eles sabem o que aconteceu na última vez e por que; eles têm os registros, sabem onde estão as minas terrestres.

       Em Washington, o presidente, no fim do seu mandato, leva quase tudo com ele – a experiência, os conselheiros e os registros, ou pelo menos aqueles que algum coronel genial não pôs no picador de papel.   O recém-chegado começa frio, geralmente com experiência de governo somente a nível estadual, trazendo com ele sua equipe de conselheiros que podem estar tão "frios" quanto ele, e sem saber ao certo quais são as bolas de futebol e quais as minas.  Esse é um dos motivos por que algumas pessoas importantes de Washington acabam mancando permanentemente. 

       Assim, quando o espantado vice-presidente Odell saiu da mansão e atravessou a Ala Oeste, às cinco horas daquela manhã de outubro compreendeu que não estava certo do que devia fazer nem a quem perguntar.

       — Não posso enfrentar esta coisa sozinho, Michael – dissera o presidente. 

       — Tentarei continuar a cumprir meus deveres de presidente.  Continuo no Salão Oval, mas não posso presidir ao comitê de solução da crise.  Estou por demais envolvido...  Traga meu filho de volta para mim, Michael.

       Odell era muito mais emotivo do que John Cormack.  Nunca havia visto o amigo acadêmico, sempre tão seco, demonstrar tanta perturbação, e jurou que traria Simon de volta.  Cormack voltou para o quarto onde o médico da Casa Branca administrava sedativos à chorosa primeira-dama.

       Odell estava agora na cadeira central da mesa da Sala do Gabinete.  Pediu café e começou a dar telefonemas.  O seqüestro fora na Grã-Bretanha; isso era no estrangeiro, ele precisava do secretário de Estado.  Telefonou para Jim Donaldson e o acordou.  Não disse o motivo, apenas que fosse imediatamente à sala do Gabinete.  Donald protestou.  Estaria lá às nove horas.

       — Jim, se manda para cá agora.  É uma emergência.  E não telefone para o presidente a fim de verificar. Ele não pode atender seu telefonema e pediu-me para resolver isto.

       Quando era governador do Texas, assuntos estrangeiros sempre foram um livro fechado para Odell.  Mas estava em Washington como vice-presidente o tempo necessário para ter adquirido muitas informações sobre os negócios estrangeiros, e aprendeu muito.  Aqueles que o julgavam pela linguagem de vaqueiro que ele gostava de usar faziam uma enorme injustiça a Odell, geralmente para grande arrependimento mais tarde.  Michael Odell não havia conquistado a confiança e o respeito de um homem como John Cormack por ser tolo.  Na verdade, era muito inteligente.

       Telefonou para Bill Walters, o secretário de Justiça, chefe político do FBI.  Walters estava acordado e vestido, pois havia recebido um telefonema de Don Edmonds, diretor do FBI.  Walters já sabia. 

       — Estou a caminho, Michael – disse ele.  – Quero que Don Edmonds vá comigo.  Vamos precisar da experiência do FBI neste caso.   Além disso, o homem de Don em Londres o mantém informado de hora em hora.  Precisamos de relatórios atuais.  Certo?

       — Mais do que certo – disse Odell com alívio.  – Traga Edmonds.

       Quando o grupo ficou completo, às seis horas, incluía também Hubert Reed, do Tesouro (responsável pelo Serviço Secreto), Morton Stannard, o secretário da Defesa, Brad Johnson, conselheiro nacional da Segurança, e Lee Alexander, diretor da CIA.  Esperando e disponíveis estavam Don Edmonds, do FBI, Creighton Burbank, do Serviço Secreto e o diretor-adjunto de Operações da CIA.

       Lee Alexander sabia que, embora fosse diretor, seu cargo na Agência era de indicação política, não de carreira.  O homem que dirigia toda a área operacional da Agência era o diretor-adjunto de Operações, David Weintraub, que esperava do lado de fora com os outros.

       Don Edmonds estava com um dos seus funcionários graduados.  Três diretores-assistentes executivos funcionam sob as ordens do diretor do FBI, chefiando respectivamente os serviços de Manutenção da Lei e Administração e Investigação.  O diretor-assistente para Investigações, Buck Revell, estava doente de licença.  Dentro de Investigações havia três, divisões – Informações, Ligação Internacional (ao qual pertencia Patrick Seymour, em Londres) e Investigação Criminal.  As reuniões haviam trazido o diretor-assistente da DIC, Philip Kelly.

       — É melhor que estejam todos presentes – sugeriu Brad Johnson –, pois no momento eles sabem mais do que nós.

       Todos concordaram.  Mais tarde, os especialistas formariam o Grupo de Administração da Crise, que se reuniu na Sala de Situação, no andar inferior, ao lado do centro de comunicações, por conveniência e privacidade.  Mais tarde ainda, os homens do Gabinete uniram-se a eles, quando as teleobjetivas da imprensa começaram a incomodá-los através das janelas da sala do Gabinete e do Jardim das Rosas.

       Primeiro falou Creighton Burbank, um homem furioso que culpou abertamente os britânicos pelo desastre.  Comunicou toda a informação obtida por sua equipe em Summertown, um relatório completo que cobria todos os fatos conhecidos até a partida de Simon de Woodstock Road, naquela manhã, e tudo que seus homens mais tarde viram e ouviram em Shotover Plain.

       — Dois de meus homens estão mortos – disse ele, furioso –, tenho de falar com duas viúvas e três órfãos.  Tudo porque aqueles filhos da puta não sabem como fazer uma operação de segurança.  Quero que fique registrado, cavalheiros, que meu Serviço repetidamente pediu a Simon Cormack para não passar um ano no estrangeiro, e que eu quis enviar cinqüenta homens, não uma dúzia.

       — Muito bem, você estava certo – disse Odell, procurando acalmá-lo.

       Don Edmonds acabava de falar longamente no telefone com o homem do FBI em Londres, Patrick Seymour. Relatou tudo que devia ser registrado, até o encerramento da primeira reunião do COBRA sob o escritório do Gabinete.

       — O que exatamente acontece num caso de seqüestro? – perguntou Reed suavemente.

       De todos os conselheiros graduados do presidente Cormack presentes, Hubert Reed era, de modo geral, o menos capaz de enfrentar a luta política interna geralmente associada com o poder em Washington.

       Era um homem baixo e tranqüilo, cuja aparência indefesa até de insegurança, era acentuada pelos óculos enormes e redondos.  Havia herdado uma fortuna e começara na WalI Street como administrador de um fundo de pensão numa grande corretora.  Com grande faro para investimentos, aos cinqüenta anos era um líder das finanças, e nos anos anteriores havia administrado os fundos financeiros da família Cormack, de onde resultou a amizade entre os dois homens.

       Seu gênio para finanças fez com que John Cormack o convidasse para Washington onde, no Tesouro, conseguira manter o déficit orçamentário dentro de certos limites.  Desde que o assunto fosse finanças Hubert Reed estava à vontade; só quando era informado de alguma operação "decisiva" da Agência de Combate às Drogas, ou do Serviço Secreto, ambos subagências do Tesouro, seu desconforto era total.

       Don Edmonds olhou para KelIy.  Ele era o caçador de criminosos naquela sala.

       — Normalmente, a não ser que os seqüestradores e seu esconderijo possam ser imediatamente identificados, eles entram em contato e exigem resgate.  Depois disso, tentamos negociar a devolução do refém.  É claro que as investigações continuam para tentar localizar o esconderijo dos criminosos.  Se falharem, ficamos reduzidos à negociação.

       — Neste caso, por quem? – perguntou Stannard.

       Houve silêncio.  A América tem um dos mais sofisticados sistemas de alarme do mundo.  Seus cientistas criaram sensores infravermelhos capazes de detectar o calor de um corpo a vários quilômetros acima da superfície terrestre; sensores de ruídos que podem ouvir a respiração de um rato a um quilômetro de distância; sensores de movimento e de luz para detectar um toco de cigarro num espaço interno.   Mas nenhum sistema em todo esse arsenal compara-se ao sistema de sensores TCR que opera em Washington.  Já estava em atividade há duas horas e encaminhava-se agora para o ponto mais alto de desempenho.

       — Precisamos de alguém na Inglaterra – disse Walters –, não podemos deixar tudo nas mãos dos britânicos.  Devemos mostrar que estamos fazendo alguma coisa, alguma coisa positiva, alguma coisa para trazer de volta aquele garoto.

       — Diabo, tem razão – explodiu OdelI.  – Podemos ,dizer que eles perderam o rapaz, embora o Serviço Secreto insista em dizer que a polícia britânica ficou um tanto afastada...  – Burbank olhou para ele, furioso.  – Temos força para isso.  Podemos insistir para participar da investigação.

       — Não podemos mandar uma equipe do Departamento de Policia de Washington para substituir a Scotland Yard na jurisdição deles – observou o secretário de Justiça Walters.

       — Muito bem, e a negociação? – perguntou Brad Johnson.

       Os profissionais continuaram em silêncio.  Johnson estava abertamente violando as regras do TCR, que significa Tire o Cu da Reta.

       Odell falou, para disfarçar a hesitação geral.

       — Se chegarmos às negociações – perguntou ele –, quem é o melhor negociador de reféns do mundo?

       — Em Quântico – sugeriu Kelly –, temos o Grupo de Ciência do Comportamento do FBI.  Encarrega-se das negociações de seqüestros aqui na América.  São os melhores que temos....

       — Eu disse o melhor do mundo – repetiu o vice-presidente.

       — O negociador com maior número de tentativas bem-sucedidas de resgate de reféns do mundo – disse Weintraub com voz calma é um homem chamado Quinn.  Eu o conheço, ou pelo menos o conheci. 

       Dez pares de olhos voltaram-se para o homem da CIA. 

       — Fale sobre ele – comandou Odell.

       — É americano – disse Weintraub.  – Quando deu baixa no Exército foi trabalhar para uma companhia de seguros em Hartford.  Dois anos depois foi transferido para Paris como chefe de todas as operações na Europa.  Casou-se, teve uma filha.  A mulher francesa e a filha morreram num acidente de carro nas vizinhanças de Orléans.  Ele começou a beber, foi despedido de Hartford, recuperou-se e voltou a trabalhar para uma firma da Lloyd's de Londres, especializada em segurança pessoal, e daí passou para a negociação de reféns.

       "Se bem me lembro, trabalhou dez anos nessa firma, de 1978 a 88.  Então aposentou-se.  Até então havia negociado pessoalmente ou, quando havia problema de idioma, com ajuda de intérpretes, cerca de doze resgates bem-sucedidos em toda a Europa.  Como sabem, a Europa é a capital dos seqüestros do mundo desenvolvido.  Acho que ele fala três línguas além do inglês e conhece a Grã-Bretanha e a Europa como a palma da mão.

       — Acha que é o homem para nós? – perguntou OdelI.  – Poderia se encarregar deste caso para os Estados Unidos?

       Weintraub ergueu os ombros.

       — Perguntou quem era o melhor do mundo, Sr. Vice-Presidente – disse ele.

       Muitos assentiram com um gesto de alívio.

       — Onde está ele agora? – perguntou Odell.

       — Acho que no sul da Espanha, senhor. Temos tudo registrado nos arquivos em Langley.

       — Vá buscá-Io, Sr. Weintraub – disse Odell.  – Traga para cá esse Sr. Quinn.  Por mais difícil que seja.

       Às sete daquela noite, as primeiras notícias chegaram às telas de TV como uma bomba.  Na TVE um apresentador muito falante comunicou ao atônito povo espanhol os acontecimentos daquela manhã perto da cidade de Oxford.   Antonio, em Alcantara del Rio, ouviam em silêncio.  Antonio serviu um copo de vinho por conta da casa para o homem alto.

       — Mala cosa – disse ele amistosamente.

       O homem alto não tirou os olhos da tela.

       — No es mi asunto – disse ele estranhamente.

      

       David Weintraub partiu da Base Aérea de Andrews, nos arredores de Washington, às dez da manhã, hora de Washington, num VC20A, a versão militar do Gulfstream Três.  Com os tanques cheios, seus dois motores Rolls Royce Spey 511 tinham autonomia de 6.624 quilômetros com reservas de trinta minutos.  Cruzou o Atlântico diretamente a uma altitude de 43 mil pés, numa velocidade de 777 quilômetros por hora, em sete horas e meia, com um bom vento de popa. 

       Com seis horas de diferença, eram 11 :30 quando aterrissou na Rota, a base aérea da Marinha americana, no outro lado da baía de Cádiz, Andaluzia, Weintraub embarcou imediatamente no helicóptero da Marinha Sea Sprite SH2F, que partiu para a costa antes mesmo que tivesse tempo para se sentar. O lugar do encontro era a vasta e plana praia de Casares, onde o homem enviado de Madri o esperava com um carro da Divisão.  Era um jovem impetuoso e brilhante, Sneed, recém-saído da escola de treinamento da CIA em Camp Peary, Virgínia, que procurava impressioná-Io.  Weintraub suspirou.

       Atravessaram cautelosamente Manilva, o ativo Sneed por duas vezes perguntando o caminho, e encontraram Alcantara deI Río depois da meia-noite.  A casita caiada, fora da cidade, foi mais difícil de encontrar, mas um morador amistoso mostrou o caminho.

       Estava escuro quando a limusine parou e Sneed desligou o motor. Desceram do carro, examinaram a casa às escuras e Sneed experimentou a maçaneta a maçaneta da porta.  Não estava trancada.  Entraram diretamente na sala de estar fresca e arejada do primeiro andar. A luz da lua Weintraub viu uma sala masculina – tapetes de pele sobre lajotas, poltronas, uma velha mesa de jantar de carvalho espanhol, uma estante de livros tomando toda a parede.

       Sneed começou a procurar o interruptor da luz.  Weintraub viu os três lampiões a óleo e compreendeu que o rapaz estava perdendo tempo.  Devia haver um gerador a óleo diesel nos fundos, que fornecia eletricidade para cozinhar e para o banho, provavelmente desligado no fim do dia.  Sneed continuava na sua procura.  Weintraub deu um passo à frente.  Sentiu a ponta da faca logo abaixo da orelha direita e ficou imóvel.   O homem tinha descido do quarto pela escada de lajotas sem fazer um som.

       — Já faz muito tempo desde Son Tay, Quinn – disse Weintraub em voz baixa. 

       A ponta da faca afastou-se da sua jugular.

       — O que disse, senhor? – perguntou Sneed cautelosamente, na extremidade da sala.  Um vulto moveu-se sobre as lajotas, um fósforo foi aceso e o lampião sobre a mesa iluminou a sala com sua luz acolhedora.  Sneed deu um salto.  O major Kerkorian, de Belgrado, certamente adoraria o jovem agente.

       — Viagem cansativa – disse Weintraub.  – Posso sentar?

       Quinn estava com um pano enrolado na cintura, como um sarongue oriental.  O peito nu era musculoso e rijo.  Sneed olhou boquiaberto para as cicatrizes.

       — Eu estou fora, David – disse Quinn, sentando-se ao lado da mesa, de frente para Weintraub.  – Estou aposentado.

       Empurrou um copo e a jarra de barro com vinho tinto para Weintraub, que serviu-se, bebeu e fez um gesto apreciativo.  Vinho tinto rascante.  Jamais veria as mesas dos ricos.  Vinho de camponeses e de soldados.

       — Por favor, Quinn.

       Sneed ficou atônito.  Diretores de Operações não diziam "por favor".  Davam ordens.

       — Não vou – disse Quinn.

       Sneed aproximou-se da luz do lampião com o paletó aberto, deixando ver a arma que levava num coldre de cintura.  Quinn nem olhou para ele, seus olhos fixos em Weintraub.

       — Quem é esse cretino? – perguntou com voz suave.

       — Sneed – disse Weintraub com firmeza –, vá verificar os pneus do carro.

       Sneed saiu.  Weintraub suspirou.

       — Quinn, aquele negócio em Taormina.  A garota.  Nós sabemos.  Não foi culpa sua.

       — Não entende que estou fora? Acabou.  Sua viagem foi inútil.   Arranje outra pessoa.

       — Não há outra pessoa.  Os britânicos têm gente, boa gente.  Washington diz que precisamos de um americano.   Não temos ninguém que se compare a você para agir na Europa. 

       — Washington quer livrar a própria cara – disse Quinn secamente.   – É o que sempre faz.  Precisam de um bode expiatório se alguma coisa sair errada.

       — É, Pode ser – admitiu Weintraub.  – Pela última vez, Quinn.

       Não por Washington, não pelas instituições, nem mesmo pelo garoto.   Pelos pais.  Eles precisam do melhor. Eu disse ao comitê que você é o melhor.

       Quinn olhou à sua volta, examinando suas poucas posses como se nunca mais fosse vê-las.

       — Eu tenho um preço – disse ele, finalmente.

       — Diga quanto – pediu Weintraub.

       — Quero que colham minhas uvas.  Que façam a colheita.

       Minutos mais tarde, os dois saíram da casa.  Quinn carregando uma mochila, vestido com calça negra, camisa, calçando tênis sem meia.   Sneed abriu a porta do carro.  Sentaram-se os dois na frente, Weintraub na direção.

       — Você fica aqui – disse ele para Sneed.  – Mande colher as uvas dele.

       — Mandar fazer o quê?

       — Você ouviu.  Vá à cidade de manhã, contrate alguns homens e mande colher as uvas do homem.  Avisarei a Divisão em Madri que está tudo certo.

       Usou o rádio do carro para chamar o Sea Sprite que pairava sobre a praia Casares quando eles chegaram.  Embarcaram e voaram na noite aveludada para Rota e Washington.

      

       David Weintraub ficou apenas duas horas fora de Washington.  No vôo de oito horas de Rota até Andrews, ele ganhou seis em fusos horários, aterrissando na pista militar da base de Maryland às quatro horas.  Durante esse tempo dois governos, em Washington e em Londres, haviam ficado praticamente em estado de sítio.

       Poucas coisas são tão impressionantes quanto as forças combinadas da imprensa mundial quando agem sem nenhuma restrição.  O apetite é insaciável, a metodologia, brutal.

       Aviões dos Estados Unidos para Londres, ou para qualquer outro aeroporto britânico, voavam lotados, desde a porta até os toaletes, pois todos os membros da imprensa americana que se prezavam enviaram equipes para a capital da Inglaterra.  Ao chegar, ficavam desesperados; precisavam dar notícias de minuto em minuto e não tinham nada para dizer. Londres e a Casa Branca resolveram, de comum acordo, manter as declarações originais.  Claro que nem chegavam perto da realidade.

       Repórteres e equipes de TV vigiavam a casa de Woodstock Road como se as portas fossem se abrir, dando passagem ao jovem desaparecido.  Mas elas ficaram fechadas depois que a equipe do Serviço Secreto, cumprindo ordens de Creighton Burbank, retirou tudo e se preparou para partir.

       O magistrado encarregado da investigação na cidade de Oxford, fazendo uso de seus poderes, conforme determinado na Seção 20 da Emenda da Lei dos Magistrados, liberou os corpos dos dois agentes logo que o patologista terminou seu exame.  Tecnicamente foram liberados para o embaixador Charles Fairweather, representando os parentes mais próximos.  Na realidade foram conduzidos por um funcionário da embaixada à base da Força Aérea americana em Upper Heyford, onde uma guarda de honra acompanhou os caixões até um avião de transporte para a Base Andrews, acompanhada por outros dez agentes que quase foram esmagados pelos repórteres quando deixaram a casa em Summertown.

       Voltaram para os Estados Unidos, foram recebidos por Creighton Burbank e teve início o longo inquérito para saber o que tinha saído errado.  Não tinham nada mais a fazer na Inglaterra.

       Mesmo depois da casa em Oxford ser fechada, um pequeno grupo desanimado de repórteres continuou a postos para o caso de acontecer alguma coisa, qualquer coisa, no local.  Outros procuravam na cidade universitária as pessoas que haviam conhecido Simon Cormack – professores, colegas, funcionários, barmen, atletas.  Dois outros estudantes americanos, embora cursassem faculdades diferentes, tiveram de se esconder. A mãe de um deles, descoberta na América, foi bastante bondosa e declarou que ia levar o filho de volta para a segurança de Miami.  Constou do noticiário e ela foi convidada para um programa local de televisão.

       O corpo do sargento Dunn foi entregue à família e a Polícia do Vale do Tâmisa providenciou um funeral com todas as honras.

       Todas as provas de laboratório foram levadas para Londres.  As armas e munições foram enviadas ao Laboratório de Análises e Desenvolvimento dos Blindados Reais, em Fort Halstead, nos arredores de Sevenoaks, Kent, onde a munição da Skorpion foi imediatamente identificada, acentuando a possibilidade do envolvimento de terroristas europeus.  Essa conclusão não foi revelada ao público.

       O resto do material seguiu para o laboratório da Polícia Metropolitana em Fulham, Londres.  Hastes de relva amassadas manchadas de sangue, pedaços de barro seco, moldes das marcas de pneus, o macaco de carro, marcas de sapatos, as balas extraídas das vítimas e fragmentos de vidro do pára-brisas do carro do Serviço Secreto.  Antes da noite do primeiro dia, Shotover Plain parecia varrida com um aspirador.

       O carro foi transportado por um caminhão para a Seção de Veículos do Esquadrão de Crimes Graves, mas o Transit retirado do celeiro incendiado era muito mais importante.  Especialistas trabalharam entre a madeira queimada do celeiro, saindo de lá negros com a fuligem.  A corrente enferrujada e quebrada do fazendeiro foi retirada do portão como se fosse de uma casca de ovo, mas só descobriram que fora serrada por uma serra comum de ferro.  A melhor pista eram as marcas dos pneus do carro de passeio que saiu da fazenda depois da troca. 

       O furgão Transit chegou em Londres dentro de um engradado e foi desmontado peça por peça.  As placas eram falsas, mas os criminosos foram muito cautelosos; deviam pertencer a um furgão do mesmo ano.

       O furgão fora preparado, regulado e abastecido por um mecânico muito hábil – isso pelo menos podiam dizer. Tinham tentado raspar os números do chassi e do motor com um maçarico elétrico que podia ser comprado em qualquer loja de ferragens.  Mas não conseguiram.  Os números são impressos em profundidade e o exame espectroscópico revelou a impressão profunda no interior do metal.

       O computador central em Swansea informou o número original de registro e o nome do último proprietário.  O computador informou que ele morava em Nottingham.  O endereço foi visitado.  Ele não morava mais lá.  Não tinha deixado o novo endereço.  Foi dado um alarme geral para a busca do homem...  discretamente.

       Nigel Cramer informava o comitê COBRA de hora em hora, e seus membros passavam a informação a seus vários departamentos.  Langley autorizou Lou Collins, seu representante em Londres, a admitir que eles também estavam procurando entrar em contato com todos os agentes infiltrados nos grupos terroristas europeus.  Eram muitos.  Os serviços de contra-espionagem e antiterroristas dos países que abrigavam esses grupos ofereciam também toda a ajuda possível.  A caçada era sem dúvida extensa e minuciosa, mas não tinham nenhuma pista importante – ainda.

       E os seqüestradores não haviam feito contato.  Desde o começo, as linhas telefônicas estavam sobrecarregadas.  Para a Kidlington, para Scotland Yard, a embaixada americana em Grosvenor Square, departamentos do governo.  Foi requisitado pessoal extra para a central telefônica.  Uma coisa não se podia negar – o povo britânico estava realmente tentando ajudar. Todas as chamadas eram verificadas, quase todas as outras investigações criminais foram para a gaveta.  Entre os milhares de telefonemas estavam os dos maníacos, dos fanáticos, dos mórbidos, dos otimistas, dos esperançosos, dos que de fato ajudavam e dos simplesmente malucos.

       O primeiro filtro era a linha dos operadores das mesas telefônicas.  Vinha depois o grupo de centenas de policiais que ouviam atentamente e concordavam que o objeto em forma de charuto no céu podia ser importante, e o assunto seria levado à atenção da primeira-ministra em pessoa.  Finalmente, havia os policiais graduados que entrevistavam os realmente "possíveis".  Entre esses estavam dois motoristas matinais que tinham visto o furgão verde entre Wheatley e Stanton St.  John.  Mas tudo terminava no celeiro.

       Niguel Cramer havia resolvido alguns casos no seu tempo.  Começara como policial de ronda, passara para o trabalho de detetive, onde continuava há trinta anos.  Sabia que criminosos deixam pistas.  Sempre que se toca em alguma coisa, deixa-se um vestígio.  Um bom policial pode encontrar esses vestígios, especialmente com a tecnologia moderna, se procurar com atenção.  Mas levava tempo – o que ele não tinha.  Já havia trabalhado sob grande pressão, mas nunca como neste caso.

       Sabia também que, apesar de toda a tecnologia do mundo, o detetive bem-sucedido era o detetive de sorte.  Quase sempre havia pelo menos um fator, em qualquer caso, que se podia atribuir à sorte, boa sorte para o detetive, má sorte para o criminoso.  Se funcionava ao contrário, o criminoso certamente escapava.  Era possível, porém, criar a própria "sorte", por isso deu ordens a todas as suas equipes para não deixar passar coisa alguma, absolutamente nada, por mais louca e fútil que parecesse.  Mas após 24 horas começou a pensar, como seus colegas do Vale do Tâmisa, que esse não seria um "caso rápido".  Os criminosos haviam escapado sem deixar pistas e encontrá-Ios seria um trabalho de muita paciência.

       Havia outro fator – o refém.  O fato de ser filho do presidente era um assunto político, não policial.  O filho do jardineiro era igualmente um ser humano.  Caçando um homem com um saco de dinheiro roubado ou um assassino, o policial ia direto ao alvo.  Em caso de reféns, a caçada precisava ser muito discreta.  Se os seqüestradores fossem por demais acuados, apesar do seu investimento de tempo e dinheiro no crime, podiam desistir e fugir, deixando um refém morto.  Foi o que ele disse ao sombrio comitê pouco antes da meia-noite, hora de Londres.  Uma hora mais tarde, na Espanha, David Weintraub tomava um copo de vinho com Quinn.  Cramer, o policial britânico, não sabia nada disso.  Ainda.

       A Scotland Yard sem dúvida admite, confidencialmente, que seu relacionamento com a imprensa é melhor do que parece.  Em pequenos assuntos costumam irritar-se mutuamente, mas quando se trata de alguma coisa séria, editores e proprietários geralmente concordam em usar de discrição.  "Sério" significa um caso no qual a vida humana ou a segurança nacional estão em jogo.  Por isso alguns casos de seqüestros são conduzidos sem nenhuma publicidade, embora os editores conheçam a maior parte dos detalhes.

       Neste caso, por causa do faro aguçado do repórter de Oxford, a raposa já estava desentocada e fugindo.  A imprensa britânica pouco podia fazer para usar de discrição.  Mas Sir Peter Imbert, o comissário, conferenciou pessoalmente com oito proprietários, vinte editores, os diretores das duas redes de televisão e as doze estações de rádio.  Argumentou que, fosse o que fosse o que a imprensa estrangeira publicasse ou dissesse, provavelmente os seqüestradores, escondidos em algum lugar da Grã-Bretanha, estariam atentos ao rádio britânico, vendo a televisão britânica e lendo jornais britânicos.  Pedia que não fossem publicadas reportagens insinuando que a polícia estava fechando o cerco e que o ataque à fortaleza deles era iminente.  Era o tipo de notícia que podia provocar pânico, levando-os a matar o refém e tentar a fuga.  Todos concordaram.

       Eram as primeiras horas do dia em Londres.  Muito longe, ao sul, um VC20 pairava sobre os Açores escuros, a caminho de Washington.

       Na verdade, os seqüestradores estavam escondidos.  Passando por Buckingham na manhã anterior, o Volvo havia atravessado a rodovia M1 a leste de Milton Keynes, virando para o sul na direção de Londres, entrando no tráfego pesado que se dirigia para a capital àquela hora e perdendo-se no meio dos caminhões de carga e dos carros de moradores de Buckinghamshire, Bedfordshire e Hertfordshire.  Ao norte de Londres, o Volvo passou para a M25, a grande rodovia que circunda a capital numa área de quarenta quilômetros do centro da cidade.  Da M25, as estradas que fazem a ligação entre Londres e os subúrbios espalham-se como raios de uma roda.

       O Volvo tomou uma dessas estradas e antes das dez da manhã entrou na garagem de uma casa isolada, na avenida ladeada de árvores, a um quilômetro e meio de uma pequena cidade, a menos de sessenta quilômetros, em linha reta, da Scotland Yard.  A casa fora bem escolhida, não tão isolada a ponto de sua compra chamar atenção, não próxima demais de vizinhos curiosos.  A três quilômetros da casa, o líder dos seqüestradores mandou que os outros três se abaixassem dentro do carro.  Os dois que estavam atrás cobriram-se com um cobertor. Quem estivesse por perto veria um único homem, com terno de passeio e barba, entrando na garagem da sua casa.

       A porta da garagem abria e fechava automaticamente de dentro do carro, por meio de controle remoto.  Só quando ela se fechou o chefe permitiu que os outros aparecessem e descessem do carro.  A garagem fazia parte da casa, com uma porta dando diretamente para o interior.

       Os quatro vestiram novamente as roupas negras de corrida e os capuzes, antes de abrirem a mala do carro.  Simon Cormack estava atordoado, a visão fora de foco, e esfregou os olhos quando a luz da lanterna incidiu sobre eles.  Antes que pudesse acomodar a vista, cobriram-lhe a cabeça com um pano negro.  Ele não viu nenhum dos seqüestradores.

       Atordoado, foi conduzido para o porão da casa, que estava preparado.  O chão de concreto branco estava limpo, a lâmpada no teto protegida por vidro inquebrável, uma cama de aço pregada no chão, o vaso sanitário com tampa de plástico.  A porta tinha dois cadeados e uma portinhola que se abria para fora.

       Os homens não o trataram com brutalidade; apenas colocaram o jovem na cama e o gigante o segurou enquanto os outros prendiam um dos seus tornozelos com uma algema de aço, não bastante apertada para provocar gangrena, mas o suficiente para que não pudesse escapar. A outra foi mais apertada.  Através dela passava uma corrente de aço de três metros presa com cadeado.  A outra extremidade da corrente já estava presa ao pé da cama.  Os homens não disseram uma palavra.

       Só depois de meia hora ele tirou o capuz.  Não sabia se os homens continuavam no quarto, embora tivesse ouvido uma porta fechando-se e cadeados sendo trancados.  Suas mãos estavam livres, mas Simon tirou o capuz lentamente.  Não foi espancado, ninguém gritou.  Finalmente estava livre do pano que cobria seus olhos.  Piscou reagindo à luz, depois olhou em volta.  Sua memória estava nublada.  Lembrava-se de correr na relva macia, de um furgão verde, um homem trocando o pneu, dois vultos vestidos de negro correndo para ele, o ruído ensurdecedor dos tiros, o impacto, a sensação de peso sobre o corpo e a relva na boca.

       Lembrava-se das portas abertas do furgão, de ter tentado gritar, agitando braços e pernas, os colchões dentro do furgão, o homem enorme imobilizando-o, algo doce e com cheiro forte na sua boca e depois...  nada.  Até aquele momento.  Até aquele quarto.  Então o medo chegou.  E a solidão, o isolamento completo.  Tentou ser corajoso, mas as lágrimas de medo encheram seus olhos e desceram pelo rosto.

       — Oh, papai – murmurou.  – Papai, desculpe-me.  Ajude-me.

       Se Whitehall estava tendo problemas com a onda de telefonemas e curiosidade da imprensa, a pressão na Casa Branca era duas vezes maior. A primeira declaração oficial sobre o caso foi feita em Londres, às sete horas da noite, após terem avisado a Casa Branca, uma hora antes, que não podiam evitá-Ia.  Mas eram duas da tarde em Washington e a reação da imprensa americana foi verdadeiramente frenética.

       Craig Lipton, o assessor de imprensa da Casa Branca, passou uma hora na Sala do Gabinete, com o comitê, sendo instruído sobre o que devia dizer. O problema era que tinham muito pouco a declarar. O fato do seqüestro podia ser confirmado, bem como a morte dos dois agentes secretos.  Podiam dizer que o filho do presidente era um ótimo atleta, especialista em corrida rústica, e que estava treinando quando foi seqüestrado.

       Claro que isso não ia adiantar. Não existe uma percepção mais brilhante dos fatos que a de um jornalista ofendido.  Creighton Burbank, embora decidido a não criticar o presidente nem culpar Simon, deixou bem claro que não permitiria que sua divisão fosse crucificada com a acusação de falha na proteção, quando havia especificamente exigido mais homens para a guarda de Simon.  Chegaram a um acordo que não ia enganar ninguém.

       Jim Donaldson acentuou o fato de que, como secretário de Estado, precisava manter relações com Londres, e qualquer atrito entre as duas capitais não ajudaria no caso e poderia até mesmo prejudicar. Insistiu para que fosse também destacada a morte do sargento britânico.  Isso foi feito, embora a assessoria de imprensa da Casa Branca tenha dado pouca importância. 

       Lipton enfrentou uma imprensa irritada depois das quatro horas da tarde e fez sua declaração.  Apareceu ao vivo na televisão, suas palavras foram transmitidas pelo rádio.  Assim que terminou de falar, começaram as perguntas.  Lipton alegou que não podia responder. Foi como se uma vítima no Coliseu romano dissesse aos leões que era magra demais para ser devorada.  O barulho aumentou.  Muitas perguntas perdiam-se na confusão, mas algumas chegavam aos cem milhões de americanos, plantando as sementes.  A Casa Branca culpava os britânicos? Bem, não...  Por que não, eles não estavam encarregados da segurança? Bem, estavam, mas...  Então a Casa Branca culpava o Serviço Secreto? Não exatamente...  Por que havia apenas dois homens guardando o filho do presidente, o que ele fazia correndo quase sozinho numa área isolada? Era verdade que Creighton Burbank havia pedido demissão? Os seqüestradores já haviam se comunicado? A esta última ele podia tranqüilamente responder "não", mas estava quase sendo obrigado a contornar as instruções recebidas para a entrevista.  Esse era o caso.  Os repórteres farejam um porta-voz esquivo como farejam um queijo limburgo.

       Finalmente, Lipton refugiou-se atrás do biombo, encharcado de suor e resolvido a voltar para Grand Rapids.  O deslumbramento de trabalhar na Casa Branca perdia o brilho rapidamente.  Os repórteres e articulistas dos jornais iam dizer o que queriam, independentemente das suas respostas.  Ao cair da noite, o tom da imprensa era marcadamente hostil à Grã-Bretanha.

       Na embaixada britânica, na Massachusetts Avenue, o adido de imprensa, que conhecia o método do TCR, o Tire o Cu da Reta, fez uma declaração.  Expressando a consternação e o choque do seu país com o ocorrido, ele escorregou em dois pontos.  Disse que a Polícia do Vale do Tâmisa havia desempenhado um papel muito discreto na guarda do filho do presidente, atendendo ao pedido específico dos americanos, e que o sargento Dunn fora o único a atirar duas vezes nos seqüestradores, tendo dado sua vida para isso.  Não era o que todos queriam, mas serviu para um parágrafo da declaração.  Serviu também para enfurecer Creighton Burbank.  Os dois homens sabiam que o pedido feito pelos americanos, a insistência para que os britânicos se mantivessem em segundo plano, partira de Simon Cormack, por intermédio do seu pai, mas nenhum deles podia dizer isso.

       O Grupo de Administração da Crise, os profissionais, esteve reunido durante o dia todo no porão da Sala de Situação, monitorando o fluxo de informação recebida do COBRA, de Londres, e informando os outros departamentos quando necessário.  A NSA intensificou o controle de todos os telefonemas para a Inglaterra e da Inglaterra para o caso dos seqüestradores fazerem uma chamada via satélite.  Os cientistas de comportamento do FBI, em Quantico, elaboraram UlIía lista de retratos psicológicos de outros seqüestradores e uma relação de coisas que os seqüestradores de Cormack podiam fazer ou não, além de listas das coisas que as autoridades americanas deviam ou não fazer. O pessoal de Quantico esperava ser chamado e voou em massa para Londres.  Estavam perplexos com a demora, embora nenhum deles estivesse atuado na Europa antes.

       Na Sala do Gabinete o comitê ministerial sobrevivia com nervos, café e antiácidos.  Era a primeira grande crise daquele governo e os políticos de meia-idade aprendiam do modo mais difícil a primeira regra da condução de uma crise.  Vai custar muito sono, portanto procure dormir sempre que possível.  De pé desde as quatro da manhã, os membros do Gabinete permaneciam acordados à meia-noite.

       Àquela hora, o VC20A sobrevoava o Atlântico, bem a oeste dos Açores, a três horas e meia da terra e quatro horas da aterrissagem.  No espaçoso compartimento de popa, dois veteranos, Weintraub e Quinn, dormiam.  Mais para a ré, dormiam também os três tripulantes que haviam pilotado o jato até a Espanha, enquanto a tripulação suplente levava o avião para casa.

       Os homens na Sala do Gabinete estudavam as informações obtidas sobre o homem chamado Quinn nos arquivos de Langley, complementadas com as do Pentágono.  Nascido numa fazenda em Delaware, diziam os arquivos.  Perdera a mãe aos dez anos.  Tinha agora 46 anos.

       Entrara para a infantaria com dezoito anos, em 1963, sendo transferido dois anos depois para as Forças Especiais e, quatro meses mais tarde, para o Vietnã, onde passara cinco anos.

       — Ao que parece ele jamais usa o primeiro nome – queixou-se Reed, do Tesouro.  – Diz aqui que até seus íntimos o chamam de Quinn.  Apenas Quinn.  Estranho.

       — Ele é estranho – observou Bill Waters, que já havia lido mais

       adiante.  – Diz também que detesta violência.

       — Nada de estranho nisso – disse Jim Donaldson, o advogado de New Hampshire que era secretário de Estado.  – Também detesto a violência.

       Ao contrário do seu predecessor George Schultz, que, ocasionalmente, deixava escapar algum palavrão, Jim Donaldson era um homem de educação muito aprimorada, uma característica que muitas vezes provocava piadas irônicas de Michael Odell.

       Magro e anguloso, mais alto do que John Cormack, parecia um flamingo a caminho de um enterro, e usava infalivelmente o terno completo cinzento escuro, relógio de bolso de ouro com corrente e colarinho branco muito engomado.  Odell, deliberadamente, quando queria provocar o austero advogado de Nova Jersey, mencionava certas funções corporais que faziam Donaldson franzir o nariz fino com cara de nojo.  Sua atitude em relação a violência igualava seu desprezo para com a vulgaridade.

       — Sim – disse Walters –, mas ainda não leram a página dezoito.  Donaldson e Michael Odell leram a página citada.  O vice-presidente assobiou baixinho.

       — Ele fez isso? – perguntou.  – Deviam ter dado a medalha do Congresso para o cara.

       — É preciso haver testemunhas para conferir a medalha do Congresso – observou Walters.  – Como pode ver, apenas dois homens sobreviveram ao encontro no Mekong, e Quinn carregou o outro nas costas por sessenta quilômetros.  Então o homem morreu dos ferimentos recebidos, no hospital militar em Da Nang.

       — Contudo – disse Hubert Reed, satisfeito –, ele conseguiu uma medalha de prata, duas de bronze e cinco Purple Hearts.  Como se fosse mais divertido ser ferido quando se ganham muitas medalhas.

       — Com as medalhas de campanha, o homem deve ter quatro fileiras de condecorações na túnica – disse Odell, pensativo.  – Não diz aqui como ele e Weintraub se conheceram.

       Não dizia.  Weintraub tinha agora 54 anos, oito a mais do que Quinn.  Entrara para a CIA com 24, recém-formado em 1961, fizera seu treinamento na Fazenda, o apelido do Camp Peary no Rio York, Virgínia, e fora para o Vietnã como oficial provincial GS 12 em 1965, quando o jovem boina-verde chamado Quinn chegou de Fort Bragg.

       Durante 1961 e 1962, dez equipes A das Forças Especiais americanas estiveram na província de Darlac organizando aldeias fortificadas estratégicas com os camponeses, usando a teoria "oil-spot" desenvolvida pelos britânicos para derrotar as guerrilhas comunistas na Malásia, fazendo com que fosse negado aos terroristas locais apoio em Suprimentos, alimentos, esconderijos seguros, informação e dinheiro.  Os americanos chamavam essa operação política de corações-e-mentes.  Sob orientação das Forças Especiais, o plano funcionara.

       Em 1964, Lyndon Johnson subiu ao poder. O Exército exigiu da CIA a devolução do controle das Forças Especiais.  Conseguiu.  Foi o fim da operação corações-e-mentes, embora levasse mais dois anos para entrar em colapso definitivo.  Weintraub e Quinn conheceram-se durante esses dois anos.  O homem da CIA encarregava-se de obter informações sobre os vietcongues, o que fazia com grande habilidade e astúcia, desprezando os métodos de homens como Irving Moss (que ele não chegou a conhecer, pois estavam em regiões diferentes no Vietnã), mesmo sabendo que esses métodos costumavam ser usados no programa Fênix, do qual fazia parte.

       As Forças Especiais aos poucos foram retiradas do programa nas aldeias e enviadas para missões de localizar e destruir nas profundezas da selva.  Os dois conheceram-se num bar, tomando cerveja.  Quinn tinha 21 anos e estava há um ano no Vietnã.  Ambos partilhavam a convicção de que o Alto Comando do Exército não venceria aquela guerra apenas com artilharia.  Weintraub simpatizou muito com o jovem e destemido soldado.  Talvez fosse autodidata, mas possuía um cérebro de primeira ordem e falava vietnamita fluentemente, uma coisa rara entre os militares.  Continuaram a manter contato.  A última vez que Weintraub viu Quinn foi durante o ataque a Son Tay.

       — Diz aqui que o cara esteve em Son Tay – declarou Michael Odell com sua fala arrastada.  – Que safado!

       — Com uma ficha dessas, como é que nunca chegou a oficial? – disse Morton Stannard.  – O Pentágono tem muita gente com o mesmo tipo de condecorações no Vietnã, mas foram promovidos na primeira oportunidade.

       David Weintraub podia ter esclarecido isso, mas estava ainda a sessenta minutos da aterrissagem.  Após recuperar o controle das Forças Especiais, os militares ortodoxos, que detestavam aquela divisão porque não a compreendiam, aos poucos limitaram ao mínimo o seu papel, nos seis anos até 1970, entregando o programa corações-e-mentes, bem como as missões de localizar e destruir, para o Exército vietnamita – com terríveis resultados.

       Contudo, os Boinas-Verdes continuaram, tentando conduzir a luta no Vietnã por meio de astúcia e tática, e não por bombardeios maciços e destruição que só serviam para aumentar o número de recrutas dos vietcongues.  Havia projetos como Omega, Sigma, Delta e Black Jack.  Quinn estava no Delta, comandado por "Charging Charlie" Beckwith, que, mais tarde, em 1977, organizou a Força Delta em Fort Bragg e pediu a Quinn para voltar de Paris para o Exército.

       O problema com Quinn era que ele considerava ordens como pedidos.  Às vezes não concordava.  E preferia operar sozinho.  Nada disso era uma boa recomendação para um oficial.  Após seis meses foi promovido a cabo, depois de dez meses a sargento.  Então voltou a ser soldado raso, depois sargento, depois soldado raso...  sua carreira era como um ioiô.

       — Acho que a resposta à sua pergunta, Morton – disse Odell –, está bem aqui.  O negócio depois de Son Tay.  – Deu uma risada abafada.  – O cara arrebentou o queixo de um general. 

       O grupo 5 das Forças Especiais finalmente deixou o Vietnã em 31 de dezembro de 1970, três anos antes da completa retirada militar, incluindo o coronel Easterhouse, e cinco anos antes da retirada embaraçosa, pelo telhado da embaixada, do último americano no país.  Son Tay foi em novembro de 1970.

       Relatórios diziam que havia um grande número de prisioneiros americanos em Son Tay, a 33 quilômetros de Hanói.  Foi decidido que as Forças Especiais deviam libertá-Ios.  Era uma operação complexa e ousada.  Os 58 voluntários saíram de Fort Bragg, Carolina do Norte, passando pela Base Elgin da Força Aérea, na Flórida, para treinamento de combate na selva.  Exceto um.  Precisavam de alguém que falasse vietnamita fluentemente.  Weintraub, encarregado da parte de informações da operação, disse que conhecia o homem.  Quinn juntou-se ao grupo na Tailândia e voaram juntos para Hanói.

       A operação foi comandada pelo coronel Arthur "Buli" Simons, mas o grupo ponta-de-Iança que entrou diretamente no campo de prisioneiros estava sob as ordens do capitão Dick Meadows.  Quinn estava com eles.  Foi informado por um atônito guarda norte-vietnamita, segundos após terem aterrissado, de que os americanos haviam sido removidos do campo – há duas semanas.  Os soldados das Forças Especiais voltaram intactos, com pequenos ferimentos superficiais.

       De volta à base, Quinn explodiu com Weintraub, criticando o péssimo trabalho de informação.  O homem da CIA protestou, dizendo que os informantes sabiam que os americanos tinham sido removidos e contado para o general-comandante.  Quinn entrou no Clube dos Oficiais, foi até o bar e partiu o queixo do general.  Evidentemente, foi expulso.  Um bom advogado de defesa pode arruinar uma carreira por uma coisa dessas.  Quinn passou a soldado raso – outra vez – e voltou para casa com os outros.  Uma semana depois, pediu baixa e foi trabalhar com seguros.

       — O homem é um rebelde – disse Donaldson com desagrado, fechando a pasta.  – E um solitário, um desgarrado e, além de tudo, violento.  Acho que cometemos um erro.

       — Ele tem também uma ficha sem precedentes de negociações em seqüestros – observou o secretário de Justiça Bill Walters.  – Diz aqui que sabe como lidar com seqüestradores, usando muita habilidade e astúcia.  Quatorze casos bem-sucedidos na Irlanda, França, Holanda, Alemanha e Itália.  Resolvidos por ele sozinho ou sob sua orientação.

       — Tudo o que queremos – disse Odell – é que ele traga Simon Cormack de volta, ileso.  Para mim pouco importa se ele esmurra generais ou fode carneiros.

       — Por favor – pediu Donaldson.  – A propósito, eu esqueci.  Por que ele abandonou o trabalho?

       — Aposentou-se – disse Brad Johnson.  – Alguma coisa sobre uma garota morta na Sicília há três anos.  Recebeu o soldo de desligamento do Exército, vendeu suas apólices e comprou terras no sul da Espanha.

       Um ajudante do centro de comunicações enfiou a cabeça na porta.  Eram quatro horas da manhã.  Estavam acordados há 24 horas. 

       — Weintraub e seu acompanhante acabam de aterrissar em Andrews – informou ele.

       — Traga-os para cá sem demora – ordenou Odell –, e chame o DCI, o diretor do FBI e o Sr. Kelly também, quando eles chegarem Quinn vestia ainda a roupa com que saíra da Espanha, agora com uma suéter que tirou da mochila.  A calça quase negra, parte do seu único terno, servia para ir à missa em Alcantara deI Río, pois nas aldeias da Andaluzia ainda usavam roupas pretas para a missa.  Mas estava muito amarrotada.  A suéter vira dias melhores e há três dias Quinn não se barbeava.

       Os membros do comitê estavam com melhor aparência.  Roupas de baixo, camisas e ternos passados haviam sido enviados de suas casas distantes.  Os banheiros ficavam ao lado da sala de reuniões.  Weintraub não parou e foram direto de Andrews para a Casa Branca.  Quinn parecia um rejeitado do bando de Butch Cassidy.

       Weintraub entrou na frente, afastou-se um pouco para dar passagem a Quinn e fechou a porta.  Os políticos de Washington olharam para Quinn em silêncio.  O homem alto, sem uma palavra, foi até a cadeira na extremidade da mesa, sentou-se sem ser convidado e disse:

       — Eu sou Quinn.

       O vice-presidente Odell pigarreou.

       — Sr. Quinn, nós o chamamos aqui porque estamos pensando em encarregá-Io das negociações para o resgate de Simon Cormack.

       Quinn fez um gesto afirmativo.  Certamente não o haviam trazido de tão longe para discutir futebol.

       — Estão a par das últimas notícias de Londres? – perguntou ele. 

       Essa entrada prática e direta no assunto foi um alívio para o comitê.  Brad Johnson empurrou uma folha de telex sobre a mesa para Quinn, que a estudou em silêncio.

       — Café, Sr. Quinn? – perguntou Hubert Reed.  Normalmente o secretário do Tesouro não servia café, mas levantou-se e foi até a cafeteira elétrica num canto da sala.  Muito café já fora tomado.

       — Simples – disse Quinn, lendo.  – Eles não fizeram contato ainda?

       Não precisava dizer quem eram "eles".

       — Não – disse Odell.  Silêncio total.  – É claro que tivemos centenas de telefonemas falsos.  Alguns na Inglaterra.  Só em Washington registramos 1.700.  Os maníacos estão se divertindo.

       Quinn continuou a ler. Weintraub o havia informado dos pontos principais, durante a viagem.  Ele estava verificando apenas o que acontecera depois disso.  Era pouca coisa.

       — Sr. Quinn, tem idéia de quem possa ter feito isso? – perguntou Donaldson.

       Quinn ergueu os olhos.

       — Cavalheiros, há quatro tipos de seqüestradores.  Apenas quatro.  O melhor, do nosso ponto de vista, seriam os amadores.  Não planejam bem.  Se conseguem realizar o seqüestro, deixam pistas.  Geralmente podem ser localizados.  Não são muito valentes, o que pode ser perigoso.  Quase sempre as equipes de resgate conseguem dominá-los e trazer o refém ileso.  Mas estes não são amadores.  Ninguém falou.  Todos ouviam com atenção.

       — Os piores são os maníacos, gente como o bando de Manson.  Inacessíveis, ilógicos.  Não querem nada material, matam por prazer. A boa notícia é que esta gente não me cheira a maníacos.  Os preparativos foram meticulosamente feitos, o treinamento, exato.

       — E os outros dois? – perguntou Bill Walters. 

       — Dos outros dois, os piores são os fanáticos, políticos ou religiosos.  Às vezes é impossível satisfazer suas exigências...  literalmente.  Eles procuram glória, publicidade, acima de tudo.  Têm uma Causa.  Alguns estão dispostos a morrer por ela, todos matam por ela.  Para nós a Causa pode parecer absurda, mas não para eles.  E não são idiotas, apenas repletos de ódio pelas instituições e, portanto, por suas vítimas, que pertencem a elas.  Matam para mostrar quem são, não em autodefesa.

       — E o quarto tipo? – perguntou Morton Stannard.

       — O criminoso profissional – disse Quinn sem hesitar. – Eles querem dinheiro...  essa é a parte mais fácil.  Investiram muito na operação e agora esse investimento é representado pelo refém.  Não costumam destruir esse investimento facilmente.

       — E esta gente? – perguntou Odell.

       — Seja quem for, essa gente tem uma grande desvantagem, que pode funcionar bem ou não.  Os tupamaros da América Central e do Sul, a Máfia siciliana, a N'Drangheta da Calábria, os montanheses da Sardenha ou os Hezb'Allah do sul de Beirute...  todos operam dentro de um ambiente nativo e seguro.  Não precisam matar porque não têm pressa. Podem esperar para sempre.  Essa gente está escondida na GrãBretanha.  Um ambiente hostil  para eles. Portanto, já estão submetidos a grande tensão. Devem querer negociar rapidamente e fugir, o que é bom. Mas podem ser atormentados pelo temor de serem descobertos, desistir e fugir. Deixando um cadáver para nós.  Isso é mau. - Negociará com eles? - perguntou Reed.

       — Se for possível.  Se fizerem contato, alguém tem de negociar. – Fico furioso só de pensar em dar dinheiro para esse lixo – disse Phillip Kelly, da Divisão Criminal do FBI.

       Os membros do FBI tinham origens diversas.  Kelly havia saído do Departamento de Polícia de Nova York.

       — Os criminosos profissionais costumam ser mais misericordiosos do que os fanáticos? – perguntou Brad Johnson.

       — Nenhum seqüestrador é misericordioso – disse Quinn secamente.  – É o crime mais sujo de todos.  Nossa esperança é a cobiça deles.

       Michael Odell olhou para os companheiros.  Houve uma série de gestos afirmativos.

       — Sr. Quinn, está disposto a negociar a liberdade deste rapaz? – Se os seqüestradores fizerem contato, sim.  Sob certas condições.  – É claro.  Pode dizer.

       — Eu não trabalho para o governo dos Estados Unidos.  Quero sua cooperação em tudo, mas trabalho para os pais.  Só para eles. 

       — De acordo.

       — Opero em Londres, não aqui.  Estamos longe demais.  Não quero nenhuma publicidade, nenhuma citação do meu nome.  Quero um apartamento particular com as linhas telefônicas necessárias.  E tenho prioridade no processo da negociação...  isso precisa ser autorizado por           Londres.  Não quero a inimizade da Scotland Yard.

       Odell olhou para o secretário de Estado.

       — Acho que podemos convencer o governo britânico a fazer essa concessão – disse Donaldson.  – Eles têm primazia na investigação, que continuará paralelamente a qualquer negociação direta.  Mais alguma coisa?

       — Eu opero a meu modo e decido como essa gente deve ser tratada.  Pode haver pagamento em dinheiro.  O dinheiro deve estar à minha disposição.  Meu trabalho consiste em reaver o garoto.  Só isso.  Depois que ele estiver livre, podem caçar os seqüestradores até os confins do mundo.

       — Oh, caçaremos – afirmou Kelly com sombria ameaça.  – Dinheiro não é problema – disse Hubert Reed.  – Deve compreender que não haverá limite ao que estamos dispostos a pagar. Quinn ficou calado, mesmo sabendo que dizer isso aos seqüestradores seria o pior modo de tratar do caso.

       — Não quero interferências, nada de seguir pistas, nada de iniciativa privada.  E, antes de partir, quero falar com o presidente Cormack.  Em particular.

       — Está falando do presidente dos Estados Unidos – disse Lee Alexander.

       — E também o pai do refém – replicou Quinn.  – Preciso saber certas coisas sobre Simon Cormack que só ele pode me dizer.

       — Ele está profundamente abalado – disse Odell.  – Não pode ser poupado?

       — Minha experiência é de que os pais geralmente desejam falar com alguém, mesmo um estranho.  Talvez especialmente um estranho.

       Confiem em mim.

       Mas Quinn sabia que não podia esperar isso deles.  Odell suspirou.

       — Vou ver o que posso fazer. Jim, quer avisar Londres de que Quinn está indo para lá? Diga que é o que queremos.  Alguém precisa arranjar roupas para ele.  Sr. Quinn, quer usar um dos banheiros no corredor para se lavar um pouco? Vou telefonar para o presidente.  Qual é o transporte mais rápido para Londres?

       — O Concorde que sai de Dulles dentro de três horas – disse Weintraub sem hesitar.

       — Reserve uma passagem – pediu Odell, levantando-se.  Todos se levantaram.

       Nigel Cramer tinha novidades para o comitê COBRA em Whitehall, às dez horas da manhã.  O Departamento de Trânsito em Swansea tinha uma pista.  Um homem semelhante ao antigo dono desaparecido

       do furgão Transit havia comprado e registrado outro furgão, um Sherpa, há um mês.  Agora tinham um endereço, em Leicester. O comandante Williams, chefe do EO 13 e membro da equipe oficial de investigação, estava a caminho, no helicóptero da polícia.  Se o homem.  não tinha mais o furgão, devia ter vendido a alguém.  Não fora dada nenhuma queixa de roubo do Transit.

       Depois da conferência, Sir Harry Marriott falou em particular com Cramer.

       — Washington quer se encarregar das negociações, se houver alguma – disse ele.  – Estão mandando seu homem para isso.

       — Sr. Secretário do Interior, insisto em dizer que a Met deve ter primazia em todas as áreas – replicou Cramer. – Quero encarregar dois homens da Divisão de Informação Criminal para as negociações.

       Não estamos em território americano. 

       — Sinto muito – disse Sir Harry –, mas tenho de indeferir seu pedido.  Já consegui a permissão de Downing Street.  Se eles querem assim, achamos que devemos concordar.

       Cramer ficou ofendido, mas seu protesto estava feito.  A perda da primazia nas negociações só servia para reforçar mais do que nunca sua determinação de terminar aquele seqüestro encontrando os seqüestradores por meio do trabalho dos seus detetives.

       — Posso perguntar quem é o homem, Sr. Secretário do Interior?

       — Parece que se chama Quinn.

       — Quinn?

       — Sim, já ouviu falar nele?

       — Certamente, Sr. Secretário.  Ele trabalhava para uma firma da Lyods.  Pensei que estava aposentado.

       — Bem, Washington diz que está de volta.  Ele é bom?

       — Extremamente bom.  Fez excelente trabalho em cinco países, incluindo a Irlanda há alguns anos.  Eu o conheci nesse caso da Irlanda a vítima era um cidadão britânico, um comerciante seqüestrado por renegados do IRA.

       Cramer sentiu alívio.  Temia algum teórico do comportamento, que ficaria espantado ao ver que os britânicos dirigiam em mão invertida

       — Esplêndido – disse Sir Harry.  – Então acho que devemos concordar de boa vontade.  Nossa completa cooperação, certo?

       O secretário do Interior, que também conhecia o método TCR embora pronunciando e escrevendo a segunda palavra de modo diferente dos americanos – não ficou descontente com a exigência de Washington.  Afinal, se alguma coisa saísse errada...

       Quinn foi conduzido ao escritório particular no segundo andar da mansão uma hora após sair da Sala do Gabinete.  Odell o levou pessoalmente, não pelos caminhos com cercas vivas do Jardim das Rosas, onde as magnólias desfolhadas encolhiam-se no frio de outono, pois as teleobjetivas estavam assentadas para o jardim a meio quilômetro de distância, e sim por um corredor subterrâneo e pela escada que levava ao corredor do primeiro andar da mansão.

       O presidente Cormack trajava um terno escuro e parecia muito cansado, com linhas de tensão em volta da boca, olheiras acentuadas de insônia no rosto pálido.  Depois do aperto de mãos fez um sinal ao vice-presidente, que se retirou.

       Pediu a Quinn que sentasse e se acomodou à sua mesa de trabalho.  Um mecanismo defensivo que erguia uma barreira, evitando que perdesse o controle.  Ia falar, mas Quinn antecipou-se.

       — Como está a Sra.  Cormack?

       Não "a primeira-dama".  Apenas a Sra.  Cormack, sua mulher.  O presidente sobressaltou-se.

       — Oh, está dormindo.  Foi um choque terrível.  Está sob sedativos.  – Uma pausa.  – Já passou por isso antes, Sr. Quinn?

       — Muitas vezes, senhor.

       — Muito bem, como pode ver, por detrás da pompa e circunstância, apenas um homem, um homem muito preocupado.

       — Sim, senhor. Eu sei.  Por favor, fale-me de Simon.

       — Simon? Falar o quê?

       — Como ele é.  Como acha que está reagindo a...  isto.  Por que tiveram o primeiro filho tão tarde?

       Ninguém na Casa Branca ousaria fazer essa pergunta.  John Cormack olhou para o homem no outro lado da mesa.  Ele era alto, mas Quinn não perdia para seu 1,90m.  Terno cinzento elegante, gravata listrada, camisa branca – tudo emprestado, mas o presidente não sabia disso.  Rosto barbeado, bronzeado de sol.  Traços fortes, olhos calmos acinzentados, uma impressão de força e paciência. 

       — Tão tarde? Bem, não sei.  Eu me casei com trinta anos, Myra tinha vinte e um.  Eu era um jovem professor...  pensamos em começar uma família depois de dois ou três anos.  Mas não aconteceu.  Esperamos.  Os médicos disseram que não havia nenhum motivo...  Então, depois de dez anos de casamento, chegou Simon.  Eu estava com quarenta, Myra com trinta e um.  Nunca tivemos outro filho...  só Simon.  

       — O senhor o ama muito, certo? O presidente Cormack olhou surpreso para Quinn.  A pergunta era totalmente inesperada.  Sabia que Odell vivia completamente afastado dos filhos crescidos, mas jamais lhe ocorreu pensar no quanto amava seu único filho.  Levantou-se e foi sentar na beira de uma cadeira, muito mais perto de Quinn.

       — Sr. Quinn, ele é a lua e o sol para mim, para nós dois.  Traga-o de volta para nós.

       — Fale sobre a infância dele, quando era bem pequeno.

       O presidente ergueu-se de um salto.

       — Tenho uma fotografia – disse ele, triunfante.  Foi até um gabinete e voltou com uma fotografia num porta-retratos.  Mostrava um garotinho forte na praia, com calção de banho, segurando um balde e uma pá.  O pai orgulhoso, agachado atrás dele, sorria satisfeito.

       — Foi tirado em Nantucket, em 75.  Eu acabava de ser eleito para o Congresso em New Haven.

       — Fale sobre Nantucket – disse Quinn suavemente.

       O presidente Cormack falou durante uma hora.  Aparentemente o ajudava.  Quando Quinn levantou-se para sair, John Cormack entregou a ele uma folha de papel com um número escrito.

       — É meu telefone particular. Poucas pessoas o conhecem.  Pode se comunicar comigo de dia ou de noite...   – Estendeu a mão.  – Boa sorte, Sr. Quinn.  Que Deus o acompanhe.  – Tentava se controlar.

       Quinn fez um gesto afirmativo e saiu depressa.  Já vira antes o efeito, o terrível efeito.

       Enquanto Quinn estava ainda no banheiro, Phillip Kelly tinha voltado para o edifício Edgar J.  Hoover, onde sabia que seu diretora-ssistente o aguardava.  Ele e Kevin Brown tinham muita coisa em comum, por isso insistira naquele encontro.

       Quando chegou ao escritório, o diretor já estava lá, lendo as informações sobre Quinn.  Kelly indicou a pasta com a cabeça e sentou-se.

       — Então, esse é o nosso grande homem.  O que você acha?

       — Foi muito corajoso em combate – concedeu Brown.  – Em Outras coisas, um espertalhão.  A única coisa que aprecio nele é o nome.

       — Bem – disse Kelly –, eles o contrataram passando por cima do chefe do FBI.  Don Edmonds não fez objeção.  Talvez esteja pensando que se a coisa acabar mal...  Seja como for, o engraçadinho que arranjou esta coisa violou pelo menos três estatutos dos Estados Unidos.  O FBI ainda tem a jurisdição, mesmo tendo acontecido em territorio britânico.  E não quero este ioiô operando por conta própria, sem supervisão, não importa quem dê ordens em contrário.

       — Certo – concordou Brown.

       — O homem do PBI em Londres é Patrick Seymour. Você o conhece?

       — Ouvi falar nele – resmungou Brown.  – Parece que é muito amigo dos britânicos.  Talvez um pouco demais.

       Kevin Brown viera da força policial de Boston, um irlandês, como Kelly, cuja admiração pelos britânicos podia ser escrita num selo postal que ainda sobrava espaço.  Não que gostasse do IRA.  Havia prendido dois traficantes de armas que negociavam com o IRA, que teriam ido para cadeia se não fosse a decisão do tribunal.

       Era um policial mantenedor da lei à antiga e não suportava criminosos de nenhuma espécie.  Recordava ainda sua infância num bairro pobre de Boston, e ouvia de olhos arregalados as histórias que a avó contava de gente morrendo com a boca verde de tanto comer capim durante a grande fome de 1849, e os enforcamentos e fuzilamentos de 1916.  Para ele a Irlanda, um país que não conhecia, era uma terra de névoa e suaves colinas verdes, animada pelos violinos e pelos cantores, onde poetas como Yeats e O'Faoláin vagavam e compunham seus versos.  Sabia que Dublin era cheia de bares aconchegantes, onde gente pacata tomava cerveja ao redor de fogões a carvão, lendo as obras de Joyce e O'Casey.

       Ouvira dizer que Dublin tinha o pior problema de drogas entre adolescentes de toda a Europa, mas sabia que não passava de propaganda de Londres.  Ouvira primeiros-ministros irlandeses em solo americano pedindo que não mandassem mais dinheiro para o IRA.  Bem, as pessoas tinham direito às próprias opiniões.  E Kevin tinha a sua.  O fato de ser um caçador de criminosos não implicava gostar do povo, que para ele era perseguidor eterno da terra dos seus antepassados.  No outro lado da mesa, Kelly tomou uma decisão.

       — Seymour é íntimo de Buck Revell, que está afastado, doente, O diretor me encarregou do caso do ponto de vista do FBI.  E não quero este Quinn fora do meu controle.  Quero que escolha uma boa equipe e vá para Londres no vôo do meio-dia.  Chegarão algumas horas depois do Concorde, mas não tem importância.  Instale sua base na embaixada...  direi a Seymour que você é o encarregado, apenas para este caso de emergência.

       Brown levantou-se, satisfeito.

       — Mais uma coisa, Kevin.  Quero um agente especial perto de Quinn.  O tempo todo, dia e noite.  Se aquele cara der um arroto, eu quero saber.

       — Tenho a pessoa certa para isso – disse Brown sombriamente.  – Um bom agente, tenaz e inteligente.  Além disso, com boa aparência.  Agente Sam Somerville.  Vou dar as instruções agora mesmo. 

       Em Langley, David Weintraub imaginava quando poderia dormir outra vez.  Na sua ausência o trabalho havia se acumulado.  Grande parte referia-se ao fichário de todos os grupos terroristas conhecidos da Europa – informações atualizadas, os agentes infiltrados, paradeiro conhecido dos líderes, possíveis incursões na Grã-Bretanha nos últimos quarenta dias...  só a lista dos assuntos era uma relação interminável.  Assim, foi o chefe da seção européia quem deu instruções a McCrea.

       — Vai conhecer Lou Collins, da nossa embaixada – disse ele –, mas ele estará nos passando informações fora do círculo privado.  Precisamos de alguém vigiando esse Quinn.  Temos de identificar os seqüestradores e não ficarei descontente se fizermos isso antes dos britânicos.  E especialmente antes do FBI.  Claro que os britânicos são amigos, mas quero este caso para a Agência.  Se os seqüestradores forem estrangeiros, isso nos dará uma vantagem.  Temos melhores informações sobre os estrangeiros do que o FBI, talvez até do que os britânicos.  Se Quinn farejar alguma coisa, algum instinto sobre os seqüestradores, e o demonstrar, você nos informa.

       O agente McCrea ficou maravilhado.  Um GS12 com dez anos de trabalho na Agência, desde seu recrutamento no exterior – seu pai era um comerciante na América Central – havia sido designado duas vezes para o exterior, mas nunca para Londres.  A responsabilidade era enorme, mas valia a pena.

       — Pode confiar em m...m...mim, senhor.

       Quinn fez questão de não ser acompanhado ao aeroporto Dulles por nenhuma pessoa conhecida da imprensa.  Deixou a Casa Branca num carro compacto simples, dirigido por seu acompanhante, um agente do Serviço Secreto.  Quinn abaixou-se no banco traseiro quando passaram pelo grupo da imprensa em Alexander Hamilton Place, na extremidade leste do complexo da Casa Branca, o ponto mais distante da Ala Oeste.  Os repórteres olharam para o carro, não viram nada de importante e não prestaram mais atenção.

       No aeroporto Dulles, Quinn passou pelo portão de embarque com seu acompanhante, que fez questão de ir com ele até o Concorde e que ergueu as sobrancelhas ao mostrar seu cartão de identificação da Casa Branca para o controle de passaportes.  Pelo menos serviu para duas coisas.  Quinn foi ao free shop e comprou vários artigos de toalete, camisas, gravatas, cuecas, meias, sapatos, uma capa de chuva, uma valise e um pequeno gravador com uma dúzia de pilhas e fitas.  Quando chegou a hora de pagar, ele apontou para o agente do Serviço Secreto com o polegar.

       — Meu amigo aqui acerta tudo com o cartão de crédito – disse ele.

       O insistente jovem deixou-o na porta do Concorde.  A comissária de bordo britânica levou Quinn até sua poltrona na frente do avião, dando-lhe a atenção que dava a todos os passageiros.  Quinn sentou no lugar ao lado do corredor. Alguns momentos depois, alguém ocupou a poltrona no outro lado do corredor. Quinn olhou para a  mulher. Cabelos louros curtos e brilhantes, mais.  ou menos 35 anos.  O costume que usava era um pouco severo demais para seu corpo e os saltos um pouco baixos demais.  O Concorde virou para a pista, fez uma pausa, estremeceu lançou-se para a frente.  O nariz de ave de rapina se ergueu, as garras das rodas traseiras perderam contato, o solo lá embaixo sofreu uma inclinação de 45 graus e Washington desapareceu rapidamente.

       Havia mais uma coisa.  Duas pequenas marcas na lapela da mulher, o tipo de marcas deixadas por um alfinete.  O tipo de alfinete que prende um crachá de identificação.  Quinn inclinou-se para ela. 

       — De que departamento você é?

       A mulher sobressaltou-se.

       — O que foi que disse?

       — O FBI.  Em qual departamento do FBI você trabalha?

       Ela teve o encanto de corar. Mordeu o lábio enquanto pensava.  Muito bem, tinha de acontecer, mais cedo ou mais tarde.

       — Sinto muito, Sr. Quinn.  Meu nome é Somerville.  Agente Sam Somerville.  Disseram...

       — Tudo bem, Srta.  Sam Somerville, sei o que disseram...

       O aviso de não fumar apagou-se.  Os fumantes na parte de trás acenderam seus cigarros.  Uma comissária de bordo serviu champanha.  O homem de negócios ao lado da janela, à esquerda de Quinn, ficou com o último copo.  A comissária se virou para voltar ao seu posto.  Quinn a fez parar, desculpou-se, pegou a bandeja de prata das mãos dela, tirou a pequena toalha bordada e ergueu a bandeja à altura dos olhos.  No reflexo examinou os outros passageiros.  Levou alguns segundos.  Então, agradeceu à comissária intrigada e devolveu a bandeja.

       — Quando as luzes dos cintos de segurança se apagarem, acho melhor dizer àquele cara de Langley, na fila 21, para vir sentar seu rabo aqui – disse à agente Sam Somerville.

       Cinco minutos depois, ela voltou com o jovem.  Corado e desculpando-se, ele ajeitava os cabelos louros, ensaiando um largo sorriso.

       — Sinto muito, Sr. Quinn.  Não pretendia me intrometer. Só que eles me disseram...

       — É, eu sei.  Sente.  – Mostrou a poltrona vazia na fila da frente.

       — Uma pessoa que não suporta fumaça de cigarro chama atenção sentada lá atrás.

       — Oh.  – O jovem, desapontado, obedeceu.

       Quinn olhou para fora.  O Concorde deslizava sobre a costa da Nova Inglaterra, preparando-se para ligar o supersônico.  Mal tinha saído da América e as promessas já estavam sendo quebradas.  Eram 10: 15 na Costa Leste e 3: 15, hora de Londres, e estavam a três horas de Heathrow.

      

         Simon Cormack passou as primeiras 24 horas de cativeiro em completo isolamento.  Os entendidos explicam que isso faz parte do processo de amaciamento, uma longa oportunidade para o refém pensar na sua solidão e sua impotência.  Também o tempo necessário para sentir fome e cansaço.  Um refém bem disposto, preparado para discutir e fazer queixas, até mesmo elaborar um plano de fuga, representa problemas para os seqüestradores.  A vítima reduzida à impotência fica pateticamente grata a qualquer pequeno favor, sendo muito mais fácil ser manejada.

       Às dez horas da manhã do segundo dia, mais ou menos no momento em que Quinn entrava na Sala do Gabinete, em Washington, Simon cochilava agitado quando ouviu o estalido da portinhola.  Ergueu os olhos e viu um olho que o observava.  A cama ficava bem distante da porta, e mesmo que esticasse ao máximo a corrente que o prendia não poderia fugir à vigilância dos seqüestradores. 

       Segundos depois ouviu o ruído dos dois cadeados.  A porta abriu-se apenas alguns centímetros e uma mão com luva negra apareceu.  Segurava um cartão branco, no qual estava escrita uma mensagem, ou instrução, com letras maiúsculas. 

       QUANDO OUVIR TRÊS BATIDAS PONHA O CAPUZ.  DIGA SE COMPREENDEU.

       Ele esperou, sem saber o que devia fazer. O homem sacudiu o cartão, impaciente. 

       — Sim – disse ele –, compreendi.  Três batidas na porta e ponho o capuz.

       O cartão foi retirado e substituído por outro.

       DUAS BATIDAS E PODE TIRAR O CAPUZ OUTRA VEZ.  QUALQUER TRUQUE...VOCÊ MORRE.

       — Compreendi – disse ele.

       O cartão desapareceu, a porta se fechou.  Mais alguns segundos e ouviu três batidas fortes.  Obedientemente, Simon apanhou o capuz grosso e negro que estava sobre a cama.  Enfiou na cabeça, ajeitando-o até abaixo dos ombros, pôs as mãos sobre os joelhos e esperou, tremendo de medo.  Não ouviu nenhum ruído, apenas teve a sensação de que alguém com sapatos macios entrava na cela.

       O seqüestrador usava roupa negra que o cobria dos pés à cabeça, mais o capuz, apenas com os olhos visíveis, apesar de Simon não poder vê-lo.  Instruções do chefe.  O homem colocou alguma coisa perto da cama e afastou-se.  Simon ouviu a porta sendo fechada, o ruído dos cadeados, as duas batidas.  Lentamente tirou o capuz.  No chão estava uma bandeja de plástico, com um prato, faca, garfo e copo também de plástico.  A comida era salsicha, vagem, bacon, e um pedaço de pão, água no copo.

       Simon estava faminto.  Não comia desde a noite anterior ao seqüestro, e sem pensar disse em voz alta, para a porta: "Obrigado." No mesmo instante ficou furioso com o que acabava de dizer. Não devia estar agradecendo àqueles miseráveis.  Na sua inocência não sabia que a "síndrome Estocolmo" começava a se manifestar, aquela estranha empatia que se forma entre a vítima e seus perseguidores, fazendo com que sua fúria se volte contra as autoridades que permitiram o seqüestro e aquela situação, e não contra os seqüestradores.

       Comeu tudo, bebeu a água devagar com grande satisfação e adormeceu.  Uma hora mais tarde, o processo foi repetido para a retirada da bandeja.  Simon usou o balde pela quarta vez, voltou para a cama e pensou em sua família e no que estaria fazendo por ele.

      

       Enquanto estava ali deitado, pensando, o comandante Williams voltou de Leicester para Londres e foi direto ao escritório do comissário-assistente Cramer, na Nova Scotland Yard.  Convenientemente, a Yard, sede da Met, fica apenas a quatrocentos metros do escritório do Gabinete.

       O antigo dono do Transit fora levado à delegacia de Leicester para interrogatório, um homem assustado e, como concluíram, inocente.  Disse que seu furgão Transit não fora vendido nem roubado – mas inutilizado numa batida, há dois meses.  Como ele estava de mudança na época, esqueceu de informar o Centro de Licenciamento, em Swansea.

       Passo a passo, o comandante Williams verificou a história.  O homem, que fornecia artigos para construções, fora apanhar duas lareiras de mármore no sul de Londres.  Ao fazer uma curva perto da demolição de onde as lareiras haviam sido retiradas, bateu de frente num removedor de terra.  O removedor de terra ganhou.  O furgão Transit, ainda com sua pintura azul original, se acabou.  Embora a avaria se localizasse na altura do radiador, o chassi ficou empenado.

      

       Ele voltou para Nottingham, a companhia de seguros examinou o Transit numa firma local de reformas de carros, verificou que não podia ser consertado mas negou-se a pagar o seguro, porque não era total e porque ele fora o culpado da colisão.  Aborrecido, o homem aceitou vinte libras pelo Transit inutilizado, fechando o negócio por         telefone com a firma de reformas e não voltando a Londres.

       — Alguém o pôs de novo na estrada – disse Williams.

       — Ótimo – observou Cramer. – Isso quer dizer que morderam a isca.  O laboratório disse que alguém trabalhara no chassi com uma solda elétrica.  A pintura com tinta verde fora feita em cima do azul original, à base de celulose.  Um trabalho malfeito com spray.  Descubra quem fez e a quem eles venderam o carro.

       — Vou a Balham – disse Williams –, onde fica a oficina mecânica.

       Cramer voltou ao trabalho, que era muito, informações de uma dezena de equipes diferentes.  Quase todos os exames de laboratório estavam concluídos e eram brilhantes.  O problema era que não bastavam.  As balas retiradas dos corpos combinavam com as cápsulas da Skorpion, o que era de esperar. Não haviam encontrado nenhuma outra testemunha em Oxford.  Os seqüestradores não deixaram impressões digitais e nenhuma outra pista além das marcas dos pneus do carro de passeio.  As marcas do furgão eram inúteis – tinham o furgão, embora semidestruído pelo fogo.  Ninguém vira os homens perto do celeiro.  As marcas do carro de passeio foram identificadas quanto a marca e modelo, mas eram idênticas às de milhões de carros daquele tipo.

       Uma dúzia de equipes fazia uma verificação discreta sobre as propriedades alugadas nos últimos seis meses com espaço e privacidade adequados para um seqüestro.  A Met fazia o mesmo em Londres para o caso dos criminosos terem se escondido na cidade.  Isso significava a verificação de milhares de contratos de aluguel.  Os negócios a dinheiro e pagamento adiantado tinham primazia na lista, e havia centenas deles.  Uma dezena de ninhos de amor, dois alugados por celebridades nacionais, foram descobertos.

       Informantes do submundo estavam sendo pressionados no sentido de revelar qualquer coisa que tivessem ouvido sobre planejamento de algum grande golpe; ou sobre "escória" ou "faces", a gíria para criminosos conhecidos, que tivessem saído subitamente de circulação.  O submundo estava sendo revirado de cabeça para baixo, mas por enquanto nada tinha sido descoberto.

       Na mesa de Cramer havia uma pilha de relatórios sobre pessoas que "viram" Simon Cormack e que iam do plausível ao possível até o lunático, e estavam sendo verificados.  Outra pilha era de transcrições de mensagens telefônicas dizendo que estavam com o filho do presidente dos Estados Unidos.  Novamente algumas eram completamente malucas, outras pareciam aceitáveis.  NO caso dessas últimas, as pessoas foram tratadas seriamente e foi pedido que mantivessem contato.  Mas Cramer intuía que os verdadeiros seqüestradores estavam ainda mantendo silêncio, fazendo as autoridades suar. Era a coisa mais habilidosa a ser feita.

       Uma sala especial fora preparada no subsolo para a equipe especializada da Divisão de Informação Criminal, os negociadores usados nos seqüestros na Grã-Bretanha, que esperavam o contato verdadeiro, conversando calmamente com os falsos.  Vários deles já haviam sido apanhados e seriam julgados no tempo devido.

       Nigel Cramer foi até a janela e olhou para baixo.  A calçada da Victoria Street estava repleta de repórteres – cada vez que ia a Whitehall passava direto por eles com os vidros do carro levantados.  Assim mesmo ouvia as perguntas gritadas.  A divisão de imprensa da Met estava ficando louca.

       Olhou para o relógio e suspirou.  Se os seqüestradores demorassem mais tempo para fazer contato, o americano Quinn provavelmente se encarregaria da negociação.  Sua autoridade fora suplantada e Cramer não gostava disso.  Leu o relatório sobre Quinn, emprestado por Lou Collins, da CIA, e passou duas horas com o executivo de operações da Lloyd's, que havia empregado Quinn e seus talentos estranhos mas eficientes durante dez anos.  O que ficou sabendo sobre o homem provocou sentimentos conflitantes.  Quinn era bom, mas não ortodoxo.  Nenhuma força policial gosta de trabalhar com um independente, por mais talentoso que seja.  Resolveu não ir receber Quinn em Heathrow.  Preferia vê-Io mais tarde e apresentá-Io aos dois inspetores-chefes que o ajudariam nas negociações – se chegassem a isso.  Estava na hora de voltar para Whitehall e fazer seu relatório para o COBRA – tinha pouco a dizer. Não, este caso definitivamente não ia ser de solução rápida.

      

       O Concorde, voando numa corrente de vento favorável, chegou a Londres quinze minutos antes da hora prevista, às seis horas.  Quinn apanhou sua pequena valise e entrou no túnel a caminho da área de desembarque, acompanhado por Somerville e McCrea.  A alguns metros da entrada do túnel, dois homens cinzentos com ternos cinzentos esperavam pacientemente.  Um adiantou-se.

       — Sr. Quinn? – perguntou em voz baixa.

       Quinn fez um gesto afirmativo.  O homem não mostrou um cartão de identidade ao estilo americano, certo de que sua aparência e modos indicavam que representava as autoridades.

       — Estávamos à sua espera, senhor. Se quiser me acompanhar...

       Meu companheiro pode levar sua mala.

       Sem esperar nenhuma objeção, seguiu pelo túnel, desviou-se do grupo de passageiros na entrada do corredor principal e entrou numa sala pequena com apenas um número na porta.  O homem mais alto, com o rótulo de ex-oficial subalterno do Exército estampado no rosto, cumprimentou Quinn com um aceno amistoso e apanhou a valise.  No escritório, o homem calado examinou rapidamente o passaporte de Quinn e os dos "seus assistentes", tirou um carimbo do bolso externo, carimbou os três e disse:

       — Bem-vindo a Londres, Sr. Quinn.

       Saíram do escritório por outra porta e desceram alguns degraus até o carro que os esperava.  Mas se Quinn pensou que ia diretamente para Londres, enganou-se.  Foram diretamente para a sala VIP.  Quinn entrou e olhou sombriamente em volta.  Muita discrição, ele dissera.  Nada que chame atenção para minha pessoa.  Lá estavam representantes da embaixada americana, do Ministério do Interior britânico, Scotland Yard, Ministério do Exterior, CIA, FBI e – ao que ele sabia de Woolworths e da Coca-Cola.  Tudo levou vinte minutos.

       A procissão de carros para Londres foi pior ainda.  Ele foi na frente numa limusine americana de meio quarteirão de comprimento com uma flâmula no capô.  A escolta de motocicletas abriu caminho entre o tráfego do começo da noite.  Atrás ia Lou Collins, dando carona – e instruções – para seu companheiro da CIA, Duncan McCrea.  Dois carros mais atrás estava Patrick Seymour, que fazia o mesmo para Somerville.  Os britânicos nos seus Rovers, Jaguars e Granadas fechavam a procissão.

       Entraram na rodovia M4 a caminho de Londres, passaram para a Circular Norte e seguiram pela Fincley Road.  Logo depois de Lords, o primeiro carro entrou no Regent's Park, seguiu pelo Círculo Externo por algum tempo e passou por um grande portão, recebendo acontinência dos guardas de segurança.

       Durante a viagem Quinn olhava para as luzes da cidade que conhecia tão bem, tal como tantas outras no mundo.  Nada comentou, até que o ministro-conselheiro, muito emproado, resolveu se calar também.  Quando o carro se dirigia para a entrada iluminada de uma mansão senhorial, Quinn falou.  Ou melhor, ordenou.  Inclinando-se para a frente – era grande a distância entre o banco traseiro e as costas do motorista – ele disse no ouvido do homem:

       — Pare o carro.

       O motorista, da marinha americana, ficou tão surpreso que obedeceu com rapidez.  O carro que vinha atrás não foi tão rápido.  Ouviram o ruído dos vidros quebrados dos faróis dianteiros e traseiros.  Mais atrás, o motorista do Ministério do Interior, para evitar a colisão, levou o carro para cima da cerca de rododendros.  A procissão parou como uma sanfona.  Quinn desceu do carro e olhou para a mansão.

       Um homem estava de pé no último degrau do pórtico.

      

       — Onde estamos? – perguntou Quinn, mas sabia muito bem.  O diplomata saiu apressado do carro.  Eles o haviam avisado sobre Quinn.  Mas não acreditou, até aquele momento.  Outros saíam dos carros e se aproximavam deles.

       — Winfield House, Sr. Quinn.  Aquele é o embaixador Fairweather, que está à sua espera.  Tudo está preparado.  O senhor tem uma suíte...  tudo está preparado.

       — Pois despreparem – disse Quinn.  Abriu a mala do carro, apanhou sua valise e começou a andar na direção do portão.

       — Onde vai, Sr. Quinn? – perguntou o diplomata em tom lamentoso.

       — Voltar para a Espanha – respondeu Quinn, de longe.

       Lou Collins estava na frente dele.  Havia falado com Weintraub pela linha secreta enquanto o Concorde estava ainda no ar. "Ele é um sacana esquisito," dissera Weintraub, "mas dê o que ele pedir."

       — Temos um apartamento – disse ele em voz baixa.  – Muito discreto, muito isolado.  Nós o usamos às vezes para o primeiro interrogatório de desertores do bloco soviético.  E para visitantes de Langley.  O diretor de Operações costuma se hospedar nele.

       — Endereço – pediu Quinn.

       Collins disse.  Uma rua secundária em Kensington.  Quinn agradeceu com um aceno da cabeça e continuou a andar. Um táxi passava pelo Círculo Externo.  Quinn o chamou, deu o endereço e desapareceu.

       Levaram quinze minutos para desfazer a confusão na entrada da mansão.  Finalmente, Lou Collins levou McCrea e Somerville no seu carro até Kensington.

       Quinn pagou o táxi e examinou o bloco de apartamentos.  De qual.  quer forma, iam colocar escutas onde quer que ele ficasse.  Pelo menos, sendo propriedade da Companhia, tudo já devia estar instalado, evitando uma porção de desculpas sobre redecoração.  O número dado por Collins ficava no terceiro andar. Quinn tocou a campainha e um subalterno da Companhia atendeu.  O zelador.

       — Quem é você? perguntou ele.

       — Eu entro – disse Quinn, passando por ele – e você sai.

       Examinou a sala de estar, o quarto principal e os outros dois, menores.  O zelador falava agitado no telefone.  Passaram o chamado para o carro de Lou Collins e o homem se acalmou.  Mal-humorado, fez as malas.  Collins e os dois sabujos chegaram três minutos depois de Quinn, que já havia escolhido o quarto principal para seu uso.  Patrick Seymour tinha seguido Collins.  Quinn observou os quatro.

       — Esses dois precisam morar comigo? – perguntou, indicando com um movimento da cabeça a agente especial Somerville e McCrea.

       — Escute, seja razoável, Quinn – disse Collins.  – Estamos tentando resgatar o filho do presidente.  Todos querem saber o que acontece.  Não ficarão satisfeitos com menos.  Os grandes não vão permitir que more sozinho aqui como um monge, sem dar nenhuma informação.

       Quinn pensou no assunto.

       — Muito bem, o que vocês dois sabem fazer além de espionar? – Podemos ser úteis, Sr. Quinn – implorou McCrea. 

       — Comprar coisas...  fazer outros trabalhos.

       Com o cabelo engomado, o constante sorriso tímido e inseguro, parecia ter muito menos do que seus 34 anos, muito mais um universitário do que um agente da CIA.  Sam Somerville aproveitou a deixa.

            — Sou boa cozinheira – disse ela.  – Agora que esnobou ia residência e toda a criadagem, vai precisar de alguém para fazer sua comi            da.  Aqui onde estamos, de qualquer modo, seria um agente.

            Pela primeira vez, desde que se haviam encontrado, um largo sorriso apareceu nos lábios de Quinn.  Somerville achou que transformara      completamente a expressão do enigmático veterano.

            — Tudo bem – disse ele para Collins e Seymour. – De qualquer modo vocês vão grampear todos os quartos e telefones.  Fiquem com os dois quartos menores.

            Os dois agentes entraram no corredor e Quinn voltou-se para Collins e Seymour novamente.

            — Mas chega.  Nada de outros hóspedes.  Preciso falar com a polícia britânica.  Quem é o encarregado?

       — Comissário-assistente Cramer. Nigel Cramer. O número um           do Departamento EO.  O senhor o conhece?

       — O nome não me é estranho – disse Quinn.

            O telefone tocou.  Collins atendeu, escutou, cobriu O bocal com a mão.

            — É Cramer. Está em Winifield House.  Devia se comunicar com o senhor e acaba de saber da mudança de planos.  Quer vir até aqui.  OK?

       Quinn assentiu com um gesto.  Collins voltou a falar no telefone, transmitindo a permissão.  Cramer chegou num carro da polícia sem identificação, vinte minutos mais tarde.

       — Sr. Quinn? Nigel Cramer. Já nos encontramos uma vez, rapidamente.

       Entrou no apartamento com ar desconfiado.  Não sabia da existência daquela "casa segura" da Companhia.  Mas sabia que quando aquele caso terminasse a CIA passaria para outro lugar.

       Quinn lembrou-se de Cramer quando o viu.

            — Irlanda, há alguns anos.  O caso Don Tidey.  Estava na Divisão Antiterrorista então.

            — EO 13, isso mesmo.  Tem boa memória, Sr. Quinn.  Acho que precisamos conversar.

            Foram para a sala de estar, sentaram um de frente para o outro.

      

       Quinn, com um gesto largo, indicou que a sala certamente estava grampeada.  Lou Collíns podia ser um cara legal, mas nenhum espião é tão legal assim.  O policial britânico fez um gesto afirmativo.  Compreendeu que na realidade estava em território americano, no coração da sua própria capital, mas o que tinha a dizer constaria do seu relatório para o COBRA.

       — Deixe que eu, como dizem na América, ponha as cartas na mesa, Sr. Quinn.  Foi garantida à Polícia Metropolitana completa primazia na investigação deste crime.  Seu governo concordou.  Até agora não tivemos nenhum resultado conclusivo, mas é cedo ainda e estamos trabalhando intensamente.

       Quinn assentiu com a cabeça.  Havia trabalhado em salas grampeadas antes, muitas vezes, e falado em telefones com escuta.  Era sempre um esforço manter uma conversa normal.  Compreendeu que Cramer falava para a escuta, daí seu pedantismo.

       — Pedimos prioridade no processo de negociação e nos foi negado, a pedido de Washington.  Tenho de aceitar, mas não tenho de gostar disso.  Fui instruído também para dar toda a cooperação que a Met e o nosso governo podem oferecer. O senhor a terá.  Dou minha palavra.

       — Fico muito grato por isso, Sr. Cramer – disse Quinn.  Sabia que estava sendo excessivamente formal, mas em algum lugar os discos estavam girando.

       — Então, o que exatamente o senhor deseja?

       — Primeiro o histórico.  O último relatório que li foi em Washington...  – Verificou a hora.  Oito da noite em Londres.  – Há mais de sete horas.  Os seqüestradores ainda não fizeram contato?

       — Ao que sabemos não – disse Cramer. – Tivemos telefonemas, é claro.  Alguns obviamente falsos, outros não tão óbvios, uma dezena realmente plausível.  Nesses últimos pedimos algum elemento que prove que realmente estão com Simon Cormack...

       — Como? – perguntou Quinn.

       — Com uma pergunta.  Alguma coisa sobre seus nove meses em Oxford que é difícil de descobrir. Ninguém voltou a telefonar com a resposta.

       — Quarenta e oito horas não é fora do comum para o primeiro contato – disse Quinn.

       — Concordo.  Talvez se comuniquem pelo correio, uma carta ou uma fita gravada, e nesse caso a encomenda deve estar a caminho.  Ou por telefone.  Se vier pelo correio, traremos para cá, depois que nossos laboratórios examinarem o papel, o envelope, o papel de embrulho e a carta, para impressões digitais, saliva ou outras pistas.  É justo, não é? Não tem facilidades para esses exames aqui.

       — Perfeitamente justo – disse Quinn.

      

       — Mas se o primeiro contato for por telefone, como quer que seja feito, Sr. Quinn?

       Quinn explicou.  Um anúncio no noticiário das dez, pedindo que quem estivesse com Simon Cormack que se comunicasse com a embaixada americana, somente com a embaixada e somente por intermédio dos números dados.  Um grupo de operadores de mesa telefônica no subsolo da embaixada faria a seleção das chamadas obviamente falsas e deveria passar as possibilidades para o apartamento.

       Cramer olhou para Collins e Seymour, que assentiram com um movimento da cabeça.  Instalariam a mesa telefônica de linhas múltiplas para a primeira seleção, na embaixada, dentro de uma hora e meia, antes do noticiário.  Quinn continuou.

       — Seu telecom pode localizar qualquer chamado da embaixada, talvez fazer algumas prisões de falsos seqüestradores suficientemente idiotas para não usarem um telefone público ou que fiquem muito tempo na linha.  Não acredito que os verdadeiros cometam esse erro.

       — Concordo – disse Cramer. – Até aqui têm sido muito espertos para isso.

       — A transferência da chamada deve ser feita sem interrupção e apenas para um dos telefones do apartamento.  São três ao todo, certo?

       Collins confirmou com um gesto.  Um era a linha direta para seu escritório, que, de qualquer modo, ficava no prédio da embaixada.

       — Usem esse – disse Quinn.  – Quando eu tiver feito contato com os verdadeiros seqüestradores, se chegarmos a isso, quero dar a eles um número, uma linha exclusiva, só para mim.

       — Vou conseguir essa linha dentro de noventa minutos – disse Cramer. – Um número nunca usado antes.  É claro que teremos de grampeá-la, mas não vai ouvir nenhum som.  Finalmente, gostaria que dois detetives ficassem aqui com o senhor, Sr. Quinn.  São bons e experientes.  Ninguém pode ficar acordado vinte e quatro horas por dia.

       — Sinto muito, mas não aceito – disse Quinn.

       — Seriam de grande ajuda – insistiu Cramer. – Se os seqüestradores forem britânicos, terá o problema da pronúncia regional, palavras de gíria, sinais de tensão ou desespero nas vozes deles, pequenas coisas que só outro britânico pode perceber. Eles não dirão nada, apenas ouvirão.

       — Podem ouvir na mesa telefônica – disse Quinn.  – De qualquer modo, vocês estarão gravando tudo.  Deixe que seja ouvido pelos especialistas de linguagem, acrescentem seus comentários sobre minha péssima atuação e batam na minha porta com os resultados.  Mas eu trabalho sozinho.

       Cramer comprimiu os lábios.  Mas tinha suas ordens.  Levantou-se para sair. Quinn levantou-se também.

       — Eu o acompanho até o carro – disse ele.  Todos sabiam o que isso significava – a escada não tinha escuta.  Na porta, Quinn indicou com um gesto que Seymour e Collins deviam ficar onde estavam.  Relutantemente, obedeceram.  Na escada, ele murmurou no ouvido de Cramer.

       — Sei que não gosta das coisas como estão.  Também não estou no sétimo céu.  Tente confiar em mim.  Não vou perder esse garoto de modo algum.  Vocês ouvirão cada maldita sílaba dita no telefone.  Minha própria gente vai me ouvir até no banheiro.  O apartamento é uma verdadeira cabine de rádio.

       — Tudo bem, Sr. Quinn, terá tudo que eu possa oferecer. É uma promessa.

       — Mais uma coisa...  – Estavam na calçada ao lado do carro da polícia.  – Não os assuste.  Se telefonarem, ou se ficarem na linha um pouco mais de tempo, nada de carros da polícia voando para a cabine telefônica.

       — Sabemos disso, Sr. Quinn.  Mas teremos homens à paisana a caminho da origem do telefonema.  Serão muito discretos, quase invisíveis.  Mas se conseguirmos a placa de um carro...  uma descrição física...  isso pode nos dar alguns dias de vantagem.

       — Não deixe que os vejam – avisou Quinn.  – O homem na cabine telefônica estará sob tremenda pressão.  Não queremos que cortem o contato.  Isso provavelmente significaria que vão fugir para a árvore mais alta, deixando um cadáver para nós.

       Cramer assentiu com um gesto, os dois homens apertaram as mãos e o policial entrou no carro.

       Trinta minutos depois, chegaram os técnicos, nenhum uniformizado, todos com cartões de identificação da Telecom.  Quinn os recebeu amistosamente, sabendo que eram do MI—5, o serviço de segurança.  Eram bons e trabalhavam com rapidez.  Na verdade, quase todo o trabalho era feito nas linhas de Kensington, o que facilitava.

       Um dos técnicos desatarraxou a base do telefone da sala e ergueu levemente a sobrancelha.  Quinn fingiu não ter notado.  Quando tentava inserir um grampo, o homem encontrou outro já instalado.  Ordens são ordens.  Colocou o seu ao lado do americano, estabelecendo um novo relacionamento anglo-americano em miniatura.  Às 9:30 da noite Quinn tinha sua linha exclusiva, ultraprivada (no que dizia respeito ao público) na qual podia falar com o verdadeiro seqüestrador se ele viesse a falar com alguém.  A segunda linha foi ligada permanentemente à mesa telefônica da embaixada, para as chamadas "possíveis".  A terceira ficou para chamadas do apartamento para fora.

       Outros homens trabalhavam no subsolo da embaixada em Grosvenor Square.  As linhas já existiam e foram todas usadas.  Dez jovens, americanas e britânicas, esperavam. 

       A terceira operação foi na telefônica de Kensington, onde a polícia instalou um escritório para as chamadas transferidas para a linha exclusiva de Quinn.  Uma vez que a central de Kensington era uma das novas instalações eletrônicas, precisariam somente de oito a dez segundos para localizar a chamada.  Na saída da central, os telefonemas transferidos para a linha exclusiva teriam mais duas escutas ligadas, uma para o centro de comunicações do MI—5 em Cork Street, Mayfair, a outra para o subsolo da embaixada americana que, depois que o seqüestrador estivesse isolado, seria transferida da mesa telefônica para um posto de escuta.

       O técnico americano de Lou Collins chegou trinta segundos depois que o grupo dos britânicos saiu para remover todos os grampos instalados, substituindo-os pelos seus.  Assim, quando Quinn falava fora do telefone, só os americanos ouviam.

       — Bela tentativa – observou Seymour para seu companheiro do MI—5, uma semana mais tarde, quando tomavam um drinque no Brooks' Club.

       Às dez horas da noite, a apresentadora da ITN, Sandy Gall, olhou para a câmara quando a música do carrilhão do Big Ben terminou e deu o aviso aos seqüestradores.  Os números que deviam ser usados ficaram na tela durante o noticiário sobre o seqüestro de Simon Cormack, que era pouca coisa, mas foi lido assim mesmo.

       Na sala de estar de uma casa silenciosa, a 65 quilômetros de Londres, quatro homens calados e tensos assistiam ao noticiário.  O líder traduzia rapidamente para o francês, para dois deles.  Um era belga, o outro, corso.  O quarto não precisava de tradução.  Seu inglês falado era bom, mas com o acentuado sotaque africâner da sua terra natal, a África do Sul.

       Os dois europeus não falavam nada de inglês, e o líder proibira todos de sair da casa até o fim da operação.  Só ele saía e voltava, sempre através da garagem interna, sempre no Volvo de passeio que tinha agora placas e pneus novos – as placas originais e legítimas.  Ele nunca saía sem a peruca, a barba, o bigode e óculos escuros.  Durante suas ausências, os outros tinham ordens para não aparecer, nem chegar perto das janelas, e certamente não abrir a porta.

       Quando o noticiário passou para a situação do Oriente Médio, um dos europeus fez uma pergunta.  O líder balançou negativamente a cabeça.

       — Demain – disse ele em francês.  – Amanhã cedo.

       Mais de duzentos telefonemas foram feitos para o subsolo da embaixada naquela noite.  Todos foram recebidos cautelosa e cordialmente, mas apenas sete transferidos para Quinn.  Ele atendeu com voz amiga e jovial, chamando o interlocutor de "amigo" ou "meu chapa", explicando que infelizmente "sua gente" precisava passar por toda aquela formalidade cansativa para verificar se a pessoa realmente tinha Simon Cormack, cuidadosamente pedindo que conseguissem a resposta a uma simples pergunta e tornar a telefonar. Durante um intervalo, entre as três horas e o nascer do sol, ele cochilou.

       Sam Somerville e Duncan McCrea passaram a noite toda com ele.

       Sam mencionou sua "representação" amistosa no telefone.

       — Nem começou ainda – disse ele, calmamente.  Mas a tensão já havia começado.  Os dois jovens a sentiam.

       Logo depois da meia-noite, tendo tomado o Jumbo do meio-dia, hora de Washington, Kevin Brown e uma equipe escolhida de oito agentes do FBI chegaram a Heathrow.  A visado com antecedência, Patrick Seymour, furioso, estava à espera deles.  Informou seu superior sobre as últimas notícias até as onze horas da noite, quando tinha saído para o aeroporto.  Incluíam a instalação de Quinn no ninho de águia escolhido por ele, não em Winfield House, e a situação das linhas telefônicas.

       — Eu sabia que ele era um espertalhão – resmungou Brown ao saber da confusão na entrada de Winfield House. 

       — Temos de segurar esse sacana, do contrário ele vai usar uma porção de truques.  Vamos até a embaixada.  Dormiremos em camas de lona no subsolo.  Se aquele ioiô peidar, eu quero ouvir, em alto e bom som.

       Seymour gemeu silenciosamente.  Ouvira falar de Kevin Brown e podia passar muito bem sem sua visita.  Agora, pensou ele, seria pior do que temia.  Quando chegaram à embaixada, à 1 :30 da manhã, o 160º telefonema estava sendo atendido.

      

       Outras pessoas também pouco dormiram naquela noite.  Duas delas eram o comandante Williams, do EO 13, e um homem chamado Sidney Sykes.  Passaram a noite na sala de interrogatório do posto policial em Wandsworth, no sul de Londres.  O segundo agente presente era o chefe da Seção de Veículos do Esquadrão de Crimes Graves, cujos homens haviam descoberto Sykes.

       Na opinião do ladrão pé-de-chinelo Sykes, os dois homens no outro lado da mesa faziam grande pressão, e no fim da primeira hora ele estava morrendo de medo.  Depois disso, as coisas pioraram.

       A Seção de Veículos, baseada numa descrição do fornecedor de materiais para construção de Leicester, descobriu a firma que fizera o serviço no Transit, depois do seu abraço letal no removedor de terra.  Uma vez determinado que o veículo estava com o chassi empenado, e portanto inutilizado, a companhia o ofereceu de volta ao dono.  Como o preço do frete até Leicester era maior que o valor do carro avariado, o homem recusou a oferta.  A equipe da oficina vendeu o Transit para Sykes como ferro velho, pois ele tinha um negócio de carros inutilizados em Wandsworth.  A equipe de busca da Seção de Veículos passou um dia inteiro revistando o ferro-velho de Sykes.  Encontraram três quartos de barril de óleo de motor sujo e negro, de cujas profundezas retiraram 24 placas de automóvel, doze pares perfeitamente combinados, todas feitas no ferro-velho de Sykes e todas tão genuínas quanto uma nota de três libras.  Sob as tábuas do assoalho do sujo escritório de Sykes encontraram um maço com trinta documentos de registro de veículos, todos de carros e caminhões que só existiam no papel.

       O negócio ilegal de Sykes consistia em adquirir veículos acidentados, declarados inúteis pelas agências de seguro, dizer ao dono que ele, Sykes, se encarregava de avisar à agência de Swansea que o veículo só existia agora como um monte de ferro velho e, depois, informar exatamente o contrário – que havia comprado o veículo do último dono.  O computador de Swansea registrava então esse ''fato".  Se o carro realmente estivesse inutilizado, Skyes estava simplesmente comprando a documentação legítima, que podia então ser aplicada a um veículo da mesma marca e tipo, "puxado" de algum estacionamento pelos dedos leves dos auxiliares de Sykes.  Com novas placas, que combinavam com os documentos de registro do carro inutilizado, o carro roubado era então revendido.  O toque final consistia em raspar os números originais do chassi e do bloco do motor, gravar outros e passar bastante graxa e terra para enganar o comprador. Claro que isso não enganaria a polícia, mas todos os negócios eram feitos com dinheiro vivo e Sykes podia negar que alguma vez tivesse visto o carro ilegal, muito menos vendido.

       Uma variação do golpe era pegar um furgão como o Transit, em bom estado, a não ser pelo chassi empenado, cortar a parte avariada, substituí—Ia por barrotes de ferro e devolver o carro à estrada.  Ilegal e perigoso, mas esses carros e furgões provavelmente fariam alguns milhares de quilômetros antes de caírem aos pedaços.

       Em vista das declarações do fornecedor de material para construção, e da firma reformadora de carros que vendera o Transit como ferro velho por vinte libras com os números verdadeiros do chassi e do motor e informado sobre o uso que fora feito do furgão, Sykes compreendeu que estava numa encrenca das grandes e resolveu falar.

       O homem que comprou o Transit, lembrou Sykes, após vasculhar por algum tempo a memória, estava andando pelo seu ferro-velho um dia, seis semanas atrás, e quando Sykes perguntou o que ele procurava, disse que queria um furgão barato.  Por sorte, Sykes acabava de restaurar o chassi do Transit e mudado a cor para verde.  Uma hora depois, o furgão saía do seu ferro-velho e ele recebia trezentas libras em dinheiro.  Nunca mais viu o homem.  As quinze notas de vinte libras há muito tinham desaparecido.

       — Descrição? – perguntou o comandante Williams.

       — Estou tentando, estou tentando – implorou Sykes.

       — Pois tente – disse Williams.  – Vai facilitar muito o resto da sua vida.

       Altura média, peso médio.  Quarenta e poucos anos.  Rosto e maneiras rudes.  Não tinha uma voz "elegante" e não era natural de Londres.  Cabelo vermelho, mas podia ser peruca.  Além disso, usava chapéu, apesar do calor do final de agosto.  Bigode, mais escuro que o cabelo – podia ser falso, mas muito bom.  E óculos escuros.  Não óculos de sol, mas pintados de azul, com aros de chifre.

       Os três homens passaram mais duas horas com o desenhista da polícia.  O comandante Williams levou o desenho para a Scotland Yard pouco antes do café da manhã e mostrou-o a Nigel Cramer, que o levou ao comitê COBRA às nove horas.  O problema era que aquele rosto podia ser de qualquer pessoa.  E aí a pista terminava.

       — Sabemos que outro mecânico, melhor do que Sykes, trabalhou no furgão depois dele – disse Cramer ao comitê – e um pintor de placas fez o logotipo da Barlow nos dois lados.  O furgão deve ter sido guardado em algum lugar, uma garagem com material de solda.  Mas se fizermos um apelo público, os seqüestradores irão saber e ficarão nervosos.  Aí desistem, fogem e deixam Simon Cormack morto.

       Resolveram mandar a descrição para todos os postos policiais do país, sem informar a imprensa nem o público.

      

       Andrew "Andy" Laing passou a noite examinando transações bancárias, cada vez mais perplexo, até que, um pouco antes do nascer do dia, a perplexidade cedeu lugar à certeza crescente de que era aquilo mesmo e não havia outra explicação.

       Andy Laing era chefe da equipe de Crédito e Marketing da filial de Jeddah do BIAS, Banco de Investimento da Arábia Saudita, uma instituição criada pelo governo saudita para manejar a maior parte das astronômicas quantias de dinheiro que circulam naquele país.

       Embora propriedade do Estado e com uma diretoria formada quase toda de sauditas, a maior parte do pessoal do BIAS é de estrangeiros contratados, e quem mais contribui com material humano é o banco americano Rockman-Queens, de Nova York, para o qual Laing trabalhava.

       Ele era jovem, ativo, consciencioso e ambicioso, ávido para fazer uma boa carreira no meio bancário e desfrutar seu tempo na Arábia Saudita.  O salário era melhor do que em Nova York, tinha um belo apartamento, várias namoradas entre a grande comunidade de expatriados de Jeddah, não se preocupava com as restrições à bebida e dava-se bem com seus colegas de trabalho.

       Embora o banco de Riyad fosse a sede do escritório central do BIAS, a filial mais movimentada era a de Jeddah, a capital comercial e financeira da Arábia Saudita.  Normalmente, ele saía do prédio branco cheio de ameias, que mais parecia um forte da Legião Estrangeira do que um banco, e caminhava até o Hyatt Regency para um drinque, antes das seis horas.  Mas precisava terminar mais duas pastas e preferia fazer isso agora, em vez de deixar para o dia seguinte.  Ficou no banco mais uma hora.

       Assim, permanecia em sua mesa quando o velho mensageiro árabe passou com o carrinho cheio de impressos do computador do banco, distribuindo-os pelos escritórios dos executivos, para serem vistos no dia seguinte.  Aqueles papéis traziam os relatórios das transações dos vários departamentos do banco naquele dia.  Pacientemente, o velho colocou os impressos na mesa de Laing, inclinou a cabeça e saiu.  Laing despediu-se do homem com um alegre Shukram – orgulhava-se de tratar bem os empregados sauditas – e continuou seu trabalho.

       Quando terminou, viu os papéis ao seu lado e resmungou.  O velho havia deixado os papéis errados, os relatórios de depósitos e retiradas de todas as principais contas do banco.  Eram da alçada do diretor de Operações, não de Crédito e Marketing.  Laing os apanhou e foi para o escritório do diretor de Operações, o Sr. Amin, seu colega do Paquistão.

       No caminho, olhou para as folhas que levava e algo lhe chamou a atenção.  Parou, voltou para sua mesa e começou a examinar os relatórios, página por página.  Em todos encontrou o mesmo padrão.  Ligou seu computador para verificar as contas de dois clientes.  Sempre o mesmo padrão.

       Às primeiras horas da manhã, Laing não tinha mais dúvida.  O que estava vendo só podia ser uma enorme fraude.  As coincidências eram por demais estranhas.  Levou os relatórios para a mesa do Sr. Amin e resolveu tomar um avião para Riyad na primeira oportunidade, para uma entrevista pessoal com seu companheiro americano, o gerente-geral Steve Pyle .

      

       Enquanto Laing voltava para casa através das ruas escuras de Jeddah, a oito fusos horários a oeste o comitê da Casa Branca ouvia as palavras do Dr. Nicholas Armitage, um psiquiatra muito experiente na ciência do comportamento que acabava de chegar da mansão pela Ala Oeste.

       — Cavalheiros, por enquanto posso dizer que o choque afetou muito mais a primeira-dama que o presidente.  Ela continua medicada, sob a supervisão do seu médico particular. O presidente, sem dúvida, tem a mente mais forte, mas receio que a tensão evidente esteja provocando os sinais reveladores do trauma paterno pós-seqüestro.

       — Que sinais são esses, doc? – perguntou Odelll sem cerimônia.

      

       O psiquiatra que não gostava de ser interrompido, coisa que nunca acontecia quando dava aula, pigarreou.

       — Devem compreender que nesses casos a mãe pode aliviar a tensão por meio das lágrimas, até da histeria.  O pai geralmente sofre mais, experimentando, além da ansiedade pelo filho seqüestrado, um profundo sentimento de culpa, a convicção de que foi responsável de algum modo, de que devia ter feito mais, devia ter tomado maiores precauções, devia ter sido mais cuidadoso.

       — Isso é perfeitamente ilógico – protestou Morton Stannard.  – Não estamos falando de lógica – disse o médico.  – Falamos dos sintomas do trauma, agravado pelo fato do presidente ser...  muito chegado ao filho.  Na verdade, de amá-Io muito.  Acrescente-se a isso a sensação de impotência, a incapacidade de fazer qualquer coisa.  Até agora, é claro, sem contato com os seqüestradores, ele nem sabe se o filho está vivo ou morto.  É cedo ainda, mas as coisas não vão meIhorar.

       — Esses seqüestros podem durar semanas – disse Jim Donaldson – Esse homem é nosso chefe executivo.  Que mudanças devemos esperar?

       — A tensão diminuirá um pouco quando e se for feito o primeiro contato e tivermos prova de que Simon está vivo – disse o Dr. Armitage.  – Mas o alívio será de pouca duração.  Com o passar dos dias, a deterioração é mais acentuada.  Instala-se a tensão de alto nível, conduzindo à irritabilidade.  Virá a insônia...  que pode ser resolvida com medicamentos.  Finalmente, o desinteresse pela profissão exercida pelo pai...  – Neste caso, governar o maldito país – disse Odell.

       — E falta de concentração perda de memória nos assuntos do governo.  Em uma palavra, cavalheiros, metade ou talvez uma parte maior da mente do presidente vai se voltar para o filho, e outra parte estará preocupada com a mulher. Em alguns casos, mesmo depois do resgate bem-sucedido da criança, os pais necessitam de meses, até anos de terapia pós-trauma.

       — Em outras palavras – disse o secretário de Justiça Bill Walters –, temos meio presidente, talvez menos.

       — Ora, o que é isso? – disse o secretário do Tesouro Reed. 

       Este país teve presidentes na mesa de operação, completamente incapacitados no hospital, antes disso.  Devemos apenas nos encarregar de tudo, dirigir as coisas como ele queria que fossem dirigidas, perturbar nosso amigo o mínimo possível.

       Seu otimismo provocou fraca reação.  Brad Johnson levantou-se.

       — Por que aqueles sacanas não fazem contato? – perguntou. 

       Já se passaram quase quarenta e oito horas.

       — Pelo menos já temos nosso negociador a postos, esperando o primeiro telefonema – disse Reed.

       — E temos uma forte presença em Londres – acrescentou Walters.  – O Sr. Brown e sua equipe do FBI chegaram há duas horas.

       — Que diabo a polícia londrina está fazendo? – resmungou Stannard.  – Por que não pode encontrar aqueles sacanas?

       — Como o homem disse, só se passaram quarenta e oito horas, nem isso ainda – observou o secretário de Estado Donaldson.  – A Grã-Bretanha não é tão grande quanto os Estados Unidos, mas, com cinqüenta e quatro milhões de habitantes, existem muitos bons esconderijos.  Lembram-se de quanto tempo o Exército Simbionês de Libertação ficou com Patty Hearst, com todo o FBI atrás deles? Meses.

       — Sejamos realistas, companheiros – disse Odell com sua fala arrastada.  – O problema é este: não podemos fazer mais nada.

       Esse era o problema.  Ninguém podia fazer nada.

      

       O rapaz de quem falavam passava sua segunda noite no cativeiro.  Embora ele não soubesse, um guarda ficava no corredor, fora da sua cela, durante a noite toda.  O porão da casa de subúrbio podia ser feito de concreto armado, mas se ele resolvesse gritar, os seqüestradores estavam preparados para amordaçá-Io.  Simon não cometeu esse erro.  Resolvido a dominar o medo e comportar-se com dignidade na medida do possível, fez alguns exercícios físicos sob a vigilância do olho na portinhola.  Simon não tinha relógio – não levava relógio quando corria – e começava a perder a noção do tempo.  A lâmpada estava sempre acesa, mas quando imaginou que devia ser meia-noite – enganando-se em duas horas – deitou-se, cobriu a cabeça com o cobertor fino para evitar a claridade da lâmpada e dormiu.  Nesse momento, os últimos doze telefonemas falsos estavam sendo feitos para a embaixada do seu país, a 65 quilômetros dali, em Grosvenor Square.

       Kevin Brown e sua equipe de oito homens não estavam com sono.  Sob o efeito da fadiga de jato da travessia do Atlântico, seus relógios biológicos funcionavam ainda no horário de Washington, cinco horas menos do que a hora de Londres.

       Brown insistiu para que Seymour e Collins mostrassem toda a central telefônica no subsolo da embaixada e o posto de escuta, onde, no escritório na extremidade do complexo, os engenheiros americanos com permissão dos britânicos – haviam instalado alto falantes de parede para transmitir os sons gravados pelos vários grampos do apartamento de Kensington.

       — Existem dois grampos na sala – explicou Collins com relutância.  Não via por que tinha de explicar as técnicas da Companhia ao homem do FBI, mas recebera ordens e, de qualquer modo, o apartamento de Kensington estava "queimado", do ponto de vista operacional.  – Quando um funcionário graduado de Langley usa o apartamento, claro que a escuta é desativada.  Mas para interrogar um soviético dissidente, achamos que microfones invisíveis inibem menos do que um gravador ligado sobre a mesa.  A sala de estar era a área principaI do interrogatório.  Mas há mais dois no quarto maior...  Quinn está dormindo nele, mas não no momento, como pode ouvir...  e outros nos dois quartos e na cozinha.  Por uma questão de respeito pela Srta.  Somerville e por nosso agente McCrea, desativamos os dois quartos menores.  Mas se Quinn tiver alguma conversa particular em um deles, podemos reativar, ligando aqui e aqui.

       Indicou dois botões no consolo central.  Brown fez um gesto afirmativo.

       — De qualquer modo, se ele falar com um deles, longe dos grampos, é claro que nos informarão, certo?

       Collins e Seymour fizeram um gesto afirmativo.

       — Para isso estão lá – acrescentou Seymour.

       — Então temos três telefones no apartamento – continuou Collins.  – Um é a nova linha exclusiva.  Quinn fará uso dela quando tiver certeza de que fala com os verdadeiros seqüestradores, para nada mais.  Todas as conversas nessa linha serão interceptadas na central de Kensington, pelos britânicos, e transmitidas por este alto-falante.  Segundo, ele tem uma extensão direta desta sala, que está usando agora para atender o que supõe ser um alarme falso, mas que pode não ser. Essa conexão passa também pela central de Kensington.  E aqui está a terceira linha, uma ligação comum para dar e receber telefonemas, também interceptada mas que provavelmente não será usada, a não ser que ele queira ligar para fora.

       — Quer dizer que os britânicos também estão escutando tudo isso? – perguntou Brown, carrancudo.

       — Só as linhas telefônicas – disse Seymour. – Precisamos da cooperação deles com os telefones...  as centrais pertencem a eles.  Além disso, podem nos ajudar com padrões vocais, defeitos da fala, sotaques regionais.  E, naturalmente, a localização da chamada tem de ser feita por eles, a partir da central de Kensington.  Não temos uma linha sem escuta do apartamento para este subsolo.

       Collins tossiu.

       — Temos sim – disse ele –, mas só funciona para os grampos internos.  Temos dois apartamentos naquele prédio.  Tudo que é captado pelos grampos internos é passado por fios também internos para nosso apartamento no porão.  Tenho um homem lá, agora.  No porão, as palavras são misturadas pelo scrambler, transmitidas por ondas de rádio ultracurtas para cá, recebidas, desmisturadas e passadas para as linhas.

       — A transmissão de rádio é só de um quilômetro? – perguntou Brown.

       — Senhor, minha agência se dá muito bem com os britânicos.  Mas nenhum serviço secreto do mundo transmite informação ultra-secreta através das linhas que passam sob uma cidade que não controlam.

       Brown gostou.

       — Então os britânicos podem ouvir as conversas telefônicas, mas não o que se diz no apartamento.

       Na verdade, ele estava enganado.  Quando o MI—5 soube da existência do apartamento, que seus dois inspetores-chefes não tiveram permissão de ficar com Quinn e que seus grampos haviam sido removidos, calculou que devia haver um segundo apartamento americano no prédio, para enviar os interrogatórios dos soviéticos dissidentes ao controle da CIA em algum outro local.  Em uma hora, o exame das fichas do prédio revelou o pequeno conjugado no subsolo.  À meia-noite, uma equipe de encanadores encontrou os fios conectores que passavam pelo sistema de aquecimento central e puxaram uma extensão do pequeno apartamento, cujo morador recebeu ordens insistentes para tirar umas férias, ajudando assim Sua Majestade.  Quando o dia nasceu, todo mundo estava escutando todo mundo.

       O homem de Collins da INFEL (Informação Eletrônica), a postos no consolo, tirou o fone dos ouvidos.

       — Quinn acabou de falar – disse ele.  – Agora vão conversar.

       Quer ouvir, senhor?

       — É claro – disse Brown.

       O engenheiro passou a conversa da sala de estar de Kensington do fone de ouvido para o alto-falante de parede.  Ouviram a voz de Quinn.

       — ..  .seria ótimo.  Obrigado, Sam.  Leite e açúcar.

       — Acha que ele vai ligar outra vez, Sr. Quinn? (McCrea)

       — Não.  Plausível, mas não me cheira ao homem certo.  (Quinn)

       Os homens no subsolo da embaixada voltaram-se para sair da sala.  Várias camas de lona haviam sido armadas nos escritórios próximos.  Brown pretendia trabalhar o tempo todo.  Designou dois dos seus oito homens para o turno da noite.  Eram 2:30 da manhã.

       As mesmas conversas, no telefone e na sala de estar, foram ouvidas e gravadas no centro de comunicações do MI—5, em Cork Street.

       Na central telefônica de Kensington, a polícia ouviu apenas a conversa ao telefone, localizando a chamada dentro de oito segundos – feita da cabine próxima de Paddington – e enviando um agente à paisana do posto policial de Paddington Green, que ficava a duzentos metros da cabine.  Ele deteve um velho com uma história de doença mental.

       Às nove horas da manhã do terceiro dia, uma das jovens em Grosvenor Square atendeu outro telefonema.  A voz era inglesa, áspera e seca.

       — Ligue para o Negociador.

       A moça empalideceu.  Ninguém havia usado essa palavra antes.

       Ela disse com voz suave:

       — Fazendo a ligação, senhor.

       Quinn segurou o fone afastado do ouvido.  A voz da moça era um sussurro.

       — Alguém quer falar com o Negociador. Só isso.

       Meio segundo depois, a ligação estava feita. A voz profunda e calma de Quinn disse nos alto-falantes.

       — Oi, meu chapa, quer falar comigo?

       — Se quiser Simon Cormack de volta, vai ter de pagar. Muito.

       Agora escute...

       — Não, amigo, você escuta.  Já atendi uma dúzia de telefonemas falsos hoje.  Você sabe quantos malucos há no mundo, certo? Portanto, faça-me um favor, só uma simples pergunta...

       Em Kensington, conseguiram localizar a chamada em oito segundos.  Hitchin, Hertfordshire...  uma cabine pública na...  estação de trens.  Cramer conseguiu localizar, na Yard, trinta segundos depois.  O posto policial de Hitchins foi mais lento.  Seu homem saiu de carro trinta segundos mais tarde, desceu a dois quarteirões da estação um minuto depois e chegou na esquina, perto da cabine, 141 segundos depois do começo da chamada.  Tarde demais.  O homem falara durante trinta segundos e já estava a três quarteirões de distância, perdido no meio da multidão matinal.

       McCrea olhou espantado para Quinn.

       — O senhor desligou o telefone na cara do homem – disse ele. 

       – Tive de desligar – replicou Quinn.  – Quando eu terminasse já estaríamos fora do tempo.

       — Se continuasse – disse Sam Somerville –, a polícia podia tê-lo apanhado.

       — Se for o homem, quero que fique confiante, não assustado...  ainda – disse Quinn, encerrando a conversa.

       Ele parecia perfeitamente descansado.  Seus companheiros estavam tensos ao máximo, olhando para o telefone, esperando que tocasse outra vez.  Quinn sabia que o homem não podia chegar a outra cabine antes de duas horas.  Tinha aprendido há muito tempo, em combate: quando você não pode fazer nada além de esperar, relaxe.

       Em Grosvenor Square, Kevin Brown, acordado por um dos seus homens, correu para o posto de escuta a tempo de ouvir o fim da conversa de Quinn.

       — ...é o nome daquele livro? Você encontra a resposta e me telefona de novo.  Estou esperando, meu chapa.  Até logo.

       Collins e Seymour juntaram-se a Brown e os três ouviram o playback.  Depois passaram para o alto.  falante de parede e ouviram a reclamação de Sam Somerville.

       — Certo – resmungou Brown.

       Ouviram a resposta de Quinn.

       — Cretino – disse Brown.  – Mais dois minutos e eles pegavam o sacana.

       — Pegavam um – observou Seymour. – Os outros ainda estão com o garoto.

       — Pois peguem um e façam com que diga onde estão escondidos – disse Brown.  Bateu o punho gordo com força na palma da outra mão.

       — Provavelmente eles têm um limite de tempo.  Usamos isso quando algum membro da nossa rede é apanhado.  Se não aparecer no esconderijo, digamos, dentro de noventa minutos, levando em conta o tráfego, os outros sabem que foi apanhado.  Matam o garoto e desaparecem do mapa.           

       — Escute, senhor, esses homens não têm nada a perder – acrescentou Seymour, irritando mais ainda Brown.  – Mesmo que entrem aqui e devolvam Simon, vão pegar prisão perpétua.  Mataram dois agentes e um tira britânico.

       — Acho bom que esse Quinn saiba o que está fazendo – disse Brown, saindo da sala.

      

       Deram três batidas fortes na porta da cela de Simon Cormack às 10: 15.  Ele colocou o capuz.  Quando tirou, viu o cartão encostado na parede, ao lado da porta.

      

       QUANDO VOCÊ ERA PEQUENO, PASSANDO FÉRIAS EM NANTUCKET, SUA TIA EMILY COSTUMAVA LER PARA VOCÊ TRECHOS DO SEU LIVRO FAVORITO.  QUE LIVRO ERA ESSE?

      

       Simon ficou olhando para o cartão.  Uma onda de alívio o envolveu.  Alguém estava em contato.  Alguém tinha falado com seu pai, em Washington.  Alguém lá fora estava tentando resgatá-lo.  Esforçou-se para evitar as lágrimas, mas elas encheram seus olhos.  Alguém espiava pela portinhola.  Simon fungou, não tinha lenço.  Pensou na tia Emily, irmã mais velha do seu pai, empertigada nos seus longos vestidos de algodão, levando-o para passear na praia, fazendo-o sentar na rede e lendo sobre animaizinhos que falavam como gente e se comportavam como perfeitos cavalheiros.  Fungou outra vez e gritou a resposta para a portinhola, que se fechou.  A porta foi aberta alguns centímetros, a mão enluvada apareceu e retirou o cartão.

      

       O homem com a voz áspera telefonou novamente à 1:30 da tarde.  A transferência para a linha de Quinn foi imediata.  O chamado foi localizado em onze segundos – uma cabine num shopping em Milton Keynes, Buckinghamshire.  Quando o policial à paisana, da força de Milton Keynes, chegou à cabine e olhou em volta, o homem já havia partido há dez segundos.  No telefone, ele não perdeu tempo.

       — O livro – disse ele – chama-se The Wind in lhe Willows.

       — OK, amigo, você é o homem com quem eu queria falar. Agora, tome nota deste número, desligue e telefone de outra cabine.  E uma linha exclusiva.  Três-sete-zero, zero-zero-quatro-zero.  Por favor, mantenha contato.  Até logo.

       Quinn desligou.  Dessa vez, ergueu a cabeça e falou para a parede:

       — Collins, pode informar Washington que temos nosso homem.

       Simon está vivo.  Eles querem conversar. Pode desmontar a central telefônica na embaixada.

       Eles o ouviram muito bem.  Todos ouviram.  Collins usou sua linha exclusiva, em código, para falar com Weintraub em Langley, e Weintraub contou para Odell, que contou para o presidente.  Em minutos, as jovens telefonistas em Grosvenor Square foram dispensadas.

       Houve um último telefonema, uma voz chorosa, lamentosa.

       — Somos o Exército Proletário de Libertação.  Temos Simon Cormack.  A não ser que a América destrua todas suas armas nucleares...

       A voz da telefonista soou doce como mel.

       — Benzinho – disse ela –, vá se foder.

       — Você fez outra vez – disse McCrea.  – Desligou na cara dele.

       — Ele está certo – disse Sam.  – Essa gente pode ser desequilibrada.  Esse tipo de tratamento não pode irritá-Io, fazendo com que maltrate Simon Cormack?

       — É possível – disse Quinn –, mas espero estar certo e acho que estou.  Não me parece terrorista político.  Estou rezando para que seja apenas um assassino profissional.

       Os dois ficaram atônitos.

       — O que há de tão bom num assassino profissional? – perguntou Sam.

       — Não muita coisa – admitiu Quinn, que parecia estranhamente aliviado –, mas um profissional trabalha só por dinheiro.  E por enquanto não recebeu nada.

      

       O seqüestrador só voltou a telefonar às seis horas da tarde.  Durante o intervalo de espera, Sam Somerville e Duncan McCrea quase não tiraram os olhos do telefone, rezando para que, fosse ele quem fosse, voltasse a telefonar.

       Quinn era o único que parecia capaz de relaxar. Deitou-se no sofá da sala, tirou os sapatos e começou a ler um livro.  Anábase, de Xenofonte, informou Sam em voz baixa no telefone do seu quarto.  Ele trouxe da Espanha.

       — Nunca ouvi falar – resmungou Brown, no subsolo da embaixada.  – É sobre táticas militares – esclareceu Seymour –, escrito por um general grego.

       Brown grunhiu.  Sabia que os gregos eram membros da OTAN, mas isso era tudo.

       A polícia britânica estava muito ocupada.  As cabines telefônicas, uma na pequena e provinciana cidade de Hitchin, na extremidade norte de Hertfordshire, a outra na vasta parte nova da cidade, em Milton Keynes, foram visitadas por discretos homens da Scotland Yard, que levantaram as impressões digitais.  Havia dezenas delas, mas embora não soubessem, nenhuma pertencia ao seqüestrador, que havia usado luvas cirúrgicas cor de carne.

       Interrogatórios discretos foram feitos nas vizinhanças das duas cabines para verificar se alguém fora visto usando o telefone nas horas dos telefonemas.  Ninguém tinha notado, não na hora exata.  As duas cabines faziam parte de um conjunto de três ou quatro e eram constantemente usadas.  Além disso, nos dois casos, o movimento era grande.  Cramer resmungou.

       — Ele está usando as horas do rush.  De manhã e na hora do almoço.

      

       As fitas gravadas com a voz do homem foram levadas a um professor de filologia, especialista em padrões da fala e origens dos sotaques, mas Quinn havia falado quase todo o tempo e o acadêmico balançou a cabeça.

       — Ele está usando várias folhas de lenço de papel ou um pano fino sobre o bocal do telefone – explicou o professor. – Primitivo, mas muito eficiente.  Não vai enganar os osciladores do padrão da faIa, mas eu, como as máquinas, preciso de mais material para definir o padrão.

       O comandante Williams prometeu levar mais material quando o homem tornasse a ligar. Durante o dia, seis casas foram vigiadas discretamente.  Uma em Londres, as outras cinco nos Home Counties.  Todas eram alugadas, todas com contrato de seis meses.  Ao cair da noite, duas foram liberadas, a do francês, funcionário de um banco, casado e com dois filhos, que tinha um emprego legítimo na filial londrina do Société Générale, e a do professor alemão que fazia trabalho de pesquisa no Museu Britânico.

       Até o fim da semana duas outras foram liberadas, mas o mercado de imóveis produzia uma corrente contínua de residências ''possíveis" .  Todas seriam verificadas.

       — Se os criminosos compraram uma casa – disse Cramer ao comitê COBRA –, ou pediram emprestada a algum proprietário de boa fé, nossa tarefa torna-se impossível.  No último caso não teremos nenhuma pista.  No primeiro, o volume de compras de casas no Sudeste, em qualquer ano, simplesmente exigirá todos os nossos recursos durante meses.

       Pessoalmente, Nigel Cramer concordava com o argumento de Quinn (ouvido na gravação) de que o homem parecia mais um criminoso profissional do que um terrorista político.  Contudo, continuaram os estudos sobre os dois tipos de violadores da lei, e continuariam até o fim.  Mesmo que fossem criminosos do submundo, deviam ter adquirido a metralhadora tcheca de algum grupo terrorista.  Os dois mundos às vezes se encontravam e faziam negócios.

       Se a polícia britânica estava sobrecarregada de trabalho, o problema da equipe americana no subsolo da embaixada era falta do que fazer. Kevin Brown andava de um lado para o outro na sala, como um leão enjaulado.  Quatro dos seus homens estavam nas camas de lona, os outros quatro vigiavam a luz que se acenderia quando o único telefone exclusivo no apartamento em Kensington, cujo número o seqüestrador tinha agora, fosse usado.  A luz acendeu às seis horas e dois minutos.

       Para espanto de todos, Quinn deixou o telefone tocar quatro vezes.  Então atendeu, falando primeiro.

       — Oi.  Ainda bem que telefonou.

       — Como eu já disse, se quiser Simon Cormack vivo, vai pagar bastante.  – A mesma voz, profunda, áspera, rouca, abafada por lenços de papel.

       — OK, vamos conversar – disse Quinn amavelmente.  – Olhe, meu nome é Quinn.  Só Quinn.  Pode me dar um nome?

       — Vá se foder.

       — Ora, vamos, não seu nome verdadeiro.  Nenhum de nós é tolo. Qualquer nome.  Só para eu poder dizer "oi, Smith, ou Jones..."

       — Zack – disse a voz.

       — Z-a-c-k? Está certo. Escute, Zack, não deve falar mais de vinte segundos, está bem? Não sou mágico.  Os espiões estão escutando e localizando. Telefone daqui a duas horas e a gente conversa outra vez.  OK?

       — Tá – disse Zack, desligando.

       Os mágicos da central de Kensington conseguiram a localização em sete segundos.  Outra cabine pública, no centro comercial de Great Dunmow, condado de Essex, quatorze quilômetros a oeste da rodovia MIl, que ligava Londres a Cambridge.  Como das outras duas vezes, norte de Londres.  Uma pequena cidade, com um pequeno posto policial.  O agente à paisana chegou ao grupo de três cabines oito segundos depois do fim da ligação.  Tarde demais.  Àquela hora, quando as lojas eram fechadas e os pubs se abriam, havia grande movimento, mas ninguém que parecesse furtivo, ninguém com uma peruca vermelha, bigode e óculos azuis.  Zack havia escolhido a terceira hora do rush, o começo da noite, não escuro ainda, pois quando escurece as cabines são iluminadas.

       No subsolo da embaixada Kevin Brown explodiu.

       — Que diabo, de que lado Quinn pensa que está? – perguntou.

       — Está tratando o sacana como o petisco do mês.

       Seus quatro agentes concordaram, balançando as cabeças ao mesmo tempo.

       Em Kensington, Sam e Duncan McCrea faziam a mesma pergunta.  Quinn, deitado no sofá, limitou-se a erguer os ombros e continuou sua leitura.  Ao contrário dos novatos, sabia que precisava fazer duas coisas: tentar penetrar na mente do homem no outro lado da linha e tentar ganhar a confiança do animal.

       Já tinha quase certeza de que Zack não era tolo.  Pelo menos até aquele momento havia cometido poucos erros, do contrário já estaria preso.  Portanto, devia saber que os telefonemas eram monitorados e localizados.  Quinn não dissera nada que ele já não soubesse.  O fato de dar, voluntariamente, um conselho favorável à segurança de Zack não ensinava ao homem nada que ele estivesse fazendo sem instruções.

       Quinn estava apenas lançando os alicerces da ponte, por mais repugnante que fosse a tarefa, colocando os primeiros tijolos no relacionamento com o assassino que, ele esperava, fariam o homem acreditar que ambos compartilhavam do mesmo objetivo – uma troca – e que as autoridades eram na verdade o vilão da história.

       Nos anos passados na Inglaterra, Quinn havia aprendido que, para os ouvidos britânicos, o sotaque americano pode parecer o mais amigável do mundo.  Alguma coisa a ver com a fala arrastada.  Mais amistosa do que o tom apocopado dos britânicos.  Ele havia acentuado seu sotaque um pouco além do normal.  Era de vital importância não dar a Zack a impressão de que "o desprezava" ou que zombava dele.  Importante também era não dar a perceber o quanto detestava o homem que crucificava um pai e uma mãe a cinco mil quilômetros de distância.  Quinn foi tão persuasivo que enganou Kevin Brown.

       Mas não Cramer.

       — Eu gostaria que ele fizesse o sacana falar mais tempo – disse o comandante Williams.  – Um dos nossos colegas do condado pode chegar a vê-Io, ou o carro que está usando.

       Cramer balançou a cabeça.

       — Ainda não – disse ele.  – O problema é que esses detetives de polícia das pequenas cidades não são agentes treinados para seguir pessoas.  Quinn vai tentar aumentar o tempo da conversa mais tarde, de modo que Zack não perceba.

       Zack não telefonou naquela noite, só na manhã seguinte.

      

       Andy Laing tirou o dia de folga e tomou um avião da linha doméstica saudita para Riyad, onde pediu e conseguiu uma entrevista com o gerente-geral, Steve Pyle .

       O bloco dos escritórios do BIAS na capital saudita não se parecia em nada com um forte da Legião Estrangeira, como em Jeddah.  O banco gastara muito dinheiro nas instalações, construindo uma torre de mármore amarelo-claro, arenito e granito brilhante.  Laing atravessou o vasto pátio central, no térreo, onde o único som era o dos seus passos sobre o mármore e o canto líquido das fontes.

       Mesmo em meados de outubro, o calor lá fora era escaldante, mas o pátio parecia um jardim na primavera.  Depois de trinta minutos foi conduzido ao escritório do gerente-geral no último andar, uma suíte tão luxuosa que o próprio presidente do Rockman-Queens, numa rápida visita seis meses atrás, confessou que era mais imponente do que sua cobertura em Nova York.

       Steve Pyle era um executivo grande e jovial que se orgulhava de tratar paternalmente seus auxiliares de todas as nacionalidades.  O rosto levemente corado indicava que, embora o reino da Arábia Saudita fosse "seco" a nível da rua, seu pequeno bar era bem sortido.

       Cumprimentou Laing amavelmente, mas com certa surpresa.

       — O Sr. Al-Haroun não me avisou da sua visita, Andy – disse ele.  – Eu teria mandado um carro esperá-Io no aeroporto..

       O Sr. AI—Haroun era o gerente de Jeddah, patrão saudita de Laing.

       — Eu não o informei, senhor. Apenas tirei um dia de folga.  Acho que temos um problema no banco que devo trazer ao seu conhecimento.

       — Andy, Andy, meu nome é Steve, certo? Estou feliz que tenha vindo.  Então, qual é o problema?

       Laing não havia levado os impressos do computador com ele.  Se algum funcionário em Jeddah estivesse envolvido na falcatrua, retirar os papéis alertaria o culpado.  Mas tinha muitas anotações.  Passou uma hora explicando a Pyle o Que havia encontrado.

       — Não pode ser coincidência, Steve – argumentou ele.  – Esses números só podem ser explicados como uma enorme fraude bancária.

       A medida que Laing explicava seu problema, a jovialidade de Steve Pyle desaparecia.  Estavam sentados nas confortáveis poltronas de couro espanhol, ao lado da mesa de centro baixa, de bronze batido.  Pyle levantou-se e foi até a parede de vidro fosco que proporcionava uma vista espetacular de vários quilômetros do deserto.  Finalmente, voltou para perto da mesa.  O largo sorriso reapareceu, ele estendeu a mão.

       — Andy, você é um jovem muito observador. Muito brilhante.  E leal.  Aprecio isso.  Gostei que tivesse me procurado com esse...  problema.  – Acompanhou Laing até a porta.  – Agora, quero que deixe isso comigo.  Não pense mais no caso.  Eu me encarregarei dele pessoalmente.  Acredite, você vai longe.

       Andy Laing deixou o prédio e voltou para Jeddah sentindo-se extremamente virtuoso.  Fizera a coisa certa.  O gerente-geral acabaria com a fraude.  Depois que ele saiu, Steve Pyle tamborilou com os dedos sobre a mesa por algum tempo, depois deu um único telefonema.

       O quarto telefonema de Zack, segundo na linha exclusiva, foi dado às 8:45 da manhã.  Foi localizado em Royston, no extremo norte de Hertfordshire, onde o condado faz divisa com Cambridge.  O policial que chegou ao local dois minutos depois estava com noventa segundos de atraso.  E não encontraram impressões digitais.

       — Quinn, vamos encurtar a coisa.  Quero cinco milhões de dólares imediatamente.  Notas usadas de pequeno valor.

       — Puxa, Zack, é um bocado de dinheiro.  Sabe quanto isso pesa?

       Uma pausa.  Zack foi apanhado de surpresa com a referência ao peso do dinheiro.

       — É isso aí, Quinn.  Não discuta.  Qualquer truque e podemos mandar uns dois dedos da mão do garoto para convencer vocês.

       Em Kensington, McCrea correu para o banheiro com ânsia de vômito.  Na pressa, tropeçou na mesa de centro.

       — Quem está com você? – perguntou Zack.

       — Um espião – disse Quinn.  – Sabe como é.  Esses cretinos não iam me deixar em paz, certo?

       — Eu falei sério.

       — Ora, Zack, não precisa fazer isso.  Nós dois somos profissionais, não somos? Vamos continuar assim.  Fazemos o que temos de fazer, nada mais, nada menos.  O tempo acabou, desligue o telefone.

       — Trate de arranjar o dinheiro, Quinn.

       — Preciso falar com o pai sobre isso.  Telefone daqui a vinte e quatro horas.  A propósito, como está o garoto?

       — Muito bem.  Até agora.  – Zack desligou e saiu da cabine.  A ligação durara 31 segundos.

       Quinn desligou também.  McCrea voltou para a sala.

       — Se fizer isso outra vez – disse Quinn suavemente –, ponho vocês dois para fora daqui.  Que se danem a CIA e o FBI.  McCrea, embaraçado, parecia a ponto de chorar.

       No subsolo da embaixada, Brown olhou para Collins.

       — Seu homem se atrapalhou – disse ele.  – Afinal, que barulho foi aquele na linha?

       Sem esperar resposta, apanhou a linha direta do subsolo para o apartamento.  Sam Somerville atendeu e explicou sobre a ameaça de mandar os dedos decepados e o tropeção de McCrea na mesa.  Quando ela desligou, Quinn disse:

       — Quem era?

       — O Sr. Brown – respondeu ela formalmente.  – Sr. Kevin Brown.

       — Quem é ele? – quis saber Quinn.

       Sam olhou nervosamente para a parede.

       — Diretor-assistente interino da Divisão de Investigação Criminal do FBI – respondeu Sam, sabendo que estavam ouvindo.  Quinn fez um gesto de irritação.  Sam ergueu os ombros.

       Ao meio-dia houve uma conferência no apartamento.  A opinião geral era de que Zack só telefonaria na manhã seguinte, dando tempo aos americanos para que estudassem sua exigência.

       Kevin Brown compareceu com Collins e Seymour. Nigel Cramer levou com ele o comandante Williams.  Quinn não conhecia ainda Brown e Williams.

       — Pode dizer a Zack que Washington concorda – disse Brown.  – Recebemos a resposta há vinte minutos.  Detesto isso, mas eles concordaram.  Cinco milhões de dólares.

       — Mas eu não concordo – replicou Quinn.

       Brown olhou para ele como se não pudesse acreditar no que ouvia.

       — Oh, você não concorda, Quinn.  Você não concorda.  O governo dos Estados Unidos concorda, mas o Sr. Quinn não.  Posso saber por quê?

       — Porque é extremamente perigoso concordar com a primeira exigência de um seqüestrador – disse Quinn calmamente.  – Faça isso e ele começa a pensar que devia ter pedido mais e que, de algum modo, foi enganado.  Se for um psicopata, fica furioso.  Só tem uma pessoa em quem descarregar sua fúria, o refém.

       — Acha que Zack é um psicopata? – perguntou Seymour.

       — Pode ser e pode não ser – disse Quinn.  – Mas um dos seus companheiros talvez seja.  Mesmo que Zack seja o chefe...  e pode não ser...  psicopatas tendem a se descontrolar.

       — Nesse caso, o que aconselha? – perguntou Collins.  Brown bufou com desprezo.

       — É muito cedo ainda – disse Quinn.  – A melhor chance que Simon Cormack tem de continuar vivo e ileso depende dos seqüestradores acreditarem em duas coisas.  Que estão tirando da família o máximo que pode pagar e que só verão o dinheiro se devolverem Simon vivo e em perfeito estado.  Não vão chegar a essas conclusões em segundos.  Além disso, a polícia ainda pode ter sorte e encontrá-Ios.

       — Concordo com o Sr. Quinn – disse Cramer. – Pode levar umas duas semanas.  Parece duro, mas é melhor do que estragar tudo e ter como resultado um erro de julgamento e um refém morto.

       — Qualquer tempo a mais que possa me dar eu agradeço – disse o comandante Williams.

       — Então, o que digo para Washington? – perguntou Brown.

       — Diga a eles – respondeu Quinn calmamente – que me pediram para negociar o resgate de Simon e que estou tentando fazer isso.  Se quiserem me tirar do caso, tudo bem.  Só precisam comunicar ao presidente.

       Collins tossiu.  Seymour olhou para o chão.  A reunião foi encerrada.

       Quando Zack tornou a ligar, Quinn desculpou-se.

       — Escute, tentei falar pessoalmente com o presidente Cormack.  Não consegui.  O homem está sob efeito de sedativos, a maior parte do tempo.  Quero dizer, está vivendo num inferno...

       — Pois abrevie esse sofrimento e me arranje o dinheiro – disse Zack, irritado.

       — Eu tentei, juro por Deus.  Olhe, cinco milhões é demais.  Ele não tem todo esse dinheiro...  tudo está investido em fundos e leva tempo para transformar em dinheiro vivo.  O negócio é este: posso arranjar novecentos mil dólares, bem depressa...

       — Sem essa – disse a voz no telefone.  – Vocês, ianques, sempre conseguem arranjar dinheiro.  Posso esperar.

       — Certo, certo, eu sei – disse Quinn, ansioso.  – Você está a salvo.  Ninguém está conseguindo nenhuma pista, pelo menos até agora.  Se ao menos diminuísse um pouco a quantia...  O garoto está bem?

       — Está.

       Quinn percebeu que o homem estava pensando.

       — Tenho de perguntar isto, Zack.  Os sacanas estão me pressionando.  Pergunte ao garoto o nome do seu cachorro de estimação, o que ele ganhou de um amigo quando tinha dez anos.  Só para saber-mos que ele está bem.  Não custa nada para você e me ajuda muito.

       — Quatro milhões – disse Zack secamente.  – É a última palavra.

       Ele desligou o telefone.  A chamada era de S1.  Neots, uma cidadezinha ao sul de Cambridge, ao norte da divisa com Bedfordshire.  Ninguém foi visto saindo da cabine, uma das muitas instaladas fora do correio geral.

       — O que você está fazendo? – perguntou Sam, curiosa.

       — Escalando a pressão – disse Quinn, sem maiores explicações.

       O que Quinn havia compreendido dias atrás era que nesse caso ele possuía um trunfo nem sempre acessível aos negociadores.  Bandidos nas montanhas da Sardenha ou na América Central podiam negociar durante meses ou anos, se quisessem.  Nenhuma batida militar, nenhuma patrulha policial poderia encontrá-Ios nas montanhas cheias de cavernas e mato.  O único perigo para eles eram os helicópteros, nada mais.

       Naquele canto da Inglaterra, densamente povoado, Zack e seus homens estavam em território sujeito às leis, portanto hostil.  Quanto mais tempo permanecessem no esconderijo, maior seria, pela lei das probabilidades, o perigo de serem identificados e localizados.  Sendo assim, a pressão atuando sobre eles seria no sentido de terminar o negócio e ir embora.  O truque consistia em fazer com que acreditassem que haviam ganhado a partida, conseguido o melhor resgate possível' e que portanto não precisavam matar o refém antes de fugir.

       Quinn contava com os outros homens de Zack – a polícia sabia, pelos exames feitos no local do seqüestro, que havia pelo menos quatro homens no grupo –, todos confinados no esconderijo.  Ficariam impacientes, atormentados pela claustrofobia, exigiriam do líder uma solução rápida, exatamente o argumento que Quinn estava usando.  Pressionado dos dois lados, Zack ficaria tentado a aceitar o que pudessem oferecer e fugir. Mas isso só aconteceria quando a pressão sobre o grupo atingisse um grau muito maior.

       Deliberadamente, Quinn havia plantado certas idéias na mente de Zack.  Que ele era o bonzinho, tentando de todos os modos possíveis apressar a negociação, mas obstruído pelas instituições – lembrando a cara de Kevin Brown, perguntava a si mesmo se isso era completamente falso –, e que Zack estava seguro...  até agora.  Significando o contrário.  Quanto mais o sono de Zack fosse atormentado por pesadelos de uma batida da polícia, melhor para todos.

       O professor de lingüística declarou que Zack devia ter quarenta ou cinqüenta e poucos anos e que, definitivamente, era o líder do grupo.  Não hesitava nas respostas, indicando que não precisava consultar outra pessoa antes de resolver. Pertencia à classe trabalhadora, não tinha instrução formal e era quase certo que vinha da área de Birmingham.  Mas seu sotaque nativo fora atenuado devido a longos períodos fora de Birmingham, possivelmente no exterior.

       Um psiquiatra tentou fazer o retrato psicológico do homem.  Certamente estava sob pressão, que aumentava com o prolongamento das conversações.  Sua animosidade contra Quinn diminuía sensivelmente.  Estava acostumado com violência – não havia hesitação nem estranheza em sua voz quando falou em cortar os dedos de Simon Cormack.  Por outro lado, tinha a mente lógica e era astuto, desconfiado, mas não medroso.  Um homem perigoso, mas não louco.  Não psicopata, nem "político".

       Esses relatórios foram enviados a Nigel Cramer, que os levou ao comitê COBRA.  Cópias foram mandadas imediatamente para Washington, diretamente para o comitê da Casa Branca.  Outras chegaram ao apartamento em Kensington.  Quinn leu os relatórios e depois os passou para Sam.

       O que eu não entendo – disse ela ao terminar a leitura – é por que escolheram Simon Cormack.  A família do presidente é rica, mas deve haver outros rapazes americanos ricos na Inglaterra.

       Quinn, que havia pensado nisso quando olhava para a tela da televisão num bar, na Espanha, olhou rapidamente para ela mas não disse nada.  Sam esperou uma resposta que não foi dada.  Isso a irritou.  E intrigou também.  Com o passar dos dias, Quinn a intrigava cada vez mais.

      

       No sétimo dia do seqüestro e o quarto desde o primeiro telefonema, a CIA e o SIS britânico suspenderam a investigação dos seus agentes infiltrados na rede de organizações terroristas da Europa.  Ninguém sabia da compra de uma Skorpion por intermédio desses grupos, e tinham quase certeza de que não havia nenhum terrorista político envolvido no seqüestro.  Entre os grupos investigados estavam o IRA e o INLA, ambos irlandeses, nos quais a CIA e o SIS tinham agentes infiltrados cujas identidades não pretendiam revelar mutuamente, a Facção do Exército Vermelho Alemão, sucessora do Baader-Meinhof, as Brigadas Vermelhas italianas, a Action Directe francesa, o ETA bascoespanhol e o CCC belga.  Havia grupos menores e mais estranhos, porém sem recursos para montar uma operação como aquela.

       Zack voltou no dia seguinte.  O telefonema foi dado de uma cabine de um posto de gasolina na rodovia M11, ao sul de Cambridge.  Foi localizada e identificada em oito segundos, mas o policial à paisana levou sete minutos para chegar. Em meio ao grande movimento de carros e pessoas que passavam, não esperavam que o homem ainda estivesse lá.

       — O cachorro – disse ele rapidamente – chamava-se Mister Spot.

       — Puxa, obrigado, Zack – disse Quinn.  – Cuide bem do garoto que concluiremos o negócio muito antes do que espera.  E tenho novidades.  Os assistentes do Sr. Cormack podem arranjar um vírgula dois milhões de dólares, afinal.  Dinheiro vivo, e bem depressa.  Aceite, Zack...

       — Vá se foder – grunhiu a voz no telefone.

       Mas Zack tinha pressa, seu tempo estava acabando.  Baixou para três milhões de dólares.  E desligou.

       — Por que não aceita, Quinn? – perguntou Sam.

       Ela estava sentada na ponta da cadeira.  Quinn levantou-se para ir ao banheiro.  Ele sempre se lavava, vestia, tomava banho, usava o banheiro ou comia logo depois do telefonema de Zack.  Sabia que por algum tempo o homem não faria contato.

       — Não é só uma questão de dinheiro – disse Quinn, saindo da sala.  – Zack ainda não está pronto.  Vai começar a pedir mais outra vez, pensando que foi enganado.  Quero solapar um pouco mais sua confiança, quero pressionar mais.

       — E o que me diz da pressão sobre Simon Cormack? – disse Sam quando Quinn já estava no corredor.

       Ele parou e voltou para a porta da sala.

       — É – disse, com ar sombrio –, e sobre a mãe e o pai.  Não esqueci.  Mas nesses casos os criminosos precisam acreditar, acreditar realmente que o espetáculo acabou.  Do contrário, ficam zangados e descarregam no refém.  Já vi isso antes.  O melhor mesmo é ir devagar e com calma e não investir como uma carga de cavalaria.  Quando não se consegue resolver tudo em quarenta e oito horas, com uma prisão rápida, entramos numa guerra de atrito, os nervos do seqüestrador contra os do negociador. Se ele não consegue nada, fica louco; se consegue depressa demais, acha que cometeu um erro e seus companheiros pensarão do mesmo modo.  Então fica furioso, o que é prejudicial para o refém.

       Cramer ouviu essas palavras no gravador e fez um gesto afirmativo.  Em dois casos em que estivera envolvido, foi exatamente o que aconteceu.  No primeiro, o refém foi recuperado vivo e bem, no outro foi liquidado por um psicopata furioso e ofendido.

       As mesmas palavras foram ouvidas "ao vivo" no subsolo da em baixada americana.

       — Bobagem – disse Brown.  – Ele tem um acordo, pelo amor de Deus! Devia exigir a volta do garoto agora.  Quero pegar aqueles frescos pessoalmente.

       — Se eles fugirem, deixe o caso para a Met – aconselhou Seymour. – Eles os encontrarão.

       — É, e um tribunal britânico os condenará à prisão perpétua numa penitenciária confortável.  Sabe o que isso significa aqui? Quatorze anos com redução de sentença.  Besteira.  Escute aqui, moço, ninguém, ninguém faz isso com o filho do meu presidente e fica impune.  Um dia isto será assunto do FBI, como devia ser agora.  E vou me encarregar do caso...  segundo as regras de Boston.

       Nigel Cramer foi ao apartamento naquela noite.  A novidade era nenhuma novidade.  Quatrocentas pessoas discretamente entrevistadas, quase quinhentas afirmações de "terem visto os homens" verificadas, 160 casas e apartamentos discretamente checados.  Nada.

       O DIC de Birmingham examinou seus arquivos até cinqüenta anos atrás à procura de criminosos com história de violência que tivessem deixado a cidade há muito tempo.  Encontraram oito "possíveis" todos foram investigados e descartados.  Mortos, na prisão ou comprovadamente em outro lugar que não Londres.

       Um dos recursos da Scotland Yard, pouco conhecido do público, é o banco de vozes.  Por meio da moderna tecnologia, as vozes podem ser reduzidas a uma série de picos e baixos num gráfico, representando o modo como a pessoa inala, exala, usa tons e variações sonoras, forma as palavras e as pronúncias.  O padrão traçado no oscilógrafo é como uma série de impressões digitais.  Pode ser comparado e, se houver uma amostra no arquivo, identificado.

       Geralmente sem que eles saibam, muitos criminosos conhecidos têm suas vozes arquivadas no banco de vozes.  Autores de telefonemas obscenos, informantes anônimos e outros têm sido detidos e "gravados" na sala de interrogatório.  Zack simplesmente não existia.

       As pistas fornecidas pelo laboratório também eram sem valor as cápsulas vazias, as balas, pegadas e marcas de pneus dormiam nos laboratórios da polícia, recusando revelar outros segredos.

       — Num raio de setenta quilômetros fora de Londres, incluindo a capital, existem oito milhões de moradias – disse Cramer. – Mais escoadouros secos, armazéns, jazigos, criptas, túneis, catacumbas e prédios abandonados.  Tivemos um assassino e estuprador chamado Pantera Negra que praticamente morou numa série de minas abandonadas, sob um parque público.  Ele levava as vítimas para seu esconderijo.  Finalmente...  nós o pegamos.  Sinto, Sr. Quinn, mas continuamos a procura.

       No oitavo dia a tensão era palpável no apartamento de Kensington.  Os dois jovens sentiam mais.  Se Quinn sentia também, pouco demonstrava.  Passava muito tempo deitado na cama, entre os telefonemas e instruções.  olhando Para o teto, tentando penetrar na mente de Zack para manobrar melhor o próximo telefonema.  Quando devia fechar o negócio, como combinar a troca?

       McCrea continuava amável, mas visivelmente cansado.  Demonstrava agora uma devoção quase canina por Quinn, sempre pronto para qualquer tarefa, fazendo café, contribuindo para o serviço do apartamento.

       No nono dia, Sam pediu permissão para fazer compras.  Kevin Brown telefonou de Grosvenor Square e concordou com relutância.  Sam saiu do apartamento, a primeira vez em quase quinze dias, tomou um táxi para Knightsbridge e passeou durante quatro horas gloriosas pela Harvey Nichollse pela Harrods, onde comprou uma bonita bolsa de pele de crocodilo.

       Quando ela voltou, os dois homens admiraram a bolsa.  Sam tinha também um presente para cada um.  Uma caneta folheada a ouro para McCrea e um suéter de cashmere para Quinn.  O jovem agente da CIA ficou emocionado e agradecido.  Quinn vestiu o suéter e deu um dos seus raros mas luminosos sorrisos.  Foi o único momento descontraído que os três passaram naquele apartamento.

      

       Em Washington, no mesmo dia, o comitê de administração da crise ouvia sombriamente as palavras do Dr. Armitage.

       — Estou cada vez mais preocupado com a saúde do presidente – declarou o médico para o vice-presidente, o conselheiro de Segurança, o secretário de Justiça, três secretários e os diretores da CIA e do FBI.  – Já houve períodos de tensão no governo antes, e sempre haverá.  Mas este caso é pessoal e muito mais profundo.  A mente humana, bem como o corpo, não está equipada para suportar esses níveis de ansiedade durante muito tempo.

       — Como está ele fisicamente? – perguntou Bill Walters.

       — Extremamente cansado, tomando medicamentos para dormir à noite, o que nem sempre consegue.  Envelhecendo a olhos vistos.  – E mentalmente? – perguntou Morton Stannard.

       — Os senhores o viram tentando dirigir os assuntos normais do governo – lembrou Armitage.  Todos assentiram sombriamente.  – Está perdendo o controle, sua concentração diminui rapidamente, a memória está falha.

       Morton Stannard fez um gesto de assentimento e simpatia, mas seus olhos velados traíam muito mais.  Dez anos mais novo que Donaldson ou Reed, o secretário da Defesa era um ex-banqueiro de Nova York, um operador cosmopolita com gosto por boa comida, vinhos finos e arte impressionista francesa.  Trabalhando com o Banco Mundial adquirira a fama de negociador calmo e eficiente, um homem difícil de ser convencido, como descobriram os países do Terceiro Mundo que procuravam créditos sem possibilidade de pagamento, saindo com as mãos vazias.

       Stannard havia deixado sua marca no Pentágono nos dois últimos anos como um homem que exigia eficiência, com a idéia firme de que o contribuinte americano deve receber do Departamento de Defesa o valor do imposto pago.  Fez inimigos entre os militares de alta patente e grupos de pressão da indústria armamentista.  Veio então Nantucket, que modificou algumas alianças dos dois lados do Potomac.  Stannard tomou o lado dos industriais da defesa e do chefe do Estado-Maior, contra os cortes sumários nos orçamentos.

       Enquanto Michael Odell lutava contra Nantucket baseado na intuição, as prioridades de Stannard relacionavam-se também com a negociação do poder e a influência na hierarquia de Washington, e sua oposição a Nantucket não se baseava inteiramente em proposições filosóficas.  Quando perdeu sua causa junto ao Gabinete, ficou impassível, como estava impassível agora, ouvindo o médico descrever a deterioração do seu presidente.

       — Pobre homem, meu Deus, pobre homem – murmurou Hubert Reed, do Tesouro.

       — O que agrava o problema – concluiu o psiquiatra – é o fato de o presidente não demonstrar suas emoções.  Não é emotivo.  Externamente, quero dizer. Internamente...  é claro que todos nós somos.  Todas as pessoas normais, pelo menos.  Mas ele guarda tudo, não grita, não se lamenta.  A primeira-dama é diferente.  Não sofre as pressões do cargo e aceita melhor os medicamentos.  Mesmo assim, acho que sua condição é tão grave, se não pior. Trata-se de seu único filho.  E seu estado é mais um fator de pressão sobre o presidente.

       O médico deixou oito homens muito preocupados, quando voltou para a mansão.

       Mais por curiosidade do que qualquer outra coisa, Andy Laing resolveu ficar no escritório duas noites mais tarde, na filial de Jeddah do Banco de Investimento da Arábia Saudita, e consultou seu computador. Ficou assombrado com o que viu.

       A falcatrua continuava.  Quatro transações haviam sido efetuadas depois de sua conversa com o gerente-geral, que podia ter acabado tudo com um telefonema.  A conta do ladrão estava repleta de dinheiro, tudo desviado dos fundos públicos sauditas.  Laing sabia que o peculato não era assunto estranho aos cargos burocráticos na Arábia Saudita, mas aquelas quantias eram enormes, suficientes para financiar uma grande operação comercial ou qualquer outro tipo de transação.

       Compreendeu com horror que Steve Pyle , um homem que ele respeitava, devia estar envolvido.  Não seria a primeira vez que um funcionário graduado do banco era "subornado".  Mas mesmo assim era um choque.  E pensar que havia revelado sua descoberta diretamente ao culpado! Passou o resto da noite no seu apartamento, inclinado sobre a máquina de escrever. Acontece que Laing fora contratado não em Nova York, mas em Londres, a maior filial do banco fora de Nova York, onde trabalhava o principal contador interno para Operações no Estrangeiro.  Laing conhecia seu dever. Enviou seu relatório para esse funcionário, anexando quatro folhas impressas do computador como prova das suas declarações.

       Se tivesse sido um pouco mais esperto, teria mandado o relatório pelo correio normal.  Mas o serviço era lento e nem sempre confiável.  Pôs o envelope no malote do banco, que costumava ser levado por mensageiro diretamente de Jeddah para Londres.  Costumava.  Mas desde a sua visita a Riyad, uma semana atrás, o gerente-geral havia determinado que toda a correspondência do malote de Jeddah passasse por Riyad.  No dia seguinte, Steve Pyle examinou a correspondência do malote, retirou o relatório de Laing, liberou o resto e leu com atenção o que Laing tinha para contar. Ao terminar, apanhou o telefone e discou um número local.

       — Coronel Easterhouse, temos um problema aqui.  Acho que devemos nos encontrar.

      

       Nos dois lados do Atlântico, a imprensa dissera tudo que havia a dizer e então repetiu, uma e outra vez, sem parar. Especialistas variados, de professores de psiquiatria a médiuns, ofereciam suas análises e conselhos às autoridades.  Especialistas em espiritismo comunicavam-se com o mundo do além – em sessões privadas – e recebiam diversas mensagens, todas contraditórias.  Choviam ofertas individuais e de instituições para pagar o resgate, por mais elevado que fosse.  A televisão mostrava pregadores frenéticos, vigílias eram feitas nas igrejas e nos degraus da catedral.

       Os exibicionistas estavam em plena atividade.  Centenas deles ofereciam-se para substituir Simon Cormack, certos de que a troca jamais seria efetuada.  No décimo dia após o primeiro telefonema de Zack para Quinn, em Kensington, surgiu um novo fator nas transmissões para o povo americano.

       Um evangelista do Texas, cujos cofres haviam recebido uma doação inesperadamente generosa das companhias de petróleo, declarou que tivera uma visão de inspiração divina.  O ato criminoso contra Simon Cormack, portanto contra seu pai, o presidente, portanto contra os Estados Unidos, era obra dos comunistas.  Não havia dúvida.  A mensagem divina foi usada brevemente pelas redes nacionais de noticiário.  Os primeiros tiros do plano Crockett foram disparados, as primeiras sementes plantadas.

      

       Sem o costume sóbrio de trabalho, que não usava desde a sua primeira noite no apartamento, a agente especial Sam Somerville tornava-se uma mulher bastante atraente.  Era a segunda vez na sua carreira que usavam sua beleza para ajudar num caso.  Na primeira, havia saído várias vezes com um funcionário graduado do Pentágono, para culminar com um desmaio simulado, por excesso de bebida, no apartamento dele.  Pensando que ela estava inconsciente, o homem dera um telefonema comprometedor, provando que estava "arranjando" contratos para a Defesa em favor de certos fabricantes, e recebendo uma boa comissão de acordo com os lucros.

       No outro caso, aceitara jantar com um chefe mafioso e conseguira instalar um microfone no banco da limusine do homem.  O que o FBI ouviu então foi suficiente para prender o mafioso, sob a acusação de vários crimes federais.

       Kevin Brown sabia disso quando a escolhera, entre os agentes do FBI, como o "sabujo" que a Casa Branca insistia fosse enviado a Londres para vigiar o Negociador. Esperava que Quinn se deixasse impressionar como os outros homens e, assim enfraquecido, confiasse a Sam Somerville as intenções mais secretas que os microfones não detectavam.

       Mas não contavam com a inversão de papéis.  Na 11ª noite no apartamento de Kensington, Sam e Quinn encontravam-se no corredor que levava do banheiro à sala.  O espaço mal dava para dois.  Impulsivamente, Sam Somerville passou os braços pelo pescoço de Quinn e beijou-o na boca.  Há uma semana queria fazer isso.  Não ficou desapontada nem foi rejeitada, e sim surpreendida com a intensidade e duração da resposta de Quinn.

       O abraço durou alguns minutos, enquanto McCrea, sem saber de nada, estava às voltas com uma frigideira na cozinha.  A mão bronzeada e firme de Quinn acariciou os cabelos louros e brilhantes da jovem.  Sam sentiu que aquela carícia eliminava ondas de tensão e cansaço do seu corpo.

       — Quanto tempo mais, Quinn? – ela murmurou.

       — Não muito – disse ele.  – Alguns dias, se tudo correr bem.  Talvez uma semana.

       Voltaram para a sala e quando McCrea os chamou para comer nada notou.

       O coronel Easterhouse atravessou mancando o tapete espesso do escritório de Pyle e olhou pela janela, tendo deixado o relatório de Laing sobre a mesa de centro.  Pyle o observava, preocupado.

       — Acho que esse jovem pode prejudicar bastante os interesses do nosso país aqui – disse Easterhouse em voz baixa.  – Inadvertidamente, é claro.  Tenho certeza de que é uma pessoa conscienciosa.  Contudo...

       Particularmente, ele estava muito mais preocupado do que demonstrava.  Seu plano para o massacre e destruição da Casa de Saud de alto a baixo estava na metade, e muito sensível ao fracasso.

       O imã dos xiitas fundamentalistas estava refugiado, a salvo da polícia de segurança, uma vez que todo o arquivo do computador central da segurança fora apagado, sumindo com os nomes de todos os seus contatos, amigos, partidários e seus possíveis paradeiros.  O fanático da Polícia Religiosa Mutawain manteve o contato.  O recrutamento entre os xiitas estava em progresso, os entusiasmados voluntários sabendo apenas que seriam preparados para um ato de glória eterna a serviço do imã, e portanto de Alá.

       A construção da nova arena prosseguia dentro do prazo previsto As imensas portas, janelas, entradas laterais e o sistema de ventilação eram controlados por um computador central, programado com um sistema inventado por Easterhouse.  Os planos para manobras do deserto, com o fim de afastar da capital, na noite do ensaio, o maior número possível do efetivo militar da Arábia Saudita, estavam em andamento.  Um general-de-divisão egípcio e dois oficiais de blindados palestinos estavam a seu serviço e preparados para substituir a munição distribuída entre a Guarda Real por munição defeituosa, na noite em questão.

       As submetralhadoras americanas Piccolo, com munição adequada, chegariam por via marítima no início do ano, e tudo estava pronto para seu armazenamento e preparo antes de serem distribuídas aos xiitas.  Como havia prometido a Cyrus Miller, só precisou dos dólares americanos para as compras externas.  As contas internas seriam ajustadas em riyalls.

       Não foi essa a história que ele contou a Steve Pyle .  O gerente-geral do BIAS ouvira falar de Easterhouse e de sua invejável influência junto à família real, e dois meses antes, ao receber o convite para jantar, sentira-se lisonjeado.  A identificação forjada de agente da CIA, mostrada por Easterhouse, o impressionou mais ainda.  Pensar que aquele homem não era um franco-atirador, mas trabalhava realmente para seu próprio governo.  E pensar que só Steve Pyle sabia disso.

       — Há rumores de um plano em andamento para derrubar a casa real – dissera Easterhouse naquele jantar. – Nós descobrimos e informamos o rei Fahd.  Sua Majestade concordou num esforço conjunto das suas forças de segurança e da Companhia para desmascarar os culpados.

       Pyle havia parado de comer, a boca aberta de espanto.  Contudo, era perfeitamente possível.

       — Como sabe, o dinheiro compra qualquer coisa neste país, incluindo informação.  E o dinheiro de que precisamos e os fundos da polícia de segurança não podem ser desviados, porque talvez existam conspiradores dentro da polícia.  Conhece o príncipe Abdul?

       Pyle fizera um gesto afirmativo.  O primo do rei, o ministro das Obras Públicas.

      

       — Ele é meu elemento de ligação, designado pelo rei – dissera o coronel.  – O príncipe concordou que os fundos necessários para penetrar na conspiração sejam fornecidos pelo seu orçamento pessoal.  Não preciso dizer que o mais alto escalão em Washington faz questão absoluta de que nada aconteça a este governo amigo.

       Desse modo o banco, sob a forma de um único funcionário bastante crédulo, concordou em participar na criação do fundo.  O que Easterhouse fez foi conseguir acesso ao computador comercial do Ministério das Obras Públicas e programá-Io para quatro novas instruções.

       Uma consistia em alertar o terminal de computador de Easterhouse sempre que o ministério desse uma ordem de retirada para pagar um fornecedor. A quantia nessas ordens, numa base mensal, era sempre enorme.  Na área de Jeddah, o ministério estava abrindo estradas, construindo escolas, hospitais, portos de grande calado, estádios esportivos, pontes, conjuntos residenciais e blocos de apartamentos.

       A segunda instrução era para acrescentar 10% a todos os contratos e transferir esses 10% para sua conta numerada particular, na filial de Jeddah do BIAS.  As terceira e quarta instruções eram protetoras.  Se o ministério pedisse o saldo da sua conta no BIAS, seu próprio computador daria o total, mais 10%.  Por fim, se fosse interrogado diretamente, negaria qualquer conhecimento e apagaria a memória.  Até aquele momento, o saldo total da conta de Easterhouse era de quatro bilhões de riyalls.

       O que Laing notou foi o fato estranho de que cada vez que o BIAS, seguindo instruções do ministério, fazia uma transferência de crédito para uma firma contratada, uma transferência igual a exatamente 10% daquela quantia saía da conta do ministério para uma conta numerada do mesmo banco.

       O golpe de Easterhouse era apenas uma variação da falcatrua da quarta caixa registradora, e só seria descoberto por ocasião da auditoria geral do ministério na próxima primavera. A fraude baseia-se na história do dono de bar americano que, embora seu bar estivesse sempre cheio, convenceu-se de que seu lucro era 25% menor do que devia ser. Contratou o melhor detetive particular da cidade, que instalou-se no quarto acima do bar, fez um furo no assoalho e passou uma semana deitado de bruços, vigiando o bar embaixo.  Finalmente, ele fez seu relatório: sinto muito ter de dizer isto, mas seus empregados do bar são honestos. Cada centavo e cada dólar colocado naquele balcão vai para suas quatro caixas registradoras. O que quer dizer com quatro caixas registradoras?, perguntou o dono do bar. Eu só instalei três!

       — Não queremos que nada aconteça a esse jovem – disse Easterhouse –, mas se ele vai fazer esse tipo de coisa, se recusa a ficar calado, não seria mais prudente transferi-Io de volta para Londres?

       — Não é tão fácil.  Por que ele iria sem protestar? – perguntou Pyle .

       — Certamente – disse Easterhouse –, ele pensa que sua correspondência chegou a Londres.  Se Londres o chamar...  é o que pode dizer a ele...  irá como um cordeirinho.  Basta dizer que Londres deseja sua volta.  Motivos: não se adapta ao lugar, foi descortês com os empregados e prejudicou a moral dos colegas.  A prova está nas suas mãos.  Se ele fizer as mesmas alegações em Londres, apenas estará provando seu julgamento.  Pyle ficou encantado.  Cobria todas as contingências.

      

       Quinn tinha bastante experiência para saber que havia não um, mas dois microfones no seu quarto.  Levou uma hora para encontrar o primeiro, outra hora para descobrir o segundo.  A grande lâmpada de mesa de bronze tinha um orifício de um milímetro na base.  Não havia necessidade daquele orifício.  O pescoço móvel ficava ao lado da base.  O orifício estava bem embaixo dele.  Mastigou por alguns minutos um chiclete – um dos vários dados pelo vice-presidente Odell para sua viagem através do Atlântico – e enfiou o chiclete mascado no orifício.

       No subsolo da embaixada o homem da INFEL que estava de serviço voltou-se do seu consolo e chamou um agente do FBI.  Logo depois, Brown e Collins chegaram ao posto de escuta.

       — Um dos microfones do quarto apagou – disse o engenheiro.

       — O que está na base da lâmpada de mesa.  Acusa defeito.

       — Falha mecânica? – perguntou Collins.  A despeito das garantias dos fabricantes, a tecnologia tinha o hábito de enguiçar a intervalos regulares.

       — Pode ser – disse o homem da INFEL.  – Não podemos saber com certeza.  Parece vivo.  Mas o nível de som da recepção está perto de zero.

       — Será que ele o descobriu? – perguntou Brown.  – Enfiou alguma coisa no orifício? Esse cara é um sacana muito esperto.

       — Pode ser – disse o técnico.  – Quer que alguém vá verificar?

       — Não – replicou Collins.  – De qualquer modo, ele nunca fala no quarto.  Só fica deitado, pensando.  E temos o outro, na tomada da parede.

       Naquela noite, doze dias depois do primeiro telefonema, Sam foi ao quarto de Quinn, na extremidade oposta do quarto ocupado por McCrea.  A porta abriu-se com um estalido.

       — O que foi isso? – perguntou um dos homens do FBI, compartilhando com o técnico o turno da noite.  O técnico deu de ombros.

       — O quarto de Quinn.  Maçaneta da porta, uma janela.  Talvez ele tenha ido ao banheiro.  Ou precise de ar fresco.  Nenhuma voz, está vendo?

       Quinn estava deitado, silencioso, no quarto quase escuro, fracamente iluminado pelas luzes de rua de Kensington.  Estava imóvel, olhando para o teto, usando apenas seu sarongue.  Quando ouviu o estalido da porta virou a cabeça.  Sam ficou parada sem dizer nada.  Ela também sabia da existência dos microfones.  Sabia que seu quarto não tinha escuta, mas ficava perto do quarto de McCrea.

       Quinn virou as pernas para fora da cama, amarrou o sarongue e levou um dedo aos lábios.  Saiu da cama sem fazer barulho, apanhou seu gravador da mesa-de-cabeceira, ligou-o e o colocou ao lado de uma tomada elétrica no rodapé, a três metros da cama.

       Sempre sem fazer o menor ruído, apanhou a poltrona do canto, virou-a de cabeça para baixo e a ajeitou sobre o gravador, encostada na parede, enchendo com travesseiros os espaços onde os braços da poltrona não chegavam até o papel de parede.

       A poltrona formava os quatro lados de uma caixa vazia, os outros dois lados eram o assoalho e a parede.  Dentro da caixa estava o gravador.

       — Podemos conversar agora – murmurou ele.

       — Não quero conversar – murmurou Sam, estendendo os braços.

       Quinn carregou-a para a cama.  Sentada, Sam tirou a camisola.

       Quinn deitou-se ao lado dela.  Dez minutos depois faziam amor.

       No subsolo da embaixada, o técnico e dois homens do FBI ouviam os sons vindos da tomada de parede a três quilômetros de distância.

       — Ele está dormindo – disse o técnico.

       Os três homens ouviam a respiração ritmada de um homem profundamente adormecido, gravada na noite anterior com o gravador sob o travesseiro de Quinn.  Brown e Seymour chegaram ao posto de escuta.  Nada esperavam de novo naquela noite.  Zack tinha telefonado durante o rush das seis da tarde – estação de Bedford, ninguém o vira.

       — Não entendo – disse Patrick Seymour – como aquele cara pode dormir sob tanta pressão.  Há duas semanas que só consigo uns leves cochilos, e tenho a impressão de que nunca mais vou dormir. Ele deve ter cordas de piano em lugar de nervos.

       O técnico bocejou e fez um gesto afirmativo.  Em geral, seu trabalho para a Companhia, na Grã-Bretanha e na Europa, não exigia muitas noites em claro, certamente não desse modo, noite após noite.

       — É, bem que eu queria estar fazendo o mesmo que ele.

       Sem uma palavra, Brown voltou para o escritório que era sua base.  Estava há quase quatorze dias naquela maldita cidade, cada vez mais convencido de que a polícia britânica não chegaria a lugar nenhum e que Quinn estava bancando o engraçadinho com um rato que não devia pertencer à raça humana.  Muito bem, Quinn e seus amigos britânicos podiam se preparar para um chá de cadeira até o inferno congelar, mas sua paciência estava esgotada.  Decidiu reunir sua equipe pela manhã e ver se um pouco de trabalho de detetive à moda antiga podia encontrar uma pista.  Não seria a primeira vez em que uma poderosa força policial deixava escapar um pequeno detalhe importante.

      

       Quinn e Sam passaram quase três horas abraçados, amando-se ou conversando em voz baixa.  Foi ela quem mais falou, sobre sua vida, sua carreira no FBI.  Preveniu Quinn também contra o irritante Kevin Brown, que a escolhera para essa missão e que estava baseado em Londres com uma equipe de oito para "ficar de olho nas coisas".

       Sam havia mergulhado num sono profundo e sem sonhos, a primeira vez em que dormia bem nos últimos quinze dias, quando Quinn a acordou.

       — É uma fita de três horas – murmurou ele.  – Vai terminar em quinze minutos.

       Ela o beijou mais uma vez, vestiu a camisola e voltou para seu quarto na ponta dos pés.  Quinn desencostou a poltrona da parede, resmungou um pouco para o microfone na tomada, desligou o gravador, voltou para a cama e dormiu para valer. Os sons gravados em Grosvenor Square eram de um homem adormecido mudando de posição, sem acordar. O técnico e os dois homens do FBI olharam para o consolo e voltaram ao jogo de cartas.

       Zack telefonou às nove e meia.  Parecia mais brusco e hostil do que na véspera, um homem cujos nervos começavam a entrar em pane, um homem sobre o qual a pressão aumentava e que decidira exercer alguma pressão também.

       — Muito bem, seu sacana, agora escute.  Chega de papo furado.  Estou cheio.  Aceito seus malditos dois milhões de dólares, mas é definitivo.  Se pedir mais qualquer coisa, vou mandar dois dedos para vocês.  Vou usar martelo e formão na mão direita do moleque, e aí vamos ver se Washington continua gostando de você depois disso...

       — Fica frio, Zack – implorou Quinn, ansioso.  – Você conseguiu.  Você venceu.  A noite passada eu disse a eles para arranjarem os dois milhões de dólares ou eu caio fora.  Pô, você acha que está cansado? Eu nem durmo mais, esperando seus telefonemas...

       Zack pareceu acalmar-se com a idéia de que havia alguém com os nervos mais abalados do que ele.

       — Mais uma coisa – grunhiu ele.  – Nada de dinheiro.  Não dinheiro vivo.  Vocês, seus sacanas, vão tentar grampear a valise.  Diamantes.  Tem de ser assim...

       Falou durante mais dez segundos e desligou.  Quinn não anotou nada.  Não precisava.  Tudo estava sendo gravado.  O telefonema foi localizado numa das três cabines públicas em Saffron Walden, uma cidade mercantil na região oeste de Essex, ao lado da rodovia Mil, Londres-Cambridge.  Em três minutos o policial à paisana passou pelas cabines, mas estavam todas vazias.  O homem fora engolido pela multidão.

      

       Nesse momento, Andy Laing almoçava na cantina dos executivos da filial de Jeddah do BIAS, com seu amigo e colega paquistanês, o Sr. Amin, gerente de Operações.

       — Estou muito intrigado, meu amigo – disse o jovem paquistanês.  – O que está acontecendo? .

       — Não sei – respondeu Laing.  – Diga você.

       — Sabe o malote diário que sai daqui para Londres? Mandei uma carta urgente para Londres, com alguns documentos anexos.  Precisava de resposta rápida.  Quando vou receber?, eu me pergunto.  Por que não chegou? Pergunto o motivo à seção de correspondência, não respondem.  Eles me dizem uma coisa muito estranha.

       Laing pôs o garfo e a faca no prato.

       — O que dizem, amigo?

       — Dizem que tudo está atrasado.  Toda a correspondência daqui para Londres está sendo desviada para o escritório de Riyad um dia antes de seguir para Londres.

       Laing perdeu o apetite.  Sentia uma coisa na boca do estômago que não era fome.

       — Há quanto tempo disseram que estão fazendo isso?

       — Há uma semana, eu acho.

       Laing saiu da cantina e foi para seu escritório.  Havia uma mensagem na mesa do gerente da filial, Sr. AI—Haroun.  O Sr. Pyle queria vê-Io em Riyad imediatamente.

       Laing tomou o avião doméstico da Saudia do meio da tarde.  Passou toda a viagem se recriminando.  Claro, era tarde para se arrepender, mas devia ter mandado a carta para Londres pelo correio comum...  Estava endereçada pessoalmente ao contador-chefe, e uma carta com esse destinatário, com sua letra no envelope, certamente  se destacaria entre todas as outras espalhadas sobre a mesa de Steve Pyle .  Entrou no escritório de Pyle logo após o banco ter fechado as portas para o público.

      

       Nigel Cramer fez uma visita a Quinn na hora do almoço, horário de Londres.

       — Fechou a troca em dois milhões de dólares – disse ele.  Quinn balançou a cabeça, assentindo.

       — Meus parabéns – disse Cramer. – Treze dias é um trabalho rápido para este tipo de coisa.  A propósito, meu psiquiatra escutou o telefonema desta manhã.  Ele acha que o homem fala sério, e está sob grande pressão para cair fora.

       — Ele vai ter de agüentar mais alguns dias – disse Quinn.  – Nós todos, aliás.  Ouviram que pediu diamantes em vez de dinheiro.  Isso demora.  Alguma pista do esconderijo?

       Cramer balançou a cabeça negativamente.

       — Temo que não.  Todas as casas alugadas foram verificadas.  Ou não estão em nenhuma casa, ou compraram uma.  Ou pediram emprestada.

       — Não há possibilidade de verificar as compras? – perguntou Quinn.

       — Receio que não.  O número de propriedades vendidas e compradas no sudeste da Inglaterra é enorme.  Há milhares e milhares que pertencem a estrangeiros, a firmas estrangeiras ou companhias cujos representantes...  advogados, bancos, etc...  trataram do negócio.  Como este apartamento, por exemplo.

       Uma indireta para Lou Collins e para a CIA, que estavam ouvindo.

       — A propósito, falei com um dos nossos homens no distrito de Hatton Garden.  Ele falou com um contato que está no mercado de diamantes.  Seja quem for, seu homem entende do assunto.  Ou um dos seus amigos entende.  O que ele pediu é fácil de comprar e fácil de vender. E é leve.  Cerca de um quilo, talvez um pouco mais.  Já pensou na troca?

       — É claro – disse Quinn.  – Gostaria de me encarregar dela.  Mas sem microfones escondidos...  eles provavelmente pensarão nisso.  Não acredito que levem Simon ao encontro, assim ele ainda pode ser morto se houver algum truque.

       — Não se preocupe, Sr. Quinn.  Lógico que gostaríamos de agarrar os caras, mas compreendo seu problema.  Não vai haver nenhum truque de nossa parte, nenhum gesto heróico.

       — Muito obrigado – disse Quinn.

       Os dois homens trocaram um aperto de mão e Cramer foi fazer seu relatório para o comitê COBRA. 

       Kevin Brown passou a manhã trancado no seu escritório no subsolo da embaixada.  Quando as lojas abriram, mandou que dois dos seus homens fossem comprar um monte de coisas.  Um mapa em ampla escala da área ao norte de Londres, abrangendo oitenta quilômetros em todas as direções, uma folha de plástico liso, alfinetes para marcar o mapa, canetas hidrográficas de várias cores.  Reuniu sua equipe de detetives e cobriu o mapa com o plástico.

       — Muito bem, vamos olhar para essas cabines telefônicas que o rato tem usado.  Chuck, vá lendo uma a uma.

       Chuck Moxon examinou sua lista.

       — Primeiro telefonema: Hitchin, condado de Hertfordshire. 

       — Certo, temos Hitchin bem...  aqui.  – Espetou um alfinete em Hitchin.  Zack dera oito telefonemas em treze dias – o nono era iminente.  Um a um, os alfinetes foram espetados no ponto de origem de cada chamada.  Pouco antes das dez horas, um dos dois homens do FBI do posto de escuta enfiou a cabeça na porta.

       — Ele acabou de telefonar. Ameaçando cortar os dedos de Simon com um formão.

       — Que droga! – praguejou Brown.  – Aquele idiota do Quinn vai estragar tudo! Eu sabia.  De onde ele telefonou?

       — De um lugar chamado Saffron Walden – informou o jovem.

       Quando os nove alfinetes estavam colocados, Brown fez um traço, delimitando o perímetro da área marcada.  O desenho era irregular, abrangendo partes de cinco condados.  Então, ele apanhou uma régua e ligou as extremidades opostas.  No centro aproximado surgiu uma rede de linhas entrecruzadas.  A sudeste, o ponto extremo era Great Dunmow, Essex; ao norte era St.  Neots, Cambridgeshire; e a oeste Milton Keynes, em Buckinghamshire.

       — A área mais densa das linhas cruzadas fica aqui – disse Brown, apontando –, bem a leste de Bigleswade, condado de Bedfordshire.  Nenhum telefonema dessa área.  Por quê?

       — Muito perto da base? – sugeriu um dos homens.

       — Pode ser, pode ser. Escutem, quero que se encarreguem dessas cidades do campo, Bibbleswade e Sandy, as duas mais próximas do centro geográfico da rede.  Vão até lá e visitem todos os corretores de imóveis que têm escritórios nessas cidades.  Finjam que são clientes em perspectiva, procurando alugar uma casa isolada para escrever um livro ou coisa assim.  Ouçam o que eles dizem...  talvez alguma casa desse tipo que vai ser desocupada muito em breve, talvez uma casa que podiam ter cedido há três meses, mas que foi alugada para outra pessoa.  Compreenderam?

       Os homens fizeram sinal de que tinham compreendido.

       — Devemos informar o Sr. Seymour que vamos sair? – perguntou Moxon.  – Quero dizer, talvez a Scotland Yard tenha estado nessa área.

       — Deixe o Sr. Seymour comigo – replicou Brown.  – Nós nos damos muito bem.  E os bobbies talvez tenham estado lá e deixado passar alguma coisa.  Talvez sim, talvez não.  Vamos verificar.

       Steve Pyle recebeu Laing, procurando manter sua jovialidade habitual.

       — Eu...  bem...  eu o chamei, Andy, porque acabo de receber um pedido para que faça uma visita a Londres.  Parece que pode ser o começo de uma promoção na sua carreira.

       — Claro – disse Laing.  – Será que esse pedido de Londres tem algo a ver com o envelope e o relatório que mandei e que nunca chegou, porque foi interceptado aqui mesmo neste escritório?

       Pyle abandonou toda a pretensa jovialidade.

       — Muito bem.  Você é esperto, talvez esperto demais.  Mas esteve se metendo em coisas que não são da sua conta.  Procurei avisá-Io, mas você teve de continuar brincando de detetive.  Está certo, vou ser sincero com você.  Eu o estou transferindo para Londres.  Você não serve para trabalhar aqui, Laing.  Não estou satisfeito com seu trabalho.  Vai voltar. Isso é tudo.  Tem sete dias para pôr em ordem sua mesa.  Sua passagem está comprada.  Sete dias a partir de hoje.

       Se Andy Laing fosse mais velho, mais amadurecido, sem dúvida teria feito o jogo com maior frieza.  Mas estava furioso com a idéia de que um homem da importância de Pyle pudesse estar roubando o dinheiro de um cliente para uso próprio.  E tinha a ingenuidade e a impaciência da juventude, a convicção de que o Certo triunfaria.  Já na porta, voltou-se.

       — Sete dias? Tempo suficiente para você acertar as coisas com Londres? Não tem perigo.  Vou voltar sim, mas amanhã.

       Conseguiu tomar o último avião da noite para Jeddah.  Quando chegou, foi diretamente para o banco.  Guardava o passaporte na primeira gaveta da sua mesa com outros documentos importantes – roubos nos apartamentos de europeus em Jeddah são comuns e o banco era mais seguro.  Pelo menos devia ser. O passaporte tinha desaparecido.

       Naquela noite houve uma acalorada discussão entre os seqüestradores.

       — Abaixem suas malditas vozes – sibilou Zack várias vezes.  Baissez les voix, merde.

       Ele sabia que os homens estavam quase no limite da paciência.  Era sempre arriscado usar aquele tipo de material humano.  Depois da excitação eufórica do seqüestro perto de Oxford, ficaram confinados dia e noite numa casa, tomando cerveja em lata comprada por Zack em supermercados das redondezas, escondendo-se, ouvindo a campainha da porta tocar e tocar até o visitante desistir. A tensão nervosa era grande, e aqueles homens não tinham recursos mentais para se refugiar na leitura ou no pensamento.  O corso ouvia programas de música pop em francês, o dia todo, intercalado com notícias de última hora.  O sul-africano assobiava desafinadamente durante horas e horas, sempre a mesma música.  Sarie Marais.  O belga via televisão sem entender uma palavra.  Preferia os desenhos animados.

       A discussão era sobre o fato de Zack ter aceitado dois milhões de dólares pelo resgate, encerrando as negociações com o homem chamado Quinn.

       O corso reclamava e, como ambos falavam francês, o belga concordava com ele.  O sul-africano estava cheio de tudo aquilo, Queria ir para casa e concordava com Zack.  O argumento principal do corso era que podiam continuar as negociações interminavelmente.  Zack, certo de que isso era impossível, sabia também que seria criada uma situação perigosa se dissesse que eles começavam a fraquejar e não agüentariam mais do que alguns dias de tédio e inatividade.

       Portanto, procurou acalmá-los, dizendo que todos tinham trabalhado brilhantemente e seriam muito ricos dentro de poucos dias.  A idéia de tanto dinheiro finalmente os tranqüilizou.  Para Zack era um alívio a coisa não ter acabado em agressão física.  Ao contrário dos três homens, seu problema não era tédio, mas excesso de tensão.  Sempre que dirigia o grande Volvo naquelas rodovias movimentadas sabia que uma verificação casual da polícia, uma pequena batida, um momento de desatenção e o policial estaria debruçado na janela do seu carro, intrigado com o fato de estar usando bigode falso e peruca vermelha.  O disfarce servia para uma rua movimentada, mas não para um exame a pouca distância.

       Cada vez que entrava numa cabine telefônica, imaginava alguma coisa saindo errada, a localização mais rápida da chamada, o policial à paisana a poucos metros recebendo o alarme no rádio portátil e dirigindo-se para a cabine.  Zack tinha uma arma e certamente a usaria para escapar. Se isso acontecesse, teria de abandonar o Volvo, sempre estacionado a alguns metros da cabine, e fugir a pé.  Algum idiota na rua podia tentar impedir sua fuga.  Estava chegando ao ponto de sentir náuseas quando via um policial andando pela rua movimentada que sempre escolhia.

       — Leve o jantar do garoto – disse para o sul-africano.

       Simon Cormack estava há quinze dias naquela cela do porão e há treze dera a resposta sobre a tia Emily, uma prova de que seu pai estava tentando resgatá-Io.  Compreendia agora o que era o confinamento solitário e se perguntava como certas pessoas conseguiam sobreviver meses, até anos, àquele tipo de prisão.  Pelo menos nas prisões ocidentais os presos tinham material para escrever, livros, às vezes televisão, algo com que se ocupar. Simon não tinha nada.  Mas tinha grande força de vontade e estava resolvido a não se entregar.

       Fazia ginástica diariamente, obrigando-se a dominar a letargia do prisioneiro, fazendo flexões dez vezes por dia, correndo num só lugar dezenas de vezes.  Vestia ainda o conjunto de jogging, meias, cueca e camiseta, e cheirava a suor e falta de banho.  Usava o balde com tampa cuidadosamente para não sujar o chão, e agradecia o fato dos homens o retirarem de dois em dois dias.

       A comida era sem sabor, quase sempre frituras ou frios, mas alimentava.  Naturalmente não tinha aparelho de barba e usava agora bigode e barba ralos.  O cabelo crescido ele tentava pentear com os dedos.  Pediu, e depois de algum tempo recebeu, um balde com água fria e uma esponja.  Pela primeira vez compreendeu o quanto um homem pode ser grato à oportunidade de se lavar. Tirava toda a roupa, abaixando a cueca até a corrente do tornozelo para não molhar, e passava a esponja umedecida com força no corpo todo, tentando se manter limpo.  Era como uma transformação.  Mas não tentou fugir. Era impossível partir a corrente, a porta era sólida e trancada por fora.

       Entre os exercícios, procurava manter a mente ocupada.  Recitava todos os versos que podia lembrar, fingia estar ditando uma autobiografia para uma estenógrafa invisível, recordando tudo que havia acontecido nos seus 21 anos.  E pensava na sua casa, em New Haven, em Vale e na Casa Branca.  Pensava na mãe e no pai e imaginava como estariam.  Se ao menos pudesse dizer a eles que estava bem, em boa forma, considerando as circunstâncias...  Três batidas fortes na porta.  Simon apanhou o capuz e o enfiou na cabeça.  Hora do jantar. Ou seria o café da manhã?

      

       Naquela mesma noite, quando Simon Cormack já estava dormindo e Sam Somerville se aninhava nos braços de Quinn, com o gravador respirando perto da tomada da parede, a cinco fusos horários para oeste, o comitê da Casa Branca estava reunido.  Além dos membros do Gabinete e chefes de departamentos, estavam presentes também Phillip Kelly, do FBI, e David Weintraub, da CIA.

       Ouviram as gravações da conversa de Zack com Quinn, a voz áspera do criminoso britânico e a fala arrastada e calma do americano tentando acalmá-Io, como vinham ouvindo diariamente há quase duas semanas.

       Quando Zack terminou, Hubert Reed disse, pálido e chocado: – Meu Deus, formão e martelo! O homem é um animal!

       — É, sabemos disso – observou Odell.  – Pelo menos agora temos um acordo sobre o resgate.  Dois milhões de dólares.  Em diamantes.  Alguma objeção?

       — Nenhuma – disse Donald Johnson.  – Este país pode pagar facilmente pela vida do filho do presidente.  Só me admira que tenha.  levado duas semanas.

       — Na verdade, segundo me disseram, foi pouco tempo – disse o ministro da Justiça Bill Walters.

       Don Edmonds, do FBI, fez um gesto afirmativo.

       — Vão querer ouvir novamente o resto, as gravações do apartamento? – perguntou o vice-presidente Odell.

       Ninguém queria.

       — Juiz, e a respeito do Que o Sr. Cramer, da Scotland Yard, disse para Quinn? Algum comentário do seu pessoal?

       Don Edmonds olhou de lado para Phillip Kelly e respondeu pelo FBI.

       — Nossa gente em Quantico concorda com seus colegas britânicos – disse ele.  – Este Zack está nos limites da sua resistência, quer fechar o negócio, fazer a troca.  A tensão começa a aparecer na sua voz, e provavelmente é a causa das ameaças.  Concordam também com os analistas em outra coisa.  Quinn parece ter estabelecido uma espécie de empatia cautelosa com este animal, Zack.  Aparentemente, sua tática para criar a imagem do homem que tenta ajudar Zack...  por isso as negociações estenderam-se por duas semanas – olhou de relance para Jim Donaldson –, fazendo de todos nós, aqui e em Londres, os vilões que criam problemas.  Funcionou.  Zack demonstra certa confiança em Quinn, em mais ninguém.  Isso pode ser crucial para o processo da troca.  Pelo menos é o que estão dizendo os analistas da voz e os psiquiatras do comportamento.

       — Meu Deus, que trabalho procurar agradar um lixo daqueles! – observou Jim Donaldson.

       David Weintraub, que olhava para o teto, baixou os olhos para o secretário de Estado.  Para manter aqueles políticos nos seus altos cargos, ele podia ter dito, mas não disse, ele e sua gente às vezes tinham de tratar com criaturas nojentas como Zack.

       — Muito bem, gente – disse Odell.  – Então vamos fazer negócio.  Pelo menos está outra vez nas mãos dos americanos, por isso vamos apressar a coisa.  Pessoalmente, acho que esse Sr. Quinn fez um belo trabalho.  Se ele conseguir trazer o garoto de volta a salvo e ileso, devemos um favor a ele.  Agora, diamantes.  Onde os conseguimos?

            — Nova York – disse Weintraub.  – O centro dos diamantes do país.

       — Morton, você é de Nova York.  Tem algum contato discreto que possa localizar rapidamente? – perguntou Odell ao ex-banqueiro Morton Stannard.

       — Claro – respondeu ele.  – Quando eu estava no Rockman Queens, tínhamos vários clientes no comércio de diamantes.  Muito discretos...  têm de ser. Quer que eu me encarregue disso? E o dinheiro?

      

       — O presidente insistiu em pagar o resgate do próprio bolso, não admite outra opção – disse Odell.  – Mas não acho que devemos nos preocupar com esses detalhes.  Hubert, será que o Tesouro pode fazer um empréstimo pessoal, até que o presidente possa conseguir o dinheiro?

       — Sem problema – disse Hubert Reed.  – Você terá o dinheiro, Morton.

       A reunião foi encerrada.  Odell precisava falar com o presidente, na mansão.

       — O mais depressa possível, Morton – disse ele.  – Dois ou três dias no máximo.

       Foram porém, na verdade, mais sete dias.

       Só na manhã seguinte Andy Laing conseguiu uma entrevista com o Sr. AI—Haroun, gerente da filial.  Mas sua noite não foi perdida.

       O Sr. AI—Haroun desculpou-se delicadamente, como só um árabe educado sabe se desculpar num confronto com um ocidental.  Ele sentia muito tudo aquilo, sem dúvida uma situação infeliz cuja solução estava nas mãos de Alá, o misericordioso.  Nada lhe daria maior prazer do que devolver o passaporte ao Sr. Laing, que ele havia guardado durante aquela noite por ordem do Sr. Pyle .  Foi até o cofre e os dedos finos e morenos retiraram o passaporte verde americano, devolvendo-o ao dono.

       Laing acalmou-se, agradeceu com o mais formal e cortês Ashkurak e retirou-se.  Só quando chegou ao escritório teve a idéia de examinar o passaporte.

       Na Arábia Saudita, além do visto de entrada, os estrangeiros precisam de um visto extra.  O de Laing, antes sem limite de validade, fora cancelado.  O carimbo do escritório de controle da imigração de Jeddah era perfeitamente genuíno.  Sem dúvida, pensou ele amargamente, o Sr. AI—Haroun tinha algum amigo naquele escritório.  Afinal, era assim que faziam as coisas naquele lugar.

       Certo de que não havia nada a fazer, Andy Laing resolveu tomar providências.  Lembrou-se de uma conversa que tivera há algum tempo com o diretor de Operações, o Sr. Amin.

       — Amin, meu amigo, não me disse certa vez que tinha um parente no Serviço de Imigração aqui?

       Amin não desconfiara da pergunta.

       — Sim, é verdade.  Um primo.

       — Em que divisão ele trabalha?

       — Ah, não aqui, meu amigo.  Está em Daran.

       Daran não ficava perto de Jeddah, mas no extremo leste, na outra extremidade do país, no golfo da Arábia.  De manhã, Andy Laing telefonou para o Sr. Zulfiqar Amin, em Daran. 

       — Fala aqui o Sr. Steve Pyle, gerente-geral do Banco de Investimento da Arábia Saudita – disse ele.  – Um dos meus auxiliares está tratando de negócios em Daran, no momento.  Precisa tomar um avião para Bahrein esta noite, para um assunto urgente.  Infelizmente disse que seu visto de saída expirou.  O senhor sabe como essas coisas são demoradas quando feitas pelos canais normais...  Estava pensando se, uma vez que seu primo é um funcionário tão bem conceituado entre nós...  O Sr. Laing é um homem muito generoso...

       Na hora do almoço, Andy Laing foi ao seu apartamento, arrumou a mala e tomou o avião da Saudia das quinze horas para Daran.  O Sr. Zulfiqar Amin estava à sua espera.  A concessão do novo visto levou duas horas e custou mil riyals.

       O Sr. AI—Haroun notou a ausência do gerente de Crédito e Marketing mais ou menos quando Laing entrava no avião para Daran.  Telefonou para o aeroporto de Jeddah, mas para a seção de partidas para o exterior. Nem sinal do Sr. Laing.  intrigado, telefonou para Riyad.  Pyle perguntou se era possível "bloquear" qualquer viagem aérea de Laing, mesmo dentro do país.

       — Caro colega, sinto muito, mas isso não é possível – disse o Sr. AI—Haroun, que detestava desapontar as pessoas.  – Mas posso perguntar ao meu amigo se ele embarcou em algum vôo interno.

       Laing foi localizado em Daran no momento em que cruzava a fronteira na rodovia para o emirado vizinho de Bahrein.  Ali embarcou sem problemas num avião da British Airways em escala do vôo Maurício-Londres.  Ignorando que ele havia obtido um novo visto, Pyle esperou ,até a manhã seguinte, e então pediu ao pessoal do banco em Daran para verificar o que Laing estava fazendo na cidade.  A investigação levou três dias e não encontraram nada.

       Três dias depois de ser encarregado pelo comitê de Washington da compra dos diamantes exigidos por Zack, o secretário da Defesa informou que o negócio levaria mais tempo do que haviam previsto.  O dinheiro estava liberado, mas não era esse o problema.

       — Escutem – disse ele –, não sei coisa alguma sobre diamantes.  Mas meus contatos no negócio...  estou usando três, todos homens muito discretos e compreensivos...  disseram que o número de pedras neste caso é muito grande.

       O seqüestrador exige também pedras variadas, não lapidadas, de um quinto de quilate a meio quilate cada uma, qualidade média.  Essas pedras, segundo me disseram, custam de 250 a 300 dólares o quilate.  Por segurança, estão calculando o preço máximo de 250 dólares.  Estamos falando de uns oito mil quilates.

       — Então, qual é o problema? – perguntou Odell.

       — Tempo – disse Morton Stannard.  – A um quinto de quilate por pedra, seriam quarenta mil pedras.  A meio quilate, dezesseis mil pedras.  Com pesos variados, digamos vinte e cinco mil pedras.  É muita coisa para ser conseguida tão depressa.  Três homens estão comprando furiosamente, e tentando não despertar suspeitas.          

       — Qual é o máximo de tempo calculado? – perguntou Brad Johnson – Quando estarão prontas para entrega?

       — Mais um dia, talvez dois – disse o secretário da Defesa.

       — Continue pressionando, Morton – resmungou Odell.  – Temos o acordo.  Não podemos manter o garoto e o pai nessa espera por muito tempo mais.

       — Assim que estiverem reunidas, pesadas e autenticadas, eu entrego – disse Stannard.

       Na manhã seguinte, Kevin Brown recebeu um telefonema particular de um dos seus homens, na embaixada.

       — Acho que achamos alguma coisa, chefe – disse o agente, nervoso.

       — Não diga nada mais nesta linha aberta, rapaz.  Venha para cá agora mesmo e me conte pessoalmente.

       O agente chegou a Londres ao meio-dia.  Sua história era mais do que interessante.

       A leste das cidades de Biggleswade e Sandy, as duas cortadas pela rodovia A1 de Londres para o norte, o condado de Bedfordshire faz divisa com Cambridgeshire.  A área é servida por estradas secundadas tipo "B" e outras menores, rurais, não tem cidades grandes e é quase toda agrícola.  Na área da divisa do condado existem apenas alguns pequenos povoados com antigos nomes ingleses, como Potton, Tadlow, Wrestlingworth e Gamlingay.

       Entre dois desses povoados, fora da área mais movimentada, fica uma velha casa de fazenda, em parte destruída pelo fogo, mas com uma ala ainda mobiliada e habitável, num vale, e com acesso por uma única trilha de terra.

       Dois meses atrás, o agente havia descoberto, a casa fora alugada por um pequeno grupo de supostos "amantes da natureza", que queriam voltar à vida simples e fazer seus trabalhos artesanais, cerâmica e cestos.

       — O caso – disse o agente – é que pagaram o aluguel em dinheiro, aparentemente não vendem cerâmica nem cestos, mas têm dois jipes escondidos nos celeiros.  E não se dão com ninguém.

       — Como é o nome do lugar? – perguntou Brown.

       — Green Meadow Farm, chefe.

       — Muito bem, podemos fazer alguma coisa antes da noite, se nos apressarmos.  Vamos dar uma olhada nessa Green Meadow Farm.

       Duas horas antes do anoitecer, Kevin Brown e o agente deixaram o carro na entrada da trilha e seguiram a pé.  Guiados pelo agente aproximaram-se com extrema cautela, usando as árvores como proteção, até alcançarem o fim do bosque, acima do vale.  Dali arrastarem-se por dez metros até a beira da colina e olharam para baixo.  Lá estava a casa da fazenda, a ala incendiada negra na luz da tarde de outono, uma luz fraca, como de um lampião a óleo, numa das janelas da outra ala.

       Um homem forte saiu da casa e foi até um dos três celeiros.  Dez minutos depois, voltou para a casa da fazenda.  Brown examinou o conjunto de construções com seu possante binóculo.  Na estrada de terra, à esquerda deles, surgiu um potente jipe japonês, com tração nas quatro rodas.  Parou na frente da casa e um homem desceu.  Olhou atentamente em volta, examinando a borda do vale.  Não viu nenhum movimento.

       — Diabo – disse Brown.  – Cabelo vermelho, óculos.

       O homem do jipe entrou na casa e saiu alguns segundos depois com o homem forte, agora levando um grande cão rotweiler. Os dois foram até o mesmo celeiro visitado pelo grandalhão e saíram depois de dez minutos.  O homem grande levou o jipe para outro celeiro e fechou a porta.

       — Cerâmica rústica uma ova – disse Brown.  – Tem alguma coisa ou alguém naquele maldito celeiro.  Cinco contra um como é um rapaz.

       Voltaram arrastando-se para o bosque.  A tarde estava no fim.  – Apanhe um cobertor da mala do carro – disse Brown.  – E fique aqui.  Vigie a noite toda.  Volto com os homens antes do nascer do sol..  se é que o sol aparece neste maldito país.

       No outro lado do vale, deitado no galho de um carvalho gigante, estava um homem imóvel, em uniforme de camuflagem.  Ele também tinha um binóculo potente e notou os movimentos entre as árvores no lado oposto ao que se encontrava.  Quando Kevin Brown e seu agente entraram no bosque, ele tirou um pequeno rádio do bolso e falou urgentemente por alguns segundos.  Era o dia 28 de outubro, 19º dia do seqüestro de Simon Cormack e 17º desde o primeiro telefonema de Zack para o apartamento.

      

       Ele telefonou outra vez naquela noite, desaparecendo depois dentre a multidão apressada do centro de Luton.

       — Que diabo está acontecendo, Quinn? Já se passaram três malditos dias.

       — Ei, não esquenta, Zack.  São os diamantes.  Esse tipo de coisa leva algum tempo para ser arranjada.  Eu apressei o pessoal lá de Washington...  quero dizer, entrei de sola.  Estão agindo o mais depressa que podem, mas que diabo, Zack, são vinte e cinco mil pedras, todas boas, todas anônimas...  isso leva um pouco de tempo...

       — Bem, diga a eles que têm mais dois dias.  Depois disso vão receber o garoto dentro de um saco.  Diga isso a eles.

       Desligou.  Os especialistas, mais tarde, disseram que os nervos dele estavam extremamente tensos.  Estava chegando ao ponto de ser capaz de descarregar sua frustração em Simon, por pensar que estava sendo enganado de algum modo.

      

       Kevin Brown e seus homens eram bons e estavam armados.  Avançaram de dois em dois, das quatro direções pelas quais a fazenda podia ser alcançada.  Duas duplas pela estrada de terra, escondendo-se atrás das árvores.  As outras três duplas saíram das árvores e desceram para o vale em completo silêncio.  Era a hora que precede o nascer do sol, quando a luz é mais incerta, quando as defesas da presa estão abaixadas, a hora do caçador.

       A surpresa foi total.  Chuck Moxon e seu companheiro tomaram o celeiro suspeito.  Moxon tirou a tranca da porta, seu companheiro rolou no chão, para dentro do celeiro, levantando-se com a arma em punho.  Além do gerador a gasolina, uma coisa que parecia um forno de cerâmica, e uma banca com apetrechos de laboratório, não havia ninguém no celeiro.  Os outros homens e mais Brown, que invadiram a casa, tiveram mais sorte.

       Duas duplas entraram pelas janelas, quebrando o vidro e o batente no mergulho.  Ficaram de pé sem uma pausa e foram direto para os quartos no andar superior.

       Brown e os outros dois homens entraram pela porta da frente.  A fechadura foi arrebentada com um único golpe de marreta e estavam dentro da casa.

       Ao lado das brasas da lareira na longa cozinha, o homenzarrão dormia numa cadeira.  Era o encarregado da vigilância noturna, mas o tédio e o cansaço o haviam vencido.  Ouvindo o barulho na porta da frente, levantou da cadeira e estendeu a mão para a espingarda calibre 12 sobre a mesa de pinho.  Quase conseguiu.  O grito de "pare" vindo da porta e o homem grande apontando um Colt .45 diretamente para seu peito o fizeram ficar imóvel.  Cuspiu para o lado e ergueu as mãos lentamente.

       No andar superior, o homem ruivo estava na cama com a única mulher do grupo.  Acordaram quando as janelas e a porta foram quebradas no andar de baixo.  A mulher gritou, o homem correu para a porta do quarto e encontrou o primeiro agente do FBl no topo da escada.  Estavam muito próximos para usar armas de fogo.  Os dois rolaram juntos no chão, no escuro, e lutaram até que o outro americano pudesse ver quem era quem e dar uma coronhada na nuca do homem ruivo.

       O quarto membro do grupo da fazenda foi tirado do quarto piscando de sono alguns segundos depois.  Era um jovem magro com cabelo liso e seboso.  Todos os homens de Brown portavam lanternas.  Em dois minutos examinaram todos os outros quartos e verificaram que não havia mais ninguém na casa.  Kevin Brown mandou levar todos para a cozinha e os lampiões foram acesos.  Brown olhou para os prisioneiros com ódio.

       — Muito bem, onde está o garoto? – perguntou.  Um dos seus homens olhou pela janela.

       — Chefe, temos companhia.

       Cerca de cinqüenta homens desciam para o vale dirigindo-se para a casa da fazenda.  Vinham de todos os lados, todos com botas, todos vestidos de azul, uns dez segurando cães pastores pelas correias.  Numa das construções externas da fazenda, o rotweiller latiu, furioso com a invasão.  Um jipe Range Rover branco com marcas azuis surgiu da trilha e parou a dez metros da porta quebrada.  Um homem de meia idade, com uniforme azul, a túnica cintilante de botões e insígnias prateados e quepe de oficial, desceu do jipe.  Entrou na casa sem uma palavra, foi até a cozinha e olhou para os Quatro prisioneiros.

       — Muito bem, nós os entregamos a vocês agora – disse Brown.

       — Ele está aqui, em algum lugar. E esses frescos sabem onde.

       — Quem são vocês exatamente? – disse o homem uniformizado.

       — Oh, é claro – Kevin Brown tirou do bolso sua credencial do FBI.

       O inglês a devolveu após um cuidadoso exame.

       — Escute aqui – disse Brown –, o que nós fizemos...

       — O que vocês fizeram, Sr. Brown – disse o chefe de polícia de Bedfordshire com gélida fúria –, foi arruinar a maior operação antidrogas que este país já conseguiu armar e que agora, provavelmente, jamais será efetuada.  Esta gente é arraia-miúda e um químico.  Os peixes grandes e sua carga devem chegar a qualquer dia.  Agora, por favor, quer voltar para Londres?

       Nessa mesma hora, Steve Pyle estava no escritório do Sr. AI—Haroun em Jeddah, tendo voado para a costa depois de um telefonema alarmante.

       — O que exatamente ele levou? – perguntou Pyle pela quarta vez.  O Sr. AI—Haroun deu de ombros.  Aqueles americanos eram piores que os europeus, sempre com pressa.

       — Infelizmente, não sou especialista no manejo dessas máquinas – disse ele –, mas meu vigia noturno aqui diz que...

       Voltou-se para o vigia noturno saudita e falou com ele em árabe.  O homem respondeu, mostrando o tamanho de alguma coisa com os dois braços abertos estendidos para a frente.

       — Ele diz que na noite em que devolvi o passaporte do Sr. Laing, devidamente alterado, o jovem passou Quase toda a noite na sala do computador e saiu antes do nascer do dia com uma grande quantidade de impressos do computador. Voltou para trabalhar no horário normal, sem os papéis.

       Steve Pyle voltou para Riyad muito preocupado.  Ajudar seu governo e seu país era uma coisa, mas isso não ia aparecer numa auditoria interna.  Pediu um encontro urgente com o coronel Easterhouse.

       O arabista ouviu calmamente, balançando a cabeça várias vezes

       num gesto afirmativo.

       — Acha que ele já chegou em Londres? – perguntou.

       — Não sei como faria isso, mas onde mais poderia estar?

       — Hummm.  Posso ter acesso ao seu computador central por algum tempo?

       O coronel passou duas horas na frente do consolo do computador central em Riyad.  O trabalho não era difícil, uma vez que tinha todos os códigos de acesso.  Quando terminou, todos os registros haviam sido apagados e um registro novo iniciado.

       

       Nigel Cramer recebeu um relatório de Bedford por telefone no meio da manhã, muito antes de chegar o relatório escrito.  Telefonou para Patrick Seymour na embaixada, fervendo de raiva.  Brown e sua equipe permaneciam na estrada do sul.

       — Patrick, sempre tivemos um bom relacionamento, mas isto é ultrajante.  Quem ele pensa que é? Onde diabo ele pensa que está?

       Seymour estava numa posição impossível.  Há três anos trabalhava para manter uma excelente cooperação entre o FBI e a Yard, herdada de Darrell Mills.  Fez cursos na Inglaterra e organizou visitas dos agentes graduados da Metropolitana ao prédio Hoover, para formar aquele tipo de relacionamento direto que, em caso de crise, evita muita burocracia.

       — O que exatamente ele estava fazendo naquela fazenda? – perguntou.

       Cramer, acalmando-se, contou.  A Yard tivera uma informação, meses atrás, de que uma grande rede de tráfico de drogas estava organizando uma nova e importante operação na Inglaterra.  Depois de paciente investigação, identificaram a fazenda como a base dos traficantes.  Homens do Esquadrão Secreto do seu departamento EO vigiavam a casa há semanas, ajudados pela polícia de Bedford.  O homem que queriam era um neozelandês, rei da heroína, procurado em vários países, mas escorregadio como uma enguia.  A boa notícia era a seguinte: ele devia chegar a qualquer momento com um grande carregamento de coca para processar, cortar e distribuir; a má notícia era que agora nem chegaria perto da fazenda.

       — Sinto muito, Patrick, mas tenho de pedir ao secretário do Interior que chamem o homem de volta a Washington.

       — Muito bem, faça o que tem de fazer – disse Seymour. Ao desligar, pensou: vá em frente.

       Cramer tinha outra tarefa, mais urgente ainda. Era evitar que a história aparecesse em qualquer publicação, rádio ou televisão. Naquela manhã teve de recorrer à boa vontade de vários proprietários e editores dos meios de comunicação.

       O comitê de Washington recebeu o relatório de Seymour durante sua primeira reunião do dia, às sete horas da manhã.

       — Escutem, ele tinha uma pista de primeira classe e a seguiu – protestou Phillip Kelly.

       Don Edmonds o advertiu com um olhar.

       — Ele devia cooperar com a Scotland Yard – disse o secretário de Estado Jim Donaldson. – Não nos convém prejudicar nossas relações com as autoridades britânicas no momento. Que diabo vou dizer a Sir Harry Marriott quando me perguntar sobre essa história de Brown?

       — Olhem – disse o secretário do Tesouro Reed –, por que não sugerir um acordo? Brown pecou por excesso de zelo e nós sentimos muito. Mas acreditamos que Quinn e os britânicos podem garantir o resgate de Simon Cormack agora. Quando isso acontecer, precisaremos de um grupo forte para escoltar o garoto de volta. Devemos conceder mais alguns dias a Brown e sua equipe para esse trabalho.

       Digamos, até o fim da semana?

       Donaldson assentiu com um gesto.

       — É, Sir Harry talvez aceite isso. A propósito, como está o presidente?

       — Reagindo bem – disse Odell. – Quase otimista. Eu disse a ele há uma hora que Quinn conseguiu outra prova de que Simon está vivo e aparentemente bem... é a sexta vez que Quinn exige essa prova do seqüestrador. O que me diz dos diamantes, Morton?

       — Prontos no fim da tarde – respondeu Morton Stannard.

       — Providenciem para que um avião rápido esteja pronto para partir – ordenou o vice-presidente Odell.

       O secretário de Defesa Stannard fez um gesto afirmativo, tomando notas.

       Andy Laing conseguiu finalmente sua entrevista com o contador interno, logo depois do almoço daquele dia. O homem era americano e acabava de voltar de uma inspeção de três dias nas filiais européias do banco.

       Ele ouviu com expressão grave e crescente consternação o que o jovem funcionário de Jeddah tinha a dizer, e examinou os impressos do computador sobre sua mesa com olhos experientes. Depois, recostou-se na cadeira, estofou as bochechas e soltou o ar ruidosamente.

       — Meu Deus, são acusações muito sérias, sem dúvida. E sim, parecem comprovadas. Onde está hospedado em Londres?

       — Ainda tenho meu apartamento em Chelsea – informou Laing. – Estou lá desde que cheguei. Felizmente os meus inquilinos mudaram-se há duas semanas.

       O contador anotou o endereço e o telefone de Laing.

       — Tenho de consultar o gerente-geral daqui, talvez o presidente, em Nova York. Antes de acusarmos Steve Pyle . Fique perto do telefone por alguns dias.

       O que nenhum dos dois sabia era que o malote matinal de Riyad continha uma carta confidencial de Steve Pyle para o gerente-geral de Operações no Exterior, em Londres.

       A imprensa britânica cumpriu a palavra, mas a rádio Luxemburgo fica em Paris e para os ouvintes franceses a história de um desentendimento importante entre seus vizinhos anglo-saxões era boa demais para não ser contada.

       Nunca descobriram de onde partira a notícia, sabiam apenas que havia chegado por um telefonema anônimo. Mas o escritório em Londres verificou e confirmou o fato de que a extrema discrição da polícia de Bedford era suficiente para credenciar a história. Não tinham muitas notícias espetaculares naquele dia e a história foi contada no noticiário das quatro horas.

       Quase ninguém ouviu na Inglaterra, mas o corso sim. Deu um longo assobio de espanto e foi procurar Zack. O inglês escutou atentamente, fez várias perguntas em francês e empalideceu de raiva.

       Quinn já sabia, o que foi bom, porque teve tempo de preparar uma resposta caso Zack telefonasse. Ele telefonou, logo depois das sete da noite, tremendo de fúria.

       — Seu sacana mentiroso! Disse que não ia haver nenhum truque da polícia, nem de ninguém. Você mentiu para mim...

       Quinn protestou, dizendo que não sabia do que Zack estava falando – seria falso demais saber todos os detalhes sem ouvir a história. Zack contou em três frases furiosas.

       — Mas isso não tem nada a ver com você – gritou Quinn. Os caras entenderam mal, como sempre. Foi uma batida da agência antidrogas que saiu errada. Você sabe como são esses Rambos da agência antidrogas... eles fizeram tudo. Não estavam procurando você, estavam procurando cocaína. Um homem da Scotland Yard esteve aqui há uma hora e estava danado.  Pelo amor de Deus, Zack, você conhece a imprensa.  Se acreditar neles, Simon foi visto em oitocentos lugares diferentes, e você já foi apanhado umas cinqüenta vezes...

       Era plausível.  Quinn contava com o fato de Zack estar há três semanas lendo bobagens e mentiras nos jornais, tendo um enorme desprezo pela imprensa.  Numa cabine telefônica, na estação de ônibus de Linslade, Zack se acalmou.  Seu tempo no telefone estava acabando.

       — É melhor que não seja verdade, Quinn, muito melhor – disse ele, desligando.

       Sam Somerville e Duncan McCrea estavam pálidos de medo quando Quinn acabou de falar no telefone.

       — Onde estão aqueles malditos diamantes? – perguntou Sam.

       Mas ia acontecer coisa pior. Como a maioria dos países, a Grã-Bretanha tem uma série de programas de rádio na hora do café da manhã, um misto de conversa inconseqüente do apresentador, música, notícias de última hora e trivialidades por telefone.  As notícias são as últimas retiradas das agências, editadas apressadamente por subeditores novatos e colocadas sob o nariz do apresentador. O ritmo do programa não permite a verificação atenta e checagem das notícias, feitas pelos repórteres experientes dos noticiários.

       Quando um americano telefonou para a mesa de imprensa do programa "Bom Dia", da City Radio, a chamada foi atendida por uma estagiária que mais tarde admitiu, em prantos, que nem sonhara em duvidar do que o homem afirmou ser conselheiro de imprensa da embaixada americana, com um boletim noticioso genuíno.  A notícia foi ao ar, lida pela voz nervosa do comunicador, setenta segundos depois do telefonema.

       Nigel Cramer não ouviu, mas sua filha adolescente sim.

       — Papai – disse ela, da cozinha –, vai pegar os homens hoje?

       — Pegar quem? – perguntou o pai, vestindo o sobretudo no hall.

       Seu carro oficial o esperava.

       — Os seqüestradores...  você sabe.

       — Duvido.  Por que pergunta?

       — Foi o que o rádio disse.

       Alguma coisa atingiu Cramer no estômago.  Deu meia-volta e foi até a cozinha.  A filha passava manteiga numa torrada.

       — O que exatamente o rádio disse? – perguntou ele com voz tensa.

       Ela contou.  Que o resgate de Simon Cormack seria efetuado naquele dia e que as autoridades tinham certeza de que todos os seqüestradores seriam apanhados no processo.  Cramer correu para o carro, pegou o rádio e começou a fazer uma série de chamadas frenéticas, enquanto seguia para seu escritório.

       Tarde demais.  Zack não ouviu o programa, mas o sul-africano sim.

      

       Zack telefonou mais tarde que de costume, às 10:20 da manhã.  Se na véspera estava zangado com a batida na fazenda de Bedfordshire, agora estava quase histérico de raiva.

       Nigel Cramer tivera tempo de avisar Quinn, telefonando do seu carro, enquanto se dirigia a toda pressa para a Scotland Yard.  Quando Quinn desligou o telefone, foi a primeira vez que Sam o viu abalado.  Começou a andar pelo apartamento em silêncio.  Os outros dois o observavam assustados.  Tinham ouvido o telefonema de Cramer e sentiam que tudo ia fracassar, de algum modo, em algum lugar.

       Esperando que o telefone tocasse, sem saber se os seqüestradores tinham ouvido o rádio ou não, nem como reagiriam no caso afirmativo, Sam sentia náuseas de tensão.  Quando o telefone afinal tocou, Quinn atendeu com calma e seu habitual bom humor. Zack não se preocupou com preâmbulos.

       — Está certo, desta vez você estragou tudo, seu ianque filho da puta.  Pensa que sou idiota, é isso que pensa? Muito bem, o idiota é você, meu chapa.  Porque vai ficar com cara de idiota quando enterrar o corpo de Simon Cormack...

       O choque e espanto de Quinn foram perfeitamente representados.  – Zack, do que está falando? O Que aconteceu?

       — Não venha com essa – gritou o seqüestrador, erguendo a voz rouca.  – Se não ouviu as notícias, então pergunte aos seus chapas da polícia.  E não finja que é tudo mentira, veio da sua embaixada nojenta...

       Quinn convenceu Zack a contar o que ouvira, embora já soubesse.  Contar a história acalmou um pouco Zack, e o tempo estava passando.

       — Zack, é uma mentira, uma invenção.  Qualquer troca só pode ser feita entre nós dois, companheiro.  sozinhos e desarmados.  Nada de microfones, nada de truques, nem polícia, nem soldados.  Seus termos, seu lugar, sua hora.  É o único modo que eu aceito.

       — Sei, tudo bem, mas é tarde demais.  Sua gente quer um cadáver, pois é o que vai ter.

       Zack ia desligar. Pela última vez.  Quinn sabia que, se isso acontecesse, tudo estaria acabado.  Dias, semanas mais tarde, alguém, em algum lugar. entraria numa casa ou num apartamento, um faxineira, um zelador, um corretor de imóveis, e lá estaria ele.  O filho único do presidente, morto com um tiro na cabeça, ou estrangulado, o corpo em decomposição...

       — Zack, por favor, só mais alguns segundos...

       O suor escorria pelo rosto de Quinn, a primeira vez que demonstrava a tensão maciça que se acumulara nele durante aqueles dias.  Quinn sabia o quanto estava perto do desastre.

       Na central de Kensington, um grupo de técnicos da Telecom e policiais olhavam para os monitores e ouviam a raiva que chegava pela linha.  Em Cork Street, sob as calçadas da elegante Mayfair, quatro homens do MI—5 estavam pregados às suas cadeiras, imóveis, ouvindo a fúria que saía do alto-falante e inundava a sala, e a fita rodava silenciosamente, sem parar.

       No subsolo da embaixada, em Grosvenor Square, estavam dois técnicos da INFEL, três agentes do FBI, Lou Collins, da CIA, e o representante do FBI, Patrick Seymour. A notícia da transmissão matinal levara todos aos seus postos, antecipando exatamente o que ouviam agora.

       O fato de todas as estações de rádio do país, incluindo a City Radio, estarem há duas horas negando a notícia transmitida na hora do café, era irrelevante.  Todos sabiam disso.  "Vazamentos" na segurança podem ser negados por toda a vida – não muda nada.  Como disse Hitler, a grande mentira é a em que acreditam.

       — Por favor, Zack, espere que eu fale pessoalmente com o presidente Cormack.  Só mais vinte e quatro horas.  Não vá jogar tudo fora depois de todo esse tempo.  O presidente tem autoridade para expulsar esses cretinos daqui e deixar tudo só com nós dois.  Só nós dois...  somos os únicos capazes de fazer a coisa certa.  Tudo que peço, depois de vinte dias, é mais um dia...  Vinte e quatro horas, Zack, me dê apenas isso...

       Houve uma pausa na linha.  Em algum lugar, nas ruas de Aylesbury, Buckinghamshire, um jovem detetive da polícia dirigia-se tranqüilamente para as cabines telefônicas.

       — Amanhã a esta hora – disse Zack finalmente, desligando.  Saiu da cabine e acabava de virar a esquina quando o policial à paisana apareceu de uma rua transversal e olhou para o grupo de cabines.  Todas estavam vazias.  Deixou de ver Zack por oito segundos.

       Quinn pôs o fone no gancho, foi até o longo sofá, deitou de costas, com as mãos cruzadas sob a cabeça, e olhou para o teto.

       — Sr. Quinn – disse McCrea, hesitante.

       Apesar de Quinn repetir que ele podia esquecer o "senhor", o tímido jovem da CIA insistia em tratá-Io como se fosse seu professor.

       — Cale a boca – disse Quinn com voz clara.

       O pobre McCrea, que ia perguntar se Quinn queria café, foi para a cozinha e preparou três xícaras assim mesmo.  O telefone "comum" tocou.  Era Cramer.

       — Bem, nós ouvimos a conversa – disse ele.  – Como está se sentindo?

       — Arrasado – disse Quinn.  – Alguma novidade sobre a fonte da noticia?

       — Nada ainda – respondeu Cramer. – A subeditora que atendeu o telefone ainda está no posto policial de Holborn.  Ela jura que era a voz de um americano, mas como pode saber? Jura que o homem parecia genuinamente oficial, sabia o que devia dizer. Quer uma transcrição da transmissão?

       — É um pouco tarde, agora – disse Quinn.

       — O que vai fazer? – perguntou Cramer.

       — Rezar um pouco.  Vou pensar em alguma coisa.

       — Boa sorte.  Tenho de ir a Whitehall agora.  Mantenho contato.

       Em seguida foi à embaixada. Seymour. Parabéns pelo modo como havia manejado a situação...  se pudermos fazer alguma coisa... Esse é o problema, pensou Quinn. Alguém está fazendo demais. Mas não disse.

       Estava tomando café quando de repente sentou no sofá e ligou para a embaixada.  Atenderam imediatamente no subsolo.  Seymour outra vez.

       — Quero uma ligação direta, numa linha segura, para o vice-presidente Odell – disse ele.  – Quero agora.

       — Ah, escute, Quinn, Washington está sendo informada sobre o que acontece aqui.  Logo terão a gravação.  Acho que devemos esperar que ouçam a coisa toda para depois discutir...

       — Falo com Michael Odell dentro de dez minutos, ou chamo na linha aberta – disse Quinn cautelosamente.

       Seymour pensou por um instante.  A linha aberta não era segura.  A NSA interceptaria a chamada com seus satélites; o GCHQ britânico também, bem como os russos...

            — Vou ligar para ele e pedir para falar com você – disse Seymour.

            Dez minutos depois, Michael Odell estava na linha.  Eram 6: 15 da manhã em Washington e ele se encontrava em casa, no Observatório Naval.  Mas acordado há meia hora.

       — Quinn, que diabo está acontecendo aí? Acabo de ouvir uma bobagem sobre um telefonema falso para uma estação de rádio...

       — Sr. Vice-Presidente – disse Quinn –, tem um espelho por perto?

       Uma pausa cheia de espanto.

       — Sim, acho que tenho.

       — Se olhar para ele, vai ver seu nariz no meio do rosto, certo? – Escute, que negócio é esse? Sim, posso ver o nariz no meu rosto.  – Tão certo quanto o que o senhor está vendo é o fato de que Simon Cormack vai ser assassinado dentro de vinte e quatro horas...

       Deixou que as palavras ficassem gravadas na mente do homem extremamente abalado, sentado na beirada da sua cama, em Washington.

       — A não ser...

       — Tudo bem, Quinn, fale claro.

       — A não ser que eu tenha aquele pacote com diamantes, valor de mercado dois milhões de dólares, aqui, nas minhas mãos ao nascer do dia, hora de Londres, amanhã.  Este telefonema foi gravado.  Bom dia, Sr. Vice-Presidente.

       Quinn desligou.

       Na outra extremidade da linha, o vice-presidente dos Estados Unidos usou durante algum tempo uma linguagem que o teria feito perder os votos da Maioria Moral, se suas palavras fossem ouvidas por aqueles cidadãos.  Quando terminou o desabafo, chamou a telefonista.

       — Ligue para Morton Stannard – disse ele.  – Na casa dele, onde estiver. Apenas ligue para ele.

      

       Andy Laing ficou surpreso por ter sido chamado ao banco tão depressa.  A entrevista foi marcada para as dez horas da manhã e ele chegou dez minutos antes.  Foi conduzido não ao escritório do contador interno, mas ao do gerente-geral.  O contador estava presente.  Obedecendo a um gesto do gerente, sentou-se na cadeira diante da mesa, sem uma palavra.  O homem levantou-se então, foi até a janela, olhou por alguns momentos os pináculos da cidade, voltou-se e falou.  Seu tom era grave e gelado.

       — Sr. Laing, ontem o senhor veio ver meu colega aqui, após sair da Arábia Saudita usando meios extremos, e fez sérias alegações a respeito da integridade do Sr. Steve Pyle .

       Laing ficou preocupado.  Sr. Laing? Onde estava o "Andy"? No banco todos se tratavam pelos primeiros nomes.  Era parte da atmosfera familiar aconselhada pela sede de Nova York.

       — E trouxe uma grande quantidade de impressos de computador para provar o que descobri – disse ele cautelosamente, mas sentindo um frio no estômago.  Algo estava errado.  O gerente-geral eliminou com um gesto a importância das provas apresentadas.

       — Ontem também recebi uma longa carta de Steve Pyle .  Hoje conversamos demoradamente por telefone.  Está perfeitamente claro para mim, e para o contador interno aqui, que o senhor é um vigarista e peculatário.

       Laing não podia acreditar no que ouvia.  Olhou para o contador, procurando ajuda.  O homem olhou para o teto.

       — Eu tenho a história – disse o gerente-geral.  – Toda a história.  A verdadeira história.

       Para o caso de Laing não conhecer os fatos, contou a verdade como a conhecia.  Laing havia praticado um desfalque, tirando dinheiro da conta de um cliente, o ministro de Obras Públicas.  Não uma grande quantia, em termos da Arábia Saudita, mas o bastante, 1 % de cada pagamento feito às firmas contratadas pelo ministério.  O Sr. Amin infelizmente não havia notado, mas o Sr. AI—Haroun percebeu a falcatrua e alertou o Sr. Pyle .

       O gerente-geral em Riyad, num excesso de lealdade, tentara proteger a carreira de Laing, insistindo apenas na devolução do dinheiro para a conta do ministro, o que agora estava feito.

       A resposta de Laing a esse gesto de extrema solidariedade do colega de trabalho, furioso por ter perdido o dinheiro, foi passar a noite na filial do banco em Jeddah, falsificando os registros para "provar" que uma quantia muito maior fora desviada com a cooperação do próprio Steve Pyle .

       — Mas a fita gravada que eu trouxe – protestou Laing.

       — Falsificada, é claro.  Temos os registros verdadeiros aqui.  Esta manhã mandei que nosso computador verificasse o de Riyad.  Os registros verdadeiros estão aqui, na minha mesa.  Mostram claramente o que aconteceu.  O um por cento que roubou já foi devolvido.  Nada mais está faltando.  A reputação do banco na Arábia Saudita foi preservada, graças a Deus, ou melhor, graças a Steve Pyle .

       — Mas não é verdade – protestou Laing com voz estridente.  O golpe que Pyle e seu sócio anônimo estavam tramando era de dez por cento das contas do ministro.

       O gerente-geral olhou impassível para Laing e depois para as provas recém-chegadas de Riyad.

       — AI – perguntou ele –, você vê algum registro de dez por cento a menos nas contas?

       O contador balançou a cabeça negativamente.

       — De qualquer modo, seria absurdo – disse ele.  – Com esse dinheiro em jogo, um por cento podia ser ignorado num grande ministério.  Mas nunca dez por cento.  A auditoria anual, que será feita em abril, na certa descobriria o golpe.  Então, onde você ia ficar? Numa imunda cadeia saudita para sempre.  Supomos que o governo saudita ainda estará no poder em abril, certo? o gerente-geral deu um sorriso gelado.  Isso era óbvio.

       — Não – concluiu o contador –, para mim é um caso liquidado.  Steve Pyle não fez um favor somente a nós todos, mas especialmente ao senhor, Sr. Laing.  Ele o salvou de uma longa pena de prisão.

       — O que, acredito, o senhor provavelmente merece – disse o gerente-geral.  – Seja como for, não é da nossa alçada fazer isso.  E não podemos nos expor ao escândalo.  Fornecemos auxiliares contratados a muitos bancos do Terceiro Mundo e um escândalo seria prejudicial aos nossos negócios.  Mas o senhor, Sr. Laing, não pertence mais ao banco.  A carta de demissão está na sua frente.  É claro que não vai receber indenização nem carta de referências.  Agora, por favor, retire-se.

       Laing sabia que era uma sentença.  Nunca mais poderia trabalhar em um banco, em nenhum lugar do mundo.  Sessenta segundos depois, estava na calçada de Lombard Street.

      

       Em Washington, Morton Stannard ouvira a fúria de Zack no gravador sobre a mesa da Sala de Situação, onde o comitê se reunia agora para evitar as teleobjetivas que espionavam constantemente as janelas da Sala do Gabinete.

       As notícias veiculadas em Londres de que a troca era iminente, verdadeiras ou não, haviam galvanizado o frenesi da imprensa em Washington.  Desde o raiar do dia a Casa Branca estava sendo assediada por telefonemas, e mais uma vez o assessor de imprensa entrava num verdadeiro torvelinho de confusão.

       Quando a gravação chegou ao fim, os oito homens presentes permaneceram em silêncio, chocados.

       — Os diamantes – resmungou Odell.  – Onde diabo estão eles?

       — Estão prontos – disse Stannard imediatamente.  – Peço desculpas por meu excesso de otimismo antes.  Não sei nada sobre o assunto...  pensei que seria possível conseguir em menos tempo.  Mas estão prontos...  um pouco menos de vinte e cinco mil pedras variadas, todas autênticas, no total de um pouco mais de dois milhões de dólares.

       — Onde estão? – perguntou Hubert Reed.

       — No cofre do chefe do escritório do Pentágono, em Nova York, o setor que dirige os sistemas de compras da Costa Leste.  Por motivos óbvios, é um cofre extremamente seguro.

       — E o transporte para Londres? – perguntou Brad Johnson.  Sugiro que usemos uma das nossas bases na Inglaterra.  Não queremos problemas com a imprensa em Heathrow, ou coisa parecida.

       — Dentro de uma hora devo me encontrar com um especialista da Força Aérea – disse Stannard.  – Ele dirá qual o meio mais seguro de fazer o transporte.

       — Precisamos de um carro da Companhia à espera, no aeroporto, para levá-Ios ao apartamento de Quinn – disse Odell.  – Lee, você se encarrega disso.  Afinal, é seu apartamento.

       — Não tem problema – disse Lee Alexander, da CIA. – Lou Collins irá pessoalmente esperar o avião na base aérea.

       — Amanhã ao nascer do dia, hora de Londres – disse o vice-presidente. – Em Londres, em Kensington, ao nascer do dia.  Já sabemos os detalhes da troca?

       — Não – respondeu o diretor do FBI.  – Sem dúvida, Quinn planejará os detalhes com nossos homens.

       A Força Aérea dos Estados Unidos sugeriu o uso de um caça a jato de um só lugar para cruzar o Atlântico, um Eagle F-15.

       — Tem autonomia quando equipado com dispositivo F AST disse o general da Força Aérea para Morton Stannard, no Pentágono.

       — A encomenda deve ser entregue na base da Guarda Aérea Nacional, em Trenton, no máximo até as duas horas da tarde.

       O piloto escolhido para a missão foi um tenente-coronel experiente, com mais de sete mil horas de vôo no F-15.  Durante a manhã, o Eagle, em Trenton, foi preparado como nunca antes, e os dispositivos FAST colocados nos compartimentos de ar, de bombordo e estibordo.  Esses dispositivos não aumentavam a velocidade do Eagle – a sigla significa Fuel And Sensor Tactial (sensor tático e de combustível) sendo, na verdade, tanques de combustível de grande autonomia.

       Vazio, o Eagle leva 16.500 litros de combustível, com uma autonomia de 4.630 quilômetros; os 2.500 litros extras em cada dispositivo FAST aumentam essa autonomia para 5.550 quilômetros.

       Na sala de navegação, o coronel Bowers estudava o plano de vôo enquanto almoçava um sanduíche.  De Trenton à base americana de Upper Heyford, fora da cidade de Oxford, eram 4.227 quilômetros.  A meteorologia informou sobre a força dos ventos à altitude escolhida de 1.700 metros e ele calculou que podia fazer a viagem em 5,4 horas, voando a Mach.95, e teria uma sobra de 2.150 litros de combustível.

       Às duas horas da tarde, um grande avião tanque KC 135 levantou vôo da Base Andrews, em Washington, para o encontro com o Eagle a quinze mil metros de altitude sobre a Costa Leste.

       Em Trenton houve ainda um pequeno atraso.  O coronel Bowers estava com seu traje de vôo às três horas, pronto para partir, quando a longa limusine negra do escritório do Pentágono em Nova York passou pelo portão.  Um funcionário civil, acompanhado por um general da Força Aérea, entregou uma pasta simples de executivo e uma folha de papel com o número da combinação.

       Nesse momento, outra limusine sem identificação entrou na base, houve uma conversa rápida entre os dois grupos de oficiais.  Finalmente, a pasta e o papel foram tirados das mãos do coronel Bowers e levados para o banco traseiro de um dos carros.

       A pasta foi aberta e o conteúdo, um embrulho de veludo negro, de 20x25cm, transferido para outra pasta.  Foi essa que entregaram ao impaciente coronel.

       Aviões de caça interceptores não transportam carga, mas haviam preparado um espaço sob o banco do piloto, especialmente para a pasta.  O coronel levantou vôo às 15:31.

       Subiu rapidamente a quinze mil metros, chamou o avião-tanque e encheu ao máximo os tanques do F-15 para a viagem até Londres.  Depois de abastecer, subiu para dezessete mil metros, acertou o curso para Upper Heyford e aumentou a força do jato para Mach.95, logo abaixo da zona de tremor que marca a barreira do som.  Apanhou o vento de popa de oeste, como esperava, sobre Nantucket.

       Enquanto tinha lugar a conferência na pista, em Trenton, um Jumbo da linha comercial levantava vôo de Kennedy para Heathrow, Londres.  Na classe especial viajava um jovem alto e bem vestido que tomou o avião no aeroporto Kennedy, vindo de Houston.  Trabalhava para uma importante companhia de petróleo em Houston, a Pan-Global, e considerava um privilégio ter sido escolhido por seu patrão, o próprio dono da companhia, para uma missão tão secreta.

       Não que soubesse o que levava no envelope no bolso superior do paletó, que ele não entregou à comissária.  Nem queria saber. Sabia apenas que continha documentos de grande importância comercial para a companhia, que não podiam ser enviados pelo correio, por telex ou pelo malote comercial.

       Suas instruções eram claras, e ele as havia repetido muitas vezes.

       Devia ir a um determinado endereço num determinado dia – o dia seguinte – a uma hora determinada.  Não devia tocar a campainha, apenas enfiar o envelope na caixa de correspondência, voltar ao aeroporto de Heathrow e depois para Houston.  Cansativo, mas simples.  Ele não tomou nenhum aperitivo; era a hora do coquetel, o jantar ia demorar um pouco, e o jovem olhou pela janela do avião.

       Quando se voa de oeste para leste, no inverno, a noite chega com rapidez.  Depois de duas horas no ar o céu estava arroxeado e as estrelas perfeitamente visíveis.  Lá em cima, o jovem notou um pontinho de fogo vermelho voando entre as estrelas, seguindo a mesma direção do Jumbo.  Ele não sabia e nunca soube que estava vendo a descarga a jato do Eagle F—15 do coronel Bowers.  Os dois homens seguiam para a capital britânica em missões diferentes, nenhum deles sabendo o que transportava.

       O coronel chegou primeiro. Aterrissou em Upper Heyford na hora, 1:55, hora local, perturbando o sono dos habitantes da cidadezinha quando fez a última volta para tomar campo. A torre informou onde devia taxiar e por fim o Eagle parou dentro de um brilhante círculo de luzes no interior do hangar, cujas portas foram fechadas assim que o piloto desligou os motores. Quando ele abriu a cobertura da cabine, o comandante da base aproximou-se do avião, acompanhado por um civil. O civil foi o primeiro a falar:

       — Coronel Bowers?

       — Eu mesmo, senhor.

       — Tem uma encomenda para mim? – Tenho uma pasta.  Sob meu banco.

       Ele espreguiçou-se, relaxando os músculos, e desceu para o chão do hangar pela escada de aço.  Que modo danado de ver Londres, pensou.  O civil galgou a pequena escada e apanhou a pasta.  Estendeu a mão para o código da combinação.  Dez minutos depois, Lou Collins estava na limusine da Companhia, a caminho de Londres.  Chegou ao apartamento em Kensington às 4: 10 da manhã.  As luzes estavam acesas, ninguém dormira naquela noite.  Quinn na sala de espera, tomava café.

       Collins colocou a pasta na mesa de centro, consultou o papel e abriu as fechaduras.  Retirou o volume chato, quase quadrado, envolto em veludo, e o entregou a Quinn.

       — Nas suas mãos ao nascer do dia – disse ele.

       Quinn sopesou o pacote.  Pouco mais de um quilo, um quilo e meio talvez.

       — Quer abrir? – perguntou Collins.

       — Não é preciso – respondeu Quinn.  – Se forem vidro ou falsos, apenas uma parte deles verdadeira, alguém provavelmente liquidou Simon Cormack.

       — Ninguém faria isso – disse Collins.  – São verdadeiros, sem dúvida.  Acha que ele vai telefonar?

       — Reze para que telefone – disse Quinn.

       — E a troca?

       — Teremos de combinar hoje.

       — Como vai fazer a coisa, Quinn?

       — A meu modo.

       Quinn saiu da sala para tomar banho e se vestir. Para muita gente, aquele último dia de outubro ia ser bastante acidentado.

      

       O jovem de Houston aterrissou às 6:45, hora de Londres, com uma pequena valise contendo objetos de toalete.  Passou rapidamente pela alfândega, chegando à sala de desembarque do Edifício Número Três.  Consultou o relógio, verificando que tinha três horas de espera.  Tempo para usar o banheiro, lavar-se, tomar café e depois um táxi para o centro do West End de Londres.

       Às 9:55 estava na porta de um edifício alto e tranqüilo a um quarteirão da Great Cumberland Place, no distrito de Marble Arch.  Cinco minutos adiantado.  Suas instruções eram para fazer tudo na hora exata.

       No outro lado da rua, um homem o observava de dentro de um carro, mas ele não sabia disso.  Andou de um lado para o outro durante cinco minutos e às dez em ponto enfiou o grosso envelope na caixa de correspondência do prédio de apartamentos.  Não havia nenhum porteiro para apanhá-Io.  O envelope ficou sobre o tapete, ao lado da porta.  Certo de que havia seguido as instruções, o jovem americano caminhou até Bayswater Road e tomou um táxi para Heathrow.

       Assim que o jovem virou a esquina, o homem desceu do carro, atravessou a rua e entrou no prédio.  Ele morava ali há algumas semanas.  Estava no carro apenas para certificar-se de que o mensageiro correspondia à descrição que havia recebido e que ninguém o seguia.

       O homem apanhou o envelope, tomou o elevador para o oitavo andar, entrou no seu apartamento e abriu o envelope.  Leu o conteúdo com ar satisfeito, sua respiração ruidosa, o ar sibilando nas passagens defeituosas do nariz.  lrving Moss tinha agora o que deviam ser suas instruções finais.

      

       No apartamento em Kensington a manhã passava em silêncio.  A tensão era quase palpável.  No centro telefônico, em Cork Street, em Grosvenor Square, os homens sentavam-se inclinados sobre suas máquinas, esperando que Quinn dissesse alguma coisa, ou McCrea, ou Sam Somerville.  O silêncio continuava.  Quinn deixara bem claro que se Zack não telefonasse, tudo estaria acabado.  Teriam de começar a busca cuidadosa de uma casa abandonada e um corpo.

       E Zack não telefonou.

      

       Às dez e meia, Irving Moss saiu do seu apartamento em Marble Arch, tirou o carro alugado do estacionamento e dirigiu-se para a estação de Paddington.  A barba que deixara crescer em Houston, durante os preparativos, mudava o formato do seu rosto.  Tinha um passaporte canadense, uma falsificação perfeita que permitiu sua entrada sem problemas na República da Irlanda e de lá, pela balsa, para a Inglaterra.

       A carteira de motorista, também canadense, foi usada para alugar um carro compacto com contrato a longo prazo.  Há semanas estava morando discretamente em Marble Arch, um dos milhões de estrangeiros na capital britânica.

       Era um agente com muita experiência, capaz de desaparecer em qualquer cidade do mundo.  Além disso, conhecia Londres.  Sabia como as coisas funcionavam na grande capital, onde ir para obter o que queria.  Tinha contatos no submundo, era bastante esperto para não cometer os tipos de enganos Que atraem a atenção das autoridades para um estrangeiro.

       A carta de Houston era uma atualização das suas instruções, com detalhes não contidos nas mensagens em código trocadas com Houston sob a forma de listas de preços do mercado.  Havia também instruções adicionais na carta, mas a parte mais interessante era o relatório de dentro da Casa Branca sobre a deterioração sofrida pelo presidente Cormack nas três últimas semanas.

       Finalmente, havia também o tíquete para o depósito de bagagem da estação de Paddington, algo que só podia cruzar o Atlântico em mãos.  Como tinha ido de Londres para Houston, ele não sabia e nem queria saber. Não precisava saber. O importante era estar com ele agora.  Às onze horas, ele o usou.

       O pessoal da estação não estranhou.  Durante o dia centenas de volumes, maletas e valises eram depositadas, e centenas retiradas.  Só depois de três meses, volumes não reclamados eram retirados das prateleiras e abertos, para identificação.  O tíquete apresentado naquela manhã pelo homem calado, com capa de chuva de gabardine, era igual a todos os outros.  O homem procurou nas prateleiras, encontrou o item numerado, uma pequena valise de fibra, e entregou ao homem.  O depósito era pago antecipadamente.  À noite, o funcionário não se lembrava mais da transação.

       Moss levou a valise para o apartamento, arrombou as fechaduras baratas e examinou o conteúdo.  Estava tudo ali, como haviam prometido.  Consultou o relógio.  Tinha três horas antes de sair para a missão.  .

       Havia uma casa, numa rua tranqüila na extremidade de um bairro residencial a menos de sessenta quilômetros do centro de Londres.  Na hora determinada ele passaria de carro pela frente da casa, como fazia de dois em dois dias nas últimas semanas, e a posição do vidro da janela do seu carro – fechado, entreaberto, completamente aberto – informava ao observador o que ele precisava saber. Nesse dia, pela primeira vez, o vidro estaria completamente abaixado.  Inseriu um dos vídeos SIM comprados na cidade – material altamente pornográfico, mas ele sabia onde comprar – na televisão e acomodou-se para uns momentos de diversão.

      

       Andy Laing saiu do banco quase em estado de choque.  Poucos homens passam pela experiência de ver toda a sua carreira, construída durante anos de esforço e trabalho duro, feita em pedaços aos seus pés.  A primeira reação é de incompreensão, a segunda, de indecisão.

       Laing vagou sem destino pelas ruas estreitas e pátios que se escondem entre o tráfego barulhento da City, o quilômetro quadrado mais antigo do mundo comercial e bancário.  Passou pelos muros de mosteiros em que no passado ecoavam os cânticos dos franciscanos, dominicanos e carmelitas; pelas associações onde os mercadores costumavam se reunir para discutir os negócios do mundo enquanto Henrique VIII executava suas mulheres no outro lado da rua, na Torre; passou pelas graciosas igrejas projetadas por Wren depois do grande incêndio de 1666.

       Os homens que passavam apressados por ele – e o número crescente de mulheres jovens e atraentes – pensavam nos preços das ações, em comprar na alta ou na baixa, num pequeno movimento no mercado monetário que podia ser uma coisa passageira ou o começo de uma nova modalidade financeira.  Usavam computadores em vez de canetas, mas o resultado dos seus esforços era o mesmo, há séculos – comércio, compra e venda das coisas feitas por outras pessoas.  Era um mundo que havia capturado a imaginação de Andy Laing dez anos atrás, quando estava se formando, um mundo no qual jamais tornaria a entrar.

       Almoçou frugalmente num bar da rua chamada Frades de Muletas, onde os monges antigamente manquitolavam com uma das pernas amarrada nas costas, sofrendo dor para a maior glória de Deus, e resolveu o que ia fazer.

       Terminou de tomar café e pegou o metrô para seu apartamento estúdio na Beaufort Street, Chelsea, onde prudentemente guardara fotocópias das provas trazidas de Jeddah.  Um homem que nada tem a perder pode ser muito perigoso.  Laing resolveu escrever toda a história, do começo ao fim, incluir cópias do material do computador, que ele sabia ser genuíno, e mandar uma para cada membro do Conselho Bancário em Nova York.  Os endereços podiam ser encontrados no Who's Who americano.

       Não via motivos para sofrer em silêncio.  Que Steve Pyle se preocupe um pouco, para variar, pensou.  Enviou uma carta para o gerente-geral em Riyad, informando sobre o que pretendia fazer.

      

       Finalmente, Zack telefonou à 1:20 da tarde, no auge do rush da hora do almoço, enquanto Laing terminava seu café e Moss deliciava-se com um novo filme sobre maus-tratos a crianças vindo de Amsterdã.  Zack, como sempre, estava numa das quatro cabines instaladas na parede dos fundos dos correios de Dunstable, norte de Londres.

       Quinn esperava desde o nascer do sol, de banho tomado e vestido.  Nesse dia o sol apareceu realmente, brilhante no céu azul com uma sugestão de frio no ar. McCrea e Sam nem pensaram em perguntar se ele estava com frio, mas Quinn vestiu a calça jeans, camisa, suéter e a jaqueta de couro.

       — Quinn, este é o último telefonema...

       — Zack, meu chapa, estou olhando para uma vasilha de frutas, uma vasilha grande.  E quer saber de uma coisa? Está cheia de diamantes, até em cima, brilhando e cintilando como se fossem vivos.  Vamos combinar tudo, Zack.  Vamos combinar agora.

       A imagem mental criada por Quinn fez com que Zack fosse direto ao assunto.

      

       — Certo – disse a voz no telefone –, as instruções são estas...  – Não, Zack.  Vamos fazer as coisas ao meu modo ou tudo vai pelos ares...

       Nos postos de Kensington, Cork Street e Grosvenor Square, os homens ouviam num silêncio atônito.  Ou Quinn sabia exatamente o que estava fazendo, ou queria que o seqüestrador desligasse o telefone.  Quinn continuou, sem uma pausa:

       — Posso ser um escroto, Zack, mas sou o único escroto nesta maldita encrenca em quem você pode confiar. Precisa confiar em mim.  Tem um lápis?..

       — Tenho.  Agora escute, Quinn...

       — Você escuta, companheiro.  Quero que vá para outra cabine e telefone daqui a quarenta segundos para este número.  Três-sete-zero, um-dois-zero-quatro.  Agora vá...

       A última palavra foi um grito de ordem.  Sam Somerville e Duncan McCrea declararam mais tarde, no interrogatório, que ficaram tão espantados quanto os que escutavam na linha.  Quinn desligou o telefone, agarrou a valise – os diamantes estavam ainda dentro dela, não na vasilha de frutas – e saiu do apartamento.  Voltou-se, já com a porta aberta, e rugiu:

       — Fiquem aqui.

       A surpresa, o grito, a autoridade naquele comando, pregou os dois nas cadeiras durante cinco segundos vitais.  Quando chegaram na porta, ouviram a chave girando do lado de fora.  Aparentemente, fora colocada naquela posição antes do amanhecer.

       Quinn evitou o elevador e começou a descer as escadas quando o primeiro grito de McCrea atravessou a porta, acompanhado por um estalido da fechadura.  Entre os ouvintes instalava-se o caos que logo passaria a verdadeiro pandemônio.

       — Que diabo ele está fazendo? – murmurou um policial para outro na central de Kensington.  A resposta foi um erguer de ombros.

       Quinn descia correndo os três lanços de escada do prédio.  O interrogatório demonstrou mais tarde que o americano no apartamento do porão não fez nenhum movimento porque não fazia parte do seu trabalho.  Seu trabalho consistia em gravar as vozes vindas do apartamento, codificar, transmitir para Grosvenor Square, onde seriam decodificadas e digeridas pelos homens no subsolo.  Portanto, ele ficou onde estava.

       Quinn atravessou o hall de entrada quinze segundos após ter desligado o telefone.  O porteiro britânico, na sua cabine, ergueu os olhos, acenou com a cabeça e voltou para seu DaUy Mirror. Quinn empurrou a porta da frente, que abria para fora, fechou-a, encaixou sob a porta e o batente a cunha que fizera na privacidade do banheiro e firmou-a com um forte pontapé.  Então, atravessou a rua correndo, esquivando-se dos carros.

       — o que quer dizer com ele se foi? – gritou Kevin Brown no posto de escuta em Grosvenor Square.  Ele estava sentado no posto desde cedo, esperando, como todos os outros, britânicos e americanos, o telefonema de Zack que talvez fosse o último.  A princípio, os sons de Kensington eram apenas confusos.  Ouviram o telefone ser desligado, ouviram Quinn gritar "Fiquem aqui", depois uma série de batidas, gritos confusos de McCrea e Somerville, depois batidas regulares como se alguém estivesse chutando uma porta.

       Sam Somerville voltou para a sala, gritando para os microfones: "Ele se foi.  Quinn se foi!" A pergunta de Brown foi ouvida no posto de escuta, mas não por Somerville.  Freneticamente, Brown apanhou o telefone que o ligava à agente especial em Kensington.

       — Agente Somerville – rugiu ele quando Sam atendeu.  – Vá atrás dele.

       Nesse momento, o quinto pontapé de McCrea partiu a fechadura da porta.  Ele desceu correndo as escadas, acompanhado por Sam.  Ambos estavam de chinelos.

      

       A quitanda e delicatessen no outro lado da rua, cujo telefone Quinn havia obtido na lista telefônica de Londres, no apartamento, chamava-se Bradshaw, o nome do primeiro dono, mas pertencia agora a um cavalheiro hindu chamado Sr. Patel.  Quinn havia observado o homem, arrumando as frutas na calçada ou desaparecendo lá dentro para atender um freguês.

       Quinn chegou à calçada oposta ao apartamento 33 segundos após desligar o telefone.  Desviando-se de dois pedestres, entrou na loja como um furacão.  O telefone ficava no balcão do caixa, ao lado da registradora, e atrás dela estava o Sr. Patel.

       — Aqueles garotos estão roubando suas laranjas – disse Quinn, sem nenhuma cerimônia.

       Nesse momento, o telefone tocou.  Entre o telefone e as laranjas roubadas, o Sr. Patel reagiu como um bom guzerate e correu para fora.  Quinn tirou o fone do gancho.

       A central de escuta de Kensington reagiu com presteza e o interrogatório demonstrou que fizera o melhor possível.  Mas perderam grande parte dos quarenta segundos devido à surpresa, e depois tiveram um problema técnico.  Seu localizador estava "preso" à linha exclusiva do apartamento.  Sempre que havia um chamado para aquele número, a mesa eletrônica acompanhava a linha em sentido inverso para localizar a chamada.  Então, o computador dava o número de origem do telefonema e o local.  Entre seis e dez segundos.

       Tinham um lock no primeiro número usado por Zack, mas quando ele mudou de cabine, mesmo que fosse para uma ao lado da primeira, em Dunstable, eles o perderam.  Pior, ele estava chamando agora outro número em Londres, ao qual não estavam ligados.  A única vantagem era que o número ditado por Quinn para Zack pertencia à central de Kensington.  Ainda assim, os localizadores teriam de recomeçar tudo, seus mecanismos de localizar chamadas percorrendo freneticamente os vinte mil números da central.  Conseguiram a escuta do telefone do Sr. Patel cinqüenta segundos depois de Quinn ter ditado, e então puseram o lock no primeiro número, em Dunstable.

       — Anote este número, Zack – disse Quinn, sem preâmbulos.  – Que diabo está acontecendo? – rugiu Zack.

       — Nove-três-cinco, três-dois-um-cinco – disse Quinn, apressado.  – Pegou?

       Uma pausa, enquanto Zack escrevia.

       — Agora nós dois vamos fazer as coisas, Zack.  Eu despistei todos.  Só você e eu, os diamantes em troca do garoto.  Nenhum truque, tem minha palavra.  Telefone para esse número dentro de sessenta minutos, e de noventa minutos, se não responder na primeira vez.  Não tem escuta.

       Quinn desligou.  Na escuta, ouviram as palavras: "..  .minutos e noventa minutos se não responder na primeira vez.  Não tem escuta".

       — O sacana deu outro número – disse o técnico em Kensington para os dois policiais da Metropolitana que estavam ao seu lado.  Um deles já telefonava para a Yard.

       Quinn saiu da quitanda e viu Duncan McCrea no outro lado da rua, tentando abrir a porta presa com a cunha de madeira.  Sam estava atrás dele, gesticulando.  O porteiro foi ajudá-Ios, coçando a cabeça.  Dois carros passaram no outro lado.  Uma motocicleta aproximava-se de onde Quinn estava.  Ele desceu para a rua, bem na frente da moto, com os braços erguidos, a pasta na mão esquerda.  O homem freou, desviou para o lado, derrapou e parou deslizando na rua.

       — Ei, que negócio...

       Quinn, dando um sorriso afável, curvou o corpo para a frente.

       O golpe curto e violento na altura dos rins completou o trabalho.  O jovem de capacete caiu para a frente.  Quinn o tirou da moto, passou a perna direita sobre o banco, ligou a marcha e o motor. Quando partiu, a mão de McCrea ficou a dez centímetros da sua jaqueta de couro.

       McCrea permaneceu parado na rua, triste e desanimado.  Sam aproximou-se dele.  Entreolharam-se, depois voltaram correndo para o apartamento.  O modo mais rápido para se comunicar com Grosvenor Square era voltar ao terceiro andar.

       — Certo, é isso – disse Brown, cinco minutos mais tarde, depois de ouvir McCrea e Somerville no telefone.  – Vamos encontrar aquele escroto.  Esse é o nosso trabalho agora.

       Outro telefone tocou.  Era Nigel Cramer, da Scotland Yard.

            — O seu Negociador deu um golpe – disse ele, secamente.  – Pode me dizer como? Tentei o apartamento, o telefone está ocupado.

       Brown contou tudo em trinta segundos.  Cramer resmungou.  Continuava ressentido com o caso de Green Meadow Farm e sempre estaria, mas os acontecimentos anulavam agora seu desejo de se ver livre de Brown e sua equipe.

       — Sua gente conseguiu o número da placa da moto? – perguntou ele.  – Posso dar uma chamada de busca geral.

       — Melhor ainda – disse Brown com satisfação.  – A valise que ele carrega.  Contém um rastreador.

       — Contém o quê?!

       — Embutido, não pode ser detectado.  A última palavra nesse tipo de aparelho – disse Brown.  – Foi instalado nos Estados Unidos e a pasta do Pentágono foi trocada pela nossa, antes de ser posta no avião, ontem à noite.

       — Entendo – disse Cramer pensativo.  – E o receptor?

       — Bem aqui – disse Brown.  – Chegou no vôo comercial ao nascer do dia.  Um dos meus homens foi apanhá-Io em Heathrow.  Alcance de três quilômetros, portanto precisamos nos mexer. Quero dizer, agora mesmo.

       — Desta vez, Sr. Brown, quer, por favor, manter contato com os carros-patrulha da Met? O senhor não efetua prisões nesta cidade.  Eu cuido disso.  Seu carro tem rádio?

       — É claro.

       — Fique com a linha aberta, por favor. Ficamos na escuta e nos juntaremos ao senhor quando disser onde está.

       — Sem problema, dou minha palavra.  A limusine da embaixada saiu de Grosvenor Square sessenta segundos depois.  Chuck Moxon na direção, o homem ao seu lado operando o receptor de rastreamento, uma televisão em miniatura, só que na tela, em vez da imagem, havia apenas um ponto de luz.  Quando a antena instalada na calha acima da porta do passageiro ouvia o bleep emitido pelo transmissor de rastreamento na pasta de Quinn, uma linha era traçada do ponto até o perímetro da tela.  O motorista do carro teria de manobrar de modo a fazer com que a linha na tela estivesse sempre em linha reta com a frente do carro.  Estaria então seguindo a direção do rastreador. O aparelho na pasta seria ativado por controle remoto de dentro da limusine.

       Seguiram rapidamente por Park Lane, atravessaram Knightsbridge e entraram em Kensington.

       — Ative – disse Brown.

       O homem apertou um botão.  A tela não respondeu.

       — Continue ativando a cada trinta segundos, até conseguirmos contato – ordenou Brown.  – Chuck, comece a rodar por Kensington.  Moxon entrou na Cromwell Road, depois seguiu para o sul pela Gloucester Road, na direção de Old Brompton Road.  A antena pegou um sinal.

       — Está atrás de nós, seguindo para o norte – disse o companheiro de Moxon.  – Distância: cerca de dois quilômetros.

       Trinta segundos depois, Moxon voltava por Cromwell Road, na direção norte, seguindo Exhibition Road para o Hyde Park.

       — Bem em frente, para o norte – disse o homem com o receptor de rastreamento.

       — Informe aos rapazes de azul que o localizamos – disse Brown.

       Moxon informou a embaixada por rádio, e na metade de Edgeware Road um Rover da Metropolitana apareceu atrás deles.

       No banco traseiro, com Brown, estavam Collins e Seymour. – Qual é a diferença de tempo? – perguntou Seymour.

       — Lembra-se daquela confusão na entrada de Winfield House, há três semanas? Quinn saiu quinze minutos antes, mas chegou a Kensington apenas três minutos antes de nós.  Não posso vencer um táxi londrino na hora do rush.  Ele parou em algum lugar e fez os preparativos.

       — Quinn não podia ter planejado isto três semanas atrás – objetou Seymour. – Ele não sabia o que ia acontecer.

       — Não precisava – disse Collins.  – Você leu a ficha dele.  Tem tempo suficiente de combate para preparar posições de retirada se as coisas não derem certo.

       — Ele entrou à direita em St.  John's Wood – disse o operador.

       No cruzamento de Lord's, o carro da polícia emparelhou com o deles, com o vidro abaixado.

       — Ele está indo para o norte – disse Moxon, apontando para Finchley Road.  Outro carro juntou-se a eles e seguiram para o norte, por Swiss Cottage e Mill Hill.  A distância diminuiu para trezentos metros e eles procuravam no tráfego à frente um homem alto numa pequena moto, sem capacete.

       Passaram por Mill Hill Circus, a cem metros atrás do bleeper, e subiram para Five Ways Corner. Então compreenderam que Quinn devia ter trocado de veículo.  Passaram por duas motos que não emitiram nenhum bleep e duas motos possantes passaram por eles com o mesmo resultado.  O rastreador que procuravam continuava à sua frente.  Quando o bleeper deu a volta em Five Corners e entrou na AI para Hertfordshire, viram que o alvo era agora um Volkswagen Golf GTI com teto solar, cujo motorista usava um gorro de pele cobrindo a cabeça e as orelhas.

       A primeira coisa que Cyprian Fothergill conseguiu lembrar sobre os acontecimentos daquele dia foi que estava indo para seu encantador chalé no campo, atrás de Borehamwood, quando um enorme carro negro passou por ele, deu uma rápida guinada e parou na frente do seu carro, obrigando-o a dar uma freada violenta e parar no acostamento.  Em poucos segundos, três homens grandes, contou ele mais tarde aos amigos boquiabertos no clube, desceram e rodearam seu carro, apontando-lhe armas imensas.  Então, um carro de polícia parou atrás, depois outro, e quatro bobbies encantadores desceram e disseram para os americanos – bem, deviam ser americanos, e eram enormes – para guardar suas armas, do contrário seriam desarmados.

       Quando se refez do espanto – a essa altura era o centro das atenções no bar do clube – um dos americanos arrancou-lhe o gorro de pele da cabeça e gritou "Muito bem, cabeça de merda, onde está ele?", enquanto um dos bobbies retirava do banco traseiro do Volks uma pasta-executivo que ele passou uma hora convencendo-os de que nunca tinha visto antes.

       O americano grande e grisalho, que parecia o chefe do grupo do carro negro, arrancou a pasta das mãos do bobby, abriu os fechos e olhou dentro dela.  Estava vazia – depois de tudo aquilo estava vazia.  Tanto barulho por uma pasta vazia...  Bem, a essa altura os americanos praguejavam como soldados, usando linguagem que ele, Cyprian, nunca ouvira antes e esperava nunca mais ouvir. Então, entrou em cena o sargento britânico, completamente do outro mundo...

      

       Às 14:25, o sargento Kidd voltou ao seu carro-patrulha para atender os chamados insistentes no rádio.

       — Tango Alfa...  – começou ele.

       — Tango Alfa, aqui é o comissário-assistente Cramer. Quem está falando?

       — Sargento Kidd, senhor. Divisão F.

       — O que tem aí, sargento?

       Kidd olhou para o Volks encurralado, para seu motorista apavorado, para os três homens do FBI que examinavam a pasta-executivo vazia, dois outros ianques, um pouco afastados, olhando esperançosamente para o céu, e três colegas seus tentando obter declarações.

       — Uma pequena confusão, senhor.

       — Sargento Kidd, ouça com atenção.  Vocês capturaram um americano muito alto que acaba de roubar dois milhões de dólares?

       — Não, senhor – disse Kidd. – Capturamos um cabeleireiro muito gay que acaba de molhar as calças.

       — O que quer dizer...  desapareceu? – O brado, grito ou berro, numa variedade de tons e sotaques, dentro de uma hora enchia o apartamento de Kensington, a Scotland Yard, Whitehall, o Ministério do Interior, Downing Street, Grosvenor Square e a Ala Oeste da Casa Branca.  – Ele não pode simplesmente desaparecer!

       Mas tinha desaparecido.

      

       Quinn jogou a pasta no banco do Golf trinta segundos após virar a esquina da rua do apartamento.  Quando Collins lhe entregara a pasta, antes do amanhecer, e ele a abrira, não vira nenhum sinal do dispositivo de rastreamento, mas não esperara mesmo encontrar. Os técnicos do laboratório certamente não deixariam nenhum indício do seu trabalho.  Quinn resolveu agir por intuição, como se tivessem colocado alguma coisa para descobrir o lugar do seu encontro com Zack.

       Enquanto esperava um sinal abrir, abriu os fechos, enfiou o pacote com os diamantes no bolso interno da sua jaqueta de couro, fechou o zíper e olhou em volta.  O Golf estava parado perto dele.  O homem na direção, com seu gorro de peles, não notou coisa alguma.

       Seiscentos metros mais adiante, Quinn abandonou a moto.  Sem o capacete exigido por lei logo atrairia a atenção de um policial.  Diante do Brompton Oratory tomou um táxi, mandou seguir para Marylebone e desceu em George Street, seguindo a pé.

       Levava nos bolsos tudo que fora possível tirar do apartamento sem despertar a atenção.  Seu passaporte americano e carteira de motorista, que sem dúvida não teriam valor quando dessem o alerta para sua captura, algum dinheiro britânico da bolsa de Sam, seu canivete com várias lâminas e um alicate encontrado no armário de ferramentas.  Numa loja de Marylebone High Street comprou um par de óculos sem grau com armação grossa; depois, numa loja de roupas masculinas, um chapéu de tweed e uma capa de chuva de algodão.

       Fez compras também numa confeitaria, numa loja de ferragens e numa casa de artigos para viagem.  Consultou o relógio.  Cinqüenta e cinco minutos desde que havia desligado o telefone na quitanda do Sr. Patel.  Entrou em Blandford Street e encontrou a cabine telefônica que procurava na esquina de Chiltern Street, uma das duas que existiam naquele lugar. Escolheu a segunda, cujo número havia memorizado três semanas atrás e ditado para Zack do apartamento.  O telefone tocou em cima da hora marcada.

       — E então, seu sacana, que diabo está tramando?

       Zack estava desconfiado, confuso e furioso.

       Com frases curtas e precisas, Quinn explicou o que havia feito.

       Zack ouviu em silêncio.

       — Você está dizendo a verdade? – perguntou.  – Porque, se não estiver, o garoto ainda vai acabar dentro de um saco de necrotério.

       — Escute, Zack.  Francamente, pouco me importa que peguem você ou não.  Só uma coisa me importa, nada mais.  Devolver o garoto à família, vivo e ileso.  E tenho no bolso da minha jaqueta dois milhões de dólares em diamantes brutos que devem interessar a você.  Bem, eu me livrei dos sabujos porque não paravam de interferir, querendo bancar os espertos.  Então, quer combinar a troca ou não?

       — O tempo acabou – disse Zack.  – Vou sair daqui.

       — Acontece que estou falando de uma cabine pública em Marylebone – disse Quinn –, mas está certo em não confiar. Telefone para este mesmo número esta noite, com todos os detalhes.  Eu irei sozinho e desarmado, com as pedras, a qualquer lugar. Como sou um fugitivo agora, telefone depois que anoitecer. Digamos, oito horas.

       — Está certo – resmungou Zack.  – Esteja aí.

       Nesse momento, o sargento Kidd pegava o rádio do seu carro para atender o chamado de Nigel Cramer. Minutos depois, todos os postos policiais na área da Metropolitana recebiam a descrição de um homem e instruções para todos os policiais ficarem de olhos bem abertos, localizar mas não se aproximar, informar a central de polícia e seguir o suspeito sem interferir. Nenhum nome acompanhava a descrição, nem o motivo pelo qual o homem era procurado.

       Saindo da cabine, Quinn voltou a pé por Blandford Street, até o Hotel Blackwoods.  Era o tipo de estalagem antiga, numa rua secundária de Londres, que por algum motivo não fora comprada e saneada pelas grandes cadeias de hotéis, um prédio coberto de hera com vinte quartos, lambris de madeira e janelas de sacada com a lareira de tijolos acesa na área de recepção e tapetes cobrindo as tábuas irregulares do assoalho.  Quinn aproximou-se da mulher de aparência agradável que estava atrás do balcão.

       — Oi – disse ele com o mais largo dos seus sorrisos.

       Ela ergueu os olhos e sorriu também.  Alto, chapéu de tweed, capa de chuva e valíse de pele de bezerro – um turista americano típico.  – Boa tarde, senhor, posso ajudá-lo?

       — Bem, ora, espero que sim, senhorita, tenho certeza que pode.  Sabe, acabo de chegar dos Estados Unidos pela sua British Airways..  minha favorita de sempre...  e sabe o que eles fizeram? Perderam minha bagagem, sim senhora, mandaram tudo para Frankfurt por engano...

       A moça franziu a testa, preocupada.

       — Mas, veja bem – continuou ele –, vão me devolver tudo dentro de vinte e quatro horas, no máximo.  Mas meu problema é que todos os detalhes da minha viagem estavam na pequena valise e, acredite, não consigo lembrar de modo nenhum em que hotel tenho reserva.  Passei uma hora com aquela dona da companhia aérea procurando nomes de hotéis em Londres...  sabe quantos existem? Mas não consegui lembrar, só vou saber quando devolverem minha valise.  Assim, resumindo, tomei um táxi para a cidade e o motorista disse que este hotel é muito bom...  será que...  por acaso tem um quarto que eu possa usar por uma noite? A propósito, sou Harry Russell...

       A moça estava encantada.  O homem alto parecia tão desolado com a perda da bagagem, com sua impossibilidade de lembrar o nome do hotel onde devia se hospedar...  Ela ia muito ao cinema e ele se parecia um pouco com o cavalheiro que estava sempre pedindo aos outros para ajudá-Io, mas falava como o homem com a peninha engraçada no chapéu, do seriado "Dallas".  Nem lhe passou pela cabeça duvidar dele, ou pedir uma identificação.  O Blackwoods normalmente não aceitava hóspedes sem bagagem nem reserva, mas perder a bagagem e não conseguir lembrar o nome do hotel, tudo por causa da companhia aérea britânica...  Ela examinou a lista de vagas.  A maioria dos hóspedes era de conhecidos das províncias e alguns residentes permanentes.

       — Temos só um, Sr. Russell, pequeno e nos fundos, infelizmente...

       — Está ótimo, jovem.  Oh, posso pagar em dinheiro, troquei alguns dólares no aeroporto...

       — Amanhã de manhã, Sr. Russell.  – Ela apanhou uma antiga chave de bronze.  – No fim da escada, segundo andar.

       Quinn subiu a escada de degraus irregulares, encontrou o número onze e entrou.  Pequeno, limpo e confortável.  Tirou a roupa, ficando só de cueca, acertou o despertador comprado na loja de ferragens para as dezoito horas e dormiu.

       — Muito bem, para que ele fez isso? – perguntou o secretário do Interior, Sir Harry Marriott.  Cramer acabava de contar a história no escritório do secretário.  Sir Harry Marriott tivera uma conversa de dez minutos no telefone com Downing Street, e a senhora residente naquele endereço não estava muito satisfeita.

       — Creio que ele achou Que não podia confiar em ninguém – disse Cramer com delicadeza.

       — Espero que não se refira a nós – retrucou o ministro.  – Fizemos todo o possível.

       — Não, não nós – respondeu Cramer.        Ele estava a ponto de combinar a troca com aquele tal de Zack.  Num caso de seqüestro é a fase mais perigosa.  Deve ser conduzida com a maior diplomacia.  Depois daqueles dois "vazamentos" de informação privada em programas de rádio, um francês e outro britânico, acho que ele achou melhor tratar do assunto sozinho.  Não podemos permitir isso, é claro.  Temos de encontrá-Io, Sr. Secretário.

       Cramer continuava ressentido por ter sido privado da prioridade no processo de negociação e relegado à investigação.

       — Não entendo como ele conseguiu escapar – queixou-se o secretário do Interior.

       — Se eu tivesse dois dos meus homens naquele apartamento, ele não teria escapado – lembrou Cramer.

       — Bem, isso é coisa do passado.  Encontre o homem, mas discretamente, sem alarde.

       O secretário do Interior era de opinião que se Quinn pudesse resgatar Simon Cormack sozinho, tudo estava ótimo.  A Grã-Bretanha podia então despachar os dois para a América o mais depressa possível.  Mas se os americanos iam atrapalhar tudo, que o fracasso fosse deles, não seu.

       Nessa mesma hora, Irving Moss recebeu um telefonema de Houston.  Anotou a lista dos preços de produtos em oferta para as hortas do Texas, desligou o telefone e decifrou a mensagem.  Então assobiou, atônito.  Quanto mais pensava no caso, mais se convencia de que só precisava fazer pequenas modificações no seu plano.

      

       Depois do fiasco na estrada perto de Mill Hill, Kevin Brown chegou furioso ao apartamento de Kensington.  Patrick Seymour e Lou Collins estavam com ele.  Os três interrogaram exaustivamente seus agentes durante algumas horas.

       Sam Somerville e Duncan McCrea explicaram com detalhes o que acontecera naquela manhã, como as coisas tinham corrido, e garantiram que não haviam previsto nada parecido.  McCrea, como sempre, convenceu com suas desculpas.

       — Se ele restabeleceu contato com Zack por telefone está completamente fora de controle – disse Brown.  – Se estiverem usando o sistema de cabine telefônica para cabine telefônica, os britânicos jamais poderão estabelecer uma escuta.  Não sabemos o que estão tramando.

       — Talvez estejam combinando a troca de Simon Cormack pelos diamantes – disse Seymour.

       — Quando esta coisa acabar, vou pegar aquele espertalhão – rosnou Brown.

       — Se ele voltar com Simon Cormack – disse Collins –, nós todos ficaremos felizes em carregar suas malas até o aeroporto.

       Ficou combinado que Somerville e McCrea continuariam no apartamento para o caso de Quinn telefonar. As três linhas telefônicas ficariam abertas e com escuta.  Os três homens voltaram para a embaixada, Seymour para se informar com a Scotland Yard sobre os progressos da busca que era dupla agora, os outros para esperar e escutar.

       Quinn acordou às seis horas da tarde, lavou-se e se barbeou com os artigos de toalete comprados em High Street, jantou frugalmente e às dez para as oito seguiu a pé, percorrendo os duzentos metros até a cabine telefônica em Chiltern Street.  Uma senhora idosa estava na cabine, mas saiu quando faltavam cinco para as oito.  Quinn entrou e ficou de costas para a rua, fingindo consultar as listas telefônicas, até o aparelho tocar, às oito horas e dois minutos.

       — Quinn?

       — Eu mesmo.

       —Talvez esteja dizendo a verdade sobre se livrar deles, talvez não. Se for um truque, vai pagar caro.

       — Nada de truques. Diga aonde devo ir e quando.

       — Dez horas da manhã, amanhã. Telefono para este número às nove e digo aonde.  Vai ter o tempo exato para chegar às dez. Meus homens estarão vigiando o lugar desde a madrugada. Se os tiras aparecerem, ou o serviço secreto, se houver qualquer movimento por perto, vamos ver e desaparecer. Simon Cormack estará morto no próximo telefonema.  Você jamais nos verá, mas nós o veremos e a qualquer outra pessoa.  Se está tentando me enganar, diga isso a seus companheiros.

       Podem pegar um de nós, ou dois, mas será tarde demais para o garoto.  – Tudo bem, Zack.  Vou sozinho.  Sem truques.

       — Nada de dispositivos eletrônicos, nada de rastreadores, nada de microfones.  Vamos revistar você.  Se estiver "grampeado", o garoto morre.

       — Como eu disse, sem truques.  Só eu e os diamantes.

       — Esteja nessa cabine às nove horas.

       Um estalido e a linha zumbiu.  Quinn voltou para o hotel.  Viu televisão por algum tempo, então esvaziou sua valise de mão e trabalhou durante duas horas com as coisas compradas naquela tarde.  Cochilou um pouco antes do nascer do dia e levantou-se às sete, quando o despertador tocou.

       A encantadora recepcionista estava de serviço quando ele desceu, às oito e meia.  Quinn usava os óculos de aros grossos, chapéu de tweed e a capa abotoada até o pescoço.  Explicou que precisava ir a Heathrow para apanhar sua bagagem, e gostaria de pagar a diária.

       Quando faltavam quinze para as nove, atravessou a rua e foi para a cabine telefônica.  Não podia haver velhas senhoras desta vez.  Ficou na cabine durante quinze minutos, até o telefone tocar às nove em ponto.  A voz de Zack estava rouca de tensão.

       — Jamaica Road, Rotherhithe – disse ele.

       Quinn não conhecia aquela área, mas sabia para que lado ficava.

       As velhas docas, uma parte convertida em conjuntos de casas elegantes e apartamentos dos yuppies que trabalhavam na City, mas ainda com uma parte de cais e armazéns abandonados e em ruínas.

       — Continue.

       Zack deu o itinerário.  De Jamaica Road, entrar numa rua que levava ao Tâmisa.

       — É um armazém de aço, térreo, aberto dos dois lados.  O nome Babbidge ainda escrito na porta.  Deixe o táxi no começo da rua.  Siga a pé sozinho.  Entre pela porta sul.  Caminhe até o centro do armazém e espere.  Se alguém o seguir, não aparecemos.

       O telefone foi desligado.  Quinn saiu da cabine e jogou a valise vazia de pele de bezerro numa lata de lixo.  Procurou um táxi.  Nada.  Era a hora do rush matinal.  Conseguiu um dez minutos depois, em Marylebone High, e desceu na estação do metrô de Marble Arch.  Àquela hora um táxi levaria séculos para atravessar as ruas sinuosas da cidade velha e para atravessar o Tâmisa até Rotherhithe.

       Tomou o metrô que ia para leste, para o Bank, depois a Linha Norte sob o Tâmisa, para London Bridge.  Era uma estação central, com táxis na entrada.  Chegou a Jamaica Road 55 minutos depois do telefonema de Zack.

       A rua indicada era estreita, suja, e estava deserta.  De um lado armazéns de chá abandonados, prontos para serem demolidos, dando para o rio.  Do outro, fábricas também abandonadas e galpões de aço prensado.  Sabia que o vigiavam de algum lugar. Andou no meio da rua.  O armazém de aço com o nome desbotado de Babbidge sobre uma das portas ficava no fim da rua.  Quinn entrou.

       Sessenta metros de comprimento por 25 de largura.  Correntes enferrujadas pendiam de ganchos no teto, o chão era de cimento, sujo pelos detritos de anos de abandono.  A porta pela qual entrou era estreita e não dava passagem para veículos.  A que ficava na outra extremidade era suficientemente larga para dar passagem a um caminhão.  Quinn foi até o centro do armazém e parou.  Tirou os óculos e o chapéu, jogando-os para um lado.  Não ia mais precisar deles.  Ou saía dali com um acordo pela troca de Simon Cormack, ou de qualquer modo ia precisar de uma escolta policial.

       Esperou uma hora, quase completamente imóvel.  Às onze horas o grande Volvo apareceu na outra extremidade do armazém e dirigiu-se lentamente para ele, parando a poucos metros, com o motor ligado.  Havia dois homens na frente, com capuzes, apenas os olhos aparecendo nas aberturas.

      

       Quinn sentiu, mais do que ouviu, o barulho de sapatos de tênis no cimento atrás dele e olhou calmamente por sobre o ombro.  Um terceiro homem estava parado.  Roupa negra de jogging sem nenhuma marca, capuz cobrindo a cabeça.  Estava alerta, pés firmes no chão, a metralhadora portátil a tiracolo, mas pronta para ser usada caso necessário.

       A porta do passageiro do Volvo foi aberta e um homem desceu.

       Altura média, nem gordo nem magro.  Ele chamou:

       — Quinn?

       A voz de Zack.  Inconfundível.

       — Trouxe os diamantes?

       — Estão aqui.

       — Entregue.

       — Trouxe o garoto, Zack?

       — Não seja tolo.  Acha que vou trocá-Io por um saco de vidro? Vamos examinar as pedras primeiro. Leva tempo.  Um pedaço de vidro, uma pedra falsa...  está acabado.  Se estiver tudo em ordem, você recebe o garoto.

       — Foi o que pensei.  Não vai funcionar.

       — Não brinque comigo, Quinn.

       — Não estou brincando, Zack.  Preciso ver o garoto.  Você pode receber pedaços de vidro...  não vai receber, mas quer ter certeza.  Também posso receber um cadáver.

       — Não vai receber.

       — Mas quero ter certeza.  Por isso tenho de ir com vocês.  Por trás da máscara, Zack olhou para Quinn como se não acreditasse no que acabava de ouvir. Deu uma risada áspera.

       — Está vendo o homem atrás de você? Uma palavra e ele acaba com você.  E aí levamos as pedras.

       — Podem tentar – admitiu Quinn.  – Já viu um destes?

       Abriu a capa até embaixo, tirou uma coisa que trazia dependura da na cintura e ergueu-a, mostrando.

       Zack estudou Quinn e a coisa presa no seu peito, sobre a camisa.

       Praguejou em voz baixa, mas violentamente.

       Do esterno até a cintura, o corpo de Quinn estava coberto por uma caixa plana de madeira própria para bombons de licor. Os bombons e a tampa da caixa haviam sido retirados.  O fundo da caixa formava um recipiente plano, preso com esparadrapo ao seu peito.

       No centro estava o pacote de veludo com os diamantes, ladeado por dois blocos de 250 gramas de uma substância pegajosa de cor bege.  Um fio elétrico verde claro estava enfiado num dos blocos de massa, a outra ponta ligada a um pregador de roupa que Quinn segurava na mão esquerda.  Passava por um pequeno orifício na madeira do pregador, aparecendo na parte superior, onde ele se abria e fechava.

       Na caixa de bombons também havia uma pilha PP3 de nove volts ligada a outro fio verde claro.  De um lado, o fio verde ligava os dois blocos de substância bege à pilha; do outro, estava ligado ao lado oposto do pregador. A parte superior do pregador era mantida aberta por um toco de lápis.  Quinn dobrou os dedos da mão.  O pedaço de lápis caiu no chão com um pequeno estalido.

       — É falso – disse Zack, sem muita convicção.  – Isso não é de verdade.

       Com a mão direita, Quinn tirou um pedaço da substância bege, enrolou entre os dedos e jogou para Zack rente ao chão.  O criminoso abaixou-se, apanhou a bola de massa e cheirou.  O cheiro de maçapão encheu suas narinas.

       — Semtex – disse ele.

       — Isso é tcheco – observou Quinn.  – Prefiro RDX.

       Zack sabia que todos os explosivos gelatinosos tinham o cheiro e a aparência do inofensivo maçapão.  Mas acabava aí a semelhança.  Se seu homem abrisse fogo, todos morreriam.  Havia explosivo suficiente naquela caixa para destruir todo o chão do armazém, arrancar o telhado e espalhar os diamantes no outro lado do Tâmisa.

       — Sabia que você era um filho da puta – disse Zack.  – O que você quer?

       — Eu apanho o lápis, coloco onde estava, entro na mala do carro e você me leva para ver o garoto.  Ninguém me seguiu, ninguém vai nos seguir. Não posso reconhecer vocês, nem agora nem nunca.  Estão seguros.  Quando eu vir o garoto vivo, desmonto esta coisa e entrego as pedras.  Vocês verificam se são boas e, quando estiverem satisfeitos, vão embora.  Eu e o garoto continuamos presos.  Vinte e quatro horas depois, você dá um telefonema anônimo.  Os tiras vêm nos libertar. É limpo, simples, e vocês podem escapar.

       Zack parecia indeciso.  Não era o seu plano, mas Quinn estava com a vantagem, e ele sabia disso.  Enfiou a mão no bolso lateral da roupa de jogging e tirou uma caixa negra.

       — Mantenha suas mãos e esse pregador abertos.  Vou revistá-Io para ver se não tem microfones.

       Aproximou-se de Quinn e passou o detector de circuitos pelo corpo dele, da cabeça aos pés.  Qualquer circuito elétrico ativo, como o de um rastreador ou um microfone, faria o detector emitir um apito estridente.  A pilha da bomba estava inativa.  A pasta original que continha os diamantes teria ativado o detetor.

       — Tudo bem – disse Zack.  Ficou a um metro de Quinn, que sentia o cheiro do suor do homem.  – Você está limpo.  Ponha o lápis no lugar e entre na mala.

       Quinn obedeceu.  A última luz que viu foi antes da porta da mala se fechar. Havia orifícios para entrada de ar no chão da mala feitos para Simon Cormack há três semanas.  Era abafado mas suportável, apesar do tamanho de Quinn, desde que ele ficasse em posição fetal, o cheiro forte de amêndoas quase provocando náuseas.

       O carro fez meia-volta, o homem armado correu e entrou atrás.  Os três tiraram os capuzes e as camisetas de jogging, sob as quais usavam camisas, gravatas e paletós.  As camisetas ficaram atrás, sobre a metralhadora Skorpion.  Então, o carro saiu silenciosamente do armazém, Zack dirigindo agora, e seguiu para o esconderijo.

       Uma hora e meia depois, chegaram à garagem interna da casa a sessenta quilômetros de Londres.  Zack dirigiu o tempo todo na velocidade permitida, os companheiros rígidos e silenciosos nos seus lugares.  Para os dois homens era a primeira vez que saíam da casa em três semanas.

       Quando a porta da garagem se fechou, os três vestiram as camisetas e colocaram os capuzes, e um deles entrou na casa para avisar o quarto.  Só quando estavam prontos Zack abriu o porta-mala do Volvo.  Quinn tinha os músculos enrijecidos e piscou para acomodar a vista à luz elétrica da garagem.  Havia tirado o lápis do pregador e o segurava entre os dentes.

       — Tudo bem, tudo bem – disse Zack.  – Não é preciso nada disso.  Vamos mostrar o garoto.  Mas use isto para atravessar a casa.

       Estendeu um capuz sem aberturas para Quinn, que fez um gesto afirmativo.  Zack o colocou na cabeça dele.  Podiam tentar dominá-Io, mas numa fração de segundo Quinn deixaria que o pregador se fechasse.  Eles o conduziram através da casa, com a mão esquerda estendida para o lado, desceram por um corredor curto e depois alguns degraus para o porão.  Quinn ouviu três batidas fortes numa porta e uma pausa.  A porta se abriu com um rangido e ele foi empurrado para dentro de um quarto.  Ficou ali sozinho, ouvindo o ruído de cadeados sendo abertos.

       — Pode tirar o capuz – disse Zack.  Estava falando pela portinhola da cela.  Quinn tirou o capuz com a mão direita.  Estava num porão vazio, chão de cimento, paredes de concreto, talvez uma adega adaptada para outro fim.  Numa cama de aço encostada na parede oposta estava sentado um rapaz magro, a cabeça e os ombros cobertos por um capuz.  Duas batidas na porta.  Como que obedecendo a um comando, o rapaz na cama tirou o capuz.

       Simon Cormack olhou espantado para o homem alto perto da porta, a capa aberta, segurando um pregador de roupa na mão esquerda erguida.  Quinn olhou para o filho do presidente.

       — Oi, Simon, você está bem, garoto? – Uma voz de casa.  – Quem é você? – murmurou.

       — Bem, o negociador. Estávamos preocupados com você.  Está tudo bem?

       — Sim, sim, estou...  ótimo.

       Três batidas na porta.  Simon pôs o capuz.  A porta se abriu.  Zack apareceu.  Com capuz.  Armado.

       — Muito bem, aí está ele.  Agora, os diamantes.

       — Claro – disse Quinn.  – Você cumpriu o trato, vou cumprir também.

       Recolocou o toco de lápis entre as "mandíbulas" do pregador e o soltou, ficando dependurado da sua cintura pelos fios.  Tirou a capa e o esparadrapo que prendia a caixa.  Do centro ele retirou o pacote de veludo com as pedras e o estendeu para Zack.  O seqüestrador apanhou-o, passando para o homem atrás dele.  Sua arma continuava apontada para Quinn.

       — Fico com a bomba também – disse ele.  – Não vai explodir a casa para sair daqui.

       Quinn dobrou os fios e os arrumou, com o pregador no espaço antes ocupado pelo pacote de veludo.  Retirou os fios da substância bege.  Os fios não tinham detonadores nas extremidades.  Quinn tirou um pedaço da substância bege de um dos blocos e levou à boca.

       — Jamais gostei de maçapão – disse ele.  – Doce demais para meu gosto.

       Zack olhou para o conjunto de itens caseiros que tinha na mão.

       — Maçapão?

       — O melhor que Marylebone Street pode oferecer.

       — Eu devia te matar, Quinn.

       — Devia, mas espero que não o faça.  Não há necessidade, Zack.

       Já tem o que queria.  Como eu disse, os profissionais matam quando precisam matar. Examine os diamantes em paz, organize sua fuga, deixe nós dois aqui até você telefonar para a polícia.

       Zack trancou a porta com os cadeados.  Falou pela portinhola.

       — Tenho de admitir, ianque.  Você tem coragem.

       Então, a portinhola se fechou.  Quinn voltou-se para Simon e tirou o capuz da cabeça dele.  Sentou-se ao lado do rapaz.

       — Agora acho melhor eu dizer como estão as coisas.  Mais algumas horas, se tudo correr bem, e estaremos fora daqui, a caminho de casa.  A propósito, sua mãe e seu pai mandam todo o seu amor.

       Despenteou um pouco mais o cabelo do rapaz.  Os olhos de Simon Cormack encheram-se de lágrimas e ele começou a chorar incontrolavelmente.  Tentou enxugar com a manga da camisa, mas não adiantou.

       Quinn passou um braço pelos ombros magros e lembrou-se daquele dia, há tanto tempo, na selva às margens do Mekong.  A primeira vez em que entrara realmente em combate.  Lembrou-se de como sobrevivera, quando todos os outros tinham morrido, e como, depois, chegou o puro alívio das lágrimas que pareciam nunca mais acabar.

       Quando Simon parou de chorar e iniciou um bombardeio de perguntas sobre sua casa e sua família, Quinn teve oportunidade de olhar bem para ele.  Barbado, com bigode, sujo, mas em boa forma.  Os homens haviam alimentado o prisioneiro e tiveram a decência de arranjar roupa limpa, camisa, jeans e um cinto largo de couro com fivela de metal – roupa de acampamento, mas adequada para o frio de novembro.

       Pareciam estar discutindo lá em cima.  Quinn ouvia vagamente vozes exaltadas, em especial a de Zack.  Não dava para entender as palavras, mas o tom era de briga.  O homem estava zangado.  Quinn franziu a testa.  Não havia verificado as pedras – não possuía conhecimento suficiente para distinguir diamantes verdadeiros dos falsos – mas agora rezava para que ninguém tivesse cometido a estupidez de misturar pedras falsas com as verdadeiras.

       Mas esse não era o motivo da discussão.  Minutos depois, as vozes se acalmaram.  Num quarto do segundo andar – os seqüestradores geralmente evitavam o primeiro andar durante o dia, apesar das cortinas pesadas que protegiam as janelas – o sul-africano estava sentado a uma mesa levada para aquele fim.  A mesa estava coberta por um lençol, o pacote de veludo aberto e vazio sobre a cama e os quatro homens olhavam com reverência para a pequena montanha de diamantes brutos.

       Com uma espátula, o sul-africano começou a "cortar" a pilha em pilhas menores, depois menores ainda, até formar 25 pequenos montículos.  Com um gesto, mandou que Zack escolhesse um.  Zack deu de ombros, escolheu um do meio – cerca de mil pedras das 25 mil sobre a mesa.

       Sem uma palavra, o sul-africano começou a pegar as outras 24 pilhas com a espátula.  colocando-as uma a uma numa sacola de lona grossa com um cordão para apertar na parte de cima.  Então, dirigiu a luz forte de uma lâmpada para a mesa, tirou do bolso uma lupa de joalheiro, uma pinça e levou a primeira pedra para perto da luz.

       Alguns segundos depois, ele grunhiu e fez um gesto afirmativo, colocando o diamante examinado na sacola de lona.  Levou seis horas para examinar as pedras todas.

       Os seqüestradores haviam escolhido bem.  Diamantes da melhor qualidade, mesmo pequenos, em geral são "providos" de certificado quando entregues ao mercado pela Organização Central de Vendas que dirige o comércio mundial de diamantes, pela qual passam 85% das pedras que vêm das minas para o mercado.  A própria URSS, com sua extração na Sibéria, procura não quebrar esse cartel lucrativo.  Pedras maiores, de qualidade inferior, costumam ser vendidas com certificado de origem.

       Mas, escolhendo pedras variadas, de qualidade média, de um quinto a meio quilate, os seqüestradores situavam-se numa área do comércio praticamente impossível de ser controlada.  Essas pedras são o filé mignon dos fabricantes e vendedores de jóias no mundo todo, e mudam de mãos em embalagens com centenas de pedras de cada vez sem certificado de origem.  Qualquer fabricante de jóias podia honestamente aceitar uma entrega de várias centenas, especialmente se oferecidas Com 10 ou 15% de desconto sobre o preço do mercado.  Transferidas para o engaste da jóia, circundando as pedras maiores, simplesmente desapareciam nos registros do comércio.

       Se fossem genuínos.  O diamante bruto não brilha como a pedra cortada e polida que aparece no fim do processo.  Parece um pedaço de vidro sem brilho, com superfície opaca e leitosa.  Mas não pode ser confundido com vidro por um examinador de habilidade e experiência moderadas.

       A superfície dos diamantes verdadeiros possui uma textura especial, em forma de sabão, imune à água.  Quando um pedaço de vidro é mergulhado na água, as gotas do líquido permanecem alguns segundos sobre sua superfície.  No diamante, elas escorrem imediatamente, deixando a pedra completamente seca.

       Além disso, sob uma lupa, o diamante tem uma cristalografia nitidamente triangular na superfície.  O sul-africano procurava esse padrão, para certificar-se de que não haviam impingido vidro de garrafa lixado ou o outro principal substituto, zircônia cúbica.

       Enquanto ele trabalhava, o senador Bennett R. Hapgood levantou-se no palanque erguido para a cerimônia ao ar livre, em Hancock Center, no coração de Austin, e olhou satisfeito para a multidão.

       À sua frente, ele via a cúpula do Capitólio do Estado do Texas, o segundo em tamanho do país, depois do Capitólio de Washington, cintilando com o sol da manhã.  A multidão podia ser maior, considerando a maciça publicidade paga daquele importante lançamento, mas a imprensa, local, estadual e nacional, estava presente e isso o agradava.

       Ergueu as mãos na saudação de vitória dos lutadores de boxe para agradecer o aplauso da claque, começado assim que terminou a apresentação elogiosa do seu nome.  Enquanto continuava a cantoria das animadoras de torcida e a massa do povo sentia-se na obrigação de acompanhar a música, ele balançou a cabeça com um ar simulado de descrença para tanta honra e ergueu as mãos abertas com as palmas voltadas para o povo, indicando que um insignificante senador do Oklahoma não era digno daquela ovação.

       Quando os aplausos diminuíram, ele segurou o microfone e começou a falar. Não usava anotações.  Havia ensaiado as palavras muitas vezes desde que recebera o convite para inaugurar o novo movimento que logo conquistaria a América e ser seu primeiro presidente.

      

       — Meus amigos, meus compatriotas americanos...  em qualquer parte do mundo.

       Embora os presentes fossem quase todos texanos, ele se dirigia a uma audiência muito maior, através das câmaras da televisão.

       — Podemos vir de diferentes partes desta grande nação.  Podemos ter antepassados diferentes, caminhar por caminhos diferentes, ter esperanças diferentes, temores e aspirações.  Mas uma coisa compartilhamos, onde quer que estejamos, o que quer que façamos: somos todos homens, mulheres e crianças, compatriotas desta grande terra.  .  .

       A afirmação era inegável e os aplausos o testemunhavam.

       — Isto acima de tudo nós compartilhamos: queremos que nossa nação seja forte...  – mais aplausos – e orgulhosa...  – verdadeiro êxtase.

       Ele falou durante uma hora.  Os noticiários da noite em todo o país usaram cerca de trinta segundos e dois minutos, de acordo com os gostos.  Quando terminou e sentou-se, com a brisa mal despenteando seus cabelos brancos como a neve, penteados com secador e escova e borrifados com fixador, acima do rosto bronzeado de homem da fronteira, o movimento dos Cidadãos para uma América Forte estava realmente lançado.

       Em termos gerais visando a regeneração do orgulho e da honra nacionais por meio da força – ignorando o fato de que nenhum dos dois havia de fato degenerado visivelmente – o CAF destinava-se especificamente a se opor ao tratado de Nantucket, do princípio ao fim, e a exigir que fosse repudiado pelo Congresso.

       O inimigo do orgulho e da honra através da força estava clara e inegavelmente identificado.  Era o comunismo, ou seja, o socialismo, que ia desde a assistência médica social, passando pelo seguro-desemprego, até o aumento dos impostos.  Aqueles simpatizantes do comunismo que procuravam enganar o povo americano com o controle de armamentos não foram identificados, mas insinuados.  A campanha devia ser conduzida em todos os níveis – departamentos regionais, blocos informativos de orientação publicitária, lobbying a nível de eleitorado e comícios de verdadeiros patriotas que falariam contra o tratado e seu genitor – uma referência indireta ao homem extremamente abalado, na Casa Branca.

       Quando a multidão foi convidada para o churrasco servido na periferia do parque, fruto da generosidade de um filantropo e patriota local, o plano Crockett, a segunda parte da campanha para desestabilizar John Cormack e levá-Io à renúncia, estava lançado.

       Quinn e o filho do presidente passaram uma noite inquieta no porão.  O rapaz deitou-se na cama por insistência de Quinn, mas não conseguiria dormir. Quinn, sentado no chão, encostado na parede, teria cochilado se não fosse pelas perguntas de Simon.

       — Sr. Quinn?

       — É Quinn.  Só Quinn.

       — Viu meu pai? Pessoalmente?

       — É claro.  Ele me falou sobre sua tia Emily..  e Mr. Spot.  – Como ele estava?

       — Preocupado, é claro.  Foi logo depois do seqüestro.

       — Viu minha mãe?

       — Não, ela estava com o médico da Casa Branca.  Preocupada, mas bem.

       — Eles sabem que estou bem?

       — Há dois dias eu os informei que você estava vivo.  Procure dormir.

       — Certo...  Quando acha que vamos sair daqui?

       — Depende.  De manhã, eu espero, eles vão deixar a casa e fugir.

       Se derem um telefonema vinte horas depois, a polícia britânica estará aqui dentro de minutos.  Depende de Zack.

       — Zack? Ele é o chefe?

       — Isso mesmo.

       Às duas horas da manhã o rapaz extremamente tenso afinal esgotou suas perguntas e dormiu.  Quinn ficou acordado, esforçando-se para identificar os sons abafados que vinham lá de cima.  Eram quase quatro horas quando ouviu três batidas na porta.

       Simon girou as pernas para fora da cama e murmurou: "Os capuzes." Os dois enfiaram os capuzes que os impediam de ver os seqüestradores.  Zack entrou na cela com dois homens.  Cada um levava um par de algemas.  Com um gesto indicou os dois prisioneiros, que foram virados de costas e algemados.

       O que não sabiam era que o exame dos diamantes terminara satisfatoriamente para os seqüestradores antes da meia-noite.  Os quatro homens passaram o resto da noite limpando a casa toda.  Toda superfície que podia ter impressões digitais foi esfregada, todos os sinais da sua presença apagados.  Não se preocuparam em tirar a cama pregada ao chão, no porão, nem se desfizeram da corrente que prendera Simon por mais de três semanas.  Sua preocupação não era que o lugar fosse algum dia identificado como o esconderijo do seqüestradores, mas impedir que os seqüestradores fossem identificados.

       Tiraram as correntes do tornozelo de Simon e levaram os dois para cima, atravessaram a casa e entraram na garagem.  O volvo os esperava.  A mala estava cheia com os objetos dos seqüestradores.  Quinn foi obrigado a deitar no chão do carro, coberto com um cobertor. Não era confortável, mas ele estava otimista.

       Se os seqüestradores pretendessem matar os dois, o porão seria o lugar ideal.  Sua sugestão fora deixá-los no porão, para que a polícia os libertasse depois de um telefonema do exterior. Evidentemente não seria assim.  Imaginou, e estava certo, que os homens não queriam que o esconderijo fosse descoberto, pelo menos não agora.  Ficou deitado no chão do carro, procurando respirar do melhor modo possível sob o grosso capuz.

       Percebeu quando fizeram Simon deitar no banco traseiro, também coberto com um cobertor. Os dois homens menores entraram atrás, sentando na ponta do banco, na frente do corpo magro de Simon, com os pés em cima de Quinn.  O gigante sentou-se no lugar do passageiro, Zack na direção.

       A um comando do chefe, os quatro retiraram os capuzes e as camisas de jogging e os jogaram no chão da garagem pelas janelas do carro.  Zack ligou o motor e abriu a porta com o controle remoto.  Saiu de ré, deu meia-volta e partiu.  Ninguém viu o carro.  Estava escuro ainda, faltavam duas horas para o nascer do dia.

       O carro seguiu sem parar durante duas horas.  Quinn não tinha idéia de onde estava, nem para onde ia.  Mais ou menos às seis horas (mais tarde ficou determinado que faltavam alguns minutos para as seis) o carro diminuiu a marcha e parou.  Ninguém tinha falado durante a viagem.  Todos sentavam-se rígidos nos seus lugares, com ternos e gravatas, em silêncio.  Quando pararam, Quinn ouviu que abriam a porta traseira e os dois pares de pés que estavam em cima dele foram retirados.  Alguém o arrastou pelos pés para fora do carro.  Sentiu a relva molhada sob as mãos algemadas, sabia que estava no acostamento de uma estrada, em algum lugar. Ergueu-se com dificuldade sobre os joelhos, depois ficou de pé.  Ouviu os dois homens entrando no carro e a batida da porta.

       — Zack – gritou ele.  – E o garoto?

       Zack estava de pé na estrada ao lado da porta do motorista, olhando para ele por cima da capota do carro. 

       — Quinze quilômetros mais adiante – disse ele –, ao lado da estrada, assim como você.

       Ouviu o ronronar do motor potente e o barulho do cascalho sob as rodas.  Então, o carro partiu.  Quinn sentiu o frio da manhã de novembro através da camisa.  Assim que o carro partiu, começou a trabalhar.

       O trabalho pesado nos vinhedos o ajudara a manter a forma.  Tinha os quadris estreitos, como os de um homem quinze anos mais novo, e braços compridos.  Quando tinham posto as algemas, Quinn retesara os músculos para garantir o maior espaço possível quando os relaxasse.  Empurrando as algemas para baixo até onde elas chegavam, passou os braços presos para baixo das nádegas.  Sentou na relva, levou os pulsos até a parte de trás dos joelhos, tirou os sapatos e passou as pernas entre os braços algemados, uma de cada vez.  Com os pulsos agora na frente do corpo, tirou o capuz.

       A estrada era longa, reta e completamente deserta naquela hora que precedia o nascer do sol.  Respirou fundo o ar frio e puro e olhou em volta à procura de alguma casa.  Nenhuma.  Calçou os sapatos, levantou-se e começou a correr ao lado da estrada na direção tomada pelo carro.

       Após correr três quilômetros, chegou a um posto de gasolina à esquerda, pequeno, com bombas antigas manuais, e um pequeno escritório.  Com três pontapés abriu a porta e achou o telefone numa prateleira atrás da cadeira do empregado do posto.  Ergueu o fone com as duas mãos, inclinou a cabeça para ter certeza de que estava ligado, pôs o fone sobre a prateleira, discou 01 para Londres e depois a linha exclusiva do apartamento.

      

       Em Londres, o caos levou três segundos para entrar em funcionamento.  Um técnico britânico na central de Kensington saltou da cadeira e começou a procurar um lock para o número de onde a chamada estava sendo feita.  Conseguiu em nove segundos.

       No subsolo da embaixada americana, o homem da INFEL deu um berro quando a lâmpada de alarme se acendeu no consolo e a campainha do telefone soou nos seus fones de ouvido.  Kevin Brown, Patrick Seymour e Lou Collins se levantaram das camas de lona onde cochilavam e correram para o posto de escuta.

       — Passe o som para os alto-falantes – disse Seymour com urgência.

       No apartamento, Sam Somerville cochilava no sofá preferido de Quinn, porque ficava perto do telefone exclusivo.  McCrea dormia numa das poltronas.  Era a segunda noite que passavam daquele modo.

       Quando o telefone tocou, Sam acordou imediatamente, mas só depois de dois segundos identificou a direção da campainha.  A luz vermelha pulsava no telefone exclusivo.  Ela o atendeu no terceiro toque.  – Sim?

       — Sam?

       A voz profunda era inconfundível.

       — Oh, Quinn – disse ela.  – Você está bem?

       — Quinn que se foda.  Onde está o garoto? – bufou Brown, sem ser ouvido, no subsolo da embaixada.

       — Estou bem.  Eles me soltaram.  Vão soltar Simon agora, talvez já tenham soltado.  Mais adiante na estrada.

       — Quinn, onde você está?

       — Não sei.  Numa garagem velha numa estrada muito longa.  Não e possível ler o número deste telefone.

       — Bletcheley – disse o técnico na central de Kensington.  – Aqui está...  peguei.  Sete-quatro-cinco-zero-um.

       Seus companheiros já estavam falando com Nigel Cramer, que passara a noite na Scotland Yard.

       — Onde diabo fica isso? – sibilou ele.

       — Um momento...  aqui está.  Posto Tubbs Cross, na A421, entre Fenny Stratford e Buckingham.

       Nesse momento, Quinn viu um talão de recibos do posto.  Tinha o endereço também e ele passou para Sam.  Segundos depois, desligou.  Sam e Duncan McCrea desceram correndo para a rua, onde um carro da CIA fora deixado por Lou Collins para os dois.  Partiram, McCrea dirigindo e Sam acompanhando o mapa.

       Nigel Cramer e seis homens da Scotland Yard saíram em dois carros-patrulha, as sirenes gritando por toda Whitehall e pelo Mall, seguindo por Park Lane e entrando na estrada para o norte de Londres.  Duas grandes limusines saíram a toda velocidade de Grosvenor Square na mesma hora, com Kevin Brown, Lou Collins, Patrick Seymour e seis homens de Brown do FBI de Washington.

      

       A A421 entre Fenny Stratford e a cidade de Buckingham, dezenove quilômetros a oeste, é longa, quase reta, sem cidades nem povoados, atravessando uma região agrícola quase plana, com um ou outro grupo de árvores.  Quinn continuou a correr para oeste, a direção tomada pelo carro.  A primeira luz do dia filtrava-se entre as nuvens, proporcionando alguma visibilidade, que aumentou gradualmente até trezentos metros.  Foi quando ele viu o vulto magro correndo para ele na luz sem brilho, e ouviu o ronco do motor aproximando-se rapidamente por trás.  Virou a cabeça.  Um carro de polícia britânico, um dos dois, duas limusines negras americanas bem na frente e um carro da Companhia atrás.  O primeiro carro o viu e diminuiu a marcha.  A estrada era estreita e os outros tiveram de diminuir também.

       Ninguém nos carros viu o vulto cambaleante, mais adiante na estrada.  Simon Cormack também tinha passado os pulsos algemados para a frente do corpo e percorrido oito quilômetros, enquanto Quinn fazia seis.  Mas não dera nenhum telefonema.  Enfraquecido pelo longo cativeiro, atordoado com a liberdade, não ia muito depressa, balançando o corpo de um lado para o outro.  O carro da embaixada estava ao lado de Quinn.  – Onde está o garoto? – rugiu Brown do banco da frente.

       Nigel Cramer saltou do carro-patrulha vermelho e branco e gritou a mesma pergunta.  Quinn parou, respirou fundo e indicou com a cabeça a estrada, mais adiante.

       — Ali – disse ofegante.

       Foi então que todos o viram.  Já fora dos carros, na estrada, o grupo de americanos e britânicos começou a correr para o vulto a duzentos metros deles.  Atrás de Quinn o carro de McCrea e Sam Somerville freou bruscamente.

       Quinn estava parado.  Não podia fazer mais nada.  Sam correu para ele e segurou seu braço.  Ela disse alguma coisa, mas Quinn jamais conseguiu lembrar o quê.

       Simon Cormack, vendo seus salvadores, diminuiu o passo até quase parar. Menos de cem metros o separavam dos policiais de duas nações quando ele morreu.

       Mais tarde as testemunhas disseram que o brilho cegante do flash pareceu durar vários segundos.  Os cientistas afirmam que na realidade durou apenas três milissegundos, mas a retina humana retém a claridade daquele tipo de flash por alguns segundos.  A bola de fogo que acompanhou o flash durou meio segundo e envolveu todo o corpo cambaleante do rapaz.

       Quatro homens experientes que estavam no local, que não se chocavam com facilidade, foram submetidos a terapia depois de descrever como o corpo do garoto foi erguido do chão e atirado a uns vinte metros de distância na direção deles, como uma boneca de trapos, primeiro voando, depois saltando e rolando, braços e pernas retorcidos.  Todos sentiram o impacto do deslocamento de ar.

       Lembrando depois, quase todos disseram que tudo aconteceu em câmara lenta, durante e depois do assassinato.  As lembranças chegavam aos poucos, em pedaços, e os interrogadores pacientes ouviam, anotando tudo até conseguir uma seqüência, geralmente com partes superpostas.

       Lá estava Nigel Cramer, completamente imóvel, pálido como um lençol, repetindo "Oh, Deus, oh, meu Deus" sem parar. Um mórmon do FBI ajoelhou-se e começou a rezar. Sam Somerville gritou uma vez, escondeu o rosto nas costas de Quinn e chorou.  Lá estava Duncan McCrea, atrás dos dois, de joelhos, a cabeça abaixada sobre a vala, apoiando o peso do corpo nas mãos mergulhadas na água, vomitando as entranhas.

       Quinn, disseram, estava de pé, imóvel, atrás do grupo, mas vendo o que acontecia na estrada, balançando a cabeça incrédulo, murmurando "Não...  não...  não".

       Um sargento britânico grisalho quebrou o encanto daquela imobilidade de choque, aproximando-se do corpo desfigurado a sessenta metros.

       Alguns homens do FBI o acompanharam, entre eles Kevin Brown, pálido e trêmulo, depois Nigel Cramer e três homens da Yard.  Olharam para o corpo em silêncio, e então o treino e a experiência entraram em campo.

       — Desocupem a área, por favor – disse Nigel Cramer, num tom que não admitia discussão.  – Andem com cuidado.

      

       Todos voltaram para os carros.

       — Sargento, ligue para a Yard.  Quero a Seção de Explosivos aqui, de helicóptero, dentro de uma hora.  Fotógrafos, laboratório, a melhor equipe de Fulham.  Vocês – disse aos homens do segundo carro –, examinem a estrada dos dois lados.  Bloqueiem as saídas.  Chamem a polícia local...  quero barreiras além do posto de gasolina naquela direção e até Buckingham, na outra.  Ninguém entra nesse trecho da estrada até nova ordem, a não ser as pessoas autorizadas por mim.

       Os policiais designados para patrulhar a estrada além de onde estava o corpo tiveram de dar uma volta a pé, passando pelas plantações para não pisar em fragmentos, correndo depois para a estrada para impedir a passagem de carros.  O segundo carro-patrulha foi para oeste, na direção do posto Tubbs Cross, para bloquear a estrada naquela direção.  O primeiro carro da polícia ficou onde estava para que pudessem usar seu rádio.

       Dentro de sessenta minutos a polícia de Buckingham, a oeste, e a de Benchley, a leste, bloquearam completamente a estrada com barreiras de aço.  Um grupo de policiais locais começou a percorrer os campos, em formação de leque para afastar os curiosos.  Pelo menos dessa vez não teriam a imprensa por algum tempo.  Conseguiram estender o bloqueio até uma adutora de água rompida – o suficiente para de ter os repórteres locais.

       Em cinqüenta minutos, um helicóptero da Polícia Metropolitana chegou ao local, pairou sobre o campo, guiado pelo rádio, e depositou atrás dos carros um homenzinho que parecia um passarinho, chamado Dr.  Barnard, chefe da Seção de Explosivos da Met, um homem que, graças aos ataques do IRA na Grã-Bretanha, já havia examinado maior número de cenas de explosões do que desejava ter examinado.  Além da sua "caixa de mágicas" carregava também o que gostava de chamar de sua reputação espantosa.

       Diziam que, com fragmentos minúsculos, quase invisíveis, sob lente de aumento, o Dr. Barnard podia reconstituir uma bomba a ponto de identificar o fabricante dos componentes e o homem que a havia montado.  Ele ouviu o que Nigel Cramer explicou durante alguns minutos, fez um gesto afirmativo e deu ordens aos doze homens que tinham descido do segundo e terceiro helicópteros.  A equipe dos laboratórios de análise legal de Fulham.

       Impassíveis, começaram a trabalhar, e a máquina da ciência pós-crime entrou em ação.

       Muito antes de tudo isso, Kevin Brown deu as costas ao corpo de Simon Cormack e aproximou-se de Quinn.  Seu rosto estava cinzento de choque e de raiva.

       — Seu filho da puta – disse com voz rascante.  Os dois homens altos entreolharam-se.  – Culpa sua.  De um modo ou de outro, você foi o causador e vou fazer com que pague por isto.

       O murro repentino surpreendeu os dois jovens do FBI ao lado dele, que seguraram os braços de Brown, tentando acalmá-Io.  Quinn talvez tivesse pressentido.  Mas não fez nada para se desviar. Ainda com as mãos algemadas na frente do corpo, foi atingido diretamente no queixo.  Cambaleou para trás, sua cabeça bateu na ponta da capota do carro mais próximo e ele caiu inconsciente.

       — Ponham ele no carro – resmungou Brown, controlando-se.

       Cramer não podia deter o grupo de americanos.  Seymour e Collins, tinham imunidade diplomática.  Deixou que voltassem para Londres nos seus dois carros, quinze minutos mais tarde, avisando que ia querer Quinn, que não tinha status diplomático nenhum e podia ser interrogado em Londres.  Seymour deu sua palavra de que Quinn estaria à disposição de Cramer. Depois que eles partiram, Cramer telefonou do posto de gasolina para a casa de Sir Harry Marriott com a chocante notícia – o telefone era mais seguro do que a faixa do carro da polícia.

       O político ficou extremamente chocado.  Mas era um político.  – Sr. Cramer, nós, as autoridades britânicas, estamos de algum modo envolvidos nisso tudo?

       — Não, Sr. Secretário do Interior. Desde o momento em que Quinn saiu do apartamento, o caso passou a ser inteiramente dele.  Ele o conduziu como quis, sem nos envolver, nem aos americanos.  Ele resolveu fazer o jogo sozinho, e falhou.

       — Compreendo – disse o secretário do Interior. – Preciso informar imediatamente a primeira-ministra.  Sobre todos os aspectos...  – Queria dizer, o fato da polícia britânica nada ter a ver com o desfecho do caso.  – Mantenha a imprensa fora disso a todo custo, no momento.  Na pior das hipóteses, teremos de dizer que Simon Cormack foi encontrado assassinado.  Mas não agora.  E naturalmente mantenha-me informado de qualquer fato, por menor que seja.

       Dessa vez a notícia chegou a Washington através das suas próprias fontes em Londres.  Patrick Seymour telefonou para o vice-presidente Odell pessoalmente, numa linha segura.  Pensando que seu homem em Londres ia anunciar a libertação de Simon Cormack, Michael Odell não se importou com a hora – cinco da manhã, em Washington.  Quando ouviu o que Seymour tinha a dizer ficou cinzento.

       — Mas como? Por quê? Em nome de Deus, por quê?

       - Não sabemos, senhor – disse a voz de Londres. – O garoto foi libertado são e ileso.  Corria para nós, a noventa metros, quando aconteceu. Nem sabemos o que foi usado. Mas ele está morto, Sr. Vice-Presidente.

       O comitê foi reunido em uma hora.  Todos sentiram-se mal quando ouviram a notícia.  O problema era: quem ia contar ao presidente?

       Como presidente do comitê, o homem a quem fora confiada a tarefa de "traga meu filho de volta para mim", Michael OdeIl foi o escolhido.  Com o coração pesado, caminhou da Ala Oeste para a mansão.

       Não foi preciso acordar o presidente Cormack.  Quase não dormira naquelas últimas três semanas e meia, geralmente acordando antes do nascer do dia e dirigindo-se ao seu escritório particular, tentando concentrar-se nos negócios de Estado.  Quando soube que o vice-presidente estava lá embaixo e queria vê-Io, o presidente Cormack disse que o receberia no Salão Oval Amarelo.

       O Salão Oval Amarelo, no segundo andar, é uma espaçosa sala de recepção entre o escritório particular e o Salão dos Tratados.  Além das suas janelas, olhando-se sobre os gramados que vão até Pennsylvania Avenue, avista-se o Balcão Truman.  Ambos são o centro geográfico da mansão, sob a cúpula e acima do pórtico sul.

       OdeIl entrou.  O presidente Cormack estava no centro da sala, de frente para ele.  OdeIl ficou em silêncio.  Não conseguia falar. A expressão de expectativa no rosto de Cormack desapareceu.

       — Muito bem, Michael? – perguntou com voz inexpressiva.

       — Ele...  Simon...  foi encontrado.  Infelizmente está morto.

       O presidente Cormack não fez nenhum movimento.  Quando falou, a voz continuava inexpressiva, clara, mas sem emoção.

       — Por favor, deixe-me.

       OdeIl deu meia-volta e saiu para o corredor central.  Fechou a porta e dirigiu-se para a escada.  Atrás da porta ouviu um único grito, como o de um animal mortalmente ferido.  Estremeceu e continuou a andar.

       Lepinsky, do Serviço Secreto, estava no fim do corredor, sentado à sua mesa encostada na parede, com o fone na mão.

       — A primeira-ministra britânica, Sr. Vice-Presidente – disse ele.

       — Eu atendo.  Alô, Michael OdeIl falando.  Sim, primeira-ministra, acabo de dizer a ele.  Não senhora, ele não está atendendo telefonemas agora.  De ninguém.

       Houve uma pausa na linha.

       — Eu compreendo – disse ela então, em voz baixa.  – O senhor tem lápis e papel?

       OdeIl fez um gesto para Lepinsky, que entregou a ele seu bloco de anotações.  OdeIl escreveu o que a primeira-ministra mandou.

       O presidente Cormack recebeu o papel na hora em que a maior parte dos moradores de Washington, ignorando o que havia acontecido, tomava o café da manhã.  Ele estava ainda com o roupão de seda, no escritório particular, olhando imóvel para a manhã cinzenta que começara lá fora.  Sua mulher dormia.  Ia saber da notícia quando acordasse, mais tarde.  Despediu o empregado com um gesto e abriu a folha de papel dobrada do bloco de Lepinsky.

       Dizia apenas: II Samuel 18:33.

       Depois de alguns minutos, levantou-se e foi até a estante onde guardava alguns livros pessoais, entre eles a Bíblia da família com assinatura do seu pai, do seu avô e do seu bisavô.  Encontrou o versículo quase no fim do Livro II de Samuel.

       "E o rei ficou muito comovido, e foi para o quarto sobre o portão e chorou.  E chorando disse: 'Oh, Absalão, meu filho, meu filho.  Por que Deus não me deixou morrer por ti, ó Absalão, meu filho, meu filho'.  "

      

       O Dr. Barnard declinou o oferecimento da Polícia do Vale do Tâmisa de centenas de jovens policiais para ajudar a procurar pistas na estrada e nos campos próximos.  Era de opinião que a busca em massa é boa para descobrir o corpo escondido de uma criança assassinada, ou a arma do crime, como uma faca, revólver ou objeto contundente.  Mas para aquele trabalho precisavam de habilidade, paciência e extrema delicadeza.  Usou apenas seus especialistas treinados de Fulham.

       Isolaram uma área de cem metros de diâmetro ao redor da cena da explosão – na verdade, foi demais.  Todas as provas foram encontradas dentro de um círculo de trinta metros de diâmetro.  Literalmente de quatro, seus homens percorreram cada centímetro da área designada, com sacos de plástico e pinças.

       Cada minúsculo fragmento de fibra, fazenda e couro era apanhado e colocado na sacola.  Alguns tinham cabelo, tecido ou outros pedaços de matéria orgânica grudados neles.  Hastes de grama manchadas foram incluídas.  Detetores de metais ultra-sensíveis examinaram cada centímetro da estrada, as valas e os campos próximos, fornecendo a inevitável coleção de pregos, latas, parafusos enferrujados, ferrolhos e uma grade de arado enferrujada.

       A escolha e separação seriam feitas depois.  Encheram oito grandes latas de lixo com as sacolas de plástico e as enviaram para Londres.  A área oval, do ponto onde Simon Cormack estava quando morreu até o ponto em que seu corpo parou de rolar, no centro do círculo maior, foi tratada com cuidados especiais.  Só depois de quatro horas o corpo foi removido.

       Primeiro foi fotografado de todos os ângulos possíveis, em plano geral, plano médio e primeiríssimo plano.  Só depois de toda a relva do acostamento ter sido vasculhada, faltando examinar a área sob o corpo, O Dr. Barnard permitiu que pés humanos caminhassem pelo local.

       Então colocaram o saco de plástico com zíper ao lado do corpo, e o que restava de Simon Cormack foi cuidadosamente retirado, posto numa maca, num estrado sob o helicóptero e levado para o laboratório post-mortem.

       A morte ocorrera no condado de Buckinghamshire, um dos três condados sob jurisdição da Polícia do Vale do Tâmisa.  Assim, na morte, Simon Cormack voltou para Oxford, para a Enfermaria Radcliffe, cujos equipamentos eram tão bons quanto os do Guy's Hospital de Londres.

       Um colega e amigo do Df.  Barnard, do Guy's, que havia trabalhado com o chefe da Seção de Explosivos da Metropolitana em muitos casos, e que mantinha com o cientista de Fulham um amistoso relacionamento profissional, chegou de Londres para colaborar nas pesquisas.  Os dois homens, na verdade, formavam uma equipe, embora especialistas em áreas diferentes.  O Dr. Ian Macdonald era consultor patologista no grande hospital de Londres, patologista do Ministério do Interior e muito requisitado pela Scotland Yard sempre que estava disponível.  Foi ele quem recebeu o corpo de Simon Cormack na Enfermaria Radcliffe.

       Durante todo o dia, enquanto os homens revistavam a relva no acostamento da A421, houve várias consultas entre Londres e Washington sobre a comunicação do fato para a imprensa e para o mundo.  Concluíram que a comunicação oficial devia ser feita pela Casa Branca, com imediata confirmação de Londres.  O comunicado diria simplesmente que uma troca fora combinada em condições de absoluto segredo, segundo exigências dos seqüestradores, um resgate não especificado fora pago e que eles haviam faltado com a palavra dada.

       As autoridades britânicas, em resposta a um telefonema anônimo, foram a uma estrada em Buckinghamshire, onde encontraram Simon Cormack morto.

       Não era preciso dizer que as condolências da rainha, do governo e do povo britânico eram extremamente sinceras e profundas, e que uma investigação rigorosa sem precedentes estava em progresso agora para identificar, encontrar e deter os culpados.

       Sir Harry Marriott fez questão de acrescentar sete palavras à frase sobre as condições do resgate: "entre as autoridades americanas e os seqüestradores".  E a Casa Branca, embora com relutância, concordou.

       — A imprensa vai tirar nossa pele – resmungou Odell.

       — Muito bem, você preferiu Quinn – disse Phillip Kelly.

       — Na verdade vocês quiseram Quinn – disse Odell, irritado, para Lee Alexander e David Weintraub, na Sala da Situação.  – A propósito, onde ele está agora?

       — Detido – disse Weintraub.  – Os britânicos não permitiram que ficasse em território americano dentro da embaixada.  O pessoal do MI—5 alugou uma casa de campo no Surrey.  E lá que ele está.

       — Muito bem, Quinn tem de explicar muita coisa – disse Hubert Reed.  – Os diamantes desapareceram, os seqüestradores desapareceram e o pobre garoto está morto.  Como foi exatamente que ele morreu?

       — Os ingleses estão tentando descobrir – disse Brad Johnson. – Kevin Brown diz que foi quase como se tivesse sido atingido por uma bazuca. Ou pisado numa mina terrestre.

       — Numa rodovia no meio de lugar nenhum? – perguntou Stannard.

       — Como eu já disse, o post-mortem vai dizer o que aconteceu.

       — Quando os britânicos terminarem o interrogatório de Quinn, acho que devemos trazê-Io para cá – disse Kelly.  – Precisamos falar com ele.

       — O diretor-assistente da nossa divisão já está fazendo isso  revelou Weintraub.

       — Se ele se recusar a voltar, podemos obrigá-Io? – perguntou Bill Walters.

       — Sim, Sr. Ministro da Justiça, podemos – disse Kelly.  – Kevin Brown acredita que ele deve estar envolvido de algum modo.  Não sabemos como... ainda. Mas se for expedida uma intimação para testemunha material, acredito que os britânicos o despacharão para nós.

       — Vamos dar mais vinte e quatro horas aos britânicos para ver o que descobrem – concluiu Odell.

       O comunicado de Washington foi liberado às dezessete horas, hora local, e abalou violentamente os Estados Unidos, como pouca coisa havia abalado desde os assassinatos de Bobby Kennedy e Martin Luther King.  A imprensa agitou-se num verdadeiro furor, agravado pela recusa do assessor de imprensa, Craig Lipton, de responder a duzentas perguntas complementares dos repórteres.  Quem havia combinado o resgate, qual a quantia exigida, qual a forma de pagamento, como foi entregue, por quem, por que não fizeram nenhuma tentativa de prender os seqüestradores na ocasião da troca, se o pacote ou pasta que continha o pagamento estava "grampeado", se os seqüestradores tinham sido seguidos inabilmente e mataram o refém na fuga, qual o nível de negligência demonstrado pelas autoridades, se a Casa Branca culpava a Scotland Yard, se tinham alguma descrição dos seqüestradores, se a polícia britânica estava apertando o cerco...  as perguntas eram intermináveis. Craig Lipton estava definitivamente decidido a renunciar antes que o linchassem.

       Em Londres eram cinco horas a mais que em Washington, mas a reação foi semelhante.  Transmissões tardias da televisão foram interrompidas por noticiários de última hora, que estarreceram a nação.  As mesas telefônicas da Scotland Yard, do Ministério do Interior, de Downing Street e da embaixada americana ficaram sobrecarregadas.  Equipes de jornalistas, preparando-se para voltar para casa, às 22 horas, receberam ordens de trabalhar a noite toda, pois novas edições estavam sendo preparadas para estar na rua no máximo às cinco da manhã.  De madrugada a imprensa assediava a Enfermaria Radcliffe, Grosvenor Square, Downing Street e a Scotland Yard.  Em helicópteros alugados, pairavam sobre o trecho da estrada entre Fenny Stratford e Buckingham para fotografar o asfalto vazio, as últimas poucas barreiras policiais e os carros-patrulha ainda no local ao nascer do dia.

       Pouca gente dormiu.  Estimulado por um pedido de urgência de Sir Harry Marriott em pessoa, o Dr. Barnard trabalhou com sua equipe durante toda a noite.  O cientista só d