Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

  

 

Planeta Criança



Poesia & Contos Infantis

 

 

 


STONEHENGE - P.2 / Bernard Cornwell
STONEHENGE - P.2 / Bernard Cornwell

 

 

Biblioteca Virtual do Poeta Sem Limites

 

 

STONEHENGE

 

Segunda Parte

NEVOEIRO CERRADO QUE AMORTALHARA O TEMPLO DAS SOMBRAS DEU LUGAR a dias de sol quente e vento fraco. Os velhos estavam maravilhados com o Verão prematuro, dizendo que não recordavam um assim, enquanto Kereval afirmava que a generosidade do tempo era sinal de que o deus do Sol aprovava a noiva. Alguns pescadores, donos de uma pequena cabana cheirando a sal situada junto ao rio, onde faziam oferendas a um deus do tempo chamado Malkin, faziam profecias de terríveis tempestades, mas dia após dia, o seu pessimismo era negado. A feiticeira favorita de Kereval, uma mulher cega que pronunciava sábias afirmações durante os espasmos de violentos ataques, também previa tempestades, mas os céus mantinham-se teimosamente limpos e os ventos suaves.

 

Os temidos guerreiros de Kereval faziam os seus ataques de Verão aos territórios vizinhos, de onde traziam escravos e gado; os comerciantes chegavam a terra, vindos do outro lado do mar ocidental, trazendo ouro; as colheitas cobriam os campos de verde. Tudo estava bem em Sarmennyn, ou deveria estar, mas quando Camaban e Saban voltaram à aldeia de Kereval, encontraram o povo de mau humor.

 

O regresso de Scathel amargara Sarmennyn. O sumo sacerdote pregava, irado, contra o acordo de Kereval com Ratharryn, afirmando que Lengar nunca devolveria os tesouros, a menos que a isso fosse forçado e assim, enquanto Camaban e Saban viajavam com Aurenna, cavara um buraco monstruoso diante da cabana do chefe; colocara sobre ele um entrançado de fortes ramos, de modo a que a cova pudesse servir de jaula-prisão para Saban. Aí Scathel poderia torturá-lo, confiando em que cada mutilação fosse magicamente repetida em Lengar. Porém, as esperanças de Scathel frustraram-se, quando Kereval recusou dar autorização. Kereval insistia teimosamente que Lengar devolveria os tesouros, apontando satisfeito para o céu brilhante e perguntando que melhor presságio poderia a tribo desejar.

 

O deus já ama a sua noiva afirmava Kereval. Quando ela for ter com ele, há-de recompensar-nos. Não há necessidade de se usar a magia do irmão.

 

Porém, Scathel pregava constantemente a necessidade de se arrancarem os olhos a Saban e de se lhe cortarem as mãos. Percorria as cabanas dentro da aldeia e  visitava as outras moradas que ficavam a cerca de meio dia de viagem, para arengar ao povo de Sarmennyn, que o escutava.

 

Ratharryn nunca nos levará um templo! berrava Scathel. Nunca! Os templos são nossos, foram construídos pelos nossos antepassados, feitos com a nossa pedra! Se Ratharryn quiser um templo, que empilhem o seu estrume e se inclinem diante dele!

 

Ajudava, se o teu irmão nos enviasse uma parte do ouro disse Kereval a Camaban em tom melancólico, mas este abanou a cabeça, dizendo que tal coisa nunca fizera parte do acordo. O ouro chegaria quando o templo fosse transportado; porém tivera o cuidado de omitir que era o santuário de Scathel que desejava, pois as paixões da tribo encontravam-se já muito agitadas. Kereval fazia os possíveis para acalmar a raiva crescente.

 

O povo há-de acalmar-se quando vir a noiva do Sol em toda a sua glória garantia o chefe preocupado a Saban.

 

Dia após dia, Saban visitava o templo da noiva do Sol, observando a sombra da pedra que o limitava. Receava essa sombra que se aproximava cada vez mais da pedra central e que quando a tocasse indicaria que Aurenna deveria entrar na fogueira. Ela própria evitava o templo, como se, ignorando a sombra, prolongasse a vida; procurava antes Haragg nos dias em que esperava pelo casamento.

 

Quando fores ter com o teu marido dizia-lhe ele deves convencê-lo a acabar com este desperdício. Tem de rejeitar as noivas! Mas Haragg não conseguia convencer a tribo a abandonar o seu sacrifício anual, tal como Kereval não conseguia persuadi-la de que Lengar manteria a sua palavra. Assim, Aurenna teria de morrer.

 

À medida que os dias cresciam, a jovem passava mais tempo com Saban e Haragg e este deixava-os sós, pois compreendia que Aurenna se sentisse atraída pelo jovem alto e moreno, que deixara a região central, com falta de um dedo e uma tatuagem azul no peito. Outros jovens exibiam as suas cicatrizes de morte, mas em vez de se gabar, Saban contava histórias à jovem. A princípio eram as que a mãe lhe contara, como a de Dickel, irmão de Garlanna, que tentara roubar a primeira colheita da terra e de como a irmã, para o castigar, o tinha transformado num esquilo. Aurenna gostava de histórias e estava sempre desejosa de ouvir mais.

 

Nunca se encontravam os dois sozinhos, pois a noiva do Sol estava sempre guardada. Não podia ir a lado algum sem ser seguida por quatro lanceiros, excepto na privacidade da sua cabana. Saban habituou-se aos guardiães e era até amigo de um deles. Lewydd era filho de um pescador e herdara do pai a forma atarracada. Tinha o peito largo e os braços extremamente fortes.

 

Desde que comecei a andar que o meu pai me obrigou a puxar redes disse a Saban. Puxar redes e remar! É o que torna um homem forte. Fora Lewydd que imaginara um modo de transportar até Ratharryn as pedras do templo. Tens de as levar de barco disse, Lewydd que era três anos mais velho que Saban e já entrara em dois ataques para arranjar escravos nos territórios orientais. Quase toda a viagem até Ratharryn pode ser feita por água afirmava.

 

Ratharryn está longe do mar argumentou Saban.

 

Não é por mar, é por rio! disse Lewydd. Podes atravessar o mar até ao rio que nos levará à ponta de Drewenna e aí precisaremos de levar os barcos e as pedras até aos rios de Ratharryn. Mas pode fazer-se.

 

Os barcos de Sarmennyn, tal como em Ratharryn as embarcações do rio, eram feitos de troncos de árvores grandes, já antigas. Havia poucas matas em Ratharryn, de modo que os sacerdotes marcavam certas árvores para serem conservadas para a construção de barcos até crescerem o necessário; quando o tronco atingiu a medida, a árvore era cortada e escavada. Um dia Lewydd levou Saban ao mar, mas este escondeu a cabeça nas mãos ao ver as enormes vagas virem na sua direcção. Então Lewydd riu-se, voltou o barco e deixouo correr até à calma do rio.

 

Aurenna gostava de atravessar o rio num desses barcos. Ela e os lanceiros caminhavam pelos bosques da margem oriental até chegarem inevitavelmente ao enorme bloco de pedra cinzento-esverdeado com lascas brilhantes e pequenas marcas cor-de-rosa. Sentava-se na rocha e via o rio correr. Quando ia acompanhada por Saban, pedia-lhe mais histórias. Uma vez ele contou-lhe como Arryn, deus do vale, perseguira Mai, a deusa do rio, e de como ela tentara iludi-lo transformando em pântanos enormes faixas de terreno; então Arryn fizera cair árvores para formar caminhos no paul apanhando-a na nascente onde ela se erguia da terra. Mai ameaçara transformá-lo em pedra, mas Arryn chamara discretamente Lakka, o deus do ar, e este enviara o nevoeiro, de modo que Mai não conseguia ver Arryn, que saltou sobre ela e a fez sua esposa. Porém, contou Saban, para lembrar a Arryn que apenas conseguira a felicidade através de um engano, ergueu-se uma bruma do rio de Mai nas manhãs frias.

 

Os homens usam enganos comentou Aurenna.

 

Os deuses também afirmou Saban.

 

Não, insistiu ela. Os deuses são puros. Saban não discutiu, pois ela era uma deusa e ele não passava de um homem.

 

Por vezes, Saban trabalhava enquanto conversava. Encontrara um teixo no bosque, cortara-lhe um ramo, retirara-lhe a casca e o cerne para dar forma a um arco enorme que substituía aquele que Camaban atirara ao mar. Pusera-lhe pontas de chifre entalhado, untara a madeira com gordura de boi e Lewydd arranjara-lhe tendões para fazer a corda; Aurenna cortou algumas madeixas do seu cabelo dourado para entrançar neles de modo que a corda do arco cintilava à luz do Sol.

 

Pronto disse ela a rir. Já tens cabelo de deusa no arco. Não podes falhar!

 

No dia em que experimentou o arco pela primeira vez lançou uma flecha que atravessou o rio e se perdeu nos bosques distantes. Aurenna quis experimentar a arma, mas não teve força suficiente para puxar a corda a metade da sua amplitude. Lewydd conseguiu-o, mas estava habituado ao pequeno arco dos Fronteiriços e a flecha girou desajeitadamente indo cair no rio.

 

Conta-me outra história ordenou Aurenna a Saban. Assim, ele contou-lhe a história de Keri, deusa dos bosques, que fora amada por Fallag, o deus da pedra. Contudo, Keri rejeitara-o e Fallag transformara-se para sempre em machados que cortassem as árvores de Keri.

 

Um ou dois dias mais tarde, cansado das histórias dos deuses, Saban falou a Aurenna acerca de Derrewyn, de como quisera casar com ela e de como Lengar chegara da escuridão, lançando uma flecha que lhe mudara a vida. Aurenna escutou-o, observando o rio que ali corria e a seguir olhou para ele.

 

Lengar matou o próprio pai?

 

Sim.

 

Estremeceu e franziu a testa durante muito tempo.

 

Lengar vai devolver os tesouros? perguntou, quebrando o silêncio.

 

Kereval pensa que sim.

 

E tu?

 

Saban não respondeu logo.

 

Só se o obrigarem confessou por fim. Aflita, Aurenna estremeceu ao ouvir tal resposta.

 

Erek vai obrigá-lo disse.

 

Ou Scathel.

 

Que quer meter-te na cova. Saban encolheu os ombros.

 

Pode fazer ainda pior. Depois pensou no que dentro de dias aconteceria a Aurenna, sentiu o coração pesado e não conseguiu falar. Espantado com a sua serenidade, olhou para ela, maravilhado com o brilho do seu cabelo, a curva da face e a doçura do rosto pálido. Em breve arderia na fogueira, mas enfrentava esse destino com uma placidez que perturbava e impressionava Saban. Atribuía aquela calma à sua divindade, pois não encontrava outra explicação.

 

Falarei com Erek disse Aurenna em voz baixa. Vou convencê-lo a fazer com que Lengar mantenha o acordo.

 

Lengar dirá que Erek lhe enviou o ouro e que tem direito a ficar com ele.

 

Mas afinal não quer o templo? perguntou Aurenna. Saban abanou a cabeça.

 

É Camaban que quer deslocar o templo. Lengar disse-me que não acreditava que fosse possível fazê-lo. Lengar quer poder. Quer governar numa grande terra e ter centenas de pessoas a trazerem-lhe tributos. É Camaban e não Lengar quem sonha em trazer o deus à terra.

 

Então Erek deve matar Lengar?

 

Quem me dera disse Saban energicamente.

 

Eu peço-lhe sugeriu delicadamente Aurenna.

 

Saban olhou para o rio. Era muito mais largo que o Mai; as águas escuras rodopiavam no local em que as marés do mar empurravam e puxavam a corrente.

 

Não estás aterrorizada? perguntou. Não quisera fazê-lo, mas a pergunta escapara-se-lhe.

 

Claro que sim respondeu Aurenna. Era a primeira vez que falavam do casamento e agora, também pela primeira vez, Saban via lágrimas nos olhos dela.

 

Não quero arder pelo deus disse em voz baixa para evitar que o lanceiro a ouvisse. Toda a gente me diz que é rápido! O fogo é tão grande, tão violento, que não há tempo de sentir outra coisa senão o abraço de Erek e depois ficarei abençoada. É o que me dizem os sacerdotes, mas por vezes desejava viver para assistir à devolução dos tesouros. Fez uma pausa, lançando a Saban um breve sorriso. Viver para ver os meus filhos.

 

Já alguma noiva do Sol ficou viva? perguntou Saban.

 

Uma, respondeu Aurenna. Saltou por cima das chamas e caiu no mar. Não se sabe como, mas não morreu e apareceu na praia perto do rochedo. Trouxeram-na para cima e lançaram-na para a fogueira. Foi uma morte muito lenta, pois nessa altura o lume já estava baixo. Estremeceu. Não tenho escolha, Saban. Tenho de saltar para dentro do fogo de Erek.

 

Podias... começou Saban.

 

Não! disse ela decidida, impedindo-o de continuar. Como posso não fazer o que Erek deseja? Que seria eu se fugisse? Franziu a testa a pensar. Desde que me lembro de ter começado a pensar por mim, tive a certeza que ia ser uma pessoa especial. Não seria importante ou rica, mas especial. Os deuses querem-me, Saban, e eu tenho de querer o mesmo que eles. Por vezes atrevo-me a desejar que Erek me poupe para que eu possa fazer aqui na terra o seu trabalho, mas se me quiser a seu lado, então devo ser a pessoa mais feliz que já viveu.

 

Ele olhou para a rocha em que estavam sentados. Cintilava à luz da tarde, como se raios de luar tivessem ficado presos na pedra verde pálida, enquanto as manchas vermelhas davam a impressão de haver sangue aprisionado nela. Pensou em Derrewyn. Fazia-o muitas vezes e isso preocupava-o, pois não sabia como conciliar esses pensamentos com o desejo que sentia de Aurenna. Camaban dissera-lhe que Derrewyn estava grávida e ele perguntava a si mesmo se não teria já dado à luz. Gostaria de saber se ela se reconciliara com Lengar, se se lembrava do tempo com ele, antes da morte de Hengall.

 

Em que pensas? perguntou Aurenna.

 

Em nada respondeu Saban. Em nada.

 

Na noite seguinte, Saban reuniu-se com os sacerdotes para irem ver até onde chegava a sombra da pedra no templo de Aurenna. Scathel cuspiu-lhe e em seguida inclinou-se para observar que faltavam ainda dois dedos para chegar à pedra central. Saban teve vontade de apanhar um maço para martelar a superfície do pilar, mas preferiu rezar, apercebendo-se ainda, enquanto implorava a Slaol, que as suas preces eram em vão. Procurou presságios, mas não encontrou nenhum que fosse bom. Viu um melro voando de asas abertas e pensou que fosse um bom augúrio, porém apareceu um falcão que fez saltar um tufo de penas e salpicos de sangue.

 

Faltava um ou dois dias para o Solstício e o Sol continuava a brilhar, embora os pescadores, colocando as suas oferendas de algas e peixe diante do santuário de Malkin, jurassem que o deus da tempestade estava agitado. Camaban subiu o monte, encontrou-o brilhante de erva-leiteira e orquídeas pintalgadas de carmesim e afirmou ter visto uma linha acastanhada no horizonte, a ocidente; porém, essa ameaça longínqua nem por sombras provocou um entusiasmo semelhante ao da chegada de cinco jovens que tinham feito parte do grupo de guerreiros que acompanhara Lengar a Ratharryn. Os cinco lanceiros tinham feito uma longa viagem, escondendo-se nos bosques, de modo a evitar tribos hostis, estavam fracos e cansados quando chegaram à aldeia.

 

Nessa noite Kereval ordenou uma festa de boas-vindas e, depois dos jovens guerreiros terem comido, o povo da tribo reuniu-se para ouvir as notícias que traziam. Juntaram-se à entrada da grande cabana de Kereval, ao longo da cova que Scathel abrira para Saban; os homens da tribo acocoraram-se junto aos que iam contar a história e as mulheres ficaram mais atrás. Já conheciam o êxito de Lengar ao tomar Ratharryn ao pai, mas agora os cinco homens falavam de um ano de batalhas que tinham ocorrido nas terras altas entre Ratharryn e Cathallo. Disseram que as tropas de Ratharryn, reforçadas pelo bando guerreiro de Sarmennyn, infligiram uma série de derrotas a Cathallo. Oito homens de Sarmennyn morreram nas escaramuças, havendo mais dez feridos; havia baixas entre os homens de Ratharryn, mas as de Cathallo eram inúmeras.

 

A grande feiticeira morreu este Inverno explicou um dos guerreiros. E esse presságio fê-los esmorecer.

 

E Kital, o chefe deles? perguntou Saban.

 

Kital de Cathallo morreu respondeu o espadachim. Foi chacinado por Vakkal numa das batalhas. Os ouvintes batiam com os cabos das lanças no chão seco para mostrar o prazer que sentiam em saber que um herói de Sarmennyn tinha matado o chefe do inimigo.

 

O seu sucessor enviou-nos inúmeros presentes na esperança de paz.

 

Foram aceites? quis saber Kereval.

 

Em troca de uma aldeia chamada Maden.

 

Onde estão os presentes? perguntou Scathel.

 

Metade deles foram guardados respondeu o guerreiro. Mais tarde serão trazidos para Sarmennyn.

 

Houve ainda maior contentamento com estas novidades, mas Scathel silenciou os sinais de aprovação e ergueu-se em toda a sua altura.

 

E o nosso ouro? perguntou aos cinco guerreiros. Lengar de Ratharryn mandou algum ouro convosco?

 

Não confessou o chefe dos jovens. Mas mostrou-no-lo.

 

Mostrou-vo-lo? Mas que bondade a sua! Scathel falava em tom irónico.

 

O sumo sacerdote honrara a festa vestindo uma ampla capa de lã com centenas de penas de gaivota presas nela, de modo que parecia abafado em branco e cinzento. Prendera o cabelo escorrido com uma fita de couro onde colocara mais penas, enquanto à volta do pescoço trazia um colar de pequenos ossos.

 

O ouro de Erek está em exposição em Ratharryn! exclamou com desprezo. Todo?

 

Esta última pergunta fora feita em tom zangado e provocara um silêncio expectante na multidão de ouvintes. Os cinco homens pareciam desconcertados.

 

Nem todo confessou o chefe pouco depois. Havia apenas três peças das maiores.

 

E algumas das mais pequenas tinham também desaparecido acrescentou outro guerreiro.

 

Desaparecido para aonde? perguntou Scathel em voz furiosa.

 

Antes de chegarmos respondeu o primeiro essas peças tinham sido entregues por Hengall.

 

Entregues a quem? perguntou Kereval chocado.

 

A Cathallo.

 

E quando derrotastes Cathallo rugiu Scathel não exigistes a devolução do ouro?

 

Afirmaram que o ouro desapareceu disse o jovem com ar infeliz.

 

Desapareceu? gritou Scathel. Desapareceu! Voltou-se para Kereval numa fúria cega. O chefe, dizia, tinha sido estupidamente crédulo. Acreditara nas promessas de Lengar, enquanto parte do precioso ouro tinha sido já espalhado como porcaria de passarinho. E quanto mais não seria desperdiçado? A multidão estava agora toda do lado de Scathel. Em breve Lengar sentir-se-á em segurança gritou Scathel. Obrigou o inimigo implorar a paz e logo deixará de precisar dos nossos homens! Vai matá-los e ficar com o ouro. Mas nós temo-lo! Apontou para Saban. Posso fazer Lengar de Ratharryn pedir misericórdia. Posso fazê-lo suar à noite, posso enchê-lo de dores, posso fazer bolhas saírem-lhe da pele, posso cegá-lo! Primeiro um olho, depois o outro, depois as mãos, depois os pés e, por fim, antes de lhe tirar a vida, a virilidade. Pensais que Lengar não implorará às águias que nos tragam o ouro, quando vir as feridas aparecer na sua carne podre? Os homens aclamaram este discurso, batendo com os cabos das lanças no solo. Kereval ergueu a mão para ordenar que se fizesse silêncio.

 

Lengar prometeu devolver-nos o tesouro? perguntou aos cinco guerreiros.

 

Disse que o trocaria pelo nosso templo respondeu o chefe.

 

Já escolheste o templo? perguntou Kereval a Camaban. Camaban pareceu surpreendido por ter sido chamado, como se não tivesse dado pela acalorada discussão.

 

Com certeza que hei-de encontrar um, disse com ar distraído.

 

Mas se o encontrares disse Scathel a Camaban em tom de escárnio e se o levares, o teu irmão devolve-nos o ouro?

 

Camaban acenou afirmativamente ao sumo sacerdote.

 

Concordou em fazê-lo.

 

Concordou disse Scathel. Concordou! Mas nunca nos disse que parte do nosso ouro já tinha desaparecido! Que mais nos esconderá? Que mais?

 

E com esta pergunta o sacerdote escanzelado baixou-se de súbito metendo a cabeça entre as mãos, de modo que o seu longo cabelo arrastava pelo chão. Gemeu durante algum tempo, aparentemente estrebuchando de dor e a multidão sustinha o fôlego, sabendo que ele estava a falar com Erek. Saban olhou ansiosamente para Camaban, perguntando a si próprio porque seria que o irmão não fazia uma exibição igual, mas este limitou-se a bocejar uma vez mais.

 

Scathel lançou a cabeça para trás e uivou ao céu claro da noite.

 

O uivo transformou-se num leve gemido e os olhos do sacerdote reviraram-se de modo que só se lhes via o branco.

 

O deus fala! dizia ofegante numa voz rouca. Fala!

 

Saban tentava afastar o terror, suspeitando, com razão, de qual seria a mensagem do deus. Olhou de novo para Camaban, mas este apanhara um gatinho vadio e catava-lhe despreocupadamente as pulgas do pêlo.

 

Precisamos de sangue! gritou Scathel e ao dizer estas palavras apontou para Saban. Segurem-no!

 

Uma dúzia de guerreiros competiu entre si para segurar Saban, que nem tivera tempo de se defender. Haragg tentou afastar alguns homens, mas foi deitado abaixo com o golpe do cabo de uma lança. Cagan rugiu e carregou em socorro do pai, de tal modo que foram precisos seis homens para aquietar o gigante mudo, segurando-o de barriga para baixo junto à cova. Saban debatia-se, mas os lanceiros prendiam-no com força, de encontro à parede da cabana de Kereval. Ignoraram os protestos do chefe, pois a notícia de que parte do ouro de Erek tinha desaparecido enchera-os de raiva.

 

O sumo sacerdote deixou cair a capa de penas de gaivota. Ficou nu.

 

Erek! gritou. Aquilo que fizer a este homem, faço-o ao seu irmão! Saban nada podia fazer senão ver Scathel caminhar para ele.

 

Lia-se o triunfo no rosto do sacerdote, triunfo e emoção, de modo que Saban percebeu que Scathel tinha prazer naquela crueldade. Camaban ignorava o confronto, fazendo cócegas no pescoço do gatinho, enquanto Scathel pegava na lâmina de sílex pertencente a um dos sacerdotes.

 

Arranca o olho de Lengar! gritou Scathel ao deus, enquanto estendia a mão esquerda e agarrava uma madeixa de cabelo de Saban. Os lanceiros seguraram-no com mais força e Saban apenas se esforçava por voltar o rosto à aproximação da lâmina.

 

Não! gritou a voz de Aurenna.

 

A faca estremeceu como uma sombra enorme junto aos olhos de Saban.

 

Não! disse Aurenna de novo. Enquanto eu viver, não! Scathel fez um ruído sibilante e voltou-se para ela.

 

Enquanto eu viver, não repetiu calmamente. Atravessara a multidão e enfrentava Scathel com ousadia. Poisa a faca.

 

O que te é ele a ti? perguntou Scathel.

 

Conta-me histórias disse Aurenna. Olhava Scathel nos olhos e Saban, que pensava que o sacerdote era alto, via agora que a noiva do Sol ficava quase ao mesmo nível. Enfrentava-o no seu esplendor branco e dourado, de costas direitas e rosto calmo, como de costume. Quando for ter com o meu esposo disse ao sacerdote ele vos enviará um sinal acerca do ouro.

 

O rosto de Scathel contorceu-se. Estava a receber ordens de uma jovem, porém tratava-se de uma deusa, de modo que nada podia fazer, excepto obedecer; assim, inclinou a cabeça com dificuldade e afastou-se.

 

Metam-no na cova ordenou aos lanceiros. Mas Aurenna intercedeu de novo.

 

Não! disse. Ele ainda tem histórias para me contar.

 

Tem de ir para a cova! insistiu Scathel.

 

Não, até eu partir disse Aurenna e olhou Scathel nos olhos até ele ceder. Fez sinal aos lanceiros para soltarem os braços de Saban.

 

Na tarde seguinte o pilar do templo da noiva do Sol não tinha sombra, pois o céu a oeste encontrava-se cheio de nuvens. Porém, de todas as maneiras, os sacerdotes decidiram que era tempo.

 

Sairiam de madrugada para o Templo do Mar e ao fim da tarde lançariam Aurenna no fogo.

 

Naquela noite levantou-se um vento que se metia por entre o colmo e agitava as árvores. Saban estava estendido na sua pele, cheio de infelicidade e poderia jurar que não tinha dormido, todavia não vira nem ouvira Camaban escapar-se silenciosamente da cabana a meio da noite.

 

Camaban foi ao santuário de Malkin e aí orou ao deus do tempo. Orou durante muito tempo, enquanto o vento soprava por entre a paliçada da aldeia e salpicava de branco as pequenas ondas do rio. Inclinou-se diante do deus, beijando os pés negros do ídolo e voltou para a cabana de Haragg, onde se enrolou numa capa de pele de urso. Escutou o ressonar de Cagan, ouviu Saban gemer no sono e fechou os olhos, pensando no templo da montanha, o Templo das Sombras: viu-o o transportado como que por magia até à colina verde perto de Ratharryn, viu o deus do Sol lá em cima, enorme e brilhante, abraçando tudo, e começou a chorar, pois sabia que poderia fazer feliz o mundo a menos que disso fosse impedido por alguns imbecis. E havia tantos! Mas depois, também ele adormeceu.

 

Saban foi o primeiro a acordar, de madrugada. Rastejou até à entrada da cabana e viu que o bom tempo tinha terminado. O vento agitava o cimo das árvores e as nuvens cinzento-escuras corriam sobre os montes.

 

Está a chover? perguntou Camaban.

 

Não.

 

Dormiste bem?

 

Não.

 

Eu sim afirmou Camaban. Toda a noite!

 

Saban não conseguia suportar a alegria do irmão, de modo que saiu para fora, onde a tribo recém-acordada se preparava para o dia e para a noite que tinha diante de si. Levariam sacas de comida e odres com água para o Templo do Mar, pois a cerimónia durava a maior parte do dia e quando a noiva partisse para as chamas iriam dançar à volta do templo até a fogueira arrefecer o suficiente para os ossos carbonizados de Aurenna serem retirados e desfeitos em pó.

 

Kereval, envolto numa capa de pele de castor e trazendo na mão uma enorme lança com uma cabeça de bronze polido, ordenou aos lanceiros que abrissem o porão da aldeia. Os guerreiros tinham pintado os rostos com ocre vermelho e atado os cabelos com tiras de pele. Naquele dia ninguém pescava. Quase toda a tribo iria para o Templo do Mar. O povo de todo Sarmennyn iria reunir-se para enviar a noiva do Sol na sua viagem. Haragg assistia aos preparativos e depois, incapaz de os suportar, voltou-se abruptamente.

 

Vem caçar comigo disse a Saban.

 

O teu irmão não me deixa disse Saban, apontando para os lanceiros que o vigiavam a mandado de Scathel.

 

Naquele dia Saban tornar-se-ia refém do sumo sacerdote. Perguntava a si próprio porque não teria fugido para oriente durante a noite, mas sabia que fora por causa de Aurenna. Amava-a e não era capaz de a deixar, mesmo que ficando, nada pudesse fazer em seu auxílio.

 

Haragg e Cagan atravessaram o rio num barco feito de um tronco e desapareceram por entre as árvores. Momentos depois, Scathel surgiu da cabana grande de Kereval. O sumo sacerdote trazia a sua capa de penas que se entufava e estremecia ao vento. Tinha o cabelo empastado de lama vermelha e um colar com dentes de monstro marinho à volta do pescoço. De um cinto pendiam-lhe duas facas embainhadas. Leckan, o segundo sacerdote mais velho, trazia uma capa curta feita de pele humana escurecida; os rostos de dois homens esfolados pendiam-lhe nas costas com os cabelos a arrastar pelo chão. Outro sacerdote trazia uma armação de veado na cabeça. Saíram da cabana a dançar e a tribo, que os esperava, começou a arrastar os pés de um lado para outro. Um tocador de tambor marcou o ritmo, que foi seguido pelo movimento dos pés, enquanto alguém começava a cantar. Camaban participou na dança. Vestia uma capa de pele de veado e pintara a cara com traços de fuligem. Scathel apontou para Saban.

 

Levem-no! ordenou e uma dúzia de guerreiros pintados de vermelho rodeou Saban com as suas lanças. Conduziram-no até à beira da cova, mas antes de o lançarem lá para dentro Aurenna apareceu.

 

Tinha o rosto pálido cansado e sombrio; um novo vestido de lã envolvia-lhe o corpo alto e o ouro substituto cintilava-lhe no peito e no pescoço. Trazia o cabelo penteado liso, mas o vento imediatamente o levantou enquanto se dirigia para os sacerdotes que dançavam. Não olhou para Saban, mantendo os olhos no chão e, depois, quando Scathel a chamou, voltou-se obediente na direcção da entrada. A multidão suspirava e os dançarinos avançaram para se juntar ao cortejo que a levaria ao Templo do Mar.

 

Scathel acenou aos lanceiros que guardavam Saban; dois deles puxaram-lhe a capa dos ombros, enquanto um terceiro lhe enfiava uma faca na túnica, rasgando-lha de alto a baixo, afastou depois a peça de vestuário deixando o rapaz nu.

 

Salta! ordenou o lanceiro.

 

Saban olhou uma última vez à sua volta. Camaban não olhara para ele e Aurenna tinha já saído o portão; depois, o lanceiro impaciente ameaçou-o e ele, resignado, saltou para a cova que lhe iria servir de prisão. Era funda, e o impacto tornou a queda dolorosa. Quando se levantou, viu que não chegava à beira da cova. O grande entrançado de ramos foi colocado sobre a sua prisão e apertado com pregos de madeira, que foram espetados na terra.

 

Depois só se ouvia o suspiro do vento e o som do tambor que se afastava à medida que a tribo saía da aldeia. Um dos dois lanceiros que tinham sido deixados de guarda a Saban atirou-lhe um odre de água pelo entrançado de ramos e foi-se embora, deixando-o enrolado num canto, abraçando os joelhos e com a cabeça encostada a um braço.

 

Aurenna morreria. E ele seria torturado, ficaria cego e aleijado. Porque o ouro fora para Ratharryn.

 

Em Ratharryn os sacerdotes tinham também determinado que aquele era o dia do Solstício, de modo que, à medida que o crepúsculo se aproximava, a tribo acendia as fogueiras e preparava-se para a dança do boi e para saltar as chamas. Derrewyn ignorava esse entusiasmo. Estava acocorada num canto da cabana de Lengar, escondida dos homens por uma cortina de couro. Estava nua. Lengar insistia que assim fosse, pois agradava-lhe humilhá-la e chamava-lhe a prostituta de Cathallo. Era esposa de Lengar, obrigada a casar com ele no templo de Slaol, mas nas últimas luas, qualquer dos amigos dele a podia mandar chamar e Derrewyn teria de ir ou arriscava-se a ser espancada. Tinha cicatrizes no rosto, nos ombros e nos braços, onde lhe tinham batido quando estavam embriagados. Jegar era o pior de todos, pois ela troçara dele. Troçava de todos e fora essa a sua maior defesa. Agora, acocorada e escondida pela cortina, ouvia os três homens falar enquanto sentia a criança mexer-se no seu ventre. Sabia que o filho era de Lengar e tinha a certeza de que seria um rapaz. Nasceria dentro de duas ou talvez três luas. Os homens tinham menos interesse nela, agora que estava grávida, mas mesmo assim insultavam-na. Porém nenhum deles detectara a raiva crescente que ardia dentro de si. Pensavam tê-la derrotado.

 

Os três homens que estavam na cabana, Lengar, Jegar e Vakkal, falavam de Cathallo. Vakkal era o chefe guerreiro de Sarmennyn que ajudara Lengar a tomar o poder; exibia agora cicatrizes azuis como os guerreiros de Ratharryn e falava a língua deles. Era outro dos que tinham autorização para mandar buscar Derrewyn sempre que o desejasse, privilégio dos amigos de Lengar. Ouvia-o declarar que Cathallo estava pronta a ser derrotada. A tribo nunca recuperara da morte de Sannas e com ela fora-se a feitiçaria que Lengar acreditava ter mantido a aldeia em segurança. Assim, no fim do Verão, dizia Lengar, Ratharryn atacaria de novo Cathallo, só que desta vez queimariam a aldeia do inimigo. Deitariam abaixo o grande templo, nivelariam o Monte Sagrado e urinariam no túmulo dos seus antepassados.

 

Ouviste, prostituta? gritou Jegar. Derrewyn não respondeu. A prostituta está amuada continuou, e Derrewyn ouviu-lhe a voz arrastada e ficou a saber que ele estava a beber o licor dos Fronteiriços.

 

Naquela noite, dizia Vakkal, queimariam a noiva do Sol em Sarmennyn.

 

Talvez devêssemos queimar Derrewyn sugeriu Jegar.

 

Slaol não a quereria afirmou Lengar. Se mandássemos uma prostituta, Slaol voltava-nos as costas.

 

Também não nos vai agradecer se esta noite não virmos o pôr do Sol disse Vakkal.

 

As fogueiras já ardiam nos campos de Ratharryn e os homens-boi esperavam para dançar por entre os postes de madeira do templo de Slaol.

 

Temos de ir disse Lengar. Tu, prostituta, ficas aqui! gritou para trás da cortina, para Derrewyn, deixando um dos seus jovens guerreiros na cabana para guardar os tesouros escondidos por baixo do chão e sob montanhas de preciosas peles. Se a prostituta te der que fazer, bate-lhe disse Lengar ao jovem lanceiro.

 

O lanceiro instalou-se junto do lume. Era muito jovem embora possuísse já duas cicatrizes azuis, que representavam dois guerreiros de Cathallo que dizimara numa batalha nos montes acima de Maden. Como a maior parte dos jovens da tribo, admirava Lengar, pois o novo chefe tornara temidos os lanceiros de Ratharryn e ricos os seus apoiantes. O jovem sonhava possuir muito gado e esposas. Sonhava com uma grande cabana só para si e cânticos heróicos acerca dos seus feitos.

 

Um som fê-lo voltar a cabeça e viu Derrewyn aparecer detrás da cortina. Estava de joelhos e quando o guerreiro olhou para ela, inclinou a cabeça com ar submisso. Tinha penteado o longo cabelo e pendurado ao pescoço um pendente de âmbar, mas de resto estava nua. Mantinha os olhos baixos e gemia, avançando de joelhos. O lanceiro olhou instintivamente para a porta a ver se alguém estava a olhar, mas não havia vivalma. Apenas os velhos e os doentes tinham ficado em Ratharryn; o resto do povo estava no templo de Slaol, onde os homens-boi cobriam as raparigas em honra do deus do Sol.

 

O lanceiro viu Derrewyn aproximar-se. O fogo empalidecia as sombras dos seus pequenos seios e iluminava-lhe o ventre inchado. Depois olhou para ela com uma intensa tristeza nos seus grandes olhos. Gemeu de um modo que inspirava piedade, depois avançou para o calor da fogueira. O guerreiro franziu a testa.

 

Tens de voltar para trás disse nervoso.

 

Abraça-me implorou ela. Sinto-me só. Abraça-me.

 

Tens de voltar para trás! insistiu ele. Receava que o ventre inchado e luzidio rebentasse se usasse a força para a fazer recuar para dentro da cabana.

 

Abraça-me repetiu ela, afastando a lança e passando-lhe o braço esquerdo pelo pescoço. Por favor, abraça-me.

 

Não disse ele. Não. Porém estava demasiado assustado para a empurrar de maneira que a deixou puxar a cabeça para junto da sua. Sentiu-lhe o cheiro do cabelo. Tens de voltar para trás.

 

Derrewyn meteu a mão entre as coxas onde escondera a faca de bronze, de lâmina curta e erguendo-a, enfiou-lha no ventre; os olhos do lanceiro abriram-se muito, ofegou enquanto ela lhe girava a faca nas entranhas, fazendo-a subir pela cinta de músculos sob os pulmões até ao emaranhado de canais junto ao coração, e fê-lo de tal forma que sentiu o jorro quente do sangue correr-lhe sobre o pulso e as coxas. Ele tentava afastá-la, mas perdera as forças. Derrewyn ouviu-lhe o gorgolejar na garganta e viu os olhos do rapaz tornarem-se sombrios. Sentiu então a sua primeira alegria desde o regresso de Lengar, era como se tivesse sido percorrida pelo espírito irrequieto de Sannas; a ideia fê-la ficar muito quieta, mas quando o peso do morto caiu sobre ela, soltou a faca ensanguentada e empurrou-o para o lado, de modo a que a cabeça lhe caísse dentro da fogueira. O cabelo gorduroso, pois tinha passado nele as mãos depois de comer, estalava e rebrilhava na penumbra.

 

Derrewyn atravessava agora a cabana. Dirigiu-se ao monte de peles que servia de cama a Lengar, afastou-as para o lado e começou a escavar o solo com a lâmina suja de sangue. Abriu o solo, revolvendo-o até que a faca bateu no couro. Depois afastou a terra e ergueu a bolsa à luz da fogueira.

 

Lá dentro estava um dos losangos grandes de Sarmennyn e dois dos mais pequenos. Tivera esperanças de que todo o ouro ali estivesse, mas Lengar devia ter dividido o tesouro e escondido as outras peças noutro local da cabana. Por momentos pensou em destruí-la, revolvendo as peles e escavando a terra, mas com certeza que aquelas três peças seriam suficientes.

 

Vestiu uma túnica de Lengar, enfiou uns sapatos de couro nos pés e tirou a preciosa espada de bronze do marido, que estava pendurada num dos postes da cabana. Pegou na bolsa com as três peças de ouro e dirigiu-se à porta, onde se deteve. Ainda não estava completamente escuro, mas não via ninguém, de modo que agarrou as dobras da túnica e meteu a cabeça por baixo do lintel.

 

Havia lanceiros a guardar os dois caminhos que atravessavam a grande barreira de Ratharryn, pelo que Derrewyn correu para o fosso que ficava a meio caminho das entradas. Como chovera nesse Verão, o fundo estava lamacento; atravessou-o a chapinhar e depois trepou a grande barreira, caminhando lentamente, de forma a misturar-se com as sombras e, ou os guardas das entradas não viram Derrewyn, ou naquela noite Lahanna olhava por ela, pois chegou ao cimo sem que dessem por ela. Aí deteve-se um momento, voltando-se para ver o Sol brilhar por uma fenda entre as nuvens que obscureciam todo o horizonte a sudoeste. A tribo dançava em volta dos postes do templo, enquanto ao longe, nas terras mais altas, o novo Templo do Céu estava mais uma vez deserto.

 

Voltou-se para o Sol, proferindo um ruído sibilante como o de um gato. Lengar adorava Slaol, de modo que Slaol era inimigo de Derrewyn; encolheu-se por entre as caveiras que encimavam a barreira e cuspiu para o Sol que transformara as nuvens arroxeadas em vermelho e ouro. Depois, instantaneamente, o brilho desapareceu.

 

Derrewyn desapareceu com ele. Deslizou pela barreira exterior, através das árvores escuras, até chegar ao rio, onde voltou para norte e quando passou pela ilha onde pela primeira vez se deitara com Saban, lembrou-se dele, mas não havia vestígios de afecto naquela recordação. O afecto abandonara-a, juntamente com a bondade, o riso e a piedade, arrastados pelas lágrimas. Transformara-se na prostituta de Cathallo e agora trataria da vingança da sua tribo.

 

Dirigiu-se para norte enquanto caía a curta noite do Solstício.

 

Mais tarde, muito mais tarde, ouviu cães a ladrar atrás dela, mas metera-se no rio e os cães não podem seguir um espírito pela água, e assim Derrewyn sabia que estava livre. Tinha ainda de passar pelos lanceiros da guarnição de Maden e de atravessar os pântanos, mas sentia-se confiante, pois Lahanna brilhava sobre ela e tinha na mão parte do precioso poder do Sol para oferecer à deusa.

 

Fugira, carregava o filho de Lengar e agora faria a guerra.

 

Em Sarmennyn começara a chover à tarde. Levantara-se vento, a chuva era mais forte e debaixo do entrançado de ramos Saban via que o Sol estava agora de um cinzento turbulento com algumas nuvens negras. O vento agitava o colmo das cabanas e a chuva começava a inundar a cova.

 

Quando soou o primeiro trovão, Saban lançou a cabeça para trás e gritou ao seu deus, depois escavou os lados encharcados até conseguir soltar uma pedra aguçada que utilizou para fazer um degrau no solo. Arrancou um segundo degrau, depois um terceiro e tentou subi-los, mas os pés nus escorregavam na terra molhada e caía constantemente na água cada vez mais alta.

 

Soluçou, frustrado, pegou de novo na pedra e tentou aumentar os degraus. A água subira-lhe já até aos tornozelos. A chuva fustigava o entrançado de ramos e pingava-lhe no rosto, o vento fazia um ruído constante e tão alto, que não ouviu quando o entrançado foi retirado do cimo da cova. Só se apercebeu que ia ser salvo quando viu que alguém lhe baixava uma capa encharcada e a voz de Haragg lhe gritou que a agarrasse.

 

Saban viu Haragg e Cagan na penumbra, por cima de si. Agarrou-se à capa e Cagan puxou-o como se fosse uma criança, balançando-o para o tirar da cova e fazendo-o cair na relva. Ali ficou, encharcado e a tremer, olhando para as nuvens de tempestade vindas do mar para assolar e castigar a costa. As árvores vergavam-se ao vento uivante, enquanto dos telhados das casas voavam braçadas de colmo que eram lançadas para o outro lado do rio. Não havia sinais dos homens deixados de guarda a Saban.

 

Temos de ir disse Haragg, erguendo Saban da relva, mas este recusou a mão do amigo. Dirigiu-se à cabana de Kereval e afastou a cortina, quase esperando encontrar aí os guardas; mas a cabana estava vazia, de modo que se enxugou rolando sobre uma pele enorme e vestiu uma túnica de pele de veado.

 

Haragg seguira-o até à cabana.

 

Temos de ir repetiu.

 

Ir aonde?

 

Para longe. Aqui só há loucura. Temos de te afastar de Scathel.

 

É a loucura de Erek disse Saban, servindo-se de umas botas e de uma capa, bem como de uma das espadas de lâmina de bronze pertencentes a Kereval. Temos de ir ao Templo do Mar disse a Haragg.

 

Para a ver morrer? perguntou Haragg.

 

Para ver que sinal Erek envia respondeu Saban e empurrou a cortina de couro, olhando para a chuva torrencial. Um dos lanceiros estava agora no centro da aldeia, espreitando para a cova vazia. Quando se voltou para chamar o companheiro, viu Saban e correu para ele de arma em riste.

 

Tens de voltar para a cova! gritou, mas as suas palavras perderam-se na fúria do vento.

 

Saban ergueu a lança. O guarda abanou a cabeça, como que para indicar que não tinha intenção de apunhalar Saban, mas que queria simplesmente que ele entrasse de livre vontade na cova de Scathel. Porém, enquanto o guarda investia para o evitar, Saban dirigiu-se para entrada, acabando por lhe derrubar a lança. Sentiu-se de súbito vencido por todas as frustrações das últimas semanas, pela impotência de ter de ver Aurenna dirigir-se placidamente para a morte, e isto fê-lo erguer a lança contra o guarda como se fosse um machado de modo a atingi-lo no rosto. O sangue jorrou e foi espalhado pelo vento como um aguaceiro vermelho. Saban, gritando de fúria, mergulhou a lança no ventre do homem fazendo-o cair na lama, calcando-o depois com a bota para soltar a arma.

 

Depois fugiu, seguido de Haragg e Cagan.

 

Saban não fugia com medo do espírito do moribundo, mas porque o longo dia estava a terminar, apesar da escuridão ser aparentemente provocada pela tempestade e não pelo pôr de Sol. Parecia-lhe que aquela tempestade era semelhante à que trouxera o ouro para Ratharryn, a tempestade que causara a guerra entre os deuses. Saban vacilava empurrado pelas rajadas de vento. A capa quase lhe fora arrancada e batia-lhe nos ombros como a monstruosa asa de um morcego; desfez o nó dos atilhos e viu a cobertura de couro afastar-se através de uma terra cheia de água. Avançou à chuva, quase cego e surdo devido ao vento.

 

Chegou aos montes sobranceiros ao mar e olhou espantado para o oceano, que tentava desfazer a terra em bocados. As vagas eram irregulares, esbranquiçadas e da altura de montanhas, a rebentação batia nas rochas, saltando a seguir até às nuvens negras, antes de voar para terra, impelida pelo vento. Saban prosseguia com a cabeça baixa, mordido pelo sal castigado pelo vento; o céu parecia mais escuro que nunca. Haragg e Cagan acompanhavam-no. Certamente naquele dia Slaol não seria visto e Saban pensou que, talvez, nunca mais o pudessem observar. Talvez fosse o fim do mundo; a ideia fê-lo gritar.

 

Um golpe de luz percorreu o mar, tornando o mundo preto e branco, depois soou o ribombar do trovão e Saban gemeu, temendo os deuses. Subia uma pequena colina e ao chegar ao cume, a luz rasgou de novo o céu, permitindo-lhe ver lá em baixo o Templo do Mar. Ao princípio pensou que estava deserto, mas depois divisou a multidão que se espalhara pelos campos, em busca de abrigo junto às pedras caídas. Apenas alguns homens se encontravam no interior do círculo e a sua presença chamou a atenção de Saban. Haragg e Cagan ficaram no cimo do monte, ao abrigo dos blocos de pedra.

 

Um mar enorme quebrava-se, indiferente, na base do rochedo, enquanto a espuma se erguia até acima, molhando as pedras do templo. No rebordo onde deveria ter sido acesa a enorme fogueira, apenas se divisavam rolos de vapor ou fumo. Os sacerdotes e os lanceiros acocoravam-se dentro do anel de pedra e, ao aproximar-se a correr, Saban viu que o vestido branco de Aurenna se encontrava entre eles.

 

Ainda estava viva.

 

Os lanceiros transportavam lenha para a beira do rochedo, atirando a madeira molhada para dentro da fogueira. Scathel gritava, as penas arrancadas das vestes pela fúria do vento e, se deu pela chegada de Saban, não reagiu. Kereval parecia aborrecido, receoso daquele presságio.

 

Camaban viu Saban e foi nessa altura que realizou os rituais. Arrastou Aurenna para o princípio da avenida que conduzia à fogueira, retirou a faca do cinto e cortou as peças de ouro que Kereval trouxera em substituição dos tesouros perdidos de Erek. Aurenna parecia estar em transe. Scathel caminhou contra o vento, para protestar com Camaban, mas este respondeu-lhe aos gritos e foi Scathel que recuou, enquanto Saban chegava junto ao irmão.

 

Tem de ir para a fogueira! gritou Camaban.

 

Não há fogueira!

 

Tem de ir para a fogueira, imbecil! gritou Camaban, agarrando na gola do vestido branco e encharcado de Aurenna, rasgando-o de alto abaixo com a faca.

 

Saban agarrou no braço do irmão para o deter, mas Camaban afastou-o.

 

É assim que se faz! gritou Camaban, sobre a fúria da ventania. E tem de ser feito devidamente! Não percebes? Tem de ser feito devidamente!

 

De súbito, Saban entendeu. Aurenna tinha de cumprir o seu dever e encaminhar-se para a fogueira; se não houvesse lume, a culpa não era sua. Saban afastou-se então para ver o irmão abrir o vestido de Aurenna. A pesada lã batia violentamente ao vento enquanto era cortada e Camaban puxou o vestido com força, até este cair aos pés da jovem, deixando-a nua.

 

Assim tinha de ser, porque era nua que uma noiva ia ter com o seu esposo e chegara a altura de Aurenna se reunir com Slaol. Camaban gritava-lhe: ”Caminha! Caminha!” E Aurenna assim fazia, embora com dificuldade, pois os elementos lutavam contra o seu corpo esguio; mesmo assim, como que em transe, esforçou-se por avançar, seguida de perto por Camaban, que a incentivava, enquanto os sacerdotes, horrorizados, observavam a cena do anel de pedra do templo.

 

Algum fumo ou vapor subia ainda do cimo do rochedo para se transformar em nada. Saban caminhava paralelamente a Aurenna, mas fora das pedras que marcavam a avenida sagrada, sentindo que o vento parecia ainda mais violento quando se aproximaram da beira. Os pés dela escorregavam na turfa molhada e o seu cabelo encharcado esvoaçava, mas mesmo assim curvava-se obediente, enfrentando a tempestade.

 

Continua! gritava-lhe Camaban. Continua!

 

Saban viu que na beira do rochedo havia ainda restos de lume sobre a madeira. A pilha de lenha era enorme, devendo ter sido acesa ao meio-dia e alimentada com qualquer combustível, de modo a que o calor fosse muito intenso; todavia, o vento, os salpicos e a chuva tinham-no diminuído, vencido e reduzido a troncos molhados e enegrecidos, embora no meio, lá muito fundo, algumas brasas lutassem ainda contra a tempestade.

 

Pronto! gritou Camaban exultante. Pronto!

 

Saban e Aurenna ergueram ambos a cabeça e viram que o horizonte a sudoeste não estava totalmente negro, havendo no céu uma pequena ferida vermelha. Ali estava o deus do Sol. Vigiava e o seu sangue aparecia por entre as nuvens.

 

Agora salta! gritou Camaban a Aurenna. O martelar de um trovão ensurdeceu o mundo. Os relâmpagos percorriam os rochedos. Salta! gritou de novo Camaban e Aurenna gritou assustada ou talvez triunfante, enquanto saltava da beira do rochedo, para cair sobre os restos da fogueira encharcados pela chuva e pela água do mar. Vacilou ao cair, desequilibrando-se com o vento e por causa dos carvões que rangiam debaixo dos seus pés; depois caiu sobre o rochedo, Saban viu um último penacho de fumo e de repente já não havia fogo. Aurenna fizera o que lhe era devido, mas o deus rejeitara-a.

 

Saban saltou para o parapeito. Despiu a sua túnica e enfiou-a pela cabeça de Aurenna. Esta parecia incapaz de erguer os braços, de modo que ele puxou o pano para lhe abrigar o corpo da chuva. Foi então que ela olhou para ele e ele rodeou-a com os seus braços nus, apertando-a contra si; depois ela, exausta, soluçou-lhe no ombro sobre o mar tempestuoso.

 

Mas estava viva. Tinha feito o que lhe era devido e a desgraça chegara a Sarmennyn.

 

A tempestade começou a perder força. O mar ainda batia nos rochedos desfeito em espuma na penumbra do ar, mas o temporal reduzira-se a algumas rajadas e a chuva caía mais calmamente.

 

Saban ajudou Aurenna a erguer-se no cimo do rochedo. Esta tinha metido os braços nas mangas da túnica e agora agarrava-se a ele como que num sonho.

 

Ela entrou na fogueira! gritava Camaban aos sacerdotes. Haragg descera do monte e juntou a sua voz à de Camaban.

 

Entrou!

 

Kereval parecia desgostoso. Acreditava-se que o destino da noiva do Sol previsse a sorte da tribo no ano seguinte e nunca ninguém vira uma noiva entrar na fogueira e de lá sair.

 

Scathel gritava agonizante e, na sua fúria, pegou na lança de um dos guerreiros e avançou para Camaban.

 

Foste tu! vociferou. Foste tu! Trouxeste a tempestade! Viram-te no santuário de Malkin ontem à noite! Trouxeste a tempestade! Nessa altura, uma dezena de guerreiros juntou-se ao sumo sacerdote, avançando para Camaban com a morte estampada nos rostos.

 

Saban tinha largado a lança para ajudar Aurenna, que agora se agarrava a ele; assim nada podia fazer para salvar o irmão. Porém, Camaban não precisava de ajuda.

 

Limitou-se a erguer uma mão.

 

Nela tinha um losango dourado. O maior, que viera da cabana de Sannas.

 

Scathel deteve-se. Olhou para a peça de ouro e em seguida ergueu a mão para imobilizar os lanceiros.

 

Queres que atire o tesouro ao mar? perguntou Camaban. Abriu a outra mão para mostrar onze pequenos losangos. Não me importo! riu-se de súbito, como se estivesse louco. O que é para mim o ouro de Erek? O que é para ti? perguntou num guincho. Tu deixaste-o ir, Scathel! Nem conseguiste guardar os teus tesouros! Deixa-os ir outra vez! Devolve-os ao mar. Voltou-se, fingindo que os ia atirar ao vento, agora mais fraco.

 

Não! implorou Scathel. Camaban voltou-se.

 

Porque não? Perdeste-o, Scathel! Tu, miserável estrume de lagarto, perdeste o ouro de Erek! Eu consegui trazer parte dele. Ergueu as peças de ouro, bem alto no ar. Sou um feiticeiro, Scathel de Sarmennyn disse em voz forte. Sou um feiticeiro e tu és terra debaixo dos meus pés. Fiz os espíritos do ar e do vento viajarem a Cathallo para trazerem o ouro, o ouro que veio ter a Sarmennyn, apesar de teres quebrado o acordo feito com o meu irmão. Tu, Scathel de Sarmennyn, desafiaste Erek! Ele quer que levem o seu templo e lhe restaurem a glória, e afinal, o que faz Scathel de Sarmennyn? Intromete-se no caminho do deus, babando-se como um porco capado diante de um veado. Opuseste-te a Erek! Porque hei-de dar-te o ouro que Erek te tirou? Vai para o mar.

 

Ergueu-se sobre o rochedo, sobre a fogueira apagada e ameaçou de novo atirar o ouro para a espuma das ondas.

 

Não! gritou Scathel. Olhava para o ouro como para o próprio Erek. Corriam-lhe as lágrimas pelo rosto magro, onde havia também um olhar de puro espanto. Caiu de joelhos. Não, por favor! implorou a Camaban.

 

Levas o templo para Ratharryn? perguntou Camaban.

 

Levo o templo para Ratharryn respondeu humildemente Scathel, ainda ajoelhado.

 

Camaban apontou para norte.

 

Na tua loucura, Scathel, construíste nas montanhas um duplo anel de pedra. É esse templo que eu quero.

 

Então tê-lo-ás afirmou Scathel.

 

Garantes-me? perguntou Camaban a Kereval.

 

Garanto confirmou este.

 

Camaban continuava a segurar bem alto o losango de ouro.

 

Erek rejeitou a noiva porque tu rejeitaste a sua ambição! Erek quer o seu templo em Ratharryn! O povo saíra dos abrigos e ouvia Camaban, alto e terrível na beira do rochedo escuro, enquanto o vento lhe fazia esvoaçar o cabelo e entrechocar os ossos presos às pontas. Nada é feito em troca de nada gritou. A perda do teu ouro foi uma tragédia, mas uma tragédia com um significado, e qual é ele? É que Erek quer aumentar o seu poder! Vai espalhar a sua luz até ao centro da terra! Vai reclamar a noiva que lhe convém, a própria terra! Vai-nos trazer vida e felicidade, mas apenas se fizerdes o que ele deseja. Levai este templo para Ratharryn e sereis todos como deuses. Caiu exausto. Sereis como deuses... repetiu.

 

Obrigado por a teres salvado disse Saban com um braço sobre Aurenna.

 

Não sejas absurdo respondeu-lhe Camaban cansado. Depois avançou e ajoelhou diante de Scathel. Pousou o ouro, as doze peças, na erva entre eles e os dois homens abraçaram-se como se fossem irmãos que se reencontrassem após uma longa ausência. Choraram ambos, jurando cumprir o pedido do deus do Sol.

 

Assim, Aurenna sobreviveu, Camaban vencera. E Ratharryn teria o seu templo.


SCATHEL NÃO SABIA O QUE FAZER COM AURENNA: PERCORRERA O CAMINHO PARA a fogueira e sobrevivera, coisa que nenhuma outra noiva alguma vez fizera. O seu primeiro instinto tinha sido matá-la, mas Kereval queria tomá-la como sua própria noiva, porém Camaban, cuja autoridade era agora praticamente impossível de desafiar em Sarmennyn, decidira libertá-la.

 

Erek permitiu-lhe que vivesse disse à tribo, o que significa que deve querer usá-la. Se a matarmos ou a forçarmos a um casamento, estamos a desafiá-lo.

 

Assim, Aurenna dirigiu-se para norte, para onde vivia o seu povo e aí ficou durante o Inverno, mas na Primavera voltou para sul, trazendo consigo dois dos seus irmãos.

 

Os três desceram o rio num barco feito de ramos de salgueiro e coberto de peles. Aurenna estava vestida com peles de veado e tinha o cabelo dourado atado na nuca. Chegou à aldeia de Kereval ao fim da tarde, com o brilho do ocaso no rosto, e passou pelas cabanas vendo o povo afastar-se receoso. Havia quem acreditasse que ainda era uma deusa, no entanto outros pensavam que a rejeição de Erek a transformara num espírito maligno; todos lhe temiam o poder.

 

Inclinou-se para entrar na cabana de Haragg. Saban estava sozinho lá dentro, afiando bocados de sílex para os transformar em setas. Gostava daquele trabalho, sentindo-se satisfeito ao ver as lascas saírem de toscos bocados de pedra; quando reparou que a luz que lhe iluminava o trabalho fora obstruída, levantou os olhos irritado, sem reconhecer Aurenna, que era apenas uma forma contra a luminosidade vinda do exterior.

 

Haragg não está informou.

 

Vim ver-te respondeu Aurenna, e só nessa altura Saban a reconheceu; sentiu o coração tão agitado, que nem conseguia falar. Sonhara voltar a vê-la, mas temia que tal nunca acontecesse; agora ela voltara. Curvara-se para entrar na cabana, sentando-se em frente dele, enquanto os dois irmãos se acocoravam fora da porta.

 

Orei a Erek, que me disse para te ajudar a transportar o templo disse em tom grave. É esse o meu destino.

 

O teu destino? Transportar pedras? Saban quase sorria.

 

Para estar contigo disse Aurenna, olhando-o ansiosa, como se ele pudesse recusar a sua ajuda.

 

Saban não sabia o que dizer.

 

Para estares comigo? disse nervosamente, perguntando a si próprio o que quereria ela dizer exactamente.

 

Se me quiseres, disse, corando, embora a cabana estivesse na penumbra e Saban não o pudesse notar. Orei a Erek durante todo o Inverno continuou Aurenna em voz baixa. Perguntei-lhe porque não me tinha levado. Teria vergonha da minha família? Falei com o nosso sacerdote e este deu-me a beber um líquido que me fez sonhar um sonho estranho: Erek disse-me que eu seria a mãe do guardião do seu novo templo em Ratharryn.

 

Serias a mãe? perguntou Saban sem se atrever a acreditar naquilo que ela tão calmamente lhe propunha.

 

Se tu me quiseres disse ela humildemente.

 

Não tenho sonhado com outra coisa confessou Saban. Aurenna sorriu.

 

Ainda bem. Então fico contigo e os meus irmãos podem transportar as pedras.

 

Explicou-lhe que os irmãos, Caddan e Makin, estavam habituados a trazer enormes blocos de pedra do cimo para o sopé das montanhas, onde o resto da família os partia para fazer cabeças de machado.

 

Ouvi dizer continuou com sinceridade que achas difícil o trabalho de deslocar as pedras.

 

Não era Saban, mas sim Haragg, quem achava a tarefa penosa, pois Kereval encarregara o comerciante de transportar o templo e aquele homem enorme parecia perplexo com os problemas. Passara todo o Verão e Outono anteriores a viajar entre o templo de Scathel e a aldeia do chefe, não tendo ainda decidido como deslocar as pedras ou mesmo se afinal poderiam ser transportadas. Estava preocupado, escutava as sugestões e depois caía na indecisão. Lewydd e Saban estavam certos do modo a utilizar, mas Haragg sentia-se nervoso em aceitar os seus conselhos.

 

Pode fazer-se dizia agora Saban a Aurenna, mas só quando Haragg decidir confiar em mim e em Lewydd.

 

Vou dizer-lhe que confie em ti afirmou Aurenna. Vou contar-lhe o meu sonho e ele obedecerá ao deus.

 

A volta de Aurenna agitou os sacerdotes, que temiam que o poder dela rivalizasse com o seu. Assim, Saban fez-lhe uma cabana na outra margem do rio, mais perto do mar, para onde foi viver com ela. Vinha gente de toda Sarmennyn e até de terras junto aos limites do povoado, só para serem tocados por ela. Os pescadores traziam os barcos para serem abençoados e as mulheres estéreis para que lhes conferisse o dom de terem filhos. Aurenna negava os seus poderes, mas mesmo assim continuavam a vir, alguns dos quais até construíam as suas cabanas perto da dela a ponto de o local passar a ser conhecido pela aldeia de Aurenna. Lewydd, o lanceiro que era filho de pescador, veio também viver para ali, trazendo a esposa. Os irmãos de Aurenna fizeram as suas casas junto à dele e também tomaram esposas. Haragg e Cagan chegaram também e o comerciante inclinou-se diante de Aurenna, aliviado quando ela o informou que Erek tinha decretado que seriam Saban e Lewydd a transportar as pedras do templo.

 

Os meus irmãos descerão as pedras das montanhas, Saban construirá os barcos e Lewydd levá-los-á para Ratharryn disse a Haragg.

 

Este aceitou a palavra da jovem, juntando-se em seguida a Camaban, que viajava por toda Sarmennyn contando a sua visão, já que necessitaria da ajuda de toda a tribo para deslocar as pedras e o povo teria de ser convencido. Dizia ele que no princípio dos tempos os deuses tinham dançado todos juntos e o povo da Terra vivera feliz na sua sombra; mas homens e mulheres tinham começado a amar as deusas da Lua e da Terra mais do que ao próprio Erek e assim, este havia interrompido a dança. Porém, se conseguisse trazer de volta o deus do Sol, a antiga alegria seria restaurada. O Inverno terminaria, acabariam as doenças e mais nenhum órfão ficaria a chorar na escuridão. Haragg pregava o mesmo e as promessas eram recebidas com espanto e esperança. Apenas num ano, a oposição desconfiada quanto ao transporte do templo fora transformada num apoio entusiástico.

 

Uma coisa era convencer o povo de Kereval a deslocar as pedras, outra era ter a certeza de que Lengar aceitaria o templo, de modo que Scathel, agora fiel aliado de Camaban, foi a Ratharryn na Primavera.

 

Diz a Lengar que o templo que lhe vamos enviar é um santuário da guerra foram as instruções dadas por Camaban ao sumo sacerdote.

 

Mas não é! protestou Scathel.

 

Mas se ele acreditar que é um templo da guerra, ficará desejoso de o receber explicou pacientemente Camaban. Diz-lhe que se trocar o ouro pelas pedras conferirá invencibilidade aos seus lanceiros. Diz-lhe que se tornará o maior guerreiro de todo o mundo. Diz-lhe que cânticos às suas proezas serão entoados por muitos anos.

 

Assim, Scathel foi dizer estas mentiras a Lengar e este ficou tão impressionado pelo sacerdote alto e escanzelado, bem como pelas suas promessas de invencibilidade que lhe entregou de facto mais meia dúzia de pequenos losangos, embora nada dissesse acerca dos que Derrewyn roubara.

 

Quando Scathel voltou de Ratharryn trouxe consigo Mereth, filho de Galeth para ajudar Saban. Mereth era um ano mais novo que o primo e herdara a força e a sabedoria do pai. Sabia trabalhar a madeira, erguer pedras, levantar um poste de templo e partir sílex. Fazia todas estas coisas com destreza, velocidade e arte. Tal como o pai, tinha mãos enormes e um coração generoso, embora ao chegar a Sarmennyn viesse com ele pesado por trazer a notícia de que a mãe de Saban tinha morrido.

 

Saban chorou por ela, enquanto escutava a descrição de Mereth de como tinham levado o corpo para a casa dos mortos.

 

Partimos-lhe vasos no templo de Lahanna disse Mereth. Lengar quer deitar abaixo esse santuário.

 

Quer destruir o templo de Lahanna? perguntou Saban, estupefacto.

 

Cathallo adora Lahanna, de modo que Ratharryn já não tem permissão para o fazer explicou Mereth, acrescentando que Derrewyn tinha reorganizado o povo dessa aldeia.

 

Também aquilo era novidade para Saban. Derrewyn fugira para Cathallo levando um filho no ventre. Saban insistiu com Mereth para lhe contar todos os pormenores que pudesse revelar, embora este pouco mais soubesse do que o que já tinha dito. Saban sentiu um prazer feroz naquela notícia, o que por sua vez o fez sentir culpado em relação a Aurenna.

 

Derrewyn já terá tido o bebé? perguntou.

 

Não sei de nada disse Mereth.

 

Mereth e Saban construíram trenós e barcos, enquanto Caddan e Makin, irmãos de Aurenna, foram às montanhas para deslocar do vale as pedras do templo de Scathel. Usaram os trenós, cada um deles com duas vezes a altura de um homem e metade da sua largura, feitos com dois fortes patins de carvalho separados por toros de madeira. Nesse primeiro ano, Saban construiu uma dúzia de trenós e Lewydd transportou-os rio acima, desde a aldeia de Aurenna, num barco com dois cascos unidos por traves de madeira. O rio serpenteava pelos bosques depois da aldeia de Kereval, entrando numa região mais erma, onde as árvores eram raras e torcidas pelo vento, voltando depois para norte, até se tornar muito baixo para o barco de Lewydd, mas nessa altura passava já à sombra da montanha onde o templo se encontrava.

 

Os irmãos de Aurenna precisavam de dezenas de homens para deslocar as pedras, mas o povo de Sarmennyn fora inspirado por Camaban e Haragg e não havia falta de ajudantes. As mulheres entoavam cânticos enquanto os homens arrastavam os trenós montanha acima. As primeiras pedras do templo foram soltas das suas bases e colocadas nos trenós. Os irmãos de Aurenna começaram com as mais pequenas, que podiam ser erguidas por apenas uma dúzia de homens e cabiam duas num só trenó. Esses doze homens arrastaram o primeiro pela beira do vale, de onde começou a escorregar, sendo então necessários trinta não para o puxar, mas para o impedir de deslizar livremente pela encosta íngreme. Levaram um dia inteiro para conduzir as primeiras duas pedras até lá abaixo e outro para arrastar o trenó do sopé da montanha até à margem do rio. Levariam dois anos para fazer descer todo o templo e, durante todo esse tempo, apenas perderam o controle de um dos trenós, que deslizou monte abaixo com enorme ruído, voltou-se e partiu-se, de modo que o pilar se estilhaçou em milhares de bocados. As pedras maiores, que precisavam de trinta ou quarenta homens para ser erguidas, estavam acondicionadas nos seus trenós junto ao rio, enquanto os pilares mais pequenos, que podiam ser manobrados por uma dúzia de homens, foram deixados sobre a relva. Lewydd haveria de transportar as pedras para Ratharryn, pois o templo seguiria viagem por mar na maior parte do caminho e ele era marinheiro.! Lewydd idealizara os barcos. No primeiro ano, depois das primeiras pedras] terem sido descidas da montanha, carregou duas das mais pequenas no mesmo barco que levara os trenós rio acima. Manobrou os dois cascos com uma dúzia de remos e partiu rio abaixo. O barco movia-se com rapidez, levado pela corrente, e Lewydd tinha confiança suficiente para levar as pedras até onde o rio se alargava no mar. Queria descobrir como se aguentava o barco nas vagas maiores; porém, mal as primeiras ondas verdes se quebraram nas proas, o peso das pedras empurrou os cascos para diante, o barco partiu-se em dois e os pilares afundaram-se. Haragg gritou com toda a força, afirmando que o trabalho estava a ser mal feito, mas Camaban assegurou aos homens que assistiam dos rochedos, que Dilan, o deus do mar, cobrara o seu preço e não se perderiam mais pedras. Sacrificaram um vitelo na praia, deixando que o sangue do animal corresse para a água; momentos depois apareceram três golfinhos ao longe e Scathel declarou que Dilan tinha aceite o sacrifício. Três cascos e não dois disse Lewydd a Saban. Este e a tripulação tinham chegado a terra a nado, em segurança, e o jovem marinheiro decidiu que não fora Dilan quem lhe retirara as pedras, mas a desproporção do barco. Quero três barcos para cada casco explicou. Ao lado uns dos outros, E quero dez barcos, mais até se conseguirmos arranjar árvores.

 

Trinta cascos! exclamou Saban, perguntando a si próprio se haveria árvores suficientes nas escassas florestas de Sarmennyn. Pensara em usar os barcos que já existiam na tribo, mas Camaban insistiu em que se fizessem barcos novos, dedicados unicamente à glória de Erek e que, depois de transportarem as pedras para ocidente, fossem queimados.

 

Nesse Verão ardeu a nova noiva do Sol, morrendo num braseiro de glória.; O povo de Sarmennyn nunca vira Erek tão vermelho, tão grande e tão majestoso como nesse fim de tarde do Solstício em que a noiva morrera sem um grito. Aurenna ficou na cabana e não foi à cerimónia do Templo do Mar. Estava grávida.

 

A criança nasceu no princípio do ano seguinte. Era um rapaz e a mãe chamou-lhe Leir, que significa ”Aquele que foi salvo”, porque ela fora salva da fogueira.

 

Nunca pensei que realmente fosse morrer confessou Aurenna a Saban, numa noite de Inverno, depois do nascimento de Leir. Estavam sentados na pedra que era deles, o bloco esverdeado com manchas rosadas que ficava na margem do rio, junto à sua cabana, e partilhavam uma pele de urso para se aquecerem.

 

Pensei que morresses admitiu Saban. Ela sorriu.

 

Costumava orar a Erek todos os dias e sabia que ele haveria de me deixar viver.

 

Porquê?

 

Aurenna abanou a cabeça, como se a pergunta de Saban fosse irrelevante.

 

Sabia disse. Contudo, mal me atrevia a acreditar nessa esperança. Claro que queria ser sua noiva, mas também queria servi-lo acrescentou apressadamente, franzindo a testa. Quando era deusa, tinha sonhos e, neles, Erek disse-me que iria chegar o tempo da mudança. Que terminara o tempo da sua solidão.

 

Saban ficava sempre pouco à vontade quando ela falava do tempo em que fora deusa. Não tinha bem a certeza de acreditar, mas admitia a si próprio que não tinha crescido em Sarmennyn, portanto não estava habituado à ideia de que uma jovem se transformasse em deusa para, logo a seguir, deixar de o ser.

 

Orei para que vivesses admitiu.

 

Ainda tenho sonhos disse Aurenna, ignorando-lhe as palavras. Penso que me falam do futuro, só que é como olhar para a bruma. Lembras-te de me teres contado que quando viste pela primeira vez o templo de Scathel era apenas uma forma no nevoeiro? Os meus sonhos são assim, mas penso que se tornarão mais claros. Fez uma pausa. Espero que se tornem mais claros repetiu. Pelo menos ainda oiço Erek falar-me dentro da cabeça e penso por vezes que estou realmente casada com ele, que talvez seja a noiva que ele deixou na terra para fazer o seu trabalho.

 

Transportar um templo? perguntou Saban, subitamente ciumento de Erek.

 

Acabar com o Inverno e pôr fim à infelicidade. É por isso que o teu irmão veio para Sarmennyn e te salvou de Lengar. Tu e eu, Saban, somos servos de Erek.

 

Nesse Inverno, Saban e Mereth percorreram os bosques a sul de Sarmennyn e descobriram carvalhos e olmos, altos e direitos, maiores até que os postes mais altos do templo de Ratharryn. Tocaram com a testa nos troncos, implorando o perdão dos espíritos das árvores; depois cortaram-nas, retiraram-lhes os ramos e usaram uma junta de bois para puxar os troncos para a aldeia de Aurenna. Aí, transformaram as árvores enormes em embarcações de proa dupla. Primeiro deram forma ao exterior dos cascos, depois voltaram os troncos e escavaram-nos com enxós feitas de sílex, pedra ou bronze. Uma dúzia de homens trabalhava na margem do rio cantando enquanto manobravam as lâminas e empilhavam as aparas da madeira no chão. Aurenna e as outras mulheres trabalhavam ali próximo, entoando cânticos, e transformavam peles em correias que seriam usadas para ligar as traves aos cascos e as pedras às traves. Naqueles dias Saban sentia-se feliz. Fora aceite como homem principal da aldeia de Aurenna e toda a gente partilhava aí do mesmo objectivo e tinha prazer em observar o progresso da obra. Eram tempos bons, cheios de risos e de trabalho honesto.

 

Quando os primeiros três cascos ficaram prontos e antes de os colocar ao lado uns dos outros, Lewydd entalhou um olho em cada proa, para que o deus protector dos barcos estivesse atento às tempestades e às rochas. As embarcações tinham o comprimento de três homens e a largura dos três barcos juntos tinha metade dessa medida; Saban juntava-os agora com três enormes traves de carvalho tão grossas como a cintura de um homem. As traves eram aparadas com sílex e bronze, sendo as metades inferiores metidas em fendas talhadas na borda do casco. Uma vez ligadas as traves aos cascos, estas eram fortemente atadas com compridas tiras de pele. Aquele primeiro barco era uma coisa monstruosa, e os pescadores abanaram as cabeças dizendo que nunca haveria de flutuar, mas flutuou. Vinte homens levaram-no para a margem durante a maré baixa, de modo a que a subida da água levantasse o triplo casco sem dificuldade. Chamaram ao barco Molot, que significava monstro, e Lewydd tinha a certeza que aguentaria com o peso da pedra maior e que sobreviveria à malevolência do mar.

 

Camaban viajara para Ratharryn no fim do Inverno, tendo voltado a Sarmennyn justamente na altura em que o Molot foi acabado. Admirou o enorme barco, olhou para os outros cascos que estavam a ser trabalhados e acocorou-se junto a Saban para lhe dar notícias de casa. Lengar, disse, estava mais poderoso que nunca, mas Melak de Drewenna morrera e houvera uma luta pela chefia da tribo entre o filho do falecido e um guerreiro chamado Stakis. Stakis vencera.

 

Não era o que queríamos disse Camaban. Pegou numa tigela de papa de aveia que Aurenna lhe estendia e acenou em sinal de agradecimento

 

O que tem Stakis de mal? perguntou Saban.

 

Teremos que fazer flutuar as pedras através do seu território, claro explicou Camaban. Mas ainda não sabemos se é nosso amigo. Mesmo assim, concordou em encontrar-se connosco.

 

Connosco?

 

Com todos nós disse Camaban vagamente, fazendo com a mão um aceno que poderia incluir o mundo inteiro. Um encontro de tribos. Nós, Ratharryn e Drewenna. Uma lua antes do Solstício. O problema é fez uma pausa para comer a aveia, o problema é que continuou, com a boca cheia Stakis não gosta de Lengar. Não o posso censurar. O nosso irmão tem de manter os seus lanceiros ocupados, de modo que anda a atacar o gado de Drewenna

 

Já não combate contra Cathallo?

 

Sempre. Só que eles se escondem para lá dos pântanos e novo chefe é um bom guerreiro. É Rallin, um dos filhos de Kital.

 

O primo de Derrewyn disse Saban, recordando-se do nome.

 

O cãozinho de Derrewyn, para ser mais exacto disse Camaban, vingativo. Agora chama-se a si própria feiticeira e vive na antiga cabana de Sannas, onde uiva a Lahanna, enquanto Rallin não urina sem lhe pedir licença. É estranho, não é? Fez uma pausa para comer mais papa de aveia. Cathallo gosta de ser governada por uma mulher. Primeiro Sannas, agora Derrewyn! Que bela feiticeira! Escava a terra em busca de ervas e faz ameaças. Isso não é feitiçaria.

 

Teve o filho de Lengar? perguntou Saban. Lembrou-se de súbito da imagem de Derrewyn a rir, com o rosto moreno emoldurado pelo cabelo negro e depois a mesma face a chorar e a gritar. Estremeceu.

 

O bebé morreu disse Camaban com ar distraído, fazendo depois um ruído de desprezo. Que bela feiticeira que nem consegue manter vivo o seu próprio filho! Pousou a tigela. Lengar quer que leves Aurenna ao encontro das tribos.

 

Porquê?

 

Porque eu lhe disse que ela é muito bela respondeu Camaban. Ora, é uma boa razão para a deixar aqui.

 

Lengar não se atreveria a tocar-lhe disse Saban.

 

Lengar toca em todas as mulheres que quer e ninguém se atreve a recusá-lo com medo dos seus lanceiros afirmou Camaban. O nosso irmão, Saban, é um tirano.

 

Kereval, Scathel, Haragg, Camaban e uma dúzia de anciãos e sacerdotes viajaram para assistir ao encontro das tribos. Foram necessários sete barcos para transportar a delegação, tendo Saban seguido num barco de pesca movido por oito remadores. O tempo estava tempestuoso e os mares prometiam ser alterosos, mas Lewydd não se mostrava preocupado.

 

Dilan há-de poupar-nos prometeu a Saban, que encarava com emoção a sua primeira viagem marítima a sério.

 

A frota saiu numa madrugada de Verão, remando pelo rio até chegar ao mar, onde esperaram, ao abrigo de um cabo.

 

As marés disse Lewydd para explicar a paragem.

 

O que é que têm?

 

As marés não se limitam a subir e a baixar, são como os ventos na água. Sobem e descem na costa mas, ao contrário dos ventos, mantêm um ritmo. Vamos para oriente com o vento e quando ele se voltar contra nós, descansamos até que nos ajude de novo.

 

Lewydd sacrificara um leitão no templo de Malkin, em seguida salpicara a proa do barco com o sangue e agora atirava a carcaça do animal pela borda fora. As tripulações dos outros seis barcos fizeram o mesmo.

 

Saban não se apercebeu da mudança da maré, mas Lewydd ficou satisfeito e os seus oito remadores soltaram um grito e fizeram avançar o barco para o mar. Afastaram-se bastante da costa antes de voltarem para oriente e quando o vento passou para trás deles, Lewydd ordenou que se içasse uma vela. Esta era feita com duas peles de boi penduradas num pau curto e suspensas no alto de um mastro tosco; assim que o vento as apanhou pareceu a Saban que o barco voava, embora as ondas fossem ainda mais rápidas. As grandes vagas erguiam-se atrás do barco, fazendo Saban recear que este fosse engolido, Depois a popa erguia-se, os remadores redobravam os seus esforços e por um instante aflitivo a onda impelia o barco para a frente, num movimento agitado, antes da crista passar debaixo do casco, fazendo o barco balançar e a vela estalar como um chicote. Seguiam-nos as outras tripulações, remando com tanta força que a espuma chegava ao Sol. Cantavam enquanto trabalhavam, rivalizando cada uma delas na música e na velocidade, embora fizessem por vezes uma pausa para os homens retirarem a água dos barcos com conchas.

 

No fim da manhã, os sete barcos voltaram-se para terra. Lewydd explicou que havia mudança de maré e, embora fosse possível que os remos e a vela os levassem contra a corrente, o progresso seria mínimo e o esforço grande; assim abrigaram-se numa pequena enseada. Não foram a terra, todavia lançaram uma pedra enorme ao mar na qual fora escavado um buraco por onde tinham sido passadas tiras de pele entrançadas. Os sete barcos descansaram toda a tarde. A maior parte das tripulações dormia, mas Saban mantinha-se desperto e viu aparecerem homens armados de lanças e arcos sobre os rochedos sobranceiros à pequena enseada. Olharam para os barcos, mas não fizeram qualquer tentativa de interferência.

 

As tripulações acordaram ao princípio da noite e prepararam uma refeição de peixe seco e água; em seguida as pedras foram puxadas do fundo do mar, as velas erguidas e os remos mergulharam nas águas. Slaol punha-se num braseiro vermelho, entrecortado por riscas de nuvens; todo o mar cintilava atrás, numa tonalidade de sangue, até a cor se esgotar e o cinzento ceder ao negro, à medida que navegavam em direcção à noite. A princípio não havia Lua e a terra estava escura, mas o céu nunca parecera ter tantas estrelas. Lewydd mostrou a Saban como seguir a estrela de um grupo a que os Fronteiriços chamavam Vitelo da Lua e o povo de Ratharryn conhecia como Veado. A estrela deslocava-se pelo céu, mas Lewydd, como todos os pescadores, conhecia o seu movimento, bem como os contornos escuros dos montes baixos na margem norte, que para Saban eram apenas sombras. Mais tarde, quando este acordou de um sono leve, viu que havia terra de ambos os lados porque o mar era mais estreito. Erguera-se a Lua, quase cheia, permitindo a Saban ver os outros barcos junto ao seu com a luz de Lahanna incidindo sobre o movimento rítmico dos remos.

 

Voltou a adormecer e apenas acordou de madrugada. Os remadores levavam os barcos em direcção ao nascente. De um lado e outro havia grandes lençóis de lama brilhante, por onde passava gente que olhava para os barcos.

 

Andam à procura de marisco disse Lewydd, erguendo a lança, pois da costa a sul vinham à volta de doze barcos. Mostra-lhes o arco ordenou Lewydd e Saban, obediente, ergueu a arma. Todos os homens que seguiam nos barcos de Sarmennyn ergueram as suas lanças ou arcos e os barcos desconhecidos afastaram-se. Provavelmente eram apenas pescadores disse Lewydd.

 

O mar estreitou-se entre os enormes bancos de lama, onde complicadas armadilhas para peixes desenhavam padrões escuros, entrelaçando centenas de pequenos ramos. Olhando pela borda, Saban viu agitar-se o leito do mar.

 

Enguias disse Lewydd. São apenas enguias. Bom apetite! Mas não havia tempo para pescar, pois a maré mudava de novo e os remadores cantavam em voz alta, enquanto conduziam o barco em direcção à foz de um rio, que deslizava para o mar por entre margens escorregadias. Lewydd disse tratar-se do rio Sul, o mesmo nome que era usado em Ratharryn. Os pássaros levantavam voo nas margens de lama, protestando contra a interferência dos barcos, enquanto enchiam o céu de asas brancas e gritos roucos.

 

Esperaram que a maré mudasse de novo, deixando-a depois conduzi-los, subindo o rio Sul. Naquela noite dormiram em terra e, na manhã seguinte, livres da influência da maré, remaram rio acima, deslizando por baixo de árvores enormes que por vezes se dobravam num arco e formavam um túnel verde.

 

Tudo isto são terras de Drewenna disse Lewydd.

 

Já cá estiveste?

 

Quando perseguia os teus jovens na altura das provas respondeu Lewydd com um sorriso.

 

Talvez eu te tivesse visto disse Saban. Mas tu não me viste.

 

Se calhar vimos-te contrariou Lewydd. Mas decidimos que não valia a pena perseguir um patife como tu. Riu-se e baixou o pau da lança pela borda para medir a profundidade do rio. É por este caminho que traremos as pedras afirmou.

 

Só três dias de viagem? perguntou Saban, satisfeito por a jornada ter sido tão rápida.

 

As pedras vão levar muito mais tempo avisou-o Lewydd. O peso atrasa o andamento dos barcos e teremos de esperar por bom tempo. Seis dias, sete? E mais alguns para subir o rio com elas. Poderemos dar-nos por felizes se conseguirmos fazer uma viagem por ano.

 

Só uma?

 

Se não quisermos morrer de fome disse Lewydd, explicando que os remadores não poderiam abandonar por muito tempo a pesca ou o trabalho do campo. Talvez num ano bom consigamos fazer duas viagens. Meteu o pau da lança na água, não para medir a profundidade, mas para empurrar o barco para a frente. As sete embarcações navegavam agora contra a forte corrente do rio e a maior parte das tripulações abandonara os remos e usava as lanças do mesmo modo que Lewydd. De vez em quando, viam campos de trigo e cevada por entre as árvores, ou então pastagens com vacas. Os porcos andavam pela margem dos rios e as garças faziam os ninhos no alto das árvores. Os guarda-rios coloridos esvoaçavam nas duas margens.

 

E daqui até Ratharryn? perguntou Lewydd. Não sei quanto tempo levaremos.

 

Explicou como poderiam seguir o rio Sul até este ficar muito baixo para os barcos passarem, de modo que nessa altura, pedras e embarcações teriam de ser içadas para as margens e arrastadas em trenós até outro rio, que ficava talvez a um dia de viagem. O rio corria para o Mai e, uma vez nele, os barcos poderiam subi-lo até Ratharryn.

 

Mais trenós? perguntou Saban.

 

O povo de Ratharryn construí-los-á. Ou o de Drewenna disse Lewydd, pois fora essa a razão pela qual o novo chefe de Drewenna tinha convocado o encontro das tribos. As pedras teriam de passar pelas suas terras, o que sem dúvida necessitaria do seu auxílio. Então, Stakis queria, sem a mínima dúvida, uma boa recompensa para deixar os blocos seguirem em segurança por entre os seus lanceiros.

 

O rio estreitava por baixo das árvores verdes, levando cada barco um ramo cheio de folhas, mostrando que os homens de Sarmennyn vinham em paz; mesmo assim, as poucas gentes que os viam escondiam-se ou fugiam.

 

Já alguma vez estiveste em Sul? perguntou Saban a Lewydd.

 

Nunca respondeu-lhe este. Contudo, por vezes realizámos ataques lá perto. Explicou que a aldeia de Sul era muito grande e bem guardada, de modo que os atacantes de Sarmennyn evitavam sempre o local.

 

A aldeia era famosa, pois era o lar de uma deusa, Sul, que fazia surgir água quente do solo e por isso dera o nome ao rio que serpenteava à volta da fenda nos rochedos, de onde brotava a maravilhosa nascente. Drewenna governava a aldeia e guardava-a ciosamente, pois Sul atraía dezenas de pessoas que procuravam cura e traziam oferendas para terem acesso às águas. Saban ouvira muitas histórias a esse respeito; a mãe contara-lhe que antigamente vivia lá um monstro, um animal enorme, maior que os auroques, com a pele dura como um osso, um enorme corno saindo-lhe da testa e cascos mais pesados que pedras. Quem tentasse chegar à água quente, tinha de passar pelo monstro, e ninguém o conseguira, nem sequer o grande herói Yassana, filho de Slaol e de cujas partes descendia todo o povo de Ratharryn. Mas nessa altura, Sul cantara uma canção de embalar, o monstro encostara a enorme cabeça ao seu colo, ela deitara-lhe no ouvido um líquido e o monstro transformara-se em pedra, levando-a consigo. O monstro e a deusa ainda lá estavam e, dissera a mãe de Saban, à noite ouvia-se a canção triste saindo das rochas de onde emanava a água quente.

 

A famosa aldeia encontrava-se na margem norte do rio. A jusante espalhavam-se campos, roubados às florestas que dantes enchiam o vale fértil; havia uma dezena de barcos na margem, por trás dos quais Saban via sair fumo dos telhados de colmo. De ambos os lados havia montes íngremes, mas verdes e luxuriantes, quando comparados com as encostas batidas pelo vento de Sarmennyn.

 

O povo de Sul ouvira dizer que vinham barcos a subir o rio e um grupo de dançarinas esperava a sua chegada, para receber Kereval e os seus homens. Scathel foi o primeiro a ir a terra. O sacerdote estava nu e empunhava um enorme osso curvo, a costela de um monstro marinho; acocorou-se na lama, farejando o ar em busca de perigos e deu três voltas antes de declarar que o local era seguro.

 

Stakis, o jovem guerreiro cheio de cicatrizes que era agora chefe de Drewenna, deu as boas-vindas aos fronteiriços e Saban deu por si a traduzir os floreados. Stakis abraçou Saban, dizendo que estava contente por conhecer o irmão do poderoso Lengar, embora Saban percebesse que tal prazer era fingido. De facto, diziam os rumores que Stakis apenas obtivera a chefia de Drewenna porque fora considerado suficientemente forte para resistir às exigências insistentes de Ratharryn, enquanto o filho de Miak, que esperara suceder ao pai, fora visto como muito fraco. Lengar ainda não chegara, embora uma coluna de fumo no céu limpo, sobre os montes a oriente, indicasse que o seu grupo já fora avistado.

 

As dançarinas escoltaram os visitantes de Sarmennyn até umas cabanas novas, erguidas para o encontro das tribos e, por trás delas, na charneca a norte da aldeia, havia uma fileira de abrigos para o povo que viera assistir ao encontro. Por entre a multidão viam-se malabaristas e homens que domavam animais selvagens: lobos, martas e um pequeno urso. Havia um outro, maior, um macho já velho, com a pele marcada e garras cor de madeira queimada, preso numa jaula de madeira. Stakis prometera que, quando chegassem os homens de Lengar, arranjaria um combate entre o urso e os seus melhores cães. Uma dezena de escravas esperava nas cabanas.

 

São vossas disse Stakis. Vossas, para que se gozem delas. Lengar chegou ao princípio da noite. Os tambores anunciaram a sua vinda e a multidão dirigiu-se para oriente, de modo a receber o cortejo. Em primeiro lugar vinham seis dançarinas, nuas da cintura para cima e varrendo o solo com ramos de freixo; atrás delas vinham doze sacerdotes nus, a pele branqueada com greda e armações de veado coroando-lhes a cabeça. Neel, que Saban se lembrava ser o mais jovem de Ratharryn, usava agora chifres enormes, indicando ser o sumo sacerdote.

 

Atrás destes sacerdotes vinha uma dezena de guerreiros e foram eles que fizeram a multidão murmurar de espanto, pois apesar do dia quente, traziam capas feitas de pele de raposa e chapéus do mesmo pêlo, mas enfeitados com penas de cisne. Empunhavam lanças com cabeças de bronze e espadas do mesmo metal, todas iguais, que lhes davam um ar estranhamente avassalador.

 

No meio deles, vinham os senhores da guerra de Ratharryn, conduzidos pelo seu famoso chefe. Lengar, mais pesado e de barba grande, parecia-se com o pai, mas os seus olhos com os chifres tatuados pareciam mais espertos que nunca. Trazia a sua túnica de couro, onde brilhavam placas de bronze e na cabeça tinha do mesmo metal que Saban nunca antes vira. Sorriu astuto ao ver Saban, indo depois cumprimentar Stakis. As dançarinas de Drewenna rodearam os recém-chegados, levantando uma fina poeira com os pés. Atrás dos guerreiros vinha um grupo de escravos, alguns transportando pesados sacos, que Saban calculava conterem presentes para Stakis.

 

Lengar chegou-se a Saban depois de terminar os cumprimentos.

 

Irmãozinho disse. Já não és um escravo.

 

Mas não graças a ti respondeu Saban. Não abraçara nem beijara o irmão; nem sequer lhe estendera a mão, mas Lengar não esperara uma saudação afectuosa.

 

Saban, estás vivo graças a mim afirmou Lengar. Depois encolheu os ombros. Mas agora podemos ser amigos. A tua mulher veio?

 

Não pode viajar.

 

Os olhos de Lengar semicerraram-se.

 

Porque não?

 

Está grávida mentiu Saban.

 

E então? Dá à luz um cachorro e temos o prazer de lhe meter outro lá dentro. Lengar fez má cara. Ouvi dizer que era muito bonita.

 

É o que dizem.

 

Devias tê-la trazido. Não to ordenei? Esqueceste que sou teu chefe? Sentia a raiva aumentar, embora se esforçasse por escondê-lo. A tua mulher pode esperar por outra altura disse e depois bateu com a mão na tatuagem azul do peito nu de Saban. Apenas uma cicatriz, irmãozinho? E apenas um filho, segundo ouvi dizer. Já reconheci sete, mas tenho muitos outros. Puxou a túnica de Saban guiando-o em direcção às cabanas preparadas para o povo de Ratharryn. Esse templo? perguntou em voz baixa. É mesmo um templo da guerra?

 

É o maior templo da guerra de Sarmennyn afirmou Saban. Um templo secreto.

 

Lengar parecia impressionado.

 

Vai trazer-nos vitória?

 

Vai fazer de ti o maior senhor da guerra de todos os tempos disse Saban.

 

Lengar pareceu satisfeito.

 

E o que fará o povo de Sarmennyn se eu me apossar do seu templo e não lhes devolver o ouro?

 

Pode ser que não façam nada respondeu Saban. Mas certamente Slaol castigar-te-á.

 

Castigar-me-á! Lengar levantou a cabeça e afastou-se. Pareces Camaban! Onde está ele?

 

Foi ver o templo da deusa. Saban acenou com a cabeça na direcção de uma alta paliçada de madeira que rodeava a aldeia e a nascente da deusa; quando se voltou viu que Jegar se aproximava.

 

Saban espantou-se com a onda de ódio que sentiu ao avistar Jegar e por momentos invadiu-o toda a antiga tristeza que sentira por Derrewyn. O rosto certamente o reflectia, pois Lengar parecia satisfeito com a reacção.

 

Lembras-te de Jegar, irmãozinho? perguntou Lengar.

 

Lembro-me disse Saban olhando o inimigo nos olhos. Jegar era agora rico, pois cobria-o uma bela capa de pele de lontra, tinha ao pescoço um colar de ouro, bem como vários anéis nos dedos; Saban reparou que os da mão direita ainda estavam dobrados e imóveis. Tinha o cabelo pintado com ocre vermelho e a barba entrançada.

 

Só uma cicatriz de morte, Saban? perguntou Jegar em tom de desprezo.

 

Se quisesse poderia ter mais uma desafiou-o Saban.

 

Mais uma! Jegar fingiu-se impressionado, deixando a seguir cair a capa, para revelar o peito cheio de tatuagens. Cada cicatriz azul era uma fila de pontos metidos na pele com um pente de osso. Cada cicatriz é o espírito de um homem gabou-se Jegar. E cada ponto de cada cicatriz é uma mulher deitada de costas. Colocou o dedo sobre uma marca azul. Lembro-me bem desta. Lutou! Gritou! Olhou de lado para Saban. Lembras-te dela? Saban não respondeu e Jegar sorriu. E depois chorou e prometeu que te vingarias.

 

Cumpro as promessas feitas em meu nome disse Saban severamente. Jegar desatou a rir e Lengar bateu devagar no peito do irmão.

 

Deixa Jegar em paz, porque amanhã terá de falar em meu nome. Apontou para a enorme clareira marcada por um anel de postes esguios, onde teriam lugar as negociações entre as três tribos.

 

Não vais ser tu a falar? perguntou Saban espantado.

 

Disseram-me que há auroques na floresta a norte explicou Lengar distraidamente. Estou com vontade de ir caçar. Jegar sabe o que há-de dizer a Stakis.

 

Stakis sentir-se-á insultado protestou Saban.

 

Ainda bem. Ele é Drewenna e eu sou Ratharryn. Merece o insulto. Lengar já se afastava mas voltou para trás. Lamento que não tenhas trazido a tua mulher, Saban. Gostaria de saber se é tão bela como toda a gente diz.

 

É, com certeza disse Jegar, desafiando Saban. A última também o era. Sabes que agora é feiticeira em Cathallo? Faz encantamentos contra nós, mas como vês, estamos ambos vivos. E bem vivos. Fez uma pausa. Estou desejoso de conhecer a tua mulher, Saban. Sorriu e foi depois atrás de Lengar, rindo ambos à gargalhada.

 

O urso matou sete cães e depois morreu também. Três homens foram assassinados em lutas provocadas pelo forte licor que Stakis oferecera e os sacerdotes, temendo combates de sangue, mataram os assassinos; depois a noite caiu e Lahanna baixou os olhos lá de cima, de um céu estrelado, enquanto, um a um, os guerreiros adormeceram e a paz chegou ao vale.

 

Camaban não assistiu ao encontro tribal. Preferiu isolar-se com Neel, o novo sumo sacerdote de Ratharryn, e instruí-lo acerca da construção do templo. Camaban trouxera estacas de madeira, talhadas por Saban, para imitar a pedra e espetou-as no solo para construir o duplo anel com o seu corredor de entrada, que ficaria diante do local onde o Sol nascia no Solstício.

 

Em Sarmennyn as portas do Sol estão viradas para o ocaso explicou Camaban. Mas em Ratharryn têm de ficar voltadas para o nascer do Sol.

 

Porquê? perguntou Neel.

 

Porque desejamos saudar o Sol e não despedirmo-nos dele. Neel olhou para as pequenas lascas de madeira.

 

Porque não vens tu construí-lo? perguntou, insolente. Sentia-se à vontade com Camaban, pois recordava-o como uma criança aleijada, patética e suja, não conseguindo conciliar essa recordação com o feiticeiro seguro de si que agora lhe dava ordens. Não sou construtor queixou-se.

 

És um sapo disse Camaban. Dizes ao meu irmão aquilo que ele quer ouvir, em vez do que o que os deuses lhe ordenam, mas se fizeres o que te mando, os deuses aguentarão a tua peçonha. E porque hei-de eu ir a Ratharryn? Tem construtores que cheguem sem que eu precise de desperdiçar o meu tempo.

 

Camaban queria visitar a região do outro lado do mar ocidental, pois ouvira dizer que lá os sacerdotes e feiticeiros sabiam coisas que eram ainda ignoradas pelo povo da região central e, além do mais, aborreciam-no as coisas práticas, como o levantamento das pedras.

 

Não será difícil de construir afirmou, mostrando a Neel como deveriam ser metidas as pedras de acordo com o tamanho: a mais alta junto às entradas do Sol e a mais pequena no lado oposto. Depois mostrou uma bolsa de couro contendo um enorme fio de tendão.

 

Não percas isto.

 

O que é?

 

As medidas do templo. Prende o tendão no centro do Velho Templo e depois desenha um círculo com a outra ponta. Esse círculo marca o limite exterior do anel exterior de pedra, o anel interior fica um passo para dentro.

 

Neel assentiu.

 

O que fazemos com o templo actual?

 

Deixem-no ordenou Camaban em tom definitivo. Não faz qualquer mal. Em seguida obrigou Neel a repetir duas vezes todas as instruções, pois queria ter a certeza de que o novo templo seria construído exactamente como estava no elevado vale de Sarmennyn.

 

Enquanto Camaban e Neel falavam, as três tribos encontravam-se. Lengar, tal como prometera, fora à caça, levando consigo doze homens, alguns escravos e uma dezena de cães. Assim, foi Jegar quem, coberto com a grossa capa de pele de lontra, apesar do calor do dia, conduziu os homens de Ratharryn até ao local do encontro.

 

Trocaram-se os presentes. Stakis foi generoso com os seus hóspedes, o que não admirava, pois tencionava conseguir um preço alto pelo privilégio de transportar as pedras de Sarmennyn pelo seu território. Ofereceu a Kereval peles de carneiro, de gado, pontas de sílex, vasos e um saco de âmbar precioso. Deu-lhe também pentes, alfinetes e um belo machado de cabeça polida, feito de uma pedra esverdeada, recebeu em troca a carapaça de uma tartaruga, dois machados de bronze, oito vasos decorados de licor e um colar de dentes pontiagudos, extraídos a um estranho animal marinho.

 

Stakis presenteou Jegar exactamente com as mesmas ofertas que fizera a Kereval e, se ficou ofendido por ter sido este a recebê-las e não Lengar, escondeu a sua zanga. Depois de ter entregue os presentes e de Jegar ter feito um discurso de agradecimento cheio de floreados, Stakis retomou o seu lugar na parte sul do círculo e dois dos guerreiros de Ratharryn levaram as ofertas de Lengar ao novo chefe de Drewenna. Vinham numa armação de ramos de salgueiro entrançados, coberta por uma pele que colocaram diante de Stakis; retiraram a cobertura mostrando um enorme cesto de cabeças de lança feitas de bronze. Depois trouxeram uma segunda armação e esta, depois de destapada, trazia uma espada de bronze, um feixe de arcos e mais de uma dúzia de machados de pedra. Os homens que assistiam estavam impressionados, pois as ofertas de Lengar excediam de longe as expectativas. Mas não era tudo, pois os dois guerreiros transportavam uma terceira armação contendo afinal seis machados de bronze, dois chifres de auroque e um monte de peles de texugo e de lobo. Stakis estava deliciado, principalmente pelo maior dos chifres de auroque que assentou no colo e observou com os olhos muito abertos; entretanto foi trazida uma quarta armação, ainda maior que as outras, das cabanas de Lengar. Porém esta última foi colocada no chão diante de Jegar e a cobertura não foi levantada, sugerindo que a oferta final só seria entregue quando Stakis acedesse ao que Ratharryn queria.

 

Saban pensou que para um homem que sempre tivera relutância em dar presentes, o irmão tinha sido notavelmente generoso. Por sua vez, Scathel parecia satisfeito sorrindo até, pois como poderia agora o chefe de Drewenna obstruir a passagem das pedras? E quanto mais rapidamente as pedras estivessem em Ratharryn, tanto mais cedo o ouro de Erek seria devolvido a Sarmennyn. Todavia Stakis, apesar da sua gratidão pelas ofertas de Lengar, queria mais. Queria a ajuda de Ratharryn para apanhar o homem que fora seu rival na obtenção da chefia de Drewenna. Dizia-se que o filho de Melak era agora um proscrito da floresta, tendo levado consigo três dezenas de guerreiros e esses homens atacavam constantemente o território de Stakis.

 

Tragam-me a cabeça de Kellan num cesto concedeu Stakis e então podem transportar todas as pedras de Sarmennyn pela minha terra.

 

Haragg aproximou-se timidamente de Jegar e insistiu para que aceitasse a proposta, mas Jegar parecia confuso. Queria saber onde estava Kellan, exactamente quantos homens tinha e quais as suas armas. E porque não poderia ser Stakis a perseguir o seu rival?

 

Stakis explicou que tentara fazê-lo, mas Kellan recuava sempre para o sul de Ratharryn.

 

Se os teus homens forem para ocidente e os meus para oriente, encurralamo-lo.

 

Parecia uma proposta bastante simples, porém Jegar mostrava-se preocupado. Como poderia Stakis ter a certeza que Kellan não fora para sul e oeste em direcção ao povo de Duran? Stakis teria já falado com o chefe?

 

Claro afirmou Stakis. Ele não viu Kellan.

 

Nós também não o vimos, mas se um homem não deseja ser encontrado, então a floresta esconde-o para sempre. O meu amigo Saban nesta altura dirigiu a Saban um sorriso de troça deseja transportar as pedras o mais depressa possível. Talvez possa até trazer algumas este Verão! Mas se tiver de esperar até procurarmos atrás de cada árvore e batermos cada arbusto, então as pedras nunca mais chegarão. Além do mais, Kellan pode já estar morto!

 

Está vivo! afirmou Stakis. Mas para mim basta que concordes em me ajudar a persegui-lo concedeu. Faz essa promessa, Jegar, e autorizo a que as pedras passem pelo meu território.

 

Sem qualquer outro pagamento? perguntou Jegar, deixando por decidir o assunto de Kellan.

 

Um homem merece pagamento pela passagem dos deuses pela sua terra disse Stakis, voltando-se para os emissários de Sarmennyn. Têm de me pagar com uma peça de bronze de tamanho suficiente para fazer a cabeça de uma lança por cada pedra que entre em Drewenna e por cada dez pedras, quero mais outra.

 

Damos-te uma cabeça de lança de bronze por cada dez pedras ofereceu Saban. Não tinha direito de falar em nome de Kereval, mas sabia que o preço de Stakis era exorbitante. Traduziu as palavras ao chefe de Sarmennyn, que concordou com um aceno.

 

Quantas pedras são? perguntou Stakis.

 

Dez vezes sete respondeu Saban. E mais duas.

 

Houve suspiros de espanto da parte dos homens de Drewenna. Tinham pensado que talvez Sarmennyn trouxesse duas ou três dúzias de pedras, mas não duas vezes essa conta.

 

Quero uma cabeça de lança de bronze por cada pedra insistiu Stakis.

 

Deixa-me falar com Kereval disse Saban, inclinando-se para o chefe e utilizando a língua fronteiriça. Ele quer demasiado.

 

Dou-lhe dez cabeças de lança disse Kereval. Nem mais uma. Olhou para onde estavam as ofertas, do lado oposto do círculo.

 

Já tem um cesto de cabeças de lança! Será que quer armar todos os homens com armas de metal?

 

Por cada dez pedras continuou Saban para Stakis damos-te uma cabeça de lança. Nem mais uma.

 

Jegar observava divertido a discussão. Antes de Stakis poder responder à oferta de Saban soou um corno nos montes arborizados, mesmo a norte do local da reunião. Stakis franziu a testa com o ruído, mas Jegar sorriu para o descansar.

 

Lengar foi à caça explicou.

 

Não há auroques tão perto de Sul afirmou Stakis, olhando para as árvores.

 

Talvez os tenham trazido sugeriu Jegar. Como querias que trouxéssemos Kellan de encontro às tuas lanças de bronze?

 

Fá-lo-ás? perguntou Stakis ansioso. Nesta altura o corno soou pela segunda vez e Jegar inclinou-se para diante, de modo a retirar a cobertura da quarta armação. Esta não continha ofertas, mas sim armas. Os homens vinham sempre desarmados para um encontro, mas os guerreiros de Ratharryn vieram a correr e apanharam espadas e arcos; um grupo de lanceiros tinha entretanto aparecido entre as árvores e, de súbito, as primeiras flechas voavam para cair entre os homens de Stakis.

 

Para trás! gritou Jegar a Saban. Vão para as cabanas. O combate não é com Sarmennyn! Lançara para trás a capa e Saban viu que tinha uma espada de bronze na mão aleijada. Estava presa a ela com tiras de couro, o que explicava a razão pela qual se sentara tão desconfortável com a capa de lontra que lhe escondia a arma.

 

Para trás! repetia Jegar.

 

Afinal Lengar não fora à caça, juntando-se sim ao resto dos seus lanceiros na floresta a norte de Sul e atacava agora os homens desarmados de Drewenna. Com ele estava Kellan e os renegados guerreiros. Stakis fora traído, enganado e surpreendido, e agora morreria.

 

Saban correu para as cabanas com o resto dos guerreiros desarmados de Sarmennyn. Agarrou no arco e numa aljava de flechas, mas Kereval pôs-lhe a mão no braço.

 

Esta luta não é nossa disse o chefe.

 

Não era uma luta, mas sim uma matança. Alguns dos homens de Stakis tinham fugido para o rio onde tentaram meter-se nos barcos, mas um grupo de archeiros de Lengar atacava-os de um local mais elevado na margem. Só deixaram de atirar quando os lanceiros de Ratharryn chegaram ao rio e mataram os poucos sobreviventes. Os cães uivavam, as mulheres gritavam e os moribundos gemiam. O próprio Stakis, com a maior parte dos seus seguidores fugira em direcção à aldeia de Sul, perseguidos de perto por Jegar e Lengar. Poucos, muito poucos homens de Drewenna correram na mesma direcção que os seus assaltantes, escapando-se por entre os grupos atacantes para conseguirem chegar às árvores; quando Lengar os viu a fugir, gritou a Jegar para que os perseguisse. Depois saltou para o cimo da paliçada que rodeava a aldeia e içou-se com agilidade. Vários lanceiros tentaram segui-lo, mas depois um pensou em partir a paliçada com um machado; a seguir os outros alargaram a abertura e invadiram as cabanas de telhado de colmo que rodeavam a nascente sagrada. Kellan e os seus homens juntaram-se à matança dentro da muralha destruída.

 

Os homens de Sarmennyn assistiam pouco à vontade das suas cabanas, onde Camaban se lhes reunira.

 

O problema é com Lengar disse. Não é connosco. Lengar não tem qualquer questão com Sarmennyn.

 

É vergonhoso disse Saban zangado. Ouvia os moribundos chamarem os seus deuses, via as mulheres gemendo sobre os mortos e o rio com redemoinhos de sangue. Alguns atacantes dançavam alegremente, enquanto outros montavam guarda junto às ofertas que Jegar tão traiçoeiramente trouxera a Stakis. É vergonhoso repetiu Saban.

 

Se o teu povo quebrar a trégua disse Scathel em tom de desprezo não é nada connosco, embora nos beneficie. Sem dúvida, Kellan deixar-nos-á transportar as pedras pela sua terra, sem requerer nada em troca.

 

Jegar desaparecera por entre as árvores com uma dúzia de lanceiros, perseguindo os últimos fugitivos de Drewenna. Saban recordou-se da promessa que Derrewyn fizera em seu nome, bem como dos juramentos para se vingar e ergueu a lança.

 

Que fazes? Lewydd quis contê-lo e quando Saban tentou afastar-se, este agarrou-o por um braço.

 

Esta luta não é nossa insistiu.

 

A luta é minha! afirmou Saban.

 

Não é sensato lutar com os lobos avisou Camaban.

 

Fiz uma promessa disse Saban, libertando o braço da mão de Lewydd e correndo para a floresta. Lewydd pegou na sua lança e seguiu-o.

 

Havia mortos e moribundos por entre as árvores. Como todos aqueles que tinham assistido ao encontro das tribos, os guerreiros de Stakis tinham trazido os seus melhores ornamentos e os homens de Jegar roubavam-lhes agora colares, amuletos e roupas. Olharam assustados quando Saban e Lewydd apareceram, mas a maior parte conhecia o primeiro e não temia o segundo, já que o Fronteiriço de tatuagens cinzentas não era naquela altura o inimigo. Saban subiu a encosta, procurando Jegar; ouviu então um grito à direita e correu através das árvores para ver o seu inimigo espetar uma espada num moribundo. A arma estava presa à mão aleijada, mas mesmo assim brandia-a com força doentia.

 

Jegar! gritou Saban, erguendo a lança. Teria sido mais fácil lançar uma flecha da corda dourada do seu arco, contudo o acto seria cobarde. Jegar! exclamou de novo.

 

Jegar voltou-se, com os olhos brilhantes de excitação, depois viu que Saban trazia na mão a sua lança de caça e apercebeu-se de que não se tratava de um aliado, mas sim de um inimigo. A princípio parecia estupefacto, mas depois riu-se. Baixou-se, apanhou também a sua pesada lança de guerra e endireitou-se para enfrentar Saban com ambas as armas.

 

Dizimei sessenta e três homens disse. Alguns deles tinham mais cicatrizes que eu.

 

Que eu saiba, matei dois respondeu Saban. Agora serão três e sessenta e três espíritos na outra vida ficarão meus devedores. Derrewyn também me há-de agradecer.

 

Derrewyn! exclamou Jegar com desprezo, Uma prostituta. Morrerias por uma prostituta? De repente investiu contra Saban enterrando a lança e riu-se quando aquele se afastou desajeitadamente para o lado. Vai-te embora Saban disse Jegar, baixando a lâmina da lança. Que orgulho posso ter em matar um boi castrado como tu?

 

Saban atacou com a sua lança, mas Jegar afastou-a com insolência. Depois atacou de novo, quase que ao acaso; Saban aparou o golpe e viu a espada chegar rapidamente do outro lado, de modo que se viu obrigado a saltar para escapar ao movimento rápido. Depois veio de novo a lança, a seguir a espada, fazendo-o recuar para cima de um monte de folhas, fascinado pelas lâminas cintilantes que Jegar usava com habilidade confiante. A vida de Jegar era combater e praticava todos os dias com armas, de modo que aprendera a compensar a sua mão aleijada. Voltou a espetar a lança, recuando rapidamente no ataque e abanando a cabeça.

 

Não és digno que eu te mate disse com desprezo. Alguns homens tinham subido a colina para assistir à luta, mas Jegar mandou-os embora com um gesto.

 

A luta é nossa disse. Já acabou.

 

Não acabou disse Saban, atacando com a lança, recuando assim que Jegar começou a defender-se, para investir de novo em direcção à garganta do inimigo, mas Jegar desviou-se para o lado e aparou o golpe com a espada.

 

Queres mesmo morrer, Saban? perguntou Jegar. Mas não morres. Se combateres comigo, não te matarei. Prefiro obrigar-te a ajoelhar e urinar sobre a tua cabeça como já fiz.

 

Eu urino no teu cadáver respondeu Saban.

 

Imbecil! exclamou. Investiu com a lança, com a velocidade de uma serpente, obrigando Saban a recuar e investindo de novo.

 

Saban saltou para uma pedra, de modo que ficou acima de Jegar, mas este lançou-lhe a espada as pernas, obrigando-o a subir ainda mais. Jegar riu ao ver o medo no rosto de Saban; avançou então para o atingir com a lança, mas Slaol atingiu-o.

 

O raio de luz desceu numa miríade de cintilantes folhas verdes, como uma espada de luz que, vinda dos ramos, o atingiu nos olhos, cegando-os. O deslumbramento durou apenas um momento, porém Jegar estremeceu e afastou o rosto no preciso instante em que Saban saltava da rocha e investia com a lança em direcção à garganta de Jegar. Ao mesmo tempo, Saban soltou um berro pelo tormento de Derrewyn, pela sua vitória e pela satisfação que sentiu ao ver o vermelho do sangue inimigo.

 

Jegar caiu. Deixou cair a lança e agarrou-se à garganta onde o fôlego lhe borbulhava com o sangue escuro. Estrebuchou, ergueu os joelhos para o ventre e revirou os olhos, enquanto Saban fazia girar uma e outra vez a espada de bronze, de modo a que mais sangue corresse para as folhas. Soltou a lança e, sob o olhar incrédulo de Jegar, enfiou-lhe a lâmina no ventre.

 

Jegar estremeceu, ficando depois imóvel. Saban, com os olhos muito abertos e respirando com dificuldade, olhava-o, sem querer acreditar que Jegar estava morto. Pensara-se inferior e era-o, porém Slaol interviera. Retirou a lança do cadáver de Jegar, voltando-se depois para olhar os espantados guerreiros de Ratharryn.

 

Vão dizer a Lengar que Derrewyn está vingada exclamou. Cuspiu sobre o cadáver de Jegar.

 

Os homens afastaram-se, enquanto Saban se curvava para desatar as correias que ligavam a espada à mão de Jegar.

 

Quanto tempo ficas em Sul? perguntou a Lewydd, que ficara junto a ele durante o breve combate.

 

Pouco respondeu Lewydd. Temos de voltar à aldeia antes do Solstício. Porquê?

 

Volto dentro de quatro dias disse Saban. Depois viajo para Sarmennyn contigo. Espera por mim.

 

Quatro dias disse Lewydd, estremecendo ao ver o que Saban fazia. Onde vais? perguntou.

 

Volto dentro de quatro dias repetiu Saban e nada mais disse. Depois pegou no fardo e subiu a encosta

 

Terminara a matança em Sul.


SABAN ESTAVA CANSADO, COM FOME E DORIDO. CAMINHARA A MAIOR PARTE DE um dia e de uma noite, viajando a partir de Sul, primeiro para oriente, seguindo depois um conhecido caminho de comerciantes em direcção ao norte, através de uma floresta interminável. Agora, na segunda noite, depois de sair de Sul, subia uma encosta suave na qual as árvores tinham sido cortadas, apesar das colheitas que lá pudessem ter sido semeadas já terem desaparecido e sido substituídas por fetos. Não se viam porcos, o único animal que comia estas plantas, nem qualquer outra criatura viva. Naquela noite quente e opressiva, até o ar estava vazio de pássaros e quando se deteve para escutar, nada ouviu, nem sequer o vento através da folhagem; percebeu então que o mundo deveria ter sido assim, antes dos deuses terem criado os animais e o homem. No ocaso viam-se enormes nuvens de cor violeta, lançando sombras sobre a terra atrás de si.

 

Saban entregara o arco, a aljava e a lança a Lewydd, e transportava apenas a túnica ensanguentada de Jegar contendo o seu pesado fardo. Estava sujo, com o cabelo escorrido. Desde que saíra de Sul que perguntava a si próprio porque empreendera aquela jornada; contudo, não encontrava resposta que o satisfizesse, excepto a que lhe ditavam as razões do destino e do dever. Tinha uma dívida a pagar e a vida estava cheia delas; teriam de ser honradas, para que o destino lhe fosse favorável. Toda a gente o sabia. Um pescador com uma boa apanha teria de dar alguma coisa aos deuses. Se a colheita era generosa, uma parte teria de ser sacrificada. Um favor gerava outro e uma maldição era tão perigosa para a pessoa que a pronunciava como para aquela a quem era destinada. Havia sempre um equilíbrio entre tudo o que era bom e mau neste mundo e era por isso que as gentes davam tanta importância aos presságios; porém alguns, como Lengar, ignoravam o desequilíbrio. Limitavam-se a amontoar o mal sobre o mal e desafiar os deuses, mas Saban não podia ser tão descuidado. Preocupava-o que parte da sua vida estava desequilibrada, de modo que percorrera aquele caminho até à encosta coberta de fetos onde nada se mexia nem se ouvia. A floresta continuava pelo monte o que, quando a noite caiu, o fez recear o caminho através das sombras escuras; o seu medo foi maior quando chegou junto às árvores, pois aí, no princípio da floresta, de ambos os lados do atalho como se fossem guardiães, encontravam-se dois postes com cabeças humanas.

 

Não passavam agora de caveiras, já que os pássaros lhes tinham bicado os olhos e a carne, embora uma delas ainda retivesse restos de cabelo junto ao escalpe amarelado. As órbitas enviavam um aviso sinistro pela encosta. Volta para trás, diziam, volta para trás.

 

Saban continuou.

 

Entoava um cântico à medida que caminhava, mas não queria que aparecesse uma flecha sibilante vinda da folhagem, de modo que seria melhor anunciar a sua presença aos lanceiros que guardavam o território. Cantava a história de Dickel, o deus dos esquilos. Era um cântico infantil com uma alegre melodia que contava como Dickel quisera enganar uma raposa para que esta lhe desse a sua boca enorme e dentes afiados; porém a raposa voltara-se na altura que Dickel lhe lançara o feitiço e o esquilo ficou antes com a enorme cauda peluda e avermelhada.

 

Cauda torcida, cauda torcida cantava Saban, recordando-se da mãe lhe entoar estas mesmas palavras. Então ouviu atrás de si o ruído de passos nas folhas e deteve-se.

 

Quem és tu, cauda torcida? perguntou uma voz trocista.

 

Chamo-me Saban, filho de Hengall respondeu. Ouviu um respirar fundo e soube que o homem atrás de si estava a pensar matá-lo. Acabara de anunciar que era irmão de Lengar, o suficiente para o condenarem naquela terra, de modo que voltou a falar: Trago um presente disse, erguendo o fardo ensanguentado que trazia na mão.

 

Um presente para quem? perguntou o homem.

 

Para a vossa feiticeira.

 

Se ela não gostar, vai matar-te avisou o homem.

 

Se ela não gostar do presente, mereço morrer ripostou Saban. Voltou-se e viu que não era apenas um homem, mas sim três, todos com cicatrizes de morte no peito, todos com arcos e lanças, e todos com rostos amargos e desconfiados de quem trava uma interminável batalha, mas combate com paixão. Guardavam uma fronteira protegida pelas caveiras, o que fez com que Saban perguntasse a si próprio se todo o território de Cathallo estaria rodeado pelos crânios dos inimigos mortos.

 

Os homens hesitavam e Saban percebia que continuavam tentados a matá-lo; porém estava desarmado e não mostrava medo pelo que, embora contrariados, deixaram-no viver. Seguiu para oriente escoltado por dois deles, enquanto o terceiro corria adiante para anunciar à aldeia a chegada de um intruso. Os dois homens apressaram Saban, pois a noite chegava, contudo o crepúsculo de Verão era longo e quando chegaram a Cathallo ainda se mantinha no céu uma débil luz

 

Rallin, o novo chefe, aguardava Saban à entrada da aldeia. Com ele encontravam-se doze guerreiros, enquanto a tribo se reunira lá atrás para ver o irmão de Lengar que se atrevera a vir ali, à terra deles. Rallin teria a mesma idade de Saban, mas parecia terrível, pois era um homem alto, com ombros largos e rosto sem sorrisos, marcado pela cicatriz de uma ferida que lhe ia da barba até ao olho esquerdo.

 

Saban de Ratharryn saudou severamente.

 

Agora, Saban de Sarmennyn disse este, inclinando-se respeitosamente.

 

Rallin ignorou-lhe as palavras.

 

Aqui matamos os homens de Ratharryn. Matamo-los onde quer que os encontremos, cortamos-lhes as cabeças e enfiamo-las em postes. A multidão murmurava que a cabeça de Saban deveria ser acrescentada a esse número.

 

É mesmo Saban? perguntou uma outra voz.

 

Saban voltou-se e viu Morthor, o sumo sacerdote com as suas órbitas vazias, no meio da multidão. Tinha agora a barba branca.

 

Que bom ver-te, Morthor disse Saban desejando imediatamente não ter pronunciado aquelas palavras.

 

Mas Morthor sorria.

 

Que bom ouvir-te respondeu, voltando os seus olhos cegos na direcção de Rallin. Saban é bom homem.

 

É de Ratharryn argumentou Rallin simplesmente.

 

Foi Ratharryn que me fez isto respondeu Saban erguendo a mão esquerda em que faltava o dedo. Ratharryn fez de mim escravo e baniu-me. Não venho de lá.

 

Mas foste criado em Ratharryn insistiu Rallin, obstinado.

 

Se um vitelo nascer na tua cabana, Rallin, quererá dizer que é teu filho? perguntou Saban.

 

Rallin considerou a resposta por um instante.

 

Então porque vieste cá? perguntou.

 

Para trazer um presente à filha de Morthor respondeu Saban.

 

Que presente? inquiriu Rallin.

 

Isto. Saban ergueu a trouxa mas recusou desatá-la. Depois ouviu-se um berro que mais parecia um grito de raposa e Rallin voltou-se para a enorme barreira do santuário.

 

Uma figura solitária erguia-se sozinha na escuridão do templo. Fez um gesto e Rallin habituado a obedecer a ordens, afastou-se para deixar Saban encaminhar-se para a mulher que o esperava no local onde as pedras emparelhadas da avenida ocidental se encontravam com a barreira do templo. Era Derrewyn, e Lahanna brilhava sobre ela tornando-a muito bonita. Vestia uma túnica simples de pele de veado que lhe caía até aos tornozelos e que ao luar parecia quase branca; tinha um colar de ossos ao pescoço. Mas quando Saban se aproximou viu que a sua beleza estava no reflexo da Lua e pouco mais, pois estava agora muito mais magra e tinha o rosto zangado, marcado e fino.

 

Trazia o cabelo negro apanhado atrás, enquanto a boca, antigamente tão pronta a sorrir, era uma fenda de lábios finos. Na mão direita trazia o osso da coxa que pertencera a Sannas, que ergueu quando Saban chegou ao último par de pedras da avenida.

 

Atreveste-te a vir cá? perguntou.

 

Vim trazer-te um presente respondeu Saban.

 

Ela olhou para a trouxa, acenou abruptamente e Saban desatou a túnica e, à luz da Lua, lançou entre os dois o seu conteúdo.

 

Jegar disse Derrewyn, reconhecendo-lhe as feições, apesar do sangue que lhe empastava a barba e manchava a pele.

 

É Jegar confirmou Saban. Cortei-lhe a cabeça com a sua própria espada.

 

Derrewyn olhou-a fixamente.

 

Para mim?

 

Porque outra razão te traria a cabeça?

 

Ela olhou-o e nessa altura a máscara caiu-lhe pois esboçou um sorriso cansado.

 

Agora és Saban de Sarmennyn?

 

Sim.

 

E tens mulher? Uma adoradora de Slaol? Saban ignorou a amargura da pergunta.

 

Todos os Fronteiriços adoram Slaol disse.

 

Porém, vieste ter comigo fez notar Derrewyn, voltando a colocar a máscara de ira. Rastejaste até mim com um presente! Porquê? Porque precisas de ser protegido de Lengar?

 

Não protestou Saban.

 

Mas precisas. Mataste-lhe o amigo. Pensas que não irá devolver-te o favor? Toca numa dessas larvas de Ratharryn e o resto persegue-te. Franziu a testa. Pensas que Lengar não te matará? Pensas que não ficará com a tua mulher como ficou comigo? Ofendeste-o!

 

Vim trazer-te isto disse Saban, apontando para a cabeça de Jegar e mais nada. Na verdade nem pensara na reacção de Lengar à morte de Jegar. O irmão deveria estar cheio de raiva, disso tinha a certeza, provavelmente quereria vingança, porém Saban acreditava estar em segurança em Sarmennyn.

 

Então trouxeste-me o teu presente e nada mais disse Derrewyn. Que esperavas Saban? A minha gratidão? Ergueu as suas vestes de pele de veado quase até à cintura. É isto que queres?

 

Saban voltou-se para olhar os campos escuros.

 

Queria que soubesses que não me esqueci. Derrewyn baixou as saias.

 

Não te esqueceste de quê? perguntou amargamente.

 

Que nos amámos disse Saban. Que contigo conheci a felicidade. Desde então até hoje, não houve um único dia que não pensasse em ti.

 

Derrewyn olhou-o durante muito tempo, depois suspirou.

 

Sabia que não tinhas esquecido disse. Sempre esperei que voltasses. Encolheu os ombros. Agora estás aqui. E então? Ficas? Queres ajudar-nos a combater o teu irmão?

 

Vou voltar para Sarmennyn respondeu Saban. Derrewyn fez um ruído de desprezo.

 

Para transportares o teu famoso templo? O templo que levará para Ratharryn o grande Slaol! Queimando o céu para aceder ao teu pedido? Acreditas que virá?

 

Sim respondeu Saban. Acredito.

 

Mas para fazer o quê? Desta vez Derrewyn falava sem desprezo.

 

Aquilo que Camaban promete explicou Saban. Não mais haverá Inverno, doenças ou tristeza.

 

Derrewyn olhou para ele e depois deu uma gargalhada, lançando a cabeça para trás. A sua troça ecoou até ao extremo da grande barreira de greda branca que brilhava na penumbra.

 

Não mais haverá Inverno! Não mais haverá tristeza! Estás a ouvir, Sannas? Estás a ouvir? Ratharryn vai banir o Inverno! Dançara enquanto fazia troça, mas agora detivera-se e apontara para Saban com o osso enorme. Não preciso de dizer isso a Sannas, pois não? Ela sabe o que Camaban quer, visto que foi ele que lhe roubou a vida. Não esperou resposta, mas cuspiu e avançou para pegar na cabeça de Jegar pela sua cabeleira ensanguentada. Vem comigo, Saban de Ratharryn disse e descobriremos se conquistarás o Inverno com as tuas belas pedras vindas do Ocidente. Como se fosse possível! Poderíamos ser felizes de novo! Poderíamos ser jovens e felizes, sem dores nos ossos.

 

Conduziu-o ao santuário. Não estava lá mais ninguém, apenas o luar brilhava sobre os enormes blocos de pedra, que pareciam estar embebidos em pequenos fragmentos da luz das estrelas. Derrewyn levou Camaban à antiga cabana de Sannas, que era ainda a única dentro da barreira; aí, atirou a cabeça de Jegar para a entrada, antes de despir a túnica pela cabeça.

 

Tu também ordenou, fazendo-lhe sinal para também tirar a sua. Não te vou violar, Saban, apenas quero falar com a deusa. Ela gosta que o façamos nus, tal como os sacerdotes, para que nada haja entre eles e os seus deuses. Baixou a cabeça para passar pela porta.

 

Saban despiu a túnica, tirou as botas e seguiu-a. Alguém, possivelmente Derrewyn, tinha colocado sobre a porta a caveira de um bebé. Este morrera muito pequenino, pois tinha a fontanela ainda aberta. O interior da cabana não se alterara. Havia as mesmas trouxas penduradas do telhado sombrio, bem como os montes revolvidos de peles, os cestos de ossos e os vasos com ervas e unguentos.

Derrewyn sentou-se com as pernas cruzadas de um lado da fogueira, fazendo sinal a Saban para se sentar em frente. Ateou o lume, espevitando-o de modo a que, com a sua luz, afastasse as sombras agoirentas das asas de morcego e armações de veado suspensas da viga do tecto. As chamas iluminavam-lhe o corpo e Saban notou que se tinha tornado incrivelmente magra.

 

Já não sou bela, pois não?

 

És respondeu Saban. Ela sorriu.

 

Dizes mentiras, tal como os teus irmãos. Estendeu a mão para um enorme vaso e retirou de lá umas ervas secas, que lançou para o fogo. Continuou a fazê-lo, mão-cheia a mão-cheia, de modo que as pequenas folhas pálidas, primeiro brilhavam, começando depois a abafar as chamas. A luz diminuiu e a cabana enchia-se de um fumo espesso.

 

Respira o fumo ordenou-lhe Derrewyn e Saban inclinou-se e inspirou. Quase sufocou, sentindo a cabeça andar à roda, mas obrigou-se a inspirar de novo, notando qualquer coisa de doce e enjoativo no fumo acre.

 

Derrewyn fechou os olhos, balançando-se para um lado e para outro. Respirava pelo nariz, deixando de vez em quando escapar um suspiro e, de repente, começou a chorar. Os seus ombros magros agitavam-se, o rosto contorcia-se e as lágrimas corriam. Parecia ter o coração partido. Gemia, arfava e soluçava, com as lágrimas manchando-lhe o rosto; depois inclinou-se para diante como se fosse vomitar e Saban receou que fosse enfiar a cabeça na fogueira. De repente, porém, arqueou o corpo para trás e ficou a olhar para o pico do telhado, enquanto tentava retomar fôlego.

 

O que vês? perguntou ela.

 

Não vejo nada respondeu Saban. Sentia a cabeça tonta, como se tivesse bebido demasiado licor, mas nada via. Nem sonhos, nem visões, nem aparições. Receara ver Sannas, que voltasse dos mortos, mas não havia mais que sombras, fumo e o corpo branco de Derrewyn com as suas costelas salientes.

 

Vejo morte sussurrou Derrewyn, com as lágrimas ainda a correrem-lhe pelas faces. Haverá muitas mortes murmurou. Farás um templo de morte.

 

Não protestou Saban.

 

O templo de Saban disse Derrewyn, a voz não mais que um pequeno suspiro do vento, passando pelos postes do templo. O santuário de Inverno, o Templo das Sombras. Balançou-se de um lado para o outro. O sangue escorrerá pelas pedras como bruma.

 

Não!

 

E a noiva do Sol aí morrerá sussurrou Derrewyn.

 

Não.

A tua noiva do Sol. Derrewyn voltara-se agora para Saban, mas não o via, pois os seus olhos estavam revirados, com o branco à mostra. Morrerá aí, sangue sobre a pedra.

 

Não! Saban gritou e a sua veemência arrancou-a ao transe. Quando os olhos se fixaram, pareceu surpreendida.

 

Apenas digo o que vejo afirmou calmamente. E aquilo que Sannas me dá para ver. Ela vê claramente Camaban, pois foi ele quem lhe roubou a vida.

 

Roubou-lhe a vida? perguntou Saban, confuso.

 

Viram-no, Saban disse Derrewyn, cansada. Uma criança viu um homem coxo sair do santuário de madrugada, na mesma manhã em que encontraram Sannas morta. Encolheu os ombros. Assim, Sannas não pode ir ter com os seus antepassados, até que Camaban a liberte e eu não o posso matar, pois com ele mataria Sannas e teria o mesmo destino dela. Parecia desesperada, mas depois abanou a cabeça. Quero ir para Lahanna, Saban. Quero ir para o céu. Aqui na terra não há felicidade.

 

Haverá disse firmemente Saban. Faremos com que Slaol volte de modo que não haja mais Inverno nem mais doença.

 

Derrewyn sorriu pesarosa.

 

Não haverá Inverno disse melancólica. Basta recuperar o padrão. Gozou da surpresa de Saban. Sabemos tudo o que se passa em Sarmennyn continuou. Os comerciantes falam connosco. Sabemos tudo a respeito do vosso templo e das vossas esperanças. Mas como sabem que o padrão se quebrou?

 

Porque sabemos respondeu Saban.

 

Sois como ratos disse com desprezo. Tal como eles, pensais que a cevada cresce para vosso benefício e que, se pronunciardes preces, podereis impedir a colheita.

 

Olhou para o brilho fraco do lume, enquanto Saban se voltava para ela. Tentava ver a jovem que conhecera, naquela amarga feiticeira, e talvez ela pensasse o mesmo já que olhou de súbito para ele.

 

Nunca desejas que tudo fosse como era dantes? perguntou.

 

Sim respondeu Saban. A toda a hora. Ela sorriu ao notar-lhe o fervor na voz.

 

Eu também murmurou. Tu e eu éramos felizes, não é verdade? Mas também éramos crianças. Não foi assim há tanto tempo, mas agora tu transportas templos e eu digo a Rallin o que tem de fazer.

 

Que lhe dizes?

 

Que mate tudo o que vier de Ratharryn, claro. Que mate e volte a matar. Atacam-nos a todo o momento, mas os pântanos protegem-nos e quando tentam contorná-los, encontramo-los na floresta e matamo-los um a um. Tinha na voz o tom da vingança. E quem começou a matança? Lengar! E quem adora Lengar? A Slaol! Esteve em Sarmennyn e lá aprendeu a adorá-lo acima de todos os deuses; desde aí a matança não tem tido tréguas. Slaol foi solto, Saban, e traz-nos sangue.

 

É o nosso pai protestou Saban. Ama-nos.

 

Ama-nos! vociferou Derrewyn. É um deus cruel, Saban, e porque haveria de nos retirar o Inverno? Ou de nos poupar a tristezas? Estremeceu. Quando adoramos Slaol como um dos muitos deuses, ele é controlado, há um equilíbrio. Mas puseste-o à cabeça deles todos e agora vais sentir sobre ti o seu chicote.

 

Não, contrariou Saban.

 

Vou opor-me a ele ameaçou Derrewyn. É essa minha missão. Sou agora inimiga de Slaol, Saban, porque teremos que vergar a sua crueldade.

 

Não é cruel insistiu Saban.

 

Diz isso às jovens que todos os anos são queimadas em Sarmennyn afirmou Derrewyn mordaz. Embora tenha poupado a tua Aurenna, não foi? Sorriu. Sei o nome dela, Saban. É boa esposa?

 

Sim.

 

Bondosa?

 

Sim.

 

E bela? perguntou Derrewyn, sem rodeios.

 

Sim.

 

Mas foi mostrada a Slaol, não foi? Foi-lhe oferecida! Pronunciou aquelas últimas palavras em tom sibilante. Pensas que ele a esquecerá? Ela foi marcada, Saban. Marcada por um deus. Camaban também! Têm uma lua no ventre. Não confies em gente marcada pelos deuses.

 

Aurenna não foi marcada protestou Saban. Derrewyn sorriu.

 

A beleza marca-a, Saban. Sei-o, porque também fui bela.

 

Ainda és disse Saban com sinceridade, mas ela limitou-se a rir.

 

Farias melhor em construir centenas de templos a centenas de deuses, ou apenas um para mil, mas esse? Seria melhor não fazeres nenhum. Seria melhor pegar nas pedras e lançá-las ao mar. Abanou a cabeça como se soubesse que o seu conselho seria em vão. Apanha o colar que deixei cair ali fora ordenou.

 

Saban obedeceu, pegando nos ossos que se entrechocavam pendurados no seu fio de tendão. Percebeu com sobressalto que se tratava de ossos de um bebé, pequenas costelas e minúsculas falanges. Entregou-lho por cima dos restos do fogo e Derrewyn mordeu o tendão e retirou do fio uma pequena vértebra. Estendeu um braço para pegar num vaso de boca larga, avermelhado e selado com cera de abelha que estava atrás de si. Usou uma faca para erguer a tampa e imediatamente um cheiro horrível se espalhou pela cabana, sobrepondo-se aos restos do fumo acre, sem que no entanto Derrewyn parecesse importar-se, apesar de ter a cabeça sobre ele. Enfiou o pequeno osso no vaso, depois retirou-o e Saban viu que estava coberto com uma pasta pegajosa e esbranquiçada.

 

Pôs o vaso de lado, puxou um cesto baixo, procurou por entre o seu conteúdo e, finalmente, retirou dele duas metades de uma casca de avelã. Colocou o osso dentro da casca e franzindo a testa para se concentrar, fechou as duas metades e atou-as com um bocado de tendão. Enrolou o fio repetidas vezes à volta da avelã, pegou numa tira de couro e transformou a avelã num amuleto para Saban usar ao pescoço. Entregou-lho.

 

Põe-no.

 

O que é? perguntou Saban, recebendo nervosamente o amuleto.

 

Um talismã disse ela em tom final, cobrindo o vaso malcheiroso com um bocado de couro.

 

Que espécie de talismã?

 

Lengar deu-me um filho disse ela calmamente. O osso dentro dessa avelã pertence a essa criança e o unguento é o que resta da sua carne.

 

Saban estremeceu.

 

Um osso do teu próprio filho?

 

Do filho de Lengar disse Derrewyn. Matei-o como se mata um piolho. Nasceu, Saban, começou a chorar com fome e cortei-lhe o pescoço. Ficou a olhar para Saban, sem pestanejar. Ele estremeceu de novo e tentou imaginar o ódio que entrara naquela alma. Mas um dia terei outro filho continuou. Será uma rapariga e criá-la-ei para ser feiticeira, como eu. Esperarei até que Lahanna me indique a altura certa, depois deitar-me-ei com Rallin, e gerarei uma rapariga para guiar a tribo quando eu morrer. Suspirou, olhando para o amuleto. Diz a Lengar que a sua vida está presa dentro dessa casca de avelã e se ele te ameaçar, atacar ou mesmo ofender, destrói-a. Calca-a com uma pedra ou queima-a e ele morrerá. Diz-lhe isso.

 

Saban pendurou a casca de avelã ao pescoço junto ao pendente de âmbar que lhe fora oferecido pela mãe.

 

Se o odeias tanto disse porque não esmagas tu o talismã? Derrewyn sorriu.

 

O filho também era meu, Saban.

 

Então... começou Saban, mas não conseguiu continuar.

 

Esmaga o amuleto disse ela e também me magoas. Talvez não me mates, mas magoas-me. Magoas-me. Não! Vira que ele ia retirar o amuleto. Precisas dele, Saban. Trouxeste-me um presente e agora tens de levar também um da minha parte. Ofereceste-me a vida de Jegar, portanto ofereço-te a do teu irmão porque, acredita, ele quer a tua. Esfregou os olhos, depois passou por ele de gatas e saiu para o exterior. Saban seguiu-a.

 

Derrewyn enfiou a túnica de pele de veado pela cabeça e depois inclinou-se para observar a cabeça de Jegar. Voltou-a e cuspiu-lhe nos olhos.

 

Vou enfiar isto num pau à entrada desta cabana disse. Talvez um dia ponha a de Lengar a seu lado.

 

Saban vestiu-se.

 

Parto de madrugada disse. Com a tua permissão.

 

Com a minha ajuda respondeu Derrewyn. Vou mandar uns lanceiros contigo para que vás em segurança. Com o pé, lançou a cabeça de Jegar para dentro da cabana. Voltaremos a encontrar-nos, Saban disse e depois, abruptamente, voltou-se e abraçou-o, encostando o rosto à túnica dele e apertando-o com uma força espantosa. Ele sentiu-a tremer e pôs os braços à volta dela.

 

Derrewyn afastou-se imediatamente.

 

Vou dar-te comida e um sítio para dormires disse friamente. Amanhã de manhã podes partir.

 

De manhã, ele partiu.

 

Lengar tinha já voltado para Ratharryn quando Saban regressou a Sul.

 

Pensou que tinhas fugido disse-lhe Lewydd.

 

Não lhe disseste que eu voltava?

 

Não lhe disse nada. Porque haveria de o fazer? Mas quanto mais depressa fores para Sarmennyn, melhor. Quer ver-te morto.

 

Saban tocou na forma de avelã que tinha por baixo da túnica, mas nada disse a esse respeito. Daria resultado? Precisaria do amuleto? Se ficasse na distante Sarmennyn, não mais precisaria de enfrentar Lengar e ficou satisfeito quando, um dia depois do seu regresso de Cathallo, Kereval se afastou da nascente de água quente onde se metera, afirmando que lhe curava as dores dos ossos. A viagem por mar em direcção ao Ocidente foi muito mais difícil, pois o vento estava contra os barcos e embora as marés ainda os guiassem parte do tempo, a volta exigiu que remassem muito e levou um dia mais do que a ida. Todavia, os barcos voltaram, por fim, para a região central e as tripulações cantavam enquanto a maré ajudava as embarcações a subir o rio em direcção à aldeia de Kereval.

 

No dia seguinte, Saban colheu ísatis numa encosta, Aurenna pôs a planta em infusão e, quando a tinta ficou pronta, colocou uma segunda tatuagem de morte no peito de Saban. Introduziu as marcas com um pente, inserindo a tinta profundamente na pele e, enquanto trabalhava, Saban contou-lhe o que acontecera em Sul e de como tinha levado a Derrewyn a cabeça de Jegar. Depois, enquanto o sangue lhe secava no peito, ele e Aurenna sentaram-se junto ao rio e ela tocou na casca de avelã.

 

Fala-me de Derrewyn pediu.

 

Agora está muito magra declarou Saban. Muito amarga.

 

Quem a poderá censurar? perguntou Aurenna. Franziu a testa à casca de avelã. Não gosto disto. Uma maldição pode prejudicar quem a solta.

 

Pode manter-me vivo disse Saban retirando-lha das mãos. Vou conservá-la até à morte de Lengar e depois enterro-a.

 

Pendurou-a ao pescoço. Não se atrevia a mostrá-la a Camaban, pois temia que o irmão utilizasse o encantamento para prejudicar Derrewyn, de modo que o manteve escondido. Receava ainda que Camaban o interrogasse acerca da sua viagem a Cathallo e lhe chamasse imbecil por tê-lo feito; porém Camaban estava ocupado em tentar encontrar um comerciante que o levasse à ilha do outro lado do mar ocidental. Acabou por encontrar uns homens que faziam a jornada com uma carga de sílex e, assim, Camaban partiu de Sarmennyn.

 

Aprenderei os segredos dos seus sacerdotes disse a Saban. Voltarei quando for tempo disso.

 

E quando será?

 

Quando eu voltar, claro disse Camaban, entrando para o barco. Um dos comerciantes entregou-lhe um remo, mas Camaban pô-lo de lado com desprezo.

 

Não remo disse. Sento-me, e remais vós. Agora, levai-me. Agarrou-se à borda do barco e foi levado rio abaixo para o mar. Estavam já prontos dez barcos para transportar os pilares do templo,

 

todos eles com triplo casco muito bem apertado; encontravam-se a montante do local onde a erva crescia, junto às enormes pedras do templo. As mais pequenas, de cerca da altura de um homem, podiam ser carregadas duas a duas em cada barco, mas as maiores precisavam de um barco para cada e Saban começou por carregar um dos enormes blocos de pedra. Na maré cheia um dos barcos foi empurrado para a beira-rio e a popa presa firmemente à margem. Saban ergueu um dos extremos da pedra que ainda se encontrava assente no trenó, enfiando-lhe uma tábua por baixo. Ergueu a outra ponta, para que pudessem ser colocadas outras três traves por baixo; estas foram depois erguidas por quarenta homens que, a hesitar, a levaram para o barco. Os homens tinham de carregar o peso apenas alguns passos, porém ficaram nervosos quando entraram na água e foram necessários mais doze para firmar a pedra. Suavam, mas avançaram até o bloco ser colocado por cima do quadrado de madeira que ligava os três cascos. Baixaram a pedra e o barco afundou tanto na água que um dos cascos encalhou no leito do rio. Lewydd e mais doze homens libertaram-no e Saban notou que o casco tinha muito pouco bordo livre; contudo Lewydd calculou que sobrevivessem à jornada até Ratharryn, se Malkin, o deus do tempo, fosse benevolente. Ele e mais doze homens entraram no barco e remaram rio abaixo, seguidos na margem por uma horda de homens entusiasmados.

 

Levaram três dias a carregar os dez barcos. Cinco embarcações levavam as pedras grandes, enquanto cada uma das outras cinco, duas das mais pequenas. Uma vez colocadas as pedras nas tábuas, os barcos flutuavam todos rio abaixo. Havia dois locais em que este era muito baixo e os homens tiveram de erguer os barcos para atravessar esses sítios como se fossem trenós, mas dois dias depois tinham chegado todos em segurança à aldeia de Aurenna, onde foram presos às árvores. Na maré baixa os enormes cascos descansavam na lama, enquanto na maré alta flutuavam livremente, puxando incansavelmente pelos ancoradouros.

 

Esperavam o bom tempo. Já se estava no fim do Verão, mas Lewydd orava no santuário de Malkin todas as manhãs e subia a encosta atrás da aldeia para espreitar o Ocidente. Esperava que o vento caísse e que o mar acalmasse, mas as rajadas pareciam inexoráveis nesses dias e as ondas cinzentas rugiam interminavelmente a oeste, para se quebrarem em espuma branca na costa rochosa.

 

Passou a época das colheitas e chegaram as chuvas, rugindo do oceano em aguaceiros imensos, de tal forma que, todos os dias, Saban tinha de esvaziar a água da chuva dos barcos ancorados. Os céus continuavam escuros, de modo que começava a desesperar de alguma vez conseguir deslocar as pedras, contudo Lewydd nunca perdeu a esperança; o seu optimismo foi por fim justificado, pois uma bela manhã Saban acordou numa estranha calma. O dia estava quente, os ventos tinham caído e os pescadores calculavam que o bom tempo viera para durar. Diziam que muitas vezes era o que acontecia e com o ano já muito avançado, Malkin enviava dias de abençoada calma antes do Outono trazer os ventos uivantes. Assim, os dez barcos foram carregados com odres de água potável, sacas de peixe seco e cestos de pão feito sobre as pedras quentes, depois Scathel salpicou cada um deles com sangue de um boi acabado de matar e, ao meio-dia, com doze remadores em cada embarcação, a primeira pedra do templo partiu para o mar.

 

Muitos homens da tribo diziam que as tripulações não mais seriam vistas. No alto-mar, afirmavam, os barcos afundar-se-iam e o peso das pedras arrastá-los-ia para o fundo, onde os esperavam os escuros monstros das profundidades. Saban e Aurenna foram à beira-mar ver os dez barcos, escoltados por duas esguias embarcações de pesca, darem a volta à terra e remarem para o mar. Os pessimistas tinham-se enganado. Os dez barcos vogavam com facilidade sobre as pequenas ondas, depois içaram-se as velas de couro sobre as pedras, os remos entravam com força na água e a pequena frota navegava para oriente empurrada pela maré e por uma brisa suave.

 

Restava agora a Saban esperar o regresso de Lewydd. Aguardou enquanto os dias se encurtavam, o vento aumentava e o ar arrefecia. Algumas vezes, Saban e Aurenna dirigiam-se à ponta sul, e tentavam lobrigar do cimo dos rochedos os barcos de Lewydd. No entanto, apesar de verem embarcações de pesca com os homens de pé lançando pequenas redes, e muitas embarcações de comerciantes carregadas de mercadoria, não avistavam nenhum dos barcos de casco triplo que tinham transportado as pedras. Dia após dia o vento agitava mais o mar, que rebentava sobre as rochas, desfazendo em espuma a crista das ondas, mas Lewydd não voltava. Havia dias em que os pescadores não saíam porque a água e o vento estavam furiosos. Nesses dias Saban temia por Lewydd.

 

Chegou a primeira geada e depois o primeiro nevão. Aurenna estava de novo grávida e algumas manhãs acordava a chorar, porém negando sempre serem por Lewydd as suas lágrimas.

 

Está vivo insistia. Está vivo.

 

Então porque choras?

 

Porque é Inverno explicava. Erek morre no Inverno e eu estou tão próxima dele que sinto a sua dor. Encolheu-se quando Saban lhe tocou na face.

 

Por vezes este sentia que a mulher se distanciava dele, aproximando-se mais de Erek. Sentava-se na pedra, junto ao rio, com as mãos estendidas, afirmando escutar o seu deus e Saban, que não ouvia vozes dentro da cabeça, tinha ciúmes.

 

Chegará a Primavera dizia ele.

 

Como sempre respondia Aurenna, voltando-lhe as costas. Saban e Mereth fizeram mais barcos. Encontraram os últimos carvalhos

 

grandes na floresta próxima e desses troncos conseguiram exactamente mais cinco barcos. Se Lewydd regressasse, trazendo consigo as embarcações, ficariam com quinze, quinze barcos que poderiam transportar para oriente todas as pedras em quatro viagens. Mas se Lewydd não voltasse, então o templo não poderia ser mudado. Os dias passavam e enquanto a garra do Inverno se apertava mais sobre a terra, não havia sinais nem notícias de Lewydd.

 

A longa ausência de Lewydd começou a perturbar o povo de Sarmennyn. Espalhavam-se rumores. Um deles afirmava que os dez barcos se tinham afundado e as tripulações afogado, arrastadas pelas pedras, que Erek não queria que fossem deslocadas. Outros afirmavam que Lewydd e os seus homens tinham sido dizimados pelo povo de Drewenna que, em vez de fornecer os trenós como o seu novo chefe tinha prometido, depois do massacre em Sul, decidira ficar com as pedras para si. Os rumores alimentavam-se a si próprios e, pela primeira vez, desde que Aurenna saíra da fogueira, ouviam-se murmúrios de que Camaban e Kereval se tinham enganado. Haragg tentava manter a fé da tribo, mas cada vez mais gente afirmava que o templo nunca deveria ter sido deslocado. Mais de uma centena de jovens da tribo desaparecera juntamente com os barcos e a tribo receava nunca mais ver esses homens. Tinham deixado viúvas e órfãos, tinham saído de Sarmennyn perigosamente desprovidos de lanças e, porque muitos dos desaparecidos eram pescadores, haveria fome em Sarmennyn nesse Inverno; a culpa era toda daqueles que preconizaram a deslocação do templo. Scathel, Haragg e Kereval tentavam conter a ira, aconselhando as pessoas a esperar por notícias. Mas mesmo assim, os rumores multiplicavam-se e numa noite de Inverno transformaram-se numa súbita raiva, quando uma multidão de gente ressentida abandonou a aldeia de Kereval, atravessou o rio com tochas acesas e dirigiu-se para sul, para a aldeia de Aurenna.

 

Scathel desceu o rio de barco para avisar Saban que os homens vinham queimar a aldeia e destruir os barcos novos. Kereval tentara detê-los, dissera o sumo sacerdote, mas Kereval estava doente e a sua autoridade enfraquecida.

 

Quem os conduz? perguntou Haragg zangado ao irmão. Scathel nomeou alguns dos homens e Haragg estremeceu de raiva.

 

Não passam de vermes disse com desprezo, empunhando uma lança.

 

Deixa-me falar com eles pediu Saban.

 

O que disseres não os vai deter retorquiu Haragg, correndo pelo atalho com a lança na mão. Cagan seguia-o. Saban ordenou a Mereth que levasse as mulheres da aldeia para as árvores e correu atrás de Haragg, apanhando o homem gigantesco justamente na altura em que enfrentava a multidão munida de archotes no estreito caminho da floresta. Haragg ergueu a lança.

 

Ides lutar contra Erek gritou, mas antes de puder dizer mais alguma coisa foi atingido no peito por uma flecha saída da multidão, que o fez recuar e tombar junto a um carvalho. Cagan vociferou aflito, arrancou a flecha do pai e investiu contra a multidão. Foi recebido com mais flechas e uma saraivada de pedras, mas mais valera terem lançado setas a um auroque. O gigantesco surdo-mudo agitava desajeitadamente a lança, fazendo recuar os homens; Saban correu em seu auxílio, mas nessa altura Cagan tropeçou e caiu. A multidão atirou-se a ele, as lanças erguiam-se e baixavam, enquanto o gigante estrebuchava debaixo delas. Saban pegou no braço de Haragg, obrigou-o a levantar e arrastou-o para que não assistisse à morte do filho.

 

Cagan! gritou.

 

Foge! ordenou-lhe Saban. Uma flecha assobiou-lhe junto aos ouvidos e outra acertou na árvore.

 

A multidão avançava, com o sangue estimulado pela morte de Cagan. Alguém atirou uma lança que deslizou pelo atalho, quase atingindo o tornozelo de Saban, que acabava de avistar Aurenna no centro do caminho.

 

Volta para trás! gritou-lhe Saban, mas ela acenou para que se afastasse. Tinha solto o cabelo loiro e a túnica de pele de veado caía larga sobre o seu ventre grávido. Vai! disse Saban. Acabaram de matar Cagan. Vai!

 

Tentou afastá-la, mas Aurenna desviou-lhe a mão, recusando que ele a retirasse dali. Esperou calmamente, placidamente, tal como o fizera para entrar na fogueira da noiva do Sol e, quando avistou a multidão em tumulto, avançou lentamente para ir ter com ela.

 

Não ergueu as mãos, não falou, limitou-se a ficar ali e os atacantes hesitaram. Tinham morto um homem, mas agora enfrentavam a noiva de Erek, uma mulher, nem deusa, nem feiticeira, mas muito poderosa, de modo que ninguém teve coragem de a atacar, embora um homem se tivesse já destacado da multidão direito a ela. Chamava-se Kargan, sobrinho de Kereval e era um famoso guerreiro de Sarmennyn. Usava asas de corvo no cabelo, bem como penas da mesma ave atadas ao pau da lança, que era mais longa e pesada que qualquer outra de Sarmennyn. Tinha queixo comprido, olhos pesados e enormes cicatrizes cinzentas a exibir o número de pessoas que matara em combate; porém inclinou a cabeça ao ver Aurenna.

 

Não temos nenhuma questão contigo, senhora.

 

Então, com quem é, Kargan? perguntou Aurenna em voz baixa.

 

Com aqueles que roubaram os nossos jovens respondeu Kargan. Com os imbecis que quiseram deslocar o nosso templo pelo mundo!

 

Quem roubou os teus jovens, Kargan? perguntou Aurenna.

 

Sabes quem foi, senhora. Aurenna sorriu.

 

Os nossos jovens voltarão amanhã. Virão nos seus barcos e os seus cânticos serão ouvidos no rio. Amanhã haverá alegria, então porquê causar hoje mais tristeza? Fez uma pausa, aguardando, mas ninguém falou. Voltai ordenou à multidão. Os nossos homens voltarão amanhã. Erek prometeu-o. Depois, com um último sorriso calmo, voltou-se e partiu.

 

Kargan hesitou, mas a certeza de Aurenna retirara a raiva à multidão, que lhe obedeceu. Saban viu-os partir e seguiu a esposa.

 

E amanhã quando os barcos não voltarem? perguntou-lhe. Como vais impedir que nos matem?

 

Mas os barcos vão chegar afirmou Aurenna. Erek disse-mo num sonho. Estava muito confiante, até espantada por Saban duvidar. As brumas dissiparam-se disse-lhe alegremente. Vi o futuro de Erek. Sorriu-lhe, levando depois Haragg para a sua cabana onde o consolou do seu desgosto. Este respirava com dificuldade, pois a flecha atingira-o com profundidade e saía-lhe sangue da boca, mas Aurenna garantiu-lhe que viveria, dando-lhe uma poção a beber e soltando o pau da flecha.

 

Na manhã seguinte, depois do corpo de Cagan ter ardido na pira, quase toda a tribo se encaminhou para sul, para o local onde a terra se encontrava com o mar e aí esperaram por cima das águas cinzentas. Pássaros brancos voaram em círculos e os seus gritos pareciam gemidos de afogados. Saban estava no cimo do rochedo com Scathel e Mereth; Kargan viera com aqueles que o tinham seguido na noite anterior, mas Aurenna não foi.

 

Os barcos chegarão, dissera nessa manhã a Saban. Não preciso vê-los. Ficou com Haragg.

 

Passou a manhã e apenas chegaram rajadas de vento. A chuva sussurrava sobre o mar e o vento frio fazia-a bater no rosto dos que estavam à espera. Scathel orava, Saban acocorara-se ao abrigo do vendaval, junto a uma rocha, enquanto Kargan andava de trás para a frente no cimo do rochedo, batendo com a pesada lança na erva pálida. O Sol escondera-se atrás de uma nuvem Kargan enfrentou finalmente Saban.

 

Tu e o teu irmão trouxeram a loucura a Sarmennyn disse com simplicidade.

 

Não vos trouxe nada retorquiu Saban. A vossa loucura começou quando perderam o vosso ouro.

 

O ouro foi roubado! gritou Kargan.

 

Mas não por nós.

 

E o templo não pode ser transportado!

 

O templo tem de ser transportado disse Saban com ar cansado. De contrário, tu e eu não voltaremos a ser felizes.

 

Felizes? exclamou Kargan. Pensas que os deuses querem a nossa felicidade?

 

Se desejas saber o que querem os deuses, pergunta a Scathel disse Saban. Ele é que é sacerdote. Apontou para o homem magro que estivera a orar na borda do rochedo, mas que já não erguia os braços ao céu. Olhava antes para oriente, perscrutando as nuvens cinzentas e erguendo os véus de chuva. De súbito gritou uma e outra vez, apontando com o bordão, de modo que todos os que ali estavam se voltaram na direcção para onde olhava o sumo sacerdote.

 

Viram então os barcos.

 

Viram uma frota: uma frota que regressava a casa, lutando contra a chuva e contra o vento, enquanto eram transportados no final da maré cheia. Lewydd separara os enormes cascos de modo que cada barco triplo se transformara em três e as traves que tinham suportado as pedras haviam sido arrumadas dentro dele, por homens enregelados, desejosos de voltar. A multidão que assassinara Cagan na noite anterior e que estivera pronta a dizimar toda a gente na aldeia de Aurenna, aclamava-os agora. Lewydd estava de pé no barco da frente, acenando com o remo. Saban contava os barcos e viu que estavam todos, nenhum faltava. Saíam das ondas soturnas, abrigando-se do vento, junto à boca do rio, onde os remadores exaustos esperavam a mudança da maré.

 

A maré da noite levou os barcos rio acima, tal como Aurenna prometera. As tripulações cantavam, enquanto os dirigiam para a aldeia. Entoavam o cântico de Dilan, o deus do mar, manejando os remos ao ritmo da música, e a multidão que os seguira cantava com eles.

 

Lewydd saltou para terra e foi saudado carinhosamente, mas furou por entre a multidão para abraçar Saban.

 

Conseguimos disse exultante. Conseguimos.

 

Saban acendera uma enorme fogueira no espaço aberto junto aos barcos quase acabados. As mulheres tinham pisado raízes e cereal e Saban ordenara que se assasse um veado na fogueira. As tripulações dos barcos receberam peles secas e Kargan regressou da aldeia de Kereval com vasos de licor e ainda mais gente, de modo que Saban teve a impressão de que toda Sarmennyn se encontrava à volta da sua casa para ouvir a história de Lewydd. Este contou-a tão bem, que os ouvintes gemiam, ofegavam ou aclamavam, enquanto descrevia como os barcos tinham transportado as pedras até ao rio Sul, no fim do Verão. A viagem não fora difícil, dissera. Os barcos tinham navegado bem, as pedras permaneceram seguras e chegaram finalmente ao rio; mas nessa altura começaram os problemas.

 

Os apoiantes de Stakis, derrotados por Lengar, andavam ainda por Drewenna e alguns deles exigiam um tributo que Lewydd não possuía. Assim, manteve-se na foz do Sul, onde construiu uma paliçada e esperou que chegassem os homens enviados por Kellan, novo chefe de Drewenna, para afastar os vagabundos.

 

Os lanceiros de Kellan escoltaram os barcos na subida do Sul, mas quando chegaram às águas baixas, onde os barcos já não podiam flutuar, não havia trenós à espera. Kellan prometera construí-los, mas faltara à sua palavra, de modo que Lewydd dirigiu-se a Ratharryn, onde discutiu e os exigiu a Lengar, que finalmente aceitou convencer Kellan. Porém, nessa altura os ventos outonais eram frios e a chuva caía, pelo que foram precisos muitos dias de trabalho cansativo para deitar abaixo as árvores e cortar os troncos para fazer os enormes trenós, nos quais colocaram as pedras e depois os barcos.

 

Os barcos e os trenós foram puxados por bois para subir os montes até ao rio que corria para oriente, aí foram voltados a carregar com as pedras e postos na água. A seguir Lewydd levou a frota para oriente até chegarem ao rio Mai, o qual subiram, para transportar as pedras até Ratharryn.

 

E fora aí que as tinham deixado. Dividira os barcos enormes em três e retomara o caminho de volta, arrastando os barcos para terra e voltando a colocá-los no rio Sul. Porém, quando chegaram à foz, o Inverno apresentava-se frio e duro, de modo que não se atrevera a regressar atravessando um mar tão turbulento. Assim, aguardara na foz do Sul até o tempo melhorar.

 

Agora voltara para casa com os seus homens. As primeiras pedras já se encontravam em Ratharryn. E Saban chorou não só porque Cagan fora morto e incinerado, mas também porque havia alegria em terra. O templo começara a ser transportado.


O SEGUNDO BEBÉ DE AURENNA ERA UMA MENINA E A MÃE PÔS-LHE O NOME de Lallic, que na língua do Povo da Fronteira significava ”a Escolhida”. A princípio Saban não ficou satisfeito com o nome, pois parecia querer impor à criança um destino antes dos fados terem tido a possibilidade de decidir a sua vida; contudo, Aurenna insistiu e Saban acabou por se habituar. Aurenna não voltou a conceber, mas o filho e a filha cresceram saudáveis e fortes. Viviam junto ao rio e Leir aprendeu a nadar antes de saber andar. Aprendeu a remar um barco, a disparar o arco e a apanhar peixes com uma lança nas poças do rio. Enquanto cresciam, os dois irmãos viam passar pela sua cabana as pedras que seguiam em direcção ao mar.

 

Levaram cinco anos a deslocá-las todas. Lewydd esperara poder fazê-lo com maior brevidade, mas se o tempo não estivesse perfeito, não levava para o mar a sua frota improvisada; assim, houve um ano em que não deslocaram uma única pedra e no seguinte apenas foi possível uma viagem. Porém, quando os barcos saíam, os deuses eram bondosos e não se perdeu uma única pedra, nem se afogou homem algum.

 

Lewydd trouxe notícias de Ratharryn que diziam que o templo estava a ser construído e que a guerra entre Lengar e Cathallo continuava.

 

Nenhum dos lados vencerá disse Lewydd. Nenhum deles cederá, mas o teu irmão acredita que o templo lhe trará boa sorte. Continua a pensar que se trata de um templo da guerra.

 

Um ano trouxe notícias de que Derrewyn tinha dado à luz um bebé.

 

Uma filha disse Saban.

 

Já sabias? perguntou Lewydd. Saban abanou a cabeça.

 

Calculei. Ela está bem? Lewydd encolheu os ombros.

 

Não sei. Só ouvi dizer que os sacerdotes do teu irmão amaldiçoaram mãe e filha.

 

Naquela noite, Saban foi ao templo da noiva do Sol, na aldeia de Kereval, e enterrou junto a uma das pedras o talismã de âmbar que a mãe lhe oferecera. Inclinou-se a Slaol, para pedir ao deus que retirasse as maldições feitas a Derrewyn e à filha. Sabia que a mãe o haveria de perdoar, embora não soubesse se Aurenna seria tão compreensiva: quando lhe perguntou o que acontecera ao amuleto fingiu que o tendão tinha rebentado e o âmbar caíra ao rio.

 

Foi na Primavera do quinto ano que as últimas pedras do Templo das Sombras foram trazidas rio abaixo. Restavam apenas onze pilares, estando todos eles já colocados nos seus barcos de casco triplo, a flutuar rio abaixo em direcção a um ancoradouro perto da aldeia de Aurenna. Lewydd estava desejoso de fazer o último carregamento para oriente, mas quer Scathel, quer Kereval, queriam acompanhar as pedras, porque com a entrega em segurança dos últimos blocos terminava a parte do acordo que competia a Sarmennyn, e Lengar teria de entregar o resto do tesouro de Erek. Scathel e Kereval queriam estar presentes quando o ouro fosse restituído à tribo e insistiam em que um pequeno exército de trinta lanceiros viajasse com eles, de modo que levaria algum tempo para juntar a comida de que todos esses homens necessitavam.

 

Assim que os barcos suplementares ficaram preparados, o vento mudou para leste trazendo consigo rajadas frias e ondas estreitas e altas. Lewydd recusou-se a arriscar os barcos, de modo que esperaram no rio, balançando no ancoradouro sob o impacto do vento forte e da mudança das marés. Dia após dia o vento mantinha-se frio e, quando por fim virou a oeste, era demasiado forte e Lewydd continuava a não querer levar a frota para o mar.

 

Assim, esperaram até quase ao fim da Primavera e, um dia em que o vento uivava no cimo das árvores e a espuma se desfazia nos rochedos, apareceu um barco a ocidente, vindo da terra do outro lado do mar. Manobravam-no cerca de doze remadores, que lutavam contra a tempestade. Gritavam contra ela, vazavam o barco, remavam de novo, amaldiçoavam o deus do vento e oravam ao do mar, conseguindo, sem saber como, fazer com que a frágil embarcação dobrasse o cabo coberto de espuma e entrasse no rio. Navegaram por ele acima na maré baixa, demasiado zangados para esperar que subisse, gabando-se da sua vitória sobre a tempestade.

 

Esse barco trazia Camaban de volta a Sarmennyn.

 

Apenas ele não tinha mostrado medo do mar. Apenas ele não esvaziara a água do barco, não remara, não praguejara, nem cantara. Sentara-se, silencioso e sereno, e agora, que o barco chegava à aldeia de Aurenna, desembarcava com aparente despreocupação. Cambaleava um pouco, como se esperasse que o mundo também balançasse, e encaminhou-se depois para a cabana de Aurenna.

 

A princípio Saban não reconheceu o irmão. Camaban continuava magro como um junco e esguio como uma lâmina de sílex, mas tinha agora um rosto aterrorizador pois traçara nas faces e na testa fundas cicatrizes de cortes verticais nos quais esfregara fuligem, de modo que tinha o rosto quase negro. Apanhara o seu longo cabelo numa centena de pequenas tranças que serpenteavam como víboras e eram rematadas com falanges infantis. Leir e Lallic afastaram-se do desconhecido que se sentava junto à lareira de Saban sem nada dizer, sem mesmo responder quando Aurenna lhe ofereceu de comer.

 

Ali ficou toda a noite, mudo, sem comer, sempre acordado.

 

De manhã, Aurenna espevitou o lume e aqueceu as pedras para fazer o caldo, mas nem então Camaban falou. O vento passava pelo colmo, agitava os barcos ancorados e açoitava com chuva a aldeia onde a tripulação do barco de Camaban encontrara abrigo.

 

Saban ofereceu comida ao irmão, mas este limitou-se a olhar fixamente o fogo. Uma vez uma única lágrima correu-lhe pela cicatriz negra, mas poderia ter sido o fumo agitado pelo vento que lhe irritara a vista.

 

Só se mexeu a meio da manhã. Primeiro franziu a testa, afastou o cabelo do rosto e depois pestanejou como se tivesse acordado de um sonho.

 

Têm um grande templo na terra do outro lado do mar disse abruptamente.

 

Aurenna olhou em transe para Camaban, mas Saban franziu o sobrolho. Temia que o irmão exigisse que fosse de barco buscar aquele novo santuário.

 

Um templo enorme disse Camaban com o espanto na voz. Um templo dos mortos.

 

Um templo a Lahanna? perguntou Saban, pois esta tinha sido sempre guardiã dos falecidos.

 

Camaban abanou a cabeça. Um piolho saiu-lhe do cabelo, passando para a barba, que estava também entrançada e decorada com mais falanges pequeninas. Cheirava a água do mar.

 

É um templo a Slaol murmurou. Aos mortos que estão unidos com Slaol! Sorriu de repente e o esgar pareceu tão horrível aos filhos de Saban, que estes se afastaram ainda mais daquele estranho tio. Camaban delineou com as mãos a forma de um montículo. O templo é uma colina, Saban. Rodeado de pedras e oco, com uma casa dos mortos de pedra, mesmo no meio descreveu entusiasmado. No dia da morte de Slaol, o Sol entra por uma fenda nas pedras, no centro da casa. Sentei-me aí. Sentei-me entre as aranhas e os ossos e Slaol falou comigo. Franziu a testa sem deixar de olhar para o lume. Claro que não foi construído para Lahanna! disse em tom irritado. Ela roubou-nos os mortos, por isso teremos de lhos reclamar.

 

Lahanna roubou os mortos? perguntou Saban, confundido pela ideia.

 

Claro! gritou Camaban voltando para Saban o rosto fantasticamente manchado. Porque nunca o terei percebido? O que acontece quando morremos? Claro que vamos para o céu, para viver com os deuses, mas vamos para Lahanna! Ela roubou os nossos mortos. Somos como filhos sem pais. Estremeceu. Conheci um homem que acreditava que os mortos vão para o nada, que se perdem no caos por entre as estrelas e ri-me dele. Mas talvez tivesse razão! Quando me sentei naquela casa dos mortos, rodeado de ossos, ouvia os cadáveres de Ratharryn chamarem por mim. Querem ser resgatados, Saban, querem reunir-se com Slaol! Temos de os salvar! Temos de os devolver à luz!

 

Tens de comer disse Aurenna.

 

Tenho de ir disse Camaban. Olhou de novo para Saban. Já começaram a construir o templo em Ratharryn?

 

É o que Lewydd diz confirmou Saban.

 

Temos de o alterar afirmou Camaban. Precisa de uma casa de mortos. Tu e eu vamos reconstruí-lo. Sem túmulos, claro. As pessoas do outro lado do mar estão enganadas a esse respeito. Mas terá de ser um local para arrancar os mortos a Lahanna.

 

Podes reconstruí-lo disse Saban. Mas eu fico aqui.

 

Tu vens! gritou Camaban e Aurenna correu a consolar Lallic que tinha começado a chorar. Camaban apontou o dedo ossudo para Saban.

 

Quantas pedras faltam ainda transportar?

 

Onze disse Saban. Aquelas que vês além no rio.

 

Tu vais com elas ordenou Camaban. É o teu dever para com Slaol. Levas as pedras para Ratharryn e eu vou lá ter contigo. Franziu a testa. Haragg está cá?

 

Saban acenou com a cabeça, indicando que o gigante se encontrava na sua cabana.

 

Morreu-lhe o filho disse Saban.

 

Foi o melhor que lhe podia ter acontecido afirmou Camaban asperamente.

 

Haragg também foi ferido continuou Saban. Mas já está bem, embora ainda chore Cagan.

 

Então temos de lhe dar que fazer declarou Camaban, levantando-se e saindo para a chuva e para o vento. Tens o dever de ir a Ratharryn, Saban! Poupei a vida de Aurenna para ti! Não o fiz para que ficasses a apodrecer aqui na margem do rio; fi-lo por Slaol e tens de mo pagar, construindo o seu templo.

 

Dirigiu-se à cabana de Haragg e bateu com o punho fechado no colmo musgoso.

 

Haragg! gritou. Preciso de ti.

 

Haragg apareceu à entrada com expressão espantada. Estava agora completamente calvo e estranhamente magro, de modo que parecia velho antes de tempo. A flecha deixara-o doente por muito tempo, havendo mesmo dias em que Saban pensara que veria o gigante exalar o último suspiro; porém Haragg sobrevivera. Contudo, o amigo calculava que a ferida do espírito fosse bem mais grave que a do corpo. Agora Haragg olhava para Camaban e por um instante não reconheceu aquele homem de rosto manchado, mas depois sorriu.

 

Voltaste!

Claro que voltei! vociferou Camaban. Sempre disse que voltava, não disse? Não fiques a olhar para mim, Haragg, anda! Tu e eu temos muito que discutir e que viajar.

 

Haragg hesitou por um instante, depois acenou de súbito com a cabeça, e, sem sequer olhar para trás, para dentro da cabana e muito menos ir lá dentro buscar alguma coisa de que necessitasse, seguiu Camaban em direcção ao bosque.

 

Onde ides? perguntou Saban atrás deles.

 

Para Ratharryn, claro! respondeu Camaban.

 

A pé? inquiriu Saban.

 

Nunca mais quero ver um barco, enquanto viver disse Camaban fervorosamente, e deste modo partiu para fazer o seu templo ainda maior. Para ligar Slaol aos vivos e os mortos a Slaol. Para fazer um sonho.

 

Camaban tem razão disse Aurenna nessa noite.

 

Tem?

 

Erek salvou-nos disse ela. Portanto teremos de viajar para onde ele quiser. É o nosso dever.

 

Saban balançou-se nos calcanhares. Era noite, as crianças dormiam e o fogo ardia baixo, enchendo a cabana de fumo. O vento caíra e a chuva cessara, embora as pontas do colmo continuassem a pingar.

 

Camaban não falou em que fosses para Ratharryn disse Saban.

 

Erek quer-me lá retorquiu Aurenna.

 

Saban resmungou intimamente, pois sabia que agora teria de discutir com o deus.

 

O meu irmão Lengar está desejoso que te leve para Ratharryn. Vai ver-te, desejar-te e tomar-te. Claro que terei de lutar por ti, mas os seus guerreiros impedir-me-ão, serás obrigada a deitar-te sobre as peles dele e há-de violar-te.

 

Erek não o permitirá disse placidamente Aurenna.

 

Além do mais, estou bem aqui acrescentou Saban com petulância. Não quero ir para Ratharryn.

 

Mas o teu trabalho aqui terminou argumentou Aurenna. Não há mais barcos a construir, nem mais pedras para fazer descer da montanha. A obra de Erek vai para Ratharryn; ele salvou-nos a vida, de modo que iremos sorriu. Iremos para Ratharryn e faremos o mundo voltar ao princípio.

 

Saban não conseguia vencer a discussão, pois Erek estava contra ele e, assim, Aurenna aprontou-se a si e às crianças para a viagem. Porém os ventos do mar não abrandaram e as ondas altas continuavam a desfazer-se em espuma sobre o promontório, de modo que os dias passaram, até que o Verão fez florir os silvados, as narças, os bons-dias e as verónicas. Mesmo assim, Lewydd não se arriscava a fazer a viagem.

 

Os deuses querem reter-nos disse uma noite.

 

São as pedras que faltam disse Aurenna. As duas que se perderam no rio e a que se partiu na montanha. Se não as substituirmos, o templo nunca ficará completo.

 

Saban nada disse, no entanto olhou para Lewydd, para ver como este reagiria à ideia de trazer mais pedras das montanhas.

 

Aurenna fechou os olhos e balançou-se para a frente e para trás.

 

É um templo a Erek disse em voz baixa. Mas está a ser construído para o trazer de novo a Modron. Modron era o nome fronteiriço de Garlanna. Assim, deveremos enviar uma pedra para ela. Uma pedra grande para substituir as três que se perderam.

 

Podemos ir buscar mais uma pedra da montanha concordou Lewydd de mau humor.

 

Da montanha, não. Daqui afirmou Aurenna. De manhã mostrou a Lewydd o bloco esverdeado junto ao rio, onde ela e Saban gostavam de se sentar, a grande pedra com pontos brilhantes e centelhas rosadas no seu âmago. A pedra-mãe, como Aurenna lhe chamava, pois estava agarrada à mãe-terra, enquanto os outros blocos tinham sido arrancados do vale elevado no céu de Erek.

 

A pedra-mãe era enorme, tinha duas vezes o peso do mais volumoso pilar do templo e estava profundamente enterrada na margem cheia de ervas. Saban observou-a durante dois dias, tentando imaginar como haveria de a mover; depois ele e Mereth foram ao bosque, onde encontraram seis árvores altas que cortaram. Apararam os troncos de modo a formar rolos macios e cortaram-nos em dezoito partes mais pequenas.

 

No dia seguinte ergueram a pedra-mãe da terra com alavancas de carvalho. Saban cavou dos dois lados, abrindo buracos bem profundos como tocas de texugo na rocha, as alavancas foram lá enfiadas e com seis homens de cada a lado, a parte da frente da pedra foi erguida com alguma dificuldade. Os homens tiveram de escavar a terra por baixo do bloco para o soltar do solo, mas por fim ergueram-no e Mereth conseguiu meter um dos rolos mais pequenos por baixo dele.

 

Trabalharam durante três dias para erguer a pedra até que esta assentou sobre os dezoito rolos. Nessa altura Lewydd trouxe um dos barcos vazios de casco triplo para a margem do rio. Amarrou-o com a proa voltada para a pedra e esperou que a maré baixasse, de modo que o barco ficasse preso na lama. Assim que isso aconteceu, os homens de Saban empurraram a pedra para diante, enquanto outros se mantinham na lama da margem do rio e passavam cordas para puxar a pedra-mãe sobre os rolos. O bloco tinha quase três vezes a altura de um homem, mas era estreito e rolava bastante bem. Os homens arrastavam para a frente os rolos que emergiam por trás da rocha e assim, palmo a palmo, a grande laje foi arrastada e empurrada até uma ponta sobressair da margem, ficando sobranceira ao barco encalhado.

 

Cuidado, agora! exclamou Saban. Um dos rolamentos fora colocado no barco seguro por dois homens, enquanto outros doze manobravam as alavancas na parte detrás da pedra. Levantem outra vez! gritava Saban e a grande pedra avançou, começando depois a inclinar-se. Deixem que se incline, deixem que se incline! continuava Saban, vendo que o extremo anterior da pedra fazia balançar o barco. Os três cascos gemeram perigosamente sob o peso. Foram colocados no barco mais rolos e os homens usaram de novo as alavancas; enquanto a chuva salpicava o rio e as mulheres viam a maré subir, a enorme língua de pedra foi empurrada para o barco. A pedra-mãe era tão comprida que ocupava quase toda a embarcação.

 

Agora vejamos se flutua disse Lewydd e ele, Saban e Aurenna esperaram na margem do rio, enquanto a noite caía e a maré continuava a subir. À luz da fogueira que acenderam viram subir a água escura que rodopiava à volta dos três cascos. A maré subia cada vez mais até que Saban teve a certeza de que iria entrar pela borda dos barcos e inundar os cascos; contudo, nessa altura, a lama debaixo do barco soltou um som de sucção e os três cascos vogaram na corrente.

 

Nunca pensei que conseguíssemos fazer mover esta pedra comentou Lewydd incrédulo.

 

Ainda temos de a levar para Ratharryn disse Saban.

 

Erek ajudará afirmou Aurenna confiante.

 

O barco está muito baixo na água avisou Lewydd preocupado, explicando que no mar as ondas ultrapassariam inevitavelmente a borda, inundando os barcos. Os cascos exteriores, onde se albergavam os remos, podiam ser facilmente despejados, mas a pedra-mãe era tão comprida, que mal havia espaço para um homem se acocorar no casco central.

 

Ponham lá um rapazinho sugeriu Saban.

 

De manhã perceberam que apenas havia lugar para um rapaz acocorado à frente da pedra e outro atrás. Lewydd calculou que se os dois rapazes fossem esvaziando a água do mar, então o barco, extremamente carregado, poderia sobreviver à viagem.

 

Desde que o tempo esteja bom.

 

Mas o tempo continuou agreste. Os barcos esperavam, os guerreiros estavam prontos para a viagem, no entanto os ventos encrespavam os mares, continuando a trazer chuva torrencial. Passou outra lua, o Verão decorria e Saban começou a recear que nunca mais partissem. Ou a ter esperança que isso acontecesse, pois de facto não queria regressar a Ratharryn. O seu lar era em Sarmennyn, junto ao rio, onde pensara viver a sua vida, vendo os filhos crescer e tornarem-se membros da tribo de Kereval. Faria no rosto as cicatrizes de Sarmennyn, cobrindo-as de cinza para ficarem escuras. Só que agora Camaban e Aurenna insistiam para que voltasse à região central e ele não queria ir. Assim, alegrava-se com o mau tempo que o mantinha junto ao rio de Sarmennyn, onde ele e Mereth deixavam passar o tempo dando forma e escavando um tronco que fora rejeitado por ser demasiado curto para ser transformado em casco para o transporte das pedras, mas que daria uma bela embarcação de pesca. Pensavam oferecê-la a Lewydd como recompensa por ter transportado o templo. Mereth tomara esposa entre as mulheres de Sarmennyn e também ele se interrogava se haveria ou não de ficar.

 

Gostaria de ver mais uma vez o meu pai disse. E Rai queria conhecer Ratharryn. Rai era a sua esposa.

 

Saban despejou uma saca de areia da praia sobre o novo barco, esfregando-a para trás e para a frente de modo a amaciar a madeira.

 

Será bom voltar a ver Galeth disse Saban, pensando que também gostaria de visitar o túmulo do pai, mas não encontrava mais razões para visitar o lar da sua infância. Tocou na casca de avelã que trazia debaixo do gibão e depois deu meia volta, perguntando a si próprio por que razão sentiria tanta relutância em voltar. Claro que tinha receio de Lengar, mas Saban possuía o talismã e acreditava nele, então porquê tanto medo de voltar? Se o templo fosse construído, Slaol regressaria e tudo estaria bem, pensou, olhando para o rio onde as pedras flutuavam sobre os barcos. Quando chegassem ao Templo do Céu, o sonho ficaria completo. E que aconteceria depois? Mudaria tudo? Slaol arderia no céu para anular o Inverno e as doenças? Ou o mundo mudaria lentamente? Aconteceria alguma coisa?

 

Pareces preocupado disse Mereth.

 

Não respondeu Saban, embora o estivesse. Estava preocupado com a sua falta de fé. Camaban acreditava, Aurenna acreditava, afinal a maior parte do povo de Kereval acreditava que iam mudar o mundo, mas Saban não estava tão certo de partilhar aquelas certezas. Concluiu que talvez fosse porque apenas ele conhecera Camaban como a criança torcida, o gago banido, o filho desprezado. Ou talvez porque se apaixonara por aquele rio e pelas suas margens.

 

Estava a pensar se não poderia partilhar o barco com Lewydd disse. E se me fizesse pescador?

 

Só apanharias frio respondeu Mereth. Alisou um traço da madeira, de modo que a curva da proa parecia perfeita. Não, disse. Creio que tu e eu vamos voltar a casa, Saban, e teremos de nos habituar à ideia. É o que desejam as nossas esposas e parece que conseguem aquilo que querem.

 

O Verão passou e os ventos não caíram. Saban duvidava que as pedras saíssem do rio naquele ano, mas depois, tal como acontecera da primeira vez, a aproximação do Outono trouxe um período de calmaria nos mares e ventos suaves. Lewydd esperou dois dias, falou com os pescadores, orou no santuário de Malkin e declarou finalmente que a pequena frota podia partir. De novo meteram alimentos e água nos barcos e os guerreiros tomaram os seus lugares; Mereth e Saban instalaram as famílias em duas embarcações compridas de um só casco, que escoltariam as pedras para oriente. Scathel sacrificou um vitelo e salpicou com o seu sangue as pedras fortemente atadas, Kereval beijou as suas muitas esposas e chegou a altura de partirem.

 

Os barcos pesadamente carregados desceram o rio até à foz, ao abrigo do cabo, com os remadores a entoar um cântico a Erek. O povo que ficara manteve-se na margem do rio, ouvindo as vozes que se afastavam. Escutaram até não haver qualquer outro som senão o murmúrio do correr do rio e o suspiro do vento. Sarmennyn mantivera a sua promessa. Enviara o seu templo para Ratharryn e tudo o que o povo podia agora fazer era esperar o regresso do chefe, do sumo sacerdote e dos tesouros.

 

O tempo estava calmo, felizmente, pois o barco que transportava a pedra-mãe parecia desajeitado e lento. Quando Saban fizera a viagem pela primeira vez, parecera-lhe rápida, mas também partira num barco só de um casco que rasgava as águas como uma faca cortava carne; todavia as enormes embarcações de casco triplo pareciam arrastar-se pelas ondas. A maré levava-as e os remadores esforçavam-se até à exaustão, mas mesmo assim a viagem parecia agonizantemente lenta. Saban e a família partilhavam um dos barcos que levava os guerreiros de Kereval, o que era frustrante, pois o barco poderia ter avançado à frente da frota, mas assim tivera de acompanhar lentamente o transporte das pedras. O mais lento era o da pedra-mãe e os dois rapazinhos do barco central estavam constantemente a despejar água. Scathel avisara-os que se o barco se afundasse, seriam considerados culpados e ninguém os salvaria de morrer afogados. Assim, este aviso mantinha-os diligentes no trabalho, despejando água com as suas conchas. Aurenna agarrava Lallic, enquanto Leir tinha uma correia atada à cintura, de modo que se caísse pela borda poderia ser içado como um peixe. O Sol brilhava, prova que Erek aprovava a viagem.

 

Ancoravam a cada mudança de maré e partiam quando a água os levava de novo para oriente. Não interessava se a mudança se dava de dia ou de noite; dormiam no intervalo e, a maior parte das vezes, viajavam sob as estrelas. A Lua era uma foice, baixa no céu, de modo que parecia não haver o perigo do ciúme de Lahanna estragar a viagem. Dia após dia, noite após noite, as pedras seguiam para oriente, até que, por fim, depois de nove dias e nove noites, o Sol ergueu-se para mostrar as colinas verdes em ambas as margens, com enormes pântanos cintilantes que secavam à medida que o rio estreitava. Remavam com força, o mais rapidamente possível para acompanhar o movimento da maré, competindo uns com os outros, enquanto as margens se aproximavam, até que por fim avistaram a foz do Sul. Os remadores conduziram os barcos para o rio, por entre os pântanos, por entre as armadilhas para peixe e enguias, até uma pequena aldeia de pescadores, cujas cabanas ficavam perto da paliçada que Lewydd erguera na primeira viagem para transportar as pedras. Aí puderam finalmente descansar. Scathel ofereceu um machado de pedra ao chefe, em troca da cabra escanzelada que sacrificou a Erek, dando graças por a parte mais perigosa da jornada ter terminado. Os pescadores olhavam estupefactos, enquanto os guerreiros fronteiriços dançavam ao pôr do Sol. Em tempos passados não haveria senão animosidade entre os dois grupos, mas a aldeia era fiel a Drewenna e o povo do rio habituara-se às pedras em viagem.

 

Lewydd enviou um pescador com uma mensagem para Kellan, o chefe de Drewenna, pedindo-lhe que mandasse homens para erguerem os trenós que esperavam no fim do primeiro dia de viagem pelo rio e, na manhã seguinte, partiram pelo Sul acima, aproveitando a enchente. O primeiro dia foi bastante fácil, mas depois a maré pouco os ajudou e tiveram de impelir os barcos com a ajuda de varas. Demoraram três dias a chegar a Sul onde Kereval decretou que descansassem dois dias. Aurenna e Saban levaram as crianças a chapinhar na nascente de água quente que brotava sobre as rochas, fazendo um charco entre fetos e musgo. As rochas sobre o pequeno lago estavam cheias de pedaços de lã, assinalando os locais em que os suplicantes tinham feito as suas preces à deusa, pois durante todo esse dia uma sucessão de coxos, aleijados e doentes foram ao santuário pedir a ajuda de Sul. Aurenna lavou o cabelo na nascente e Saban penteou-lho, sob o olhar espantado do povo de Sul que a via tão alta, limpa e calma. Um homem perguntou a Saban se ela era uma deusa, enquanto outro lhe ofereceu sete bois, duas cabeças de machado, uma espada de bronze e três das suas filhas para que Aurenna se tornasse sua esposa.

 

Passaram a noite numa das cabanas que Stakis fizera para o encontro das tribos. Saban acendeu uma fogueira na qual assaram trutas e depois observou Aurenna, até esta se cansar do escrutínio.

 

Que se passa? perguntou.

 

És uma deusa? perguntou Saban.

 

Saban! exclamou, repreendendo-o.

 

Penso que és uma deusa.

 

Não replicou ela com um sorriso. Mas Erek quer-me para qualquer coisa especial. É por isso que fazemos esta viagem. Sabia que o marido estava preocupado com ela, de modo que estendeu a mão e tocou na dele. Erek vai proteger-nos, verás.

 

Saban acordou na manhã seguinte e descobriu que um grupo de guerreiros de Ratharryn chegara ao santuário durante a noite. O chefe do bando era Gundur, um dos companheiros mais chegados a Lengar e o homem que arrastara Saban da cabana na manhã em que este fora escravizado a Haragg. Gundur viera do sul do rio, de Drewenna, e Saban viu-o percorrer as cabanas com os companheiros. O território pertencia a Kellan, mas os lanceiros de Ratharryn eram aqui senhores. Saban comeu com os homens de Gundur e ouviu-os descrever os combates do irmão: como se apropriara de uma manada de bois de Cathallo; como invadira a terra das gentes que viviam a oriente de Ratharryn e como obrigara as pessoas que viviam junto ao mar na foz do rio Mai a pagar um pesado tributo. Agora, disse Gundur, naquele preciso momento, Lengar estava em Drewenna. Fora lá, explicara Gundur, para trazer os lanceiros de Kellan.

 

Começaram as colheitas afirmou Gundur. Não há melhor altura para atacar Cathallo. Vamos acabar com eles para sempre. Podes juntar-te a nós, Saban. Dividimos o saque, queres? Gundur sorria ao fazer-lhe o convite. Parecia amigável, calculando que a longa inimizade entre Saban e Lengar há muito estaria ultrapassada.

 

Que te trouxe a Sul? perguntou Saban.

 

Tu respondeu Gundur. Lengar ouviu dizer que as últimas pedras tinham chegado e mandou-nos para ver se era verdade.

 

É verdade confirmou Saban, apontando para os barcos. Deves dizer a Lengar que Kereval de Sarmennyn veio com elas para receber os seus tesouros.

 

Eu digo-lhe prometeu Gundur, voltando-se para olhar para Aurenna, que se dirigia ao rio, tendo saído das cabanas. Levava um odre de água, baixou-se para o encher e levou-o de volta. Gundur seguiu-lhe todos os gestos com o olhar.

 

Quem é? perguntou com voz espantada.

 

A minha esposa respondeu Saban friamente.

 

Direi a Lengar que estais ambos aqui. Vai ficar satisfeito. Gundur ergueu-se. Hesitou um instante e Saban perguntou a si próprio se iria mencionar a morte de Jegar, que tivera lugar tão perto do local onde tinham acabado de comer; porém, Gundur limitou-se a perguntar a Saban se tencionava levar as pedras rio acima ainda naquele dia.

 

Sim afirmou Saban.

 

Então vejo-te em Ratharryn disse Gundur, e conduziu os homens para sul, enquanto Saban e a família voltavam para junto das pedras e continuavam a cansativa viagem a puxar os pesados barcos contra a corrente do rio. Agora Lengar sabia que Aurenna viera à região do centro e que era muito bela. Saban tocou sub-repticiamente na casca de avelã que trazia ao pescoço.

 

A viagem tornou-se mais fácil dia e meio depois de terem saído de Sul, pois agora o rio era suficientemente baixo para que os homens erguessem os barcos. No dia seguinte chegaram a um local onde um rio mais pequeno se juntava ao Sul, vindo de sul e Lewydd meteu aí os barcos. A corrente era mais fraca, quase calma, de modo que os progressos notavam-se, tendo as embarcações chegado nessa noite a um local em que a água era demasiado baixa para navegarem e onde os grandes trenós as esperavam. No dia seguinte apareceram os homens de Drewenna, que ergueram dos barcos as onze pedras pequenas e as colocaram nos trenós, tendo a seguir içado também as embarcações para outros trenós ainda maiores.

 

A pedra-mãe ficou e foi preciso um dia inteiro para conseguir alinhar o barco com o trenó que estava na margem e cortar mais rolos; no dia seguinte, utilizando bois para arrastar o bloco, fizeram-no deslizar do barco para o trenó. No outro dia subiram o barco para a margem enquanto, nessa altura, as primeiras pedras estavam já a ser arrastadas para oriente.

 

Levaram três dias para atravessar a baixa bacia hidrográfica. Seguiram um atalho de erva que subia e descia suavemente até à margem do rio, que corria para oriente. Aqui os barcos eram içados dos trenós, lançados de novo à água e as pedras transportadas para bordo. Durante cinco anos Lewydd e os seus homens tinham feito isto. Cinco anos a erguer pedras, a usar alavancas, a fazer força e a suar; agora a enorme tarefa estava a chegar ao fim. Levaram três dias a descarregar as pedras dos trenós e a transportá-las para os barcos, mas por fim terminaram um trabalho que nunca mais precisaria de ser feito.

 

Na manhã seguinte os barcos flutuavam pelo rio e os homens entoavam cânticos enquanto sulcavam a corrente. Não se apressavam e o único esforço necessário era, de vez em quando, um golpe dado com o remo, para afastar o barco de um obstáculo. O Sol brilhava, filtrando-se pelas últimas folhas verdes, e o rio serpenteava lentamente por entre as margens cobertas de erva macia e salgueirinha. Dos campos vinha o som rouco do codornizão e os pica-paus bicavam as árvores. Quando passaram Cheol, a aldeia mais a sul de Ratharryn, o povo juntou-se na margem do rio para dançar e cantar, dando as boas-vindas às pedras.

 

Amanhã! gritou-lhes Saban. Chegaremos amanhã a Ratharryn! Dizei-lhes que estamos a chegar!

 

Depois de passarem Cheol, o rio penetrou de novo por entre as árvores. A corrente era agora mais rápida, de tal modo que os homens que preferiram seguir pela margem, quase tinham de correr para acompanhar a frota. Havia ali uma atmosfera de entusiasmo. A grande obra estava tão próxima do fim, que Saban tinha vontade de gritar triunfalmente em direcção ao Sol. Tudo aquilo fora feito por Slaol e decerto a inimizade de Lengar se afastaria com a glória da aprovação do deus. Saban não sabia como essa aprovação seria demonstrada, mas poucas dúvidas tinha acerca do sonho de Camaban. Fora a viagem em si que lhe restaurara a fé, pois vira por si o muito esforço que fora necessário fazer para mover barcos e pedras, portanto não queria acreditar que aqueles cinco anos não tivessem tido qualquer finalidade. Slaol teria de responder! Tal como uma curta alavanca de madeira podia deslocar uma pedra enorme, assim os pequenos homens podiam demover um imenso deus. Decerto Camaban tinha razão.

 

Não se deixem levar pela corrente! gritava Lewydd, fazendo Saban sair do seu feliz devaneio, ao ver que o rio quase chegara à sua confluência com o Mai e que era tempo de arrastar os barcos para a margem e aí os resguardar durante a noite. Na manhã seguinte teriam de içar as pedras contra a corrente, rio acima, até Ratharryn, portanto passariam aquela última noite da jornada por entre as árvores que cresciam na estreita língua de terra entre os dois rios.

 

Amarraram os barcos à margem e depois acenderam fogueiras. A noite estava quente e seca, de modo que os abrigos não eram necessários, porém fizeram um cordão de fogo de uma à outra margem do rio para deter os espíritos malignos e os guerreiros de Kereval foram incumbidos de vigiar para lá das chamas e de as alimentar na escuridão. O resto dos viajantes reuniu-se para entoar cânticos, até que o cansaço os venceu. A seguir, envolveram-se nas suas capas e adormeceram debaixo das árvores. Saban escutava os ruídos do rio até os sonhos chegarem. Sonhou com a mãe, viu-a martelar uma pega no poste da cabana e quando lhe perguntou por que o fazia, ela não lhe deu resposta.

 

De súbito, o sonho encheu-se de novos ruídos, de gritos e de terror; acordou, apercebendo-se que não estava a sonhar, sentando-se para ouvir os gritos além do cordão de fogo e um estranho e intenso ruído por cima da cabeça. Depois, qualquer coisa embateu numa árvore e apercebeu-se de que se tratava de uma flecha e de que o outro som era o de outras flechas que zumbiam por entre as árvores. Pegou no arco e na aljava e correu para o cordão de fogo. Imediatamente surgiram junto dele duas flechas vindas do escuro, o que o fez aperceber-se que as chamas o tornavam um alvo. Acabou por se esconder atrás de uns arbustos onde Mereth e Kereval também se abrigavam.

 

Que se passa? perguntou Saban.

 

Nenhum deles sabia. Dois dos guerreiros de Kereval tinham sido feridos, mas nenhum vira o inimigo ou sabiam quem este era, porém Kargan, sobrinho de Kereval, apareceu a correr e a gritar ao tio, provocando uma nova onda de flechas vinda do escuro.

 

Estão a roubar-nos uma pedra disse Kargan.

 

Estão a roubar-nos uma pedra? Saban não acreditava no que ouvia.

 

Estão a puxar um dos barcos rio acima! continuou Kargan. Scathel ouvira-os.

 

Temos de os seguir disse.

 

E as mulheres e as crianças? perguntou Kereval. Não podemos deixá-las sós.

 

Porque haveriam de querer roubar-nos uma pedra? perguntou Mereth.

 

Pelo seu poder? sugeriu Saban.

 

Os ruídos da floresta afastavam-se e não surgiram mais flechas vindas do escuro.

 

Deveríamos ir atrás deles exigiu de novo Scathel, mas quando Saban e Kargan percorreram a escuridão por detrás do cordão de fogo, nada encontraram. O inimigo desaparecera e, de manhã, enquanto a bruma pairava sobre as águas, descobriram que um dos barcos de casco triplo fora arrastado. Um dos dois homens feridos morreu nessa altura.

 

Saban notou que a Lua ficara no céu depois do nascer do dia e recordou-se que sonhara com a mãe, que sempre adorara Lahanna. Receou que a deusa se quisesse vingar, mas depois descobriu as flechas e reparou que estavam enfeitadas com penas de corvo. Penas negras, como as que eram usadas pelos homens de Ratharryn; porém, nada disse das suas suspeitas, já que a grande obra estava quase terminada.

 

A última parte da viagem foi a subida do Mai. O Sol quente brilhava, mas a atmosfera parecia sombria e a recordação das flechas da noite anterior era aterradora. Os homens vigiavam cautelosamente as margens arborizadas, enquanto puxavam os barcos pela água que lhes dava pela cintura. O cadáver do lanceiro seguia sobre a comprida pedra-mãe. Scathel insistira para que o cadáver fosse transportado para Ratharryn, pois queria encostar os tesouros à pele do homem, de modo a que o espírito que partia soubesse que a sua viagem e a sua morte não tinham sido em vão.

 

Saban subiu o rio dando a mão a Leir. Aurenna levava Lallic ao colo e ouvia Saban falar dos montes por onde passavam. Aquele era onde um urso enorme tinha sido morto e o outro fora onde Rannos, deus do trovão, atingira um ladrão, matando-o; e este, disse, apontando para um monte cheio de árvores à esquerda, é onde fica a nossa casa dos mortos.

 

Casa dos mortos? perguntou Leir.

 

Não queimamos os mortos em Ratharryn explicou Saban. Colocamo-los num pequeno templo, de modo que os pássaros e animais lhes possam comer a carne. Depois enterramos os ossos, ou então metemo-los num túmulo.

 

Leir fez uma careta.

 

Preferia ser queimado a ser comido.

 

Desde que vás para os teus antepassados disse Saban que importância tem isso?

 

Deram a volta ao monte e, na margem do rio, em frente deles, havia uma enorme multidão que os recebeu a cantar, assim que se avistaram os primeiros barcos.

 

Qual deles é Lengar? perguntou Aurenna.

 

Não o vejo disse Saban e, ao aproximar-se, apercebeu-se de que o irmão não se encontrava ali. Estavam os meios-irmãos mais novos de Mereth, bem como as irmãs de Saban, juntamente com muitos outros de quem se lembrava e que, quando se aproximou, correram na sua direcção querendo tocar-lhe, como se tivesse poderes de feiticeiro. Quando viram Saban pela última vez, este não passava de um rapazinho e agora era um homem, alto, barbado e direito, com rosto duro e um filho. Olharam espantados para Aurenna, estupefactos ao verem o seu cabelo dourado e rosto delicado, miraculosamente intacto de cicatrizes de qualquer doença. O povo disse a Saban, que Lengar se encontrava ainda em Drewenna e depois abriram alas para deixar passar Galeth. Estava envelhecido, envelhecido e de cabelo grisalho, com um olho branco leitoso, as costas curvadas e a barba rala. Primeiro abraçou Mereth, o seu filho mais velho e, a seguir, estreitou Saban.

 

Voltaste de vez? perguntou.

 

Não sei, tio.

 

Deverias ficar disse Galeth em voz baixa. Ficar para ser o chefe.

 

Já têm um chefe.

 

Temos um tirano disse Galeth, irritado, com as mãos nos ombros de Saban. Temos um homem que ama mais a guerra que a paz, um homem que pensa que todas as mulheres são suas. Olhou para Aurenna. Leva-a daqui, Saban acrescentou. Não a tragas enquanto não fores chefe.

 

Lengar construiu o templo?

 

Está a ser construído respondeu Galeth. Todavia, Camaban veio na Primavera e ele e Lengar discutiram. Camaban veio com Haragg e ambos disseram que o templo teria de ser alterado, mas Lengar insistiu em que deveria ser terminado tal como está, pois dar-lhe-ia poder, de modo que Camaban e o companheiro partiram. Galeth olhou de novo para Aurenna.

 

Leva-a daqui, Saban! Leva-a daqui! Ele vê-a e vai querer ficar com ela!

 

Primeiro quero ver o templo disse Saban e conduziu Aurenna na subida do monte, por um largo atalho aberto na turfa pela passagem dos trenós que transportavam as pedras vindas do rio. Kereval e os homens seguiram-no, querendo ver como ficava o templo no seu novo lar.

 

Lengar garante-nos que é um grande templo de guerra disse Galeth, coxeando ao lado de Saban. Acredita que Slaol não é apenas o deus do Sol, mas também o deus da guerra! Já lhe disse que tínhamos um deus da guerra, mas Lengar afirma que Slaol é o grande deus da guerra e da matança. Acredita que vai terminar o templo e depois, Saban, vai governar o mundo.

 

Saban sorriu.

 

O mundo pode não concordar.

 

O que Lengar quer, Lengar consegue disse Galeth tristemente, lançando de novo a Aurenna um olhar de ansiedade.

 

Saban tocou na casca de avelã.

 

Estamos em segurança, tio, estamos em segurança.

 

O atalho conduzia-os para norte, subindo por entre campos lavrados e passando perto das enormes árvores onde estava escondida a casa dos mortos, voltando depois para ocidente. Saban viu então à sua direita a grande muralha de terra de Ratharryn. Mostrou a barreira a Leir, dizendo-lhe que fora ali que crescera. Agora, de ambos os lados encontravam-se os túmulos dos antepassados, pelo que Saban caiu de joelhos e inclinou a cabeça para a relva, dando graças pela protecção concedida em todos aqueles anos.

 

Uma vez passados os túmulos, o atalho virava a sul, descendo até um pequeno vale, para depois se juntar ao caminho sagrado que Gilan mandara construir na altura da chegada das primeiras pedras vindas de Cathallo. O monte parecia mais alto, servindo, tal como a dupla curva do caminho sagrado de Cathallo, para até ao último momento esconder o templo de quem se aproximasse. Saban sentia uma emoção cada vez maior ao atravessar o fosso e as barreiras de greda. Vira pela última vez o Templo das Sombras no vale elevado de Sarmennyn, e vê-lo-ia de novo, embora maravilhosamente transportado através de uma enorme extensão de terra e de mar verde e frio. Pegou na mão de Aurenna e esta sorriu, compartilhando a sua ansiedade.

 

Primeiro avistaram apenas a única pedra que restava do Templo do Sol, erguendo-se bem alta no caminho sagrado; depois dela avistaram-se os pilares gémeos da entrada do Sol do santuário e, por fim, quando se voltaram de frente para a encosta, o templo estava diante deles.

 

A construção já ia a mais de metade. O corredor da entrada, com pedras em arco, estava terminado e o duplo círculo de pilares a dois terços, erguendo-se no centro do templo e guardado pelas quatro pedras da Lua. Saban calculou que apenas faltassem ser colocadas trinta pedras e viu que as covas para esses pilares já tinham sido feitas. Entretanto, notou que de um dos lados do templo, para lá do fosso e das barreiras, um monte de pedras de Sarmennyn esperava a colocação. Apenas faltava que os pilares fossem transportados pelo caminho da entrada e as últimas pedras chegassem do rio para o templo ficar completo. Porém, o que estava feito dava para ver que aspecto teria o santuário quando a última pedra fosse colocada. Saban deteve-se junto à pedra do Sol coberta de líquenes, contemplando o que ele, Lewydd e tantos outros tinham conseguido ao longo de cinco anos.

 

Então? perguntou Galeth.

 

Saban nada disse. Esperara aquele momento e lembrava-se do espanto que sentira quando vira pela primeira vez o anel duplo saindo do nevoeiro de Sarmennyn. Contudo, ali em Ratharryn o espanto desaparecera. Pensara sentir-se esmagado pelo templo, que talvez caísse de joelhos em espontânea adoração, mas afinal os dois anéis eram aparentemente menores ali e as pedras pareciam ter encolhido. Em Sarmennyn, aninhadas no escuro vale e colocadas sobre aquele golfo de ar, as pedras arrancavam um poder espantoso ao céu e ao vento, enquanto olhavam para a terra e para o Sol que se punha no mar distante. Em Sarmennyn as pedras formaram uma armadilha para capturar o deus, mas aqui os escuros pilares ficavam diminuídos pela charneca enorme. Diminuídos também pelas sete pedras maiores e mais claras, vindas de Cathallo.

 

Então? perguntou de novo Galeth. Saban não queria responder.

 

Ontem à noite fomos atacados foi o que disse.

 

Galeth tocou nas partes baixas.

 

Por proscritos?

 

Não sabemos quem foi respondeu Saban, lembrando-se das flechas enfeitadas com penas pretas.

 

Os proscritos têm-se tornado atrevidos afirmou Galeth. Colocou a mão no braço do sobrinho e baixou a voz. Houve pessoas que fugiram.

 

Dos proscritos?

 

De Lengar! Galeth inclinou-se mais. Correm rumores, Saban, que os espíritos dos mortos se reuniram para matar Lengar. O povo está assustado!

 

Não vimos nenhum morto ontem à noite afirmou Saban, indo depois colocar-se entre os pilares da entrada, vindos de Cathallo. Tinha de olhar para cima para ver o extremo dessas pedras, enquanto as mais altas dos novos anéis não eram muito maiores do que o próprio Saban e muitas delas eram bem mais baixas. Que disse Camaban do templo? perguntou a Galeth.

 

Queria refazê-lo respondeu Galeth, abanando a cabeça. Não sei que mais exigia, mas não pareceu muito satisfeito e Lengar começou a gritar com ele; discutiram e Camaban partiu com o companheiro.

 

Era assim em Sarmennyn afirmou Saban, olhando ainda para as pedras.

 

Estás desapontado? perguntou Aurenna.

 

O meu desapontamento não importa garantiu Saban. Só importa o que Slaol pensa. Olhava agora para lá do templo, para os túmulos a sul, que se juntavam no alto do monte. Havia lá novos montículos, com os flancos de greda branca brilhando ao sol; supôs que uma das novas sepulturas pertencesse ao pai.

 

Onde está agora Camaban? perguntou a Galeth.

 

Não o vimos em todo o Verão disse o velho.

 

Queria que eu viesse cá para terminar o templo proferiu Saban.

 

Não! insistiu Galeth acaloradamente. Tens de partir, Saban. Leva a tua mulher e vai! Voltou-se para Aurenna. Não deixes que ele te retenha aqui. Suplico-te.

 

Aurenna sorriu.

 

Devemos ficar aqui. Erek corrigiu-se, Slaol quer-nos aqui.

 

Camaban insistiu para que viéssemos acrescentou Saban.

 

Mas Camaban partiu garantiu Galeth. Há quatro luas que cá não está. Devíeis segui-lo.

 

Para onde? perguntou Saban. Conduziu Aurenna pela parte exterior do templo, seguindo a barreira mais baixa que ficava do lado de fora do fosso, até chegar ao lugar onde se sentara na relva com Derrewyn, no longínquo dia das suas provas. Lembrava-se de que ela tecera uma coroa de margaridas e sentiu-se subitamente invadido pela tristeza, ao aperceber-se de que cinco anos de trabalho não serviriam para nada. O templo fora transportado, mas Slaol nunca seria atraído por aquelas pequenas pedras. A maior parte pouco mais altas eram do que uma criança! O templo deveria chamar o deus à terra, mas aquele minúsculo padrão de pedras passaria pelo olhar de Slaol como uma formiga pelo de um falcão. Saban pensou que não admirava que Camaban tivesse fugido, pois toda aquela labuta fora em vão.

 

Talvez devamos ir para casa disse a Aurenna.

 

Mas Camaban insistiu... começou ela.

 

Camaban partiu! disse Saban asperamente. Partiu e não temos necessidade de ficar, se ele cá não está. Vamos voltar para Sarmennyn.

 

A música de Sarmennyn tornara-se sua, as histórias daquela tribo também, a linguagem era a que agora falava e não sentia qualquer afinidade com aquele local aterrorizado nem com o seu templo insignificante. Voltou-se e dirigiu-se para o local onde Kereval se encontrava encostado à pedra do Sol.

 

Com a tua permissão disse Saban ao chefe volto contigo.

 

Ficaria triste se não o fizesses disse Kereval a sorrir. O chefe tinha agora o cabelo branco e as costas curvadas, mas estava feliz por ter vivido o suficiente para ver o contrato cumprido.

 

Scathel interveio.

 

Não voltamos sem que o ouro e os outros tesouros nos sejam devolvidos.

 

O meu irmão sabe disso afirmou Saban, mas nesse preciso momento um grito de alerta fê-lo voltar-se para ver que seis cavaleiros tinham aparecido a sul, por entre os túmulos. Todos transportavam lanças e traziam ao ombro arcos curtos, fronteiriços. Todos seis eram guerreiros que havia muito se tinham dirigido a Ratharryn para ajudar Lengar a conseguir a chefia. Vakkal era o chefe, cujo rosto tinha as cicatrizes cinzentas de Sarmennyn, mas cujos braços exibiam agora as tatuagens azuis de Ratharryn. Era um homem alto, de rosto áspero e barba negra e curta, com uma risca branca como a de um texugo. Vestia uma túnica de couro, reforçada com tiras de bronze, trazia uma espada do mesmo metal à cintura e caudas de raposa entrançadas no seu longo cabelo. Ao chegar junto a Kereval desmontou e caiu de joelhos em sinal de submissão.

 

Lengar envia saudações disse ao chefe.

 

Vem atrás de ti? perguntou Kereval.

 

Virá amanhã respondeu Vakkal e afastou-se para que os outros cinco guerreiros fronteiriços viessem saudar o chefe. Saban reparou no modo como a gente de Ratharryn abrira caminho àqueles homens, como se tinham afastado, parecendo sentirem a má sorte por estar perto de um lanceiro. Vakkal admirava Aurenna que, sentindo-se pouco à vontade com aquele olhar, se chegou mais a Saban.

 

Não te conheço disse Vakkal a Saban em tom de desafio.

 

Já nos encontrámos afirmou Saban. Quando vieste a Ratharryn pela primeira vez.

 

Vakkal sorriu, mas sem que os olhos reflectissem qualquer prazer.

 

És Saban disse. Aquele que matou Jegar. E meu amigo! exclamou bem alto Kereval. Somos todos amigos disse Vakkal, continuando a olhar para Saban.

 

Lengar vai trazer-nos o ouro? perguntou Scathel.

 

Vai afirmou Vakkal, desviando por fim o olhar de Saban. Vai trazer o ouro e até chegar pede apenas que tu e os teus homens sejam seus hóspedes de honra. Voltou-se e apontou na direcção de Ratharryn. Diz que sois bem-vindos ao seu lar e que fará uma festa para vós. E receberemos o ouro? perguntou ansiosamente Kereval. Todo prometeu Vakkal com um sorriso sincero. Todo ele. Kereval ajoelhou em sinal de gratidão. Enviara um templo e mantivera a fé no seu deus; agora os tesouros seriam devolvidos à sua tribo.

 

Amanhã disse alegremente. Amanhã pegaremos no ouro e partiremos para casa.

 

Para casa, pensou Saban, para casa. Amanhã. Tudo terminaria e poderia ir para casa.


ATHARRYN TINHA CRESCIDO. HAVIA O DOBRO DAS CABANAS DESDE QUE SABAN partira. Eram agora tantas, que enchiam mais de metade do espaço dentro do círculo da muralha, enquanto uma nova aldeia fora construída para lá da barreira, numa terra mais alta, perto do templo de madeira a Slaol. Contudo, a mudança mais espantosa era que o templo de Lahanna tinha sido substituído por um enorme edifício de telhado de colmo.

 

Dantes era o templo disse Galeth a Saban. Só que agora é a cabana de Lengar.

 

A cabana dele? Saban estava chocado. Parecia-lhe uma coisa terrível transformar um templo em morada.

 

Derrewyn adora Lahanna, em Cathallo explicou Galeth, de modo que Lengar decidiu insultar a deusa. Deitou abaixo a maior parte dos postes, colocou um telhado e agora festeja aqui.

 

Galeth conduzira Saban pela enorme porta até um interior cavernoso, muito mais alto e largo que o grande edifício de Kereval, em Sarmennyn. Deixara uma dúzia de postes do templo, mas estes suportavam agora um alto telhado de colmo, que culminava num pico com um buraco, por onde saía o fumo, embora essa abertura fosse praticamente invisível, uma vez que nas traves estava pendurada uma enorme quantidade de lanças e caveiras escurecidas pelo fumo.

 

As lanças e cabeças dos seus inimigos disse Galeth em voz baixa. Não gosto deste sítio.

 

Saban detestou-o, pensando que decerto Lahanna haveria de se vingar da dessacralização do seu santuário. O recinto era tão grande, que todos os homens de Kereval, em número superior a uma centena, poderiam dormir no chão coberto de juncos e fetos. Naquela noite todos comeram ali, banqueteando-se com carne de porco, trutas, lúcios, pão, azedas, cogumelos, pêras e amoras. Saban e Aurenna comeram na cabana de Galeth, onde ouviram as histórias do governo de Lengar. Eram ataques infindáveis, forasteiros dizimados, guerreiros que enriqueciam e inúmeros membros das tribos vizinhas feitos escravos, porém, apesar de tudo, disse Galeth, Cathallo resistia.

 

Aqueles que detestam Ratharryn, são amigos de Cathallo afirmou.

 

Assim, Cathallo e Ratharryn continuavam a combater, embora fosse Ratharryn que mais provocava. Nenhum jovem se tornava agora adulto em Ratharryn sem que trouxesse uma cabeça para acrescentar às que Lengar tem na cabana grande.

 

Agora já não basta sobreviver na floresta continuou Galeth. Um rapaz tem também de mostrar a sua bravura em combate e se parecer cobarde, tem de passar um ano inteiro vestido de mulher. Tem de se agachar para urinar e ir buscar água com os escravos. Até as mães os desprezam! Abanou a cabeça, fazendo um ruído mordaz.

 

Mas, mesmo assim, Lengar está a construir o templo? perguntou Aurenna confundida por aquele homem que tanto amava a guerra estar a construir um santuário que deveria trazer tempos de paz e felicidade.

 

É um templo de guerra! explicou Galeth. Afirma que Kenn e Slaol são apenas um!

 

Kenn? perguntou Aurenna.

 

O deus da guerra esclareceu Saban.

 

Slaol é Kenn e Kenn é Slaol alegou Galeth, abanando a cabeça. Mas Lengar também diz que um grande chefe tem de ter um grande templo e gosta de se gabar, afirmando que o seu foi roubado no outro lado do mundo.

 

Roubado? perguntou Aurenna com a testa franzida. Vai trocá-lo por ouro!

 

Está a construí-lo para sua glória continuou Galeth. Todavia há rumores de que o templo nunca será terminado.

 

Que rumores? perguntou Saban.

 

O velho balançava-se para trás e para diante. O lume iluminava-lhe o rosto magro, lançando sombras na parte interior do telhado de colmo.

 

Tem havido sinais disse calmamente. Há mais proscritos que nunca na floresta e estão mais atrevidos. Lengar lançou contra eles todos os seus lanceiros, mas estes apenas encontraram corpos pendurados nas árvores. Dizem que os proscritos são conduzidos por um chefe já morto e nenhum dos nossos lanceiros se atreve agora a defrontá-los, a menos que vá com eles um sacerdote para fazer encantamentos e feitiços.

 

Lidda, a mulher de Galeth, agora curvada e sem dentes, chorava alto e encolheu-se debaixo da pele para tocar nas partes baixas.

 

Morreram crianças saudáveis continuou Galeth. Um raio atingiu o templo de Arryn e May. Um dos postes está agora enegrecido e rachado!

 

Lidda suspirou.

 

Viram cadáveres a passar atrás do Templo do Céu gemeu. E não tinham sombra.

 

Já não é um Templo do Céu disse Saban amargamente. A leveza etérea das primeiras pedras fora roubada pelo pequeno anel de Ratharryn. Nem sequer era um Templo de Sombras, apenas uma coisa insignificante e inadequada.

 

Cortaram um teixo na floresta que chorou como uma criança moribunda! afirmou Galeth. Eu não ouvi. Os machados ficam rombos antes de serem usados.

 

A Lua nasceu da cor do sangue Lidda continuava o seu lamento. Um texugo matou um cão. Nasceu uma criança com seis dedos.

 

Há quem diga, Galeth baixou a voz e olhou cautelosamente para Aurenna que o templo do Povo da Fronteira trouxe má sorte. E quando Camaban cá veio na Primavera, disse que tinha de ser refeito, que estava mal calculado.

 

Lengar discordou? perguntou Saban.

 

Lengar diz que Camaban enlouqueceu respondeu Galeth. Que os inimigos de Slaol o querem impedir de completar o templo. Chamou a Camaban inimigo de Slaol! Por isso ele foi-se embora.

 

E os sacerdotes? perguntou Saban. Que dizem eles?

 

Não dizem nada. Receiam Lengar, desde que matou um deles!

 

Matou um sacerdote? perguntou Saban, chocado.

 

O sacerdote tentou impedi-lo de transformar o templo de Lahanna em cabana, por isso Lengar matou-o.

 

E Neel? perguntou Saban. Que fez ele?

 

Neel! Galeth cuspiu ao mencionar o nome do sumo sacerdote. Não passa de um cão, atrás de Lengar. Galeth voltou-se para Aurenna. Tens de ir, senhora, antes que Lengar regresse.

 

Lengar não me toca disse Aurenna, usando a língua de Ratharryn, que aprendera com Saban.

 

Estamos aqui com guerreiros de Sarmennyn que a vão proteger explicou Saban. Tocou na avelã por baixo da túnica.

 

Galeth pareceu duvidar da afirmação.

 

Enquanto o meu irmão foi chefe disse para Aurenna éramos felizes.

 

Éramos felizes ecoou Lidda.

 

Vivíamos em paz garantiu Galeth. Ou pelo menos tentávamo-lo. Havia fome, claro, há sempre fome, mas o meu irmão sabia dividir a comida. Mas tudo mudou, tudo mudou.

 

Na manhã seguinte, sob um céu sem nuvens e um sol quente, uma centena de homens fez deslizar para terra a pedra-mãe, erguendo-a depois para um trenó, ao qual estavam presos dezasseis bois. Os animais arrastavam a pedra do rio, enquanto Galeth levava Saban e Aurenna para o Templo do Céu, perguntando onde deveria colocar a pedra. Foi Aurenna quem decretou que deveria ficar sozinha dentro do duplo anel e em frente do arco da entrada do Sol. Assim, disse, o nascer do Sol no Solstício tocaria na pedra-mãe como símbolo da união da terra com o Sol. Não havia mais ninguém para tomar decisões, de modo que Galeth ordenou a uma dúzia de homens que abrisse uma cova no local indicado por Aurenna.

 

Galeth via como a turfa era retirada e as picaretas de chifre de veado atacavam a greda que estava por baixo.

 

Já não consigo cavar disse a Saban. Doem-me as articulações. Já nem consigo manobrar o machado.

 

Já trabalhaste muito afirmou Saban.

 

Se um homem não trabalha, não come, não é? comentou Galeth, voltando-se depois para observar os bois puxando a pedra-mãe, tão comprida, que saía de ambos os lados do trenó. Seguiam-na duas das pedras mais pequenas, em trenós puxados por homens. São todos escravos disse Galeth a Saban. Os nossos lanceiros atacam constantemente, em busca de comida e escravos. É o comércio destes que enriquece Lengar.

 

Soou um corno a sul. O ruído era ensurdecedor, mas estremecia no quente ar outonal. Saban olhou interrogativamente para Galeth, que acenou afirmativamente.

 

O teu irmão disse com ar cansado.

 

Saban atravessou as barreiras e o fosso e foi ter com Aurenna. Rodeou-lhe o corpo com um braço e colocou a outra mão no ombro do filho. O corno soou de novo, seguindo-se um longo silêncio. Saban olhou para o cume ali próximo, quebrado pelos montículos dos túmulos. Mais ao longe, as árvores escureciam o horizonte distante, já esbatido pelo ar quente.

 

Esperaram, mas nada apareceu no cume. O vento agitava o cabelo de Aurenna e a relva, empalidecendo-a e escurecendo-a de novo. Lallic agitava-se nos braços da mãe e Aurenna acalmava a filha. Os homens que cavavam o buraco para a pedra-mãe tinham deixado cair as picaretas e olhavam para sul. Até os bois que puxavam os blocos de pedra se tinham imobilizado, com as cabeças baixas e os flancos sangrando dos aguilhões. Um falcão atravessou o caminho sagrado, lançando a sua sombra negra contra as barreiras de greda.

 

Vem aí um homem mau? perguntou Leir ao pai. Saban sorriu.

 

É o teu tio disse, despenteando o cabelo do filho. Tens de o tratar com respeito.

 

O corno do boi voltou a soar, mais alto e mais perto, e Leir, assustado pelo som, estremeceu debaixo da mão do pai, embora nada se visse no alto do monte. Depois o corno soou uma quarta vez e um único homem correu sobre os túmulos. Levava consigo um bordão enorme, do qual pendia uma insígnia de caudas de raposa e de lobo. O porta-estandarte trazia uma capa feita de pele de lobo que não tinha sido cortada e uma máscara do mesmo animal na cabeça, como se se tratasse de um segundo rosto. Agitava o estandarte, recortado contra o céu e, no instante seguinte, o cume ficou cheio de homens.

 

Tinham chegado numa longa fila e, se a intenção era impressionar, conseguiram-no. Num momento o cimo estava vazio, no seguinte encontrava-se invadido por uma fila de lanceiros, tantos que Saban calculou estar a ver os exércitos unidos de Ratharryn e Drewenna. As lanças descreviam uma linha dentada e o grito súbito assustou Lallic. Tratava-se de uma espantosa exibição de poder, porém o exército não estava formado diante de um inimigo, mas sim em frente da aldeia do próprio Lengar. Este sabia que Cathallo ouviria falar das suas hostes e queria que temessem o seu poder.

 

O próprio Lengar, alto e coberto por uma capa, de lança em riste e espada a cinta, apareceu no centro do exército. Rodeavam-no uma dúzia de homens, os seus chefes guerreiros, enquanto a seu lado, baixo e gordo, encontrava-se Kellan, chefe de Drewenna e lacaio de Lengar. Este deteve-se por um instante e depois mandou avançar as escoltas.

 

Como lhes dará de comer? perguntou Aurenna em voz alta.

 

No Verão é fácil explicou Saban. Há veados e porcos. Mais porcos do que se possa imaginar. É uma região abundante. No Inverno continuou, atacam-se os vizinhos.

 

Lengar viu Saban e dirigiu-se a ele. O chefe de Ratharryn trazia vestida a sua longa túnica de couro com tiras de bronze, e pendia-lhe dos ombros uma capa de lã; empunhava uma enorme lança de lâmina polida. Tiras de pêlo de raposa pendiam do cabo, tendo também algumas atadas às pernas e aos braços. Entrançara penas de águia no cabelo, que engordurara de modo a puxá-lo para trás, chegado à cabeça, fazendo com que Saban recordasse aquele longínquo dia em que morrera o forasteiro e Lengar perseguira-o até à aldeia. As cicatrizes de morte estendiam-se agora, cobrindo-lhe as costas das mãos e os dedos, enquanto os chifres tatuados lhe davam uma estranha intensidade ao rosto. Saban sentiu que Leir estremecia involuntariamente e afagou-lhe a cabeça para o sossegar.

 

Lengar deteve-se a uns passos de distância. Olhou para Saban por uns instantes e depois falou com ele com ironia.

 

O meu irmãozinho. Pensei que não te atreverias a voltar para casa.

 

Porque haveria um homem de recear voltar a casa? perguntou Saban.

 

Mas Lengar não o ouvia. Olhava para Aurenna. Esta era alta, esguia e de costas direitas, como no dia em que Saban a conhecera, era ainda uma mulher que poderia fazer chefes atravessar o mar. Olhou Lengar calmamente, enquanto este estava verdadeiramente espantado, como se não acreditasse nos seus próprios olhos. Olhou Aurenna várias vezes da cabeça aos pés.

 

Esta é Aurenna? perguntou.

 

A minha esposa, Aurenna respondeu Saban, rodeando-lhe ainda os ombros com o braço.

 

Gundur falou verdade disse Lengar em voz baixa.

 

A respeito de quê? perguntou Saban. Lengar continuava a olhar Aurenna.

 

A respeito da tua mulher, claro respondeu bruscamente. Tinha atrás de si os seus chefes guerreiros, como cães de guarda, todos eles altos, empunhando lanças compridas, vestindo enormes capas, usando cabelo entrançado e grandes barbas, todos eles olhando com ar esfomeado para a mulher alta e loira de Sarmennyn. Por fim, Lengar fez um esforço para deixar de olhar Aurenna.

 

É o teu filho? perguntou a Saban, apontando com a cabeça para Leir.

 

Chama-se Leir, filho de Saban, filho de Hengall.

 

E aquela criança é uma rapariga? Lengar apontou para Lallic, que estava nos braços de Aurenna.

 

Chama-se Lallic declarou Saban. Lengar sorriu com ironia.

 

Só um filho, Saban? Tenho sete! Olhou de novo para Aurenna. Podia dar-te muitos filhos.

 

Estou satisfeita com o filho do teu irmão respondeu Aurenna.

 

O filho do meu meio-irmão esclareceu Lengar com desprezo. E se o rapaz morrer, toda a tua vida terá sido em vão. De que serve uma mulher que apenas gera um filho? Mantinhas uma porca que só desse um leitão? E os filhos morrem. Continuava a olhar Aurenna, parecendo realmente incapaz de olhar para outro lado. Voltou a observá-la da cabeça aos pés, sem se preocupar em esconder a sua admiração.

 

Lembras-te, Saban perguntou sem desviar os olhos, de como o nosso pai nos estava sempre a dizer para casarmos com mulheres de traseiro grande? As mulheres são como o gado, costumava dizer. Não vale a pena conservar as magras. Mas tu escolheste esta mulher. Talvez tivesses mais filhos, se seguisses o conselho de Hengall.

 

Não quero tomar outra esposa declarou Saban.

 

Vais fazer o que eu te disser, irmão disse Lengar. Agora estás em Ratharryn. Virou a ponta da lança para um novo montículo no cume baixo. É o túmulo de Jegar. Pensas que me esqueci dele?

 

Um homem deve recordar os seus amigos afirmou Saban. A espada apontava agora para ele.

 

Deves à família de Jegar o preço da sua morte. Serão muitos bois, muitos porcos. Prometi-lhes.

 

E cumpres as promessas que fazes? perguntou o irmão.

 

Tu cumprirás esta, ou tiro-te uma coisa que para ti é de grande valor. Olhou para Aurenna e forçou um sorriso. Mas não briguemos. Hoje é um dia feliz! Voltaste, trouxeste as últimas pedras e poderemos completar o templo!

 

E tu devolverás os tesouros à nossa tribo declarou Aurenna.

 

O rosto de Lengar contorceu-se. Não gostava que uma mulher lhe dissesse o que haveria de fazer, mas assentiu.

 

Devolverei os tesouros disse bruscamente. Kereval veio?

 

Está na aldeia respondeu Saban.

 

Então não o façamos esperar. Vinde! Lengar estendeu o braço para Aurenna, mas esta recusou sair do lado de Saban e Lengar fingiu não reparar.

 

Os lanceiros passaram por Saban e Aurenna.

 

Creio que deveríamos ir disse Saban. Partir, simplesmente. Aurenna abanou a cabeça.

 

Devemos ficar aqui disse ela.

 

Só porque Camaban nos mandou vir! protestou Saban. E ele foi-se embora! Fugiu! Deveríamos fazer o mesmo.

 

Erek, Slaol, disse para virmos. Com ou sem Camaban, é aqui que devo ficar. Voltou-se para olhar as pequenas pedras do templo incompleto. Slaol tem falado comigo em sonhos ainda com maior clareza disse em voz baixa. Quer-me aqui. Foi para isso que me poupou a vida, para me trazer para aqui. Saban queria discutir, mas era inútil argumentar com um deus. Não falava com nenhum deles em sonhos. Aurenna voltou-se, franzindo a testa ao ver a massa de lanceiros que se dirigia à aldeia.

 

Para que precisa o teu irmão de tantos homens?

 

Porque vai atacar Cathallo respondeu Saban. Chegámos a tempo de ver uma guerra.

 

Voltaram para a aldeia. Rapazinhos conduziam porcos dos bosques para uma faixa de terra junto do velho templo de Slaol, onde os animais iriam ser chacinados. As mulheres e as crianças separavam a carne dos ossos, enquanto os cães rastejavam e farejavam, à espera dos restos; porém, estes estavam a ser batidos em almofarizes, misturados com cevada e enfiados nas tripas de porco, que seriam depois cozidas em cinzas quentes. Os grunhidos dos animais que morriam eram constantes e o sangue acre suficiente para correr pela encosta abaixo em pequenos ribeiros, que eram lambidos por cães esfomeados. Dentro da aldeia o cheiro era pior, pois aí as mulheres misturavam vasos de veneno viscoso para cobrir as lanças dos guerreiros no seu ataque a Cathallo. Outras preparavam os festejos da noite. Depenavam cisnes, assavam porcos e trituravam cereal com mós. Os poços de tanino cheios de estrume e urina juntavam-se ao fedor. Os homens atavam as setas de sílex aos paus e batiam a borda das lâminas das lanças para as afiar.

 

Aurenna foi à cabana de Galeth dar de comer às crianças, enquanto Saban deambulava pela aldeia em busca de antigos amigos. No templo de Arryn e Mai, onde se espantou ao ver o poste rachado e queimado, depois de ter sido atingido pelo raio, encontrou Geil, a viúva mais velha do pai, que colocava um pequeno ramo de salgueirinhas macias na entrada do templo. Abraçou Saban e começou a chorar.

 

Não devias ter regressado soluçou. Ele mata tudo aquilo de que não gosta.

 

Valeu a pena voltar afirmou Saban nem que fosse só para te ver.

 

Não chego ao Inverno disse a mulher, limpando os olhos com as pontas do cabelo branco. O teu pai era um bom homem. Olhou para as flores que colocara junto às pedras que assinalavam a entrada. Os nossos filhos morrem todos acrescentou tristemente e afastou-se para a sua cabana.

 

Saban entrou no templo e encostou a testa ao poste que ele e Galeth tinham erguido havia muitos anos. Naquela altura ainda nem era um homem. Fechou os olhos e teve a súbita visão de Derrewyn vinda do ribeiro, nua, com a água a escorrer-lhe do cabelo. Teria sido Mai, a deusa do rio, que lha enviara? Que significaria? Orou a Mai para que lhe protegesse a família, depois quando raspava o poste para chamar a atenção da deusa para a sua prece, ouviu um grito que o fez voltar-se.

 

Saban! era a voz de Lengar. Saban! Lengar passava pelas cabanas com dois lanceiros que evidentemente eram os seus guardas. Saban! gritou de novo e quando viu o irmão no templo, apressou-se a caminhar até ele. As pessoas que estavam junto ao santuário afastaram-se.

 

Lengar estava furioso, descansava a mão direita no punho de madeira da espada de lâmina de bronze que lhe balançava da cintura.

 

Porque não me disseste que uma das pedras foi roubada ontem à noite? perguntou.

 

Saban encolheu os ombros.

 

Por homens com flechas com penas negras respondeu. Porque haveria de te dizer aquilo que já sabes?

 

Lengar pareceu apanhado de surpresa.

 

Estás a dizer...

 

Sabes bem o que estou a dizer interrompeu-o Saban. Lengar obrigou-o a calar-se.

 

Tenho um acordo com Sarmennyn! gritou. O acordo diz que me devem trazer um templo. Não parte dele!

 

Foram os teus homens que roubaram a pedra acusou Saban.

 

Os meus homens vociferou Lengar com desprezo. Os meus homens nada fizeram! Perdeste a pedra! Esmurrou o peito de Saban. Perdeste-a, Saban!

 

Os dois lanceiros observavam cautelosamente Saban, não fosse este responder à raiva do irmão com a sua, mas Saban limitou-se a abanar a cabeça com ar cansado.

 

Pensas que foste enganado porque falta uma pedra? Uma pedra entre tantas?

 

Se eu te cortasse a pila, irmão, sentir-lhe-ias a falta? Porém não passa de um bocadinho de carne. Lengar cuspiu. Diz-me, quando esses homens te atacaram com flechas com penas pretas, mataste algum? Fizeste prisioneiros?

 

Não.

 

Então como sabes quem eram?

 

Não sei confessou Saban, mas apenas Ratharryn usava flechas com penas negras. Cathallo misturava penas azuis de gaio às negras dos corvos, enquanto Drewenna enfeitava as suas com uma mistura de preto e branco.

 

Não sabes escarneceu Lengar porque não combateste com eles, pois não? Abriu a túnica do irmão. Apenas duas cicatrizes, Saban? Continuas cobarde?

 

Uma delas é por Jegar respondeu Saban em tom de desafio. Ele não me achou cobarde.

 

Mas Lengar não respondeu à provocação. Encontrara a casca de avelã pendurada do seu fio de couro e, antes do irmão o poder impedir, puxou-o de dentro da túnica.

 

Cathallo mete os seus feitiços dentro da casca de avelãs disse com uma voz perigosamente baixa. Ergueu os olhos para os de Saban. Que talismã é este?

 

Uma vida.

 

De quem?

 

É o osso de alguém disse Saban. E a carne da carne. Lengar fez uma pausa, reflectindo sobre a resposta, depois puxou com força o cordão, impelindo Saban para diante, mas conseguindo soltar a avelã.

 

Perguntei-te de quem era a vida.

 

Tua, irmão respondeu Saban. Lengar sorriu.

 

Pensas tu, irmãozinho, que esta casca de avelã protegerá a tua mulher?

 

Slaol protegerá Aurenna.

 

Mas este talismã, irmãozinho, não é de Slaol continuou Lengar segurando a avelã diante dos olhos de Saban. É de Lahanna. Rastejaste de novo para Derrewyn?

 

Não rastejei respondeu Saban. Fui levar-lhe um presente.

 

Um presente? À minha inimiga?

 

Ofereci-lhe a cabeça de Jegar disse Saban. Sabia que era perigoso provocar Lengar, principalmente porque estava desarmado, mas não pôde evitá-lo.

 

Lengar recuou e gritou por Neel, o sumo sacerdote.

 

Neel! Vem cá! Neel!

 

O sacerdote saiu da sua cabana. Coxeava por causa da flecha que lhe furara a perna na noite em que Lengar matara Hengall. Tinha o cabelo espetado com lama seca, um colar de ossos à volta do pescoço e pendiam-lhe do cinto várias bolsas, nas quais guardava ervas e encantamentos. Curvou a cabeça diante de Lengar, que lhe entregou a casca de avelã.

 

Isto é um encantamento à minha vida disse Lengar. Uma coisa feita por Derrewyn. Diz-me como foi feito.

 

Neel olhou nervosamente para Saban, depois retirou de uma bolsa uma pequena lâmina de sílex e cortou os cordões que atavam a casca. Abriu as duas metades e depois cheirou o conteúdo. Fez uma careta ao sentir o fedor, e depois tocou no ossinho com um dedo.

 

Deve ser do filho de Derrewyn concluiu.

 

Meu filho, também afirmou Lengar.

 

Ela matou-o afirmou Neel. Depois usou os ossos e a carne para te amaldiçoar.

 

Uma maldição de Lahanna?

 

Nunca usaria outro deus confirmou Neel.

 

Lengar pegou de novo na casca e fechou-a cuidadosamente.

 

Dará resultado? perguntou ao sacerdote. Neel hesitou.

 

Lahanna não tem poderes aqui disse, muito nervoso.

 

É isso que afirmas sempre disse Lengar. Agora poderemos ver se é verdade. Olhou para Saban. Irmãozinho, que terias de fazer para me matar? Esmagá-la?

 

Saban nada disse. Lengar riu-se.

 

Um dia darei a tua carne a comer aos porcos e usarei a tua caveira para urinar.

 

Disse estas palavras em tom de desafio, mas o rosto traía algum nervoso ao colocar a avelã entre as mãos para fazer pressão. Fez uma pausa, decerto para se interrogar se desafiar a deusa seria sensato, mas Lengar não era temido em Ratharryn por ser sensato. Um homem tem de correr riscos se quer conseguir grandeza, por isso Lengar estava disposto a apostar a própria vida se a recompensa fosse suficientemente grande, de modo que apertou de novo. Foi preciso mais força do que pensava, mas por fim a casca cedeu e o talismã quebrou-se. Manteve os bocados peganhentos entre as mãos e esperou, com a respiração suspensa. Nada aconteceu.

 

Riu baixinho e passou cuidadosamente os restos para uma só mão. Entregou-os a Neel.

 

Atira-os para a fogueira mais próxima ordenou, ficando a ver o sacerdote dirigir-se obediente ao lume mais próximo e a lançar para lá o talismã.

 

O fogo tornou-se mais brilhante e assobiou por causa da gordura mas, mesmo assim, Lengar ficou vivo.

 

Porque hei-de importar-me com a maldição de Lahanna? perguntou Lengar em voz alta. Vivo no seu templo e ela nada faz. Somos o povo de Slaol! O povo de Kenn! gritava, fazendo com que as pessoas olhassem para ele nervosas, enquanto esfregava as mãos. Grande coisa, essa maldição de Derrewyn disse para Saban. Ou estarei morto?

 

Neel riu da brincadeira.

 

Não estás morto! exclamou o sumo sacerdote.

 

Lengar bateu com a mão em si próprio.

 

Parece que estou vivo!

 

Estás vivo! exclamou o sumo sacerdote, dando uma gargalhada.

 

Mas Derrewyn está a sofrer, não? perguntou Lengar ao sacerdote.

 

Oh, sim respondeu Neel. Sim, está a sofrer! Contorceu-se para mostrar a dor que havia de afligir Derrewyn. Está a sofrer!

 

E Saban está desapontado disse Lengar com ar compadecido. Depois lançou ao irmão um olhar tão gelado que este ficou à espera de o ver desembainhar a espada para lha espetar no ventre. Surpreendentemente, porém, Lengar sorriu.

 

Vou fazer-te uma oferta, irmãozinho. Tenho razões para te matar, mas qual o mérito de dizimar um cobarde? Assim, podes voltar de rastos para Sarmennyn, mas se voltar a ver-te, corto-te a cabeça.

 

Não desejo mais nada do que voltar para Sarmennyn respondeu Saban.

 

Mas vais sem a tua esposa disse Lengar. Para que não fiques desapontado, irmão compro-ta. O preço é o valor da vida de Jegar.

 

Aurenna não está à venda disse Saban. E pertence ao povo de Sarmennyn. Pensas que a deixarão ficar para satisfazer os teus apetites?

 

Lengar fez um gesto de desprezo ao ouvir a pergunta.

 

Creio, irmãozinho, que esta noite a tua esposa será minha e serás tu a entregar-ma. Empurrou Saban com um dedo. Ouviste? Serás tu a entregar-ma. Esqueces, Saban, que estamos em Ratharryn, que aqui governo eu e que tenho o amor dos deuses. Deu meia volta, mas depois veio ainda dizer-lhe a sorrir: Talvez tu pudesses governar. Bastava que me matasses.

 

Aguardou ainda uns instantes como que à espera que Saban o atacasse; depois estendeu a mão e deu-lhe uma palmadinha na face antes de se afastar, seguido dos seus sorridentes lanceiros.

 

Saban foi a correr em busca de Aurenna e ficou aliviado ao encontrá-la

 

em segurança.

 

Temos de partir! mas Aurenna troçou do seu terror.

 

Devo ficar disse. Erek quer-me aqui. Viemos para fazer grandes coisas.

 

A casca de avelã não tinha resultado. Aurenna estava perdida no seu sonho com o deus do Sol e Saban sentia-se encurralado.

 

Nessa noite Lengar organizou um enorme festejo para os homens de Sarmennyn. Era uma refeição abundante de ostras, cisnes, trutas, carne de porco e de veado. Os escravos serviram-na na enorme cabana e Lengar forneceu generosos vasos de inebriante licor.

 

Os homens de Lengar, tal como os guerreiros de Drewenna, festejavam lá fora, pois dentro do recinto não havia espaço suficiente para tanta gente; além do mais, preparavam-se para o combate e por isso tinham-se reunido em primeiro lugar no velho templo de Slaol, onde sacrificaram um vitelo e o dedicaram à batalha; depois pegaram nos vasos de licor e beberam excessivamente, porque acreditavam que a forte bebida lhes dava coragem. As mulheres reuniram-se no templo de Arryn e Mai, onde oraram pelos homens.

 

Aurenna e Saban comeram com Kereval e os seus homens. Scathel queixou-se de que uma mulher não deveria estar no recinto, mas Kereval acalmou o exaltado sacerdote.

 

É dos nossos. É dos nossos só esta noite. Além do mais, o destino de Aurenna não estará ligado à devolução dos tesouros?

 

Lengar veio à cabana depois de escurecer. O cavernoso recinto encontrava-se iluminado por duas enormes fogueiras que lançavam fumo até às caveiras avermelhadas pela luz do lume. O fumo rodopiava à volta delas, antes de sair pelo buraco do pico do telhado. A comida fora abundante, o licor forte e os homens de Kereval estavam de bom humor quando Lengar chegou, escoltado por seis lanceiros. O chefe de Ratharryn vinha vestido para o combate, exibindo o bronze cintilante na sua túnica e penas de águia na lâmina da lança. Bateu com o cabo desta no poste da entrada da cabana para pedir silêncio.

 

Homens de Sarmennyn! gritou, usando a língua do Povo da Fronteira. Viestes aqui buscar o vosso ouro! Os vossos tesouros! Sou eu que os tenho!

 

Houve murmúrios de apreço. Lengar deixou que se desvanecessem e depois sorriu.

 

Mas apenas concordei em devolver-vos esses tesouros se me trouxésseis um templo.

 

Já o trouxemos! Já o trouxemos! gritou Scathel.

 

Trouxestes a maior parte disse Lengar. Falta uma pedra. Roubaram-vos uma pedra.

 

Os murmúrios eram agora zangados, de tal modo que os lanceiros avançaram para proteger o seu chefe, mas Lengar afastou-os.

 

O templo terá poderes com menos uma pedra? perguntou Lengar. Quando enterramos o cadáver de um inimigo cortamos-lhe uma mão ou um pé, de modo que fica incompleto. Porquê? Para que o espírito do defunto não tenha poderes. Agora o meu templo está incompleto. Será que Erek o vai reconhecer?

 

Vai! insistiu Scathel. O escanzelado sacerdote estava de pé, rígido de raiva. Viu o seu transporte! Viu o nosso trabalho!

 

Mas suponhamos que está zangado porque falta uma pedra? sugeriu Lengar e depois abanou tristemente a cabeça. Pensei muito a este respeito, falei com os meus sacerdotes e juntos encontrámos a resposta que vos permitirá transportar o ouro para a vossa aldeia. Não foi por isso que viestes? Para levar o ouro e gozar a felicidade?

 

Fez uma pausa. Scathel estava confuso e nada disse, de modo que Kereval se levantou.

 

Qual é essa resposta? perguntou cortesmente o chefe. Lengar sorriu.

 

Tenho de atrair Erek a este templo. A um templo que não está completo. Que melhor maneira de o fazer do que com a sua noiva? Apontou para Aurenna. Dai-me esta mulher disse. E entregar-vos-ei o vosso ouro. Dar-vos-ei até mais! Voltareis esta noite mais ricos do que éreis antes de vo-lo terem roubado! Dar-vos-ei o dinheiro, mas só se o meu irmão me entregar a noiva do deus. Sorrindo, apontou a lança a Saban. Tens de me trazer Aurenna.

 

Não! gritou Saban. Sabia agora a razão pela qual Lengar enviara homens para roubar a pedra e também que ninguém acreditaria na sua história. Não! gritou de novo.

 

Enviai-ma disse Lengar a Kereval. Assim, entregar-vos-ei os tesouros e assim se retirou, afastando a cortina, que caiu de novo sobre a entrada.

 

Não! gritou Saban pela terceira vez.

 

Sim! berrou Scathel ainda mais alto. Sim! Porque outra razão a teria Erek poupado no Templo do Mar? Nenhuma outra noiva foi rejeitada, uma única vez em toda a existência da tribo! Havia uma intenção e agora sabemos qual foi.

 

Ele não a quer para Erek gritou Saban. Quere-a para si! Lewydd estava agora de pé, junto a Saban, acrescentando a sua voz ao protesto, bem como alguns dos seus remadores, os homens que durante cinco anos tinham trabalhado para trazer as pedras do outro lado do mar. Estes batiam no chão, apoiando Saban, porém os guerreiros, aqueles que tinham vindo para escoltar de volta os tesouros, esses não olhavam nem para Saban, nem para Aurenna, apenas para o chão.

 

Scathel cuspiu.

 

Durante cinco anos escravizámo-nos para recuperar os tesouros gritou. Derramámos sangue e desperdiçámos esforços. Fizemos aquilo que a maior parte dos homens achava que não poderia ser feito e agora negam-nos a recompensa? Apontou a Saban o dedo ossudo. Porque haveria Erek de lhe ter poupado a vida? Qual seria a sua intenção, se não este momento?

 

Boa pergunta afirmou Kereval em voz baixa.

 

Isto não vai ser feito por Erek, mas sim pela luxúria do meu irmão! gritou Saban, mas o seu protesto foi vaiado pelos guerreiros. Eram os tesouros que importavam, nada mais.

 

Aurenna levantou-se com Lallic ao colo. Tocou na mão de Saban.

 

Não tem importância disse em voz baixa. Olha. Olhou para cima, para o sítio por onde o fumo desaparecia pelo buraco do telhado, depois de passar pelas caveiras coloridas pelo fogo.

 

O que é que tem? perguntou Saban.

 

Aurenna ofereceu-lhe um dos seus sorrisos mais delicados.

 

É de noite disse suavemente. Uma maldição de Lahanna não terá efeito ao sol, pois não? Sabia que Lengar tinha destruído o talismã de Derrewyn e franzira o rosto ao ouvir a história. Vai ser mau para ele dissera naquela altura e agora tentava sossegar Saban. Ele provocou os deuses e eles não gostam de ser desafiados.

 

Arrastem-na cá para fora! gritou Scathel, impaciente com a demora, de modo que Kargan, chefe dos lanceiros de Kereval, fez sinal aos companheiros mais próximos.

 

Deixai-a ordenou Kereval. Aurenna olhava ainda para o rosto de Saban.

 

Tudo correrá bem disse ela, encaminhando-se para a saída do recinto, com Lallic nos braços. Lewydd segurou Leir, enquanto Saban foi ter com Aurenna, tentando retê-la. Esta franziu a testa.

 

Agora não me podes deter disse, soltando-se.

 

Prefiro matar-te a entregar-te ao meu irmão afirmou Saban. Nunca tinha perdoado a si mesmo o destino de Derrewyn; como haveria agora de deixar Aurenna encaminhar-se para a cama dele?

 

Erek quer-me aqui afirmou Aurenna.

 

Erek quer que sejas violada? gritou Saban.

 

Confio em Erek respondeu placidamente Aurenna. Toda a minha vida não é uma dádiva sua? Como poderá ocorrer algum mal? Não serei violada. Erek não o permitirá.

 

Kereval avançou para interceder, mas nada tinha a dizer. Gostava tanto de Saban como de Aurenna, mas a tribo tinha feito sacrifícios para recuperar o ouro e agora teria de se sacrificar ainda mais. Queria dizer que o lamentava, mas as palavras não lhe saíam, de modo que lhes voltou as costas. Scathel tinha razão, pensou o chefe. Aurenna deveria ter morrido por Erek e ganhara anos de vida com a sua fuga no Templo do Mar, de modo que nada era assim tão trágico como parecia. A intenção do deus estivera escondida, fora até misteriosa, mas agora tornara-se evidente. O destino era inexorável.

 

Fez-se silêncio no recinto da festa quando Aurenna ergueu a cortina. Inclinou-se para sair para a noite, seguida por Saban e Lewydd e viu que Lengar a esperava a alguns passos de distância. Estava ladeado pelos seus guerreiros armados de bronze, que rodeavam o recinto da festa, com lanças e arcos na mão. Alguns empunhavam tochas acesas para iluminar a noite sem Lua. Embriagados, zombavam de Saban, que olhou para o céu.

 

Não há Lua!

 

Vai correr tudo bem disse Aurenna em voz baixa. Sei que Erek não me abandonou.

 

Trá-la para mim ordenou Lengar.

 

Saban hesitou, mas Aurenna empurrou-o e encaminhou-se orgulhosa na direcção da alta figura de Lengar em cujo rosto se espelhava o triunfo.

 

Bem disse que haverias de ma trazer, Saban afirmou Lengar. És um carneiro. Fez um gesto com a cabeça, de modo que quatro dos seus homens separaram Aurenna de Saban utilizando as lanças. Empurraram-na em direcção a Lengar, enquanto outros homens, com o hálito cheirando a licor, detiveram Lewydd e Saban, forçando-os a afastarem-se, passando por um cordão de guerreiros. Saban olhou para trás e viu Aurenna entre dois guardas, mesmo atrás de Lengar.

 

Porém, naquele momento Lengar ignorava-a. Olhava na direcção do recinto da festa e ergueu a lança.

 

Agora! gritou alegremente. Agora!

 

Os guerreiros que empunhavam os archotes atiraram-nos para o telhado do recinto, enquanto outros lançavam paus em chamas, embrulhados em palha para os largos beirais da cabana. As chamas atearam-se à inclinada cobertura de colmo com enorme velocidade e apenas uns instantes depois o primeiro homem aterrorizado tentava escapar ao fogo; todavia, assim que apareciam à saída da cabana eram recebidos pelas flechas que os faziam recuar com força brutal. O colmo em chamas caía para dentro do recinto onde o fumo se adensava. O tempo estivera seco, de modo que o fogo ateara como bufa-de-lobo. Foram lançados mais archotes para cima do telhado, que era agora uma amálgama de chamas e escuridão. Os fogos espalharam-se e juntaram-se, ardendo em conjunto, enquanto os homens gritavam sob as caveiras penduradas. Alguns tentaram partir as paredes e sair, mas eram atingidos pelas flechas. Um homem que conseguiu libertar-se caiu atingido por meia dúzia de setas e atirado ao chão por um machado de bronze.

 

Aurenna assistia, cobrindo a boca com a mão, os olhos aterrados e a filha apertada contra si, de modo a que Lallic não pudesse ver a carnificina. Agora ardiam as paredes. O cabelo comprido de um morto que ficara preso na fenda de uma parede, pegou fogo. Parte do telhado ruiu, cuspindo na noite um ribeiro de fagulhas. As caveiras caíam, enquanto a palha incendiada se erguia na direcção das estrelas. Os guerreiros de Lengar olhavam enfeitiçados. Entre os espectadores encontravam-se aqueles homens de Kereval, os guerreiros que tinham seguido Vakkal até Ratharryn e que agora prestavam vassalagem a seu chefe cruel; esses Fronteiriços aclamavam também. Através das fendas, viam os homens incendiados contorcerem-se em remoinhos de fogo. Um rapaz, um dos dois que viera a escoar a água do barco da pedra-mãe, gritava freneticamente. Saban sentia o cheiro da carne queimada. Os gritos morreram lentamente, embora aqui e ali uma figura enegrecida vacilasse no fumo e no fogo; porém em breve não havia qualquer movimento, excepto o colapso das traves, as fagulhas, os pequenos fogos e o fumo. Todo o telhado ruíra, deixando apenas de pé os doze postes do templo. As chamas lambiam-nos. Uma caveira fumacenta rolava na erva. Lewydd pusera Leir no chão e estrebuchava nos braços de dois lanceiros, mas por fim, deixou-se cair de joelhos enterrando a cabeça nas mãos. Saban acocorou-se junto a ele.

 

Desculpa disse, passando o braço pelos ombros do amigo. Segurava Leir contra si.

 

Lengar nunca iria devolver o ouro disse Saban a Lewydd. Já o deveria saber. Já o deveria saber.

 

Aqueles dois ainda estão vivos? perguntou a voz de Lengar por trás de Saban. Estrangulai-os. Não, lançai-os às chamas.

 

Os lanceiros dirigiram-se a Saban e Lewydd. A Lua acabava de se erguer a ocidente, vinda detrás das árvores das terras altas. Estava quase cheia, enorme, achatada e vermelha, um luar inchado, monstruoso na noite assassina, mas a sua luz era afogada pelas chamas. Todavia foi a luz de Lahanna que, ao percorrer as enormes árvores, mostrou a Saban algumas formas no cimo da barreira. Viu as sombras moverem-se por entre as caveiras brancas que protegiam a aldeia dos espíritos e que atravessavam a barreira de terra; voltou-se para oriente, lutando contra os lanceiros que o queriam erguer e viu que mais formas se agitavam aí. Mais ninguém em Ratharryn as via, pois olhavam para o braseiro onde uma centena de homens de Sarmennyn perecera sufocada pelo fumo, ardendo agora sob uma camada de caveiras queimadas e colmo incandescente.

 

Quando os lanceiros conseguiram erguer Saban e Lewydd, as primeiras flechas cintilaram à luz das chamas. Um homem caiu ali perto, com uma delas no pescoço. Saban fez força para trás com o cotovelo, ouviu o arfar do seu captor e soltou-se. Caíam mais enquanto Saban se baixava e envolvia Leir nos seus braços. Pouco conseguia ouvir sobre o rugido do fogo, mas via as flechas voarem na luz do incêndio. Lewydd também se soltara, pois o seu captor fora atingido por um dos projécteis. Os lanceiros de Lengar, entorpecidos pelo licor que tinham bebido, não viram os atacantes descer do cimo da barreira para entrar nas sombras, de onde lançavam agora flecha atrás de flecha. As setas de sílex entravam na carne. Outras atingiam as cabanas e outras perdiam-se no fogo.

 

Saban puxou por Lewydd.

 

Vem! pegou em Leir e correu na direcção de Aurenna, que ainda não se apercebera do perigo. Os homens de Lengar, embriagados, só agora despertavam para o ataque ignorando ainda de onde vinha. Saban estendeu um braço para a esposa, mas um dos guardas viu-o e avançou para o interceptar, abrindo a boca num grito para avisar Lengar, porém uma flecha entrou-lhe directamente na garganta. O homem recuou, sufocado pelo sangue que lhe jorrava para a barba e caiu no chão. Mesmo assim, Lengar voltou-se e Saban bateu-lhe com a mão que tinha livre. Fora um soco desesperado, mas atingira o rosto do irmão e fê-lo cair. Saban agarrou Aurenna com a mão magoada e puxou-a para as sombras entre as cabanas, onde as mulheres gritavam e os cães uivavam.

 

Foge! gritava Saban. Foge!

 

Mas não havia para onde. Os inimigos tinham atravessado a parte norte da barreira, tendo já chegado aos poços dos curtumes, lançando flechas que mergulhavam no colmo junto a Saban; este, aflito, dirigiu-se à cabana de Galeth. Empurrou Aurenna e Lallic lá para dentro, depois Leir e por fim foi ele próprio a entrar.

 

Uma arma! pediu a Galeth, que se recusara assistir ao braseiro assassino.

 

Pegou na velha lança do tio, que era enorme e pesada e entregou outra a Lewydd.

 

Lá fora já não havia gritos. Os lanceiros passavam por Saban a correr, quando este saiu para o luar. Ninguém reparava nele. Ele e Lewydd não passavam agora de dois lanceiros no caos da noite, onde uma mão-cheia de gente tentava extinguir os múltiplos fogos pequenos ateados ao colmo das cabanas, atingido pela palha que voara do recinto incendiado. No entanto, a maior parte da turba em pânico e embriagada procurava o inimigo, mas quando os guerreiros de Ratharryn descobriram os archeiros e correram em direcção a eles, os atacantes retiraram-se para lá da muralha, desaparecendo na escuridão.

 

Quem são? gritou Lewydd para Saban.

 

Cathallo alvitrou este. Não conseguia pensar noutro inimigo e desconfiava que Rallin, sabendo que seria atacado no dia seguinte, enviara os seus archeiros durante a noite para ferir e humilhar os homens de Lengar.

 

Os archeiros tinham desaparecido todos. Tinham chegado, ferido e morto, desaparecendo em seguida, contudo o pânico não se desvaneceu. Alguns dos guerreiros de Ratharryn atacaram os homens de Drewenna, tomando-os por inimigos e os lanceiros desta aldeia responderam quando Lengar se meteu entre eles, gritando para que parassem. Saban espreitava-o furtivamente.

 

Aos poucos, a luta terminou. Homens e mulheres batiam no colmo em chamas com capas e peles, ou então retiravam a palha a arder de cima dos telhados das suas cabanas. Os feridos rastejavam ou ficavam no chão a sangrar. Os doze postes do templo ali estavam, queimados e fumegantes sobre o fogo vermelho que ainda consumia o recinto das festas. Lengar separou dois guerreiros que combatiam e depois voltou-se, quando um dos postes caiu espalhando o fogo por toda a aldeia. Aí, na luz subitamente lívida, viu Saban de lança na mão. Sorriu.

 

Queres ser chefe, irmãozinho? Queres matar-me?

 

Deixa-me a mim disse Lewydd vingativo. Deixa-me!

 

Não. Saban empurrou o amigo para o lado e avançou.

 

Lengar deixara cair a sua lança e puxou da espada. Parecia aborrecido, como se o trabalho de matar Saban fosse coisa de pouca monta. Saban deveria ter-se acautelado com a confiança do irmão, mas estava demasiado furioso para tal. Queria simplesmente matá-lo e Lengar sabia-o, tal como sabia que a fúria de Saban o tornaria desastrado e fácil de vencer.

 

Vem, irmãozinho provocava-o.

 

Saban ergueu a lança, respirou fundo e preparou-se para uma violenta carga impulsionada pela raiva. Nessa altura um homem gritou e apontou para a entrada a sul da aldeia, de modo que Lengar e Saban se voltaram nessa direcção: ambos olhavam de boca aberta. E ambos, por instantes, esqueceram a sua luta.

Porque um homem morto caminhava pela noite.

 

O Templo da Morte

HOMEM MORTO CAMINHAVA Ao LUAR E O POVO DE RATHARRYN soltou um enorme gemido assustado com os horrores que estavam a chegar à tribo.

 

O cadáver, que caminhava completamente nu, era esquelético. Os olhos eram buracos negros numa máscara pálida, a pele fantasmagoricamente branca, as costelas acentuadas a negro, e grisalho o cabelo escorrido. Bocados de pele e cabelo caíam e flutuavam no ar como se entrassem em decomposição à medida que andava. A Lua estava agora mais alta, mais alta, mais pequena, mais pálida e mais brilhante; um lanceiro junto de Lengar soltou um grito de terror.

 

Não tem sombra! Não tem sombra! Os guerreiros, que tinham combatido embriagados, fugiam ou atiravam-se ao chão, escondendo os rostos. Apenas Lengar se atrevia a avançar na direcção do morto que não tinha sombra, mas até ele tremia.

 

Depois Saban, que ficara pregado ao chão de medo, viu que o espectro tinha sombra ao luar. Viu também que, de cada vez que o cadáver passava o peso do corpo para o pé esquerdo, dava um pequeno salto. E os farrapos cinzento-esbranquiçados não eram flocos de pele, mas sim cinza levada pela brisa leve. O homem molhara-se no rio, escurecera os olhos e as costelas com fuligem, cobrira-se de cinza e esta secara transformando-se em pó que lhe caía do cabelo e da pele.

 

Camaban! rosnou Lengar. Também ele reconhecera o defeito do pé e pronunciava zangado o nome do irmão, envergonhado por ter sentido medo da figura fantasmagórica.

 

Irmão! exclamou Camaban. Abriu os braços a Lengar que respondeu ao gesto erguendo a espada. Irmão! exclamou de novo, em tom de censura. Vais matar-me? Como haveremos de derrotar Cathallo, se me queres matar? Como derrotaremos Cathallo sem feitiçaria? executou uns passos de dança desajeitados e gritou à Lua: Feitiçaria! Sortilégios! Feitiços no escuro e encantamentos ao luar! uivou e estremeceu, como se os deuses lhe comandassem o corpo e depois, quando o ataque passou, franziu a testa interrogativamente para Lengar. Não precisas da minha ajuda para contrariar as maldições de Derrewyn?

Lengar manteve a espada em riste.

 

Da tua ajuda? perguntou.

 

Vim disse Camaban em voz alta, para que os guerreiros que tinham fugido para as cabanas o pudessem ouvir para derrotar Cathallo. Vim para desfazer Cathallo, para que fique em pó. Vim soltar os deuses contra Cathallo, mas primeiro, irmão, tu e eu temos de fazer as pazes. Temos de nos abraçar.

 

Avançou de novo em direcção a Lengar, que recuou, olhando para Saban.

 

Haverá tempo para o matares disse Camaban. Mas primeiro faz as pazes comigo. Lamento a nossa discussão. Não está certo que sejamos inimigos.

 

Lengar tocou com a espada em Camaban.

 

Vieste para derrotar Cathallo?

 

Ratharryn nunca será grande enquanto Cathallo prosperar exclamou Camaban. Desejo que Ratharryn recupere a sua grandeza. Empurrou suavemente a espada de Lengar. Não há necessidade de discutirmos, irmão. Quanto mais tu e eu discutirmos, mais tempo levará Cathallo a ser conquistada. Portanto, abraça-me, irmão, a bem da vitória. Depois cairei a teus pés, para mostrar ao teu povo que tu tinhas razão e eu não.

 

A ideia de derrotar Cathallo foi mais que suficiente para convencer Lengar a pôr fim à questão com Camaban, de modo que abriu os braços, permitindo que o irmão o viesse estreitar nos seus.

 

Saban, que estava perto dos dois, recordou o dia em que Hengall fizera a paz com Cathallo, abraçando Kital. Todavia acabou por perceber que Camaban não viera fazer o mesmo. Quando passou o braço direito sobre o pescoço de Lengar tinha um objecto negro a brilhar-lhe na mão e Saban apercebeu-se de que ali havia uma faca, uma faca de sílex com uma lâmina negra suficientemente curta para Camaban a poder esconder. A faca passou por trás da cabeça de Lengar e cortou-lhe o pescoço, de modo que o sangue saltou de repente, quente e escuro. Lengar tentou afastar-se, mas o irmão segurou-o com uma força surpreendente. Sorriu através da máscara preta e branca e afundou mais a lâmina, serrando para trás e para a frente a fim de o gume ligeiro cortar o músculo rígido e as artérias latejantes. O sangue de Lengar derramou-se por cima das cinzas que cobriam o corpo magro do irmão. Lengar sufocava, o sangue saía-lhe da boca aos borbotões, mas mesmo assim Camaban não o largava. A faca cortou de novo e, por fim, Camaban libertou-o, deixando-o cair de joelhos. Camaban deu-lhe um pontapé na boca, fazendo com que a cabeça de Lengar se inclinasse para trás e, depois, agitou mais uma vez a pequena faca e abriu completamente a garganta do irmão.

 

Lengar sucumbiu. Estrebuchou uns instantes com o sangue a latejar na garganta cortada, mas as pulsações diminuíram, até que terminaram. Saban olhava fixamente a cena. Nem se atrevia a acreditar que Lengar estava morto e Aurenna salva. A Lua de Lahanna brilhava, fazendo refulgir a poça de sangue negro ao lado do cabelo oleoso de Lengar.

 

Camaban inclinou-se e pegou na espada de bronze do morto. Os guerreiros tinham assistido incrédulos à morte do seu chefe, mas agora rugiam zangados, avançando sobre Camaban que ergueu a espada para os manter à distância.

 

Sou feiticeiro! gritou. Posso meter vermes nos vossos ventres, transformar as vossas tripas em lesmas e fazer os vossos filhos agonizar. Os guerreiros detiveram-se. Usariam as lanças em inimigos humanos, mas a feitiçaria reduzia-lhes a coragem a nada.

 

Camaban voltou-se para o cadáver de Lengar espetando-o repetidas vezes com a espada, acabando por lhe cortar a cabeça com uma série de golpes mal dados. Só depois olhou para Saban.

 

Ele não queria reconstruir o templo explicou Camaban com voz calma. Pedi-lhe, mas recusou. Está mal feito, sabes? As pedras de Sarmennyn não têm altura suficiente. A culpa é minha, inteiramente minha. Escolhi o templo, mas errei. Haragg sempre me disse que aprendemos à medida que crescemos e eu aprendi, mas Lengar não me queria ouvir. Assim, decidi voltar e começar tudo de novo. Deitou fora a espada. Quem vai ser chefe aqui, Saban, tu ou eu?

 

Chefe? perguntou Saban surpreendido.

 

Pensou que devo ser eu o chefe continuou Camaban. Afinal sou mais velho do que tu e muito mais esperto. Não concordas?

 

Queres ser chefe? perguntou Saban, ainda estupefacto com os acontecimentos dessa noite.

 

Sim disse Camaban. Quero. E também quero outras coisas. Que acabe o Inverno, a doença, que as crianças não chorem mais à noite. É isso que quero. Aproximara-se de Saban enquanto falava. Quero a união dos deuses disse em voz baixa. Um Verão sem fim. Abraçou Saban enquanto este sentia o cheiro do sangue de Lengar na pele do irmão. Sentiu os braços de Camaban à volta do pescoço e depois ficou rígido ao sentir a faca negra tocar-lhe a garganta.

 

Aurenna está cá? perguntou calmamente Camaban.

 

Sim.

 

Ainda bem disse Camaban, encostando a faca à pele do irmão enquanto falava. O que eu quero, irmão, é construir um templo como não haja outro na terra. Um templo para unir os deuses. Para devolver a morte a Slaol. Um templo para fazer o mundo de novo. É isso que quero. De súbito, Camaban troçou de Saban encostando-lhe com força a aguçada lâmina de sílex contra a pele, para em seguida e também rapidamente a retirar. Será um templo que ficará para sempre. E tu meu irmão apontou a faca para Saban vais construí-lo. Camaban voltou-se para olhar os restos dos pôstes de madeira e as chamas vivas que ardiam na cabana de Lengar. Aspirou o fedor a carne queimada. Quem estava no recinto?

 

Os teus amigos de Sarmennyn.

 

Kereval? Scathel?

 

Ambos e cerca de mais cem. Apenas Lewydd está vivo.

 

Lengar sempre foi apurado nas suas matanças disse Camaban com evidente admiração, voltando-se depois para olhar para os lanceiros. Sou Camaban! gritou. Filho de Hengall, filho de Lock, que foi gerado por uma cabra fronteiriça tomada num ataque! Slaol enviou-me aqui. Enviou-me aqui para ser o vosso chefe! Eu! O aleijado! A criança torta! E, se algum homem o disputar, que venha lutar agora comigo; pico-lhe os olhos com urtigas, transformo-lhe o ventre num caldeirão cheio de urina ardente e enfio-lhe a cabeça nos poços do esterco! Há alguém que me desafie?

 

Ninguém se mexeu, ninguém falou sequer, limitando-se todos a olhar para aquela figura nua e coberta de cinzas que os invectivava.

 

Slaol falou comigo! declarou Camaban. Sempre falou comigo! E Slaol quer agora que esta tribo faça o que ele pede, e o seu desejo é o meu! O meu!

 

Um guerreiro apontou para trás de Camaban, em direcção à entrada norte da aldeia e Saban voltou-se para ver um grupo de homens que atravessava a barreira, armados com arcos. Saban percebeu que eram estes os homens que tinham atacado Ratharryn lançando o pânico por entre os guerreiros que se tinham regozijado com o ardente massacre de Kereval e dos seus homens. Afinal, o ataque não viera de Cathallo, mas sim dos proscritos da floresta, aqueles de que se ouviam rumores de serem conduzidos por um morto por Camaban. Os recém-chegados, de barbas e cabelos desgrenhados, eram os fugitivos do governo de Lengar que se tinham refugiado na floresta, onde durante o Verão encontraram Camaban, que falara com eles, os inspirara e recrutara. Voltavam agora a casa, conduzidos por Haragg, cuja calva cintilava ao luar. O gigante empunhava uma lança e tinha o rosto manchado com traços de fuligem.

 

Esses homens também são meus! gritou Camaban, apontando para os proscritos. São meus amigos e voltam a partir de agora a ficar integrados na tribo. Ergueu os braços, olhando com ar de desafio para os estupefactos guerreiros de Ratharryn. Há alguém que me desafie? perguntou de novo.

 

Ninguém o fez, pois temiam-no a ele e à sua feitiçaria. Foram para as suas cabanas em silêncio, enquanto a pira funerária de Sarmennyn ardia na noite.

 

Terias transformado os ventres deles em urina ardente? perguntou Saban ao irmão naquela noite.

 

Aprendi uma verdade com Sannas replicou Camaban cansado. A feitiçaria está nos nossos receios, os nossos receios estão nos nossos espíritos e apenas os deuses são verdadeiros. Mas agora sou chefe no lugar do meu pai e tu, Saban, vais construir-me um templo.

 

De manhã, os homens de Drewenna voltaram para casa. O chefe declarou que Camaban estava doido e que não queria tomar parte naquela loucura, por isso os guerreiros pegaram nas espadas e partiram através da charneca.

 

Os lanceiros de Ratharryn queixaram-se que a melhor possibilidade de derrotarem Cathallo desaparecera com a deserção de Drewenna, e Rallin, diziam, haveria em breve de atacar a aldeia. Camaban podia ser um feiticeiro, resmungavam, mas não era um chefe guerreiro. Cathallo tinha os seus feiticeiros que certamente haveriam de contrariar os encantamentos dele, de modo que os homens de Ratharryn nada mas previam que vergonha e derrota.

 

Claro que têm disse Camaban quando foi avisado por Saban da amargura da tribo. Fora na manhã depois do regresso de Camaban e o novo chefe tinha convocado os sacerdotes e os homens proeminentes da tribo para o aconselharem. Sentaram-se com as pernas cruzadas no templo de Mai e Arryn, perto dos destroços fumarentos da cabana da festa, de onde saíam onze postes chamuscados.

 

Os lanceiros são supersticiosos explicou Camaban. Têm o cérebro entre as pernas e é por isso que tem de se manter ocupados. Quantos filhos tinha Lengar?

 

Sete respondeu Neel, o sumo sacerdote.

 

Então os lanceiros que comecem por matá-los decretou Camaban. Lewydd protestou.

 

São crianças disse. Não viemos para cá para encharcar a terra de sangue!

 

Camaban franziu a testa.

 

Viemos para cumprir o desejo de Slaol e ele não deseja que as crianças vivam. Se encontrares um ninho de víboras, matas os animais adultos e deixas vivas as crias? Encolheu os ombros. A mim também não me agrada, meu amigo, mas Slaol falou-me num sonho.

 

Lewydd olhou para Haragg, esperando o apoio do gigante, mas este afirmou que provavelmente a morte dos rapazes seria necessária para garantir a segurança do novo chefe.

 

Nada tem a ver com os deuses afirmou.

 

Tudo tem a ver com os deuses vociferou Neel. Este fora um ávido apoiante de Lengar, mas da noite para o dia transferira a sua lealdade para Camaban. Slaol também me falou num sonho ontem à noite afirmou. A decisão de Camaban está certa.

 

Fico aliviado afirmou secamente Camaban, olhando depois para Gundur que as pessoas diziam ser o melhor guerreiro de Ratharryn. Trata da morte dos rapazes ordenou e, momentos depois, as mães gritavam, enquanto os filhos de Lengar eram arrastados. Levados para o fosso dentro da barreira, foram mortos e os seus corpos dados a comer aos porcos. Foi o desejo de Slaol disse Neel entusiasmado a Camaban.

 

Também é desejo de Slaol que Haragg seja o novo sumo sacerdote, Neel contorceu-se, como se lhe tivessem batido, depois abriu a boca para protestar, mas dela não saía palavra. Olhou para Camaban, depois para Haragg, que parecia igualmente estupefacto. Haragg foi o primeiro a recompor-se.

 

Há muitos anos que deixei de ser sacerdote disse suavemente.

 

E eu sou o sumo sacerdote! queixou-se Neel em voz estridente. Não és nada disse Camaban calmamente. És menos que nada.

 És lodo debaixo de uma pedra e vais para a floresta, de contrário enterro-te vivo nos poços de esterco. Apontou com o dedo ossudo para o caminho sul, indicando que Neel fora proscrito. Vai!

 

Neel não se atreveu a dizer mais nada; limitou-se a obedecer.

 

Era um homem fraco disse Camaban depois de Neel ter partido. O meu sumo sacerdote tem de ser forte.

 

Não sou sacerdote insistiu Haragg. Nem sequer pertenço à tua tribo.

 

És da tribo de Slaol respondeu Camaban. Serás o nosso sumo sacerdote.

 

Haragg respirou fundo e olhou para o cimo da barreira, pensando nos locais longínquos, nos rochedos do mar, nas estranhas tribos e nos caminhos ainda não percorridos em todo o mundo.

 

Não sou sacerdote protestou de novo.

 

Mas o que queres tu? perguntou Camaban.

 

Uma terra onde o povo se dê bem respondeu Haragg, franzindo a testa enquanto ponderava as palavras. Onde se viva como os deuses querem que vivamos. Uma terra sem combates, sem maldade.

 

Falas como um sacerdote disse Camaban.

 

Os homens são fracos disse Haragg. E as exigências dos deuses são fortes.

 

Então faz-nos mais fortes! insistiu Camaban. Como haveremos de trazer os deuses à terra, se somos fracos? Fica Haragg, ajuda-nos a fazer o templo, ajuda-nos a ser dignos! Quero que sejas o meu sacerdote e Aurenna será sacerdotisa.

 

Aurenna! exclamou Saban.

 

Camaban dirigiu a Saban um olhar mal-humorado.

 

Pensas que Slaol poupou a vida de Aurenna para que criasse os teus filhos? Queres que seja uma porca? Uma ovelha de tetas inchadas? Foi para isso que desafiámos o trovão em Sarmennyn? Abanou a cabeça. Não basta manter os homens ocupados continuou. Temos também de os inspirar, e quem melhor que Aurenna? Tem visões e é a amada de Slaol.

 

Slaol deve querer alguma coisa dela concordou Haragg. Por que outra razão a pouparia?

 

E poupou-te a ti disse Camaban energicamente. Na noite em que morreu o teu filho. Pensas que não houve uma intenção naquilo? Sê o pai da minha tribo. Sê o meu sumo sacerdote.

 

Haragg ficou uns instantes em silêncio, com o rosto implacável e inexpressivo, mas depois fez, com alguma relutância, um aceno afirmativo.

 

Se é da vontade de Slaol disse.

 

É garantiu Camaban, cheio de confiança. Haragg suspirou.

 

Então serei sumo sacerdote, aqui.

 

Ainda bem! Camaban sorriu, embora o seu sorriso mal se notasse por entre a sujidade do rosto. Tinha lavado a maior parte das cinzas do cabelo, rodeando a cabeça com as longas tranças, antes de as prender com compridos espigões de osso, mas o seu rosto conservava ainda as inerradicáveis tatuagens negras. Haragg será sumo sacerdote, Aurenna sacerdotisa, Gundur conduzirá os lanceiros e Saban construirá o templo. Que farás tu, Lewydd?

 

Lewydd olhou para os restos fumarentos do recinto da festa.

 

Enterro o meu povo disse tristemente. Depois volto para casa.

 

Então terás de levar isto contigo disse Camaban, entregando a Lewydd uma bolsa que, quando foi aberta, mostrou conter os losangos de ouro de Sarmennyn.

 

Faltam três explicou Camaban. Soube ontem à noite que tinham sido roubados por Derrewyn, mas haveremos de recuperar essas peças e de as devolver. Camaban inclinou-se e bateu amigavelmente no ombro de Lewydd. Leva o vosso tesouro disse e torna-te chefe de Sarmennyn. Engorda, enriquece, torna-te sábio e não nos esqueças.

 

i De súbito, Saban começou a rir e Camaban olhou-o com ar inquiridor.

 

Saban encolheu os ombros.

 

Durante anos tudo o que fizemos foi conduzido por esse ouro. Agora terminou.

 

Não terminou retorquiu Camaban. É apenas o princípio. O ouro deslumbrou-nos, de modo que procurámos o nosso destino em Sarmennyn, mas nunca lá se encontrou. Está em Cathallo.

 

Em Cathallo? perguntou Saban atónito.

 

Como poderei fazer um templo digno de Slaol se não tiver blocos de pedra? perguntou Camaban. Quem tem os blocos de pedra? Cathallo.

 

Cathallo dar-te-á as pedras afirmou Saban. Ou há-de trocá-las.

 

Isso não replicou ferozmente Camaban. Estive este Verão com Derrewyn. Sabes que tem uma filha? Merrel é como se chama a maldita criança. Derrewyn deitou-se com Rallin porque queria uma filha do chefe e disse-me que a ia criar para ser feiticeira como ela. Feiticeira! Esfrega ossos uns nos outros, resmunga sobre as cascas dos caracóis, transforma linária e manteiga numa pasta, olha para os vasos de urina e pensa que influencia os deuses. Mesmo assim, este Verão fui ter com ela. Em segredo, na escuridão da noite, e inclinei-me perante ela. Rebaixei-me. Dá-me as pedras, implorei-lhe e faço a paz entre Ratharryn e Cathallo, mas nem um seixo me deu. Contava amargamente a humilhante recordação. Um dia Sannas disse-me que orava ao deus dos lobos quando ia a lugares em que houvesse esses animais, mas porquê? Porquê oferecer-lhe preces? Porque haveria o deus dos lobos de a escutar? É matar e não poupar a vida que está na natureza dos lobos. Ao implorar a Derrewyn, cometi o mesmo erro que Sannas. Orei ao deus errado.

 

Dá-lhe a cabeça de Lengar sugeriu Saban. Talvez te dê todas as pedras de Cathallo.

 

Não nos dará nada afirmou Gundur, ainda com as mãos cheias de sangue da morte dos filhos de Lengar.

 

Camaban olhou para o guerreiro.

 

Se amanhã atacar Cathallo, poderei vencer?

 

Gundur hesitou, depois olhou para Vakkal, o chefe guerreiro dos Fronteiriços, cuja lealdade era agora para com Ratharryn, e ambos encolheram os ombros.

 

Não admitiu Gundur.

 

Então, se não conseguimos o que queremos pela guerra, devemos tentar a paz disse Camaban. Voltou-se para Saban. Leva a cabeça do nosso irmão a Derrewyn e oferece-lhe a paz. Diz-lhe que apenas queremos algumas pedras.

 

Orando o deus dos lobos? sugeriu Haragg.

 

Ameaçando ao deus dos lobos insistiu Camaban. Diz-lhe que tem de nos dar as pedras, ou haverá uma guerra como nunca viram.

 

Assim, Saban pegou na cabeça do irmão mais velho, meteu-a num saco e na manhã seguinte dirigiu-se para norte.

 

Saban não levava armas, pois ia em paz, mas sentia-se ainda nervoso quando atravessou os ribeiros perto de Maden e subiu os montes do território marcado por caveiras, pertencente a Cathallo. Ninguém o interceptou, embora mais de uma vez tivesse a sensação de estar a ser observado e estremeceu ao pensar que uma flecha poderia sair da folhagem e atingi-lo nas costas.

 

Era já noite quando atravessou o ribeiro, para subir ao monte que levava ao pequeno templo e ao caminho sagrado. Não tinha ainda dado mais de trinta passos depois do rio, quando apareceu uma dúzia de lanceiros, vinda dos bosques atrás dele; atravessara o curso de água e formara uma escolta silenciosa, guardando-o de ambos os lados. Não só o tinham seguido pelos bosques, como pareciam esperá-lo, pois nenhum contestou o seu direito de ali estar, limitando-se a conduzi-lo por entre as pedras emparelhadas do caminho sagrado. Passaram a curva dupla e entraram no santuário, onde, no exterior da antiga cabana de Sannas ardia uma fogueira na semiobscuridade e três pessoas esperavam por ele. Aí se encontrava Rallin, chefe de Cathallo, ladeado por Derrewyn e pelo pai, o cego Morthor. Por trás desse grupo estavam os guerreiros de Cathallo, pintados de azul para a guerra e empunhando lanças. Rallin ergueu-se para saudar Saban.

 

Trazes-nos novidades disse simplesmente.

 

Morthor também se ergueu. Tinha a pele pintada de branco e as órbitas vazias acentuadas com ocre vermelho.

 

És tu, Saban?

 

Sou. Morthor sorriu.

 

Estás bem?

 

Rasteja como um verme à sombra do irmão disse Derrewyn, mantendo-se sentada.

 

Estava mais magra que nunca e a sua pele pálida achava-se esticada sobre as maçãs do rosto, fazendo parecer enormes os seus olhos escuros. Tinha o cabelo apanhado na nuca, mas Saban reparou que já não usava o colar com os ossos do filho morto. Talvez fosse por ter agora outra criança, a filha que trazia nos braços, uma menina de cabelo escuro, com a mesma idade de Lallic.

 

Pai, Saban veio dizer-nos continuou Derrewyn que Lengar morreu, que Camaban é o chefe e que Ratharryn ameaça declarar a guerra se não lhes permitirmos humildemente que levem as pedras dos nossos montes.

 

É verdade? perguntou Rallin.

 

Claro que é verdade! afirmou Derrewyn num tom sibilante. Senti aqui a morte de Lengar! Bateu no ventre, fazendo Merrel dar um grito. Com uma delicadeza surpreendente, Derrewyn acariciou a testa da filha e murmurou umas palavras que a acalmaram. Senti a morte quando a avelã se partiu. Trouxeste-me a sua cabeça, Saban?

 

Ele estendeu-lhe o saco.

 

Está aqui.

 

Vai ficar ao lado da de Jegar disse ela, fazendo um gesto para que Saban deixasse cair a bolsa.

 

Ele obedeceu, atirando para a relva a cabeça ensanguentada de Lengar e, olhando para a cabana dela, viu que o crânio de Jegar estava exposto, enfiado num pau ao lado da porta.

 

Rallin e Morthor sentaram-se e Saban imitou-os.

 

Então porque vieste cá, Saban? perguntou Rallin.

 

É verdade aquilo que Derrewyn disse afirmou Saban. Camaban é agora o chefe de Ratharryn e não quer combater convosco. Quer paz e deseja levar pedras dos vossos montes. Foi só o que aqui vim dizer.

 

Lengar morreu verdadeiramente? perguntou o cego Morthor.

 

Verdadeiramente confirmou Saban.

 

Foi Lahanna! afirmou Morthor e ergueu as órbitas ao céu. Se eu pudesse chorar acrescentou deitaria lágrimas de alegria.

 

Derrewyn ignorou a satisfação do pai.

 

E para que quereis as pedras? perguntou.

 

Queremos construir um templo explicou Saban. Será um grande templo para nos trazer a paz. É tudo o que queremos, paz.

 

Temos aqui um grande templo disse Rallin. O teu povo pode vir aqui.

 

O vosso templo não trouxe paz à terra disse Saban.

 

E o vosso trará? perguntou Derrewyn amargamente.

 

Trará paz e felicidade garantiu Saban.

 

Paz e felicidade! Derrewyn riu-se. Pareces uma criança, Saban! Camaban já cá esteve. Este Verão rastejou até mim e implorou-me as pedras, de modo que vou dar-te a mesma resposta que nessa altura lhe dei. Podes ter as pedras, Saban de Ratharryn, quando devolveres o espírito de Sannas aos seus antepassados.

 

O espírito de Sannas? perguntou Saban.

 

Quem lhe roubou o último alento? perguntou ferozmente Derrewyn. Foi Camaban! E ela não terá paz, enquanto este se encontrar no ventre dele. Por isso, traz-me a cabeça de Camaban, Saban, e eu troco-a por uma pedra.

 

Saban olhou para Rallin, esperando uma resposta mais favorável.

 

Não temos qualquer questão com Cathallo afirmou.

 

Não tendes questão! gritou Derrewyn, sobressaltando de novo a criança. Ratharryn trouxe o Povo da Fronteira para a região central e, pior que isso, trouxe também um templo fronteiriço. Quanto tempo falta para que conduzais as noivas à fogueira? E para quê? Para Slaol! Slaol que nos abandonou, Slaol que trouxe para a nossa terra os parasitas fronteiriços, Slaol que nos manda o Inverno, Slaol que nos destruiria, se não tivéssemos Lahanna e Garlanna a protegerem-nos. Não têm uma questão? Eu tenho uma questão

 

Empurrou de súbito a filha, que chorava, para os braços de uma escrava, depois arrancou a capa da parte superior do corpo, para mostrar a Saban os três losangos, um grande e dois pequenos que lhe pendiam entre os pequenos seios.

 

Queima! disse, batendo na peça maior de ouro. Queima-me dia e noite, mas recorda-me a maldade de Slaol. Gemeu, balançando-se de um lado para outro. Porém, Lahanna prometeu-nos a vitória. Prometeu que vos haveríamos de destruir. Prenderemos o teu Slaol e queimaremos os vossos cadáveres para lhe encher o nariz de fedor. Ergueu-se, deixando a capa no chão e brandindo o osso humano que Sannas outrora empunhara. Não tereis as pedras declarou. E não tereis paz. Saban tentou pela última vez.

 

Queria que os meus filhos crescessem numa terra de paz.

 

Também quero respondeu Rallin, olhando para Merrel nos braços da escrava. Mas não haverá paz, enquanto Camaban possuir o espírito de Sannas.

 

Os nossos antepassados estão infelizes explicou Morthor. Querem que Sannas se junte a eles. Saban, envia-nos Camaban, e dar-te-emos as pedras.

 

Ou então diz a Camaban que nos venha combater disse Derrewyn em tom de desprezo. Pensas que é um guerreiro? Deixa-o vir de encontro às nossas espadas! E diz-lhe, Saban, que quando vier havemos de lhe tirar pouco a pouco a carne dos ossos e fazê-lo gritar três dias e três noites e no fim tomarei a sua alma e a alma de Sannas. Cuspiu no fogo, depois apanhou a capa do chão para cobrir a sua nudez. Agradeço-te a cabeça de Lengar disse friamente mas nada tenho para te dar em troca. Voltou a pegar na filha, e dirigiu-se à sua cabana, baixando-se para entrar.

 

Saban olhou para Rallin.

 

São as mulheres que fazem a lei aqui?

 

Lahanna faz disse Rallin em tom seco. Ergueu-se e ajudou Morthor a pôr-se de pé. Deves partir agora disse a Saban.

 

Vai haver guerra, se eu partir?

 

Vai haver guerra, quer partas quer fiques disse Rallin. Desde que o teu pai morreu que apenas conhecemos a guerra em relação a Ratharryn. Pensavas que era assim tão fácil fazer a paz? Rallin abanou a cabeça. Vai. Vai-te embora.

 

Saban partiu então. E a guerra continuaria.

 

Camaban não pareceu surpreendido nem desapontado quando a missão de Saban falhou.

 

Querem guerra disse. Camaban estava no Templo do Céu, onde Saban o encontrou, amuado entre os dois anéis de pedras de Sarmennyn. Cathallo pensa que por Lengar ter morrido, seremos presas fáceis para as suas lanças continuou. Pensam que não sei conduzir os homens em combate.

 

Foi o que disseram confessou Saban.

 

Ainda bem! respondeu Camaban satisfeito. Agrada-me um inimigo que me menospreze, torna a humilhação muito mais fácil. Ergueu a voz, de modo a poder ser ouvido por Gundur e Vakkal, os chefes guerreiros de Ratharryn que se encontravam entre o seu séquito. Os homens pensam que a guerra é a aplicação da força, mas não é. A guerra é a aplicação do pensamento. É inteligência. Creio que amanhã deveríamos marchar directamente sobre os pântanos até aos montes de Cathallo. Gundur fez um meio sorriso.

 

Já antes o tentámos disse em voz baixa. Não deu resultado.

 

Tentaram tudo e nada resultou retorquiu Camaban.

 

Soubemos que Cathallo está cheio de lanceiros acrescentou Vakkal. Pensaram ter de defrontar as nossas forças e os homens de Drewenna, de modo que reuniram os seus aliados.

 

Mas hão-de saber que Drewenna nos abandonou disse Camaban. Não vão acreditar que nos atrevamos a atacá-los. Que melhor altura para o fazer?

 

Provavelmente estão a planear atacar-nos, disse Gundur com ar soturno.

 

Pensas sempre nas dificuldades! gritou-lhes Camaban, sobressaltando-os a ambos. Como quereis vencer uma guerra, se só vos importais em perdê-la? Sois mulheres? Coxeou em direcção aos guerreiros. Partiremos amanhã de manhã, atacaremos na madrugada seguinte e venceremos Slaol prometeu-o. Entendeis? Slaol prometeu-o!

 

Gundur inclinou a cabeça, embora se sentisse claramente infeliz com a decisão de Camaban.

 

Marcharemos amanhã concordou relutante. Depois pegou no cotovelo de Vakkal e voltou para aldeia para avisar os homens.

 

Camaban viu partir os dois guerreiros e riu-se.

 

Será melhor vencermos ou aqueles dois vão querer a minha cabeça.

 

Será difícil vencer disse Saban cauteloso. Cathallo parece saber tudo o que fazemos. Devem ter espiões aqui e saberão que vamos chegar.

 

Que outra alternativa terei? perguntou Camaban. Tenho de combater agora, não apenas para trazer as pedras ou convencer Gundur e Vakkal que não podem puxar-me com se eu fosse um cão. Se quero governar a aldeia, então tenho de me mostrar melhor chefe que Lengar. É fácil ser mais inteligente que ele, mas os homens não admiram a inteligência. Admiram o poder. Assim, ao derrotar Cathallo consigo uma coisa que Lengar nunca conseguiu. Claro que o problema vai ser o que fazer com todos esses lanceiros assim que conseguirmos a paz. Os guerreiros não gostam de paz.

 

Pensas que teremos paz? perguntou Saban.

 

Penso, que Slaol nos dará a vitória, irmão respondeu Camaban. Penso que me vais construir um templo e que a tua primeira tarefa será arrancar aquelas pedras. Fez um gesto para os pilares que tinham sido trazidos pelo mar para serem enterrados na turfa de Ratharryn. Pareciam tão imponentes em Sarmennyn continuou Camaban, franzindo a testa. Lembras-te? Sentíamos a presença de Slaol. Perturbadora! Sempre ali! Preso na pedra. Porém, aqui não. Mortas, é como estão, mortas! Empurrou uma pedra, tentando fazê-la cair, mas estava bem presa ao solo. Têm de sair todas, todas! Quantos homens precisas para as retirar?

 

Trinta sugeriu Saban. Quarenta?

 

Vais precisar de mais disse Camaban confiante. E vais precisar de homens e bois para arrancar as pedras novas de Cathallo. Ficou em silêncio, olhando para os círculos de pedra inacabados. Quem me dera não ter de lutar disse finalmente, voltando-se para o irmão. Já viste algum combate entre tribos inteiras?

 

Não.

 

Mas devias. Antes do início cada homem é um herói, mas assim que as flechas começam a voar, metade deles descobre que torceu um pé ou tem a barriga desarranjada. Sorriu. Creio que acabarás um herói, Saban.

 

Pensei que devia ser construtor.

 

Primeiro guerreiro, depois construtor disse Camaban. Não vou combater sem ti, irmão.

 

Passara já muito tempo desde que Saban observara guerreiros aprontando-se para combater, mas na madrugada seguinte viu os homens despirem-se completamente e untarem o corpo com uma pasta feita de água e ísatis; em seguida mergulhavam a lâmina das lanças e a cabeça das flechas numa mistura viscosa de fezes e suco de ervas. Quando o Sol se encontrava a pino, os lanceiros dançaram à volta do templo de Mai e Arryn e um cativo de Cathallo, que fora mantido bem guardado desde a última escaramuça entre as tribos, foi arrastado para o templo e esquartejado. Camaban ficou com curiosidade acerca desse ritual que, segundo Gundur, tinha começado com Cathallo a matar os seus cativos antes do combate e, por isso, Lengar ordenara que Ratharryn também o fizesse em sinal de vingança. Haragg protestou contra a morte, mas Gundur garantiu-lhe que não se tratava de um sacrifício e assim o sumo sacerdote segurou o pau de caveira, enquanto Gundur, nu, pintado de azul e com o cabelo ao vento, pegou numa espada de bronze e abriu lentamente o homem desde as virilhas até ao esterno. Os lanceiros de Ratharryn mergulharam então a mão direita no sangue da vítima, cujo longo grito de morte fora uma mensagem para dizer aos deuses que a tribo ia combater.

 

Saban não mergulhou a mão, nem dançou à volta dos postes do templo enquanto os homens tocavam tambor a um ritmo rápido nos seus aros de pele. Ficou antes acocorado junto a Aurenna, que olhava a cabeça do cativo sem se impressionar.

 

Vais vencer o combate disse. Vi a vitória num sonho.

 

Ultimamente tens tido muitos sonhos disse ele amargamente.

 

É porque estou aqui, onde Slaol me quer respondeu Aurenna.

 

Quem me dera que voltássemos para casa com Lewydd afirmou Saban. Ajudara o amigo a arrastar das cinzas do recinto os corpos queimados e enrugados de Kereval e dos seus homens. Os cadáveres seriam enterrados no alto da encosta coberta de relva, sobre o velho templo de Slaol e finalmente Lewydd levaria o ouro de volta para Sarmennyn.

 

A minha casa agora é aqui disse Aurenna. Via os guerreiros baixarem-se um a um junto ao cadáver esventrado. Tudo isto tinha de acontecer disse satisfeita. Não sabíamos quais as intenções de Slaol quando chegámos de Sarmennyn. Pensámos que vínhamos apenas trazer as pedras! Mas ele quer-nos aqui para fazermos a sua glória.

 

Então, os últimos anos foram desperdiçados? perguntou amargamente Saban. Dedicara os melhores tempos da sua vida ao transporte das pedras desde Sarmennyn e via-as recusadas assim que o trabalho estava terminado.

 

Aurenna abanou a cabeça.

 

Os anos não foram desperdiçados disse calmamente. Foram oferecidos a Slaol, como prova das grandes coisas que podemos fazer por ele e agora temos de fazer mais. O templo de Scathel foi um local de morte, um templo como o Templo do Mar e o nosso novo santuário tem de ser um templo da vida.

 

Saban estremeceu.

 

Derrewyn profetizou uma vez que o nosso templo ficaria cheio de sangue. Disse que a noiva do Sol morreria aí. Disse que haverias de morrer lá.

 

Aurenna riu baixinho.

 

Saban, Saban! Derrewyn é inimiga. Como haveria de falar bem daquilo que fazemos? E não haverá sangue. Haragg detesta sacrifícios! Detesta! Tocou-lhe no braço. Confia em nós pediu. Slaol está dentro de nós! Sinto-o como a um filho no meu ventre.

 

Haragg deveria acompanhar o bando de guerreiros. Era o que se esperava de um sumo sacerdote, embora Saban ficasse surpreendido por vê-lo tão entusiasmado.

 

Nunca gostei de mortes confessou o obstinado sumo sacerdote mas a guerra é diferente. Se não lhes tivesses oferecido a paz, Saban, sentir-me-ia infeliz, mas tiveram a sua oportunidade e recusaram, de modo que temos de cumprir o dever de Slaol.

 

Haragg empunhava o pau de caveira da tribo, que levara para o templo de Arryn e Mai, onde os guerreiros se tinham juntado. Camaban vestira uma das antigas túnicas de Lengar, com tiras de bronze cosidas ao peito e pendia-lhe ao lado a espada de bronze de Lengar. Mergulhara a mão no sangue do morto, depois passara-a pelo rosto tatuado de modo que, com o cabelo negro solto, parecia saído de um pesadelo. Ordenou com um gesto a Haragg que baixasse a caveira, depois colocou a mão ensanguentada sobre os ossos amarelados e gritou:

 

Juro pela alma dos nossos antepassados que havemos de destruir Cathallo!

 

Mais de duzentos guerreiros assistiram ao voto solene. A maior parte eram veteranos das guerras de Lengar. Alguns, poucos, jovens que tinham feito as suas provas, mas que ainda não estavam tatuados como homens, por ainda não terem morto ninguém em combate, enquanto que os lanceiros mais perigosos eram os proscritos que tinham vindo das florestas com Camaban.

 

Saímos agora e chegamos a Cathallo na madrugada de amanhã exclamou Camaban. Será nessa altura que atacaremos. Slaol falou comigo. Falou sempre comigo. Mesmo quando eu era criança Slaol vinha ter comigo, mas agora fala-me com maior clareza e diz-me que teremos uma enorme vitória! Conquistaremos Cathallo! Mataremos muitos lanceiros e faremos prisioneiros. Terminaremos para sempre com a ameaça dessa tribo e os nossos filhos crescerão numa terra de paz!

 

Aclamaram-no e as mulheres da tribo juntaram os seus gritos de aprovação; depois soaram os tambores e o bando guerreiro seguiu Camaban em direcção às florestas a norte. Caminharam toda a tarde e era quase noite quando chegaram aos pântanos de Maden, todavia o caminho através da terra húmida estava iluminado pela luz branca do luar; este fazia cintilar a água e brilhava sobre as fantasmagóricas caveiras brancas que Cathallo colocara à entrada dos montes arborizados para deter os lanceiros de Ratharryn. Camaban retirou uma caveira do seu pau e atirou-a ao chão, depois o resto do bando seguiu-o, entrando na floresta. Os fora-de-lei de Camaban, que se sentiam em casa por entre as árvores escuras, seguiam adiante como batedores, mas não encontravam o inimigo.

 

Atravessavam lentamente o bosque, pois as folhas obscureciam a luz de Lahanna e os lanceiros caminhavam com cautela. Detiveram-se ao chegar a uma terra mais elevada e aí esperaram no frio da noite. Gundur e Vakkal estavam nervosos, porque Cathallo nunca antes autorizara os guerreiros de Ratharryn a atravessar os pântanos sem tentar impedi-los; estavam agora no interior do território inimigo e temiam uma emboscada, mas nem flechas nem lanças surgiram do escuro.

 

No passado, disse Gundur, Cathallo forçara os guerreiros de Ratharryn a abrir caminho por estes montes, onde eram constantemente emboscados por archeiros, mas agora os bosques estavam vazios, levando todos os guerreiros a acreditar que Cathallo ignorava a sua chegada. A bruma pairava por entre as árvores ao aproximar-se a madrugada. Filhotes de raposa fugiam em todas as direcções numa clareira quando retomaram a marcha e os homens tomaram a presença das crias como um bom presságio, pois os animais nunca teriam deixado as suas tocas se os guerreiros de Cathallo estivessem escondidos entre as árvores. Porém, nessa altura, mesmo quando crescia nos espíritos a esperança numa vitória fácil, um rugido terrível obrigou os homens a acocorarem-se e até o rosto manchado de Camaban mostrou um súbito receio. Ouviu-se um tropel nos arbustos, não tão rápido como o movimento de um veado, nem tão deliberado como o de um homem, mas alguma coisa enorme e pesada soava através da bruma para fazer estremecer todos os guerreiros O som terrível aproximou-se mais. Saban meteu uma flecha no arco, embora duvidasse que uma cabeça de flecha feita de sílex pudesse evitar um feitiço de Cathallo; depois apareceu o monstro com uma enorme cabeça coroada por chifres que se retorciam para a frente. Saban puxou a corda do arco mas não soltou a flecha. Não era feitiçaria nem um monstro, mas sim um auroque duas vezes maior do que qualquer boi que Saban já tivesse visto: uma criatura de músculos enormes, pele negra, chifres afiados e olhos brilhantes. Deteve-se ao ver os homens, agitou a cauda coberta de esterco e em seguida bateu no solo com um casco enorme antes de mugir de novo, em tom de desafio. Ergueu a cabeça e a baba escorreu-lhe da boca cavernosa. Os olhinhos pareciam vermelhos, na bruma luminosa. Por um instante, Saban pensou que o animal ia carregar sobre o bando de guerreiros, mas afinal afastou-se, dirigindo-se para norte

 

Um presságio! disse Camaban. Sigamo-lo!

 

Saban nunca vira Camaban tão entusiasmado. A habitual confiança sardónica do irmão fora substituída por uma verve infantil, nascida da emoção que o tornava ruidoso e falador. Saban suspeitava que, nas mesmas circunstâncias, Lengar manter-se-ia silencioso, porém os guerreiros, de boa vontade, seguiram Camaban. Poderia estar vestido para a guerra, mas os lanceiros acreditavam que era um feiticeiro que poderia derrotar Cathallo, mais com encantamentos do que com lanças, e a ausência do inimigo nos bosques convencera-os de que a sua magia dava resultado.

 

O Sol ergueu-se logo que chegaram à beira das árvores. A bruma era branca e húmida, abafando o mundo. Os homens, que naquela noite se tinham mostrado tão confiantes, eram agora assaltados pela inquietação. Nunca tinham penetrado tanto no território de Cathallo e esse acontecimento deveria tê-los encorajado, porém a bruma assustava-os, pois, após passarem as árvores, parecia-lhes estarem a atravessar um vazio esbranquiçado. Por vezes o Sol mostrava-se como um disco pálido no vapor, logo voltando a desaparecer quando o nevoeiro húmido se adensava. Alguns homens lançaram flechas em direcção às sombras, onde a vista já não alcançava, mas estas não lhes foram devolvidas e nenhum inimigo gritou por estar ferido.

 

Deveríamos voltar disse Gundur.

 

Voltar? interrogou Camaban. O sangue do seu rosto era agora uma crosta seca e gretada.

 

Gundur apontou para o nevoeiro, sugerindo que seria inútil continuar, mas nessa altura, um homem que seguia do lado esquerdo do grupo de guerreiros chegou a um antigo túmulo, construído como uma saliência longitudinal e não em forma de montículo. Camaban dirigiu-se a ele e reuniu os seus homens no terreno diante da sepultura, que estava cercada por uma meia-lua de pedras enormes.

 

Sei onde estamos disse-lhes Camaban. Cathallo fica para ali apontou na direcção da bruma. Já não é longe.

 

No meio deste nevoeiro é muito longe disse Gundur e os lanceiros resmungaram, concordando com ele.

 

Então deixemos o nevoeiro levantar um pouco concordou Camaban. E vamos causar dano ao inimigo enquanto esperamos.

 

Ordenou a uma dúzia de homens que afastassem para o lado as pedras mais pequenas da meia-lua de grandes blocos e, quando as lajes foram retiradas, apareceu um túnel escuro com mais pedras ainda. Camaban entrou nele de rastos, murmurou um encantamento para proteger dos mortos a sua alma e começou a retirar ossos e caveiras. Estes pertenciam aos antepassados de Cathallo, espíritos que protegeriam os descendentes em qualquer batalha. Assim, Camaban ordenou que fizessem com eles um monte junto à fachada de pedra do túmulo e depois, um a um, os guerreiros subiram a saliência e urinaram sobre os seus inimigos. O gesto restaurou a confiança, de modo que riram e vangloriaram-se, tal como tinham feito na noite anterior.

 

Saban foi o último homem a trepar ao monte. Tinha a bexiga vazia e temia o desprezo do bando de guerreiros, mas quando olhou para norte viu uma pessoa sair do nevoeiro. A figura estava muito longe e por um momento sentiu-se aterrorizado, pensando que fosse um espírito que caminhasse à superfície da bruma; depois percebeu que era alguém que acabara de subir ao Monte Sagrado de greda branca e olhava para sul. A figura olhou fixamente Saban que lhe devolveu o olhar. Seria Derrewyn? Pensou que fosse ela e sentiu uma súbita dor por ser agora seu inimigo. À direita, muito ao longe, os montes onde se encontravam as grandes pedras emergiam da bruma, mas ali estavam apenas Derrewyn e Saban diante um do outro, cada um do seu lado do vale silencioso e branco.

 

O que foi? perguntou Camaban.

 

Vem cá disse Saban e Camaban deu a volta ao flanco da saliência, subindo com dificuldade a íngreme encosta de turfa.

 

A figura longínqua deixou cair a capa e começou a erguer e baixar os braços.

 

Maldições disse Camaban e cuspiu naquela direcção.

 

Será Derrewyn? perguntou Saban.

 

Quem mais? retorquiu Camaban. Derrewyn encontrava-se sobre o monte de Lahanna, implorando à deusa que ferisse os inimigos de Cathallo.

 

Saban tocou nas partes baixas.

 

Então sabem que estamos a chegar?

 

Trouxeram o nevoeiro disse Camaban esperando que nos perdêssemos dentro dele. Mas não estamos perdidos. Sei o caminho a partir daqui. Ergueu a mão para a figura distante, depois arrastou Saban pelo monte abaixo. Seguimos um atalho para norte, que atravessa a floresta, e um ribeiro, antes de chegarmos ao caminho sagrado. Este levá-los-ia ao santuário de Cathallo.

 

A molha dos ossos restaurara o moral dos guerreiros do bando. Estavam agora desejosos de seguir Camaban para norte. Este caminhava rapidamente por um atalho aberto na charneca pela passagem de inúmeros pés. Descia suavemente o monte através de um enorme grupo de carvalhos e, à medida que os lanceiros passavam pelas árvores, o vento remexia as folhas e ao mesmo tempo o nevoeiro, tornando-o mais fino, de modo que os principais guerreiros de Ratharryn conseguiram ver o caminho sagrado que atravessava o pequeno vale. Aí, aguardando numa forte fileira junto aos blocos de pedra cinzenta, encontrava-se o exército de Cathallo.

 

Esperava-os Rallin, chefe da aldeia. Estava pronto. Ali estavam todos os guerreiros de Cathallo e não apenas eles, mas também os seus aliados, os lanceiros das tribos que odiavam Ratharryn, devido aos ataques de Lengar. A hoste inimiga enchia a avenida e soltou um grito feroz ao ver os homens de Camaban sair de entre os carvalhos; depois o nevoeiro adensou-se de novo e os dois exércitos ficaram ocultos um do outro.

 

São mais do que nós disse Gundur, nervoso.

 

Estão tão nervosos como nós disse Camaban. Mas nós temos Slaol.

 

Deixaram-nos vir, para nos esmagarem aqui explicou Gundur. Depois perseguirão os que sobreviverem pelos montes e matá-los-ão um a um.

 

O que eles querem é uma batalha para terminar a guerra alvitrou Camaban.

 

Sim, e vão vencê-la afirmou Gundur. Deveríamos retirar! Falava furiosamente e Vakkal assentiu com a cabeça.

 

Slaol não quer que retiremos disse Camaban. Tinha os olhos brilhantes de emoção. Estão aqui reunidos todos os nossos inimigos e Slaol quer destruí-los.

 

São demasiados insistiu Gundur.

 

Nunca há demasiados inimigos para matar afirmou Camaban. Tinha o espírito de Slaol dentro de si e estava certo da vitória, de modo que abanou a cabeça ao conselho de Gundur e puxou da espada. Lutaremos gritou e todo o seu corpo estremeceu enquanto o deus o enchia de poder. Lutaremos por Slaol gritou. E venceremos!


A BRUMA LEVANTOU LENTAMENTE, ARRASTADA POR UM VENTO CAPRICHOSO, cedendo relutante à força de Slaol para se erguer. Dois cisnes voaram sobre o ribeiro e o bater das suas asas foi de súbito o ruído mais forte do vale limitado pelos dois exércitos. O auroque tinha desaparecido havia muito, partindo, pensava Saban para as florestas mais profundas a ocidente; porém agarrava-se à crença de que o aparecimento do animal fora um bom presságio. Agora todos os lanceiros dos exércitos inimigos observavam os cisnes, na esperança que estes se voltassem para o seu lado. Contudo, as aves voaram rapidamente entre as duas forças e partiram para as brumas do Oriente.

 

Dirigiram-se ao Sol nascente! gritou Camaban. Significa que Slaol está connosco.

 

Poderia estar a falar sozinho, pois ninguém do lado de Ratharryn reagira ao seu grito. Continuaram a olhar para o outro lado do vale, onde as forças de Cathallo formavam um linha formidável, armados de lanças, machados, arcos, clavas, paus, enxós e espadas. A linha de batalha começava perto do pequeno templo na colina, seguia o caminho das pedras emparelhadas para ocidente e dirigia-se ao Monte Sagrado. Nas colinas baixas atrás dessa linha, encontravam-se os grupos de mulheres e crianças que tinham vindo ver os seus homens esmagar Ratharryn.

 

Quatrocentos homens? Mereth contara-os e falava agora com Saban em voz baixa.

 

Nem todos são homens disse Saban. Alguns mal parecem rapazes.

 

Um rapaz pode matar com um arco resmungou Mereth. Estava armado com um dos preciosos machados que pertenciam ao pai

 

e tinha um aspecto formidável, pois herdara a altura e o peito largo de Galeth. Porém, estava tão nervoso como Saban. Os homens de ambos os exércitos sentiam-se todos eles inquietos, excepto os guerreiros empedernidos que sonhavam com aqueles momentos. Era sobre esses homens que se entoavam cânticos, que se contavam as histórias nas longas noites de Inverno; eram os heróis das matanças, lutadores como Vakkal, o Fronteiriço, que agora caminhava à frente da força de Camaban para gritar insultos para o outro lado do vale. Chamava estrume quente aos inimigos, afirmava que as suas mães eram cabras com papeira, acusava-os de urinarem as peles e todas as noites convidava dois deles para lutarem contra si na margem do ribeiro. Os guerreiros principais de Cathallo gritavam os mesmos insultos e desafios. Enfeitados com penas e caudas de raposa, a pele cheia de marcas de morte, estavam cobertos de bronze. Dantes, Saban sonhava ser um guerreiro assim, mas tornara-se um construtor e não um destruidor, de modo que sentia um certo receio, senão mesmo medo, quando avistava um inimigo. Espalhem-se! gritou Gundur aos homens de Ratharryn. Gundur não quisera lutar naquela manhã, temendo que Cathallo e os seus aliados fossem demasiado numerosos, mas Camaban chamara-o à parte e a confiança de Gundur ficara milagrosamente restaurada por o que quer que fosse que o feiticeiro lhe tivesse dito, de modo que agora alinhava os homens.

 

Espalhem-se! gritava. Formem uma linha! Não se juntem como crianças! Espalhem-se!

 

O bando de guerreiros espalhou-se com relutância ao longo dos carvalhos, formando uma linha que, tal como a do inimigo, não era contínua. Os homens ficavam junto aos familiares ou amigos e havia enormes espaços entre os grupos. Os sacerdotes de ambos os lados estavam agora em frente, agitando os ossos e guinchando maldições ao inimigo. Haragg levava o pau de caveira de Ratharryn, para que os antepassados pudessem ver o que estava a ser feito dentro da bruma e Morthor, o sumo sacerdote cego de Cathallo, empunhava um pau semelhante. Agitava-o de modo tão ameaçador, que a caveira de Cathallo caiu do pau fazendo erguer as aclamações dos homens de Ratharryn que tomaram a queda do crânio como um sinal agoirento para o inimigo. Derrewyn estava ainda no Monte Sagrado onde, ladeada por meia dúzia de lanceiros, proferia mais maldições para Camaban.

 

Quero a feiticeira morta! gritou Camaban ao seu exército. Um prémio em ouro para aquele que me trouxer a cabeça da cabra! Encho a caveira dela de ouro e ofereço-a ao homem que a matar!

 

Está a pensar que vai vencer? perguntou Mereth amargamente.

 

Slaol está connosco disse Saban e de facto Sol tinha saído por entre os restos de bruma, tornando o vale mais verde e fazendo cintilar a luz sobre o ribeiro por entre os exércitos.

 

Será melhor que Slaol esteja connosco resmungou Mereth. O inimigo tinha o dobro dos homens de Ratharryn.

 

Quero ver morto o chefe deles! gritava Camaban aos seus homens. A ele e aos filhos! Se tiver esposas grávidas, matem-nas também! E matem a cria da feiticeira, matem-na! Matem-na, matem a filha, matem todos!

 

Rallin caminhava ao longo da sua linha, encorajando sem dúvida os seus lanceiros a executarem uma matança semelhante. Os sacerdotes de ambos os lados tinham avançado para as margens do ribeiro, a pequena distância um do outro e, daí, vociferavam insultos e cuspiam maldições, saltavam no ar, estremeciam como se tivessem sido agarrados pelos deuses e guinchavam, apelando aos espíritos invisíveis para que viessem esventrar o inimigo. Apenas Haragg não tinha ido para junto do ribeiro. Mantinha-se antes alguns passos à frente da linha e erguia o pau da caveira na direcção do Sol.

 

Os mais corajosos guerreiros tinham-se aproximado dos sacerdotes para gritar mais insultos, mas nenhuma das linhas de batalha avançava. Grupos de homens dançavam num frenesim, para arranjar coragem para avançar, outros entoavam hinos de guerra ou cantavam os nomes dos seus deuses. A bruma tinha desaparecido por completo e o dia estava mais quente. Mereth recuou para o bosque que ficava atrás da linha de Camaban e começou a apanhar amoras, mas este, voltando da ala esquerda das suas forças, retirou-o dos arbustos e obrigou-o a voltar.

 

Todos os homens com arcos devem voltar para as árvores e abrir caminho até ao centro da linha. Ouviram? disse Camaban. Continuou a andar, repetindo as instruções, de modo que os archeiros deslizaram em direcção às árvores e, sem serem vistos pelo inimigo, correram para o centro da fraca linha de Ratharryn. Apenas Saban desobedeceu, relutante em deixar a companhia de Mereth.

 

Nas linha de Cathallo começou a bater um tambor e o ritmo pesado imprimiu coragem aos homens de Rallin que, em pequenos grupos, avançaram para desafiar as forças de Camaban. Os mais corajosos meteram-se no ribeiro e ficaram de pé, mostrando os corpos nus manchados de azul, como se quisessem convidar os archeiros de Ratharryn a disparar sobre eles.

 

Vakkal e alguns dos seus lanceiros fronteiriços correram de encontro a esses inimigos mais ousados que imediatamente retiraram, sendo vaiados pelos homens de Ratharryn. Os sacerdotes mantinham-se no centro de todos esses ataques e contra-ataques, ignorando e sendo ignorados pelos lanceiros.

 

Alguns archeiros deixaram a linha de Cathallo para dispararem as suas flechas pelo vale. Muitas delas ficaram para trás, embora outras zumbissem lá em cima fazendo restolhar as folhas da floresta. Os rapazinhos correram a apanhar as setas, entregando-as aos próprios archeiros de Ratharryn, alguns dos quais tinham avançado para afastar o inimigo. Ainda ninguém fora ferido, muito menos morto, e apesar dos múltiplos insultos, nenhum dos exércitos parecia inclinado a atravessar o ribeiro e começar o ataque. Rallin andava para trás e para a frente ao longo da sua linha, exortando e gritando, enquanto as mulheres levavam vasos de licor aos seus homens.

 

Vamos deixar que venham ter connosco. Camaban caminhava de novo por trás da linha. Ficamos aqui disse. Vamos deixar que nos venham atacar. Parecia satisfeito. Quando avançarem, ficai quietos e esperai por eles.

 

Agora toda a linha da Cathallo cantava em coro, juntando as vozes nos versos de batalha de Lahanna.

 

Estão a preparar-se, não é verdade? observou Mereth, com os lábios manchados de sumo das amoras.

 

Preferia estar a fazer barcos em Sarmennyn disse Saban.

 

Eu preferia estar a fazer barcos num lugar qualquer disse Mereth, que não tinha uma única cicatriz de morte no peito. Creio que se atravessarem o ribeiro, vou fugir e só paro de correr quando chegar ao mar.

 

Estão tão assustados como nós disse Saban.

 

Pode ser verdade observou Mereth mas ali há dois assustados para cada um dos nossos.

 

Soou um grito estridente vindo da linha do Cathallo e Saban viu um enorme grupo de guerreiros desatar a correr em direcção ao ribeiro. Vinham do centro da linha de Rallin e gritavam o nome de Lahanna, à medida que avançavam; contudo, alguns passos depois, olhavam à direita e à esquerda e viram que o resto da linha tinha ficado imóvel. Assim, pararam também, contentando-se em gritar insultos para Camaban, que voltava para o centro da linha de Ratharryn. Saban viu que Derrewyn descera do Monte Sagrado e caminhava ao longo da frente da relutante linha de batalha de Cathallo. Tinha soltado o cabelo negro e longo que, tal como a capa clara que trazia, esvoaçava ao vento. Saban apercebeu-se de que ela gritava e conseguia imaginar que estivesse a exortar a coragem dos seus homens, insultando Ratharryn e impelindo os lanceiros para a frente. Trouxeram mais vasos de licor para os homens de Rallin. O homem do tambor tocava na sua pele de cabra com força redobrada e os outros arrastavam os pés numa dança grotesca, enquanto ganhavam ânimo. Os sacerdotes de ambos os lados, com as gargantas doridas de tanto gritar, juntaram-se na margem do ribeiro onde beberam com as mãos em concha e depois falaram um com o outro.

 

Não era assim que Lengar teria combatido resmungou um homem perto de Saban.

 

Como o teria feito? perguntou este.

 

O teu irmão atacava sempre respondeu o homem. Não haveria esta espera. Gritava em altos berros e de seguida investia em direcção do inimigo numa corrida terrível. Cuspiu. Quebravam sempre.

 

Saban perguntou a si próprio se seria isso que Gundur planeava agora, pois juntara os seus melhores guerreiros no centro da linha, onde se encontrava o pau de caveira de Ratharryn. Os homens ali reunidos tinham sido os melhores de Lengar, os lanceiros com mais cicatrizes de morte, com pêlo de raposa entrançado no cabelo e pendurado nos paus das lanças. Gundur exortava-os, embora Saban estivesse longe de mais para ouvir o que ele dizia. Juntaram-se-lhes Vakkal e os seus escolhidos guerreiros fronteiriços e por trás desse temível grupo estavam os maciços archeiros de Camaban.

 

O Sol subia. Rallin e Derrewyn percorriam a linha para a frente e para trás, todavia nem um lado nem outro atacava, embora alguns archeiros de Cathallo se tornassem atrevidos e ousassem atravessar o ribeiro e disparar algumas flechas. Atingiram um homem na perna e o inimigo fez uma ovação a essa ferida; depois Camaban enviou meia dúzia dos seus para a frente para os afugentar e foi a vez de Ratharryn gritar.

 

Talvez nem haja batalha disse Mereth satisfeito. Talvez fiquemos aqui todo o dia, a gritar até ficarmos roucos e depois vamos para casa vangloriar-nos de corajosos que fomos. Por mim, estava muito bem.

 

Ou talvez Rallin esperasse que atacássemos do mesmo modo que Lengar sugeriu Saban.

 

Teria pensado que nós atacaríamos?

 

Provavelmente aventou Saban. Mas agora, que não estamos a fazer o que esperava, tem de vir contra nós, se quiser vencer.

 

Rallin tinha evidentemente chegado à mesma conclusão, pois ele e Derrewyn exortavam agora o exército a avançar, afirmando que os vermes de Ratharryn eram demasiado tímidos para atacar e demasiado teimosos para retirar sem combate, pelo que estavam apenas à espera de ser dizimados. Rallin gritava que a glória esperava Cathallo e que qualquer homem que morresse iria direito às bênçãos de Lahanna no céu. O chefe de Cathallo prometia que os primeiros homens a entrar na linha de Ratharryn poderiam escolher entre as mulheres e os rebanhos do inimigo e esse encorajamento tornou-os mais afoitos. O licor estava também a fazer efeito e o soar dos tambores enchia os céus para que os homens avançassem a matar. O barulho era constante, gritos e berros, bater de tambores, cânticos, canções e bater de pés. Os capitães de guerra de Rallin Tinham-se espalhado pela linha e continuavam a arrastar homens para diante; o seu exemplo e as promessas de Rallin conseguiram por fim pôr toda a massa excitada em movimento.

 

Ponham-se de pé e esperem! gritava Camaban. Ponham-se de pé e esperem!

 

Os deuses ajudam-nos disse Mereth, tocando nas partes baixas. O inimigo veio lentamente. Nenhum queria ser o primeiro a chegar à linha de Ratharryn, de modo que avançavam, soltando gritos de encorajamento uns aos outros, sendo os archeiros os únicos a correr adiante de todos mas até mesmo eles faziam-no com cuidado para não avançarem muito. Rallin encontrava-se no centro da sua linha, onde conseguia dar mais velocidade aos seus melhores guerreiros. Queria que o resto do exército visse esses heróis esmagarem o centro da linha de Ratharryn e começarem a matança, que se transformaria num massacre, quando os homens de Camaban abrissem brechas e fugissem. Os guerreiros soltavam os seus gritos de combate, abanavam as suas lanças e, mesmo assim, nenhum dos de Ratharryn se prestou a responder ao ataque.

 

De pé e esperem! gritou Camaban. Slaol dar-nos-á a vitória!

 

Os archeiros inimigos chegavam agora à outra margem do ribeiro e hesitaram um pouco por entre a espessa salgueirinha antes de saltar para dentro de água. Cuidado com as flechas! gritou um homem perto de Saban. As primeiras foram disparadas e Saban viu-as atravessar o céu. Nenhuma chegou perto dele, embora noutros sítios os homens saltassem para o lado ao verem-nas mergulhar em direcção a si. Os archeiros de Cathallo estavam espalhados ao longo de toda a linha, de modo que havia poucas flechas num só local, embora certeiras nos seus alvos. Estes ferimentos encorajaram os lanceiros a avançar por entre os archeiros. Entraram no ribeiro, evitando os sacerdotes, que continuavam placidamente a conversar.

 

Vais usar esse arco? perguntou Mereth a Saban e este retirou uma flecha da aljava, meteu-a na corda, mas não a puxou. Já houvera um tempo em que tudo o que sonhara era ser o herói dos cânticos da sua tribo, mas aqui não sentia qualquer desejo de derramar sangue. Não conseguia odiar Derrewyn, ou o seu povo e limitava-se a olhar fixamente para o inimigo que avançava, interrogando-se como pensaria Camaban repelir tal morticínio.

 

Eles que venham! gritava Camaban. Nenhum dos archeiros de Ratharryn replicara às flechas dos inimigos,!

 

o que deu coragem aos de Rallin; estes aproximaram-se mais ainda de modol que as suas flechas eram lançadas directa e rapidamente. E eram impossíveis de evitar; assim os homens atingidos gritavam, vacilavam e caíam para trás. A vista dos feridos fez com que um grupo de guerreiros experimentados de Rallin desatasse a correr e a gritar insultos enquanto subia a suav” encosta. Agora! gritou Camaban e os seus próprios lanceiros afastaram-se para os archeiros dispararem uma nuvem assassina de flechas direitas à carga de Rallin. Uma dúzia de homens do inimigo estava já caída, um deles com uma flecha num olho; assim se detiveram os outros lanceiros de Cathallo, espantados com a súbita saraivada de setas de sílex, a que se seguiu um segundo voo que os atravessou e depois um terceiro. Foi então que Gundur soltou o grito de guerra de Ratharryn e os seus combatentes escolhidos, caudas de raposa ao vento, gritaram e carregaram. Os archeiros de Camaban estavam agora espalhados, à direita e à esquerda, fazendo recuar os inimigos. Os homens de Ratharryn pareciam esperar placidamente o seu súbito contra-ataque que, rápido como o de uma víbora, espantou o inimigo. Gundur e Vakkal conduziam a carga por entre os homens feridos de Rallin. Vakkal com brilhantes penas de cisne ornamentando-lhe o cabelo, investia com um machado de cabo comprido, enquanto Gundur usava uma pesada lança com eficiência doentia. Por breves instantes, o centro do campo transformou-se num emaranhado de homens que apunhalavam e espetavam, porém os archeiros de Camaban tinham ferido gravemente o inimigo e agora os guerreiros escolhidos de Ratharryn entravam pelo centro de Rallin. Mataram os principais heróis de Cathallo no ribeiro onde Rallin os tentava reagrupar, antes de Vakkal brandir o machado e a pesada lâmina o atingir na cabeça, fazendo com que o chefe do inimigo caísse entre as salgueirinhas. Gundur gritou e atravessou o ribeiro, chapinhando, para enterrar a lança no peito de Rallin; depois, Camaban passou por ele, agitando a arma em enormes cutiladas que tanto faziam perigar o inimigo como o seu próprio lado. A louca aparição de Camaban, com o seu rosto às riscas, o cabelo enfeitado com ossos e pele ensanguentada, aterrorizou os homens de Cathallo, que se afastaram pouco a pouco e depois ainda mais depressa, enquanto os guerreiros enfeitados de caudas de raposa atacaram, investindo ruidosamente.

 

Agora! gritou Camaban para o resto da linha. Vinde matá-los! Vinde matá-los! As vidas deles são vossas! E os homens de Ratharryn tão espantados como o inimigo pelo sucesso do centro da sua linha, vendo que Cathallo retirava cheio de medo, deram um enorme grito e carregaram em direcção ao ribeiro.

 

Matai-os! gritava Camaban. Matai-os! Os seus gritos reagrupavam o centro vitorioso, conduzindo-o numa ruidosa carga que se transformou numa perseguição ao inimigo, por enquanto ainda mais numeroso que as forças de Camaban, mas aterrorizado pela morte do chefe.

 

Os homens de Ratharryn gritavam vitória enquanto atacavam por trás o inimigo que fugia. Os machados e as clavas esmagavam os crânios, despedaçavam ossos, regressando ensanguentados. Os homens matavam num frenesim de medo, guinchando e apunhalando, cortando e desgastando, e o pânico transformou-se em tumulto, quando o pau de caveira de Cathallo foi tomado por Vakkal. Atacou o cego Morthor com uma espada, pegou no pau e esmagou a caveira com a espada. À vista desta destruição, ouviu-se um enorme clamor nas desorganizadas hostes inimigas.

 

As mulheres de Cathallo fugiram em direcção ao grande santuário e os lanceiros fugitivos seguiram-nas em pânico. Agora era o caos, com os homens de Camaban perseguindo e encurralando a gente em fuga. Cathallo estava derrotada, Cathallo fugia e os homens de Ratharryn ensopavam as armas no morticínio.

 

Só Saban não perseguia o inimigo. Mereth levara o seu enorme machado para a matança sangrenta que cobria a avenida entre as pedras sagradas, mas Saban estivera a observar Derrewyn, que ficara no extremo ocidental da sua linha, enquanto Gundur e Vakkal tinham atacado os homens de Rallin e assistia estupefacta ao colapso da tribo. Saban vira dois homens de Cathallo tentarem levá-la para a aldeia, mas Derrewyn deveria saber que era para ali que o exército de Camaban iria dirigir a sua perseguição, de modo que correu alguns passos para ocidente e quando viu a ruidosa carga de Cathallo atravessar o rio e convergir para a avenida sagrada, dirigiu-se para as árvores que ficavam por trás da linha de Camaban. Não havia outro lado onde esconder-se. Saban pensou que ela chegaria lá em segurança, mas depois dois archeiros de Ratharryn viram-na partir apressada em direcção ao sul e dispararam as suas flechas. Uma delas atingiu Derrewyn numa perna, fazendo-a tropeçar, mas dois dos seus lanceiros acudiram-lhe e quase a arrastaram para as árvores, enquanto os archeiros, desejosos de conseguir a recompensa de Camaban a perseguiam.

 

Saban seguiu-os na floresta. Não via Derrewyn nem os seus perseguidores, mas ouviu depois a corda de um arco ser solta e Derrewyn gritando um insulto. Saban voltou-se na direcção do som, mergulhou numa moita de aveleiras e chegou a uma pequena clareira onde viu que um dos lanceiros de Cathallo tinha caído morto com uma flecha de penas negras na garganta. Derrewyn com o rosto pálido e contorcido de dor, estava sentada encostada ao tronco coberto de musgo de um carvalho, enquanto o seu último protector enfrentava os dois archeiros de Ratharryn. Estes sorriam, satisfeitos com a facilidade da vitória esperada, mas franzindo a testa quando Saban entrou na clareira.

 

Encontrámo-la disse um dos guerreiros com ar categórico.

 

Descobriste-la concordou Saban portanto é vossa a recompensa. Não a quero. Não conhecia nenhum dos jovens, que pouco mais eram que rapazes. Sorriu para o que estava mais próximo e depois colocou uma flecha na corda.

 

Tendes uma faca? perguntou-lhes.

 

Uma faca? estranhou um deles.

 

Tendes de cortar a cabeça da feiticeira explicou Saban, puxando a flecha para trás e apontando a sua longa cabeça de sílex ao lanceiro inimigo. Lembrais-vos da recompensa pela sua morte? É a sua caveira cheia de ouro, de modo que tereis de a levar ao meu irmão se quereis enriquecer. Olhou para Derrewyn que o observava com o rosto inexpressivo. Mas sabeis como afastar a sua maldição de morte? perguntou Saban aos dois archeiros.

 

A maldição dela? perguntou o homem que estava mais próximo num tom preocupado.

 

É uma feiticeira disse Saban com ar agoirento.

 

Tens a certeza? perguntou o archeiro. Saban sorriu.

 

É assim que se mata a maldição disse, voltando-se com tanta rapidez que a flecha ficou apontada para o archeiro mais próximo. Soltou-a, viu o sangue espirrar cintilante por entre as sombras verdes, depois largou o arco, saltou sobre o corpo do moribundo e empurrou o segundo archeiro para um monte de folhas. Esmurrou-lhe o rosto e gemeu, quando o oponente o atingiu também. Depois viu os olhos do homem abrirem-se numa agonia e ouviu o ranger das suas costelas quando o lanceiro de Derrewyn lhe meteu a lâmina de bronze no peito.

 

Saban levantou-se. Tinha o coração a bater e o suor picava-lhe nos olhos.

 

Pensei que chegaria ao fim de toda esta batalha sem ter de matar ninguém.

 

O primeiro archeiro, que tinha a flecha de Saban na garganta, ergueu-se com a dor e depois ficou imóvel.

 

Não querias matar ninguém perguntou Derrewyn em tom de desprezo. A tua mulher fronteiriça pôs-te contra a morte?

 

Não tenho qualquer questão contigo disse Saban. Nunca tive qualquer questão contigo.

 

O lanceiro sobrevivente empunhava ameaçador a arma ensanguentada, mas Derrewyn fez sinal para que a baixasse.

 

Não quer fazer-me mal disse ao seu protector. Saban percorre a vida sem querer causar mal, mas causa-o muito. Vai guardar o extremo da floresta.

 

Viu partir o lanceiro, fez sinal para que Saban avançasse, depois dobrou a perna ferida e gemeu de dor. A flecha entrara no músculo da coxa direita, tendo saído de um lado a orgulhosa cabeça de sílex, enquanto do outro apareciam as penas de corvo de Ratharryn. Quebrou o extremo emplumado, fez uma careta e depois partiu o outro extremo. Não havia muito sangue, pois a carne tinha-se fechado sobre o pau.

 

Posso tirar-te o resto da flecha propôs Saban.

 

Posso fazê-lo sozinha afirmou Derrewyn. Fechou os olhos por um instante, à escuta dos gritos fracos que vinham de norte. Obrigada por os teres morto disse, apontando os dois archeiros. É verdade que o teu irmão prometeu uma recompensa por mim?

 

Pelo teu cadáver disse Saban.

 

Então agora podes ficar rico se me matares? perguntou com um sorriso.

 

Saban retribuiu-lho.

 

Não disse acocorando-se diante dela. Quem me dera que nada disto tivesse alguma vez acontecido. Quem me dera que tudo fosse como dantes.

 

Pobre Saban disse Derrewyn. Encostou a cabeça à árvore. Deverias ter sido chefe de Ratharryn. Nada disto teria acontecido.

 

Se fores para sul disse ele ficas em segurança.

 

Duvido que alguma vez esteja em segurança disse ela, começando a rir. Deveria ter dado as pedras a Camaban quando mas veio pedir. Esteve cá no Verão passado, uma noite, em segredo e implorou-me que lhe desse as pedras. Fez um esgar. Sabes o que me ofereceu em troca delas?

 

Paz? sugeriu Saban.

 

Paz! exclamou Derrewyn. Ofereceu-me mais do que paz, Saban. Ofereceu-se a si próprio! Queria casar-se comigo. Ele e eu, disse, éramos dois grandes feiticeiros e entre nós poderíamos governar Ratharryn e Cathallo e fazer os deuses dançar como lebres na Primavera.

 

Saban ficou a olhar para ela, perguntando a si próprio se seria verdade e depois decidiu que era, com certeza. Sorriu.

 

Como os filhos de meu pai te amam.

 

Tu amaste-me respondeu Derrewyn. Lengar violou-me e Camaban receia-me.

 

Ainda te amo exclamou Saban, ficando muito mais surpreendido com as suas próprias palavras do que ela. Corou, sentindo-se envergonhado por causa de Aurenna, mas sabia também que tinha dito a verdade, uma verdade que de facto nunca reconhecera naqueles anos todos. Olhou-a, como se não visse o rosto magro e envelhecido da feiticeira de Cathallo, mas sim a rapariga alegre, cujo riso encantara toda a tribo.

 

Pobre Saban afirmou Derrewyn, encolhendo-se quando a dor lhe invadiu a perna. Devíamos ser tu e eu, Saban, só tu e eu. Teríamos tido filhos, teríamos vivido e morrido e nada teria mudado. Mas agora? Encolheu os ombros. Slaol vence e a sua crueldade andará à solta pelo mundo

 

Ele não é cruel.

 

Veremos, não é verdade? perguntou Derrewyn, abrindo depois a capa para mostrar a Saban os três losangos de ouro que trazia pendurados ao pescoço com um fio de couro. Levou à boca uma das pequenas peças de ouro, mordeu o tendão e entregou o fragmento cintilante a Saban. Toma disse ela.

 

Ele sorriu.

 

Não preciso.

 

Toma! insistiu e ficou à espera que ele obedecesse. Guarda-o bem

 

Deveria devolvê-lo a Ratharryn disse.

 

Por uma vez disse ela tristemente não sejas imbecil, pois em breve precisarás do meu auxílio. Lembras-te da ilha de Mai?

 

Ele acenou afirmativamente.

 

Claro que me lembro.

 

Estivemos debaixo de um salgueiro que tem uma bifurcação no tronco mais acima do sítio a que um homem pode chegar disse ela. Deixa a peça de ouro nessa bifurcação e virei em teu auxílio.

 

Ajudas-me? perguntou Saban delicadamente divertido, pois Ratharryn vencera a batalha e Derrewyn não passava de uma fugitiva.

 

Vais precisar da minha ajuda afirmou. E ofereço-ta, quando ma pedires. Agora, Saban, vou transformar-me num fantasma e assombrar Ratharryn. Fez uma pausa. Suponho que Camaban queira também a minha filha morta.

 

Saban acenou afirmativamente.

 

Pois quer.

 

Pobre Merrel disse Derrewyn.

 

Camaban, não a há-de encontrar, mas que vida lhe poderei dar agora? Ficou em silêncio e Saban viu que estava a chorar, porém, não saberia dizer se era de desgosto ou de dor.

 

Chegou junto a ela e passou-lhe os braços à volta, deixando-a soluçar no seu ombro.

 

Odeio os teus irmãos disse algum tempo depois, soltando um profundo suspiro e afastando-se dele. Vou viver como uma proscrita disse. Farei um templo a Lahanna lá no fundo da floresta, onde Camaban nunca me descobrirá. Estendeu-lhe a mão. Ajuda-me a levantar.

 

Ele pô-la de pé. Ela gemeu ao passar o peso do corpo para a perna ferida, mas recusou-lhe o auxílio e chamou o lanceiro. Parecia que haveria de partir sem qualquer sinal de despedida, mas depois, voltou-se de repente e beijou Saban. Nada disse, beijou-o uma segunda vez e depois seguiu em direcção ao sul, a coxear, perdendo-se entre as árvores.

 

Saban seguiu-a com o olhar até as árvores a esconderem e depois fechou os olhos, pois receou começar a chorar.

 

Haveria muitas lágrimas naquele dia. A avenida de pedras estava juncada de cadáveres, muitos com o crânio esmagado por machados ou paus e mais ainda com as cabeças cortadas. Mas houvera tantas para levar como trofeu que, algum tempo depois, os corpos já não eram decapitados e algumas delas tinham sido mesmo deitadas fora pelos perseguidores. Alguns homens do inimigo ainda viviam, embora horrivelmente feridos. Um homem com o sangue a pingar do cabelo, agarrava-se a um pilar de pedra quando Saban passou. Quantos cânticos não comporiam a este respeito em Ratharryn, pensou amargamente. Os corvos batiam as asas e os cães vinham banquetear-se com a carne dos mortos. Dois rapazinhos que tinham seguido os homens de Camaban tentavam arrancar a cabeça a uma mulher. Saban enxotou-os de ao pé do cadáver, pensando que haveriam de encontrar outro. As pedras da avenida pingavam sangue e lembrou-se da profecia de Derrewyn a respeito das pedras do novo templo de Ratharryn estarem encharcadas em sangue. Estava enganada, pensou, enganada.

 

As primeiras colunas de fumo subiam dos telhados de colmo da aldeia em que os guerreiros de Camaban, tendo arrancado tudo o que tinha valor dentro das cabanas, acendiam fogueiras até aos telhados. Enquanto destruíam as cabanas deste modo, os sobreviventes da tribo derrotada procuravam abrigo no grande santuário. Foi aí que Saban encontrou Camaban. Estava sozinho no cimo da enorme muralha de onde lançava sistematicamente com pontapés as caveiras guardiãs para dentro do fosso.

 

Onde tens estado? perguntou.

 

À procura de Derrewyn respondeu Saban.

 

Encontraste-a?

 

Não.

 

Provavelmente morreu disse Camaban em tom vingativo. Espero bem que sim. Mas mesmo assim, gostaria de urinar sobre o cadáver dessa cadela. Deu um pontapé na caveira de um lobo que foi parar ao fundo da vala. Tinha sangue no longo cabelo e nos ossos atados às tranças, mas não era seu. A espada de bronze que lhe pendia de um aro no cinto estava toda manchada. Espero que já tenham encontrado os filhos de Rallin continuou. Quero-os mortos.

 

Não representam qualquer perigo para nós protestou Saban.

 

São da família de Rallin e quero-os todos mortos. E também a cria de Derrewyn. Deu outro pontapé num crânio, que caiu da barreira. Chama-se a si própria feiticeira! Ah! Vê onde a feitiçaria lhe levou a tribo! Sorriu de súbito. Gosto da guerra.

 

Eu detesto-a.

 

É porque não prestas para ela, mas não é difícil. Gundur queria retirar, porque não tinha pensado no problema, mas eu sabia que Rallin seguiria com os seus melhores homens de modo que seria fácil estender-lhes uma armadilha e, honra seja feita a Gundur, este viu como as coisas poderiam funcionar. Gundur combateu bem. E tu?

 

Eu matei um homem disse Saban.

 

Só um? perguntou Camaban divertido. Dantes, quando era criança, tinha tanta inveja tua. Eras como Lengar, alto e forte, e pensava que viesses a ser um guerreiro e que eu seria sempre um aleijado. Mas foi o aleijado que conquistou Cathallo. Não foi Lengar, nem tu, mas sim eu! Riu-se, orgulhoso do trabalho que fizera, voltando-se depois para olhar a multidão de gente de Cathallo que se reunira junto à antiga cabana de Sannas. Creio que é tempo de os assustar disse, encaminhando-se para o caminho, entrando depois no centro do templo.

 

Só menos de uma dúzia de lanceiros de Ratharryn tinha aí entrado, de modo que Camaban estava virtualmente sem guarda, mas não demonstrava qualquer receio enquanto se encaminhava para o meio do santuário, para o espaço entre os dois círculos de pedra que estavam rodeados pelo anel maior de blocos de pedra. Aí ergueu os braços ao céu, mantendo-os nessa posição até aquietar a multidão assustada.

 

Conheceis-me! gritou. Sou Camaban, a criança torta! Camaban, o aleijado! Camaban de Ratharryn! E agora sou Camaban, o chefe de Cathallo. Alguém o disputa? Olhou para a multidão. Havia pelo menos duas dezenas de homens ali, a maior parte deles armados, mas nenhum se moveu. Sou mais que Camaban! gritou. Há muitos anos vim aqui durante a noite e roubei a alma de Sannas, juntamente com o seu último sopro de vida!

 

Eu, Camaban, tenho Sannas dentro de mim. Sou Sannas! Sou Sannas! gritava, começando de súbito a cantar com a voz de Sannas, a sua voz exacta, antiga e seca como ossos velhos, de modo que, se Saban fechasse os olhos, era como se a velha feiticeira ainda estivesse viva. Sou Sannas de volta à terra, que vim salvar-vos do castigo!

 

Começou a contorcer-se, a dançar, a saltar, a girar, gemendo desesperadamente como se a alma da velha lutasse de facto contra o espírito dele e a exibição fez as crianças, aterrorizadas, esconderem o rosto na roupa das mães.

 

Sou Sannas! berrava Camaban. Slaol conquistou-me! Slaol tomou-me! Slaol deitou-se entre as minhas coxas e estou cheio dele! Mas lutarei por vós! gritou de novo, abanando a cabeça, de modo que o seu longo cabelo ensanguentado esvoaçava para baixo e para cima. Têm de obedecer, têm de obedecer continuava usando ainda a voz de Sannas.

 

Matem-nos... Falava agora na sua própria voz, puxando da espada coberta de sangue e avançando sobre a multidão, enquanto entoava as palavras. Matem-nos, matem-nos, matem-nos. A multidão recuava.

 

Toma-os como escravos! Mudara de novo a voz para a de Sannas. Serão bons escravos! Chicoteia-os se não forem bons! Chicoteia-os! Começou de novo a contorcer-se, a rugir, e de repente, ficou imóvel.

 

Slaol fala em mim disse com a sua própria voz. Fala comigo e através de mim. O grande deus vem ter comigo e pergunta-me porque não estais todos mortos. Porque não pegamos nos vossos bebés e não lhes esmagamos a cabeça contra as pedras do templo? As mulheres choravam ruidosamente. Porque não entregar os vossos filhos ao fogo de Slaol? perguntava Camaban. Porque não entregar as vossas mulheres para serem violadas, porque não enterrar os vossos homens vivos nos poços de esterco? Porque não? Estas duas últimas palavras foram emitidas num guincho.

 

Porque eu não deixo. Era Sannas de novo. O meu povo obedecerá a Ratharryn! Há-de obedecer! De joelhos, escravos! De joelhos! E o povo de Cathallo ajoelhou diante de Camaban. Alguns estendiam as mãos para ele. As mulheres agarravam-se aos filhos, apelando para que ficassem vivos, mas Camaban virou as costas, dirigiu-se até à pedra mais próxima e encostou a ela a sua cabeça.

 

Saban soltou a respiração, que nem sabia estar suspensa. O povo de Cathallo continuava de joelhos, com o terror no rosto e foi assim que os lanceiros de Gundur o encontraram quando atravessaram a entrada ocidental.

 

Gundur foi ter com Camaban.

 

Matamo-los?

 

São escravos disse Camaban calmamente. Escravos mortos não trabalham.

 

Então mato os velhos?

 

Mata os velhos concordou Camaban mas deixa viver os outros. Voltou-se para a multidão ajoelhada. Porque eu sou Slaol e estes são os escravos que construirão o meu templo. Ergueu os braços ao Sol. Porque eu sou Slaol! gritou de novo, triunfante. E eles vão construir o meu santuário.

 

Camaban deixou Gundur a governar Cathallo. Mantém as pessoas vivas, disse-lhe, pois na Primavera o seu trabalho será necessário. Gundur também tinha ordens para percorrer os bosques em busca de Derrewyn, cujo corpo nunca fora encontrado, e da filha, que também desaparecera. As esposas e filhos de Rallin tinham sido descobertos e os seus corpos apodreciam agora numa cova rasa. Morthor fora enterrado num túmulo e o novo sumo sacerdote nomeado, mas apenas depois de ter beijado o pé aleijado de Camaban e jurado obedecer-lhe.

 

Assim, Camaban voltou triunfante para Ratharryn onde durante todo o Inverno brincou com blocos de madeira. Pedira a Saban que lhos fizesse, insistindo para que a madeira fosse trabalhada em forma de pilar e exigiu mais e mais, desaparecendo depois dentro da cabana onde os alinhava de várias formas, obsessivamente. A princípio formou com eles círculos gémeos, um aninhado dentro do outro, como o templo inacabado que Saban desmontava agora; mas depois de algum tempo rejeitou os dois anéis e modelou um templo como o santuário de Slaol já existente à entrada de Ratharryn. Imaginou uma floresta de pilares, mas após olhar para o modelo durante vários dias, pô-lo de lado. Tentou refazer em pedra o padrão de Slaol e Lahanna: doze círculos impostos a um outro maior; mas quando se baixou para ver os blocos com um olho fechado, junto ao solo, apenas viu desordem e confusão, de, modo que rejeitou também esse arranjo.

 

Foi um Inverno frio e de fome. Lewydd levou para a sua aldeia o ouro de Erek, sendo acompanhado por meia dúzia de homens de Vakkal que queriam viver os seus dias em Sarmennyn, mas mesmo assim ainda ficou em Ratharryn uma horda para ser alimentada. Lengar nunca fora cuidadoso como o pai a armazenar alimentos, o que significava que os poços de cereal estavam vazios. Camaban não se importava, pois em pouco mais pensava do que no seu templo. Era chefe de duas tribos, porém não desempenhava nenhuma das tarefas que o pai realizara. Permitia que outros homens conduzissem os seus bandos de guerra, insistia em que Haragg dispensasse justiça e contentava-se em deixar que Saban se preocupasse em arranjar comida suficiente para que Ratharryn passasse o Inverno. Camaban não tomou esposas, não gerou filhos, nem juntou tesouros, embora começasse a vestir-se com algumas coisas boas que descobrira na cabana de Lengar. Usava a enorme fivela de ouro que o forasteiro trazia quando viera ao Velho Templo, havia tantos anos, cobria-se com a capa de pele de lobo debruada a raposa nos ombros e empunhava a pequena clava que Lengar tomara ao sacerdote de uma tribo derrotada. Hengall empunhara a clava como símbolo de poder e Camaban divertia-se a imitar o pai, troçando da sua memória. Enquanto a clava de Hengall fora um pedaço de pedra rude capaz de esmagar crânios, a de Camaban era um objecto delicado e precioso. Tinha um punho de madeira rodeado de anéis de osso esculpidos em forma de raios, sendo a cabeça um ovo de pedra castanha com veios negros, perfeitamente entalhado e maravilhosamente polido, que deveria ter custado ao artesão vários dias de meticuloso trabalho. Alisara a cabeça, depois brocara-lhe um buraco circular para o punho e quando o trabalho terminou, o homem tinha feito uma arma útil apenas em cerimónias; a pequena cabeça era demasiado leve para infligir danos a não ser num crânio extremamente delicado. Camaban gostava de executar floreados com ela, provando que a pedra podia ser trabalhada tão bem como a madeira.

 

Não usaremos blocos de pedra rude como os de Cathallo disse a Haragg. Vamos dar-lhe forma, esculpi-la. Acariciou a cabeça da clava. Alisá-la.

 

Saban juntou numa cabana todo o cereal da tribo, comprou mais algum a Drewenna e racionou-o durante os dias frios. Os guerreiros caçavam, trazendo veados, javalis e lobos. Ninguém morria de fome, embora muitos dos velhos e doentes tivessem falecido. Durante todo esse Inverno, Saban retirou também todos os pilares escuros trazidos de Sarmennyn. Não foi uma tarefa difícil. As pedras eram retiradas dos buracos, deitadas na relva e arrastadas para o pequeno vale que ficava a oriente do templo. Os homens escavavam a greda branca do fosso e enchiam os buracos das pedras com cascalho de modo que o centro do templo estava novamente liso e vazio. Apenas as pedras da Lua se mantinham dentro do fosso, bem como os três pilares por trás delas, mas depois Saban ergueu a pedra-mãe para junto do centro. Foram precisos sessenta homens, um tripé de carvalho e sete dias para erguer a pedra, que foi colocada em frente da entrada do templo, de modo que no dia do Solstício o Sol brilharia, descendo a avenida até ao pilar. A pedra-mãe era alta, muito mais alta do que tinham ficado os outros pilares vindos de Sarmennyn e, ao baixo sol de Inverno, a sombra alongava-se sobre a turfa pálida.

 

Camaban passava dias inteiros no templo, meditando e raramente dando conta dos homens que trabalhavam para desmantelar o Templo das Sombras. À medida que os dias ficavam mais curtos e o ar mais frio, ia lá mais vezes e, algum tempo depois, começou a transportar lanças, enterrando as lâminas no chão duro, espreitando depois pelo cimo dos paus. Estava a usá-las para calcular a altura a que queria os pilares de pedra, mas estas não o satisfaziam, de modo que ordenou a Mereth que cortasse uma dúzia de postes, pedindo depois a Saban que os enterrasse na turfa. Os postes eram compridos mas leves e o trabalho ficou pronto num só dia. Camaban passou o seguinte a olhar para eles, imaginando padrões.

 

Por fim, restavam apenas dois paus. Um tinha duas vezes a altura de um homem e o outro o dobro do comprimento, ficando ambos alinhados com o nascer do Sol no Solstício, o mais alto atrás da pedra-mãe e o mais baixo junto à entrada do santuário. À medida que o Inverno se aproximava, Camaban ia todas as tardes ao templo e ficava a olhar os postes finos, que pareciam estremecer ao vento gelado.

 

Chegou o Solstício de Inverno. Fora sempre uma altura em que se ouviam os lamentos do gado que normalmente era sacrificado para apaziguar a fraqueza do Sol; todavia Haragg não queria tais mortes nos seus templos, de modo que a tribo dançou e cantou sem sentir nas narinas o cheiro a sangue fresco. Algumas pessoas queixaram-se que os deuses ficariam zangados devido às susceptibilidades do sacerdote, afirmando que o sacrifício era necessário para que o novo ano não trouxesse pestes, mas Camaban apoiou Haragg e, nessa tarde, depois da tribo ter cantado o lamento ao Sol moribundo, Camaban afirmou que os antigos costumes estavam amaldiçoados e que, se Ratharryn mantivesse a fé, então o novo templo iria assegurar que o Sol não voltasse a morrer. Festejaram nessa noite com carne de veado e porco e depois acenderam enormes fogueiras para que Slaol voltasse na madrugada a seguir ao dia do Solstício de Inverno.

 

Nessa manhã havia neve: não muita, mas o suficiente para cobrir de branco o solo mais alto, no qual Camaban deixou pegadas quando se dirigiu ao templo. Insistiu para que Saban o acompanhasse e os irmãos envolveram-se em peles, pois o frio era cortante e um vento agreste soprava do céu pálido, coberto de pequenas nuvens rosadas. As nuvens de neve, mais pesadas, tinham levantado ao meio-dia e o sol da tarde era já suficiente para lançar sombras sobre a neve que cobria os montículos feitos pelos buracos das pedras já tapados. Camaban olhava para os postes gémeos, mas abanou a cabeça, irritado, quando Saban lhe perguntou a sua finalidade. Depois, voltou-se para olhar as quatro pedras da Lua de Gilan, os pares de pedras em arco que mostravam o caminho das viagens mais distantes de Lahanna.

 

É tempo disse Camaban de perdoar Lahanna.

 

De a perdoar?

 

Lutámos contra Cathallo para termos paz continuou Camaban. Slaol quer a paz entre os deuses. Lahanna revoltou-se contra ele, mas perdeu a batalha. Nós vencemos. É tempo de a perdoarmos. Olhou para os bosques, distante. Crês que Derrewyn ainda esteja viva?

 

Queres perdoar-lhe? perguntou Saban.

 

Nunca! respondeu o irmão amargamente.

 

O Inverno vai matá-la alvitrou Saban.

 

É preciso mais que um Inverno para matar essa cadela disse Camaban de mau modo. Enquanto trabalhamos pela paz, estará orando a Lahanna nalgum sítio escuro e eu não quero que a deusa se nos oponha.

 

Quero que se junte a nós. É tempo de a levar de volta para Slaol e, por isso, deixaremos as quatro pedras que lhe mostram que lhe pertence.

 

Ah, sim? perguntou Saban. Camaban sorriu.

 

Se te colocares junto a qualquer dos pilares disse apontando para a mais próxima das pedras da Lua e olhares para a laje do outro lado do círculo, consegues ver por onde Lahanna vagueia?

 

Sim disse Saban, recordando-se de como Gilan colocara as quatro pedras.

 

Mas e se olhares para a outra laje? perguntou Camaban.

 

Saban franziu a testa sem entender, de modo que Camaban lhe pegou no braço e o levou até ao pilar, apontando em seguida para a grande laje do outro lado do círculo. É para ali que Lahanna vai, não é verdade?

 

Sim concordou Saban.

 

Camaban voltou-se para Saban, olhando ao mesmo tempo na direcção da segunda laje.

 

E o que vês, se olhares naquela direcção?

 

Saban tinha tanto frio que achou difícil pensar, mas o dia ia avançado e o Sol estava baixo por entre as nuvens rosadas; viu que Slaol tocava o horizonte alinhado exactamente com as pedras da Lua.

 

Vê-se a morte de Slaol no Solstício de Inverno respondeu.

 

Exactamente! E se olhares para o outro lado? Se ficares junto a esse pilar Camaban apontava na diagonal para o outro lado do círculo e olhares nesta direcção para a outra laje?

 

O nascer de Slaol no Verão.

 

Sim! gritou Camaban. O que quer isso dizer? Quer dizer que Slaol e Lahanna estão ligados. Estão juntos, Saban, como uma pena está à asa ou um chifre à cabeça. Lahanna pode revoltar-se, mas voltará. A tristeza deste mundo é o resultado da separação de Slaol e Lahanna, mas o nosso templo vai juntá-los. As pedras dizem-nos isso. As pedras dela são as dele, não compreendes?

 

Sim disse Camaban, interrogando-se por que razão nunca percebera que as pedras da Lua podiam facilmente apontar tanto os limites dos passeios de Slaol, como dos de Lahanna.

 

O que faremos, Saban, é cavar um fosso e formar uma barreira à volta dos dois pilares disse Camaban entusiasmado. São as pedras vigilantes. Vais fazer-me dois anéis de terra e os sacerdotes podem ficar neles e observar Slaol através das lajes. Óptimo! Começou a caminhar apressadamente de volta para a aldeia, mas deteve-se junto à pedra do Sol que estava mais afastada do santuário. E mais um fosso e uma barreira à volta desta pedra. Bateu nela. Três círculos à volta de três pedras. Três locais apenas acessíveis aos sacerdotes. Dois locais para assistir à morte do Sol e aos passeios de Lahanna e um local para ver Slaol erguer-se em toda a sua glória. Agora apenas temos de decidir o que ficará no centro.

 

Temos coisas mais importantes do que decidir tal coisa disse Saban.

 

O quê?

 

Cathallo está com falta de alimentos.

 

Camaban encolheu os ombros, como se fosse coisa de pouca monta.

 

Os escravos mortos disse Saban em voz soturna ecoando as palavras do próprio Camaban não podem trabalhar.

 

Gundur que tome conta deles disse Camaban, irritado pela discussão. Não queria pensar em mais nada senão no seu templo. Foi por isso que mandei Gundur para Cathallo. Ele que lhes dê de comer.

 

Gundur está apenas interessado nas mulheres de Cathallo afirmou Saban. Tem uma dezena das mais novas na sua cabana e o resto da aldeia morre de fome. Queres que o que resta da tribo se revolte contra ti? Queres que passem a proscritos, em vez de os teres como escravos?

 

Então vai tu governar Cathallo disse Camaban descuidado, caminhando através da neve fina.

 

Como posso construir o teu templo se estiver em Cathallo? gritou Saban atrás dele.

 

Camaban bradou aos céus a sua frustração, depois deteve-se e olhou a tarde escura.

 

Aurenna disse.

 

Aurenna? perguntou Saban confuso. Camaban voltou-se.

 

Cathallo sempre foi governado por mulheres disse. Primeiro Sannas, depois Derrewyn, então porque não Aurenna?

 

Matá-la-iam! protestou Saban.

 

Vão adorá-la, irmão. Não é ela a amada de Slaol? Ele não lhe poupou a vida? Crês que o povo de Cathallo poderá matar aquilo que Slaol poupou? Camaban executou alguns passos de dança desajeitados, arrastando os pés sobre a neve. Haragg dirá ao povo de Cathallo que Aurenna era a noiva do Sol e na sua ideia vão pensar que é Lahanna.

 

É minha esposa disse Saban com voz rouca.

 

Camaban encaminhou-se lentamente em direcção a Saban.

 

Irmão, não temos esposas, não temos esposos, não temos filhos, não temos filhas, não temos nada até o templo estar construído.

 

Saban abanou a cabeça ao ouvir tal absurdo.

 

Vão matá-la insistiu.

 

Vão adorá-la repetiu Camaban. Coxeou até junto de Saban e depois, com ar grotesco, caiu de joelhos na neve e ergueu as mãos. Deixa a tua esposa ir para Cathallo, Saban. Imploro-te! Deixa-a ir! Slaol deseja-o! Olhou para Saban. Por favor!

 

Aurenna pode não querer ir afirmou Saban.

 

Slaol deseja-o disse de novo Camaban e depois franziu a testa. Vamos tentar fazer voltar o mundo aos seus princípios. Terminar o Inverno. Afastar a tristeza e o cansaço da face da terra. Sabes como isso é difícil? Um passo em falso e poderíamos ficar para sempre na escuridão, mas por vezes, de súbito, Slaol diz-me o que fazer. E foi ele que me disse para enviar Aurenna para Cathallo. Imploro-te, Saban! Imploro-te! Deixa-a ir!

 

Queres que ela vá governar Cathallo?

 

Quero que ela traga Lahanna de volta! Aurenna é a noiva do Sol. Se queremos ter alegria neste mundo, Saban, temos de ter Slaol e Lahanna de novo unidos. Só Aurenna o pode fazer. Slaol disse-mo, e tu, meu irmão, tens de a deixar ir. Estendeu a mão para que Saban o pudesse pôr de pé. Por favor! pediu Camaban.

 

Se Aurenna o desejar disse Saban, calculando que a esposa não quereria ficar isolada, tão longe do novo templo, mas para sua surpresa ela não rejeitou a ideia. Pelo contrário, falou longo tempo com Camaban e Haragg e a seguir foi ao velho templo de Slaol, onde se submeteu ao ritual de viuvez, deixando que lhe cortassem o seu longo cabelo louro com uma faca de bronze. Haragg queimou-o, as cinzas foram colocadas num vaso e este foi quebrado de encontro a um dos postes de madeira.

 

Saban, horrorizado, viu Aurenna afastar-se do templo com o seu cabelo, outrora tão belo, arruinado em rudes tufos manchados de sangue, onde a faca lhe tinha arranhado o couro-cabeludo. Porém no rosto dela havia um olhar de alegria. Ajoelhou-se junto a Saban.

 

Deixas-me ir? perguntou.

 

Se queres mesmo respondeu ele relutante.

 

Quero! exclamou com fervor. Quero!

 

Mas porquê? perguntou Saban. E porquê um ritual de viuvez?

 

A minha antiga vida acabou disse Aurenna, pondo-se de pé. Fui dada a Slaol e, embora ele me tenha rejeitado, sempre o adorei. Mas a partir de hoje, Saban, sou sacerdotisa de Lahanna.

 

Porquê? perguntou ele de novo, com voz dorida. Ela sorriu calmamente.

 

Em Sarmennyn costumávamos oferecer ao deus uma noiva humana em cada ano, mas, um ano mais tarde o deus exigia outra noiva. Rapariga após rapariga, Saban, ardiam, ardiam! As raparigas não satisfaziam Slaol. Como haveriam de o fazer? Ele quer uma noiva para sempre, uma noiva que iguale a sua glória no céu; apenas pode ser Lahanna.

 

Os Fronteiriços nunca adoraram Lahanna protestou Saban.

 

Mas fizemos mal disse Aurenna. Lahanna e Slaol! Foram feitos um para o outro, tal como o homem é feito para a mulher. Porque me poupou Slaol da fogueira no Templo do Mar? Deve ter tido uma intenção e agora percebo qual era. Rejeitou uma noiva humana porque quer Lahanna e o meu dever será levá-la aos seus braços. Fá-lo-ei por meio de preces, danças, bondade. Sorriu para Saban e tomou-lhe o rosto nas mãos. Vamos fazer uma coisa muito importante, tu e eu! Vamos fazer o casamento dos deuses Tu farás o santuário e eu levarei a noiva ao leito de Slaol. Não podes proibir-me de o fazer, pois não?

 

Vão matar-te em Cathallo resmungou Saban. Aurenna abanou a cabeça.

 

Vou confortá-los e a seu tempo virão adorar no nosso novo templo e partilhar a nossa alegria. Sorriu. Foi para isso que nasci.

 

Partiu no dia seguinte, levando consigo Leir e Lallic. Gundur voltou a Ratharryn, mas deixou uma dezena de guerreiros atrás de si. Aurenna mandou esses homens à floresta para caçarem javalis e veados, de modo a alimentar a aldeia.

 

Saban ficou em Ratharryn. Camaban queria-o lá, pois estava preocupado com o desenho do seu templo e necessitava do conselho do irmão. Qual seria a pedra maior que poderia ser erguida como pilar? Poderiam colocar uma pedra sobre outra? Como se deslocariam as pedras? Uma pedra poderia ser talhada? As perguntas não tinham fim, mesmo quando Saban não tinha respostas. O Inverno terminou e a Primavera pôs um toque de verde nas árvores, porém Camaban continuava a pensar.

 

Por fim, um dia não houve mais perguntas, pois a entrada da cabana de Camaban ficou com a cortina caída e ninguém, nem sequer Saban ou Haragg tinham autorização para lá entrar. A bruma cobria Ratharryn, escondendo as caveiras no cimo da barreira. Nesse dia não havia vento e o mundo estava silencioso e branco. A tribo, sentindo que os deuses estavam próximos da aldeia, falava em voz baixa.

 

Ao pôr do Sol, Camaban gritou:

 

Encontrei!

 

E o vento afastou as brumas.

 

Haragg e SABAN FORAM CHAMADOS À CABANA DE CAMABAN, ONDE UM bocado do chão fora varrido, de modo a ficar limpo e liso. Saban esperava ver o modelo final, mas os blocos de madeira estavam amontoados numa pilha desordenada, ao lado da qual, Camaban estava acocorado com os olhos muito brilhantes e a pele coberta de suor, pelo que Saban perguntou a si próprio se o irmão não teria febre; porém a febre não era doença, mas sim excitação.

 

Vamos construir um templo melhor que qualquer já construído, ou que alguma vez se possa construir afirmou Camaban à laia de saudação a Saban e Haragg. Vamos fazer os deuses dançar de alegria. Camaban estava nu, com a pele avermelhada pelo brilho do fogo que aquecia e iluminava a cabana.

 

Esperou até que Saban e Haragg se acomodassem para depois colocar um único pilar de madeira perto do centro do espaço vazio.

 

Aqui está a pedra-mãe, que nos recorda que todos somos terra e que a terra é tudo o que existe. Os ossos que tinha pendurado no cabelo entrechocavam-se, enquanto se balançava apoiado nos calcanhares. À volta da pedra-mãe construiremos uma casa dos mortos, só que esta será também a casa de Slaol e irá recordar-nos que a morte é uma passagem para a vida. Faremos a casa de Slaol com pedras tão altas como os postes de madeira do templo. Pegou nos dois blocos mais compridos e colocou-os por trás da pedra-mãe. Tocaremos o céu disse em tom reverente e depois pegou num bocado mais pequeno de madeira que colocou sobre o cimo de duas pedras de modo que as três formavam um arco alto e muito estreito. O arco de Slaol! disse em tom respeitoso. Uma fenda por onde podem passar os mortos para chegar a ele.

 

Saban olhou para o grande arco.

 

Qual é a altura das pedras? perguntou.

 

Têm a mesma altura que o mais alto dos dois postes do templo respondeu Camaban e Saban estremeceu, ao lembrar-se da altura das varas esguias que o irmão plantara no templo vazio. Camaban exigia que o arco ficasse com mais de quatro vezes a altura de um homem, mais alto do que qualquer pedra que Saban alguma vez vira; era tão alto, que ele não conseguia imaginar o modo de erguer as pedras e muito menos como haveria de içar a pedra horizontal até ao alto, porém nada disse. Ficou a ver Camaban colocar mais oito pilares a ladear os dois primeiros, não numa linha recta, mas numa curva estreita para diante, em forma de chifres de boi, de modo que constituíssem uma baía envolvendo a pedra-mãe. Colocou blocos em cada par de pilares, pelo que a casa do Sol era agora formada por cinco arcadas. O arco central era o mais alto, mas os quatro que o ladeavam elevavam-se muito acima do solo.

 

Estes arcos, Camaban bateu com a mão nos quatro mais altos apontam para as pedras da Lua. Deixarão escapar os mortos de Lahanna. Onde quer que ela vá, para norte, sul, oriente ou ocidente, os mortos encontrarão uma entrada para a casa de Slaol.

 

E da casa de Slaol, os mortos fugirão pelo arco mais alto? perguntou Haragg.

 

E assim tomaremos os mortos de Lahanna e entregá-los-emos a Slaol concordou Camaban. É ele que dá a vida.

 

Portões da Lua disse Haragg em tom de aprovação e uma arcada para o Sol.

 

Não está terminada disse Camaban, pegando em trinta blocos de madeira e colocando-os num enorme círculo de pilares à volta da casa do Sol

 

Todas as pedras, excepto uma, eram do mesmo tamanho, todas estavam bem cortadas e eram mais baixas do que os arcos centrais, mas o último pilar, embora fosse tão alto como os outros, tinha apenas metade da largura.

 

Estes pilares mostram os dias da Lua explicou Camaban e Haragg acenou afirmativamente, pois compreendeu que as trinta pedras representavam os vinte e nove dias e meio nos quais a Lua viajava do nada à plenitude. Assim, Lahanna verá que a reconhecemos.

 

Mas Slaol... começou Haragg, tencionando protestar, uma vez que Camaban rodeara a casa do deus com um anel dedicado à Lua.

 

Camaban mandou-o calar e pegou em mais trinta blocos de madeira, que colocou um a um sobre o círculo de pilares, até ter completado o anel de lintéis

 

Vamos construir um círculo de pedras que reflectirá Slaol explicou. Lahanna levará o anel e entenderá que o seu dever é ser subserviente a Slaol.

 

Um anel no céu disse Saban em voz baixa. Não sabia como poderia ser feito, mas sentia uma onda de entusiasmo ao olhar para os blocos de madeira. Seria magnífico, pensou, depois disse para consigo que eram apenas brinquedos e o templo teria de ser feito com blocos de pedra, que Camaban partia do princípio que poderiam ser transportados e cortados tão facilmente como se fossem de madeira.

 

Camaban pegou no último bloco e colocou-o bem distante dos outros, na colina onde a avenida sagrada tinha sido aberta.

 

Ali é a nossa pedra do Sol disse, batendo no último bloco e no Solstício a sua sombra chegará à casa do Sol; o Sol do Solstício de Inverno passará pelo arco alto e atingirá a pedra. Assim, quando Slaol morrer, a sua última luz tocará na pedra que marcou o seu maior poder.

 

E Slaol lembrar-se-á disse Haragg.

 

Lembrar-se-á concordou Camaban. E quererá de novo o seu poder, de modo que há-de lutar contra o Inverno, aproximando-se assim de nós. Cada vez mais próximo, até que o seu anel tocou no anel do céu feito de pedras, emparelhe com as doze estações de Lahanna. Nessa altura, Slaol e Lahanna casarão e então teremos bonança. Teremos bonança.

 

Ficou em silêncio, olhando para o modelo de madeira do templo, mas na sua imaginação via-o feito de pedra, situado na encosta verde, onde ficaria rodeado pela barreira e pelo fosso da mais branca greda. Um círculo de greda e outro de pedra, uma casa de arcos para atrair ao lar os deuses longínquos.

 

Saban olhou para os blocos de madeira. As sombras formavam um padrão complexo que cintilava a vermelho e negro. Saban pensou que Camaban tinha razão. Não haveria nada como aquilo em toda a terra, nada como aquilo debaixo do céu ou entre os mares cinzentos. Saban nunca sonhara com um templo tão esplêndido, tão perfeito e tão difícil de construir.

 

Poder-se-á fazer? perguntou Camaban com laivos de nervosismo na voz.

 

Se o deus quiser que se faça respondeu Saban.

 

Slaol quer que se faça replicou Camaban, confiante. Slaol exige que se faça! Quer que se faça em três anos.

 

Três anos! Saban fez uma careta ao pensar naquilo.

 

Vai levar mais tempo disse suavemente, esperando uma resposta indelicada.

 

Camaban negou o pessimismo abanando a cabeça.

 

Exige tudo aquilo que precisares. Homens, madeira, trenós, bois, tudo o que quiseres.

 

Serão precisos muitos homens avisou Saban.

 

Utilizaremos escravos sentenciou Camaban. Quando estiver pronto, reunir-te-ás com Aurenna.

 

Assim, Saban começou a trabalhar. Fazia-o com satisfação, pois fora inspirado pela visão de Camaban e desejava ver o dia em que os deuses fossem reconduzidos ao devido padrão, para que pusessem fim às aflições deste mundo. Mandou Mereth arranjar um grupo de homens para cortar carvalhos nas florestas à volta de Maden, pois era nessa aldeia que as árvores deveriam ser cortadas, trabalhadas e transformadas em trenós. Cada trenó teria dois largos patins unidos por três grandes tábuas, sobre as quais se colocaria uma pedra, e uma quarta em frente, para atar os bois. Os homens poderiam puxar as pedras mais pequenas, mas as grandes, as dez mais altas que formariam a casa do Sol e as trinta que conteriam o anel do céu por cima, precisariam de juntas de bois, de modo que estes teriam de ser contados. As juntas de bois precisariam de cordas, o que significava a morte de outros animais, a secagem das peles, o seu corte para a elaboração de fortes correias. Não havia bois suficientes em Ratharryn e Cathallo, de modo que Gundur e Vakkal conduziram os seus guerreiros em grandes ataques para arranjarem mais. Saban fez outras cordas molhando casca de tília às tiras nos poços cheios de água e, quando as fibras se separavam, entrelaçava-as de modo a formar correias compridas que eram enroladas e guardadas dentro de um armazém.

 

Camaban desenhou o plano do templo na turfa onde dantes se erguiam as pedras de Sarmennyn. Com um pau de arar ligado por uma pega ao centro do santuário inscreveu um círculo na terra, mostrando o anel desenhado onde deveriam ser colocadas as pedras do círculo do céu. Marcou a localização dos trinta pilares, depois martelou as pegas no chão, indicando onde deveria ser construída a grande casa do Sol. O centro do santuário estava agora desprovido de erva, pois eram tantos os pés que o pisavam todos os dias, enquanto o cascalho de greda que fora usado para encher os buracos onde dantes se tinham erguido as pedras de Sarmennyn estava espalhado por todo o círculo.

 

Camaban dera a Saban seis varas de salgueiro, cada uma cortada com um determinado comprimento e cuidadosas instruções de quantas pedras eram necessárias com determinada medida. O poste mais longo tinha quatro vezes a altura de um homem, o que representava apenas o comprimento da pedra fora da turfa. Saban sabia que um terço dela teria de ficar enterrada para resistir a ventos e tempestades. Camaban exigia duas pedras assim grandes, mas quando Saban visitou Cathallo, apenas encontrou um bloco de tamanho suficiente. O seguinte era pequeno de mais, porém, se fosse pouco enterrado, poder-se-ia manter. Era muito simples escolher as pedras mais pequenas, pois havia muitas espalhadas pelos montes verdes, mas, de vez em quando, Saban voltava à rocha monstruosa que formaria o pilar do maior arco do Sol.

 

Era de facto monstruosa. Era um bocado de pedra tão grande que parecia até ser uma costela do mundo. Não era grossa, pois o seu cimo coberto de líquenes mal lhe chegava ao joelho, embora grande parte estivesse enterrada no solo. No entanto, na sua maior largura tinha mais de quatro passos e mais de treze de comprimento. Treze! Se se pudesse erguer, pensou Saban, tocaria de facto no Sol, mas como levantá-la? E como retirá-la da terra e transportá-la para Ratharryn? Afagou a pedra, sentindo o calor do Sol na sua superfície musgosa. Conseguia imaginar como retirar as pedras mais pequenas das suas camas de turfa e colocá-las nas traves de um trenó de madeira, mas duvidava que houvesse homens suficientes em toda a terra para erguerem de dentro do solo este enorme bloco.

 

Porém, se conseguisse levantar a pedra, sabia que seria necessário um trenó três vezes maior do que o que tinha sido feito antes e decidiu fazê-lo em Cathallo com tábuas de carvalho, que guardaria numa cabana alta e estreita, de modo a deixar secar a madeira. A madeira seca era tão forte como a verde, mas pesava muito menos e Saban calculava que deveria fazer o trenó o mais leve possível, para erguer o bloco de pedra da colina. Deixaria secar a madeira durante cerca de um ano ou mais e nesse intervalo resolveria o problema do levantamento da pedra.

 

Encontrou Aurenna no santuário de Cathallo. Usava um estranho vestido feito de pele de veado cortada numa miríade de pequenas tiras nas quais tinha cosido penas de gaio, de modo que a veste parecia estremecer entre o branco e o azul, sempre que soprava a brisa.

 

As pessoas esperam que uma sacerdotisa seja diferente disse ela, explicando o que tinha vestido, e Saban achou-a muito bela. A sua pele pálida não tinha ainda marcas, o olhar era firme e gentil, enquanto o cabelo cortado crescia a rodear-lhe o rosto como se fosse uma suave touca dourada. Parecia feliz, mesmo radiante, e riu-se das preocupações de Saban, que temia que o derrotado povo de Cathallo lhe queimasse as madeiras que secavam.

 

Vão trabalhar muito, para que o nosso templo seja um êxito prometeu.

 

Achas? perguntou Saban, surpreendido.

 

Quando o templo terminar, serão de novo livres. Prometi-lhes isso.

 

Prometeste-lhes a liberdade? perguntou Saban. E o que diz Camaban a isso?

 

Camaban obedecerá a Slaol disse Aurenna. Conduziu Saban através da aldeia e embora proclamasse uma jovial crença na bondade do povo de Cathallo, este pareceu a Saban mal-humorado e ressentido. O seu chefe estava morto, a sua feiticeira desaparecera e viviam sob as lanças dos guerreiros de Ratharryn. Saban temeu também pela vida de Aurenna e dos dois filhos, mas esta riu-se dos seus cuidados. Explicou que recusara a protecção dos guerreiros de Ratharryn e que se deslocava sozinha pela aldeia humilhada. Gostam de mim disse com simplicidade e contou a Saban como se esforçara para manter o templo inviolado. Haragg queria deitar abaixo as pedras do templo e transportá-las para Ratharryn, mas Aurenna persuadira Camaban que as deixasse onde estavam. A nossa tarefa é atrair Lahanna, não ofendê-la. Assim, o templo manteve-se e o povo de Cathallo sentiu-se até certo ponto reconfortado.

 

Era evidente que recebiam mais conforto de Aurenna. Proclamara-se sacerdotisa de Lahanna e embora, obedecendo a Haragg, não permitisse o sacrifício de coisas vivas, encarregara-se de aprender as preces rituais da tribo. Todas as noites entoava cânticos à Lua e, de madrugada, voltava três vezes para lamentar o seu desaparecimento. Consultava os sacerdotes de Cathallo, racionava os alimentos da aldeia, para que ninguém morresse de fome e, principalmente, provava ser uma curandeira tão eficaz como Sannas ou Derrewyn.

De facto, pensava-se que era melhor que Derrewyn, pois Aurenna amava todas as crianças e quando as mulheres lhe traziam os filhos e filhas, Aurenna mitigava-lhes as dores com a bondade e a paciência que Derrewyn nunca mostrara. Uma dúzia de crianças pequenas vivia agora na cabana de Aurenna, todos eles órfãos, alimentados, vestidos e ensinados por ela; assim a cabana transformara-se no ponto de encontro das mulheres de Cathallo.

 

Sou feliz aqui.

 

E eu seria feliz contigo disse Saban alegremente.

 

Comigo? Aurenna parecia alarmada.

 

Saban sorriu. Não via a mulher desde o Solstício de Inverno e tinha-lhe sentido a falta.

 

Em breve começaremos a transportar as pedras disse-lhe. Primeiro as mais pequenas, depois as maiores, de modo que passarei algum tempo aqui. Muito tempo.

 

Aurenna franziu a testa.

 

Aqui não declarou. Na minha cabana, não. Um grupo de crianças, conduzido por Leir saiu lá de dentro. Saban ergueu o filho, fê-lo girar e atirou-o ao ar, mas Aurenna, quando viu o rapaz em segurança no chão, afastou-o de Saban e tomou-lhe o braço. Não podemos ficar juntos como dantes. Não seria apropriado.

 

O que é que não seria apropriado? resmungou Saban. Aurenna deu alguns passos em silêncio. As crianças seguiram-na com os rostinhos ansiosos a observar os adultos.

 

Tu e eu tornámo-nos servos do templo que vais construir disse Aurenna. O templo é o santuário nupcial de Lahanna.

 

E o que tem isso a ver comigo e contigo?

 

Lahanna vai lutar contra o casamento explicou Aurenna. Tentou rivalizar com Slaol, mas agora vamos entregá-la para sempre à sua guarda e ela vai resistir. O meu dever é tranquilizá-la. Foi por isso que fui enviada para aqui. Fez uma pausa, franzindo o rosto. Já ouviste o rumor de que Derrewyn ainda é viva?

 

Ouvi resmungou Saban.

 

Vai encorajar Lahanna a opor-se a nós, de modo que terei de me opor a Derrewyn. Sorriu placidamente, como se a explicação fosse satisfatória para Saban.

 

Ele olhou para o fosso sombrio onde as flores rosadas e castanhas das orquídeas silvestres cresciam em grande número. As crianças rodeavam Aurenna, que partia favos de mel para lhos entregar nas mãos ávidas. Saban voltou-se para a olhar e ficou, como sempre, deslumbrado com a sua espantosa beleza.

 

Eu posso viver aqui disse apontando para a velha cabana de Sannas. É um local melhor que Ratharryn, pelo menos enquanto transportarmos as pedras.
Oh, Saban! Ela sorriu com ar de censura. Não percebeste nada do que te disse? Cortei o cabelo! Abandonei a outra vida! Estou agora dedicada a Lahanna, só a Lahanna. Não a Slaol, não a ti, a ninguém, senão a Lahanna! Quando o templo estiver construído, então poderemos ficar juntos, porque será nesse dia que Lahanna terá de abandonar a sua solidão, mas até lá terei de a partilhar com ela.

 

Somos casados! protestou Saban zangado.

 

E sê-lo-emos de novo disse placidamente Aurenna. Mas por enquanto sou sacerdotisa de Lahanna e esse será o meu sacrifício.

 

Foi Camaban quem te disse isso? perguntou-lhe amargamente Saban.

 

Sonhei disse firmemente Aurenna. Lahanna vem ter comigo em sonhos. Claro que está relutante, mas eu sou paciente com ela. Vejo-a como uma mulher vestida com uma longa veste cintilante! É tão bela, Saban! Tão bela e magoada. Vejo-a no céu, chamo-a e por vezes escuta-me. Tenho a certeza de que quando trouxermos Slaol para o templo, virá ter connosco. Sorriu, esperando que Saban partilhasse a sua felicidade. Mas até esse dia continuou teremos de ser calmos, obedientes e bons. Voltou-se para fazer a pergunta aos filhos. Como deveremos ser?

 

Calmos, obedientes e bons responderam em coro. Olhou para trás, para Saban.

 

Não posso impedir-te de vires para a cabana disse em voz baixa. Mas se o fizeres, afastarás Lahanna e o templo será inútil, inútil.

 

Saban foi ter com Haragg quando voltou a Ratharryn e contou ao sumo sacerdote o que Aurenna lhe dissera. Haragg escutou-o, pensou algum tempo e encolheu os ombros.

 

É o preço que se paga respondeu e temos de o pagar pelo templo. O teu irmão é torturado por visões, eu voltei a ser sacerdote e tu perderás Aurenna por algum tempo. Nada é fácil para nós.

 

Então não devo insistir em dormir com ela?

 

Arranja uma escrava disse Haragg na sua voz triste. Esquece Aurenna. Por enquanto terá de partilhar a solidão de Lahanna, mas tu tens um templo para construir. Assim, arranja uma escrava e esquece a tua mulher. E constrói, Saban, constrói.

 

Antes de Saban poder construir, tinha de trazer as pedras de Cathallo. Sabia que não poderia transportá-las pelo caminho directo, pois este atravessava os pântanos junto a Maden e subia a encosta íngreme a sul dessa aldeia. Os enormes blocos nunca passariam esses obstáculos, e assim passou todo o Verão em busca de um caminho melhor. Insistiu em que Leir o acompanhasse pois, segundo disse a Aurenna, era altura de o rapaz aprender a sobreviver longe de qualquer aldeia. Ele e Leir percorreram o campo em busca de um atalho que evitasse as terras húmidas e os montes mais íngremes. A exploração levou a maior parte do final do Verão, mas por fim Saban descobriu um caminho por onde retiraria as pedras de Cathallo em direcção ao pôr do Sol, dando depois a volta num enorme arco, aproximando-se do Templo do Céu pelo ocidente.

 

Saban gostava da companhia do filho. Estavam atentos aos proscritos, mas não viram nenhum, pois a zona ocidental era muito atacada pelos guerreiros de Ratharryn. Saban ensinou Leir a usar o arco e, no último dia, depois de ter derrubado um veado pequeno com uma única flecha, deixou que o filho matasse o animal com uma lança. O rapaz fê-lo de boa vontade, mas pareceu surpreendido com a força que era necessária para espetar a pele do animal. Conseguiu evitar os cascos que se agitavam e enfiou a lâmina de bronze no local exacto; como era a primeira morte do filho, Saban manchou a cara do rapaz com o sangue do veado.

 

O veado vai voltar à vida? perguntou Leir ao pai.

 

Não creio disse Saban sorrindo. Rasgou a pele do ventre do animal e enfiou nele uma faca para rasgar os músculos que cobriam as entranhas. Comeremos grande parte dele!

 

A mãe diz que todos voltaremos à vida disse Leir com ar sério. Saban deu a volta. Tinha as mãos e os pulsos cobertos de sangue.

 

Disse o quê?

 

Diz que as sepulturas ficarão vazias quando o templo for construído continuou Leir no mesmo tom. Todos aqueles que amámos voltarão à vida. É isso que ela diz.

 

Saban perguntou a si próprio se o filho não teria interpretado mal as palavras de Aurenna.

 

Como daremos de comer a todos? perguntou em tom divertido. Já é difícil sustentar os vivos, quanto mais os mortos.

 

E nunca mais ninguém ficará doente continuou o rapaz. E nunca ninguém mais será infeliz.

 

Certamente é por isso que estamos a construir o templo disse Saban, voltando à carcaça quente e rasgando-lhe a carne com a faca, de modo a soltar as tripas enroladas do animal. Calculou que Leir deveria estar confundido, pois nem Camaban nem Haragg tinham alguma vez afirmado que o templo conquistaria a morte. Mas naquela noite, depois de ele e Leir terem levado a maior parte do veado para Ratharryn, Saban interrogou Camaban a respeito das palavras de Aurenna.

 

Ninguém mais morrerá, é? disse Camaban. Os dois irmãos estavam na antiga cabana do pai, onde Camaban mantinha agora meia dúzia de escravas para olharem por ele. Os irmãos tinham dividido uma refeição de carne de porco e Camaban rapava com os dentes uma das costelas. Foi isso que disse Aurenna?

Foi o que Leir afirmou.

 

E ele é um rapaz inteligente disse Camaban, olhando para o sobrinho com o rosto manchado de sangue, que dormia a um canto da cabana. Creio que será possível continuou cauteloso.

 

Os mortos voltarem à vida? perguntou Saban atónito.

 

Quem sabe o que poderá acontecer quando os deuses se reunirem? perguntou Camaban, procurando outra costela. O Inverno desaparecerá, isso tenho a certeza, e a morte também? Porque não? Franziu a testa a pensar no assunto. Porque adoramos os deuses?

 

Para obter boas colheitas e filhos saudáveis disse Saban.

 

Adoramo-los corrigiu-o Camaban porque a vida não é o fim. A morte não é o fim. Vivemos depois da morte. Mas onde? Com Lahanna, na noite. Mas Lahanna não dá vida, Slaol, sim, de modo que o nosso templo levará os mortos de Lahanna para Slaol. Assim, talvez Aurenna tenha razão. Temos aqui umas amoras. São as primeiras deste ano e muito boas.

 

Uma das suas escravas trouxe as bagas e instalou-se ao lado de Camaban. Era uma jovem magra de Cathallo, com enormes olhos ansiosos e uma grande cabeleira encaracolada. Encostou a cabeça no ombro de Camaban, que distraidamente lhe meteu o braço por baixo da túnica para lhe acariciar o seio.

 

Há muito tempo que Aurenna pensa nessas coisas continuou. Entretanto eu tenho estado distraído com o templo. Deve pensar que os deuses nos recompensarão por os unirmos, o que parece possível, não achas? E que melhor recompensa haverá do que o fim da morte? Meteu uma amora na boca da rapariga. Quando estarás pronto para transportar algumas pedras?

 

Logo que a geada endureça o solo.

 

Precisas de escravos disse Camaban, dando outra amora à rapariga. Ela mordiscou-lhe os dedos, divertida, e ele beliscou-a, o que a fez soltar uma gargalhada. Vou mandar sair grupos de guerreiros este Inverno para capturarem mais escravos.

 

Não é de escravos que preciso disse Saban distraidamente. Tinha inveja da rapariga do irmão. Não seguira os conselhos de Haragg, embora por vezes se sentisse tentado a isso. Preciso de bois.

 

Arranjamos-te bois prometeu Camaban. Mas também vais precisar de escravos. Lembra-te de que tens de dar forma às pedras. Os bois não o podem fazer.

 

Dar forma? perguntou Saban em voz tão alta que acordou Leir.

 

Claro! respondeu Camaban. Apontou com a mão livre para os blocos de madeira do seu modelo do templo. As pedras têm de ser lisas como esses blocos. Qualquer tribo pode erguer pedras rudes, como as de Cathallo, mas as nossas serão alisadas. Serão belas. Serão perfeitas.

 

Saban franziu a cara à descuidada exigência do irmão.

 

Sabes qual é a dureza da pedra? perguntou.

 

Sei que tem de se dar forma às pedras e que tu tens de o fazer respondeu obstinadamente Camaban. Sei que quanto mais tempo passares a falar disso, mais tempo te levará.

 

Saban e Leir voltaram para Cathallo no dia seguinte. O sangue do veado, seco e em flocos estava ainda no rosto do rapaz quando este correu em direcção à mãe e Aurenna ficou horrorizada. Cuspiu nos dedos para retirar o sangue e depois repreendeu Saban.

 

Não precisa de aprender a matar! protestou.

 

É uma capacidade de que qualquer homem precisa respondeu Saban. Quem não souber matar, não come.

 

Os sacerdotes não caçam para se alimentar disse Aurenna zangada. Leir há-de ser sacerdote.

 

Pode não o desejar.

 

Sonhei-o! insistiu Aurenna em tom de desafio, afirmando novamente uma autoridade que Saban não podia desafiar. Os deuses decidiram-no disse e afastou Leir.

 

Foi depois das colheitas que Saban transportou a primeira pedra da colina. Era uma das mais pequenas, contudo necessitou de vinte e quatro bois para puxarem o trenó monte abaixo. Os bois estavam dispostos em três filas, oito em cada uma e por trás de cada grupo de animais, como uma grande barra atrás das caudas, estava um tronco de árvore ao qual se atavam as correias. Cada tronco estava ligado ao trenó por duas longas tiras de pele de boi entrançada, de modo a ser puxado. Depois dos primeiros passos, Saban descobriu que os bois que estavam atrás tinham tendência a tropeçar nas tiras, enquanto os da frente vacilavam. Assim, a pedra imobilizou-se e na aldeia tiveram de arranjar uma dúzia de rapazinhos e ensiná-los a caminhar por entre os animais e a segurar nas correias sempre que estas não estavam esticadas. Entregaram-lhes paus aguçados para espicaçar os bois, enquanto que outra dúzia de rapazes e homens caminhavam adiante da pedra para retirar ramos caídos ou moitas que pudessem impedir os patins do trenó. Seguiam mais dez bois atrás da pedra, alguns serviriam para substituir qualquer animal que ficasse doente, e os outros levavam forragem e mais correias.

 

Foi preciso um dia inteiro para arrastar a pedra do monte, fazendo-a passar pelo santuário de Cathallo onde, enquanto os bois caminhavam pesadamente, Aurenna tinha um coro de mulheres a entoar um cântico de louvor a Lahanna. Haragg chegara de Ratharryn e sorrira quando a primeira pedra passou pelos blocos do templo. Enfeitou os chifres dos bois com coroas de flores violeta, e os sacerdotes de Cathallo espalhavam rainhas-dos-prados sobre a pedra. Estes sacerdotes tinham sido os primeiros a reconciliar-se com a conquista de Ratharryn, talvez porque Camaban tivera o cuidado de lhes pagar bem em bronze, âmbar e azeviche.

Os arreios dos bois eram enormes argolas de couro, mas logo no primeiro dia essas correias punham o pescoço dos animais em carne viva, de modo que Saban mandou que os rapazes esfregassem gordura de porco no couro. No dia seguinte afastaram a pedra da vista de Cathallo. A maior parte dos homens e dos rapazes voltou para a aldeia a fim de comer e dormir, mas alguns ficaram com Saban a guardar a pedra. Fizeram uma fogueira e partilharam uma refeição de carne seca, pêras e amoras que descobriram no bosque ali perto. Para além de Saban, havia três homens e quatro rapazes à volta do fogo; eram todos de Cathallo e a princípio estavam pouco à vontade com ele, mas depois de comerem e da fogueira lançar faúlhas em direcção às estrelas, um dos homens voltou-se para Saban.

 

Eras amigo de Derrewyn? perguntou.

 

Era.

 

Ainda está viva disse o homem em tom de desafio. Tinha uma cicatriz no rosto no local em que uma flecha lhe tinha furado a face durante a batalha que destruíra o poder de Cathallo.

 

Espero que ainda viva respondeu Saban.

 

Esperas? O homem estava confuso.

 

Tal como disseste, era amigo dela. E se ela ainda vive disse Saban firmemente o melhor seria ficares em silêncio, a menos que queiras que mais lanceiros de Ratharryn a vão procurar à floresta.

 

Outro homem tocava uma pequena ária numa flauta feita de um osso de perna de grou.

 

Podem procurá-la à vontade disse quando o outro terminou, que nunca a encontrarão. Nem à filha.

 

O primeiro homem, cujo nome era Vennar, remexeu o fogo, causando uma saraivada enorme de faúlhas e lançou a Saban um olhar de lado.

 

Não tens medo de estar aqui connosco?

 

Se tivesse, não estaria aqui respondeu.

 

Não precisas de ter receio disse Vennar muito baixo. Derrewyn disse que tu não deves ser morto.

 

Saban sorriu. Durante todo o Verão suspeitara que Derrewyn estava perto, escondida dos conquistadores de Cathallo, mantendo contactos com a sua tribo. Sentiu-se tocado por ela ter ordenado que o poupassem.

 

Mas se tentardes impedir que as pedras cheguem a Ratharryn disse combaterei contra vós e tereis de me matar.

 

Vennar abanou a cabeça.

 

Se não formos nós a transportar as pedras, outros o farão.

 

Além do mais acrescentou o tocador de flauta as nossas mulheres receariam a ira de Lahanna se tu morresses.

 

A ira de Lahanna? perguntou Saban confuso. A vingança de Ratharryn, talvez, mas a ira de Lahanna, decerto que não.

 

Vennar franziu a testa.

 

Algumas das nossas mulheres dizem que Aurenna é a própria Lahanna.

 

É muito bela disse melancólico o segundo homem.

 

Slaol não aceitaria a sua vida disse Vennar. Não é verdade?

 

Ela não é Lahanna disse firmemente Saban, receoso do que Derrewyn pudesse fazer, se ouvisse tal história.

 

As mulheres dizem que é insistiu Vennar e Saban percebeu pelo seu tom de voz que Vennar não tinha a certeza em quem acreditar, pois estava dividido entre a sua antiga lealdade a Derrewyn e o seu assombro em relação a Aurenna.

 

Saban duvidava que a própria Aurenna tivesse encorajado tal rumor, mas gostaria de saber se teria sido Camaban. Parecia provável. O povo de Cathallo perdera uma feiticeira e quem melhor para a substituir do que uma sacerdotisa?

 

Os Fronteiriços não a adoram como deusa? perguntou Vennar.

 

É uma mulher insistiu Saban. Apenas uma mulher.

 

Sannas também o era replicou Vennar.

 

O teu irmão afirma ser Slaol disse o tocador de flauta. Então porque não poderá Aurenna ser Lahanna? Mas Saban não quis falar mais daquilo. Preferiu adormecer, ou antes, enrolou-se na sua capa e olhou para as estrelas brilhantes que se encontravam em tão grande número para lá do fumo tremeluzente, começando a pensar se Aurenna não estaria de facto a transformar-se em deusa. A sua beleza não desaparecia e era de uma inquebrantável serenidade e inabalável confiança.

 

Levaram onze dias a transportar a primeira pedra para Ratharryn e assim que esta lá chegou, Vennar e os seus homens levaram os bois e o trenó de volta para Cathallo para carregar outra. Entretanto, Saban ficava no Templo do Céu. A primeira pedra era uma das mais pequenas, destinada a formar a trigésima parte do anel do céu erguido nos seus pilares. Camaban marcara-o no chão, desenhando dois círculos concêntricos e insistia agora para que a pedra fosse colocada nessa zona.

 

Tem de se dar forma à pedra disse a Saban para que a face exterior se curve, de modo a acompanhar o círculo maior e a face interior se curve para acompanhar o mais pequeno.

 

Saban olhou para o pedregulho. Era bulboso, saindo em grande parte das linhas desenhadas, porém Camaban insistia para que fosse trabalhado de modo a transformar-se num pequeno segmento de um grande círculo.

 

Todas as trinta pedras do anel do céu deverão ter o mesmo comprimento continuou Camaban entusiasmado. Mas não podes cortar-lhe os extremos. Pegou num bocado de cré e desenhou na superfície lisa da pedra. Um extremo tem de ter uma língua e o outro uma ranhura, para que a língua de uma pedra sirva na ranhura da seguinte, tudo à volta do anel.

 

Seria mais fácil entalhar o Sol, pensou Saban, limpar o leito do mar com a lanugem do cardo ou contar as folhas da floresta. E não eram só as pedras do anel para alisar, mas outras trinta que seriam erguidas, mais quinze, enormes, para a casa do Sol, que ficariam ainda mais altas. Camaban calculara as dimensões de cada pedra e cortara ramos de salgueiro para registar as dimensões. Saban guardou os paus numa cabana erguida junto ao templo. Essa cabana tornou-se então a sua morada. Tinha escravos para lhe trazerem lenha e água e lhe cozinharem os alimentos, bem como outros para alisar as seis primeiras pedras que tinham chegado por volta do Solstício do Inverno.

 

Os seis blocos cinzentos, como todas as pedras que vinham do monte de Cathallo, eram lajes. Tinham as faces de cima e de baixo paralelas e quase lisas, eram quase todas da mesma espessura, de modo que para fazer um pilar ou um lintel apenas era necessário cortá-las até que os extremos ficassem rectos e os lados estivessem do tamanho das varas de salgueiro que Saban guardava na cabana. Mas a pedra era terrivelmente dura, muito mais do que os blocos de Sarmennyn e, a princípio, os escravos de Saban mais não faziam do que quebrar os martelos, de modo que Saban teve de fazê-los de pedra mais dura. Os martelos de pedra eram bolas do tamanho de caveiras que os escravos erguiam e baixavam, erguiam e baixavam, provocando a cada pancada uma nuvem de pó e fragmentos de pedra; assim, bocado a bocado, fragmento a fragmento, grão de pó a grão de pó, as pedras estavam a ser esculpidas.

 

Os escravos aprendiam enquanto trabalhavam. Descobriram que era mais rápido cortar regos pouco profundos na superfície da pedra e depois martelar as linhas de junção entre eles. Algumas pedras traziam uma linha castanha quase apagada, traçada na superfície cinzenta e Saban descobriu que a descoloração traía uma fraqueza nos blocos, que por vezes poderia ser explorada se passasse por onde o excesso de pedra tinha de ser retirado. Uma dúzia de martelos a trabalhar num lado da linha castanha podia por vezes arrancar um grande pedaço. Contudo, se esse método falhava, Saban acendia uma fogueira ao comprimento da mancha, alimentava o fogo até este rugir, depois voltava a alimentá-lo com um pouco de gordura de porco que transportava o calor pela superfície da pedra. Deixava a gordura ferver e ficar incandescente até a rocha estar quase em brasa. Então os trabalhadores deitavam água fria para o fogo e quase sempre a pedra abria uma racha a todo o comprimento da mancha. Por vezes os blocos já estavam rachados e os escravos conseguiam meter cunhas na fenda e separar a pedra, martelando-a; ou então, nas noites mais frias, enchiam as fendas com água e deixavam-na congelar, para que os espíritos da água, presos no gelo, partissem a pedra para fugir. Porém, a maior parte das pedras tinha de ser moldada com muito trabalho, trituração repetitiva e pancadas contínuas. Assim, o ruído dos martelos e o raspar das pedras de amolar nunca parava. Mesmo em sonhos, Saban ouvia o arranhar, o rachar e o guinchar de pedra na pedra, estando a sua pele já tão cinzenta como os blocos e o cabelo e a barba cheios de poeira áspera.

 

No segundo ano vieram oito pedras, no terceiro onze e Saban teve de arranjar mais trabalhadores para as alisar, martelar, partir e queimar; mais trabalhadores tornavam necessários mais escravos para trazer alimentos e água até ao templo. Camaban tinha agora grupos de guerreiros a atacar permanentemente as outras regiões em busca de cativos. Conduzia ele próprio alguns desses grupos. Usava uma espada e uma túnica forrada com tiras de bronze, bem como um capacete feito de placas do mesmo metal, a que tinha habilmente dado forma de tigela. Era considerado um guerreiro tão bom como Lengar e um feiticeiro melhor que Sannas, porque aqueles a quem as suas lanças não podiam derrotar, submetiam-se por recear a sua reputação.

 

Porém, a feitiçaria não conseguia moldar as pedras e Camaban, por entre os seus ataques guerreiros, estava cada vez mais impaciente com os lentos progressos. Ouvia os escravos cantar enquanto trabalhavam e o som enfurecia-o.

 

Fá-los trabalhar mais!

 

Trabalham o mais que podem respondia Saban.

 

Então porque têm fôlego para cantar?

 

O cântico imprime-lhes ritmo ao trabalho explicou ao irmão.

 

Um chicote imprimiria um ritmo mais acelerado resmungou Camaban.

 

Não haverá chicotes disse Saban. Se queres que trabalhem mais depressa, então manda-lhes mais comida. Manda peles para fazer roupas. Não são nossos inimigos, irmão, são o povo que construirá o nosso sonho.

 

Camaban podia estar desagradado com o progresso do templo, mas isso não o impedia de arranjar ainda mais trabalho para os construtores. Queria os pilares unidos às pedras superiores, de modo que o anel do céu nunca caísse. Saban pensara que seria suficiente apoiar as pedras no cimo dos pilares, mas Camaban insistira que deveriam ficar fixos, de modo que cada pilar tinha de ter saliências esculpidas no cimo. Depois os lintéis teriam necessidade de buracos na sua superfície a fim de encaixarem nas saliências; porém Saban não faria esse trabalho antes dos pilares estarem erguidos para poder medir exactamente a localização dos buracos.

 

Camaban continuava a aprimorar o templo. Visitava Cathallo e conversava durante horas com Aurenna, tantas horas passavam juntos, que o povo murmurava já; contudo Haragg contrariava os rumores, dizendo que apenas falavam a respeito do templo. Saban temia aquelas conversas, pois traziam inevitavelmente novas e impossíveis exigências. No quarto ano do trabalho, Camaban exigiu saber se Saban alguma vez reparara que alguns pilares do templo pareciam ter a mesma largura do chão ao céu.

 

Saban estivera a ajudar na colocação de lenha junto ao flanco de um bloco de pedra. Endireitou-se, franzindo a testa.

 

Parecem direitos e regulares porque é assim que crescem.

 

Não, disse Camaban. Aurenna esteve a observar a construção de uma cabana em Cathallo e disse que o poste central era afunilado, mas depois de erguido parecia direito. Falei a esse respeito com Galeth e ele disse-me que era uma ilusão.

 

Uma ilusão? Queres dizer que se trata de magia? perguntou Saban.

 

Que Slaol me poupe aos imbecis! Camaban pegou num bocado de cré e afastou a linha de lenha que Saban colocara com tanto cuidado. Os troncos das árvores são mais largos numa ponta do que noutra disse, fazendo um desenho exageradamente afunilado na superfície rugosa da pedra. Mas por vezes Galeth encontra um tronco exactamente com a mesma largura em baixo e em cima e esses, diz ele, parecem todos mais largos no cimo. Os que têm cimos mais estreitos parecem direitos e os direitos ficam deformados. Por isso quero que afuniles as pedras. Fá-las ligeiramente mais estreitas no cimo. Camaban deitou fora a cré e sacudiu as mãos. Não tens de os afunilar muito. Digamos que uma mão-travessa de cada lado? Assim parecerão todos regulares.

 

Uma lua mais tarde, Camaban disse que Aurenna sonhara que as faces das pedras tinham sido polidas e brilhavam, mas nessa altura Saban estava tão entorpecido pela imensidade da tarefa que se limitou a acenar afirmativamente. Não tentou dizer a Camaban como era enorme o esforço de voltar cada uma das pedras acabadas, de modo a que os quatro lados fossem polidos numa superfície cintilante. Disse antes a seis dos escravos mais jovens que começassem a polir um dos pilares já terminados. Esfregavam os martelos de pedra para trás e para diante e por vezes despejavam fragmentos de sílex, areia e pó-de-pedra sobre a superfície, moendo a mistura abrasiva na pedra renitente. Durante todo o Verão empurraram as ferramentas para a frente e para trás, ficando com as mãos em carne viva, enquanto esfregavam, o pó de sílex. No fim do Verão havia um bocado de pedra, do tamanho de uma pele de carneiro que estava macia e, quando molhada, brilhava.

 

Mais! exigia Camaban. Mais! Façam-na cintilar!

 

Tens de me arranjar mais trabalhadores dizia Saban.

 

Porque não chicoteias os que tens? perguntou Camaban.

 

Não devem ser chicoteados disse Haragg. O sumo sacerdote já coxeava, tinha as costas curvadas, embora houvesse ainda enorme força na sua voz. Não podem ser chicoteados repetia rispidamente.

 

Porque não? quis saber Camaban.

 

É um templo para acabar com as tristezas deste mundo explicou Haragg. Queres que nasça do sangue e da dor?

 

Quero-o feito! gritou Camaban. Por instantes pareceu querer esmagar a sua preciosa clava num dos blocos de pedra e Saban estremeceu ao pensar na cabeça macia estilhaçada em milhares de fragmentos; porém Camaban controlou a fúria.

 

Slaol quere-o construído. Afirmou-me que pode ser feito, porém, aqui, nada acontece! Nada! Bem podias urinar nas pedras com os progressos que tem havido aqui.

 

Dá mais trabalhadores a Saban sugeriu Haragg. Assim, Camaban conduziu grupos de ataque às terras mais a norte e trouxe cativos que falavam línguas desconhecidas, escravos que tatuavam os rostos de vermelho, que adoravam deuses de que Saban nunca ouvira falar, contudo eram precisos mais, pois o trabalho era cruelmente difícil e dolorosamente lento e Saban tinha ainda de transportar os longos blocos de pedra que formariam os pilares da casa do Sol no centro do templo. Tinha cortado e alisado os enormes patins do trenó cujas madeiras haviam sido secas em Cathallo; porém ainda não se atrevera a transportar as gigantescas pedras.

 

Foi pedir conselho a Galeth. O tio já estava velho e fraco, com o pouco cabelo embranquecido e a barba um mero tufo de pêlos. Lidda, a mulher, morrera e Galeth estava cego, embora na sua cegueira conseguisse imaginar pedras, alavancas e trenós.

 

O transporte de uma pedra grande não é diferente do de uma pequena disse a Saban. Só que tudo tem de ser maior: o trenó, as alavancas e o número de bois. Galeth estremeceu. A noite estava quente, mas tinha acendido uma enorme fogueira dentro da cabana e aconchegara aos ombros uma pele de urso.

 

Estás doente? perguntou Saban.

 

É uma febre de Verão respondeu Galeth, sem lhe dar importância. Saban franziu a testa.

 

Posso construir o trenó e fazer as alavancas, mas não sei como colocar as pedras sobre os trenós. São demasiado grandes.

 

Então tens de construir o trenó sob a pedra sugeriu Galeth. Fez uma pausa, o corpo agitado por tremuras. Não é nada, nada, só uma febre de Verão. Esperou que passasse e descreveu como escavaria primeiro uma trincheira debaixo dos lados compridos de cada pedra. Uma vez que as trincheiras tivessem chegado à cama de greda, os patins enormes poderiam ser colocados debaixo de cada flanco. Depois a pedra poderia ser erguida, usando como fulcro os patins do trenó. Faz um extremo de cada vez aconselhou Galeth e coloca as traves debaixo da pedra. Assim não terás de passar a pedra para o trenó, mas constróis o trenó debaixo da pedra.

 

Saban pensou no assunto. Concluiu que daria resultado, daria óptimo resultado. Diante do trenó seria construída uma rampa que teria necessariamente de ser comprida e baixa, de modo que os bois pudessem puxar o bloco de dentro do solo para a turfa. Quantos bois? Galeth não sabia, mas calculava que Saban necessitaria de mais animais do que os que alguma vez tinha atrelado a um trenó. Mais cordas, mais tábuas, para dividir o peso das cordas e mais homens para guiar os bois.

 

Mas hás-de conseguir disse o velho. Depois estremeceu de novo e gemeu.

 

Estás doente, tio.

 

É só febre, rapaz. Galeth aconchegou melhor a pele de urso aos seus velhos ombros. Mas ficarei contente por ir para a casa dos mortos, juntar-me à minha querida Lidda. Levas-me, Saban?

 

Claro que sim prometeu Saban. Mas faltam ainda muitos anos!

 

Camaban disse-me que voltarei a viver na terra disse Galeth ignorando o optimismo do sobrinho. Só que não sei como será isso.

 

Disse o quê?

 

Que voltarei. Que a minha alma usará as portas do seu novo templo para voltar à terra. O velho ficou algum tempo em silêncio. As chamas da fogueira faziam com que as rugas do seu rosto parecessem cortes de faca. Devo ter erguido vinte templos em toda a minha vida disse, quebrando o silêncio. Nada melhorou com nenhum deles. Mas este será diferente.

 

Este será diferente concordou Saban.

 

Espero que sim continuou o velho. Mas não posso deixar de pensar que o povo de Cathallo disse o mesmo quando construiu o seu enorme santuário. Galeth riu-se e Saban reflectiu que o tio não era tão lento como o povo pensava. Ou será que pensas que deslocaram as pedras por não terem nada melhor que fazer? Pensou um pouco e depois estendeu a mão para tocar na bolsa de pele de veado onde guardava os ossos já limpos de Lidda. Queria que os seus fossem juntos aos dela antes de serem enterrados. Estremeceu novamente, depois acenou com a mão para evitar a expressão de preocupação de Saban. A pedra mais comprida perguntou algum tempo depois é estreita?

 

Saban encontrou uma acendalha sobre um monte a um canto da cabana e meteu-a na mão de Galeth.

 

É assim.

 

Galeth apalpou o bocado de madeira comprido e estreito.

 

Sabes o que deverias fazer?

 

Diz-me.

 

Põe-na de lado no buraco aconselhou o velho e mostrou o que queria dizer dobrando o fino bocado de madeira. Uma pedra comprida e lisa pode partir-se em duas ao tentares erguê-la explicou. Voltou o bocado de madeira de lado e nenhuma pressão lateral poderia dobrá-la ou quebrá-la, porém, quando a dobrou de frente partiu-se facilmente. Mete-a de lado no buraco disse de novo, deitando fora os paus.

 

Assim farei prometeu Saban.

 

E levas o meu corpo para a casa dos mortos. Promete!

 

Levo-te, tio prometeu Saban pela segunda vez.

 

Agora vou dormir disse Galeth e Saban saiu, deixando a cabana e indo ter com Camaban para lhe dizer que o tio estava doente. Este prometeu levar-lhe uma infusão de ervas, mas quando Saban voltou à cabana não conseguiu acordar o velho. Galeth deitara-se de costas, com a boca aberta, mas os pêlos do bigode não se moviam, pois não havia respiração. Saban tocou delicadamente na face de Galeth e os olhos do cego abriram-se, mas neles não havia vida. Morrera tão suavemente como o cair de uma pena.

 

As mulheres da tribo lavaram o corpo de Galeth e Saban colocou-o numa padiola feita de madeira de salgueiro. Na manhã seguinte as mulheres encomendaram o corpo à entrada da aldeia, antes de Mereth e Saban o transportarem para a casa dos mortos. Haragg caminhava à frente do cadáver, enquanto um jovem sacerdote seguia atrás, entoando um lamento numa flauta de osso. O corpo estava coberto com uma pele de boi na qual Saban colocara hera. Camaban não apareceu e os únicos acompanhantes, para além destes, foram os dois filhos mais novos de Galeth, meios-irmãos de Mereth.

 

A casa dos mortos ficava a sul de Ratharryn, não muito longe do Templo do Sol, escondida por um bosque de faias e avelaneiras. A casa dos mortos era, só por si, um templo dedicado aos antepassados, embora nunca fosse usado para preces, ou para danças de bois ou casamentos. Era para os mortos, de modo que era abandonado sem ser cuidado ou cortarem-lhe os arbustos. Cheirava mal, principalmente no pino do Verão, e logo que o fedor chegou ao nariz do grupo que acompanhava o funeral, o jovem sacerdote apressou-se a caminhar em frente para dispersar os espíritos que se juntavam no templo. Chegou à entrada do Sol e gritou em direcção às almas invisíveis. Os corvos responderam-lhe com um piar rouco e depois, relutantes, abriram as asas e voaram para as árvores mais próximas, embora as aves mais afoitas se instalassem nos restos do anel de curtos postes de madeira que ficava dentro da baixa barreira do templo. Por entre as urtigas do fosso, uma raposa espreitou os homens que se aproximavam e correu em direcção às árvores.

 

Agora está em segurança afirmou o jovem sacerdote.

 

Mereth e Saban fizeram Galeth atravessar a entrada que ficava diante do nascer do Sol no Solstício de Inverno e abriram caminho através das estacas dos pequenos espíritos, que estavam espalhadas por todo o templo. Haragg descobriu um espaço vazio e foi aí que os dois homens pousaram a padiola. Mereth puxou a pesada pele de boi de cima do corpo nu, depois ele e Saban atiraram Galeth para a erva malcheirosa que crescia espessa por entre os mortos. O velho ficou de lado, de boca aberta e Saban puxou-lhe o ombro rígido para que o tio ficasse a olhar para o céu nublado. Perto encontrava-se uma escrava de Camaban que tinha morrido apenas dois dias antes; o seu ventre grávido tinha sido já aberto pelos animais e o rosto picado pelos corvos. Na casa dos mortos encontrava-se cerca de uma dúzia de outros corpos, dois deles já quase reduzidos a esqueletos. Um tinha ervas daninhas a crescer-lhe por entre as costelas e o jovem sacerdote inclinou-se para averiguar se tinha chegado a altura de os retirar. Os espíritos dos mortos mantinham-se naquele triste local até a carne ter desaparecido e só nessa altura se erguiam ao céu para se juntar aos antepassados.

 

Os filhos mais novos de Galeth tinham trazido uma estaca afiada e uma marreta de pedra que entregaram a Mereth. Este acocorou-se junto ao cadáver do pai e martelou a estaca do espírito na turfa até esta ter batido no fundo de rocha, depois deu-lhe mais três pancadas para avisar Lahanna que outra alma tinha passado ao seu domínio. Saban fechou os olhos e limpou uma lágrima.

 

O que é isto? perguntou Haragg. Saban voltou-se e viu o sumo sacerdote franzindo a testa, apontando para a turfa junto a um cadáver já em decomposição. Saban passou o pé por cima do corpo para ver que uma forma de losango tinha sido desenhada na erva amarelada. É o símbolo de Lahanna disse Haragg espantado.

 

Tem alguma importância? perguntou Saban.

 

Não é o templo dela respondeu e depois apagou o símbolo com o pé, fazendo desaparecer da turfa a forma do losango. Talvez seja apenas uma brincadeira de crianças disse. Vêm para aqui?

 

Não deveriam disse Saban mas fazem-no. Eu fazia-o.

 

Brincadeira de crianças. Haragg esqueceu o losango. Terminámos?

 

Terminámos respondeu Saban.

 

Mereth olhou uma última vez para o pai, depois saiu do templo e atirou a hera que tinha coberto o corpo para dentro da funda cova que levava à mansão de Lahanna. E ele e os meios-irmãos caminharam entre as avelaneiras e as faias, até que Mereth reparou que Saban se mantinha ainda junto ao corpo.

 

Não vens? gritou.

 

Quero dizer aqui uma prece respondeu Saban. Sozinho. Assim, Mereth e os outros partiram, enquanto Saban ficou entre o mau cheiro. Sabia quem tinha desenhado a forma do losango no solo sujo da casa dos mortos, de modo que ficou junto ao pálido cadáver do tio até ouvir um restolhar nas árvores.

 

Derrewyn disse então, voltando-se na direcção do ruído, surpreendendo-se pela ansiedade da sua voz.

 

Derrewyn surpreendeu-o também ao sorrir enquanto saía das árvores e espantou-o ainda mais porque depois dele ter atravessado a barreira baixa e o fosso, colocou-lhe as mãos nos ombros e beijou-o.

 

Pareces mais velho.

 

Estou mais velho respondeu Saban.

 

Cabelos brancos. Tocou-lhe nas têmporas. Estava tristemente magra e tinha o cabelo emaranhado e sujo. Vivia como uma proscrita, atormentada de bosque em bosque, coberta por peles sujas de lama e folhas mortas. Tinha a pele muito esticada sobre as maçãs do rosto, fazendo lembrar a Saban a caveira de Sannas. Pareço-te mais velha? perguntou.

 

Tão bela como sempre respondeu Saban. Ela sorriu.

 

Mentes disse delicadamente.

 

Não deverias aqui estar aconselhou-a Saban. Os lanceiros de Camaban andam à tua procura. Os rumores da sobrevivência de Derrewyn nunca tinham desaparecido e Camaban enviava dezenas de guerreiros e de cães para percorrerem as florestas.

 

Eu vejo-os disse Derrewyn com ar de desprezo. Lanceiros desajeitados que andam no meio das árvores, seguindo os cães, mas nenhum desses animais consegue ver o meu espírito. Sabes que Camaban me enviou um mensageiro?

 

Ah, sim? Saban estava surpreendido.

 

Colocou um escravo na floresta transportando na cabeça as suas palavras.

 

Vem para Ratharryn disse. Ajoelha-te diante de mim e deixo-te viver e adorar Lahanna. Derrewyn riu ao lembrar-se. Enviei o escravo de volta para Ratharryn. Ou antes, deixei-lhe a cabeça na barreira de Ratharryn com a língua cortada. O resto dei aos cães. Ainda tens o losango?

 

Claro. Saban tocou na bolsa que continha o fragmento de ouro de Sarmennyn.

 

Guarda-o bem disse Derrewyn, depois encaminhou-se para o fosso da casa dos mortos e olhou para os corpos. Ouvi dizer que a tua esposa se tinha transformado em deusa disse por cima do ombro.

 

Ela nunca afirmou tal coisa garantiu Saban.

 

Mas não se deita contigo.

 

Andaste todo esse caminho para mo dizeres? perguntou Saban, ofendido.

 

Derrewyn riu-se.

 

Não sabes de onde eu vim. Tal como não sabes que a tua mulher se deita com Camaban.

 

Não é verdade! vociferou Saban, zangado.

 

Ah, não? perguntou Derrewyn, voltando-se. Porém os homens dizem que Camaban é Slaol e as mulheres afirmam que Aurenna é Lahanna. Achas que não os hás-de unir com as tuas pedras? Um casamento sagrado? Talvez andem a ensaiar o noivado, Saban.

 

Saban tocou nas partes baixas para evitar o mal.

 

Estás a contar-me histórias disse amargamente. Sempre contaste histórias.

 

Derrewyn encolheu os ombros.

 

Se assim quiseres, Saban. Viu que o tinha perturbado, de modo que se aproximou dele e tocou-lhe ao de leve na mão. Não vou discutir contigo disse humildemente. Ainda por cima num dia em que te vim implorar um favor.

 

Não é verdade aquilo que disseste!

 

Eu conto histórias disse Derrewyn humildemente. Desculpa. Saban respirou fundo.

 

Um favor? perguntou cauteloso.

 

Derrewyn fez um gesto abrupto em direcção às árvores e Saban teve a impressão de que havia seis ou sete pessoas à sombra das faias, mas apenas duas saíram de lá. Uma era uma mulher alta de cabelo claro, com uma túnica de pele de veado rasgada, meia coberta com uma capa de pele de carneiro, enquanto que a outra era uma criança, talvez da idade de Lallic ou um ano mais nova. Era uma menina de cabelo escuro, com olhos enormes e rosto assustado. Olhava para Saban, mas agarrava-se com força à mão da mulher e tentava esconder-se debaixo da capa de pele de carneiro.

 

As florestas não são lugares para crianças disse Derrewyn. Vivemos com dificuldade, Saban. Roubamos e matamos para obter alimentos, bebemos dos regatos e dormimos onde encontramos segurança. A criança tem estado enfraquecida. Tínhamos uma outra connosco mas morreu no Inverno passado e temo que aconteça o mesmo a esta, se continuar aqui.

 

Queres que eu crie uma criança? perguntou Saban.

 

Kilda encarrega-se dela disse Derrewyn, apontando a mulher alta.

 

Kilda era uma das escravas do meu irmão e conhece Merrel desde que nasceu. O que quero de ti é que arranjes um local seguro para Kilda e Merrel.

 

Saban olhou para a criança, embora mal lhe visse o rosto, já que este estava escondido na capa da escrava.

 

É a tua filha disse para Derrewyn.

 

É a minha filha admitiu ela. Camaban nunca deverá saber que ela está viva, de modo que a partir de hoje terá outro nome. Ouviste? E tira o dedo da boca! A criança arrancou abruptamente a mão do rosto e olhou para Derrewyn com ar solene. Esta inclinou-se ficando com o rosto junto ao da criança. O teu nome será Hanna, porque és filha de Lahanna. Quem és?

 

Hanna disse a menina com voz tímida.

 

Kilda é a tua mãe e vais viver para uma cabana decente, Hanna, terás roupa, comida e amigos. Um dia virei buscar-te. Derrewyn endireitou-se.

 

Fazes isso por mim, Saban?

 

Saban acenou afirmativamente. Não sabia como explicar a chegada de Kilda ou de Hanna, mas não se importava. Sentia-se só e o trabalho no templo parecia infindável; tinha saudades da filha, de modo que a de Derrewyn seria bem recebida.

Derrewyn curvou-se e abraçou a menina. Manteve o abraço durante muito tempo, depois ergueu-se, fungou e voltou para as árvores.

 

Saban ficou com Kilda e a criança. A pele de Kilda estava suja e o cabelo era um emaranhado gorduroso, mas tinha um rosto largo, de ossos fortes e ar de desafio.

 

Vem resmungou.

 

Que vais fazer connosco? perguntou Kilda.

 

Vou arranjar um sítio para viverdes respondeu Saban conduzindo as duas para fora do bosque, em direcção à colina. Do outro lado do vale via o Templo do Céu onde os escravos cavavam, martelavam e raspavam as inflexíveis pedras. Mais perto, a oriente do atalho sagrado, havia um grupo de cabanas de escravos de onde se erguiam espirais de fumo.

 

Vais fingir que somos escravas? perguntou Kilda.

 

Toda a gente sabe que não sois minhas parentas disse Saban. E como não pertenceis à tribo, de que outro modo poderíeis estar em Ratharryn? Claro que sereis escravas.

 

Mas se formos escravas disse Kilda os teus lanceiros quererão usar-nos.

 

Os nossos escravos estão sob a protecção dos sacerdotes disse Saban. Estamos a construir um templo e, quando estiver terminado, libertaremos os escravos. Mas não há chicotes, nem lanceiros a vigiar o trabalho.

 

E os teus escravos não fogem? perguntou Kilda.

 

Alguns sim admitiu Saban. Mas a maioria trabalha de boa vontade. Essa fora a proeza de Haragg. Falara com os escravos, entusiasmara-os

 

com a promessa do templo e, embora alguns tivessem desaparecido nas florestas, a maior parte queria ver o santuário construído. Quando este estivesse terminado seriam livres, de ficar ou partir, livres de gozar as bênçãos de Slaol. Governavam-se a si próprios e não tinham qualquer sinal de escravatura, como o dedo cortado de Saban.

 

E à noite? perguntou Kilda. Nas cabanas dos escravos. Achas que uma mulher e uma criança estarão a salvo?

 

Saban sabia que havia apenas uma maneira de ter Hanna em segurança.

 

Viverão ambas na minha cabana disse. Direi que sois minhas escravas. Vinde.

 

Fê-las descer o vale que cheirava muito mal, pois era aí que os escravos cavavam os seus poços de esterco e, depois subiram o anel de greda, onde a atmosfera era ruidosa devido ao martelar da pedra.

 

Conduziu Kilda e Hanna para a sua cabana e naquela noite ouviu a escrava orar a Lahanna. Orava como costumava fazer em Cathallo: que Lahanna protegesse os seus fiéis do desprezo de Slaol e do flagelo de Ratharryn. Se Camaban ouvisse aquela prece, então Kilda e Hanna seguramente seriam mortas. Pensou em protestar com Kilda, exigindo que ela alterasse as suas preces, mas calculou que os deuses seriam suficientemente poderosos para escolher uma prece de outra sem a sua ajuda.

 

No dia seguinte Camaban foi ao templo e quis saber quando Saban transportaria as pedras mais compridas de Cathallo.

 

Em breve disse Saban.

 

Quem é aquela? Camaban vira Kilda à entrada da cabana de Saban.

 

A minha escrava respondeu este brevemente.

 

Tem ar de quem foi encontrada na floresta afirmou Camaban mordaz, pois Kilda estava ainda suja, com o longo cabelo em desalinho. Mas onde quer que a tenhas encontrado, irmão, leva-a para Cathallo e traz-me as pedras grandes.

 

Saban não queria levar Kilda para Cathallo. Certamente seria reconhecida aí e poria em risco a vida de Hanna, mas Kilda não queria deixá-lo. Temia Ratharryn e apenas confiava em Saban.

 

Derrewyn disse-me que só estaria segura contigo insistiu.

 

E a segurança de Hanna?

 

Está nas mãos de Lahanna declarou Kilda. Assim, foram os três para Cathallo.


DEVERIAS VIR PARA CATHALLO RESMUNGOU SABAN PARA KiLDA.

Levava Hanna ao colo e a menina agarrava-se-lhe ao pescoço e via o mundo com os olhos muito abertos. Vais ser reconhecida e a criança morrerá. Kilda cuspiu para os arbustos. Parara num regato, onde lavara o rosto e passara água no cabelo, que depois atou na nuca. Tinha um rosto ossudo com enormes olhos azuis e um nariz comprido. Saban pensou, com alguns remorsos, que se tratava de uma mulher muito bela.

 

Achas que serei reconhecida? perguntou Kilda em tom de desafio. Tens razão, serei, mas o que importa isso? Pensas que o povo de Cathallo nos vai trair? Que sabes tu de Cathallo, Saban? Consegues ler-lhe o coração? O povo de Cathallo deseja a volta dos velhos tempos, de Derrewyn, de quando Lahanna era adorada como devia ser. Dar-nos-ão as boas-vindas, mas manter-se-ão em silêncio. A menina está tão segura em Cathallo como nos braços da própria Lahanna.

 

Tens essa esperança disse Saban amargamente. Mas não tens a certeza.

 

Estivemos muitas vezes em Cathallo retorquiu Kilda. O teu irmão procurou-nos nos bosques, mas algumas noites chegámos a dormir na aldeia e ninguém nos traiu. Sabemos o que se passa em Cathallo. Uma noite mostro-te.

 

Mostras-me o quê?

 

Espera disse ela concisamente.

 

Aurenna recebeu-os delicadamente. Lançou a Kilda um olhar desconfiado, acariciou Hanna e mandou preparar uma cabana para Saban.

 

A tua mulher fica lá também? perguntou.

 

É minha escrava, não minha mulher.

 

E a criança?

 

É dela disse Saban, sem mais explicações. A mulher cozinha para mim enquanto eu trabalho aqui. Daqui a uns dias precisarei de alguns homens, mas poucos, depois de mais.

 

Depois das colheitas podes ficar com todos disse Aurenna.

 

Por agora bastam-me vinte disse Saban.

 

Decidira deslocar a pedra maior em primeiro lugar. Se a enorme rocha presa à terra podia ser removida, então as outras seriam ainda mais fáceis.

 

De modo que reuniu vinte homens e mandou-os cavar a terra à volta do bloco. Os homens trabalharam de boa vontade, embora se recusassem acreditar que tal pedra pudesse ser erguida. Porém, Galeth dissera a Saban o que deveria fazer e este tornou a tarefa mas fácil martelando, raspando e queimando a pedra enorme, para reduzir a sua largura e assim diminuir o peso. Levou uma lua inteira e quando o trabalho ficou pronto, o enorme bloco começou a parecer-se com o alto pilar que estava destinado a ser.

 

Leir gostava de ir ver a pedra a ser martelada e Saban recebia bem o filho, pois vira muito pouco o rapaz nos últimos anos. Enquanto os homens trabalhavam grosseiramente a pedra, as crianças de Cathallo subiam para cima dela, disputando um lugar na sua longa superfície. Usavam aguilhões de boi como lanças, tornando-se por vezes violentas as batalhas a fingir; Saban reparou satisfeito que Leir não se queixara ao ser picado num braço, com tanta força que o sangue lhe escorria por entre os dedos. Leir riu-se da ferida pegou na lança de brinquedo e foi atrás do rapaz que o tinha atacado.

 

Uma vez aliviado o peso da pedra escavaram duas trincheiras ao longo dos lados. Levaram seis dias e mais dois para trazer da aldeia os patins do trenó já secos. Os enormes patins foram colocados nas trincheiras e a seguir, usando duas dúzias de homens e alavancas até que as pontas exteriores tivessem de ser puxadas para baixo com as cordas de pele. Saban ergueu uma ponta da enorme pedra, de modo à tábua poder ser colocada debaixo dela. Erguer essa extremidade, levou um dia inteiro, sendo necessário passar outro a levantar a parte de trás da pedra e a meter mais três tábuas por baixo dela. Saban atou as tábuas aos patins, depois cavou uma rampa longa e suave, para a subir da sua cama de greda.

 

Tinha agora de esperar, pois era a época das colheitas e todo o povo de Cathallo estava ocupado nos campos ou nas eiras, mas esses dias deram a Saban a possibilidade de passar algum tempo com Leir. Ensinou o rapaz a construir um arco, a castrar um vitelo e a apanhar peixe no rio. Pouco viu a filha. Lallic era uma criança nervosa, com medo de aranhas, traças e cães e sempre que Saban aparecia escondia-se atrás da mãe.

 

É frágil dizia Aurenna.

 

Está doente? perguntava Saban.

 

Não, é só delicada. Frágil. Aurenna dava pancadinhas amorosas em Lallic. A menina parecia de facto frágil a Saban, mas era também muito bela. Tinha a pele muito clara, pestanas louras muito compridas e delicadas e o cabelo tão brilhante como o da mãe. Foi escolhida acrescentava Aurenna.

 

Escolhida para quê? perguntava Saban.

 

Ela e Leir vão ser os guardiães do novo templo respondeu orgulhosamente Aurenna. Ele será sacerdote e ela sacerdotisa. Estão já dedicados a Slaol e Lahanna.

Saban pensou no entusiasmo do filho pelos jogos de guerra que as crianças executavam à volta da pedra.

 

Creio que Leir preferia ser guerreiro.

 

Tu é que lhe dás ideias disse Aurenna em tom de reprovação. Mas Lahanna escolheu-o.

 

Lahanna? Não foi Slaol?

 

É Lahanna que governa aqui respondeu Aurenna. A verdadeira Lahanna, não a falsa deusa que dantes adoravam.

 

Quando terminou a colheita o povo de Cathallo foi dançar ao seu templo, passando por entre as pedras para deixar oferendas de cevada, aveia e fruta dentro do anel de pedras. Nessa noite houve uma festa na aldeia e Saban ficou intrigado ao ver que os seus dois filhos e todos os órfãos que viviam com Aurenna lá se encontravam, mas que esta permanecera no templo. Lallic sentia a falta da mãe e quando Saban a acariciou pareceu ficar com vontade de chorar. Havia uma fogueira a arder no templo e o seu brilho acentuava o cimo da barreira, coberto de caveiras. Porém, quando Saban se dirigiu para lá foi impedido por um sacerdote.

 

Esta noite há uma maldição.

 

Esta noite?

 

Só esta noite. O sacerdote encolheu os ombros e conduziu-o de volta para a festa. Os deuses não te querem ali disse.

 

Kilda viu que Saban voltava e, deixando Hanna com outra mulher, veio pegar-lhe num braço.

 

Disse que te mostrava afirmou.

 

Que me mostravas o quê?

 

O que eu e Derrewyn vimos. Puxou-o para as sombras e afastou-o da aldeia em direcção ao norte. Eu disse-te que ninguém nos trairia.

 

Mas foste reconhecida?

 

Claro.

 

E Hanna? O povo sabe quem ela é?

 

Provavelmente disse Kilda em tom descuidado. Mas cresceu muito desde que aqui esteve e eu digo a toda a gente que é minha filha. Fingem acreditar. Saltou o fosso e voltou para oriente. Ninguém trairá Hanna.

 

Tu não és de Cathallo? perguntou Saban. Ainda sabia muito pouco a respeito de Kilda, mas a sua voz denunciava que tinha aprendido a língua já tarde. Sabia que ela pouco mais tinha do que vinte e dois Verões, mas de resto era-lhe completamente estranha.

 

Fui vendida como escrava quando era pequena respondeu. O meu povo vive junto ao mar oriental. Aí a vida é dura e as filhas são mais valiosas se forem vendidas. Adoramos o deus do mar, Crommadh, e é ele que as escolhe.

 

Como?

 

Levavam-nos para as terras de lama e faziam-nos correr quando a maré subia. As mais velozes eram guardadas para casar e as mais lentas vendidas. Estremeceu. As muito lentas eram afogadas.

 

Foste lenta?

 

Fui-o deliberadamente disse ela decidida. O meu pai queria usar-me à noite. Quis fugir dele.

 

Dirigiu-se depois para sul, aproximando-se do templo. Nenhum sacerdote ou guarda tinha assistido às suas voltas nos campos e havia apenas uma tira de luar a iluminar a erva.

 

Agora está calado preveniu Kilda. Se nos virem matam-nos.

 

Quem?

 

Silêncio acautelou-o. Em seguida subiram os dois a íngreme encosta de greda da barreira sob o olhar sinistro das caveiras dos lobos. Kilda chegou primeiro ao cimo e deitou-se no chão. Saban deixou-se cair ao lado dela.

 

A princípio nada viu no enorme templo. A grande fogueira ardia junto à cabana de Aurenna e as chamas violentas enviavam as trémulas sombras dos blocos de pedra para além do fosso negro, até à barreira de greda interior. A coluna de fumo da fogueira erguia-se às estrelas com a parte inferior colorida de vermelho pelos lumes da aldeia.

 

O teu irmão chegou esta tarde a Cathallo murmurou Kilda ao ouvido de Saban e depois apontou para o outro lado do templo, onde Saban viu uma sombra negra separar-se de um bloco de pedra.

 

Sabia que se tratava de Camaban, pois mesmo àquela distância e apesar do homem estar envolvido numa capa de boi dançarino, percebia-se o seu ligeiro coxear. A enorme pele caía-lhe dos ombros, a cabeça do boi pendia-lhe para o rosto, enquanto os cascos e a cauda do animal morto caíam ou arrastavam-se pelo chão. O homem-boi executou a coxear uma dança desajeitada, saltando de um lado para o outro, detendo-se, continuando, espreitando à volta. Depois gritou e Saban reconheceu-lhe a voz.

 

Na tua tribo, o boi representa Slaol, não é verdade? murmurou Kilda.

 

Sim.

 

Então estaremos a ver Slaol disse Kilda em tom irónico. Depois Saban viu Aurenna. Ou antes, avistou uma figura cintilante que

 

saía das sombras da cabana e corria agilmente pelo templo. À sua volta esvoaçavam fragmentos brancos.

 

Penas de cisne disse Kilda e Saban apercebeu-se de que a esposa usava uma capa como a de penas de gaio, mas com penas de cisne. Parecia brilhar, tornando-a etérea. Dançou, afastando-se de Camaban, que rugia numa fúria fingida e depois correu para ela. Ela escapou-se-lhe com facilidade, correndo pela margem do templo.

 

Saban sabia como terminaria a dança e escondeu a cabeça nos braços. Queria lançar-se pela barreira e matar o irmão, mas Kilda colocou-lhe a mão nas costas.

 

É o sonho deles disse simplesmente. O sonho que conduz o templo que estás a construir.

 

Não declarou Saban.

 

O templo serve para reunir Slaol e Lahanna disse ela sem remorsos. Devem mostrar o caminho aos deuses. Lahanna tem de aprender os seus deveres.

 

Saban olhou e viu que Camaban abandonara a perseguição e se encontrava agora junto à colheita empilhada no anel de pedras. Aurenna olhava-o, por vezes escapando-se para o lado, depois aproximando-se timidamente antes de saltar de novo, caprichosa; porém os seus passos errantes aproximavam-na sempre do boi monstruoso.

 

Saban percebia que era aquele o sonho, porém sentia-se invadido pela ira. Pensou que se agora matasse Camaban, então o sonho morreria, pois apenas ele tinha energia para construir o templo. E o templo reuniria Slaol e Lahanna. Terminaria o Inverno, acabaria com os desgostos deste mundo.

 

Derrewyn disse-te que me trouxesses aqui? perguntou a Kilda. Para que eu matasse o meu irmão?

 

Não. Parecia surpreendida por ele ter perguntado. Trouxe-te para veres o sonho do teu irmão.

 

E o da minha esposa disse amargamente.

 

É tua esposa? perguntou Kilda em tom de desprezo. Disseram-me que tinha cortado o cabelo como as viúvas.

 

Saban olhou de novo para o templo. Aurenna estava agora junto a Camaban, parecendo porém relutante em unir-se-lhe; recuou rapidamente alguns passos, dançando depois para o lado, com suavidade e graça. Depois, lentamente, caiu de joelhos e a figura escura do boi avançou. Saban fechou os olhos, sabendo que Aurenna se rendia ao irmão, tal como Lahanna deveria fazer com Slaol, quando o templo estivesse terminado. Quando abriu de novo os olhos viu que a capa de penas tinha sido retirada e o corpo de Aurenna ficou nu, esguio e branco à luz da fogueira. Saban enfureceu-se, mas Kilda manteve-o firmemente com a mão.

 

Estão a fingir que são deuses disse.

 

Se os matasse disse Saban não haveria templo. Não era isso que Derrewyn queria?

 

Kilda abanou a cabeça.

 

Derrewyn acredita que os deuses usarão o seu templo conforme lhe aprouver e não como quer o teu irmão. O que Derrewyn quer de ti é a vida da filha. Foi por isso que te entregou Hanna. Se os matasses agora, não haveria vingança? Conseguirias sobreviver? E os teus filhos? E Hanna? O povo pensa que são deuses. Acenou com a cabeça em direcção ao templo, mas agora, Saban via apenas a forma corcovada da pele do boi e sob ela sabia que a esposa e o irmão acasalavam. Fechou os olhos e estremeceu, mas depois Kilda tomou-o nos seus braços e estreitou-o contra si.

 

Derrewyn falou com Lahanna murmurou ela e agora o que tens de fazer é criar Hanna. Rolou sobre ele, segurando-o com o seu corpo, e quando ele abriu os olhos viu que ela sorria e que era muito bela.

 

Não tenho esposa disse. Ela beijou-o.

 

Estás a fazer o trabalho de Lahanna disse em voz baixa. E foi por isso que Derrewyn me enviou.

 

Na manhã seguinte apenas havia cinzas no templo, mas a colheita estava feita e o trabalho das pedras mais compridas poderia finalmente ser retomado.

 

Tinham construído o trenó debaixo da pedra maior, a rampa estava terminada, as cordas de pele estendidas sobre a relva e juntava-se agora na colina o maior grupo de bois que Saban já vira. Tinha cem animais; nem ele nem qualquer boieiro tinham alguma vez conseguido uma manada tão numerosa e, a princípio, quando os tentaram ligar à pedra, os animais emaranharam-se uns nos outros. Levaram três dias para aprender como haveriam de ligar as cordas a troncos de árvores, dos quais saíam outras cordas para prender os bois.

 

Camaban saíra de Cathallo tão secretamente como chegara, deixando Saban numa confusão de raiva e alegria. Raiva porque Aurenna era sua esposa; alegria porque Kilda se tornara sua amante e não falava com os deuses, não o aconselhava em relação ao seu comportamento, amando-o com uma feroz rectidão que lhe aliviava os anos de abandono. Porém essa alegria não vencia a raiva que havia em Saban e sentiu-a ao ver Aurenna subir ao monte para ver a comprida pedra ser arrastada do seu local. Trazia a sua capa de penas de gaio, de modo que reluzia a branco e azul, levando Lallic pela mão. Saban virou-lhe as costas e não a saudou. Leir estava junto a ele, empunhando o aguilhão de um boi, olhando para Kilda e Hanna, que transportavam ambas trouxas.

 

Vais voltar para Ratharryn? perguntou ao pai.

 

Vou acompanhar a pedra disse Saban. Não sei quanto tempo levará, mas sim, vou voltar para Ratharryn. Juntou as mãos. Façam-nos avançar! gritou para os boieiros e uma dezena de homens e rapazes picaram os animais, que seguiram em frente até que as correias ficaram todas retesadas.

 

Não quero ser sacerdote! exclamou Leir. Quero ser um homem. Saban levou uns instantes a compreender o que o rapaz tinha dito. Tinha-se concentrado nas cordas de couro, vendo-as esticarem-se e perguntando a si próprio se seriam suficientemente fortes.

 

Não queres ser sacerdote? perguntou.

 

Quero ser guerreiro. Saban juntou as mãos. Agora! gritou. Para a frente! Os aguilhões picaram os animais, o sangue dos bois corria, enquanto estes se esforçavam por apoiar as patas na turfa e as cordas estremeciam de tensão.

 

Vá! gritava Saban. Vá! As cabeças dos bois baixavam-se e de súbito o trenó deu um ruidoso solavanco. Saban temeu que as cordas se partissem, mas afinal a pedra movia-se. Movia-se! O enorme bloco saía das garras da terra e o povo, que assistia, aclamou-os.

 

Não quero ser sacerdote disse de novo Leir, com tristeza na sua voz baixa.

 

Queres ser guerreiro afirmou Saban. O trenó subia agora a rampa, deixando um traço de greda esmagada atrás dos enormes patins.

 

Mas a minha mãe diz que não vou fazer as provas, porque não é necessário. Leir levantou os olhos para o pai. Ela diz que tenho de ser sacerdote. Lahanna ordenou-o.

 

Todos os rapazes devem fazer as provas declarou Saban. O trenó tinha agora chegado à turfa e deslizava firmemente através de esterco de boi

 

e erva.

 

Saban seguiu-o e Leir correu atrás, com lágrimas nos olhos.

 

Quero passar as provas! gemeu.

 

Então vem para Ratharryn ordenou Saban. Podes fazê-las lá. Leir olhou para o pai.

 

Posso? perguntou com a voz incrédula.

 

Queres mesmo?

 

Sim!

 

Então fá-las-ás declarou Saban, erguendo o filho encantado e colocando-o sobre a pedra para que Leir conduzisse o bloco que se deslocava.’

 

Saban levou o desajeitado trenó para norte, rodeando o santuário de Cathallo, porque a manada era demasiado grande para atravessar os intervalos da barreira do templo. Aurenna seguia ao lado, acompanhada pela multidão e quando o bloco de pedra passou junto do templo ordenou a Leir que saltasse do trenó e a seguisse até casa. Leir olhou para ela, mas ficou teimosamente onde estava.

 

Leir! gritou Aurenna zangada.

 

Leir vai comigo disse Saban. Vai para Ratharryn. Viverá lá ao pé de mim.

 

Aurenna pareceu surpreendida, mas depois o espanto transformou-se em fúria.

 

Vai viver contigo? A sua voz tinha um tom ameaçador.

 

Vai aprender o que eu aprendi quando era pequeno disse Saban.

 

Vai aprender a usar o machado, a enxó e a sovela. Vai aprender a construir um arco, a matar um veado e a manejar uma lança. Vai tornar-se um homem.

 

Os bois mugiam e o ar fedia a esterco e sangue. A pedra deslocava-se a menos do passo de um homem, mas avançava.

 

Leir! gritou Aurenna. Vem cá!

 

Fica onde estás exclamou Saban para o filho e apressou-se a seguir o passo do trenó.

 

Ele vai ser sacerdote gritou Aurenna. Correu atrás de Saban, com as penas de gaio a esvoaçar da capa.

 

Primeiro vai tornar-se um homem declarou Saban. Se depois de ser homem, desejar ser sacerdote, que o seja. Mas o meu filho será um homem antes e sacerdote depois.

 

Não pode ir contigo! gritou Aurenna. Saban nunca a tinha visto tão zangada, nem tinha alguma vez percebido que houvesse dentro dela uma emoção tão feroz; porém ela gritava com o cabelo despenteado e o rosto contorcido. Como pode viver contigo? Metes uma escrava na tua cama! Apontou Kilda e Hanna que seguiam o trenó juntamente com o povo de Cathallo, que ouvia avidamente a discussão. Leir continuava sobre a pedra de onde olhava para os pais, enquanto Lallic escondia o rostinho nas saias de Aurenna. Manténs uma escrava prostituta e a sua bastarda! vociferava Aurenna.

 

Pelo menos não me cubro com uma pele de boi para acasalar com ela! disse rispidamente Saban. É minha prostituta, não de Slaol!

 

Aurenna deteve-se e a fúria do seu rosto transformou-se numa ira gelada. Ergueu a mão para bater em Saban, mas este pegou-lhe no pulso.

 

Saíste da minha cama, mulher, porque, segundo afirmavas, um homem assustaria Lahanna. Nessa altura fiz o que tu querias, mas não vou deixar que negues a virilidade ao meu filho. É meu filho e será um homem!

 

Será sacerdote! Aurenna tinha agora lágrimas nos olhos. Lahanna exige-o!

 

Saban percebeu que a estava a magoar, de modo que lhe largou o pulso.

 

Se a deusa quiser que ele seja sacerdote, então sê-lo-á disse. Mas primeiro será um homem. Voltou-se para os boieiros que tinham abandonado os animais para assistir à confrontação. Atenção às cordas! gritou. Não os deixem abrandar. Leir! Desce e usa o aguilhão! Trabalha!

 

Afastou-se de Aurenna, que ficou imóvel a chorar. Saban tremia, quase temendo uma maldição terrível, mas Aurenna limitou-se a voltar as costas e levar Lallic para casa.

 

Vai querer vingar-se avisou-o Kilda.

 

Vai tentar recuperar o filho e mais nada. Mas ele não irá, não irá. Levaram vinte e três dias a deslocar a comprida pedra até Ratharryn e

 

Saban acompanhou o enorme trenó durante a maior parte da viagem; porém,

quando estava a um ou dois dias do Templo do Céu, apressou-se a avançar com Kilda, Hanna e Leir sabendo que a entrada do santuário precisaria de ser alargada para que a pedra passasse por ela. O fosso teria de ser cheio, retiradas as pedras do portal, e queria as duas tarefas executadas antes da chegada do comprido bloco.

 

A pedra chegou dois dias mais tarde e Saban mandou quarenta escravos esculpirem-na, para a transformarem num pilar. Podia ter sido rudemente alisada em Cathallo, mas agora necessitava ficar macia, polida e afunilada. Outros doze escravos começaram a fazer o buraco para a pedra, escavando a greda por baixo do solo.

 

Saban não desceu à aldeia e Camaban não foi ao templo nos primeiros dias após a chegada da enorme pedra, mas Saban sentia no ar o cheiro de dissabores, como se fosse o fedor do poço de um curtidor. As pessoas que vinham da aldeia evitavam Saban, ou disfarçavam a conversa, parecendo não reparar que Leir vivia agora com o pai. Os escravos trabalhavam, Saban fingia que não existia qualquer perigo e a pedra ficava mais pequena e com uma forma macia.

 

Chegaram as primeiras geadas. O céu parecia branco e descorado até que, por fim, Camaban foi ao templo. Chegou com uma dezena de lanceiros, todos eles vestidos para combater e conduzidos por Vakkal, com as armas enfeitadas com os escalpes dos homens que tinham morto na batalha de Cathallo.

 

Camaban vinha envolvido na capa de urso do pai e usava uma espada de bronze à cintura. Tinha o cabelo todo emaranhado e empeçado, cheio de ossos de crianças, que também lhe pendiam da barba, agora com uma risca branca de texugo. Fez sinal aos seus lanceiros que o esperassem à entrada do templo e coxeou em direcção a Saban. Um único sacerdote jovem veio com ele, empunhando o pau de caveira.

 

Fez-se silêncio enquanto Camaban atravessava o caminho da entrada entre os dois pilares, derrubados de modo a permitir a entrada no círculo das pedras mais compridas. Vinha com ar zangado. Os escravos junto a Saban recuaram, deixando-o só, junto à pedra-mãe, onde Camaban se deteve para olhar à volta do templo com o sacerdote do pau de caveira dois passos atrás de si.

 

Não ergueste ainda nenhuma pedra. Falava para Saban em voz baixa, mas de testa franzida. Porque não foi ainda erguida nenhuma pedra?

 

Primeiro tem de se lhes dar forma.

 

Estas já estão disse Camaban apontando a clava para alguns pilares no círculo do céu.

 

Se fossem erguidas explicou Saban impediam a entrada das outras maiores. Essas têm de ser erguidas primeiro.

 

Camaban acenou afirmativamente.

 

Mas onde estão as pedras mais compridas? Falava em tom razoável, como se não tivesse qualquer questão com Saban, mas essa reticência apenas aumentava a ameaça da sua presença.

 

Está aqui a primeira disse Saban, apontando para o monstruoso bloco, que se encontrava no meio de montes de pedra, aparas e pó. Mereth levou o trenó grande de volta para Cathallo e vai trazer outra. Mas aquela apontou para a mais comprida será erguida antes do Solstício de Inverno.

 

Camaban acenou de novo, aparentemente satisfeito. Puxou da espada, dirigiu-se à pedra comprida e começou a afiar a lâmina sobre a borda da rocha.

 

Falei com Aurenna disse em voz ainda calma. E ela contou-me uma estranha história.

 

A respeito de Leir? perguntou Saban, irritado e na defensiva, tentando esconder o seu nervosismo.

 

Falou-me de Leir, claro que sim. Camaban fez uma pausa, tocou no gume da espada, achou-o rombo e começou a raspá-lo de novo na pedra. Fazia um ruído metálico. Concordo contigo a respeito de Leir, irmão continuou olhando para Saban. Deve tornar-se homem. Não o vejo como sacerdote. Não tem sonhos como a irmã. Parece-se mais contigo. Mas não creio que deva viver aqui. Precisa de aprender os costumes dos guerreiros e os trilhos dos caçadores. Pode viver em casa de Gundur.

 

Saban concordou cauteloso. Gundur não era cruel e os filhos cresciam, sendo rapazes honestos.

 

Pode viver na cabana de Gundur concordou.

 

Não, disse Camaban, franzindo a testa devido a uma pequena mossa no gume da espada. A estranha história que Aurenna me contou era a respeito de Derrewyn. Levantou os olhos para Saban. Ainda é viva. Sabias?

 

Como haveria de saber? perguntou Saban.